Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Aftas  Voltar

Aftas

 

As aftas são pequenas ulcerações dolorosas que aparecem na mucosa bucal.

Apesar de se desconhecer a causa, parece que o carácter nervoso tem um papel no seu desenvolvimento; por exemplo, podem aparecer aftas na boca de um estudante durante um exame final. Uma afta é uma mancha esbranquiçada, redonda, com uma auréola vermelha.

É comum que a ferida se forme no tecido mole, particularmente no interior do lábio ou da bochecha, sobre a língua ou no palato mole e, às vezes, na garganta. As aftas pequenas (com menos de 12 mm de diâmetro) costumam aparecer em grupos de duas ou de três; de modo geral, desaparecem ao fim de dez dias, sem tratamento, e não deixam cicatrizes.

As aftas maiores são menos comuns, podem ser de forma irregular, necessitam de várias semanas para sarar e é frequente deixarem cicatrizes.

Aftas

Sintomas

O sintoma principal das aftas é a dor, que habitualmente é mais intensa do que seria de esperar de algo tão pequeno: dura entre 4 e 10 dias e piora quando a língua roça a ferida ou se ingerem alimentos quentes ou picantes. Em casos graves pode aparecer febre, inflamação dos gânglios do pescoço e uma sensação geral de mal-estar. Muitas pessoas afectadas por aftas sofrem-nas de forma recidivante (uma ou mais vezes por ano).

Diagnóstico e tratamento

O médico, ou o dentista, identifica a afta pelo seu aspecto e pela dor que provoca. No entanto, as feridas causadas pelo vírus do herpes simples podem parecer-se com as aftas.

O tratamento consiste em aliviar a dor até que as feridas sarem de forma espontânea. Podem limpar-se com algodão impregnado num anestésico como a lidocaína viscosa, que também serve de colutório (bochecho). Durante alguns minutos, este anestésico alivia a dor e as queixas ao comer, embora possa diminuir o sentido do gosto. Para aliviar a dor também se pode aplicar uma camada de carboximetilcelulose (protecção dentária). Se o doente tem várias aftas, o médico, ou o dentista, pode prescrever um bochecho de tetraciclina.

As pessoas com recidivas de aftas graves podem utilizar este bochecho quando aparecerem novas feridas. Outra opção é a cauterização com nitrato de prata, que destrói os nervos que se encontram por baixo da afta. Em alguns casos, o médico, ou o dentista, prescreve uma pomada de corticosteróide para aplicar directamente sobre as aftas graves e, para os casos agudos, pode prescrever-se um bochecho de dexametasona ou comprimidos de prednisona.

Fonte: www.msd-brazil.com

Aftas

É uma ferida nas mucosas da boca, principalmente na língua, nos lábios e na parede das bochechas, Raramente surge nas gengivas e no céu da boca. Às vezes, no lugar de uma afta isolada explodem várias ao mesmo tempo.

Em geral está ligada a distúrbios como diarréia e má digestão. No entanto, certos indivíduos têm aftas depois de uma febre alta ou porque estão estressados. Em algumas mulheres, elas aparecem durante o período menstrual. As feridas podem ainda ser uma reação a antibióticos e antiinflamatórios, remédios que liberam substâncias ácidas no esôfago. Algumas pessoas têm maior predisposição para o problema e por isso suspeita-se que a afta seja hereditária.

Frutas ácidas como o abacaxi, assim como temperos picantes - ketchup, pimenta, mostarda, molho de tomate, vinagre, entre outros -, podem funcionar como fatores desencadeantes, mas só em quem apresenta uma tendência para o problema.

CARACTERÍSTICAS

As aftas surgem na maioria das vezes em pessoas saudáveis;

A afta comum não provoca febre nem mau hálito;

Não tem cura definitiva, é um problema que vai e volta;

Não é transmissível de uma pessoa para outra;

As feridas são limpas, pois não há nelas fungos ou bactérias que desencadearam o problema.

O CICLO DA AFTA

Desaparecem espontaneamente entre sete e dez dias. As aftas costumam acompanhar o estresse. Às vezes, elas castigam as férias de quem resolve experimentar pratos diferentes daquilo que está acostumado a comer. Apesar de os médicos não entenderem os motivos, muitas mulheres que sofriam do problema de tempos em tempos relatam o seu sumiço depois da gravidez. Assim como existem ex-fumantes que garantem ter começado a apresentar aftas com freqüência depois de abandonar o vício - mas, aqui, outra vez, o estresse pode estar por trás, uma vez que não costuma ser fácil para os dependentes do tabaco a adaptação a uma vida sem fumaça.

TRATAMENTO

É individualizado, visando aliviar os sintomas, prevenir o aparecimento de novas aftas e diminuir a gravidade do surto. Bicarbonato de sódio: serve para diminuir a dor, pois destrói as células nervosas responsáveis por ela. Faz a afta demorar ainda mais a desaparecer. O bicarbonato destrói os tecidos saudáveis da mucosa.

Você não vai encontrar nas farmácia nenhum remédio capaz de curar a afta, apenas produtos que podem aliviar seus sintomas. Existem pomadas que formam uma película protetora sobre a ferida para que os alimentos não fiquem esbarrando nela e piorando o tormento. Outros medicamentos agem especificamente contra a dor local. Claro que qualquer medicação só pode ser indicada por um especialista.

O própolis pode ajudar - apesar de a ferida arder mais no primeiro contato com esses produtos, o desconforto da afta parece aliviar em seguida. Atenção: vários estudos recentes indicam que a própolis pode, sim, ajudar na cicatrização dessas lesões. O bicarbonato de sódio também é comumente usado, melhor sendo fazer bochechos com uma solução de 1 colher de chá dessa substância para 1 xícara cheia de água, em vez de passá-la diretamente sobre a ferida.

Quem tem propensão para aftas deve evitar consumir frutas e condimentos ácidos e, na medida do possível, combater o estresse. Não coma alimentos ácidos capazes de agravar a situação. Nunca passe metiolate ou mercuriocromo sobre a ferida. Esses remédios são agressivos para esse tipo de lesão.

Antiinflamatório corticóide: é muito usado em bochechos ou em pomadas apropriadas. Há também injeções antiinflamatórias que são aplicadas sobre a lesão.

A aplicação de substâncias cáusticas, como o formol, sobre as aftas destrói o tecido da região, inclusive as terminações nervosas, o que faz desaparecer a dor. Entretanto, o que se faz é substituir a afta por uma queimadura química, que causa injúria a tecidos normais. Além disso, há risco de maiores danos pela inadequada manipulação dos produtos por parte dos usuários. Não se recomenda tal prática.

DICAS

Desconfie sempre daquelas aftas que nunca cicatrizam, e perduram por 20 a 30 dias. Nesse caso, é preciso avaliar se não há uma doença mais grave por trás, como herpes ou até mesmo Aids. Os fumantes e pessoas que gostam de bebidas fortes, tipo uisque e vodka, precisam analisar as aftas com cuidado porque correm o risco de desenvolver tumores malignos na boca.

O câncer de boca, ou carcinoma epidermóide, freqüentemente começa como uma lesão ulcerada. Por isso, frente a uma úlcera bucal que não cicatriza dentro de 15 dias, o paciente deve procurar o cirurgião-dentista para o diagnóstico da lesão. Além disso, algumas doenças infecciosas, como o herpes, e algumas doenças dermatológicas com ocorrência intrabucal, como o lúpus, embora tenham características próprias bem conhecidas, em certas fases de seu desenvolvimento podem parecer-se com aftas, principalmente para o leigo.

Fonte: www.acessomedico.hpg.ig.com.br

Aftas

A afta ou úlcera aftosa recorrente é uma doença comum, que ocorre em cerca de 20% da população, caracterizada pelo aparecimento de úlceras dolorosas na mucosa bucal, as quais podem ser múltiplas ou solitárias.

Quais as características clínicas da afta?

As aftas costumam ser precedidas por ardência e prurido, bem como pelo surgimento de uma área avermelhada. Nessa área desenvolve-se a úlcera, recoberta por uma membrana branco-amarelada e circundada por um halo vermelho. Essas lesões permanecem cerca de 10 dias e não deixam cicatriz; em geral, o período de maior desconforto perdura por dois ou três dias.

Todas as aftas são iguais?

Não. Atualmente são reconhecidos três tipos de aftas, sendo a vulgar ou menor a forma mais prevalente. As outras formas são mais raras: uma delas é conhecida como herpetiforme, porque lembra a manifestação do herpes simplex, apresentando um grande número de pequenas ulcerações superficiais arredondadas e agrupadas, que também perduram por cerca de 10 dias; a outra forma é chamada afta maior, que, como o nome indica, produz uma ferida maior (com mais de 1 cm de diâmetro), mais profunda, mais dolorida, mais difícil de tratar e que permanece semanas ou, às vezes, meses.

Por que as aftas doem tanto?

As aftas são lesões ulceradas: há exposição do tecido conjuntivo, que é rico em vasos e nervos, o que provoca dor. Além disso, o quadro pode ser agravado por infecções causadas por microorganismos do meio bucal.

O que causa a afta?

Não podemos afirmar que exista um agente etiológico específico. A literatura aponta uma alteração da resposta imunológica como possível causa primária em alguns pacientes e secundária em outros. Os ácidos presentes na alimentação, os pequenos traumas à mucosa, distúrbios gastrintestinais, o ciclo menstrual e o estresse emocional agem como fatores desencadeantes.

Qual a relação entre as aftas e a dieta?

Alguns alimentos, quando em contato com a mucosa bucal, podem desencadear uma resposta imunológica alterada em certos pacientes, o que provocaria o aparecimento da ulceração. Muitas vezes os pacientes são alérgicos: têm aftas quando ingerem certos alimentos.

As aftas são contagiosas?

Não, pois não se trata de doença infecciosa. No entanto, há um traço familiar envolvido. Filhos de pais portadores de aftas apresentam chances bem maiores de também sofrerem com aftas.

Outras doenças podem parecer aftas?

Sim. O câncer de boca, ou carcinoma epidermóide, freqüentemente começa como uma lesão ulcerada. Por isso, frente a uma úlcera bucal que não cicatriza dentro de 15 dias, o paciente deve procurar o cirurgião-dentista para o diagnóstico da lesão. Além disso, algumas doenças infecciosas, como o herpes, e algumas doenças dermatológicas com ocorrência intrabucal, como o lúpus, embora tenham características próprias bem conhecidas, em certas fases de seu desenvolvimento podem parecer-se com aftas, principalmente para o leigo.

Só agora, perto dos 50 anos de idade, comecei a sofrer com aftas. Por quê?
Confirmado o diagnóstico (pois nem toda ferida na boca é uma afta), será preciso investigar algum fato relevante na história médica do indivíduo ou se houve alguma modificação importante em seus hábitos de vida. Um fator muitas vezes relacionado com essa história é o abandono do hábito de fumar. O fumo provoca um espessamento da mucosa bucal, que parece tornar-se mais resistente à penetração de agentes desencadeadores da afta. Resta saber se vale correr o risco de adquirir um câncer de boca ou pulmão para se proteger das aftas.

Queimo minhas aftas com formol. Há algum problema nessa prática?

A aplicação de substâncias cáusticas, como o formol, sobre as aftas destrói o tecido da região, inclusive as terminações nervosas, o que faz desaparecer a dor. Entretanto, o que se faz é substituir a afta por uma queimadura química, que causa injúria a tecidos normais. Além disso, há risco de maiores danos pela inadequada manipulação dos produtos por parte dos usuários. Não se recomenda tal prática.

Qual o melhor tratamento para as aftas?

Não existe tratamento que seja eficaz para todos os portadores de aftas. Alguns têm uma lesão aftosa uma vez por ano; outros apresentam lesões múltiplas diuturnamente. As medicações de uso sistêmico, como os imunossupressores, são mais efetivas na redução dos sintomas, mas possuem efeitos colaterais indesejáveis, às vezes graves, sendo, por isso, reservadas para os casos mais severos da doença, exigindo o acompanhamento atento de um especialista. Para os indivíduos com quadros clínicos mais leves, a melhor abordagem é a aplicação tópica de anti-sépticos, antiinflamatórios, anestésicos ou protetores de mucosa, naturais ou sintéticos. O cirurgião-dentista deve ser consultado para um adequado diagnóstico e orientação terapêutica.

Fonte: www.ubbonline.org.br

Aftas

Significa um machucado pequeno na mucosa da boca. É uma ferida considerada limpa, pois não é provocada por microorganismo algum, como bactéria ou fungo.

Incidência

Afta acomete entre 20% e 50% da população mundial.

A tendência de ter afta começa a surgir na adolescência e se agrava na faixa dos 30 e 40 anos, fase em que a pressão social é maior e há preocupação com estabilidade financeira e familiar. Com o avanço da idade a tendência diminui e por vezes, o problema desaparece por completo.

O ciclo da afta

Começa com sensação de formigamento ou incômodo na mucosa da boca.

De 24 a 48 horas depois, surge um ponto avermelhado.

Com o tempo, o núcleo da lesão vai ficando esbranquiçado e, quando a afta está madura, surge a ferida no seu centro

Normalmente, a afta desaparece em sete dias, sem que seja usado tratamento algum.

Características da Afta

As aftas surgem na maioria das vezes em pessoas saudáveis.

A afta comum não provoca febre nem mau hálito.

Não tem cura definitiva, é um problema que vai e volta.

Não é transmissível de uma pessoa para outra.

As feridas são limpas, pois não há nelas fungos ou bactérias que desencadearam o problema.

Locais de manifestação

A afta surge principalmente nas mucosas:

1 - Do palato mole
2 - Da língua
3 - Das bochechas
4 - Da gengiva

Causas prováveis

A teoria mais aceita é a de que pessoas com afta está com alguma deficiência no sistema imunológico, que pode ser atribuída, entre outras coisas, a:

Predisposição genética

Tensão pré-menstrual

Deficiência nutricional

Tipos

Ulceração aftosa comum:

É a forma mais visual e corresponde a 80% dos casos. São feridas pequenas que surgem de uma só e vêm em uma quantidade que varia de uma a cinco. Aparecem em surtos. As lesões podem estar relacionadas por alguma forma de trauma. Saram sem deixar cicatriz.

Periadenite mucosa necrótica recidivante:

Significa uma inflamação que mata o tecido atingido e pode se repetir freqüentemente. Surgem um ou dois machucados, com um tamanho maior do que a média, que podem durar meses. Saram, porém deixam cicatriz.

Ulceração herpetiforme:

Quando aparecem muitos machucados de tamanho menor e extremamente dolorosos. Surgem na ponta da língua e o assoalho da boca. Saram sem deixar cicatriz. Quem é de repente atingido com várias aftas de uma vez precisa pode estar com uma deficiência imunológica mais séria.

Tratamento Afta

É individualizado, visando aliviar os sintomas, prevenir o aparecimento de novas aftas e diminuir a gravidade do surto. Bicarbonato de sódio: serve para diminuir a dor, pois destrói as células nervosas responsáveis por ela. Faz a afta demorar ainda mais a desaparecer. O bicarbonato destrói os tecidos saudáveis da mucosa.

Antiinflamatório corticóide: é muito usado em bochechos ou em pomadas apropriadas. Há também injeções antiinflamatórias que são aplicadas sobre a lesão.

Dicas Afta

Desconfie sempre daquelas aftas quer nunca cicatrizam, e perduram por 20 a 30 dias. Nesse caso, é preciso avaliar se não há uma doença mais grave por trás, como herpes ou até mesmo Aids.

Os fumantes e pessoas que gostam de bebidas fortes, tipo uisque e vodka, precisam analisar as aftas com cuidado porque correm o risco de desenvolver tumores malignos na boca.

Fonte: www.estudeocorpo.hpg.ig.com.br

Aftas

O problema atinge entre dois e três bilhões de pessoas no mundo, porém ainda não existe definição da causa nem do tratamento corretos.

O que é?

Significa um machucado pequeno na mucosa da boca. É uma ferida considerada limpa, pois não é provocada por microorganismo algum, como bactéria ou fungo.

Incidência

Afta acomete entre 20% e 50% da população mundial. A tendência de ter afta começa a surgir na adolescência e se agrava na faixa dos 30 e 40 anos, fase em que a pressão social é maior e há preocupação com estabilidade financeira e familiar. Com o avanço da idade a tendência diminui e por vezes, o problema desaparece por completo.

O ciclo da afta

1

Começa com sensação de formigamento ou incômodo na mucosa da boca

2

De 24 a 48 horas depois, surge um ponto avermelhado

3

Com o tempo, o núcleo da lesão vai ficando esbranquiçado e, quando a afta está madura, surge a ferida no seu centro

4

Normalmente, a afta desaparece em sete dias, sem que seja usado tratamento algum.

Características

As aftas surgem na maioria das vezes em pessoas saudáveis;

A afta comum não provoca febre nem mau hálito;

Não tem cura definitiva, é um problema que vai e volta;

Não é transmissível de uma pessoa para outra;

As feridas são limpas, pois não há nelas fungos ou bactérias que desencadearam o problema.

Locais de manifestação

A afta surge principalmente nas mucosas:

1 - Do palato mole;
2 - Da língua;
3 - Das bochechas;
4 - Da gengiva.

Causas prováveis

A teoria mais aceita é a de que pessoas com afta está com alguma deficiência no sistema imunológico, que pode ser atribuída, entre outras coisas, a:

Predisposição genética;

Tensão pré-menstrual;

Deficiência nutricional.

Tipos

Ulceração aftosa comum

É a forma mais visual e corresponde a 80% dos casos. São feridas pequenas que surgem de uma só e vêm em uma quantidade que varia de uma a cinco. Aparecem em surtos. As lesões podem estar relacionadas por alguma forma de trauma. Saram sem deixar cicatriz.

Periadenite mucosa necrótica recidivante

Significa uma inflamação que mata o tecido atingido e pode se repetir freqüentemente. Surgem um ou dois machucados, com um tamanho maior do que a média, que podem durar meses. Saram, porém deixam cicatriz.

Ulceração herpetiforme

Quando aparecem muitos machucados de tamanho menor e extremamente dolorosos. Surgem na ponta da língua e o assoalho da boca. Saram sem deixar cicatriz. Quem é de repente atingido com várias aftas de uma vez precisa pode estar com uma deficiência imunológica mais séria.

Tratamento

É individualizado, visando aliviar os sintomas, prevenir o aparecimento de novas aftas e diminuir a gravidade do surto. Bicarbonato de sódio: serve para diminuir a dor, pois destrói as células nervosas responsáveis por ela. Faz a afta demorar ainda mais a desaparecer. O bicarbonato destrói os tecidos saudáveis da mucosa.

Antiinflamatório corticóide: é muito usado em bochechos ou em pomadas apropriadas. Há também injeções antiinflamatórias que são aplicadas sobre a lesão.

Dicas

Desconfie sempre daquelas aftas quer nunca cicatrizam, e perduram por 20 a 30 dias. Nesse caso, é preciso avaliar se não há uma doença mais grave por trás, como herpes ou até mesmo Aids. Os fumantes e pessoas que gostam de bebidas fortes, tipo uisque e vodka, precisam analisar as aftas com cuidado porque correm o risco de desenvolver tumores malignos na boca.

Fonte: www.santalucia.com.br

Aftas

A afta é uma ferida que se manifesta nas mucosas da boca, especialmente na língua, nos lábios e bochechas, raramente nas gengivas ou no palato (céu da boca). As feridas podem aparecer isoladas ou em grupos (estomatite aftosa) e surgir em intervalos variáveis de tempo.

Em geral ela está ligada a distúrbios gastrointestinais, como diarréia e má digestão, mas podem surgir em decorrência de febre, durante o período menstrual, devido a traumatismos na mucosa da boca e em situações de stress.

Algumas pessoas têm maior predisposição ao problema e por isso supõe-se que a afta possa também ser de origem hereditária.

As aftas desaparecem em 7 a 10 dias, tempo de cicatrização completa da mucosa da boca.

Fonte: guiadoscuriosos.ig.com.br

Aftas

A palavra afta é, em geral, usada para denominar qualquer ferida dolorosa da mucosa, em especial da oral. As aftas verdadeiras, no entanto, são consideradas uma ou múltiplas áreas de perda de substância, com ulceração, em locais onde não houve traumatismo prévio, de localização na mucosa oral, dolorosas, de aparição rápido, bem demarcadas, inicialmente necróticas e não precedidas por vesículas ou bolhas, e que tenham com padrão recorrente. O melhor termo para definir a entidade recidivante da mucosa oral de etiologia múltipla é estomatite aftosa recorrente.

Pelo conceito atual, outros processos que provocam úlceras na mucosa oral não devem ser denominados afta, como é o caso das úlceras por traumatismo, por alergia de contato, por medicamentos, e a da doença de Behçet, entre outras.

1. estomatite aftosa recorrente é muito comum: 10 a 30% da população

2. afeta qualquer idade

3. é ligeiramente mais freqüente no sexo feminino (57% : 52%). As mulheres, além de deterem a maior freqüência, quando apresentam a aftose recorrente, têm maior número de lesões do que os homens acometidos pela entidade

4. doença da classe média e alta, em especial de profissionais de bom nível cultural

5. pode ocorrer infecção bacteriana, o que retarda seu desaparecimento

Quanto ao tratamento da afta, drogas cauterizantes, anti-sépticos, antibióticos, agentes protetores da mucosa oral, anestésicos tópicos, vitaminas, entre outras, têm sido utilizadas. Algumas delas melhoram a dor por provocar destruição das terminações nervosas; entretanto, como produzem queimadura que leva a retardo na cicatrização, devem ser evitadas. Por isso nunca se deve prescrever agente cáustico, pois, apesar de aliviar a sintomatologia, retarda a involução da lesão.

Algumas medicações são estritas para os casos mais graves, para melhorar o surto.

Há algumas que apresentam efeitos colaterais. Para evitar recidivas, é primordial a suspensão de certos alimentos que podem provocar aftas. A prescrição é inicialmente mais voltada para a regressão da sintomatologia e depois para se evitar as repetições que, às vezes, são muito freqüentes.

O tratamento é sempre precedido de uma valiação clinico laboratorial completa do paciente, e a prescrição é muito individualizada, dependendo das alterações encontradas. Os problemas gástricos, infecciosos, hormonais, psicológicos e nutricionais, entre outros, devem ser corrigidos logo no início, às vezes sendo o suficiente para regredir o quadro oral. A relação médico/paciente é primordial, em especial para a detecção de problemas psicológicos, que podem exacerbar o quadro.

Se você é portador de aftas recorrentes, procure um especialista em Dermatologia Oral, ou um dermatologista geral na sua cidade, especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia. Ele é o médico que melhor pode determinar qual a conduta terapêutica para o seu caso, já que, hoje em dia, há vários tratamentos eficazes para a afecção.

Fonte: www.dermato.med.br

Aftas

O que são Aftas e Lesões Bucais?

O que são lesões bucais?

São inchaços, manchas ou feridas em sua boca, nos lábios ou na língua. Há vários tipos de feridas e de enfermidades bucais. As mais comuns são as aftas, o herpes simples, a leucoplasia (placa branca) e a candidíase (sapinho). Estes problemas serão abordados abaixo. Se encontrar uma ferida em sua boca, não se preocupe. Cerca de um terço de toda a população sofre ou sofrerá com isso em algum momento da vida. Contudo, as irritações e inflamações bucais podem ser muito dolorosas e interferir na fala e na mastigação. Qualquer ferida que persista durante uma semana ou mais deve ser examinada pelo seu dentista. Às vezes, é recomendável que se faça uma biópsia (retirada de tecido para ser examinado) para que se possa detectar a causa da ferida, e para que se possa eliminar a possibilidade de doenças sérias como o câncer e AIDS.

Como saber se tenho uma ferida ou uma lesão bucal?

Os seguintes sinais podem indicar a existência de uma ferida ou lesão bucal:

Aftas são inflamações pequenas e brancas cercadas por uma área avermelhada. As aftas não são contagiosas, mas muitas vezes são confundidas com herpes, causado por um vírus contagioso. As aftas ocorrem dentro da boca, principalmente em mucosa, enquanto o herpes aparece no lado de fora da boca, por exemplo, no canto dos lábios. As aftas podem sumir e reaparecer. Podem também ser pequenas ou grandes e aparecer agrupadas ou isoladas. As aftas são comuns e recorrentes. Embora sua causa seja incerta, alguns especialistas acreditam que estão ligadas a problemas do sistema imunológico, a bactérias ou a vírus. Fatores tais como o estresse, trauma, alergias, cigarro, deficiências de ferro ou vitaminas e tendências genéticas também tornam a pessoa mais susceptível às aftas.

O herpes simples ou herpes labial se apresenta em grupos de bolhas dolorosas que aparecem ao redor dos lábios e, às vezes, debaixo do nariz e ao redor do queixo. Essas bolhas são causadas por um tipo de vírus e são altamente contagiosas. A primeira infecção muitas vezes aparece em crianças, às vezes até sem sintomas e pode ser confundida com um resfriado ou uma gripe. Uma vez que a pessoa é infectada, o vírus permanece no corpo, causando, de tempos em tempos, ataques recorrentes. Em algumas pessoas, porém, o vírus permanece inativo.

A leucoplasia tem uma aparência esbranquiçada e pode aparecer no lado interno da bochecha, na gengiva ou na língua. Muitas vezes é associada ao fumo, ao uso de tabaco de mascar, embora outras causas incluam também dentaduras mal ajustadas, dentes quebrados e mordidas na bochecha. Se considerarmos que mais ou menos 5% dos casos de leucoplasia se tornam câncer*, é possível que seu dentista recomende uma biópsia. A leucoplasia muitas vezes desaparece quando se abandona o tabaco.

A candidíase (ou sapinho) é uma infecção fúngica causada por cândida albicans. Pode ser reconhecida por sua cor branca, amarelada ou avermelhada nas superfícies úmidas da boca. Os tecidos situados sob a mancha podem ficar muito doloridos. A candidíase é comum em pessoas que usam dentaduras, em recém nascidos, em pessoas debilitadas por alguma doença e cujo sistema imunológico não funcione de maneira adequada. Também são susceptíveis pessoas que se queixam de boca seca que acabaram de fazer, ou estão fazendo, tratamentos com antibióticos. Adote uma dieta equilibrada, com pouco açúcar e pouco amido. Coma os alimentos com açúcar e amido durante as refeições e não como "lanchinhos", para minimizar o número de vezes que seus dentes estão expostos ao ácido.

Como tratar irritações/lesões bucais?

O tratamento varia de acordo com o tipo de problema. Para os tipos mais comuns, descritos acima, os tratamentos são os seguintes:

Aftas

Quase sempre desaparecem depois de 7 a 10 dias, e as erupções recorrentes são as mais comuns. Para um alívio temporário, pode se aplicar pomadas analgésicas. A lavagem com enxagüantes antisépticos pode ajudar a reduzir a irritação. Às vezes, prescreve-se antibióticos para reduzir uma infeção secundária.

Herpes simples

As bolhas geralmente desaparecem em uma semana. Como não existe cura para as infecções herpéticas, as bolhas podem reaparecer em momentos de instabilidade emocional, exposição ao sol, alergias ou febre. Anestésicos tópicos podem proporcionar um alívio temporário. Os medicamentos antivirais, vendidos com receita médica, podem reduzir este tipo de infecção. Consulte seu médico ou dentista.

Leucoplasia

O tratamento começa com a remoção dos fatores que causam as lesões. Para alguns pacientes isto significa deixar de usar tabaco. Para outros, significa remover as dentaduras mal ajustadas e substitui-las por dentaduras apropriadas. Seu dentista fará o acompanhamento do tratamento, com exames em intervalos de três a seis meses, dependendo do tipo, local e tamanho da lesão.

O tratamento da candidíase

Consiste em controlar as condições que causam o seu aparecimento.

É importante limpar as dentaduras para evitar os problemas causados por elas. Remover as dentaduras antes de dormir também pode ajudar.

Se a causa for um antibiótico ou um anticoncepcional oral, a redução da dose ou a mudança do tratamento podem ajudar.

Produtos que substituem a saliva deixam a boca mais úmida.

Medicamentos contra fungos podem ser usados quando a causa principal é inevitável ou incurável.

Em todos os casos, a boa higiene bucal é essencial.

Fonte: www.colgate.com.br

Aftas

As aftas são pequenas ulcerações dolorosas que aparecem na mucosa bucal.

Apesar de se desconhecer a causa, parece que o carácter nervoso tem um papel no seu desenvolvimento; por exemplo, podem aparecer aftas na boca de um estudante durante um exame final. Uma afta é uma mancha esbranquiçada, redonda, com uma auréola vermelha. É comum que a ferida se forme no tecido mole, particularmente no interior do lábio ou da bochecha, sobre a língua ou no palato mole e, às vezes, na garganta.

As aftas pequenas (com menos de 12 mm de diâmetro) costumam aparecer em grupos de duas ou de três; de modo geral, desaparecem ao fim de dez dias, sem tratamento, e não deixam cicatrizes. As aftas maiores são menos comuns, podem ser de forma irregular, necessitam de várias semanas para sarar e é frequente deixarem cicatrizes.


Sintomas

O sintoma principal das aftas é a dor, que habitualmente é mais intensa do que seria de esperar de algo tão pequeno: dura entre 4 e 10 dias e piora quando a língua roça a ferida ou se ingerem alimentos quentes ou picantes. Em casos graves pode aparecer febre, inflamação dos gânglios do pescoço e uma sensação geral de mal-estar. Muitas pessoas afectadas por aftas sofrem-nas de forma recidivante (uma ou mais vezes por ano).

Diagnóstico e tratamento

O médico, ou o dentista, identifica a afta pelo seu aspecto e pela dor que provoca. No entanto, as feridas causadas pelo vírus do herpes simples podem parecer-se com as aftas.

O tratamento consiste em aliviar a dor até que as feridas sarem de forma espontânea. Podem limpar-se com algodão impregnado num anestésico como a lidocaína viscosa, que também serve de colutório (bochecho). Durante alguns minutos, este anestésico alivia a dor e as queixas ao comer, embora possa diminuir o sentido do gosto. Para aliviar a dor também se pode aplicar uma camada de carboximetilcelulose (protecção dentária). Se o doente tem várias aftas, o médico, ou o dentista, pode prescrever um bochecho de tetraciclina.

As pessoas com recidivas de aftas graves podem utilizar este bochecho quando aparecerem novas feridas. Outra opção é a cauterização com nitrato de prata, que destrói os nervos que se encontram por baixo da afta. Em alguns casos, o médico, ou o dentista, prescreve uma pomada de corticosteróide para aplicar directamente sobre as aftas graves e, para os casos agudos, pode prescrever-se um bochecho de dexametasona ou comprimidos de prednisona.

Fonte: www.manualmerck.net

Aftas

Pequenas feridas na boca

A afta é uma ferida que aparece na mucosa da boca (do lado de dentro) e na língua. São manchinhas com bordas avermelhadas e centro branco-amarelado que podem causar ardência e queimação. Geralmente duram de sete a dez dias e não deixam cicatrizes.

As aftas podem ser causadas por bactérias, anormalidades imunológicas, estresse ou mesmo ácidos presentes em alguns alimentos, como frutas ácidas (como o abacaxi), chocolate e refrigerantes. Mordidas acidentais e outros traumas na boca, causado por alimentos duros, objetos cortantes e até aparelhos ortodônticos, também podem provocar o aparecimento da afta.

Acompanhe nas dicas como evitar as aftas:

Use diariamente anticépticos bucais, pois eles eliminam as bactérias da boca, ajudando a prevenir as aftas;

Se você usa aparelhos ortodônticos e tem aftas com freqüência devido ao traumatismo constante, peça ao seu dentista uma cera especial que é aplicada no local que está traumatizado e provocou a afta;

Evite frutas ácidas como o abacaxi, laranja, limão, tangerina, etc.;

Evite molho de tomate e café, devido à acidez;

Faça bochechos com água bicarbonatada: uma colher (de café) de bicarbonato de sódio diluída em um copo de água em temperatura ambiente, três vezes ao dia ou após as refeições;

Pomadas de uso local, indicadas pelo médico, ajudam a aliviar a dor;

Dependendo do caso, o médico poderá indicar a suplementação dietética com vitaminas, para aumentar a imunidade do organismo.

Referências

Universidade Federal de São Paulo
Instituto Brasileiro de Estudos em Sedação Consciente
Sociedade Brasileira de Periodontologia
Centrinho/ USP

Fonte: www.nycomed.com.br

Aftas

Existe tratamento para afta?

Ela começa com uma manchinha vermelha, que arde e queima muito, após algumas horas se transforma em uma úlcera com bordas vermelhas e centro branco-amarelado. Pode durar de 7 a 10 dias e não deixa cicatrizes. Estamos falando do tipo mais comum de afta, denominada clinicamente como afta menor, afta vulgar ou estomatite aftosa recorrente. Como e por que surgem aftas são as perguntas mais frequëntes entre os profissionais da área de estomatologia e diagnóstico bucal.

Segundo a Dra. Izabel Maria Marchi Carvalho, doutora em estomatologia pela FOB/USP e especialista em Radiologia pela mesma faculdade, a causa da afta ainda não foi descoberta pelos especialistas, mas atualmente acredita-se em duas teorias que defendem como causas principais a hipersensibilidade a uma forma de bactéria da boca e a alguma anormalidade imunológica, neste caso os próprios anticorpos da pessoa começam a atacar as bactérias e o tecido bucal (epitélio), causando a afta.

Às vezes, a afta pode ser precipitada por uma reação aos ácidos presentes em certos alimentos ou em medicamentos, são os chamados fatores alérgicos. Outros fatores que podem precipitar o aparecimento das aftas são traumatismo, ou seja, mordidas indesejáveis e outros traumas causados por alimentos duros, cortantes, etc.; estresse, pois altera o mecanismo imunológico do indivíduo; e fatores endócrinos durante a menstruação e menopausa, por exemplo.

Os especialistas também acreditam que em algumas mulheres os fatores hormonais podem ser causadores de aftas, já que pesquisas comprovam que esse problema ocorre com mais freqüência em mulheres. Sabe-se também que as aftas atingem principalmente a faixa etária entre 10 e 30 anos.

Hoje, existem 6 modalidades de tratamento para as aftas e a Dra. Izabel Carvalho alerta que o tratamento especializado deve ser procurado quando ocorrerem episódios freqüêntes de inúmeras aftas, ao mesmo tempo, e só deve ser prescrito por um dentista, de preferência um profissional com formação em diagnóstico bucal.

Quando questionada sobre a prevenção, a dentista explica que é possível prevenir quando se conhece o fator que provavelmente causou a afta, como, por exemplo, um alimento muito ácido. Então, fique atento às possíveis razões do problema, se você perceber, por exemplo, que aquele delicioso abacaxi deixa sua mucosa irritada e em seguida aparece uma afta, evite o abacaxi”, conclui. Lembre-se de que os antissépticos bucais eliminam bactérias da boca, ajudando na prevenção de aftas, além de serem excelentes para a higienização bucal.

O tratamento tem 6 modalidades:

1 - aumento da imunidade do paciente, com vacinas e remédios para verminose que aumentam a imunidade do paciente, mas que ainda estão em fase de estudos;

2 - diminuição da atividade imunológica do indivíduo, com o uso de corticóides;

3 - ingestão de antibióticos;

4 - uso de antissépticos bucais, que podem eliminar bactérias bucais;

5 - suplementação dietética com vitaminas, que também aumentam a imunidade;

6 - uso de remédios que combatam os sintomas. Neste e nos casos acima, sempre deve haver acompanhamento médico. A Dra. Izabel não indica o uso daqueles "pózinhos brancos" para curar a afta, pois são muito cáusticos.

Tipos de Afta

Além do tipo conhecido como afta pequena ou vulgar, existem mais dois tipos de afta considerados raros:

Afta maior ou periadenite mucosa recorrente

Essa afta é bem grande e muito dolorida, costuma durar entre 30 e 40 dias e deixa cicatriz.

Síndrome de Behçet

Essa síndrome é caracterizada por aftas bucais pequenas (úlceras), úlceras genitais, lesões oculares e cutâneas. A afta bucal, na verdade, é um dos sinais dessa síndrome. Sua freqüência é 10 vezes mais comum em homens e seu tratamento é sintomático e de suporte. Nesse caso, a pessoa é encaminhada para tratamento médico.

Elaine de Sousa

Fonte: www.centrinho.usp.br

Aftas

A afta, também é conhecida como uma úlcera, ocorre especialmente em algumas partes da boca, como na mucosa labial, no assoalho e muito raramente nas gengivas e no céu da boca. Manifesta-se como um machucado pequeno na mucosa. É uma ferida considerada limpa, pois não é provocada por nenhum microorganismo, como bactéria ou fungo.

Embora os especialistas ainda não conheçam ao certo a verdadeira causa da afta, sabe-se que este problema envolve fatores hormonais, psicossomáticos, infecciosos e hereditários, assim como tensão pré-menstrual, deficiência nutricional e deficiência no sistema imunológico, ou ainda a ação de todos eles. Porém, ainda não existe a definição para a causa e nem um tratamento correto.

Observou-se o aparecimento de úlceras similares à afta em pessoas com pós-operatório muito longo e imunologicamente deprimidas. Traumatismos bucais causados pelo uso de aparelho ortodôntico e por próteses mal adaptadas, por exemplo, podem causar aftas. A dor está presente nas mais variadas intensidades, desaparecendo entre 7 a 14 dias.

Características

O ciclo da afta começa com sensação de formigamento ou incômodo na mucosa da boca. Entre 24 e 48 horas depois, surge um ponto avermelhado. Com o tempo, o núcleo da lesão vai ficando esbranquiçado e, quando a afta está madura, surge a ferida no seu centro. Normalmente a afta desaparece em sete dias, sem que seja usado tratamento algum.

Veja algumas características gerais das aftas:

surgem em qualquer pessoa, mesmo as mais saudáveis;
o mau hálito e a febre não são características das aftas normais;
sua cura não é definitiva;
não são contagiosas;
não existem fungos ou bactérias nas aftas, e por isso são consideradas limpas.

Tratamento

Normalmente a cura é espontânea, ocorre entre 7 e 15 dias. Procure não utilizar produtos cáusticos no local, porque estes podem diminuir a dor, mas também destruir o tecido. O bicarbonato de sódio, por exemplo, serve como espécie de anestésico, pois destrói as células nervosas responsáveis pela dor. No entanto, faz a afta demorar ainda mais para desaparecer, pois danifica os tecidos saudáveis da mucosa.

Antiinflamatórios com corticóides são muito usados em bochechos ou em pomadas apropriadas. O uso local de anestésico líquido (bochecho), como a xilocaína, é muito indicado antes das refeições.

Não deixe de se alimentar; procure ingerir as vitaminas, sais minerais e nutrientes que o organismo necessita; prefira alimentos leves e macios. Em caso de muita dor, é recomendado o uso de anestésicos via oral. As deficiências de ferro, vitamina B12 e folato têm sido associadas ao aumento da ocorrência deste problema. O consumo de alimentos ricos nestes nutrientes pode então prevenir as aftas.

As pessoas que usam aparelhos ortodônticos têm maior possibilidade de afta, porque machucam a boca com maior freqüência com o aparelho. Deve-se usar uma cera no local que está lesado. Se a prótese for a causa, peça ao seu ortodontista para ajustá-la.

Se o problema persistir, consulte o dentista imediatamente.

Fonte: www.hospitalgeral.com.br

Aftas

Lesões brancas da mucosa oral (tecido de revestimento interno da boca), muito comuns e que incomodam muito.

AFTA ou "aphta vulgaris" é uma lesão vesiculosa da mucosa da boca, que ocorre habitualmente nas bochechas, lábios e língua; raramente no céu da boca e na gengiva. Elas podem aparecer individualmente ou em grupos e, geralmente é recidivante.

 

A(s) vesícula(s) rompe(m)-se rapidamente, de modo que a afta é vista mais freqüentemente como uma úlcera rasa, arredondada, de fundo amarelado e bordas avermelhadas, cujo diâmetro médio é da ordem de 5 mm. São bastante dolorosas, principalmente nos primeiros 3 a 5 dias. A lesão dura de 10 a 14 dias e a mucosa oral se recupera totalmente, não deixando cicatriz.

Etiologia desconhecida.

As úlceras tendem a aparecer quando o paciente passou por algum tipo de stress físico ou emocional. Recentemente cientistas tendem a classificar as aftas orais entre as vasculites, que são doenças inflamatórias auto-imunes.

A Estomatite Aftosa Recorrente, uma de suas formais mais comuns, se manifesta normalmente sem qualquer outra doença paralela específica, constituindo-se em uma doença inflamatória em si mesma.

Pacientes com outras doenças podem ter aftas mais freqüentemente:

a - Deficiências imunológicas humorais (deficiências de imunoglobulinas)
b - Doença Celíaca
c - Doença de Behcet
d - Doença de Crohn
e - AIDS
f - Citomegalovírus
g - Anemias
h - Distúrbios gastrointestinais passageiros.

Em crianças os vírus coxsackie A, coxsackie B, echovírus e enterovírus podem causar estomatite, doença caracterizada pelo aparecimento de lesões múltiplas, semelhantes a aftas.
Como diagnóstico diferencial, a gengivo-estomatite herpética aguda se apresenta com vesículas mais resistentes, geralmente muito pequenas e conglomeradas.

Fatores agravantes

Qualquer lesão na mucosa bucal pode produzir afta, desde um arranhão causado pela escova de dentes, até queimaduras ou ferimentos causados por alimentos quentes ou muito ásperos, aparelhos ortodônticos, etc.

Algumas pessoas evitam alimentos ácidos, tais como frutas cítricas (limão, laranja, tangerina, abacaxi, etc.), tomate, vinagre molhos, etc., pois acreditam que estes alimentos desencadeiam o aparecimento das úlceras.

Mulheres são duas vezes mais propensas a desenvolver aftas do que homens. O mesmo ocorre com pessoas cujos pais têm aftas habitualmente.

Tratamento: não há.

Algumas medidas podem ser tomadas para aliviar o desconforto, principalmente nos primeiros 3 ou 4 dias em que as lesões estão mais doloridas:

1) bochechos, 3 a 4 vezes ao dia, com 1 colher de sobremesa de água oxigenada 10 vol diluída em 1/2 copo de água morna.

2) bochechos, 3 a 4 vezes ao dia, com 1 colher de chá de sal e 1colher de chá de bicarbonato de sódio diluídas em 1/2 copo de água morna.

3) evitar alimentos ácidos. Não se tem notícia que vitaminas ou alimentos especiais possam ajudar, a não ser que haja uma deficiência específica. Embora o stress possa causar ou fazer eclodir aftas, medicamentos tranqüilizantes também são, aparentemente, de pouca ajuda.

4) evitar o uso de agentes cáusticos no local, pois, apesar de diminuir a dor, eles provocam a destruição do tecido, fazendo com que a úlcera se torne mais profunda e sujeita a infecções.

No caso de dor intensa, medicação analgésica por via oral pode ajudar.

Quem usa aparelhos ortodônticos pode ter aftas devido ao traumatismo constante. A aplicação de cera de uso odontológico no local responsável pelo traumatismo costuma ajudar.
Se a causa do problema for prótese dentária, o dentista deverá ser consultado.

Nos casos prolongados (mais de 2 semanas), uma visita ao dentista é recomendada.

Fonte: odontologika.uol.com.br

Aftas

O que é uma afta?

A afta ou úlcera aftosa recorrente é uma doença comum, que ocorre em cerca de 20% da população, caracterizada pelo aparecimento de úlceras dolorosas na mucosa bucal, as quais podem ser múltiplas ou solitárias.

Quais as características clínicas da afta?

As aftas costumam ser precedidas por ardência e prurido, bem como pelo surgimento de uma área avermelhada. Nessa área desenvolve-se a úlcera, recoberta por uma membrana branco-amarelada e circundada por um halo vermelho. Essas lesões permanecem cerca de 10 dias e não deixam cicatriz; em geral, o período de maior desconforto perdura por dois ou três dias.

Todas as aftas são iguais?

Não. Atualmente são reconhecidos três tipos de aftas, sendo a vulgar ou minor a forma mais prevalente. As outras formas são mais raras: uma delas é conhecida como herpetiforme, porque lembra a manifestação do herpes simplex, apresentando um grande número de pequenas ulcerações superficiais arredondadas e agrupadas, que também perduram por cerca de 10 dias; a outra forma é chamada afta major, que, como o nome indica, produz uma ferida maior (com mais de 1 cm de diâmetro), mais profunda, mais dolorida, mais difícil de tratar e que permanece semanas ou, às vezes, meses.

Por que as aftas doem tanto?

As aftas são lesões ulceradas: há exposição do tecido conjuntivo, que é rico em vasos e nervos, o que provoca dor. Além disso, o quadro pode ser agravado por infecções causadas por microorganismos do meio bucal.

O que causa a afta?

Não podemos afirmar que exista um agente etiológico específico. A literatura aponta uma alteração da resposta imunológica como possível causa primária em alguns pacientes e secundária em outros. Os ácidos presentes na alimentação, os pequenos traumas à mucosa, distúrbios gastrintestinais, o ciclo menstrual e o estresse emocional agem como fatores desencadeantes.

Qual a relação entre as aftas e a dieta?

Alguns alimentos, quando em contato com a mucosa bucal, podem desencadear uma resposta imunológica alterada em certos pacientes, o que provocaria o aparecimento da ulceração. Muitas vezes os pacientes são alérgicos: têm aftas quando ingerem certos alimentos.

As aftas são contagiosas?

Não, pois não se trata de doença infecciosa. No entanto, há um traço familiar envolvido. Filhos de pais portadores de aftas apresentam chances bem maiores de também sofrerem com aftas.

Outras doenças podem parecer aftas?

Sim. O câncer de boca, ou carcinoma epidermóide, freqüentemente começa como uma lesão ulcerada. Por isso, frente a uma úlcera bucal que não cicatriza dentro de 15 dias, o paciente deve procurar o cirurgião-dentista para o diagnóstico da lesão. Além disso, algumas doenças infecciosas, como o herpes, e algumas doenças dermatológicas com ocorrência intrabucal, como o lúpus, embora tenham características próprias bem conhecidas, em certas fases de seu desenvolvimento podem parecer-se com aftas, principalmente para o leigo.

Só agora, perto dos 50 anos de idade, comecei a sofrer com aftas. Por quê?

Confirmado o diagnóstico (pois nem toda ferida na boca é uma afta), será preciso investigar algum fato relevante na história médica do indivíduo ou se houve alguma modificação importante em seus hábitos de vida. Um fator muitas vezes relacionado com essa história é o abandono do hábito de fumar. O fumo provoca um espessamento da mucosa bucal, que parece tornar-se mais resistente à penetração de agentes desencadeadores da afta. Resta saber se vale correr o risco de adquirir um câncer de boca ou pulmão para se proteger das aftas.

Queimo minhas aftas com formol; há algum problema nessa prática?

A aplicação de substâncias cáusticas, como o formol, sobre as aftas destrói o tecido da região, inclusive as terminações nervosas, o que faz desaparecer a dor. Entretanto, o que se faz é substituir a afta por uma queimadura química, que causa injúria a tecidos normais. Além disso, há risco de maiores danos pela inadequada manipulação dos produtos por parte dos usuários. Não se recomenda tal prática.

Qual o melhor tratamento para as aftas?

Não existe tratamento que seja eficaz para todos os portadores de aftas. Alguns têm uma lesão aftosa uma vez por ano; outros apresentam lesões múltiplas diuturnamente. As medicações de uso sistêmico, como os imunossupressores, são mais efetivas na redução dos sintomas, mas possuem efeitos colaterais indesejáveis, às vezes graves, sendo, por isso, reservadas para os casos mais severos da doença, exigindo o acompanhamento atento de um especialista. Para os indivíduos com quadros clínicos mais leves, a melhor abordagem é a aplicação tópica de anti-sépticos, antiinflamatórios, anestésicos ou protetores de mucosa, naturais ou sintéticos. O cirurgião-dentista deve ser consultado para um adequado diagnóstico e orientação terapêutica.

Fonte: www.odontologiadiferenciada.com.br

Aftas

A afta ou úlcera aftosa recorrente é uma doença comum, que ocorre em cerca de 20% da população, caracterizada pelo aparecimento de úlceras dolorosas na mucosa bucal, as quais podem ser múltiplas ou solitárias.

Costuma ser precedidas por ardência e prurido, bem como pelo surgimento de uma área avermelhada. Nessa área desenvolve-se a úlcera, recoberta por uma membrana branco-amarelada e circundada por um halo vermelho.

Essas lesões permanecem cerca de 10 dias e não deixam cicatriz; em geral, o período de maior desconforto perdura por dois ou três dias.

Atualmente são reconhecidos três tipos de aftas, sendo a vulgar ou minor a forma mais prevalente. As outras formas são mais raras: uma delas é conhecida como herpetiforme, porque lembra a manifestação do herpes simplex, apresentando um grande número de pequenas ulcerações superficiais arredondadas e agrupadas, que também perduram por cerca de 10 dias; outra forma é chamada afta major, que o nome indica, produz uma ferida maior (com mais de 1 cm. de diâmetro), mais profunda, mais dolorida, mais difícil de tratar e que permanece semanas ou, às vezes, meses.

Não podemos afirmar qual a causa específica da afta. A literatura aponta uma alteração da resposta imunológica como possível causa primária em alguns pacientes e secundária em outros.

Os ácidos presentes na alimentação, os pequenos traumas à mucosa, distúrbios gastrointestinais, o ciclo menstrual e o estresse emocional agem como fatores desencadeantes. As vezes, o abandono do hábito de fumar, provoca o surgimento de aftas.

A afta não é contagiosa, pois não é doença infecciosa.

O câncer bucal, ou carcionoma epidermóide, frenquentemente começa como uma lesão ulcerada. Por isso, frente a uma úlcera bucal que não cicatriza dentro de 15 dias, o paciente deve procurar o cirurgião dentista para o diagnóstico da lesão. Além disso, algumas doenças dermatológicas com ocorrência intrabucal, como o lúpus, em certas fases de seu desenvolvimento podem parecer-se com aftas.

A aplicação de substâncias cáusticas, como o formol, sobre as aftas destrói o tecido da região, inclusive as terminações nervosas, o que se faz é substituir a afta por uma queimadura química, que causa injúria a tecidos normais. Não se recomenda tal prática.

Não existe tratamento que seja eficaz para todos os portadores de aftas.

As medicações de uso sistêmico, como os imunodepressores, são mais afetivos na redução dos sintomas, mas possuem efeitos colaterais indesejáveis, às vezes graves, sendo, por isso, reservadas para os casos mais severos da doença, exigindo o acompanhamento atento de um especialista. Para os indivíduos com quadros clínicos mais leves, a melhor abordagem é a aplicação tópica de anti-sépticos, antiinflamatórios e anestésicos.

Referência

Magalhães, M, Aftas, revista APCD vol. 53 - n.6 nov./dez. - 1999, pg. 471

Fonte: www.anadentista.com.br

Aftas

As úlceras orais, também chamadas de úlceras aftosas, estomatites aftóides ou simplesmente aftas, são lesões muito comuns da mucosa oral.

Aftas são lesões benignas, mas por vezes, algumas doenças mais graves podem se manifestar com lesões muito semelhantes.

Vamos primeiro falar da afta simples, para depois descrevermos as outras úlceras orais que merecem maior cuidado.

O que é uma afta?

A afta é uma úlcera que pode surgir em qualquer ponto da cavidade oral: língua, lábios, gengiva, garganta e úvula. São lesões ovais, esbranquiçadas (às vezes amareladas), rasas e limpas, ou seja, não apresentam pus, bactérias ou outros sinais de infecção. Podem ser únicas ou múltiplas, pequenas ou grandes.

Todo mundo já teve pelo menos uma ao longo da vida e 20% da população sofre com aftas recorrentes. São mais comuns em pré-adolescentes, adolescentes e adultos jovens, tendendo a diminuir sua incidência com o passar do anos.

Apesar de lesões benignas, as aftas são muito dolorosas e muitas vezes atrapalham atividades simples como falar, comer e beijar. Por maior e mais numerosas que sejam, não são causas de mau-hálito.

As aftas não são contagiosas, mas as suas causas não estão completamente esclarecidas. Parecem ser causadas por desbalanços no sistema imune.

Alguns dos gatilhos conhecidos são:

Traumas locais como mordidas acidentais

Estresse psicológico

Poucas horas de sono

Helicobacter pylori, a mesma bactéria que causa úlcera gástrica

Algumas pastas de dentes (dentifrícios) que contenham sódio-lauril-sulfato

Refluxo gastro-esofágico

Comidas como chocolate, café e bebidas ácidas.

Cigarro

Alterações hormonais durante o ciclo menstrual.

Deficiência de algumas vitaminas e minerais como : vit.B12 e vit. C, zinco, ferro e ácido fólico

Drogas como antiinflamatórios

A maioria das aftas dura em média de 1 a 2 semanas e costuma curar sem deixar cicatriz, porém, algumas pessoas apresentam aftas grandes, chamadas de aftas major, maiores que 1cm e profundas. Estas demoram até 6 semanas para desaparecer e podem deixar cicatriz. Existe ainda ainda a afta herpetiforme, formada por múltiplas úlceras pequenas que se juntam e transformam-se em uma lesão grande.

As aftas podem vir acompanhadas de linfonodos no pescoço (ínguas), e por vezes, de febre baixa e mal estar.

Tratamento para afta

Não existe remédio milagroso para afta. Nenhuma substância cura a úlcera de um dia para o outro. Como a afta costuma durar até 2 semanas, os tratamentos atuais visam a acelerar o processo de cicatrização da lesão.

É importante distinguir as pomadas que contém apenas anestésicos, e portanto, servem apenas para alívio sintomáticos, daquelas com corticóides e antiinflamatórios em sua fórmula, que efetivamente podem acelerar a cicatrização.

Os 2 medicamentos mais usados para este fim são:

Amlexanox (Aphthasol®)
Acetonido de triancinolona (OMCILON- A ®)

O Amlexanox é o que tem apresentado os melhores resultados nos trabalhos científicos.

Na internet é muito fácil achar inúmeras receitas caseiras para tratar as aftas. Deve-se ter cuidado com o que se aplica na lesão para não aumentar a inflamação e piorar o quadro.

Algumas opções aceitáveis, porém nem tão efetivas, são:

Bochechar solução feita com 1 colher de leite de magnésia ou bicarbonato de sódio diluído em copo de água.

Diluir água oxigenada em água comum e aplicar com cotonete diretamente na afta

Misturar Difenidramina (Benadryl®) com leite de magnésia e bochechar.

Evite contato direto de substâncias abrasivas puras como álcool e bicarbonato em pó. Isto pode irritar a lesão e piorar o quadro. Quando usar diluições para bochechos, sempre cuspa o líquido no final. Nunca o engula.

Quando se preocupar com uma afta?

Apesar de benigna na imensa maioria dos casos, a afta pode ser uma manifestação de doenças sistêmicas ou pode ser confundida com lesões graves como neoplasia da cavidade oral.

Uma consulta com o dentista ou médico estomatologista deve ser avaliada quando:

a afta for excepcionalmente grande
as aftas forem recorrentes com surgimentos de novas logo após a cicatrização das primeiras.
a afta demorar mais de 3 semanas para cicatrizar
houver sinais de infecção na área da afta
houver sintomas sistêmicos que sugiram a presença de alguma doença
houver febre
houver úlceras também nos órgãos genitais

Quais doenças cursam com aftas ou lesões semelhantes?

Normalmente as úlceras orais causadas por doenças sistêmicas são múltiplas e recorrentes. Costumam ter algumas características diferentes das aftas comuns e são acompanhados de outros sintomas.

Fonte: www.mdsaude.com

Aftas

Ninguém pede, mas ela volta

O nome científico é Ulceração Aftosa Recorrente, mas todo mundo a conhece de outro modo: afta. É a enfermidade da mucosa bucal mais comum e se caracteriza por úlceras (feridas) branco-amareladas de contorno avermelhado. A afta é dolorosa, arde muito, e dura entre 10 e 14 dias, desaparecendo por conta própria e sem deixar saudade nem cicatriz. Mas o pior é que ela volta. E muitas vezes.

É mais comum entre os 20 e os 40 anos de idade

Embora a causa da afta seja desconhecida, existem fatores que podem favorecer o aparecimento das lesões. Estresse, frutas cítricas, alimentos condimentados ou gordurosos como maionese, carne de porco e chocolate, bem como a anestesia dentária e traumatismos da mucosa com a escova de dentes, podem ser citados como exemplos desses fatores.

Sem conhecer a causa, fica difícil combater a enfermidade. Os tratamentos, chamados de paliativos, apenas diminuem a dor e ajudam na cicatrização, sendo incapazes de impedir o surgimento de novas lesões. Corticosteróides tópicos e antibióticos, entre outros medicamentos, fazem parte das alternativas terapêuticas, mas o bicarbonato de sódio, que costuma ser usado como automedicação, é inócuo, a afta pode acometer indivíduos de qualquer faixa etária, mas é mais comum nas pessoas entre 20 e 40 anos de idade.

Não causa mau hálito e não é transmissível

A falta de informação também prejudica, pois as pessoas confundem a afta com outras lesões ulceradas da mucosa bucal.

O mau hálito não é um dos sintomas da afta, embora possa surgir se a pessoa não conseguir desenvolver higiene bucal adequada, devido à dor provocada pelas lesões.

O tipo mais grave pode provocar mais de cem lesões

A afta se divide em três tipos clínicos: menor, maior e herpetiforme. A menor é a mais comum e corresponde a 80% dos casos. As lesões se apresentam como úlceras de até um centímetro de diâmetro, ocorrem geralmente em número de uma a três, simultaneamente, e persistem por 10 a 14 dias. Depois, desaparecem sem deixar cicatriz.

Já a afta maior representa 10% dos casos e é uma forma mais severa da enfermidade. As lesões podem chegar a três centímetros de diâmetro, sendo únicas ou múltiplas, com bordas irregulares e mais profundas. Podem persistir por mais de seis semanas e são capazes de deixar cicatriz.

A afta herpetiforme também corresponde a 10% dos casos e, como o próprio nome indica, é representada por lesões semelhantes às do herpes intrabucal. O que diferencia ambas é o fato de a afta herpetirfome jamais ser precedida por bolhas e não atingir a região perioral (em volta da boca). São grupos de pequenas lesões ulceradas, rasas e dolorosas, disseminadas por toda a mucosa bucal. Cada uma mede cerca de dois a três milímetros de diâmetro, podendo ocorrer em grupos de cem ou mais lesões ao mesmo tempo.

Fonte: www.saudenarede.com.br

Aftas


Afta (no círculo azul) na mucosa do lábio inferior.

Afta é uma ferida na mucosa da boca. Caracteriza-se por pequenas erupções que surgem na mucosa labial interna (na boca propriamente dita) - primariamente nos lábios, gengivas e na língua - o que ocasiona incômodo e dor.

Não se conhecem ainda exatamente as causas e o tratamento apropriado da afta. Os dados científicos sobre o assunto sugerem que a aftose provavelmente é uma manifestação comum a diversas doenças, causada por mecanismos distintos, geralmente de natureza imunológica. Comumente, ela permanece instalada no organismo cerca de uma semana, podendo chegar, em alguns casos, até duas semanas.

Segundo a crença popular, alimentos e frutas ácidas como o abacaxi e o limão, assim como temperos picantes, podem funcionar como possíveis indutores da formação de aftas, preferencialmente em quem já apresenta tendência para o problema. Mas os principais desencadeadores das lesões são o stress e trauma local (por doenças dentárias ou próteses mal ajustadas). Outros fatores de menor importância são doenças sistêmicas, imunopatias, deficiência nutricional, alergia a alimentos, predisposição genética, certos medicamentos e infecção pelo HIV.

Ainda segundo a crença popular, a maioria dos casos de afta seriam causados por acidez exacerbada do estômago, mas estudos realizados em portadores de aftas de repetição não demonstraram essa correlação.

Fonte: pt.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal