Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Asteróides  Voltar

Asteróides

Asteróides são objetos rochosos e metálicos que orbitam o Sol mas são pequenos demais para serem considerados planetas.

São conhecidos por planetas menores.

A dimensão dos asteróides varia desde Ceres, que tem um diâmetro de cerca de 1000 km, até à dimensão de pequenas pedras.

Dezesseis asteróides têm um diâmetro de 240 km ou mais.

Foram descobertos desde o interior da órbita da Terra até para lá da órbita de Saturno.

Muitos, porém, estão dentro de uma cintura que existe entre as órbitas de Marte e de Júpiter.

Alguns têm órbitas que atravessam a órbita da Terra e alguns atingiram até a Terra em tempos passados.

Um dos exemplos mais bem conservados é a Cratera de Meteoro Barringer perto de Winslow, Arizona, EUA.

Asteróides
Tradução das legendas da figura:
A Cintura Principal de Asteróides
(Órbitas desenhadas aproximadamente à escala)
--------------------------------
"Sol" . . . "Marte" . . . "Cintura de Asteróides" . . . "Júpiter"
--------------------------------
"Minutos Luz" . . . . "Unidades Astronômicas"
--------------------------------

Os asteróides são feitos de material deixado desde a formação do sistema solar. Uma teoria sugere que são os restos de um planeta que foi destruído numa colisão massiva ocorrido há muito tempo. Mais provavelmente, os asteróides são matéria que nunca se uniu para formar um planeta. De fato, se se juntasse a massa total estimada de todos os asteróides num único objeto, esse objeto teria menos de 1,500 quilómetros (932 milhas) de diâmetro -- menos de metade do diâmetro da nossa Lua.

Muito do nosso conhecimento àcerca dos asteróides vem do exame das rochas e dos fragmentos do espaço que caem na superfície da Terra. Os asteróides que estão numa rota de colisão com a Terra são chamados meteoróides. Quando um meteoróide atinge a nossa atmosfera em alta velocidade, a fricção provoca a incineração desta porção de matéria espacial, provocando um raio de luz conhecido por meteoro. Se um meteoróide não arde completamente, o que resta atinge a superfície da Terra e é chamado um meteorito.

De todos os meteoritos examinados, 92.8% são compostos de silicato (pedra), e 5.7% são compostos por ferro e níquel; o restante é uma mistura dos três materiais. Meteoritos de pedra são os mais difíceis de identificar porque parecem-se muito com rochas terrestres.

Por os meteoritos serem matéria do início do sistema solar, os cientistas estão interessados na sua composição. As sondas espaciais que passaram pela cintura de asteróides descobriram que a cintura está bastante vazia e que os asteróides estão separados de grandes distâncias. Antes de 1991, a única informação obtida dos asteróides era de observações terrestres. Em Outubro de 1991, o asteróide 951 Gaspra foi visitado pela sonda Galileo e tornou-se no primeiro asteróide a ter fotos em alta resolução. Em Agosto de 1993 Galileo aproximou-se do asteróide 243 Ida. Este foi o segundo asteróide a ser visitado por sondas espaciais.

Tanto Gaspra como Ida estão classificados como asteróides do tipo S compostos por silicatos ricos em metais.

Em 27 de Junho de 1997 a sonda NEAR aproximou-se em alta velocidade do asteróide 253 Mathilde. Este encontro deu aos cientistas a primeira vista de perto de um asteróide do tipo C rico em carbono. Esta visita foi única porque NEAR não estava preparada para encontros em voo. NEAR é uma sonda destinada ao asteróide Eros em Janeiro de 1999.

Os astrónomos estudaram vários asteróides por observações de Terra. Alguns asteróides notáveis são Toutatis, Castalia, Geógrafos e Vesta. Os astrónomos estudaram Toutatis, Geógrafos e Castalia usando observações de radar de Terra durante as maiores aproximações ao nosso planeta. Vesta foi observado pelo Telescópio Espacial Hubble.

Fonte: www.solarviews.com

Asteróides

Asteróides
Asteróides

São corpos de pequeno porte, já que apenas 13 têm diâmetro superior a 250 km. Não possuem atmosfera e a maioria possui formas irregulares.

Os asteróides se encontram principalmente entre as órbitas de Marte e Júpter. A maioria se encontra no chamado 'cinturão de asteróides', a distância de 2,2 a 3,3 UA do Sol. O primeiro asteróide foi a ser descoberto foi Ceres, com 1000 km de diâmetro, em 1801. Hoje conhecemos muitos deles, estima-se que cerca de meio milhão de asteróides com mais de 500 metros de diâmetro exitam nesta região. A massa total dos asteróides conecidos atualmente é menor que 1/1000 da massa da Terra. O centro do cinturão se encontra a uma distância de 2.8 UA, como previsto pela lei de Titius-Bode.

Atualmente acredita-se que os asteróides forma formados junto com os planetas, ao contrário da teoria adotada anteriormente, que dizia que os asteróides seriam resultado da explosão de um planeta. No início haveria apenas asteróides maiores, que através de colisões e fragmentação surgiram os asteróides menores, de forma que os asteróides maiores que vemos hoje seriam alguns dos asteróides primordiais.

Os asteróides estão distribuidos não uniformemente na região do cinturão, existem áreas onde não encontramos asteróides, as chamadas 'falhas de Kirkwood'.

As falhas mais evidentes estão nas distâncias onde o período orbital do asteróide em torno do Sol seria 1/2, 1/3, 2/5 ou 3/7 do período orbital de Júpter, ou seja, estavam em ressonância com Júpter, o que fez com que as pequenas perturbações que pudessem haver nos asteróides destas áreas se ampliassem, fazendo com que o corpo se deslocasse para uma outra órbita.

Os efeitos da ressonância não são simples de serem explicados pois alguns asteróides ficam aprisionado em uma órbita quando em ressonância com Júpter, isto ocorre com os Troianos (que possuem a mesma órbita de Júpter) e o grupo Hilda (razão entre os períodos é 2/3). Os troianos pertencem aos asteróides que se movem fora da região do cinturão, se movendo na mesma órbita de Júpter, mas 60° a frente e atrás do planeta. Asteróides não podem ser observados sem auxílio de instrumento, quando se apresentam como pontos de luz (similares a estrelas) e com através de um telescópio grande pode-se notar seu movimento em relação ao fundo de estrelas. As primeiras imagens de asteróides forma obtidas no início da década de 90, pela sonda Galileu.

Fonte: www.geocities.com

Asteróides

Asteróides são pequenos corpos do Sistema Solar que não são cometas.

O termo asteróides historicamente, se refere a objetos dentro da órbita de Júpiter. Eles também têm sido chamados planetóides, especialmente os maiores.

O termo "asteróide" deriva do grego "astér", estrela, e "oide", sufixo que significa semelhança. São semelhantes aos meteoros, porém em dimensões bem maiores, possuindo forma e tamanhos incertos.

O termo asteróide vem cada vez mais para se referir especificamente para os pequenos corpos do Sistema Solar dentro da órbita de Júpiter, que são geralmente rochosos ou metálicos. Eles estão agrupados com os corpos exteriores- centauros , troianos de Netuno , e objetos trans-netunianos -como planetas menores , que é o termo preferido em círculos astronômicos. Este artigo usa o "asteróide", para os planetas menores do interior do Sistema Solar.

A grande maioria dos asteróides orbitam no cinturão de asteróides entre as órbitas de Marte e Júpiter ou co-orbital com Júpiter (os troianos de Júpiter). No entanto, outras famílias orbitais existem com populações significativas, incluindo os asteróides próximos da Terra. Asteróides individuais são classificados pela sua característica espectros, com a maioria em três grupos principais: C-type , tipo S , e M-tipo . Estes foram nomeados depois e geralmente são identificados ricos em carbono, e metálicas composições, respectivamente.

Asteróides
Escala dos asteróides que foram fotografados em alta resolução. A partir de 2011 são, do maior para o menor: 4 Vesta , 21 Lutetia, 253 Mathilde , 243 Ida e sua lua Dactyl,433 Eros , 951 Gaspra , 2867 Steins ,25143 Itokawa .

Símbolos

Os primeiros asteróides a serem descobertos foram atribuídos símbolos emblemáticos, como os tradicionalmente utilizados para designar os planetas.

Asteróides
Clique para Ampliar

Asteróides
Clique para Ampliar

Asteróides
Clique para Ampliar

Asteróides
Clique para Ampliar

Asteróides
Clique para Ampliar

Em 1851, depois de o asteróide XV ( Eunomia ) tinha sido descoberto, Johann Franz Encke fez uma grande mudança na edição de 1854 próximo da Astronomisches Berliner Jahrbuch (AJB, Berlim Astronômica Yearbook ). Ele apresentou um disco (círculo), um símbolo tradicional de uma estrela, como o símbolo genérico para um asteróide. O círculo foi então numerados em ordem de descoberta para indicar um asteróide específico.

A convenção (numeração-círculos)foi rapidamente adotado por astrônomos. O próximo asteróide a ser descoberto, 16 Psique , em 1852, foi o primeiro a ser designado dessa forma na época de sua descoberta. No entanto, foi dado para Psique, um símbolo, assim como alguns asteróides descobertos ao longo dos próximos anos (ver gráfico acima). Massalia 20 foi o primeiro asteróide que não foi atribuído um símbolo.

Descoberta

Asteróides

243 Ida e sua lua Dactyl. Dáctilo é o primeiro satélite de um asteróide a ser descoberto.

O primeiro asteróide a ser descoberto, Ceres , foi encontrado em 1801 por Giuseppe Piazzi , e foi originalmente considerado como um novo planeta. Seguiu-se a descoberta de outros corpos semelhantes, que, com o equipamento de tempo, parecia ser pontos de luz, como estrelas, mostrando pouco ou nenhum disco planetário, embora facilmente distinguíveis das estrelas devido a seus movimentos aparentes.

Asteróides
2004 FH é o ponto central a ser seguido pela sequência, o objeto que pisca durante o clipe é um satélite artificial .

Cinturão de asteróides

O cinturão é estimado para conter entre 1,1 e 1,9 milhões de asteróides com mais de 1 km (0,6 milhas) de diâmetro, e milhões de outros menores. Estes asteróides podem ser remanescentes do disco protoplanetário, e nesta região a acreção de planetesimais em planetas durante o período de formação do Sistema Solar foi impedido por grandes perturbações gravitacionais de Júpiter.

Referências

1. ^ "Asteroids" . NASA - Jet Propulsion Laboratory . Retirado 13 September2010 .
2. ^ Asimov, Isaac e Dole, Stephen H. Planetas para Man (Nova York: Random House, 1964), p.43.
3. ^ "O que são asteróides e cometas?" . Perto Earth Object Program FAQ . NASA . Arquivada do original em 09 de setembro de 2010 . Retirado 2010/09/13 .
4. ^ Gould, BA (1852). "Na notação simbólica dos Asteróides". Astronomical Journal 2 : 80. Bibcode1852AJ ...... 2 ... 80G . doi : 10.1086/100212 .
5. ^ um b Hilton, James L. (2001/09/17). "Quando é que os asteróides Torna Planetas Menores" .Retirado 2006/03/26 . [ link morto ]
6. ^ Encke, JF (1854). "Beobachtung der Bellona, nebst Nachrichten über die Bilker Sternwarte".Astronomische Nachrichten 38 (9): 143. doi : 10.1002/asna.18540380907 .
7. ^ Rümker, G. (1855). "Nome und von Zeichen des Herrn R. zu Luther Bilk sou 19 abr entdeckten Planeten.". Astronomische Nachrichten 40 (24):. 373 doi : 10.1002/asna.18550402405 .
8. ^ Luther, R. (1856). "Schreiben des Herrn Dr. R. Lutero, Administração der zu Sternwarte Bilk, uma Herausgeber den". Astronomische Nachrichten 42 (7): 107. Bibcode 1855AN ..... 42 .. 107L . doi :10.1002/asna.18550420705 .
9. ^ "Quando foi que os asteróides se tornar planetas menores?" . Naval Meteorologia e Oceanografia comando . Retirado 2011/11/06 .
10. ^ Com exceção de Plutão e, na comunidade astrológica, para alguns corpos exteriores, tais como2060 Chiron
11. ^ Seares, Frederick H. (1930). "Endereço do presidente Aposentar-se da Sociedade na concessão da Medalha Bruce com o professor Max Wolf". Publ. Astr. Soc. Pacífico 42 :. 5-22 Bibcode 1930PASP ... 42 .... 5S . doi : 10.1086/123986 + (Dead + links) .
12. ^ Chapman, Maria G. (17 de maio de 1992). "Carolyn Shoemaker, astrônomo planetário e mais bem sucedido" caçador de cometas "até à data" . USGS . Retirado 2008/04/15 .
13. ^ Yeomans, Don. "Near Earth Object Pesquisar programas" . NASA. Arquivada do original em 24 de abril, 2008 . Retirado 2008/04/15 .
14. ^ "Sites planeta menor descobrir" . arquivados a partir do original em 30 de agosto de 2010 .Retirado 2010/08/24 .
15. ^ "incomum Planetas Menores" . arquivados a partir do original em 27 agosto, 2010 . Retirado 2010/08/24 .
16. ^ Beech, M. (Setembro de 1995). "Na definição do meteoróide Prazo". Quarterly Journal da Royal Astronomical Society 36 (3): 281-284. Bibcode 1995QJRAS .. 36 .. 281B .
17. ^ A definição de "pequenos corpos do Sistema Solar", diz que "incluem a maioria dos asteróides do Sistema Solar, a maioria objetos trans-netunianos, cometas e outros pequenos corpos." A Resolução IAU final sobre a definição de "planeta" pronto para votação (UAI)
18. ^ "Dicionário Inglês - Página de Navegação P-44" . HyperDictionary.com . Retirado 2008/04/15 .
19. ^ Weissman, Paul R., William F. Bottke, Jr., e Harold F. Levinson. "Evolução de cometas em Asteroids". Southwest Research Institute, Ciência Planetária Direcção. 2002. Web Retirado 3 de agosto de 2010
20. ^ um b "são objetos Kuiper Belt asteróides?" , "Pergunte a um astrônomo", da Universidade de Cornell
21. ^ "asteróides e cometas" , site da NASA
22. ^ "Dust Comet parece mais Asteroidy" Scientific American , 25 de janeiro de 2008
23. ^ "amostras de cometas são surpreendentemente asteróide-like" , New Scientist , 24 de janeiro de 2008 <
24. http://ssd.jpl.nasa.gov/?asteroids >
25. ^ Perguntas e Respostas sobre planetas , IAU
26. ^ "Três novos planetas podem participar do sistema solar" , New Scientist , 16 ago 2006
27. ^ Bottke, Durda; Nesvorny, Jedicke; Morbidelli, Vokrouhlicky; Levison (2005). "A distribuição de tamanho fossilizado do cinturão de asteróides" . Icarus 175 :. 111 Bibcode 2005Icar .. 175 .. 111B . doi : 10,1016 / j. icarus.2004.10.026 .
28. ^ Kerrod, Robin (2000). asteróides, cometas e meteoros . Lerner Publications Co.. ISBN 0-585-31763-1 .
29. ^ William B. McKinnon, de 2008, "sobre a possibilidade de KBOs grandes sendo injetado no Cinturão de Asteróides exterior". Sociedade Americana Astronômica, reunião DPS # 40, # 38,03
30. ^ Tedesco, Edward;. Metcalfe, Leo (4 de abril de 2002) "Novo estudo revela o dobro de muitos asteróides como se acreditava anteriormente" (imprensa). Agência Espacial Europeia . Retirado 2008/02/21 .
31. ^ Schmidt, B.; Russell, CT; Bauer, JM; Li, J.; McFadden, LA; Mutchler, M.; Parker, JW; Rivkin, AS; Stern, SA; Thomas, PC (2007). "Hubble Space Telescope Observações de 2 Pallas". Sociedade Americana Astronômica, DPS de reunião n º 39 39 : 485. Bibcode 2007DPS .... 39.3519S .
32. ^ Pitjeva, EV (2004). "As estimativas de massas dos maiores asteróides e do cinturão de asteróides que vão desde a planetas, Marte orbitadores e sondas" . Assembléia COSPAR 35 Científica.Realizada 18-25 julho de 2004, em Paris, França . 2014 pp .
33. ^ Davis de 2002, "Asteroids III", citado por Zeljko Ivezic
34. ^ "Determinações Asteróide recentes de Massa" . Mantido por Jim Baer. Última actualização 2010/12/12. Acesse data 2011/09/02. Os valores de Juno e Herculina pode ser desligado por tanto como 16%, e Eufrósine em um terço. A ordem do menor oito podem mudar como melhores dados é adquirido, mas os valores não coincidem com qualquer asteróide conhecido fora estes 12.
35. ^ Pitjeva, EV . (2005) "de alta precisão Efemérides de Planetas-EPM e determinação de algumas constantes astronômico" . (PDF) Pesquisa do Sistema Solar 39 (3): 184. Bibcode 2005SoSyR .. 39 .. 176P . doi : 10,1007 / s11208-005-0033-2 .
36. ^ "Densidade Asteroid, porosidade e Estrutura" . lpi.usra.edu . Retirado 2013/01/03 .
37. ^ "A Resolução IAU final sobre a definição de" planeta "Pronto para votação" . IAU. 24 de agosto de 2006 . Retirado 2007/03/02 .
38. ^ Parker, JW; Stern, SA; Thomas, PC; Festou, MC; Merline, WJ; Young, EF; Binzel, RP e Lebofsky, LA (2002). "Análise das Primeiras imagens de disco-resolvidos de Ceres a partir de observações de raios ultravioleta com o Telescópio Espacial Hubble". The Astronomical Journal 123 (1): 549-557.arXiv : astro-ph/0110258 . Bibcode 2002AJ .... 123 .. 549P . doi : 10.1086/338093 .
39. ^ um b "asteróide Ceres" 1 . Planetary Society . arquivados a partir do original em 29 de setembro, 2007 . Retirado 2007/10/20 .
40. ^ "Estágios chave na evolução do asteróide Vesta" . Espacial Hubble Telescope comunicado .1995. Arquivada do original em 30 de setembro de 2007 . Retirado 2007/10/20 . Russel, CT; et al.(2007). "missão Dawn e operações" . NASA / JPL . Retirado 2007/10/20 .
41. ^ . Burbine, TH (julho de 1994) "Onde estão os asteróides no cinturão de olivina principal?" .Meteoritics 29 (4):. 453 Bibcode 1994Metic .. 29 .. 453B .
42. ^ Torppa, J.; et al. (1996). "Formas e propriedades de rotação de 30 asteróides de dados fotométricos". Icarus 164 (2): 346-383. Bibcode 2003Icar .. 164 .. 346T . doi : 10.1016/S0019-1035 (03) 00146-5 .
43. ^ Larson, HP; Feierberg, MA, e Lebofsky, LA (1983). "A composição do asteróide 2 Pallas e sua relação com meteoritos primitivos" . Retirado 2007/10/20 .
44. ^ Barucci, MA; et al. (2002). "10 Hygiea: Observações ISO infravermelho" (PDF). Arquivada do original em 28 de novembro de 2007 . Retirado 2007/10/21 . "Ceres Planeta" . orbitsimulator.com .Arquivada do original em 11 de outubro de 2007 . Retirado 2007/10/20 .
45. ^ Rossi, Alessandro (2004/05/20). "Os mistérios do dia a rotação de asteróides" . A Fundação Spaceguard . Retirado 2007/04/09 .
46. ^ HubbleSite - NewsCenter - Asteroid ou Mini-Planeta? Hubble Mapas da antiga superfície de Vesta (1995/04/19) - Imagens de Lançamento
47. ^ A vida é doce: Cana-de-embalagem asteróides podem ter semeado vida na Terra Arquivada24 de janeiro de 2002 a Wayback Machine , Space.com, 19 de dezembro de 2001
48. ^ Callahan, MP; Smith, KE; Cleaves, HJ; Ruzica, J.; Stern, JC; Glavin, DP; House, CH;. Dworkin, JP (11 agosto de 2011) "meteoritos carbonosos contêm uma grande variedade de nucleobases extraterrestres" . PNAS . doi : 10.1073/pnas.1106493108 . Retirado 2011/08/15 .
49. ^ Steigerwald, John (8 de agosto de 2011). "Os pesquisadores da NASA: Blocos de DNA podem ser feitos no espaço" . NASA . Retirado 2011/08/10 .
50. ^ ScienceDaily Pessoal (9 de Agosto de 2011). "Blocos de Construção DNA podem ser feitos no espaço, a NASA Sugere Evidência" . ScienceDaily . Retirado 2011/08/09 .
51. ^ mais próximo Flyby de grande asteróide a ser visível a olho nu , Space.com, 04 de fevereiro de 2005
52. ^ Marchis, Descamps, et al. Ícaro , fevereiro 2011
53. ^ AR Conrad et al. 2007. " A medição direta do tamanho, forma e pólo de 511 Davida com Keck AO em uma única noite ", Ícaro, doi : 10.1016/j.icarus.2007.05.004
54. ^ Zappalà, V. (1995). "Famílias de asteróides: Busca de uma amostra de 12.487 asteróides usando duas técnicas de agrupamento diferentes". Icarus 116 (2): 291-314. Bibcode 1995Icar .. 116 .. 291Z. doi : 10.1006/icar.1995.1127 .
55. ^ Chapman, CR (1975). "As propriedades de superfície de asteróides: uma síntese de polarimetria, radiometria, e espectrofotometria". Icarus 25 (1): 104-130. Bibcode 1975Icar ... 25 .. 104C . doi :10.1016/0019-1035 (75) 90191-8 .
56. ^ . Tholen, DJ (8-11 março de 1988) "asteróide classificações taxonômicas" . Asteroids II; Anais da Conferência . Tucson: University of Arizona Press. pp 1139-1150 . Retirado 2008/04/14 .
57. ^ Bus, SJ (2002). "Fase II do Pequeno Pesquisa Espectroscopia cintura principal de asteróides: uma taxonomia baseada em recursos". Icarus 158 (1):. 146 Bibcode 2002Icar .. 158 .. 146B . doi :10.1006/icar.2002.6856 .
58. ^ McSween Jr., Harry Y. (1999). Meteoritos e Planetas seu pai (2 ª ed.). Oxford University Press. ISBN 0-521-58751-4 .
59. ^ Um Vôo Orion Pilotado para um objeto próximo da Terra: Um Estudo de Viabilidade
60. ^ um b "Fechar Abordagem JPL-Data: (2004 FH)" . 2004/03/19 últimos obs (ARC = 3 dias) . Retirado 2012/03/21 .
61. Chesley, Steven R; Chodas, Paul W. recentemente Descoberto próximos da Terra Asteróide Faz recorde de aproximação à Terra . Pasadena, Califórnia (EUA): NASA Near Earth Escritório do Programa de Objetos . 17 de marco, 2004.

Fonte: en.wikipedia.org

voltar 1234567avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal