Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  As Expressões De Um Professor Sobre O Ensino On-line  Voltar

As impressões de um professor sobre o ensino on-line

Uma das minhas partes favoritas na educação universitária é me vestir e causar uma boa impressão. Eu planejo minhas roupas, me maquio, combino acessórios, e até preparo minhas aulas. Mas aqui estou eu em uma noite de sexta-feira, dando aula a 25 alunos em meu pijama lavanda. Estou dando aula on-line. No ano passado, eu pedi para ensinar uma classe universitária on-line em ciência ambiental - um curso que eu dei nas aulas de verão por vários anos. Eu tinha questões sobre a validez deste meio de instrução. Como eu saberia que o aluno que estava mandando o trabalho era o mesmo que estava registrado no curso? E como eu realmente saberia que a pessoa que estava na minha aula tinha se registrado?

Para ensinar on-line também foi preciso repensar como eu falaria do tema. Por 17 anos, eu dei aulas de química e ciência ambiental diante dos alunos. As críticas dos meus alunos sempre foram extremamente positivas, normalmente mencionando meu entusiasmo, senso de humor e capacidade de passar a matéria de forma fácil de entender. Meu desafio foi fazer isso via computador. Enquanto eu me concentrava nas questões filosóficas e pedagógicas, minha filha fazia dois cursos on-line. Esta mostrou ser minha melhor experiência de aprendizado. Ela sempre tinha sido uma aluna muito tímida que nunca falava na aula. Mas nesses cursos on-line, ela mergulhava em discussões, mandava suas opiniões e em geral se sentia mais livre para participar do que antes.

Eu também fiz um curso rápido da nossa universidade para professores on-line e aprendi que muitos deles também eram tímidos e se sentiam mais confortáveis em dar instruções via computador. Já que eu estava escalada para ensinar ciência ambiental na escola de verão, parecia o momento perfeito para preparar as aulas para o curso on-line no outono. Meu plano: durante o dia eu tinha que dar as aulas tradicionais, que eu preparava durante a manhã, cortava a grama e então dava aulas durante a noite.

Eu nunca cheguei a cortar a grama. Cada aula requeria cerca de oito horas de digitação e ilustrações para deixar tudo claro para os estudantes on-line. Eu também disponibilizei aulas para os meus estudantes tradicionais e eles gostaram de criticá-las. Quando a aula on-line começou, os estudantes também seguiam instruções. Eles escreveram suas biografias e resumiram artigos sobre questões ambientais. Eles responderam questões sobre suas contribuições a problemas ambientais, algumas vezes confessando hábitos pessoais incríveis. Eles comentaram sobre os textos dos outros alunos.

O grupo de discussão parecia ser vivaz, com textos enviados todas as horas do dia. Quando um estudante queria discutir algo em privado, ele me mandava um e-mail e resolvíamos as questões. Eu aprendi com os cursos da minha filha que era fundamental para os alunos sentir que o professor estava sempre lá, pronto para responder perguntas - dia e noite. Quando eu convidei meus alunos a mandarem suas fotografias, somente um aceitou, mandando uma foto do pôr do sol sobre a baía perto de sua casa na Flórida. Portanto, as imagens que eu tenho deles são criadas por seu trabalho - sua pontualidade, sua ansiedade pela matéria, as notas de suas provas e sua interação com outros alunos. Eu nunca me encontrei nenhum deles mas sinto que os conheço. Alguns estudantes ficavam para trás, tentavam alcançar e então enfraqueciam. Eu lhes mandava e-mails para incitá-los a participar ou melhorar seu trabalho, mas concluí que alguns alunos precisam da disciplina da sala de aula para ficarem envolvidos. Os cursos on-line dão muita flexibilidade para alguns. Cerca de 20% dos meus alunos estavam nesta categoria.

Os testes e comentários confirmam que o aluno aprendeu a matéria e a integrou sua vida. Vi essas atitudes dos estudantes se desenvolverem diante dos meus olhos - isto é, eu li suas observações. Eles eram velozes em mandar um alerta quando um problema ambiental se tornava notícia, e muitos ficavam ultrajados com as decisões ambientais tomadas pelo governo enquanto o curso estava sendo realizado.

Às vezes, os comentários eram empolgados, cheios de referências a assuntos que tínhamos estudado antes. Descobri que para a educação on-line, a interação - com o professor, com outros alunos - é mais um elemento integrante do aprendizado do que na sala de aula. O aprendizado aconteceu. Ele parecia funcionar melhor com alunos que estavam muito familiarizados ao computador e estavam dispostos a se tornar parte de uma comunidade construída ao redor do tema. Para os professores, funcionava bem se eles estivessem dispostos a construir esse senso de comunidade e lidar com o e-mail. Eu ainda dou aulas pessoalmente, assim eu posso continuar a me divertir com as roupas. Mas ensinarei ciência ambiental on-line nos próximos semestres e planejo enfeitar esse pijama com pantufas macias e um roupão brilhante.

Fonte: www.redepitagoras.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal