Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Antártida  Voltar

Antártida

 

Antartica - O Artico

Neve, gelo, ursos polares, pingüins. 

Isso resume o que a maioria das pessoas sabe sobre as regiões polares da Terra. Na verdade, se você souber colocar os ursos polares no norte Ártico e os pinguins no sul Antártico, você tem uma melhor compreensão do que a maioria.

Os literais "fins" da Terra, o Ártico e a Antártida possuem sem dúvida os climas mais frios e duros do globo.

Por isso não é nenhuma surpresa que elas permanecem entre as regiões menos exploradas e menos conhecidas do mundo.

Ainda assim, nunca o seu ambiente "sobrenatural" deixa de fascinar - com as luzes estranhas da aurora, o Sol da meia-noite do verão, e a escuridão de 24 horas do inverno.

Antártida

Terra e mar

Em essência, o Ártico é um oceano cercado por continentes, enquanto que a Antártida é um continente (Antarctica) cercado por oceanos.

O Oceano Ártico é o menor dos oceanos do mundo. Ele abrange uma área de cerca de 5.440.000 milhas quadradas (14,09 milhões de quilômetros quadrados).

O gelo cobre a maior parte de sua superfície. Mas nunca é uma cobertura sólida. Orlando o oceano estão as costas baixas do norte da Eurásia e da América do Norte, a grande ilha da Groenlândia, e as muitas ilhas menores do Arquipélago Ártico.

Antártida, o quinto-maior continente, abrange cerca de 5,1 milhões de milhas quadrados (13,2 milhões de quilômetros quadrados).

Uma enorme placa de gelo de até 3 milhas (5 km) de espessura cobre 95% do seu terreno acidentado. Alimentada por geleiras no centro montanhoso do continente, a camada de gelo se estende além da terra sólida como enormes plataformas de gelo flutuantes.

Ártico e o Antártico compartilham um clima polar muito frio para suportar plantas grandes ou a sobrevivência de qualquer, mas a maioria dos animais altamente adaptados.

Praticamente toda a Antártida, o interior da Groenlândia, e as porções norte do Arquipélago Ártico permanecem sob uma capa de gelo permanente.

As temperaturas médias estão próximas ou abaixo de zero durante o ano todo. Somente algumas plantas primitivas como musgos e líquens podem sobreviver nessas condições.

Todos os animais das calotas polares devem procurar seu alimento no mar. O continente Ártico tem um clima mais suave de tundra. Ele suporta gramíneas e pequenos arbustos, os animais de pasto, como o caribu e a lebre ártica, e uma dispersão de predadores como raposas do Ártico e as corujas da neve.

As temperaturas de inverno caem muito abaixo de zero nas regiões polares, mais severamente na Antártida. As temperaturas registradas de -128 °F (-89 °C) tornam a Antártida o lugar mais frio sobre a superfície da Terra.

O clima frígido resulta principalmente dos invernos longos e escuros quando o Sol não nasce por dias ou meses de cada vez.

Como resultado, as regiões polares perdem mais calor do que absorvem. Nem mesmo os intermináveis dias de verão compensam a perda, quando a neve e o gelo refletem os raios do sol. As regiões polares também podem ser consideradas desertos, pois seu ar frio mantém pouca umidade.

As noites polares são famosas pelas suas luzes ondulantes da aurora. Elas são produzidas quando o eletricamente carregado "vento solar" interage com o campo magnético da Terra. Nas últimas décadas, os céus polares ganharam também nota por um fenômeno mais preocupante.

Os cristais de gelo das nuvens na atmosfera acima dos pólos permitem uma reação destrutiva entre determinados poluentes feitos pelo homem e a camada de ozônio que protege a vida na superfície da radiação solar prejudicial. "Buracos de ozonio" sazonais agora formam sobre as regiões polares cada ano, mais dramaticamente acima da Antártica.

No entanto, uma outra tendência preocupante: os cientistas notaram uma mudança ascendente constante nas temperaturas polares durante o último meio século.

Seja ele feito pelo homem ou natural, o aquecimento já produziu derretimento que, se continuar, pode elevar o nível dos oceanos no mundo todo.

População

Os povos do Ártico incluem os generalizados Inuits da América do Norte, Groenlândia e Sibéria; e os Sami (Lapões), Samoyeds e Yakut da Eurásia. A Antártica não tem nenhum povo "nativo". Mas ela tem atraído um número crescente de cientistas e turistas que vivem por meses de cada vez em campos de temperatura controlada.

História

Os primeiros seres humanos entraram no Ártico cerca de 10.000 anos atrás, provavelmente perseguindo o caribu para fora do norte da Europa. Em contraste, a primeira pessoa conhecida a navegar através do Círculo Antártico - James Cook- o fez em 1773.

O final dos anos 1800s e início dos anos 1900s foram uma era de heróicas expedições polares. Muitos pagaram com suas vidas por suas tentativas de chegar a um pólo ou outro.

Finalmente, em 1909, os Americanos Robert Peary e Matthew Henson chegaram ao Pólo Norte com quatro guias Inuit.

Em Dezembro de 1911, uma equipe liderada pelo explorador Norueguês Roald Amundsen chegou ao Pólo Sul um mês antes de um grupo liderado pelo Inglês Robert Scott.

O grupo de Scott pereceu em sua viagem de regresso.

As reivindicações territoriais sobre a Antártida e as águas não-costeiras do Oceano Ártico permanecem não resolvidas.

No entanto, as nações do mundo concordaram que essas remotas regiões polares devem sempre ser usadas para fins pacíficos.

Fonte: sites.google.com

Antártida

Neve, gelo, ursos polares, pinguins. Isso soma tudo o que a maioria das pessoas sabem sobre as regiões polares da Terra. De fato, se você souber colocar ursos polares no norte Ártico e pinguins no sul Antartico, você tem um melhor conhecimento do que a maioria.

Os literais "confins" da Terra, o Ártico e o Antartico abrigam os mais frios e inquestionavelmente mais rigorosos climas. Assim não é nenhuma surpresa que remanescem entre as menos exploradas e menos familiares regiões do mundo.

Ainda, seu ambiente "do além" nunca deixa de fascinar - com as lúgubres luzes da aurora, o Sol da meia-noite do verão, e a escuridão de 24 horas do inverno.

Essencialmente, o Ártico é um oceano cercado por continentes, enquanto que o Antártico é um continente (Antartica) cercado por oceanos. O menor dos oceanos do mundo, o Oceano Ártico mede uma área de cêrca de 14.090.000 km².

O gelo cobre a maioria da sua superfície, mas nunca é uma cobertura contínua. Margeando o oceano encontram-se as costas nortenhas baixas da Eurasia e da America do Norte, a grande ilha da Groenlandia, e as muitas ilhas menores do Arquipélago Ártico.

A Antartica, o quinto maior continente, se estende por cêrca de 13.200.000 km². Uma enorme placa de gelo com até 5 km de espessura cobre 95% do seu escarpado terreno. Alimentada pelas geleiras no centro montanhoso do continente, a placa de gelo se estende além da terra contínua como enormes e flutuantes saliencias de gelo.

O Ártico e o Antártico compartilham um clima polar demasiado frio para suportar o crescimento de plantas grandes ou a sobrevivência de alguns dos mais adaptados animais.

Virtualmente toda a Antartica, o interior da Groenlandia, e as parcelas norte do Arquipélago Ártico remanescem sob uma capa de gelo permanente, com temperaturas médias aproximando-se ou abaixo de zero por todo o ano.

Somente algumas plantas primitivas como o musgo e o líquen podem sobreviver à tais circunstâncias. Todos os animais das capas de gelo polares devem procurar seu alimento no mar. O continente Ártico tem um clima de tundra mais ameno que suporta gramas e arbustos pequenos, pastando animais como o caribu e a lebre do Ártico, e dispersando predadores como as raposas do Ártico e as corujas brancas.

As temperaturas do inverno caem bem abaixo do congelamento nas regiões polares, mais severamente na Antartica, onde as temperaturas registradas de - 89 °C fazem deste o lugar mais frio na superfície da Terra.

O clima frígido resulta principalmente dos invernos longos e escuros, em que o Sol não se levanta por dias e meses no período. Em conseqüência, as regiões polares perdem mais calor do que absorvem.

Nem mesmo os intermináveis dias do verão compensam a perda, quando a neve e o gelo refletem os raios do Sol. As regiões polares podem também ser consideradas desertos, porque seu ar frio retém pouca umidade.

As noites polares são famosas por suas ondulantes luzes da aurora, produzidas quando o eletricamente carregado "vento solar" interage com o campo magnético da Terra. Em décadas recentes, os céus polares ganharam também nota por um fenômeno mais preocupante.

Nuvens de cristais gelados na atmosfera elevada acima dos pólos permitem uma reação destrutiva entre determinados poluentes feitos pelo homem e a camada de ozônio que protege a vida na superfície da radiação solar prejudicial. "Buracos de ozonio" sasonais formam-se agora sobre as regiões polares cada ano, mais dramàticamente acima da Antartica.

Contudo uma outra tendência preocupa: os cientistas notaram um firme deslocamento ascendente nas temperaturas polares durante os 50 anos passados. Humano ou natural, o aquecimento tem produzido o derretimento que, se continuar, poderá elevar os níveis do oceano mundialmente.

Os povos do Ártico incluem os difundidos Inuit ("Esquimós") da América do Norte, da Groenlandia, e da Sibéria; e os Sami (Lapônios), os Samoyedas, e os Yakut da Eurasia. O Antartico não tem nenhum povo "nativo", mas tem atraído um crescente número de cientistas e de turistas que vivem por meses em acampamentos de clima controlado.

Os seres humanos entraram primeiramente no Ártico há uns 10.000 anos, muito provavelmente perseguindo o caribu fora do norte da Europa. Por contraste, a primeira pessoa conhecida por navegar através do Círculo Antartico - James Cook - o fêz em 1773.

O final dos 1800s e o início dos 1900s foram uma era de heróicas expedições polares. Muitos pagaram com suas vidas por suas tentativas para alcançar um pólo ou o outro. Finalmente, em 1909, os Americanos Robert Peary e Matthew Henson alcançaram o Pólo Norte com 4 guias Inuit.

Em Dezembro de 1911, uma equipe liderada pelo explorador Norueguês Roald Amundsen alcançou o Pólo Sul um mês antes de um grupo liderado pelo Inglês Robert Scott. O grupo de Scott pereceu em sua viagem de retorno.

Reivindicações territoriais sobre a Antartica e as águas não-costeiras do Oceano Ártico remanescem indeterminadas. Entretanto, as nações do mundo têm concordado que estas regiões polares remotas devem sempre ser usadas para finalidades pacíficas.

PANORAMA ECONOMICO

A pesca fora da costa e o turismo, ambos baseados no exterior, representam a limitada atividade econômica. Os pescados da Antartica em 2000-01 (1 Julho-30 Junho) relataram 112.934 toneladas métricas.

A pesca não regulada, particularmente de peixes dentados, é um problema sério. A pesca alegadamente ilegal nas águas Antarticas em 1998 resultou na apreensão (pela França e pela Austrália) de ao menos 8 navios pesqueiros.

A Convenção Sobre a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos da Antartica determina os limites recomendados de captura para espécies marinhas. Um total de 12.248 turistas visitaram no verão Antartico de 2000-01, abaixo dos 14.762 que a visitaram no ano precedente.

Quase todos eles eram passageiros em 21 navios comerciais (não governamentais) e em diversos yachts que fizeram viagens durante o verão. A maioria das viagens turísticas duraram aproximadamente duas semanas.

QUESTÕES INTERNACIONAIS

Há reivindicações no Tratado Antartico; há seções (algumas que se sobrepõem) reivindicadas pela Argentina, Austrália, Chile, França, Nova Zelandia, Noruega, e Reino Unido; os Estados Unidos e a maioria dos outros estados não reconhecem as reivindicações territoriais de outros estados e não fizeram nenhuma reivindicação por si próprios (os Estados Unidos e a Rússia se reservam o direito de fazê-lo); nenhuma reivindicação foi feita no setor entre 90 graus oeste e 150 graus oeste; diversos estados com reivindicações de terra na Antarctica expressaram sua intenção de submeter dados à Comissão dos Limites da Plataforma Continental da ONU para estender suas reivindicações da plataforma continental aos cumes submarinos contíguos.

ATUALIDADES

Uma Surpreendente Aventura Antartica

História foi feita em 11 de Fevereiro de 2001, quando Ann Bancroft e Liv Arnesen tornaram-se as primeiras mulheres à cruzar a Antartica, um feito que elas realizaram em esquis. Uma vez que conseguiram seu objetivo preliminar - a viagem através da massa terrena da Antartica - as mulheres decidiram renunciar ao cruzamento planejado da Saliência de Gelo Ross.

Ao invés, elas pediram que um avião fosse enviado para retorná-las à civilização. E assim, em 16 de Fevereiro, um avião aterrou numa pista de decolagem construída por Bancroft e Arnesen. Seu passo seguinte foi um navio para levá-las para a Austrália, seguido por um vôo à Nova York.

Bancroft e Arnesen são exploradoras polares sasonais. Em 1986, Bancroft, que é de Minnesota (EUA), tornou-se a primeira mulher à viajar para o Polo Norte por trenós. Ela também liderou uma equipe de mulheres que esquiaram do extremo da Antartica ao Pólo Sul em 1992-93.

Em 1994, Arnesen, da Noruega, tornou-se a primeira mulher à esquiar para o Polo Sul sozinha, com nenhuma ajuda externa (ela carregou todo seu suprimento e equipamento). Um ano mais cêdo, ela tinha liderado a primeira equipe de mulheres à esquiar sem-ajuda através da capa de gelo da Groenlandia.

Após treinar por meses para a expedição, as mulheres saíram do Território da Rainha Maud da Antartica em meados de Novembro. As exploradoras esquiaram mais de 10 horas por dia, puxando os trenós carregados com cêrca de 110 kg de suprimentos.

Quando as circunstâncias eram apropriadas, elas se prendiam com correias sobre velas - dispositivos parecidos com pipas que as puxavam longitudinalmente em seus esquis. Elas falavam entre si por rádios de 2-vias e carregavam um transmissor em caso de uma emergência.

Sua primeira "parada" era o Polo Sul. Mas à apenas 450 km desse marco, o vento de repente - e incaracteristicamente - cessou de soprar. Assim, em vez de ràpidamente cruzar através da capa de gelo, as mulheres foram forçadas à puxar seus trenós atrás delas, retardando-as para uns árduos 1,6 km/h. Com seu progresso reduzido à um rastejar, o alimento logo começou a se esgotar, e o racionamento tornou-se necessário.

Finalmente, as circunstâncias retornaram ao "normal" - o que, para a Antartica, significa temperaturas brutalmente frias e ventos de 160 km/h - e as mulheres terminaram sua travessia. Mas agora, com a viagem superada e seu lugar nos livros de história seguro, Bancroft e Arnesen concordam que apreciaram a viagem e a companhia uma da outra. De fato, elas planejam outras aventuras juntas - em qualquer lugar exceto a Antartica!

Fonte: br.geocities.com

Antártida

A especulação sobre a existência de uma "terra do sul" não foi confirmada até o início da década de 1820 quando operadores comerciais Britanicos e Americanos e expedições nacionais Britanicas e Russas começaram a explorar a região da Península Antártica e outras áreas ao sul do Círculo Polar Antártico.

Não foi até 1840 que se estabeleceu que a Antártida era de fato um continente e não apenas um grupo de ilhas ou uma área de oceano. Várias explorações de "estreias" foram alcançadas no início do século 20, mas geralmente a área viu pouca atividade humana.

Após a Segunda Guerra Mundial, no entanto, houve um aumento na pesquisa científica no continente. Vários países criaram uma série de estações durante o ano inteiro e sazonais, acampamentos e refúgios de apoio à investigação científica na Antártica.

Sete países fizeram reivindicações territoriais, mas nem todos os países reconhecem esses créditos. A fim de formar um quadro jurídico para as atividades das nações do continente, um Tratado da Antártida foi negociado que não nega nem dá reconhecimento às atuais reivindicações territoriais; assinado em 1959, ele entrou em vigor em 1961.

Antártica é um continente coberto de gelo centrado aproximadamente no Pólo Sul. É cercada pelos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico. O termo "Antártica" é definido no Tratado da Antártica de 1959, como a terra, as prateleiras de gelo, e no sul de água de 60 graus de latitude sul. O continente inclui, portanto, a Antártica, um grande número de ilhas cobertas de gelo, e as porções meridionais dos três oceanos.

O Povo

A Antártida tem o ambiente mais hostil sobre a Terra, o que tornava a sobrevivência humana lá quase impossível, até o advento dos avanços tecnológicos modernos. Nem uma árvore ou arbusto cresce lá. Os únicos habitantes permanentes, como as focas, pinguins e outras aves, devem se alimentar no mar.

Aproximadamente 95% do gelo permanente do mundo está na Antártida. Estimou-se que, se todo esse gelo derretesse, a água resultante líquida elevaria o nível dos oceanos em cerca de 60 metros, assim inundando uma parte considerável da superfície da Terra. A Antártida é o mais frio e ventoso de todos os continentes.

Os cientistas na Estação Vostok da Rússia registraram uma temperatura de -89,2 °C em Julho de 1983, a menor temperatura já registrada em todo o mundo.

As violentas tempestades encontradas nos oceanos do sul tornaram-se familiares para os primeiros navegantes que se aventuraram ao sul de toda as altas latitudes. Eles se referiam a estas latitudes como as Forties Roaring, as Furious Fifties, e as Screaming Sixties.

Estes marinheiros também aprenderam que os oceanos de todo o continente não oferecem obstáculos para as tempestades que se deslocam de oeste para leste. Exploradores que construíram as suas bases no continente experimentaram grandes nevascas na Antártica.

A área mais ventosa fica ao largo da costa da Antártida ao sul da Austrália, onde os ventos de mais de 160 km por hora são freqüentes.

A Terra

Antártida tem uma área de cerca de 13,2 milhões km² - quase 50% maior do que os Estados Unidos. A neve e o gelo se acumularam no continente ao longo dos milênios, enterrando todos, menos cerca de 5% da terra.

Esta vasta camada de gelo, fluindo para a costa em todos os sentidos, forma plataformas de gelo flutuando sobre o mar, que, em seguida, dividem-se em icebergs. O Recife de Gelo Ross, na costa do Pacífico é aproximadamente do tamanho da França, com uma frente de mar de cerca de 640 km. Icebergs esculpidos a partir desta plataforma podem ter várias centenas de metros de espessura e mais de 160 km de comprimento.

Em 2000, o maior iceberg B-15, rompeu (ou partiu) do Recife de Gelo Ross. O gelo que compunha o B-15 era equivalente a cerca de 80% do total anual de queda de neve na Antártida.

Em 2002, outro grande iceberg - aproximadamente 10 vezes o tamanho de Manhattan - partiu e arrastou-se lentamente para longe da prateleira. Em áreas montanhosas do continente, o gelo fluindo forma glaciares nos vales, que se estendem em direção ao mar. A geleira Beardmore, descoberta em 1908, é considerada a maior do mundo.

Numerosas sondagens sísmicas ao longo dos anos têm dado uma idéia geral da topografia da Antártida sob o gelo, que enche os vales e cobre montanhas que podem ter muitos milhares de metros de altura. Em algumas áreas, o gelo tem bem mais que 3 km de espessura.

O contorno geral da massa terrestre da Antártida sob o manto de gelo está a ser descoberto quando partes do campo cruzam o continente e determinam a profundidade do gelo. Estas investigações refutaram alguns pressupostos iniciais sobre a folha de gelo continental.

Em primeiro lugar, existe muito mais gelo na Antártida, do que inicialmente se acreditava. Em segundo lugar, o gelo não está uniformemente sobre o continente. Levará um tempo para determinar com precisão a topografia sub-gelo.

Mesmo assim, não seria possível determinar como o continente poderia ficar se o gelo derretesse. Estima-se que a terra cresceria 600 m se o peso do gelo pudesse ser removido. Devido às pressões que variam de montanhas e vales, a superfície aumentaria de forma desigual, talvez deixando lagos em algumas áreas. O derretimento do gelo também aumentaria o nível dos mares circundantes.

Nos últimos anos, a Antártida tem sido objeto de considerável atenção da comunidade científica e ambiental em todo o mundo. Grave deterioração da camada de ozônio sobre a Antártida foi encontrada - um sinal ominoso de destruição do ambiente pelos seres humanos.

Telas de ozônio passam a radiação ultravioleta do Sol, e alguns cientistas acreditam que a sua destruição pode significar conseqüências desastrosas para todo o planeta no futuro não muito distante. Os estudos científicos, sendo conduzidos na Antártida podem convencer os países do mundo a instituir rigorosos e de longo alcance controles internacionais para conter e, eventualmente, reverter os danos à camada de ozônio.

Vida Animal da Antarctica

As aves mais familiares na Antártida são os pinguins, dos quais existem 17 espécies diferentes. Todos são encontrados no hemisfério sul, indo para o norte até o continente Sul-americano e as Ilhas Galápagos perto do equador. O Adélia, o imperador e o barbicha são as únicas três espécies de pinguim nativas para a Antártida, e não são encontradas em nenhum outro lugar.

O pingüim-adélia é o mais familiar para os cientistas, pessoal de apoio, e os visitantes que agora, comparativamente falando, pululam por todo o continente. O Adélia tem de 30 a 60 cm de altura e pesa 3-6 kg. Suas costas e o topo da sua cabeça são cobertas com penas azul-preto, liso na frente com penas brancas.

Os pingüins Adélia são rápidos e graciosos na água, mas desajeitados em terra ou no gelo, onde se reproduzem. Eles podem mergulhar na água de um penhasco de gelo de 4 metros de altura e saltar da água sobre um bloco de gelo de 2 metros de altura.

Viajando às suas colônias (criadouros), eles gingam quando andam, ou fazem tobogã, deslizando em suas barrigas e empurrando com os pés. Quando usam as costas, as suas asas se estendem para o equilíbrio.

Eles usam suas asas para ajudar a empurrar-se por terrenos acidentados. No subir um grau desigual, eles usam os pés, asas, e até mesmo seus bicos. Eles são curiosos e sem medo das pessoas, pois os seus únicos inimigos são as gaivotas skua, que comem os seus ovos e pintos, e as focas leopardo e baleias assassinas, que os atacam na água.

Um cientista, uma vez abriu um corte numa foca-leopardo de estudo e encontrou 32 pingüins em seu estômago. Porque os pinguins são míopes e às vezes andam a pé em objetos, foi dito que eles são estúpidos.

No entanto, quando qualquer criatura deve percorrer uma longa distância e decide montar em um bloco de gelo ao invés de andar ou nadar, ele mostra claramente a inteligência.

Os primeiros a acolher os navios que entram no bloco de gelo no verão Antártico precoce são pingüins Adélia agrupados em blocos de gelo. Durante o inverno, eles se alimentam na água na borda externa da orla. A fim de regressar ao seu local de nidificação, eles saltam para as banquisas levadas para o sul, por uma combinação favorável de vento, maré e corrente.

O pingüim imperador, por vezes considerado como o estadista digno do clã, tem cerca de 1 m de altura e pesa 27-41 kg. Suas penas são pretas nas costas e na frente toda branca, com salpicos de amarelo ou laranja nas laterais do seu pescoço.

Os imperadores fazem seus ninhos no gelo do mar anexado ao continente. A fêmea coloca um ovo por ano, no outono da Antártica. Os adultos mantêm o ovo quente, colocando-o em cima de seus pés e carregando-o lá, coberto com um rolo de sua gordura do estômago.

Os filhotes são incubados durante a noite da Antártida, em temperaturas de até -54 °C. Quando os filhotes estão crescidos, as famílias viajam para o norte para a alimentação, onde o gelo está a quebrar-se. Assim, como os Adéles, eles são passageiros, mas em estações invertidas.

O Dr. Edward Wilson, o cirurgião e artista com a expedição de Robert Falcon Scott em 1912, observou que os imperadores imponentes se reuniam na beira mar do gelo a esperar pacientemente até que ele rompesse como uma banquisa. Então um vento sul obrigando empurraria ao norte para o mar aberto.

Uma das aves mais graciosas e belas da Antártida é o petrel neve, que se assemelha a uma pequena pomba branca. Ele se reproduz em áreas remotas do continente e nas ilhas em franja. Sua plumagem branca harmoniza com a neve e gelo.

O Skua é um dos catadores de maior sucesso da Antártida. Este grande pássaro marrom tem um bico adunco, garras afiadas e longas asas. Um voador notavelmente rápido, o skua obtém alimentos forçando as outras aves a soltar sua presa e comendo ovos e pintos em colônias de aves marinhas.

Os cientistas identificaram seis espécies de focas que se reproduzem na Antártida. Em meados do século 19, os caçadores gananciosos quase exterminaram o lobo-marinho do sul. As peles das focas são protegidas por um acordo internacional e estão começando a aumentar em número.

A foca elefante, a maior da raça, fornece uma quantidade abundante de óleo. Também foi caçada impiedosamente até protegida por lei, juntamente com as peles das focas. A foca leopardo é o membro predador da família das focas.

Ela foi vista pulando da água para capturar pingüins de pé sobre blocos de gelo. A foca caranguejeira foi assim chamada por causa de sua dieta, a maior parte dos quais consiste em crustáceos obtidos a partir da água e do fundo do oceano.

As focas de Weddell e Ross levam os nomes dos primeiros exploradores. As focas de Weddell podem pesar até 450 kg e têm cerca de 3 metros de comprimento. Ela vive no gelo costeiro do continente. Seus dentes tipo-serra permitem à foca de Weddell cortar buracos no gelo para acesso aos alimentos.

Sabe-se que pode mergulhar a uma profundidade de 600 metros e trazer peixes até então desconhecidos para os humanos. A foca comedora de peixe de Ross vive principalmente no gelo; assim é difícil de estudar os hábitos desta foca.

Após o fim do uma vez rentável comércio de peles da Antártida, a única empresa restante foi a atividade baleeira comercial nas águas frias do oceano em torno do continente. No entanto, um tratado de 1994 proibiu a caça comercial lá. A abundância de vida vegetal e animal chamados de plâncton, que apoia as baleias e outros animais da região Antártica, podem algum dia ser processados para fornecer alimentos e medicamentos para os seres humanos.

O Passado da Antartida Tropical

O enigma da Antártida confundiu cientistas por mais de 100 anos. Hoje não há uma árvore viva ou arbusto em todo o continente. No entanto, há indicações de que em uma hora a Antártida era densamente coberta por florestas de pinheiros, palmeiras e árvores como samambaias.

A exploração e investigação revelaram que uma vez o continente teve um clima quente. No verão Antártico de 1892-93, uma parte de um fóssil de pinheiro, foi encontrada em Seymour Island, perto da extensão norte da Península Antártica.

Sir Ernest Shackleton, em sua tentativa de ser o primeiro no Pólo Sul (1907-9), encontrou um tronco de pinheiro petrificado no Glaciar Beardmore. Ele também descobriu uma abundância de carvão de baixa qualidade. Essa constatação foi feita pelo grupo de Scott alguns anos mais tarde.

Outras expedições à península Antártica produziram resultados adicionais de plantas fósseis e vários tipos de cone de árvores frutíferas. O Dr. Laurence Gould, o geólogo nas expedições do Almirante Richard E. Byrd antes da Segunda Guerra Mundial, anunciou a descoberta de campos de carvão e, ao norte das montanhas Horlich, um grande tronco de árvore petrificada, fósseis de folhas e cascas de bivalves fósseis. Em 1960, uma expedição da Ohio State University descobriu fósseis de moluscos primitivos e caracol no continente.

Várias teorias têm sido avançadas para explicar a presença destes restos na Antártida. Uma delas é a existência de pontes de terra agora desaparecidas da Antártida para outras terras. Outra teoria sugere que grandes massas de terra tenham se quebrado e se afastado.

A crença de que tenham existido pontes de terra e que agora estavam submersas foi descartada quando o fundo oceânico foi traçado, e nenhuma evidência de pontes foi descoberta. Para apoiar a teoria da deriva continental, teve que ser demonstrado que os vertebrados terrestres (animais com medulas espinhais), uma vez existiram na Antártida, como o fizeram em outras terras da qual a Antártida se supõe ter partido.

O Instituto de Estudos Polares da Ohio State University, enviou uma equipe de geologia para a superior Beardmore Glacier em 1967-68. Em Dezembro, a equipe, liderada por Peter J. Barrett, da Nova Zelândia, chegou em cima de um sedimento-cheio entre plantas fósseis do início do período Triássico, cerca de 200 milhões de anos atrás.

Lá, à 520 km do Pólo Sul, eles descobriram o que o Dr. Edwin H. Colbert, curador de paleontologia vertebrada do Museu Americano de História Natural de Nova York, chamou de "uma das descobertas de fósseis mais importantes do século".

O fóssil descoberto foi um fragmento de 6 cm da mandíbula de um grupo extinto de anfíbios conhecidos como labirintodontes que viveram durante o período Triássico. O Dr. Colbert descreveu o animal como semelhante a uma enorme salamandra de 1,2 metros de comprimento.

Esta foi a primeira prova de que os vertebrados terrestres em um tempo habitaram a Antártida. Esta descoberta reforçou a crença de que a Antártida era ao mesmo tempo ligada a outras terras, e que pode ter sido uma parte de Gondwanaland. Gondwanaland, uma massa de terra hipotética, é chamada por Gondwana, um distrito da Índia.

Na sua maior extensão, Gondwanaland pode ter estendido os oceanos Atlântico e Índico. Ela abraçava a península Indiana, partes da África e América do Sul, Madagascar, Austrália, Tasmânia, Ilhas Falkland, e Antártida. Os defensores da teoria de Gondwanaland acreditam que eras atrás, a massa terrena se fraturou, e os continentes como os conhecemos hoje flutuaram de volta a suas posições atuais.

A Época das Descobertas

A Antártida foi o último continente do planeta a ser descoberto. Sua exploração e investigação científica procederam a um ritmo muito lento até o início do Ano Geofísico Internacional (AGI), que decorreu de 1 de Julho de 1957 à 31 de Dezembro de 1958. Durante este breve período de 18 meses, mais foi aprendido sobre o continente que em todos os outros anos que se seguiram à sua descoberta em 1820.

Em 1773, o capitão James Cook, o grande explorador Inglês, circunavegou as regiões da Antártica e se tornou a primeira pessoa a cruzar o Círculo Polar Antártico. Seu diário descreveu o frio paralisante, as tempestades de fúria, e gelo formidável que encontrou ao atravessar essa área. Ele supôs corretamente que devia haver uma massa de terra no Pólo Sul.

Mais tarde, ele escreveu: "Se alguém tem a coragem para pressionar e conseguir através de sua descoberta, eu me atrevo a declarar que o mundo não lhe confere nenhuma vantagem com isso".

Um caminho para o lucrativo comércio com a China rodeava o Cabo Horn. Navios rodeando o Horn eram muitas vezes soprados fora de seu curso para o sul.

No início do século 19, tornou-se conhecido que vários capitães desses navios jogados à tempestade tinham relatado avistar ilhas de gelo cobertas com focas.

Uma vez que a população de focas do Hemisfério Norte já havia sido praticamente exterminada, os marinheiros navegavam para o sul em busca de seus terrenos de caça. Eles impiedosamente abateram populações inteiras de focas na margem norte das ilhas, e depois continuaram a pressionar mais ao sul para a sua caça.

Foi esta virada comercial para o sul que conduziu talvez aos primeiros avistamentos da Antártica.

Esta honra foi reivindicada por três países: os Estados Unidos, Rússia e Inglaterra. O Norte-americano, Nathaniel B. Palmer, nasceu em Bridgeport, Connecticut, em 1799, filho de um construtor naval. Quando Palmer ainda não tinha 20 anos, ele fez o seu primeiro cruzeiro para a Antártida como um ajudante numa expedição de "caça-focas".

Em 1820, Palmer, capitão do seu próprio navio, o Herói, partiu para as Ilhas Shetland do Sul. Enquanto procurava uma nova colonia de focas, ele partiu para um canal cheio de gelo. Através das brumas, ele viu as falésias escuras da terra para o leste - o continente do sul.

Com uma rica safra de focas, ele cruzou para o norte até que foi assolado por ventos fracos e nevoeiro. Quando o nevoeiro se desfez, ele ficou surpreso ao encontrar sua nave entre dois navios-de-guerra, os navios Russos Vostok e Mirny.

Palmer convidou o comandante Russo, o Almirante Fabian von Bellingshausen. O almirante ficou surpreso ao saber que o Capitão Palmer em sua frágil embarcação tinha estado a operar nesta área durante quatro meses. Palmer explicou que havia mais de 30 navios Americanos e 40 navios Britânicos envolvidos na pesca de foca na área, e que tinha avistado o que ele acreditava ser o continente Antártico.

O Almirante Bellingshausen ficou muito impressionado com o jovem capitão Norte-americano, e depois que Palmer tinha partido, Bellingshausen marcou no seu mapa "Terra de Palmer" onde a Península Antártica, está localizada.

O Capitão Palmer relatou mais tarde que o Almirante Bellingshausen era um homem gentil e modesto. As ordens de Bellingshausen haviam sido para explorar e mapear as regiões da Antártica. O almirante foi o primeiro homem a circunavegar a Antártida após a viagem de Cook.

Bellingshausen descobriu uma grande ilha, a que deu o nome de Terra de Alexander I em homenagem ao homem que era, então, czar da Rússia. Algumas de suas observações relatadas da terra foram confirmadas nos últimos tempos.

O Tenente Coronel Edward Bransfield da Royal Navy é creditado pela Inglaterra como sendo o primeiro a avistar a Antártida. Com as ordens do comandante da Marinha Britânica no Chile, ele viajou para sul, até confirmar relatos de que existia uma massa de terra abaixo do Cabo Horn.

Em geral, as suas instruções foram semelhantes às apresentadas para Bellingshausen. Bransfield fez um relatório circunstanciado, mapeou várias ilhas, e relatou o avistamento do continente cerca do mesmo tempo que Palmer e Bellingshausen.

A área foi batizada de Terra de Graham, em honra de Sir James Graham, que era então Primeiro Lorde do Almirantado. Posteriormente, o Conselho Internacional de Nomes Geográficos nomeou esta área de Península Antártica.

Durante várias décadas após 1820, várias nações enviaram expedições de captura para a Antártida. Este continente estranho atraiu homens aventureiros a procurar fama e fortuna, revelando seus segredos. As Enderby Lands honram os irmãos Enderby, que operavam uma empresa baleeira e de focas em Londres.

O Mar de Weddell, a leste da Península Antártica, foi nomeado para o navegador Inglês James Weddell, que penetrou profundamente em seus campos de gelo enquanto navegava pelas Enderbys.

Haviam também expedições lideradas por Jules Sébastien César Dumont d'Urville da França; Sir James Clark Ross da Inglaterra; Tenente Coronel (posteriormente Almirante) Charles Wilkes, dos Estados Unidos; Adrien de Gerlache da Bélgica; Nils Otto Gustaf Nordenskjöld da Suécia, e Erich von Drygalski da Alemanha. Chile e Argentina foram ativos nas áreas ao sul de seus países.

O Japão mandou o Maru Kainan para explorar a área sul da Nova Zelândia. Os relatórios dessas expedições e muitos outros continham os pedaços de informação que se estabeleceram em tudo o que era o enigma da Antártica.

A Época Heróica dos Descobrimentos

Até por volta do ano 1900, a exploração do continente havia sido limitada às regiões costeiras durante o verão Antártico. O desafio agora era viver no continente através de um ano inteiro e explorar o interior proibido.

Em 1899, Carsten Borchgrevink, o explorador Norueguês, liderou uma expedição que invernou em terras da Antártida e foi o primeiro a desembarcar na viagem e sobre a grande Barreira de Gelo.

O ritmo de exploração da Antártida aumentou, no século 20. Uma corrida dramática foi realizada entre a Noruega e a Inglaterra, para ver de quem seria a primeira bandeira no Pólo Sul. O explorador Norueguês Roald Amundsen plantou sua bandeira no Pólo em 14 de Dezembro de 1911. Ele retornou com segurança para seu navio, o Fram, atracado ao gelo na Baía das Baleias, e rumou para casa triunfante.

O Capitão Robert Falcon Scott partiu do Estreito McMurdo com sua equipe Britânica para a sua tentativa no Pólo. Scott estava quebrantado ao encontrar a bandeira Norueguesa voando no Pólo quando chegou cerca de um mês depois de Amundsen.

A data era 17 de Janeiro de 1912. Os tratores mecânicos, cães asiáticos, e pôneis usados por Scott não foram à altura da tarefa. Exausta, a expedição inteira pereceu na viagem de volta, a apenas 18 km perto de "um campo de tonelada", onde a comida e abrigo poderiam ter salvado eles.

Oito meses depois, um grupo de resgate encontrou-os congelados em sua barraca. A "Mensagem ao Público" foi encontrada com o diário de Scott. A carta dizia, em parte, "Se tivéssemos vivido, eu teria uma história para contar a ousadia, resistência e coragem dos meus companheiros, que teria mexido no coração de cada Inglês.

Estas notas grosseiras e nossos corpos devem contar a história ... " É um exagero chamar esse período de exploração Antártica da Idade Heróica.

Richard E. Byrd, aviador e um almirante da Marinha dos Estados Unidos, ganhou fama pela introdução de meios modernos de transporte para exploração da Antártica. Em 1929, Byrd, junto com três companheiros, tornou-se o primeiro a pilotar um avião sobre o Pólo Sul. Ele também levou quatro expedições adicionais à Antártida, incluindo uma restrição solo de cinco meses perto do Pólo Sul.

Organizações científicas de diversas nações se interessaram em investigar a Antártida. Foram feitos planos para um grande estudo coordenado nesta área como parte do Ano Geofísico Internacional.

O Ano Geofísico Internacional

Na primavera de 1950, um grupo de cientistas de renome se reuniram para um jantar em um subúrbio de Washington, DC. O anfitrião era o especialista em radiação James Van Allen, e o convidado de honra era Sydney Chapman, o geofísico Inglês.

Nesta reunião, o Dr. Lloyd V. Berkner, um cientista Americano, propôs um terceiro ano polar internacional. O primeiro esforço fôra lançado em 1882-83. Onze nações enviaram expedições ao Ártico, e uma à Geórgia do Sul na Antártica, com a finalidade de coordenar estudos geofísicos das áreas. Os dados geomagnéticos obtidos então permanecem úteis até hoje no estudo do magnetismo terrestre.

Cinqüenta anos mais tarde, em 1932-33, durante o Segundo Ano Polar Internacional, 34 nações coordenadaram suas investigações nas regiões polares e as zonas tropicais e temperadas. Uma das contribuições importantes deste esforço foi um maior conhecimento da ionosfera. Este conhecimento muito avançou a ciência da comunicação por rádio.

Assim, uma tradição tinha sido estabelecida para a realização de um ano polar de cinco em cinco décadas. O geofísico Canadiano J. Tuzo Wilson propôs que o mundo científico não esperasse mais 50 anos a partir do ano passado polar, mas começasse a planejar imediatamente para o terceiro, logo que possível.

Esta proposta foi recebida com entusiasmo por todos no jantar. Desta forma, o Ano Geofísico Internacional (AGI) foi concebido para envolver não só as regiões polares, mas toda a superfície da Terra, as profundezas do oceano e da atmosfera acima da Terra.

O Conselho Internacional de Uniões Científicas (ICSU), posteriormente aprovou a proposta Berkner e estabeleceu uma comissão especial, o Comité Spécial de l'Année Géophysique Internationale (CSAGI), para coordenar o planejamento científico de um programa mundial de cooperação da observação geofísica.

O período de 18 meses de 1 de Julho de 1957, a 31 de Dezembro de 1958, foi escolhido como o Ano Internacional, em parte porque esse período de tempo correspondia a um período de atividade solar máxima.

O CSAGI, com representantes de 40 nações, formou comitês nacionais para a IGY. As comissões nacionais estabeleceram seus próprios comitês Antártica, que se reuniram periodicamente na Europa para coordenar seus planos. Além da programação científica, as subcomissões trabalharam em um acordo sobre a localização das bases de apoio logístico mútuo na construção das bases, os planos para operações de socorro mútuo, comunicação e um clima de relatórios de rede.

Este grande assalto na Antártida envolveu 12 nações que concordaram em construir 60 estações no continente e na Antártida e ilhas sub-antárticas. Os Estados Unidos propuseram a criação de seis estações científicas, com uma estação de apoio na McMurdo.

McMurdo era necessária como uma área de teste para aeronaves no plano para construir a base no Pólo Sul. Os Russos também propuseram uma base no Pólo Sul, mas desde que os Estados Unidos tinham sido os primeiros a solicitar a localização, os Russos se comprometeram em obter o pólo geomagnético, além de suas bases na zona sul da Austrália.

Os Britânicos propuseram o envio de duas expedições ao Vahsel Bay na zona do Mar de Weddell para fins distintos da ciência e da aventura. Uma delas foi patrocinada pela Royal Society como uma base permanente, para realizar observações IGY.

A outra era uma base de apoio à comunidade Trans-Antarctic Expedition, que é conhecida na história da Antártica como "a última grande jornada na Terra". As pessoas cruzariam o continente, desde o Mar de Weddell, passariam o Pólo, e continuariam para o Mar de Ross.

Este - o sonho não realizado de Scott, Shackleton, e menos conhecidos exploradores - foi patrocinado pela Rainha Britânica Elizabeth II.

A Nova Zelândia planejou sua Base Scott na mesma área geral como a Estação McMurdo dos Estados Unidos e partilhou com os Estados Unidos a construção e operação da Estação de Hallett. O famoso Neozelandês Sir Edmund Hillary, que havia liderado a primeira conquista do Monte Everest, operou a partir da Scott Base num apoio magnífico de Sir Vivian Fuchs, um notável explorador polar para a Trans-Antarctic Expedition.

Em Dezembro de 1955, ambas as expedições Australiana e Francesa partiram da Austrália para aumentar suas bases na Antártida para o IGY. Estas expedições foram as maiores realizadas para o programa. As outras nações cumpriram as suas obrigações em conformidade com os acordos.

Houve realizações espetaculares nas áreas de logística e de exploração em preparação para a IGY. Aviadores norte-americanos liderados pelo Capitão "Trigger" Hawkes espalharam-se em nove grandes vôos para fotografar o continente.

Sir Vivian Fuchs e Sir Edmund Hillary atravessaram o continente em terra. Estas e outras operações revelaram novas cordilheiras a acrescentar ao mapa da Antártica.

A Antártida se tornou um lugar ocupado durante o AGI. Qualquer apreensão realizada sobre usurpar os créditos nacionais era dissipada pelo espírito quente de cooperação entre as nações. A partilha de informação científica foi tão gratificante e bem sucedida que foi acordado para continuar o programa Antártico indefinidamente.

Uma razão para a cooperação incomum na Antártida, foi a constatação de que nenhum retorno comercial rentável era provável no futuro previsível. O principal produto de exportação era o conhecimento científico, e que era caro. Este fato provavelmente pesou na decisão unânime para a adoção do Tratado da Antártica.

O Tratado da Antártida - 1959 e Depois

O Tratado Antártico, assinado em Dezembro de 1959 em Washington, DC, foi o resultado de vários anos de negociações na sequência de um tratado semelhante proposto pela primeira vez pelos Estados Unidos em 1948. Esta primeira tentativa de resolver a "questão apelativa" da Antártida não foi bem sucedida e, talvez, emprestou ênfase ao que a imprensa da época chamou de "uma corrida para a Antártida".

Várias nações reivindicaram setores do continente com base nas suas explorações nessas áreas. Em alguns casos, estas reivindicações se sobrepuseram. Os Estados Unidos não fizeram nenhuma reivindicação de territórios, não reconheceram nenhuma reivindicação de outras nações, e se reservaram o direito de acesso a todas as partes do continente.

Este baseou-se na perspectiva histórica que os pedidos por novas terras não podem ser estabelecidos pela descoberta sozinha, mas devem ser seguidos por colonização permanente.

Nos anos seguintes à primeira proposta de tratado pelos Estados Unidos, vários países continuaram a enviar expedições ao sul para reforçar suas reivindicações para a Antártida. A rivalidade se tornou aguda, e em alguns casos, os conflitos eclodiram ameaçando a paz do "Continente Branco". A área mais disputada foi a Península Antártica, onde os interesses do Chile, Argentina e Reino Unido colidiram.

Felizmente, nenhum conflito grave ocorreu. As nações continuaram os esforços para encontrar uma solução que evitasse conflitos políticos e garantisse o uso do continente para fins pacíficos. O sucesso extraordinário do Ano Geofísico Internacional abriu o caminho para o Tratado da Antártida de 1959.

As nações que primeiro assinaram esse tratado foram: Argentina, Austrália, Bélgica, Chile, França, Japão, Nova Zelândia, Noruega, África do Sul, a agora dissolvida União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, o Reino Unido e os Estados Unidos. Brasil, China, Equador, Finlândia, Alemanha, Índia, Itália, Holanda, Peru, Polônia, Coréia do Sul, Espanha, Suécia, Ucrânia, e Uruguai depois conduziram a atividade científica na Antártida; eles se tornaram votos signatários.

Em termos gerais, o tratado afirmava que a Antártida devia ser usada apenas para fins pacíficos. Quaisquer medidas de natureza militar - como o estabelecimento de bases militares, as manobras militares, e os testes de qualquer tipo de armas - foram proibidos. As explosões nucleares e a eliminação de resíduos radioativos também foram proibidos. A liberdade de investigação científica e plena cooperação eram para continuar.

A Antártida ainda atrai tanto aventureiros como cientistas. Em 1990, depois de uma viagem de sete meses de esqui e trenó, uma expedição internacional de seis-membros liderada por Jean-Louis Etienne da França e Will Steger dos Estados Unidos concluiu a mais longa de todas as travessias não-mecanizadas do continente.

Em 1994, Liv Arnesen da Noruega tornou-se a primeira mulher a viajar para o Pólo Sul, sozinha. Nesse mesmo ano, um estado-da-arte do observatório astronômico na estação Amundsen-Scott tornou-se plenamente operacional.

Devido à sua altitude e quase ausência de vapor d'água na atmosfera, os céus acima do Pólo Sul estão entre os mais claros sobre a Terra. Astrônomos planejam mapear a estrutura primitiva do universo. Eles esperam que os sofisticados telescópios do observatório permitirão determinar como e quando as galáxias se formaram.

Um protocolo para a Proteção do Ambiente da Antártica entrou em vigor em 14 de Janeiro de 1998. Ele impôs uma moratória de 50 anos em mineração e exploração de petróleo e desmilitarizou o continente. O protocolo deu à todos os países o direito de investigação científica na região; mas também criou um procedimento para o monitoramento ambiental da Antártica.

O Ano Polar Internacional

Em 2007, a Antártida foi considerada fundamental para a compreensão do clima da Terra e como ele muda. Cerca de 60 países concordaram em gastar US$ 1,5 bilhão para a expedição de mais de 10.000 pesquisadores para as regiões polares durante o Ano Polar Internacional (IPY), que começou em Março de 2007.

As bolhas de ar preservadas em núcleos de gelo da Antártida pareciam prováveis de fornecer o registro mais preciso até à data dos níveis anuais de dióxido de carbono na atmosfera. A análise de sedimentos do mar que reflete milhões de anos de mudanças de temperatura também seria útil.

Os cientistas queriam estudar o estado atual dos lençóis de gelo da Antártida também. O continente contém cerca de 90% do total do gelo do mundo. Se este gelo fosse derretido, aumentaria o nível do mar do mundo dramaticamente.

Os cientistas descobriram que as geleiras da Antártida ocidental se movendo a uma velocidade muito maior do que o esperado. Isso aconteceu porque a plataforma de gelo flutuantes que normalmente bloqueiam seu movimento estava derretendo.

As geleiras foram, portanto, perder uma massa que era equivalente a toda a folha de gelo da Groenlândia todos os anos, contribuindo para a elevação dos mares.

O Futuro da Antártida

Três fatos devem ser lembrados ao se imaginar o futuro da Antártica. Um deles é o afastamento do continente a partir do resto do mundo, particularmente os grandes centros comerciais. O segundo é que entre 95 e 98 por cento do continente está coberto por gelo glacial; o gelo é de até 4.200 metros de espessura em alguns pontos.

O terceiro é que na Antártida, como no Ártico, o frio intenso está emparelhado com longos meses de verão com pouca ou nenhuma luz. A combinação de distância, o frio extremo, e curtas horas de luz por mês em um momento vai provavelmente continuar a desencorajar a colonização do continente.

Uma mudança dramática no clima global, apinhamento severo de populações nas regiões habitadas da Terra, e muito menos dispendiosos meios de transporte poderiam alterar esta situação. Eles poderiam transformar a Antártica a partir de uma terra árida, coberta de gelo, em uma terra habitada.

As sub-bases de neve que foram construídas na Groenlândia e na Antártida poderão servir como modelos para futuras cidades. A energia nuclear poderia fornecer calor e eletricidade.

Os cientistas acreditam que o petróleo, carvão, diamantes, urânio, ouro, e prata permanecem sob a neve e gelo em silêncio. O problema é como miná-los e transportá-los a um custo razoável, sem danificar o meio ambiente. Outros recursos incluem os minúsculos peixes chamados krill que abundam nos mares de todo o continente. Os peritos em alimentos consideram o krill como uma boa fonte de proteína. Estes peixes pequenos ainda são caros para capturar e processar, no entanto.

Para o futuro próximo, é provável que a Antártida permanecerá muito como tem sido nos últimos tempos - um laboratório exclusivo para os cientistas e uma meta aventureira para os turistas atraídos pela beleza, a fauna, e o mistério da região.

Economia - visão geral:

Atividades científicas, ao invés de atividades comerciais são a atividade predominante humana na Antártida. Pesca ao largo da costa e do turismo, ambos baseados no exterior, conta para a atividade limitada da Antártida econômica.

Antártida pesca, visando três principais espécies - Patagônia e Antártica toothfish (Dissostichus eleginoides e D. mawsoni), cavala icefish (Champsocephalus gunnari), e krill (Euphausia superba) - patamar relatou 141.147 toneladas em 2008-09 (1 julho - 30 junho ). (Pesca estimado é da área coberta pela Convenção sobre a Conservação dos Recursos Marinhos Vivos (CCAMLR), que se estende um pouco além da área do Tratado da Antártida.) Pesca não regulamentada, particularmente de marlonga negra (também conhecida como robalo chileno), é um problema sério.

A CCAMLR determina os limites de captura recomendados para as espécies marinhas. Um total de 37.858 turistas visitaram a Antártida área do Tratado da Antártida no verão 2008-09, abaixo dos 46.265 visitantes em 2007-2008 (estimativas fornecidas ao Tratado da Antártida pela Associação Internacional de Operadores Antarctica (IAATO), o que não inclui passageiros em sobrevôos). Quase todos eles eram passageiros comerciais (não-governamentais) navios e iates que fazem várias viagens durante o verão.

Fotos

Antártida
Icebergs se aproximando cruzam mares ásperos, varridas pelo vento. 
Os icebergs (grandes pedaços de gelo de água doce) se soltou de uma geleira de neve formada ou da plataforma de gelo que cobre grande parte do continente

Antártida
Focas tomando sol em uma praia

Antártida
Participantes de cruzeiros que visitam uma das estações de pesquisa científica. 
Mais de 20 países operam durante todo o ano as estações que abrigam cerca de 1.100
pesquisadores no inverno e cerca de 4.400 pesquisadores no verão

Antártida
Canal de Lemaire entre ambos Island e da Península Antártica

George J. Dufek

Fonte: Internet Nations

Antártida

Continente Antártico, o mais isolado, frio, ventoso, elevado e seco continente da Terra, está situado na região polar austral; é formado por uma massa continental, localizada quase inteiramente dentro do círculo polar antártico. É cercado pelo Oceano Antártico, de limites imprecisos, formado pelo encontro das águas dos Oceanos Atlântico, Pacífico e Índico, a chamada Confluência Antártica.

Está localizado quase concentricamente em torno do Pólo Sul, sendo o quinto maior e o mais austral dos continentes. Profundas baías, mais para o sul dos Oceanos Pacífico e Atlântico, dividem o continente em duas partes desiguais.

A parte maior é conhecida como Antártica Oriental, por estar localizada, principalmente, em longitude leste. A parte menor, totalmente em longitude oeste, é chamada Antártica Ocidental. O leste e o oeste são separados pelas Montanhas Transantárticas.

Enquanto a Antártica Oriental consiste, principalmente, em um "plateau" elevado e coberto por gelo, a Antártica Ocidental consiste em um arquipélago de ilhas montanhosas, cobertas e ligadas entre si por gelo.

Exploração no Pólo Sul

O Continente Antártico constitui quase 10% da área continental do planeta, ou seja, 14.000.000 de quilômetros quadrados, aproximadamente o tamanho da América do Sul.

Cerca de 98% do Continente Antártico está coberto de gelo e de neve durante todo o ano, com uma espessura média de 2.000 metros que, em algumas regiões, pode ultrapassar 4.800 metros. Se todo esse gelo sofresse fusão, o nível dos mares do mundo se elevaria 60 metros.

Esse gelo, representa 90% de toda a água doce do planeta. No inverno, pelo congelamento dos mares em sua volta, a área do Continente Antártico aumenta para cerca de 32.000.000 de quilômetros quadrados, formando um cinturão de cerca de 1.000 quilômetros de largura.

As temperaturas médias anuais variam de 0ºC (verão) a -15ºC (inverno) no litoral e de -32ºC (verão) a -65ºC (inverno) no interior do continente. A menor temperatura já registrada foi de -89,2ºC, na Estação Vostok (ex-URSS), em 21 de julho de 1983, sendo também a mínima temperatura ambiente já medida na Terra.

A velocidade média do vento na região costeira da Terra Adélie é de, aproximadamente, 69 quilômetros por hora, e a velocidade máxima já registrada foi de 192 quilômetros por hora.

Pelo estudo de rochas e fósseis de vegetais e animais, evidencia-se uma analogia entre a Antártica e os outros continentes, particularmente a África, a América do Sul, a Austrália e a Ásia (Índia), aos quais esteve justaposta, formando o Supercontinente de Gondwana, até o início do processo de movimentação das placas litosféricas, que levou à dispersão global dos vários continentes há cerca de 150 a 180 milhões de anos atrás.

Esse processo prossegue até hoje, de acordo com a Teoria da Deriva Continental. Essa teoria foi proposta, em 1912, pelo astrônomo, meteorologista e geofísico alemão Alfred Wegener. Análise de dados obtidos com o estudo de rochas, fósseis, erosão de geleiras, recifes de coral e depósitos de carvão, entre outros, fazem com que a geologia moderna confirme a existência de Gondwana.

O Continente Antártico é o único continente em que o homem não viveu antes da implantação de estações baleeiras ou científicas. De toda a sua enorme área continental, apenas uma fração insignificante é ocupada por cerca de cinqüenta estações científicas que, muitas vezes, recebem apoio logístico de militares, localizadas, principalmente, em sua costa, na região da Península Antártica.

Fonte: www.ufsm.br

Antártida

A história do Brasil na Antártida

O primeiro brasileiro a pisar na Antártica foi o jornalista e médico Pernambucano Durval Rosa Borges, que visitou algumas bases americanas a fim de fazer uma reportagem para a revista "Visão". O primeiro brasileiro a visitar o Pólo Sul geográfico foi o meteorologista Rubens Junqueira Villela, em 1961.

O Brasil aderiu ao Tratado da Antártica em 1975, e com a criação do PROANTAR (Programa Antártico Brasileiro) alguns oficiais da Marinha passaram a fazer viagens à Antártida, com o apoio de ingleses e chilenos.

Um desses oficiais foi o comandante e oceanógrafo Luiz Antônio Carvalho Ferraz, que veio a emprestar seu nome à primeira estação brasileira na Antártica, cujos primeiros 8 módulos foram implantados em 1984 na ilha do Rei George.

Somente em1982 o Brasil realizou a sua primeira expedição à Antártida, no navio Barão de Teffé. Desde então têm sido realizadas expedições antárticas todo ano, e hoje a Estação Comandante Ferraz já conta com 62 módulos, chegando a abrigar 40 pessoas no verão, sendo que 12 brasileiros já estão lá há um ano.

Os estudos brasileiros na Antártida envolvem várias universidades e institutos de pesquisa que atuam nas áreas de Ciências da Vida, da Terra, da Atmosfera e Geofísica da Terra Sólida. Atualmente o Brasil conta com um novo navio para suas expedições antárticas, o Ary Rangel.

Geografia

A Antártica compreende inúmeras ilhas e o continente, a Antártida. Sua área é corresponde a 1.6 vezes o tamanho do Brasil. Isso no verão, porque no inverno a área do continente praticamente dobra de tamanho, por causa da grande quantidade de gelo que se forma no seu litoral.

O formato da Antártida é quase circular, com um braço (a Península Antártica) se estendendo na direção da América do Sul, terminando a apenas 1000 km do Cabo Horn (extremo sul das Américas).

O continente é dividido em duas partes pela cadeia montanhosa Transantártica, com 2900 km de extensão. 90% do gelo de todo o planeta está na Antártica, cobrindo 99% do seu território e comprimindo o solo cerca de 1,6 km para baixo, fazendo com que a plataforma continental antártica seja cerca de três vezes mais profunda que a dos outros continentes.

Ao mesmo tempo essa grande camada de gelo faz dele o continente de maior altitude média. O limite convencional da Antártica é 60° de latitude sul, mas seu verdadeiro limite físico é a Convergência Antártica, o ponto do oceano onde as águas geladas da Antártica se encontram com as águas quentes no norte, que varia entre as latitudes 48° e 60° sul. A Convergência Antártica também constitui o limite entre o oceano Antártico e os oceanos Atlântico, Índico e Pacífico.

Clima

Que a Antártica é o lugar mais frio do planeta todo mundo sabe, mas o que pouca gente sabe é que ela também é o lugar mais seco. Apesar de todo aquele gelo acumulado, a precipitação média é irrisória (cerca de 50 mm/ano), e sob este parâmetro a Antártica é o maior deserto do mundo.

Mesmo durante as terríveis nevascas que periodicamente flagelam a região, muita pouca neve realmente está caindo - a maior parte é neve que já caiu sendo levantada pelos fortes ventos da Antártica, os mais rápidos do planeta.

Essas nevascas são perigosíssimas porque reduzem a visibilidade para menos de 1 m, e várias pessoas já morreram a poucos metros de seus abrigos por simplesmente não terem conseguido encontrá-los.

No inverno as temperaturas médias variam entre -70°C a -40°C no interior e -32°C a -15°C no litoral, e no verão entre -15°C a -35°C no interior e -5°C a 5°C no litoral, sendo a Península Antártica o local mais quente, ou melhor dizendo, menos frio.

Ecologia

Os únicos animais que de fato habitam o território antártico são algumas espécies de insetos. O litoral antártico, contudo, possui diversas espécies de maior porte, inclusive o maior animal de todos, a baleia azul. Esta e outras espécies de baleias que habitam a região se alimentam basicamente de krill, um pequeno crustáceo parecido com camarão que só é encontrado no Oceano Antártico.

Vivem também na região diversas espécies de focas, como a foca Leopardo e a foca de Weddell e leões-marinhos, e também espécies de golfinhos e aves-marinhas, algumas notórias como as orcas, ou "Hourglass", o albatroz errante, o petrel e a pomba antártica.

Mas o mais típico e numeroso habitante da Antártica sem sombra de dúvida é o pingüim. As espécies mais comuns são os pingüim adélia, macarroni, barbicha e o pingüim de bico vermelho.

São animais extremamente dóceis e não se assustam com os humanos, mas mesmo assim o Tratado Antártico determina que humanos não se aproximem de pingüins e de qualquer outra espécie de animal a menos de três metros, para não estressá-los.

Além dos pingüins, outra espécies de pássaros abundantes na Antártica são o petrel, o gaivotão, o binguá, a pomba antártica e o escua. Este último é uma gaivota rapineira que voa sobre as colônias do pinguins (algumas delas gigantescas, com cerca de 150 mil animais) e se alimenta de tudo que morre nessas colônias e também de pingüins novos. Por causa dos escuas, os pingüins formam creches. Enquanto os pais vão se alimentar, outros pingüins tomam conta dos filhotes.

Quanto à flora, somente musgos e líquens podem ser encontrados, em pequenas quantidades, nas diminutas regiões livres de gelo. A Antártica é considerada "o continente da ecologia", pois o próprio Tratado Antártico define a região como uma reserva natural.

Afinal, a sua conservação é de vital importância para todo o planeta. Não podemos nos esquecer que lá está 68% da água potável da terra, que não pode ser poluída. Ao mesmo tempo, se essa água derreter demais, o nível dos oceanos subirá e poderá submergir cidades de todo o mundo.

Além disso, a Antártica é o melhor lugar para se estudar fenômenos físicos e climáticos de grande influência sobre o ecossistema do planeta, como o buraco na camada de ozônio e o aquecimento terrestre. Tudo isso faz deste continente um grande laboratório natural onde os países trocam informações para melhor compreenderem a natureza..

Governo

A Antártica é regida pelas leis de um acordo internacional, o Tratado Antártico, que evitou que antigas reinvidicações territoriais por parte de algumas nações fossem resolvidas pela força.

Este Tratado colocou em suspenso todas as reinvidicações territoriais já existentes e proibiu novas reinvidicações, determinando que toda a região ao sul da latitude 60° pode ser explorada por qualquer país, sem direito a posse, desde que com o objetivo de se realizar pesquisas científicas de propósitos pacíficos.

Também pelo Tratado não podem ser realizadas manobras militares nem testes nucleares, e toda atividade científica deve ser informada e comprovada junto à comunidade internacional. O Tratado Antártico é um exemplo sem precedentes de uma respeitada e bem-sucedida cooperação internacional.

Ainda que saibamos que a extrema adversidade das condições de vida na Antártida seja o maior fator de aproximação entre as nações.

Economia

Do século XIX até a década de 60 deste século, a maior atividade econômica empreendida na Antártica foi a caça de baleias e focas, várias espécies das quais até hoje estão em risco de extinção em virtude do verdadeiro massacre sofrido. Atualmente a pesca na Antártica está voltada para o krill e o atum.

Carvão, minério de ferro e outros minerais já foram encontrados na Antártica, e acredita-se que sob a sua plataforma continental existam grandes depósitos de petróleo e gás natural. O temor do desastre ecológico que a exploração desses recursos poderia causar fez com que em 1991 fosse estabelecido o Protocolo de Madri, proibindo a extração de minérios na Antártida nos próximos 50 anos.

População

Todos os residentes da Antártica são pesquisadores ou pessoal de apoio de diferentes nacionalidades que normalmente lá não permanecem por mais de um ano seguido.

A cooperação entre esses habitantes temporários é muito grande, pois grandes são as dificuldades de quem vive no gelo. Fora das estações as pessoas só andam em grupos, porque existem muitas fendas e lagos congelados. Se alguém cair na água do mar e não for socorrido em até três minutos e meio, pode ter choque térmico e parada cardíaca.

Durante o inverno a população é de cerca de 400 pessoas, número que aumenta cerca de sete vezes no verão. A primeira pessoa a nascer na Antártica foi Emilio Palma, filho de argentinos, em 1978.

Atividade Científica

Estudos importantíssimos têm sido realizados na Antártica.

Exemplos: Biólogos descobriram que o krill pode constituir uma fonte farta e barata de alimento nutritivo para toda a humanidade. Achados de fósseis comprovaram que a Antártida fazia parte do supercontinente original de Gondwana e forneceram importantes evidências para que se remontasse a seqüência da separação dos continentes.

Geólogos já coletaram milhares de meteoritos e até fragmentos lunares em ótimas condições de conservação. Glaciologistas descobriram grandes lagos de água doce (fontes potenciais de água potável para o mundo) no subsolo antártico.

A camada de gelo acumulada durante milhares de anos na Antártida é um verdadeiro arquivo natural de onde glaciologistas e climatologistas obtêm importantes informações sobre as alterações climáticas e ambientais que o planeta já sofreu.

Estudos psicológicos e sobre o sono são feitos durante o inverno, quando os habitantes da Antártica ficam isolados do mundo exterior. Por estas e muitas outras pesquisas, a Antártica representa o maior projeto científico da história da humanidade

Fonte: www.hollywood.com.br

Antártida

Sobre a Antártida, você sabia que...

Dizer Antártida ou Antártica está correto?

Na Antártida não há bactérias e em razão disto, alimentos podem ser consumidos após anos sem uso, não existe também o mofo, nem latas enferrujam e nem alimentos apodrecem?

Os blocos de gelo flutuantes (icebergs) são formados por água doce? É em razão disto que os mesmos flutuam, pois a água doce é mais leve que a água salgada do mar

A parte visível dos icebergs sobre as águas representam em média apenas 10% do seu total? 90% estão sob as águas

Só existem duas estações: verão com 6 meses de sol (não existem noites) e inverno com 6 meses de escuridão (não existem dias)

A temperatura média no verão é de 0° C e no inverno de - 20°C, chegando a máxima à - 70° C?

As reservas de carvão ali existentes podem suprir todas as necessidades do nosso planeta por alguns séculos?

Fonte: www.portalbrasil.net

Antártida
ANTÁRTICA: UMA BREVE INTRODUÇÃO

ALGUNS DADOS BÁSICOS

A Antártica é um imenso continente, com área de 13.829.543 km², ou seja, mais de 1,5 vezes o Brasil, situado a relativa proximidade do nosso país.

Este é, na verdade, o sétimo pais mais próximo do continente austral (cerca de 2.200km até Chui), depois do Chile, Argentina, Nova Zelândia, Austrália, África do Sul e Uruguai (Fig. 1).

Antártida
Fig.1 Comparação dos tamanhos da Antártica e do Brasil.

Mais de 99% do território antártico é permanentemente coberto por gelo, sob a forma de diversos tipos de geleiras. Rochas só são visíveis no verão, quando não há neve, limitadas a exposições junto à costa.

A Antártica contem 90% do gelo e 70% da água doce do mundo.

É o continente dos superlativos:

De maior altitude média (2.300m acima do n.m.)

Mais frio (temperatura mais baixa registrada, em 1983, na Terra, de -89,2º C, na estação russa de Vostok, no interior da Antártica)

Com ventos mais violentos, de até cerca de 320km/h. Característicos da Antártica são os ventos catabáticos (= que sopram encosta abaixo) gerados pelo resfriamento do ar, que se torna mais pesado e sopra radialmente do platô antártico (cerca de 2.300m de altitude), em direção ao mar, sob a força da gravidade.

Mais isolado. A Antártica é totalmente cercada pelos oceanos Austral, Atlântico, Pacífico e Índico. Localidades mais próximas estão a cerca de 1.000 km de distância (através do canal ou estreito de Drake), no sul da América do Sul). (Fig.2.)

Antártida
Fig.2 Isolamento geográfico da Antártica.

Mais seco. A precipitação média anual no Pólo Sul é de cerca de 50mm (equivalente em água), inferior a do deserto do Saára (menos de 254mm). É um verdadeiro deserto gelado. Precipitações maiores ocorrem no litoral e na península Antártica.

Antártica ou Antártida? Embora o nome Antártida seja correto (ele é usado nos documentos oficiais em português, como é o caso do Tratado da Antártida), a grafia mais usada é Antártica.

Antártica refere-se ao continente e ilhas próximas (como o arquipélago de Shetland do Sul). Região antártica inclui o Oceano glacial Antártico, atualmente chamado Oceano Austral, limitada pela Convergência Antártica, e as ilhas subantárticas (Orcadas, Georgías do Sul, Bouvet, Kerguelen, etc.

A Convergência é uma zona com 10-30 km de largura e disposição geográfica variável, em torno de 60º S, onde dá-se o encontro entre água mais quente (menos densa) do norte e água mais fria (mais densa) da Antártica, mergulhando esta sob aquela e percorrendo o fundo marinho, refrigerando os oceanos (Fig.3).

Antártida
Fig.3 Região antártica.

Somente como figura de linguagem Antártica e Pólo Sul são sinônimos. Pólo Sul corresponde ao ponto imaginário onde o eixo de rotação da terra corta a superfície desta.

O Oceano Glacial Ártico é recoberto permanentemente por uma placa de gelo marinho de espessura variável, formada pelo congelamento da água do mar, que no inverno liga-se com os territórios continentais que o cercam (América do Norte e Ásia) (Fig. 4).

Antártida
Fig.4 - foto Região ártica

Antártida
Fig.5 Manto de gelo antártico.

O Ártico tem uma população nativa (esquimós ou inuits). Não há população nativa na Antártica.

Pingüins são característicos da Antártica (ocorrem nas ilhas subantárticas, no sul dos continentes sul-americano e africano e mesmo mais ao norte)

Ursos polares só existem na região ártica. Como veremos, não há vertebrados terrestres nativos na Antártica portanto, não há predadores.

Em resumo, no Ártico há um oceano rodeado por terra, enquanto na Antártica há terra rodeada por oceano.

UM POUCO DE HISTÓRIA

Embora a idéia de um continente austral já existisse desde o tempo da Grécia antiga (arktos: urso, com referência à constelação da Ursa Maior), a Antártica só foi realmente descoberta há somente 187 anos (1820), sendo o último dos continentes a ser avistado e visitado.

Quem foi o autor da proeza é ainda motivo de controvérsia. Dois nomes disputam a primazia do primeiro avistamento do continente, o almirante da Rússia imperial, Fabian von Bellingshausen, durante circumnavegação do continente, e o americano Nathaniel Palmer, no mesmo ano. Pode-se argumentar que a descoberta se deu mesmo quando do primeiro desembarque, ocorrido no ano seguinte.

Desde então, a região e ilhas subantárticas passaram a ser freqüentadas pelo homem, inicialmente visando a caça da foca peleteira (para extração da pele) e do elefante marinho (para obtenção de óleo), atividade que se estendeu do início do séc, 19, ao começo do séc. 20 e que levou à quase dizimação das espécies, posteriormente protegidas e totalmente recuperadas.

À medida que as focas foram rareando, o interesse voltou-se para a caça às baleias (principalmente a azul e a minke),visando a produção de óleo, colocando também em risco essas espécies (Fig. 6).

Antártida
Fig.6 Ruinas de estação baleeira norueguesa no arquipélago de Geórgia do Sul.

Paralelamente a essas atividades, a partir do início do séc. 20 tiveram lugar expedições realizadas por vários países europeus e Estados Unidos com objetivo de exploração, pesquisa científica ou posse de território.

Esse período, que arbitrariamente termina com a morte do explorador britânico Ernest Shackleton, em 1922, é chamado de "Era Heróica" Os britânicos Robert Scott, Ernest Shackleton e o norueguês Roald Amundsen (Fig. 7a, 7b e 7c) foram, sem dúvida as figuras dominantes dessa época.

Amundsen competiu com Scott na conquista do Pólo Sul, atingindo-o em 1911, cerca de um mês antes de Scott, que sucumbiu junto com seus companheiros, na sua dolorosa volta do platô polar; Shacketon, em 1912, comandou o heróico resgate seu e de sua tripulação da desastrosa expedição ao mar de Weddell, onde seu navio afundou, após ficar preso no gelo marinho.

Antártida
A) Robert Scott
Antártida
B) Ernest Shackleton
Antártida
C) Roald Amundsen.

Outras expedições importantes, entretanto, ainda realizaram-se posteriormente, como o primeiro sobrevôo do Pólo Sul, pelo explorador americano Richard Byrd, em 1929 e a Expedição Transantártica da Comunidade Britânica (primeira travessia antártica por terra), liderada pelo britânico Vivian Fuchs com a colaboração do neozelandês Edmond Hillary (o conquistador do Everest), em 1957 (Fig. 8).

Antártida
Fig.8 Trator acidentado da expedição transantártica de Vivian Fuchs.

A ampliação dos interesses internacionais sobre a Antártica levou vários países, entre 1908 e 1943, a proclamarem unilateralmente posse de partes do território antártico, com base em diferentes argumentos, e.g. histórico, proximidade geográfica, continuidade geológica etc. A disputa territorial chegou a esquentar, havendo relatos de disparos de armas e confronto entre navios de guerra (Fig. 9).

Antártida
Fig.9 Reclamações territoriais na Antártica.

Terminada a 2ª Guerra Mundial, renovou-se o interesse mundial pelo continente austral, demonstrado pela realização de grandes expedições de exploração e pesquisa científica.

Os conflitos gerados pelas reivindicações territoriais, as tristes lembranças do recém-terminado conflito mundial e as tensões criadas pela guerra fria estimularam esforços internacionais visando o estabelecimento de algum tipo de cooperação mundial na administração do continente antártico.

O grande sucesso do Ano Geofísico Internacional de 1957-1958, ambicioso programa de pesquisa científica global, na criação de condições para o convívio pacifico e ampla colaboração científica entre pesquisadores de diferentes países.

Inclusive das duas superpotências, pavimentou o caminho para o estabelecimento, em 1958, do Comitê Internacional de Pesquisa Antártica (SCAR: sigla em inglês), órgão não-governamental responsável pela promoção e coordenação da ciência antártica, em âmbito mundial.

Propiciou, em seguida, a negociação do Tratado da Antártida, firmado pelos doze países (EUA, URSS, França, Noruega, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia, Chile, Japão, Bélgica e Argentina) que estabeleceram estações de pesquisa no continente, durante o AGI.

Vale notar que o Tratado, em seu Art.4, não discute a questão das pretensões territoriais, mas simplesmente declara que as reivindicações já existentes não são afetadas por esse acordo internacional.

O Tratado entrou em vigor em 1961 e, a partir de então, a administração do continente é feito com base nesse acordo internacional e em acordos complementares, relativos à proteção e conservação da fauna, flora e ambiente e recursos vivos antárticos.

Os geólogos explicam que a Antártica surgiu da fragmentação e afastamento de placas da crosta da terra, chamadas placas tectônicas, que deslizam lentamente, alguns centímetros por ano, sobre uma camada pastosa de rochas situada no interior do manto da Terra (camada abaixo da crosta, a mais de 100km de profundidade).

Esses fragmentos, unidos até cerca de 180Ma (Era Mesozóica), sob a forma de imenso supercontinente chamado Gondwana (Fig. 10), deram origem aos continentes que hoje chamamos de América do Sul, África, Austrália +Nova Zelândia e a própria Antártica.

 

Antártida
Permiano
225 milhões de anos atrás
Antártida
Triássico
200 milhões de anos atrás
Antártida
Jurássico
135 milhões de anos atrás
Antártida
Cretáceo
65 milhões de anos atrás
Antártida
Atualmente
Fig.10 Fragmentação do Gondwana.

O Gondwana, por sua vez, havia anteriormente, até cerca de 260Ma (Era Paleozóica), integrado um megacontinente mais antigo, o Pangéia, juntamente com outra enorme área continental, a Laurásia, constitutida pelos territórios da Europa e Ásia.

Durante dezenas de milhões de anos, portanto, a Antártica esteve em contato com as outras regiões do Gondwana, compartilhando sua história geológica.

O notável encaixe dos litorais da África e da América do sul e similaridades geológicas e paleontológicas entre a América do Sul, África e Antártica, representadas por fósseis de animais e plantas e de rochas de origem glacial, encontrados em terrenos da mesma idade, forneceram apoio à teoria da Deriva Continental, proposta inicialmente pelo cientista alemão Alfred Wegener, em 1919 (Fig. 11a, 11b e 11c).

Antártida
Fig. 11 - A) folha de Glossopteris

Antártida
Fig. 11 - B) Mesosaurus

Antártida
Fig. 11 - C) tilito (rocha glacial), Era Paleozóica.

Outros elementos posteriormente encontrados por geofísicos, nos fundos oceânicos, levaram a formulação da teoria das placas continentais, acima referidas.

A história geológica da Antártica exibe condições climáticas alternadas de aquecimento e resfriamento, documentadas, respectivamente, por rochas glaciais e florestas fósseis. O atual manto de gelo começou a formar-se há apenas 30 Ma.

A Antártica pode ser dividida em duas regiões distintas, separadas por uma extensa cadeia de montanhas, que atravessa o continente, denominada Montanhas Transantárticas (Fig. 12).

Antártida
Fig.12 Regiões antárticas.

A Antártica Oriental é maior, coberta por manto de gelo mais extenso e espesso, cujo assoalho rochoso é constituído por rochas antigas, do Pré-Cambriano (mais de 540 Ma) e das eras Paleozóica e Mesozóica (mais novas que 540Ma, até 65Ma). Trata-se de região mais estável, comparável à metade brasileira da América do Sul.

A Antártica Ocidental, por sua vez, é formada por terrenos mais jovens, que sofreram dobramentos e intenso vulcanismo, principalmente durante as eras Mesozóica e Cenozóica, analogamente à faixa andina do oeste da América do Sul, da qual pode ser considerada uma continuação. É formada pela junção de vários pedaços da crosta da Terra ou microcontinentes.

A Península Antártica constitui a maior porção da Antártica Ocidental. Trata-se de uma faixa montanhosa estreita e sinuosa que se estende para o norte, em direção à América do Sul.

O perfil topográfico da Antártica, atravessando as montanhas, é de um enorme domo, ou seja, convexo para cima, desde o platô antártico, descendo radialmente em direção ao mar.

As montanhas mais altas da Antártica atingem quase 5.000m de altura (monte Vinson, 4.892m). Vulcanismo ativo ocorre na região oriental (monte Erebus) e na ocidental (caldeira da Ilha Decepção, arquipélago de Shetland do Sul).

A palavra Antártica é imediatamente associada, com justa razão, ao frio. Três regiões climáticas podem ser reconhecidas no continente. No interior, as temperaturas estão permanentemente abaixo de zero (verão: média anual de -25ºC; inverno: média de -60ºC).

Na região costeira, as temperaturas são menos baixas e a precipitação maior. Na Península Antártica, as temperaturas no inverno descem a ºC ou alguns graus abaixo de zero, e no verão situam-se em torno de 0ºC, variando de alguns graus acima ou abaixo.

Por esse motivo os cientistas chamam a área da península e ilhas vizinhas de "banana belt" da Antártica.

Há praticamente duas estações do ano na Antártica, o verão, de outubro a março e o inverno de março a outubro. Nas latitudes mais altas do continente, o inverno corresponde a uma longa noite e o verão a um longo dia.

Porque a Antártica é tão fria, na verdade mais fria que a região ártica?

Há várias razões para isso. A Antártica está isolada climaticamente do resto do mundo pela Convergência Antártica que impede a chegada de correntes de água mais quente dos trópicos.

A altitude da Antártica é outro fator. Como vimos trata-se do continente mais alto em média. O Pólo Sul está a 2.385m de altura. A cada 100m de altura a temperatura baixa 1 grau.

A enorme extensão de gelo branco tem alto poder de refletividade dos raios solares (dizemos que tem alto albedo), fazendo com que a Antártica seja considerada um "sumidouro" do calor terrestre.

Um fenômeno interessante, com reflexo na vida humana, é o fator vento ("wind chill factor"), que acentua a sensação de frio, tornando-o insuportável e perigoso para o nosso corpo, já que desfaz a zona de temperatura mais elevada que desenvolvemos em torno deste.

Por exemplo: se a temperatura do ar for de -10ºC e a velocidade do vento 30km/h (correspondente a brisa moderada, na escala de Beaufort), a sensação térmica será de aproximadamente - 30ºC.

Exposição a essas temperaturas leva a queimaduras na pele, congelamento das extremidades que, se não tratadas, podem causar a perda de dedos ou de outras partes do corpo.

Os ventos fortes são responsáveis por um fenômeno que dificulta ainda mais a locomoção e sobrevivência humanas no interior da Antártica, em especial no platô central, extensa superfície branca e desolada, onde é difícil avaliar distâncias, dada a falta de referências topográficas ou outras.

Trata-se das tempestades de neve (blizzards), durante as quais o vento carrega grande quantidade de neve, tornando a atmosfera esbranquiçada, barrando totalmente a visão (Fig. 13).

Antártida
Fig.13 Tempestade de neve.

As condições climáticas inóspitas da Antártica são ainda mais extremas nos chamados vales secos das montanhas Transantárticas.

Os vales são áreas desprovidas de gelo, desde cerca de 3Ma, extremamente frios e áridos, escavados pela erosão de geleiras, que depois recuaram e não mais voltaram a ocupá-los totalmente.

Durante o verão, o degelo forma rios que drenam os vales, desembocando em lagos. O solo e os lagos dos vales contém organismos muito simples, como algas, micróbios, e minúsculos vermes, adaptados a essas condições extremas.

Em vista disso, cientistas pensam que os vales secos simulam condições que poderão existir em corpos do Sistema Solar, como é o caso de Marte.

A diminuição periódica da camada de ozônio estratosférico sobre a Antártica, durante a primavera austral (setembro-dezembro), criando o chamado buraco de ozônio, descoberta em 1975, criou grande apreensão pública, em razão do conseqüente aumento da radiação UV associada prejudicial aos organismos vivos, inclusive populações humanas (Fig. 14).

Antártida
Fig.14 Buraco de ozônio sobre a Antártica (2006).

O mecanismo de destruição do ozônio envolve a ação do cloro liberado de produtos, tais como, os clorofluorcarbonos (freon), até há algum tempo usados em geladeiras e aparelhos de ar condicionado. O Protocoço de Montreal de 1987, restringiu o uso industrial desses produtos. Há evidências de que o buraco de ozônio possa se recupeeraar totalmente nos próximos anos.

O GELO ANTÁRTICO

A cobertura de gelo é, sem dúvida, o elemento mais conspícuo da paisagem antártica.

O gelo forma-se a partir da neve que cai no inverno nas regiões mais altas e não derrete totalmente no verão seguinte, acumulandose e modificando-se pela compressão das camadas que vão se depositando ao longo do tempo. A neve compacta-se, aumentando sua densidade até transformar-se em gelo sólido.

A partir de uma certa espessura, a tremenda compressão exercida pelo peso do gelo e a força da gravidade fazem com que ele flua como se fosse uma substância plástica, levando à movimentação das geleiras.

A maior parte da Antártica está coberta por uma imensa geleira, sob a forma de espesso manto, com espessura média de 2.000m e máxima de mais de quase 5km, que se movimenta lentamente (10m/ano), radialmente, do platô antártico em direção à costa (Fig. 15).

Antártida
Fig.15 Platô antártico.

Por causa do fluxo do gelo, o marco da posição do Pólo Sul (marco cerimonial), que os americanos mantém, junto à estação de Amundsen-Scott, tem de ser periodicamente reposicionado.

O atrito das geleiras com seus assoalhos produz calor que associado ao calor geotérmico (calor terrestre produzido pela radioatividade) causa derretimento local do gelo, gerando água, que serve de lubrificante para a movimentação mais rápida das geleiras, sob a forma de correntes de gelo.

Cientistas russos divulgaram, pela primeira vez, em 1996, a existência de uma enorme lago, denominado Vostok (Fig. 16), do tamanho do lago Ontário (400km de comprimento), sob uma espessura de gelo do manto de cerca de 4km, abaixo da estação homônima.

Apesar disso (e por razões ainda não totalmente conhecidas), a água mantém-se líquida (grau geotérmico, pressão do gelo etc. têm sido mencionados para explicar a situação). Pensa-se que o lago tenha ficado selado desde (no mínimo) 500 mil a 1 milhão de anos, podendo conter organismos vivos que ficaram totalmente isolados do exterior.

Antártida
Fig.16 Lago subglacial Vostok.

Sabe-se hoje da existência de 145 lagos subglaciais (debaixo do gelo) na Antártica, interligados sob a forma de rede de canais. Projeto de pesquisa, internacional, em andamento, pretende estender a perfuração do manto de gelo realizada na estação russa de Vostok e atingir a água e sedimentos do fundo do lago e coletá-los para estudo.

Essa investigação poderá fornecer dados úteis para o estudo de ocorrências de gelo em corpos do Sistema Solar, como é o caso de Europa, uma das luas de Júpiter.

Ao atingir o mar, as geleiras podem parar ou continuar avançando a velocidades de até 3m por ano, até formarem grandes placas flutuantes (a densidade do gelo é menor que a da água do mar), as chamadas plataformas de gelo (Fig. 17).

Na Antártica, as plataformas de gelo de Ross (que cobre o mar de Ross) e de Filchner- Ronne (que cobrem o mar de Weddell) são imensas. A de Ross tem área maior que a da Espanha. A espessura das plataformas atinge até 200 m.

Antártida
Fig.17.Plataforma de gelo de Ross.

Em alguns locais, o gelo da base das plataformas derrete adicionando água doce ao mar. O fraturamento da margem das plataformas leva à formação de icebergs tabulares, típicos da Antártica (Fig. 18). Alguns são imensos com até 300km de comprimento. A maior parte de sua espessura fica submersa na água do mar.

Antártida
Fig.18 Iceberg tabular.

Durante o inverno austral, o mar congela (a cerca de -1,8ºC, por causa do sal), gerando uma camada de gelo de até poucos metros de espessura, chamado gelo marinho ou do mar. A área marinha coberta pelo gelo na Antártica varia de 3 milhões de km2, em fevereiro, a 20 milhões de km2, em outubro (Fig. 19).

Fig.19 Variação sazonal da extensão do gelo do mar:

Antártida
A) inverno

Antártida
B) verão

A importância do gelo do mar na atmosfera, oceano e vida marinha é enorme. Sua presença e extensão alteram a iluminação, temperatura, salinidade e densidade da água do mar. O gelo marinho tem grande impacto no balanço de radiação solar que atinge o oceano e no clima global, em razão da alta refletividade do gelo ou alto albedo.

É oportuno lembrar que o derretimento do gelo marinho não resulta em aumento do nível do mar (princípio de Arquimedes). Somente o degelo das geleiras continentais têm esse efeito.

A despeito das temperaturas muito baixas, animais e plantas adaptaram-se vida sob as condições extremas existentes no continente e Oceano Austral, sendo muitos deles extremamente abundantes, permanentemente ou durante o verão austral.

Não existem vertebrados terrestres na Antártica e, portanto, não há predadores maiores. Os poucos animais nativos são raros invertebrados, dentre os quais vermes nematódeos e pequenos insetos, mais comuns na área da Península Antártica e ilhas vizinhas (Fig. 20).

Antártida
Fig.20 Inseto terrestre antártico.

Além de algas, que colorem as geleiras, vegetais terrestres incluem musgos e liquens, às vezes sob a forma de grandes tapetes de vegetação, em áreas livres de gelo, onde também podem-se encontrar as duas única plantas com flores (angiospermas), representadas por tufos de pequenas gramíneas (Fig. 21).

Antártida
Fig.21 Gramínea antártica.

Durante o curto verão austral, a costa e o gelo do mar são freqüentados por focas e aves, em concentrações por vezes imensas, que aí vem procriar.

Seis espécies de focas visitam a Antártica. Cinco delas, de Weddell, de Ross, leopardo, caranguejeira e elefante são focas sem orelhas, enquanto que uma única, a peleteira, exibe um pequeno par desses apêndices.

Os elefantes marinhos são as mais impressionantes pelo tamanho (até 6 m de comprimento e 3ton de peso), que passam o verão nas praias da Antártica, em grande bandos de machos, com característica tromba curta, cercados por haréns de fêmeas, menores, sem trombas.

A foca peleteira foi impiedosamente caçada desde meados do séc. 19 até 1960, tendo sido quase dizimada, por causa de sua pele valiosa (Fig. 22a e 22b).

Antártida
Fig.22 A) elefante marinho

Antártida
B) fêmeas de elefante marinho.

Algumas dezenas de espécies de aves (cerca de 35) são conhecidas abaixo da convergência antártica, mas nem todas chegam à Antártica. As mais comuns são os albatrozes, petréis, gaivotas rapineiras (skuas), pombas, cormorões etc. e, é claro, os pingüins (Fig. 23).

Antártida
Fig.23 Pinguim antártico.

Os pingüins são as aves-símbolo da Antártica. Quinze espécies são conhecidas, mas somente três delas vêm à Antártica para procriar (antártico, papua, macaroni) ou permanecem na região (Adélia e imperador). Este último, o maior pingüim conhecido, atinge mais de um metro de altura e até 35 kg de peso, tornou-se popular graças a recente documentário de grande sucesso.

As chamadas pingüineiras ou ninhais (áreas de procriação) (Fig. 24), sobre rochas costeiras podem abrigar centenas de milhares de casais e filhotes, que fazem um barulho infernal e espalham odor horrível a grande distância.

Antártida
Fig.24 Ninhal ou pingüineira.

Finalmente, a vida pulula nos mares antárticos, envolvendo a presença de vertebrados (peixes) e numerosos grupos de invertebrados, esponjas, anêmonas, estrelas do mar, ouriços do mar, anelídeos, crustáceos, moluscos. A fauna caracteriza-se por ser pouco diversificada, mas incluir grande número de espécimes (Fig 25a e 25b).

Antártida

Antártida
Fig.25 (A e B) Invertebrados marinhos antárticos.

As espécies crescem e se reproduzem mais lentamente. Formas gigantes são comuns, como é o caso do isópodes (crustáceo) (Fig. 26) e aranhas do mar (de até 70 centímetrode envergadura). Pensa-se que o gigantismo resulte do maior teor de oxigênio na água do mar.

Antártida
Fig.26 Isopoda gigante antártico.

O krill (Fig. 27), pequeno crustáceo semelhante ao camarão, é abundantíssimo, ocorrendo em grandes cardumes, situa-se na base da cadeia alimentar marinha, sendo alimento de muitas espécies de vertebrados e invertebrados, inclusive pingüins, focas, baleias, lulas etc.

Antártida
Fig.27 Krill.

Uma questão que surge com relação à vida na Antártica referese à adaptação de animais e plantas ao rigoroso clima da região. Várias estratégias foram desenvolvidas durante a evolução dos grupos de organismos que colonizaram ou frequentam o continente.

Invertebrados reduzem seu metabolismo ou desidratam-se; peixes contém anti-congelante no sangue; pingüins e focas dispõem de espessa capa de gordura, além de outras proteções.

As condições inóspitas da Antártica obviamente afetam também a sobrevivência humana. Quatro fatores controlam as condições ambientais para a espécie humana: o frio, a altitude, o vento e a disponibilidade de infra-estrutura para abrigo.

Atividades humanas na antártica só podem ter lugar se as pessoas dispuserem de vestuário, alimentação, transporte (navio, avião, helicóptero, barco, moto de neve, trator de neve etc.) (Fig. 28a, 28b, 28c e 28d) e abrigo adequados (estação ou base, refúgio, barraca) (Fig. 29a e 29b).

Antártida
Fig.28 Meios de transporte: A) navio polar;

Antártida
Fig.28 B) Hercules C-130;

Antártida
Fig.28 C) helicóptero;

Antártida
Fig.28 D) bote inflável.

Expedições antárticas são, pois, atividades complexas e caríssimas e não desprovidas de risco, já que todos os elementos acima têm de existir. De vital importância é também a disponibilidade de combustível para diversos fins, inclusive aquecimento, motores de veículos e de equipamentos.

ANTÁRTICA E AQUECIMENTO GLOBAL

Os cientistas antárticos concordam em que a região antártica (continente e oceano Austral) é de vital importância como reguladora do clima terrestre.

Isso acontece de várias maneiras, como, por exemplo:

O Oceano Austral funciona como sorvedouro do calor e de gás carbônico terrestres (gelo do mar e fitoplâncton).

A enorme extensão do gelo do mar, durante o inverno, e do manto de gelo ajudam a controlar a troca de energia entre o sol, Terra, oceano e atmosfera.

O congelamento do mar retira sal da água e posteriormente o libera, quando de seu derretimento, resultando em variação na densidade da água do mar, influenciando assim a formação de correntes marinhas e as condições de vida de animais e plantas marinhas.

Mudanças no clima global podem ter impactos sobre o ambiente antártico, deflagrando série de mudanças, como, por exemplo, na área ocupada pelo gelo marinho, o que, por sua vez, afetam o ecossistema, onde vivem animais e plantas perfeitamente adaptadas às difíceis condições ambientais atuais, finalmente, alterando a capacidade de absorção de gás carbônico pelo Oceano Austral.

O aquecimento da atmosfera e oceano ao redor da Antártica pode levar à perda de massa do manto de gelo por derretimento, liberação de icebergs e destruição de plataformas de gelo, deste o modo, resultando em aumento do nível do mar. Estima-se o desaparecimento do manto de gelo antártico causaria uma elevação de 60-70m no nível dos oceanos, com efeitos catastróficos sobre populações humanas ribeirinhas.

Somente com pesquisa científica intensa e de longa duração poderemos entender melhor o papel da região antártica no sistema Terra.

Dados já existentes mostram que a costa ocidental da península Antártica, sofreu aumento significativo da temperatura atmosférica média, superficial, anual, de 3ºC, durante os últimos 50 anos, uma das maiores e mais rápidas elevações térmicas registradas na Terra.

Diferentemente do Ártico, medidas existentes não indicam, contudo, diminuição da extensão do gelo do mar, a não ser, novamente, na costa ocidental da península. No total, parece estar havendo equilíbrio.

Ainda nessa região, algumas evidências notadas por pesquisadores, como, por exemplo, a diminuição na população de pingüins Adélie, espécie adaptada ao gelo do mar, e aumento da de pingüins antárticos, mais encontradiços em águas abertas, a expansão da colonização de novas áreas por plantas e a diminuição do krill podem estar relacionados com a restrição em área do gelo do mar.

Muitas geleiras da península recuaram nos últimos anos e plataformas de gelo (como a Larsen B, na península Antártica) praticamente desapareceram, alterações essas atribuídas ao aumento da temperatura regional acima referida.

Previsões sobre o que vai acontecer, se houver aumento de alguns graus de temperatura na região antártica, são igualmente problemáticas. Alguns trabalhos propõem que uma atmosfera mais quente resultaria em maior precipitação e aumento do gelo antártico.

A.C. Rocha Campos
CENTRO DE PESQUISAS ANTÁRTICAS Universidade de São Paulo - USP

Fonte: www.britishcouncil.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal