Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Áustria  Voltar

Áustria

 

Como a maioria dos países europeus, Áustria relembra uma história muito agitado.

No entanto, existem alguns elementos do personagem austríaco que não mudaram muito ao longo dos séculos: a parcialidade para a indulgência, beleza e cultura sempre foi uma força motriz no passado do país e presente.

Áustria

Os Primeiros Dias

A área da Áustria de hoje, que é o vale do Danúbio fértil e os vales alpinos, já estava instalada na Era Paleolítica (até aprox. 8.000 aC).

Cerca de 400 aC, povos celtas da Europa Ocidental resolvido nos Alpes orientais.

Um estado Celtic, Noricum, desenvolvido em torno de siderurgia da região no século II aC. A partir do século 7 aC em diante, uma das principais regiões de ocupação celta era na atual Áustria, centrada em torno de Hallstatt, uma grande área de mineração de sal-pré-histórico.

O período de Hallstatt, 750 - c.450 aC, é nomeado após esta região.

Os romanos chegaram 200 aC e 15 aC eles dominaram toda a área. O acordo mais importante romana na Áustria foi Carnuntum (capital da província romana da Panônia hoje no Baixa Áustria), que se tornou o centro das fortificações romanas ao longo do Danúbio.

De Ostarrichi para a Áustria

Na segunda metade do século II dC, várias tribos alemãs foram estendendo seu território fazendo incursões devastadoras em territórios romanos.

Em meados dos anos 500s, os bávaros controlava o território entre os Alpes Oriental e da região Wienerwald. Cerca de 800 Carlos Magno, rei dos francos e, eventualmente, Sacro Imperador Romano, estabeleceu um território no vale do Danúbio conhecido como o Ostmark (Leste de Março). Em 996 o Ostmark foi referida como "Ostarrichi", um precursor clara do alemão "Österreich" palavra moderna.

O Babenbergs

Entre 976, quando Leopold von Babenberg tornou-se o margrave de o Ostmark, e 1246, o Ducado da Áustria foi um dos extensas posses feudais da família Babenberg.

A dinastia estabeleceram sua primeira residência em Pöchlarn antes de movê-lo para Melk na região de Wachau cênica. No século 12 Henry II transferiu sua residência para Viena, que permaneceu a capital do país desde então.

Também no século 12 a Catedral de Saint Stephan foi concluído, o que se tornou um marco visível da cidade, mostrando a sua importância. Henry II fundou também a Schottenstift monastaryin Viena, no pátio da qual há uma estátua dele para este dia.

A partir da Regra de Habsburgo

Os Habsburgos

Cerca de 100 anos mais tarde, Rudolf saí com a coroa, começando seis séculos de Habsburgo regra na Áustria. A peça central do seu reino foi o Palácio Imperial de Viena, hoje acomodando vários museus (Tesouro, Sisi Museum) proporcionando uma boa visão geral dos Habsburgos.

Os Habsburgos aumentaram a sua influência e poder por meio de alianças estratégicas ratificadas por casamentos.

Devido às mortes prematuras e / ou casamentos sem filhos dentro das dinastias borgonheses e espanhol em que seu avô, Maximiliano I (1493-1519), e seu pai tinha se casado, o imperador Carlos V (1519-1556) herdou não só as terras hereditárias, mas também o Franche-Comté e Holanda (ambos eram feudos franceses) e Espanha e seu império nas Américas.

Guerras turcas

A ameaça turca, que incluiu cercos frustradas de Viena em 1529 e em 1683, levou Polônia, Veneza e Rússia a aderir ao Império Habsburgo em repelir os turcos.

Na década de 1690 atrasado, o comando das forças imperial foi confiada ao príncipe Eugene de Savoy. Sob sua liderança, as forças dos Habsburgos ganhou o controle de tudo, mas uma pequena porção da Hungria por 1699.

Período Barroco

Com o fim da ameaça turca, as artes ea cultura experimentou um aumento.

Esplêndidos edifícios, como o Palácio de Schönbrunn (World Cultural Heritage) ou o Dom Salzburger foram construídas; arquitetos como Johann Fischer v Erlach, v Lukas Hildebrandt, Prandtauer Jakob, Gran Daniel, Paul Troger, Anton Franz Maulbertsch criado monumentos excepcionais.

Sob o domínio da imperatriz Maria Theresia (1717-1780) a participação dos Habsburgos foram reformadas e unida. Após a morte de Maria Teresa, em 1780, seu filho José II, um dos monarcas chamados iluminados, continuou as reformas ao longo das linhas seguidas por sua mãe.

Do estilo Biedermeier para Jugendstil (Arte Nouveau)

A revolução francesa em 1789 ea ascensão de Napoleão, que garantiu possessão francesa de muitos territórios austríacos, revelou-se uma grande ameaça para os Habsburgos.

Durante o Congresso de Viena (1814/15), realizada com o objetivo de redesenhar o mapa político do continente após a derrota Napolen, o chanceler austríaco Metternich tentou reconsolidar poder austríaco.

Em 1848, a filosofia francesa de classe média revolução chegou a Áustria, mas a rebelião foi prontamente esmagado, eo imperador Francisco I e Metternich respondeu por cortar as liberdades civis ea introdução de uma rígida censura. Como resultado, as pessoas se retiraram para suas casas, concentradas no mercado interno e da não-política, vida social chegou a um impasse.

A segunda parte do período Biedermeier foi marcado por uma crescente urbanização e industrialização que levam a uma nova classe média urbana. As pessoas começaram a se encontrar novamente, e as artes foram acarinhados.

Artistas deste tempo incluem pintores como Ferdinand Georg Friedrich Waldmüller e Gauermann, o compositor Franz Schubert, e os poetas Adalberto Stifter, Ferdinand Raimund e Franz Grillparzer.

No final, o imperador Fernando I foi finalmente pressionado a abdicar em favor de seu sobrinho imperador Francisco José I, cujo reinado de 68 anos foi uma das mais longas da Áustria. Junto com sua esposa Elisabeth, o lendário "Sisi", ele moldou a imagem do domínio austríaco imperial.

Sob seu governo Viena tornou-se das metrópoles mais importantes da Europa e do centro de um Estado multinacional que se estende desde a Hungria para o Norte de Itália e em profundidade sul da Europa.

Johann Strauss, o Rei da Valsa, foi comemorado em todo o mundo por seus maravilhosos composições musicais. Sigmund Freud foi o fundador da escola psicanalítica de psicologia, um movimento que popularizou a teoria de que motivos inconscientes controlar o comportamento muito.

Por volta de 1900 o Jugendstil Viena (Art Nouveau) atingiu o pico durante o qual prospectivas artistas e designers se separaram das exposições do salão de beleza da grande mídia, a apresentar por conta própria em um ambiente mais agradáveis.

Conhecidos artistas Jugendstil incluem os pintores Gustav Klimt e Egon Schiele, e os arquitetos Otto Wagner e Adolf Loos. Uma caminhada ao longo da avenida Ringstrasse de Viena com seus esplêndidos edifícios, uma visita ao Sisi ou Sigmund Freud Museum ou a Österreichischen Galerie Belvedere fornecer uma visão geral dessa época.

O século 20

Número de móveis

Cheio de tensões étnicas e trancado em um rígido sistema de alianças com as guerras do século 19, a monarquia austro-húngara foi uma catástrofe esperando para acontecer. A centelha necessária foi o assassinato do arquiduque austríaco e herdeiro do trono, Franz Ferdinand, em Junho de 1914 em Sarajevo.

A declaração de guerra da Áustria contra a Sérvia marcou o início da Primeira Guerra Mundial imperador Franz Joseph morre em 1916 e após o fim da guerra, em 1918, a primeira República da Áustria foi estabelecido, terminando a 640 anos de Habsburgo dinastia. A jovem república sofreu inflação maciça, o desemprego eo colapso econômico próximo.

Em 1933, o governo de coalizão fraca entre o cristão-social e os partidos social-democratas cederam quando se tornou chanceler Engelbert Dollfuss em 1932 como chefe de um governo de coligação de direita, projetado para enfrentar os problemas causados pela Depressão.

Em maio de 1934 Doffluss declarou lei marcial, a fim de proteger a Áustria de Hitler. Em julho de Dollfuss foi baleado e morto por nazistas em uma tentativa de golpe.

Em 12 de março de 1938, tropas alemãs entraram na Áustria eo país foi incorporado ao Reich alemão governado por Adolf Hitler.

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945, a Áustria foi restaurado para as fronteiras 1937 e ocupada pelos aliados vitoriosos - EUA, União Soviética, Reino Unido e França - para uma década.

O século 21

Em 15 de maio de 1955, o Tratado do Estado Austríaco foi ratificada, com a Áustria declarou sua neutralidade permanente.

Graças à sua localização, perto da "Cortina de Ferro", Áustria logo desenvolveu um centro nevrálgico entre o Ocidente eo Oriente.

Após a Revolução Húngara de 1956 e de 1968 Invasão de Praga Primavera, Áustria concede asilo aos refugiados.

A Áustria também é anfitrião país de muitas organizações internacionais (ONU, OPEP), bem como o anfitrião de uma conferência importante e muitas reuniões de cúpula. A Cortina de Ferro caiu em 1989/90, em 1995, a Áustria torna-se membro da União Europeia.

Breve História da Áustria

A nação da Áustria tem um histórico longo e colorido e por vezes doloroso histórico.

O país que hoje se destaca como a República da Áustria tem visto os bons tempos, assim como os maus. Foi através de vários estágios e fases de turbulência e de guerra, bem como o progresso.

A história da Áustria, na verdade, remonta aos tempos pré-históricos, quando foi habitados e mais de correr por diferentes tribos. Os celtas, romanos e vândalos estão entre as muitas tribos que pisou em terras de Áustria. O país agora conhecido como Áustria existiu como parte do Império Romano durante vários séculos.

O destino da Áustria começou a mudar após a queda do Império Romano no século V.

O colapso do Império Romano abriu o caminho para novas invasões. Até o século 8 Carlos Magno atacou e conquistou a Áustria. Ele é conhecido por ter sido um grande patrono de cristianização e colonização. Os territórios que vieram sob o governo de Carlos Magno foram posteriormente doado para a Casa de Babenberg.

O interessante a se notar é que a Áustria nome não é para ser encontrado nos registros escritos que existem antes deste período. Os primeiros registros já escritos que mostram o nome Áustria pertencem ao período de tempo acima mencionado. Ela pode ser encontrada nos documentos que descrevem a Março Babenberg.

Os Habsburgos assumiu a rodada linha morrer Babenberg sobre o século 13. A casa de Habsburgo permaneceu o partido do governo da Áustria até o final da Primeira Guerra Mundial. Desde os Habsburgos governou o país por tanto tempo eles conseguiram ter um grande impacto no desenvolvimento cultural da Áustria. Suas influências são evidentes na arte e arquitetura que a nação tem para mostrar.

Ele estava sob o domínio dos Habsburgos que a Áustria começou a experimentar grande expansão. Os Habsburgos casado com outras famílias reais do mundo, levando em diferentes territórios ao Império Austríaco. Foi durante essa época que a Áustria tornou-se o terreno fértil para alguns dos mais talentosos artistas e músicos que o mundo já viu.

O fim da monarquia e do nascimento da República

O Sacro Império Romano chegou ao fim com a vitória de Napoleão sobre as forças austríacas em 1806.

O Império Austro-Húngaro passou a existir em meados do século 19. Ele incluiu alemão, sérvio, checo e outras terras que fizeram dele um dos poderes centrais da época.

O Império Austro-Húngaro desmoronou após a Primeira Guerra Mundial, depois que a monarquia chegou a um fim completo e Áustria tornou-se uma República em 1918.

Em 1938, a Áustria foi forçada a submeter ao Terceiro Reich alemão. Então, em 1945, a Áustria foi novamente declarada como uma república, devido à vitória dos aliados sobre a Alemanha.

Foi depois da declaração de 1945, que a terra da Áustria foi constitucionalmente garantido. A partir de então a Áustria declarou suas intenções de existir como um país neutro e permanente até a data existe de acordo com esses princípios. Em 1995, a Áustria aderiu à União Europeia.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Áustria

A ELEGÂNCIA

A elegância é inata em Áustria. Majestosas montanhas coroadas por neve que se refletem nas águas transparentes de silenciosos lagos, vales férteis de abundantes flores de vivas cores.

Um famoso Danúbio atravessando o país, seguindo o compasso de sua própria valsa, castelos com esplendidas torres, pontes elevadiças, formosas igrejas, casas com telhados de ouro e palácios que se viveram intensas histórias de amor e odio, são os elementos que distinguem a Áustria.

Não é só nas paisagens e monumentos que se percebe a elegância. Os austríacos também fazem festa a ela. Este povo amante das artes e da cultura, educado, acolhedor e sobre tudo, harmônico, sabe combinar o antigo com o moderno, o tradicional com o inovador, criando um espirito novo com bases ancestrais.

Não é de se estranhar que a beleza e paz que se respira em Áustria, tenham inspirado as composições de músicas clássicas formosas. Mozart, Haydn, Strauss, Schubert e Beethoven, entre outros, plasmaram em partituras o som que escutavam em seu interior enquanto passeavam pelos encantadores rincones das cidades Austríacas.

É por isso que a música é parte fundamental de Áustria em qualquer cidade ou pequeno povoado. Pode-se escutar os compassos de melodias populares interpretadas pelas mais variadas orquestras, especialmente durante as festas que se dançam, cantam e se bebem o saboroso vinho Austríaco.

Se procuram cultura, formosas paisagens, animadas festas ou lugares românticos, Áustria é capaz de colmar todos os desejos, a questão é só saber desfrutá-los.

Alfândega e Documentação

Para os cidadãos da Comunidade Econômica Européia tão só é necessário apresentar o Documento Nacional de Identidade (DNI) passaporte em vigor. Nas alfândegas dos aeroportos se segue a normativa Européia de portas vermelhas e portas verdes. A saída se permite levar uma quantidade "normal" de compras e unicamente se necessita uma licença de exportação para alguns objetos de arte e algumas antigüidades.

Clima

O clima é de tipo alpino na zona montanhosa e no resto do país de tipo continental. No norte de Áustria os invernos são frios enquanto que no sul costuma predominar o sol. As precipitações costumam ser freqüentes, sobre tudo, no verão. A melhor época para visitar Áustria é a que vai desde Semana Santa até mediados de outubro, exceto si se pensa praticar esportes de inverno.

Equipamentos de Viagem

Para viajar por Áustria são aconselháveis as roupas cômodas entre as que não devem faltar prendas de abrigo. Se viaja nos meses de verão uma jaqueta ou um jérsei são suficientes. É imprescindível um guarda-chuva. O calçado deve ser cômodo e preparado para a água.

Idioma

O idioma oficial é o alemão. Em todas as grandes cidades e centros turísticos não há problemas para comunicar-se em inglês.

Religião

Em Áustria a religião mais praticada é a católica. Existem ofícios religiosos das religiões mais importantes.

Eletricidade

A corrente elétrica é de 220 V a 50 Hz.

Moeda e Câmbio

No dia 1 de Janeiro do ano 2002, o Euro converteu-se na moeda de curso oficial e comunitária de doze Países da Europa: Espanha, Alemanha, Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Luxemburgo e Portugal. As notas são iguais para os doze Países e distinguem-se entre si pela sua cor e tamanho.

Existem notas de maior valor: de 500 euros, 200 euros, 100 euros e 50 euros e circulam, também, notas de menor valor: de 20 euros, 10 euros e 5 euros.

Estas notas têm incorporados elementos de segurança avançados, os quais permitem, fácilmente, comprovar a sua veracidade, como uma marca de água, um holograma, uma linha de segurança, tinta de cor variável, impressão em relevo e uma banda iridescente que brilha e muda ligeiramente de cor sob uma luz intensa.

Além disso, puseram-se em circulação oito moedas que têm uma face comúm e uma face nacional, desenhada por cada País. Todas as moedas se consideram válidas nos doze Países da zona do euro.

Há moedas de 2 euros, 1 euro, de 50 cêntimos, 20 cêntimos, 10 cêntimos, 5 cêntimos, 2 cêntimos e 1 cêntimo. Cada uma delas com um diâmetro, peso, cor, composição e espessura diferente para uma mais fácil identificação.

O cambio de moeda pode-se realizar tanto nos bancos como nos escritórios de cambio situados em aeroportos, estações, hotéis e em numerosos lugares. Nas principais cidades e centros turísticos pode-se pagar com cheques de viajem ou com cartão de crédito.

Emergência, Saúde e Policiamento

Não se necessita nenhuma vacina nem certificado médico para viajar por Áustria. Existe um convênio entre a Segurança Social Espanhola e a Austríaca pelo que se deve acudir ao Instituto da Segurança Social para conseguir o correspondente certificado.

É aconselhável ter um seguro de viagens antes de sair do país de origem. As farmácias costumam ter qualquer tipo de medicamento que se possa necessitar.

Áustria conta com uma excelente rede de hospitais, pelo que em caso de urgência não terá nenhum problema. Em caso de perder ou roubarem seus documentos acuda à policia e ponha em contato com seu consulado.

Correios e Telefonia

Os escritórios de Correios estão abertas de segunda-feira a sexta-feira de 8:00 a 12:00 h e de 14:00 a 18:00 h. Algumas delegações abrem os sábados de 8:00 a 10:00 h. Os selos pode-se adquirir nas escritórios de correios ou nos quiosques.

As cabinas telefônicas em Áustria funcionam com moedas e algumas com cartões que pode-se adquirir nas escritórios de correios e nos estancos.

Para chamar a Áustria se deve marcar o 00 mais o prefixo de Áustria 43 e o prefixo da localidade.

Fotografia

Em quase todos os países da Europa Ocidental conseguir material de fotografia não é nada complicado. É recomendável, entretanto, levar uma boa provisão de filme pois em Áustria pode ser mais caro.

Horário Comercial

As lojas estão abertas de 8:30 ou 9:00 h às 12:00 ou 13:00 h e de 14:00 às 18:00 h. Nas grandes cidades.

Nas pequenas cidades pode que em lugar das 14:00 h. Abram pela tarde às 15:00 h. Nos centros comerciais os estabelecimentos não costumam fechar a meio dia e as lojas de alimentação costuma abrir uma hora antes. Os sábados abrem pela manhã até as 13:00 h A excepção do primeiro sábado de cada mês que estão abertas até as 17:00 h.

Gorjetas

As gorjetas são habituais em Áustria. Ao porteiro do hotel se lhe costuma dar 15 chelines por volume ao igual que ao carregador. Se o garçom levar alguma bebida ao quarto lhe dá 15 chelines, 25 si é uma comida completa.

Nos restaurantes deixar entre 5 e 50 chelines dependendo da fatura. Os responsáveis dos banheiros esperam de 4 a 7 chelines pelos seus serviços.

Os taxistas esperarão uma gorjeta que ronde aos 5 chelines, si tem sido tão amável de carregar suas maletas deve dar-lhe 10 chelines.

Taxas e Impostos

Os preços estão carregados com um Imposto. Se sua compra numa mesma loja chega a 1.000 chelines, como mínimo, solicite um Tax- Free. Este impresso selado pelo comércio lhe permite recuperar o dinheiro do imposto nos escritórios de correios dos aeroportos ou bem, enviando o impresso por correio desde seu país. As bebidas alcoólicas têm impostos especiais mas estão incluídos no preço. Alguns hotéis cobram um pequeno imposto no preço da habitação.

Locais Turísticos

Viajar por Áustria pode ser uma experiência realmente formosa. Iniciaremos por Viena e a baixa Áustria para continuar por Áustria Oriental, detendo-nos em Burgeland e Estiria. De aqui deslocamos a Linz e a Alta Áustria, para desenvoltar depois Salzsburgo e Carintia. Finalmente viajaremos, brevemente, por Innsbruck, O Tirol e V orarlberg.

Viena e a Baixa Áustria

Esta zona encontra-se no extremo oriental do país. É uma região famosa pelos seus vinhedos e pela sua riqueza arqueológica e artística. Dentro da baixa Áustria encontra-se situada Viena que, em realidade, é um estado federado por si próprio e a capital do Estado.

Viena

Viena, famosa no mundo inteiro, não decepciona a quem a visita por muito que tenha ouvido falar de ela. Pelo contrario, a capital de Áustria é realmente formosa, elegante, repleta de lugares encantadores e com uns habitantes educados e amáveis.

O percurso costuma começar pela parte antiga. No centro da cidade como ponto de partida encontra-se a Catedral de São Esteban, Stephansdom.

Este edifício, cuja construção se finalizou em 1147, está coroado por uma impressionante ponta de 137 m de altura que é visível desde qualquer ponto da capital. A construção mistura diferentes estilos arquitetônicos, a fachada ocidental é românica, a torre gótica e os altares barrocos.

Esta combinação, em lugar de resultar estranha, é, curiosamente, muito harmônica.

No exterior destacam: o telhado em zig-zag de cores de clara influência oriental, a torre gótica à que se acede depois de subir 345 degraus e desde a que pode-se obter uma excelente panorâmica, o Pórtico do bispo, antiga entrada exclusiva para mulheres e a torre meridional na que está situada a campana Pummeri fundida com os restos da campana original destruída durante a Segunda Guerra Mundial e cuja matéria prima foram os canhones abandonados pelos turcos em 1683.

No interior destacam: o Púlpito de Maese Pilgram esculpido em pedra em 1500 por Antom Pilgram que tem como nota curiosa o retrato do escultor sobressaindo debaixo da escada, o retábuloWiener Neustädter, altar de madeira talhada, a Tumba de Frederico III, a Capela de Santa Catarina, as pias batismais de 1481, ou ícone milagroso da Virgem de Pösch que segundo a lenda ajudou a demostrar a inocência de uma criada acusada de roubar as jóias de sua ama e as maravilhosas vidrarias da Idade Media. São importantes também as catacumbas em cujo centro se levanta a Cripta Ducal que guarda os restos dos Habsburgo.

A Catedral encontra-se situada na Stephansplatz, zona de pedestres, na que se concentra boa parte da vida Vienense. Não é estranho ver nos jardins desta praça a numerosos artistas de rua. Também nesta praça encontram-se o Palácio Episcopal, sede do Museu Diocesano Catedralicio.

Em frente da Catedral se levanta o Stock-im-Eisen, toco de ferro, denominado assim porque durante centenares de anos os aprendizes de ferreiros deviam cravar um prego no tronco da árvore si queriam ter êxito nos negócios e a Haas Haus, inaugurada em 1990, que contrasta com o estilo artístico da praça pois é um centro comercial moderno recoberto de vidro espelhado cuja construção levantou uma forte polêmica entre os vienenses.

Nas proximidades encontram-se a Universitätkirche com uma esplêndida cúpula de Pozzo, a Academia das ciências de 1753, protótipo do barroco Austríaco, a Hildebrandthaus do mais puro barroco recarregado, a Basiliskenhaus em cuja fachada pode-se ver ao basilisco petrificado que, segundo a lenda, envenenou as águas do poço da casa de um padeiro até que um aprendiz desceu ao fundo do poço com um espelho e refletiu ao monstro que ao ver sua feiúra se converteu em pedra, a Dominikanerkirche, de estilo italiano construída em 1630 e o edifício modernista que alberga a Caixa Econômica Postal desenhado por Wagner, pai da arquitetura do século XX.

Na Fleischmarkt é imprescindível tomar-se um delicioso bolo no Café Viena para contemplar, depois, o enorme relógio Anker do Hoher Markt e que ao meio dia saem várias figuras mecânicas que representam personagens históricos.

Também em Hoher Markt pode-se visitar as ruínas romanas subterrâneas recentemente descobertas. Muito perto encontra-se a Torre Kornhäusel, de 1825, a Igreja de São Ruperto, a mais antiga da cidade, e a Maria am Gestade de estilo gótico.

Desde esta igreja, chega-se à Wipplingerstrasse na que se levanta a Chancelaria Bohemia construída por Fishcer von Erlanch, o grande outro arquiteto Austríaco junto com Hildebrant. Cruzando a rua encontra-se a Antiga Prefeitura, do século XV, com formosos pátios interiores.

Seguindo por Fütterergasse chega-se a Judenplatz, o gueto judeu de Viena fundado no século XIII. E numa ruazinha próxima a esta praça encontram-se dois museus muito curiosos, o Museu dos Relógios com uma coleção de mais de 3.000 peças e o Museu das Bonecas e Brinquedos.

Na rua Freyung, não muito longe, se levanta um centro comercial de 1856 chamado Palácio Ferstel com uma decoração interior chocante pois mistura diferentes estilos. Também são dignos de ver o Palácio Kinsky de Hildebrant e a fachada do Schottenhof que imita a um templo grego.

Por diferentes motivos destacam-se, ademais: a Pasqualatihaus, casa na que Beethovem compôs sua única ópera, "Fidelio"; a Igreja da Ordem Minoritária por seu mosaico kitsh que reproduz a "Ultima Cena" de Leonardo da Vinci; o Café Central que antes da Segunda Guerra Mundial servia de alojamento a numerosos escritores; a Hochhaus, primeiro arranha céu de Viena e a Landhaus, palácio da Assembléia de baixa Áustria.

O Graben, situado na quadra com a Catedral, é uma rua de enorme largura com aspecto de praça. Na antigüidade foi um fossa de proteção que desde que se encheu tem sido o centro de uma proliferada atividade e comercial.

No centro se levanta a Pestsäule, a coluna da peste, construída entre 1687 e 1683 por Fischer von Erlach, para agradecer o fim de uma epidemia que causou mais de ciem mil vítimas nessa época.

Ao norte do Graben encontra-se a Peterplatz com a Peterskirche (Igreja de São Pedro) como máximo expoente. Esta igreja, construída entre os anos 1702 e 1708 por Hildebrant, da a sensação de ter um grande tamanho devido à ser estreita a praça.

Destacam o pórtico barroco de Altomonte, a cúpula ovalada, o afresco da Assunção obra de Rottmayr e o púlpito dourado de estilo barroco. Especial menção valem o coro rematado por uma cúpula, o altar maior e as relíquias de santos martirizados em Roma.

No número 14 da rua Kohlmarkt encontra-se a pastelaria mais famosa de Viena, Demel's, com uma magnífica torta de chocolate que compete com a que se faz no Hotel Sacherpor, em ser a melhor de todo o país.

Se lhe gosta as antigüidades deve continuar o percurso pela Dorotheergasse, abundante em lojas especializadas nesta matéria, entre as que se destaca a casa de leilões Dorotheum. Para fazer um descanso é ideal o Café Hawelka situado nessa mesma rua.

Muito perto encontra-se, na Michaelerplatz, a Michaelerkirche e o Palácio Herberstein, construído em 1903, em estilo neo barroco. Ao lado deste palácio se levanta a Looshaus, conhecida popularmente como "a casa sem sobrancelhas".

Construída por Adolf Loos para revolucionar a arquitetura veneziana, provocou um grande escândalo até tal ponto que o arquiduque Francisco Fernando jurou não voltar a entrar ao palácio de Hofburg pela fachada curvada que se abre à praça de São Miguel.

Palácio de Hofburg

O Palácio de Hofburg é um impressionante conjunto arquitetônico no qual viveram Sisi e Francisco José, cujo amor se imortalizou no cinema. Embora estes amantes não foram tão felizes como pode-se ver no filme, o certo é que o palácio imperial é realmente fantástico.

O primeiro palácio se construiu por ordem de Rodolfo I e seus descendentes foram acrescentando edifícios ao longo de seis séculos. À entrada de Hofburg costumam estar vários cortesãos vestidos com trajes de época para fazer fotos com os turistas e dar folhetos explicativos.

Este imperial conjunto tem numerosos atrativos e embora tenha sido afetado por um incêndio em 1992 unicamente se deterioraram alguns comodos como o Salão de Banquetes, a Biblioteca Nacional e a Sala de Equitação.

Para percorrer bem o Palácio de Hofburg faz falta bastante tempo. Normalmente se começa pela parte mais antiga, o Pátio da Homenagem, no qual acha-se o Palácio Velho, antiga fortaleza, na qual destacam vários edifícios como a ala da Sala de Tertulias, o Picadeiro de inverno, de verão e as Cavalariças.

No Pátio da Homenagem também encontra-se a Porta Suiça de 1552 que da acesso a outro pátio conhecido como Schweizer Hof no qual encontra-se a Capela Imperial onde aos domingos e festivos pode-se escutar, de setembro a junho, aos Ninhos Cantores de Viena.

Na parte de baixo pode-se admirar a Schatzkammer, tesouro imperial composto por peças de enorme valor. Se destacam a Coroa do Sacro Império Romano Germânico, o Globo de Ouro do século XII, a Espada de Carlos Magno, as jóias que Francisco I luzia em sua coroação, a Copa de ágata que, segundo a lenda, podia ser o Santo Grial, o Tesouro do Toisón de ouro e o Tesouro Eclesiástico.

Depois de visitar o tesouro se acede, através de uma passagem coberta, à Josefsplatz. À esquerda deste pátio encontra-se a Escola de Equitação Espanhola fundada pelo arquiduque Carlos em 1562.

Esta Escola deve seu nome aos puros sangues que foram trazidos desde Espanha para cruzá-los com os cavalos de Karst. Se deseja ver uma atuação as entradas se deve solicitar com antecipação mas recorde que os ensaios diários costumam estar abertos ao público e têm lugar entre as 10:00 e as 12:00 h.

Na praça encontra-se a Biblioteca Nacional composta pela Prunksaal, sala de atos na que se agrupam as coleções dos Habsburgo e do príncipe Eugênio e cuja cúpula está decorada com afrescos de Daniel Gran, a Augustinertrakt que recolhe, sobre todo, mapas, a Albertina com papiros, partituras e a cinemateca e a Neue Burg com retratos, gravados e fotografias.

Destacam como peças de luxo a Bíblia de Gutenberg, o Tratado de Medicina de Dioscórides do século I, os Atlas de Blaeu e a tábua de Peutinger. Este recinto acolhe também o Museu de Esperanto, o Instituto de Restauração e os Arquivos Teatrais.

Muito perto localiza-se a Augustinerkirche, igreja na qual as missas são acompanhadas com uma orquestra clássica. Em seu interior destacam a impressionante Tumba de Maria Cristina de Sajonia realizada por Canova e a cripta que acolhe em urnas de prata os corações de alguns dos Habsburgo.

Cruzando a Schweizertor chega-se ao edifício da Presidência da República. Unido a este encontra-se o Festsaaltrakt que comunica o Palácio Velho com o Palácio de Congressos. O Festsaaltrakt divide-se na sala de festejo, de cerimonias, sala de mármore, do conselho secreto, sala dos cavaleiros, dos alabarderos, aposentos de Radetzky e a Redountensaaltrakt.

O Palácio Novo, de estilo neo renascentista do Ring, resulta realmente impressionante pela sua forma de circunferência.

Na atualidade alberga quatro museus: o Museu de Efeso que expõe restos arqueológicos encontrados em Turquia por expertos Austríacos, a Coleção de Instrumentos Musicais com pianos de Mozart, Beethovenou Brahms entre outros, a Coleção de Armas com uma estupenda mostra que vai desde as invasões bárbaras do século V até o XIX, o Museu de Etnografia que expõe mais de 150.000 peças de todo o mundo, destacando a Coroa de plumas de Moctezuma, as Coleções do Capitão Cook e a Coleção de Arte de Benín.

No andar superior das cavalarias do Palácio encontra-se um anexo do Museu da História da arte denominado a Neue Galerie na que se expõe uma magnífica mostra de impressionistas franceses e outras obras de grande importância como "Banhista" de Renoir, "Auto-retrato" de van Gogh, "Retrato de mulher em cama" de Toulouse-Lautrec e vários retratos de Degas e Manet.

Os Aposentos Imperiais resultam fascinantes. Se chega a eles através da Escada Imperial. Destacam-se o Salão Imperial disposto com a porcelana real preparada para celebrar um banquete de luxo, as habitações de Francisco José muito austeras, o Salão de fumar, o lustre de cristal com 85 luzes da Sala de Audiências e os aposentos e o ginásio de Sisi. Estes aposentos estão decorados com excelentes tapetes de parede, numerosas fotografias e excepcionais estufas de louça rococó.

A Ringstrassem e seus arredores

Depois de finalizar a visita ao Palácio de Hofburg pode-se andar pelo bairro de Spittelberg onde existem casas do século XVIII de grande encanto e passear pelo Volksgarten, formoso jardim em cujo interior se levanta um templete grego do século XIX.

Uma vez descansado neste belo entorno é chegado o momento de acercar-se à uma das obras urbanísticas mais famosas de Viena, a Ringstrassen, ordenada por Francisco José em 1857. As muralhas que separavam o centro da cidade dos bairros da periferia se destruíram e em seu lugar construíram-se novos edifícios que acolheram diversos centros culturais e políticos como o Museu de História Natural no qual pode-se contemplar como peça estelar a Vênus de Willendorf, pequena peça pré-histórica com mais de 2.000 anos de antigüidade; o Museu de História da arte com uma excelente coleção de pintura com obras tão importantes como "A Virgem da Pradera" de Rafael, quadros de Bruhegel, "A Virgem do Sagrario" de Caravaggio e os retratos de Rembrandt entre outras, o Palácio de Justiça de estilo renascentista alemã, o Parlamento construído por Hansen seguindo os padrões do classicismo grego, o Rathaus, novo prefeitura neogótico, o Teatro Nacional em cujo interior pode-se admirar o afresco de Klimt "O teatro clássico de Taormina", a Universidade e a Votivkirche, igreja construída para lembrar o atentado contra Francisco José em 1853 do qual saiu ileso.

Destacam-se também o Apartamento de Freud, com uma coleção de objetos personais do pai da psicoanálise e o Museu de Arte Moderna no qual se recolhe m obras de Klimt, Kandinsky e Klee entre outros.

O Palácio da Opera de Viena vale também uma visita. A construção deste edifício vai unida a muitas lendas que oferecem diferentes explicações do suicidio de Eduard vão der Nüll, um dos arquitetos que a disenhou.

A história mais comúm é que não pôde soportar as críticas por sua obra, especialmente, as do Imperador Francisco José. O palácio sofreu graves danos durante a Segunda Guerra Mundial e embora fosse reconstruído em quase sua totalidade as obras ainda não finalizaram devido a seu alto custo.

Outros edifícios de interesse na zona são a Annakircke, com uma formosa cúpula, a Kapuzinerkirche que acolhe o Panteão Imperial no qual se guardam os restos de 140 Habsburgo, o Ministério de Economia desenhado por von Erlach, a Figarohaus, casa na que Mozart compus "As Bodas de Fígaro" e os Palácios de Erdödy-Fürstenberg de fachada amarela e creme e o Coburg que conserva em seu jardim parte das muralhas que foram destruídas para construir a Ringstrasse, o Royal e o Neupauer-Breuner com uma formosa entrada.

Destacam também a Acadêmia de Belas Artes que acolhe obras de velhos maestros entre as que brilha especialmente "O Juízo Final" de O Bosco; o Edifício da Sucessão, considerado como a primeira construção do século XX na qual se expunham obras dos artistas que lutavam em contra das escolas conservadoras; o Naschmarkt, mercado ao ar livre com grande encanto; a Kunslerhaus, a Musikvereim sede da Filarmônica de Viena; o Museu Histórico de Viena que recolhe uma exaustiva mostra da história da cidade e a maravilhosa Karlskirche, a igreja de São Carlos Borromeo, construída por ordem de Carlos V como cumprimento da promessa que fez si a virulenta epidemia de peste de 1713 finalizava.

Este edifício religioso combina elementos gregos como o pórtico colunado da entrada, com elementos romanos, colunas isenta e vienenses contemporâneos ou torres barrocas situadas aos lados. No interior são muito interessantes os afrescos de Rottmayr.

Não deixe de visitar a estação de metro de Stadtbahnpavillon, também na Karlsplatz, com sua decoração de girassóis e tulipas em verde, dourado e branco, realmente original.

O Palácio Belvedere

Situado em Rennweg 6A, este palácio composto por dois edifícios separados por uns formosos jardins foi construído por Hildebrant entre 1714 e 1722. Tal vez seu maior atrativo encontra-se no terraço dos Oberes com umas vistas maravilhosas da cidade e as famosas esfinges que têm diferentes expressões e que refletem o verdadeiro espirito da mulher vienense.

O Palácio superior está composto por sete corpos elegantemente unidos com claras influências orientais como as cúpulas dos pavilhões laterais que recordam às mesquitas turcas. No interior destacam o Vestíbulo dos Atlantes, a grande Sala de mármore de cor rosa e a Galería Austríaca na que se conservam a maioria das obras de Klimt, Schiele e Kokoschka.

Descendendo pelos jardins de estilo francês chega-se ao Palácio inferior, menos atrativo que o superior, embora foi o primeiro que se construiu. Destacando o Pátio de Armas, o Museu de Arte Barroco situado em excepcionais salas como a de mármore, a Galería dos Espelhos e a Sala dos Grotescos na que pode-se ver as cabeças gesticulantes de Messerchmidt.

O Palácio de Schönbrunn

Construído como residência imperial de verão por von Erlach em 1696, o Palácio de Schönbrunm encontra-se no fim da Wienzeile. Se começa a visita a este recinto pelos maravilhosos jardins de desenho francês.

Neles pode-se passear pelo Coreto, colunata neoclássica situada acima de uma colina, pelos chalés tiroleses, as ruínas romanas de 1778 e contemplar o Obelisco e sua cascata, estátuas mitológicas, obra de Meyer, a Fonte Hermosa, Schöner Brunnen, que deu nome ao palácio, o Jardim botânico com plantas de todo o mundo e o Tiergarten, zoológico no qual atualmente pode-se ver 750 animais.

A continuação se costuma visitar o Museu de Carruagens que contem uma excelente coleção composta por 60 carroças imperiais entre as que destaca a de Carlos V em forma de coroa dourada com pinturas da Escola de Rubens nas portas.

O edifício central tem 1.441 aposentos dos que unicamente 42 estão abertos ao público. Se chega ao mesmo pelo Pátio de Armas para passar ao Berglräume, habitações decoradas com afrescos exóticos. Ao seu lado se abre a Capela do Palácio de 1700 e desde ali pela Escada de honra à Grande Galería, de 43 m de comprimento, revestida de branco e ouro e com lustres de cristal.

Esta Galería ainda utiliza-se para os banquetes oficiais. Aos lados estão a Sala do Carrossel e a dos Faróis. A Pequena Galería estava reservada para as festas infantis e concertos e a seu lado encontram-se os Gabinetes Chineses que têm a peculiaridade de contar com uma escada secreta pela que a rainha Maria Teresa subia aos aposentos do chanceler von Kaunitz. A continuação encontram-se os Salões de Rosa.

A direita do edifício estão situados os Apartamentos de Sisí e Francisco José com 15 aposentos. Destacam a Antecâmara com um bilhar de estilo Biedermeier, a Sala de Audiências cujas paredes estão recobertas com madeira de nogueira, o Gabinete de Trabalho de Francisco José, o dormitório no qual morreu o imperador a 21 de novembro de 1916, o grande Salão de Elizabeth, o quarto das crianças, a Sala do Café da manhã e a Galería dos Espelhos.

A esquerda do edifício encontram-se a Sala de Cerimonias, o Salão Chinês com decoração oriental que também pode-se ver no Vieux-Laque-Zimmer, o Dormitório de Maria Teresa na que morreu o Arquiduque, o Salão das Porcelanas, o Salão do Milhão no qual se expõem 260 miniaturas indianas e persas que custaram no século XVIII um milhão de florines, a Sala dos Tapetes de Parede, o Salão Vermelho do tapete em damasco escarlate e os Apartamentos dos Pais de Francisco José nos que destaca o baldaquino de Sofia de Baviera realizado com 250 kg de prata, o Gabinete de Trabalho do arquiduque Francisco Carlos e o lustre de cristal da Bohemia do Salão.

Outros locais turísticos em Viena

O Prater é o parque de atrações mais famoso de toda Áustria. Conta com os brinquedos mais diversos e modernos embora seu máximo atrativo é a Roda Gigante Ferris. Esta Roda gigante tem uma altura de 64,75 m e um diâmetro de 61 m os ráios estão feitos de cabos metálicos e seu peso é de 430 toneladas.

Embora a velocidade que atinge seja lenta, 0,75 m/s, se compensa plenamente pelas maravilhosas vistas que oferece da cidade. Esta roda foi a única que sobreviveu à Segunda Guerra Mundial, o resto das rodas gigantes Européias deste tipo foram desmontadas pois eram utilizadas pelos aviões inimigos para localizar às cidades e bombardea-las.

Ao lado da roda gigante se levantam o Planetário, construído em 1927, o Museu do Prater e a Lilliputbahn, uma casa com um curioso desenho em forma de bola. O cemitério Central, Zentralfriedhof, acolhe as túmulos de Beethoven, Schubert, Brahms, Strauss e Mozart, embora este último seja só comemorativo.

Os cemitérios Austríacos são formosos, contam com numerosos espaços verdes e muitas flores. Também são dignas de ver-se as Casas dos Músicos, a maioria convertidas em pequenos museus com objetos pessoais dos compositores. Pode-se visitar a de Schubert, Hydem e Johanm Strauss entre outras.

Baixa Áustria

Saindo de Viena, para o sul, pode-se fazer uma rota realmente deliciosa atravessando os vales. Se costuma começar por Perchtoldsdorf, uma aldeia com grande encanto repleta de tabernas nas que pode-se beber excelente vinho.

A oito Quilômetros de Perchtoldsdorf encontra-se Mödling, aldeia fundada no século X na que pode-se visitar um ossário do século XII e uma loja renascentista situada na prefeitura. Seguindo a "rota do vinho" chega-se a Gumpoldskirchem onde se fabrica um vinho branco difícil de melhorar, de fato, é um dos melhores da Europa.

As casas do povoado costumam estar abertas para deixar passar aos pátios nos quais se serve o caldo da última colheita (heuriger), em longas mesas de madeira.

Más adiante, seguindo esta rota, chega-se ao Balneário de Baden cujas águas sulfurosas tem curado enfermos desde antes da chegada dos romanos. Este balneário está composto por seis edifícios situados sobre 15 mananciais cujas águas têm a temperatura do corpo humano e estão indicadas especialmente para combater o reumatismo.

Conta, ademais, com duas piscinas ao ar livre com águas termais que atingem os 32 graus centígrados. O lugar de encontro do Balneário é Kurpark, onde se representam funções teatrais, operetas e numerosos concertos alguns dos quais se compuseram neste maravilhoso entorno pois músicos da talha de Mozart, Beethovem e Strauss passavam longas temporadas nele. O casino, do século XIX, é outro dos lugares preferidos pelos visitantes do Balneário.

Na cidade de Badem pode-se visitar a Casa de Beethovem e um precioso Museu de Bonecas e Brinquedos.

A 16 quilômetros de Viena está Schloos Laxenburg, conjunto arquitetônico construído em 1381 como residência de verão do Duque Albrecht III e formado por um castelo barroco, um do século XIV e outro neogótico do XIX. Outro conjunto arquitetônico de interesse embora nesta ocasião de carater religioso é a igreja e a abadia cisterciense situadas em Heiligenkreuz. A igreja mistura o românico e o gótico. Na abadia destaca a Capela dos Mortos, lugar de repouso para os restos dos monges, custodiada por quatro esqueletos. Não deixe de visitar Mayerling, lugar no qual se suicidaram o filho de Francisco José e Sisí, o príncipe Rodolfo e sua amante, Maria Vetsera.

A 20 quilômetros de Viena, em direção este, pode-se visitar as escavações romanas de maior importância da região, Carnuntum. Aqui se apreciam numerosos restos expostos ao ar livre, ruínas de casas romanas, um anfiteatro com um aforo para 25.000 espectadores e a Porta Pagam. Também vale a pena visitar Rohrau, a cidade natal de Hyden. Se conserva uma casita com telhado de palha que oferece uma idéia muito acertada de como se vivia na época do compositor.

Também pode-se visitar o Castelo Harrach que conserva a ponte levadiço e em cujo interior encontra-se uma galería de arte na que se expõem obras de Rubens, van Dyck e Brueghel entre outros.

Ao norte de Viena encontra-se o conhecido Distrito dos Bosques, Waldwiertel. Nesta região repleta de árvores, suaves colinas e pequenos povoados de grande encanto destacam Kleinwetzdorf, onde está enterrado Radtzky, Horm com os restos das muralhas construídas em 1532 para defender-se do ataque turco, a Abadia de Altenburg, de 1144 e o Castelo de Ottenstein, situado a 25 quilômetros ao oeste de Altenburg, com salas do ano 1178 que na atualidade acolhem a um hotel- restaurante. Destacam também a Abadia Cistercience de Zwettl, construída no ano 1138 e muito perto o Museu de Medicina e Meteorologia situado numa capela de 1294 na qual pode-se contemplar todo tipo de ervas medicinais.

A 7.5 quilômetros de Zwettl para o oeste encontra-se o Castelo de Rosenau, hoje convertido em hotel, onde pode-se visitar o único museu na qual se vê uma câmara segreda para as cerimonias da Franco maçonaria. Más para o oeste, a uns 25 quilômetros, acha-se Witra, pequena vila com uma destilaria do ano 1321.

Gmünd, a 16 quilômetros de Witra, manteve até faz pouco uma cerca de arame que dividia o território entre Áustria e Checoslováquia. Nesta localidade ainda pode-se ver Comboios a vapor que vão à República Checa.

Em Neunagelberg se fabrica cristal de boa qualidade desde 1740. Pode-se visitar algumas fabricas e adquirir diferentes objetos a preços razoáveis. E si Neunagelberg é famoso por seu cristal, o Castelo de Heidenreichstein é conhecido por não haver sido nunca tomado desde sua construção no século XV.

Destacam também nesta zona Waidhofem am der Tahya, antiga cidade do século XIII, com uma capela às aforas denominada Bürgerspitalkapelle que data de 1500, os castelos de Raabs am der Tahya do século XI, Drosendorf de 1100, Riegersburg, Rosenburg de 1200, com um campo de torneios e Hardegg com uma estupenda coleção de armaduras e armas.

Outra zona que distingue-se na baixa Áustria é a conhecida como o "Distrito do vinho", Weinviertel. Os vinhedos são as paisagens mais comuns e com eles se elabora um delicioso vinho tanto branco como tinto. Embora não exista o luxo e a comodidade de outros lugares, o Distrito do vinho se caracteriza por seus preços mais baixos, relaxantes paisagens rurais e uma excelente cultura que gira em redor desta bebida. São especialmente relevantes Korneuburg pelos seus lenhadores, Schloss Schönborn, o castelo construído por Hildebrant situado em Göllesdorf, a bodega maior de Áustria na que pode-se degustar excelentes caldos situada em Retz, o museu da cerveja situado na fortaleza de Laa, Poysdorf pelos seus vinhos brancos considerados como os melhores de Áustria e a coleção de locomotivas a vapor de Strasshof.

ÁUSTRIA ORIENTAL: BURGELAND E ESTIRIA

Este percurso transcorre pelos dois estados federados de Áustria mais orientais: Burgeland cujo máximo atrativo é o Lago Neusiedler e Estiria, com sua capital, Graz, como principal centro cultural e econômico da zona.

BURGELAND

Separada de Viena por tão só 52 quilômetros seu maior encanto é o Lago Neusiedler, lago esteárico que oferece um espetáculo estranho e belo ao mesmo tempo. Alimentado por um rio e, sobre tudo, por mananciais subterrâneos, seu máximo atrativo é o contraste que oferece o terreno desolado com a grande variedade de aves (más de 250 espécies). Outros lugares de interesse ao redor do Lago Neusiedler são Podersdorf, o melhor lugar para banhar-se no lago, Seewinkel com uma fauna muito variada, Pamhagen na qual encontra-se um zoológico com animais da estepe húngara e o palacete de caça imperial construído por Hildebrant em Halbturn.

Um pouco mais longe encontram-se Rust, com uma formosa parte antiga, a praia de Seebade e Mörbisch com casas magiares de grande encanto e excelentes vinhos.

A capital de Burgeland é Eisenstadt, cidade na que Josef Haydm viveu durante 30 anos. Se costuma começar o percurso pelo Scholss Esterhazy, palácio no qual habitavam os príncipes Esterhazy descendentes de Atila. Construído entre 1663 e 1672, este edifício de estilo barroco tem como máximo atrativo a Sala Hadyn, auditório onde o famoso compositor interpretou suas obras desde 1761 até 1790. Na atualidade se rememoram estes concertos por orquestras de músicos ataviados com trajes de época. Em agosto celebra-se no parque do Palácio o Festival dos Mil vinhos. O seguinte lugar de interesse é a Bergkirche, uma igreja de estilo barroco que tem como peculiaridade a colina do Calvário situada no interior na qual se representa o calvário e a crucificação de Cristo com figuras de tamanho real. No centro encontra-se a túmulo de Haydn. São também interessantes o Landesmuseum com a história do estado e o Museu Haydm com objetos pessoais do compositor.

Destacam, já fora da capital, Forchtenstein conhecido pelos seus morangos e seu castelo medieval, Bernstein famoso pela pedra verde com a que realizam-se variados objetos, Güssing com uma fortaleza do século XII e o Castelo de Riegersburg do século XI cujos moradores ao longo dos séculos nunca foram vencidos.

ESTIRIA

A capital de Estiria, Graz, é o ponto de maior interesse dentro deste estado federal. É delicioso passear pela parte mais antiga na que destacam o mercado ao ar livre situado na Hauptplatz, a Torre do relógio do século XV pertencente ao castelo situado na colina, a fachada barroca da Casa Luegg, a Igreja Franciscana, o Landesmuseum Joanneum, o museu mais antigo de Áustria com uma mostra ampla sobre diferentes temáticas. São importantes também o Landhaus, parlamento provincial, a Gemalte Haus com afrescos de 1742, o Landeszeughaus, arsenal provincial no qual se expõe uma impressionante coleção de 30.000 armas, a Sadtpfarrkirche em cujo altar pode-se contemplar "A Assunção da Virgem" de Tintoretto, a Glockenspielplatz na qual está situado um café com um relógio que, às onze da manhã e às seis da tarde, saem antigas figuras de madeira que dançam, a Catedral do século XV e o Mausoléu do imperador Fernando II. Valem especial menção o Palácio de Herbersteim sede da Nova Galería e o Schloss Eggenberg, palácio barroco do século XVII sede do Museu de Caça, do Museu de Pré-história e História Antiga e do Museu de Numismática.

Nos arredores de Graz pode-se visitar o Museu ao ar livre de Áustria no qual encontram-se granjas, granjeiros, cabanas, moinhos e outras construções de diferentes épocas traídas de toda Áustria, a Granja Lippizaner onde se criam os cavalos da Escola Espanhola de Equitação do Palácio de Hofburg em Viena, Bärnbach com um museu de cristal estirio, Leibnitz e seu castelo do século IX, Ehrenhausem onde se cultivam os vinhedos mais altos do mundo e Kitzeck com um interessante museu do vinho.

Outros lugares de interesse de Estiria são Lurgrotte a grota maior de Áustria, o impressionante desfiladeiro de Bärenschützclamm com espetaculares cascatas, Bruck am der Mur cruze de caminhos com uma preciosa parte histórica do século XIII, Judenburg na que se levanta uma torre de vigilância de 1449 de 72 m de altura e Murau onde poderá conduzir uma locomotiva de vapor numa cidade medieval de grande encanto.

LINZ E ALTA ÁUSTRIA

Este estado federal oferece paisagens de grande beleza, especialmente os que encontram-se na região dos lagos.

LINZ

A capital desta região conta com uma preciosa praça principal, Hauptplazt, na que encontra-se a Prefeitura Velha com um relógio lunar muito curioso. No centro desta praça se levanta o Pilar da Santíssima Trindade, de 20 m de altura, construído em mármore branco em 1723. Muito perto encontra-se a Igreja Minoritaria em cujo interior destacam as pinturas de Kremser Schmidt e o altar principal. A seu lado encontra-se a sede do governo provincial, a Landhaus com a Fonte dos Planetas e o Vestíbulo de Pedra como máximos atrativos. A volta deste edifício pode-se visitar a Mozart Haus, casa onde o genial compositor criou a sinfonia que leva o nome desta cidade no ano de 1738.

Continuando pela rua Alstadt chega-se ao mercado coberto situado na Waaghaus e no número 10 encontra-se a Kremsmünstererhaus, edifício no qual se supõe que morreu Frederico III. Girando para a Tummelplatz encontra-se o Castelo de Linz sede do Museu Provincial da Alta Áustria com uma ampla coleção de objetos deste estado.

Em Baindabachstrasse se levanta a Catedral Nova, impressionante edifício que atinge os 134 m de altura e em cujo interior destacam a cripta e as estátuas do altar maior de 1633. Na zona de pedestres, próxima à catedral, existem outros edifícios religiosos de interesse como a Igreja Carmelita, a Igreja Ursulina e a Deutschordenkircke.

Um pouco mais distante encontram-se o museu da cidade denominado o Nórdico, a Elisabethinenkirche com formosos afrescos de Altomonte e a Stadtpfarrkirche que guarda o coração de Frederico III e na que também pode-se contemplar afrescos de Altomonte.

Se você é amante da astronomia no número 5 de Rathausgasse encontrará a Casa de Johannes Kepler. Na beira esquerda de Linz está a Neue Galerie com uma excelente coleção de arte moderna. Aqui também pode-se tomar o comboio elétrico Pöstlingerbahm que oferece um interessante percurso enquanto ascende 225 m até Póstlingerberg, onde pode-se tomar outro comboio que passa pelo interior de uma gruta decorada com cenas iluminadas. No pico também pode-se visitar a Igreja de Peregrinação de estilo barroco.

Nos arredores de Linz pode-se visitar Freistadt, cidade amuralhada em muito bom estado, Kefermarkt com uma igreja barroca cujo altar de 13 m talhado em madeira é espetacular, a igreja gótica de Eferding, a abadia de St. Florian e a abadia beneditina de Kremsmünster fundada no 777.

ALTA ÁUSTRIA

A parte mais famosa de Alta Áustria é conhecida como o "Distrito dos Lagos" ou Salzkammergut.

Bad Ischl é, talvez, a cidade mais famosa deste distrito. Sua fama se deve aos mananciais de águas curativas que fluem por este terreno e que serviram de base para a construção do Balneário más, sobre tudo, pelo fato de que a Corte elegeu esta vila para passar o verão construindo a Kairservila, um palácio de Hofburg em pequeno.

De Bad Ischl se costuma ir a St. Wolfgang que tem como máximos atrativos a posada do cavalo Branco, Weisses Rössl, a Igreja Paroquial com seu altar de madeira talhada por Pacher e as maravilhosas paisagens que se contemplam desde o Schafberg depois de ascender 1.783 m em ferrovia. St. Gilgen é conhecida, unicamente, por ser a cidade na que nasceu a Madre de Mozart, Maria Anna Perlt. Na fachada da casa há uma placa comemorativa na que figura sua imagem em relevo. Depois pode-se visitar a pequena reserva natural do lago Fuschl para terminar em Mondsee, aldeia repleta de restaurantes de boa qualidade na que está situado o Mondseer Freilichtmuseum, um museu ao ar livre com construções que permitem compreender o modo de vida dos habitantes desta zona desde faz 100 anos.

Outros lugares de interesse são: Gmundem com praias formosas, um castelo com uma curiosa ponte de madeira e a Prefeitura na qual pode-se ver sinos fabricados com cerâmica, Hallstatt, cidade encravada num entorno com um grande encanto e na que pode-se visitar antigas minas de sal, Obertrainda que como máximo atrativo tem as grutas de gelo de Dachstein, o balneário de Bad Aussee e Altaussee uma pequena aldeia no centro de belas montanhas.

SALZSBURGO

A fama mundial deste estado federal se deve, sobre tudo, a Mozart. O percurso começa pela Mozartplatz em cujo centro encontra-se uma estátua do compositor, a continuação, visitar a Residenzplatz, centro da cidade, na que encontra-se o Neubau, sede do governo no qual destaca a Glockenspiel, torre do carrilhão cujos sinos interpretam obras clássicas às 7, às 11 pela manhã e às 6 da tarde. Também nesta praça encontra-se a Residenz, atual sede de uma galería de arte na qual pode-se contemplar uma excelente mostra de pintura holandesa e flamenca. Desde a Residenplazt à Domplazt se levanta a Catedral na que destacam as esculturas da fachada. O interior está decorado em estilo liberty. Muito perto encontra-se o cemitério de São Pedro no qual pode-se visitar os túmulos de Solari e Haffner entre outras e as catacumbas com duas capelas do século III.

Destacam também como edifícios religiosos a Abadia de São Pedro na que se conservam os restos de São Ruperto, a Kollegienkirche uma das obras primas de von Erlach que também construiu a Dreifaltigkeitskirche e a Igreja Franciscana cujo abside e altar foram desenhados por este famoso arquiteto. Saindo desta igreja encontra-se o Rupertinum, museu de arte contemporâneo com um encantador café.

Tocaninihof alberga a Sala de Festivais com três teatros, o menor construído em 1937 conhecido como o cenário de Mozart. O cenário de Wagner está escavado nas paredes do Mönschberg e o teatro ao ar livre foi escavado aproximadamente em 1600.

A rua mais famosa de Salzburgo é a Getreidegasse repleta de lojas e na que encontram-se a Casa Natal de Mozart na que se guardam objetos pessoais do compositor e a Hofapotheke farmácia real de 1760 que ainda segue funcionando como tal.

É imprescindível para conhecer bem Salzburgo subir através do funicular à Fortaleza Hohensalzburg, do 1077. Em bastante bom estado pode-se visitar várias habitações, a câmara de torturas e a torre do vigia. Ao lado da fortaleza encontra-se o Convento de Nonberg no qual se filmou "Sorrisos e Lágrimas".

São também de interesse nesta cidade o Bastão Hettwer, o cemitério de São Sebastião, os Jardins e o Palácio de Mirabell, o Mozarteum, sede do arquivo de Mozart, a Zauberflötenhauschen, residência de verão que foi transladada desde Viena em 1877 e onde o compositor criou "A Flauta Mágica" e o Teatro das Marionetes que, fundamentalmente representam ópera.

Outros lugares dignos de visitar, fora já da cidade, são o Lustschloss Hellbrunn, construída por Solari como residência dos príncipes-arzobispos e em cujos jardins estão as Wasserpiele, fontes de brincadeiras que dependendo de onde se pise molha aos visitantes surpreendendo-lhes totalmente, Oberndof, vila na qual Gruber compôs a famosa música "Noite de Paz", Hallein que oferece um impressionante percurso pelas minas de sal que funcionaram desde a idade da pedra até 1988 e o Freilichtmuseum, museu ao ar livre com várias edificações, alguma das quais atingem os 300 anos de antigüidade.

CARINTIA

O estado mais meridional de Áustria oferece paisagens maravilhosos e cidades repletas de encanto.

Um bom ponto de partida é Villach. Conta a lenda que as águas termais de seu Balneário combatem o envelhecimento. A parte de rejuvenescer-se pode-se desfrutar visitando a Casa de Paracelsus e a Igreja Paroquial de São Jacob, primeira igreja Austríaca de culto protestante com um formoso púlpito de mármore de 1555.

A 10 quilômetros de Villach encontra-se Ossiach, sede do Festival de verão Carintio, que conta com um formoso mosteiro do século XI. Um pouco mais longe, em Feldkirchen pode-se contemplar umas muralhas do 888 e em Gurk se levanta uma grande catedral românica dedicada a Hemma, uma nobre que dedicou sua vida a fundar igrejas e conventos. Sua cripta está rodeada por 100 colunas de mármore. Se você gosta dos Comboios a vapor dirija-se ao Gurktaler Museumbahn, onde poderá desfrutar de sua condução.

Friesach é uma cidade medieval cheia de rincões encantadores. Em Ober Markt pode-se contemplar casas do século XV belamente decoradas. Hoschosterwitz é um castelo do século XIII com uma excelente coleção de armas e armaduras e onde pode-se desfrutar de uma boa comida num entorno no qual o tempo parece haver parado. Esta mesma sensação tem-se ao visitar St. Veit am der Glan que se conserva igual que quando foi capital de Carintia em 1518. Não deixe de visitar o assentamento celta e romano de Magdalensberg.

Ao norte de Villach existem outros pontos dignos de ser visitados como Spittal am der Drau com um formoso castelo do XVI, Gmünd cidade medieval de grande encanto, a abadia de Millstatt e Bade Keinkirchheim, importante estação de esqui com banhos termais.

A capital do estado federal é Klagenfurt que tem como principais pontos de interesse o Lindwurn, dragão que adorna a fonte situada na Praça Nova, o Landhaus, sede do governo do distrito com uma sala na que se expõem 605 armaduras e a Catedral que tem sido consagrada em duas ocasiões, a primeira pelo rito protestante e a segunda pelo católico.

Desde Klagenfurt pode-se visitar os lagos mais formosos da região. Wörther See, o centro turístico preferido pelos Austríaco, tem um lago de 17 quilômetros de perímetro de águas mornas. Este lago encontra-se rodeado por cidades preparadas para receber ao turismo como Krumpendorf, ideal para famílias, Pörtchach com uma intensa vida noturna, Maria Worth aldeia de grande beleza que conta com duas igrejas do século XII e uma capela que se reflete nas águas do lago e Velden, centro turístico muito elegante e muito caro.

Se lhe gosta os lugares tranqüilos deve visitar Faaker See um lago menor e menos freqüentado.

INNSBRUCK, O TIROL E VORALBERG

INNSBRUCK

Innsbruck é a principal cidade da Áustria montanhosa. Muito agradável de percorrer a pé com ruas de casas de diferentes cores. Innsbruck tem no Telhado de ouro, Goldenes Dachl, seu principal monumento. Embora as telhas sejam de bronze banhadas em ouro este telhado tem dado fama mundial à cidade. Na atualidade é a sede de um Museu Olímpico. Muito perto do Tejadillo se levanta a Stadtturm, torre do século XV e em frente, a fachada azul e branca da Casa Hebling.

A Catedral, de 1722, tem no altar uma pintura de Lucas Cranach o Velho. Muito perto encontra-se o Hofburg, palácio imperial com decoração rococó mandado construir por Maximiliano I cujo mausoléu encontra-se a escassa distância da igreja de Hofkirche. O corpo do imperador descansa em Viena, mas mantén-se o túmulo de mármore negro que devia acolher seus restos. Nesta igreja pode-se visitar também a Capela de Prata e o Museu de Arte Popular Tirolés.

No Ferdinandeum pode-se admirar uma estupenda coleção de arte gótica, pintura dos séculos XIX e XX e uma magnífica mostra de armas medievais. Destacam também o Triumphpforte, arco do triunfo de 1765 e a Anansäule.

Tomando o funicular pode-se ascender ao Hungerbur de 853 m e de ali, em outro funicular, ao Seegrube, 1.904 m e ao Hafelekar de 2.286 m de altitude. As paisagens são realmente formosas. Também valem a pena o Alpenzoo onde pode-se contemplar animais tipicamente alpinos, alguns de eles em perigo de extinção, perto do distrito de Wilten, com uma formosa basílica do século XVIII e o Parque Bergisel com a pista de salto olímpico de esqui.

O TIROL

Recorrer O Tirol é uma delicia. Nesta zona abundam os povoados encantadores situados em paradas formosas.

Hall in Tirol é um povoado fundado por mineiros de sal com uma parte antiga muito acolhedor. A oito quilômetros encontra-se Wattens onde pode-se adquirir cristal de Swarovsky e contemplar o processo de fabricação do mesmo. Em Schwaz pode-se visitar a igreja gótica maior do Tirol com um teto composto por 15.000 placas de cobre e preciosas casas dos séculos XV e XVI. Achensee está rodeada por uma paisagem inacreditável, si ademais chaga a ela a bordo do Achenseebahn, trem a vapor construído em 1889, a viagem será duplamente formoso. Achensee é o maior lago do Tirol com 10 quilômetros de extensão, rodeado por esbeltas montanhas que se refletem na água.

Estando nesta região no primeiro fim de semana de maio não deixe de acercar-se a Zell am Ziller. Onde celebra-se a Gauderfest, festejo de mais de 400 anos de antigüidade, com música e bailes. Mayrhofen é o centro turístico mais famoso do vale. Desde ali pode-se subir ao glaciar Ziller, situado a 3.000 m de altitude. No Vale de Tuxer pode-se esquiar inclusive em verão, ademais, pode-se visitar os impressionantes glaciares Olperer e Rifflerspitz a 3.350 m de altitude.

Também são de interesse os dois castelos de Brixlegg, Rattenberg uma autentica cidade medieval, Kramsach com uma Escola artesanato de vidro, a fortaleza de 1200 situada em Kufstein, as casas de cores de St. Johann, as estupendas instalações para esquiar de Kitzbüel onde também pode-se visitar o jardim de flores alpinas situado a 2.000 m de altitude, Stubaital com mais de 40 picos montanhosos, Plansee o segundo maior lago do Tirol e St. Anton am Arlberg berço do esqui moderno.

VORARLBERG

Bregnez é a capital deste estado federal. Tem como pontos de maior interesse o cais no qual atracam os barcos a vapor, o Music Pavilliom no qual pode-se escutar formosos concertos nas noites de verão, o Auditório do Festival, o Palácio de Congressos, a Nepomukkapelle consagrada como igreja húngara, o Rathaus construído num antigo armazém de grãos e o funicular que lhe conduzirá até a montanha de 1.064 m de altitude desde a que pode-se ver quatro países diferentes

Abandone a cidade pela parte sul e visite o Bregenzerwald, um denso bosque rodeado de montanhas. Depois recorra Schwarzenberg, uma região cheia de pequenas vilas pitorescas. Bludenz se caracteriza por suas ruas povoadas por casas do século XVII, pelos restos da muralha antiga e pelos seus pátios cobertos, cheios de lojas. Aqui se prepara um dos melhores chocolates que lhe recomendamos degustar. Depois visite a cidade mais antiga do estado, Feldkirch, na que destacam o castelo de Schattenburg, a igreja de São Nicolás de 1478, a Katzenturm com um sino de sete toneladas e meia de peso, a casa de madeira situada na praça do mercado e a Rathaus de 1493. Se lhe gosta o esqui não deixe de visitar as estações situadas em Arlberg.

GASTRONOMIA

A cozinha Austríaca tem claras influências dos países que conformaram o Império austro-húngaro. Assim pode-se encontrar pratos com componentes húngaros, checos, polacos, eslovênios e incluso, italianos. Claros exemplos desta influência são as picantes almôndegas conhecidas como "vapcici" e a consistente sopa de feijão também picante procedentes de Servia, a Sopa Sauerkraut e as bolas de pão com que se acompanham as comidas checoslovacas e a couve recheada polaca. De Hungria destacam o goulach, guiso de carne de boi temperada com cebolas, alho, pimentão, tomates e aipo e o "dobostorte" embora em Áustria se ponha mais margarina que açúcar.

Os Austríacos costumam tomar o café da manhã cedo entre as seis e as sete da manhã e o fazem copiosamente. A principal refeição realiza-se entre as 12:00 e às 14:00 h. e o jantar entre as 18:00 e as 21:00 h. A maioria dos restaurantes costuma respeitar estes horários embora em alguns lugares se servem pratos quentes depois das 14.00 h. estes restaurantes costumam ter no exterior o letreiro "Durchgehend warme Küche".

As categorias se dividem em quatro segundo o preço do prato: muito caros, caros, normais e econômicos. As cartas costumam estar anunciadas à entrada pelo que é fácil escolhar o tipo de comida e o preço.

Os pratos tipicamente Austríacos são muito simples, o sabor depende mais da qualidade dos ingredientes que de sua preparação. Destacam o tafelspitz consistente em vitela fervida, o wienerschitzel, um filé de vitela de enorme tamanho empanado em ovo e pão ralado muito parecido ao escalope espanhol que se serve com uma salada de batata fria ou de pepino, o wienerbacklhendl, preparado do mesmo modo que o anterior mas com carne de frango, servido com batatas salteadas, o schinkenfleckerl, guiso de presunto cortado em tiras com massa ou o scheweinsbraten, assado de porco. Toda comida Austríaca se costuma acompanhar com kren, rábanetes picantes e com a schittlauchsauce, uma salsa a base de cebola. Típicos são também os knödel, pudins com tiras de toucinho e fígado que se servem com a sopa e a carne e os fiambre e as salchichas que se comm como comida rápida tanto em tabernas como em restaurantes com varanda ao ar livre.

As sobremesas são realmente maravilhosos, razão de sua merecida fama. Existem sobremesas quentes como os palatshinken, tortas recheadas de marmeladas de frutas ou o apfeltstrudel, um delicioso pastel recheado de pedaços de maça, passas e canela enrolados em massa folhada coberto de nata. Também são estupendos os knödel recheados de albaricoque quente ou de queijo de nata e as tortas de todos os sabores, de cerejas, morango, avelã, nozes, destacando a sachertorte, torta de chocolate que também pode levar marmeladas de albaricoque. A maioria das tortas pode-se comer com creme de leite ou sem ele mas todas elas uma delicia.

Bebidas

A comida se costuma acompanhar de vinho e água. Os vinhos Austríacos são de excelente qualidade. A maioria de eles costumam ser brancos e se servem tanto com o peixe como com a carne. São muito famosos os procedentes dos vinhedos de Wachau, Kampt, Weinviertel, Estiria e Viena. O mais popular é o Grüner Veltiner, seco ou semi-seco. Como tintos destacam o Vöslauer e os das cepas de Burgenland. Também pode-se encontrar vinhos espumosos como o Dürnsteinerou o Langenloiser. O vinho seco mais conhecido é o Herb e realmente agradável resulta o Heurigem que se costuma tomar nas varandas durante as noites de verão. Os Austríacos costumam beber também muita cerveja. A marca nacional é a Grösser e se serve em copos de um quarto de litro como mínimo e, sobre todo, de meio litro. Também se toma em impressionantes jarras de um litro.

Depois da comida o café é imprescindível e os Austríacos, amantes do bom café, podem eleger entre uma grande variedade. O café só se conhece como einen kleinen, o einen kapuzine é o que se serve com nata batida, o pingado é conhecido como einen braunen, com igual quantidade de café que de leite é o eine melange e o café semi-doce servido num recipiente de cobre se chama einen turkischen. Normalmente o café se serve sempre acompanhado de um copo de água, sobre tudo em Viena onde a água é de excelente qualidade. Como licores destacam o Barack de albaricoque e o Slivovitz de cereja.

COMPRAS

Áustria é um verdadeiro paraíso para as compras de qualidade. Têm merecida fama as lojas de antigüidades, móveis da época imperial, vasilhas de porcelana realmente maravilhosas, esculturas, quadros, livros, jóias, moedas, atiçadores e qualquer outro objeto que você possa desejar. Os preços costumam ser muito mais caros. Se não deseja gastar-se tanto dinheiro acuda as feiras, embora a qualidade não está assegurada, aqui encontrará bons produtos a preços razoáveis.

São muito conhecidos os talheres nacionais de porcelana de Augarten. São características as peças de louça de estilo rococó com decorações pintadas a mão dos típicos cavalos lipicianos. São muito apreciadas também as cerâmicas artesanais em cor branca com bordes verdes e os famosos bordados de petit-point em diferentes estampados, desde flores até cenas de óperas, podemos encontrar em bolsos, camisas, chales, almofada, tapetes, etc.

Pode-se adquirir roupa muito elegante nas butiques das principais cidades. Não se estranhe si observa desenhos atuais baseados no traje regional Austríaco, saias plissadas com avental e blusa de mangas de farol com um corpinho atado com fitas encima. Embora os vestidos de noite feitos a mão, as saias, jaquetas de pano muito populares no resto da Europa nos últimos anos, sejam as prendas mais solicitadas. As jaquetas, calças compridas, cinturões, sapatos e botas de couro são de excelente qualidade. num país montanhoso como Áustria não podem faltar as lojas de roupa esportiva e de esqui de excelente qualidade.

Têm merecida fama a joalhería e relojoaria Austríaca. Os relógios vienenses são de excelente qualidade e as jóias, de elegantes desenhos, numa magnífica combinação de gemas, ouro ou prata. São muito formosos também os desenhos da bijuteria.

No país da música as lojas especializadas oferecem uma maravilhosa mostra de Compacto Disc, fitas, e discos de vinil com as composições dos grandes maestros interpretadas por orquestras como a Filarmônica de Viena. Também é fácil encontrar obras interpretadas pelos Meninos Cantores de Viena e as magníficas valsas de Strauss. Os preços não são caros. É freqüente encontrar nestas lojas artigos de presente como bustos de Mozart, instrumentos em miniatura e partituras das peças mais famosas.

Os objetos de vidro e cristal destacam pela qualidade do cristal vienés e o maravilhoso cristal Riedl.

A oferta de objetos é inacreditável: palomas da paz, jarros, copos, brincos, lâmpadas e um longo etc. lhe aconselhamos as peças talhadas em jade e os objetos de estanho.

Se lhe gosta o ferro forjado poderá comprar o típico "weinhebers", recipiente para o vinho em forma de pêra. Preferindo comprar o vinho, em qualquer localidade do vale do Danúbio encontrará excelentes marcas muito mais baratas que nas grandes cidades.

Se distingue, ademais, os trabalhos de cesteria da região do Lago Neusiedl, as gewürzsträussl, diferentes espécies reunidas num ramo de flores, as bonecas feitas a mão, especialmente as bruxas da sorte de todos os tamanhos com caras amáveis e trajes floreados e os objetos de madeira talhada.

Na zona de Tirol é fácil adquirir material para a caça e a pesca, simpáticos chapéus e roupa tirolesa, assim como jarras de cerveja com tampa que conservam perfeitamente a temperatura da espumosa bebida.

pode-se adquirir todos estes artigos em feiras, lojas pequenas de aspecto encantador, centros comerciais e luxuosos comércios. Recorde que tem que pagar um 20 % de Imposto por cada compra, mas si num estabelecimento a compra tiver um valor superior aos mil chelins tem direito à devolução do imposto. É importante que na loja selem o "Tax Free" pois a devolução do Imposto se faz diretamente através do cartão de crédito ou bem, no aeroporto. Se realiza esta operação nos bancos do aeroporto as comissões são muito altas, pelo que se perde boa parte da devolução. Nos estabelecimentos que oferecem a possibilidade de enviar a compra por correio é conveniente assegurar-se das condições do envio por escrito.

ENTRETENIMENTO

As opções para desfrutar do tempo livre em Áustria são inumeráveis. O país oferece uma oferta ampla e de qualidade no referente ao ócio.

Gostando de esportes, e sobre tudo, os relacionados com a montanha e a neve Áustria lhe parecerá um paraíso. O esqui é o esporte mais praticado neste país. A temporada branca estende-se desde novembro até abril embora existem zonas onde a neve não desaparece em todo o ano. As instalações são ótimas e as principais estações de esqui estão dotadas de todo o necessário como remontes, telecadeiras, telearrastres e funiculares, comunicados entre si de tal maneira que o esquiador não baixa nunca pela mesma pendente e quando decide finalizar os descensos, pode regressar ao mesmo centro da estação. Pode-se alugar todo o equipo, inclusive roupa e os monitores têm uma grande experiência. Estas instalações contam também com restaurantes, hotéis, bares e lojas de excelente qualidade. As estações mais populares são Kitzteinhorm perto de Salzgurgo, o glaciar Stubaier em Renalt, Rettenbachferner em Sölden, o glaciar Kaunertal no Tirol e Dachteim em Estiria, entre outras. Recorde que pode adquirir um forfait com um desconto de entre o 20 e o 30 %ou bem perguntar pelas tarifas semanais nas que está incluído tudo.

Outras modalidades de esqui que pode-se praticar em Áustria são o esqui aquático, que está proibido em muitos lagos, pelo que é conveniente informar-se com antecedência e o esqui com vela. Pode-se praticar, entre outros lugares, no Wörthersee em Carintia, em Zell am See perto de Salzburgo, no Lago Constaza, no Vorarlberg ou no Wolfgangsee em Salzkammergut. Nestes lagos também se pode alugar barcos para praticar a navegação, com ou sem vela, muito habitual, ademais nos afluentes do Danúbio. Os lagos são também lugares excelentes para nadar, além de poder praticar o nado em algumas zonas dos afluentes do Danúbio e nas praias do Alte Donau. A água em todos estes lugares é cristalina e não tem nenhuma contaminação.

Áustria está muito bem preparada para quem gosta do senderismo e da escalada. Os paisagens são maravilhosas e existem trilhas para caminhar de distintas dificuldades muito bem sinaladas assim como mais de 700 refúgios para acolher aos escaladores que podem contar, ademais, com a ajuda de guias especializados a preços razoáveis. Lembre-se que si decide contrata-los se deve combinar o preço antes de sair, é costume dar-lhes uma gorjeta ao finalizar a trilha.

O parapente é um esporte muito praticado em Áustria. A temporada é de maio a setembro e voar entre as picos Austríacas é uma experiência única. Se decide aprender existem várias Escolas em todo o país. Se deseja viajar pelo ar mas o parapente lhe parece muito arriscado também pode faze-lo em balão. O Tirol conta com um centro especializado nesta atividade.

Para os mais tranqüilos também há opções: equitação tanto em picadeiros como em prados abertos, golf com mais de 50 campos em todo o país, pesca de numerosas espécies em entornos maravilhosos, caça embora é necessário consultar em quê lugares pode-se praticar e quais são as temporadas permitidas, patinagem artístico e ciclismo através de uma trilha recentemente construída que rodeia o Danúbio recorrendo as principais cidades. Se lhe gosta montar em bicicleta lembre-se que se pode alugar uma a preços razoáveis, que se pode devolver, si adquire um abono de trens, em 100 diferentes estações ferroviárias de todo o país.

Todas as cidades importantes contam também com uma amplia e variada oferta para passar o tempo livre. Pode-se desfrutar muito com magníficas representações de ópera, teatro e balé, maravilhosos concertos de todo tipo de música, museus, cinemas ou bem bailar valsas em lugares acolhedores repletos de encanto. Também pode-se bailar em discotecas e passar bem nos espetáculos dos cabarés e as salas de festa.

São especialmente atrativos os cafés decorados com excelente gosto e nos que pode-se escutar boa música de diferente tipo. Para degustar uma estupenda comida pode-se acudir a uma simples taberna, a um elegante restaurante amenizado com música de violinos ou às "heuriger", tabernas com jardins muito típicos nos que se pode comer de tudo, desde tábuas de queijos até um menu completo.

Por último não deixe de visitar o Prater em Viena, um parque de atrações muito animado que tem como máximo expoente a Riesenrad, uma nória de enormes dimensiones, conservada desde a Segunda Guerra Mundial. Em aquele doloroso período os aviões inimigos as utilizavam para situar as cidades e bombardea-las pelo que todas, a excepção de esta, foram destruídas ou desmanteladas.

FESTIVIDADES

Áustria começa o calendário de festividades o 1 de janeiro com o maravilhoso concerto de Ano Novo interpretado pela Filarmônica de Viena e que é retransmitida a todo o mundo pelos principais canais de televisão. Se você decide presencia-lo em direto deve fazer sua reserva com um ano de antecedência, como mínimo.

também pode-se desfrutar da apresentação de "Die Fiedermaus", opereta de Johanm Strauss que se representa no marco incomparável da Opera de Viena. Para acabar o ano pode-se acudir ao Baile do Káiser no Palácio de Hofburg, ambientado na época de Francisco José e Sisi, os camareiros, os músicos, o chambelán, a vasilha, etc. recreiam aquelas festas. As valsas de Strauss toca no salão e o tempo parece retroceder à época imperial No esqueça que se deve vestir de etiqueta e há que reservar com bastante antecedência.

No 6 de janeiro as crianças Austríacas recebem todo tipo de presentes traídos desde o distante oriente pelos Reis Magos. A música volta a ser a protagonista a mediados de janeiro. Salzburgo se veste com suas melhores galas para celebrar a Semana de Mozart e desfrutar das criações do genial compositor em entornos muito especiais.

A princípios de março tem lugar a Viennale, momento quando Viena recebe os melhores filmes do cinema Austríaco e internacional. A finais de março, princípios de abril, tem lugar a Semana Santa. Como em todas as festas oficiais os comércios, bancos e escritórios estatais permanecem fechados mas há uma excepção pois na Sexta-feira Santa, em atenção aos protestantes, as lojas estão abertas. Em Salzburgo celebra-se o Festival de Semana Santa com concertos e óperas cujas entradas atingem preços realmente elevados.

No 1 de maio se celebra, como na maioria de países europeus, o Dia do Trabalho. Entre o 15 de maio e o 15 de junho celebra-se em Viena o Wiener Festowochen, um festival no qual a cultura é motivo de reunião, há representações de teatro, concertos de todo tipo de música, cinema e exposições.

O Corpus Christi, em junho, tem para os Austríacos um significado especial. As procissões e os desfiles inundam as ruas e em algumas cidades os habitantes se vestem com trajes regionais pondo uma nota de cor. São muito formosas as procissões com barcos nos lagos Trainda e Hallstätter. No 21 de junho se acende as fogueiras e os fogos artificiais inundam de luz as noites Austríacas para dar a bem vinda ao solstício de verão.

Nos meses de verão celebram-se vários festivais que combinam o teatro, os concertos, a ópera e a literatura. Os mais conhecidos são o Verão Carintio que tem como marco o mosteiro e a capela de Ossiach em Viena, o verão Musical de Viena e o Festival de Salzburgo. No 15 de agosto se comemora a Assunção.

Em setembro inicia-se a temporada de música e teatro em Viena e também na capital têm lugar várias feiras de comércio. Em Eisenstadt, Burgenland, celebra-se o Festival de Haydn e Linz se impregna de cultura com o Festival Internacional de Bruckner.

No 26 de outubro é o Dia da Bandeira, a festa nacional por excelência.

Novembro inicia-se o dia um com o Dia de Todos os Santos. O dia 8 desse mês se rende culto à Imaculada Conceição e o 11 celebra-se o Dia de São Martín, quando se come ganso assado com repolho roxo em honor dos taberneiros e hospedeiro dos que São Martín é o patrono. Também há desfiles, baile e serviços religiosos.

No 6 de dezembro é São Nicolás. As ruas se enchem de feiras com brinquedos, balas e comida para os menores pois este é seu dia. Tem especial importância a celebração deste dia em Christkindl em Estiria.

No 24 e 25 de dezembro festeja-se a Noite de Natal. Depois das ceias familiares se reúnem nas igrejas onde essa noite soara a famosa música "Noite de Paz" composta por Franz Gruber na capela de Oberndorf, situada ao norte de Salzburgo.

TRANSPORTES

Avião

Existem vários vôos semanais desde as principais capitais Européias até Viena. A companhia Austríaca Áustria Airlines e sua filial Áustria Air Service, facilitam as conexões com outras cidades como Linz, Graz, Klagenfurt e Salzburgo. A companhia Tyroleam comunica a capital Austríaca com Innsbruck. Existem diferentes tarifas muito econômica para as que é necessário fixar a data do vôo com anterioridade e permanecer em Áustria como mínimo um fim de semana. Também resulta interessante a tarifa chamada "Pex" que impõe, assim mesmo, a condição de fixar a data da viagem com um mínimo de dias.

O aeroporto Internacional de Viena, Schewechat, está situado a 19 quilômetros do centro, entretanto existem excelentes comunicações até a cidade.

Barco

É uma possibilidade realmente agradável. Os barcos que navegam pelo Danúbio, ao longo de 300 quilômetros oferecem uma travessia repleta de lugares formosos. A companhia que realiza estes cruzeiros é a DDSG, Companhia de Barcos de Vapor do Danúbio. Há uma ampla gama de preços, categorias, estilos de embarcações, assim como da duração das travessias.

Trem

Os Comboios com destino a Áustria saem diariamente desde a capital da França, Paris e das cidades suíças de Basilea e Zurich, finalizando seu percurso na estação de Westbanlhof de Viena. Não existem Comboios que vaiam diretos desde Espanha mas RENFE facilita combinações para poder viajar até estas cidades.

A rede de ferrovia Austríaca oferece um serviço rápido, cômodo e barato. Unicamente nas zonas montanhosas os Comboios circulam a menor velocidade mas este inconveniente se vê recompensado pelas maravilhosas paragens que pode-se contemplar. Os serviços interurbanos funcionam cada hora.

Tanto os Austríacos como os turistas podem aceder ao bônus de viagem de preços atraentes como a Tarjeta Rabbit ou a Rabbit Júnior, para menores de 26 anos, que permitem viajar em primeira e segunda classe por todo o território Austríaco durante quatro dias sem limite de quilometragem. Oferece, ademais, um desconto do 50 % nos barcos que percorrem o Danúbio. Os viajantes de mais de 60 anos si são mulheres e 65 si são homens, se beneficiam da tarifa Seniorpass que consegue até um 50 % de desconto dependendo dos trajetos e o tipo de Comboios. O Bundesnetzkarte, é um abono que permite viajar durante todo um mês sem limite de nenhum tipo, tanto em primeira como em segunda classe.

Ônibus

Este meio de transporte utiliza-se para chegar a lugares onde a rede de ferrovia não pode aceder. É aconselhável fazer reserva durante os períodos ferias. Os bilhetes pode-se adquirir nos escritórios das companhias de ônibus ou através de uma agência de viagens. Existe uma espécie de abono que combina os serviços do ônibus com o do Comboios.

Carro

Áustria conta com uma boa rede de estradas em muito bom estado. Os limites de velocidade em auto estrada é de 130 km/h e no resto da rede de estradas de 100 km/h Nas zonas urbanas o limite é de 50 km/h. A idade mínima para conduzir é de 18 anos e é obrigatório levar o cinto de segurança.

Tendo algum problema em estrada, existem dos clubes do automóvel: o OAMTC e o ARBO, ambos prestam ajuda em estrada. Se necessita de seus serviços há que marcar o 120 para o OAMTC e o 123 para o ARBO.

As principais firmas de aluguel de veículos contam com escritórios nos aeroportos e no centro das principais cidades de Áustria. É necessário ser maior de 21 anos de idade e ter uma antigüidade, como condutor, de um ano no país de origem. Não se exige uma carteira internacional de conduzir.

Conselhos práticos na hora de conduzir na Áustria:

Se é inverno há que ter cuidado com a neve e o gelo pois devido a problemas ecológicos não se costuma jogar sal no asfalto. Não esqueça de levar correias ou com cravos.

O limite de álcool é do 0,8. Se supera este limite se retirará a carteira de conduzir e receberá uma considerável multa.

As cidades não costumam estar muito congestionadas exceto em horas ponta e é provável que tenha que pagar nas zonas de estacionamento. Os cartões se adquirem em postos de gasolina, bancos e quiosques.

Existe um excelente serviço de abastecimento mas há que ter em conta que nas zonas rurais costumam fechar nos domingos.

Transportes Públicos

Nas principais cidades Austríacas é aconselhável seu uso, especialmente em Viena. A capital Austríaca tem uma invejável rede de transporte público. O metrô está sinalizado como U-Bahm e conta com cinco linhas. O serviço finaliza às meia noite e meia.

O bonde é realmente rápido. Tem absoluta preferencia sobre os automóveis e conta com linhas que percorrem toda a cidade. O serviço finaliza às doze da noite.

Os ônibus são algo mais lentos e costumam oferecer percursos pela cidade que não estão cobertos pelos bondes, contam com serviço noturno.

Além dos bilhetes simples e do taco de cinco bilhetes pode-se adquirir cartões combinados para os três transportes públicos. Estes cartões podem ser de um dia, três dias, uma semana personalizada e uma que pode ser utilizada por uma ou várias pessoas durante oito dias e na que se vão marcando as viagens a medida que se passa pelas máquinas de admissão. As crianças menores de seis anos não pagam e os turistas menores de 15 anos podem viajar grátis durante os fines de semana.

Os taxis não são caros, dispõem de taxímetro e se identificam com a típica luz verde. Recorde que é habitual deixar gorjeta.

Viena oferece ademais, pistas em muito bom estado para circular com bicicleta e carruagens a cavalos, um romântico meio de transporte para percorrer a formosa capital.

Fonte: www.rumbo.com.br

Áustria

Território

A República da Áustria está situada na Europa Central e tem fronteiras comuns com nada menos do que oito países: a Suíça e o Liechenstein, a oeste, a Alemanha e a República Checa, a norte, a Hungria e a Eslováquia, a leste, e a Itália e a Eslovénia, a sul.

Com uma superfície total de 83 857 Km2, o país é composto por nove Estados federados (Bundesländer): Vorarlberg, Tirol, Salzburgo, Alta Áustria, Baixa Áustria, Viena, Burgenland, Estíria e Caríntia.

A Áustria é um país montanhoso em que os Alpes ocupam dois terços da superfície terrestre. O pico mais elevado é o Grossglockner, a 3 797 m de altitude.

A Áustria é o país da Europa Central que tem a maior área área florestal (47% do territótrio). O rio mais longo é o Danúbio, que atravessa também a Alemanha, a Eslováquia, a Hungria, a Sérvia e a Roménia. Na Áustria, o curso do Danúbio atinge 350 Km.

População

Áustria tem uma população de 7,8 milhões de habitantes e uma taxa de crescimento demográfico anual muito baixa. Os jovens com menos de 15 anos de idade não chegam a representar 20% da população, ao passo que a percentagem de austríacos com mais de 60 anos ultrapassa os 20%. A distribuição demográfica é muito desigual. Praticamente 60% das regiões alpinas encontram-se subpovoadas enquanto mais de metade da população se concentra nos centros urbanos. Só em Viena, residem mais de 1,7 milhões de habitantes.

Atualmente, residem na Áustria cerca de 300 000 estrangeiros, grande parte dos quais trabalha nos setores da construção, do turismo e da indústria têxtil.

Tradicionalmente, a população estrangeira é originária da Turquia ou da ex-Jugoslávia. Existe ainda um grupo étnico esloveno na Caríntia, bem como pequenas comunidades de croatas e de húngaros no Burgenland. Todos estes grupos possuem as suas próprias escolas.

A língua oficial é o alemão que, na Áustria, segundo se diz, é falado de uma forma mais suave e arrastada do que na Alemanha.

Economia

A Áustria é um país altamente industrializado, com uma economia de mercado. O comércio externo sempre teve um papel importante na economia austríaca.

Desde a queda da "cortina de ferro", o papel da Áustria como ponto de passagem para os países da Europa Central e Oriental acentuou-se ainda mais.

Cerca de 40% de PNB da Áustria provém das trocas comerciais, do comércio externo e do setor dos serviços. Um dos setores econômicos mais desenvolvidos, depois do comércio e da indústria, é o turismo, quer de Verão, quer de Inverno

Organização política

A Áustria é uma república democrática federal com um sistema bicameral a nível nacional. A Câmara Baixa é designada por Conselho Nacional (Nationalrat) e tem 83 deputados eleitos por sufrágio universal, segundo o sistema proporcional. A Câmara Alta é designada por Conselho Federal (Bundesrat) e conta 63 membros eleitos pelas câmaras dos nove Estados federais (Bundesländer). A Câmara Alta pode introduzir alterações e, em alguns casos, atrasar a adopção da legislação aprovada pelo Nationalrat (Parlamento). O Presidente da Áustria é eleito por sufrágio universal por um período de seis anos. É ele quem nomeia o Chanceler entre os membros do partido mais votado ou de um dos partidos susceptíveis de formar uma coligação no Nationalrat. O Presidente é o supremo comandante das forças armadas (Bundesheer) e pode tambem dissolver o Parlamento.

Fonte: www.minerva.uevora.pt

Áustria

Áustria é um país da Europa Central e é um estado membro da União Europeia.

A capital é Viena [Wien].

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo).

A língua nacional é o Alemão.

Uma vez o centro do poder do grande Império Austro-Húngaro, a Áustria foi reduzida a uma pequena república após sua derrota na Primeira Guerra Mundial. Após a anexação pela Alemanha Nazista em 1938 e a subsequente ocupação pelos Aliados vitoriosos em 1945, o status da Áustria ficou indefinido por uma década. O Tratado do Estado assinado em 1955 pôs fim à ocupação, reconheceu a independência da Áustria, e proibiu a unificação com a Alemanha. Uma lei constitucional naquele mesmo ano declarou a "perpétua neutralidade" do país como condição para a retirada militar Soviética. O colapso da União Soviética em 1991 e a entrada da Áustria na União Europeia em 1995 tem alterado o significado dessa neutralidade. Um país próspero e democrático, a Áustria entrou na União Economica e Monetária da União Européia em 1999. Em Janeiro de 2009, a Áustria assumiu um assento não-permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas para o período 2009-10.

Onde o Rio Danúbio deixa os montes e vira ao sul no Grande Planície Húngara, o norte encontra o sul e o leste encontra o oeste da Europa. Este é o local da Áustria, cuja grande papel na história foi o de proteger e defender a Europa da invasão de tribos que ameaçavam tomá-la.

No século 8, Carlos Magno, imperador dos Francos, uma tribo Germânica, designou a região que hoje chamamos de Áustria como Ostmark - a "marcha do leste", ou de fronteira. Ele a fez seu baluarte contra as invasões ameaçadas pelos Hunos e Vândalos do leste. No século 10, um imperador Alemão fez a região um ducado para proteger seu império da invasão pelos Magiares do sudeste. Este pequeno ducado fronteiriço foi nomeado Ostarichi - "reino do leste". Esta palavra deu origem ao nome Alemão moderno da Áustria, Österreich.

A neutra Áustria fronteira agora sete nações - Alemanha, Suíça, Itália, Liechtenstein, República Checa, Eslováquia, Hungria e Eslovenia. Até o início dos 1990s, a Eslovênia fazia parte da Yugoslávia e a República Checa e a Eslováquia foram um país, a Checoslováquia.

Tchecos, Eslovacos, Húngaros, e Eslovenos viviam no vasto império governado pela dinastia Habsburg da Áustria, que surgiu em 1278 e permaneceu no poder até 1918. Na sua maior extensão o império se estendia desde as fronteiras da Polônia no nordeste ao Mar Adriático ao sul.

O império incluía todas as atuais República Checa, Eslováquia e Hungria. Também incluía grande parte das atuais Itália, Eslovenia, Croácia, Romênia e Polônia.

Então, no final da Primeira Guerra Mundial, o império foi apagado do mapa da Europa. A muito menor república Austríaca tomou seu lugar. Mas, como a cadenciada música da valsa pela qual a Áustria é famosa, a melodia do antigo império continua.

Terra

Um país sem litoral no meio da Europa, a Áustria é um país predominantemente montanhoso. Na verdade, quase 75% dela é coberta pelos Alpes. É apenas ao norte e nordeste do Rio Danúbio que a terra começa a rolar mais suavemente, uma vez que se aproxima da Grande Planície Húngara, através da qual os invasores entraram pelo leste da Europa milhares de anos atrás. Os Alpes dominam o resto da Áustria. Eles alcançam seu ponto mais alto na Grossglockner (que significa "sino grande").

Clima

Nas montanhas, o clima é marcado por uma forte nevasca no inverno e chuva quase que diariamente no verão. O norte da Áustria tem um clima mais ameno do que as montanhas, com invernos chuvosos e verões frescos e úmidos. O leste da Áustria tem um clima continental mais típico. Ele tem verões quentes e relativamente secos e invernos frios.

Províncias da Áustria

As nove províncias da Áustria constituem uma república federal. A maior autoridade está nas mãos do governo federal. No entanto, o bem-estar e a administração local são dirigidos pelos governos provinciais. Cada província é como uma mini-nação. Ela tem seus próprios costumes, tradições e atrações originais.

Vorarlberg

É a província mais ocidental. Ela tem uma localização requintada entre o alto grupo Silvretta dos Alpes e o Lago Constança. Sua capital, Bregenz, é conhecida pelo seu festival anual de música. O Tyrol, também no oeste, é uma meca para turistas e desportistas, com o seu espetacular cenário Alpino. Carinthia atrai visitantes para seus resorts do lago sul.

A próxima província movendo-se ao leste é Salzburgo. Ela foi o local de nascimento de Wolfgang Amadeus Mozart e abriga o Museu Mozart e a Academia de Música Mozarteum. Styria, uma província densamente florestada no leste, oferece o Museu Johanneum. Ela tem uma grande coleção de arte medieval. O Castelo Eggenberg, também em Styria, abriga a maior coleção do mundo de armas e armaduras medievais.

No norte, as indústrias da Áustria Superior estão agrupadas em torno da capital de Linz. Linz foi o berço da Linzer torte - um bolo feito de nozes, especiarias e geléia de frutas. Burgenland fornece uma visão para o passado da Áustria, com suas antigas fortalezas-castelos. Os antigos mosteiros de Klosterneuburg, Melk, Göttweig, e Maria Langegg são contados entre as atrações mais fascinantes da Áustria Inferior.

Viena

a nona província da Áustria, é a cidade capital da nação e uma das grandes cidades da Europa. É o lar de cerca de 25% da população da Áustria e centro de uma grande parte de suas indústrias. A cidade goza de uma localização estratégica. Ela está localizada na borda dos sopés chamados Bosques de Viena e nas margens do Rio Danúbio.

Viena tem desempenhado um papel importante na história do país desde que foi estabelecida cerca de 2.000 anos atrás pelos Celtas. Quando os Romanos ocuparam o que eles chamavam de municipium de Vindobona, eles a fizeram a mais forte fortaleza militar em sua fronteira oriental. O imperador Romano do século 2 e filósofo de estado Marco Aurélio morreu em Vindobona.

Desde os tempos Romanos até recentemente, a cidade cresceu ao longo das margens do Rio Danúbio. O curso do rio foi alterado. Hoje é o Canal do Danúbio e não o próprio Danúbio que atravessa a cidade. A cidade, no entanto, mudou muito pouco desde que o Imperador Francisco José I ordenou que as muralhas medievais fossem removidas em 1857. No lugar das muralhas corre uma grande avenida circular. De um lado a avenida é conhecida simplesmente como a Ringstrasse, e do outro lado, onde faz fronteira com o Canal do Danúbio, como Kai. Isso faz com que Viena seja uma cidade fácil de explorar, pois a moderna Cidade Interior é mais ou menos idêntica à cidade velha.

Ao longo do arborizado Anel estão alguns dos edifícios mais belos de Viena - a Rathaus (Prefeitura), o Burgtheater, a universidade, e os dois grandes museus da cidade - o museu de arte e o museu de história natural. Perto está o vasto palácio chamado de Hofburg, com seus tesouros. Mais ao longo do Anel está a Ópera do Estado.

No centro da Cidade Interior está a bela catedral Gótica de São Estêvão. Sua torre esbelta domina Viena. A catedral, como todas as igrejas da Áustria, foi adicionada no decorrer dos séculos. Muitas de seus valiosos murais antigos e elementos estruturais foram substituídos por tudo o que era moderno na época.

Ao longo de Viena, o elaborado estilo de arquitetura barroca do século 18 substituiu as antigas fachadas e interiores, dando a impressão de que a cidade foi fundada no século 18. Andando pelas ruas faz você perceber, no entanto, que para a Viena barroca do século 18 não é apenas um estilo de arquitetura - é um estilo de vida.

Ao longo de Viena, há bonitos lembretes dos séculos, quando a cidade era uma capital imperial. O palácio de inverno dos Habsburgos, o Hofburg, que está agora aberto ao público, contém os duplos símbolos do poder da Austria - a coroa imperial da Áustria e a coroa do Sacro Império Romano. Na sala de jantar do estado, a mesa ainda esta ricamente decorada com o serviço de ouro imperial. É como se o imperador e sua corte estivessem prestes a entrar para o jantar.

As jóias imperiais estão em exibição em outra parte do Hofburg. Em outras partes da cidade - em museus, casas senhoriais e igrejas - as incontáveis facetas da vida imperial podem ser vistas. Elas incluem o carro em que o Arquiduque Franz Ferdinand foi assassinado a tiros em Sarajevo em 1914. Sua morte marcou o início da Primeira Guerra Mundial.

População Austríaca

Há muito mais para o legado do passado da Áustria que seus brilhantes mementos de imperadores, ou mesmo o esplendor da arte que eles inspiraram e apoiaram. O Império Austriaco uniu sob uma única bandeira cerca de 50 milhões de pessoas, que falavam mais de uma dúzia de idiomas diferentes. A população atual da Áustria é de um pouco mais de 8 milhões. No entanto, um olhar através do livro de telefones da atual Viena é como um passeio pelo antigo império. Ele é preenchido com nomes de Alemães, Checos, Húngaros, Polacos, Eslovenos, e Croatas. O império multicultural, apesar das deficiências que finalmente o esmagaram, era um passo no caminho rumo a uma Europa unida.

Idioma e Religião

Não importa de onde vieram, as pessoas que fizeram a sua casa na Áustria estão unidos por sua língua e sua religião.

O Alemão é a língua oficial da Áustria. É falado por cerca de 98 por cento da população. Eslovenos, Croatas, e Húngaros compõem as pequenas minorias lingüísticas. Mas o Alemão é a sua segunda língua. Como a linguagem da Alemanha, o Alemão Austríaco evoluiu do Alemão antigo para o Alto Alemão - Hoch Deutsch - que é falado hoje. Se você aprendeu Alemão na escola, você pode ficar um pouco surpreso ao ouvir o Alemão Austríaco falado. Ele incorpora palavras do Francês, Italiano, Latim e Inglês de uma forma aparentemente despreocupada.

Cerca de 90 por cento dos Austríacos são Católicos Romanos. Este é outro legado da Igreja Católica Romana da Casa dos Habsburgo. As unicas comunidades Protestantes consideráveis estão em Burgenland e em Vorarlberg - as províncias federais mais a leste e mais a oeste da Áustria. Lá, a Contra-Reforma Católica não conseguiu reprimir os Protestantes. Na verdade, não foi até o final do século 18 que os Protestantes foram tolerados na Áustria. E até o final dos anos 1930s a Igreja Católica Romana na Áustria exerceu uma influência importante na política. Desde a Segunda Guerra Mundial a Igreja não esteve envolvida no governo. Mas algumas organizações laicas Catolicas ainda têm um interesse ativo nos assuntos públicos.

Educação

Desde que a Imperatriz Maria Theresa governou a Áustria, no século 18, o ensino fundamental é obrigatório. Todas as crianças devem freqüentar a escola até que tenham 15 anos de idade. Os estudantes que planejam freqüentar uma universidade vão para uma escola preparatória chamada de Ginásio. No final do Ginásio um aluno tem um exame final chamado de Matura. O aluno deve passar a fim de ser admitido a uma das mais de 30 universidades da Áustria. A mais antiga das universidades Austríacas, Viena, foi fundada em 1365. As outras universidades estão em Salzburg, Innsbruck e Graz. Um aluno pode também assistir a uma das academias especiais dedicadas à música, arte, artes aplicadas, ou representação artística. Há também escolas técnicas, comerciais, e industriais.

Alimento

Os Austríacos fizeram uma bela arte de cozinhar. Eles amam a boa comida. Eles pegaram o que mais gostavam da cozinha do império, e dessa grande e colorida seleção, eles criaram um estilo único de cozinhar.

A Áustria e especialmente Viena, são nomes a contar nos círculos de gourmet internacionais. Algumas receitas Austríacas, como o Wiener schnitzel (costeleta de vitela à milanesa), são mundialmente famosas. Quando lhe for oferecido o mesmo prato na Itália como cotoletto milanese, lembre-se que Milão já fez parte do império.

Bolos, cremes e doces são produzidos em infinitas variedades de dar água na boca, na Áustria. As grandes cidades estão pontilhadas com as Konditoreien - "pastelarias". Os muitos cafés também servem deliciosos pastéis, do simples cookie em forma de crescente baunilha chamado Kipferl ou como brioche Kolatschen à elaborados bolos cheios de cremes.

Talvez o mais conhecido de todos os bolos Vienenses é a Sacher torte. Ele foi nomeado após um hotel e restaurante Vienenses. Pode parecer a alguns como não mais do que um delicioso bolo de chocolate gelado com um pouco de geléia de damasco. Mas a receita real é um segredo bem guardado da família Sacher.

Cultura

O irresistível encanto de Viena, rodeada de colinas e vinhedos, era uma inspiração poderosa para músicos de todo o mundo se estabelecerem lá. Primeiro devemos mencionar os maiores - Wolfgang Amadeus Mozart, Joseph Haydn, Ludwig van Beethoven, Franz Schubert, e Anton Bruckner. Depois, há os gênios mais leves - os dois Johann Strausses, Karl Michael Ziehrer, e Franz Lehár - e os modernos, dos quais os mais conhecidos são Gustav Mahler e Anton von Webern.

A grande ópera e operetas proveram música para todos em uma cidade onde todo mundo era musical. E a memória desses grandes homens sobrevive em mais de sua música. Inúmeras ruas e becos são nomeados depois deles, assim como alguns aviões da Austrian Airlines. A Academia Real de Música ainda atrai alunos de todo o mundo, e cada jovem cantor ou músico sabe que os concertos em Viena são uma obrigação em sua carreira.

Uma vez por ano a grande casa da ópera de Viena abre as suas portas para as pessoas da sociedade de todo o mundo, quando o famoso baile da ópera tem lugar. É o show mais fashion do ano, e as senhoras e os cavalheiros ricamente vestidos de preto e branco, dançando a Grande Polonaise sob a brilhante luz dos candelabros, trazem de volta uma lembrança do passado glorioso.

A grande cidade também atraiu grandes mentes. Os anais da Faculdade de Medicina de Viena incluem os nomes de Albert Billroth, o grande cirurgião; Ignaz Semmelweis, que descobriu a causa da febre puerperal (do parto); e Sigmund Freud, o fundador da psicanálise. A Academia Real de Arte atraiu pessoas como Egon Schiele, Gustav Klimt, e Oskar Kokoschka; e, a Universidade de Viena enviou seus professores para ensinar em todo o mundo.

Viena tem uma série de bons teatros. O mais famoso ainda é o Burgtheater, que foi fundado durante o reinado de Maria Theresa. Ele agora fica em frente a Câmara Municipal do Anel. Sua loggia lindamente elaborada é às vezes aberta nas noites quentes da primavera para deixar os espectadores pegarem uma lufada de ar. Depois de ter sido destruído durante a Segunda Guerra Mundial, o teatro foi restaurado ao seu esplendor original. É considerado entre os melhores nos países de língua Alemã. As obras dos principais autores e dramaturgos Austríacos, como Franz Grillparzer, Hugo von Hofmannsthal, e Stephan Zweig, permanecem luminárias no repertório do teatro.

Embora fosse urgente na era pós-guerra reconstruir as indústrias da Áustria, os Vienenses sabiam que haviam algumas coisas mais no valor da reconstrução.

Estes marcos foram a Catedral de St. Stephen e a Ópera do Estado. A primeira - parte da cidade durante oito séculos - tinha sido quase completamente queimada nos últimos dias da guerra. A última, ainda mais danificada, ficou para o nome da Áustria como um centro de música e cultura. E assim, antes mesmo das indústrias serem reconstruídas, os Vienenses repararam sua catedral e sua ópera.

Viena não só é cheia das lembranças bonitas do passado. Mas a cidade também possui exemplos impressionantes da arquitetura moderna. Entre eles estão os prédios projetados pelo controverso artista e arquiteto Friedrich Hundertwasser. Ele desviava linhas retas e simetria em seu trabalho; seus edifícios eram muitas vezes dotados de janelas espaçadas irregularmente e piso irregular.

Importante como é, Viena não é o único centro de cultura na Áustria. Salzburg, em particular, está intimamente associada com Mozart. A cidade abriga dois festivais anuais de música, que atraem os amantes da música de todo o mundo. Salzburg é também um dos vários locais do Patrimônio Mundial da UNESCO na Áustria.

Em Outubro de 2004, uma polêmica escritora e dramaturga Austríaca Elfriede Jelinek recebeu o Prêmio Nobel de Literatura.

Economia

A Áustria preza seus abundantes recursos naturais com o mesmo cuidado inteligente que tem concedido a seus marcos históricos e culturais. As montanhas ainda estão bem arborizadas, o resultado de séculos de uma gestão cuidadosa. As florestas também ajudam a proteger as fazendas empoleiradas no alto de deslizamentos de terra, avalanches, e os mais lentos danos da erosão.

Muitos córregos e rios lentos alimentados por geleiras vêm das montanhas. Eles provêm o país com um dos seus mais valiosos recursos - água para a energia hídrica, que é a principal fonte de eletricidade. Há estações hidrelétricas nos Rios Inn, Enns, e Salzach, que são afluentes do Danúbio. O Danúbio, navegável por toda a sua extensão através da Áustria, é o rio mais importante do país.

Além de suas paisagens, seus recursos de energia, e suas florestas, a Áustria tem uma grande variedade de minerais. Estes incluem o petróleo, carvão, lignita, madeira, minério de ferro, cobre, zinco, antimônio, magnesita, tungstênio, grafite, e sal. A mineração diminuiu em importância, no entanto. A mineração do carvão tem sido quase completamente eliminada, e as únicas minas de metais remanescentes são uma mina de ferro na região Erzberg da Estíria e uma mina de tungstênio na província de Salzburgo. O petróleo e o gás natural são extraídos principalmente na Bacia de Viena e na Baixa Áustria.

Em 1978, os Austríacos rejeitaram a energia nuclear durante um referendo oficial. Em 2000, eles também protestaram, sem sucesso, à abertura de um reator nuclear em Temelin, na vizinha República Checa.

Menos de 20% das terras podem ser utilizadas para a agricultura. Mas as encostas Alpinas fornecem pastagens excelentes. A maioria das fazendas são pequenas. E muitas estão no cimo de colinas íngremes e encostas das montanhas. A Áustria é quase auto-suficiente na produção de alimentos. Carne, leite, manteiga, queijo e alimentos são os mais importantes.

As indústrias da Áustria fabricam uma grande variedade de mercadorias. Elas incluem produtos de ferro e aço, produtos químicos e itens de consumo como os têxteis. Antigas tradições de artesanato permanecem. A Áustria ainda produz vidro soprado e cortado, artigos de couro, vasos e cerâmica, ferro forjado, jóias e rendas. Alguns desses bens continuam a ser feitos à mão por artesãos. Por outro lado, a Áustria também está desenvolvendo um setor de alta tecnologia.

Como todos os outros países Europeus desenvolvidos, a Áustria entrou na era pós-industrial; a maioria da sua população - cerca de 70 por cento da força de trabalho da nação - agora trabalham no setor de serviços. O turismo é um componente importante do setor de serviços, como os bancos.

Um membro da União Europeia (UE) desde 1995, a Áustria adotou o euro como sua moeda em 2002. Sua economia está intimamente ligada às outras economias da UE.

História

A viagem ao passado da Áustria começa na Idade do Ferro em Hallstatt, na Alta Áustria. Aqui a escavação cuidadosa dos cemitérios antigos revelou a existência de uma florescente comunidade que extraía e comercializava sal. Quando os Celtas se moveram para a Áustria pelo século 3 aC, eles tomaram o próspero comércio do sal em cidades como Hallstatt e Salzburg e estenderam seu reino de Noricum até que ele incluísse a maior parte da Alta Áustria, Salzburgo, o Oeste da Styria, e Carinthia.

Há evidências de que os Romanos tinham penetrado a região que chamamos a Áustria por cerca do ano 100. Pelo ano 10 eles se estabeleceram como únicos governantes da região a que deram o nome de Pannonia. Os Romanos estavam tão interessados em explorar o comércio da área como em proteger sua fronteira oriental. O Rio Danúbio deu aos Romanos uma conexão de comércio leste-oeste. A rota comercial norte-sul mais importante foi a chamada Rota do Ambar, que se estendia de Jutland na Dinamarca no norte, através do oeste da Áustria, ao sul de Roma. Os comerciantes do norte carregavam presas de baleias e âmbar (usado para jóias), que trocavam por espadas, jarros, e, claro, sal.

Por centenas de anos os Romanos foram capazes de combater as repetidas tentativas de invasões pelos bárbaros do norte e leste. Durante este período de relativa paz os Romanos fundaram a cidade de Vindobona (Viena), e trouxeram sua língua e, posteriormente, a religião Cristã para a região.

Mas de cerca de 400 em diante, o enfraquecido Império Romano já não podia defender com sucesso Pannonia. Pelo final do século 5 o país estava aberto a ataques de onda após onda de invasores bárbaros - Hunos, Eslavos, Ávaros e Magiares a partir do leste; Teutões do norte; e Bajuvars do oeste. Não foi até o tempo de Carlos Magno no século 8 que a região conheceu um governo estável novamente. Durou apenas cerca de um século.

No ano de 976 Otto II, o Sacro Imperador Romano, deu parte da Áustria à Leopold de Babenberg para governar como um ducado. O presente foi talvez um pouco menos generoso do que parecia, pois Otto II queria proteger a sua fronteira oriental de novas invasões, e se tornou o dever de Babenberg manter os Magiares (Húngaros) na baia.

Os Babenbergs colocaram a Áustria no caminho para um crescimento estável de comércio e prosperidade. A fronteira oriental do ducado nunca foi tranquila.

Mas ela conseguiu de alguma forma sobreviver a todos os ataques. Após quase 300 anos de domínio contínuo, o último dos Babenbergs morreu em 1246 em uma batalha com os Magiares, seus mais ferozes inimigos. Os Babenbergs tinham não só erguido fortalezas poderosas para defender seu ducado, mas também construído bonitos mosteiros, como os de Melk, Klosterneuburg, Heiligenkreuz, e Admont - esplêndidos monumentos de pedra de sua profunda fé religiosa. O Cristianismo tinha vindo para a terra no século 4, quando o Imperador Constantino tornou-o a religião oficial de Roma. Ao longo dos séculos que se seguiram, os duques, reis, e mais tarde os imperadores da Áustria tomaram como seu principal dever a defesa do Catolicismo Romano contra os pagãos, os Muçulmanos, e mais tarde os reformadores Protestantes.

A Áustria sob os Habsburgos

Quando o último duque de Babenberg morreu, a Áustria caiu nas mãos do Rei Ottokar II da Boêmia (atual República Checa). O Imperador Alemão, vendo a fronteira do sudeste de seu território ameaçada, rapidamente enviou um exército de socorro para a Áustria. O Exército, sob a liderança de Rudolf de Habsburgo, derrotou Ottokar em 1278.

Este evento marcou o início do domínio Habsburgo sobre a Áustria. Ele duraria 640 anos, até 1918. Sob os Habsburgos, a Áustria tornou-se conhecida como um centro de música, arte e arquitetura. Os Habsburgos desenvolveram outro talento novo e singular, que fez seu império crescer e crescer até que no século 16 o Imperador Carlos V podia dizer de seu império que o sol nunca se pôs sobre ele. Este talento foi baseado em um plano simples e estratégico para os casamentos dos filhos e netos dos Habsburgos, que fez ducados e reinos caírem no colo da Áustria como maçãs maduras.

O primeiro Habsburgo a colocar essa estratégia em prática foi Frederick III, que governou no século 15. Ele percebeu que esta era uma maneira muito melhor para ampliar o império do que por guerras sangrentas.

O versículo seguinte deveria ter sido inscrito em sua crista: Bella gérant alii, Tu felix Áustria nube ("Deixe os outros fazerem a guerra, Você, feliz Áustria, se case"). O filho de Frederico, Maximiliano I, acrescentou o Ducado de Borgonha (atualmente parte da França) e da Holanda para o império através de seu primeiro casamento, com Maria de Borgonha. Seu neto Philip fez a Espanha e suas colônias uma possessão dos Habsburgo por casar-se com Juana de Castela e Aragão (Espanha). Os bisnetos de Frederick III se casaram com os herdeiros ao trono da Boêmia e da Hungria, uniões que formaram o núcleo do Império até 1918.

Quando Charles V subiu ao trono no século 16, a Áustria atingiu o auge de seu poder. Charles herdou as terras Austríacas e o direito de sucessão ao trono da Boêmia, Hungria, Borgonha, o império Espanhol, os Países Baixos, a Sardenha, a Sicília e Nápoles. Charles V foi para a história como o grande defensor do Catolicismo, e seu mais forte inimigo, aquele que ele nunca derrotou, foi o Protestantismo. Sob a direção de Charles, Martinho Luthero foi excomungado pela Dieta dos Vermes em 1521.

As forças da Áustria Católica foram lançadas contra os Protestantes na Guerra dos Trinta Anos. Durante a longa guerra a Áustria perdeu propriedades na Alemanha e sofreu uma terrível perda de força humana. No entanto, em 1620, na batalha da Montanha Branca, a Áustria re-afirmou o seu controle da Boemia e da Morávia.

O Império Austríaco continuou a ser ameaçado de fora. Em 1683, 150 anos após uma tentativa frustrada de tomar Viena, os Turcos estavam novamente às portas da cidade. Em um século de guerra o Exército Turco tinha invadido a Ásia Menor e a Península Balcânica, e os Turcos estavam determinados a tomar o resto da Europa também. Uma força de 300.000 Turcos estavam às portas de Viena, para limpar a Áustria da face da terra.

Embora a cidade parecesse perdida, ela nunca perdeu a esperança. Por dois meses os Vienenses passaram fome e rezaram. A libertação veio de repente e inesperadamente, quando os exércitos do Rei Polonês, João III Sobieski, e de Charles, Duque de Lorraine, desceram das colinas arborizadas num ataque de surpresa brilhantemente cronometrado e destruíram o exército Turco. O líder dos Turcos, Kara Mustafa, foi decapitado pelo sultão após o que restava do exército fugir descontroladamente para o outro lado da Planície Húngara.

Tudo o que os Turcos deixaram para trás - as tendas, as jóias, e as armas - estão preservados em museus de Viena. As peças mais cobiçadas do saque, no entanto, foram alguns sacos de grãos de café do qual os Turcos faziam um líquido preto doce que foi um sucesso imediato em Viena. Logo cafés surgiram em todo o país. Segundo a lenda os pequenos cookies deliciosos chamados de baunilha Kipferl também datam da derrota dos Turcos. As donas de casa Vienenses ansiosas para celebrar sua liberdade contra a ameaça Muçulmana formavam a massa como uma lua crescente - o símbolo Turco.

Quando o Imperador Carlos VI morreu em 1740, a linha masculina dos Habsburgos chegou ao fim, e com Maria Teresa, a primeira imperatriz da Áustria, mais um capítulo brilhante da história da Áustria começou. Embora a maioria de seu reinado foi uma luta desesperada para afirmar-se contra inimigos agressivos tais como o imperador Prussiano Frederico, o Grande, ela conseguiu não só manter seus próprios, mas também tornar a Áustria e, sobretudo, Viena, no centro do mundo Europeu.

Foi no tempo de Maria Theresa que as artes floresceram, quando Mozart tocava para Sua Majestade Imperial do Palácio Schönbrunn, e os mais significativos palácios e igrejas barrocas foram construídos. Maria Theresa deu a sua residência imperial todo o esplendor de uma grande capital - um esplendor que ainda pode ser sentido hoje.

A política de casamento dos Habsburgos, no entanto, revelou-se desastrosa com a filha de Maria Teresa, Maria Antonieta, que se casou com o rei Francês Luís XVI e teve que dividir com ele a morte terrível sob a guilhotina durante a Revolução Francesa. Era impossível naqueles dias liquidar qualquer dinastia governante sem que de alguma forma ofendesse a Casa dos Habsburgo. E quando Napoleão Bonaparte, um filho da Revolução Francesa, tentou legalizar a sua auto-imposta coroa imperial, ele escolheu se casar com a princesa Marie Louise de Habsburgo. Isto, no entanto, não o impediu de atacar duas vezes e varrer a Áustria.

Mas no final dessa época, durante a qual quase toda a Europa foi devastada, foi a Áustria que desempenhou o papel principal em unir a Europa. Em 1815, imperadores, reis, príncipes, e duques se reuniram no Congresso de Viena para negociar a paz. Seu sucesso pode ser medido pelo fato de que a paz da Europa durou quase 100 anos.

Os estadistas do século 19 estavam todos de acordo num ponto: se a Áustria não tivesse existido, teriam tido que inventá-la. Ela não era como qualquer outro país. Ela não consistia em diferentes nações, mas de diferentes povos. Ela tinha uma dúzia de diferentes povos - Austríacos vivendo com Tchecos e Eslovacos, Poloneses com Italianos, Croatas com Eslovenos, Ucranianos com Bósnios e Alemães - todos unidos sob uma só coroa, a coroa dos Habsburgos.

O Fim do Império

Quando o herdeiro do trono dos Habsburgo, Franz Ferdinand, foi assassinado em Sarajevo (Yugoslávia) em Julho de 1914 por Gavrilo Princip, um nacionalista Sérvio, Franz Joseph viu apenas uma maneira de salvar a honra da Coroa - a guerra. Quando os Sérvios se recusaram a entregar o assassino, o exército da Áustria marchou para Belgrado.

Isso não só foi a sentença de morte da monarquia, mas também desencadeou a reação em cadeia das declarações de guerra que levaram à Primeira Guerra Mundial. Toda a Europa pegou em armas, e até mesmo a América saiu de seu isolamento e se juntou à Inglaterra, França, e Rússia para combater as Potências Centrais lideradas pela Áustria e a Alemanha. Não foi até a Alemanha e a Áustria serem completamente derrotadas em 1918 que um armistício foi declarado. O tratado de paz deixou a Áustria com pouco mais do que a província que tinha há muito tempo sido dada para os duques de Babenberg. As terras da coroa foram feitas em repúblicas independentes da Tchecoslováquia, Polônia, Hungria e Yugoslávia. A Romenia e a Itália tomaram partes do que restou do império. Dos cerca de 50 milhões de pessoas que viviam no Império Austro-Húngaro, apenas 6,5 milhões foram deixados como cidadãos Austríacos.

O último Habsburg, Charles, que foi coroado em 1916 na Hungria, fez uma débil tentativa de dirigir a Áustria fora da guerra, apenas para encontrar-se humilhado pela Alemanha e incompreendido pelos outros aliados. Quando a Áustria tornou-se uma república, ele deixou o país. Seu filho, Otto Habsburg, desistiu de sua pretensão ao trono em 1961.

A República da Áustria

A República da Áustria teve um início hesitante, desde que a economia da nação sofreu o golpe duplo da guerra e da perda dos mercados imperiais. O desemprego, a fome, e a inflação atormentaram a pequena nação. Em 1922, no entanto, o país começou a voltar em seus pés. Uma nova Constituição foi aprovada, e as perspectivas econômicas melhoraram.

Infelizmente, assim que a Áustria estava recuperando a sua estabilidade, o mundo experimentou uma grave depressão econômica, que na Europa levou à ascensão do fascismo e do Nazismo. O líder Nazista, Adolf Hitler, nasceu na Áustria, mas depois de vários anos infelizes, em Viena, ele adotou a Alemanha como sua pátria. Na década de 1930, o partido Nazista Austríaco cresceu rapidamente, o que facilitou a anexação da Áustria pelas tropas de Hitler em 1938.

Pelos próximos sete anos, o país fazia parte do Reich Alemão.

Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a Áustria foi ocupada por forças Americanas, Britânicas, Soviéticas, e Francesas. As quatro grandes potências, embora divididas em muitas outras questões, logo concordaram que a Áustria não devia ficar sob a influência de qualquer uma delas, mas sim manter-se neutra.

Em 1955, todas as tropas estrangeiras deixaram o país, e o país ficou por conta própria.

Durante as décadas seguintes, a Áustria ofereceu um refúgio e abrigo temporário a milhares de refugiados da Hungria em 1956, à Checoslováquia em 1968, e à Polonia na década de 1980. Ela também se tornou um ponto de transferência para os Judeus Soviéticos emigrando para Israel a partir da década de 1970.

Duas vezes na história recente, a Áustria tornou-se uma espécie de pária internacional. Quando o ex-Secretário Geral da ONU Kurt Waldheim foi eleito presidente em 1986, foi revelado que durante a Segunda Guerra Mundial, ele fôra um oficial com um grupo do Exército que cometeu brutalidades e organizou deportações em massa. Como resultado, a Áustria foi isolada diplomaticamente até 1992, quando Waldheim foi sucedido por Thomas Klestil. O popular Klestil foi reeleito esmagadoramente em Abril de 1998. Nesse ínterim, em 1995, a Áustria tinha aderido à União Europeia (UE).

Um novo período de isolamento diplomático seguiu-se após o Partido da Liberdade de ultra-direita tornar-se parte do governo no início de 2000. O Partido da Liberdade era liderado pelo carismático Jörg Haider, que era famoso por comentários em louvor de algumas políticas Nazistas. Ele não participou do governo em si mesmo e ao longo do tempo tornou-se um pouco mais moderado. Em 2005 ele formou um novo partido, a Aliança para o Futuro da Áustria. Todos os membros do Partido da Liberdade no gabinete e mais da metade dos seus membros no parlamento seguiram Haider para este partido. Assim, a Aliança substituiu o Partido da Liberdade como um membro do governo de coalizão, permanecendo no cargo até a formação de um novo governo após as eleições de Outubro de 2006.

Em Abril de 2004, o Social Democrata Heinz Fischer foi eleito para a presidência; ele foi reeleito em 2010. O governo reduziu a idade do voto para 16 anos em 2007. Desde Janeiro de 2007, uma "grande coalizão" de Social Democratas e o Partido Popular tem estado no poder. Ela tem sido liderada desde Dezembro de 2008 pelo líder Social Democrata Werner Faymann. No entanto, nas eleições daquele ano ambos os partidos da coalizão se saíram pior do que em quaisquer eleições desde 1945. Os Social Democratas obtiveram 30 por cento dos votos, e o Partido Popular apenas 26 por cento, enquanto os dois partidos de extrema direita, juntos, conquistaram 29 por cento. Apesar de Haider morrer em 2008, os partidos de extrema-direita continuam a ganhar força, especialmente entre os jovens.

Governo

A Áustria é uma república federal composta por nove províncias. O chefe de Estado é o presidente, que é eleito por seis anos. O presidente nomeia o chanceler, que serve como o chefe de governo, normalmente de entre os membros do partido da maioria no Legislativo. O Legislativo é composto pelo Nationalrat (Conselho Nacional), eleito por quatro anos diretamente pelo povo, e o Bundesrat (Conselho Federal), eleito pelas legislaturas provinciais.

Fotos

Áustria
O neo-clássico edifício do Parlamento em Viena levou 10 anos para ser concluída (1884).
A fonte de frente para a estrutura é de Pallas Atena, a deusa da sabedoria

Áustria
O Michaelertor (Gate Michael) no Michaelertrakt (Asa de Michael) do Palácio Imperial (Hofburg) em Viena

Áustria
Entrada para o Prunksaal (Grand Hall) da Biblioteca Nacional da Áustria, em Viena

Áustria
A Karlskirche (St. Charles Borromeo Igreja), em Viena, construída entre 1716 e 1737, é uma obra-prima barroca. Seu arquiteto, Johann Bernhard Fischer von Erlach, procurou fundir elementos e idéias das igrejas mais importantes da Europa, incluindo o Panteão ea Basílica de São Pedro, em Roma, a Basílica de Santa Sofia, em Constantinopla, a cúpula des Invalides, em Paris, e São Catedral de Paul, em Londres

Áustria
Entrada para a igreja Maria am Gestade (St. Mary on the Strand) em Viena. Mencionado pela primeira vez em documentos de 1158, a estrutura atual (construída entre 1394 e 1414) é um dos edifícios mais antigos e um dos poucos exemplares sobreviventes da arquitetura gótica na cidade

Áustria
A Rathaus (Câmara Municipal), em Viena é a sede do prefeito e do conselho da cidade. Foi construída em estilo gótico entre 1872-1883

Hugo Portisch

Fonte: Internet Nations

Áustria

"A Áustria tem muito para oferecer aos viajantes durante todo o ano, tanto nos Alpes como perto dos lagos ou nas cidades culturais de Viena, Salzburg e Graz."

Áustria é um país montanhoso localizado na Europa Central. A língua nacional é o alemão e sua capital Viena é um importante centro de música erudita muitas vezes mencionada como a Cidade dos Músicos,

A Catedral de Saint Stephan é atualmente a sede administrativa do Arcebispo romano-católico.Viena foi a cidade natal de diversos escritores, compositores e artistas em geral, destacando-se entre eles Strauss. Dentre as figuras vienenses está, também Freud, famoso psicanalista austríaco

Gastronomia

Os pratos Austríacos são muito simples, o sabor depende mais da qualidade dos ingredientes que de sua preparação. Destacam o tafelspitz consistente em vitela fervida, o wienerschitzel, um filé de vitela de enorme tamanho empanado em ovo e pão ralado que se serve com uma salada de batata fria ou de pepino.

Típicos são também os, as salchichas que se come como comida rápida tanto em tabernas como em restaurantes.

Dinheiro

Euro converteu-se na moeda de curso oficial na Áustria.

Existem notas de maior valor: de 500 euros, 200 euros, 100 euros e 50 euros e circulam, também, notas de menor valor: de 20 euros, 10 euros e 5 euros.

O cambio de moeda pode-se realizar tanto nos bancos como nos escritórios de cambio situados em aeroportos, estações, hotéis e em numerosos lugares. Nas principais cidades e centros turísticos pode-se pagar com cheques de viajem ou com cartão de crédito.

Compras

Áustria é paraíso para as compras de qualidade. Suas famosas lojas de antigüidades, móveis da época imperial, vasilhas de porcelana realmente maravilhosas, esculturas, quadros, livros, jóias, moedas, atiçadores e qualquer outro objeto que você possa desejar. Os preços costumam ser muito mais caros. Se não deseja gastar-se tanto dinheiro de um pulo nas feiras, aqui encontrará bons produtos a preços razoáveis.

São muito conhecidos os talheres nacionais de porcelana de Augarten. São características as peças de louça de estilo rococó com decorações pintadas a mão dos típicos cavalos lipicianos. São muito apreciadas também as cerâmicas artesanais em cor branca com bordes verdes e os famosos bordados de petit-point em diferentes estampados, desde flores até cenas de óperas, podemos encontrar em bolsos, camisas, chales, almofada, tapetes, etc.

Pode-se adquirir roupas muito elegantes nas lojas das principais cidades. As jaquetas, calças compridas, cinturões, sapatos e botas de couro são de excelente qualidade. num país montanhoso como Áustria não podem faltar as lojas de roupa esportiva e de esqui de excelente qualidade...

Visite os Bosques

Viva você ao vivo os bosques de Viena, caminhando até a fortaleza Liechtenstein uma das Fortificacôes militares mais reales do pasado militar. Visitando o interior da Fortaleza para ver o lindo panorâma, utilizado para o film os tres mosqueteiros em1992, caminhando no meio dos bosques, vivendo os secretos dos lugares onde os grandes virtuosos da musica, acharom as inspiracôes para a música, a visita do lago subterrâneo mais grande de Europa central com o paseio no barco em 60 metros de profindidade. Herrmann Goering fizo confiscar o lago para fabricar aqui aviâoes de guerra com propulsâo e material para as bombas V1 e V2. Visitamos também o lugar onde morou Franz Schuber e Ludwig van Beethoven.

Danúbio

A cidade de Viena é cortada pelo rio Danúbio, até hoje um dos maiores símbolos da cidade e de essencial importância para a economia vienense. No rio Danúbio encontra-se a Torre de Danúbio, uma torre de metal de 287 metros que abriga um restaurante rotatório com uma vista magnifica para a cidade.

Emergências

As farmácias costumam ter qualquer tipo de medicamento que se possa necessitar. Áustria conta com uma excelente rede de hospitais, pelo que em caso de urgência não terá problema.

Telefones

As cabines telefônicas na Áustria funcionam com moedas e algumas com cartões que pode-se adquirir nas escritórios de correios e nos estancos.

Para chamar a Áustria se deve marcar o 00 mais o prefixo da Áustria 43 e mais o prefixo da localidade.

Fonte: www.souturista.com.br

Áustria

Invariavelmente associada com o Império Austro-Húngaro e ex-Sissi a imagem torta, a Áustria ainda tem mais a oferecer do que apenas um clichê herdado da história. Seu cenário alpino e do ambiente natural são populares entre os entusiastas ao ar livre e caminhadas. Arquitetura rural pitoresco, castelos barrocos e prados da região também são ideais para famílias. Finalmente, cultural por excelência destino, a Áustria foi o berço de uma tradição musical e inigualável ao vivo durante todo o ano com festivais de música, especialmente clássica, o mais famoso é o de Salzburgo, terra natal de Mozart.

GEOGRAFIA

A Áustria é um país em grande parte montanhosa. Abra os vales alpinos na Itália e nos Balcãs, e, portanto, para além do Mediterrâneo através do Danúbio e se conecta a Europa Ocidental e da Europa Central. A Áustria é sem litoral entre a Alemanha ao norte-oeste, a Suíça , a oeste, o italiano sul-oeste, Eslovénia para o sul, Hungria ao sul-leste, a Eslováquia , a leste, e República Checa para o norte-leste Socorro).

Os Alpes cobrir 60.000 km ² do país. O terreno é dividido em três conjuntos claramente individualizadas. Ao norte do Danúbio, o fim do Maciço Bohemian é um planalto de granito altitudes baixas (entre 350 e 900 m), principalmente de florestas.

Sul parte oriental dos Alpes se estende de leste a oeste, cobrindo cerca de três quartos do país um alívio ordenado pelas zonas vales paralelas, cortadas em massa bem identificadas: uma montanha central elevada, onde sucessivos maciços cristalinas do Ötztal e Tauern Hohe (3797 m Grossglockner, o ponto mais alto do país), formam um sulco de granito ao longo 250 km e transportando grandes geleiras, passes, incluindo Brenner, 1316 m, facilitar cruzamento. Do Sul, os Alpes da Caríntia e Estíria, separado da Faixa Central pelos vales do Drava e Mur, têm uma estrutura longitudinal em dobras apertadas que abre o pescoço de Tarvisio. Para o norte, além do sulco Inn, Salzach, Enns e Leitha, alinhar as cristas foothills e cúpulas de pedra calcária nua, Baviera Salzburgo e Viena.

O coração do país está na junção de três planícies: as planícies da Moravia, norte de Viena, uma das Pannonia, ao sul de Viena, e, finalmente, o vale do Danúbio.

Feche a oeste, e alargando para a planície húngara da capital, do vale do Danúbio é rica em solo aluvial fértil. A altitude varia entre 365 m nos vales do oeste e 185 m nas planícies orientais.

ECONOMIA

A adesão, em 1995, da Áustria à União Europeia teve um impacto significativo no seu aparelho produtivo, incluindo a existência de um grande setor nacionalizado, que antes da década de 1990, foi responsável por um terço do economia e emprega cerca de um milhão de trabalhadores. Muitas áreas, especialmente aqueles na energia, telecomunicações, os bancos têm sido objeto de privatização e reestruturação. Esta política levou à recuperação das contas públicas, altamente degradada desde 1970 pela política social generoso seguida pelos sucessivos governos do chanceler Bruno Kreisky.

A agricultura representa apenas 3% do PIB e emprega 6% da força de trabalho.

No total, a agricultura austríaca não cobrir totalmente as necessidades do consumo interno e do país tem de importar cereais, farinha de quantidade, mas também frutas e vegetais.

Desde 1990, a agricultura biológica tem experimentado um crescimento notável: agora ocupa cerca de 10% da área agrícola do país.

Indústria

A participação da indústria no PIB subiu de 49% no início de 1970 para menos de 40% no final de 1990, refletindo a evolução do acesso economia pós-industrial palco.

Devido à importância do setor de terceirização, a Áustria é principalmente um país de pequenas e médias empresas. As grandes empresas, com mais de 1.000 funcionários, o número de 49, têm menos de 100 mil funcionários.

Os pontos fortes da indústria austríaca são a indústria química (celulose, petroquímica), têxtil e vestuário optou por posicionar-se na parte alta, a indústria de papel e papelão através da exploração dos recursos florestais abundantes, a indústria elétrica e eletrônica (mais de 400 empresas de fabricação de componentes elétricos ou eletrônicos, do chip para a usina entregues chave na mão), a agro-alimentar tem beneficiado muito da integração europeia.

Mas esse é o carro-chefe da indústria metalúrgica e mecânica. A Áustria é um país exportador de máquinas-ferramentas.

Comércio e serviços

Serviços com mais de 2 milhões de ativos, incluindo quase 500 mil no setor de comércio, 250.000 na banca, seguros e gestão da economia. Turismo emprega cerca de 400. 000 pessoas, incluindo 325 mil funcionários. É uma das jóias da economia em 1999 e declarou € 33160000000.

A Áustria tem nesta área várias vantagens: paisagens alpinas tanto e Danúbio, uma história de prestígio da moda que os benefícios do turismo cultural e uma longa tradição de hospitalidade nesta área.

TURISMO

Áustria não é só famosa por seus resorts de esqui, o primeiro no mundo, mas também pela sua paisagem espetacular, majestosas montanhas e trilhas impressionantes. As províncias ocidentais de Vorarlberg, Tirol e Salzburg são as regiões turísticas mais populares e sul da província de Caríntia.

Mais de 600 resorts de esportes de inverno no Ocidente entre Marca e leste Semmering estão equipados para esquiar. E você pode escolher, dependendo da sua idade e seu nível de mais de 400 escolas e nível de instrutores de esqui.

Viena

A capital austríaca, que também é uma das nove províncias federais é um importante centro para o comércio leste-oeste e, muitas vezes abriga grandes conferências, nas instalações do Centro Internacional de Viena, Centro Internacional de Viena (ONU City) ou o Austria Viena Centro. Viena está localizado no nordeste do país e do Danúbio flui através dos subúrbios do norte da cidade. A Ringstrasse (anel rodoviário) é a fronteira entre o Centro e Cidade Velha (Innenstadt), famoso por sua arquitetura, seus hotéis e lojas finas. Esta parte da cidade é caracterizada por sua elegância e atmosfera cheia de memórias, nos sentimos melhor andar a pé. Os visitantes encontrarão mais de 50 museus, palácios, lojas, mercados de antiguidades, coros e orquestras, assim como restaurantes gourmet e cafés em que a persistem e são uma componente de cultura austríaca. Os Habsburgo, que governou o país por mais de seis séculos, viveu no Palácio Imperial (Hofburg), onde você pode admirar as Kaiserappartements (Apartamentos Imperiais) e Schatzkammer (Imperial Tesouro). Não perca uma visita à Escola de Equitação Espanhola no Hofburg, com o seu adestramento Lipizzaner famoso branco executar escola para os sons da música de Mozart e Strauss família (fechado em julho e agosto ). Imortalizado em O Terceiro Homem, a roda gigante também é uma atração popular. Viena era o centro do renascimento cultural durante os séculos XVIII e XIX, e não apenas o local de nascimento de Mozart e Strauss, mas também Haydn, Beethoven, Schubert, Bruckner, Brahms e Mahler.

Província de Salzburgo

Salzburgo barroco elegante da cidade e espaços abertos, Salzburg está situado em um local montanhoso da grandiosa. Seu filho mais famoso é, sem dúvida, Wolfgang Amadeus Mozart, que é comemorado todos os anos em memória do Festival de Salzburgo (Salzburger Festspiele), que acontece nos salões grandes e pequenos do Palais du Festival (Grosse e Kleine Festspielhäussaal) e na frente da Catedral e da Igreja da Universidade. O local de nascimento de Mozart (Mozart-Geburtshaus) está localizado na Getreidegasse também a principal rua comercial da cidade, quando a casa onde ele viveu (Mozartswohnhaus) está localizado na praça do mercado.

Outras cidades e estâncias turísticas: Badgastein (água da cidade e resorts de inverno), Bad Gastein, Grossgmain, Hallein, St Gilgen, Kaprun (esqui de verão na geleira), Oberndorf e Zell am See.

Tirol

Província localizada no coração da Alpes Grandes é a região mais montanhosa de tudo, com suas florestas, aldeias e pastagens, e belos vales e lagos de montanha. No verão, é um destino popular para caminhadas e no inverno, que oferece toda a gama de esportes de inverno.

Innsbruck: a capital histórica do Tirol, que por duas vezes recebeu os Jogos Olímpicos de Inverno, é o centro de uma área de esqui de renome mundial, que inclui seis estações principais.

Outras cidades e resorts: Erl, Steinach am Brenner, Hall in Tirol, Kitzbühel, Kramsach, Landeck, Lienz e Matrei em East Tyrol, Rattenberg, Seefeld e Thiersee.

Vorarlberg

Província localizada no extremo oeste do país, as paisagens de Vorarlberg são uma diversidade espetacular. As geleiras do maciço Silvretta até as margens do Lago de Constança, oferecendo um show contrastando com sua vegetação exuberante.

Bregenz é o lugar favorito para os amantes da natação Passeios de bicicleta, ou vela ou simplesmente caminha para explorar o local, enquanto no inverno, os visitantes vão para as pistas e muitos trilhas para caminhada em Vorarlberg.

Fonte: www.europa-planet.com

Áustria

Áustria situa-se no centro da Europa, sem saída para o mar. Com mais de dois terços do território tomados pela cordilheira dos Alpes, o país possui numerosas estações de esqui em Vorarlberg e no Tirol. No norte está o vale do rio Danúbio, onde se desenvolve a agricultura. A importância estratégica dessa região, que sempre funcionou como corredor entre o leste e o oeste do continente, explica a existência ali de centenas de fortes, castelos e mosteiros. A capital, Viena, reúne museus e construções barrocas, testemunhas do poder do Império Austríaco, que, sob a liderança dos Habsburgo, floresceu na Europa até o início do século XX. A cidade foi também o centro mundial da música erudita nos séculos XVIII e XIX, graças à atuação de compositores como Mozart, Beethoven e Brahms - tradição preservada hoje com uma extensa programação de concertos e óperas. Desde o final da II Guerra Mundial, a Áustria investe no aprimoramento de sua economia, alcançando alto padrão de vida e desenvolvimento. Em 1995, ao aderir à União Européia (UE), o país rompe 40 anos de não-alinhamento.

Geografia

A Áustria é um país montanhoso localizado na Europa Central, limitado a norte e oeste pela Alemanha, a norte pela República Checa, a leste pela Eslováquia e Hungria, a sul pela Eslovénia e Itália e a oeste pela Suíça e Liechtenstein. A língua nacional é o alemão. Sua capital é Viena. O oeste e sul da Áustria estão situados nos Alpes, o que faz do país um destino bem conhecido por seus esportes de inverno. A montanha mais elevada é o Grossglockner, com 3 798 metros, seguida pelo Wildspitze (3 774 m). O norte e o leste do país são na sua maior parte terreno ondulado. O clima é temperado, com invernos frios e verões frescos.O país é atravessado pelo Rio Danúbio e tem uma área de 83.859 km2.

História

Origens - Ocupada na Antiguidade por celtas, a região é conquistada pelos romanos em 15 a.C.

Com a desintegração do Império Romano no século V, o território é invadido por sucessivos povos bárbaros: vândalos, godos, hunos, lombardos e ávaros. Depois de breve estabilidade sob o comando do imperador franco Carlos Magno, a disputa entre nobres germânicos leva à criação do ducado da Áustria, em 1156. No século XV, os Habsburgo tornam-se monarcas do Sacro Império Romano-Germânico, tendo a Áustria como centro. Os domínios austríacos expandem-se até o século XVIII. As guerras com a França revolucionária, no contexto da Revolução Francesa e expansionismo de Napoleão Bonparte, entre 1791 e 1814, provocam perda de territórios e selam o fim do Sacro Império Romano-Germânico.

Império Austro-Húngaro - A política de restauração, após a derrota de Napoleão Bonaparte, contribui para o fortalecimento do Império Austríaco. Ao lado da Prússia, o país torna-se a maior potência da Confederação Germânica. Com o chanceler Klemens Metternich (1809-1848), alcança o desenvolvimento industrial.

Em 1848, a onda revolucionária liberal e nacionalista derruba Metternich. Sob domínio do imperador Francisco José I (1848-1916), a Áustria é expulsa da Confederação Germânica.

A unificação da Itália e da Alemanha enfraquece a Áustria (o país, na verdade, disputara e perdera para a Prússia a liderança da unificação dos alemães), que, em 1867, se une à Hungria para formar o Império Austro-Húngaro, com política interna autônoma, mas com um soberano e políticas externa, financeira e militar comuns. O império reúne um mosaico de povos (alemães, húngaros, tchecos, italianos, eslovenos, poloneses, lituanos, sérvios, croatas e outros) submetidos ao poder central. Em 28 de junho de 1914, o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono austríaco, é assassinado por um estudante sérvio, fato que dá início à I Guerra Mundial. Com as alianças militares que se formam, Áustria, Alemanha e Itália (Tríplice Aliança) enfrentam Rússia, França e Inglaterra (Tríplice Entente). A derrota da Tríplice Aliança em 1918 leva à dissolução do Império dos Habsburgo e à proclamação da República. Os tratados de paz impõem cessão de territórios à Itália, reconhecimento da independência de Hungria, Tchecoslováquia, Polônia e Iugoslávia, além de proibir a união da Áustria com a Alemanha.

II Guerra Mundial - Em 1934, o chanceler conservador Engelbert Dollfuss é assassinado numa tentativa de golpe de Estado dos nazistas austríacos. Em 1938, Adolf Hitler (nascido na Áustria) anexa o país à Alemanha, decisão aprovada pelos austríacos em plebiscito.

Com a derrota na II Guerra Mundial, a nação é dividida em quatro zonas: norte-americana, britânica, francesa e soviética. As forças de ocupação retiram-se dez anos depois e a Áustria se torna um Estado neutro. Nos anos seguintes, o país vive grande crescimento econômico. Em 1966, a vitória do Partido do Povo Austríaco (OVP), conservador, põe fim a 20 anos de governo social-democrata. As feridas da II Guerra Mundial são reabertas em 1986, com a revelação de que o ex-secretário-geral da ONU e candidato presidencial Kurt Waldheim participou de atrocidades nos Bálcãs, como oficial nazista. Mesmo assim, Waldheim é eleito com 54% dos votos.

Adesão à União Européia - Um plebiscito realizado em 1994 aprova a adesão da Áustria à UE, que se dá em 1995. Após vencerem as eleições legislativas de 1995, o OVP e o Partido Social-Democrata (SPO) formam um governo de coalizão. Em abril de 1998, o presidente Thomas Klestil (OVP) é reeleito.

Extrema-direita - Em 2000, o presidente Klestil autorizou a coalizão entre o Partido Liberal Austríaco (FPÖ), do líder de extrema-direita Joerg Haider, e o Partido Popular Austríaco (ÖVP), do chanceler Wolfgang Schuessel. Essa autorização foi decidida sob muitos protestos dos países da UE, que temiam uma ascensão nazista ao poder. Em 1999, o país aceitou adotar a moeda única européia, o Euro, que entrou em circulação em 2002. A coligação FPÖ-ÖVP foi desfeita em setembro de 2002, devido a divergências internas, que culminaram na dissolução do parlamento e na antecipação das eleições para novembro desse ano. O partido do primeiro-ministro saiu vencedor, seguido pelos social-democratas. A extrema-direita de Joerg Haider foi a grande derrotada, recebendo pouco mais de um terço dos votos obtidos na eleição anterior, em 1999. Sem maioria no parlamento, o ÖVP refez a coligação com o FPÖ em fevereiro de 2003, para compor o gabinete do chanceler Schuessel. Em meados de 2003, uma proposta de reforma da previdência, dificultando o acesso a aposentadoria, resultou nos maiores protestos dos últimos 50 anos no país.

Política

A Áustria é uma república parlamentarista.O parlamento é bicameral, composto por:

Conselho Nacional (Nationalrat), com 183 membros, eConselho Federal (Bundesrat), com 64 membros.

Estados

Como república federal, a Áustria está subdividida em nove estados (Bundesländer em alemão). Cada um destes estados está dividido em distritos (Bezirke) e cidades (Statutarstädte). Os distritos são divididos em municípios (Gemeinden). As cidades partilham as competências dos estatutos de município e distrito. Os estados não constituem divisões meramente administrativas; dispõem de autoridade legislativa autônoma em relação ao governo federal.

Economia

PIB: 188,7 bilhões de dólares (2001).
Indústria: 
cimento, produtos químicos, equipamentos elétricos, madeira, móveis, vidro, ferro e aço, artigos de couro, veículos motorizados, instrumentos ópticos, papel e polpa, alimentos e bebidas, têxteis e roupas. 
Turismo:
 a Áustria é uma das mais populares estações de férias da Europa.
Exportação:
 madeira, móveis, ferro e aço, papel e polpa, têxteis, maquinaria, eletricidade e magnesita. 
Moeda:
 Euro, que substituiu o xelim em 2002.
Empresas austríacas famosas:
 Wolford (fabricante luxuoso de meias, bodies, lingeries, moda praia, cachemire, merino entre outros)Glock (fabricante de armas)

Demografia

A língua oficial é o alemão. É também a língua mais falada, sendo primeira língua de 97% da população. Existem minorias de alemânicos e croatas. População de 8.280.703 hab (2006).

Cultura

A Áustria foi a terra natal de vários compositores famosos tais como Wolfgang Amadeus Mozart, Johann Strauß I e Johann Strauß Jr., Arnold Schoenberg, Anton Webern, Alban Berg (estes três últimos participaram da famosa Segunda Escola de Viena). Outros austríacos famosos foram os físicos Ludwig Boltzmann e Erwin Schrödinger, os filósofos Karl Popper, Ludwig Wittgenstein e Kurt Gödel, o psicanalista Sigmund Freud, o poeta Peter Rosegger,o cantor Falco, os economistas Ludwig von Mises e Friedrich Hayek, o pintor Gustav Klimt, o futebolista Hans Krankl e o ator Arnold Schwarzenegger. Também foi a terra natal do ditador nazista Adolf Hitler que sempre falou muito bem de sua terra e os maiores momentos do império austro-húngaro.

Outro austríacos famosos foram os pilotos de Fórmula 1 Niki Lauda, tricampeão mundial; Jochen Rindt, também campeão mundial e Gerhard Berger.

Situada nos Alpes, a Áustria deu origem a muitos grandes esquiadores alpinos, como Toni Sailer, Hermann Maier, Annemarie Moser-Pröll e Anita Wachter.

Fonte: www.arturbruno.com.br

Áustria

Nome completo: República da Áustria

População: 8,4 milhões (ONU, 2010)

Capital: Viena

Área: 83.871 km ² (32.383 milhas quadradas)

Grande língua: alemão

Principal religião: Cristianismo

Expectativa de vida: 78 anos (homens), 84 anos (mulheres) (ONU, 2010)

Unidade monetária: 1 euro = 100 centavos

Principais exportações: Máquinas, metais, papel, têxteis, alimentos, gado

RNB per capita: EUA $ 47.060 (Banco Mundial, 2010)

Domínio da Internet:. No

Código de discagem internacional: 43

Perfil

Famosa pela sua paisagem montanhosa espetacular, Áustria já não é a força política dominante era na Europa Central, sob a dinastia dos Habsburgos, que governou até a primeira guerra mundial.

No entanto, a sua posição no coração geográfico da Europa na rota chave Danúbio comércio aumenta a sua importância estratégica.

Depois de ser unido a nazista Alemanha de 1938-1945, a Áustria foi ocupada pelos Aliados, que dividiram o país e da capital Viena em setores separados.

No entanto, o Tratado do Estado 1955 - assinado pelos Aliados - garantido unidade da Áustria, garantindo que não sofreu o destino da Alemanha de ser dividido entre os soviéticos e os ocidentais blocos da Guerra Fria.

Em contrapartida, a Áustria declarou neutralidade permanente, à qual ainda adere.

Havia algumas questões relacionadas com estes quando dois terços dos eleitores apoiaram a adesão à UE em referendo em 1994 e entrada seguido em 1995.

A entrada no governo da Áustria coalizão do Partido Liberdade, de extrema-direita em Fevereiro de 2000 enviou ondas de choque em toda a Europa. Relações da Áustria com a UE foram severamente tensas após alguns estados impuseram sanções em protesto. Estes foram levantados alguns meses depois.

A capital, Viena, é o lar de importantes organizações internacionais, incluindo a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e da Opep, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo.

A Áustria tem uma herança cultural muito rica. Wolfgang Amadeus Mozart ocupa um lugar à parte como compositor de alguns dos melhores adorava música clássica europeia, enquanto as obras de Franz Schubert desfrutar de grande popularidade também.

No mundo da filosofia e ideias, Sigmund Freud ainda provoca controvérsia e Ludwig Wittgenstein, uma das principais influências do pensamento do século 20.

Na arte, as pinturas de Gustav Klimt são amplamente admirados.

Áustria
Cidade austríaca de Salzburgo é um centro para a música clássica

Uma cronologia dos principais eventos:

1918 - Fim do o império Hapsburg.

Áustria
Capital: Viena, tem muitos traços de seu passado imperial

1919 - Tratado de St Germain define fronteiras da Áustria.

1920 - A nova Constituição cria República da Áustria.

1932 - Engelbert Dollfuss, um socialista cristão, torna-se chanceler.

1934 - Governo esmaga revolta Socialista, apoiado pelo exército e da Heimwehr (Casa da Força de Defesa). Todos os partidos políticos abolidos, excepto a Frente Pátria.

1934 Abril - Chanceler Dollfuss descarta parlamento.

Julho de 1934 - A prisão de conspiradores nazistas leva à tentativa de golpe de Estado nazista. Dollfuss assassinado, sucedido por Kurt von Schuschnigg.

Anschluss

1936 - Áustria reconhece-se "um estado alemão".

1938 O Anschluss (união): Áustria incorporados Alemanha por Hitler. Schuschnigg presos. Áustria agora chamado de Ostmark (Leste de Março).

A Primeira Guerra Mundial II - forças armadas da Áustria, o sob controle alemão, usado em Frente Oriental.

1945 - As tropas soviéticas libertar Viena. Áustria ocupada pelos soviéticos, britânicos, EUA e as forças francesas.

Eleições resultado no Partido Popular e da coalizão Partido Socialista, Karl Renner eleito presidente, Leopold Figl torna-se chanceler.

1946-1947 - leis desnazificação passou. Reconstrução começa.

Neutralidade

1949 - Ex-nazistas autorizados a participar nas eleições gerais.

1955 - Tratado assinado pelo Reino Unido, França, EUA e URSS estabelece uma Áustria independente, mas neutro - um buffer conveniente entre o Ocidente eo bloco soviético. Áustria junta-se às Nações Unidas.

1970 - Governo formada sob o chanceler Bruno Kreisky que domina a cena política há mais de uma década.

1983 - Socialistas e do Partido da Liberdade formar um governo de coalizão sob Fred Sinowatz.

1986 - Ex-Secretário Geral da ONU Kurt Waldheim eleito presidente, apesar da controvérsia sobre o papel do exército alemão na Segunda Guerra Mundial.

Franz Vranitzky substitui Sinowatz como chanceler federal.

Ascensão da direita

1992 - Thomas Klestil, ex-embaixador para os EUA, substitui Waldheim como presidente.

1995 - Áustria junta UE. Coalizão desabar sobre as divergências de orçamento e os critérios de convergência rigorosos para a união monetária europeia.

1996 - social-democratas formar nova coalizão com o Partido Popular.

1997 - Vranitzky renuncia como chanceler e líder dos social-democratas. O ministro das Finanças Viktor Klima assume ambas as posições.

1998 - Klestil presidente re-eleito.

Outubro de 1999 - Far-direita Partido da Liberdade liderado por Joerg Haider ganha 27% dos votos nas eleições nacionais, segundo igualdade com Partido Popular centro direito. Democratas sociais continuam a estar maior partido.

Janeiro de 2000 - As negociações de coalizão entre social-democratas e do Partido Popular quebrar. Partido Popular abre conversações com Partido da Liberdade.

Sanções

2000 Fevereiro / de Março - outcry Internacional como Partido da Liberdade entra governo para o tempo de primeira sequência das conversações havidas de coalizão prolongadas entre partes principais.

Partido Popular cabeça torna-se chanceler Wolfgang Schuessel com Susanne Riess-Passer do Partido da Liberdade como seu vice. UE impõe sanções diplomáticas.

Mãos mais de Haider como líder da Liberdade Parte Riess-Passer, visto como menos extremas.

De agosto de 2000 - As empresas estatais concorda em pagar US $ 65 milhões em fundo de compensação para os sobreviventes do Holocausto.

Setembro de 2000 - UE termina sete meses de isolamento diplomático, após o relatório conclui que é contraproducente.

2 mil de Outubro - fronteira bloqueio austríaco ambientalistas com a República Checa em protesto contra a lançamento de um novo estação de energia Checa nuclear em Temelin.

Compensação

2001 Janeiro - acordo assinado em judeus de compensação cujos ativos foram confiscados pelos nazistas. Governo e empresas a pagar R $ 360 milhões em fundo de compensação.

Novembro de 2001 - A chanceler Schuessel e Tcheco medida do governo para resolver disputa sobre central nuclear de Temelin concordando medidas duras para melhorar a segurança e monitorar o impacto no ambiente.

Agosto de 2002 - inundações devastadoras, como Danúbio explode bancos após chuvas torrenciais.

2002 - Setembro - colapsos da Coalizão. Vice-Chanceler e líder do Partido da Liberdade Riess-Passer e dois ministros do Partido da Liberdade renunciar em linha com Joerg Haider, amplamente visto como parte da luta de poder dentro do partido.

Novembro de 2002 - Partido Popular do Schuessel faz ganhos radicais na eleição geral, em grande parte à custa de extrema-direita Partido da Liberdade. Negociações de coalizão começar.

Fevereiro de 2003 - As negociações de coalizão com social-democratas e verdes falhar; Partido Popular novamente concorda em formar governo com o Partido da Liberdade.

Maio de 2003 - A reforma da previdência planeja desencadear a greve primeiro país em várias décadas.

2,003 de Outubro - Pacote de dos pedidos de asilo leis introduzidas, amplamente visto como entre as mais restritivas na Europa.

Abril de 2004 - Heinz Fischer presidente eleito.

Abril de 2005 - Liberdade Partido divisões como Joerg Haider anuncia que está deixando para configurar Aliança para o Futuro da Áustria.

Maio de 2005 - O Parlamento ratifica a Constituição da UE.

Agosto de 2005 - Inundações causam devastação como o rio Danúbio explode suas margens.

2006 Fevereiro - Um tribunal de Viena encontra historiador britânico David Irving culpado de negação do Holocausto e sentencia-o a três anos de prisão. Ele é liberado em dezembro de 2006. O caso desperta um debate nacional sobre a legislação negação.

Abril de 2006 - O aumento dos níveis de água no Danúbio novamente causar inundações.

De outubro de 2006 - Os social-democratas liderados por Alfred Gusenbauer pouco derrotar Partido Popular dirigentes conservadores nas eleições. Depois de semanas de negociação, as duas partes concordam em uma coalizão. O governo é inaugurada em Janeiro de 2007.

Áustria
Memorial comemora judeus austríacos mortos no Holocausto

De setembro de 2007 - O Papa Bento XVI faz 'peregrinação' para a Áustria, onde ele tinha passado algum tempo em sua juventude.

Nacional busca da alma

2008 Abril - ultraje nacional e busca da alma no caso de Josef Fritzl, que aprisionou sua filha em um porão por 24 anos e teve filhos com ela. Mais dura lei sobre o abuso sexual planejado.

De julho de 2008 - retira as Pessoas centro-direita do partido de grande coalizão com social-democratas chanceler Alfred Gusenbauer, forçando uma eleição geral.

De setembro de 2008 - Os social-democratas novamente emergir como o maior partido na eleição geral, mas tanto um como o Partido do Povo sofrer pesadas perdas enquanto ressurgentes partidos de extrema direita tomar 29%.

2008 Outubro - O líder de a Aliança de extrema-direita para o Futuro da Áustria, da Joerg Haider, é morto em um acidente de carro.

De dezembro de 2008 - novo governo de coalizão formado pelo centro-esquerda social-democratas (SPO) eo Partido Popular Conservador é empossado, dois meses depois de eleições antecipadas. SPO líder Werner Faymann torna-se chanceler.

Abril de 2010 - Presidente Fischer é reeleito.

2010 Outubro - Far-direita Partido da Liberdade ganha 26% dos votos nas eleições municipais, em Viena, colocando-o em segundo lugar para social-democratas.

2011 Julho - Otto von Habsburg - filho mais velho do último imperador austríaco - é enterrado na Cripta Imperial de Viena em meio a muito da pompa associada com os dias do império.

Fonte: news.bbc.co.uk

Áustria

Áustria, um destino preferido de férias no coração da Europa, não é apenas um centro cultural, mas também tem uma paisagem única desde os Alpes até as planícies íngremes que circundam o Lago Neusiedl.

Informações gerais

Capital: Viena 
População: 8.2 milhões 
Idioma: principalmente alemão, algumas partes falam esloveno, croata ou húngaro 
Moeda: Euro (EUR)

Palácios e castelos

Por todo o país, os turistas podem encontrar a herança da história da Áustria de milhares de anos, a herança cultural da família Habsburg, que dominou o país por 650 anos. Palácios e castelos magníficos, abadias e igrejas impressionantes, grandes coleções de valiosas obras de arte, natureza intocada e um cenário montanhoso exclusivo - a Áustria oferece um pouco para cada gosto.

Música e eventos culturais

Áustria também desfruta de reputação internacional como um país musical. Quem visita a Áustria pode escolher entre uma grande variedade de eventos, desde concertos e musicais a apresentações em palcos teatrais ou exposições de renome internacional. Além das principais cidades, como Viena, Salzburgo, Innsbruck, Graz e Linz, muitas cidades pequenas também organizam grandes eventos culturais, diversas exposições estaduais, o Verão Carintiano e o Festival Bregenz, só para mencionar alguns.

Caminhada e Esqui

A paisagem exclusiva da Áustria, dos Alpes cobertos de neve abrangendo grande parte das províncias austríacas de Tyrol, Vorarberg, Salzburgo, Styria e Caríntia aos lagos com água de qualidade pura como cristal aos prados e florestas negras onde a natureza permanece intacta. A variedade da paisagem austríaca também abre muitas oportunidades para quem gosta de esportes, do esqui ao tênis, do golfe ao hipismo, do alpinismo ao ciclismo, da natação à vela, surfe e mergulho.

Os esquiadores descobrirão que há uma estação para seu esporte predileto o ano inteiro: um total de 8 áreas glaciais para esqui promete neve e uma vida confortável de janeiro a dezembro.

Spas e lagos

Além das principais cidades austríacas, você pode ir para outros destinos populares de férias de trem: o vale Gasteiner com o famoso spa de Bad Gastein, a região de esportes de Zell am See/ Kaprun, Kitzbul, o resort de esqui de renome internacional e Arlberg, um paraíso para os fãs de esqui. No verão, a estrada de ferro também é o meio de transporte ideal para visitar a cidade imperial de Bad Schl ou os lagos Traunsee e Hallstaumltter See no distrito Superior Austríaco chamado Salzkammergut ou a cidade de Velden em Woumlrthersee, Caríntia.

Esse país singular oferece diversas opções para que você tenha férias perfeitas. Independente das atividades que você realiza em seu tempo de lazer - radicais ou tranqüilas, esportes ou cultura, rafting em águas perigosas ou escalar montanhas em Wachau, a maior região vinicultora da Áustria.

Fonte: portugues.eurail.com

Áustria

Histórico

O Império Austro-Húngaro já foi muito poderoso, mas após sua derrota na Primeira Guerra Mundial se tornou uma pequena república chamada Áustria.

Em 1938 a Áustria foi ocupada pelas tropas alemãs e em 1945 foi tomada pelos Aliados. Em 1955 a Áustria obteve independência após assinar o Tratado de Estado. Em 1995 a Áustria entrou na União Européia, e na União Econômica e Monetária Européia em 1999. Hoje a Áustria é uma próspera nação democrática. A “neutralidade perpétua”, alegada pelo país quando sua constituição foi estabelecida, foi alterada com sua entrada na União Européia.

Dados populacionais

População: 8.205.533 (julho de 2008).
Taxa de natalidade:
 8,66 nascimentos por 1.000 habitantes (2008).
Taxa de mortalidade:
 9,91 mortes por 1.000 habitantes (2008).
Grupos étnicos:
 austríacos (91,1%), ex-iugoslavos (4%) (inclui croatas, eslovenos, sérvios e bósnios), turcos (1,6%), alemães (0,9%), outros ou não especificados (2,4%).
Principais religiões:
 católicos romanos (73,6%), protestantes (4,7%), muçulmanos (4,2%), outros (3,5%), não especificados (2%), nenhuma (12%).
Línguas:
 alemão (oficial em todo o país), turco, sérvio, croata (oficial em Burgenlândia), outras (inclui esloveno, oficial em Caríntia, e húngaro, oficial em Burgenlândia).
Alfabetização:
 98%.
IDH (Índice de Desenvolvimento Humano): 0,948. 
Posição no ranking:
 15° de 177 países.

Economia

A economia austríaca apresenta um setor agrícola pequeno e bem desenvolvido, um setor industrial forte e um grande setor de serviço. A economia se beneficia de relações comerciais robustas nos setores de seguros e bancário com outras economias do leste europeu.

Indústrias: Construção, maquinaria, veículos e peças, alimentos, metais, químicos, processamento de madeira serrada e madeira, papel e papelão, equipamentos de comunicação, turismo.
Taxa de desemprego: 
4,4% (2007).
População abaixo da linha de pobreza:
 5,9% (2004).
Exportação:
 equipamentos elétricos, petróleo, gás natural, maquinaria e equipamento, veículos motorizados e peças, papel e papelão, produtos metálicos, químicos, ferro e aço, têxteis, gêneros alimentícios.
Importação:
 equipamentos elétricos, petróleo, gás natural, maquinaria e equipamento, veículos motorizados, químicos, produtos metálicos, produtos de petróleo, gêneros alimentícios.

Meio ambiente

Porcentagem de área coberta por florestas: 46,7% (2005).
Emissões de dióxido de carbono (em milhares de toneladas métricas de CO2): 
69.846 (2004).
Proporção da população que utiliza fontes adequadas de água potável:
 100% (2006).
Proporção da população que utiliza instalações sanitárias adequadas: 
100% (2006).

Governo

Tipo: República federativa.
Sistema legal: 
leis civis originadas da lei romana; revisão judicial dos atos legislativos pela Corte Constitucional; cortes administrativa e civil/penal supremas separadas; aceita jurisdição compulsória da Corte Internacional de Justiça.
Feriados nacionais:
 Dia da Independência (26 de outubro de 1955).
Constituição:
 1920; revisada em 1929; reinstituída em 10 de maio de 1945.

Geografia e turismo

Localização: Europa Central, norte da Itália e Eslovênia.
Clima:
 temperado; continental, nublado; invernos frios com chuva freqüente e alguma neve nas planícies e neve nas montanhas; verões moderados com chuvas ocasionais.
Principais atrações:
 Os Alpes, procissão de gado, lagos, festival Pink Wave, Viena, região de Salzburgo, Salão Imperial.
Vacinas:
 Hepatite B.
Distância do Brasil:
 9.336,12 quilômetros (a partir de Brasília).
Moeda: 
Euro.

Fonte: pessoas.hsw.uol.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal