Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Adolescência  Voltar

Adolescência

Desenvolvimento do adolescente

Uma transição crítica

A Organização Mundial da Saúde (OMS) identifica a adolescência como o período de crescimento e desenvolvimento humano que ocorre depois da infância e antes da idade adulta, entre as idades de 10 aos 19. Ele representa uma das transições críticas no tempo de vida e é caracterizado por um ritmo enorme no crescimento e transformação que é apenas a segunda a de infância. Os processos biológicos conduzir muitos aspectos deste crescimento e desenvolvimento, com o início da puberdade marca a passagem da infância para a adolescência. Os determinantes biológicos da adolescência são bastante universal, no entanto, as características da duração e da definição deste período pode variar ao longo do tempo, as culturas e situações socioeconômicas. Este período tem visto muitas mudanças ao longo do século passado, ou seja, o início mais precoce da puberdade, depois, idade do casamento, a urbanização, a comunicação global e mudança de atitudes e comportamentos sexuais.

Experiências de desenvolvimento chave

O processo da adolescência é um período de preparação para a vida adulta, durante o qual ocorrem tempo várias experiências de desenvolvimento chave. Além de maturação física e sexual, essas experiências incluem o movimento para a independência social e econômica e desenvolvimento da identidade, a aquisição das competências necessárias para a realização de relacionamentos adultos e papéis, e da capacidade de raciocínio abstrato. Enquanto que a adolescência é um momento de enorme potencial de crescimento e, também é um momento de risco considerável, durante o qual contextos sociais exercem influências poderosas.
As pressões para se envolver em comportamentos de alto risco.

Muitos adolescentes enfrentam pressões ao uso de álcool, cigarros ou outras drogas e para iniciar as relações sexuais em idades mais precoces, colocando-se em risco elevado de lesões intencionais e não intencionais, gravidezes indesejadas e infecções de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), incluindo o da imunodeficiência humana imunodeficiência humana (VIH). Muitos também experimentar uma grande variedade de ajustes e problemas de saúde mental. Padrões de comportamento que são estabelecidas durante este processo, tais como o uso de drogas ou não uso e tomada de risco sexual ou de proteção, pode ter efeitos positivos e negativos duradouros sobre o futuro da saúde e bem-estar. Como resultado, durante este processo, os adultos têm a oportunidade única de influenciar os jovens.

Adolescentes são diferentes, tanto de crianças e de adultos. Especificamente, os adolescentes não são plenamente capazes de compreender conceitos complexos, ou a relação entre o comportamento e as consequências, ou o grau de controle que têm ou podem ter sobre a tomada de decisões de saúde, incluindo as relacionadas ao comportamento sexual. Esta incapacidade pode torná-los particularmente vulneráveis ??à exploração sexual e comportamentos de alto risco. Leis, costumes e práticas podem também afetar os adolescentes de forma diferente do que os adultos. Por exemplo, as leis e políticas muitas vezes restringir o acesso dos adolescentes à informação e aos serviços de saúde reprodutiva, especialmente quando eles são casados. Além disso, mesmo quando os serviços não existem, atitudes fornecedor sobre adolescentes fazendo sexo muitas vezes representam uma barreira significativa à utilização de tais serviços.

Família e comunidade são suportes fundamentais

Adolescentes dependem de suas famílias, os seus, comunidades, escolas, serviços de saúde e seus locais de trabalho para aprender uma ampla gama de habilidades importantes que podem ajudá-los a lidar com as pressões que eles enfrentam e fazer a transição da infância para a idade adulta com sucesso. Os pais, membros da comunidade, prestadores de serviços e instituições sociais têm a responsabilidade de promover o desenvolvimento tanto do adolescente e de ajustamento e de intervir de forma eficaz quando surgem problemas.

Fonte: www.who.int

Adolescência

A puberdade é o início da adolescência. Mas quando é a puberdade, exatamente? As mudanças hormonais começar tão cedo quanto 8 anos de idade.

Mas as mudanças físicas não costumam fazer-se conhecido por vários anos mais tarde.

Nas sociedades ocidentais modernas, costumamos dizer que a puberdade começa entre 11 e 12 anos para as meninas e entre 12 e 13 para os meninos.

95% de todas as raparigas começará algures entre 8 1/2 e 13, e 95% dos adolescentes um ano ou mais, entre 9 1/2 e 15.

O primeiro sinal claro da puberdade para as meninas é o início do desenvolvimento dos seios, por volta de 12 anos de idade. Há também um estirão de crescimento global que se inicia cerca de 10 1/2, os picos a 12, e começa a diminuir de cerca de 14. Mas a marca principal da puberdade é a menarca (pronuncia-MEN-ark-ee), do primeiro período. Nas sociedades ocidentais modernas, tende a acontecer entre os dias 12 e 13.

Curiosamente, em 1890, primeiro período de uma menina tende a ocorrer em 14 ou 15 anos. Em 1840, muitas vezes começou tão tarde como 17!

Pensa-se que estas variações foram principalmente devido a diferenças na alimentação. Além disso, observe que a idade média em que uma mulher se casa hoje é de cerca de 25. Em 1890, foi em torno de 22. Na Idade Média, poderia ser tão jovem quanto 12 ou 14. (Lembre-se que Romeu e Julieta eram apenas 16!)

O primeiro sinal da puberdade nos meninos é o início do crescimento dos testículos em torno da idade de 13 anos, eo crescimento do órgão reprodutor masculino em torno de 14.

O surto de crescimento para os meninos tende a começar em 12 1/2, o pico aos 14 anos, e diminui em 16 - daí a visão comum das meninas elevando-se sobre os seus parceiros em bailes de escola!

O surto de crescimento mencionado é de cerca de 8 a 10 cm (3 a 4 centímetros) de altura por ano para meninas e meninos - semelhante à taxa de crescimento de volta quando eles eram apenas 2 anos de idade! Com este surto, há uma perda significativa de gordura em meninos, principalmente nos membros, o que representa o olhar comum "varapau" entre os adolescentes. As meninas também podem perder a gordura, mas não tão drasticamente como meninos.

Uma infeliz tendência hoje, no entanto, é o aparecimento da obesidade na adolescência devido ao alto teor de gordura, açúcar elevado dieta muitos adolescentes adotar.

A adolescência é definitivamente um momento de aumento da força: Um menino de 14 anos tem 14 vezes as células musculares de um menino de 5 anos de idade.

A menina de 14 anos tem 10 vezes as células musculares de uma menina de 5 anos.

Psicologicamente, a adolescência é um tempo muito ocupado.

Tornando-se um adulto sexual envolve uma série de coisas que podem muito bem ter raízes instintivas: Os meninos competem entre si pela atenção por shows de capacidade física e os atos de ousadia, muitas vezes beirando a loucura, as meninas competem pela atenção dos meninos, mais comumente por tentativa para melhorar a sua aparência. Diferentes culturas têm diferentes detalhes, mas o padrão é bastante universal.

A única coisa mais importante parece ser a aceitação social. Se você não tem um círculo de amigos, no mundo adolescente, você não é nada.

Para muitos adolescentes, se o seu isolamento é devido a uma mudança da família ou inibição social, anomalias físicas ou não cumprimento das normas locais de atracção, não ser aceito é uma causa de depressão e às vezes suicídio.

Eu acredito que esta resposta é muito provável que nós herdamos de nossos ancestrais pré-humanos muito sociais: No grupo, e você pode muito bem estar morto.

Na adolescência mais tarde, duas coisas dominar a mente de um adolescente: encontrar um namorado ou namorada e encontrar uma maneira de ganhar a vida.

A maneira como essas necessidades são expressas podem variar de tentar fazer sexo com quem você vai ter e fazer, empréstimo ou roubar dinheiro suficiente para fazer uma boa exibição, a um esforço sério para criar as bases para uma parceria ao longo da vida baseada no amor e na formação para uma carreira financeiramente e pessoalmente gratificante.

O final da adolescência é muito mais uma coisa social como uma coisa fisiológica, por isso é muito difícil dizer quando isso é, mas em culturas ocidentais, geralmente pensamos de 18 como uma marca conveniente. Mas, com trabalho e família adiada enquanto eles são hoje em dia, muitas das tarefas tradicionais de adolescentes continuam bem na década de 20.

Porque o adolescente está em processo de romper com seus pais, muitas vezes há conflito entre eles. Idealmente, os adolescentes reconhecem seus pais sabedoria e educadamente sair de casa, enquanto o pai confiar os seus filhos para tomar suas próprias decisões e deixá-los ir. Infelizmente, muitas vezes não funciona dessa maneira. É quase como se a natureza está nos tornando tão repugnante para o outro que estamos absolutamente ansioso para ir nossos caminhos separados.

Estes conflitos entre pais e filhos adolescentes voltar muitas gerações. Sócrates e outros filósofos gregos reclamaram esta próxima geração de preguiçosos mimados, assim como escritores do renascimento e de todos os séculos.

Aqui está uma paráfrase de uma tal reclamação:

"Onde você foi?"
"Eu não fui a lugar nenhum."
"Se você não ir a qualquer lugar, por que você ocioso dizer? Vá para a escola ... Não vaguear na rua .... Não fique aproximadamente na praça pública ou passear sobre o boulevard .... Você que vagam na praça pública, você poderia alcançar o sucesso? ... Porque meu coração tivesse sido saciado com o cansaço de vocês, eu fiquei longe de você e não atenderam os seus medos e resmungos .... Por causa de seus clamores ... Eu estava com raiva de você .... Porque você não olha para sua humanidade, o meu coração foi levado como que por um vento mal. seus resmungos ter colocado um fim para mim, que me levou ao ponto da morte. "

Este é um pedaço de uma conversa entre um jovem suméria e seu pai, registrado em escrita cuneiforme cerca de 3 ou 4 mil anos atrás. (Da SN Kramer, Os sumérios, University of Chicago Press, 1963). Engraçado, eu poderia jurar que ouvi essa conversa só no outro dia!

C. George Boeree

Fonte: webspace.ship.edu

Adolescência

De acordo com Aberastury (1986), o essencial da adolescência é a necessidade de entrar no mundo do adulto.

A ansiedade provocada pelas mudanças corporais, de acordo com o mesmo autor, leva o adolescente a entrar em contato com seu mundo interno, fugindo desta forma, do mundo exterior. A crise provocada pelas mudanças da adolescência será determinada pelas características do mundo interior.

Sendo assim, o choque e a distância entre o mundo interno e realidade exterior determinarão a duração e a qualidade de sua crise emocional.

Nesta fase de adolescência, está presente o desejo de se tornar adulto em sua totalidade, porém a presença dos sentimentos de rivalidade e invalidez em relação a este adulto, classificarão quais características o adolescente terá como modelo.

De acordo com, Osório (1992), adolescência é uma etapa evolutiva peculiar ao ser humano. Nela culmina todo o processo maturativo biopsicossocial do indivíduo. Por isto, não podemos compreender a adolescência estudando separadamente os aspectos biológicos, psicológicos, sociais ou culturais. Eles são indissociáveis.

A adolescência deixou de ser considerada uma mera passagem da infância para a idade adulta, com mudanças físicas, aparecimento das características sexuais e mudanças de temperamento, e passou a ser considerada como momento crucial do desenvolvimento do indivíduo, marcando a aquisição da imagem corporal e a estruturação da personalidade.

O início da adolescência não pode ser determinado, pois varia de acordo com o ambiente sócio-cultural do indivíduo. Porém, está relacionado com a puberdade, quando ocorrem as modificações biológicas juntamente com as mudanças psicossociais, ocorrendo em média, dos 12 aos 15 anos.

Segundo Osório (1992), esta fase é caracterizada pelos seguintes fatores:

1. Redefinição da imagem corporal, consubstancial na perda do corpo infantil e da conseqüente aquisição do corpo adulto (em particular, dos caracteres sexuais secundários)

2. Culminação do processo de separação/individualização e substituição do vinculo de dependência simbiótica com os pais da infância por relações objetais de autonomia plena

3. Elaboração de lutos referentes à perda da condição infantil

4. Estabelecimento de uma escala de valores ou código de ética próprio

5. Busca de pautas de identificação no grupo de iguais

6. Estabelecimento de um padrão de luta/fuga no relacionamento com a geração precedente

7. Aceitação tácita dos ritos de iniciação como condição de ingresso ao status adulto

8. Assunção de funções ou papéis sexuais auto-outorgados, ou seja, consoante inclinações pessoais independentemente das expectativas familiares e eventualmente (homossexuais) até mesmo das imposições biológicas do gênero a que pertence. (p.12).

E ainda, imagem corporal é uma representação condensada das experiências passadas e presentes, reais ou fantasiadas, do corpo do indivíduo. Ela involucra aspectos conscientes e inconscientes.

A estrutura da imagem corporal é determinada por:

Percepção subjetiva da aparência e habilidade à função

Fatores psicológicos internalizados

Fatores sociológicos.

À medida que o corpo vai se transformando e adquirindo os contornos definitivos do adulto, o adolescente vai gradualmente plasmando a imagem corporal definitiva de seu sexo. Como na sua mente há uma espécie de protótipo idealizado dessa imagem corporal, ocorre um conflito entre a imagem fantasiada desse modelo idealizado e a imagem real do seu corpo em transformação. Essa é a raiz das ansiedades do adolescente com respeito a seus atributos físicos e a desejada capacidade de atrair o sexo oposto.

Ainda, de acordo com Herbert (1987), na adolescência, a interação pais/filhos é um fator muito importante, pois é nesta relação que o adolescente vai tentar encontrar seu lugar no mundo e buscar sua liberdade psicológica, buscando também:

A liberdade de ser uma pessoa por si mesmo, ter os próprios pensamentos e sentimentos, determinar os próprios valores e planejar o próprio futuro no nível existencial mais amplo.

Vanessa Müller

Referências Bibliográficas

ABERASTURY, A. e col. O mundo do adolescente. In: Adolescência. Trad. Ruth Cabral. 4. ed. Porto Alegre. Artes Médicas. 1986.
HERBERT, M. A natureza da adolescência. In: Convivendo com adolescentes. Rio de Janeiro. Beltrand Brasil. 1987.
OSÓRIO, L.C. O que é adolescência, afinal? In: Adolescente Hoje. 2a. Ed. Porto Alegre. Artes Médicas. 1992.

Fonte: www.psicologiamooca.com.br

Adolescência

ADOLESCÊNCIA: uma concepção crítica

Discutindo a concepção de adolescência

A adolescência tem sido vista na Psicologia como uma fase do desenvolvimento que apresenta características muito especiais, tais como rebeldia, crise de identidade, conflito geracional, tendência grupal, necessidade de fantasiar, evolução sexual manifesta e outras mais. Apesar de admitirmos que estas características são visíveis na maior parte de nossos jovens, entendemos que a Psicologia, ao desenvolver sua concepção sobre a adolescência, tem naturalizado este fenômeno, ou seja, a Psicologia não tem apresentado a adolescência como tendo sido produzida socialmente, no decorrer da história das sociedades ocidentais.

Sem dúvida, nenhum psicólogo negará que há fortes influências sociais sobre a adolescência. Mas "o social" sempre aparece como uma moldura que dá forma e expressão ao fenômeno inevitável da adolescência. Ou seja, entendemos que é bastante diferente aceitarmos que a sociedade e a cultura influenciam a adolescência e concebermos que a adolescência é constituída socialmente. Na primeira visão, há uma naturalização do desenvolvimento humano e a adolescência é vista como uma fase inevitável, pela qual todos os jovens deverão passar. O que muda são apenas as suas formas de expressão.

Temos buscado uma saída teórica que supere esta visão naturalizante da adolescência, presente na Psicologia em geral; uma saída que supere a visão que temos denominado de visão liberal de homem.

Para sermos mais didáticos, apresento as duas visões básicas aqui citadas:

A VISÃO LIBERAL: nesta visão, o HOMEM está concebido a partir da idéia de natureza humana: um homem apriorístico que tem seu desenvolvimento previsto pela sua própria condição de homem. Este desenvolvimento pode ser facilitado ou dificultado pelo meio externo, social e cultural. Um homem livre, dotado de potencialidades.

Na relação HOMEM/SOCIEDADE, encontramos a visão de que a sociedade é sempre algo externo e independente dele e que está organizada para facilitar e contribuir com o desenvolvimento humano, mas que, em geral, a organização social é algo que tem dificultado e prejudicado o total desenvolvimento das potencialidades humanas. Os outros, enquanto indivíduos isolados, com os quais se entra em relação (uma relação próxima e afetiva) são importantes colaboradores no desenvolvimento das potencialidades. No geral e no sentido amplo, a sociedade é vista como contrária ao desenvolvimento natural da humanidade contida em cada homem.

O FENÔMENO PSICOLÓGICO nestas concepções aparece como algo dado; algo que o homem já possui aprioristicamente; algo que pertence à natureza humana. Esse fenômeno é visto como pertencendo ao mundo interno; é privado e íntimo. O fenômeno é, além disso, a essência do homem; refere-se ao eu, a um "verdadeiro eu". É o que há de mais individual e particular no homem. O fenômeno psicológico mantém, no entanto, uma relação com o mundo externo, que estimula ou impede, ajuda ou dificulta seu desenvolvimento. As vezes, o fenômeno psicológico é visto como produto ou como resultado de processos internos e relações com o mundo externo, que o configuram de determinada maneira; essas visões não escapam da visão apriorística do fenômeno.

Quanto à concepção da PRÁTICA PSICOLÓGICA, temos na visão liberal, definições centradas na idéia da doença, da cura, sendo a prática vista como conjunto de ações que visam à correção ou o tratamento de distúrbios. A visão é sempre adaptativa e técnica.

A SAÚDE PSICOLÓGICA é vista como um conjunto de condições apresentadas pelo indivíduo que lhe permite a adaptação ao seu meio social e físico. São características de seu comportamento, ou são capacidades, ou é um estado em que o indivíduo se encontra, ou ainda condições de seu aparelho psíquico que lhe permitem comportar-se e estar no mundo social de forma adaptada. São visões “morais” ou “médicas” da saúde. Estas visões têm sido responsáveis pelo ocultamento das determinações sociais da subjetividade e de fenômenos como a adolescência. Entendemos que é preciso abandonar as visões naturalizantes, principalmente pelo fato de que elas geram propostas de trabalho que aceitam a realidade social como imutável e que não vêem nas questões da Psicologia determinações que são sociais.

A VISÃO SÓCIO-HISTÓRICA é aquela que entendemos como a que permite a superação desta visão liberal.

Nesta, o HOMEM é histórico, isto é, um ser constituído no seu movimento; constituído ao longo do tempo, pelas relações sociais, pelas condições sociais e culturais engendradas pela humanidade. Um ser, portanto, em permanente movimento; um ser que tem características forjadas pelo seu tempo, pelas condições de sua sociedade, pelas relações que estão sendo vividas. O homem é visto a partir da idéia de condição humana e não de natureza humana. A condição humana se refere ao fato de o homem construir as formas de satisfação de suas necessidades e ao fato de fazer isso com os outros homens, e é das formas que constrói e da maneira como faz isso com os outros homens que tem as condições para se constituir.

A RELAÇÃO INDIVÍDUO/SOCIEDADE é vista como uma relação dialética, na qual um constitui o outro. O homem se constrói ao construir sua realidade.

O FENÔMENO PSICOLÓGICO, nesta visão, é coerente com essa visão de homem e é também histórica. O fenômeno psicológico surge e se constitui a partir das suas relações com seu mundo físico e social. É na atividade sobre o mundo e na vivência das relações sociais que acompanham essa atividade que o homem se constrói. Todos os elementos internos, do mundo psicológico, são forjados nessas relações. No conjunto social, através fundamentalmente de mediações como a linguagem, a homem vai desenvolvendo sua consciência, sua forma de significar o mundo; este conjunto psicológico de significações - sentidos pessoais - orienta o homem nas suas ações.

A concepção de PRÁTICA PROFISSIONAL, coerente com esta visão de homem, pensa a intervenção fundamentalmente na linha da promoção de saúde. Reflexões sobre a realidade e ações e projetos coletivos são condições básicas para a saúde do indivíduo.

SAÚDE PSICOLÓGICA é vista como possibilidade de transformação da realidade. Saúde é capacidade de enfrentamento e suas possibilidades estão diretamente relacionadas ao meio social, às condições oferecidas pelo meio social.

Essa visão gera uma concepção de adolescência diferente da visão liberal. A visão sócio-histórica é aquela à qual buscamos dar nossa contribuição, por considerarmos que avança e faz avançar a Psicologia.

1º. porque vincula o desenvolvimento do homem à sociedade, vinculando também a Psicologia ao desenvolvimento social. Ao falarmos do desenvolvimento humano e da adolescência não poderemos nos furtar a falar e compreender a sociedade. Entendemos, assim, que para compreender o homem é necessário compreender a sociedade.

2º. porque “despatologizamos” o desenvolvimento humano e o tornamos histórico. Passamos a compreender que as formas que assumimos como identidades, personalidades e subjetividades são construídas historicamente pela humanidade. A sociedade, construída por nós mesmos, nos dá os limites e as possibilidades de “sermos”.

3º. porque deixamos de ser tão moralistas ou prescritivos de uma suposta normalidade. Aquilo que é normal em nossa sociedade é porque interessou aos homens valorizar, mas não é nem natural, nem eterno. Tudo, no psiquismo humano, pode ser diferente. Os modelos de normalidade e de saúde precisam ser considerados historicamente.

E a Adolescência? Para darmos uma noção de nossa conceituação de adolescência, responderemos brevemente a três questões:

A adolescência existe?

Há características naturais na adolescência?

O que é a adolescência?

A adolescência existe?

Sim, existe, mas é criada historicamente pelo homem, enquanto representação e enquanto fato social e psicológico. É constituída como significado na cultura, na linguagem que permeia as relações sociais.

Fatos sociais surgem nas relações e os homens atribuem significados a esses fatos: definem, criam conceitos que representam esses fatos; são marcas corporais, são necessidades que surgem. são novas formas de vida decorrentes de condições econômicas, são condições fisiológicas, são descobertas científicas, são instrumentos que trazem novas habilidades e capacidades para o homem... Quando definimos a adolescência como isto ou aquilo, estamos constituindo significações (interpretando a realidade), a partir de realidades sociais, significações estas que serão referências para a constituição dos sujeitos.

Há características naturais na adolescência?

Não. A adolescência não é um período natural do desenvolvimento. É um momento significado, interpretado pelo homem. Há marcas que a sociedade destaca e significa. Mudanças no corpo e desenvolvimento cognitivo são marcas que a sociedade destacou. Muitas outras coisas podem estar acontecendo nesta época da vida no indivíduo e nós não destacamos. Assim como essas mesmas coisas podem estar acontecendo em outros períodos da vida (por exemplo na menopausa) e nós também não marcamos.

Reconhecemos, no entanto, que há um corpo se desenvolvendo e que tem suas características próprias. Mas nenhum elemento biológico ou fisiológico tem expressão direta na subjetividade (subjetivo aqui entendido como tudo que se constitui num plano estável interno). Como afirma Gonzalez sobre a elemento biológico e genético do desenvolvimento, que nunca “...vai linearmente converter-se numa subjetividade, porque passa pela mediação de outros elementos muito complexos.” (Gonzalez,1997). As características fisiológicas aparecem e são significadas pelas pessoas adultas e pela sociedade. A menina que tem seus seios se desenvolvendo não os vê, sente e significa como possibilidade de amamentar seus filhos no futuro. Com certeza, em algum tempo ou cultura, isso já foi assim. Hoje, os seios tomam as meninas sedutoras e sensuais. Esse é o significado atribuído em nosso tempo. A força muscular dos meninos já foi significada como possibilidade de trabalhar, guerrear e caçar. Hoje é beleza, sensualidade e masculinidade.

Da mesma forma, o jovem não é algo “por natureza”. São características que surgem nas relações sociais, em um processo onde o jovem se coloca inteiro, com suas características pessoais e seu corpo. Como parceiro social está ali, com suas características, que são interpretadas nessas relações; tem, então, o modelo para sua construção pessoal. É importante frisar que o subjetivo não é igual ao social; há um trabalho de construção realizado pelo indivíduo e há um mundo psíquico de origem social, mas que possui uma dinâmica e uma estrutura próprias. Este mundo psíquico está constituído por configurações pessoais, onde significações e afetos se mesclam para dar um sentido às experiências do indivíduo. Os elementos deste mundo psíquico vêm do mundo social (atividades do homem e linguagem), mas não são idênticos.

O que é a adolescência?

Temos que refazer a questão e perguntar: Como se constituiu historicamente este período do desenvolvimento? Isto porque para a teoria sócio-histórica só é possível compreender qualquer fato a partir de sua inserção na totalidade onde este fato foi produzido, totalidade essa que a constitui e lhe dá sentido.

Assim, a adolescência deve ser compreendida nesta inserção. É importante perceber que esta totalidade social é constitutiva da adolescência, ou seja, sem estas condições sociais a adolescência não existiria ou não seria esta da qual falamos. Não estamos nos referindo, portanto, a condições sociais que facilitam, contribuem ou dificultam o desenvolvimento de determinadas características do jovem; estamos falando de condições sociais que constroem uma determinada adolescência.

E como teria sido construída a adolescência?

Adélia Clímaco (1991) nos ensinou que, na sociedade moderna, o trabalho, com sua sofisticação tecnológica, passou a exigir um tempo prolongado de formação, adquirida na escola. Além disso, o desemprego crônico/estrutural da sociedade capitalista trouxe a exigência de retardar o ingresso dos jovens no mercado e aumentar os requisitos para este ingresso.

A ciência, por outro lado, resolveu muitos problemas do homem e ele teve a sua vida prolongada, o que trouxe desafios para a sociedade, em termos de mercado de trabalho e formas de sobrevivência.

Estavam dadas as condições para que se mantivessem as crianças mais tempo sob a tutela dos pais, sem ingressar no mercado de trabalho. Mantê-las na escola foi a solução. A extensão do período escolar e o conseqüente distanciamento dos pais e da família e a aproximação de um grupo de iguais foram as conseqüências destas exigências sociais. A sociedade então assiste à criação de um novo grupo social com padrão coletivo de comportamento – a juventude/a adolescência.

Outro fator importante em nossa breve análise histórica é que a adolescência pode ser entendida também como forma de justificativa da burguesia para manter seus filhos longe do trabalho.

A Adolescência se refere, assim, a esse período de latência social constituída a partir da sociedade capitalista gerada por questões de ingresso no mercado de trabalho e extensão do período escolar, da necessidade do preparo técnico e da necessidade de justificar o distanciamento do trabalho de um determinado grupo social.

Essas questões sociais e históricas vão constituindo uma fase de afastamento do trabalho e preparo para a vida adulta. As marcas do corpo, as possibilidades na relação com os adultos vão sendo pinçadas para a construção das significações. Para essa construção, é básica a contradição que se configura nesta vivência entre as necessidades dos jovens e condições pessoais de satisfação e as possibilidades sociais de satisfação delas. É dessa relação e de sua vivência enquanto contradição que se retirará grande parte das significações que compõem a adolescência. A rebeldia, a moratória, a instabilidade, a busca da identidade e os conflitos. Essas características, tão bem anotadas pela Psicologia, ao contrário da naturalização que se fez delas, são históricas, isto é, foram geradas como características desta adolescência que aí está. Por exemplo, a oposição aos pais. Esta é uma característica bem marcada da adolescência em nosso meio social.

Ao invés de aceitá-la como natural, devemos buscar sua gênese nas relações sociais e entendê-la como resposta do jovem à contradição vivida. Ele está forte, grande, capaz de sobreviver e transformar o mundo na direção das necessidades pessoais e sociais. Seu corpo já lhe permite esta condição. Está apto inclusive para procriar. No entanto, as condições sociais são restritivas. Depende ainda dos pais, não trabalha, não é independente e por isso está ainda sob as ordens e autoridade de seus pais. Esta contradição vivida por alguns jovens, com certeza, é um dos determinantes da característica da rebeldia na juventude. Interessante registrar que a característica parece se soltar de sua condição de origem e tomar-se modelo para a juventude. E isto acontece.

Outra questão importante, antes de terminarmos, é se a adolescência acontece para todos os jovens de um grupo social onde haja a adolescência como fenômeno social. Ou seja, em nossa sociedade, todos os jovens passam obrigatoriamente pela adolescência? Aqui, para não correr o risco de ser simplista, dado que não fizemos estudos nesta direção, gostaria de responder que sim e que não. Não, porque, na visão sócio-histórica, nada acontece obrigatoriamente. Isto seria naturalizar o fenômeno. A adolescência acontecerá quando as condições sociais para seu surgimento estiverem dadas. Então, é absolutamente possível que tenhamos vários jovens que não vivem a experiência da adolescência. E responderia também que sim. Sim, mas não obrigatoriamente. Sim, porque os meios de comunicação, em nossa sociedade, espalham o modelo da adolescência dominante (é importante lembrar que a adolescência é um fenômeno típico dos jovens das classes altas), que será modelo de identificação para aqueles que estão naquela idade, daquele tamanho, acontecendo com seu corpo aquilo que está acontecendo com o corpo do outro; ele pode ainda se identificar com a condição social do outro, com as relações vividas etc. Seus pais podem ter lido sobre o fenômeno da adolescência e estar esperando que ela aconteça e este é um importante fator na gênese da adolescência. E aí vai surgindo a adolescência, mas claro que “adaptada” à realidade social vivida por aquele grupo. Então, ela poderá ter roupas parecidas, mas sua música poderá ser outra, seus hábitos e rituais poderão ser outros, seus problemas diferentes.

Registre-se aqui a importância de se perceber estas diferenças para que não continuemos fazendo o que fazemos: construir projetos e intervenções profissionais com jovens de grupos sociais desprivilegiados socialmente com os modelos e visões de adolescência das camadas médias e altas. E fazemos isto porque pensamos que a adolescência é natural, portanto igual para todos.

É preciso superar estas visões liberais e entender-se a adolescência como constituída socialmente a partir de necessidades sociais e econômicas dos grupos sociais e olhar e compreender suas características como características que vão se constituindo no processo. Cada jovem se constituirá em relações que dão por suposto esta passagem e esperam encontrar no jovem aquelas características. Os modelos estarão sendo transmitidos nas relações sociais, através dos meios de comunicação, na literatura e através das lições dadas pela psicologia. Nós, psicólogos, somos também construtores privilegiados dos modelos de adolescência, pois nossas teorias vão definindo e divulgando como é “ser jovem”. Os pais vão se comportando, assim que os sinais do corpo aparecem, como pais sofredores de filhos “aborrecentes”. A sociedade, por outro lado, o tolerará. Todos serão pacientes com o adolescente, porque todos sabem que "passa". E o jovem, frente a esses modelos, frente às mudanças que seu corpo vai apresentando, seguirá convicto de que agora é a hora de ser rebelde.

Infelizmente, as teorias psicológicas, que fizeram uma boa descrição do empírico da adolescência, erraram, a nosso ver, quando a naturalizaram, universalizaram e patologizaram, ao invés de entendê-la como histórica, pois ocultam assim as condições sociais geradoras da adolescência, tornando-se ideológicas.

A adolescência é um momento rico no desenvolvimento das pessoas. Nada possui de patológico ou doentio. A adolescência, ao contrário da doença mental, é caracterizada pelo aumento do vínculo do sujeito com a realidade. Visões negativas da adolescência só têm servido para desvalorizar as contribuições sociais e políticas da juventude. Conceber a adolescência de outra forma significa revolucionar nossas teorias e nossas práticas com os jovens. E isto tem sido muito difícil!

Ana Mercês Bahia Bock

Referências bibliográficas

GONZALEZ, F.R. Respeito à pluralidade científica, em Jornal do CRP, do Conselho Regional de Psicologia - 6ª. região, set/out, 1997, (3-5)
CLÍMACO, Adélía A S. Repensando as concepções de adolescência. Tese de doutorado, 1991, PUCSP

Fonte: projetoenvolver.files.wordpress.com

Adolescência

Adolescência é uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre a infância e a fase adulta. Este período é marcado por diversas transformações corporais, hormonais e até mesmo comportamentais. Não se pode definir com exatidão o início e fim da adolescência (ela varia de pessoa para pessoa), porém, na maioria dos indivíduos, ela ocorre entre os 10 e 20 anos de idade (período definido pela OMS)

Puberdade

A puberdade é a fase inicial da adolescência, caracterizada pelas transformações físicas e biológicas no corpo dos meninos e meninas. É durante a puberdade (entre 10 e 13 anos entre as meninas e 12 e 14 entre os meninos) que ocorre o desenvolvimento dos órgãos sexuais.

Hormônios e comportamento

Durante a adolescência ocorrem significativas mudanças hormonais no corpo. Além de favorecer o aparecimento de acnes, estes hormônios acabam influenciando diretamente no comportamento dos adolescentes. Nesta fase, os adolescentes podem variar muito e rapidamente em relação ao humor e comportamento.

Agressividade, tristeza, felicidade, agitação, preguiça são comuns entre muitos adolescentes neste período.

Adolescência fases de mudanças e transformações que ocorrem em diversos níveis:

Desenvolvimento físico - mudança no aspecto físico e na maneira de se perceber. Tamanho do corpo, às vezes desproporcional, mudança no timbre de voz.

Desenvolvimento Intelectual: começam os questionamentos para com o que até bem pouco tempo eram verdades absolutas

Ampliação das relações interpessoais: o adolescente amplia o vínculo familiar. O mundo alarga-se, entram a partir daí em contato maior com as exigências da sociedade

Aproximação de decisões fundamentais: Preocupação gradativa e crescente com decisões fundamentais sobre profissão, valores, comportamento sexual, brotam muitas incertezas..

Fonte: www.cifa.org.br

Adolescência

As Influências Hormonais nas Mudanças Corporais

Adolescência é uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre a infância e a fase adulta. Este período é marcado por diversas transformações corporais, hormonais e até mesmo comportamentais. Não se pode definir com exatidão o início e fim da adolescência (ela varia de pessoa para pessoa), porém, na maioria dos indivíduos, ela ocorre entre os 10 e 20 anos de idade (período definido pela OMS – Organização Mundial da Saúde).

Adolescência e puberdade

Muitas pessoas confundem adolescência com puberdade. A puberdade é a fase inicial da adolescência, caracterizada pelas transformações físicas e biológicas no corpo dos meninos e meninas. É durante a puberdade (entre 10 e 13 anos entre as meninas e 12 e 14 entre os meninos) que ocorre o desenvolvimento dos órgãos sexuais. Estes ficam preparados para a reprodução.

Durante a puberdade, os meninos passam pelas seguintes mudanças corporais e biológicas: aparecimento de pêlos pubianos, crescimento do órgão reprodutor masculino e testículos, engrossamento da voz, crescimento corporal, surgimento do pomo-de-adão.

Entre as meninas, as mudanças mais importantes são: começo da menstruação (a primeira é chamada de menarca), desenvolvimento das glândulas mamárias, aparecimento de pêlos na região pubiana e axilas e crescimento da região da bacia.

Crescimento Físico

Durante a adolescência o corpo do indivíduo cresce continuamente até a idade de 16 a 19 anos, quando a estatura adulta é alcançada - os rapazes atingem a estatura adulta em média dois anos mais tarde do que as moças.

Tal crescimento, no entanto, não se dá de maneira contínua: aproximadamente aos 14-15 anos os rapazes - as moças dois anos antes - têm um "salto no crescimento", ou seja eles crescem em um ano mais do que nos anos anteriores e nos seguintes. Depois desse salto, a velocidade do crescimento diminue marcadamente até o indivíduo atingir sua altura final. Paralelamente ao crescimento físico há um aumento no peso, que, no entanto, é dependente da alimentação e da forma de vida.

As diferentes partes do corpo também crescem com velocidades diferentes. De maneira geral os membros superiores (braços) e inferiores (pernas) e a cabeça crescem mais rapidamente que o resto do corpo, atingindo seu tamanho final mais cedo. Isso leva a uma desproporção visível com relação ao tronco, que cresce mais devagar. Essa desproporção é observável também nos movimentos por vezes desajeitados, típicos da adolescência.

Até a idade de 11 anos, meninos e meninas têm aproximadamente a mesma força muscular. O crescimento muscular dos rapazes é, no entanto, maior, o que explica a maior força física média dos homens na idade adulta.

Apesar das muitas diferenças individuais no crescimento e no desenvolvimento sexual, o processo de amadurecimento sexual apresenta certa sequência, comum tanto aos rapazes como às moças. Para as moças, no entanto, esse processo tem início, em média, dois anos mais cedo do que nos rapazes.

Fonte: www.educacional.com.br

Adolescência

O que é a adolescência?

A adolescência é o período de transição entre a infância e a idade adulta, aproximadamente, entre os doze e os vinte anos.

É um período de rápidas mudanças:

No corpo

Nas emoções

Nas atitudes

No campo intelectual

Nas relações; com a família e com os colegas; e

Na liberdade e responsabilidade.

A adolescência é uma fase da vida muito importante, embora, muitas vezes, confusa e cheia de tensões necessitando, por isso, de muita compreensão.

Durante gerações, as famílias têm-se visto perturbadas pelo isolamento, pelos comportamentos impulsivos e pela relutância de alguns adolescentes perante o assumir de responsabilidades.

Atualmente, a adolescência é ainda mais difícil devido à mudança de valores familiares, à confusão na expectativa dos papéis a desempenhar, à toxicodependência e às modificações dos comportamentos sexuais. No entanto, os pais e os adolescentes que têm consciência destas mudanças estão mais aptos a aceitá-las e a resolver alguns problemas que se lhes apresentem.

Fonte: www.prof2000.pt

Adolescência

A adolescência é uma fase caracterizada por mudanças, pelo conflito. O adolescente não sabe direito quem ele é. Percebe que deixa de ser criança, mas não sabe bem o que está se tornando, pois ainda não é um adulto. É uma fase de experimentação.

O termo adolescente vem do latim adolescere, significa alimentar, denotando essa necessidade de precisar descobrir o mundo. Outra origem para o termo significa "crescer com dor". Há muitos anos se sabe que é uma fase de diferenciação, em que o jovem abandona a mundo infantil e começa adentrar no mundo adulto. Nem o próprio adolescente sabe direito quem ele é. Ficam perdidos nessa transição do mundo infantil de brincadeiras, jogos, lazer, poucas responsabilidades e uma crescente atração pelo mundo adulto.

Pensando no aspecto físico, muitos jovens se angustiam com as mudanças sofridas, mudanças essas ocorridas entre 12 a 18 anos, fase da puberdade, como aumento do tecido, gorduroso, muscular e ósseo, surgimento dos pelos pubianos, aumento de apetite e sono. As mudanças psicoemocionais ocorrem paralelamente às mudanças físicas.

Tudo para um adolescente tem tamanhos exagerados; sem problemas são únicos e insolúveis e geralmente incompreendidos pelos adultos. Os adolescentes, seja qual for sua criação ou origem, tendem a ser mais "dramáticos" ou sensíveis aos estímulos externos. Uma simples bronca, um não é suficiente para "batidas de porta", gritos, declaração de ódio, reclusão. Ao mesmo tempo, em poucos minutos, pode tornar-se alegre, carinhoso, brincalhão. Logicamente essas alterações variam de indivíduo para indivíduo; cada adolescente vai apresentar suas características, alguns com mudanças bem significativas e drásticas, outros com mudanças mais lentas e discretas.

O importante é que o profissional que vai atuar como esse jovem, compreenda essas mudanças do organismo e o reflexo delas no humor do adolescente.

Marta Regina Monteiro de Souza

Fonte: www.portaleducacao.com.br

Adolescência

O que é um adolescente?

O adolescente é uma ex-criança ou um quase-adulto? O adolescente é uma criança velha ou homem jovem?

No sentido histórico da questão, a adolescência é uma das do que se chamou de “idades da vida”, -ou uma das “idades do homem”.

Infância, puerilidade, juventude, adolescência, velhice, senilidade são os significantes com que o homem marcou as fases em que classicamente dividiu sua vida.

Esta maneira de sistematizar as “idades do homem” pertencia a um sistema de descrição que remonta aos filósofos jônicos, sendo uma divisão arbitrária que foi usada como uma forma de conceber a biologia.

No século XVI a juventude, que era como se designava o tempo que se seguia a infância e antecedia a velhice, era uma idade que aparecia significando a força e o apogeu da vida e não havia lugar para a adolescência.

Philippe Ariès, no seu livro “História social da crianca e da família”, nos informa que até o século XVIII não havia um lugar para a adolescência, pois esta era confundida com a infância.

Ainda segundo este autor, o primeiro adolescente moderno teria sido Siegfried, da ópera de Wagner, que foi quem pela primeira vez exprimiu o ideal da adolescência, que era concebido como uma mistura de pureza, de força física, de naturismo, de espontaneidade e de alegria de viver, valores estes que configuraram o imaginário em torno do adolescente como uma figura idealizada de acordo com as características do nascente movimento romântico.

Características estas que fariam do adolescente o herói do século XX, século que segundo Ariès é o século da adolescência, assim como o século XVII foi o da juventude e o século XIX o da infância.

Estas diferentes manifestações da mentalidade humana seriam, ainda segundo Ariès, uma reação da sociedade diante da duração cada vez maior da vida.

A adolescência teria aparecido como depositária de valores novos, que seriam os capazes de reavivar uma sociedade velha e esclerosada.

Para o psicanalista, o adolescente é tomado no sentido em que Freud abordou a questão, e que foi o de entender a adolescência como consequência de um momento fisiológico, momento este no qual a sexualidade se torna genitalmente possível.

Ou seja, para Freud, como a sexualidade existe desde a infância,o que caracteriza a adolescência é que a sexualidade se torna genitalmemte possível, o que conflita com o fato de que, o ser humano, para poder viver dentro da cultura, tenha que adequar seus impulsos sexuais às normas sociais estabelecidas.

É esta então, para Freud, a questão à que o adolescente se depara: De que adiantaria então a sexualidade ser fisiologicamente possível, se ela é socialmente dificultada senão impedida?

Depois de Freud a noção de sexualidade deixou de ser vista apenas como uma função genital e foi ampliada a todas as produções psíquicas humanas.

Daí que, para o psicanalista, o adolescente, igual a todo os seres falantes, sexualiza todas suas atividades, porém ele o faz com um estilo próprio ao seu momento, próprio à sua maneira de lidar com o mal-estar num mundo que eles não construíram, e ao qual são chamados a participar, no entanto, sem poder opinar.

O lugar mesmo que os adolescentes ocupam, e que decorre da invenção da adolescência como uma das “idades da vida”, foi feita por adultos. Da mesma maneira como foi a invenção da infância.

Os adultos precisam marcar diferenças, precisaram inventar “ritos de passagens”, para desta forma organizar a experiência de seus futuros sucessores, e para continuar a manter o poder sobre a criança, e sobre o adolescente.

Os investigadores da alma humana, valendo-se de metodologias psicológicas, psiquiátricas ou psicanalíticas, associaram essa idade da vida chamada de adolescência com a idéia de “crise psiquica”.

Daí que as características das produções dos adolescentes, serem muitas vezes vistas por estes profissionais como produções bizarras, como sintomas, mesmo que sejam amenamente chamados de “ sintomas de inscrição”, ou de “ritos de passagens”, e citam como exemplo a linguagem própria a esta idade, ou as particularidades de sua roupa , fatos estes interpretados como sendo o desejo do adolescente de encontrar um lugar próprio na sociedade, como sendo sua necessidade de estabelecer uma identificação, o que ele faz procurando ou inventando lugares onde se sinta aceito.

Seguindo este modelo, talvez não seja exagerado dizer, que a adolescência para os psicanalistas também seja o que representa para eles poder falar dos adolescentes, pois quando fazem isto muitas vezes se permitem falar como desejariam, pois formalmente estariam apenas mimetizando este “outro incompleto”, que é como no discurso científico é visto o adolescente: incompleto, porque na visão do adulto, ao adolescente falta ascender ao Bem supremo que é ser adulto.

Será que a adolescência então é só um efeito de discurso?

O adolescente é um discurso sobre o futuro. O adolescente é uma pergunta sobre o futuro adulto que ele quer ser, o adolescente é uma pergunta sobre o futuro adulto que ele não quer ser.

O adolescente é uma pergunta sobre a criança que ele foi e não quer ser mais, o adolescente é uma pergunta sobre a criança que ele quer continuar a ser e já não é.

Por isto o adolescente aponta sempre para o moderno. Moderno como é a falta de ideais no mundo de hoje, moderno como é a atual globalização do mal-estar.

Moderno como são os novos costumes sexuais, moderno como é a nova ética econômica.

Moderno como são as fantasias de fim de mundo, moderno como é sua negação pela ciência.

E ao mesmo tempo que tudo isto, o adolescente continua antigo como a contradição que atinge seus desejos, continua antigo como a ambivalência de seus atos, continua antigo como a impossibilidade que é inerente a todo ser humano.

Aliás o adolescente de hoje não é antigo nem moderno, ele é a própria definição de pós-moderno, pois a adolescência, ela mesma, foi uma invenção da modernidade.

E dizer que a adolescência é uma invenção equivale a colocá-la na esfera da função paterna. A adolescência é um tempo, um lugar, estabelecido por um outro, que não ele adolescente.

Por isto a adolescência é vista pelos psicanalistas como uma crise do pai, do pai que funciona como lei e que é o que faz nascer o conflito das gerações.

E se nós analistas, na atualidade estamos diagnosticando um declínio da função paterna, estaríamos apontando a um fim da adolescência ou estaríamos apontando a sua impossibilidade no mundo atual?

Se é necessário um Pai que encarne a lei para que o adolescente exista, também é necessário a transgressão a esta lei, o que é efeito da lógica que coloca a transgressão na origem da lei.

Se existe na modernidade a falta do Pai, que é ser adolescente nestes novos tempos?

Haverá uma lei que interdite os efeitos dos hormônios?

A clínica do adolescente moderno está diante de nossos olhos: drogas, tatuagens, piercing, esportes radicais, etc.

Serão estes os modos de subjetivação modernos que apontam uma nova condição dos adolescentes?

Qual o efeito na adolescência de hoje que tem o declínio da função paterna?

Os hormônios sem dúvida ignoram o fim de milênio e os efeitos da nova economia. Os hormônios ignoram as modificações dos costumes e continuam mudando as crianças em adultos.

Porém o contexto cultural que produz o caldo do simbólico no qual os hormônios vem a luz, condicionam o tipo de sofrimento que a carne paga para viver em sociedade.

Estamos aqui para discutir qual é este preço.

E nós, analistas, queremos aprender com a ex-criança, futuro adulto, como compreender nossa condição humana.

Márcio Peter de Souza Leite

Fonte: www.marciopeter.com.br

Adolescência

Afinal, o que é a adolescência?

A palavra adolescência vem do Latim adolescere que significa “crescer”. É uma passagem entre a infância e a idade adulta, na qual há muitas transformações tanto físicas como psicológicas. É basicamente um processo psicológico e social que gera diferentes características conforme o ambiente social, econômico e cultural em que o adolescente vive.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a adolescência como constituída em duas fases: a primeira, dos 10 aos 16 anos, e, a segunda, dos 16 aos 20 anos.

Pode-se encontrar ainda a definição do Conselho Nacional de Psicologia que diz que adolescência é o período que se estende da terceira infância até a idade adulta e é caracterizado por intensos processos de conflitos e constantes esforços de autoafirmação.

É nessa fase, inclusive, que o jovem passa a entender os valores sociais e a interagir com a sociedade.

De todo modo, falar de adolescência é falar do período em que os jovens, após diversas experiências que lhe proporcionaram refletir e até mesmo amadurecer ideias e comportamentos, passam a construir sua identidade, seus pontos de referência, escolhem seu caminho profissional e seu projeto de vida.

Trata-se de uma fase que necessita de muita atenção, principalmente quando se trata de conflitos e decisões, valores e necessidades. Por isso, a importância e a necessidade de modelos que sirvam de exemplos aos adolescentes para eles mesmos conseguirem formar suas características pessoais na idade adulta. E esses modelos, na maioria das vezes, surgem dos próprios pais e familiares.

Alessandra Matiko Alves Bosso

Fonte: www.vidamental.com.br

Adolescência

Incrível Adolescência

Conta-se que um adolescente fez o seguinte comentário: “Em casa discordo dos meus pais para defender minha geração; na escola defendo meus pais. – Estou sempre em oposição.”

Quando se fala em adolescência, a primeira idéia que surge, em geral, é a imagem de um jovem excêntrico, em oposição ou ao contrário, em retraimento.
Vamos entender um pouco mais sobre este período de desenvolvimento.

A adolescência pode ser classificada em Puberdade, Fase intermediária e Final, e é um processo que se estende em torno dos doze aos vinte e dois anos de idade, coincidindo com o cessar do crescimento físico.

1ª adolescência (Puberdade)

Entre 11 e 14 an os (meninas) – entre 12 e meio e 16 anos (meninos)

Intermedíária

15 aos 18 anos

Final

19 a 22 anos

O período de adolescência é caracterizado por um conjunto de transformações biopsicosociais (mudanças físicas, hormonais, emocionais e cognitivas).

Através da história podemos constatar como nossos sábios demonstravam consideração às características de cada faixa etária, seja orientando (ver Ética dos Pais – “Pirkei Avot”) nos conteúdos a serem estudados, na responsabilidade frente ao cumprimento da Halachá (Lei Judaica), etc.

O histórico anterior do adolescente, sua infância, determinam basicamente o que vai ocorrer nesta fase da vida. O adolescente que durante a infância manteve um vínculo e relacionamento adequado com os pais (afeto, segurança, limites e valores) tende a apresentar uma adolescência mais tranquila.

É importante destacar como é beneficiado o menino que na sua infância vive e continua mantendo uma intimidade respeitosa com seu pai (sentimento de respeito e aceitação incondicional – sentimento de conforto para dividir os próprios problemas e dificuldades com os pais).

Um adesivo muito expressivo nos ajuda a entender este processo: “Adote seu filho antes que um marginal o faça”.

Durante a transição da adolescência o jovem é vulnerável às influências internas e externas: sociais, éticas, morais, etc. e é de grande valor o vínculo com o próprio lar, o que evita maiores riscos, além de favorecer a segurança emocional.

O desenvolvimento da adolescência é fascinante: concomitante com a maturação corporal e sexual, percebe-se uma maior auto-consciência e reorganização da personalidade.

Percebe-se nesta fase um interesse e ênfase nos processos de amizade. O jovem se prepara também para a vida adulta assumindo muitas vezes responsabilidades sociais e até econômicas.

A sociedade americana considera a adolescência um período difícil, de busca do grupo, da busca pela própria identidade (Quem sou? Quem quero ser?).

O adolescente demonstra instabilidade; de um lado volta-se de maneira infantii para si e de outro mostra-se altruísta fazendo questionamentos sobre o comportamento dos outros.

O jovem demonstra maior sensibilidade e irritabilidade, e Dr. Benjamin Spock aponta como características presentes durante a adolescência a rivalidade com pais (de intensidade variada); problemas de disciplina e contestação.

Diversas tarefas de desenvolvimento pertencem principalmente às fases intermediária e final da adolescência:

Aceitar o físico adulto e suas características pessoais;
Desenvolver independência emocional dos pais e figuras de autoridade;
Desenvolver perícia na comunicação inter-pessoal;
Realizar relacionamento com colegas e outras pessoas, tanto individualmente como no grupo;
Aceitar-se e confiar nas próprias habilidades e possibilidades;
Fortalecer o auto-controle em base de uma escala de valores e princípios;
Ter modelos humanos para identificação.

Neste processo de reorganização de personalidade e ajustamento, torna-se muito difícil para o jovem o fracasso, a crítica, a falta de reconhecimento e aceitação (real ou imaginária).

O jovem busca emancipação ao mesmo tempo em que necessita de apoio.

O adolescente tem necessidade de novas experiências e atividades e se bem direcionadas acrescentam ao jovem vontade de viver (escolas e yeshivot devem favorecer jogos, esportes e programas selecionados para o bem estar dos jovens e também no sentido de prevenir “outras” buscas por parte dos alunos e alunas).

Como mencionado anteriormente, o jovem tem necessidade de se sentir seguro e isto varia com a própria auto-confiança. Em geral, sente-se seguro quando tem a afeição dos pais e a a ceitação do grupo e/ou do amigo mais próximo.

É importante para o adolescente participar do grupo, “vestir a camisa”, sentir “status”, sentir-se adequado na sociedade. A falta de segurança, rejeição pelo grupo e a auto-imagem negativa levam o jovem a tensão, podendo gerar ansiedade, retraimento, tendência à hostilidade, desafio e destruição.

Não podemos deixar de mencionar que períodos difíceis e situações de grande impacto em crianças e jovens (devido a grande sensibilidade), causam por vezes situações de isolamento e sentimentos depressivos.

Educadores devem estar atentos ao “Bullying” (crianças ou jovens visados e perseguidos por colegas) e trabalhar no sentido de sanar a situação.

Crianças e jovens quando incomodados continuamente por colegas necessitam da intervenção e proteção dos educadores.

Durante a infância a fonte principal na formação de valores é a família, embora o ambiente social também tenha seu papel.

Já os adolescents mesmo trazendo a bagagem familiar são mais vulneráveis às influências externas como mídia, ambientes que frequentam, figuras carismáticas e colegas.

Daí a importância na escolha criteriosa que os responsáveis devem ter no sentido de favorecer aos jovens, ambiente e companhias selecionadas.

Por vezes com a boa intenção de educar, pais e professors se tornam muito rígidos e exigentes com os jovens que então se afastam pela própria característica da idade de não tolerar a sensação de serem dominados.

Como prevenção, vale a pena lembrar que a disciplina e os limites, embora necessários também para os jovens, são basicamente tarefas a serem desenvolvidas por pais e educadores com maior ênfase na infância.

A atitude frente aos adolescentes deve ser segura, mas com cautela no sentido de que o jovem não se sinta rebaixado ou desconsiderado. Recomenda-se o diálogo amistoso, o reconhecimento dos seus desejos e reivindicações, mas não necessariamente precisamos do seu consentimento para disciplinar ou impôr algum limite importante.

Como ilustração, citamos o pedido de uma jovem solicitando chegar em casa num horário que para os pais significa “muito tarde”.

Os pais devem validar os sentimentos (ex.: eu sei que você gosta muito de ficar mais tempo com suas amigas, mas queremos o seu bem e por tais e tais motives você deve chegar tal hora), eventualmente negociar algum tempo extra, mas manter sua posição caso estejam seguros das suas exigências.

No processo de auto-reorganização da personalidade, o jovem precisa provar a si mesmo que não é mais criança.

Podemos observar como na sabedoria do judaísmo este processo é favorecido ao jovem menino: aos treze anos torna-se bar-mitsvá e isso faz com que lhe deleguem responsabildades reais: tem a maioridade religiosa e participa na vida judaica como adulto, tem papel a desempenhar na sinagoga, a vestimenta em geral sofre transformaões, é “pra-valer”.

Em outras palavras: mesmo antes de reivindicar a maioridade, esta lhe é assegurada e se bem direcionado, o processo de transição para a vida adulta lhe é favorecido.

O adolescente que numa fase anterior já tem uma moral estabelecida pela Torá, não precisa se auto-afirmar desafiando os pais: os valores não são uma invenção dos pais, são uma criação Divina.

Os educadores, de maneira geral, mostram a necessidade de instrução e vivencia religiosa para aauxiliar o jovem no processo de humanização nesta fase crítica de reorganização dos valores.

Regras claras tanto em casa como nas escolas auxiliam a convivência, não tornando as exigências pessoais.

Faz-se necessário dar ênfase ao assunto da função paterna e função materna quando tratamos de adolescência. Os jovens devem sentir o apoio dos pais nos seus momentos de iniciativa e emancipação (coisas simples como a mudança do penteado da menina ou a troca de livros na estante, mesmo que aos olhos dos pais não parecem ideais, mas não implicam em valores ou prejuízos, devem ser motivo de apoio e não conflito).

Aquele menino que na infância teve seu pai e continua o tendo afetivamente presente e participante no seu dia-a-dia terá provavelmente desenvolvido uma saudável identificação e um sentimento de segurança maior para viver esta fase da vida.

A menina que estabeleceu um vínculo afetivo e de identificação com sua mãe terá possibilidades de um bom ajuste emocional. Embora tanto para meninos como para meninas a função paterna e materna na família são vitais para a saúde emocional, destacamos acima especificamente as funções paternas vinculadas aos meninos e a materna às meninas, pois são aspectos concernentes ao equilíbrio nos processos de adolescência.

É de grande importância à orientação segura e serena para meninos e meninas sobre as mudanças que vão ocorrendo no corpo e a prontidão para responder as suas dúvidas e perguntas.

Ambos meninos e meninas devem ser alertados no sentido de proteger a privacidade do corpo.

Os jovens diferem uns dos outros: alguns podem passar mais calmamente pela puberdade e adolescência, enquanto outros vivem grandes conflitos. Se os pais sentem que não estão podendo lidar satisfatoriamente com a situação, por vezes, outros adultos próximos dos jovens conseguem bons resultados se o jovem se sentir a vontade para estar dividindo com eles seus estados de espírito.

Em alguns casos, a ajuda de um profissional se faz necessária.

Para finalizar, vale a pena reforçar algumas características do adolescente e a attitude preferencial a ser mantida por pais e educadores.

1) A tarefa principal do adolescente é encontrar a IDENTIDADE – daí a importância de estar envolvido num ambiente social apropriado com líderes positivos e afetivos e com um critério de valores.

2) O jovem tem grande preocupação com sua IMAGEM (não só aparência, mas a idéia que fazem dele). Muita cautela deve ser tomada para que não se sinta inadequado. Deve-se investir e incentivar suas habilidades e em demonstrar aprovação e aceitação genuínas. Pais e educadores devem estar atentos a oportunidades para demonstrar admiração e attitudes positivas, a iniciativas válidas e manter uma postura respeitosa e afável para com os jovens.

3) Durante este processo de reorganização de personalidade o jovem precisa provar a si mesmo e para os outros que não é mais criança. Pais e educadores devem continuar guiando, mas segundo padrões já abordados acima. É a busca da AUTONOMIA.

4) Os adolescentes, principalmente em função da grande sensibilidade tendem a olhar para as suas questões “com lente de aumento”: uma palavra mais dura, uma espinha na testa, uma atitude criticada, um cumprimento menos efusivo, uma nota mais baixa, são razões para que se sintam desconfortáveis.

O oposto é extremamente gratificante; uma mnao no ombro, um agradecimento caloroso, um “como vai” com interesse podem colocar o jovem num estado de verdadeiro bem-estar, crescimento e “ABERTURA” para aquele que lhe demonstra consideração.

Rebeca Broner

Fonte: www.chabad.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal