Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Argélia  Voltar

Argélia

 

A Argélia é um país antigo, com uma história que remonta há milhares de anos ao tempo dos fenícios.

Os romanos, seguido pelas tribos germânicas Vandal e os bizantinos excluída toda a área.

Quando o Islã cresceu poderoso no século 8 dC, os berberes da Argélia foram convertidos para que a religião e uma civilização única floresceu.

Cerca de oito séculos depois, a Espanha conquistou Argel e outras cidades, mas foi expulso por Barbarossa que trouxe a Argélia no Império Turco Otomano.

A partir deste ponto, a pirataria se tornou uma ferramenta de fazer dinheiro importante para o país, tanto que em 1800, os EUA, Inglaterra e França juntou-se em um esforço para combater a pirataria no Mediterrâneo.

Argélia

O domínio otomano sobre o país foi levado a um fim pelos franceses em 1830.

Em 1848, após uma rebelião islâmica, a França fez Argélia uma parte legal da França.

Em meados dos anos 1950, um esforço de guerrilha surgiu para expulsar os franceses liderado pela FLN (Front de Libération Nationale) e, em 1962, a independência foi declarada. Imediatamente, cerca de um milhão de colonos deixaram a Argélia para a França. Momentos de turbulentas para a Argélia desde a independência, incluindo as relações estreitas com a União Soviética e uma luta entre islâmicos fundamentalistas

Desde 1992, mais de 40.000 pessoas morreram devido a agitação civil e assassinatos.

Em 1999, foram realizadas eleições, apenas um candidato permaneceu na corrida: Abdelazziz Bouteflika. Seu governo chegou a um acordo com os rebeldes islâmicos em Setembro de 1999.

História

Escavações na Argélia têm indicado que o Homo erectus residia há entre 500.000 e 700.000 anos atrás.

Comerciantes fenícios estabeleceram na costa do Mediterrâneo no milênio aC. Primeiramente a Numídia antiga, depois a Argélia tornou-se uma colônia romana, parte do que foi chamado Caesariensis Mauritânia, no fim das Guerras Púnicas (145 aC).

Conquistada pelos vândalos cerca de 440 dC, ela caiu de um alto estado de civilização de barbárie virtual, a partir do qual, em parte, recuperado depois de uma invasão pelos árabes cerca de 650.

Durante o período romano, os berberes indígenas foram então convertidos ao Islã.

Caindo sob o controle do Império Otomano por 1536, Argel serviu por três séculos, como a sede da piratas bárbaros. Ostensivamente para livrar a região dos piratas, os franceses ocuparam a Argélia em 1830 e fez parte da França em 1848.

Movimentos de independência argelina levou aos levantes de 1954-1955, que se desenvolveu em guerra em grande escala.

Em 1962, o presidente francês Charles de Gaulle iniciou as negociações de paz, e em 5 de julho de 1962, a Argélia foi proclamada independente.

Em outubro de 1963, Ahmed Ben Bella foi eleito presidente, eo país tornou-se socialista. Ele começou a nacionalizar participações estrangeiras e oposição despertada. Ele foi deposto em um golpe militar em 19 de junho de 1965, pelo coronel Houari Boumedienne, que suspendeu a Constituição e procurou restaurar a estabilidade econômica.

Após sua morte, foi sucedido por Boumédienne coronel Chadli Bendjedid em 1978.

Berberes se revoltaram em 1980, quando o árabe foi feita única língua oficial do país.

Argélia entrou em uma grande recessão depois que os preços mundiais do petróleo despencaram em 1980.

Geografia

Quase quatro vezes o tamanho do Texas e do maior país do continente, a Argélia está limitado no oeste de Marrocos e do Saara Ocidental e ao leste pela Tunísia e Líbia.

O Mar Mediterrâneo é para o norte e para o sul são a Mauritânia, Mali e Níger.

A região subsaariana, que é de 85% do país, é quase completamente desabitada.

O ponto mais alto é o Monte Tahat no Saara, que se eleva 9.850 pés (3.000 m).

A Argélia Hoje

A Argélia ocupa uma posição central no Magrebe, em África e no Mediterrâneo, quer pelas suas características geográficas e econômicas quer pelas suas constantes sociais e culturais.

É assim que ela se encontra na encruzilhada das mais poderosas e variadas correntes civilizacionais que modelaram a história de um dos países mais prestigiosos do mundo.

O contributo dinâmico que a Argélia deu ao progresso das nações vizinhas, deve-se tanto à vontade dos seus homens de o fazer perdurar para sempre, terra de liberdade, como às dimensões e traços particulares da sua morfologia, à disposição original do seu relevo, à situação diversificada dos seus recursos.

Caleidoscópio de riquezas contrastadas, é assim que a Argélia se apresenta, atravessada por maciços e altos planaltos, por planícies estreitas e imensas zonas desérticas e banhada, numa extensão de 1200 Km, pelo Mediterrâneo que rebenta na costa abrupta e pouco acessível.

Os geógrafos descrevem-na como um pentágono alongado, de direção meridional cobrindo uma superfície de 2.381.741 Km2, dos quais 2.000.000, são ocupados pelo Sahara, esse quadrilátero que constitui uma parte importante de um deserto que se estende até à Península arábica.

Esta superfície onde as distâncias entre o Norte e o Sul, o Este e o Oeste, variam entre 1.500 a 2.000 Km, é , depois do Sudão, o mais vasto país africano e árabe, limitado a Este pela Tunísia e a Líbia, e a Oeste por Marrocos, a Sudoeste pela Mauritânia e a República Árabe Sahraouie e a Sul pelo Mali e pelo Niger.

O seu território, que se estende entre os 18º e os 38º de latitude Norte, e entre os 9º de longitude Oeste e os 12º de longitude Este (o meridiano internacional 0º Greenwich passa perto de Mostaganem), está colado num molde, de relevo muito típico, dividido entre o Norte em grande parte mediterrânico dominado pelo Atlas Tellien, e um Sul desértico ladeado pelo Atlas do Sahara.

O NORTE, UM PAÍS DE TERRAS ALTAS

O Norte da Argélia, que agrupa o Tell e as zonas de estepes, maior em latitude (1.000 Km) que em longitude, é um país de terras altas onde a altitude média é de 900 m : as altas planícies enquadradas pelas cadeias montanhosas dos dois Atlas diminuem de Oeste para Este de 1.000 para 600 m, enquanto que os pontos elevados dos maciços culminam nos Aurés com 2.328 m no Monte Chélia e em Djurdjura com 2.308 m no Monte Lalla Khadidja.

Encontramo-nos assim na presença de quatro conjuntos alinhados paralelamente

O primeiro conjunto compreende os maciços de Dahra, de Djurdjura e de Edough que se estendem de Oeste a Leste e enquadram as planícies de Oran, de Mitidja, de Annaba e de Skikda.

O segundo conjunto engloba os montes Tlemcen, Beni-Chougrane, Ouarsenis, Bibans, Babors e o maciço de Collo, que se estendem igualmente de Este a Oeste sobre a mesma linha.

O terceiro conjunto situa-se entre os dois Atlas com as Altas planícies de Constantine a Este e os grandes espaços de estepes de Sul a Oeste.

O quarto conjunto é constituído pelo Atlas do Sahara e do deserto.

O SUL, UM DESERTO DOMINADO PELO HOGGAR

Três linhas principais caracterizam o relevo do Sahara:

A primeira traça a vasta trama dos planaltos de lajes chamadas hamadas com Guir e Drãa.

A segunda desenha três grandes bacias rodeadas de dunas, o Erg oriental, o Erg ocidental e o Erg Chech.

A terceira é marcada pelo imponente relevo de Hoggar com o cume mais elevado da Argélia com o Tahat a 3003 m de altitude.

Com efeito existem dois Saharas:

Um Sahara no Noroeste, com as cadeias plissadas do Atlas, e um Sahara do Sudeste, com o escudo de Hoggar e o Tassili dos Ajjers. Entre os dois, uma diagonal Sudoeste-Nordeste com o Reg de Tanezrouft, o planalto de Tadmait e o Chott Melghir.

A paisagem sahariana organiza-se à volta:

do Reg, que é uma vasta extensão de rochedos

do Erg, que é uma larga extensão de areia (1/5 do Sahara)

do Hammada, que é uma grande superfície de calcários

da montanha, de origem cristalina ou de formação vulcânica

das sebkhas, ou bacias fechadas à volta das quais se desenvolvem as culturas

História

A Permanência da Nação na História

Para compreender as grandes escolhas da sociedade e as orientações ideológicas da Argélia contemporânea, para reconstruir a trama essencial da unidade e a permanência da nação argelina, o recurso às referências históricas é obrigatório, tão grande é a importância da História não só como instância determinante no desenvolvimento civilizacional do país, mas também como explicação genética, base e componente da personalidade nacional.

Como explicar, entre outros exemplos, a indefectível ligação do povo argelino à liberdade e à independência no seu combate contra a colonização francesa, se não a associarmos numa continuidade intransgressível através dos séculos, a resistência dos homens desta terra a todas as formas de imperialismo?

Como explicar a natureza política e o conteúdo social da Revolução de 1 de Novembro e as perspectivas que se abriram após a independência, se não associarmos esta análise ao exame da formação social que permaneceu antes de 1830 e das constantes socioculturais que 132 anos de colonialismo não puderam transformar?

Como explicar a vocação magrebina fundamental da Argélia de hoje, sem que se refira os grandes projetos dos Estados que se sucederam no Magrebe central para reunir os povos da região na luta pelo mesmo destino?

Qualquer tentativa objetiva visando apurar a verdade histórica a propósito do que foi a do que se tornou a Argélia, deverá ter em conta estes exemplos demonstrativos

A Argélia na Pré-História

Há 500.000 anos, a Argélia era povoada pelos primeiros homens de tipo atlantropo. No primeiro milénio antes da era cristã, as populações organizaram-se em tribos que exploraram, de uma forma comunitária, as terras e os percursos, formando principados dirigidos por um Aguellid, chefe militar e político, prefiguração da direção unificada do Estado.

É desta época que data a fundação dos primeiros postos comerciais fenícios. As tribos mais conhecidas que povoavam o Magrebe eram os Númidas, os Maures, os Libyques e os Garamantes. Estas tribos iriam evoluir rapidamente após a fundação de Cartago, a entrada de Roma no Magrebe e os ataques hegemônicos que se produziram entre estas duas potências.

O Estado Númida

Enquanto as três guerras púnicas opunham Cartago a Roma, para conquistar as posições imperialistas estratégicas no continente africano, o primeiro Estado argelino formou-se nos séculos III e II antes da era cristã, sob o reinado de Syphax, e mais tarde, de Massinissa, chefes da cavalaria númida e aguellids respectivamente dos Masaesyles e dos Massyles, tendo como capital Siga e depois Cirta, centro econômico próspero e poderoso.

Sob o reinado de Massinissa, o Estado argelino desenvolve a agricultura fixando as populações nômadas, funda cidades, organiza uma administração eficaz, cria um exército fortemente equipado e dá um incremento sem precedentes às artes e à cultura, assimilando os contributos púnicos e helénicos que soube integrar e transformar.

O Expansionismo Romano e a Resistência do Estado Númida

A queda de Cartago, no ano 146 antes de Cristo, abre caminho para o expansionismo de Roma que não tolera a existência de um Estado forte, independente e unido, tal como o deixou o grande criador de impérios Massinissa à data da sua morte em 148 A.C.

A desintegração do território númida, devido à partilha do reino entre os sucessores rivais, facilita os objetivos de Roma que lança as suas legiões em 11 A.C. contra a Númidia. A resistência de Jughurta dura longos anos, afastando por meio da táctica da guerrilha as forças do ocupante, obrigando estes últimos a utilizar expedientes. O Chefe de Estado númida foi finalmente assassinado em Roma em 104 A.C. após ter sido capturado e preso em Tullianum.

Estava aberto o caminho para a anexação da Númidia que se concretizou no ano 25 A.C. Mas as insurreições que marcaram este período nunca cessaram.Conheceram o seu apogeu com a insurreição dirigida por tacfarinas (17 D.C.), apoiadas por uma resistência cultural cujo cisma donatista era era à época forte.

As revoltas de Gildon, dos Circoncellions e dos Firmus acabaram por, como muitas outras no século IV, precipitar o processo de decomposição do Império Romano.

Por estas razões, a ocupação não teve nenhuma repercussão nos cinco séculos seguintes, durante os quais ela tentou em vão por todos os meios, instaurar a romanização forçada da Númidia pois, na altura em que os Vandales de Genséric ocupam Hippone em 430, Roma que apenas consegue penetrar no território a 150 km da costa, não está em condições de fazer um balanço positivo da sua longa presença no país.

O prosseguimento dos acontecimentos levará ao falhanço da política de romanização, provocada pela fidelidade secular do povo aos seus princípios ideológicos e aos seus valores religiosos e sociais autênticos.

O intermediário bizantino de Justiniano, cujo império será brevemente desintegrado, não poderá salvar nada da desconfiguração romana e após capturado os Vandales em 534, submeteu-se ao Islão, tendo levado aos habitantes de Númidia uma mensagem religiosa, política e social revolucionária fundamentalmente nova em relação aos que a precederam.

O Advento do Islão

A penetração do Islão começou em 647 e desenvolve-se com Okba Ibn Nafaâ, que funda Kairouan em 670 e chega até às margens do Atlântico levando consigo Hassan Ibn Noôman, Moussa Ibn Nouçair e Tark Ibn Ziad: este último foi a figura legendária que abrirá ao Islão o caminho de Espanha.

Os Estados Islâmicos do Magrebe Central

O primeiro Estado fundado em 787 é o Estado rostomida notável devido à sua organização econômica. Abderrahmane Ibn Rostom é o chefe, apoiando-se num poder democrático instalado numa capital (Tihert), célebre pela posição-chave que ocupa com Sijilmassa na rota africana do ouro.

O reino rostomida deslocará a sua capital para Sedrata e a seguir para o Sahara, depois da dinastia dos Fatimidas ter fundado Tihert em 911 e instalado a sua autoridade numa nova capital, Mahdia (Tunísia).

O segundo Estado, cujo reinado foi notável a partir do século X, foi o Estado Zirida cujo fundador Bologuin Ibn Manad reinou em Argel. Urbanizou o país criando numerosas cidades. Em 1007, o Estado Hammadita, cuja capital foi alternadamente Kalaâ de Beni Hammad e Naciria (Bejaia), desenvolveu a obra de urbanização iniciada e organizou uma economia marcada pelas intensas atividades comerciais em direção a África e ao Mediterrâneo, servindo de ligação dinâmica entre a Europa e o continente africano.

A Unificação do Magrebe

Enquanto a autoridade do poder central enfraquecia, a influência dos Béni Hillal se apagava e Ibn Tachfin acabava o reinado como chefe da dinastia dos Mourâbitine, as tendências unitárias do Magrebe só se exprimiram com a máxima eficácia, por altura da unificação do Estado dos Mouahhidine (1147) que, com Ibn Toumert e Abdelmoumen, realiza pela primeira vez na História, a unidade de todo o Magrebe em 1160.

"A unidade do Magrebe, após se ter consolidado nos domínios cultural e religioso, e numa certa medida econômico, estendeu-se ao plano político e contribuiu para dinamizar o urbanismo e assegurar a prosperidade econômica. Além disso, conduziu a um desenvolvimento cultural e científico sem precedentes... A aparição de filósofos de renome mundial como Ibn Rochd, Ibn Tofail e Ibn Badja confirma a importância do contributo do Estado dos Mouahhidine no domínio cultural e o seu contributo para a civilização universal".

O Estado Zianida

O desmoronamento do Estado dos Mouahhidine surpreendido entre o ativismo dos Estados cristãos e os problemas da administração interna, cede lugar progressivamente ao reino Hafsida em Tunis, ao reino Méridine em Fez e ao reino Zianida em Tlemcen.

O Estado Zianida confere um esplendor particular a este período (1235-1518) e impõe-se como o centro mais importante de desenvolvimento de Yaghmorassen Ibn Ziane. Este Estado, conhecido igualmente sob o nome de reino Abdelwadide, sedentariza os nômadas, assegura a segurança das fronteiras e defende-se com tenacidade contra a avidez dos seus vizinhos.

As Agressões Espanholas

O enfraquecimento do mundo islâmico, minado pelas rivalidades dos pretendentes ao poder, fez com que Machrek e Magrebe entrassem juntas numa espiral de crises aproveitadas pelos Estados cristãos decididos, desde há muito, a conquistar territórios militar e economicamente vantajosos após o termo da Reconquista com a tomada de Granada em 1492.

A resistência oposta pelo Estado Zianida às agressões espanholas apoiava-se na adesão combatente das populações, mas a tomada de Oran em 1508, o resgate de numerosos portos costeiros e a edificação em Argel de uma fortaleza sobre Penõn, comprometiam-na seriamente.

O apelo lançado aos irmãoes Arroudj e Kheireddine, permitiu alterar a situação e reunir as condições para uma melhor organização da luta contra a invasão estrangeira e as tentativas de prolongar as cruzadas do Oriente no Magrebe.

O Estado Argelino Moderno

Os sucessos conseguidos por Arroudj e depois por Kheireddine que prosseguiu a obra do seu irmão destruindo os Présidios e o forte espanhol em 1529 e estendendo a autoridade do novo Estado sobre um vasto território donde são expulsos os agressores estrangeiros, fazem respeitar e temer a Argélia cuja soberania passa a ser reconhecida internacionalmente pelas maiores potências da época com as quais assina tratados e convenções (com os Países-Baixos em 1663, a França de Luís XIV em 1670, a Inglaterra em 1681, a Espanha em 1791, Portugal em 1813 e com os Estados-Unidos em 1815).

O Estado argelino conhece, sob a sua forma moderna, um período de fausto de três séculos, fundado num território de fronteiras delimitadas e reconhecidas na potência da sua frota que derrotou o Imperador Carlos V, que veio em 1541, com 500 navios conquistar Argel e numa organização política e diplomática fiável.

Numerosos fatores objetivos, internos e externos, de carácter técnico, científico, militar ou doutrinário, fizeram ressurgir progressivamente um movimento de declínio que levará a uma situação de fraqueza, fonte de intervenções e de numerosas ingerências, delineadas por uma política concertada dos estados europeus, tendo por objetivo que todo o mundo arabo-muçulmano ficasse sob o domínio de um colonialismo ascendente.

A Argélia foi o primeiro Estado arabo-muçulmano do Magrebe visado devido aos seus recursos, à sua posição e ao papel preponderante que tem no Mediterrâneo. Todos oa pretextos financeiros e diplomáticos foram utilizados para tentar destruir a sua influência e atentar contra a sua integridade territorial e a sua soberania.

A colonização Francesa e a Resistência do Povo Argelino

Após a derrota da sua frota na batalha de Navarin em 1827 e as perdas severas que sofreu ao lado da frota otomana, face à ligação das forças navais francesas, britânicas e russas, a Argélia teve de fazer face à mais bárbara agressão da sua História quando Carlos X decide a expedição de Junho de 1830, sob a chefia do General de Bourmont e do Almirante Duperré que desembarcaram na costa de Sidi Fredj.

O povo argelino, que pegou nas armas desde as primeiras horas da agressão, prosseguiu a resistência sobre todo o território nacional nomeadamente, em Constantine e em Annaba, onde o Bey Ahmed e as suas tropas travavam o avanço dos generais franceses.

Mas é sobretudo Abdelkader, filho de Mahieddine, que organiza a partir de 1832, data da sua proclamação como Emir e, numa larga escala, uma resistência dirigida com mão de mestre por um Estado que cunha a sua moeda, cobra impostos, administra o território, forma arsenais fornecidos por fábricas nacionais e mantêm relações diplomáticas a partir da capital.

Mascara, à volta da qual um exército popular tenta conter e fazer recuar as invasões colonialistas. A realidade deste estado manifesta-se com esplendor quando o Emir Abdelkader leva o General Desmichels a assinar o tratado com o mesmo nome em 1834 e impõe sérios revezes ao exército francês na Batalha de Macta em 1835 e na Batalha de Tafna onde Bugeaud assina com o Emir, o Tratado de 1837.

O ataque ao campo do Emir em Maio de 1843 pelo Duque de Aumale e a tomada anterior da cidade de Constantine (1837), inauguram uma série de insucessos que começam em 1847 e terminam em 1881 com a colonização de todo o Norte do país.

Esta é uma colonização de povoamento espoliando as melhores terras do país, expropriando e expulsando os camponeses das planícies para as montanhas com a ajuda dos grandes bancos e com empresas de exploração agrícola capitalistas.

Dois milhões de hectares são assim pilhados em 1871 nomeadamente, após a insurreição de Mokrani e 500.000 colonos instalam-se nas grandes planícies explorando os camponeses argelinos espoliados pela lei Warnier. Serão um milhão no final da Segunda Guerra Mundialque exteriorizam a economia nacional, ligando-a a interesses estranhos ao povo argelino.

A resistência que, num primeiro momento, seguiu o caminho das armas, com as insurreições de zaâtcha (1844), dos Ouled Sidi Cheik (1864), de Mokrani, de Boumezreg e Cheik El Haddad (1871), Bouamama (1881), de Boumaza, de Boubaghla, de Tama N’Soumer, d’El Brakna, de Nasser Benchohra, de Bouchoucha, de Cheik Amoud au Hoggar (1920), atestando o irredentismo da Nação, revelou, no final do século, formas culturais, religiosas e sociais decisivas que conseguiram salvaguardar inteiramente a base da personalidade nacional: o Islão e a língua árabe preparando a criação do movimento nacionalista.

O Movimento Nacionalista

O movimento nacionalista desenvolve-se a partir de 1926, data da formação da Estrela da África do Norte que reivindica a independência imediata e sem condição da Argélia, demonstrando a esterilidade das soluções avançadas pelos partidários da assimilação recrutados nas fileiras dos jovens argelinos e na federação dos eleitos muçulmanos da Argélia.

Neste movimento constituem-se uma série de formações e associações e mobilizam-se na procura de melhores meios para fazer avançar a batalha pela liberdade.

Após a sua interdição em 1929, a Estrela do Norte de África retoma as suas atividades em 1233 e publica, em 1953, o seu jornal "El Ouma". Entretanto, Abdelhamid Ben Badis que lançara o movimento do "islah" nos seus jornais El Mountaqid e Ech Chihab, funda, em 1931, a Associação dos Oulémas e inicia um trabalho paciente de tomada de consciência em conjunto com Cheik El Ibrahimi, Cheik El Okbi e Cheik Larbi Tebessi.

A segunda interdição da Estrela do Norte de África, em 1937, leva os militantes a agruparem-se num novo partido, o Partido do Povo Argelino (PPA) que se forma em Maio de 1937. Alvo de prisões e de interdições, o PPA dá lugar, em Outubro de 1946, ao Movimento para o Triunfo das Liberdades Democráticas (MTLD).

Cinco meses antes, cria-se a União Democrática do Manifesto Argelino após a publicação, em 1943, do Manifesto do Povo Argelino, seguida da criação dos Amigos do Manifesto e da Liberdade (AML) em 1944.

A dura repressão de 8 de Maio de 1945 (45.000 vitimas) fez com que se manifestasse, por um lado, o pouco eco que a luta legalista dos partidos encontrara no sistema colonial e, por outro lado, a total disponibilidade das massas em seguir um único caminho que permitisse a recuperação da independência nacional.

Dois anos mais tarde, cria-se a organização especial (OS) para preparar a passagem à ação. No clima de crise, que afeta de seguida o movimento nacionalista, um grupo de militantes do MTLD-PPA decide, através do comité revolucionário para a unidade e a ação (CRUA), ultrapassar as clivagens internas e iniciar a luta armada. O 1 de Novembro de 1954 tornava-se possível.

A Revolução

Inicia-se assim um novo período para a Argélia. Uma Revolução sem precedentes na História do país tinha tido o seu início para uma longa caminhada consagrando de uma forma organizada e segundo novos métodos, a resistência permanente do povo argelino.

A Luta Armada

A criação da Frente de Libertação Nacional e do seu braço armado, o ALN, transformaram a paisagem política apanhando de surpresa as forças de ocupação contra as quais foram dirigidas invectivas violentas a 1 de Novembro de 1954, simultaneamente na região de Aurés, no Norte de Constantine, na Kabylie, no Algérois, etc.

A 20 de Agosto de 1955, com a ofensiva generalizada contra as posições do exército colonial, a 20 de Agosto de 1956 com o Congresso de Soummam, em 1957 com a greve dos oito dias e o início da batalha de Argel, e no mesmo ano, com a batalha das fronteiras.

Estas ações acentuariam a mobilização das forças vivas da Nação, com a fundação da União Geral dos Trabalhadores Argelinos, a 24 de Fevereiro de 1956, o empenhamento dos estudantes na luta e a greve de 19 de Maio de 1956, a criação da União Geral dos Comerciantes Argelinos e da Federação de França da FLN, que seria responsável pelas operações militares no território do inimigo.

Apesar do estado de sítio, do mosaico do território com cerca de 1 milhão de legionários, de soldados do contingente e de efetivos do pacto de Otan, da multiplicação das zonas interdictas, da sistematização da tortura pela 10ª divisão de paraquedistas do General Massu, das prisões em massa e os massacres de milhões de civis, dos bombardeamentos com napalm, e da destruição de 8.000 aldeias, das tentativas para separar os povos do Magrebe com a agressão de Sakiet Sidi Youcef a 8 de Fevereiro de 1958, da radicalização das operações de guerra ("Jumelles" e "Pierres Précieuses") com a chegada ao poder do General De Gaulle, do putch de 22 de Abril de 1961, da entrada em cena da OAS, a campanha de terra queimada, a procura de uma terceira força e a tentativa de amputação da Argélia do Sahara argelino, apesar de tudo isto, o povo argelino sob o estandarte da FLN permanece na frente à volta das instituições da Revolução Argelina, do Comité de Coordinação e de Execução (CCE), do Conselho Nacional da Revolução Argelina (CNRA), formados no Congresso de Soummam e do Governo Provisório da República Argelina (GPRA) formado em 1958 em Tunis.

A 11 de Dezembro de 1960, mostra a sua coragem exprimindo a todas as nações, o seu desejo de liberdade e a sua reivindicação fundamental: a independência, rejeitando a "paz dos bravos" e as soluções parciais. Abatalha estava ganha. O Magrebe, a África já tinham beneficiado da dinâmica e das consequências internacionais de 1 de Novembro de 1954. Os contatos de Melun e em seguida, as negociações de Evian, culminaram com os acordos de 18 de Março de 1962, instaurando para o dia seguinte, um cessar-fogo e decidindo por um referendo de auto-determinação que terá lugar a 1 de Julho de 1962.

A independência arrancada a 5 de Julho de 1962 pelo povo argelinofora paga ao mais alto preço: 1.500.000 mártires que a Nação honrará para sempre porque eles foram os melhores filhos desta geração de Novembro que devolveu a esta terra e aos seus homens, a dignidade e a liberdade pelas quais sempre se bateram desde os tempos mais remotos

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/www.emb-argelia.pt

Argélia

O nome oficial da Argélia - República Popular Democrática da Argélia - é um país localizado no centro do Magreb, que também é membro da União Africano e da Liga Árabe, desde a sua independência. Também contribuiu em 1988 para a criação da União do Magrebe Árabe (UMA). A capital da república é Argel.

A Argélia é um dos maiores países do continente Africano após Sudão. Ele compartilha fronteiras terrestres com Marrocos, no oeste, nordeste da Tunísia, a Líbia, a leste, no sudeste do Níger, Mali e Mauritânia passado.

Constitucionalmente, a Argélia é definido como um árabe, berbere (Amazigh) e muçulmano. A sua localização geográfica, a Argélia é o cruzamento de várias civilizações.

É tanto um país mediterrâneo, Amazigh, árabe e muçulmano África. Neste riqueza cultural, acrescenta diversidade de paisagens e climas (mar 1200 km litoral, montanha, deserto alta: 80% dos parques nacionais, ...).

Economia

Comparado a outros países africanos, a Argélia tem um resultado econômicas favoráveis. No entanto, para continuar a crescer, é essencial que a estabilidade política do país está mantida e que seu planejamento econômico é bem orientados.

No momento, o governo argelino trabalha principalmente para modernizar o sistema econômico do país e para forjar ligações internacionais, e mais precisamente para reduzir o desemprego e diversificar a economia, que é fortemente dependente da indústria do petróleo.

Em 2001, o governo da Argélia tem implementado um programa de recuperação que promove o crescimento ea estabilidade da economia. Este programa de 7.000 milhões dólares EUA que visa a revitalização da produção agrícola, para desenvolver a rede de abastecimento público de água, melhorar os serviços de infra-estrutura e transporte, melhorar os padrões de vida e incentivar projetos locais desenvolvimento.

Outros planos de reforma procuram integrar a Argélia na economia global, libertando o país da dependência da indústria de petróleo e permitir que as empresas privadas para aproveitar as oportunidades oferecidas pelo argelino energia e mineração.

Iniciativas para liberalizar a economia já começou a dar frutos. Em 2003, o investimento estrangeiro direto (IED) no país é resultado das reformas econômicas e mudanças nas regulamentações que regem o investimento totalizaram EUA $ 2,3 bilhões, segundo ranking no país Argélia a importância do IED Africano.

Geografia

A Argélia está situado entre o Mar Mediterrâneo, que faz fronteira com o norte de mil quilômetros eo Trópico de Câncer passa pela sua parte sul.

Durante a maior parte de sua extensão - 2.381.741 km2, quatro vezes a da França - o país apresenta-se como um imenso deserto delimitada a norte por uma faixa de 200 a 350 km de largura.

Do km 1200 da costa têm recortes marcada: Golfo de Oran, Argel baía, baías Bejaia, Annaba e Skidda.

A Argélia norte - menos de um sexto do território - é composto de três zonas paralelas à costa, em altitudes de norte a sul: o Diga Atlas, juntamente 1000 km e 125 km de largura, entre o mar e High Plains é composta de montanhas de Tlemcen, Ouarsenis, as montanhas do Sahel de Argel, o maciço Lalla Khadija Djurdjura com que culmina a 2.308 metros, nas montanhas do Constantino.

Essas cadeias estão entrelaçadas e cortar vales e planícies: Sig simples, vale de Wadi Chelif Mitidja planície ao sul de Argel, Annaba planície costeira banhada pelo rio Seybouse. As planícies elevadas de Sétif e Constantino fluindo com Rummel, montanhas, vastas áreas de estepe que têm depressões como chotts el-el-Chergui e Hodna.

Finalmente, o Atlas Subsaariana também formado por uma sucessão de montanhas: ksours maciças (1200 metros), o Amour Djebel, as Montanhas do prego Ouled (1500 metros), Aures, a Ziban.

Estes acidentes geográficos dominar o Saara, 2 milhões de Km2 feita de vales secos, como a de as extensões wadi Saoura arenosas da Great Western e Erg Erg Great Eastern, bandejas como Tademaït, Tassili, Tanezrouft de como montanhas Hoggar, montanha vulcânica pico Monte Tahat a 3010 metros.

Localização

Argélia (República Democrática e Popular da Argélia oficial e popular) é um estado no Magrebe limitado a norte pelo Mar Mediterrâneo, a leste pela Tunísia e Líbia, a sudeste pelo Níger, a sul-oeste pelo Mali Mauritânia e no oeste de Marrocos e do Sahara Ocidental. No continente Africano, a Argélia é o segundo maior país por área (2,3 milhões de km ²), dos quais quatro quintos é ocupada pelo Saara.

O nome da Argélia é Al-Arab Djazâ'ir, isto é, "as ilhas", aludindo a algumas ilhas (Barbarossa corsário turco que fundou Argel) ter ligado para a cidade de Argel em 1517 . O nome francês na Argélia foi dado em 1839 por Antoine Scheider, Ministro da Guerra, a "terra ocupada pelos franceses no Norte da África."

Na verdade, Alger não foi fundada por Barbarossa, mas Bologhin Ibn Ziri da tribo Zirids antes da ocupação otomana. O nome vem do nome de Alger tribo, Zirids, que fundou a cidade, cujo nome era originalmente de Ben Zair Mezghenna. D'Alger seria Zair, colonos franceses tendo tomado o nome e tendo arabizadas a Al-Djazâ'ir e, posteriormente, Argel.

Argélia é dividida em 48 departamentos wilayas (ex-equivalentes a uma "província" administrativa ou territorial): Adrar Ain Defla, Ain Temouchent, Argel, Annaba, Batna Bechar Bejaia Biskra Blida, Bordj Bou Arreridj Bouira Boumerdes Chlef Constantino, Djelfa, El Bayadh, El Oued El Tarf Ghardaia, Guelma Illizi, Jijel, Khenchela Laghouat, Mascara, Medea Mila Mostaganem, M'Sila, Naama Oran, Ouargla, Oum el Bouaghi, Relizane, Saida Setif Sidi Bel Abbes Skikda Souk Ahras, Tamanghasset, Tebessa Tiaret, Tindouf, Tipaza, Tissemsilt, Tizi Ouzou Tlemcen. Estes são divididos em wilayas 160 sub-prefeituras e 1.540 municípios. Na Tunísia e Marrocos, usamos o termo governadoria em vez de wilaya.

História

Ao contrário do que alguns podem pensar, a história da Argélia não é nova, mas remonta a vários milênios, agitado, a Argélia como a conhecemos hoje foi moldada ao longo dos séculos.

História pré-histórico

Argélia
Pinturas rupestres em Tassili n'Ajjer

A Argélia tem sido habitada desde a aurora dos tempos. Vestígios da presença humana na Argélia volta a 400.000 anos idade atribuída aos restos do "Atlanthrope", descobertos no pré-histórica Ternifine sedimentos do lago em Oran.

O Atlanthrope era um Pithecanthropus contemporâneos, e um pai, e Simanthrope de Java. Os ossos foram encontrados entre as ferramentas de pedra que ele fez. Ferramentas do mesmo tipo foram encontrados em outros sites mostram a presença do homem primitivo.

Naquele tempo, a Argélia foi habitada por elefantes, algumas espécies irá continuar até que os tempos históricos, mas também rinoceronte, phaccochères, hipopótamos, girafas, hartebeest ... "Estas são as margens do Chade e do Zambeze realizadas no Magrebe e no coração do Saara, é uma paisagem de savanas tropicais, wadis perenes, lagos e pântanos, que ocorrem nas civilizações Paleolítico Inferior".

Aterian civilização, cujo centro é o local de desenvolvimento de Bir El-Ater, sul de Tebessa, outra civilização está ligada a todos Mousterian (Paleolítico Médio).

Capsense civilização é em torno do sétimo milênio aC. Capsense são os primeiros homens de nossa espécie que se manifestam anos Norte da África.

Este tipo de Homo sapiens viveu em cabanas feitas de campos e ramos. Longe contantinois do sul do Capsians, siga a linha de chotts, e se espalhou por todo o Magrebe. Eles podem ser considerados os ancestrais dos númidas, mas eles não vão atravessar a Diga Atlas.

O litoral foi ocupado na época por Ibéromaurissiens, relacionado com o tipo de Cromagnon. Apesar de seu baixo nível de cultura, eles se adaptaram ao Neolítico como Capsians. Aos poucos, reprimidos, ainda que permaneçam até os tempos históricos. O Capsians, eles estão adotando Neolítico indústrias e manter sua forma de vida.

Na Argélia, estamos testemunhando uma proximidade impressionante imediata da história e pré-história. Heródoto e Saluste testemunham as formas de civilização do Magrebe Neolítico. Note-se que é no deserto do Saara, o Neolítico foi de cerca de seus maiores sucessos.

Quer pinturas de Tassili Faça Ajjers, e Tassili du Hoggar, se corte e pedras polidas, como pode ser visto na magnífica coleção do Museu Bardo, descobre-se obras acabadas de perfeição técnica surpreendente.

E assim afrescos importantes sobre a prova documental do gosto artístico da pré-história saariana. Algumas pedras esculpidas e alisou, que representam animais, gado e gazelas, tem o incrível poder de evocação.

A Argélia antiga

Argélia
As ruínas de Tiddis

Cartago

No início da história, a Argélia, foi povoada pelos númidas mantido, a civilização primitiva, a família agnática e Aguellid. É provável que esta é a organização social que encontrou os cartagineses, eles chegaram no século IX aC.

Os fenícios fundaram Cartago em torno do BC 814 anos, e empurrou os barcos para a Espanha. Mas o litoral Africano do Mediterrâneo era muito hostis numerosos recifes e bancos de areia fez a navegação muito difícil.

Evitado os mais aventureiros para navegar à noite. A necessidade destas paragens, em parte, a criação de pequenos portos ao longo da costa, a cada km de distância 30-40 equivalente a vela de um dia. Assim foi fundado o famoso fenícia, que desempenhou um papel importante no comércio e negócios na antiguidade e além.

De leste a oeste, que abriga as bancadas costa argelina tornaram-se: Annaba, Skikda, Collo, Jijel, Bejaia, Dellys, Argel, Tipaza, Cherchell Tenes Bettioua, Ghazaouet ... contadores será a base para as cidades mais tarde Púnicas, Numidian e romana.

Cartago expande sua influência sobre os povos do interior, através de relações comerciais. Apareceu e cidades, onde a influência púnica é inegável.

Tiddis

Númida cidade, a 17 km de Cirta, Constantino, Tiddis contém vestígios significativos deste período. Escavações arqueológicas mostraram que Tiddis, ao longo de sua história, teve uma olaria vocação.

Nós descobrimos uma vasta área ceramistas, cuja oficinas são equipadas com fogões, fossos e a melhor coleção de ferramentas para todas as idades, incluindo o período Púnica. Escavações revelaram vasos e lâmpadas Púnica grego do século V aC.

Nos túmulos localizados na periferia da cidade - BAZINAS, enterros muito avançada - encontramos um aspecto desconhecido de vasos.

É um geométrica pintada, com rebanhos e dançarinos altamente estilizados. Em suma, a cerâmica cabila, como é feito hoje por mulheres, sem truques, técnicas imemoriais por ...

Tiddis também contém relíquias antigas, as antas, no lado ocidental do planalto e com vista para os dois lados da Kheneg ravina sobe 50 Bazinas ao pé da montanha a leste.

Cirta

Chamado MARS Batim Cirta pelos cartagineses, contém, além dos restos de civilizações neolíticas, como caverna-Bou Zabaouine, importantes vestígios da civilização púnica, e da estela EL certificação HORFA a manutenção dos cultos Púnicas após a queda de Cartago.

Presumivelmente, pessoas conversando dentro da língua púnica, como Santo Agostinho, alguns séculos mais tarde, aconselhou os seus sacerdotes a aprender avnt Púnica para visitar as cidades do interior e no campo.

A civilização cartaginesa, helenizada durante os últimos séculos de sua existência, se espalhou o suficiente no país. Suas influências são encontrados no Numidian tradições mais tarde.

Hipopótamo

Mais velho do que Cartago, restos Hipona (Hippo Regius-) custódia impressionantes deste período, assume-se que sob as ruínas de seu passado romano é uma cidade púnica.

O imponente parede pré-romana não faz isso prova? Hippo Regius foi conquistada pelo pai de Gaia, de Masinissa, que era uma das capitais do seu reino.

A Argélia númida

Argélia
O túmulo de Massinissa

Númida reinos

Enquanto Cartago irradiava todo o seu poder, os Reinos númida de Gaia, Syphax e Masinissa, havia alcançado um nível excepcional de desenvolvimento no desenvolvimento econômico, social e cultural. Embora pouco conhecido ou mal, esse período é um dos mais emocionantes da história da Argélia.

Sem mais marcador específico, nós temos que voltar para a história de Cartago para acessar a cronologia dos númidas reinos. De acordo com a cronologia das histórias cristãs e Virgílio na Eneida irmã, Elissa Dido, de Pigmalião, rei de Tiro, fugindo da opressão de seu irmão, desembarcou com seus tesouros e um punhado de fiéis tírios e cipriotas na costa Africano Tunis para 860-870 aC.

Entre os pântanos do lago e salobra na península formada pela foz do rio velho e Madjerda aluvial fundou Cartago "Qart Hadast" (nova cidade). É também na Eneida, encontramos traços do primeiro carater histórico do território ocupado por hoje Argélia Hiarbas ou rei Iarbas de Gaetulia, antigo país da África ao longo do Atlas Saara.

De acordo com Virgílio, Hiarbas filho de Júpiter Amon e uma ninfa, pediu Dido se casar. Tendo recusado, Hiarbas lutou contra Cartago. Justin, nos filípicas histórias, ótimo resumo da história do mundo, adaptado por Pompeu Trogue um trabalho grego antigo, que apresentou o episódio como "enviados de Hiarbas, chefe da tribo (Maxyés) chegaram para Cathage pedir a mão de Dido, em nome de seu mestre., mas não se atreveu a apressar as coisas e procurou um desvio. eles fingiram estar à procura de um príncipe que consentiu em ensinar Hiarbas seus súditos e os meios para viver a menos bárbaro. "

Heródoto no século V aC, nos deixou um apeçu o quadro de vida e os hábitos do númidas: "Leste da Triton rio, Maxyès ao vivo, as pessoas com casas sedentários trabalhadores De acordo com a tradição. uma metade de sua cabeça é raspada e a outra metade usa cabelo comprido, tingem o corpo com henna. afirmam descida dos troianos. região onde vivem, montanhosa, mais arborizada do que o território do Nomads, plana e arenosa , como fez o resto da Líbia ao sol, cheia de animais selvagens e animais selvagens leões grandes, elefantes, ursos, burros tesão, bracochères, cinochéphales, cobras "Heródoto diz-nos também sobre a organização do agricultura e rendimentos elevados na região.

É difícil determinar com precisão a origem dos númidas, mas a hipótese de origem Trojan emitido pelo maxyès palavras é aceitável. Salústio diz, aliás, que Massyles e Massaéysyles foram trazidos por Hércules durante sua viagem para a Espanha.

Estrabão confirma Salústio sobre a autenticidade de Hércules, este fabuloso rei assírio, que viria a Ásia antes de Cyrus. Apesar da profunda ignorância onde estamos em relação a Numídia IV século aC, embora sugerindo que seu desenvolvimento tem seguido a mesma rota que a dos povos do Mediterrâneo.

Ao nível político, Numídia experimentou tribos independentes, das repúblicas da vila, royqumes grandes têm um forte poder que se sobrepõe em estruturas tribais. Quando Numídia reapareceu no século IV aC, formou a oeste, o reino de Massaeysiles limitado por Ampsaga (Rhumel), a leste ea oeste com Moulouya Siga capital e do reino de Massyles em a parte oriental de Constantino, com a sua Cirta capital.

Heródoto relata que as relações comerciais entre países desenvolvidos fenícios muito cedo e númidas, favorecendo a penetração da língua e da cultura púnica profundidade suficiente no país. Os fenícios númidas aprendeu os processos agrícolas e industriais para a produção de azeite e vinho, operação e trabalho de cobre.

A influência cultural, por contras, foi muito limitada e exercido principalmente através de Cartago, que apareceu com segurança no campo da arte, o que encontramos exemplos no médracens grande Aures e Tipaza.

De acordo com Políbio, historiador grego, nascido em 200 aC e especialista em África que se hospedaram lá um longo tempo, o primeiro rei de Massyles foi Navarase, irmão de Aníbal (247-183 aC), grande general e homem Estado cartagineses. Após a Primeira Guerra Púnica (264-241 aC), Cartago teve de enfrentar mercenários de guerra, e foi ajudado pela cavalaria númida do príncipe Navarase.

Nos anos que se seguiram à guerra, o poder cartaginês enfraquece, o que permitiu que os Massyles rei, Gaia, avô Masinissa, para realizar a conquista das cidades costeiras, incluindo Hippo Regius, que se tornou a sua capital. Ele foi triunfalmente recebido pelas pessoas que dirigiam os cartagineses.

Durante a Segunda Guerra Púnica (218-202) aC) os romanos e cartagineses lutaram ferozmente aliança númida reinos. Combinado com Aníbal, a cavalaria númida brilhantemente se distinguiu. Ela conseguiu invadir a Península Ibérica, Gália, atravessando Pyrénéees e lesAlpes, ajudando a vencer na batalha de Canas 216 aC, as tropas vitória mais famosa Hanninal, manteve-se, até hoje, nos anais militares, como um exemplo de estratégia e táticas.

A resistência ea durabilidade dos quadros e da cavalaria númida desempenhou um papel significativo lá. A Segunda Guerra Púnica terminou com a Batalha de Zama. Estas são as tropas de númida Massinissa reuniram para Scipio, que contribuiu para a derrota de Cartago, aolrs restrição Masinissa reconhecido como rei da Numídia.

No século III aC, Numídia masséylienne foi governado por Syphax que procurou helenizar seu país, assim como, neste momento, outros povos do Mediterrâneo.

A guerra terminou em Iberia e da perspectiva de guerra em África, cartagineses e romanos buscaram a aliança do rei númida. Scipio, então, decidiu atravessar o Estreito de Gibraltar para negociar com ele.

De acordo com Tito Lívio, enquanto Scipio entrou no porto, Asdrúbal chegou lá também. Assim, estes dois inimigos se encontravam no território do príncipe númida lisonjeado ao ver as duas maiores potências do mundo vêm buscando ao mesmo tempo, a sua amizade.

Gaia

Enquanto Massinissa foi na Península Ibérica, Numídia foi governado por seu pai Gaia. Com a morte deste último, cartagineses e romanos foram forçados a mudar seus interesses para a África.

Massinissa

A sucessão ao trono de Gaia ocorreu na guerra civil, durante a qual o herdeiro do tio Masinissa foi assassinado pela Macetulo aventureiro, que despertou as pessoas e colocado no trono os jovens, enquanto Lacumaces manutenção do poder.

Masinissa tinha na época e Lacumaces enfrentar primeiro, e depois reforçado por tropas Macetulo Syphax. Ele derrotou Macetulo e recuperou o reino de seu pai, enquanto lutava com Syphax estava apenas começando. Este último, liderado por Asdrúbal atacado e perseguido Massinissa difícil, forçando-o a recuar para áreas montanhosas sem parar a luta.

A iminência de guerra em África especificando os dois monarcas foram forçados a tomar uma posição. Asdrúbal forçado Syphax, ao se casar com sua filha Sophonisba, para ir junto com ele. Masinissa, por sua parte, a fim de recuperar o reino de seu pai reduzido em Syphax, viu-se ao lado de Scipio. Com o apoio dos romanos em 203 aC, ele derrotado e feito prisioneiro Syphax ele se casou com a mulher, Sophonisba.

Scipio, temendo que não o seu marido Sophonisba poussât para a festa cartaginês, exigiu que ela foi entregue. Mas Masinissa havia prometido não Sophonisba de volta para os romanos e para obter o veneno se essa possibilidade for confirmada.

E assim foi. É no final da Segunda Guerra Púnica que Masinissa foi restaurada no reino de seus pais. O título de rei da Numídia, ele foi solenemente investido pelo Senado, colocá-lo em posição de recuperar territórios cartagineses longas, e para Emporia cidades apropriado.

O opulento Leptis Magna estava entre os pertences roubados pelo númida cartaginês rei. Setenta localidades Zeugitanie de parte do território de Hippo Regius, e se estendendo até o Tasca foram recuperados, bem como a região que fica na margem direita do Madjerda.

Na sua coroação, Masinissa foi de 36 anos de idade. Nascido em 238 aC, ele governou por 54 anos até sua morte em 148 aC Durante o seu longo reinado, ele empreendeu a construção de um Estado unificado e monarquia. Primeiro, ele se esforçou para resolver povo e transformou os pastores nômades em agricultores.

Ele favorecia a urbanização da Numídia, empurrando os agricultores a formar grandes cidades, a quem deu uma organização semelhante à das cidades púnicas.

Massinisssa que assistiu com interesse o Oriente grego aceitou forma de civilização de seis séculos, sob a influência de Cartago helenizada durante os últimos dois séculos, tinha feito os númidas elite.

Ele queria educar o seu povo de acordo com os métodos helenísticos. O projeto político foi Massinissa mais caro "a unificação de todos os númidas reinos" (África do Norte), tornando-se o seu reino Aguellid indiscutível imensa. A recuperação de terras que pertenciam a seus antepassados lhe permitiu introduzir novos métodos em áreas tão diversas como o cultivo agricultura, água e terraço.

Masinissa foi provavelmente o primeiro a introduzir a agricultores do culto helenístico de Deméter e Kore. Para melhor assegurar o seu poder, ele queria divinizar a monarquia e estabelecer o culto da divindade real. Depois de sua morte, um templo foi erguido em Dougga.

Militarmente, o seu poder, também, foi considerável: ele manteve um exército poderoso e uma grande frota. Na frente econômica, Numídia ocupado durante o seu reinado, um lugar de destaque na economia global do tempo. Sua gestão foi de seu país mais próspero negociado com a Grécia e Roma.

Em Cirta era a capital. Em seu trabalho de unificação, ele invadiu o domínio de Cartago, declarou guerra. Masinissa saiu vitorioso. O crescente poder de Masinissa na África alarmado Roma, a ponto de declarar guerra contra Cartago, em 149 aC (Terceira Guerra Púnica), foi também Massinissa.

Destruir Cartago, em 146 aC e criando a primeira colônia romana na África, Roma colocar um limite à extensão territorial da Numídia e fortalecer seu poder econômico e político. O Aguellid grande morreu naquele tempo, sem ser capaz de medir o impacto da queda de Cartago e impor a regra de primogenitura como negligência sucessão, o que irá resultar em graves conseqüências.

Em sua morte, seu reino foi dividido entre seu filho de três: Micipsa pai e eu Hiempsal Adherbal, Manastebal pai Jugurtha e Gauda e Gulussa pai Hiempsal II cuja descendência vai alinhar os reis Numidian últimos.

Micipsa

Após a morte de Manastebal e Gulussa, Micipsa herdou o reino e reinou por 30 anos (148-118 aC) Micipsa continuou o trabalho de seu pai, embeleza a cidade e atraiu a gregos Numídia cultivadas para propagar através do país, as artes ea cultura.

O poder da Numídia preocupado unificada Roma, o que acentuou a penetração Micipsa e forçados a dividir o reino indivisível entre seu filho de dois e eu Hiempsal Adherbal e seu sobrinho Jugurtha.

Guerra de Jugurta

Roma podia adivinhar que esta divisão poderia causar uma guerra após a queda de Cartago invencível? Numídia e Roma vão subir violentamente vontade em Jugurtha, um inimigo tão formidável como Hannibal. De fato, a participação da Numídia imposta por Roma marcou o início da luta Jugurtha para preservar a unidade de seu país.

Em 116 aC, ele levou todos Numídia e teve que remover Hiempsal. Em 112 aC, Cirta; principado Adherbal caiu após o cerco que terminou com o massacre de seus defensores e comerciantes romanos. Roma declarou guerra.

"A Guerra de Jugurta", cantada por Salústio, durou sete anos. Seis exércitos romanos desapareceram nessa luta memorável. Jugurtha, também solicitará a decisão na ação; númidas adorados por sua beleza, sua coragem e desenvoltura de sua mente, é derrotar as forças longos romanos.

No entanto, ele foi assediado por Metelo que devastaram aldeias e campos, e ataca vigorosamente o númida grandes cidades. Metelo tentou em vão aproveitar Zama, o invencível. Mas o cônsul demitido Thala com seu arsenal e tesouro real.

Despojado de suas cidades, Jugurta foi perseguido por Gaetulia e Mauritânia, onde recebeu reforços de Bocchus seu padrasto, a aliança foi fatal. Depois de ter sofrido vários reveses militares, Jugurtha Marius caiu sobre ele se opôs a uma resistência feroz como ele ainda era um adversário formidável. Jugurtha resistiu, mas perdeu durante o cerco de Cirta inverno 107-106 aC.

Vem em 105 por seu aliado, ele foi levado para Roma em cadeias. Ele olhou para a cidade que ele desprezava a sua disponibilidade para vender. Há continuou preso até a sua morte.

Hoje, as ruínas da prisão romana, você pode ler a inscrição datada de 104 aC, que comemora o rei númida grande, veementemente contra a sua vida, ao imperialismo romano.

Na verdade, Jugurtha era, não derrotado, mas vitorioso, e agora, depois de mais de dois mil anos, a sua figura lendária e sua fama atravessou os séculos.

Bochus I - Gauda - Hiempsal III

Depois de sua derrota, seu reino foi dividido: Bocchus recebeu uma parte da Numídia ocidental.

Oriental Numídia foi dividida em dois reinos: Western Numídia Numídia e Leste voltou a Gauda (105-88 aC), então Hiempsal II (88-68 aC), respectivamente irmão e sobrinho Jugurtha.

Bogud - Bochus II

Na sua morte, seu filho Bogud Bocchus colocados no trono da Mauritânia ocidental, que tomou o nome de Bogudiana, e legou suas novas províncias para seu filho, que Bocchus II dénomma Mauritânia Bocchus. Esta divisão ocorreu em 91 aC.

Bocchus III governou até 33 aC Ele declarou-se a favor de Pompeu. No entanto, César deixou seu estado, então ele seguiu Otaviano, enquanto seu irmão Antoine Bogud apoiou e foi capaz de reinar sobre toda a Numídia.

Juba I

Eu Hiempsal Juba sucedeu seu pai, até 46 aC Levou exército de Pompeu e aniquilado Soribornus Curio, que desembarcou na África em 49 aC por Júlio César em Thapsus espancado, ele se matou, como fizeram os aliados, Scipio e Cato.

Seu filho, o futuro rei Juba II, ainda criança, foi levado cativo para Roma, onde foi educado. Ele se casou com Cleópatra Selene, filha de Cleópatra e Marco António. Augustus restaurada por um tempo, e Numidia em 25 aC. JC tornou-se rei da Mauritânia, cuja capital era Iol.

Este filho de Juba me rebelei, derrotado por César, foi um rei muito culto. Sem atingir a estatura política de seu ancestral Massinissa nem a coragem excepcional de Jugurta, Juba II se esforçou para criar um clima favorável para o desenvolvimento de seu povo.

Alfabetizados soberano, tendo viajado extensivamente influenciada pelos filósofos gregos, e escreveu vários livros de dialética e trouxe artistas gregos. Eles criaram um movimento artístico em Cesarea poderoso que venceu o reino.

Grande admirador de Péricles o olímpico, que fez seu modelo de democracia pátria, Juba II da Mauritânia iria reger a sua imagem. Métodos democráticos de seu governo valeu-lhe o favor de seus súditos, e sua grande estima de nações estrangeiras.

De acordo com Pausânias, Atenas erigiu uma estátua para ele em seu ginásio. Foi a homenagem da Grécia Lybico Juba, rei da África. Juba II estava bem ciente da história de seu país, e mesmo aqueles de outros povos.

Ele é citado como historiador em tratados históricos, tanto grega e latina. Ele também escreveu livros sobre teatro, a pintura, a gramática, ciências naturais, infelizmente, seu trabalho é perdido para sempre. Mas o livro cuja perda é mais lamentável é sua "Descrição da Líbia."

No início de seu reinado, ele explorou as fortunas das ilhas (Canárias). Plínio atrtribue Purpuraris explorar as ilhas (Madeira Islands) cujos habitantes tecidos tingidos lindamente em roxo. Suas viagens, ele trouxe para Cesaréia uma extensa biblioteca e cópias dos melhores esculturas da "Era de Péricles", escola de Myron e Polykleitos de Phidas e Praxíteles.

Entre as esculturas de cópias Phidias são Cherchell Apolo, Deméter e esculturas de estilo Coreia parthénonien poderosos do Cherchell Vênus, que, apesar de suas mutilações, ainda brilha com um brilho incomparável. O interesse de Juba II para a cultura não impediu edifício Cesaréia, embelezar e tornar a capital do seu reino, uma das mais belas cidades da antiguidade.

O farol das datas insulares do seu reinado, ele tem sido comparado, proporcionalmente, para a de Alexandria. Esta construção demonstra que Juba II, o instarde seus anciãos, aplicou os princípios da política econômica verdade. O farol foi um dos elementos do desenvolvimento do porto, projetado para desenvolver o tráfego marítimo da costa, ao comércio, bem como explorações geográficas.

As escavações nas ruínas de Cherchell não revelou todos os seus segredos, mas é certo que algum do seu esplendor é devido a Juba II. Várias capitais da praça deve pertencer a este período.

Juba II deixou para a posteridade, uma cidade que era um centro de cultura e arte. Esculturas gregas descobriu Cherchell estão expostos no museu da cidade, o Museu de Antiguidades em Argel e do Louvre, em Paris.

Ptolomeu

Ptolomeu filho de Juba II foi o último rei númida. Ele foi assassinado por Calígula no ano 42 de nossa era. Naquela época, a cidade estendeu mais de 2,5 km de comprimento e 1,5 km de largura, e tem entre suas paredes um grande número de obras artísticas e literárias. A coleção de numismática da última númida reis (Juba II, Cleópatra Selene e Ptolomeu) está exposta no Museu de Antiguidades em Argel.

Juba II moedas refletem muito bem o tempo. Ele inclui tanto as tradições monetárias de antigos reis númida memórias egípcia Cleópatra Selene, a cultura greco-romana de Juba II, eo desejo de cura de seu filho Ptolomeu, cujo reinado foi de curta duração.

Os romanos, após a morte de Ptolomeu, filho de Juba II, anexo Mauritânia.

Eles se dividiram em duas províncias imperiais: Mauritânia Mauritânia e Tingitane cesariana, o que correspondeu a "Estes" Oran, Argel e da parte ocidental de Constantino.

Tacfarinas

Contemporâneo de Ptolomeu, Tacfarinas liderou a revolta contra númidas imperialismo romano sob o reinado de Tibério. Na AD 17 anos, ele lutou uma guerra sem obrigado aos exércitos romanos.

Esta luta pela independência durou oito anos. Mazipa guerreiro, lutou com seus lados. Apesar de perder metade do Tacfarinas a sangrenta guerra entre Roma e Numídia terminou apenas em 24 anos, na batalha que deu a ele o cônsul pré-Donabela Auzia (Aumale), onde foi morto em Tacfarinas campo de honra como foi o númida tradição.

Tacfarinas tácitas dedicado a um lugar importante nos livros II e III dos Anais e apesar do tom desdenhoso que ele usa para personalidade númida Chefe sai crescido. Tacfarinas destaca-se a César, ele enviou de Embaixadores. César recusou suas afirmações, argumentando que mesmo aqueles de Spartacus não foram levadas em conta.

A História Romana da Argélia

Argélia
Ruínas de Timgad

A ocupação romana do norte da África, de Cartago, tinha três áreas principais:

O primeiro segue a costa da Tunísia, de norte a sul, e depois segue para o leste através Líbia.

A segunda, que vai de leste a oeste, seguindo a linha do planalto interior, muito atrás das montanhas costeiras.

A terceira diagonal nordeste e sudoeste, é o caminho para a fronteira sul para o Aures por Ammaedara (Haidra, Tunísia) Thevesti (Tebessa) Thamugadi (Timgad), e finalmente Lambaesis ( Lambèse).

Três destas cidades eram a fundação da legião romana, que prendeu Ammaedara o reinado de Augusto. No ano de 75, ela se mudou para Thevesti em 81 a Lambaesis, que mais tarde se tornou sua sede permanente, antes de ser a capital da Numídia.

Numídia não é uma província costeira como Ifriqia com Cartago e Mauritânia com Cesarea, mas uma província do interior, de frente para o deserto, ansioso para defender as províncias africanas contra os perigos que vêm do sul.

Numídia é território militar, o comando está instalado Lambèse que deviendera independente Proconsulaire província em 198.

De 126, os caminhos vão ajudar o progresso através das faixas do Sul, mas se estreita para o norte: Hippo Regius (Hippo) é Proconsullaire, Igilgili (Jijel) na Mauritânia Setif.

A costa da Numídia tem duas portas: Rusicade (Skikda) e Chullu (Collo). O resto da Argélia, Mauritânia cesariana. Mauritânia foi governada a partir de Cesaréia (Cherchell). Seu limite sul está longe de montanhas e planícies alta Hondna Oran, fica pouco mais de 100 km do mar.

Além da faixa costeira, as pessoas Numidian continuar a seguir o seu modo de vida e de luta contra a ocupação romana. Cidades romanas em Numídia e Mauritânia foram erguidas nas cidades romanas na Numídia, alguns dos quais experimentaram um boom e desfrutou de uma reputação elevada nestes velhos países. Hippo Cuicul Tiddis, Thevesli, Madouros, Tipaza, Siga, Ténès e, provavelmente, as mais importantes cidades romanas eram como sentar cidades Numidian-se, com base ao longo da costa, no local do fenício.

As ruínas mais importantes cidades romanas, está localizado a leste da Mauritânia cesariana, no Aures e norte da Numídia. Se a liquidação é feita no momento da Reinos fenícias e númida é a urbanização, que formam a base do Império Romano.

O número e esplendor monumental de cidades romanas que revelam as imponentes ruínas de Timgad, Lambèse, Djemila-Cuicul Tiddis, Tipaza refletir o papel das cidades africanas.

No mundo inteiro, apenas duas cidades permanecem intactos e mostrar a perfeição da urbana romana cidades de Pompéia, na Itália, enterrados e preservados pelas cinzas do Vesúvio e Timgad na Argélia, enterrados e preservados pelas areias do deserto.

O plano metódico de Timgad, a grade regular, procura introduzir em todos os lugares, na testa da cidade númida de Cuicul-Djemila Tiddis a encosta acima da faixa Púnica caprichosa e númida cidade de Hipona Real.

As duas principais ruas se cruzam em ângulos retos. Outros são paralelas. Perto do hub central, o Fórum é um lugar fechado, isolado, inacessível para voitires, rodeado por um pórtico ladeado por uma basílica judicial. Em vez disso, adornada com estátuas, é o centro político.

O teatro é muitas vezes perto. A Timgad, a cidade inteira parece estabelecido de acordo com a colina, onde era possível escavar o "cavea". O anfiteatro, circo, são muitas vezes localizados na periferia ou subúrbios. Nas ruas pavimentadas e fronteira com pórticos, uma templos encontros, mercados, banhos.

Lugares secundários podem criar uma arquitetura totalmente nova. Fique no cruzamento de fontes monumentais e lírios de água alimentados por aquedutos, túneis através de montanhas, vales, atravessando chumbo arcos de longe a água pura e abundante.

Visitar o Museu de Timgad, fica-se impressionado com o esplendor dos mosaicos, padrões geométricos e folhagens prosperar em delicadeza folhagem e desconhecido exuberância. Cada cidade tinha seus designers e mosaico.

A diferença de estilo entre essas escolas mostra a vitalidade de oficinas locais. Não pavimento, no mundo romano como um todo, não pode ser comparado com o mosaico de colheita. Nenhuma analogia ou, mosaico caça Hipona.

Podemos concluir que os romanos não foram importados para modelos África presas ou fixadas formas. Eles deixaram os africanos a trabalhar sua maneira a estabelecer a sua cidade de acordo com sua própria genialidade, distribuir a seu critério monumentos que eles adaptaram formas, dependendo do terreno, de acordo com sua conveniência, de acordo com seu gosto.

O númidas foram, por seu gênio criativo, perpetuou o trabalho dos seus antigos reis. A prosperidade da cidade romana é devido à agricultura. Pode ser uma longa lista de atividades industriais desenvolvidas neste momento, mas é o solo que sustenta África. Caça continua a ser uma indústria muito primitivo. Especialistas leões e panteras taquent para o circo.

Agricultura cresce, aumentando pastores de ovelhas tipo ocidental. Cavalos Numidian, barbas, pequenos e robustos, são apreciados e usados para proxy a cavalaria. Nessa altura, Argélia é principalmente um país de cultura. "Este é o celeiro de Roma."

As plantações de vinhas e oliveiras crescer. Rodas para as prensas, que chega às fábricas enormes como Tébessa-Khallia, cujas ruínas atestam a cultura intensiva. Durante este período, a Argélia produzido e exportado de grãos, azeite, vinho, mármore de sua carreira, as feras das florestas.

Período Vandal

Argélia
Ruínas de Tipaza

No século V, os vândalos invadiram o norte da África. Após o desembarque em Tingitane (Marrocos), penetraram para o leste.

Nós vemos que o caminho que destruiu os muros de Cesaréia (Cherchell) a capital da Mauritânia, aqueles foram arrasadas Tipaza metodicamente a uma altura uniforme.

Em Numídia, eles pareciam instalar: era a sede de Hipona, onde morreu Agostinho. Em seguida, eles voltaram e se estabeleceram na Tunísia e eles permanecem de um século.

A história da conquista muçulmana da Argélia

Argélia
Ruínas de Mansura, Tlemcen

O advento do Islã

O advento do Islã no século VII é um dos mais significativos na história do Magreb. No ano de 681, com a chegada de Sidi-Uqba, Argélia para a história do Islã, porque esta nova religião está ficando mais e mais apoio das pessoas que participam na conquista e islamização de grande parte da Península Ibérica.

No terceiro século da Hégira, o nono século de nossa era, no Norte da África, como um todo, foi conquistada pelo Islã. Foi uma conquista sem precedentes espiritual.

Os Rostemides

O mapa político da África do Norte que vai de Trípoli para o Oceano Atlântico, apresenta o século IX, a divisão que ainda não sabemos.

Três reinos são justapostos: Tunísia, Argélia e Marrocos.

Central Magrebe, a Argélia é governada pela dinastia Rostemides, que reinou em Tihert, perto Tiaret presente. A facilidade de ascetas, estes imãs juntar o gosto por estudiosos de estudo e cultura. Em Tihert, eles montam bibliotecas ricas do Oriente e enviar missões para comprar manuscritos.

Apaixonado pela ciência ao seu redor: as mulheres de suas famílias estão envolvidos no exame do dogma, a exegese corânica, práticas de culto e jurisprudência islâmica. Outras ciências capturar seu interesse, especialmente astronomia sentido amplo.

Os fatimidas

Civilização islâmica alcançou seu auge com os fatímidas, que brilhou durante três séculos (décimo séculos XII). A partir desta data o período Kalaa Beni-Hammad. Construído sobre uma encosta que circunscrever ravinas, é dominado por colinas rochosas que servem como um observatório e abastecimento de água.

Hoje, o minarete da mesquita está no meio de ruínas onde escavações foram três palácios. A arquitetura dessas casas é inspirado no Oriente, o Iraque e a Pérsia.

Hammadite arte é um ramo da arte fatímida.

Menos refinado do que Zairides, no entanto, demonstra um gosto pelo luxo favorecido pela abundância de recursos. A queda do Reino de canais de Kairouan para Kal'a Beni-Hammad, a vitalidade atual comercial e cultural de Hammadites ajuda.

O Almorávidas

É em 1035 que os Almorávidas, vai entrar para a história. Guiado pelo Saara Yusuf, filho de Tachfin eles atribuem uma missão religiosa. Yusuf deixou os mais belos monumentos da arte muçulmana na Argélia. Na primeira etapa de sua viagem, ele volta para Agadir, onde fundou Tagrart será o seu local de residência.

Seu palácio é a dependência bastante modesto da Grande Mesquita. Tlemcen foi um passo, os Almorávidas apreendidos Nédroma, Tenes, mas não exceder Argel.

Mesquitas são o melhor legado dos Almorávidas. A data da construção do Nédroma Mesquita é atestada por uma inscrição em madeira de cedro, que coroou a Minbar. Estes restos são mantidos no Museu de Antiguidades de Liberty Park em Argel.

É também a inclusão da cadeira que permite que até à data, o Grande MESQUITA Argel (1096). A arquitetura é inspirada na Grande Mesquita de Córdoba. A Nédroma como Tlemcen e Argel, andaluz arte tem uma grande influência. Para a Grande Mesquita de Tlemcen, Yousof queria um edifício simples e por isso aparece para o visitante que entra na mesquita ao lado.

Esfola arquitetura, reconhecemos a austeridade do chefe do Saara, contrasta com a abundância de nave decorativo, mais tarde, com tetos de vigas esculpidas, que aumenta o mihrab na parede do fundo e da cúpula acima desse nicho.

Uma inscrição na cornija indica que ele foi executado em 1136. Parte do mihrab e os arcos de cúpula que se cruzam e apoiar gesso perfurado inspirado pela Grande Mesquita de Córdoba. Depois, há elementos de arte, como estalactites Hammadite superar arcos que se cruzam.

Os almóadas

"A prosperidade do reino Almoravid foi interrompida pela aparição de Al-Mahdi, o fundador da dinastia almóada."

Assim, Ibn Khaldun El-introduziu este novo personagem que irá mudar o curso da história. É uma época turbulenta, onde estamos testemunhando o fim da epopeia almorávida. No final do reinado de Ben Ali Yusuf, em 1192, o Masmouda já tinha forças formidáveis.

Rumo ao leste, as tropas Almohad comandado por Abd-el-Mumin veio para as montanhas de Tlemcen. Na Espanha, como na África do Norte, os Almorávidas foram incapazes de resistir aos almóadas.

Só escapou dos "homens veladas", que realizou o Baleares Ghânya a Santíssima que irá desempenhar um papel significativo na história da Argélia. Ibn Toumert diz El-Mahdi, foi o precursor do movimento almóada. Discípulo teólogo Ghazali, o reformador no Ocidente quer aplicar os preceitos de seu mestre.

Em toda parte, a censura e abuso cativa os ouvintes com sua eloqüência. Ele usa polêmica no campo da teologia como os Almorávidas fosse o caso, a sua arma. Seus seguidores, o "Al-Muwahhidun" (unitários), professou a doutrina da unidade de Deus em toda a sua pureza.

Argélia terá lugar na história graças ao papel desempenhado por Abd al-Mumin, nascido em Nedroma. Grande guerreiro chefe, ele levou três campanhas que levaram à unificação do norte da África. A partir deste período data o cadastro primeiro do Norte da África em 1159, Abd Al-Mumin ordenou o levantamento de Ifroquiya e no Magrebe.

É medido a partir Cirenaica ao Wadi Faça oun, para lá e para cá. Nesta terceira superfície entrincheirado por montanhas, rios, lagos de sal, estradas e desertos.

Os restantes dois terços foram atingidos pela kharadj ou impostos.

Foi então uma grande inovação. Os governantes Almohad do Magrebe gozava de grande prestígio, tanto no Oriente e no Ocidente. No entanto, o império almóada, atormentado por disputas internas para puvoir e da dificuldade de governar um vasto império, começou o seu declínio.

Primeiro foi a Espanha'', que escapou do Califado almóada, seguido pela Tunísia (1236) com os Hafsids, Tlemcen (1239) com Abd-Alwadides, Marrocos (1269) com Merinides, que assumiu Marrakech. Esse foi o fim da dinastia almorávida. Assim berbere Almóada dinastia governou a África do Norte e metade da Espanha 1147-1269.

Fonte:  www.algerie-monde.com

Argélia

Argélia, uma porta de entrada entre a África e a Europa, foi atingida pela violência durante o último meio século.

Mais de um milhão de argelinos foram mortos na luta pela independência da França em 1962, eo país recentemente surgiu a partir de um brutal conflito interno que se seguiu eleições sucateados em 1992.

O deserto do Saara cobre mais de quatro quintos da terra. Reservas de petróleo e gás foram descobertos lá em 1950, mas a maioria dos argelinos vivem ao longo da costa norte. O país fornece grandes quantidades de gás natural para a Europa e exportações de energia são a espinha dorsal da economia.

Argélia foi originalmente habitada pelos bérberes até os árabes conquistaram o norte da África, no século 7. Com base principalmente nas regiões montanhosas, os berberes resistiu à expansão da influência árabe, conseguindo preservar muito da sua língua e cultura. Eles compõem cerca de 30% da população.

Parte do império turco otomano do século 16, a Argélia foi conquistada pelos franceses em 1830 e recebeu o status de "departement". A luta pela independência começou em 1954 liderada pela Frente de Libertação Nacional, que chegou ao poder com a independência em 1962.

Nos anos 1990, a política da Argélia foi dominada pela luta envolvendo os militares e militantes islâmicos. Em 1992, uma eleição geral vencida por um partido islâmico foi anulada, anunciando uma sangrenta guerra civil na qual mais de 150 mil pessoas morreram.

Uma amnistia em 1999 levou muitos rebeldes a depor as armas.

Embora a violência política na Argélia diminuiu desde os anos 1990, o país foi abalado por por uma campanha de atentados a bomba realizados por um grupo que se autodenomina Al-Qaeda na Terra do Maghreb Islâmico (AQMI).

Economia melhora

O grupo era conhecido como o Grupo Salafista para a Prédica eo Combate, e tem suas raízes em uma milícia islâmica envolvidos na guerra civil na década de 1990.

Embora os especialistas duvidam AQMI tem ligações diretas de operacionais com a Al-Qaeda em outros lugares, seus métodos - que incluem ataques suicidas - e sua escolha de alvos, como os trabalhadores estrangeiros ea sede da ONU em Argel, siga o método al-Qaeda. Grupos islâmicos em toda a região do Saara estão ligando-se sob a égide do novo movimento, reforçado por armas obtidas durante a Guerra Civil da Líbia.

Depois de anos de instabilidade política e violência, a economia da Argélia foi dado um elevador por óleo frequentes e descobertas de gás. Ele tem reservas estimadas de petróleo de cerca de 12 bilhões de barris, atraindo forte interesse de empresas estrangeiras de petróleo.

No entanto, a pobreza continua a ser generalizada e alta do desemprego, especialmente entre os jovens da Argélia. Corrupção do governo de Endemias e baixos padrões nos serviços públicos também são fontes crônicas de insatisfação popular.

Grandes protestos eclodiu em janeiro de 2011 os preços dos alimentos e do desemprego, com duas pessoas mortas em confrontos com forças de segurança. O governo respondeu, ordenando cortes no preço de alimentos básicos, e revogou o estado de 1992 da lei de emergência.

Em 2001, o governo concordou com uma série de exigências por parte dos berberes minoritários, incluindo o reconhecimento oficial de sua língua, depois de meses de protestos.

Uma cronologia dos principais eventos:

1962 - A Argélia ganha a independência da França.

1963 - Ahmed Ben Bella eleito como primeiro presidente.

1965 - Col Houari Boumedienne derruba Ben Bella, promete acabar com a corrupção.

1976 - Boumedienne introduz uma nova Constituição, que confirma o compromisso com o socialismo eo papel da Frente de Libertação Nacional (FLN), como o único partido político. Islã é reconhecido como religião do Estado.

De dezembro de 1976 - Boumedienne é eleito presidente e é fundamental para o lançamento de um programa de industrialização rápida.

1978 - Boumedienne morre e é substituído por Col Chadli Bendjedid, como o candidato de consenso do estabelecimento militar.

1986 - O aumento da inflação e do desemprego, agravado pela queda dos preços do petróleo e do gás levar a uma onda de greves e manifestações violentas.

Proibição de partidos

1988 - Graves distúrbios contra as condições econômicas.

1989 - A Assembléia Nacional Popular revoga a proibição de novos partidos políticos e adota uma nova lei eleitoral que permite partidos de oposição para disputar as eleições futuras.

1989 - Frente Islâmica de Salvação (FIS), fundada e mais de 20 novos partidos licenciado.

1990 - A FIS ganha 55 por cento dos votos nas eleições locais.

1991 - Governo anuncia eleições parlamentares em junho de 1991 e planeja mudanças no sistema eleitoral, incluindo restrições à campanha em mesquitas. FIS reage chamando greve geral. Estado de sítio declarado, as eleições adiadas. Abassi Madani líderes FIS e Ali Belhadj detido e preso.

1991 Dezembro - No primeiro turno das eleições gerais, o FIS vence 188 assentos definitivas, e parece praticamente certo para obter uma maioria absoluta no segundo turno.

Militar assume

1992 04 de janeiro - A Assembléia Popular Nacional é dissolvido por decreto presidencial em 11 de Janeiro e Presidente Chadli, aparentemente sob pressão da liderança militar, renuncia. Uma criança de cinco membro do Conselho Superior do Estado, presidido por Mohamed Boudiaf, assume.

Encontros de rua proibidos, violentos confrontos sair em 8 e 9 de Fevereiro entre partidários FIS e forças de segurança. O estado de emergência é declarado, o FIS é condenada a dissolver e todos os 411 FIS controlados autoridades locais e regionais são dissolvidos.

Boudiaf assassinado

1992 29 de Junho - Boudiaf assassinado por um membro da sua guarda com supostas ligações islâmicos. Violência aumenta e do Grupo Islâmico Armado (GIA) surge como o principal grupo por trás dessas operações.

1994 - Liamine Zeroual, um coronel reformado do exército, é nomeado presidente do Conselho Superior do Estado.

1995 - Zeroual ganha um mandato de cinco anos como presidente da República com uma maioria confortável.

1996 - Propostas de mudanças constitucionais aprovadas em um referendo por mais de 85 por cento dos eleitores.

1997 - As eleições legislativas ganhas pelo recém-criado Rally Nacional Democrata, seguido pelo partido islâmico moderado, o Movimento da Sociedade pela Paz.

Militantes ignorar concórdia

1998 - O presidente Zeroual anuncia sua intenção de cortar curto seu mandato e antecipar as eleições presidenciais.

1999 - O ex-ministro das Relações Exteriores Abdelaziz Bouteflika eleito como presidente depois que todos os candidatos da oposição retirar da corrida, dizendo que tinha recebido garantias inadequadas de eleições justas e transparentes.

1999 - Referendo aprova lei Bouteflika sobre a concórdia civil, o resultado de longas negociações e em grande parte secreta com o braço armado da FIS, o Exército Islâmico de Salvação (AIS). Milhares de membros da AIS e de outros grupos armados estão perdoados.

2000 - Os ataques contra civis e as forças de segurança continuam, e são pensados para ser o trabalho de pequenos grupos ainda se opõem à concórdia civil. Violência Estima-se que mais de 100.000 vidas alegou na Argélia desde 1992.

2001 Abril / Maio - Dezenas de manifestantes são mortos em confrontos violentos entre forças de segurança e manifestantes berberes na região berbere da Cabília, principalmente após a morte de um adolescente em custódia da polícia.

2001 Maio - A festa principalmente berbere, o Rally de Cultura e Democracia, retira-se do governo em protesto contra a manipulação das autoridades de motins em Kabylie.

Concessões berberes

Outubro de 2001 - O governo concorda em dar o status de língua oficial berbere, como parte de um pacote de concessões.

Novembro de 2001 - Várias centenas de pessoas são mortas como as inundações atingiram Argel.

Março de 2002 - Presidente Bouteflika diz que a língua berbere, Tamazight, é de ser reconhecida como uma língua nacional.

Junho de 2002 - Frente primeiro-ministro Ali Benflis de Libertação Nacional (FLN) ganha as eleições gerais marcadas por violência e um baixo comparecimento às urnas. Eles são boicotados como uma farsa por quatro partidos - dois dos quais representam berberes.

2003 21 de Maio - Mais de 2.000 pessoas são mortas e milhares estão feridos por um forte terremoto no norte. As áreas mais atingidas são a leste de Argel.

Junho de 2003 - Líder da Frente de Salvação Islâmica proscrito (FIS) Abassi Madani e Ali Belhadj seu vice são libertados depois de cumprir 12 anos de prisão.

Abril de 2004 - Presidente Bouteflika é reeleito para um segundo mandato em uma vitória esmagadora votação.

De janeiro de 2005 - As autoridades anunciam a prisão de grupo armado rebelde islâmico (GIA) cabeça Nourredine Boudiafi eo assassinato de seu vice e declarar o grupo a ser praticamente desmantelada.

Governo faz acordo com líderes berberes, prometendo mais investimentos na região de Kabylie e maior reconhecimento para a linguagem Tamazight.

Março de 2005 - Governo relatório encomendado diz que as forças de segurança foram responsáveis pelos desaparecimentos de mais de 6.000 cidadãos durante o conflito dos anos 1990 civil.

Anistia apoiado

De setembro de 2005 - referendo Reconciliação: Eleitores planos do governo para anistia de volta muitos dos envolvidos na pós-1992 mortes.

Novembro de 2005 - Os partidos da oposição mantenha sua maioria em eleições locais na região, principalmente Kabylie-berbere, realizada como parte de um processo de reconciliação.

Março de 2006 - Seis meses de anistia começa, em que militantes fugitivos que entrega serão perdoados, exceto para o mais grave dos crimes. As autoridades libertar um primeiro lote de presos militantes islâmicos.

Maio de 2006 - A Argélia é para pagar toda a sua dívida de US $ 8 bilhões para o grupo Clube de Paris de países credores ricos, em um movimento visto como refletindo sua recuperação econômica.

De setembro de 2006 - Líder da Frente de Salvação Islâmica proibido (FIS) Rabah Kebir retorna de exílio auto-imposto e insta rebeldes ainda luta contra o estado para desarmar.

De dezembro de 2006 - bomba atinge um ônibus que transportava funcionários de uma empresa de petróleo dos EUA, matando um homem. O Grupo Salafista para a Pregação eo Combate (GSPC) reivindica a responsabilidade e, logo depois pede ataques contra cidadãos franceses.

Ataques Argel

2007 Janeiro - Grupo Salafista para a Pregação eo Combate renomeia-se a Organização da Al-Qaeda no Magreb Islâmico.

Fevereiro de 2007 - Sete bombas sair quase simultaneamente leste de Argel, matando seis pessoas.

Março-Abril de 2007 - Exército intensifica ofensiva contra militantes islâmicos para acabar com uma onda de ataques.

Março de 2007 - Três argelinos e um russo são mortos em um ataque na estrada em um ônibus que transportava trabalhadores de uma empresa russa de construção de gasodutos.

Abril de 2007 - 33 pessoas morrem e mais de 200 ficam feridas em duas explosões em Argel, um deles perto do gabinete do primeiro-ministro. Al-Qaeda no Magrebe Islâmico responsabilidade reivindicações.

Maio de 2007 - As eleições parlamentares: dezenas são mortos na corrida, em uma onda de confrontos entre militares e grupos armados. Pró-governamentais partes mantêm a sua maioria absoluta no parlamento.

Julho de 2007 - Um homem-bomba atinge um quartel militar perto de Bouira, matando pelo menos nove pessoas.

De setembro de 2007 - Pelo menos 50 pessoas são mortas em uma série de atentados. Al-Qaeda no Magrebe Islâmico responsabilidade reivindicações para os ataques.

Segundo-em-comando da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri pede aos muçulmanos ao norte da África para'' limpar'' a sua terra de espanhóis e franceses.

De dezembro de 2007 - Duplo atentado em Argel atinge um prédio da ONU e um ônibus cheio de estudantes, matando dezenas de pessoas.

Junho de 2008 - Quatro cristãos convertidos do islamismo receber penas de prisão suspensas por adorar ilegalmente.

Presidente Bouteflika traz de volta duas vezes ex-premiê Ahmed Ouyahia como novo primeiro-ministro, substituindo Abdelaziz Belkhadem.

De agosto de 2008 - Cerca de 60 pessoas são mortas em bombardeios em cidades a leste de Argel. Al-Qaeda no Magrebe Islâmico responsabilidade reivindicações.

Terceiro mandato Bouteflika

De novembro de 2008 - O Parlamento aprova mudanças constitucionais que permitam o presidente Bouteflika para concorrer a um terceiro mandato.

Abril de 2009 - Presidente Bouteflika ganha terceiro mandato nas urnas.

De julho de 2009 - Nigéria, Níger e Argélia assinam um acordo para construir um gasoduto US $ 13 bilhões para levar o gás da Nigéria pelo Saara ao Mediterrâneo.

Abril de 2010 - Argélia, Mauritânia, Mali e Níger configurar comando conjunto para combater a ameaça do terrorismo.

2011 Janeiro - grandes protestos contra os preços dos alimentos e do desemprego, com duas pessoas mortas em confrontos com forças de segurança. As ordens do governo, corta para o preço de alimentos básicos. Protestos inconclusivos continuar em 2012.

2011 Fevereiro - O presidente Abdelaziz Bouteflika levanta 19 anos de idade, estado de emergência - uma das principais exigências dos manifestantes anti-governo.

2011 Abril - O Presidente Bouteflika estabelece uma comissão encarregada de sugerir mudanças constitucionais destinadas a "democracia de reforço".

2011 Agosto - Ataque suicida em uma academia militar mata 18. Um grupo al-Qaeda reivindica a responsabilidade locais.

2011 Setembro - Presidente Bouteflika termina estado monopoloy sobre rádio e televisão.

2011 Outubro - segunda metro África abre em Argel.

2012 Maio - eleição parlamentar: FLN Portaria ganha 220 de 463 assentos, seguido por seu aliado o Rally Nacional Democrata, com 68 assentos. Aliança islâmica vem em terceiro, com 48 assentos. Alguns deputados da oposição alegam fraude FLN.

2012 Setembro - Presidente Bouteflika nomeia ministro água Abdelmalek SELLAL como primeiro-ministro, terminando pós-eleitoral incerteza. Sr. SELLAL é um aliado de longa data do presidente.

2012 Outubro - O exército mata vice-líder da Al-Qaeda na Argélia, Boualem Bekai, alias Khaled al-Mig, em uma emboscada perto de Tizi Ouzou, na região montanhosa Kabylie.

Fonte:  news.bbc.co.uk

Argélia

HISTÓRIA

Os habitantes originais da Argélia foram os berberes. No período clássico, o país foi colonizado pelos fenícios e pelos romanos. Os árabes chegaram nos séculos 8 e 11 introduzindo o Islã. Mouros e judeus se instalaram na Argélia após a sua expulsão da Espanha em 1492. Em 1518, o país tornou-se parte integrante do Império Otomano. Em 1830 a Argélia foi anexada e colonizado pelos franceses e governou como parte da região metropolitana de França de 1848 a 1962.

Uma amarga guerra de independência foi travada entre 1954 e 1962, que custou a vida de até 1,5 milhões de pessoas. Desde a independência em 1963 até final de 1980 a Argélia era um estado socialista de partido único gerido pela FLN (Frente de Libertação Nacional). Em 1989, a Constituição foi alterada para introduzir um sistema multi-partidário.

GEOGRAFIA

A Argélia é no Norte de África, na fronteira com o Mar Mediterrâneo entre Marrocos e Tunísia. No Sul, tem fronteiras com a Líbia, Mali, Mauritânia e Níger.

É o segundo maior país da África (quando se tornar a maior do Sul do Sudão secedes de Sudão do Norte). Mais de quatro quintos de seu território é coberto pelo deserto do Saara.

ECONOMIA

Fatos básicos econômicos

PIB: EUA 161,2 bilhões dólares (2009)
PIB per capita: EUA $ 7.950 (2009)
Crescimento anual do PIB: 2,1% (2009)
A inflação, deflator do PIB, percentual anual: 5,7% (2009)
Grandes indústrias: petróleo, gás natural, indústrias leves, mineração, petroquímica, elétrica, processamento de alimentos, segurança, construção civil, produtos farmacêuticos e do agronegócio.
Principais parceiros comerciais: França, Itália, EUA, Espanha, Alemanha, China
Taxa de câmbio: R $ 1 = 115 dinares, 1 dólar = 71,60 dinares. (Abril de 2011)

POLÍTICA

Nos anos 1960 e 70, sob o presidente Houari Boumediene, Argélia perseguiu um programa de industrialização dentro de uma economia controlada pelo Estado socialista. Sucessor Boumediene, Chadli Bendjedid, introduziu algumas reformas econômicas liberais e processados de uma política de arabização na sociedade argelina e da vida pública.

Professores de árabe, trazidos de outros países muçulmanos, espalhados pensamento islâmico radical nas escolas e lançou as sementes do islamismo político. Recessão econômica causada pela queda nos preços mundiais do petróleo, resultando em agitação social durante a década de 1980 e, finalmente, forçado Bendjedid de trazer um sistema multi-partidário no final da década.

Os partidos políticos desenvolvidas, tais como a Frente islâmico du Salut (FIS), uma ampla coalizão de grupos islâmicos. Em dezembro de 1991, o FIS dominou a primeira das duas voltas das eleições legislativas. Temendo a eleição de um governo islâmico, as autoridades intervieram em 11 de Janeiro de 1992, o cancelamento das eleições. Presidente Chadli Bendjedid renunciou e um Alto Conselho de Estado foi instalado para agir como Presidência.

A FIS foi banido, provocando uma insurgência civil viciosa entre seu braço armado, o Groupe d'Armée Islamique (GIA), e as forças armadas em que mais de 100.000 são pensados para ter morrido. O GIA declarou um cessar-fogo, em outubro de 1997.

Argélia realizou eleições em 1999, que foram ganhas pelo Presidente Abdelaziz Bouteflika. Bouteflika focados em restaurar a estabilidade no país após a sua eleição e anunciou uma iniciativa de "concórdia civil", aprovada por referendo popular, em que muitos presos políticos foram perdoados, e vários milhares de membros de grupos armados foram concedidas isenção de condenação sob uma anistia limitada que estava em vigor até 13 Janeiro de 2000.

A AIS dissolvida e os níveis de violência insurgente caiu rapidamente. O Groupe Salafiste pour la predicação et le Combate (GSPC), um grupo dissidente do Grupo Islâmico Armée, continuou uma campanha terrorista contra o Governo.

Presidente Bouteflika foi reeleito em abril de 2004, após fazer campanha em um programa de reconciliação nacional. O programa compreendeu econômica, a reforma institucional, política e social para modernizar o país, elevar os padrões de vida e combater as causas da alienação.

Ele também incluiu uma iniciativa anistia segundo, a Carta para a Paz e Reconciliação Nacional, que foi aprovada em um referendo em setembro de 2005 e oferece uma anistia para a maioria dos guerrilheiros e as forças de segurança do governo.

Em Novembro de 2008 a Constituição argelina foi alterado depois de uma votação no Parlamento, que removeu o limite de dois mandatos presidenciais de titulares. Essa mudança permitiu ao Presidente Bouteflika para ficar à reeleição nas eleições presidenciais de 2009 e ele foi posteriormente reeleito em abril de 2009.

Durante sua campanha eleitoral e depois de sua reeleição o presidente Bouteflika prometeu estender o programa de reconciliação nacional e uma 150 bilhão dólares gastar programa para criar três milhões de novos empregos, a construção de um milhão de novas unidades habitacionais e continuar setor público e programas de modernização de infra-estrutura.

Em abril de 2011, o presidente Bouteflika prometeu mais reformas constitucionais e políticas.

Eleições

O Presidente é eleito por voto popular para um mandato de cinco anos. A última eleição presidencial foi realizada em 9 de abril de 2009. Abdelaziz Bouteflika foi reeleito para um terceiro mandato com 85% dos votos. O comparecimento às urnas foi de cerca de 75%. Cinco outros candidatos estavam, incluindo um candidato do sexo feminino.

As eleições legislativas foram última realizada em 17 de maio de 2007. O comparecimento às urnas foi acreditado para ser 35,65%. A coalizão governista ganhou 249 dos 389 assentos na câmara baixa (APN). A maioria do partido FLN venceu 139, RND 61 e MSP 52.

Consequentemente, FLN tem 63 menos assentos no novo parlamento, e RND e MSP 14 mais cada. O ex-chefe de Governo, Abdelaziz Belkhadem propôs mudanças na Constituição que permitiria que o presidente Bouteflika para concorrer a um terceiro mandato, quando seu atual mandato expirou em 2009. A alteração proposta foi posta ao Parlamento em 12 de novembro e ganhou a aprovação esmagadora.

As eleições municipais foram última realizada em 29 de novembro de 2007. Estas duas eleições foram para eleger candidatos à Assembléia nível Wilaya (estado), o "Assemblee Popular de Wilaya '(JAP), e da comuna (município) da Assembleia nível, o' Assemblee Popular Comunale" (APC).

Tomado como média de ambas as eleições, e de acordo com dados oficiais, a Frente de Libertação Nacional "(FLN) manteve o maior número de lugares de qualquer parte um, ganhando cerca de 31% dos votos. O 'Rassemblement Nacional Democrática "(RND) ficou em segundo lugar com cerca de 23%, um ganho na FLN desde 2002.

O Movimento Pour la Société de la Paix (MSP) e da Frente Nacional Algerien '(FNA) veio um terceiro próximo e quarto. Entre eles, a FLN, o RND eo MSP compõem a coalizão de governo presidencial.

A Frente das Forças socialistes "(FFS), uma das partes Kabylie baseados em pé, ganhou cerca de 3,5% dos votos. O nível oficial de comparecimento dos eleitores foi posta em pouco menos de 44%, que foi ligeiramente inferior ao dos 50% registrados em 2002. Em 2002, a FLN ganhou em torno de 34,6% dos votos, o RND 17,5% e os dois principais partidos islâmicos entrevistados 22,7% entre eles. Os FFS tem 2,7% do total.

DIREITOS HUMANOS

Houve uma evolução significativa desde o fim dos problemas na década de 1990. Em 2009, a Argélia participou de Revisão Universal do Conselho de Direitos Humanos da Periódica.

O Reino Unido saudou a contribuição do Governo da Argélia para esta análise e observou os progressos feitos para fortalecer o Estado de Direito, por exemplo, a criminalização da tortura formação em direitos humanos, para os policiais e padrões de melhoria nas prisões. A moratória de fato sobre a pena de morte está em vigor desde 1993.

Em 10 de Junho de 2008, o Conselho de Direitos Humanos aprovou formalmente o seu relatório sobre a Argélia. Cerca de 45 países participaram na revisão, perfazendo um total de 20 recomendações. Argélia aceitou 17 recomendações que vão desde o fortalecimento da integração do gênero a adopção de novas medidas sobre a violência contra as crianças.

Argélia aceitou as recomendações do Reino Unido, inclusive em cooperação com os relatores especiais. Houve uma visita bem sucedida a Argel, em abril de 2011 pelo relator especial da ONU sobre a Liberdade de Opinião e Expressão sequência de um convite das autoridades argelinas.

Fonte:  www.fco.gov.uk

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal