Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Girafa  Voltar

Girafa

Características

A girafa é um mamífero ruminante de grande porte. Vive nas regiões secas e com árvores dispersas situadas nas savanas africanas do sul do deserto do Saara. Elas foram caçadas para extração de sua pele, grossa e resistente, mas atualmente a espécie é protegida. Fêmeas e machos são providos de dois ou quatro chifres curtos, rombudos e cobertos de pele veludosa. A língua é longa (chega a medir até 40 cm de comprimento) e flexível. Utilizam-na, junto com o lábio superior, para arrancar as folhas dos ramos mais altos das acácias, que constituem um de seus principais alimentos. Cada animal tem seu próprio padrão de manchas.

A girafa pode alcançar 5,30 metros de altura, dos quais boa parte é constituída pelo pescoço. Existe apenas uma espécie de girafa, mas a pelagem apresenta grande variedade nos desenhos das manchas de pêlos de cor escura, sobre o fundo claro (cor creme). Caminha com passo travado, erguendo as duas pernas do mesmo lado ao mesmo tempo, o que chamamos de Andadura. Corre com grande velocidade, podendo chegar a 50 km/h. Vive em bandos, onde o macho maior parece dominar.

Girafa

Gestação

As fêmeas de girafa têm lugares específicos para parir dentro de seu território. Escolhem um determinado lugar para trazer ao mundo sua primeira cria e sempre voltarão a esse local para os partos seguintes, mesmo no caso de seu território ter sido fragmentado.

Filhotes

Ao nascer, as crias são fortes e bem desenvolvidas, costumam ser vítimas dos predadores durante o primeiro ano de vida. Após o desmame, as fêmeas permanecem dentro do território materno, enquanto os machos o abandonam, formando grupos separados. Organizados em uma hierarquia clara de dominância, esses grupos formados só por machos vagarão dentro de seu próprio território, à procura de fêmeas no cio.

Evolução (explicação de Charles Darwin e o Neodarwinismo)

Os ancestrais das girafas, de acordo com o documentário fóssil, tinham pescoço significamente mais curtos. O comprimento do pescoço variava entre os indivíduos das populações ancestrais de girafas. Essa variação era de natureza hereditária. Indivíduos com pescoço mais longos alcançavam o alimento dos ramos mais altos das árvores. Por isso, tinham mais chance de sobreviver e deixar descendentes. A seleção natural, privilegiando os indivíduos de pescoço mais comprido durante milhares de gerações, é responsável pelo pescoço longo das girafas atuais.

Em uma explicação mais detalhada da "Seleção Natural", note que esse processo pressupõe a existência de variabilidade entre organismos de uma mesma espécie (ex.: variabilidade entre as girafa). As mutações e a recombinação gênica são as duas importantes fontes de variabilidade. Essa variabilidade pode permitir que os indivíduos se adaptem ao ambiente. É obvio que a mortalidade seria maior entre os indivíduos menos adaptados ao meio, pelo processo de escolha ou "seleção natural", que é uma escolha efetuada pelo meio ambiente. Restando apenas as girafas que melhor se adaptaram ao ambiente.

Classificação científica

Família - Girafídeos
Ordem - Artiodíctilos
Classificada como Giraffa camelopardalis

Fonte: www.webciencia.com

Girafa



Girafa

Onde vive

África tropical

O que come

Folhagens das copas das árvores

Peso

500 quilos, em média. Até 1,9 tonelada

Tamanho

Até 5,3 metros. Sua perna mede 2,5 metros

Tempo de vida

26 anos, em média

Fonte: recreionline.abril.com.br

Girafa

GirafaGirafa

As girafas são tímidas e atentas. São ativas principalmente ao cair da tarde e no início da manhã, descansando durante as horas mais quentes do dia. Usualmente dormem em pé, mas ocasionalmente, deitam-se...

ANATOMIA, BIOLOGIA E FISIOLOGIA DAS GIRAFAS

As propriedades fisiológicas das girafas são extraordinárias!

Girafa

Elas têm o corpo relativamente curto, em comparação com o comprimento das pernas e do pescoço, o qual é ornado por uma crina baixa. Com base nos padrões do pêlo, que escurece com a idade, e no tamanho e quantidade dos cornos, diversas subespécies já foram descritas.

COMPRIMENTO

Mede aproximadamente de 3,60 metros a 4,00 metros.

ALTURA

É, atualmente, o animal mais alto do mundo chegando a medir 5,80m do chão ao topo de suas pretuberâncias, isto é, até a ponta dos cornos. A estatura desse singular ruminante é de cerca de 3 metros até a junção das espáduas, o pescoço longo e ereto faz a cabeça elevar-se a quase 5 metros e meio. Entretanto, a altura da girafa adulta pode variar bastante, em média de 4,0 até quase 6,0 metros. O macho é maior que a fêmea. As fêmeas, por exemplo, medem até quatro metros e meio de altura e os machos mais de 5 metros de altura, dos quais, boa parte é constituída pelo pescoço. Os jovens machos crescem aproximadamente 8 centímetros por mês, dobrando a sua altura em dois anos, enquanto que as fêmeas dobram a sua altura em 30 meses. Graças a sua grande altura elas podem observar a distância e notar a aproximação de algum carnívoro. Carregam o "peso" do título de maior ruminante terrestre!

PESO

Apesar do aspecto longilíneo, é, com o elefante e o rinoceronte negro, um dos mamíferos mais pesados do mundo. Pesa aproximadamente de 800 a 1.400 quilogramas. Um exemplar macho pode pesar mais de 1.000 kg. e a fêmea até uma tonelada. Ao nascer, os machos têm em média a altura de 1,9m e 102kg. (50-70 kg?); já para as fêmeas é cerca de 1,8m e 95kg.

PERNAS

Olhando para o animal temos a impressão de que suas pernas dianteiras são maiores do que as traseiras, isso se dá porque todo o corpo parece estar inclinado para baixo, na parte de trás. Embora as pernas sejam todas do mesmo comprimento, as pernas da frente parecem mais longas por causa do formato dos fortes músculos do topo da pernas e no início do pescoço.

PESCOÇO

A girafa é um animal caracterizado pelo seu enorme pescoço... Apesar de ser muito longo, cerca de 3 a 4 metros, o pescoço de uma girafa se sustenta em apenas 7 ossos – possui apenas as sete vértebras cervicais típicas na maioria dos mamíferos. Tem a mesma quantidade de ossos que o nosso pescoço tem ! Vocês acreditam nisso

Parece mentira, mas toda girafa tem o mesmo número de vértebras que o pescoço de um rato! No entanto, é a mais pura das verdades. A única diferença é que eles são alongados e bem maiores. Para se ter uma idéia comparativa, o pescoço dos pássaros tem 14 vértebras, o dobro do pescoço da girafa! O pescoço comprido e as enormes pernas conferem à girafa um movimento e uma elegância excepcionais, que a torna única.

Girafa

Girafa

CORNOS

Possui duas pequenas formações córneas cobertas de pele no alto da cabeça (mais delgadas e inteiramente cobertas por pêlos nas fêmeas, ao contrário do que acontece com os machos), por vezes antecedidas de uma proeminência córnea na fronte e sucedidas de outras duas formações córneas mais curtas, também cobertas de pele.

Nascem com 2 a 4 estruturas semelhantes a "chifres", no topo da cabeça. Esses ossíconos são inicialmente constituídos por cartilagem, que endurecem rapidamente e ossificam, dando origem a cornos de osso sólido.

Atenção: As girafas não possuem "chifres" propriamente ditos, o correto é chamá-los de cornos; por quê? Porque corno é para a vida inteira do animal, pois o mesmo nunca cai, já os chifres sim, esses podem cair...

Ao contrário dos outros antílopes e ungulados (que os chifres não fazem parte do esqueleto, sendo constituído de queratina e, se cair após algum acidente, ele volta a crescer), os cornos das girafas e dos ocapis fazem parte do crânio e, se acontecer algum acidente, jamais volta a crescer, resultando no corno quebrado.

Em ambos os sexos existem de dois a quatro pequenos cornos no alto da cabeça e, às vezes, uma protuberância entre os olhos. Um par é principal, mas os do macho são mais desenvolvidos do que os da fêmea, até 13,5 centímetros de comprimento, e desenvolvem por vezes um terceiro ou quinto (por vezes até mais!), mais curtos e não pontiagudos, consoante a subespécie.

Girafa

O olho é uma diminuta e perfeita câmara fotográfica, constituída por várias partes como Esclerótica ou branco do olho, Pupila ou menina dos olhos, Íris, Cílios, Pestanas, Pálpebras, Sombrancelhas, vários músculos, entre outros...

Entre os árabes e persas, os CÍLIOS são as mais potentes armas de fascinação amorosa, na simbologia. O costume de aumentá-los e pintá-los servia para expandir o seu poder sedutor... A foto acima mostra os cílios longos que as girafas têm...

Girafa

O olho é uma diminuta e perfeita câmara fotográfica, constituída por várias partes como Esclerótica ou branco do olho, Pupila ou menina dos olhos, Íris, Cílios, Pestanas, Pálpebras, Sombrancelhas, vários músculos, entre outros...

Entre os árabes e persas, os CÍLIOS são as mais potentes armas de fascinação amorosa, na simbologia. O costume de aumentá-los e pintá-los servia para expandir o seu poder sedutor... A foto acima mostra os cílios longos que as girafas têm...

Girafa

LÁBIOS: São grossos, sendo o superior preênsil.

LÍNGUA: Ela é longa, áspera, flexível e de coloração escura. Utilizam-na, junto com o lábio superior, para arrancar as folhas dos ramos mais altos das árvores. Sua língua pode alcançar mais de 40 centímetros de comprimento!

Dúvida: É verdade que a girafa limpa as orelhas com a sua própria língua?

Um Bilhete de Loteria português diz que sim...

Se elas tivessem o hábito de limpar as orelhas, fariam isso sim, uma vez que têm o "aparelho" devido... (risos) Entretanto, jamais vimos ou conhecemos alguém que tenha visto uma girafa "limpando" a sua própria arelha...

DENTES

dentes incisivos e caninos (série de 6? dentes, chamada de conjunto de dentes anterior), localizados bem na frente da boca, apenas na parte inferior, pois assim como acontece com os bois, as girafas não possuem dentes incisivos e nem os caninos no maxilar superior. Tanto os incisivos como os caninos são afiados, cortantes e inclinados para frente (proclives), formando uma estrutura especialmente adaptada para cortar capim ou os ramos das árvores que são presos e puxados pela língua.

Girafa

dentes molariformes (série de 20? dentes, chamada de conjunto de dentes posterior), localizados na mandíbula na parte detrás, os quais são de superfície ou coroa irregulares, grandes e abrasantes que se implantam posteriormente tanto no maxilar superior como no inferior, formando uma estrutura especialmente adaptada para triturar ou moer os tecidos vegetais mais duros.

diástema - a série inferior dos molariformes é separada dos incisivos e caninos por um grande espaço sem dentes, denominado diástema.

Girafa

ORELHAS

São pontiagudas.

Girafa

Girafa

MEMBROS

Os membros anteriores são maiores que os posteriores.

CAUDA

Terminada em um penacho escuro (preto), mede 90 centímetros a 1,10m de comprimento.

Girafa

CORAÇÃO

Em consonância com o seu tamanho, as girafas têm um enorme coração que pode pesar até 11 quilogramas, com 60 centímetros de comprimento e 8 centímetros de espessura nas paredes. É o maior do mundo!

Isso, se deve a necessidade de bombear o sangue com muita força para que a cabeça possa ser atingida. Seu coração está eqüidistante da cabeça e das patas, aproximadamente, pouco mais de dois metros tanto para baixo, como para cima.

Para que o seu sangue chegue até o cérebro, o aparelho circulatório da girafa apresenta, em seu sistema venoso do pescoço, muitos vasos sanguíneos com alças (divertículos) que controlam o fluxo sangüíneo em qualquer de suas duas direções – são várias válvulas que ajudam o sangue a subir para chegar até o cérebro e também a descer para compensar o rápido aumento da pressão quando a sua cabeça está abaixada.

Por isso ele é 43 vezes maior do que o coração do homem e precisa bater muito forte.

Para que o sangue consiga chegar no topo da cabeça, o músculo cardíaco da girafa é excepcionalmente forte mas, por outro lado, para que a pressão não seja excessiva no cérebro, existe uma rede de artérias muito finas (arteríolas) chamada sistema admirável, que faz com que a corrente sangüínea sofra uma redução da pressão.

Girafa

PRESSÃO SANGUÍNEA

Possui propriedades fisiológicas extraordinárias! A girafa é importante como modelo para investigações dos mecanismos adaptáveis para mudanças gravitacionais de pressão. Estudos fisiológicos prévios têm se concentrado na pressão arterial do sangue, no coração e no pescoço. Essas investigações revelaram que a pressão arterial no coração da girafa precisa ser muito maior, o dobro da dos humanos ou de qualquer outro animal, para que a cabeça possa ser atingida pelo fluxo sangüíneo, mantendo assim a pressão sanguínea no cérebro.

J. V. Warren e sua equipe mediram as pressões nas artérias de algumas girafas de uma reserva, no Quênia. Quando a girafa está deitada, sua cabeça e seu coração estão no mesmo nível, e a pressão arterial da carótida varia entre 180 a 240 mmHg e o rítmo cardíaco é 96 por minuto. Quando o animal levanta a cabeça, a pressão se mantém aproximadamente igual à da deitada, mas a freqüência cardíaca diminui. Na posição ereta ou em movimento normal, aumenta a freqüência cardíaca a cerca de 150/min, enquanto que a pressão arterial cai para 90 a 150 mmHg. O galope eleva a freqüência cardíaca ao valor de 170/min e produz uma variação da pressão arterial entre 80 a 200 mmHg.

Seu coração bombeia com uma pressão entre duas ou três vezes maior do que uma pessoa com saúde normal...

A pressão sistólica ao nível do coração da girafa varia entre 200 e 300 mmHg, enquanto que a diastólica varia entre 100 e 170 mmHg. O valor médio da razão pressão sistólica/pressão diastólica é de 260/160. Esse valor, comparado com o valor médio de uma pessoa - 120/80 - classificaria a girafa de hipertensa. Entretanto, essa hipertensão não se deve a problemas vasculares, mas é uma condição necessária para suprir o cérebro do animal com sangue quando ele está ereto.

O intestino da girafa é espantosamente comprido: quase 80 metros!

Como todas as mulheres, as girafas fêmeas só têm 2 mamas!

SENTIDOS

O sentido mais bem desenvolvido das girafas é o da visão. Podem enxergar mais de um quilômetro de distância e distinguir as cores. Também têm o olfato (alcança uns 500 metros) e a audição bem desenvolvidos.

VOZ

Uma das muitas coisas estranhas da girafa é que lhe falta a voz... Pois mesmo apresentando órgãos fonadores perfeitos, a girafa raramente emite sons. Foi sempre tão raro ouvir a voz da girafa que se supunha que ela fosse muda. Mas já se sabe que, mesmo silenciosas, elas podem produzir uma variedade de grunhidos, emitindo alguns sons breves, semelhantes a gemidos ou discretos gritos de chamada.

LONGIVIDADE

Vivem aproximadamente até os 25 anos, mas em cativeiro podem alcançar os 28 anos.

Fonte: www.sergiosakall.com.br

Girafa

Nome científico: Giraffa camelopardalis
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Superfamília: Giraffoidea
Família: Giraffidae
Género: Giraffa
Espécie: G. camelopardalis

Distribuição

As girafas podem ser encontradas em todo o território do Centro e do Sul do continente africano.

Gosta de viver nas estepes e savanas, em amplos espaços, onde pode usar a sua maior arma, a velocidade. Para se defender só pode dar coices que, apesar de serem mortais se acertarem em alguém ou algum animal, são difíceis de aplicar quando corre em debandada.

O facto de ter de se agachar para conseguir beber água, faz com que a girafa seja extremamente vulnerável nessa altura e então os seus predadores, os leões, não perdem a oportunidade. Por esse motivo, as girafas vivem em grupos familiares que podem ter até 10 elementos e, destes, um dos adultos está sempre alerta enquanto os outros descansam, bebem água ou se alimentam, e estes animais têm um olfacto e visão dignos do seu tamanho!

Alimentação

Os longos pescoços e patas da girafas permitem que estes herbívoros comam só as folhas das copas das árvores, que são inacessíveis para outros animais, podendo aí escolher as folhas mais verdes e tenras, as suas folhas preferidas são as de acácia.

Nas girafas, o macho é significativamente maior e mais robusto que as fêmeas, sendo por isso relativamente fácil distingui-los.

Gestação

O tempo de gestação das girafas anda entre os 420 e os 465 dias, sendo que que a média ronda os 450 dias, nascendo posteriormente uma única cria, que é amamentada pela mãe. Ao resto do grupo cabe o papel de proteger a cria dos predadores, e as pequenas girafas têm alguns, entre eles o leão, a chita, a hiena e os cães selvagens africanos.

Tamanho e peso

Uma girafa adulta pode medir 4,00 m de comprimento, 6,00 metro de altura e pesar cerca de 1200 kg.

Esperança de vida

As girafas a viver em liberdade, no seu meio natural, podem viver entre 10 e 15 anos, já em cativeiro a sua esperança de vida aumenta significativamente, para os 20 ou mesmo 25 anos.

Fonte: bicharada.net

Girafa

Animais que se destacam na multidão

Girafa

As girafas com certeza se destacam na multidão. Seja no zoológico ou no seu habitat natural na África central, elas são mais altas que os outros animais e são o segundo maior animal terrestre que existe hoje em dia (o elefante africano é o maior). O tamanho do pescoço da girafa intriga os observadores há anos. “Como foi que a girafa ficou com este pescoço tão longo?”, alguns perguntam.

Ao presenciar uma girafa de 3 metros de altura levantar seu pescoço de 2,5 metros até o limite e, então, somar outros 30 centímetros com sua língua comprida e gulosa, para pegar aquilo que parecia ser um galho fora do alcance no alto de uma árvore acácia, alguns podem acreditar que o processo de se esticar tenha levado ao processo de crescimento do pescoço da girafa. Mas, de fato, será que uma girafa é capaz de aumentar sua própria estatura?

Se uma característica tivesse mudado, isso não iria afetar o todo? Vamos considerar o caso da girafa.

A girafa é um mamífero; portanto, a maior parte de sua anatomia é semelhante a de outros mamíferos. Como a maioria dos outros mamíferos, a girafa tem sete ossos no pescoço. Mas, e se ela não tivesse sete ossos entre o corpo e a base do crânio? Bem, o pescoço curto do ser humano dá suporte para balancear perfeitamente a cabeça na postura ereta com muito pouco esforço. Já a cabeça grande da girafa precisa ser mantida no alto o tempo todo. Quando a girafa está em pé, metade dos seus músculos do pescoço (que pesam em torno de 225 Kg) estão tensionados. A quantidade de músculos necessária é diretamente ligada ao número de juntas que tem que ser suportadas. Se fossem reduzidas para apenas duas juntas, no crânio e no peito, seu peso iria reduzir consideravalmente e menos energia iria ser necessária para sobreviver. Se a diminuição dos alimentos disponíveis levou o pescoço a se transformar, a quantidade de ossos no pescoço e juntas não seria mutável também por esse processo de evolução? Claro que o problema com este design seria uma perda de flexibilidade e isso iria aumentar grandemente as chances de o pescoço se quebrar caso a girafa recebesse uma pancada na cabeça ou no pescoço.

Girafa

Por outro lado, um pescoço com muitas juntas necessitaria exatamente do oposto: maior utilização de energia e maior massa muscular a ser suportada. Isto faria o centro de gravidade da girafa deslocar-se para frente das patas dianteiras quando a cabeça estivesse estendida totalmente para frente, fazendo com que as patas traseiras saíssem do chão, supondo que as pernas da frente fossem fortes o suficiente. Sete ossos no pescoço é um design excelente.

Com a cabeça estando numa posição tão alta, o coração enorme da girafa deve ser capaz de distribuir em quantidade suficiente o sangue oxigenado por 3 metros acima até o cérebro. Isso seria um problema (envolvendo pressão arterial muito alta) quando a girafa estivesse com a cabeça abaixada bebendo água, não fosse por um aparato único de paredes arteriais reforçadas, válvulas anti-acúmulo e de desvio, uma rede de pequenos vasos sanguíneos (a rete mirabile, ou “maravilhosa rede”) e sinais sensíveis à pressão, que mantém o fluxo de sangue adequado para o cérebro na pressão correta. Mesmo para aqueles que consideram isso simplesmente como “adaptação à pressões gravitacionais no seu sistema cardiovascular”, a girafa é um animal único.

PREPARADA PARA A LEI DA GRAVIDADE

O coração da girafa é provavelmente o mais forte entre os animais, porque é necessário aproximadamente o dobro da pressão para bombear sangue para o longo pescoço até o cérebro. Com esta alta pressão sanguínea, só um design com características especiais poderia evitar que a girafa “explodisse sua cabeça” quando se abaixasse para beber água.

Igualmente maravilhoso é o fato de que o sangue não se acumula nas pernas e uma girafa não sangra de modo profuso quando sofre um corte na perna. O segredo reside numa pele extremamente rígida e numa faixa interna de tecido fibroso que evita o acúmulo de sangue. Esta combinação da pele tem sido estudada extensivamente pelos cientistas da NASA no seu desenvolvimento de roupas gravitacionais para astronautas. Colabora do mesmo modo, para evitar sangramento profuso, o fato de que todas as artérias e veias nas pernas da girafa são muito internas.

Os capilares que chegam até a superfície são muito pequenos e as células de sangue vermelho possuem cerca de um terço do tamanho das humanas, tornando possível sua passagem pelos capilares. Logo se torna perceptível que todas estas facetas únicas da girafa são interativas e interdependentes com seu pescoço longo.

Mas ainda tem mais. As células de sangue vermelho menores permitem uma área de superfície maior e uma maior e mais rápida absorção do oxigênio no sangue. Isso ajuda a reter a oxigenação adequada em todas as extremidades, inclusive na cabeça.

Os pulmões trabalham em conjunto com o coração para fornecer o oxigênio necessário para a girafa, mas fazem isso de uma maneira que é única da girafa. Os pulmões da girafa possuem oito vezes o tamanho dos pulmões humanos, e sua taxa de respiração é cerca de um terço da dos humanos. A respiração mais lenta é necessária para trocar o grande volume de ar requerido sem causar irritação na traquéia ondulada de 3,6 metros da girafa. Quando o animal respira ar fresco, o oxigênio consumido pela respiração anterior não consegue ser totalmente expelido. Para a girafa este problema aumenta devido à longa traquéia que retém maior quantidade de “ar velho” do que um ser humano é capaz de inalar em uma respiração. É necessário haver um grande volume pulmonar para fazer com que este “ar ruim” seja um percentual pequeno do total. Este é um problema de Física que a girafa resolveu.

NASCIMENTO DA GIRAFA

Para aumentar ainda mais a marvilha, temos o nascimento de uma girafa que certifica o argumento do design inteligente. O novo filhote nasce com 1,5 metros, pois a mãe não é capaz de sentar-se confortavelmente no chão - e deitar-se durante o nascimento seria um claro convite para que um leão ou outro predador atacasse a mãe. Como ocorre com todos os mamíferos, a cabeça é desproporcionalmente grande comparada com o restante do corpo no nascimento, e torna-se um desafio passá-la pelo canal.

O bebê girafa tem o desafio a mais de possuir um pescoço longo muito frágil ligando sua cabeça ao resto do seu recém-nascido corpo de 70 Kg. Se a cabeça viesse primeiro, o pescoço certamente quebraria quando o restante do corpo caísse sobre ela. Se a cabeça viesse depois, o pescoço certamente quebraria assim que o peso do corpo puxasse para baixo tentando tirar a cabeça para fora da mãe. Este aparente impasse é resolvido pelo fato de o quadril traseiro ser muito menor que o peitoral frontal e o pescoço ser longo o suficiente para permitir à cabeça passar através do canal apoiada no quadril traseiro. Os pés traseiros saem primeiro para segurar a queda do restante do animal. A cabeça é suportada e sua queda é amaciada pelo quadril traseiro e o pescoço é maleável, permitindo uma inclinação acentuada ao redor do peitoral.

Esta é uma saída perfeita que seria impossível em qualquer outra combinação ou com qualquer outro tamanho de pescoço. Dentro de minutos o novo filhote já está graciosamente de pé entre as pernas da mãe. Do nascimento à vida adulta, em apenas quatro anos, o pescoço cresce passando de um sexto para um terço da altura total da girafa. Este crescimento é necessário para o animal superar a altura da sua perna e poder inclinar-se para beber água. A comida durante o primeiro ano do filhote é quase exclusivamente o rico leite de sua mãe, que pode ser alcançado pelo filhote facilmente.

Ecologicamente, a girafa é perfeitamente compatível com seu ambiente. Existe a necessidade de um aparador de árvores para evitar que as árvores que obscurecem a luz e crescem rapidamente façam muita sombra no solo e acabem matando a grama tão necessária que provê alimento para outros animais da savana. Há também necessidade de uma sentinela que possa ver acima da mata alta e que possa observar os movimentos dos felinos predadores. A girafa não somente é alta o suficiente para isso, mas também tem uma visão excelente e uma curiosa disposição. Depois de alertar outros animais com vários movimentos sonoros da cauda, a girafa sai da zona de perigo ousadamente pisando firme. A grande altura corporal, as camadas rígidas de pele, o coice traseiro mortal e a capacidade de correr a passos longos e rápidos fazem da girafa adulda uma presa indesejável para qualquer carnívoro.

Sugerir que tudo isso poderia ter evoluído de uma única classe de animal, sem quaisquer parentes próximos concebíveis e se tornando tão desenvolvido devido apenas a uma suposta falta de alimento no nível do solo - é absurdo. Não deveriam também outros animais que se alimentam no nível do solo, sendo vulneráveis aos felinos maiores e sendo bombardeados com a mesma radiação cósmica, ter alcançado uma estatura mais parecida com a da girafa?

É interessante que há outros animais que se alimentam sim de árvores. A gazela-girafa da África tem o pescoço mais longo na família das gazelas, tem uma língua comprida e come folhas das árvores apoiando-se nas suas pernas traseiras. O bode markhor (bode selvagem indiano) do Afeganistão sobe em árvores de até 7,5 metros para comer folhas das árvores. Outros mamíferos desejam as folhas das árvores, mas nenhum deles irá jamais se tornar uma girafa, e a girafa com certeza não veio de algum outro animal “menos-que-uma-girafa”.

Não podemos saber se as condições eram as mesmas no passado, mas a “necessidade de sobreviver alcançando sempre mais alto para obter comida” é, assim como muitas explicações Darwinianas deste tipo, pouco mais do que uma mera especulação post hoc (nota do tradutor: expressão do latim para expressar a falácia do tipo: se aconteceu depois disso, então foi por causa disso). O registro dos fósseis somado ao único e maravilhoso design observado neste animal atestam isso. O louvor, a glória e a honra vão para o Criador da girafa.

Referências

1. Percival Davis and Dean H. Kenyon, Of Pandas and People, (tradução: Sobre Pandas e Pessoas); Haughton Publishing Company, Dallas (Texas), 1989, p. 71.

2. Alan R. Hargens, Developmental Adaptations to Gravity/Cardiovascular Adaptations to Gravity in the Giraffe, (tradução: Adaptações de Desenvolvimento para a Gravidade/Adaptações Cardiovasculares para a Gravidade na Girafa); Life Sciences Division, NASA Ames Research Center (California), 1994, p. 12.

3. Helen Roney Sattler, Giraffes, the Sentinels of the Savannas, (tradução: Girafas, as Sentinelas das Savanas); Lothrop, Lee and Shepard Books, New York, 1979, p. 22.

4. Francis Hitching, The Neck of the Giraffe, Where Darwin Went Wrong, (tradução: O Pescoço da Girafa – Onde Darwin Errou); Ticknor and Fields, New York, 1982, p. 179.

LYNN HOFLAND, B.S.E.E., é um Engenheiro de Testes no Centro de Pesquisa Ames, na NASA, Mountain View, California. Ele e sua esposa educam seus três filhos em casa (home school) e iniciaram o “Ministério Stiffneck” cinco anos atrás para prover material didático criacionista para outras pessoas que educam seus filhos em casa (homeschoolers).

Lynn Hofland

Fonte: www.creationism.org

Girafa

Giraffa camelopardalis

A Girafa é o animal mais alto do Mundo, com uma altura de mais de 5,5 m, onde o pescoço representa quase metade desta altura. Apesar de seu enorme pescoço, possui sete vértebras como os demais mamíferos: sete!

Tamanho

Tem de altura 5,5 m, incluindo o pescoço que mede 2 m. Pesa cerca de 1.000 Kg. Os machos são maiores do que as fêmeas.

Distribuição

África (a sul do deserto do Sara).

Habitat

Estepes cobertas de árvores e de moitas, as conhecidas savanas africanas.

Alimentação

Rebentos da folhagem do alto das acácias.

Reprodução

Acasalam em qualquer época do ano. Os machos lutam entre si pela posse das fêmeas, atingindo com o pescoço o corpo e as patas dos opositores. O período de gestação das girafas é de 15 meses. O parto é o momento mais crítico para o único filhote, já que implica numa queda de quase 2 metros. A cria é amamentada e defendida pela progenitora por seis a oito meses. A partir daqui esta já não a protege, mas a cria segui-la-á até atingir um ano de idade ou mesmo a maturação sexual, que é atingida entre os quatro e os seis anos de idade.

Status

Globalmente ameaçada de Extinção.

É uma espécie em risco e dependente de conservação (segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza). Outrora encontrava-se em todo o continente africano, onde houvesse habitat apropriado. Hoje está limitada a uma distribuição fragmentada em zonas protegidas.

Classificação

Reino - Animalia
Filo - Chordata
SubFilo - Vertebrata
Classe - Mammalia
Ordem - Artiodactyla
Familia - Giraffidae
Género - Giraffa
Espécies - Camelopardalis

Descrição geral

O pêlo apresenta um padrão malhado característico - lembrando um mosaico - sendo castanho-avermelhada e creme. Tem pescoço comprido, membros anteriores maiores que os posteriores, orelhas pontiagudas, cauda comprida com um tufo de pêlo longo na ponta. Apresenta, na cabeça, duas a quatro pequenas estruturas, tipo cornos, cobertas de pele. Têm a língua comprida e o lábio superior preênsil.

Tempo de Vida

25 anos

INIMIGOS

Humanos, Leões

Relação com os Humanos

Tem sido caçada constantemente e seu habitat tem sofrido devastação para agricultura. Contudo, é fácil de domesticar, encontrando-se em muitos Zoos, onde se reproduz frequentemente.

Curiosidades sobre a Girafa

São capazes de utilizar a língua bastante comprida para limpar os olhos e as orelhas.

As Girafas são gregárias, ou seja, costumam viver em grupos de até quarenta indivíduos, sob o domínio de um macho mais velho, embora geralmente conduzidas por uma fêmea.

São animais pacíficos e não territoriais, mas existe uma hierarquia no interior dos grupos, que é mantida através de comportamentos intimidatórios.

A forma de alimentação das girafas é o desrame. Elas valem-se de sua altura para se alimentar de folhas, galhos e da vegetação da copa das árvores. Além disso, suas línguas são longas e pegajosas, podendo medir até 60cm de comprimento, e seus lábios grossos as protegem dos espinhos das árvores.

Procuram alimento de madrugada e ao anoitecer, podendo estar activas em noites de luar. Nas horas de maior calor preferem ruminar à sombra. Apesar de conseguirem permanecer longos períodos sem beber, são bastante dependentes da presença de água, altura em que ficam mais vulneráveis aos ataques dos predadores, embora sejam normalmente as crias as vítimas de predação.

A girafa dorme de pé e, só em ocasiões muito especiais, quando se sentem completamente seguras, se deitam ao chão para descansar.

O sentido mais bem desenvolvido é o da visão. Mesmo apresentando órgãos fonadores perfeitos, a girafa raramente emite sons. Foi sempre tão raro ouvir a voz da girafa que se supunha que ela fosse muda, mas já se sabe que esse animal imponente emite alguns sons breves, semelhantes a gemidos, e discretos gritos de chamada.

Quando trotam ou caminham lentamente, levam para a frente as patas do mesmo lado do corpo. Esta marcha é conhecida como andadura e faz das girafas elegantíssimos animais.

Podem galopar até 56 kms por hora, sendo o seu principal predador natural o Leão, do qual se defendem desferindo coices com as patas da frente, que podem resultar muito perigosos.

Para que o enorme coração, que pode pesar até 11kg, possa bombear sangue até o cérebro, situado três metros acima dele, o aparelho circulatório apresenta no pescoço vasos com alças (divertículos), que controlam o fluxo sangüíneo em qualquer direcção.

Fonte: animais.com.sapo.pt

Girafa

A girafa ( Giraffa camelopardalis ) é um africano , mesmo de bico ungulados mamífero , o mais alto vida animal terrestre, e a maior de ruminantes. Suas principais características distintivas são o pescoço extremamente longo e pernas, seus chifres e seus padrões de revestimento distintas. Ela representa 5-6 m de altura e tem um peso médio de 1.600 kg para machos e 830 kg para as fêmeas. É classificado sob a família Giraffidae , junto com seu parente mais próximo existente, o okapi .Os nove subespécies são distinguidas por seus padrões de revestimento.

Gama espalhados da girafa se estende desde o Chade , a norte, África do Sul , no sul, e de Níger , a oeste com a Somália , no leste. Girafas geralmente habitam savanas , pastagens e bosques. Sua principal fonte de alimento são as folhas de acácia.

Girafas são predadas por leões , e os filhotes são também alvo de leopardos, visto hienas e cães selvagens . Girafas adultas não têm fortes laços sociais, embora eles se reúnem em agregações soltas, se acontecer de estar se movendo na mesma direção geral. Os machos estabelecem hierarquias sociais através de "carícias", que são ataques de combate onde o pescoço é usado como uma arma.

A girafa tem intrigado várias culturas, antigas e modernas, por sua aparência peculiar, e tem sido destaque em pinturas, livros e desenhos animados. É classificado pela União Internacional para a Conservação da Natureza como pouco preocupante , mas foi extirpado de muitas partes da sua escala anterior, e algumas subespécies são classificadas como ameaçadas . No entanto, as girafas ainda são encontrados em vários parques nacionais e reservas de caça .

Taxonomia e evolução

Girafa
Esqueleto de uma girafa no Museu de História Natural de Pequim

A girafa é um dos dois únicos seres vivos da família Giraffidae , sendo o outro o okapi . A família já foi muito mais extensa, com mais de 10 fósseis gêneros descritos. A superfamília Giraffoidea , junto com a família Antilocapridae (cuja única espécies existentes é o pronghorn ), evoluiu a partir da extinta família Palaeomerycidae .

Enquanto o alongamento progressivo do pescoço e membros podem ser encontrados em toda a linhagem, tornou-se mais pronunciado em gêneros tais como Giraffokeryx , Palaeotragus (possível ancestral do okapi), Samotherium e Bohlinia. Bohlinia entrou na China e Índia norte em resposta às mudanças climáticas. A partir daqui, o gênero Girafa evoluiu e, cerca de 7 milhões de anos atrás, entrou África. Mudanças climáticas mais causou a extinção dos girafas asiáticos, enquanto os africanos sobreviveram e irradiada para várias espécies novas. G. camelopardalis surgiu por volta de 1 mya no leste da África durante oPleistoceno . Alguns biólogos sugerem que a girafa moderno descende de G. jumae ; outros acham G. gracilis um candidato mais provável. O principal motor para a evolução das girafas se acredita ter sido a mudança de extensas florestas para habitats mais abertos, que começou a 8 milhões de anos atrás. Alguns pesquisadores levantaram a hipótese de este novo habitat com um dieta diferente, incluindo Acacia , pode ter exposto antepassados girafa a toxinas que causam altas taxas de mutação e uma maior taxa de evolução.

A girafa foi uma das muitas espécies primeira descritos por Carl Linnaeus em 1758. Ele lhe deu o nome binomial Cervus camelopardalis . Morten Thrane Brünnichclassificados do gênero Giraffa em 1772.

No início do século 19, Jean-Baptiste Lamarck acreditava longo pescoço da girafa era uma "característica adquirida", desenvolvido como gerações de girafas ancestrais se esforçou para alcançar as folhas das árvores altas.

Esta teoria foi finalmente rejeitada, e os cientistas acreditam agora que o pescoço da girafa surgiu através de Darwin a seleção natural , que girafas ancestrais com pescoço longo, assim, tinha uma vantagem competitiva que melhor lhes permitiu reproduzir e transmitir seus genes.

Subespécies

Até nove subespécies de girafas são reconhecidos (com estimativas de população a partir de 2010 ):

Girafa Nubian

G. c. camelopardalis , as subespécie nominal , é encontrada no leste do Sudão do Sul e sudoeste daEtiópia . Menos de 250 são pensados para permanecer na natureza, embora este número é incerto. É raro em cativeiro, apesar de um grupo é mantido em Al Ain Zoo no Emirados Árabes Unidos . Em 2003, este grupo numeradas 14.

Girafa reticulada

G. c. reticulata , também conhecida como a girafa da Somália, é nativa do nordeste do Quênia , Etiópia do sul, e Somália . Uma população estimada em mais de 5.000 permanecem em estado selvagem, e com base no Sistema de Informações Internacionais Espécie de discos, mais de 450 são mantidos em zoológicos.

Girafa de Angola

G. c. angolensis , ou a girafa da Namíbia, é encontrado no norte da Namíbia , sudoeste da Zâmbia ,Botswana e oeste do Zimbabwe . Um estudo de 2009 genético sobre esta subespécie sugere a norte do deserto do Namibe eEtosha National Park populações formar uma subespécie separada. Estima-se que não mais de 20 mil permanecem em estado selvagem; e cerca de 20 são mantidos em zoológicos

Girafa Kordofan

G. c. antiquorum , tem uma distribuição que inclui o sul do Chade , a República Centro-Africano , no norte de Camarões , e no nordeste da República Democrática do Congo . Populações dos Camarões foram anteriormente incluídos em G. c. peralta , mas este estava incorreto. Não mais do que 3.000 são acreditados para permanecer na natureza. Uma considerável confusão tem existido sobre o estatuto de esta subespécie e G. c. peralta em zoológicos. Em 2007, todas as alegadas G. c. peralta em jardins zoológicos europeus mostraram-se, de fato, G. c. antiquorum . Com esta correção, cerca de 65 são mantidos em zoológicos.

Girafa Masai

G. c. tippelskirchi , também conhecido como o Kilimanjaro girafa, pode ser encontrado no centro e no sul do Quênia e na Tanzânia . Não mais do que 40.000 são pensados para permanecer no estado selvagem, e cerca de 100 são mantidas em jardins zoológicos.

Girafa Rothschild

G. c. rothschildi nomeado para Walter Rothschild , também é chamado de Baringo ou Ugandagirafa. Sua gama inclui partes de Uganda e Quênia. A sua presença no sul do Sudão é incerto. Menos de 700. Acredita-se que permanecem em estado selvagem, e mais de 450 são mantidos em zoológicos.

O Sul Africano girafa, G. c. giraffa, é encontrado no norte da África do Sul , Botswana Sul, Zimbabwe sul e sudoeste Moçambique . Inferior a 12000 são estimados para permanecer no estado selvagem, e cerca de 45 são mantidas em jardins zoológicos.

Girafa Rhodesian

G. c. thornicrofti , nomeado para Harry Scott Thornicroft , também é chamado de Rodésia girafa, que é restrito ao Vale do Luangwa , em Zâmbia oriental. Não mais do que 1.500 permanecem em estado selvagem, com nenhum mantidos em zoológicos.

O Oeste Africano girafa , G. c. peralta , também conhecido como o Níger ou Nigéria girafa, é endêmica a sul-ocidental do Níger. Menos de 220 pessoas permanecem em estado selvagem. Girafas em Camarões foram antigamente acreditava pertencer a esta subespécie, mas na verdade são G. c. antiquorum .

Esse erro resultou em alguma confusão sobre o seu estado em zoológicos, mas em 2007, foi estabelecido que todos os " G. c. peralta "mantidos em zoológicos europeus realmente são G. c. antiquorum .

Girafa

Subespécie girafa são distinguidas por seus padrões de revestimento. O reticulado e girafas Masai representam dois extremos de formas de correção girafa. O primeiro tem manchas perfeitamente em forma, enquanto o último tem os irregulares. A largura das linhas que separam as manchas também diferem. A primeira também tem uma leve pelagem do que outras subespécies.

Aparência e anatomia

Girafa

Girafa
Girafa esqueleto em exposição no Museu de Osteologia, Oklahoma City, Oklahoma

Girafas adultas ficam 5-6 m de altura, com os machos mais altos do que as fêmeas. Apesar de seu longo pescoço e pernas, o corpo da girafa é relativamente curto. Localizado em ambos os lados da cabeça, os grandes olhos dá visão versátil boa de sua grande altura. Girafas vêem cores e seus sentidos de audição e olfato também são acentuadas. O animal pode fechar suas narinas muscular para proteger contra tempestades de areia e formigas. A língua é cerca de 50 cm de comprimento. É arroxeada na cor preta, talvez para proteger contra queimaduras solares, e é útil para agarrar folhagem, bem como para a higiene e limpeza do nariz do animal. Os lábios, língua e interior da boca são cobertos em papilas para proteger contra espinhos.

(Vídeo) Um par de girafas no Tobu Zoo , em Saitama , Japão

Girafas machos tornam-se mais escuras com a idade. O padrão de pelagem serve como camuflagem , permitindo que ele se misturar à luz e padrões de sombra de savana. A pele debaixo das áreas escuras podem servir como janelas para termorregulação , sendo sites para sistemas complexos vasos sanguíneos e glândulas sudoríparas grandes. Cada indivíduo tem uma girafa padrão de pelagem original. A pele de uma girafa é principalmente cinza. É também de espessura e permite que ele seja executado através de espinheiro sem ser perfurada. A pele pode servir como uma defesa química, como repelentes de seus parasitas dar ao animal um odor característico. Uma vez que os machos têm um forte odor que as fêmeas, o odor pode também ter a função sexual. Ao longo do pescoço do animal é uma mane feito de pêlos curtos eretos. A cauda de um metro termina em um tufo, muito escuro de cabelo e é utilizado como uma defesa contra os insetos.

Crânio

Ambos os sexos têm proeminentes chifres como estruturas chamadas ossicones, que são formados a partir de ossificação da cartilagem , coberto de pele e fundida ao crânio com os ossos parietais . Ser vascularizado , os ossicones pode ter um papel na regulação térmica, e também são usados em combate entre machos. A aparência é um guia confiável para o sexo ou a idade de uma girafa: os ossicones de fêmeas e jovens são tufos finos e exibição de cabelo no topo, enquanto os de final machos adultos em botões e tendem a ser careca na parte superior. Além disso, uma protuberância média, o que é mais proeminente nos machos, ocorre na parte da frente do crânio. Os machos desenvolvem depósitos de cálcio que se formam saliências sobre o crânio à medida que envelhecem. No entanto, como a idade do sexo masculino, seus crânios tornar mais pesado e mais de clube, ajudando-os a tornar-se mais dominante em combate. O maxilar superior tem um estriado paladar e falta de dentes da frente.

Locomoção e postura

As patas da frente e de trás de uma girafa são sobre o mesmo comprimento. O raio e o cúbito das pernas dianteiras são articuladas pelos carpo que, embora estruturalmente equivalente ao punho humano, funciona como um joelho. O pé do girafa atinge um diâmetro de 30 cm e a casco é de 15 cm de altura nos machos e 10 cm de fêmeas.

Uma girafa, repousa deitado com o corpo em cima de suas pernas dobradas. Para deitar, se ajoelha em suas patas dianteiras e depois abaixa o resto do seu corpo. Para voltar-se, primeiro ela fica de joelhos e abre suas pernas traseiras para aumentar seu traseiro. Em seguida, ele endireita suas patas dianteiras. A cada passo, o animal balança a cabeça. Em cativeiro, a girafa dorme intermitentemente cerca de 4,6 horas por dia, principalmente à noite. Ele geralmente dorme deitado, no entanto, de pé dorme foram registrados, especialmente em indivíduos mais velhos. Intermitentes curtas "sono profundo", enquanto deitado fases são caracterizadas pela girafa dobrar o pescoço para trás e descansar a cabeça sobre a anca ou na coxa, uma posição acreditava indicar sono paradoxal. Se a girafa quer se abaixar para beber, ou abre suas pernas dianteiras ou curvas seus joelhos. Girafas provavelmente não seria nadadores competentes como suas longas pernas seria muito complicado na água, embora pudesse flutuar. Ao nadar, o tórax seria ser afetados por as pernas da frente, o que torna difícil para o animal se mover o seu pescoço e as pernas em harmonia ou de manter a sua cabeça acima da superfície.

Pescoço

Girafa
Uma girafa macho adulto alimentando-se no alto de uma acácia

A girafa tem um pescoço extremamente alongado, que pode ser até 2 m de comprimento, correspondendo a grande parte da altura vertical do animal. Os resultados do pescoço de comprimento a partir de uma desproporcionada alongamento da vértebra cervical , não a partir da adição de mais vértebras.Cada vértebra cervical é mais de 28 cm de comprimento. Eles compreendem 52-54 por cento do comprimento do girafa coluna vertebral , em comparação com a percentagem de 27-33 típico semelhantes grandes ungulados, incluindo o mais próximo do girafa parente vivo, o okapi.

Este alongamento em grande parte ocorre após o nascimento, como mães girafa teria um tempo difícil dar a luz a jovem com as proporções do pescoço mesmos adultos. A cabeça da girafa e pescoço são sustentadas por grande músculos e um ligamento da nuca , que são ancoradas por longas espinhas dorsais na anterior vértebras torácicas , dando ao animal uma corcunda.

Vértebras da girafa pescoço têm juntas de bola e soquete. Em particular, o atlas - eixo comum (C1 e C2) permite que o animal se incline a cabeça na vertical e alcance ramos com a língua.

Sistemas internos

Girafa
Girafa curvando-se para beber

Girafa
Boca da girafa enquanto bebe

Nos mamíferos, o lado esquerdo do nervo laríngeo recorrente é maior do que a direita; no girafa é mais de 30 cm mais longos. Esses nervos são mais na girafa do que em qualquer outro animal vivo, o nervo esquerdo é mais de 2 m de comprimento. Cada célula nervosa no caminho começa no tronco cerebral e passa para o pescoço ao longo do nervo vago , então se ramifica para o nervo laríngeo recorrente, que passa de volta até o pescoço para a laringe.Assim, estas células nervosas têm um comprimento de cerca de 5 m nos maiores girafas. A estrutura do cérebro de uma girafa se assemelha ao de gado doméstico. A forma do esqueleto dá a uma girafa do volume do pulmão de pequenas em relação à sua massa. O pescoço comprido lhe confere uma grande quantidade de espaço morto , apesar da sua traqueia estreita. Esses fatores aumentam a resistência ao fluxo de ar. No entanto, o animal pode ainda fornecer oxigênio suficiente para os tecidos.

O sistema circulatório da girafa tem várias adaptações para a sua grande altura. Seu coração, que pode pesar mais de 25 lb (11 kg) e mede cerca de dois pés (61 cm) de comprimento, tem de gerar aproximadamente o dobro da pressão sanguínea necessária para um ser humano para manter o fluxo de sangue para o cérebro. Girafas têm invulgarmente frequência cardíaca elevada para seu tamanho, a 150 batimentos por minuto.

Girafas têm os músculos esofágicos que são excepcionalmente forte para permitir que a regurgitação de comida a partir do estômago até ao pescoço e na boca de ruminação. Eles têm quatro estômagos septados, como em todos os ruminantes, e a primeira câmara tem adaptado à sua dieta especializada. O fígado da girafa é pequeno e compacto.

Comportamento e ecologia

Habitat e alimentação

Girafa
Girafa estendendo sua língua para se alimentar. Sua língua, lábios e palato são duras o suficiente para lidar com espinhos afiados em árvores.

Girafas geralmente habitam savanas, campos e matas . Eles preferem Acacia , Commiphora , Combretum e abrir Terminalia florestas mais densas sobre ambientes como Brachystegia florestas. A girafa de Angola pode ser encontrado em ambientes desérticos.

Girafas preferem árvores do gênero Acacia , Commiphora e Terminalia , que são importantes fontes de cálcio e proteína para manter a taxa de girafa crescimento. Eles também se alimentam de arbustos, grama e frutas. Uma girafa come cerca de 34 kg (75 lb) de folhagem diária. Quando estressados, girafas podem mastigar a casca ramos. Embora herbívoro , a girafa tem sido conhecida a visitar carcaças e lamber carne seca dos ossos.

Durante a estação chuvosa, a comida é abundante e girafas estão mais espalhados, enquanto que durante a estação seca, eles se reúnem em torno das árvores remanescentes perenes e arbustos. As mães tendem a se alimentar em áreas abertas, provavelmente para torná-lo mais fácil de detectar predadores , embora isso possa reduzir a sua eficiência de alimentação. Como um ruminante , as mastiga girafa primeiro sua comida, então a engolir para processamento e, em seguida, visivelmente passa a meia-digerida rumina até o pescoço e volta para a boca para mastigar novamente. É comum que uma girafa a salivar, enquanto a alimentação. A girafa exige menos comida do que muitos outros herbívoros, porque a folhagem come tem mais nutrientes concentrados e tem um sistema digestivo mais eficiente.

Quando se tem acesso a água, uma girafa bebidas em intervalos não superiores a três dias.

Girafas têm um grande efeito sobre as árvores que se alimentam, retardando o crescimento das árvores jovens por alguns anos e dar "cinturas" para as árvores que são muito altos. A alimentação é mais elevado durante as primeiras e últimas horas do dia . Entre estas horas, girafas principalmente de pé e ruminar.Ruminação é a atividade dominante durante a noite, quando é feito principalmente deitado.

Vida social e seus hábitos

Enquanto girafas são geralmente encontrados em grupos, a composição desses grupos tende a ser aberta e em constante mudança. Eles têm poucas fortes laços sociais, e agregações geralmente alterar membros a cada poucas horas. Para fins de investigação, um "grupo" tem sido definida como "um conjunto de indivíduos que são menos de um quilômetro de distância e se movendo na mesma direção."

O número de girafas em um grupo pode variar até 32 indivíduos. Os grupos girafa mais estáveis são aqueles feitos de mães e seus filhotes, que pode durar semanas ou meses. A coesão social desses grupos é mantida pelos laços formados entre bezerros.

Embora geralmente tranquila e não-vocal, girafas foram ouvidas para se comunicar usando vários sons. Durante o namoro, os machos emitem sons altos.

Carícias

Girafa
Girafas machos irão se envolver em carícias para estabelecer o domínio

Girafas masculinas usam seus pescoços como armas em combate, um comportamento conhecido como "carícias". Carícias é usado para estabelecer o domínio e os homens que ganham carícias ataques têm maior sucesso reprodutivo. Este comportamento ocorre em intensidade baixa ou alta. Em baixa intensidade carícias, os combatentes esfregar e apoiar uns contra os outros. O macho, que pode manter-se mais ereto ganha a luta. Em alta intensidade carícias, os combatentes vão espalhar suas pernas da frente e balançar seus pescoços para o outro, a tentativa de pousar com seus golpes ossicones. Os competidores vão tentar se esquivar do outro golpes e, em seguida, prepare-se para contra-atacar. A potência de um golpe depende do peso do crânio, e o arco de balanço. Um duelo estiramento pode durar mais do que meia hora, dependendo da forma como são combinados os combatentes.

Mortalidade e saúde

Girafa
Leoa mata girafa

Girafas têm uma vida útil excepcionalmente longa em comparação com os outros ruminantes, até 25 anos na natureza. Por causa de seu tamanho, visão e poderosos chutes, girafas adultas geralmente não são sujeitos a predação. No entanto, eles pode ser vítima de leões e são presas regulares para eles no Parque Nacional Kruger . Crocodilos do Nilo também pode ser uma ameaça para as girafas quando se abaixam para beber. Um quarto a metade dos bezerros de girafa atingem a idade adulta.

Alguns parasitas se alimentam de girafas. Elas são muitas vezes anfitriões para carrapatos , especialmente na área ao redor dos órgãos genitais, que tem uma pele mais fina do que outras áreas.

Referências Bibliográficas

1. ^ Grubb, P. (2005). " Giraffa camelopardalis " . Em Wilson, DE; Reeder, DM espécies de mamíferos do mundo (3 ª ed.). Johns Hopkins University Press. p. 672. ISBN 978-0-8018-8221-0 . OCLC 62265494 .
2. ^ um b c d Fennessy, J.;. Brown, D. (2010) " Giraffa camelopardalis " . Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas. Versão 2.012,2 . União Internacional para a Conservação da Natureza .Retirado 2013/01/26 .
3. ^ um b c d "girafa" . Dicionário em linha da etimologia . Retirado 2011/11/01 .
4. ^ um b c d e Kingdon, J. (1997). Kingdon O Guia de Campo para os mamíferos africanos . Academic Press. pp 339-44. ISBN 0-12-408355-2 .
5. ^ Peust, C. (2009). "Alguns Etimologias Cushitic". Em Dolgopolskii, A.; Takács, G.; Jungraithmayr, H.Semito-Hamitic Festschrift para AB Dolgopolsky e Jungraithmayr H. . Reimer. pp 257-60. ISBN 3-496-02810-6 .
6. ^ "camelopardalis" . Um dicionário latim, Perseus Biblioteca Digital . Retirado 2011/11/23 .
7. ^ um b Walker, C. (1997). Sinais do selvagem . Struik. p. 142. ISBN 1-86825-896-3 .
8. ^ um b c d os e f g h i j k l m n o p . Kingdon, J. (1988) Mamíferos do Leste da África: um Atlas da Evolução na África, Volume 3, Parte B: grandes mamíferos . University of Chicago Press. pp 313-37.ISBN 0-226-43722-1 .
9. ^ um b c d os e f g Mitchell, G.; Skinner, JD (2003). "sobre a origem, evolução e filogenia de girafasGiraffa camelopardalis " . Transactions da Sociedade Real da África do Sul 58 (1): 51-73 . doi :10.1080/00359190309519935 .
10. ^ um b c d e f g Simmons, RE; Scheepers, L. (1996). "Ganhar por um pescoço: seleção sexual na evolução da girafa" . The American Naturalist 148 . (5): 771-86 doi : 10,1086 / 285955 .
11. ^ um b c d Badlangana, LN; Adams, JW; Manger PR (2009). "A girafa (Giraffa camelopardalis) coluna vertebral cervical: Um exemplo heurístico para a compreensão de processos evolutivos? ". Jornal Zoological da sociedade de Linnean 155 (3): 736-57. doi : 10.1111/j.1096-3642.2008.00458.x .
12. ^ um b c d os e f g h i j k l m n o p q r s Dagg, AI (1971). "Giraffa camelopardalis" . espécies de mamíferos cinco (5): 1-8. doi : 10.2307/3503830 .
13. ^ um b c d e f g h i j Prothero, DR; Schoch, RM (2003). chifres, presas, e Flippers: A Evolução de mamíferos de casco . Johns Hopkins University Press. pp 67-72. ISBN 0-8018-7135-2 .
14. ^ um b c Brown, DM; Brenneman RA; Koepfli, KP;. Pollinger, JP; Milá, B.; Georgiadis, NJ; Louis Jr., EE; Grether, GF; Jacobs, DK;. Wayne RK (2007) " estrutura populacional genético disponível na girafa ". BMC Biology 5 (1): 57. doi : 10.1186/1741-7007-5-57 . PMC 2254591 . PMID 18154651 .
15. ^ um b c d e f g h i j k l m n o Pellow, RA (2001). "Girafa e Okapi". Em MacDonald, D. Encyclopedia of Mammals (2 ª ed.). Oxford University Press. pp 520-27. ISBN 0-7607-1969-1 .
16. ^ um b c d e f g h i j k l "Girafa - Os fatos:? estado girafa atual" . Giraffe Conservation Foundation .Retirado 2010/12/21 .
17. ^ "Exposições" . Al Ain Zoo. 2003/02/25 . Retirado 2011/11/21 .
18. ^ "girafa Nubian nascido em Al Ain zoológico" . Emirados Árabes Unidos Interagir . Retirado 2010/12/21 .
19. ^ um b c d e f g "Giraffa" . ISIS . 2010 . Retirado 2010/11/04 .
20. ^ Brenneman, RA; Louis, EE Jr; Fennessy, J. (2009). "Estrutura genética de duas populações da girafa da Namíbia, Giraffa camelopardalis angolensis ". Jornal Africano de Ecologia 47 (4): 720-28.doi : 10.1111/j.1365-2028.2009.01078.x .
21. ^ um b c d e Hassanin, A.; Ropiquet, A.; Gourmand, BL;. Chardonnet, B.; Rigoulet, J. (2007). "A variabilidade do DNA mitocondrial em Giraffa camelopardalis: consequências para filogeografia, taxonomia e conservação de girafas na África Ocidental e central". Rendus biopreparados 330 (3): 173-83. doi : 10.1016/j.crvi.2007.02.008 . PMID 17434121 .
22. ^ um b Fennessy, J. & Brenneman, R. (2010). " Giraffa camelopardalis ssp. rothschildi " . Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas. Versão 2.012,2 . União Internacional para a Conservação da Natureza . Retirado 2013/01/26 .
23. ^ um b Fennessy, J.;. Brown, D. (2008) " . Giraffa camelopardalis ssp peralta " . Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas. Versão 2.012,2 . União Internacional para a Conservação da Natureza . Retirado 2013/01/26 .
24. ^ um b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x Estes, R. (1992). Comportamento O Guia de Mamíferos Africanos: incluindo mamíferos de casco, carnívoros, primatas . University of California Press. pp 202-07. ISBN 0-520-08085-8 .
25. ^ Lever, AM. (2007/12/21). "Não um, mas 'seis espécies de girafa" . BBC News . Retirado 2009/03/04 .
26. ^ um b Skinner, JD; Smithers, RHM (1990). Os mamíferos da sub-região sul Africano . Universidade de Pretória. pp 616-20. ISBN 0-521-84418-5 .
27. ^ um b c d e f g h i Swaby, S. (2010). "Girafa". Em Harris., T. Mammal Anatomy: Um Guia Ilustrado .Marshall Cavendish Corporation. pp 64-84. ISBN 0-7614-7882-5 .
28. ^ um b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad Williams, E. (2011). girafa . Livros Reaktion.ISBN 1-86189-764-2 .
29. ^ um b . Mitchell, G.; Skinner, JD (2004) "Girafa termorregulação: uma revisão" . Transactions da Sociedade Real da África do Sul: Processos de um Colóquio sobre Adaptações em Fauna e Flora do Deserto 59 (2): 49 - . 57 doi : 10.1080/00359190409519170 . ISSN 0035-919X .
30. ^ Madeira, WF; Weldon, PJ (2002). "O cheiro da girafa reticulada ( Giraffa camelopardalis reticulata ) ".Sistemática e Ecologia bioquímicos 30 (10): 913-17. doi : 10.1016/S0305-1978 (02) 00037-6 .
31. ^ um b c d Simmons, RE; Altwegg, R. (2010). "Pescoços-para-sexo ou navegadores concorrentes Uma crítica de idéias sobre a evolução da girafa?". Journal of Zoology 282 (1):. 6-12 doi :10.1111/j.1469-7998.2010.00711.x .
32. ^ MacClintock, D.; Mochi, U. (1973). Uma história natural de girafas . Scribner. p. 30. ISBN 0-684-13239-7 .
33. ^ . Garland, T; Janis, CM (1993) "A relação metatarso / fêmur prever a velocidade de operação máxima em mamíferos cursorial?" . Journal of Zoology 229 (1): 133-51. doi : 10.1111/j.1469-7998.1993. tb02626.x .
34. ^ Rafferty, John. P (2011). Grazers (Britannica Guia para predadores e presas) . Britannica Publishing Educacional. p. 194. ISBN 1-61530-336-7
35. ^ a b Tobler, I.; Schwierin, B., I.; Schwierin, B. (1996). "Sono Comportamental na girafa ( Giraffa camelopardalis ) em um jardim zoológico ". Journal of Sleep Research 5 (1):. 21-32 doi :10.1046/j.1365-2869.1996.00010.x . PMID 8795798 .
36. ^ um b c Henderson, DM; Naish, D. (2010). "Prevendo a capacidade de natação equilíbrio, flutuabilidade e potencial de girafas por análise computacional". Journal of Theoretical Biology 265(2): 151-59. doi : 10.1016/j.jtbi.2010.04.007 . PMID 20385144 .
37. ^ um b Naish, D. . (Janeiro de 2011) "Será que vai flutuar?" . Scientific American 304 (1): 22. ISSN 0036-8733 .
38. ^ um b Van Sittert, SJ; Skinner, JD; Mitchell, G. (2010). "A partir de feto a adulto - Uma análise alométrica da coluna vertebral girafa". Journal of Experimental Zoology Parte B Molecular e Evolução do Desenvolvimento 314B (6): 469-79. doi : 10.1002/jez.b.21353 .
39. ^ . Solounias, N. (1999) "A anatomia notável do pescoço da girafa" . Journal of Zoology 247 (2):. 257-68 doi : 10.1111/j.1469-7998.1999.tb00989.x .
40. ^ um b . du Toit, JT (1990) "estratificação Alimentação altura entre africanos ruminantes de navegação" . Jornal Africano de Ecologia 28 (1): 55-62. doi : 10.1111/j.1365-2028.1990.tb01136.x .
41. ^ Cameron, EZ; du Toit, JT (2007). "Ganhar por um pescoço: girafas altas evitar a concorrência com os navegadores mais curto" . American Naturalist 169 (1): 130-35. doi : 10.1086/509940 . PMID 17206591 .
42. ^ . Woolnough, AP; du Toit, JT (2001) "zoneamento vertical da qualidade de navegação em copas de árvores expostas a uma guilda tamanho estruturado de navegação Africano ungulados" .Oecologia 129 (1): 585-90. doi : 10.1007/s004420100771 .
43. ^ um b Young, TP; Isbell, LA (1991). "diferenças de sexo em ecologia alimentar girafa: restrições energéticas e social" . Etologia 87 . (1-2): 79-89 doi : 10.1111/j.1439-0310.1991. tb01190.x .
44. ^ Mitchell, G.; van Sittert, S.; Skinner, JD (2010). "A demografia das mortes girafa em uma seca".Transactions da Sociedade Real da África do Sul 65 (3): 165-68. doi :10.1080/0035919X.2010.509153 .
45. ^ Mitchell, G.; van Sittert, SJ; Skinner, JD (2009). "A seleção sexual não é a origem de pescoços longos em girafas". Journal of Zoology 278 (4):. 281-86 doi : 10.1111/j.1469-7998.2009.00573.x .
46. ^ um b Wedel, MJ (2012). "Um monumento de ineficiência: o curso presumida do nervo laríngeo recorrente em dinossauros saurópodes" . Acta Palaeontologica Polonica 57 (2):. 251-56 doi :10.4202/app.2011.0019 .
47. ^ Harrison, DFN (1995). Anatomia e Fisiologia da Laringe mamíferos . Cambridge University Press.p. 165. ISBN 0-521-45321-6 .
48. ^ um b Skinner, JD; Mitchell, G. (2011). "volumes pulmonares em girafas, Giraffa camelopardalis " .Comparative Biochemistry and Physiology - Parte A: Molecular e Fisiologia Integrativa 158 72-78: (1).doi : 10,1016 / j.cbpa.2010.09.003 .
49. ^ . Mitchell, G.; van Sittert, SJ; Skinner, JD (2009) "A estrutura e função das válvulas das veias jugulares girafa" . Sul Africano Journal of Wildlife Research 39 . (2): 175-80 doi : 10.3957/056.039 0,0210 .
50. ^ Pérez, W.; Lima, M.; Clauss, M. (2009). "Anatomia do intestino a girafa ( Giraffa camelopardalis ) ".Anatomia, Histologia, Embryologia 38 (6): 432-35. doi : 10.1111/j.1439-0264.2009.00965.x . PMID 19681830 .
51. ^ Cave, AJE (1950). "No fígado e vesícula biliar da Girafa". Anais da Sociedade Zoológica de Londres120 (2):. 381-93 doi : 10.1111/j.1096-3642.1950.tb00956.x .
52. ^ Oldham-Ott, Carla K.; Gilloteaux, Jacques (1997). "Morfologia comparativa da vesícula e vias biliares de vertebrados: variação na estrutura, em função de homologia e cálculos biliares". Pesquisa Microscopia e Técnica 38 (6): 571-79. doi : 10,1002 / (SICI) 1097-0029 (19.970.915) 38 : 6 <571 :: AID-JEMT3> 3.0.CO; 2-I .
53. ^ Fennessy, J. (2004). Ecologia do deserto-moradia girafa Giraffa camelopardalis angolensis no noroeste da Namíbia ( Ph.D. tese). Universidade de Sydney .
54. ^ um b . van der Jeugd, H. P; Prins, HHT (2000) "Movimentos e estrutura de grupo de girafa ( Giraffa camelopardalis ) em Lake Manyara National Park, Tanzânia " . Journal of Zoology 251 (1): 15-21.doi : 10.1111/j.1469-7998.2000.tb00588.x .
55. ^ um b c d e f g Pratt DM; Anderson VH (1985). "O comportamento do girafa social". Journal of Natural History 19 (4): 771-81. doi : 10.1080/00222938500770471 .
56. ^ um b c d e Leuthold, BM (1979). "Organização social e comportamento de girafa em Tsavo East National Park". Jornal Africano de Ecologia 17 (1): 19-34. doi : 10.1111/j.1365-2028.1979.tb00453.x.
57. ^ "Sentinelas em silêncio?" . PBS online - Natureza . Retirado 2011/12/21 .
58. ^ "Mammal Guia - girafa" . Animal Planet . Retirado 2009/03/07 .
59. ^ um b c d Langman, VA (1977). "Vaca-bezerro relacionamentos na girafa ( Giraffa camelopardalis giraffa ) ". Zeitschrift fur Tierpsychologie 43 (3): 264-86. doi : 10.1111/j.1439-0310.1977.tb00074.x
60. ^ Coe, MJ (1967). "'Carícias' comportamento na girafa". Journal of Zoology 151 (2): 313-21. doi :10.1111/j.1469-7998.1967.tb02117.x .
61. ^ Bagemihl, B. (1999). Exuberância Biológica: Homossexualidade Animal e Diversidade Natural .Imprensa St. Martin. pp 391-93. ISBN 0-312-19239-8 .
62. ^ Müller, DW; Zerbe, P; Codron, D; Clauss, M; Hatt, JM (2011). "Uma vida longa entre os ruminantes: giraffids e outros casos especiais". Schweizer Archiv für Tierheilkunde 153 (11): 515-519. doi :10.1024/0036-7281/a000263 . PMID 22045457 .
63. ^ . Owen-Smith, N.; Mills, MG (2008) "predador-presa relações de tamanho em um web Africano de grande mamífero alimentos" . Journal of Animal Ecology 77 (1): 173-83. doi : 10,1111 / j. 1365-2656.2007.01314.x . PMID 18177336 .
64. ^ Ross, K. (2003). Okavango: jóia do Kalahari . Struik. p. 168. ISBN 1-86872-729-7 .
65. ^ Greaves, N.; Clemente, R. (2000). Ao Hippo era peludo: E Outras Histórias da África . Struik. pp 86-88. ISBN 1-86872-456-5 .
66. ^ "A girafa Dabous arte rupestre petrograph" . A Fundação Bradshaw . Retirado 2011/11/06 .
67. ^ Ringmar, E. (2006). "Audiência de uma girafa: Expansionismo Europeu eo Quest para a exótica".Jornal da História Mundial 17 (4): 353-97. doi : 10.1353/jwh.2006.0060 . JSTOR 20079397 .
68. ^ Knappert, J . (1987) África Oriental: Quénia, Tanzânia e Uganda . Vikas Publishing House. p. 57.ISBN 0-7069-2822-9 .
69. ^ . Walter, M.; Fournier, A.; Menevaux, D. (2001) "Integração forma e padrão em modelos de mamíferos em SIGGRAPH '01" . Anais da 28 ª Conferência anual sobre computação gráfica e técnicas interativas : 317-26. doi : 10.1145/383259.383294 . ISBN 1-58113-374-X .
70. ^ Senhor. M (2012/01/11). "postos avançados Outlandish: Giraffe Manor, no Quênia" . Forbes.com .Retirado 2012/04/04 .

Fonte: en.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal