Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Baleia Boreal  Voltar

Baleia Boreal

 

Baleia Boreal

NOME POPULAR: Baleia-boreal, Baleia-glacial, ou Baleia-sardinheira
NOME CIENTÍFICO: Balaenoptera borealis
TAMANHO: 16 metros de comprimento
PESO: 20 toneladas

Sua principal característica é uma excrescência córnea, em geral recoberta por pequenos crustáceos, sobre o maxilar superior. Apresenta partes brancas em sua pele, devida a ação de parasitas. Sua cabeça equivale a um quarto de seu comprimento total. Pode ser encontrada no oceano Atlântico e no oceano Pacífico norte (até Taiwan, no inverno); já no hemisfério sul vive entre 30 e 50 graus de latitude sul em águas temperadas, o que facilitava sua caça, pois é uma rota muito freqüentada pelas embarcações. A matança teve seu ápice durante os séculos XVIII e XIX.

É protegida por lei desde 1935, e está atualmente em recuperação, tanto na parte ocidental do Atlântico norte quanto no hemisfério sul. Uma estimativa avalia que hoje existem alguns milhares desses animais. As fêmeas são maiores que os machos, podem chegar até 16m. Os filhotes medem 4,5 m e pesam cerca de 1 tonelada quando nascem. As baleias-boreal tem filhotes no período de 3 a 4 anos, com a gestação que leva cerca de 1 ano e a lactação até 7 meses. Tem uma longevidade próxima de 70 anos.

A face dorsal do adulto, assim como as peitorais, são cinzentas escuras e a face ventral é mais clara, com cicatrizes cinzentas ou brancas, provocadas por lampreias e tubarões. Possuem cerca de 32 a 60 pregas ventrais na garganta, que se prolongam até pouco depois das peitorais. Apresentam na maxila superior de 300 a 400 pares de barbas cinzento escuras.

A sua alimentação é constituída, à base de pequenos crustáceos planctónicos, embora também se alimentem de pequenos peixes como os arenques e as sardinhas. Esta espécie emite sons metálicos, com freqüências em torno de 3 kHz.

São encontradas na maioria das vezes indivíduos sozinhos, no máximo em pares. Pode deslocar-se a 30 nós, com um rumo regular, sobem a superfície para respirar, o que ocorre em 30 segundos, para depois mergulharem e permanecerem de 2 a 3 minutos

Fonte: www.pick-upau.org.br

Baleia Boreal

O tamanho médio dos adultos é de 14 m, embora atinja cerca de 17 m. As fêmeas são maiores, podendo alcançar dos 16 aos 20 m. O peso varia entre 20 e 30 toneladas. à nascença, as crias medem 4,5 m e pesam até 1 tonelada. As fêmeas dão à luz uma cria a cada 3 a 4 anos, com a gestação a durar cerca de 1 ano e a lactação 6 a 7 meses. A baleia-sardinheira tem uma longevidade próxima de 70 anos. A face dorsal do adulto, assim como as peitorais, são cinzento escuro e a face ventral é mais clara, com cicatrizes cinzentas ou brancas, provocadas por lampreias ou por pequenos tubarões. Possuem cerca de 32 a 60 pregas ventrais na garganta, que se prolongam até pouco depois das peitorais. Apresentam na maxila superior de 300 a 400 pares de barbas cinzento escuras. A sua alimentação é constituída, à base de pequenos crustáceos planctónicos (copépodes), embora também se alimentem de pequenos peixes como os arenques e as sardinhas (daí a origem do nome em português de " Sardinheira "). Esta espécie emite sons metálicos, com frequências em torno dos 3 kHz.

Baleia Boreal

Os Açores são, sem dúvida, uma zona onde a baleia-sardinheira apenas está de passagem; embora seja observada ao longo de todo o ano, mas de modo irregular, como demonstram as nossas observações. A maioria dos animais que encontrámos estavam sozinhos, ou então aos pares. De longe, é impossível diferenciar este rorqual dos restantes da sua família, verificando-se a confusão entre o rorqual-comum e, em menor grau, com a rorqual-anã. Contudo, o rorqual-comum tem uma coloração assimétrica na cabeça e a face ventral é bastante mais clara do que na sardinheira, enquanto que o sopro desta última mede apenas de 2 a 3 m de altura. É o rorqual mais rápido, deslocando-se a 30 nós, com um rumo regular (se não for perturbado). Estando o mar calmo, é possível segui-lo, graças à esteira provocada pelos batimentos da caudal. A equipa do Espaço Talassa observou esta espécie, de passagem pelo sul do Pico, a ventilar a cada 30 segundos e realizando mergulhos com a duração de 2 a 3 minutos. Observámo-las também a alimentarem-se de chicharros

Fonte: www.espacotalassa.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal