Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Bié  Voltar

Bié

Mapa de Bié

CAPITAL: KUITO

Municipios

Andulo, Nharea, Kunhinga, Chinguar, Chitembo, Kuito, Katabola, Kamacupa, Kuemba.

Superfície: 70 314 Km2

Relevo e Solos

Esta província ocupa uma superfície de 70.314 Km2 e apresenta um relevo planáltico, com uma altitude média superior a 1.000 m (superior a 1.500 m no quadrante SW), enquadrada em duas unidades de paisagem - o planalto Antigo e a do Alto K wanza. Os solos dominantes são de dois tipos: ferralítico e psamítico.

Vegetação e Floresta

A cobertura vegetal primitiva é bastante alterada nas zonas submetidas ao cultivo, e é constituída pelo complexo fito-geográfico "floresta aberta - mata de panda; Savana com arbustos, "com extensas manchas de comunidades herbáceas dos altiplanos (anharas de alto). Esta paisagem é recortada por vários cursos de água importantes que definem as bacias hidrográficas do Kuanza, Kubango, Luanda, Kuemba, Kutato, Cuiva Kuquema, Ngumbo, Cuchi, Cunhiga, Kunje e Kune.

População

1.794.387 Habitantes, densidade populacional média nos 9 municípios que compõem a província é de 25 habitantes por Km2, registando a sua máxima de 88 habitantes por km2 no Kuito e a mínima de 5 habitantes por Km2 em Nharéa.

Clima

Tropical de altitude

O clima caracteriza-se por dois tipos, nomeadamente, (I) clima mesotérmico, húmido de inverno seco e (II) temperado com inverno seco e verão quente. A temperatura média anual é de 25º C com precipitações médias anuais superior a 1.200 mm cuja a maior concentração de quedas pluviométricas regista-se no período de Outubro à Abril sendo o período seco de Maio a Setembro.

Principais produções

Citrinos, arroz, feijão, milho, sisal, banana, horticultura e café. A agricultura tem sido o principal sector de desenvolvimento económíco da província.

Minérios

Alcatrão, ferro, maganésio, diamantes e minerais radioactivos, minerais caulino;outros - pecuária;

Cultura

Esta província guarda no seu memorial, os feitos dos antigos reinos do planalto central como Ndulo.

Distâncias em km a partir do Kuito: Luanda 709 - Huambo 165;

Indicativo telefónico: 048.

Sistema Financeiro e Bancário

Banco de Poupança e Crédito no município do Kuito.

Bié

Bié

A cidade do Kuito, ex- Siiva Porto, capital da Província angolana do Bié e marco geodésico e trigonométrico que determina o centro do País, comemorará no ano 2000 o 440º ano desde que o padre Gonçalo da Silveira atingiu o Bié em 1560, na época do expansionismo da potência colonial portuguesa em busca de novos horizontes político-económicos para reforçar o seu poderio de Estado.

No mesmo local onde hoje floresce a cidade-mártir do Kuito - arrasada por uma guerra sem precedentes, por volta de 1771 (há 226 anos atrás) quando era governador-geral de Angola, D. Inocêncio de Sousa Coutinho, foi fundada no planalto do Bié uma povoação a que se deu o nome de Amarante.

Segundo a história, os portugueses começaram a interessar-se pelo Bié em 1772. tendo nomeado nesse ano seu primeiro Capitão-more Juíz da Província do Bié, Joaquim Rodrigues, o qual se instalou em Ekovongo, antiga Embala principal da Região.

Bié

Em 1843, o então governadorgeral de Angola, José Bressame Leite, orientou o comerciante português Joaquim Rodrigues Graça para explorar o sertão do Bié, porque urgia a tomada de posições para a ocupação do território.

Em 1845, aquele que viria a ser o grande sertanejo. Francisco Ferreira da Silva que as circunstâncias fizeram juntar o topónimo Porto - sua terra natal, estabelece-se no Bié, mais precisamente num outeiro sobranceiro ao rio Kuito, a que denominou Belmonte. Silva Porto seria nomeado, em 1880, Capitão-mor do Bié, funções que desempenhou até à morte.

É do Belmonte que Silva Porto irradia para as suas variadas viagens de exploração do sertão africano. Em 1890, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro é encarregado de atingir com uma força militar, a região de Baretze.

Bié

Sabedor do conhecimento pormenorizado que Siiva Porto tinha do sertão resolve passar por Belmonte onde contacta o sertanejo.

A presença dessa força militar é habilmente explorada por seus inimigos que ardilosamente urdem a intriga que faz desencadear toda a fúria do Soba Dunduma (Trovão), pondo término às relações pacíficas entre os autóctones e Silva Porto.

Dotado de uma firmeza indómita e patriotismo, o povo do Blé rebelou-se e resistiu contra todas as tentativas de ocupação.

A discórdia entre Silva Porto e Dunduma atingiu o seu auge, e o português ferido na sua honra e dignidade, amortalha-se na bandeira portuguesa, e deita-se em cima de um barril de pólvora que faz explodir, morrendo no dia imediato, 1 de Abril de 1890.

Este acontecimento serviu de pretexto para o então governador-geral de Angola, Guilherme de Brito Capelo, determinar ao capitão Artur de Paiva vingar a morte de Silva Porto e restabelecer o prestígio dos portugueses. A 1 de Novembro de 1890, junto ao rio Cuquema trava-se o primeiro combate e a 22 do mesmo ano é tomada a capital insurrecta do Bié, Ecovongo.

A 4 de Dezembro é preso o rei Dunduma, logo deportado para Moçambique e substituído pelo Soba Kapoco, fiei aos portugueses. Estava completa a ocupação do Bié.

Em 1902 é fundado o concelho do Bié, dependente do distrito de Benguela e a 2 de Janeiro de 1922 é criada a Câmara Municipal. Pelo Decreto 134 de 1 de Maio do ano do então Alto-Comissário Norton de Matos, surge o Distrito do Bié tendo sido seu primeiro governador, Manuel Espregueira Góis Pinto. Silva Porto é levada a cidade pelo governador geral, Lopes Mateus, a 31 de Agosto de 1925, tendo foral desde 13 de Março de 1957.

A Província do Bié com cerca de 72.o00km2 em forma de coração é uma pere-planície situada no centro geográfico de Angola.

É no Bié que nascem alguns dos mais importantes rios, sendo a bacia hidrográfica mais rica do País. O Kwanza, o maior rio de Angola, nasce perto do Mumbue.

Na parte leste situam-se os rios Luando e Cuemba, com aproveitamento hidroeléctrico, graças às suas enormes quedas localizadas junto das povoações a que deram os nomes.

Bié

Do ponto de vista geológico, todo o território encontra-se ainda na fase primária das prospecções e explorações das riquezas minerais, estando localizados minerais metálicos no município do Andulo, a 20km a sul da cidade, conhecida pela designação de jazida de ferro do Andulo ou Chilesse, havendo ainda nessa localidade minerais radioactivos nunca explorados, assim como fosfatos. Existem diamantes na Nhârea, Tchitembo e Cuemba, ao longo da bacia do rio Kwanza, especialmente em Caieye, Rando e Lubia.

Bié

A região tem um clima temperado húmido com isotérmicas anuais entre os 19° e os 21°, o que torna a zona especialmente apta para um florescente desenvolvimento agro-pecuário. Tem duas épocas distintas e ausência do chamado "pequeno cacimbo que se verifica na maior parte das regiões de Angola.

A época quente ou das chuvas observa-se entre Outubro e Abril com índices de precipitação de 1.000 a 1.400mm, com menor intensidade nos meses de Outubro, Janeiro e Fevereiro. O cacimbo estende-se de Maio a Setembro e a temperatura média do ar no mês mais frio, situa-se entre os 2° e os 10° e no mês mais quente varia entre os 18° e os 25° C.

A Província do Bié tem actualmente, cerca de 1.200.000 habitantes, sendo o Andulo o município mais populoso, além do Kuito, e, Kunhinga (ex-Vouga) o menos povoado. A sua população divide-se em quatro grupos étnicos principais de origem Bantu, estando os Kibalas ou Ngaias, oriundos dos Kimbundus em Calussinga, os Songas a norte, os Bailundos e Bienos, descendentes dos Mbundus, fixados os primeiros no Andulo e Nhârea e os segundos no Chinguar. Kunhinga, Katabola e Kamacupa.

Os Nganguelas. os Luimbis ou Luenas do Kwanza, estão fixados nas margens do rio Kwanza e os Ambuilas no Tchitembo, enquanto a faixa leste da Província de norte para sul é povoada por Kiokos. Esta populção dedica-se geralmente à produção agro-pecuária, com predominância para as culturas de arroz, horto frutícolas, feijão, milho, mandioca, soja, amendoim, gergelim, girassol e café arábica, além da criação de bovinos e animais de pequeno porte. Podem pastar no Bié pelo menos um milhão de bovinos!

Bié hoje, em pleno pôs-guerra, é uma cidade que não descança por sua compleição ao atendimento necessário as diversas urgências humanas e reabilitações necessárias nos sectores da vida social e produção. Está concentrada em sua reabilitação, ótima fase para projetos de investimentos que contribuam com os processos de desenvolvimento local tão vocacionados na esperança da comunidade.

Os programas de reabilitação urge em implementar acções concretas conducentes a realização dos objetivos gerais a que o governo se propõe para o biênio 2003/2004. Garantir o ingresso de mais de 15.000 crianças nos diversos níveis de ensino, assistência médica-medicamentosa as populações, garantir água potável e energia a população, revitalizar a produção agro-pecuária garantindo-se para o efeito aos camponeses e pequenos produtores a partir dos imput´s a serem adquiridos.

Fonte: www.consuladodeangola.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal