Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Antártida  Voltar

Antártida

Neve, gelo, ursos polares, pinguins. Isso soma tudo o que a maioria das pessoas sabem sobre as regiões polares da Terra. De fato, se você souber colocar ursos polares no norte Ártico e pinguins no sul Antartico, você tem um melhor conhecimento do que a maioria. Os literais "confins" da Terra, o Ártico e o Antartico abrigam os mais frios e inquestionavelmente mais rigorosos climas. Assim não é nenhuma surpresa que remanescem entre as menos exploradas e menos familiares regiões do mundo. Ainda, seu ambiente "do além" nunca deixa de fascinar - com as lúgubres luzes da aurora, o Sol da meia-noite do verão, e a escuridão de 24 horas do inverno.

Essencialmente, o Ártico é um oceano cercado por continentes, enquanto que o Antártico é um continente (Antartica) cercado por oceanos. O menor dos oceanos do mundo, o Oceano Ártico mede uma área de cêrca de 14.090.000 km².

O gelo cobre a maioria da sua superfície, mas nunca é uma cobertura contínua. Margeando o oceano encontram-se as costas nortenhas baixas da Eurasia e da America do Norte, a grande ilha da Groenlandia, e as muitas ilhas menores do Arquipélago Ártico. A Antartica, o quinto maior continente, se estende por cêrca de 13.200.000 km². Uma enorme placa de gelo com até 5 km de espessura cobre 95% do seu escarpado terreno. Alimentada pelas geleiras no centro montanhoso do continente, a placa de gelo se estende além da terra contínua como enormes e flutuantes saliencias de gelo.

O Ártico e o Antártico compartilham um clima polar demasiado frio para suportar o crescimento de plantas grandes ou a sobrevivência de alguns dos mais adaptados animais. Virtualmente toda a Antartica, o interior da Groenlandia, e as parcelas norte do Arquipélago Ártico remanescem sob uma capa de gelo permanente, com temperaturas médias aproximando-se ou abaixo de zero por todo o ano. Somente algumas plantas primitivas como o musgo e o líquen podem sobreviver à tais circunstâncias. Todos os animais das capas de gelo polares devem procurar seu alimento no mar. O continente Ártico tem um clima de tundra mais ameno que suporta gramas e arbustos pequenos, pastando animais como o caribu e a lebre do Ártico, e dispersando predadores como as raposas do Ártico e as corujas brancas.

As temperaturas do inverno caem bem abaixo do congelamento nas regiões polares, mais severamente na Antartica, onde as temperaturas registradas de - 89 °C fazem deste o lugar mais frio na superfície da Terra. O clima frígido resulta principalmente dos invernos longos e escuros, em que o Sol não se levanta por dias e meses no período. Em conseqüência, as regiões polares perdem mais calor do que absorvem. Nem mesmo os intermináveis dias do verão compensam a perda, quando a neve e o gelo refletem os raios do Sol. As regiões polares podem também ser consideradas desertos, porque seu ar frio retém pouca umidade.

Antártida
Antártida

As noites polares são famosas por suas ondulantes luzes da aurora, produzidas quando o eletricamente carregado "vento solar" interage com o campo magnético da Terra. Em décadas recentes, os céus polares ganharam também nota por um fenômeno mais preocupante. Nuvens de cristais gelados na atmosfera elevada acima dos pólos permitem uma reação destrutiva entre determinados poluentes feitos pelo homem e a camada de ozônio que protege a vida na superfície da radiação solar prejudicial. "Buracos de ozonio" sasonais formam-se agora sobre as regiões polares cada ano, mais dramàticamente acima da Antartica.

Contudo uma outra tendência preocupa: os cientistas notaram um firme deslocamento ascendente nas temperaturas polares durante os 50 anos passados. Humano ou natural, o aquecimento tem produzido o derretimento que, se continuar, poderá elevar os níveis do oceano mundialmente.

Os povos do Ártico incluem os difundidos Inuit ("Esquimós") da América do Norte, da Groenlandia, e da Sibéria; e os Sami (Lapônios), os Samoyedas, e os Yakut da Eurasia. O Antartico não tem nenhum povo "nativo", mas tem atraído um crescente número de cientistas e de turistas que vivem por meses em acampamentos de clima controlado.

Os seres humanos entraram primeiramente no Ártico há uns 10.000 anos, muito provavelmente perseguindo o caribu fora do norte da Europa. Por contraste, a primeira pessoa conhecida por navegar através do Círculo Antartico - James Cook - o fêz em 1773. O final dos 1800s e o início dos 1900s foram uma era de heróicas expedições polares. Muitos pagaram com suas vidas por suas tentativas para alcançar um pólo ou o outro. Finalmente, em 1909, os Americanos Robert Peary e Matthew Henson alcançaram o Pólo Norte com 4 guias Inuit. Em Dezembro de 1911, uma equipe liderada pelo explorador Norueguês Roald Amundsen alcançou o Pólo Sul um mês antes de um grupo liderado pelo Inglês Robert Scott. O grupo de Scott pereceu em sua viagem de retorno. Reivindicações territoriais sobre a Antartica e as águas não-costeiras do Oceano Ártico remanescem indeterminadas. Entretanto, as nações do mundo têm concordado que estas regiões polares remotas devem sempre ser usadas para finalidades pacíficas.

PANORAMA ECONOMICO

A pesca fora da costa e o turismo, ambos baseados no exterior, representam a limitada atividade econômica. Os pescados da Antartica em 2000-01 (1 Julho-30 Junho) relataram 112.934 toneladas métricas. A pesca não regulada, particularmente de peixes dentados, é um problema sério. A pesca alegadamente ilegal nas águas Antarticas em 1998 resultou na apreensão (pela França e pela Austrália) de ao menos 8 navios pesqueiros. A Convenção Sobre a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos da Antartica determina os limites recomendados de captura para espécies marinhas. Um total de 12.248 turistas visitaram no verão Antartico de 2000-01, abaixo dos 14.762 que a visitaram no ano precedente. Quase todos eles eram passageiros em 21 navios comerciais (não governamentais) e em diversos yachts que fizeram viagens durante o verão. A maioria das viagens turísticas duraram aproximadamente duas semanas.

QUESTÕES INTERNACIONAIS

Há reivindicações no Tratado Antartico; há seções (algumas que se sobrepõem) reivindicadas pela Argentina, Austrália, Chile, França, Nova Zelandia, Noruega, e Reino Unido; os Estados Unidos e a maioria dos outros estados não reconhecem as reivindicações territoriais de outros estados e não fizeram nenhuma reivindicação por si próprios (os Estados Unidos e a Rússia se reservam o direito de fazê-lo); nenhuma reivindicação foi feita no setor entre 90 graus oeste e 150 graus oeste; diversos estados com reivindicações de terra na Antarctica expressaram sua intenção de submeter dados à Comissão dos Limites da Plataforma Continental da ONU para estender suas reivindicações da plataforma continental aos cumes submarinos contíguos.

ATUALIDADES

Uma Surpreendente Aventura Antartica

História foi feita em 11 de Fevereiro de 2001, quando Ann Bancroft e Liv Arnesen tornaram-se as primeiras mulheres à cruzar a Antartica, um feito que elas realizaram em esquis. Uma vez que conseguiram seu objetivo preliminar - a viagem através da massa terrena da Antartica - as mulheres decidiram renunciar ao cruzamento planejado da Saliência de Gelo Ross. Ao invés, elas pediram que um avião fosse enviado para retorná-las à civilização. E assim, em 16 de Fevereiro, um avião aterrou numa pista de decolagem construída por Bancroft e Arnesen. Seu passo seguinte foi um navio para levá-las para a Austrália, seguido por um vôo à Nova York.

Antártida

Antártida

Bancroft e Arnesen são exploradoras polares sasonais. Em 1986, Bancroft, que é de Minnesota (EUA), tornou-se a primeira mulher à viajar para o Polo Norte por trenós. Ela também liderou uma equipe de mulheres que esquiaram do extremo da Antartica ao Pólo Sul em 1992-93. Em 1994, Arnesen, da Noruega, tornou-se a primeira mulher à esquiar para o Polo Sul sozinha, com nenhuma ajuda externa (ela carregou todo seu suprimento e equipamento). Um ano mais cêdo, ela tinha liderado a primeira equipe de mulheres à esquiar sem-ajuda através da capa de gelo da Groenlandia.

Após treinar por meses para a expedição, as mulheres saíram do Território da Rainha Maud da Antartica em meados de Novembro. As exploradoras esquiaram mais de 10 horas por dia, puxando os trenós carregados com cêrca de 110 kg de suprimentos. Quando as circunstâncias eram apropriadas, elas se prendiam com correias sobre velas - dispositivos parecidos com pipas que as puxavam longitudinalmente em seus esquis. Elas falavam entre si por rádios de 2-vias e carregavam um transmissor em caso de uma emergência.

Sua primeira "parada" era o Polo Sul. Mas à apenas 450 km desse marco, o vento de repente - e incaracteristicamente - cessou de soprar. Assim, em vez de ràpidamente cruzar através da capa de gelo, as mulheres foram forçadas à puxar seus trenós atrás delas, retardando-as para uns árduos 1,6 km/h. Com seu progresso reduzido à um rastejar, o alimento logo começou a se esgotar, e o racionamento tornou-se necessário.

Finalmente, as circunstâncias retornaram ao "normal" - o que, para a Antartica, significa temperaturas brutalmente frias e ventos de 160 km/h - e as mulheres terminaram sua travessia. Mas agora, com a viagem superada e seu lugar nos livros de história seguro, Bancroft e Arnesen concordam que apreciaram a viagem e a companhia uma da outra. De fato, elas planejam outras aventuras juntas - em qualquer lugar exceto a Antartica!

Fonte: br.geocities.com

Antártida

Conhecido como o continente mais frio, seco e de fortes ventanias, localizado no extremo sul do planeta.

Um local grandioso e um paraíso fabuloso para a vida selvagem, com um incomparável cenário de montanhas, neve e gelo. É um privilégio visitar este inspirador continente e experimentar a magia que encantou centenas de exploradores, aventureiros e cientistas por mais de dois séculos e, recentemente, os viajantes de todo o mundo.

Com seus longos dias de verão, entre os meses de novembro a março, há possibilidade de explorar vastas colônias de pingüins, observar baleias, avistar centenas de focas descansando nas massas de gelo flutuantes, e se maravilhar com a extraordinária variedade de tamanhos e cores dos icebergs.

As vistas são indescritíveis: imponentes glaciais e pedaços de gelo caem quase verticalmente no mar.

Os passageiros são acompanhados por cientistas que fornecem todas as informações necessárias. As viagens ao interior do continente, a partir das bases, são realizadas em simpáticos veículos “trucks”, além de pequenas caminhadas. Durante todo o trajeto, há oportunidade de conversar com os residentes das bases, já que a Antártida não tem população nativa.

A Antártida tem forma circular, a extensão total é de 14,2 milhões de km2 no verão e, durante o inverno, tem o dobro do tamanho. O verdadeiro limite da Antártida é a Convergência Antártica, zona definida nos extremos sul dos oceanos Atlântico, Índico e Pacífico.

Mais de 95% do continente está coberto de gelo, que contém perto do 90% de toda a água doce do mundo. Devido à esta grossa capa de gelo, a elevação média é de 2.300 metros. O ponto mais elevado do continente é o Maciço Vinson (5.140 metros) e o mais baixo é a fossa subglaciar de Bentley (2.499 metros abaixo do nível do mar), a oeste da Antártida. Esta fossa está coberta por mais de 3.000 metros de gelo e de neve. É possível que existam pontos ainda mais baixos, mas até hoje foram descobertos.

Principais Atrações

Bases Antártidas

Na península existem bases orientadas ao estudo de diversos fenômenos científicos.

Antártida
Bases Antártidas

Colônias de Pingüins

Antártida
Colônias de Pingüins

Ao largo da viagem poderia visitar lugares como a Isla Rey Jorge, Ilha Meia Lua e Yankee Harbour, onde ainda diversas espécies de pingüins, entre os quais se destacam Adeliae, Chinstrap e Gentoo.

Ilha Geórgia do Sul

Antártida
Ilha Geórgia do Sul

Esta ilha localizada a 1350 Km da Antártica, no meio do Atlântico, é uma maravilha da natureza. É onde fica a estação baleeira de Grytviken onde o famoso explorador polar Inglês Sir Ernest Shackleton foi sepultado.

Ilha Peter

Antártida
Ilha Peter

Ilha Peter é a segunda ilha mais remota do mundo. De helicóptero pode-se descer sobre a barreira de gelo Ross, assim visitando as estações cientificas McMurdo e Scott além dos pontos históricos, Cabo Evans e Cabo Royds.

Ilhas Sub-Antártidas Macquarie

Antártida
Ilhas Sub-Antártidas Macquarie

Onde se encontrammilhares de pingüins Rei e nas ilhas Auckland onde pode-se ver os famosos albatrozes.

Fauna

Antártida
Fauna

Tanto nos desembarques ou durante a navegação em si, todos se encantam com aparições inesperadas de elefantes marinhos, onças, leopardos marinhos, focas de Wendell, baleias e uma inúmera quantidade de aves migratórias, entre outros habitantes antárticos.

Graças à comodidade do barco e suas amplas janelas, verdadeiros observatórios climatizados, pode-se desfrutar da inigualável e impactante beleza antártida.

Monte Vinson

Antártida
Monte Vinson

Com cerca de 5.140m, é o ponto culminante do continente.

Port Lockroy

Antártida
Port Lockroy

É uma antiga base Inglesa que hoje é o museu da Antártica.

Fonte: www.ciaecoturismo.com.br

Antártida

A Antártica situa-se quase inteiramente dentro do círculo polar antártico. É recoberta por uma eterna camada de gelo que pode chegar a 3,7 km de espessura.

Essa é a principal razão porque a Antártica é o continente com maior elevação média. Debaixo da camada de gelo existe abundantes recursos minerais, como petróleo, ferro e carvão. Durante o inverno seu tamanho dobra devido ao congelamento das águas dos oceanos.

A região próxima ao Pólo Sul é desprovida de fauna e flora, habitada apenas por cientistas das estações de pesquisa da Antártica. Já chegou a registrar 89°C negativos. A flora no continente é escassa, mas possui uma fauna rica em peixes, aves e mamíferos. Não existe população humana de residência permanente e o continente é governado por um tratado internacional.

Hoje, cerca de 27 nações possuem estações de pesquisa estabelecidas na Antártica.

Pingüins são aves marinhas, sem vôo, que se alimentam principalmente de pequenos peixes. As 18 espécies vivem em vários lugares do Hemisfério Sul. Além da Antártica, pode-se encontrá-los na África e América do Sul, incluindo Falklands e Galápagos. Atingem de 35 cm a 115 cm de altura, dependendo da espécie.

Antártida
Paisagem da Antártica. O continente gelado produz cenários impressionantes.

Antártida
Pingüins que habitam a Antártica

Antártida
O continente da Antártica.

Fonte: www.guiageo-antartica.com

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal