Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Açai - Página 3  Voltar

Açaí

Nome popular: açaizeiro; açaí-do-pará

Nome científico: Euterpeoleracea Mart.

Família botânica: Palmae

Origem: Brasil - Várzeas e margens dos rios da região amazônica.

Açaí

A palmeira era explorada principalmente para produção de palmito, mas o fruto passou a ser o grande negócio

Várias alternativas surgiram para o aproveitamento integral dessa palmeira nas indústrias alimentícias, de corantes naturais, cosméticos, fármacos, celulose e papel, entre outras. Com a expansão do consumo do fruto do açaí, houve redução do corte para as indústrias processadoras.

A valorização do fruto trouxe benefício econômico para a população regional e ecológico prmovendo a conservação de açaizais.

Fruto

Os frutos são do tipo baga com 1 a 1,5 cm de diâmetro de cor violácea tornando-se quase negros depois de maduros. As áreas de cultivo e de manejo, que apresentam níveis satisfatórios de produtividade, alcançam cerca de 8 toneladas por hectare de frutos por ano.

O açaí possui excelentes propriedades nutricionais e valor calórico.

É rico em proteínas, fibras, lipídeos, vitamina E e minerais, além de apresentar elevado teor de pigmentos antocianinas, recomendados ao controle do colesterol. Favorece a circulação do sangue e melhora as funções intestinais.

Planta

O açaí é uma palmeira do norte do País, conhecida pelos indígenas como "içá-çai" ou a fruta que chora. É freqüente em solos alagados e várzeas. Pode atingir altura de até 25 m, possui caule de 15 a 25 cm de diâmetro e ocorre geralmente formando touceiras.

Devido à sua diversidade, o açaizeiro apresenta grande variação de tipos para os mais diversos caracteres de interesse, como precocidade, produtividade de frutos, rendimento de polpa e época de produção.

Os vários tipos de açaizeiro foram definidos de acordo com a coloração dos frutos, formas da inflorescência e cacho, número de frutos por cacho e diâmetro dos frutos, o que resultou em diversas denominações como açaí -roxo ou preto, açaí -branco, açaí-açu, açaí-espada, açaí-sangue-de-boi, entre outros.

Cultivo

Adaptado às condições elevadas de temperatura, precipitação pluviométrica e umidade relativa do ar, o açaizeiro encontra condições satisfatórias de cultivo nas faixas climáticas com regular distribuição de chuvas e em áreas que, mesmo com período seco definido, disponham de umidade satisfatória no solo, como em áreas de terra firme, principalmente quando localizadas próximas às várzeas e igapós.

A produção de frutos deixou de ser quase que exclusivamente extrativista e passou a ser obtida, também, de açaizais nativos manejados e de cultivos implantados em áreas de várzea e de terra firme, localizados em regiões com maior precipitação pluviométrica, em sistemas solteiros ou consorciados, com ou sem irrigação. Estima-se que cerca de 80% da produção de frutos têm origem no extrativismo, enquanto os 20% restantes são provenientes de açaizais manejados e cultivados em várzea e terra firme.

A produção de frutos tem início a partir do 3o ano, sendo possível obter, nas duas primeiras safras, produtividades de aproximadamente 3 toneladas por hectare/ano. No período inicial de produção, é comum a desuniformidade de lançamento de cachos produtivos, mas com a tendência de uniformidade a partir do 5o ano, com maior concentração da produção de frutos no 2o semestre.

De modo geral, a produção estimada no quinto ano de produtividade é de até 4 toneladas e, a partir do sexto ano são esperados aumentos progressivos de produção, que poderá alcançar 10 toneladas de frutos no oitavo ano.

Usos

A principal utilização do açaizeiro é a extração do açaí, embora nos últimos anos tenham surgido alternativas para o aproveitamento integral dessa palmeira pelas indústrias alimentícias, de corantes naturais, cosméticos, fármacos, celulose e papel, entre outras.

Com a expansão do consumo do açaí houve redução da extração e venda de palmito para as indústrias processadoras.

A valorização do fruto teve efeito econômico e ecológico positivo sobre a conservação de açaizais.

Dos frutos do açaizeiro é extraído o vinho, polpa ou simplesmente açaí, como é conhecido.

Em sua origem, o açaí é consumido com farinha de mandioca, associado ao peixe, camarão ou carne, sendo o alimento básico para as populações de origem ribeirinha. Do fruto são fabricados sorvetes, licores, doces, néctares e geléias, podendo ser aproveitado, também, para a extração de corantes e antocianina.

Do caroço, correspondente a 85% do peso total, extrai-se a borra, que é utilizada na produção de cosméticos; as fibras, utilizadas em móveis, placas acústicas, xaxim, compensados, indústria automobilística, entre outros; os caroços limpos, na torrefação de café, panificação, extração de óleo comestível, fitoterápicos e ração animal; além de uso na geração de vapor, carvão vegetal e adubo orgânico. A polpa representa 15% e é aproveitada, de forma tradicional, no consumo alimentar e outros produtos derivados.

As folhas são usadas para a cobertura de casas e na confecção de chapéus. Sua madeira é utilizada em construções rústicas.

Pierre Vilela

Fonte: www.sebrae.com.br

Açaí

Características da planta

Palmeira de estipe delgado e elegante, podendo atingir até 25 m de altura. Folhas grandes, finamente recortadas em tiras, de coloração verde-escura atingindo frequentemente 2 m de comprimento. Flores pequenas, agrupadas em grandes cachos pendentes, de coloração amarelada, surgem predominantemente de setembro a janeiro, podendo aparecer quase o ano todo. Espécie muito semelhante ao palmito-doce (Euterpe ed ulis Mart.) da Mata Atlântica, diferenciando-se desta por crescer em tonceiras de 3 a 25 palmeiras.

Fruto

Os frutos que aparecem em cachos são de coloração violáceo, quase negra quando maduros. De forma arredondada ou ovóide, apresentam rica polpa comestível e um caniço duro. Produzidos durante boa parte do ano, porém com maior intensidade nos meses de julho a dezembro.

Cultivo

Pode ser propagada por meio de sementes ou pela retirada de brotos da base. Desenvolve-se bem em vários tipos de solo e clima, preferencialmente em regiões quentes. Cada palmeira produz de 3 a 4 cachos por ano; cada cacho 3 a 6 kg de fruto.

O açaizeiro, planta típica do trópico brasileiro, juntamente com o buriti, é parte indissociável da paisagem florestal amazônica.

O açaí se desenvolve bem tanto em terras firmes como em várzeas sujeitas a inundações periódicas, desde que haja renovação constante das águas. Cultura perene e ribeirinha, o açaizeiro torna-se importante, também, na proteção do solo em condições tropicais de grande pluviosidade.

Do açaizeiro tudo se aproveita. Frutos, folhas, raízes, palmito, tronco e cachos frutíferos.

As populações ribeirinhas do baixo Amazonas, desde Santarém até a Ilha de Marajó, sabem que podem contar com essa palmeira alta e esguia para o sustento e a nutrição de suas famílias praticamente ao longo de todo o ano.

As folhas do açaizeiro são usadas na cobertura das casas; suas fibras, na arte de tecer chapéus, esteiras, sacolas e rasas - cestas usadas como medida padrão na atividade extrativista em praticamente toda a Amazônia.

A madeira de seu estipe - nome que se dá ao tronco das palmeiras - quando seca, transforma-se em toras bastante duráveis e super - resistentes às pragas e aos insetos, sendo muito utilizada na construção de casas, pontes e trapiches. Até mesmo os cachos secos, após a extração dos frutos, são aproveitados como vassouras.

O açaizeiro é também fonte generosa na medicina popular: os frutos novos são utilizados no combate aos distúrbios intestinais; as raízes, empregadas como vermífugos; o palmito, em forma de pasta, atua como anti-hemorrágico, quando aplicado após extrações dentárias.

Mas, especialmente, o açaizeiro da o açaí, uma frutinha arroxeada, quase negra quando madura.

Trata-se de um pequeno coco de onde é extraído, por maceração, o tradicional e bastante apreciado "vinho ou suco de açaí;".

O açaí, transformado em suco, possui um grande mercado em toda a região amazônica, alcançando uma cifra de consumo fabulosa, estimada entre 100 mil a 180 mil litros por dia apenas na cidade de Belém.

Apesar de frutificar praticamente o ano inteiro, sabe o nativo que, quando a cigarra -"a mãe do Sol" - canta na boca do verão anunciando a estação seca, começa a melhor safra do açaí.

E é ele quem vai subir no alto das palmeiras, que chegam a 20 metros de altura, para extrair a fruta.

Com muita destreza, força e equilíbrio, o apanhador escala a palmeira até atingir seus cachos carregados auxiliado apenas pela peconha - espécie de alça feita com as folhas verdes do próprio açaizeiro - que lhe prende os pés e serve-lhe de apoio na subida.

Lá em cima, após cortar apenas os cachos maduros, no ponto ideal - fala-se tuirá, quando as frutas estão pretinhas com a casca esbranquiçada - o homem nativo começa a balançar o fino estipe em pêndulo, para ser lançado aos ares e alcançar outra palmeira próxima. Ali mesmo ou na embarcação à espera na beira do igarapé, os cachos são esbagoados e os frutos armazenados.

O açaí, no entanto, tem de ser processado diariamente em virtude de sua rápida fermentação, não resistindo mais do que 24 horas mesmo quando bem refrigerado. Assim, todos os dias, sete dias por semana, antes de clarear completamente a manhã, os calçadões próximos ao Mercado Ver-o-Peso, na capital paraense, ficam tomados por cestos, sacos e latas repletos da frutinha arroxeada que chega em caminhões e barcos vindos das regiões interioranas.

Depois de vendido no mercado, o açaí vai ser transformado em suco. Postos em água morna para amolecer e desgrudar a polpa dos caroços, os frutos são amassados a mão ou em máquinas apropriadas. Então, como bem descreve Camara Cascudo, "da massa sangüíneo-arroxeada, passada em peneira, se amassada a mão, dissolvida em várias águas, forma-se o vinho - a bebida acaí" Além do processamento comercial, é costume de inúmeras famílias do Pará produzir o "vinho de acaí" para seu consumo diário, vendendo o excedente na própria residência, que é identificada por uma pequena bandeirola vermelha colocada à porta de entrada.

Tradição provavelmente herdada dos grupos indígenas amazônicos, o açaí ocupa, atualmente, um papel básico na alimentação da população regional. É consumido a qualquer hora, sob a forma de refrescos e sorvetes, com ou sem açúcar; pela manhã, em substituição ao leite, sendo inclusive oferecido às crianças pequenas; em todas as refeições, engrossado com farinha d'água ou de tapioca, acompanhando peixes e camarão seco, carnes e arroz com feijão, ou ainda puro, quando não há outra mistura.

De fato, sabe-se que o açaí é um alimento essencialmente energético, com elevado valor calórico, apresentando 2,37% de teor de proteína e 5,96% de gordura.

Além de sua inegável importância no comércio, na dieta alimentar e na vida locais, o açaizeiro é hoje a principal fonte de extração do palmito no Brasil. Cerca de 95% de toda a produção nacional vêm dos açaizais amazônicos, uma vez que praticamente esgotaram-se as reservas nativas da Mata Atlântica cujos palmitais foram devastados sem preocupação preservacionista.

No sistema extrativo que atualmente vigora na exploração do açaizeiro, seus frutos destinam-se ao consumo local, e o palmito, à exportação.

Os plantios racionais ainda são raros, prosseguindo a destruição dos açaizais de forma sistemática, ilegal, desordenada e clandestina. Poucos têm se preocupado com a sua preservação.

Mas os resultados obtidos a partir de experiências realizadas por técnicos do Centro de Pesquisa Agroflorestal da Amazônia Oriental da EMBRAPA de Belém do Pará começam a despertar o interesse de agricultores e grupos empresariais, especialmente entusiasmados pelas perspectivas promissores do produto no mercado interno e externo.

Uma das características principais da palmeira açaí; é o fato de seu crescimento ocorrer em touceiras "reboladas" na linguagem popular - que, quando não desbastadas, podem chegar a agrupar em uma mesma moita uma média de 20 palmeiras de idades e vigor diversos. E é justamente o bom manejo e o desbaste racional das touceiras e brotações, bem como a seleção das plantas mais adequadas para a produção de frutos, para a extração do palmito e para o preparo de sementes, que permite o seu aproveitamento comercial e lucrativo.

Em relação ao açaí, este é o maior desafio para os próximos anos: explorar seus frutos de maneira racional, para preservá-lo para o futuro.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Açaí 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal