Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Anabolizantes  Voltar

Anabolizantes

HISTÓRIA DOS ESTERÓIDES ANABOLIZANTES

Os esteróides são substâncias que já vem sendo usadas por muitos anos.

Quando vencer era importante, atletas só se preocupavam em combater seus rivais, nunca pararam para distinguir o "natural" do "artificial".

Na antiga Grécia, muitos campeões olímpicos devem ter perdido sua glória por ter ingerido testículos de carneiro (principal origem de testosterona). Os africanos usam plantas desde a antigüidade para afastar a fadiga e o cansaço, os noruegueses Vikings comiam fungos para se manterem acordados e descansados para as suas batalhas e conquistas pelo alto mar.

O primeiro caso moderno documentado de doping aconteceu em 1865, com Deutch, que usava estimulantes afim de melhorar a sua performance na natação. No séc. XIX, de acordo com os jornalistas, os ciclistas europeus estavam se drogando com "produtos milagrosos" originados da cafeína para uma camada de cubos de açúcar, com a finalidade de acabar com a dor e a exaustão dos esportes.

Os esteróides são conhecidos desde 1935, mas menos como substância e mais como um para efeito dos andrógenos. A sua aplicação no esporte teria começado em 1954, com os atletas russos. Seu uso foi vedado pelo COI em 1976, sendo usado com mais freqüência pelos leigos.

O QUE SÃO ESTERÓIDES ANABOLIZANTES

"Os esteróides são hormônios, responsáveis pela harmonia das funções primordiais do organismo" (Guimarães neto). Podemos também chama-los de "anabólicos, que são hormônios esteróides da classe dos hormônios sexuais masculinos, os andrógenos" As propriedades anabólicas desde hormônios aceleram o crescimento, elevando a taxa de massa muscular.

O uso de esteróides anabólicos eleva principalmente: a força, a aceleração e a explosão muscular. Se por um lado os esteróides beneficiam no desempenho, eles oferecem riscos seríssimos a saúde."

CATEGORIA DOS ESTERÓIDES ANABOLIZANTES

São três as categorias dos esteróides anabolizante:

Estrógenos
Andrógenos
Cortisona.

Estrógenos (Hormônio Feminino)

É produzido no ovário e é o responsável de produzir os caracteres sexuais femininos.

Andrógenos( Hormônio Masculino)

São produzidos no testículos e são responsáveis pela produção de características sexuais masculinas.

Esses dois hormônios são produzidos em ambos os sexos havendo apenas uma predominância dos estrógenos nas mulheres e andrógenos nos homens.

Cortisona

É produzida pelos dois sexos, e tem efeito analgésico e antinflamatório.

"Os esteróides anabólicos são um subgrupo de andrógenos" (Guimarães Neto).

Podemos entender que existem nessas substâncias propriedades andrógenas e anabólicas em diferentes níveis, dependendo do anabolizante.

TIPOS DE ESTERÓIDES ANABOLIZANTES

Foram produzidos vários tipos de esteróides anabólicos pela indústria farmacêutica

Supositórios
Cremes
Selos de fixação na pele e sublingual

Os mas consumidos são os: orais e os injetáveis.

Orais

Via comprimido, na sua ingestão passa pelo estômago, é absorvido pelo intestino, processado pelo fígado, então vai para acorrente sangüínea.

Como o fígado é responsável pela destruição de qualquer corpo estranho no organismo, vários esteróides estavam sendo destruídos através de um processo chamado 17 alpha alcalinização.

A alcalinização provoca uma sobrecarga no fígado que acaba danificado por um esforço para combater algo que não consegue processar.

Injetáveis

Os esteróides injetáveis são menos nocivos do que os orais, por não passar por um processo de alcalinização. Esse tipo de esteróide passa pela corrente sangüínea via muscular, e umas das vantagens é que a base oleosa permanece na corrente sangüínea com uma longa duração, visto que o óleo demora para se dissipar no local da aplicação devido a sua viscosidade.

As desvantagens dos anabolizantes injetáveis é que são mais tóxicos para os rins e são desconfortáveis devido a sua forma de aplicação: "injetável".

EFEITOS DOS ESTERÓIDES ANABOLIZANTES

Podem aumentar a força ou contrabilidade da célula muscular, através do aumento do aumento do armazenamento de fósforo creatino.

Essas substâncias ajudam a repor o ATP ("Moeda energética"), que é a principal fonte de energia para o músculo. Isso ocorre em uma complexa seqüência de eventos denominados CICLOS DE KREBS, que depende de várias enzimas.

Promovem balanço nitrogenado positivo. essa é mais uma forma de aumentar a força muscular e também o volume.

O nitrogênio é conhecido como o componente de crescimento na proteína.

Aumentam a retenção de glicogênio. Essa substância deriva da quebra de carboidratos que é a fonte secundária de energia para o músculo, tão logo tenha se esgotado as reservas de ATP.

Favorecem a absorção de aminoácidos, que são estruturas necessárias para a formação da massa muscular.

Bloqueia o cortisol, que é um hormônio catabólico liberado após um treinamento árduo e por stress emocional. Esse hormônio pode suprir a produção natural de testosterona do organismo, já que estes são antagônicos e confrontam-se em uma batalha para decidir se o músculo iria crescer ou irá definir-se.

ALGUNS EFEITOS COLATERAIS DOS ESTERÓIDES ANABOLIZANTES

Segundo Guimarães Neto, o principal culpado pelos efeitos colaterais provocado pelo uso de anabolizantes é um hormônio denominado: DIHIDROTESTOSTERONA(DHL).

Os efeitos indesejáveis provocado por essa droga são:

1. Calvície: O DHL, faz com que o folículo capilar pare de crescer cabelo;
2. Hipertrofia Prostática:
O DHL, tem um papel importante no mecanismo de aumento prostático, podendo levar o consumidor a impotência;
3. Acne:
O DHL, faz com que as glândulas sebáceas produzam mais óleo, isto é combinado com as bactérias do ar e pele seca formam a acne;
4. Agressividade:
É a causadora deste estado por ser uma droga muito andrógena;
5. Hipertensão:
Isso ocorre, pois os esteróides provocam grande retenção de água, inclusive no sangue, fazendo que este aumente de volume, em conseqüência de pressão;
6. Limitação do Crescimento:
Alguns tipos de esteróides usados em longa duração ou em quantidades abusivas, tem como efeito colateral o fechamento prematuro dos discos de crescimento localizado nas epífise ósseas;
7. Aumento do Colesterol:
Os esteróides tem como efeito colateral o acumulo de LDL e diminuição do DHL. ( Os esteróides anabolizantes são um tipo de colesterol);
8. Virilização em Mulheres:
Pode ocorrer nas mulheres que utilizam esteróides o crescimento de pelos, engrossamento da voz, hipertrofia do clitóris e amenorréia;
9. Ginecomastia:
Excessivo desenvolvimento dos mamilos em indivíduos do sexo masculino, que é conhecido popularmente como "TETA DE VACA";
10. Dores de Cabeça:
Também é ocasionada em função dos esteróides mais androgênicos e dos efeitos da elevação da pressão arterial;
11. Impotência e Esterilidade:
No início do tratamento com esteróides, o homem passa por uma fase de excitação sexual com o aumento da freqüência das ereções, entretanto dura por apenas algumas semanas, isto se reverte gradualmente até a perda do interesse sexual. Esse desinteresse é o resultado da redução da produção de testosterona devido a elevação excessiva de testosterona no corpo;
12. Insônia:
Os anabolizantes tem um efeito de estimulante no sistema nervoso central, que provoca insônia;
13. Hepatoxidade:
O fígado é prejudicado ou lesionado pelos esteróides mais tóxicos, porem estas lesões são reversíveis tão logo o uso seja interrompido;
14. Problemas de Tendões e Ligamentos:
Os esteróides anabólicos faz com que os músculos se desenvolva rapidamente, e este desenvolvimento não é acompanhado pelos tendões e ligamentos que se desenvolvem lentamente, isto causa problemas para tendões e ligamentos como: inflamação, inchaço e até ruptura.

ANÁLISE DOS ESTERÓIDES ANABOLIZANTES

ANAVAR (Oxandrolone)

Esta droga foi originalmente comercializada na década de 60 pela Searle e em diversos países. Oxandrolone é moderadamente androgínico e com bom efeito anabólico, não causando muitos efeitos colaterais. Por isso também é utilizado pelas mulheres. O Anavar tem como efeito principal um grande aumento de força por ampliar os depósitos de fósforo creatina intracelular. É utilizado normalmente em conjunto com Parabolan para densidade muscular e Deca para aumento de massa.

Apresentação: Caixa com 30 comprimidos de 2,5 mg cada.

ANABOLICUM VISTER (Quimbolone)

Este esteróide destinado ao tratamento de mulheres no período pós-menopausa e ao tratamento de sintomas relacionados com o envelhecimento. É um esteróide muito pouco andrógeno, não aromatiza é toxico para o fígado, mas por outro lado tem efeito anabólico restrito. Atletas que estão iniciando o uso de esteróides, são os que podem obter maior resultado, sendo os que já estão acostumados com drogas mais fortes não conseguem bons resultados administrando esse esteróide.

Apresentação: Recipiente de vidro contendo comprimidos de 10 mg. É produzido na Itália pela Parke Davis.

ANABOL (Metandrostenolona)

Com nome de Dinabol esta droga foi inicialmente produzida nos EUA pela Ciba, porem a produção parou a muitos anos, de forma que, se encontrá-la com outros tipos de nomes. Este foi um dos esteróides orais mais populares, principalmente para aqueles que não são muitos chegados ao desconforto das injeções.

Esta droga, em doses adequadas, mostra ser bastante androgênica, causando significativos ganhos de força e volume muscular em poucas semanas de uso. A maior parte de ganho de volume deve-se a retenção hídrica. Por aromatizar, pode causar Ginecomastia e também acne. Quem usa esse tipo de droga, costuma tomar junto no ciclo, a Deca para aumentara força e a massa muscular.

Apresentação: Comprimidos de 5 mg dependendo do laboratório.

ANDROXON (Undecato de Testosterona)

Esta droga também é encontrada no Brasil, foi dita como um excelente esteróide por não ser alquilado. O Androxon é absorvido pelo intestino não passando pelo fígado, de forma que não apresenta risco de toxidade para o mesmo como as demais drogas. Tem um curto período de vida na corrente sangüínea, de forma que deve ser ingerido mais constantemente para manter uma dose estável no sangue. Segundo os fisiculturistas esta droga apesar de não ter grandes efeitos colaterais, ela não ocasiona melhoria na força e nem aumento de massa muscular.

Apresentação: Capsula marrom de 40g em caixa de 60 comprimidos. É produzida pela Organon no Brasil.

DECA-DURABOLIN (Decanoato de Nandrolona)

Uma das mais conhecidas e tomadas pelos "leigos"!! A Deca em sua forma original é moderadamente androgênica com boas propriedades anabólicas, sendo utilizada para ganho de massa muscular e pré-competição, porem alguns atletas tendem a reter líquidos com essa droga. A deca é muito usada como esteróide de base para todo o ciclo de anabolizante por evitar inflamações e dores devido ao treinamento pesado.

Apresentação: Ampolas de 25 mg ou 50 mg. É produzida no Brasil pela Organon.

DEPOSTERON (Cipionato de testosterona)

Esta droga injetável é conhecida por promover rápido ganho de força e volume muscular. é altamente androgênica com boas propriedades anabólicas. Como a maior parte das testosteronas, essa droga tende a aromatizar facilmente, sendo provavelmente a maior responsável pela Ginecomastia entre os culturistas. Por reter muita água, pode causar elevação da pressão arterial. É utilizada fora de temporada, quando o objetivo é ganhar peso. O Deposteron é também conhecido como o anabolizante que mais atrofia os testículos, além de ocasionar perdas vertiginosas de força e volume tão logo a droga seja descontinuada. Encontra-se como recomendação o acompanhamento com Movaldex durante a sua administração.

Apresentação: Caixa com uma ampola de 200 mg. É produzida no Brasil pela Novaquímica.

DURATESTON (Decanoato de testosterona, Fenilpropiaonato de testosterona, Isocaproato de testosterona e Propionato de testosterona)

Este esteróide é a combinação de 4 compostos de testosterona. É injetável e a sua intenção é de misturar estes diferentes ésteres para uma ação imediata após a aplicação e mante-la por um longo período. O Propionato tem uma ação imediata, mas de curto período, o Fenilpropionato e o Isocaproato tem um início de ação mais lenta, porém de maior duração. Excelente droga para ganho de força e peso e não retém líquidos , mas mesmo assim só é utilizada fora de temporada.

Mulheres não devem utilizá-la. Apresentação: Ampola de 250 mg.

É produzida no Brasil pela Organon.

EQUIPOISE (Undecilenato de Boldenone)

Se você está procurando uma droga para a base do seu ciclo, você já encontrou! Muito utilizada com a Deca no trabalho de base e apesar de ser uma droga de uso exclusivo veterinário, os culturistas já descobriram os seus excelentes efeitos anabólicos. Ela é moderadamente tóxica ao fígado e com baixo nível de aromatização.

Apresentação: Caixa com 6 ampolas de 2 ml cada. é produzida na Itália na LPB PHARMACEUTICALS de Milano.

HALOSTIN (Fluoximesterona)

É utilizado nas últimas semanas que antecedem o campeonato por ser muito tóxico ao fígado. O objetivo é aumentar o nível de andróginos no organismo enquanto estiver realizado super compensação de características principal o poder de não reter muita água. O Halostin, no momento, só parece estar sendo produzido pela UPOHJN na Grécia. Pode causar mudanças de comportamento por ser uma droga altamente androgênica.

Apresentação: Frasco com 20 comprimidos de 5 mg cada produzido pela Upjohn.

HEMOGENIN (Oximetolona)

Esta droga é conhecida como esteróide oral mais perigoso que um culturista pode tomar. Ele ocasiona um rápido ganho de força e volume muscular, mas devido a sua toxidade ao fígado, a dose e o ciclo devem ser limitados, pois sua utilização pode tomar mais pronunciados os outros efeitos colaterais, mas mesmo em doses menores, é de praxe o uso de Novaldex para se limitar os feitos indesejáveis. Não ultrapasse o tempo de uso de 6 semanas, e os intervalos de consumo sejam de no mínimo 6 a 8 semanas.

Apresentação: Caixa com 10 comprimidos de 50 mg cada. É produzido pela Syntex no Brasil.

PROVIRON (Mesterolona)

Este é um esteróide anti-aromatizante não tóxico. Mas também não tem propriedades anabólicas. Muitos atletas utilizam o para combater a Ginecomastia e aumentar a densidade muscular.

Apresentação: Frasco com 20 comprimidos sulcados. É produzido pela Shering do Brasil.

PRIMOBOLAN (Mentelona)

É considerado atualmente o anabolizante favorito para ser consumido na fase de pré-competição por produzir densidade muscular em dieta para a perda de gordura e liquido subcutâneo. É também muito apreciando pelas mulheres.

Apresentação: Caixa com comprimidos( 50 de 25 mg) ou ampolas(10 de 20 mg), todos produzidos pela Shering da Europa.

PARABOLAN (Trembolone)

Excelente esteróide para efeito cosmético, ou seja nas fases de competições. Se tomar com outros anabolizantes, administrar junto o Novaldex.

Apresentação: Caixa com uma ampola de 76 mg/1,5 ml. É produzido pela Negma.

TESTOVIRON ()

Esta é uma das testosterona de ação mais prolongada no organismo. Muito utilizada no final de ciclos para permitir uma volta gradual da produção fisiológica da testosterona, evitando assim choque vertiginoso com perda de peso, como acontece ao intervalo de outros esteróides.

Apresentação: Ampola de 250 mg produzido na Europa pela Shering

WINSTROL (Stanozolol)

Esteróide de pouca retenção hídrica, e com pequenas taxas anabólicas. É controvertido no mundo do culturismo. pois uns afirmam que não tem efeito nenhum e outros afirmam que tem efeitos ótimos. Pode ser que pessoas não tenham os receptores para esse tipo de bola, não ocorrendo nada, mas em outras pessoas que tenham o receptor ocorre boas mudanças.

Apresentação: Caixa com 30 comprimidos ou caixa com 3 ampolas. É produzido pela Zambon.

Fonte: www.geocities.com

Anabolizantes

A maioria das drogas anabolizantes utilizadas por atletas e mesmo por praticantes menos ambiciosos de atividades esportivas em geral, não são compradas em farmácias.

Em nosso país são poucos os medicamentos anabolizantes disponíveis comercialmente, e geralmente são formas de testosterona (hormônio sexual masculino) não modificada, mais destinadas à reposição hormonal nos casos de hipogonadismo (diminuição da produção normal de hormônios sexuais).

As drogas anabolizantes mais procuradas nos meios esportivos para aumentar o volume dos músculos são as obtidas por modificações na molécula da testosterona, com o objetivo de preservar os efeitos anabolizantes (aumento da massa muscular) e reduzir os efeitos androgênicos (aumento dos pelos, voz grossa e outros). Embora muitas dessas drogas possam ser obtidas legalmente em farmácias de manipulação, mediante receita médica, a maioria costuma ser conseguida ilegalmente do ponto de vista comercial, ou seja, contrabandeadas.

Não existe ilegalidade na receita e no uso de drogas anabolizantes em geral, visto que essas drogas somente são proibidas pela legislação do "anti-doping" esportivo e portanto de uso ilegal apenas para atletas de competição. No entanto, as drogas mais prestigiadas por atletas não são as que estão disponíveis comercialmente. Essa situação é estimulada pelos traficantes, pessoas que obtém maiores lucros quando trabalham com produtos difíceis de serem encontrados e que freqüentemente são falsificados.

As drogas falsificadas não produzem os efeitos pretendidos e, o que é muito pior, são produzidas sem controle de higiene. Para aumentar o número de usuários, as pessoas que comercializam ilegalmente as drogas anabolizantes freqüentemente argumentam com seus clientes que "sabendo usar, não faz mal".

Na maioria das vezes os traficantes já vendem instruções de uso com os seus produtos, prometendo aumentar a eficiência e diminuir os efeitos colaterais. Invariavelmente essas orientações são especulativas, elaboradas a partir do estudo das bulas dos medicamentos, ou copiadas de algumas publicações "under-ground" internacionais.

Freqüentemente são orientados os "ciclos" com o uso de várias drogas simultaneamente, algumas com doses crescentes e outras decrescentes, mas sempre doses altas; alguns produtos são utilizados no início e outros no fim do ciclo; algumas drogas são orientadas para evitar problemas das drogas principais, entre outras condutas não apoiadas em evidências e sem o mínimo de bom-senso. Muitos usuários desconfiam dessas condutas mirabolantes e então entra em cena a figura do médico.

Fonte: www.trabalhoescolar.hpg2.ig.com.br

Anabolizantes

Os esteróides anabolizantes, mais conhecidos apenas com o nome de anabolizantes, são drogas relacionadas ao hormônio masculino Testosterona fabricado pelos testículos. Os anabolizantes possuem vários usos clínicos, nos quais sua função principal é a reposição da testosterona nos casos em que, por algum motivo patológico, tenha ocorrido um déficit.

Além desse uso médico, eles têm a propriedade de aumentar os músculos e por esse motivo são muito procurados por atletas ou pessoas que querem melhorar a performance e a aparência física. Segundo especialistas, o problema do abuso dessas drogas não está com o atleta consagrado, mas com aquela "pessoa pequena que é infeliz em ser pequena". Esse uso estético não é médico, portanto é ilegal e ainda acarreta problemas à saúde.

Os esteróides anabolizantes podem ser tomados na forma de comprimidos ou injeções e seu uso ilícito pode levar o usuário a utilizar centenas de doses a mais do que aquela recomendada pelo médico. Freqüentemente, combinam diferentes esteróides entre si para aumentar a sua efetividade. Outra forma de uso dessas drogas, é toma-las durante 6 a 12 semanas, ou mais e depois parar por várias semanas e recomeçar novamente.

No Brasil não se tem estimativa deste uso ilícito, mas sabe-se que o consumidor preferencial está entre 18 a 34 anos de idade e em geral é do sexo masculino.

Nos USA, em 1994, mais de um milhão de jovens já tinham feito uso de esteróides anabolizantes.

No comércio brasileiro, os principais medicamentos à base dessas drogas e utilizados com fins ilícitos são: Androxon®, Durateston®, Deca-Durabolin®.

Porém, além desses, existem dezenas de outros produtos que entram ilegalmente no país e são vendidos em academias e farmácias. Muitas das substâncias vendidas como anabolizantes são falsificadas e acondicionadas em ampolas não esterilizadas, ou misturadas a outras drogas. Alguns usuários chegam a utilizar produtos veterinários à base de esteróides, sobre os quais não se tem nenhuma idéia sobre os riscos do uso em humanos.

EFEITOS ADVERSOS

Alguns dos principais efeitos do abuso dos esteróides anabolizantes são: tremores, acne severa, retenção de líquidos, dores nas juntas, aumento da pressão sangüínea, DHL baixo (a forma boa do colesterol), icterícia e tumores no fígado. Além desses, aqueles que se injetam ainda correm o perigo de compartilhar seringas e contaminar-se com o vírus da Aids ou hepatite.

OUTROS EFEITOS

Além dos efeitos mencionados, outros também graves podem ocorrer:

No homem: os testículos diminuem de tamanho, a contagem de espermatozóides é reduzida, impotência, infertilidade, calvície, desenvolvimento de mamas, dificuldade ou dor para urinar e aumento da próstata.
Na mulher:
crescimento de pêlos faciais, alterações ou ausência de ciclo menstrual, aumento do clítoris, voz grossa, diminuição de seios.
No adolescente:
maturação esquelética prematura, puberdade acelerada levando a um crescimento raquítico.

O abuso de anabolizantes pode causar ainda uma variação de humor incluindo agressividade e raiva incontroláveis que podem levar a episódios violentos. Esses efeitos são associados ao número de doses semanais utilizadas pelos usuários. Usuários, freqüentemente, tornam-se clinicamente deprimidos quando param de tomar a droga. Um sintoma de síndrome de abstinência que pode contribuir para a dependência. Ainda podem experimentar um ciúme patológico, extrema irritabilidade, ilusões, podendo ter uma distorção de julgamento em relação a sentimentos de invencibilidade, distração, confusão mental e esquecimentos.

Atletas, treinadores físicos e mesmo médicos relatam que os anabolizantes aumentam significantemente a massa muscular, força e resistência. Apesar dessas afirmações, até o momento não existe nenhum estudo científico que comprove que essas drogas melhoram a capacidade cardiovascular, agilidade, destreza ou performance física. Devido a todos esses efeitos o Comitê Olímpico Internacional colocou 20 esteróides anabolizantes e compostos relacionados a eles, como drogas banidas, ficando o atleta que fizer uso deles sujeito a duras penas.

Os principais esteróides anabolizantes são: oximetolona, metandriol, donazol, fluoximetil testosterona, mesterolona, metil testosterona, sendo os mais utilizados no Brasil a Testosterona e Nandrolona.

Fonte: www.ministerioadonai.hpg.ig.com.br

Anabolizantes

Origem

São versões sintéticas do hormônio masculino chamado testosterona e são produzidos em laboratórios.

Classificação

É na verdade uma droga lícita para uso médico pois este, se faz necessário em alguns casos para corrigir a deficiência de produção desse hormônio naturalmente pelo corpo sendo então preescrito, e seu uso orientado, apenas por médicos. O uso deliberado é considerado ilegal.

Como se apresenta

Em comprimidos ou em ampolas cujo líquido nelas contido é injetado intramuscularmente.

Possíveis efeitos

São comumente utilizados por pessoas na faixa etária entre 18 a 35 anos, pessoas essas que buscam aumento de massa muscular e uma possível resistência física e força. Pode ser apresentado um aumento de peso corporal assim como da pressão sanguínea, insônia, irritabilidade, agressividade, inchaço facial, acne, amarelamento da pele e dos olhos, calvícia prematura, hiperatividade, alterações de humor incluindo grandes explosões nervosas, tremores pelo corpo, retenção de líquidos, redução do Colesterol "Bom" do organismo (o HDL).

Pode causar

Nos homens podem ocorrer a redução do tamanho dos testículos assim como do número dos espermatozóides e ainda a falta de fertilidade. Pode haver o desenvolvimento de seios (mamas), aumento da próstata e problemas urinários. Já nas mulheres, pode-se presenciar uma voz mais grossa, uma diminuição do tamanho dos seios e pode-se ainda presenciar um aumento da presença de pêlos por exemplo na face.

Outras considerações

Nos Estados Unidos, estima-se que 80% dos esteróides anabolizantes utilizados o são de forma ilegal, através do mercado negro, sendo vendidos através de farmácias, academias e magazines. A dependência pode ser gerada através da depressão que ocorre quando de sua abstinência fazendo com que novas doses sejam necessárias para suprimir esta depressão.

Fonte: www.diganaoasdrogas.com.br

Anabolizantes

O uso crescente de anabolizantes artificiais com fins estéticosnos nos Estados Unidos é classificada como uma "Epidemia silenciosa". Pesquisas recentes mostram que 7% dos estudantes colegiais americanos já foram ou são usuários de anabolizantes e que 9% dos que freqüentam academia os consomem regularmente. É a droga mais encontrada nos exames antidoping feitos pelo Comitê Olímpico Internacional.

No Brasil, embora não tenham sido feitos levantamentos capazes de quantificar o uso dos esteróides anabólicos, pode-se afirmar que o consumo cresce assustadoramente entre a população jovem. E isso acontece sem o menor controle das autoridades da saúde, porque não há no país uma regulamentação destinada a normatizar a venda desses medicamentos. Grande parte dos produtos anabolizantes consumidos internamente vem do exterior e é comercializada no mercado negro.

Desenvolvidos na década de 1950, os anabolizantes ou esteróides anabólicos são produzidos a partir do hormônio masculino testosterona, potencializando sua função anabólica, responsável pelo desenvolvimento muscular, e reduzindo o efeito androgênico, que responde pelas características masculinas, como timbre de voz, pêlos do corpo, crescimento de testículos. Quando administrada no organismo, essa substância entra em contato com as células do tecido muscular e age aumentando o tamanho dos músculos. Em doses altas, os anabolizantes aumentam o metabolismo basal, o número de hemácias e a capacidade respiratória. Essas alterações provocam uma redução da taxa de gordura corporal.

As pessoas que os consomem ganham força, potência e maior tolerância ao exercício físico. Sem grandes esforços, elas atingem a meta de mudar a aparência rapidamente e a um preço acessível — uma ampola custa em média R$ 7 nas farmácias do país.

Embora essas drogas venham com uma tarja na embalagem alertando que o produto deve ser usado com indicação médica, no Brasil qualquer pessoa pode comprá-las sem receita em farmácias e academias. Muitos dos anabolizantes consumidos pelos jovens brasileiros têm uso veterinário no exterior ! Estudos científicos mostram que o uso inadequado de anabolizantes pode causar sérios prejuízos à saúde, como problemas cardíacos, hipertensão arterial, distúrbios psicológicos provocados pelo aumento da agressividade, complicações hepáticas (hepatotoxidade) e redução de hormônios sexuais.

DEFINIÇÃO

Esteróides são hormônios, responsáveis pela harmonia das funções vitais do organismo. São compostos químicos sintéticos que imitam os efeitos anabólicos da testosterona, tendo a propriedade de ativar o metabolismo protéico, retendo o nitrogênio e aumentando a atividade do RNA. Além dos esteróides nosso organismo também possui outros hormônios tais como a insulina, o glucagon, os hormônios da tiróide e outros.

Existem três categorias de esteróides:

Estrógenos ( hormônio feminino ) produzido pelo ovário, produz os caracteres sexuais femininos.
Andrógenos ( hormônio masculino ) produzido pelos testículos, produz os caracteres masculinos.
Cortizona que é produzida por ambos os sexos, tem efeito analgésico e anti-inflamatório.

Os esteróides anabólicos são um subgrupo de andrógenos

Os efeitos desejáveis com a administração dos esteróides são:

Aumento da síntese protéica.
Diminuição da fadiga.
Aumentar a retenção de glicogênio.
Favorecer o metabolismo dos aminoácidos.
Inibir a atuação do cortisol ( hormônio catabólico), liberado pelo stress. Também torna o organismo mais suscetível à gripes e resfriados por suprimir os mecanismos imunológicos.
Promover um balanço nitrogenado positivo.
Aumento da força de contratilidade muscular.

TIPOS DE ANABOLIZANTES

Foram produzidos vários tipos de esteróides anabólicos pela indústria farmacêutica:

Supositórios, cremes, selos de fixação na pele e sublingual, porém os mas consumidos são os: orais e os injetáveis.

ORAIS

Via comprimido, na sua ingestão passa pelo estômago, é absorvido pelo intestino, processado pelo fígado, então vai para acorrente sangüínea. Como o fígado é responsável pela destruição de qualquer corpo estranho no organismo, vários esteróides estavam sendo destruídos através de um processo chamado 17 alpha alcalinização. A alcalinização provoca uma sobrecarga no fígado que acaba danificado por um esforço para combater algo que não consegue processar.

INJETÁVEIS

Os esteróides injetáveis são menos nocivos do que os orais, por não passar por um processo de alcalinização. Esse tipo de esteróide passa pela corrente sangüínea via muscular, e umas das vantagens é que a base oleosa permanece na corrente sangüínea com uma longa duração, visto que o óleo demora para se dissipar no local da aplicação devido a sua viscosidade.

As desvantagens dos anabolizantes injetáveis é que são mais tóxicos para os rins e são desconfortáveis devido a sua forma de aplicação: "injetável".

EFEITOS COLATERAIS

Inúmeros efeitos colaterais de longo e curto prazo são relacionados com o uso de esteróides anabólicos.

Veja abaixo, alguns já conhecidos:

Calvície
Acne
Agressividade
Hipertensão arterial
Hipertrofia da próstata
Limitação do crescimento
Hepatotoxidade
Impotência sexual
Esterilidade
Insônias
Cefaléias
Aumento do mau colesterol LDL
Diminuição do bom colesterol HDL
Ginecomastia (surgimento de seios)
Selamento das epífises ósseas
Coronáriopatias (complicações cardíacas)
Enrijecimento das articulações
Atrofia testicular

Em mulheres, além dos acima citados podem ocorrer:

Virilização
Crescimento de pelos
Engrossamento da voz
Hipertrofia do clitóris
Distúrbios menstruais e ovulatórios.

Fonte: www.fisioculturismo.hpg.ig.com.br

Anabolizantes

ABUSO

O abuso de esteróides anabolizantes é o uso de drogas esteróides para aumentar a massa muscular ou o rendimento físico esportivo.

Os esteróides anabolizantes são muito semelhantes à testosterona, a qual é um hormônio natural. O uso oral ou injetável dessas drogas pode prover ao usuário uma vantagem na prática de esportes de competição, pois elas estimulam o crescimento dos músculos e melhoram o desempenho esportivo. Contudo, elas também podem produzir efeitos colaterais graves. Por essa razão, a sua utilização tem levantado questões éticas e de segurança. Apesar da proibição do uso de esteróides anabolizantes pelas organizações esportivas amadoras e profissionais em todo o mundo, ele continua sendo um problema em muitos esportes nos quais a força física é fundamental.

Entre 6 e 11% dos meninos em idade escolar, incluindo um número surpreendente de não atletas, usam esteróides. Nos Estados Unidos, uma pesquisa de âmbito nacional revelou que o principal grupo que utiliza esteróides anabolizantes pela primeira vez é contituído por meninos com idade inferior a 15 anos. Dentre os norte-americanos que fazem uso de esteróides anabolizantes, 95% são do sexo masculino e 65% são atletas, geralmente jogadores de futebol americano, lutadores ou halterofilistas.

O efeito mais comum do uso de esteróides anabolizantes é o aumento significativo da mas- doméssa corpórea. Os usuários sentem que possuem uma maior energia e, freqüentemente, apresentam um aumento da libido (desejo sexual). Os efeitos colaterais estão em grande parte relacionados à dose utilizada. As doses elevadas podem produzir efeitos psicológicos como alterações do humor, comportamento irracional e aumento da agressividade (freqüentemente denominada “fúria esteróide”).

A acne geralmente piora e é um dos poucos

Efeitos colaterais do uso de esteróides anabolizantes pelos quais o adolescente costuma consultar um médico. Quando o usuário apresenta uma lesão hepática, ele pode apresentar icterícia e a ocorrência desta é mais provável quando os anabolizantes são consumidos sob a forma de comprimidos e não sob a forma injetável.

O uso de esteróides anabolizantes pode ser detectado até 6 meses após a sua interrupção. Exames de urina conseguem mensurar os produtos da degradação metabólica.

Efeitos Colaterais de Esteróides Anabolizante

Alterações do humor
Aumento da agressividade
Piora da acne
Lesões musculares e tendinosas
Fusão precoce das placas de crescimento, acarretando uma redução da estatura (quando utilizados antes do adolescente atingir sua estatura final)
Função hepática anormal ou tumores hepáticos, podendo ocorrer icterícia
Hipertensão arterial
Aumento da concentração de colesterol total e redução da concentração de lipoproteínas de alta densidade (o colesterol bom)
Nos meninos, azospermia (ausência de espermatozóides no sêmen), redução do tamanho dos testículos e crescimento das mamas
Nas meninas, pilificação com distribuição masculina, voz grave, mamas de tamanho pequeno, adelgaçamento do revestimento vaginal e menstruações irregulares ou ausentes
Em ambos os sexos, aumento do desejo sexual

Fonte: www.msd-brazil.com

Anabolizantes

Anabolizantes, são uma classe de hormônios esteróides naturais e sintéticos que promovem o crescimento celular e a sua divisão, resultando no desenvolvimento de diversos tipos de tecidos, especialmente o muscular e ósseo.

São substâncias geralmente derivadas do hormônio sexual masculino, a testosterona, e podem ser administradas principalmente por via oral ou injetável.

Alguns exemplos são:

Deca-durabolin
Durateston
Hemogenin
Winstrol

Efeitos dos anabolizantes já comprovados pela ciência

As reservas de glicogênio muscular, com conseqüente do tamanho do músculo e da resistência
A capacidade do organismo de incorporar proteína extra em grande quantidade no músculo
O tamanho e a força muscular mais rápido do que sistema normal entre treinamento e alimentação e suplementação
No sangue, aumentam a contagem de células vermelhas, volume e concentração de hemoglobina, sendo que todos estes fatores aumentem a performance a nível esportivo
Aumenta o metabolismo basal ( aumenta a queima de calorias )
O tamanho do coração
Diminuem a quebra e perda de proteína muscular causada pelo treinamento
Facilitam a atenção e o raciocínio
A autoconfiança e a autoestima, bem como a tolerância á dor, Permitindo maior intensidade de treinamento
Facilitam o fenômeno da memória muscular, tornando mais fácil o retorno a um nível de condicionamento físico e desempenho atlético
Acne
Alargamento do clitóris
Alargamento da próstata
Alargamento do órgão genital masculino
Atrofia dos testículos
Amarelamento da pele e dos olhos
Do risco coronariano
Níveis de colesterol LDL ( ruim )
Arritmia cardíaca
Aumento da pressão arterial
Câimbras
Câncer hepático
Cansaço
Cefaléia grave
Cistos renais
Comportamento agressivo ( irreversível )
Choque anafilático
Calvície ( crescimento irreversível na mulher, reversível no homem )
Crescimento irreversível de pêlos nas mulheres
Crescimento anormal de cabelos
Diminuição grave dos níveis de colesterol HDL ( bom )
Dores ósseas
Edema ( retenção hídrica no tecido)
Ereções freqüentes e contínuas
Esterilidade ( irreversível )
Escurecimento da pele
Hálito forte
Insônia
Náusea e vômitos freqüentes
Manchas na pele
Mulheres grávidas: dano irreversível ao feto
Pele oleosa na mulher
Perda de peso
Problemas para urinar
Sangramentos do nariz
Tumores hepáticos
Morte.

Fonte: www.saudenarede.com.br

Anabolizantes

Tipos de anabolizantes

ANABOL

Com o nome de Dianabol esta droga foi inicialmente produzida nos EUA , porem a produção parou há muitos anos, de forma que, se você encontra-la com este nome muito provavelmente é falsificada ou vencida há muitos anos, porem a mesma droga é encontrada com os seguintes nomes: Anabol produzido na Tailândia; Metandionona-5 da Finlândia; Andoredan e Encephan no Japão; Metanabol na Polônia; Nerobol na Hungria; Pronabol-5 na Índia; Stenolon na Republica Checa e Naposim na Romênia. Este foi um dos esteróides orais mais populares, principalmente entre aqueles que não são muito chegado ao desconforto de injeções.

Esta droga, em doses adequadas, mostra ser bastante androgênica, causando significativos ganhos em força e volume muscular em questão de algumas semanas de uso. A maior parte do ganho em força, deve-se ao potencial de retenção hídrica causado por este esteróide o que o torna muito válido enquanto estiver em fase de aumento de massa muscular, mas indesejável em fase pré-competição (definição). Para homens a combinação de metandrostenolona e Deca-Durabolin por semana, normalmente causa drásticos aumentos de força e massa muscular, sendo uma das séries mais eficientes e seguras que se pode fazer.

Apresentação: Usualmente comprimidos de 5mg em embalagens diferentes, dependendo do laboratório. Anabol é vendido em embalagem plástica contendo mil comprimidos. Pronabol-5 em caixa rosa contendo 50 comprimidos. A produção de Pronabol-5 foi interrompida, mas ainda podem se encontrada em diversos lugares na Europa.

ANAVAR

Esta droga é conhecida aqui no brasil como Lipidex e no EUA Anavar. É moderadamente andrógena e com bom efeito anabólico não causando efeitos colaterais pronunciados. O Anavar tem como efeito principal um grande aumento de força por ampliar os depósitos de fósforo creatina intracelular (fonte de combustível muscular para esforços imediatos de curta duração com até 10 segundo, aproximadamente). É utilizado normalmente em conjunto com Parabolan para densidade muscular, e com Deca para aumento de massa.

Apresentação: Caixa com 30 comprimidos de 2,5mg cada. É produzida pela SPA da Itália.

ANDROXON

Esta droga, também encontrada no Brasil, foi tida pela mídia americana como um excelente esteróide por não ser alquelado. O Androxon é absorvido pelo intestino não passando pelo fígado, de forma que não representa risco de toxidade para o mesmo como demais drogas orais. Como desvantagem, a base contida no esteróide tem um curto período de vida da corrente sangüínea, de forma que deve ser ingerido mais constantemente para manter uma dose estável no sangue.

Outra suposta propriedade desta droga é que ela não promove a interrupção da produção natural de testosterona e não aromatiza(nao provoca ginecomastia).

Apesar de todas estas maravilhas é uma pena que o Androxon não tenha boa reputação na área dos culturistas por não ocasionar nenhum ganho de força ou de massa muscular segundo depoimento de quem já utilizou até duas vezes acima da dose máxima recomendada.

Apresentação: Cápsula marrom de 40g em caixas contendo 60 unidades. É produzido no Brasil pela Organon.

DECA-DURABOLIN

É a droga que mais ouço falar dentro das academias. Sua fama deve-se ao fato de ser muito comentada (na forma de Nandrolona)em época de olimpíada, devido aos dopings. A Deca em sua forma original é moderadamente androgênica com boas propriedades anabólicas, sendo utilizada para ganho de massa muscular e pré-competição, porém, alguns atletas tendem a reter muito líquido com esta droga.E produzida em outros países com uma formula um pouco diferente. É conhecida também como Nandrolona(seu princípio ativo). A Deca é muito usada como uma droga de base para todo o ciclo de esteróide (desde que fora de temporada) por evitar inflamações e dores articulares que podem ocorrer devido a realização de treinamento pesado. A diferença da Deca produzida no Brasil é que esta vem com a concentração de 25mg/ml ou 50mg/ml, enquanto no exterior existe concentração de 100mg/ml.

Apresentação: Ampolas de 25 ou 50mg/ml. É produzido no Brasil pela Organon.

DURATESTON

Este esteróide injetável é a combinação de 4 compostos de testosterona. A idéia de misturar estes diferentes ésteres é obter uma ação imediata após a aplicação e mantê-la por um longo período. O propionato de testosterona tem uma ação imediata, mas de curto período; o fenilpropionato e o isocaproato têm um inicio de ação mais lento, porém de maior duração. Esta droga mostra excelentes resultados em aumento de força e ganho de peso e não parece promover retenção hídrica como a maioria dos esteróides altamente androgênicos, mas mesmo assim só é utilizada fora de temporada. Outra vantagem observada pelos usuários é que se pode utilizar esta droga por maior período de tempo pelo fato de não causar maciço fechamento dos citos receptores como acontece com muitos esteróides. Mulheres não devem utilizá-la. Na Europa o laboratório Organon produz o mesmo medicamento com o nome de Sustanon.

Apresentação: Ampola de 250mg/ml. Produzido no Brasil pela Organon.

DEPOSTERON

É conhecida também como Testex (produção européia). Esta droga injetável é conhecida por promover rápido ganho de força e volume muscular. É altamente androgênica e com boas propriedades anabólicas. Como a maior parte das testosteronas, esta droga tende a aromatizar facilmente, sendo provavelmente a maior responsável pelas ginecomastias entre culturistas. Por reter muita água, pode causar acentuada elevação na pressão arterial em alguns usuários. É utilizada fora de temporada, quando o objetivo é ganhar peso. O Deposteron também tem a fama de atrofiar os testículos mais rapidamente do que qualquer outra droga do mercado, além de ocasionar perdas vertiginosas de força e volume muscular tão logo a droga seja descontinuada. Encontra-se como recomendação o acompanhamento com Nolvadex durante a administração da droga.

Apresentação: Caixa com uma ampola de 200mg/ml. É produzido pela Novaquimica do Brasil.

PARABOLAN

Este esteróide de ótima reputação só era produzido na França. Faz alguns anos que sua fabricação foi interrompida, mas em 1996 o laboratório Negma voltou a fabricá-lo na Bélgica. É um injetável derivado da 19-nortestosterona a mesma derivação da Deca-Durabolin; por isso ambas as drogas tem efeitos similares. Usado em dosagens adequadas é uma das drogas favoritas para fase pré-competição, tendo em vista que o efeito androgênico do Parabolan promove excelente efeito cosmético, ou seja, vascularização e alta densidade muscular sem retenção hídrica aparente. Superdosagem tende a aromatizar como a maioria dos esteróides. O Parabolan também é utilizado com sucesso em fase de aumento de volume muscular, normalmente é administrado com outro esteróide altamente androgênico. Quando administrado sozinho, não se verifica o uso de Nolvadex em paralelo. Isto só se apresenta, quando a administração for realizado junto com outro esteróide androgênico que retenha muita água, tal como Anabol e Hemogenin.

Apresentação: Caixa com uma ampola de 76mg/1.5ml. É produzido pela Negma.

PROVIRON

Este é um esteróide anti-aromatizante não tóxico. Também não tem propriedades anabólicas. É utilizado por Ter ação similar ao Nolvadex. Não bloqueia os citos receptores de estrógenos como faz o Nolvadex, mas evitando que os esteróides aromatizem. Muitos atletas utilizam o Proviron em conjunto com o Nolvadex num esforço para reduzir os efeitos colaterais. Como ponto negativo, o Proviron parece competir com os esteróides anabólicos por citos receptores no músculo, reduzindo assim o efeito anabólico dos esteróides. O Proviron é utilizado por culturistas de ambos os sexos não só para evitar a ginecomastia mas também para aumentar a densidade muscular.

Apresentação: Frasco com 20 comprimidos sulcados. É produzido pela Schering do Brasil.

PRIMOBOLAN

Este esteróide produzido pela SCHERING na Europa, poderia vir na forma oral e injetável. Eram os famosos comprimidos de 50mg, mas a sua produção foi descontinuada em 1993, só restando o de concentração de 25mg, e a forma injetável "Depot", com 100mg/ml. O Primobolan é atualmente o favorito para pré-competição por produzir densidade muscular em dieta para perda de gordura e liquido subcutâneo. A maior parte dos atletas preferem a versão injetável por ter que ser administrada apenas uma vez por semana, porem alguns preferem a versão oral para os dias que antecedem a competição. O Primobolan também é o esteróide favorito entre as atletas do sexo feminino.

Apresentação: Comprimidos (Caixa com 50 comprimidos de 25mg). Depot (caixa com uma ampola de 100mg/ml). Produzidos pela Schering da Europa.

EQUIPOISE

Apesar de ser uma droga de uso exclusivamente veterinário, há muitos anos culturistas a descobriram e desde então vem sendo utilizada para aumentar força e volume muscular. Parece ser uma droga bastante anabólica,mas muito pouco androgênica, moderadamente tóxica ao fígado e com baixo nível de aromatização.

O Equipoise tem efeito similar ao da deca sendo que alguns atletas obtêm um físico bastante denso com administração fora de temporada e pré-competição também. Dizem que droga é bem tolerada por mulheres.

Apresentação: Frasco de multidosagem contendo 10ml (50mg/ml). É produzido no Brasil pela Squibb.

HEMOGENIN

Esta droga é conhecida como o esteróide oral mais poderoso que um culturista pode administrar. Ela ocasiona um rápido ganho de força e volume muscular, mas, devido à sua alta toxidade ao fígado, a dose e o ciclo de utilização devem ser limitados, pois sua utilização pode tornar mais pronunciados os outros efeitos colaterais, mesmo em dose menor é comum o uso do Nolvadex para se limitar alguns dos efeitos indesejáveis. O tempo de uso verificado não ultrapassa de 6 semanas, onde as repetições de consumo só ocorrem com intervalos de 6 a 8 semanas. Mulheres não devem utilizá-lo.

Apresentação: Caixa com 10 comprimidos de 50mg cada. É produzido pela Syntex no Brasil.

WINSTROL

É uma das mais famosas funtamente com a deca, tem bastante repercusão na mídia e dentro das academias. Este esteróide pode vir na versão oral e injetável em diluente aquoso. Winstrol é um esteróide pouco androgênico e moderadamente anabólico, não promovendo aromatização nem retenção hídrica significativa, porem em alta dosagem pode ser toxico ao fígado principalmente o oral. O Winstrol é bastante controvertido no mundo do culturismo. Enquanto algumas pessoas experimentam ganhos de força e volume, outras afirmam que comprar Winstrol é perda de tempo e dinheiro. Talvez só algumas pessoas tenham os receptores específicos para este componente químico. De qualquer forma, o Winstrol só se verifica a utilização em fase de definição quando se busca densidade sem correr o risco de acumular liquido subcutâneo. É administrado com o Parabolan ou o Primobolan.

Apresentação: Caixa com 30 comprimidos cor de rosa de 2mg cada e caixa com 3 ampolas de 50mg/ml cada.

TESTOVIRON

Esta é uma das testosteronas de ação mais prolongada no organismo. O efeito desta droga é bastante lento, porém duradouro. É normalmente administrada em conjunto com algum outro esteróide bastante androgênico. O seu efeito é similar ao promovido pelo cipionato de testosterona, porém sem tanta retenção hídrica.

O período de vida ativa desta droga na corrente sangüínea varia de 1 a 2 dias.

Apresentação: Ampola de 100ml.

GH

Este é um dos medicamentos mais comentados nos círculos de culturistas, porém ao alcance de poucos. Devido à dificuldade de obtenção, pelo preço (é a droga mais cara que um culturista pode comprar), pelas condições especiais de armazenagem de alguns deles. Mais especificamente o r-hGH (somatrofina) é um produto obtido por engenharia genética, sendo idêntico ao hormônio produzido originalmente pela hipófise humana. Inicialmente este hormônio era retirado diretamente de cadáveres humanos, mas problemas sérios de contaminação ocorreram. Ao GH retirado de cadáveres (Hormônio de Crescimento Humano) foi relacionado o desenvolvimento de uma doença cerebral rara e fatal, a doença de CreutzfeldJakob. Isso estimulou a criação de um hormônio sintético, sendo que o Hormônio de Crescimento Humano não se encontra mais no mercado.

Apresentação: Ampola com solvente estéril e ampola com sais liofilizados contendo 4UI cada. É produzido com o nome de Saizen pela Serono do Brasil. O laboratório Lilly também produz o GH com o nome de Humatrope em diversos países na Europa. A Genentech produz o Protropin nos Estados Unidos.

LAURABOLIN

Laurabolin é um esteróide veterinário injetável contendo a droga "Laurato de Nandrolona". Seu ciclo produz alta força ao usuário. Este anabolizante é basicamente o Deca, porém com uma atividade mais longa, ficando ativo por mais de 1 mês no organismo. Atletas de qualquer modo injetam a droga semanalmente basicamente. O anabolizante produz um efeito anabólico bem forte, com efeitos androgênicos respectivamente baixo. Apesar de muitas mulheres usarem a Nandrolona, Laurabolin é melhor ser evitado. os efeitos androgênicos podem aparecer nas mulheres, por este ser um anabolizante de longo efeito.

Durabolin pode ser uma melhor escolha. para homens, doses de 200-400mg por semana são ideais. O produto vem em apola de 50mg por ml. Um anabolizante ideal para ciclos de ganho muscular, mas é bom não exagerar, pois na prática quando se para de usar e de malhar a tendência é um queda na consistência muscular.

Fonte: www.brasilmaromba.hpg.ig.com.br

Anabolizantes

Esteróides Anabolizantes são drogas fabricadas para substituirem o hormônio masculino Testosterona, fabricado pelos testículos.

Eles ajudam no crescimento dos músculos (efeito anabólico) e no desenvolvimento das características sexuais masculinas como: pelos, barba, voz grossa etc. (efeito androgênico).

São usados como medicamentos para tratamento de pacientes que não produzem quantidade suficientes de Testosterona.

Os principais medicamentos esteróides anabolizantes utilizados no Brasil são: Durasteton® , Deca-Durabolin® , Androxon®.

Como os anabolizantes são utilizados?

Podem ser usados na forma de comprimidos, cápsulas, ou como injeção intramuscular.

Por que as pessoas usam os anabolizantes?

Os que utilizam essas drogas sem ser por problemas médicos, fazem esse uso para melhorar o desempenho nos esportes, aumentar a massa muscular e reduzir a gordura do corpo.

Quem são as pessoas que mais usam os anabolizantes?

Os principais usuários dessas drogas são os atletas, porém o uso também está espalhando-se entre os não–atletas que buscam um corpo "sarado" (forte, desenvolvido). Os homens são ainda os maiores usuários, mas esse uso vem crescendo entre as mulheres.

O que os anabolizantes fazem no corpo a curto e longo prazo?

O uso indevido dessas drogas pode acarretar inúmeros problemas como:

Homens e adolescentes: redução da produção de esperma, impotência, dificuldade ou dor em urinar, calvície e crescimento irreversível das mamas (ginecomastia).
Mulheres e adolescentes:
aparecimento de sinais masculinos como engrossamento da voz, crescimento excessivo de pelos no corpo, perda de cabelo, diminuição dos seios, pelos faciais (barba).
Em pré-adolescentes e adolescentes de ambos os sexos:
finaliza, prematuramente, o crescimento deixando-os com estatura baixa para o resto de suas vidas.
Em homens e mulheres de qualquer idade:
aparecimento de tumores (câncer) no fígado, perturbação da coagulação do sangue, alteração no colesterol, hipertensão, ataque cardíaco, acne, oleosidade do cabelo e aumento de agressividade que pode manifestar-se em brigas.

Usuários que injetam esteródes anabolizantes com técnicas inadequadas e não estéreis (livre de contaminação), ou dividem agulhas contaminadas com outros usuários, correm o risco de contrair infecções como HIV, hepatite B e C. Há ainda, o problema com preparações ilegais dessas drogas, as quais são elaboradas em condições não estéreis colocando em risco os que as utilizam.

Quais são os efeitos dos esteróides anabolizantes sobre o comportamento e mente?

Essas drogas, principalmente em altas doses, aumentam a irritabilidade e agressividade. Esses usuários podem cometer atos agressivos como luta física, roubo, ou utilizar a força para obter alguma coisa.

Ainda em altas doses, os usuários podem desenvolver outros comportamentos como: euforia, aumento da energia, alteração de humor, distração, esquecimento e confusão.

Os anabolizantes afetam a escola ou trabalho?

Se o usuário chegar a desenvolver comportamentos violentos e/ou problemas de esquecimento ou confusão, fica difícil manter-se na escola ou no trabalho.

Os anabolizantes levam ao uso de outras drogas?

Os esteróides anabolizantres não são consideradas drogas que induzem o uso de outras drogas ilícitas, ou seja, não são porta de entrada para uso de outras drogas. Porém, os usuários dessas drogas para fins estéticos chegam a utilizar de 10 a 100 vezes mais a dose médica recomendada e normalmente misturam dois ou mais diferentes anabolizantes, oral e/ou injetável e algumas vezes utilizam compostos veterinários. Agem dessa forma porque acreditam que a mistura de vários compostos possa dar um efeito maior sobre os músculos.

Na tentativa totalmente errônea de previnir o aparecimento de efeitos indesejáveis, alguns usuários tomam medicamentos antihipertensivos e também medicamentos anti-câncer.

As pessoas ficam dependentes dos anabolizantes?

Usuários de anabolizantes podem desenvolver dependência a essas drogas. Essa dependência pode ser percebida no usuário que continua tomando anabolizantes mesmo depois de ter tido consequências causadas pela droga como problemas físicos, nervosismo, irritabilidade, efeitos negativos com suas relações com as pessoas. Além disso, gastam grande quantidade de dinheiro e tempo para obter a droga e quando deixam de usá-las apresentam uma série de sintomas desagradáveis.

As pessoas podem parar de usar os anabolizantes?

Para os que já vem tomando altas doses dessas drogas há muito tempo e com sintomas de dependência, nem sempre é fácil parar de usar. Quando param podem sentir fadiga, perda de apetite, insônia, redução do desejo sexual, e ainda uma grande vontade de continuar usando anabolizantes. O sintoma mais perigoso que pode surgir quando da parada dessas drogas é a depressão que em casos extremos pode levar à tentativa de suicídio. Nesses casos é necessária a ajuda de um profissional para parar de usar anabolizantes.

O que acontece se uma pessoa for surpreendida usando anabolizantes?

Essas drogas são medicamentos, portanto, não são ilícitas no Brasil. Para utilizá-las é necessário existir uma receita médica. Os que fazem uso delas para fins estéticos, ou seja, sem indicação médica, se forem pegos utilizando podem sofrer conseqüências por isso.

O COI (Comitê Olímpico Internacional) proíbe o uso dessas drogas por atletas. Realizam testes anti-doping e caso seja detectado que o atleta está fazendo uso dessas drogas o mesmo poderá sofrer duras penas.

O que acontece se uma pessoa for surpreendida levando um anabolizante para junto dos amigos ou vendendo para amigos?

Nos dois casos pode configurar-se em tráfico de drogas já que não existe a receita médica e a venda está sendo feita sem a mesma e em local que não a farmácia.

Fonte: www.adroga.casadia.org

Anabolizantes

"Cresce o número de pessoas que adere ao uso de esteróides anabolizantes para moldar o corpo e ganhar força, resistência e velocidade. Sem qualquer controle, o medicamento, apesar de ser proibido, é oferecido principalmente em academias de ginástica. Os danos causados por seu uso, entretanto, podem ser irreversíveis. O problema já está sendo visto como um caso de saúde pública".

A busca de corpos esculpidos à base de remédio está levando jovens de aparência saudável a um vício muitas vezes sem volta. O motivo é o uso dos chamados esteróides anabolizantes. Apesar de não haver estatísticas, sabe-se que vem crescendo o número de consumidores da droga. E não são apenas os atletas em busca de mais força, velocidade, e resistência dos músculos os únicos a usá-lo. Homens, jovens e mulheres que querem apenas ganhar massa corporal em pouco tempo também se deixam seduzir pelos efeitos da droga. O abuso desse medicamento não é novidade. O maior problema, atualmente, segundo especialistas, é a adesão às drogas nas academias convencionais.

"Muitas vezes, é o próprio instrutor quem chega para o aluno e diz que seu desenvolvimento chegou ao limite. Aí vem a sedução pelos anabolizantes", explica Fernando Vítor Lima, professor da Universidade Federal de Minas Gerais e mestre em Treinamento Esportivo.

Nas lojas de suplementos nutricionais, a situação não é diferente: "O charlatanismo é muito grande nesse meio. As pessoas receitam o produto como se soubessem tudo sobre ele. Quem compra, na verdade está pagando pelo sonho de um corpo perfeito, na verdade, de uma ilusão, porque os problemas ocasionados são muitos", orienta.

Nos Estados Unidos, os anabolizantes já são considerados uma droga proibida, que só pode ser vendida com receita médica. Na Suécia, existem serviços que encaminham os usuários para tratamento, como se ele fosse um viciado em droga. No Brasil, segundo o professor, apesar da proibição de venda, a Vigilância Sanitária é falha e os esteróides continuam sendo consumidos em larga escala.

O uso indiscriminado desses esteróides teve início em 1930, com alguns fisiculturistas e atletas que buscavam desenvolvimento muscular rápido e melhora de performance. Com o passar dos anos, o uso se estendeu para esportistas amadores, frequentadores de academias e adolescentes.

O que são Esteróides Anabolizantes

Os anabolizantes são substâncias sintéticas similares aos hormônios sexuais masculinos e promovem, portanto, um aumento da massa muscular (efeito anabolizante) e o desenvolvimento de caracteres masculinizantes. A massa corporal aumenta porque eles aumentam a capacidade do corpo de absorver proteína, além de reter líquido provocando o inchaço dos músculos.

Geralmente, os anabolizantes, ou "bombas", como também são chamados, são tomados oralmente em cápsulas/tabletes, ou injetados no músculo. Muitas vezes, as drogas são usadas em associação de até três tipos diferentes e em doses 100 vezes maiores que as preconizadas por tratamento médico. Anadrol, Oxadrin e Durabolin são alguns exemplos de esteróides.

Embora muita gente não saiba, o anabolizante tem uso na medicina, para casos de osteoporose, deficiência de crescimento, problemas hormonais masculinos, como o hipogonadismo. Entretanto, só é ministrado em doses terapêuticas e necessitam sempre de prescrição médica para serem adquiridos. "Os médicos receitam doses de, no máximo, 15 mg enquanto que os fisiculturistas chegam a tomar até 300 mg", diz Fernando.

Consequências do uso de Anabolizantes

O efeito de um corpo saudável com os anabolizantes é apenas aparente. Está provado que seu uso só gera danos à saúde. Os efeitos colaterais das superdosagens são muitos. A pessoa pode desenvolver problemas no fígado, inclusive câncer, redução da função sexual, derrame cerebral, alterações de comportamento com aumento da agressividade e nervosismo, aparecimento de acne. Ao todo, 69 efeitos colaterais já foram documentados.

Em garotos e homens existe a diminuição da produção de esperma, retração dos testículos, impotência sexual, dificuldade ou dor ao urinar, calvície, desenvolvimento irreversível de mamas.

Em adolescentes de ambos os sexos, também pode ocorrer parada prematura do crescimento, tornado-os mais baixos que outros, não usuários de anabolizantes.

A parada brusca do uso de anabolizantes também pode produzir sintomas como depressão, fadiga, insônia, diminuição da libido, dores de cabeça, dores musculares e desejo de tomar mais anabolizantes.

O uso compartilhado de esteróides por seringas e agulhas não esterilizadas é comum e pode expor o indivíduo a doenças como Aids, hepatites B e C e endocardite bacteriana.

Caminho sem Volta

Segundo o professor Fernando, não se sabe até que ponto os problemas ocasionados pelo uso das "bombas" são reversíveis. "Os casos têm que ser analisados de forma isolada porque cada organismo reage de um jeito ao uso do esteróide. Em muitos casos, o nível de comprometimento das funções é tão grande que não há opção de cura. Várias pessoas já morreram por causa do uso indiscriminado dos anabolizantes", adverte.

Por tantos riscos e inconvenientes, o uso indiscriminado de anabolizantes deve ser desencorajado, banido do meio esportivo. Para Fernando, a grande arma capaz de resolver esse problema são as campanhas educativas. " O uso de esteróides já se tornou um caso de saúde pública. O governo tem que tomar providências", completa.

Fonte: boasaude.uol.com.br

Anabolizantes


Os esteróides anabolizantes, tecnicamente conhecidos como esteróides anabólico-androgênicos ( EAA ), são medicamentos que têm efeitos semelhantes aos da testosterona no organismo. Eles aumentam a proteína dentro das células, especialmente em músculos . Os esteróides anabolizantes também têm androgênicos e virilizantes propriedades, incluindo o desenvolvimento e manutenção de características masculinas, tais como o crescimento das cordas vocais , testículos (características sexuais primárias), e pêlos do corpo (características sexuais secundárias). A palavra anabolizantes vem do grego anabole , "o que é jogado para cima, monte", e a palavra androgênica do grego andros ", de um homem" genes , "nascido".

Os esteróides anabólicos foram feitas na década de 1930, e agora são usadas terapeuticamente na medicina para estimular o crescimento ósseo e de apetite, provocar o macho a puberdade , e tratar crônicas debilitantes condições, tais como câncer e AIDS . O American College of Sports Medicine reconhece que AAS, na presença de dieta adequada, pode contribuir para o aumento do peso corporal, muitas vezes, o aumento da massa magra, e que os ganhos de força muscular obtidos através de exercícios de alta intensidade e uma dieta apropriada podem ser adicionalmente aumentada pelo uso de AAS em alguns indivíduos.

Riscos para a saúde pode ser produzido por uso a longo prazo ou em doses excessivas de esteróides anabolizantes. Esses efeitos incluem alterações prejudiciais em colesterol níveis (aumento dalipoproteína de baixa densidade e redução da lipoproteína de alta densidade ), acne , pressão arterial alta , lesões no fígado (principalmente com esteróides orais), alterações perigosas na estrutura doventrículo esquerdo do coração. Condições a desequilíbrios hormonais, tais como ginecomastia e atrofia testicular também pode ser causada por esteróides anabolizantes.

Ergogênico usa para esteróides anabolizantes nos esportes, corrida e musculação como produtos dopantes são controversos por causa de seus efeitos adversos e potencial para ganhar uma vantagem desleal é considerado trapaça. Seu uso é referido como doping e proibido por todos os grandes órgãos desportivos. Por muitos anos, AAS tem sido, de longe, as substâncias mais detectadas doping no COIlaboratórios credenciados. Em países onde AAS são substâncias controladas , muitas vezes há um mercado negro no qual contrabandeados, fabricados clandestinamente, ou até mesmo falsificados drogas são vendidas a usuários.

Farmacologia

Rotas das administrações

Anabolizantes
Um frasco de cipionato de testosterona injetável

Há quatro formas mais comuns em que os esteróides anabolizantes são administrados: pílulas orais, esteróides injetáveis, cremes / géis para aplicação tópica. A administração oral é a mais conveniente. A testosterona administrada por via oral é absorvido rapidamente, mas é em grande parte convertidos em metabolitos inativos, e apenas cerca de 1/6 está disponível na forma ativa. De modo a ser suficientemente ativos quando administrados por via oral, os derivados de testosterona são alquilados na posição 17, por exemplo metiltestosterona, e fluoximesterona. Esta modificação reduz a capacidade do fígado para quebrar estes compostos antes de atingir a circulação sistêmica.

A testosterona pode ser administrada por via parentérica, mas não tem tempo de absorção mais irregular prolongada e uma maior atividade de propionato, de enantato ,undecanoato ou cipionato de éster formulário. Estes derivados são hidrolisados para libertar a testosterona livre no local de injeção; taxa de absorção (e, portanto, agenda de injeção) varia entre os diferentes ésteres, mas injeções médicas são normalmente feitas em qualquer lugar entre semi-semanais a uma vez a cada 12 semanas. Uma programação mais frequentes podem ser desejáveis a fim de manter um nível mais constante de hormona no sistema. Esteróides injetáveis são tipicamente administradas no músculo, e não na veia, para evitar alterações bruscas na quantidade de droga no corrente sanguínea. Além disso, como a testosterona é dissolvido em óleo, a injeção intravenosa tem o potencial de provocar um perigoso embolia (coágulos) na corrente sanguínea.

Os emplastros transdérmicos (patches adesivas colocadas sobre a pele), pode também ser usado para fornecer uma dose constante através da pele e para a corrente sanguínea. Testosterona contendo-os cremes e géis que são aplicados diariamente à pele estão também disponíveis, mas a absorção é ineficiente (cerca de 10%, variando entre os indivíduos), e esses tratamentos tendem a ser mais caros. Os indivíduos que são especialmente ativos fisicamente e / ou tomar banho, muitas vezes não podem ser bons candidatos, uma vez que o medicamento pode ser lavado e pode levar até seis horas para ser totalmente absorvida. Há também o risco de que um parceiro íntimo ou a criança pode entrar em contato com o local de aplicação e, inadvertidamente dose de si mesmo, as crianças e as mulheres são altamente sensíveis à testosterona e pode sofrer efeitos indesejados masculinização e saúde, até mesmo de pequenas doses. A injeção é o método mais comum usado por indivíduos que administram esteróides anabolizantes para fins não médicos.

As vias tradicionais de administração não tem efeitos diferenciais sobre a eficácia da droga. Estudos indicam que as propriedades anabolizantes esteróides anabolizantes são relativamente semelhantes, apesar das diferenças de princípios farmacocinéticos tais como metabolismo de primeira passagem. No entanto, as formas por via oral disponíveis de AAS pode causar danos no fígado em doses elevadas.

Mecanismo de ação

Anabolizantes: Mecanismos de Ação

O ser humano receptor andrógeno ligada a testosterona . A proteína é mostrada como um diagrama de fita de vermelho, verde e azul, com o esteróide mostrado em branco.

A farmacodinâmica de esteróides anabolizantes são diferentes peptídeos hormônios. Hormônios peptídeos solúveis em água não pode penetrar a gordura da membrana celular e só indiretamente afetam o núcleo de alvo as células através de sua interação com a célula de superfície receptores . No entanto, como as hormonas lipossolúveis, os esteróides anabólicos são membrana permeável e influenciar o núcleo das células através de uma ação direta. A ação farmacodinâmica de esteróides anabolizantes começar quando a hormona exógena penetra na membrana da célula alvo e se liga a um receptor de androgênio localizada no citoplasma da célula. A partir daí, o composto de hormona-receptor difunde-se para o núcleo, onde ou altera a expressão de genes ou ativa processos que enviam sinais para outras partes da célula. Diferentes tipos de esteróides anabólicos se ligam ao receptor de androgênio com diferentes afinidades , dependendo da sua estrutura química. Alguns esteróides anabólicos, tais como methandrostenolone se ligam fracamente a este receptor in vitro, mas ainda exibem efeitos androgênicos in vivo. A razão para esta discrepância não é conhecida.

O efeito de esteróides anabolizantes sobre a massa muscular é causada por pelo menos duas maneiras: em primeiro lugar, que aumentam a produção de proteínas, em segundo lugar, reduzem o tempo de recuperação através do bloqueio dos efeitos da hormona do stress cortisol no tecido muscular, de modo que o catabolismo da muscular é muito reduzida. Tem-se a hipótese de que esta redução da degradação muscular pode ocorrer através de esteróides anabolizantes inibir a ação de outras hormonas esteróides denominados glucocorticóides que promovem a desagregação dos músculos. Os esteróides anabólicos também afeta o número de células que se desenvolvem em células de armazenamento de gordura, , favorecendo a diferenciação celular em células musculares em seu lugar. Os esteróides anabolizantes também pode diminuir a gordura, aumentando a taxa metabólica basal (TMB), uma vez que um aumento da massa muscular aumenta a TMB.

Efeitos anabólicos e androgênicos

Anabólica: androgênica relativa atividade em animais
Preparação
Relação
Testosterona 01:01
Metiltestosterona 01:01
Fluoximesterona 01:02
Oxymetholone 01:03
Oxandrolona 01:03-01:13
Nandrolona decanoato 1:2.5-1:4

Como o nome sugere, esteróides anabólico-androgênicos têm dois diferentes, mas que se sobrepõem, tipos de efeitos: anabolizantes , o que significa que eles promovem o anabolismo (crescimento celular), e androgênica (ou virilizantes ), o que significa que eles afetam o desenvolvimento e manutenção das características masculinas .

Alguns exemplos dos efeitos anabólicos destas hormonas aumentam a síntese de proteínas a partir de aminoácidos, aumento do apetite, aumento da remodelação óssea e crescimento, e estimulação de medula óssea, o que aumenta a produção de células vermelhas do sangue. Através de uma série de mecanismos de esteróides anabolizantes estimulam a formação de células de músculo e, portanto, causar um aumento no tamanho dos músculos esqueléticos , levando a um aumento da força.

Os androgênicos efeitos da AAS são numerosos. Dependendo da duração de utilização, os efeitos colaterais dos esteróides podem ser irreversíveis. Processos afetados incluem o crescimento puberal, glândulas sebáceas a produção de petróleo e sexualidade (especialmente no desenvolvimento fetal). Alguns exemplos de efeitos virilizantes são o crescimento do clitóris em mulheres e do órgão reprodutor masculino em meninos (o órgão reprodutor masculino adulto não muda devido a esteróides ), o aumento das cordas vocais tamanho, aumento da libido , a supressão de naturais hormônios sexuais , e comprometimento da produção de espermatozóides .

As mulheres tornam-se mais masculinas, aprofundar suas vozes, cresce o cabelo facial, e seu tamanho diminui seios. Homens contudo tornar-se mais feminino. Desenvolvimento de seios, o tamanho dos testículos reduzido e contagem de espermatozóides reduzido são todos os efeitos androgênicos de AAS.

A androgênica: razão anabólico de um AAS é um fator importante ao determinar a aplicação clínica destes compostos. Compostos com uma razão elevada de androgênica para um efeito anabólico é a droga de escolha para a terapia de reposição de andrógenos (por exemplo, o tratamento de hipogonadismo em homens), enquanto que os compostos com uma reduzida androgénica: proporção anabolica são preferidos para anemia e osteoporose, e para inverter a proteína trauma perda seguinte, cirurgia ou imobilização prolongada. Determinação da androgênica: anabólica relação é normalmente realizada em estudos com animais, o que levou à comercialização de alguns compostos alegou ter atividade anabólica com fracos efeitos androgênicos. Esta dissociação é menos acentuada em humanos, onde todos os esteróides anabolizantes têm significativos efeitos androgênicos.

Composição corporal e força

Uma revisão que englobam mais de três décadas de estudos experimentais em homens descobriu que o peso corporal pode aumentar em 2-5 kg, como um resultado da utilização de curto prazo AAS (<10 semanas), a qual pode ser atribuída principalmente a um aumento da massa magra. Os estudos em animais também descobriram que a massa de gordura foi reduzida, mas a maioria dos estudos em humanos não conseguiram elucidar significativos decréscimos de massa de gordura. Os efeitos na massa corporal magra foram mostrados para ser dependente da dose. Tanto a hipertrofia do músculo e a formação de novas fibras musculares foram observados. A hidratação da massa magra não é afetada pela utilização AAS, embora pequenos incrementos de volume de sangue não pode ser descartada.

A região superior do corpo (braço, pescoço, tórax, ombros e superior) parece ser mais suscetível para AAS de outras regiões do corpo por causa da predominância de receptores androgênicos na parte superior do corpo. A maior diferença no tamanho das fibras musculares entre usuários de EAA e não utilizadores foi observada nas fibras musculares do tipo I do vasto lateral eo músculo trapézio , como resultado de longa duração AAS auto-administração. Após a retirada da droga, os efeitos desaparecem lentamente, mas pode persistir por mais de 6-12 semanas após a interrupção do uso do AAS.

A mesma revisão observada melhorias de força no intervalo de 5-20% de intensidade de linha de base, dependendo em grande parte das drogas e doses utilizadas, bem como o período de administração. No geral, o exercício em que as melhorias mais significativas foram observadas é o supino . Por quase duas décadas, foi assumido que AAS exerceu efeitos significativos apenas em atletas de força experientes, principalmente com base nos estudos de Hervey e colegas de trabalho. Em 1996, um estudo randomizado controlado publicado no New England Journal of Medicine demonstrou, no entanto, que, mesmo em atletas novatos a 10 semanas de treinamento de força acompanhado de enantato de testosterona a 600 mg / semana pode melhorar a força mais do que treinamento sozinho não. O mesmo estudo constatou que a dose seja suficiente para melhorar significativamente a massa muscular magra em relação ao placebo, mesmo em indivíduos que não exerceram a todos. Um estudo de 2001 do mesmo autor primeiro, mostrou que os efeitos anabólicos de enantato de testosterona eram altamente dependente da dose.

Os efeitos adversos

Os esteróides anabolizantes pode causar muitos efeitos adversos. Dependendo da duração do abuso de drogas, há uma possibilidade de que o sistema imune pode ser danificado. A maioria destes efeitos colaterais são dose-dependente, sendo a mais comum elevada pressão arterial , especialmente em pessoas com pré-existente hipertensão e alterações prejudiciais em colesterol níveis: alguns esteróides causar um aumento de LDL colesterol "ruim" e uma diminuição no colesterol HDL "bom" . Os esteróides anabólicos têm sido mostrados para alterar o açúcar no sangue em jejum e testes de tolerância à glicose. Os esteróides anabólicos, tais como a testosterona também aumenta o risco de doenças cardiovasculares ou doença da artéria coronária .

A acne é bastante comum entre usuários de esteróides anabólicos, principalmente devido à estimulação das glândulas sebáceas por níveis aumentados de testosterona. A conversão de testosterona em diidrotestosterona(DHT) pode acelerar a taxa de prematura calvície para machos geneticamente predispostos, mas a própria testosterona pode produzir a calvície em mulheres.

As doses elevadas de esteróides anabólicos orais podem causar danos no fígado, tal como os esteróides são metabolizados (17a- alquilados ) no sistema digestivo para aumentar a sua biodisponibilidade e estabilidade.

Há também o sexo-específicos efeitos colaterais dos esteróides anabolizantes. Desenvolvimento do tecido mamário em homens, uma condição chamada ginecomastia (que geralmente é causada por altos níveis circulantes de estradiol ), podem surgir por causa do aumento da conversão de testosterona em estradiol pela enzima aromatase. Redução da função sexual e temporária infertilidade também pode ocorrem em homens. Um outro macho específico efeito secundário que pode ocorrer é a atrofia testicular , causada pela supressão de níveis de testosterona natural, que inibe a produção de esperma (a maioria da massa do testículo é desenvolvimento dos espermatozóides). Esse efeito colateral é temporário: O tamanho dos testículos geralmente retorna ao normal dentro de algumas semanas o uso do esteróide anabólico como a produção normal de esperma.

Efeitos colaterais femininos incluem aumento de pêlos no corpo , permanente aprofundamento da a voz,clitóris aumentado , e diminui temporárias em ciclos menstruais . Quando tomados durante a gravidez, os esteróides anabolizantes podem afetar o desenvolvimento do feto , causando o desenvolvimento de características masculinas no feto feminino e características femininas no feto do sexo masculino.

Uma série de graves efeitos colaterais pode ocorrer se os adolescentes usam esteróides anabolizantes.

Por exemplo, os esteróides podem interromper prematuramente o alongamento dos ossos (prematura fusão epifisária por aumento dos níveis de estrogênio metabolitos), resultando em crescimento atrofiado. Outros efeitos incluem, mas não estão limitados a, acelerada maturação óssea, aumento da frequência e duração da ereção, e desenvolvimento sexual prematuro. Uso de esteróides anabolizantes na adolescência também está correlacionada com atitudes mais pobres relacionados à saúde.

Outros efeitos colaterais podem incluir alterações na estrutura do coração, como o alargamento e espessamento do ventrículo esquerdo, o que prejudica sua contração e relaxamento . Os possíveis efeitos destas alterações no coração são hipertensão, arritmias cardíacas , cardíaca congestiva falha , ataques cardíacos e morte cardíaca súbita . Estas mudanças também são vistos em não usam drogas atletas , mas o uso de esteróides pode acelerar esse processo. No entanto, tanto a conexão entre mudanças na estrutura do ventrículo esquerdo e diminuição da função cardíaca, bem como a ligação ao uso de esteróides foram contestados.

Efeitos psiquiátricos

Uma revisão de 2005 em SNC Drogas determinou que "significativos sintomas psiquiátricos, incluindo agressão e violência, mania e, menos freqüentemente psicose e suicídio têm sido associados com esteróides abuso. longo prazo abusadores esteróides podem desenvolver sintomas de dependência e retirada com a interrupção da AAS ". Altas concentrações de AAS, comparáveis às provavelmente sustentada por muitos usuários recreativos AAS, produzir apoptóticas efeitos sobre os neurônios , aumentando a probabilidade de toxicidade possivelmente irreversíveis neuropsiquiátrica. Uso recreativo AAS parece estar associado com uma variedade de efeitos potencialmente prolongada síndromes psiquiátricas, incluindo a dependência, distúrbios de humor e pela evolução para outras formas de abuso de substâncias, mas a prevalência e a gravidade desses efeitos diversos ainda pouco compreendida. Há nenhuma evidência de que a dependência de esteróides desenvolve a partir de terapêutica uso de esteróides anabolizantes para o tratamento de problemas de saúde, mas os casos de dependência AAS foram relatadas entre halterofilistas e culturistas que cronicamente administrados doses suprafisiológicas. Distúrbios de humor (por exemplo, depressão, [hipo] mania, características psicóticas) são susceptíveis de ser dose e dependente de drogas, mas os efeitos AAS dependência ou a retirada parecem ocorrer apenas em um pequeno número de usuários de AAS.

Grande escala a longo prazo estudos sobre os efeitos psiquiátricos em usuários de AAS não estão atualmente disponíveis.

Em 2003, o primeiro estudo de longo prazo naturalista em 10 usuários, dos quais sete tendo concluído o estudo, encontrou uma alta incidência de transtornos de humor e abuso de substâncias, mas poucas alterações clinicamente relevantes nos parâmetros fisiológicos e medidas de laboratório foram observados durante o estudo, e essas mudanças não foram claramente relacionada a períodos de relatado o uso de AAS. Um estudo de 13 meses, que foi publicado em 2006 e que envolveu 320 construtores de corpo e atletas sugere que a ampla gama de efeitos secundários psiquiátricos induzidas pelo uso de AAS está relacionada com a gravidade da queixa.

Agressão e hipomania

A partir da década de 1980 mid, os meios de comunicação informaram "comportamento agressivo" como um efeito colateral da AAS.

Uma revisão de 2005 determinou que alguns, mas não todos, os estudos randomizados controlados descobriram que o uso de esteróides anabolizantes correlaciona com hipomania e aumento da agressividade, mas ressaltou que tenta determinar se o uso de AAS desencadeia comportamentos violentos falharam, principalmente por causa das altas taxas de não -participação. Um estudo de 2008 sobre uma amostra nacionalmente representativa de homens adultos jovens nos Estados Unidos encontraram uma associação entre vida e passado anos de auto-relato do uso de esteróides anabólicos esteróides androgênicos e envolvimento em atos violentos. Em comparação com indivíduos que não usam esteróides, os machos adultos jovens que usaram esteróides anabólico-androgênicos relataram maior envolvimento em comportamentos violentos, mesmo depois de controlar os efeitos das principais variáveis demográficas, comportamento violento anterior, e uso de múltiplas drogas. Uma revisão 1996 examinando os cegos disponíveis naquele tempo também descobriu que estes tinham demonstrado uma ligação entre agressão e uso de esteróides, mas salientou que, com estimativas de mais de um milhão passadas ou atuais usuários de esteróides nos Estados Unidos na época, uma porcentagem extremamente pequena dos esteróides usando parecem ter distúrbio mental grave experiente o suficiente para resultar em tratamentos clínicos ou relatos de casos médicos.

Um 1996 ensaio clínico randomizado , que envolveu 43 homens, não encontrou um aumento na ocorrência de comportamento irritado durante 10 semanas de administração de enantato de testosterona a 600 mg / semana, mas este estudo exibido fora assuntos que tiveram esteróides anteriormente abusadas ou teve qualquer antecedentes psiquiátricos. Um estudo realizado em 2000 usando cipionato de testosterona a 600 mg / semana constatou que o tratamento aumentou significativamente maníacos escores nas YMRS e respostas agressivas em várias escalas. A resposta droga era altamente variável. No entanto: 84% dos sujeitos apresentaram o mínimo de efeitos psiquiátricos, 12% tornaram-se suavemente hypomanic, e 4% (2 indivíduos) tornou-se marcadamente hipomania. O mecanismo destas reacções variáveis não podem ser explicados pela demográfico, de laboratório, psicológicas, fisiológicas ou medidas.

Um estudo de 2006 de dois pares de gêmeos idênticos, em que um gêmeo usado esteróides anabolizantes e o outro não, descobriram que em ambos os casos o gêmeo usuário de esteróides apresentaram níveis elevados de agressividade, hostilidade, ansiedade e ideação paranóide não encontrados no "controle" gêmeo. Um estudo em pequena escala de 10 usuários AAS descobriram que o grupo Btranstornos de personalidade foram fatores de confusão para a agressão.

Depressão e suicídio

A relação entre o uso de AAS e depressão é inconclusivo. Houve relatos de depressão e suicídio em adolescentes usuários de esteróides, mas pouca evidência sistemática. A revisão de 1992 constatou que esteróides anabólico-androgênicos pode tanto aliviar e causar depressão, e que a cessação ou redução da utilização de esteróides anabólicos androgênicos também pode resultar em depressão, mas pediu estudos adicionais devido a dados diferentes.

Uso Médico

Anabolizantes
Vários esteróides anabolizantes e compostos relacionados

Desde a descoberta e a síntese de testosterona, em 1930, os esteróides anabólicos têm sido usados por médicos para muitas finalidades, com variados graus de sucesso, para o tratamento de:

Medula óssea estimulação

Durante décadas, os esteróides anabólicos foram o esteio da terapia para a hipoplasia anemias devido à leucemia ou insuficiência renal , especialmente anemia aplástica . Os esteróides anabolizantes foram substituídos neste cenário por hormônios sintéticos (como a epoetina alfa ) que seletivamente estimulam o crescimento de precursores de células de sangue .

Crescimento estimulação

Os esteróides anabolizantes podem ser usados por endocrinologistas pediátricos para tratar crianças com falta de crescimento. No entanto, a disponibilidade de sintética do hormônio do crescimento, que tem menos efeitos colaterais, faz deste um tratamento secundário.

Estimulação do apetite e preservação e aumento de músculo massa

Esteróides anabólicos tem sido dados para pessoas com condições crônicas desgastantes como câncer e AIDS.

Indução da macho puberdade

Andrógenos são receitados para muitos garotos com extrema atraso da puberdade . A testosterona é o androgênio agora quase só utilizado para este fim, tendo sido demonstrado que o aumento de altura, peso e massa livre de gordura em meninos com puberdade atrasada.

Contracepção masculina

Na forma de enantato de testosterona ; potencial para uso em um futuro próximo como um contraceptivo seguro, confiável e reversível do sexo masculino.

Estimulação de massa magra e prevenção da perda óssea

Em homens idosos, como alguns estudos indicam. No entanto, um 2006 controlado por placebo, de baixas doses de suplementação de testosterona em homens idosos com baixos níveis de testosterona não encontrou nenhum benefício na composição corporal, desempenho físico, a sensibilidade à insulina , ouqualidade de vida .

A reposição hormonal para homens

Com baixos níveis de testosterona ,também eficaz em promover a libido de homens idosos

Transtorno de Identidade de Gênero

Produzindo as características secundárias masculinas, como uma voz mais profunda, óssea e massa muscular, pêlos faciais, aumento dos níveis de células vermelhas do sangue , e do clitóris alargamento de mulher-macho pacientes.

Ergogênicos uso e abuso

Anabolizantes
Frascos numerosos esteróides anabolizantes injetáveis

Entre 1 milhão e 3 milhões de pessoas (1% da população) são pensados para ter abusado AAS nos Estados Unidos. Estudos realizados nos Estados Unidos mostraram que usuários de esteróides anabólicos tendem a ser predominantemente de classe média, heterossexuais homens com um mediana idade de cerca de 25 anos que são fisiculturistas não-competitivos e não-atletas e usar as drogas para fins cosméticos. "Entre 12 - a 17-year-old boys, uso de esteróides e drogas afins saltou 25 por cento de 1999 a 2000, com 20 por cento dizendo que usá-los para se parece em vez de esportes, um estudo realizado pela seguradora Blue Cross Blue Shield encontrado. "(Eisenhauer) De acordo com uma pesquisa recente, 78,4% dos usuários de esteróides foram fisiculturistas não-competitivos e não-atletas, enquanto cerca de 13% relataram práticas de injeção inseguras, tais como agulhas, reutilizando o compartilhamento de agulhas e frascos de múltiplas doses de partilha, apesar de um estudo de 2007 descobriu que o compartilhamento de agulhas era extremamente incomum entre os indivíduos que usam esteróides anabolizantes para fins não médicos, menos de 1% . Um outro estudo de 2007 descobriu que 74% dos não-médicos usuários de esteróides anabólicos tinha diploma universitário secundárias e mais tinha terminado a faculdade e menos não tinha conseguido concluir o ensino médio do que se espera da população em geral. O mesmo estudo encontrou . que os indivíduos que usam esteróides anabolizantes para fins não médicos tiveram uma maior taxa de emprego e uma maior renda familiar do que a população em geral usuários de esteróides anabólicos tendem a pesquisar os medicamentos que está a tomar mais do que outras substâncias controladas usuários, no entanto, o principais fontes consultadas por usuários de esteróides incluem amigos, não-médicos manuais, baseados na Internet, blogs, fóruns e revistas de fitness, que podem fornecer informações questionáveis ou imprecisas.

Usuários de esteróides anabólicos tendem a ser desiludido com o retrato de esteróides anabolizantes como mortal na mídia e na política. De acordo com um estudo, os usuários de AAS desconfiança também seus médicos e na amostra de 56% não tinha divulgado os seus AAS usar a seu médicos. Um outro estudo de 2007 teve resultados semelhantes, mostrando que, enquanto 66% dos indivíduos em uso de esteróides anabolizantes para fins não médicos estavam dispostos a procurar orientação médica para o seu uso de esteróides, 58% não tinham confiança em seus médicos, 92% consideraram que o conhecimento da comunidade médica de uso não médico de esteróides anabolizantes foi falta, e 99% consideram que o público tenha uma visão exagerada dos efeitos colaterais do uso de esteróides anabolizantes. Um estudo recente mostrou também que a longo prazo os usuários AAS foram mais propensos a ter sintomas de dismorfia muscular e também mostraram forte endosso de mais convencionais papéis masculinos.

Os esteróides anabólicos têm sido usados por homens e mulheres em muitos tipos diferentes de esportes profissionais para alcançar uma vantagem competitiva ou para ajudar na recuperação de lesões.Esses esportes incluem musculação , levantamento de peso , arremesso e outro de atletismo , ciclismo , beisebol , luta livre , artes marciais misturadas , boxe , futebol e críquete . Essa utilização é proibida pelas regras dos órgãos sociais da maioria dos esportes. Uso de esteróides anabolizantes ocorre entre adolescentes, especialmente por aqueles que participam de esportes competitivos. Tem sido sugerido que a prevalência de uso entre estudantes do ensino médio em os EUA pode ser tão alta quanto 2,7%. Alunos do sexo masculino usado esteróides anabolizantes com mais freqüência do que os estudantes do sexo feminino e, em média, aqueles que participaram em esportes usado esteróides com mais frequência do que aqueles que não o fizeram.

O comércio ilegal

Comércio Ilegal de Anabolizantes
Vários baldes grandes contendo dezenas de milhares de frascos de anabolizantes esteróides confiscados pelaDEA durante a "Operação Negócio Raw" em 2007.

Os esteróides anabolizantes são frequentemente produzidos em laboratórios farmacêuticos, mas, em países onde as leis mais rigorosas estão presentes, eles também são produzidos em pequenas caseiros laboratórios subterrâneos, geralmente a partir de substâncias primas importadas do exterior. Nestes países, a maioria dos esteróides são obtidas ilegalmente através do mercado negro do comércio.

Estes esteróides são geralmente fabricados em outros países, e, portanto, devem ser contrabandeados através das fronteiras internacionais. Como a maioria das operações de contrabando significativos, o crime organizado está envolvido.

No final dos anos 2000, o comércio mundial de AAS ilícitas aumentou significativamente, e as autoridades anunciaram captações recordes em três continentes.Em 2006, as autoridades finlandesas anunciaram uma apreensão recorde de 11,8 milhões de comprimidos de AAS. Um ano depois, a DEA apreendeu 11.400 mil unidades de AAS na maior apreensão de EUA nunca. Nos primeiros três meses de 2008, o australiano costumes relatou um recorde de 300 apreensões de carregamentos AAS.

Nos EUA, Canadá e Europa, esteróides ilegais às vezes são comprados assim como qualquer outra droga ilegal, através de revendedores que são capazes de obter as drogas de um número de fontes. Os esteróides anabolizantes são por vezes vendidos em academias e competições, e através do e-mail, mas também pode ser obtida através de farmacêuticos, veterinários, e médicos. Além disso, um número significativo de produtos falsificados são vendidos como esteróides anabolizantes, em especial através de websites de farmácias posando como no exterior. Em os EUA, mercado negro de importação continua no México, Tailândia e outros países onde os esteróides são mais facilmente disponíveis, como eles são legais.

Referências Bibliográficas

1. ^ Michael Powers, "produtos dopantes" em Joel Houglum, em Gary L. Harrelson, Deidre Leaver-Dunn, "Princípios de Farmacologia para treinadores", SLACK Incorporated, 2005,ISBN 1-55642-594-5 , p. 330
2. ^ a b . Barrett-Connor E (1995) "Fatores de testosterona e de risco para doença cardiovascular em homens". Diabete Metab21 (3): 156-61. PMID 7556805 .
3. ^ um b Yamamoto Y, R Moore, Hess H, Guo G, F Gonzalez, Korach K, Maronpot R, M Negishi (2006). "Medeia a Estrogen receptor alfa-etinilestradiol 17alfa causar hepatotoxicidade." J Biol Chem 281 (24):. 16625-31 doi : 10.1074/jbc.M602723200. PMID 16606610 .
4. ^ um b De Piccoli B, Giada F, Benettin A, Sartori F, E Piccolo (1991). "O uso de esteróides anabolizantes em construtores de corpo: um estudo ecocardiográfico da morfologia do ventrículo esquerdo e função". Int J Sports Med. 12 (4):. 408-12 doi :10.1055/s-2007-1024703 . PMID 1917226 .
5. ^ um b c Hartgens e Kuipers (2004), p. 515
6. ^ um b . Kicman AT, Gower DB (Julho de 2003) "esteróides anabolizantes no esporte: bioquímicos, perspectivas clínicas e analítico" . Anais de Bioquímica Clínica 40 (Pt 4): 321-56. doi :10.1258/000456303766476977 . PMID 12880534 .
7. ^ Kuhn CM (2002). "esteróides anabolizantes" . Prog recentes.Horm. Res. 57 (1): 411-34. doi : 10.1210/rp.57.1.411 . PMID 12017555 .
8. ^ um b c d e Hoberman JM, Yesalis CE (1995). "A história da testosterona sintética". Scientific American 272 (2):. 76-81 doi :10.1038/scientificamerican0295-76 . PMID 7817189 .
9. ^ um b Freeman ER, Bloom DA, McGuire EJ (2001). "Uma breve história da testosterona". Journal of Urology 165 (2): 371-373.doi : 10.1097/00005392-200102000-00004 . PMID 11176375 .
10. ^ David K, Dingemanse E, J Freud, Laqueur L (1935). "Uber krystallinisches mannliches Hormon aus Hoden (Testosteron) wirksamer als aus harn oder aus cholesterina bereitetes Androsteron". Hoppe Seylers Z Physiol Chem 233 (5-6): 281. doi: 10.1515/bchm2.1935.233.5-6.281 .
11. ^ Butenandt A, Hanisch G. (1935). "Método A para a Preparação de testosterona a partir do colesterol." Chemische Berichte 68 : 1859.
12. ^ L Ruzicka, Wettstein A (1935). ".. Sexualhormone VII über die kunstliche Herstellung des Testikelhormons Testosteron (Androsten-3-one-17-ol.)". Helvetica Chimica Acta 18 : 1264. doi: 10.1002/hlca.193501801176 .
13. ^ um b Pat Lenehan, "esteróides anabolizantes: e outros produtos dopantes", CRC Press, 2003, ISBN 0-415-28030-3 , página 6
14. ^ um b Taylor, William N (1 de Janeiro, 2002). esteróides anabolizantes eo atleta . McFarland & Company. p. 181. ISBN 0-7864-1128-7 .
15. ^ NewsHour Online com Correspondente Sênior Ray Suarez e Jeffrey médico Kelman, "Pres. Kennedy Segredos de Saúde", A NewsHour com Jim Lehrer transcrição, 18 novembro de 2002
16. ^ Calfee R, Fadale P (2006). "Popular medicamentos e suplementos ergogênicos em atletas jovens". Pediatria 117 (3): e577-89. doi : 10.1542/peds.2005-1429 . PMID 16510635 .
17. ^ Justin Peters The Man Behind the Juice , Slate sexta-feira, 18 fevereiro, 2005, Acessado em 29 de abril de 2008
18. ^ Hartgens e Kuipers (2004), p. 516
19. ^ um b c George P. Chrousos, Os hormônios gonadais e inibidores, em Bertram G. Katzung (Ed.), Farmacologia Básica e Clínica, McGraw-Hill Professional, 2006, ISBN 0-07-145153-6 , p. 674-676
20. ^ um b c d e Cohen, J.; Collins, R.; Darkes, J.; Gwartney, D. (2007). "Uma liga própria: demografia, motivações e padrões de utilização de 1.955 homens adultos não-médico usuários de esteróides anabólicos nos Estados Unidos " . feedback 4 : 12. doi : 10.1186/1550-2783-4-12 . PMC 2131752 . PMID 17931410 .
21. ^ Mutzebaugh C (1998). "Será que a escolha de alfa-AAS realmente fazer a diferença?". VIH Hotline 8 (5-6):. 10-1 PMID 11366379 .
22. ^ Pereira de Jesus-Tran K, Côté PL, Cantin L, Blanchet J, F Labrie, Breton R (2006). "Comparação de estruturas cristalinas de receptor de andrógeno humano domínio de ligação do ligando complexado com vários agonistas revela determinantes moleculares responsáveis pela afinidade de ligação " .Protein Sei. 15 (5):. 987-99 doi : 10.1110/ps.051905906 . PMC 2242507 . PMID 16641486 .
23. ^ . Lavery DN, McEwan IJ (2005) "Estrutura e função dos receptores de esteróides domínios transactivação AF1: indução de conformações ativas" . Biochem. J. 391 (Pt 3):. 449-64 doi :10.1042/BJ20050872 . PMC 1276946 . PMID 16238547 .
24. ^ Cheskis B (2004). "Regulamento de cascatas de sinalização celular por hormônios esteróides". J. Cell. Biochem. 93 (1):. 20-7 doi : 10.1002/jcb.20180 . PMID 15352158 .
25. ^ um b Roselli CE (1998). . "O efeito de esteróides anabólicos androgênicos sobre a atividade da aromatase e ligação ao receptor de andrógeno na área pré-óptica rato" cérebro Res.792 (2): 271-6. doi : 10.1016/S0006-8993 (98) 00148-6 . PMID 9593936 .
26. ^ I Brodsky, Balagopal P, K Nair (1996). "Efeitos da reposição de testosterona sobre a massa muscular e síntese de proteína muscular em homens com hipogonadismo, um centro de estudos de pesquisa clínica". J. Clin. Endocrinol. Metab. 81(10):. 3469-75 doi : 10.1210/jc.81.10.3469 . PMID 8855787 .
27. ^ Hickson R, S Czerwinski, Falduto M, Young A (1990)."Antagonismo glicocorticóides pelo exercício e anabólico-androgênicos esteróides". Med Sci Sports Exerc 22 (3):. 331-40PMID 2199753 .
28. ^ Singh R, Artaza J, W Taylor, Gonzalez-Cadavid N, Bhasin S (2003). "Androgens estimular a diferenciação miogênica e inibir adipogênese em C3H 10T1 / 2 células pluripotentes através de uma via mediada por receptores de andrógenos."Endocrinology 144 (11):. 5081-8 doi : 10.1210/en.2003-0741 .PMID 12960001 .
29. ^ E Schroeder, Vallejo A, Zheng L, et al. (2005). "Seis semanas melhorias na força e massa muscular durante a terapia androgênica em homens mais velhos". J Gerontol um Biol Sci Med Sci 60 (12): 1586-1592. doi : 10.1093/gerona/60.12.1586. PMID 16424293 .
30. ^ Grunfeld C, D Kotler, Dobs A, Glesby M, Bhasin S (2006)."Oxandrolona no tratamento do HIV associada a perda de peso em homens: um estudo randomizado, duplo-cego, placebo-controlado". J Acquir Immune Defic Syndr 41 (3):. 304-14 doi :10.1097/01.qai.0000197546.56131 0,40 . PMID 16540931 .
31. ^ Giorgi A, Weatherby R, P Murphy (1999). "A força muscular, composição corporal e respostas de saúde para o uso de enantato de testosterona: um estudo duplo cego". Jornal da ciência e da medicina do esporte na Austrália Medicina / Sports2 (4):. 341-55 PMID 10710012 .
32. ^ Kuhn CM (2002). "Progressos Recentes em Pesquisa hormonal - Os esteróides anabolizantes" . The Endocrine Society (Departamento de Farmacologia e Biologia do Câncer, Duke University Medical Center, Durham, Carolina do Norte) 57(57):. 411-434 doi : 10.1210/rp.57.1.411 . PMID 12017555 .
33. ^ "Como esteróides anabolizantes Alter homens e mulheres". Retirado 06 de março de 2013 .
34. ^ LG Hershberger, EG Shipley, RK Meyer, atividade miotrópico de 19 nortestosterone e outros esteróides determinadas pelo método modificado músculo elevador do ânus, Proc. Soc. Exp.Biol. Med. 83 (1953), 175-180
35. ^ um b c Hartgens e Kuipers (2004), p. 519-527
36. ^ um b Hartgens e Kuipers (2004), p. 528
37. ^ Hervey GR, Hutchinson I, Knibbs AV, . et al . (outubro de 1976)"" anabolizantes "efeitos de methandienone em homens submetidos a treinamento atlético" . Lancet 2 (7988):. 699-702 doi : 10.1016/S0140-6736 ( 76) 90001-5 . PMID 61389.
38. ^ Hervey GR, Knibbs AV, Burkinshaw L, et al. (Abril de 1981)."Efeitos da methandienone sobre o desempenho e composição corporal de homens submetidos a treinamento atlético". Clin. . Sci 60 (4): 457-61. PMID 7018798 .
39. ^ a b c Bhasin S, T Storer, Berman N, et al. (1996). "Os efeitos de doses suprafisiológicas de testosterona em tamanho e força muscular em homens normais". N. Engl. . J. Med. 335 (1):. 1-7doi : 10.1056/NEJM199607043350101 . PMID 8637535 .
40. ^ Bhasin S, L Woodhouse, Casaburi R, et al. (2001). "A testosterona. Relações dose-resposta em homens jovens saudáveis" Am J Physiol Endocrinol Metab 281 (6):. E1172-81PMID 11701431 .
41. ^ F de Grace, Sculthorpe N, Baker J, Davies B (2003). "A pressão arterial ea taxa de resposta produto pressão em homens que usam altas doses de esteróides anabólicos androgênicos (EAA)." J Med Sci Esporte 6 (3):. 307-12 doi :10.1016/S1440-2440 (03) 80024-5 . PMID 14609147 .
42. ^ Tokar, Steve (Fevereiro de 2006). "danos no fígado e Risco de ataque aumentada coração causado pelo uso de esteróides anabolizantes" . Universidade da Califórnia - San Francisco .Retirado 2007/04/24 .
43. ^ "DailyMed: Sobre DailyMed" . Dailymed.nlm.nih.gov .Retirado 2008/11/03 .
44. ^ Bagatell C, R Knopp, Vale W, Rivier J, Bremner W (1992)."Fisiológicos níveis de testosterona em homens normais suprimir alta densidade níveis de colesterol de lipoproteínas".Ann Intern Med 116 (12 Pt 1): 967-73. PMID 1586105 .
45. ^ Mewis C, Spyridopoulos I, Kühlkamp V, Seipel L (1996)."Manifestação de doença cardíaca coronariana grave após abuso de drogas anabolizantes". Cardiologia Clínica 19 (2):. 153-5 doi : 10.1002/clc.4960190216 . PMID 8821428 .
46. ^ Hartgens e Kuipers (2004), p. 543
47. ^ Melnik B, Jansen T, Grabbe S (2007). "O abuso de esteróides anabólico-androgênicos e acne musculação: um problema de saúde subestimado". Jornal der Deutschen Gesellschaft Dermatologischen = Jornal da Sociedade Alemã de Dermatologia: JDDG 5 (2):. 110-7 doi : 10.1111/j.1610-0387.2007 0,06176. x . PMID 17274777 .
48. ^ Vierhapper H, Maier H, Nowotny P, Waldhäusl W (Julho de 2003). "As taxas de produção de testosterona e da diidrotestosterona em perda de cabelo padrão feminino" .Metab. Clin. Exp. 52 (7): 927-9. doi : 10.1016/S0026-0495 (03) 00060-X . PMID 12870172 .
49. ^ Marcus R, Korenman S (1976). "Estrogênios e do macho humano". Annu Rev Med 27 : 357-70. doi :10.1146/annurev.me.27.020176.002041 . PMID 779604 .
50. ^ . Hoffman JR, Ratamess NA (1 de junho de 2006) "Questões médicas associadas com o uso de esteróides anabolizantes: eles são Exagerado?" (PDF). Journal of Sports Science and Medicine . Arquivada do original em 20 de junho de 2007 .Retirado 2007/05/08 .
51. ^ Meriggiola M, Costantino A, W Bremner, Morselli Labate-A (2002). "Dose mais elevados de testosterona prejudica supressão esperma induzida por um regime de androgênio-progestina combinado". J. Androl. 23 (5): 684-90. PMID 12185103 .
52. ^ a b Uma Matsumoto (1990). "Efeito da administração de testosterona em homens normais crónica: produção de segurança e eficácia de alta dosagem de testosterona e supressão dependente da dose paralela de hormona luteinizante, hormona folículo-estimulante, e do esperma." J.Clin. Endocrinol. Metab. 70 (1):. 282-7 doi : 10.1210/jcem-70-1-282 . PMID 2104626 .
53. ^ Alén M, Reinilä M, Vihko R (1985). "Resposta de hormônios andrógenos séricos de administração em atletas de força".Medicina e ciência em esportes e exercícios 17 (3):. 354-9 PMID 2991700 .
54. ^ Manikkam M, Crespi E, Doop D, et al. (2004). "Programação fetal: excesso de testosterona pré-natal leva a retardo do crescimento fetal e a recuperação do crescimento pós-natal em ovelhas". Endocrinologia 145 (2):. 790-8 doi : 10.1210/en.2003-0478 . PMID 14576190 .
55. ^ Irving L, M parede, Neumark-Sztainer D, Story M (2002). "O uso de esteróides entre os adolescentes: resultados de Projeto de comer". Jornal de saúde do adolescente: publicação oficial da Sociedade de Medicina do Adolescente 30 (4): 243-52. doi :10.1016/S1054-139X (01) 00414-1 . PMID 11927236 .
56. ^ Sullivan ML, Martinez CM, Gallagher EJ (1999). "A fibrilação atrial e esteróides anabolizantes." The Journal of Emergency Medicine 17 (5): 851-7. doi : 10.1016/S0736-4679 (99) 00095-5 . PMID 10499702 .
57. ^ Dickerman RD, Schaller F, McConathy WJ (1998)."Espessamento da parede do ventrículo esquerdo ocorre em atletas de elite de poder, com ou sem o uso de esteróides anabolizantes". Cardiologia 90 (2):. 145-8 doi :10.1159/000006834 . PMID 9778553 .
58. ^ George KP, Wolfe LA, Burggraf GW (1991). "A 'síndrome do coração de atleta" Uma revisão crítica. ". Sports Medicine (Auckland, NZ) 11 (5): 300-30. doi : 10.2165/00007256-199111050-00003 . PMID 1829849 .
59. ^ Dickerman R, Schaller F, Zachariah N, McConathy W (1997)."O tamanho do ventrículo esquerdo e função em culturistas de elite usando esteróides anabolizantes". Clin J Sport Med 7 (2):. 90-3 doi : 10.1097/00042752-199704000-00003 . PMID 9113423 .
60. ^ Salke RC, Rowland TW, Burke EJ (1985). "O tamanho do ventrículo esquerdo e função em fisiculturistas em uso de esteróides anabolizantes". Medicina e ciência em esportes e exercícios 17 (6): 701-4. doi : 10.1249/00005768-198512000-00014 . PMID 4079743 .
61. ^ Trenton AJ, Currier GW (2005). "Manifestações comportamentais do uso de esteróides anabolizantes". CNS Drugs 19 (7): 571-95. doi : 10.2165/00023210-200519070-00002 . PMID 15984895 .
62. ^ um b . Kanayama G, Hudson JI, o Papa HG (novembro de 2008) "consequências a longo prazo com psiquiatras e médicos de anabolizantes androgênicos-abuso de esteróides: um problema de saúde pública?" Looming . Álcool Drogas Dependem 98 (1-2): 1 . -12 doi :10.1016/j.drugalcdep.2008.05.004 . PMC 2646607 . PMID 18599224 .
63. ^ Brower KJ (Outubro de 2002). "Abuso de esteróides anabolizantes e dependência". Curr Psiquiatria Rep 4 (5):. 377-87 doi : 10.1007/s11920-002-0086-6 . PMID 12230967 .
64. ^ Hartgens e Kuipers (2004), p. 514-515
65. ^ Fudala P, Weinrieb R, Calarco J, K Kampman, Boardman C (2003). "Uma avaliação de anabólicos androgênicos abusadores de esteróides por um período de 1 ano: sete estudos de caso". Anais da psiquiatria clínica: jornal oficial da Academia Americana de Psiquiatras clínicos 15 (2): 121-30.PMID 12938869 .
66. ^ Pagonis TA, Angelopoulos NV, Koukoulis GN, Hadjichristodoulou CS (2006). "Efeitos secundários do foro psiquiátrico induzidas por doses suprafisiológicas de combinações de esteróides anabolizantes correlacionar com a gravidade da queixa." Eur. Psiquiatria 21 (8): 551-62. doi :10.1016/j.eurpsy.2005.09.001 . PMID 16356691 .
67. ^ Pat Lenehan, "esteróides anabolizantes: e outros produtos dopantes", CRC Press, 2003, ISBN 0-415-28030-3 , página 23
68. ^ Thiblin I, Petersson A (Fevereiro de 2005)."Farmacoepidemiologia de esteróides anabólicos androgênicos: uma revisão". Fundam Clin Pharmacol 19 (1):. 27-44 doi : 10.1111/j.1472-8206.2004.00298.x . PMID 15660958 .
69. ^ Beaver KM, Vaughn MG, Delisi M, Wright JP (Dezembro de 2008). "anabolizantes androgênicos-uso de esteróides e envolvimento no comportamento violento em uma amostra nacionalmente representativa de homens adultos jovens nos Estados Unidos" . Am J Saúde Pública 98 (12 ):. 2185-7 doi :10.2105/AJPH.2008.137018 . PMC 2636528 . PMID 18923108 .
70. ^ Bahrke MS, Yesalis CE, Wright JE (1996). "Os efeitos psicológicos e comportamentais de testosterona endógena e esteróides anabólico-androgênicos uma atualização.". Sports Medicine (Auckland, NZ) 22 (6): 367-90. doi :10.2165/00007256-199622060-00005 . PMID 8969015 .
71. ^ Tricker R, R Casaburi, Storer T, et al. (1996). "Os efeitos de doses suprafisiológicas de testosterona sobre o comportamento de raiva em saudável eugonadais homens-um centro de estudos de pesquisa clínica". J. Clin. Endocrinol. . Metab 81 (10): 3754-8. doi : 10.1210/jc.81.10.3754 . PMID 8855834 .
72. ^ Papa, Harrison G.; Elena M. Kouri; James I.. Hudson (Fevereiro de 2000) "Efeitos de doses suprafisiológicas de testosterona sobre o humor e Agressão em homens normais" . Med Sci Sports Exerc. (Arch Gen Psychiatry) 57 (2 ):. 133-140 doi : 10.1001/archpsyc.57.2.133 . PMID 10665615. Arquivada do original em 23 de março de 2007 . Retirado 2007/04/24 .
73. ^ Pagonis TA, Angelopoulos NV, Koukoulis GN, Hadjichristodoulou CS, Toli PN (2006). "Fatores psiquiátricos e hostilidade relacionados ao uso de esteróides anabolizantes em gêmeos monozigóticos". Eur. Psychiatry 21 (8):. 563-9 doi :10.1016/j.eurpsy.2005.11.002 . PMID 16529916 .
74. ^ Perry PJ, Kutscher CE, Lund BC, Yates WR, Holman TL, Demers L (2003). "Medidas de agressão e alterações de humor em levantadores de peso do sexo masculino com e sem uso de anabolizantes esteróides androgênicos". J. Sci forense. 48 (3): 646-51. PMID 12762541 .
75. ^ "Adolescentes e Esteróides: uma mistura perigosa" . CBS(CBS Broadcasting Inc.). 2004/06/03. Arquivada do original em 10 de julho de 2007 . Retirado 2007/06/27 .
76. ^ Uzych L (1992). "Esteróides anabólicos androgênicos e psiquiátrica efeitos relacionados: uma revisão". Canadian Journal of Psychiatry 37 (1): 23-8. PMID 1551042 .
77. ^ RI Madeira (Novembro de 2004). "Reforçar os aspectos de andrógenos" . Physiol. Behav. 83 (2):. 279-89 doi :10.1016/j.physbeh.2004.08.012 . PMID 15488545 .
78. ^ Basaria S, Wahlstrom JT, Dobs AS (2001). "revisão Clínica 138: anabólico-androgênicos terapia esteróide no tratamento de doenças crônicas" . J. Clin. Endocrinol. . Metab 86 (11):. 5108-17 doi : 10.1210/jc.86.11.5108 . PMID 11701661 .
79. ^ Ranke MB, Bierich JR (1986). "O tratamento da deficiência de hormônio do crescimento". Clínicas em endocrinologia e metabolismo 15 (3): 495-510. doi : 10.1016/S0300-595X (86) 80008-1 . PMID 2429792 .
80. ^ Grunfeld C, D Kotler, Dobs A, Glesby M, Bhasin S (2006)."Oxandrolone no tratamento do HIV associada a perda de peso em homens: um estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo". J. Acquir. Defic imunológico. Syndr. 41 (3):. 304-14doi : 10.1097/01.qai.0000197546.56131.40 . PMID 16540931 .
81. ^ Berger JR, Pall L, Hall CD, Simpson MS, Berry PS, Dudley R (1996). "Oxandrolona em AIDS-desperdiçando miopatia". SIDA10 (14): 1657-1662. PMID 8970686 .
82. ^ Arslanian S, Suprasongsin C (1997). "O tratamento com testosterona em adolescentes com puberdade atrasada: mudanças na composição corporal, gordura, proteínas e metabolismo da glicose". J. Clin. Endocrinol. Metab. 82 (10): 3213-20. doi : 10.1210/jc.82.10.3213 . PMID 9329341 .
83. ^ Aribarg A, Sukcharoen N, Chanprasit Y, Ngeamvijawat J, Kriangsinyos R (1996). "A supressão da espermatogénese por enantato de testosterona em homens tailandeses". Jornal da Associação Médica da Tailândia = Chotmaihet thangphaet 79(10):. 624-9 PMID 8996996 .
84. ^ Kenny AM, Prestwood KM, Gruman CA, Marcello KM, Raisz LG (2001). "Efeitos da testosterona transdérmica sobre ossos e músculos em homens mais velhos com baixos níveis de testosterona biodisponível". J. Gerontol. A Biol. Sci. Med. Sei. 56(5):. M266-72 doi : 10.1093/gerona/56.5.M266 . PMID 11320105 .
85. ^ Baum NH, Crespi CA (2007). "Reposição de testosterona em homens idosos". Geriatria 62 (9): 14-8. PMID 17824721 .
86. ^ RM Francis (2001). "A reposição androgênica em homens idosos". Calcif. Tissue Int.. 69 (4): 235-8. doi : 10.1007/s00223-001-1051-9 . PMID 11730258 .
87. ^ Nair KS, Rizza RA, O'Brien P, et al. (2006). "DHEA em mulheres idosas e DHEA ou testosterona em homens idosos".N. Engl. J. Med. Chem. 355 (16):. 1647-1659 doi :10.1056/NEJMoa054629 . PMID 17050889 .
88. ^ Shah K, Montoya C, Pessoas R (2007). "Não injeções de testosterona para aumentar a libido idosos hipogonádicos?".The Journal of Family Practice 56 (4):. 301-5 PMID 17403329.
89. ^ Yassin A, F Saad (2007). "A melhoria da função sexual em homens com hipogonadismo de início tardio tratado com testosterona só". The Journal of Sexual Medicine 4 (2): 497-501.doi : 10.1111/j.1743-6109.2007.00442.x . PMID 17367445 .
90. ^ Arver S, Dobs A, Meikle A, et al. (1997). "Eficácia de longo prazo e de segurança de um sistema de testosterona permeação transdérmica melhorada em homens hipogonadais." Clin.Endocrinol. (Oxf) 47 (6): 727-37. doi : 10.1046/j.1365-2265.1997.3071113.x . PMID 9497881 .
91. ^ Nieschlag E, Büchter D, Von Eckardstein S, et al. (1999)."Repetidas injeções intramusculares de undecanoato de testosterona para a terapia de substituição em homens com hipogonadismo". Clin. Endocrinol. (Oxf) 51 (6): 757-63. doi :10.1046/j.1365-2265.1999.00881.x . PMID 10619981 .
92. ^ Moore E, Wisniewski A, Dobs A (2003). "tratamento endócrino das pessoas transexuais: uma revisão dos regimes de tratamento, resultados e efeitos adversos" . J. Clin.Endocrinol. Metab. 88 (8):. 3467-73 doi : 10.1210/jc.2002-021967 . PMID 12915619 .
93. ^ Sjöqvist F, Garle M, Rane A (Maio de 2008). "O uso de agentes de doping, em particular de esteróides anabolizantes, no esporte e na sociedade". Lancet 371 (9.627):. 1872-1882 doi :10.1016/S0140-6736 (08) 60801-6 . PMID 18514731 .
94. ^ Yesalis CE, Kennedy NJ, Kopstein AN, Bahrke MS (1993). "O uso de esteróides anabólico-androgênicos nos Estados Unidos". JAMA 270 (10): 1217-1221. doi :10.1001/jama.270.10.1217 . PMID 8355384 . "
95. ^ McCabe SE, Brower KJ, West BT, Nelson TF, Wechsler H (2007). "Tendências no uso não médico de esteróides anabolizantes por estudantes universitários americanos: Resultados de quatro pesquisas nacionais" . Drogas e dependência de álcool 90 (2-3 ): 243-51. doi :10.1016/j.drugalcdep.2007.04.004 . PMC 2383927 . PMID 17512138 .
96. ^ Andrew, Parkinson; Nick A. Evans (2006). "esteróides anabólico-androgênicos: Uma pesquisa com 500 usuários" .Medicine & Science in Sports & Exercise (American College of Sports Medicine) 38 (4): 644-651. doi :10.1249/01.mss.0000210194.56834.5d . PMID 16679978 .Arquivada do original em 04 de maio de 2007 . Retirado 2007/04/24 .
97. ^ Copeland J, Peters R, P Dillon (Março de 1998). "Um estudo de 100 anabólico-androgênicos usuários de esteróides" .Med. . J. Aust 168 (6): 311-2. PMID 9549549 .
98. ^ Eastley, Tony (18 de janeiro de 2006). "debunks estudo esteróides usuário estereótipos" . abc.net.au . Retirado 2007/04/24 .
99. ^ Papa HG, Kanayama G, Ionescu-Pioggia M, Hudson JI (2004)."Usuários de esteróides anabólicos 'atitudes para com os médicos". Toxicodependência 99 (9): 1189-1194. doi :10.1111/j.1360-0443.2004.00781.x . PMID 15317640 .
100. ^ G Kanayama, Barry S, Hudson JI, o Papa HG (2006). "Imagem corporal e atitudes para papéis masculinos em anabólico-androgênicos usuários de esteróides". American Journal of Psychiatry 163 (4): 697-703. doi : 10.1176/appi.ajp.163.4.697 .PMID 16585446 .
101. ^ Hickson R, S Czerwinski, Falduto M, Young A (1990)."Antagonismo glicocorticóides pelo exercício e anabólico-androgênicos esteróides". Medicina e ciência em esportes e exercícios 22 (3): 331-40. PMID 2199753 .
102. ^ "Título 21 do Código dos Estados Unidos (USC) Lei de Substâncias Controladas" . EUA Departamento de Justiça.Arquivada do original em 01 de agosto de 2009 . Retirado 2009/09/07 .
103. ^ "Drogas e Substâncias Controladas Lei" . Canadá Departamento de Justiça . Retirado 2007/04/25 .
104. ^ Deacon, James (2). "Bíceps em uma garrafa". MacLean : 52.
105. ^ "esteróides" . Australian Institute of Criminology. De 2006.Arquivado do original em 2007/04/05 . Retirado 2007/05/06 .
106. ^ "Biblioteca do congresso de pesquisa" . Biblioteca do congresso . Retirado 2007/05/06 .
107. ^ HR 4658
108. ^ "Notícias da DEA, depoimento ao Congresso, 03/16/04" .Retirado 2007/04/24 .
109. ^http://es.fifa.com/mm/document/afdeveloping/medical/50/29/56/fifadocregulations_09.01.09_e.pdf
110. ^ "movimento olímpico código anti-doping" (PDF). Comitê Olímpico Internacional. 1999 . Retirado 2007/05/06 .
111. ^ "A NBA e nbpa programa anti-drogas" . Política NBA .findlaw.com. 1999 . Retirado 2007/05/06 .
112. ^ "NHL / NHLPA para melhorar o desempenho resumo do programa substâncias" . nhlpa.com. Arquivada do original em 02 de junho de 2007 . Retirado 2007/05/06 .
113. ^ "Lista de Substâncias Proibidas" (PDF). nflpa.com. 2006 .Retirado 2007/05/06 .
114. ^ "Código Mundial Anti-dopagem" (PDF). AMA. 2003.Arquivada do original em 7 de agosto de 2007 . Retirado 2007/07/10 .
115. ^ "Lista de Substâncias Proibidas de 2005" (PDF). AMA.2005 . Retirado 2007/05/06 .
116. ^ "Senado da Espanha passa anti-doping lei" . Associated Press (Herald Tribune). 05 de outubro de 2006 . Retirado 2007/05/06 .
117. ^ Johnson, Kevin (2006/02/20). "italianos anti-doping leis poderia significar 3 anos de prisão" . EUA hoje . Retirado 2007/05/06 .
118. ^ "Lei sobre a promoção do esporte livre de doping" (PDF).kum.dk. 2004 . Retirado 2007/05/06 . [ link morto ]
119. ^ "Protecção da saúde dos atletas e da luta contra a dopagem" (PDF). AMA. 2006 . Retirado 2007/05/06 .
120. ^ "legislação anti-doping nos Países Baixos" (PDF). AMA.2006 . Retirado 2007/05/06 .
121. ^ "A lei sueca proíbe certas substâncias dopantes (1991:1969)" (PDF). AMA. 1991 . Retirado 2007/05/06 .
122. ^ Mareck U, Geyer H, Opfermann G, M Thevis, Fatores Schanzer W. influenciam o perfil de esteróides no doping análise de controle. J. Mass Spectrom. 43: 877-891, 2008.
123. ^ Fragkaki AG, Angelis YS, Tsantili-Kakoulidou A, Koupparis M, Esquemas Georgakopoulos C. padrões metabólicos de esteróides anabólicos androgênicos para a estimativa de metabólitos de esteróides projetados em urina humana. J. Steroid Biochem. Mol. Biol. 115: 44-61, 2009.
124. ^ Blackledge RD. Ciência ruim: os dados instrumentais no caso Landis Floyd. Clin Chim. Acta. 406: 8-13, 2009.
125. ^ R. Baselt, Disposição de drogas tóxicas e produtos químicos no homem , 8 ª edição, Publicações Biomédicas, Foster City, CA, 2008, pp 95, 393, 403, 649, 695, 952, 962, 1078, 1156, 1170, 1442, 1501, 1581.
126. ^ Assael, Shaun (2007/09/24). "laboratórios" Raw Deal "bustos em todo EUA, muitos fornecido pela China" . ESPN The Magazine . Arquivada do original em 14 de outubro de 2007 .Retirado 2007/09/24 .
127. ^ Yesalis, C (2000). "Fonte de esteróides anabolizantes" .esteróides anabolizantes em Desporto e Exercício . Champaign, Ill.:. Motricidade Humana ISBN 978-0-88011-786-9 .
128. ^ Preto, Terry (1996). "Será que a Proibição de Drogas no Esporte melhorar o bem estar da sociedade?" . Faculdade de Economia, Universidade de Tecnologia de Queensland .Retirado 2007/04/24 .
129. ^ Richard W. Pound. . (2006) "Crime Organizado" . Dentro droga: como as drogas são a maior ameaça ao esporte, por isso que você deve se preocupar, eo que pode ser feito sobre eles .Mississaug, Ontario: Wiley. p. 175. ISBN 978-0-470-83733-7 .
130. ^ . Kanayama G, Hudson JI, o Papa HG (novembro de 2008)"consequências a longo prazo com psiquiatras e médicos de anabolizantes androgênicos-abuso de esteróides: um problema de saúde pública?" Looming . Álcool Drogas Dependem 98 (1-2): 1-12 . doi :10.1016/j.drugalcdep.2008.05.004 . PMC 2646607 . PMID 18599224 .
131. ^ "esteróides" . Instituto Nacional de Abuso de Drogas .GDCADA. Arquivado do original em 2007-09-11 . Retirado 2007/09/13 .
132. ^ "Operações Internacionais da Drug Enforcement Administration (de Redacted)" . Gabinete do Inspector Geral .USDOJ . Retirado 2007/09/13 .

Fonte: en.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal