Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Asbestose  Voltar

Asbestose

 

DEFINIÇÃO

Asbestose (as-bes-TOE-sis) é um distúrbio respiratório causado pela inalação de fibras de amianto. Acumulação prolongada dessas fibras em seus pulmões pode causar cicatrizes de tecido pulmonar e falta de ar. Asbestose sintomas podem variar de leve a grave, e geralmente não aparecem até muitos anos após a exposição.

O amianto é um produto mineral natural, que é resistente ao calor e à corrosão. Ele foi amplamente utilizado no passado em produtos como o isolamento, materiais à prova de fogo, cimento e alguns pisos de vinil.

A maioria das pessoas com asbestose adquiriu no trabalho antes de o governo federal começou a regulamentar o uso do amianto e produtos de amianto em meados da década de 1970. Hoje, sua manipulação é estritamente regulamentar. É extremamente improvável adquirir asbestose, se você seguir os procedimentos de segurança do seu empregador. O tratamento se concentra em aliviar seus sintomas.

SINTOMAS

Os efeitos da exposição a longo prazo ao amianto normalmente não aparecem, pelo menos, 20 a 30 anos após a exposição inicial. Asbestose sinais e sintomas incluem:

Falta de ar, O principal sintoma da asbestose é falta de ar.Inicialmente, a falta de ar ocorre somente com esforço, mas, eventualmente, isso vai acontecer mesmo quando você está descansando.
Tosse e dor torácica, Conforme a doença progride, podem ocorrer uma tosse seca persistente e dor no peito intermitente.
Deformidade do dedo, Casos avançados de asbestose, por vezes, resultar em uma deformidade do dedo chamado clubbing, onde as pontas dos dedos espalham-se e torna-se mais redondo. Muitos outros tipos de problemas de saúde também podem causar boates.

Quando consultar um médico

Se você tem uma história de exposição ao amianto e que você está enfrentando crescente falta de ar, converse com seu médico sobre a possibilidade de asbestose.

CAUSAS

Se você está exposto a altos níveis de poeiras de amianto durante um longo período de tempo, algumas das fibras no ar podem se alojar dentro de seu alvéolo - os pequenos sacos dentro de seus pulmões, onde o oxigênio é trocado por dióxido de carbono no sangue. As fibras de amianto irritar e cicatriz no tecido pulmonar, interferindo com a sua capacidade de fornecer oxigênio para o sangue.

Como asbestose avança mais e mais tecido pulmonar torna-se cicatrizada. Eventualmente, o seu tecido pulmonar torna-se tão rígida que não pode expandir-se e contrair normalmente.
Fumar cigarros parece aumentar a retenção de fibras de amianto nos pulmões, e, muitas vezes resulta em uma progressão mais rápida da doença.

Os fatores de risco

Trabalhadores que estavam envolvidos na mineração, moagem, fabricação, instalação ou remoção de produtos de amianto antes do final de 1970 correm o risco de ter asbestose. Os exemplos incluem:
• Mineradoras de amianto
• Aviões e auto mecânica
• Trabalhadores da construção civil
• Trabalhadores removendo amianto de isolamento em torno das tubulações de vapor em edifícios mais antigos
• Eletricistas
• Trabalhadores dos estaleiros
• Operadores de caldeiras
• Trabalhadores ferroviários
Em geral, é para ser seguro em torno de materiais de que são feitos com amianto, enquanto as fibras de amianto são contidas para impedi-los de escapar para a atmosfera.

Complicações

Se você fuma e tem asbestose, a sua chance de desenvolver câncer de pulmão aumenta consideravelmente. O fumo do tabaco e amianto contribui para os efeitos cancerígenos do outro.

Testes e diagnóstico

Asbestose podem ser difíceis de diagnosticar pelos sinais e sintomas são semelhantes aos de muitos outros tipos de doenças respiratórias. Pode ser necessária uma variedade de testes de diagnóstico para ajudar a identificar o diagnóstico.

Os exames de imagem

• Raio-X: Asbestose aparece como brancura excessiva em seu tecido pulmonar. Se a asbestose é avançado, todo o seu pulmão pode ser afetado, dando-lhe uma aparência de favo de mel.
• A tomografia computadorizada (CT): Tomografias combinar uma série de raios-X vistas tiradas de diversos ângulos para produzir imagens transversais dos ossos e tecidos moles dentro do seu corpo. Esses exames geralmente oferecem maior detalhe e podem ajudar a detectar a asbestose em seus estágios iniciais, antes mesmo que ele aparece em uma radiografia de tórax.

Testes de função pulmonar

Estes testes determinam se os pulmões estão funcionando. Testes de função pulmonar medir a quantidade de ar de seus pulmões pode segurar e o fluxo de ar dentro e fora de seus pulmões. Por exemplo, você pode ser convidado a soprar tão duro como você pode em um dispositivo de ar-medição chamado espirômetro. Alguns testes de função pulmonar pode medir a quantidade de oxigênio que está sendo transferido para a corrente sanguínea.

Tratamentos e drogas

Não há nenhum tratamento para reverter os efeitos do amianto nos alvéolos. O tratamento consiste na prevenção da progressão da doença e aliviar os sintomas.

Medicamentos

As pessoas que têm problemas respiratórios asbestose relacionadas às vezes são ajudados pelo uso de inaladores prescritos mais comumente usados por pessoas que têm asma.

Terapia

Para facilitar a dificuldade em respirar, o médico pode prescrever oxigênio suplementar, que é entregue pelo tubo de plástico fino que tem dois pinos que se encaixam em suas narinas.

Cirurgia

Se os sintomas forem graves, pode ser um candidato para um transplante de pulmão.

Estilo de vida e remédios caseiros

Parar de fumar. Se você fuma, é importante parar, principalmente devido ao risco extremamente elevado de câncer de pulmão. Além disso, o fumo pode causar enfisema, o que reduz ainda mais as suas reservas pulmonares.
Obter vacinados. Devido a sua condição pulmonar prejudicada, tratar um resfriado ou um episódio de gripe imediatamente para evitar complicações. O seu médico poderá aconselhá-lo a receber vacinas contra a gripe e pneumonia.

Prevenção

Reduzir o nível de exposição ao amianto é a melhor prevenção contra a asbestose. Nos Estados Unidos, a lei federal exige que os empregadores em indústrias que trabalham com produtos de amianto - como indústrias de construção e estaleiro - para monitorar os níveis de exposição, criar áreas regulamentadas para o trabalho de amianto, e proporcionar aos seus empregados treinamento equipamento adequado, de proteção, como máscaras e, áreas de descontaminação de higiene. As leis também obrigam os exames médicos regulares para detectar asbestose precoce.

Muitas casas construídas antes de 1970 contêm amianto em itens como:

  • Isolamento para construção
  • Isolamento para tubos de água quente e vapor
  • Isolamento acústico e decorativo de material pulverizado nas paredes e tetos
  • Telhado e tapume telhas
  • Pisos de vinil
  • Geralmente, não há motivo para preocupação, desde que esses materiais estão em boas condições e não perturbá-los ou levá-los a se desintegrar. É quando eles estão danificados que não há perigo de fibras de amianto sendo lançados no ar. E asbestose ocorre apenas após exposição repetida a uma grande quantidade de fibras ao longo de muitos anos.

    Fonte: www.mayoclinic.com

    Asbestose

    Asbestose é uma doença crônica pneumoconiose em que o tecido do parênquima dos pulmões sofre fibrose lento e repetitivo, ou cicatrizes. Pneumoconiose é um termo geral usado para descrever uma doença respiratória associada com a inalação de grandes quantidades de um tipo específico de poeira. A asbestose é exclusivamente causada pela inalação e retenção de poeiras de amianto ou de fibras e é mais prevalente entre trabalhadores que tinham uma extensa exposição à mineração, fabricação, manipulação ou remoção de amianto.

    A forma de amianto, que é particularmente responsável pela asbestose é o anfibólio, fibras finas retas. Devido à sua forma e tamanho, as fibras de amianto anfibólio são capazes de penetrar profundamente em sacos de ar do pulmão, ou alvéolos, onde movimentos de oxigênio na corrente sanguínea eo dióxido de carbono é levado. Aqui, as anfíbolas provocar o sistema imune do corpo em rejeitá-los por triagem de células defensivas chamadas macrófagos, que tentam envolver e digerir as fibras. Além disso, os anfibólios estimular as células de fibroblastos dos pulmões para estabelecer conjuntivo ou tecido fibroso em uma tentativa de "curar" as feridas causadas pelas fibras afiadas.

    DEFINIÇÕES

    Alvéolos: Saco de ar do pulmão.
    Macrófagos: As células brancas do sangue encontrado no interior de tecidos que estimulam mecanismos de defesa para estimular o sistema imunológico.
    Células de fibroblastos:
    As células de tecido conjuntivo que produzem a matriz extracelular e o fortalecimento dos tecidos.
    Tecido do parênquima dos pulmões: O tecido que realiza o trabalho dos pulmões em comparação com o tecido conjuntivo ou do tecido que só proporciona apoio.
    Expectoração: Muco secretado a partir dos pulmões e expelido através da boca.

    A criação contínua de tecido cicatricial ao longo do tempo faz com que as paredes alveolares para engrossar, reduzindo a capacidade dos pulmões para levar oxigênio e remover o dióxido de carbono. A respiração torna-se cada vez mais dolorosa e difícil ao mesmo tempo com menos oxigênio atinge o sangue purificador. Nos casos mais graves de asbestose, a redução drástica na função pulmonar pode causar o coração tem que bombear a uma taxa mais rápida do que é saudável. Por conseguinte, uma pessoa com asbestose pode finalmente morrer de insuficiência cardíaca, mesmo que a asbestose é o fator que contribui.

    Asbestose

    Quais são os sintomas da asbestose?

    Embora os sintomas da asbestose podem não serem notados por décadas após as pessoas terem sido expostos ao amianto, os principais sintomas da doença são reduzidos a tolerância ao esforço físico e falta de ar. A gravidade do sintoma está relacionada com a quantidade e duração da exposição ao amianto.

    Asbestose

    Outros sintomas da asbestose geralmente incluem:

  • Tosse
  • Dor no peito
  • Sangue no escarro
  • Inchaço no pescoço ou rosto
  • Dificuldade em engolir
  • Perda de apetite
  • A perda de peso
  • Fato rápido: A asbestose pode desenvolver completamente em menos de sete anos e causar a morte dentro de 13 anos. Em outros casos, pode demorar 20 anos ou mais antes que uma vítima pode começar a sentir os sintomas.

    Os sintomas clínicos de asbestose

    Asbestose pacientes exibem inspiratório seco crepitação, que são ou clicando chocalhar ruídos feitos pelos pulmões durante a inalação, e "cabelo" dos dedos da mão, o que pode incluir o amolecimento dos leitos das unhas, protuberantes da última parte do dedo, e deformação das unhas causada por uma diminuição do fluxo de sangue oxigenado para as extremidades.

    Existe sempre uma evidência de fibrose nos lobos inferiores do pulmão, onde a asbestose é mais prevalente, e mais do que 50 por cento das pessoas afetadas com asbestose desenvolver placas na pleura parietal, que é o espaço entre a parede do peito e dos pulmões.

    Fato rápido: Asbestose pacientes têm um risco 8-10 vezes maior de desenvolver câncer de pulmão do que aqueles sem asbestose.

    Como é Asbestose diagnosticada?

    Ferramentas de diagnóstico recomendados para determinar se um paciente tem asbestose incluem:

  • Exame físico completo
  • Radiografia de tórax
  • Testes de função pulmonar
  • Além disso, a biópsia do pulmão, em que o tecido é removido por cirurgia, é a maneira mais fiável para confirmar a presença de fibras de amianto microscópicas porque os raios-X não podem detectar as fibras de amianto nos pulmões.

    Como é Asbestose tratada?

    Embora não haja nenhuma cura conhecida para a asbestose, os tratamentos de suporte dos sintomas incluem:

  • A terapia com oxigênio para aliviar a falta de ar
  • A fisioterapia respiratória para remover as secreções dos pulmões
  • Medicamentos para secreções finas e aliviar a dor
  • Que Ocupações estão em risco de desenvolver asbestose?

    Durante a maior parte do século XX, milhões de trabalhadores norte-americanos foram expostos ao amianto. O maior risco de contrair doenças como a asbestose caiu sobre aqueles na mineração e moagem comércios amianto; esses têxteis de fabricação de amianto e outros produtos; construtores navais, e os trabalhadores de isolamento na construção e construção de comércios.

    Após o início dos anos 1970, quando o uso do amianto diminuiu em os EUA, os indivíduos de maior risco foram os trabalhadores da demolição, removedores de drywall, trabalhadores de remoção de amianto, bombeiros e trabalhadores da indústria automobilística.

    A asbestose é uma doença incapacitante doloroso. Sua única causa é a exposição ao amianto. Como o envelhecimento da população dos portadores de asbestose continua a adoecer e morrer, é imperativo que o resto da sociedade para continuar a responsabilizar os responsáveis pelo seu sofrimento - as mineradoras de amianto e de fabricação empresas, que sabiam dos perigos do contato amianto, ainda continuava para expor os seus trabalhadores à fibra perigosa e letal.

    Fatores adicionais de como o amianto podem afetar um indivíduo:

  • A dose (quanto o amianto o indivíduo foi exposto)
  • A duração (quanto tempo um indivíduo foi exposto)

  • O tipo de amianto
  • A fonte de exposição
  • A fonte de exposição
  • Quando foi a exposição ao amianto Primeiro Ligado a asbestose mortal?

    A primeira morte documentada de um trabalhador por causa da falha pulmonar amianto foi no Charring Hospital Cruz de Londres por Dr. Montague Murray em 1906. A autópsia de um 33 - vítima year-old revelou grandes quantidades de fibras de amianto em seus pulmões.

    Em 1924, Dr. WE Cooke, um patologista britânico, escreveu um relato de caso sobre uma jovem mulher chamada Nellie Kershaw, que já havia trabalhado para a Turner Irmãos Amianto empresa desde que ela tinha 13 anos. Até o momento ela foi de 31, Kershaw foi totalmente desativado, e morreu logo depois. Dr. Cooke nomeou doença "asbestose pulmonar" e atribuiu formalmente a causa da morte de Kershaw à exposição ao amianto prolongado. No geral, houve mais de 13 mil mortes por asbestose registrados em os EUA a partir de 1995-2004.

    Você está em risco de desenvolver asbestose?

    Qualquer pessoa exposta ao amianto nos produtos de ar, água, solo ou fabricados está em risco de uma doença relacionada ao amianto, como a asbestose. Se você quiser obter mais informações sobre os seus riscos, ligue para (800) 615-2270 para falar com um de nossos Representantes dos Doentes que podem ajudar você a entender mais sobre estas doenças e os médicos que os tratam.

    Fonte: www.asbestos.com

    Asbestose

    Doenças relacionadas ao amianto

    O risco de doença pulmonar relacionada com amianto aumenta com o grau e duração da exposição e também depende do tipo de fibras de amianto. As pessoas expostas ao amianto freqüentemente desenvolvem doença pulmonar após um longo período de latência. Exposição ao amianto pode causar:

    - Doença benigna: placas pleurais, espessamento pleural, benignos derrame pleural
    - Doença pulmonar intersticial: asbestose
    - Doença maligna: especialmente mesotelioma e câncer de pulmão
    Os três principais tipos de amianto, que têm sido usados comercialmente são crocidolita (amianto azul), amosita (marrom) e crisotila (branco).

    Todos os tipos de fibras são perigosos. Houve uma discussão na literatura que o amianto azul e marrom foi mais perigoso do que o branco. Existe, no entanto, provas que sugerem que podem ser crisotilo como cancerígenas, como os outros tipos.
    Macrófagos alveolares desempenhar um papel importante na etiologia de doenças relacionadas com a asbestose.

    Epidemiologia

    - Populações de alto risco incluem ofícios da construção civil, marceneiros, encanadores, eletricistas, pintores, caldeireiros, trabalhadores do estaleiro, os trabalhadores ferroviários, mineiros de amianto e veteranos da Marinha.
    - O número anual de mortes por mesotelioma no Reino Unido está aumentando, com 2.347 mortes em 2010, em comparação com 153 em 1968.
    - O número esperado de mortes entre os machos deverá aumentar para um máximo de 2038 no ano 2016.
    - A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 107 mil pessoas no mundo, morrem anualmente de mesotelioma, câncer de pulmão e asbestose. Mesotelioma ainda está aumentando na maioria dos países europeus e no Japão, mas atingiu o pico nos EUA e na Suécia.
    - A incidência de doença relacionada com amianto irá continuar a aumentar em países em vias de desenvolvimento, devido à utilização desregulada do amianto.
    - A exposição à fumaça do cigarro aumenta o risco de desenvolver câncer de pulmão em pacientes com história de exposição ao amianto.

    Gestão

    - Alguns pacientes têm direito a compensação e deve procurar o conselho do Departamento do Trabalho e Pensões (ver link em 'Leitura e referências ", abaixo) ou organizações de caridade dedicados.
    - Deixar de fumar é importante porque o fumo aumenta o risco de desenvolvimento de neoplasia pulmonar.
    - Imunização contra a gripe e vacinação pneumocócica deve ser administrada a pacientes com asbestose ou neoplasia de pulmão.

    Doença benigna: As placas pleurais.

    - As placas pleurais geralmente afetam a pleura parietal (especialmente junto ao sexta-nono costelas e ao longo da superfície do diafragma) e ocorrem em 20-60% das pessoas que foram expostas ao amianto.
    - As placas pleurais são geralmente sem sintomas, mas pode causar dor no peito. Eles permanecem benignos e não se tornar maligno, embora haja alguma evidência de que eles podem ser um fator de risco independente para o mesotelioma. Há alguma evidência de que eles podem estar associados a um padrão restritivo em testes de função pulmonar, mas isso não é pensado para ser clinicamente relevante.
    -A tomografia computadorizada é mais sensível do que a CXR e distingue placas pleurais de tumores sólidos.

    Espessamento pleural difuso

    - O espessamento difuso da pleura pode ocorrer após a exposição ao amianto, no entanto, outras causas incluem hemotórax anterior, a tuberculose, a cirurgia de peito, radiação, infecção e exposição a fármacos, tais como metisergide. É, por conseguinte, menos específicos para a exposição ao amianto de placas pleurais.
    - Espessamento pleural difuso extensa pode causar falta de ar.
    - Achados CXR de espessamento pleural difuso incluem uma densidade pleural contínuo liso que afeta, pelo menos, 25% da parede torácica lateral, por vezes, com o ângulo de embotamento costofrênico.
    - Testes de função pulmonar podem apresentar um defeito ventilatório restritivo.
    - Tomografia computadorizada e biópsia podem ser necessárias para diferenciar espessamento pleural difuso de mesotelioma.
    O derrame pleural relacionada ao amianto benigno
    - Os derrames pleurais podem ocorrer dentro de 10-20 anos de exposição ao amianto, mas pode aparecer muito mais tarde.
    - Uma biópsia pleural é geralmente necessária para diferenciar derrames pleurais benignos e malignos.
    - Derrames benignos podem exigir drenagem se grande e sintomático, mas eles podem resolver-se espontaneamente.

    Asbestose

    - Asbestose é um típico pneumoconiose (doença intersticial pulmonar causada por inalação de poeiras inorgânicas) e é causada pela inalação de fibras de amianto, com um período de latência de 20-30 anos.
    - O desenvolvimento e severidade da asbestose, esta relacionada com o grau e duração da exposição ao amianto.

    Apresentação:

    - Há tipicamente um início gradual inicial de falta de ar e tolerância ao exercício reduzida, às vezes com tosse produtiva e chiado no peito.
    - Progressão de asbestose pode levar a multa inspiratória crepitações bilateral, baqueteamento digital e cor pulmonale.

    Investigações:

    - Testes de função pulmonar mostram transferência reduzida de gás, redução dos volumes pulmonares, um defeito ventilatório restritivo e hipoxemia relacionada ao exercício.
    - CXR pode ser normal, mas geralmente mostram mudanças de fuso intersticiais inferiores bilaterais, muitas vezes com placas pleurais e espessamento.
    - De alta resolução TC é mais sensível do que RXT.
    - Biópsia e confirmação histológica não são geralmente necessárias.

    Gestão

    - Não existe tratamento específico está disponível.
    - Portanto, de gestão inclui o tratamento para doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e cor pulmonale, cessação do tabagismo, gripe e vacinação pneumocócica e prevenção de mais exposição ao amianto.
    Prognóstico:
    - O prognóstico da asbestose é muito variável e depende do grau de envolvimento do pulmão e a gravidade da DPOC.

    Doença maligna: O câncer de pulmão.

    - A exposição ao amianto causa câncer de pulmão, independentemente do tabagismo.
    - O câncer de pulmão é mais associado com fibras de amianto longos e finos.
    - Asbestose não precisa estar presente em uma pessoa desenvolver cancro do pulmão, como resultado da exposição ao amianto.
    - O diagnóstico e administração são as mesmas que as de todos os doentes com cancro do pulmão.

    Outros tipos de câncer

    Estudos também têm demonstrado uma associação entre a exposição ao amianto e colangiocarcinoma. Há evidências de uma associação entre o amianto e cânceres do trato urinário. A ligação com o câncer de laringe e linfoma é menos certo.

    Compensação

    - Pacientes com doença pulmonar relacionada ao amianto podem ser elegíveis para compensação através da Lesões industrial Disablement Benefit (IIDB) do Departamento do Trabalho e Pensões (ver link em 'Leitura e referências ", abaixo) ou uma reivindicação de direito civil por perdas e danos a partir da empregador, no momento da exposição ao amianto.
    - De acordo com a Lei de Limitação Reino Unido 1980, os pacientes têm apenas três anos para fazer uma reclamação civil desde a data em que tomou conhecimento da doença relacionada ao amianto causado por uma ação ou omissão do réu proposto.
    - Várias instituições de caridade também podem fornecer ajuda e apoio em compensação (ver Amianto Vítimas Grupos de Apoio Forum ligação Reino Unido em 'Leitura e referências, abaixo).

    A vigilância médica

    Doenças relacionadas ao amianto não pode ser evitado em pessoas que trabalham com amianto. No entanto, seus efeitos podem ser limitados por medidas de saúde e segurança, combinados com vigilância médica regular.

    O controle da exposição ao amianto industrial no Reino Unido está sujeita ao Regulamento de Controle de amianto 2012. Estes especificar os regimes de vigilância necessários para pessoas que trabalham com amianto. O cronograma exigido varia de acordo com o grau de risco para o trabalhador individual. Para aqueles com maior risco, verifique um médico pelo menos a cada dois anos é necessária. Trata-se de uma história ocupacional e respiratório, um exame respiratório e testes de função pulmonar. RXT de rotina não são mais feitos devido a preocupações sobre a exposição desnecessária à radiação, mas estão dispostos, se clinicamente indicado.

    Fonte: www.patient.co.uk

    Asbestose

    Risco para a saúde

    O amianto pode ser um material muito perigoso. Se não é perturbada, que não apresenta riscos para a saúde. No entanto, se os materiais que contêm amianto estão lascados, perfurado, quebrado ou simplesmente permitiu a deteriorar-se - por exemplo, devido à exposição ao tempo - eles liberam uma poeira fina que contém pequenas fibras de amianto.

    Se alguém aspira o pó, as fibras de amianto entrar no pulmão e podem causar doenças. Para desenvolver a asbestose, a exposição prolongada a um número relativamente alto das fibras é necessária. Mesotelioma , um tipo de câncer causado pelo amianto, pode ocorrer após muito menos exposição. Por esta razão, toda a exposição ao amianto deverá ser evitado se possível.

    Em 1970, normas rígidas foram introduzidas para regular o uso do amianto no local de trabalho e limitar a exposição do trabalhador a ele.

    A asbestose é uma doença pulmonar crônica (de longo prazo) causada pela exposição prolongada ao amianto. O amianto é um material macio, branco-acinzentado que não queima. No passado, foi muito utilizado na construção civil, para proteção contra incêndio e como uma forma de isolamento.

    Os sintomas da asbestose

    Respirar poeira de amianto pode cicatriz nos pulmões, o que pode levar a:
    - Falta de ar
    - Tosse.

    Estes sintomas geralmente começam muitos anos após a exposição inicial ao amianto. Na maioria dos casos, os sintomas não se tornam aparentes até 15 a 30 anos após a exposição.
    Dedos inchados, conhecidos como baqueteamento digital, é um sinal de menos comum de asbestose. É geralmente associada com casos mais avançados.

    Asbestose significa que o tecido pulmonar tornou-se marcada devido à exposição ao amianto anterior. As placas pleurais ou espessamento pleural causada pelo amianto não são as mesmas que asbestose. Nestas condições, a membrana que cobre os pulmões (pleura) seja danificado por amianto, mas os próprios pulmões são ileso.

    Leia mais sobre as causas da asbestose.
    Amianto
    O amianto é um termo geral que se refere a um grupo de minerais, fibras feitas de cristalinos de comprimento. As fibras de amianto são muito fortes e resistentes ao calor, eletricidade e produtos químicos. Foi amplamente utilizado em indústrias, tais como:
    - Isolamento
    - Construção naval e ferrovias
    - Geração de energia elétrica
    - Construção civil
    Existem três tipos principais de amianto
    - Amianto azul - crocidolita
    - Amosita - amianto marrom
    - Amianto branco - crisotila

    Todos os tipos de amianto são perigosos, mas o amianto azul e marrom é muito mais perigoso do que o amianto branco. O tipo mais comum de amianto para uso industrial foi o amianto crisotila branco. Amosite e crocidolita foram proibidos na década de 1980, apesar de proibições voluntárias sobre o uso industrial de ambos os materiais, entrou em vigor mais cedo do que isso. No crocidolita foi importado para o Reino Unido depois de 1970. Crisotila não foi banido até 1999. Há ainda grandes quantidades de todos os tipos de amianto apresentam em edifícios antigos.

    Como é comum asbestose?

    A asbestose é uma condição relativamente rara que leva uma quantidade considerável de exposição para causar isso, e regulamentos para restringir a exposição já está em vigor há mais de 40 anos. No entanto, em 2009 houve 189 mortes causadas por asbestose. Em 2010, 1.015 pessoas foram avaliadas com lesões industrial benefício incapacidade para a condição.

    Em contraste com a diminuição do número de casos de asbestose, os casos de mesotelioma estão aumentando e não devem atingir seu pico até 2013-16. Mesotelioma é cancro das células mesoteliais que compõem o revestimento da superfície externa de órgãos, incluindo os pulmões, coração e intestino.

    Mesotelioma pode ser causada por pequenas quantidades de exposição ao amianto, o que explica a diferença no número de casos de asbestose e mesotelioma. Isso mostra que a legislação introduzida em 1970, para evitar altos níveis de exposição ao amianto no local de trabalho ajudou a reduzir o risco de asbestose.

    Há medidas para ajudar a prevenir uma futura exposição ao amianto no local de trabalho.

    Tratar asbestose

    Não há cura para a asbestose, uma vez que tem vindo a desenvolver, porque não é possível reparar a lesão pulmonar causada pelo amianto. Algumas pessoas com asbestose sua condição progride ao longo do tempo.

    A coisa mais importante que alguém com asbestose pode fazer é parar de fumar (se eles fumam). Isto é porque a progressão da asbestose é mais comum nos fumadores, comparados com não fumadores. Em casos de asbestose, o tabagismo também aumenta o risco de câncer de pulmão.

    Tratamentos, incluindo terapia de oxigênio, podem melhorar significativamente a qualidade de vida de alguém com asbestose. Pessoas com asbestose têm um maior risco de desenvolvimento de outras doenças graves, tais como os descritos abaixo.

    - O câncer de pulmão - um dos tipos mais comuns e graves de câncer.
    - Mesotelioma - um tipo de câncer que afeta a membrana que cobre o pulmão, coração e intestino.
    - Doença pleural - membrana que cobre os pulmões (pleura) torna-se mais espessa. Se o espessamento é localizada a algumas manchas, a condição é conhecida como placas pleurais, que não causam sintomas. No entanto, se houver mais de espessamento, é conhecido como o espessamento pleural difuso. Isso pode contribuir para a falta de ar e desconforto torácico. A maioria das pessoas (cerca de 95%) com asbestose também têm espessamento pleural ou placas pleurais.

    Casos graves de asbestose pode colocar uma pressão significativa sobre a saúde de uma pessoa e encurtar sua expectativa de vida. No entanto, em muitos casos, a doença progride muito lentamente, ou não em todos. Mais pessoas com asbestose morrem como resultado de um ou mais dos cancros acima mencionado.

    Compensação

    Se você tiver sido diagnosticado com asbestose, você pode ser capaz de pedir uma indenização. Existem três tipos principais de compensação, que são explicadas abaixo. - Lesões industrial benefício invalidez - este é um benefício semanal que pode ser pago a pessoas com asbestose que foram expostos ao amianto, enquanto no mercado de trabalho (mas não self-employed)

    - Ele também pode ser possível lançar uma ação civil para a compensação através dos tribunais - você vai precisar para obter aconselhamento jurídico sobre como fazer isso.
    - Você pode ser capaz de reivindicar uma quantia em compensação ao abrigo do Pneumoconiosis etc (Workers 'Compensation) Act 1979, se você tem asbestose ou você é dependente de alguém que morreu da doença, e você não foi capaz de obter compensação através dos tribunais, porque o empregador que você exposto (ou a pessoa em nome de quem você está reivindicando) deixou negociação.

    Fonte: www.nhs.uk

    Asbestose

    Asbestose
    Raio-X do peito com asbestose mostra placas sobre o diafragma

    Asbestose é uma doença causada pela aeração do pó de amianto, também chamado de asbesto. É uma tentativa de cicatrização do tecido pulmonar, causada pelas fibras minerais de silicatos do asbesto. A asbestose é uma formação extensa de tecido cicatricial nos pulmões causada pela aspiração do pó de amianto.

    O amianto é composto por silicato de mineral fibroso de composição química diversa. Quando se inala, as fibras de amianto fixam-se profundamente nos pulmões, causando cicatrizes. A inalação de amianto pode também produzir o espessamento dos dois folhetos da membrana que reveste os pulmões (a pleura).

    As pessoas que trabalham com o amianto correm o risco de sofrer doenças pulmonares. Os operários que trabalham na demolição de construções com isolamento de amianto também correm risco, embora menor. Quanto mais tempo um indivíduo estiver exposto às fibras de amianto, maior é o risco de contrair uma doença relacionada com o amianto.

    Sintomas

    Os sintomas da asbestose aparecem gradualmente só depois da formação de muitas cicatrizes e quando os pulmões perdem a sua elasticidade. Os primeiros sintomas são a dispneia ligeira e a diminuição da capacidade para o exercício.

    Os grandes fumadores que sofrem de bronquite crónica juntamente com asbestose podem tossir e ter uma respiração sibilante. A respiração torna-se, gradualmente, mais difícil. Cerca de 15 % das pessoas com asbestose têm dispneia e insuficiência respiratória.

    Por vezes a inalação de fibras de amianto pode fazer com que se acumule líquido no espaço que se encontra entre as camadas pleurais (cavidade pleural). Em raras ocasiões, o amianto causa tumores na pleura, denominados mesoteliomas, ou em membranas do abdómen, chamados mesoteliomas peritoneais.

    Os mesoteliomas causados pelo amianto são um tipo de câncer o que não se consegue curar. Geralmente, aparecem depois da exposição à crocidolite, um dos quatro tipos de amianto. A amosite, outro tipo, também produz mesoteliomas. O crisótilo, provavelmente, não produz mesoteliomas, mas, às vezes, está contaminado com tremolite, e esta causa-os. Os mesoteliomas desenvolvem-se, de modo geral, ao fim de 30 ou 40 anos de exposição ao amianto.

    O câncer do pulmão está relacionado, em parte, com o grau de exposição às fibras de amianto; no entanto, entre as pessoas que sofrem de asbestose, o cancêr do pulmão desenvolve-se quase exclusivamente naquelas que também fumam cigarros, em especial nas que fumam mais de um maço por dia.

    Diagnóstico

    Nas pessoas com antecedentes de exposição ao amianto, o médico pode, às vezes, diagnosticar asbestose com uma radiografia ao tórax que mostre as alterações características. De modo geral, a função pulmonar da pessoa é anormal e, ao escutar o pulmão, podem ouvir-se sons anormais, as chamadas crepitações.

    Para determinar se um tumor pleural é canceroso, o médico pratica uma biopsia (extracção de uma pequena porção de pleura para ser examinada ao microscópio). Pode-se também extrair e analisar o líquido que rodeia os pulmões (um procedimento denominado toracentese); no entanto, este procedimento não é habitualmente tão rigoroso como a biopsia.

    Prevenção e tratamento

    As doenças causadas pela inalação de amianto podem prevenir-se diminuindo ao máximo o pó e as fibras de amianto no local de trabalho.

    Dado que o controle do pó melhorou nas indústrias que utilizam o amianto, atualmente é menor o número de pessoas que sofrem de asbestose, mas os mesoteliomas continuam a aparecer em indivíduos que estiveram expostos até há 40 anos. O amianto deveria ser extraído por trabalhadores especializados em técnicas de extracção. Os fumantes que estiveram em contato com o amianto podem reduzir o risco de câncer deixando de fumar.

    A maioria dos tratamentos para a asbestose alivia os sintomas; por exemplo, a administração de oxigênio alivia a dispneia. Drenar o líquido à volta dos pulmões pode também facilitar a respiração.

    Há casos em que o transplante do pulmão deu resultados muito positivos na asbestose. Os mesoteliomas são invariavelmente mortais; a quimioterapia não é eficaz e a extirpação cirúrgica do tumor não cura o câncer.

    Fonte: pt.wikipedia.org

    Asbestose

    Asbestose: definição, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento, prevenção

    Asbestose

    O que é asbestose?

    A asbestose é uma doença pulmonar devido à aspiração do pó de amianto (também chamado asbesto), que causa fibrose e importantes restrições funcionais ao órgão. Quanto maior for o tempo de exposição às fibras de amianto, maior é o risco da doença. Os operários que trabalham com amianto, sem proteção adequada, por exemplo, tem alto risco de contraírem a doença.

    Quais são as causas da asbestose?

    A asbestose se caracteriza por uma tentativa de cicatrização das lesões do pulmão causadas pela inalação do asbesto. Quando inaladas, as fibras de amianto aderem-se profundamente ao tecido pulmonar, causando cicatrizes (fibroses). Com o passar do tempo, essas fibroses vão se tornando tão extensas que ocasionam grandes prejuízos às funções respiratórias dos pulmões.

    Quais são os principais sinais e sintomas da asbestose?

    Os sinais e sintomas da asbestose surgem gradativamente à medida que as cicatrizes nos pulmões vão ficando maiores e eles vão perdendo a sua elasticidade normal. Aparecem, então, dispnéia e diminuição da capacidade para os exercícios, gradualmente crescentes, tosse e sibilos. A asbestose pode também produzir o espessamento dos dois folhetos da pleura (membrana que reveste os pulmões). Pode aparecer também acúmulo de líquido na cavidade pleural (espaço entre as duas camadas da pleura) ou, mais raramente, após exposições muito duradouras, tumores na pleura ou em membranas do abdome. O câncer do pulmão está, em parte, relacionado à exposição prolongada e em alto grau às fibras de amianto.

    Como o médico diagnostica a asbestose?

    Em um primeiro momento, o diagnóstico baseia-se no histórico de exposição ao pó de amianto e em sinais radiográficos das lesões pulmonares. Nas pessoas com antecedentes de exposição ao pó, a radiografia do tórax mostrará as alterações características. De modo geral, ao escutar-se o pulmão da pessoa doente, o médico poderá ouvir crepitações anormais. Caso haja um tumor, o médico deve realizar uma toracentese (extração do líquido acumulado na cavidade pleural) ou uma biópsia para determinar se ele é maligno ou não.

    Como o médico trata a asbestose?

    A principal medida terapêutica é o afastamento da inalação do amianto. Os tratamentos empregados na asbestose são apenas sintomáticos e visam aliviar o que o paciente esteja sentindo (dificuldades de respirar, dor, tosse, etc.). Os tumores pleurais por ventura existentes são invariavelmente mortais porque não respondem à quimioterapia e a extirpação cirúrgica deles não cura o câncer. O transplante do pulmão em geral dá bons resultados na asbestose.

    Como prevenir a asbestose?

    Evitar ou diminuir ao máximo possível a exposição ao pó de amianto. Os trabalhadores que tiverem necessariamente que exporem-se ao pó de amianto devem usar os equipamentos de proteção adequados.
    O câncer de pulmão é mais incidente nos fumantes que estejam em contato com o amianto. Assim, eles podem reduzir o risco de câncer deixando de fumar.

    Fonte: www.abc.med.br

    Asbestose


    ASBESTOSE
    Pneumologia/Pulmão
    Asbestose

    Asbesto é um termo geral que se usa para descrever 6 variedades de silicatos minerais fibrosos.

    Crisolita: 95% da produção mundial, sendo o Canadá o maior produtor.

    Crocidolita, amosita, antofilita, termolita e actinolita: 5%

    É usado na construção civil, têxtil, isolantes, tintas, plásticos, lonas de freio de carro, etc. É muito resistente à destruição à agentes químicos e físicos.

    O risco vai desde a extração até a destruição do produto.

    Usualmente as evidências clínicas ou radiológicas não aparecem antes de 20 anos de exposição, porém às vezes exposições curtas (2 a 6 meses) podem causar a doença até 30 anos mais tarde.

    O mecanismo de lesão não é bem conhecido, acha-se que a fibra de asbesto é inalada e penetra no parênquima pulmonar desencadeando um edema das células alveolares, seguido de uma alveolite descamativa e espessamento das paredes alveolares e obliteração de alvéolos por feixes de colágeno. Os corpos de asbesto (ferruginosos) aparecem como fibras de coloração marrom ou negra, no meio da fibrose. Há também placas de fibrose pleural.

    RX: Espessamento e placas pleurais são os achados mais comuns. Sào bilaterais, com áreas calcificadas. Também fibrose intersticial em 50% dos casos, de padrão reticular em bases. Derrame pleural unilateral ou bilateral.

    Sintomas: Dispnéia e tosse improdutiva irritante surgem 20 ou 30 anos após exposição. Com a evolução estertores finos em bases podem ser auscultados, e posteriormente cianose e hipocratismo digital pode ser observado. Derrame pleural é acompanhado de sua clínica.

    A complicação mais grave é a evolução com mesotelioma e carcinoma brônquico. O período de latência é longo, a crocidolita é a variedade que mais se associa ao mesotelioma que costuma ser maligno difuso.

    Fonte: drashirleydecampos.com.br

    Asbestose

    Asbesto e Asbestose

    Informações gerais
    Nomes alternativos

    Fibrose pulmonar por exposição ao asbesto; Pneumonite intersticial idiopática por exposição ao asbesto; Pneumoconiose por asbesto.

    Definição

    A asbestose é considerada uma pneumoconiose, ou seja, uma doença do sistema respiratório relacionada ao trabalho, que decorre da aspiração de poeira com asbesto e caracteriza-se por fibrose pulmonar crônica e irreversível. A inalação de fibras de asbesto pode causar uma variedade de enfermidades, desde espessamento do revestimento dos pulmões, que em geral é assintomático, até o desenvolvimento de um mesotelioma maligno (um tipo de câncer que se origina no revestimento do pulmão).

    Fatores de risco

    O asbesto, conhecido comercialmente como amianto, é uma fibra mineral natural sedosa e resistente, que está presente em abundância na natureza sob duas formas: serpentinas (amianto branco) e anfibólios (amiantos marrom, azul e outros), sendo que a forma serpentinas corresponde a mais de 95% de todas as manifestações geológicas no planeta. O asbesto é utilizado principalmente na fabricação de produtos de cimento-amianto (telhas, caixas d’água, placas, tubulações), materiais de fricção (pastilhas de freio, embreagens), materiais de vedação (gaxetas), tintas, pisos, materiais plásticos e produtos têxteis como mantas, lonas e tecidos resistentes ao fogo (refratários).

    O Brasil é um dos quatro maiores produtores mundiais de asbesto, e a exploração se dá em mineração de superfície no Estado de Goiás (Mina de Cana Brava, Município de Minaçu). Além dos trabalhos na indústria extrativa ou de transformação do asbesto, diversas atividades profissionais levam à exposição crônica, como o trabalho em construção civil (encanadores, trabalhos em demolições, colocação e reforma de telhados), isolamento térmico de caldeiras e tubulações e manutenção de fornos (tijolos refratários). Ao risco dos que trabalham diretamente com asbesto soma-se a possibilidade dos trabalhadores levarem a poeira com asbesto em suas roupas para suas casas, expondo os familiares. Estima-se que 20.000 a 25.000 trabalhadores brasileiros estão expostos na indústria extrativa e de transformação do asbesto. No total, cerca de 300 mil pessoas estão expostas ao amianto no Brasil.

    A inalação de fibras de asbesto pode produzir cicatrização dos tecidos (fibrose) no interior do pulmão. O tecido pulmonar cicatrizado não se expande nem se contrai de forma normal e perde sua elasticidade. A severidade desta doença depende do tempo de exposição e da quantidade inalada. As enfermidades relacionadas com o asbesto incluem, ainda, as placas pleurais (calcificação) e tumor maligno denominado mesotelioma. Os mesoteliomas podem desenvolver-se depois de vinte a quarenta anos da exposição inicial, sendo que o hábito de fumar aumenta o risco de desenvolver esse tipo de câncer.

    Sintomas

    O aparecimento da doença está relacionado ao tamanho e concentração das fibras de asbesto presentes no ambiente de trabalho, ao tempo de exposição e, ao tipo de atividade e intensidade do esforço físico desenvolvido pelo trabalhador na sua função.. As fibras pequenas (com menos de 5 micrômeros de diâmetro e 200 micrômeros de comprimento) conseguem atingir o interior dos pulmões, chegando aos alvéolos, onde produzem reação inflamatória com formação de cicatrizes que impedem a função de troca gasosa pulmonar. Normalmente, o período de latência da asbestose é maior do que 10 anos, entretanto, em presença de elevados níveis de poeira, os trabalhadores poderão desenvolver a doença num prazo inferior a 5 anos de exposição.

    Diagnóstico

    O diagnóstico é firmado com base na história ocupacional e nas alterações radiológicas. A queixa principal é a falta de ar (dispnéia) aos grandes esforços e canseira, acompanhada por dor no peito e tosse (seca ou com expectoração), impedindo o trabalhador de exercer tarefas que exijam maior esforço físico.

    O Rx de tórax revela pequenas opacidades irregulares, que tendem a iniciar-se nos lobos inferiores e gradualmente estender-se para as regiões superiores do parênquima pulmonar. Nos últimos anos, a tomografia computadorizada de alta resolução tem revelado superior à radiologia convencional na detecção precoce de asbestose, pois possibilita uma análise muito mais detalhada dos lóbulos pulmonares e das estruturas interlobulares. Na espirometria, as alterações funcionais características são de uma insuficiência respiratória restritiva.

    Além de danos ao pulmão, a exposição ao asbesto pode provocar comprometimento da pleura que aparece sob a forma de espessamento pleural em placas, calcificações e derrame benigno.

    Asbesto e o câncer

    A associação entre exposição ao asbesto e câncer de pulmão já foi comprovada de forma definitiva, sendo que esse risco varia de acordo com o ramo de atividade. O risco de câncer de pulmão é maior na indústria têxtil que utiliza asbesto do que na própria mineração, e é ampliado pelo hábito de fumar. Em geral, o câncer pulmonar associado à asbestose é do tipo adenocarcinoma, e aparece após longo período de latência, normalmente superior a 20 anos da exposição inicial.

    A exposição ao asbesto está também associada ao câncer (mesotelioma maligno) da pleura, peritôneo e pericárdio. O mesotelioma aparece normalmente 30 a 40 anos após a exposição inicial.

    Tratamento

    Não existe cura disponível, mas recomenda-se suspender de imediato a exposição ao asbesto. O tratamento de suporte dos sintomas compreende as terapias respiratórias para remover as secreções dos pulmões. Podem ser utilizados medicamentos em aerossol para fluidificar as secreções, sendo que pode ser necessário o fornecimento de oxigênio por meio de máscara ou de cânula nasal. O estresse causado pela doença pode exigir tratamento especializado, podendo ser aliviado com a participação em grupos de apoio.

    Prognóstico

    O resultado depende da duração e extensão da exposição; o mesotelioma tem um mau prognóstico, aparece normalmente 30 a 40 anos após a exposição inicial e, clinicamente, tem um curso desfavorável, com uma sobrevida de 12 meses menor que 20%.

    Prevenção

    Banimento do amianto (asbesto)
    Asbesto Mineral Natural

    Por ser um produto reconhecidamente cancerígeno, a medida de proteção ideal é o banimento do asbesto (amianto) no nosso país, como já acontece em dezenas de países. Desde 1995, a ABREA–Associação Brasileira de Expostos ao Amianto, uma organização não governamental sem fins lucrativos, vem aglutinando trabalhadores e os expostos ao amianto em geral na luta para o banimento do amianto no Brasil.

    Programa de Proteção Respiratória - PPR

    Na prevenção e no controle das doenças ocupacionais provocadas pela inalação de ar contaminado com poeiras, o objetivo principal deve ser, minimizar até eliminar a contaminação do local de trabalho através da adoção de medidas de proteção coletiva.

    Entre as medidas de controle coletivo é preciso deixar úmido o ambiente com lavagem constante do piso, a exaustão localizada, a ventilação local ou geral, o isolamento total ou parcial do processo produtor de poeiras, mudanças de “layout” da empresa, substituição de matérias primas patogênicas por outras menos tóxicas, alterações do processo produtivo, entre outras.

    Protetores Respiratórios

    Quando as medidas de proteção coletiva não são viáveis, ou enquanto estão sendo implantadas, devem ser usados os protetores respiratórios (respiradores). As orientações e recomendações sobre seleção e uso de respiradores, além dos requisitos necessários para regularização e melhoria de um “Programa de Proteção Respiratória” – PPR estão contidas na Instrução Normativa Nº 1, de 11/04/94, que estabeleceu o Regulamento Técnico sobre uso de equipamentos de proteção respiratória.

    Tipos de protetores respiratórios

    - aparelhos purificadores (máscara a filtro): estrutura facial dotada de um ou mais filtros específicos para poeiras ou substâncias químicas,

    - aparelhos de isolamento: usados em ambientes pobres em oxigênio (teor menor que 18% de volume) ou em ambientes contaminados a altas concentrações. Podem ser autônomos (cilindros de ar ou oxigênio) ou de adução de ar (bomba manual ou motorizada).

    Monitoramento da exposição

    De acordo com a Norma Regulamentadora nº 9 da Portaria nº 3214/78, para o monitoramento da exposição dos trabalhadores, deve ser realizada uma avaliação sistemática e repetitiva da exposição às poeiras (aerodispersóides). Essa avaliação ambiental consiste na aspiração de um volume de ar conhecido nos locais de trabalho, através do sistema de bomba de vácuo, sendo que esse ar é filtrado para análise quantitativa do material particulado retido. A todas e quaisquer atividades nas quais os trabalhadores estão expostos ao asbesto aplicam-se as recomendações do Anexo Nº 12 da NR-15 da Portaria 3214/78, que adota para o asbesto o limite de tolerância de 2 (duas) fibras por centímetro cúbico.

    Controle médico: Espirometria.

    Para o controle médico dos trabalhadores expostos ao asbesto, utiliza-se a aplicação de questionário padronizado de sintomas respiratórios, exame físico periódico, radiografia do tórax e a espirometria. De acordo com o Quadro II da NR-7 da Portaria nº 3214/78, a radiografia do tórax deve ser realizada no exame admissional e posteriormente a cada ano. A espirometria é realizada no exame admissional e posteriormente a cada dois anos.

    Fonte: www.medeseg.com.br

    Asbestose

    MESOTELIOMA | ASBESTOSE | Doenças do AMIANTO (ASBESTO)

    Asbestose é uma doença pulmonar causada pela aspiração de fibras de asbesto, também conhecido como amianto, que pode levar a falência respiratória, câncer de pulmão e ao mesotelioma maligno.

    1) Asbesto – Amianto

    O asbesto (nome de origem grega) ou amianto (nome de origem latina) é uma fibra de origem natural, muito usada pela indústria devido a sua elevada resistência ao calor (até 1000ºC), a químicos e à tração, grande flexibilidade, durabilidade, isolamento sonoro e pelo seu baixo custo.

    O asbesto (amianto) é usado em várias áreas, como na mineração, construção civil, construção de navios, construção de ferroviária, indústria química, indústria automobilística, encanamentos, revestimentos à prova de fogo, isolamento acústico, fabricação de telhas de fibrocimento e mais de 2500 outros produtos.

    Entre os profissionais com maior risco de exposição ao amianto encontram-se:
    - Encanadores
    - Soldadores
    - Zeladores
    - Eletricistas
    - Carpinteiros
    - Trabalhadores da construção civil e naval
    - Mineradores
    - Pessoas que trabalham com materiais isolantes.

    O amianto foi uma das principais matérias primas durante o processo de industrialização mundial no final do século XIX e primeira metade do século XX, período em que as doenças associadas ao contato com o pó de asbesto e as fibras microscópicas começaram a ser identificadas. Deste então, o asbesto passou a ser conhecido como a poeira assassina.

    Asbestose
    Fibras de aspecto ao microscópio

    Os materiais à base de amianto foram proibidos em toda União Européia e Austrália, porém, apesar de todo conhecimento dos riscos à exposição do asbesto, interesses econômicos ainda mantêm a produção de asbesto elevada em alguns países, principalmente Rússia, China, Cazaquistão, Canadá e Brasil, os cinco maiores produtores do mundo.

    No Brasil, o amianto foi banido apenas parcialmente. A crisótila (amianto branco) ainda é explorada em vários estados do país. Apenas Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco e Rio Grande do Sul aboliram todas as formas de amianto.

    A exploração do amianto do tipo crisótila sofre grande defesa no Senado e na câmara dos deputados pela chamada “bancada do amianto”. Este grupo alega que não existem dados científicos que comprovem que esta forma de amianto (crisótila) seja nociva à saúde e, portanto, sua proibição prejudicaria uma indústria que movimenta algo em torno de 2,5 bilhões de reais por ano.

    Realmente o amianto crisótila é menos nocivo, porém, de modo algum é inofensivo. O grande problema é que as doenças causadas pelo do asbesto atingem anualmente uma parcela muito pequena da população, enquanto que os lucros que esta atividade gera são exorbitantes.

    2) Doenças relacionadas a exposição do asbesto (amianto)

    2.1) Asbestose

    A asbestose é uma doença pulmonar causada pela aspiração de pó de asbesto. O mineral quando inalado e absorvido pelos pulmões desencadeia uma reação inflamatória que, em última análise, leva a fibrose do pulmão, substituindo o tecido pulmonar saudável e funcionando por cicatrizes.

    O sintomas da asbestose só costumam aparecer após 2 ou 3 décadas da sua exposição, o que faz com que em alguns países a sua incidência esteja aumentando, uma vez que os pacientes estão manifestando hoje sintomas de uma doença que se iniciou nas décadas de 1970 e 1980, período em que ainda não havia um grande controle sob a exploração do asbesto.

    O desenvolvimento da asbestose depende do tempo de exposição, do tipo de asbesto exposto e da quantidade de pó inalada. Todos os tipos de amianto podem causar asbestose.

    Sintomas da asbestose

    Asbestose
    Fribose nas bases dos pulmões

    Os primeiros sintomas da asbestose são a falta de ar e a intolerância aos esforços, causados pela fibrose pulmonar. Com a progressão da doença, surgem a tosse seca e dor torácica ao respirar. A falta de ar tende a piorar com o tempo, e em fases avançadas, está presente mesmo quando o paciente encontra-se em repouso.

    O surgimento de baqueteamento digital (dedos em forma de baquetas) é um sinal de doença pulmonar e má oxigenação crônica (leia: FALTA DE AR | Causas e tratamento).

    O aparecimento de placas nas pleuras e o derrame pleural são outras manifestações comuns da asbestose (leia: DERRAME PLEURAL | Tratamento, sintomas e causas)

    A destruição do tecido pulmonar pode levar a hipertensão pulmonar, que por sua vez, leva ao cor pulmonale, a insuficiência cardíaca causada por doenças do pulmão (leia: INSUFICIÊNCIA CARDÍACA | CAUSAS E SINTOMAS).

    Tratamento da asbestose

    Não existe tratamento para curar asbestose. A fibrose que ocorre nos pulmões é irreversível e o tratamento se limita a descontinuar a exposição ao amianto, evitar o tabagismo – que acelera a destruição dos pulmões – e administração de oxigênio naqueles com falta de ar importante.

    Fonte: www.mdsaude.com

    Asbestose

    Asbestose | Doença respiratória

    O que é asbestose?

    É uma doença do sistema respiratório provocada pela aspiração de poeira contendo asbesto. Também conhecida como fibrose pulmonar por exposição ao asbesto, esta complicação promove uma fibrose pulmonar crônica que não pode ser revertida.

    O asbesto é comercialmente chamado de amianto. Esta é uma fibra sedosa, natural e muito resistente presente na natureza em forma de serpentinas e de anfibólios. O amianto é largamente utilizado na confecção de caixas d’água, de placas, de telhas, de tubulações, de materiais de fricção como pastilhas de freio, de materiais de vedação como gaxetas, de tintas, produtos têxteis, plásticos e tecidos resistentes ao fogo.

    Pessoas que trabalham desempenhando funções que as deixam expostas ao asbesto correm grave risco de desenvolver tal fibrose pulmonar. As fibras desta substância, quando inaladas, causam cicatrização dos tecidos que revestem o interior dos pulmões. Os tecidos cicatrizados não se expandem nem se contraem. Ficam sem elasticidade e uma série de complicações começa a surgir.

    Esta é uma enfermidade grave que precisa ser devidamente tratada. Quando não recebe atenção a asbestose pode provocar calcificação das placas neurais e um tumor maligno que recebe o nome demesotelioma. Estes tumores podem se manifestar depois de 20, 40 anos da exposição inicial. É preciso ficar atento e, diante de qualquer sinal, logo procurar por ajuda médica.

    Asbestose

    AGENTE CAUSADOR

    Quem provoca esta doença é o amianto ou asbesto. Esta fibra natural é largamente utilizada em vários setores da nossa indústria, devido a sua durabilidade, resistência e baixo custo. Também conhecido como “poeira assassina”, este mineral quando inalado é absorvido pelos pulmões e provoca uma reação inflamatória. Esta inflamação leva à cicatrização de tecido pulmonar saudável, provocando fibrose no pulmão.

    O desenvolvimento da doença possui relação com o tempo de exposição ao asbesto, com o tipo de mineral inalado e com a quantidade envolvida. Todos os tipos de asbesto provocam asbestose. Encanadores, soldadores, zeladores, eletricistas, mineradores e carpinteiros, por exemplo, são profissionais que se enquadram dentro do grupo de risco para a enfermidade.

    COMO SE DESCOBRE A DOENÇA (DIAGNÓSTICO)

    Este é basicamente firmado ao se observar as alterações radiológicas e ao se conversar com o paciente. Pessoas que trabalham em locais onde há a presença de amianto ficam totalmente vulneráveis ao desenvolvimento deste quadro. A falta de ar, a dor no peito e a tosse são os principais sintomas que levam muita gente a logo procurar por ajuda médica.

    Quando se está com asbestose qualquer tarefa parece exigir um esforço muito maior. O trabalhador fica constantemente cansado e debilitado. Diante destes sinais o profissional irá realizar uma série de exames para que o diagnóstico correto seja estabelecido. Um raio-x de tórax pode revelar leves opacidades. Entretanto, o exame mais completo é a tomografia computadorizada. Esta possibilita uma análise muito mais detalhada das regiões dos pulmões e das estruturas interlobulares.

    Asbestose

    A espirometria também pode ajudar, já que permite medir a capacidade respiratória. Além de atingir os pulmões, a asbestose também acomete a pleura. Esta é caracterizada pelo espessamento em placas, calcificações e derrames. Qualquer sinal que seu corpo possa estar lhe enviando deve ser analisado. A grande maioria das doenças quando precocemente diagnosticadas produz resultados satisfatórios. Portanto, não deixe de buscar por ajuda.

    SINTOMAS

    Estes variam de acordo com o tamanho e com a concentração das fibras. O tempo de exposição, o tipo de material e o esforço físico envolvido quando da inalação também são fatores a ser considerados. As fibras pequenas atingem o interior do órgão chegando aos alvéolos e produzindo inflamação. Desta inflamação ocorre uma reação que leva à cicatrização de tecido saudável. Estas cicatrizes dificultam a troca gasosa e provocam outras complicações. A doença possui ligação com o câncer de pulmão comprovado. O tumor maligno pode, entretanto, demorar anos para se manifestar.

    Alguns dos sintomas produzidos são:
    - Falta de ar;
    - Tosse seca;
    - Dor no peito ao respirar;
    - Intolerância a esforços;
    - Baqueteamento digital.

    A destruição do tecido dos pulmões pode levar à hipertensão pulmonar, à cor pulmonar, insuficiência cardíaca, derrame pleural e câncer. É preciso ficar atento a esta possibilidade caso seja uma pessoa inclusa no grupo de risco. Realize exames de rotina e consulte um médico com freqüência.

    PREVENÇÃO

    Asbestose

    Uma simples medida pode prevenir o desenvolvimento desta doença: banir o amianto. Um número enorme de pessoas sofre e morre por complicações da asbestose enquanto que o banimento da substância é a solução. Enfermidade é provocada somente quando há a exposição prolongada ao mineral, evitando-se o contato, previne-se a doença.

    Após o diagnóstico da mesma o contato com asbesto deve ser suspenso. O prognóstico varia de acordo com a gravidade do problema. O mesotelioma não costuma resultar em quadros satisfatórios.

    O cigarro deve ser suspenso, pois contribui com os danos. Protetores respiratórios devem ser utilizados por todos os trabalhadores que lidam com o material. O ambiente industrial deve estar sempre umidificado e o piso lavado. A ventilação precisa ser geral.

    TRATAMENTO

    Atualmente não há uma cura para a asbestose. Quando do diagnóstico a exposição ao amianto deve ser suspensa. O tratamento visa o controle dos sintomas e a amenização dos mesmos. Terapias respiratórias serão administradas com o intuito de remover secreções dos pulmões.

    Medicamentos em aerossol são prescritos para auxiliar na fluidificação das secreções. Muitas vezes faz-se necessário o fornecimento de oxigênio aos pacientes por meio de máscaras ou de cânulas nasais. O estresse provocado pela asbestose pode tornar importante um acompanhamento psicológico ou a participação em grupos de apoio.

    O resultado do tratamento depende do tempo de exposição e da extensão do problema. Um tumor maligno pode surgir cerca de 40 anos após a primeira exposição, resultando quase sempre em morte. É preciso ficar atento e realizar exames de rotina para um bom monitoramento do organismo.

    Diante de qualquer sinal que seu corpo possa estar lhe enviando não deixe de procurar por ajuda médica. O correto tratamento alivia os sintomas e permite que o paciente leve uma vida melhor. Nunca realize automedicações. Todo caso necessita ser avaliado por um profissional.

    Fonte: www.saudemedicina.com

    Asbestose

    Asbestose

    Abestose é uma doença do trabalho tanto ocupacional quanto profissional, de caráter insalubre e de alta periculosidade, provocada pela inalação de fibras de asbesto. Contém uma boa resistência. À tensão de corrosão, excelente isolante térmico e acústico, é utilizado em várias aplicações, desde produção de caixas d’água e telhas de fibrocimento, na fabricação de lonas, pastilhas de freio e componentes de fricção, como isolante térmico em caldeiras.

    Essas fibras vêm sofrendo restrições quanto ao seu uso. Sua exploração comercial deu-se em 1978 na região de Quebec Canadá, e desde então sua produção mundial atingiu cerca de quatro milhões de toneladas nos últimos anos.

    A exposição ocupacional ao asbesto é um fato amplamente constatado em todos os países industrializados.Profissionais com maior risco de exposição ao amianto:
    Soldadores
    Encanadores
    Zeladores
    Eletricistas
    Carpinteiros
    Mineradores
    Pessoas que trabalham com materiais isolantes
    Pessoas que trabalham na construção naval

    No Brasil, o amianto foi banido apenas parcialmente, aqui se encontra a maior Mina de amianto da América Latina e uma das maiores do planeta: a Sama S/A Minerações Associadas em Minaçu, Goiás. Cerca de 40% dos trabalhadores da Minaçu estão contaminados. Apenas Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco e rio Grande do Sul aboliram todas as formas de amianto.

    Fisiopatologia

    A dose cumulativa de fibra inalada ao longo de um período de tempo, além do tipo, durabilidade e dimensões da fibra tem poder a carcinogenicidade e fibrogenicidade a incidência de asbestose Vaira com a dose cumulativa de fibras inaladas quanto maior a dose cumulativa, mais alta a incidência de asbestose.

    Desenvolvimento da doença

    A asbestose é incurável, progressiva e fatal. Leva de 15 a 25 anos para se manifestar e mata, em média, em cinco anos. Tabagistas têm uma taxa elevada de progressão de asbestose provavelmente devido ao clearense mucociliar prejudicado pelas fibras do asbesto.

    Causas

    A principal causa de a pessoa contrair a doença é devido ao contato prolongado, com o amianto (asbesto) com sua exposição ocupacional.

    A exposição ocupacional é a principal forma de contaminação. Ocorre principalmente através da inalação das fibras de amianto, que podem causar lesões nos pulmões e em outros órgãos. A via digestiva também deve ser considerada como fonte de contaminação.

    Exposição Ambiental

    Contato dos familiares com roupas e objetos dos trabalhadores contaminados pela fibra. Residir nas proximidades de fábricas, minerações ou em áreas contaminadas (solo e ar) por amianto. Freqüentar ambientes onde haja produtos de amianto degradados. Presença do amianto livre na natureza ou em pontos de depósito ou descarte de produtos com amianto.

    Sintomas

    Dispnéia aos esforços e tosse seca que pode evoluir para dispnéia ao repouso, hipoxemia e cor pulmonale. As alterações radiológicas caracterizam-se pela presença de opacidades irregulares predominando nos campos inferiores, e, com constância, em placas pleurais associadas.

    Tratamento

    Não existe cura para a pessoa que tem asbestose, mas é recomendado suspender de imediato o contato com o amianto. A pessoa que tem asbestose precisa evitar o tabagismo, que acelera a destruição dos pulmões.

    O tratamento da doença compreende as terapias respiratórias para remover as secreções dos pulmões. O estresse causado pela doença pode exigir tratamento especializado, o doente pode ser encaminhado a grupos de apoio.

    Direito do trabalhador e da Empresa

    No Brasil a Organização internacional do Trabalho (OIT) em 1986 editou a “Convenção 162”, que trata de um conjunto de regulamentações pára o uso do amianto nas áreas de mineração, nas indústrias de processamento e transformação do minério.

    Monitoramento da exposição

    De acordo com a norma regulamentadora nº 3214/78, para o monitoramento da exposição dos trabalhadores, deve ser realizada uma avaliação sistemática e repetitiva da exposição às poeiras. Essa avaliação ambiental consiste na aspiração de um volume de ar conhecido nos locais de trabalho, através do sistema de bomba de vácuo, sendo que esse ar é filtrado para análise quantitativa do material particulado retido a todas e quaisquer atividades nas quais os trabalhadores estão expostos ao asbesto aplicam as recomendações do anexo n° 12 da NR-15 da portaria 3214/78, que adota para o asbesto o limite de tolerância de duas fibras por centímetro cúbico.

    MEDIDAS PREVENTIVAS PROTETORES RESPIRATÓRIOS

    Quando as medidas de proteção coletiva não são viáveis, ou enquanto estão sendo implantadas, devem ser usados os protetores respiratórios (respiradores).

    Conclusão

    As doenças causadas pela inalação de asbesto podem ser reduzidas observando criteriosamente as normas de segurança de trabalho, citando como exemplo a diminuição da poeira e as fibras de asbestos no local de trabalho.

    Fonte: www.ebah.com.br

    Asbestose

    O asbestos ou amianto é um silicato que ocorre na natureza sob a forma de fibras, que podem ser fiadas e tecidas; suas principais formas de ocorrência são os tipos crisótilo e anfíbolo. De acordo com Gilson, em 1966 foram utilizadas, em todo o mundo, 2.780.000 toneladas de asbestos crisótilo e 240.900 toneladas de asbesto anfíbolo.

    O termo "asbestos" é de origem grega e significa "indestrutível". Na antiga Grécia, foi utilizado na tecelagem de mortalhas que, por não serem destruídas pelo fogo, permitiam o recolhimento das cinzas dos mortos nas piras funerárias; fiado sob a forma de pavios, era utilizado em lâmpadas, uso que até hoje persiste.

    O uso moderno do asbesto data de 1800, quando passaram a ser comercialmente exploradas as jazidas canadenses e russas, sendo o material utilizado para a fabricação de tecidos incombustíveis por indústrias têxteis inglesas e francesas. Desde então a utilização industrial do asbesto aumentou enormemente, em vista do seu custo relativamente baixo (de US$ 75 a US$ 1.250 por tonelada), sua grande resistência à abrasão e ao calor, sua natureza fibrosa; por outro lado, a alta resistência à tração e a grande flexibilidade das fibras dá ao asbesto propriedades ainda não conseguidas por fibras artificiais. Assim, mais de mil usos industriais para o amianto têm sido descritos: misturado ao cimento, dá origem às placas e telhas de cimento-amianto, muito utilizadas para coberturas de edificações, e a tubulações de vários diâmetros e de baixo preço; é utilizado nas lonas de freio de automóveis, na fabricação de equipamentos individuais de proteção (luvas, aventais, capuzes, etc.) resistentes ao calor e ao fogo, na isolação térmica de caldeiras, tubulações de vapor e na isolação elétrica e térmica de equipamentos elétricos, etc.

    A inalação de asbestos provoca uma pneumoconiose muito grave, a "asbestose". Não obstante Heródoto já ter descrito a alta mortalidade por doença pulmonar de escravos encarregados de fiar e tecer mortalhas de amianto, a primeira descrição científica da moléstia foi feita em 1899 por Murray; suas observações mereceram pouca atenção dos meios científicos e somente a partir de 1930 o grave risco dessa moléstia profissional foi conhecido, com um número cada vez maior de casos de asbestos e sendo descritos em odos os países industrializados.

    A sintomatologia aparece geralmente após 5 a 10 anos de exposição e é a de uma insuficiência pulmonar rapidamente progressiva. Freqüentemente surgem carcinomas brônquicos e, nos últimos anos têm-se notado incidência significantemente elevada de mesotelioma da pleura em trabalhadores expostos ao asbesto.

    O diagnóstico é feito através da anamnese profissional, da constatação da insuficiência pulmonar através das provas de função pulmonar e do diagnóstico dos pulmões. De acordo com Weil e col., as alterações funcionais atingem tanto a função ventilatória como a alvéolo-respiratória, sugerindo que o asbesto age precocemente sobre as vias aéreas e posteriormente afeta as trocas gasosas.

    Quanto ao exame radiológico, Sander destaca que as imagens não são tão evidentes como as da silicose. Observa-se sombreamento dos lobos inferiores, que se inicia precocemente e que progride em crescimento quer quanto à sua densidade, quer quanto ao desaparecimento gradual das sombras vasculares; a típica nebulosidade tem sido comparada com a imagem de "vidro despolido". Rubin menciona, também, que as porções inferiores dos pulmões são principalmente aquelas envolvidas com fibrose fina em áreas irregulares interceptadas por áreas de enfisema e extensas pleurites. Hunter compara as imagens dos campos inferiores a uma fina rede e Gilson, assim como Sander referem obscurecimento ou mau delineamento da área cardíaca, dando a aparência característica do "coração borrado" ("shaggy heart").

    Faccini lembra que o processo fibrótico não é exclusivo das bases; apenas aparece mais nessa região durante o exame radiológico. Na opinião desse autor, "... dizer que a fibrose existe na base não é o mesmo que dizer que as alterações fibróticas se restringem às bases pulmonares, mas sim que as alterações são vistas mais precocemente nas bases. Existem, de fato, condições anatômicas e fisiológicas que consistem essencialmente em maior espessura do parênquima ao nível das bases e na disposição e condições de maior enchimento dos vasos a este nível, o que favorece, por efeito de somação de sombras, a visibilidade de uma fibrose incipiente".

    No Brasil, o asbesto é produzido em apreciável quantidade. Segundo o IBGE, durante o ano de 1968 foram extraídas 345.442 toneladas do minério, na sua quase totalidade da variedade crisótila, de minas existentes nos estados de Alagoas (276.300 toneladas), Minas Gerais (1.900 toneladas) e Goiás (60.242 toneladas); sabe-se, porém, que nos últimos anos a mineração em Goiás aumentou substancialmente, não havendo, todavia, dados estatísticos recentes a esse respeito.

    A despeito da grande utilização do asbesto no Brasil, principalmente pela indústria de cimento-amianto, elétrica e de fabricação de lonas para freios, curiosamente não existe publicado nenhum caso de asbestose. Isso indicaria a inexistência desta pneumoconiose entre os trabalhadores brasileiros, hipótese pouco provável, ou a falta de diagnóstico de casos da doença que estariam sendo rotulados como sendo de outra etiologia. Por essa razão, e a despeito do pequeno interesse da publicação de observações referentes a casos isolados, achamos que seria oportuno se divulgar um caso que, por ser provavelmente o primeiro a ser publicado entre nós, poderá despertar o interesse dos pesquisadores para a detecção de outros casos semelhantes.

    Caso – O paciente L. R. S. foi encaminhado ao Laboratório de Provas de Função Pulmonar, do Instituto de Pneumologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, para ser submetido a exame funcional pulmonar em virtude da dispnéia que apresentava. A anamnese profissional feita por dois pesquisadores (SJU e RKK) revelou exposição ao asbesto, pelo que mereceu atenção especial. Tratava-se de indivíduo do sexo masculino, com 51 anos de idade, que referia que há 22 anos começou a trabalhar em indústria de cimento-amianto, inicialmente como simples operário mais progressivamente e através dos anos, como encarregado, contra mestre e chefe geral. Em todos esses anos esteve sempre exposto a grande quantidade de poeira tanto de cimento como de asbestos, quando era feita a mistura para ser umedecida posteriormente.

    Também refere respirar poeira quando as peças de cimento-amianto já prontas eram cortadas, escovadas ou lixadas. Sempre gozou de boa saúde, mas há cerca de 4 anos começou a notar que apresentava dispnéia aos esforços maiores (correr, subir vários lances de escada, etc.), ao que não deu maior importância por acreditar ser proveniente do fumo de cigarro (fumava 20 cigarros por dia). Há dois anos vem notando dispnéia progressivamente mais intensa, que o obrigou a abandonar o trabalho, estando presentemente em gozo de auxílio-doença no INPS.

    Exame físico geral – Paciente abatido, com 1,69 m de altura e pesando 62,5 kg; pulso 88; pressão arterial 130 x 80. Exame físico especial – O exame dos aparelhos em geral nada revela digno de nota. O exame do aparelho respiratório evidencia discreta hipersonoridade das porções superiores de ambos os hemitoraces, onde a ausculta revela diminuição do murmúrio vesicular.

    Exame funcional dos pulmões – A capacidade vital está nitidamente reduzida, devido à diminuição acentuada e uniforme dos volumes de reserva e de redução menos intensa do volume corrente. A capacidade pulmonar total está reduzida em valor absoluto, mas proporcionalmente maior que a capacidade vital, devido à redução menos acentuada do volume residual. A capacidade residual funcional mostra-se bastante aumentada em relação à capacidade inspiratória. Há aumento moderado do espaço morto fisiológico. A capacidade máxima respiratória mostra-se muito reduzida, não se alterando significativamente pela inalação de broncodilatadores. Há nítida redução do volume expiratório máximo por segundo, que melhora discretamente após a inalação de broncodilatadores.

    Os índices ventilatórios mostram-se muito reduzidos em repouso, caindo para níveis indicativos de dispnéia intensa após o exercício padrão. Há hiperventilação pulmonar, com ventilação alveolar normal e nítida diminuição da relação entre os dois valores. O exame do sangue arterial (obtido por punção da artéria braquial) evidencia a redução muito acentuada tanto da pressão parcial do oxigênio arterial como da saturação em oxigênio, notando-se que esses valores ainda se reduzem mais pelo exercício de 30 watts durante 10 min. em um ergômetro de bicicleta. Pela respiração de oxigênio puro não se obtém a saturação completa do sangue arterial.

    Asbestose
    Exame radiológico dos pulmões

    Teleradiografia n.° 47.731, de 21 de março de 1975, feita na "Faculdade de Saúde Pública" da Universidade de São Paulo.
    Resultado: Fibrose intersticial dos lobos inferiores com estrias lineares finas entrecruzadas na base do pulmão direito. Enfisema nas metades superiores. Imagem cardíaca de contornos indefinidos. Arco Aórtico saliente.

    Fonte: www.scielo.br

    Asbestose

    O sistema respiratório é o mais afetado pela inalação de fibras de asbestos. Para além de asmas, bronquites e outras limitações respiratórias crónicas podem causar quatro tipos de doenças pulmonares: asbestose, doenças pleurais, cancro do pulmão e mesotelioma. As duas primeiras, segundo o mecanismo de patogenicidade, são classificadas como doenças fibróticas e são benignas. As restantes são doenças neoplásicas e são malignas.

    O desenvolvimento desta doença está relacionado com a teoria do “macrófago frustrado”. Segundo esta, as fibras inaladas mais curtas que atingem o espaço alveolar, são facilmente fagocitadas pelos macrófagos e removidas do sistema respiratório. Contudo, as fibras mais longas (especialmente as do tipo anfíbola) devido à sua forma em agulha são muito difíceis de fagocitar e os macrófagos na tentativa de digerir libertam citoquinas e o seu conteúdo lisossomal. Como estas fibras são resistentes à digestão por estas enzimas, ao contrário do que acontece com as fibras curtas (crisótilo) que facilmente se dissolvem, elas persistem no espaço alveolar e estimulam a libertação de mais citoquinas de outros macrófagos frustrados.

    Outros mediadores químicos libertados pelos macrófagos estimulam uma resposta inflamatória que inclui a libertação de fatores quimiotáticos que mobilizam mais macrófagos para a área e a libertação de fibronectina que estimula os fibroblastos a produzirem tecido fibroso nessa zona.

    Foi demonstrado também que os asbestos têm capacidade de catalisar a peroxidação lipídica, o que sugere que este pode ser outro mecanismo pelo qual os asbestos provocam danos nos tecidos. A resposta inflamatória começa algumas semanas após a primeira exposição ao amianto e a fibrose é continuamente provocada enquanto existirem fibras persistentes nos pulmões.

    Os primeiros sintomas de asbestose são a respiração curta em esforço e a pouca tolerância ao exercício físico e quando surgem já existe uma difusão fibrótica peribronquial. Quando a fibrose intersticial, que caracteriza esta doença, é muito difusa ocorre hipertensão pulmonar e morte por falência cardíaca. Contudo, a principal causa de morte em indivíduos com asbestose é o desenvolvimento de cancro do pulmão.

    Doenças Pleurais

    Consideram-se doenças pleurais as placas pleurais, as efusões pleurais e a fibrose pleural difusa. Ocorrem quando são inaladas fibras de asbestos pequenas o suficiente para penetrarem profundamente nos alvéolos onde são removidas pelos vasos linfáticos para o folheto visceral da pleura.

    Estas fibras podem passar para o espaço interpleural onde são novamente absorvidas por vasos linfáticos e conduzidas para o folheto parietal.

    Alguns investigadores especulam que essas fibras alcançam o folheto parietal da pleura devido à maior excursão respiratória verificada em zonas, como é o caso da zona posterior e inferior do tórax e do diafragma (onde são encontradas as placas pleurais).

    Outra teoria considera que a localização de placas pleurais nesta zona não está relacionada com os movimentos respiratórios mas antes com um fluxo linfático preferencial para estas áreas. Embora estas doenças pleurais sejam usualmente benignas, indivíduos com espessamento pleural extenso ou placas pleurais podem ter seriamente comprometida a função respiratória, necessitando muitas vezes de proceder à remoção cirúrgica desse tecido fibroso.

    Placas pleurais: São áreas de fibrose hialina que se desenvolvem apenas no folheto parietal, quer sobre o diafragma quer sobre as paredes torácicas.

    A espessura das placas e a área coberta são variáveis, verificando-se um aumento da espessura com o tempo e tendência para calcificar mais de 30 anos após a exposição inicial aos asbestos.

    Efusões pleurais: Ocorrem episodicamente no folheto visceral. A sua causa não está bem esclarecida. Alguns dados sugerem um aumento de risco de desenvolvimento de mesotelioma nestes pacientes. São assintomáticas e passam despercebidas.

    Fibrose pleural difusa: Ocorre no folheto parietal. Julga-se que se desenvolve posteriormente às efusões pleurais. Pode ser localizada ou abranger todo o pulmão, sendo necessário nestes casos proceder à remoção cirúrgica destas massas fibróticas para libertar.

    À periferia do pulmão podem igualmente surgir áreas de fibrose que são muitas vezes confundidas com tumores (pseudo-tumores). Em casos raros, pode acontecer que a inflamação associada a esta doença se estenda até ao pericárdio. Esta pericardite responde aos corticosteroides e é auto limitada.

    CANCRO DO PULMÃO

    O mecanismo pelo qual a exposição aos asbestos leva a um aumento do risco de cancro do pulmão, não está bem esclarecido. Estudos mais recentes sugerem que o desenvolvimento de um tumor se processa em diferentes passos que envolvem a iniciação do tumor e a sua promoção.

    A carcinogénese é provavelmente iniciada devido a mutações em genes críticos como o pronto oncogeneses e os genes supressores de tumores, que de algum modo são perdidos ou parados e permitem que as células cancerígenas se desenvolvam.Uma vez que o cancro é iniciado outras substâncias atuam como promotores e aumentam a taxa de crescimento do tumor.

    Pensa-se que o amianto atua como promotor e não como indutor de tumor. Só há desenvolvimento de cancro de pulmão devido à exposição aos asbestos se existirem outros fatores que propiciem o seu aparecimento (radiações, fumo de tabaco).

    Por outro lado, esse desenvolvimento só se verifica quando existe já uma situação de asbestoses (o cancro de pulmão é uma patologia secundária à abestose).

    Na resposta inflamatória intensa que decorre na asbestose dá-se a libertação de citoquinas, factores quimiotácticos, prostaglandinas, fibronectina, fatores de crescimento de plaquetas e metabolitos ativos de oxigênio. Estas espécies reativas do oxigênio são consideradas por muitos autores como causadores de malignidade e as citoquinas libertadas pelos macrófagos estimulam a mitose. Uma divisão celular aumentada favorece a ocorrência de mutações, logo, a iniciação de cancro.

    Os asbestos são então classificados como promotores de tumor embora possam exercer directamente efeitos mutagénicos.

    Mesotelioma

    O mesotelioma é um tumor maligno que se localiza nas células mesoteliais da pleura (ao nível da cavidade torácica) ou nas células peritoneais do abdômen, sendo o mesotelioma pleural o mais constante. O mesotelioma peritoneal, geralmente, ocorre em indivíduos com história de exposição intensa e cumulativa a asbestos e que, habitualmente, desenvolveram asbestose. Por outro lado, o mesotelioma pleural pode ocorrer em indivíduos expostos a níveis baixos destas fibras e que não desenvolveram previamente asbestose.

    A exposição às fibras do tipo anfíbola é a que conduz a uma maior incidência desta doença pulmonar e, dentro deste grupo, é a crocidolite a mais carcinogénica . A amosite possui uma toxicidade intermédia. A situação é, contudo, controversa quando se trata do crisótilo. Estudos apontam para uma relativa inocuidade desta variedade fibrosa quando em estado puro. No entanto, quando se encontra contaminado com tremolite ( do grupo das anfíbolas), é igualmente responsável por casos de ocorrência de mesotelioma.

    A análise citogénica permitiu verificar que nos mesoteliomas humanos ocorrem alterações cromossômicas não aleatórias. Contudo, o mecanismo pelo qual há indução de aneuploidia , isto é, o ganho ou perda de um cromossoma individual, permanece incerto. Provavelmente, a presença de fibras durante o processo mitótico nos macrófagos, poderá interferir com a segregação cromossomal.

    Este fato, sugere que nas células mesoteliais, os asbestos poderão atuar como iniciadores de mesotelioma, uma vez que constituem os promotores primários do cancro do pulmão.

    O crescimento incontrolável das células começa imperceptível e, inicialmente, não provoca incómodo. Com a evolução da doença, começam a surgir os primeiros sintomas que são, usualmente, dor difusa no peito e com menos prevalência, falta de ar e tosse.

    Em geral, as pessoas afetadas morrem no espaço de 12 a 18 meses após o diagnóstico, pois este é extremamente difícil e a terapia insuficiente.

    Fonte: www.ff.up.pt

    Asbestose

    O asbesto encontra-se entre os «minerais mais versáteis até hoje conhecidos pelo homem.

    É um material resistente a altas temperaturas, de dificil corrosão, muitomaleàvel e que confere maior força tensil aos produtos em que é incorporado. Durante as I e II Guerras Mundiais foi amplamente utilizado na manufactura de máscaras anti-gás, nas indústrias naval, automóvel, têxtil, na aeronáutica e na construção civil, nomeadamente no isolamento térmico, sonoro e eléctrico de edificios. Ainda hoje, devido ao seu baixo custo e excelentes propriedades, continua a ser utilizado na construção civil e para fabricar material sujeito a fricção bem como numa série de produtos utilitários em que a resistência ao calor é importante.

    Os efeitos adversos da exposição ocupacional às fibras de asbesto são conhecidos desde os princípios deste século . Mineiros e trabalhadores envolvidos no processamento do minério encontram-se entre os grupos de maior risco pois estão expostos à inalação de grandes quantidades de fibras durante longos períodos de tempo. Estes dois grupos não são no entanto os únicos atingidos pelos efeitos nocivos da sua inalação. De um modo geral, toda a população se encontra exposta, com maior ou menor intensidade. Tanto o desgaste e a corrosão de formações geológicas que contém asbesto, como a demolição ou renovação de velhos edificios libertam para a atmosfera fibras de asbesto e a sua presença na água e em produtos alimentares encontra-se igualmente documentada.

    Entretanto e apesar dos aspectos clínicos e epidemiológicos das afecções relacionadas com a inalação de asbesto se encontrarem relativamente bem caracterizados, os mecanismos celulares subjacentes à sua ação patológica encerrada, importantes incógnitas. É neste contexto que o presente trabalho pretende compilar a informação até ao momento disponível sobre esta matéria e assim proporcionar uma imagem integrada, dos mecanismos envolvidos na resposta do pulmão profundo à agressão pelas fibras de asbesto.

    CARACTERIZAÇÃO DE VÁRIOS TIPOS DE ASBESTOS

    Na medida em que recentes estudos apontam para a existência de diferentes quadros patológicos na dependência do tipo de fibra em causa, julga-se oportuno iniciar a sua abordagem pela descrição, embora sucinta, das suas características fisicoquímicas.

    Com efeito o asbesto não é um mineral mas sim uma família de fibras de silicatos hidratados que se agrupam essencialmente, em dois grupos com diferentes características mineralógicas: as serpentinas e os amfibólios.

    A crisolite é a única serpentina de importância comercial. É constituída por fibras pliáveis e espiraladas formadas por várias fibrilas compostas por folhas paralelas de óxido de sílica e de hidróxido demagnésio empilhadas em diferentes graus de sobreposição e curvatura, dando origem às estruturas espiraladas características desta variedade de asbesto.

    Os amfibólios são direitos e longos, apresentando uma estrutura cristalina composta por cadeias duplas de grupos tetrahédricos de óxido de sílica e ligadas por catiões que diferem em número, tipo e capacidade de substituição. Nestas circunstâncias, a sua composição química é complexa e pode incluir quantidades variáveis de metais mono, bi e trivalentes. Existem pois diferentes tipos de amfibólios (crocidolite, amosite, antofilite, tremolite e actinolite), mas os mais importantes são a amosite e a crocidolite.

    Depósitos minerais de serpentinas e amfibólios encontram-se distribuídos por toda a crosta terrestre. O Canadá e a África do Sulsão os maiores fornecedores do mundo ocidental, embora existam minas de importância comercial mais limitada em vários países. Para além disso, sabe-se que a quantidade de asbesto extraída na União Soviética e na República Popular da China excede de longe a produção ocidental.

    As propriedades fisicas, únicas destas fibras, justificam a continuada utilização indústrial, do abesto, apesar da crescente preocupação sobre os seus efeitos orgânicos nocivos.

    Fonte: estudogeral.sib.uc.pt

    Asbestose

    Nomes alternativos: Fibrose pulmonar por exposição ao asbesto; Pneumonite intersticial idiopática por exposição ao asbesto; Pneumoconiose por asbesto.

    Definição

    A asbestose é considerada uma pneumoconiose, ou seja, uma doença do sistema respiratório relacionada ao trabalho, que decorre da aspiração de poeira com asbesto e caracteriza-se por fibrose pulmonar crônica e irreversível. A inalação de fibras de asbesto pode causar uma variedade de enfermidades, desde espessamento do revestimento dos pulmões, que em geral é assintomático, até o desenvolvimento de um mesotelioma maligno (um tipo de câncer que se origina no revestimento do pulmão).

    Fatores de risco

    O asbesto, conhecido comercialmente como amianto, é uma fibra mineral natural sedosa e resistente, que está presente em abundância na natureza sob duas formas: serpentinas (amianto branco) e anfibólios (amiantos marrom, azul e outros), sendo que a forma serpentinas corresponde a mais de 95% de todas as manifestações geológicas no planeta. O asbesto é utilizado principalmente na fabricação de produtos de cimento-amianto (telhas, caixas d’água, placas, tubulações), materiais de fricção (pastilhas de freio, embreagens), materiais de vedação (gaxetas), tintas, pisos, materiais plásticos e produtos têxteis como mantas, lonas e tecidos resistentes ao fogo (refratários).

    O Brasil é um dos quatros maiores produtores mundiais de asbesto, e a exploração se dá em mineração de superfície no Estado de Goiás (Mina de Cana Brava, Município de Minaçu). Além dos trabalhos na indústria extrativa ou de transformação do asbesto, diversas atividades profissionais levam à exposição crônica, como o trabalho em construção civil (encanadores, trabalhos em demolições, colocação e reforma de telhados), isolamento térmico de caldeiras e tubulações e manutenção de fornos (tijolos refratários). Ao risco dos que trabalham diretamente com asbesto soma-se a possibilidade dos trabalhadores levarem a poeira com asbesto em suas roupas para suas casas, expondo os familiares. Estima-se que 20.000 a 25.000 trabalhadores brasileiros estão expostos na indústria extrativa e de transformação do asbesto. No total, cerca de 300 mil pessoas estão expostas ao amianto no Brasil.

    A inalação de fibras de asbesto pode produzir cicatrização dos tecidos (fibrose) no interior dos pulmões. O tecido pulmonar cicatrizado não se expande nem se contrai de forma normal e perde sua elasticidade. A severidade desta doença depende do tempo de exposição e da quantidade inalada. As enfermidades relacionadas com o asbesto incluem, ainda, as placas pleurais (calcificação) e tumor maligno denominado mesotelioma. Os mesoteliomas podem desenvolver-se depois de vinte a quarenta anos da exposição inicial, sendo que o hábito de fumar aumenta o risco de desenvolver esse tipo de câncer.

    Fonte: www.grupoprevine.com.br

    Asbestose

    Asbestose

    - Lesões semelhantes às da silicose, causadas por exposições profissional ao asbesto ou amianto, um silicato que forma fibras microscópicas de aproximadamente 50mm de comprimento.

    - O asbesto é largamente empregado na indústria da construção civil, como isolante térmico (em volta de canos de água quente), e em telhas de cimento amianto.

    - As fibras aspiradas são retidas nos bronquíolos respiratórios. Não podem ser eliminadas por ação ciliar, nem ingeridas ou transportadas por linfáticos. Formam pequenos tumores de corpo estranho e levam a fibrose pulmonar e pleural. Na pleura, formam placas espessas tanto no folheto parietal como no visceral.

    - O asbesto aumenta grandemente a incidência de tumores malignos do epitélio brônquico (carcinomas broncogênicos), e da pleura (mesoteliomas).

    Fonte: anatpat.unicamp.br

    Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal