Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Babosa, Aloe Vera - Página 3  Voltar

Babosa ( Aloe Vera )

Nome popular: Babosa; Babosa-medicinal.
Nome científico: Aloe Vera L.
Família: Liliaceae.
Origem: Mediterrâneo, Ilha da Madeira e Ilhas Canárias.

Babosa ( Aloe Vera )

Observações

Herbácea rizomatosa, enotuceirada, suculenta, de 60 a 90 cm de altura. Folhas com espinhos macios nas margens. Inflorescências altas, formadas no decorrer do ano.

Algumas variedades possuem flores alaranjadas ou avermelhadas. É tida como cicatrizante, sendo muito utilizada na medicina popular.

Babosa ( Aloe Vera )

Cultivo

Cultivada em pleno sol, como planta isolada, em grupos, ou em jardins de pedra. É uma planta muito rústica, sendo tolerante a solos de baixa fertilidade, bem como a invernos mais frios.

Multiplica-se por separação de mudas, que são formadas na base da planta.

Fonte: www.cultivando.com.br

Babosa ( Aloe Vera )

1. INTRODUÇÃO

As espécies do gênero Aloe da família LILIACEAE, atualmente denominada ALOEACEAE, são vulgarmente conhecidas como babosas.

Normalmente, seu cultivo é feito nos jardins, unicamente para fins ornamentais, e, por muito tempo, a única espécie conhecida e cultivada foi a babosa-verde (Aloe arborescens Mill.).

A divulgação na Europa dos usos da babosa-verdadeira ou aloe-de-Curaçau (Aloe vera L. Burm. f.) despertou o desejo de cultivar esta espécie no Rio Grande do Sul. Posteriormente, foi introduzida no Estado a babosa-listrada (Aloe saponaria (Aiton) Haw.).

Além de seu efeito ornamental, as babosas têm sido usadas como plantas medicinais de uso interno e externo. Pelo seu uso já consagrado desde os antigos egípcios e, atualmente, com seu crescente emprego em cosmética e em queimaduras, a demanda destas plantas tem incrementado o seu cultivo.

Indicamos o cultivo da Aloe vera por ter maior produção e demanda no mercado e também por não dispormos de maiores dados experimentais para particularizar as melhores condições de clima, solo e tratos culturais e produção nas duas outras espécies acima citadas.

2. Aloe arborescens Mill

Babosa-verde

Família

ALOEACEAE (LILIACEAE)

Nomes vulgares

Babosa-verde, babosa-comum, babosa-de-jardim, babosa-de-tronco, babosa-de-flor vermelha


Babosa ( Aloe Vera )
FIGURA 1: Aloe arborescens Mill

2.1 DESCRIÇÃO BOTÂNICA

Planta com caule ereto, com cerca de 1,50 m de altura, semilenhoso, nodoso, verde-claro e esguio. Suas raízes são longas e pardas.

As folhas são carnosas, sésseis, lanceoladas, de até 50 cm de comprimento, base algo atenuada, ápice agudo e margens com fortes dentes verdes e espinhosos, dispostas em espiral numa roseta. São sucosas, inodoras e de sabor amargo. A face ventral é verde-escura, algo brilhante, lisa e plana. A face dorsal é convexa, verde-clara e lisa.

As flores são actinomorfas, hermafroditas, vistosas, de 3,50 cm de comprimento, de cor laranja-avermelhada. O perigônio é tubuloso, estreito, formado por 6 tépalas. Os estames são em número de 6, de igual comprimento que as tépalas ou pouco mais longos, com filetes subulados e anteras oblongas. O ovário é súpero, trígono, trilocular, com os lóbulos pluriovulados e estilete filiforme. A inflorescência ocorre em racemos terminais, simples ou bifurcados, densos eretos.

Os frutos são constituídos de cápsulas pardo-escuras, e as sementes são numerosas, achatadas e escuras.

Origem: sul da África (DIMITRI, 1978)

3. Aloe saponaria (Aiton) Haw.

Babosa-listrada

Família: ALOEACEAE (LILIACEAE)
Nomes vulgares: babosa-listrada, babosa-pintada

Babosa ( Aloe Vera )
FIGURA 2: Aloe saponaria (Aiton) Haw.

Babosa ( Aloe Vera )
FIGURA 3: Detalhe da inflorescência

3.1 DESCRIÇÃO BOTÂNICA

É uma erva perene, baixa, com caule muito curto, saindo em cone invertido. Suas raízes são fortes, numerosas, longas, escuras, partindo dos rizomas.

As folhas são dispostas em roseta basal, imbricadas, grossas, lanceoladas, sésseis, largas na base, têm ápice agudo e margens com dentes confluentes, ganchosos e fortes. A face superior é verde-clara-acinzentada, com manchas transversais em dente-de-serra, formadas por pontos mais claros que o fundo, plana ou levemente côncava. A face inferior é verde-clara-amarelada, lisa e convexa. As folhas são sucosas, amargas e inodoras, sendo o suco fluido, abundante, de cor transparente a amarelada, levemente pegajoso.

As flores são actinomorfas, hermafroditas, pediceladas, laranja-amareladas ou corais e esverdeadas na extremidade.

O perigônio é tubuloso, inflado na base, tem de 3 a 4 cm de comprimento, constrito no centro e expandido na parte terminal, formado por 6 tépalas. Os estames são em número de 6, curtos, com anteras oblongas, bordô-escuras. O ovário é súpero, cônico, trígono, trilocular, com lóculos pluriovulados; o estilete é longo, filiforme e o estigma afilado. A inflorescência é em corimbos terminais com hastes trígonas, partindo lateralmente da roseta, e o florescimento ocorre de outubro a dezembro.

Os frutos são constituídos de cápsulas pardo-claras; as sementes, em número reduzido, são escuras e aplanadas.

Origem: sul da África (DIMITRI, 1978)

4. Aloe vera (L.) Burm. f.

Babosa-verdadeira

Família: LILIACEAE
Nomes vulgares: babosa-verdadeira, aloe-de-barbados, aloe-de-curaçau

Babosa ( Aloe Vera )
FIGURA 4: Aloe vera (L) Burm. f. - Hábito

4.1 DESCRIÇÃO BOTÂNICA

É uma planta com caule curto e estolonífero e raízes abundantes, longas e carnosas.

As folhas são grossas, carnosas, rosuladas, eretas, ensiformes, têm de 30 a 60 cm de comprimento, verde-brancas, com manchas claras quando novas, lanceoladas, agudas e com margens de dentes espinhosos e apartados. A face ventral é plana, e a dorsal convexa, lisa e cerosa. As folhas são muito sucosas, têm odor pouco agradável e sabor amargo, tornando-se o suco, após colhida a folha, de cor violácea e aroma muito forte e desagradável.

As flores são cilíndricas a subcilíndricas, branco-amareladas, têm de 2 a 3 cm de comprimento, com segmentos coniventes ou coerentes com as pontas extendidas. Têm seis estames aproximadamente do tamanho do tubo, filetes delgados e anteras oblongas. O ovário é séssil, triangular, trilocular, e o estilete é mais longo que o perianto, com um pequeno estigma, sendo os óvulos abundantes nos lóculos. A inflorescência é central, ereta e tem de 1 a 1,50 m de altura. O escapo tem de 10 a 15 cm, com escamas largos, e o racimo é denso (1 - 3 cm), com brácteas lanceoladas mais longas que os pedicelos. O florescimento ocorre na primavera (setembro-outubro).

Os frutos são constituídos de cápsulas ovóide-oblongas, cônicas, curtas (20 mm), de deiscência loculícida, triloculares, mas com septos dando a impressão de 6 lóculos. As sementes são numerosas, pardo-escuras, achatadas e reniformes.

Origem: região mediterrânica (DIMITRI, 1978)

5. CULTIVO DAS BABOSAS

Variedades

Não se conhecem variedades ou seleções das três espécies indicadas no presente trabalho.

Solo

Não são exigentes quanto ao solo, desde que este seja drenado e permeável (arenoso e areno-argiloso), mas são sensíveis à acidez do solo. Solos com abundância de matéria orgânica devem ser equilibrados com boas doses de nutrientes minerais: potássio, cálcio, fósforo e magnésio.

Clima

É planta característica de climas tropicais e subtropicais. Deve ser cultivada em locais protegidos de geadas e de ventos frios hibernais, quer por exposições mais quentes (leste e norte), quer pelo uso de quebra-ventos. É planta de plena luz, não se dando bem à sombra ou meia-sombra. A A. vera é a mais exigente quanto ao calor (CORREA JR. et al., 1991).

Método de Propagação

O mais usado e prático é a do uso dos perfilhos que nascem ao redor da planta-mãe (A. vera), ao lado do tronco (A. arborescens) , e os que afloram no solo pelos rizomas (A. saponaria). Estes perfilhos são separados e cultivados em um viveiro para que enraízem bem e se tornem fortes. O uso de estacas de raízes não produz muitas mudas (só é empregado eventualmente), e as folhas raramente enraízam.

Plantio

É feito no outono ou na entrada da primavera, em linhas distanciadas entre si, de 0,80 a 1 m, conservando 0,50 m (A. saponaria), 0,70 m (A. vera) ou de 0,80 a 1 m (A. arborescens), para maior facilidade de limpeza entre as plantas. O plantio é feito em covas rasas, em solo bem preparado.

Tratos culturais

Consistem em capinas, para evitar a concorrência com plantas espontâneas. Estas são feitas nas linhas para evitar o corte de plantas pelos instrumentos de capinas. A manutenção de cobertura morta, no inverno, é de grande valia. O controle de formigas e cupins deve ser feito sempre. As irrigações, salvo na hora do plantio, devem restringir-se a períodos de seca (CASTRO & CHEMALE, 1995).

Pragas e Doenças

Eventualmente, ocorrem doenças devido à influência de climas frios e carências nutritivas. As doenças podem ser de origem bacteriana ou fúngica. Quando são poucas, as plantas infectadas devem ser eliminadas da cultura.

Colheita e Rendimentos

A colheita é realizada após um ano de cultivo, pois o crescimento inicial das babosas é lento.

Retiram-se as folhas inferiores maiores, junto ao tronco, com um instrumento afiado. Deixam-se as folhas centrais para renovar a planta. As folhas são levadas imediatamente para a extração da mucilagem e dos heterosídios. O rendimento é variável, apresentando a A. vera o maior rendimento em peso de folhas/ha, seguido da A. arborescens, e ficando a A. saponaria com uma baixa produção de folhas (massa verde). Os colhedores devem usar botas e luvas para a proteção contra os espinhos existentes nas folhas (CASTRO & CHEMALE, 1995).

AGRADECIMENTOS

Ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) pelo apoio financeiro, a pesquisadora Eng. Agrª Drª Shirley Galli Taylor da Rosa pelo apoio e pela análise crítica do trabalho, à estudante de Agronomia Cristina Machado pela digitação e organização geral do trabalho no microcomputador, às Biólogas da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul Márcia Therezinha Menna Barreto das Neves e Rosana Moreno Senna pelo auxílio na identificação das espécies, aos demais colegas da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) pelas sugestões e pelo incentivo à pesquisa.

6. REFERÊNCIAS

CASTRO, L. O. de & CHEMALE, V. M. Plantas medicinais, condimentares e Aromáticas: descrição e cultivo. Guaíba: Livraria e Editora Agropecuária Ltda., 1995. 195 p. il.

CORREA JÚNIOR, C. ; MING, L. C.; SCHEFFER, M.C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. Curitiba: SEAB-EMATER-PR, 1991. 150 p. il.

DIMITRI, M. J. Enciclopedia argentina de agricultura y jardineria. t. I, 3. ed. Buenos Aires : Editorial ACME S. A.C.I., 1978. 651 p. il.

1 Técnico Agrícola – Técnico aposentado FEPAGRO / Unidade de Viamão, RS, Brasil
2 Bióloga – Pesquisadora da FEPAGRO / sede – Porto Alegre, RS, Brasil

Rosa Lúcia Dutra Ramos
Luiz Osório de Castro

Fonte: www.esalq.usp.br

 

voltar 123456789avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal