Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Lactobacilos - Página 6  Voltar

Lactobacilos

Nos dias de hoje o iogurte tornou-se um alimento que nos acompanha no dia-a-dia, desde o iogurte natural que tomamos no café da manhã, o iogurte líquido que bebemos no lanche, ao cremoso passando por aquele iogurte de cereais que nos alimenta ao deitar.
Ao longo da história surgem várias referências ao iogurte, a primeira das quais datada do século II A.C., quando já lhe são atribuídas vantagens para a saúde do homem. Não se sabe exatamente o local de origem do iogurte, porém a maioria dos autores aceita que é originária da Ásia. A mais conhecida história do nascimento do iogurte tem como cenário o deserto da Turquia onde os pastores armazenavam o leite fresco em bolsas feitas de pele de cabra e atavam-nas aos camelos.

O calor do corpo do camelo criava as condições necessárias ao desenvolvimento de bactérias ácidas. O leite transformava-se, então, num produto mais sólido e muito apreciado por este povo. Quando as bolsas ficavam vazias eram novamente cheias de leite sem nunca serem lavadas, o que favorecia ainda mais a ocorrência do processo de fermentação. Como resultado da interação entre os povos em virtude de guerras, expedições, relações comerciais, troca de culturas e saberes, etc. o método de produção e consumo do iogurte foram difundidos a outros povos. O consumo tornou-se mais regular à medida que aumentavam quer os conhecimentos relativos aos seus benefícios para a saúde, quer as capacidades tecnológicas para a sua produção.

No início do Séc. XX o iogurte era considerado um medicamento, sendo comercializado apenas em farmácias. Esta realidade foi-se alterando progressivamente; o iogurte ganhou estatuto, notoriedade, prestígio e o seu consumo popularizou-se. Atualmente, aliando-se a todas estas vantagens, a tecnologia de produção de iogurte sofisticou-se enormemente, permitindo colocar no mercado verdadeiras delícias. De fato, para além do iogurte natural, estão hoje à nossa disposição iogurtes líquidos, com pedaços ou de polpa de fruta, magros, probióticos, originais, cremosos, etc..

Iogurte: deliciosamente saudável! Uma fonte de nutrientes

Comer iogurte é uma das formas mais interessantes e saborosas de consumir produtos lácteos. Os Iogurtes e os Leites Fermentados são alimentos com elevado valor nutricional, pois fornecem quantidades significativas dos vários nutrientes necessários ao crescimento, desenvolvimento e manutenção do organismo.
São constituídos de:

Proteínas de alta qualidade que contêm todos os aminoácidos essenciais em quantidades adequadas;

Minerais, em especial o cálcio e o fósforo; contêm quantidades apreciáveis de vitaminas, sobretudo do complexo B.

Lactobacilos que aumentam a imunidade e representam proteção ao organismo e bom funcionamento do aparelho digestório.

Lactobacilos: você sabe o que são e para que servem?

São chamados alimentos probióticos representam saúde e proteção ao organismo. Milhares de microorganismos vivos agem permanentemente em nossa flora intestinal e são responsáveis pela absorção dos nutrientes ingeridos através da alimentação. Esses "bichinhos" melhoram a integridade da parede intestinal e assimilam alguns nutrientes importantes para o organismo, como o cálcio e o ferro. Nossa flora intestinal é composta por um equilíbrio de microorganismos bons e maus. Ou seja, temos um conjunto de muitas espécies de bactérias que, quando estão equilibradas, não causam problemas à saúde, mas, caso contrário podem provocar doenças, alergias. Os microorganismos considerados bons (lactobacilos ou probióticos) devem ser maioria no intestino. Entretanto, vários motivos levam a morte desses microorganismos benéficos como, por exemplo, estresse, doenças intestinais, uso de antibióticos, envelhecimento. Por isso é importante ingerirmos esses alimentos e assim renovarmos nossos microorganismos. Alimentos como o leite, iogurte, queijo fresco e a coalhada, são fundamentais em nosso dia-a-dia, porque contêm o melhor dos probióticos: os lactobacilos vivos. Os mesmos do leite fermentado. De nada adianta seguir uma alimentação saudável se a flora intestinal não estiver sadia.

O que ocorre quando os lactobacilos chegam ao intestino?

Como são resistentes, para chegar inteiros ao intestino vão acidificando o ambiente e assim dificultando a permanência dos microorganismos patogênicos, causadores de doenças no estômago e intestino. Esse ambiente ácido facilita a absorção dos minerais e das vitaminas, tão importantes ao organismo. Outra função é ajudar a manter íntegra a parede do intestino, o que permite que todos os nutrientes sejam absorvidos adequadamente. Pesquisas mostram que os lactobacilos equilibram o funcionamento intestinal, impedem a multiplicação de bactérias nocivas, inibem a produção de toxinas, melhoram a digestão, fortalecem o sistema imunológico, além de prevenir o câncer de colón - localizado no intestino grosso.

Qual é a quantidade diária ideal que devemos ingerir de alimentos probióticos?

Um frasco por dia de leite fermentado ou um sache dissolvido em água ou suco ou o consumo de queijos frescos, iogurtes, coalhadas - são suficientes para proteger o organismo contra os fatores que desequilibram a flora intestinal. Essa quantidade é o bastante para proteger organismo e ficar mais resistente às bactérias e a qualquer tipo de infecção. Entretanto, é bom evitar o consumo excessivo desses produtos, que podem causar um desconforto intestinal, além do excesso de calorias que pode prejudicar o seu processo de eliminação de peso.

Tipos de Lactobacilos

Bifidobacterium bifidum

Fornecem sabor a manteiga e queijos e ainda são necessários na produção de produtos em conserva. Uma quantidade abundante desta bactéria no intestino humano é necessária para manutenção da saúde. Criam um ambiente favorável para o crescimento de bactérias “amigáveis” no intestino grosso e trato vaginal. O Bifidobacterium bifidum impede ou evita a invasão de bactérias patogênicas. Acredita-se que as bifidobactérias sintetizam vitaminas que podem ser usadas pelo corpo humano, incluindo tiamina, ácido fólico, ácido nicotí­nico, piridoxina e vitamina B12. Produzem ácido acético e lático. Acredita-se que dietas contendo bifidobactérias, de forma bem sucedida, coloniza o intestino grosso; pois podem sobreviver as enzimas do estômago e intestino fino. Também aumentam a absorção de ferro, cálcio e magnésio. Quando comparados com animais que não estavam recebendo suplementação, ratos consumindo Bifidobacterium bifidum foram protegidos contra rotavirus.

Lactobacillus bulgaricus

São bactérias gram-positivas, termofí­licas e em forma de bastão; heterofermentadora, produzindo ácido lático a partir da lactose. Resiste a elevadas concentrações de ácido lático, podendo produzi-lo até aproximadamente 2%. Tem também longa duração na maturação de queijos duros. Produz acetaldeí­do que confere sabor tí­pico ao iogurte. É baixa sua resistência ao sal, não crescendo em concentrações superiores a 2%. É destruí­da no aquecimento a 65°C por 30 minutos. Crescem bem a 45°C, mas não se desenvolve em temperaturas inferiores a 20°C. Uma bactéria transitória, mas muito importante na ecologia humana. Juntamente com o Streptococcus termophilus constituem a cultura para produção de iogurte. Sua administração oral facilita a digestão da lactose, pois aumenta a produção da enzima lactase. Algumas cepas produzem antibióticos naturais, impedindo a proliferação de outras bactérias nocivas. Em sí­ntese, a acidificação do leite, sob a ação das bactérias mencionadas constitui a antecipação de uma etapa digestiva o que torna o iogurte mais tolerável e nutritivo do que o leite natural.

Lactobacillus casei

É uma cepa de bactéria que foi isolada de humanos e foi descoberto que tolera as condições ácidas do estômago. São microorganismos vivos selecionados que conseguem atravessar a acidez do estômago, chegar vivos ao intestino e proporcionar o equilí­brio da flora intestinal. São reconhecidos como probióticos, que ingeridos em determinadas concentrações, proporcionam benefí­cios à saúde do indiví­duo, através do equilí­brio da flora intestinal. As espécies de Lactobacillus são mais efetivas do que muitas outras bactérias para sobreviver a passagem através do trato intestinal para efetivamente colonizar o trato digestivo e balancear a microflora intestinal. O Lactobacillus provou que resisti ao ácido gástrico e bile, adere a mucosa do intestino, coloniza o trato gastrointestinal e luta contra patógenos potenciais, tais como: E. coli, Streptococci, Clostridia e Salmonella. Lactobacillus casei são encontradosnaturalmente em leites e carnesfermentadas, assim como no intestino humano, boca e no meio ambiente. O nome L. casei foi primeiro usado em 1904, e o nome sugere sua “relação” com queijo: tanto o casei, quanto caseí­na (a primeira proteí­na no leite) tem origem da palavra latim caseis, que significa queijo.

Fonte: www.farmaciaraizes.com.br

LACTOBACILOS

Yakult – O intestino saudável conduz à longevidade

A alegação de saúde da Yakult é que o consumo diário do produto ajuda a diminuir as bactérias maléficas do intestino e aumentar as benéficas, o que acarreta em inúmeros benefícios para o organismo. Alguns destes benefícios são: equilíbrio da flora intestinal, proteção a diversas doenças, eliminação de substâncias tóxicas e estímulo das células de defesa do organismo.

Hoje os leites fermentados são considerados um dos principais alimentos funcionais, por conterem probióticos. Em 2001, o leite fermentado Yakult foi aprovado no Brasil pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária, órgão do Ministério da Saúde), como o primeiro leite fermentado com alegações de propriedades funcionais e/ou de saúde.

Médico e pesquisador em Microbiologia do sistema gastrointestinal, Minoru Shirota foi o fundador da Yakult Honsha Co. Ltd. e do Instituto Central de Pesquisas em Microbiologia da Yakult no Japão. Inconformado com o alto índice de mortalidade infantil por infecções intestinais no Japão, o Dr. Shirota iniciou seus estudos sobre lactobacilos intestinais com o objetivo de usá-los em prol da medicina preventiva. Após anos de contínuas pesquisas, ele selecionou uma espécie de lactobacilo, resistente à acidez do estômago e que, ao se manter vivo no intestino, inibe a proliferação de bactérias intestinais nocivas. Dessa forma, o lactobacilo promove o equilíbrio da microbiota intestinal. Esses microrganismos revolucionaram todos os conceitos da área de saúde e foram denominados Lactobacillus casei Shirota.

E assim, em 1935 surgiu o Leite Fermentado Yakult, que combina uma espécie selecionada de microrganismos vivos benéficos à saúde com a biotecnologia já conhecida da fermentação láctica. Devido a sua forma de bastonetes, os lactobacilos são chamados de “bacilos” e por transformarem através da fermentação o açúcar do leite (lactose) em ácido láctico, são chamados de lactobacilos. O ácido láctico é responsável por acidificar o meio intestinal, favorecendo o aumento dos microrganismos benéficos que auxiliam na redução dos riscos de doenças.

A importância da microbiota intestinal para a manutenção da saúde foi comprovada no fim do século 19, quando microbiologistas verificaram que havia diferença entre a microbiota residente nos intestinos de pessoas saudáveis e doentes. A microbiota intestinal é composta por cerca de 100 trilhões de bactérias, com média de 100 variedades, que participam da digestão, absorção e síntese de vitaminas. Estudos clínicos demonstram que os probióticos, além de ajudar nesses processos, também contribuem no aumento da resistência imunológica do organismo e protegem contra inúmeras doenças, inclusive alguns tipos de câncer. Esses microrganismos probióticos, ao serem ingeridos, ultrapassam a barreira do sistema digestório e chegam vivos aos intestinos, evitando que a microbiota sofra o ataque de bactérias nocivas.

O termo probiótico é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (WHO - World Health Organization) e pela FAO (Food and Agriculture Organization). No Brasil, a ANVISA define probióticos como "microrganismos vivos capazes de melhorar o equilíbrio microbiano intestinal produzindo efeitos benéficos à saúde do indivíduo". As características de um microrganismo probiótico são as seguintes: Ter segurança no consumo; Pertencer à microbiota natural do hospedeiro; Além de sobreviver ao processo de fabricação, comercialização e consumo, deve ser resistente aos sucos digestivos e chegar vivo aos intestinos; Ter a capacidade de se desenvolver nos intestinos; Promover efeitos benéficos comprovados cientificamente. Os probióticos auxiliam na diminuição dos riscos de doenças, em especial as infecciosas, porque controlam o crescimento das bactérias nocivas e promovem a estabilização do ambiente intestinal.

Experimentos realizados comprovam que o consumo de Yakult aumenta a quantidade de microrganismos que fazem bem e diminui os que fazem mal ao organismo. Além disso, estudos mostram que o consumo de Yakult acaba por diminuir a concentração de substâncias tóxicas melhorando o ambiente intestinal. Indol é uma toxina produzida pelas bactérias nocivas através da degradação de proteínas e voluntários, após consumirem o leite fermentado contendo os lactobacilos da Yakult, apresentaram níveis de Indol 30% menor se comparado ao nível anterior. O P-Cresol é outro tipo de metabólito produzido pelas bactérias nocivas e que pode dar origem a substâncias cancerígenas no organismo. Os testes em voluntários mostram que os níveis de P-Cresol cairam 1/3 do valor inicial após o consumo de Yakult.

Pesquisas ainda revelam que o Yakult estimula as células de defesa do organismo. Sabe-se que a atividade das células NK em fumantes, uma das principais células de defesa do organismo, é relativamente baixa. Foi realizada uma experiência onde a um grupo de fumantes foi solicitado consumir 1 frasco de Leite Fermentado contendo os Lactobacillus casei Shirota todos os dias, durante 3 semanas seguidas. Os pesquisadores mediram as atividades das células NK antes e depois o consumo de Yakult e foi observado que houve uma recuperação de 66% nas atividades das células NK.

Entre os inúmeros benefícios atribuídos ao uso de probióticos está a diminuição de toxinas que favorecem o aparecimento de câncer no cólon, o que pode significar uma importante proteção para evitar o desenvolvimento da doença. Além disso, estudos comprovam que a ação dos microrganismos vivos diminui principalmente a freqüência e a duração de diarréia associada ao uso de antibióticos, estimula a imunidade, melhora a digestão da lactose, a constipação e os sintomas da síndrome do cólon irritável. Por esses e outros motivos, as pesquisas com os Lactobacillus casei Shirota continuam sendo amplamente desenvolvidas no Japão, para que o mundo todo possa usufruir o que o médico Minoru Shirota acreditava: “o intestino saudável conduz à longevidade”.

CAROLINA MONTAGNER SCHMAEDECKE

Fonte: www.ufrgs.br

voltar 1234567avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal