Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Baunilha - Página 4  Voltar

Baunilha

Nome científico: Vanilla planifolia Andr.
Família: Orchidaceae
Origem: Americana e Africana

Baunilha

Baunilha

Características da planta

Planta herbácea e perene, que vegeta inicialmente como arbustos rastejantes e, em seguida, como trepadeiras. São as únicas orquídeas que possuem esse hábito. Possui caule cilíndrico, glabro, verde, carnudo e nodoso, que atinge de 15 até 30 m. As folhas são curtopecioladas, suculentas, medindo de 15 a 25 cm de comprimento por 3 a 4 cm de largura.

Características da flor

Flores pedunculadas, grandes, de coloração amarelada e com uma linha saliente no centro do labelo. Estão reunidas em cachos, com 3 a 5 flores, que surgem na axila das folhas.

A baunilha é uma trepadeira tropical da mesma família das orquídeas, encontrada em áreas tropicais do Brasil.

As flores se desenvolvem em frutos ou favas, dos quais se obtém os cristais de vanila, que originam a essência natural de baunilha, muito utilizada no preparo de doces, principalmente doces finos e chocolates produzidos em países europeus, sendo assim muito exportada para a Europa. A essência natural, embora trabalhosa para ser obtida, tanto no aspecto de cultivo como no processamento para obtenção dos cristais de vanila, atinge bom valor comercial. É também utilizada na indústria farmacêutica e produção de perfumes. Para o plantio comercial, cultiva-se a Vanilla planifolia andrews, uma variedade originária do México.

Solo

A baunilheira se desenvolve melhor em solos ricos em matéria orgânica sendo necessário a utilização de tutores, que são suportes (estacas) de mais ou menos 1,5 m de altura para a condução das trepadeiras. Esta altura dos tutores é importante, pois a polinização é manual.

Clima

A temperatura média deve ser superior a 21 0C e com precipitação pluviométrica mínima de 1800 mm anuais. É uma cultura que não se desenvolve em campo aberto, pois as plantas necessitam de um pouco de sombra nos períodos mais quentes e secos, além de proteção contra o vento. É uma cultura normalmente consorciada com frutíferas perenes, como por exemplo o cajueiro, na região nordestina do Brasil.

Propagação

Através de estacas de 40 a 80 cm de comprimento, plantadas em local sombreado, entre os meses de setembro a março.

Plantio

As estacas são plantadas em covas de 30 x 30 x 30 cm, ao lado de tutores vivos (árvores) ou mortos (estacas com 1,5 m de altura). Planta-se de duas a três estacas, que são inclinadas em direção ao tutor, e das quais se retiram apenas as folhas que ficarão embaixo da terra. A medida que as plantas crescem, é preciso utilizar, por exemplo, varas horizontais entre os tutores, para conduzir o crescimento para elas e garantir que a cultura não cresça além de 1,5 m de altura.

Tratos culturais

Para o controle das invasoras é recomendado somente realizar roçadas, sempre que necessário, podendo-se inclusive acumular o material cortado próximo à baunilheira, que além de ajudar a manter a umidade do solo é também boa fonte de matéria orgânica para a cultura, exigente neste material.

Florescimento e polinização

Ocorre a partir do segundo ano do plantio, mas só a partir do terceiro ano é que a planta produz maiores cargas de frutos. As flores surgem por inflorescência nas axilas das folhas, formando cachos com 15 a 20 flores cada, que não florescem por inteiro. Por dia, abre-se de 1 a 2 flores, que permanecem abertas por 24 horas, aproveitando-se este período para se realizar a polinização manual. A polinização manual é feita pois, a flor possui uma membrana que separa o órgão reprodutor masculino do feminino o que dificulta a polinização natural realizada pelos insetos.

A polinização manual consiste em localizar a coluna, parte da flor onde se localizam o estigma e os estames, e com um estilete pontiagudo de madeira retira-se a polínea, uma massa onde os grãos de pólen estão agregados. A polínea é então levada até a entrada do estigma para a fecundação.

Maturação das favas

Ocorre entre 9 a 10 meses após a polinização, sendo os frutos colhidos quando mudam da cor verde-claro para verde escuro. Devem ser colhidos nesta fase, para se evitar perdas, por se tratar de um fruto deiscente (os frutos se abrem deixando cair as sementes). Os frutos passam ainda por um processo de "cura", para que as favas desenvolvam placas de cristais, onde se concentra a vanila. Para tanto, as favas são submetidas a um processo de desidratação lenta, sendo primeiro rapidamente imersas em água aquecida, levando-as em seguida para secagem, inicialmente por 4-6 dias ao sol, terminando à sombra em tabuleiros. Quando bem preparadas, depois de secas, as favas apresentam numerosos cristais de vanila. São então embaladas para comercialização.

Melhor variedade

Planifólia.

Época de plantio

Setembro - outubro.

Espaçamento

Entre árvores de sombra 6 x 4m (plantar duas a quatro estacas por árvore--suporte.

Mudas necessárias

Estacas: 1.000 a 2.000 /hectare.

Combate à erosão

Plantio em nível, nas encostas.

Adubação

Anualmente: matéria orgânica em cobertura, sobretudo serapilheira.

Tratos culturais

Roçadas guiar os sarmentos à altura de 1,80m.

Combate a moléstias e pragas

Dispensável.

Época de colheita

Junho - agosto.

Produção normal

200 a 300kg/ha de favas.

Observações

A planta trepadora. Como suporte, necessita de árvore de casca e folhas permanentes e de meia sombra, como o cajueiro.
Prospera bem tanto no litoral quanto no litoral sul paulista.

Bibliografia

Globo Rural - Março 1996, n0 125 - seção Ficha da Planta. Guia Rural Abril - 1986, 447 p.

Fonte: www.agrov.com

Baunilha

Baunilha
A orquídea Vanilla tahitensis vem de uma espécie cultivada originalmente
na América Central pelos maias

Baunilha

A baunilha, esta essência exótica e inimitável, é a semente de uma orquídea. Há mais de 150 variedades. A mais rara e apreciada de todas só cresce no Taiti. Ninguém sabia como ela foi parar lá. Até agora.

Esqueça os frasquinhos com essência de baunilha. Se você nunca teve a oportunidade de provar um crème brûlée ou um sorvete com cobertura de baunilha, baunilha de verdade, extraída da fava , não sabe o que está perdendo. É como estar acostumado a tomar cidra e um belo dia descobrir que existe champanhe. O caminho é sem volta. Esta essência de sabor e fragrâncias inimitáveis deriva de mais de 200 substâncias presentes na semente, ou melhor, na fava de 10 a 20 centímetros de uma orquídea chamada Vanilla planifolia (vanilla, em latim, quer dizer genitália).

Isso mesmo, a baunilha é uma orquídea. Originária da América Central, esta trepadeira pode atingir mais de 35 metros e desabrochar mil flores ao mesmo tempo. Ela se espalhou pelos trópicos de todo o mundo levada pelos galeões espanhóis nos séculos XVII e XVIII. Existem cerca de 150 variedades. Mas só duas têm valor comercial. A V. planifólia bourbon é cultivada em Madagascar e no entorno do oceano Índico. Madagascar respondeu por 60% das 11 mil toneladas colhidas em 2006.

Já a raríssima Vanilla tahitensis, a mais cobiçada baunilha dos gourmets, como o nome indica, só cresce no Taiti, na Polinésia Francesa. São apenas 50 toneladas de favas por ano, ou menos de 0,5% da produção mundial. Até hoje, ela era considerada uma espécie diferente, pois suas folhas são mais estreitas do que as da V. planifolia. Não mais. O biólogo Pesach Lubinsky, da Universidade da Califórnia em Riverside, fez uso da genética para revelar a origem desta preciosa orquídea. Lubinsky conseguiu comprovar que a V. tahitensis é um híbrido entre duas variedades de baunilha, a V. planifólia, que era cultivada pelos maias na América Central antes da chegada dos conquistadores espanhóis, e a V. odorata, que cresce nas florestas da Guatemala e nunca foi cultivada.

Fonte: www.jardimdeflores.com.br

voltar123456789avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal