Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Acupuntura  Voltar

Acupuntura

O que é acupuntura?

A acupuntura é uma técnica de tratamento que consiste no estímulo de pontos determinados da superfície da pele. Podem ser utilizados neste processo agulhas, ventosas, massagens, e até o calor proveniente da queima da moxa, preparada à partir da erva artemísia (moxabustão).

Quando e onde surgiu?

Possivelmente antes da era cristã, na China. Para alguns historiadores, as agulhas de acupuntura seriam o resultado da evolução das lancetas usadas para perfurar bolhas ou pústulas. Para outros, a prática da acupuntura teria se iniciado a partir da experiência corriqueira de massagearmos o local dolorido para fazer passar a dor. De qualquer maneira, as evidências arqueológicas não nos permitem ter certeza quanto ao processo de formação do corpo de conhecimentos da acupuntura. Da China, ela se espalhou por vários países da Ásia, adquirindo características peculiares à cultura da região onde se estabelecia. No Japão, por exemplo, as agulhas são mais finas, se dá mais atenção à palpação do abdomen, mas os princípios básicos de diagnóstico e tratamento são sempre os mesmos.

Para que serve?

Além dos casos de dor, várias doenças funcionais podem ser tratadas pela acupuntura. Dentro da concepção chinesa, a doença é uma manifestação de desequilíbrio, e a acupuntura seria uma forma de readquirir a harmonia perdida. Entre as doenças tratáveis pela acupuntura estão: dores em geral, especialmente do aparelho músculo-esquelético, gastrite, stress, distúrbios hormonais, insônia, asma, distúrbios menstruais, paralisia facial, sinusite, incontinência urinária. Para saber se a acupuntura é adequada para o seu caso específico, pergunte ao seu médico acupunturista.

Quando procurar um médico acupunturista?

De preferência, no início dos sintomas. Via de regra, quanto mais recente o problema, maior e mais rápida a possibilidade de resolvê-lo. O lado preventivo da acupuntura consiste na possibilidade de ir contra a doença antes que ela se manifeste em sua plenitude, isto é, no estágio onde sabemos que estamos quase ficando doentes, mas ainda não há sintomas concretos, na fase de mal estar que precede a doença.

Posso misturar outros tratamentos com a acupuntura?

Não é proibido associar a acupuntura a outros tratamentos. Fisioterapia, remédios alopáticos, psicoterapia, homeopatia, geralmente são beneficiados pela associação com a acupuntura, ocorrendo desde a aceleração e a facilitação de processos terapêuticos até a redução das doses dos remédios utilizados.

A acupuntura dói?

Não deve. Eventualmente podemos acertar um nervo superficial ou um ponto mais sensível da pele, causando dor. Neste caso, deve-se informar ao médico, que corrigirá a inserção da agulha. Tratamento doloroso é quase sempre relacionado a um mau profissional.

Há sangramento?

Eventualmente um vaso sanguíneo pode ser atingido. Nas mãos de um médico experiente a acupuntura é isenta de riscos, logo tais sangramentos e hematomas resultantes não devem ser motivo de preocupação, pois são superficiais e ocorrem raramente.

Quais os efeitos colaterais da acupuntura?

Alguns pacientes podem se sentir sonolentos e relaxados após a sessão. Em certos casos pode haver a piora dos sintomas, que geralmente é seguida pela melhoria da condição do paciente. Pontos muito sensíveis podem se tornar dolorosos se manipulados em excesso, porém a dor resultante tende a melhorar com o passar do tempo.

A acupuntura pode transmitir doenças?

A acupuntura é um método invasivo e, como tal, deve-se seguir as regras básicas de esterilização. Usando-se material esterilizado não há risco algum. Hoje temos agulhas descartáveis disponíveis, tornando mais prático e seguro o tratamento.

Como é uma sessão de acupuntura?

Na primeira consulta busca-se estabelecer o diagnóstico, tanto na visão ocidental quanto na visão própria da acupuntura. Os pontos são selecionados de acordo com o diagnóstico. Após a limpeza da pele com álcool a 75º, as agulhas descartáveis são inseridas de forma indolor e deixadas no local, sendo retiradas depois de quinze minutos. Durante o período no qual as agulhas estão inseridas, recomenda-se ao paciente não se mover. As sessões posteriores são aproximadamente iguais.

Qual a preparação necessária antes e quais os cuidados após uma sessão?

Pede-se ao paciente que não se alimente imediatamente antes da sessão, que esteja o mais relaxado possível, e que não se banhe após a sessão de acupuntura.

As agulhas podem permanecer na pele após a sessão?

Sim. Em alguns casos, deixa-se uma agulha pequena coberta com esparadrapo no período entre uma sessão e outra, para que haja estímulo do ponto durante todo este tempo. A agulha de demora, como é chamada, pode ser molhada, recomendando-se que seja retirada ao primeiro sinal de incômodo.

Qual a frequência do tratamento?

Usualmente a frequência é de uma vez por semana, porém em casos agudos sessões diárias podem ser necessárias. A duração do tratamento é dependente do tempo da doença: quanto mais recente, mais rápido o resultado. Algumas doenças respondem mais rapidamente que outras. Como exemplo, dores lombares de origem músculo-ligamentar com menos de seis meses de duração exigem, em média, cinco sessões até o seu controle.

Quando posso interromper o tratamento?

Geralmente a alta acontece na ausência dos sintomas que levaram o paciente ao consultório. Em princípio sessões de manutenção não são necessárias, mas o paciente deve retomar o tratamento se notar que os sintomas estão reaparecendo. Neste caso, quanto mais cedo, mais rápido o resultado.

Como a acupuntura age? É somente um analgésico?

O mecanismo de ação da acupuntura ainda não foi completamente elucidado. Sabe-se que o estímulo dos pontos leva à produção de substâncias que teriam ação sobre receptores do sistema nervoso (neurotransmissores e neuromediadores), e que o resultado final seria a normalização das funções alteradas. A acupuntura teria também ação anti-inflamatória por estimular a produção de corticóides pela glândula supra-renal. A acupuntura é mais que um analgésico, combatendo a dor através da resolução do processo inflamatório que a causa. Há similaridades entre os efeitos da acupuntura e os causados pela serotonina, que é um neuromediador produzido pelo nosso cérebro.

HISTÓRIA DA MEDICINA CHINESA

O Ocidente teve sua atenção voltada para a acupuntura por causa do artigo do jornalista James Reston, publicado em 1971, que descrevia o efeito da acupuntura nas suas dores pós-operatórias depois de submetido a uma apendicectomia de emergência, quando acompanhava a equipe norte-americana de tênis de mesa. Desde então a acupuntura foi sendo adotada pela medicina ocidental, em princípio cercada de preconceitos, mas ultimamente como uma especialidade médica, caso do Brasil, sendo reconhecida pelas seguradoras da área da saúde, inclusive as HMO americanas.

Podemos reconhecer três maneiras de estudar a história da medicina chinesa:

Assumir que os conceitos chineses de doença e tratamento são superiores aos ocidentais: Manfred Porkert

Uma visão histórica que enfatiza os aspectos que seriam precursores do pensamento médico ocidental atual, tomando este como verdade científica: Joseph Needham

Estudar a medicina como um aspecto da cultura chinesa: Paul Unschuld

Uma das características da civilização chinesa é sua capacidade sincrética. Contrariamente ao ocidente, na China os novos conceitos não anulavam os anteriores e sim, conviviam ao mesmo tempo. Não havia um processo dialético de síntese e nem a substituição do paradigma antigo por um novo. Isto fez com que conceitos contraditórios fossem usados ao mesmo tempo para explicar um fenômeno.

Desta forma, podemos encontrar os seguintes aspectos no que chamamos medicina chinesa:

Terapia oracular

Medicina sobrenatural ou dos demônios

Cura religiosa

Terapia farmacológica pragmática

Medicina budista

Medicina de correspondência sistemática

Com relação ao elo causal necessário à explicação da doença, podemos encontrar duas formas de pensamento na medicina chinesa:

Relações de causa-efeito entre fenômenos correspondentes

Relações de causa-efeito entre fenômenos não correspondentes

Fenômenos seriam manifestações de um número variável de princípios; fenômenos que são manifestações de um mesmo princípio são correspondentes: mudança em um afeta o outro. Na correspondência sistemática há um número limitado de princípios. Todos os fenômenos podem ser classificados como um dos dois ("yin yang") ou um dos cinco ("Cinco Fases" wu xing) princípios. Outra possibilidade seria a dos fenômenos coexistirem independentemente e, sob determinadas condições, exercerem influências mútuas benéficas ou prejudiciais. O vento, a umidade, a comida poderiam, em certas condições, afetar o homem.

Segundo Unschuld, a pluralidade de conceitos envolvendo causalidade da doença é inevitável numa sociedade onde grupos diferentes coexistem em realidades socioeconômicas diferentes; mudança nestes conceitos é inevitável numa sociedade onde ocorre mudança sociopolítica básica; conceitos de saúde antigos sobrevivem em grupos sociais que continuam a seguir uma ideologia sociopolítica coerente; um grupo que esteja em busca de influência política ou de domínio criará ou apoiará um conjunto específico de conceitos terapêuticos consistentes com suas normas sociais. Com estas noções em mente podemos então passar para a história propriamente dita.

Medicina na Era Shang

A era Shang foi a primeira a deixar sinais de atividades terapêuticas, segundo achados arqueológicos datados dos séc. 18-16 AC, no curso médio do Rio Amarelo.

Já havia uma forma precursora da escrita ideográfica, que era encontrada em carapaças de tartarugas e ossos de animais usados como oráculo. Estas carapaças e ossos eram perfurados e submetidos ao calor; as rachaduras resultantes eram interpretadas pelo rei ou por um adivinho.

As bases econômicas eram a agricultura e o gado. Existiam pequenas cidades onde vivia a nobreza, enquanto a maior parte da população habitava o campo.

A comunidade era formada pelos vivos e pelos mortos, os ancestrais, que dependiam dos vivos e seus rituais, enquanto os vivos eram dependentes dos favores ou maldições dos seus ancestrais.

Ti era o ancestral supremo, que provia assistência nas colheitas e nas guerras, e que era influenciado pelos ancestrais do rei.

Os Shang já reconheciam algumas (poucas) doenças, a mais importante delas sendo "maldição de um ancestral", cujos sintomas poderiam abranger desde dor de dentes até derrota na guerra.

Os procedimentos preventivos e terapêuticos envolviam presentes e oferendas aos ancestrais.

Há referências a outras causas de doenças, como "vento maligno" ou "neve", que seriam combatidos através dos shamans.

Medicina na Era Chou

Os Shang concentravam sua autoridade na capital, enquanto as regiões externas eram frágeis frente à agressão estrangeira. Por causa desta fragilidade, os Chou tomaram o poder em 1100 AC, fundando a era que toma seu nome.

A era Chou foi um período de equilíbrio sociopolítico, num sistema similar ao feudalismo europeu. Foi um tempo de paz que se interrompeu em 771 AC, com a perda gradual do poder imperial após uma série de lutas sucessórias, até 481 AC, quando se iniciou o período chamado "Estados em Guerra", em que houve um acentuado declínio moral, as velhas ordens e regras perdendo o sentido, não havendo mais o conceito de "honra" que incluia até a ética da guerra, cujo objetivo passara a ser não mais a derrota do inimigo e sim sua total aniquilação.

Estes pequenos estados em guerra criaram um mundo caótico, e o período estável do início da era Chou passou a ser considerado e lembrado como um tempo idílico. Confúcio nasceu neste período conturbado, e sua filosofia buscaria o tempo idílico, de harmonia e paz, do início da era Chou.

Em 221 AC o estado Ch'in conseguiu a supremacia sobre os outros e unificou a China. O novo rei, Shih Huang Ti, rejeitou os valores feudais que ainda restavam, e fundou um estado baseado no crescimento de riqueza material e poder militar, adotando o pensamento dos Legalistas, que preconizava um sistema rígido de leis, padronizando pesos, medidas, até a largura das estradas. Shih Huang Ti ordenou a queima de toda a literatura que não fosse científica ou religiosa, mas morre 11 anos depois de tomar o poder, começando então a era Han.

Durante a era Chou, a causa dos infortúnios, antes baseada nos ancestrais e suas influências sobre os vivos, passa a tomar em conta a percepção de que "demônios" teriam importância na vida cotidiana.

A harmonia nos relacionamentos não seria mais mantida pelos ancestrais, e foram criados mitos reconhecendo "demônios" que exerceriam influências maléficas sobre o homem. Cresce de importância a presença dos shamans Wu. Estes shamans utilizavam seu acesso aos espíritos mais graduados para controlar os demônios, através de exorcismos, geralmente usando espadas e lanças. Há a atribuição de horas ou dias determinados como os mais apropriados para os rituais shamânicos. São utilizados talismãs, que são queimados e administrados sob a forma de poções, assim como drogas medicinais que serviriam para expulsar os demônios do corpo, especialmente venenos, usados como amuletos ou incensos, plantas com a aparência de armas ou cujo nome pudesse ser associado a uma arma.

Contrariamente à medicina na era Shang, o respeito às regras, ritos e convenções sociais não era proteção contra a doença.

Há o surgimento de uma forma rudimentar de acupuntura, onde agulhas sob a forma das espadas dos exorcistas eram inseridas ou pressionadas sobre treze pontos determinados da superfície da pele, para tratar as doenças causadas pelos demônios. Esta forma de acupuntura não teria como objetivo tratar as doenças em si, e sim, expulsar e combater os demônios. Não há indícios de acupuntura terapêutica no sentido real antes de 90 AC.

A Medicina de Correspondência Sistemática

Como vimos anteriormente, correspondência sistemática, no caso da medicina Chinesa, significa o reconhecimento de um sistema no qual os fenômenos se qualificam segundo princípios, e fenômenos de igual qualificação teriam poder de influência mútua. Se A e B são classificados como yang, por exemplo, agir sobre A causaria um efeito similar em B, pois pertencem à mesma classificação sistemática. Na Medicina Chinesa os princípios básicos são "yin yang" e "Cinco Fases" (wu xing), que veremos em capítulos a seguir.

O caos existente na era "Estados em Guerra" motivou o surgimento da forma de pensar que caracteriza a medicina de correspondência , que tem como pontos principais: a crença mágica na unidade da natureza; o uso dos princípios "yin yang" e "cinco fases"; englobar alguns conceitos oriundos da medicina dos demônios; o conceito de "Qi" como a base da vida, que seriam "influências materiais sutis", segundo Unschuld, sendo que esta forma de pensar apresentaria certas características da estrutura do império chinês por fim unificado, como veremos adiante.

O princípio "yin yang" surge por volta do quarto século AC, sendo sua primeira citação encontrada no "Shih Chi". No livro "Huang Ti Nei Ching" encontramos a sua primeira aplicação em medicina. Existiram várias escolas baseadas no "yin yang", algumas usando quatro subdivisões, outras seis subdivisões, e o "Nei Ching" é uma tentativa de integrar estas várias correntes com as "Cinco Fases". Uma grande dificuldade que encontramos no estudo de alguns destes conceitos é que às vezes o mesmo termo pode significar conceitos diferentes, em função do contexto onde se insere.

Apesar de encontrarmos em várias citações o Taoísmo como sendo a base da medicina chinesa, Unschuld demonstra ser o Confucionismo o maior contribuinte em relação ao modo de pensar da Medicina de Correspondência Sistemática. O "Nei Ching", tratado fundador desta medicina, cita quase textualmente um trecho de Hsun Tzu, seguidor de Confúcio, que diz que o indivíduo e a sociedade podem ser ameaçados por processos naturais, mas que a prevenção seria adotar as medidas apropriadas. O próprio Confucionismo adotou o "yin yang" e as "Cinco Fases" para explicar mudanças sociais e políticas.

A Medicina de Correspondência Sistemática usa termos bélicos, influência da sua fase formativa nos "Estados em Guerra". Os males não seriam causados por demônios, e sim por influências e emanações abstratas ou concretas. Surge o conceito de "Qi" , possivelmente originário da idéia do "vento" como uma entidade causadora de doenças, idéia por si que nasce no conceito de demônios.

Em princípio, "Qi" seria somente a influência malévola, mas com o tempo evoluiu para o conceito atual, aproximadamente "influências materiais sutis", como vimos acima. (Para uma discussão mais aprofundada sobre a tradução de "Qi", veja em "Qi e Energia:Tradução, Tradição, Traição"). Surgem os conceitos de "repleção" e "depleção": "repleção" seria a supremacia de influências malévolas, enquanto "depleção" seria a perda das influências apropriadas do organismo.

A saúde e a harmonia seriam consequência de não haverem extravagâncias ou excessos, sejam alimentares, sexuais, climáticos ou morais.

A patologia na Medicina de Correspondência Sistemática constituia em:

1)"repleção" ou "depleção" nos órgãos Zang Fu

2)obstrução nos canais ou meridianos Ching.

Podemos entender o surgimento destas idéias se associarmos que, nesta mesma época, o império se unia e se integrava, surgindo grandes metrópoles, desenvolvendo-se o comércio e as trocas, com a necessidade da melhora dos meios de transportes, assim como da construção de grandes depósitos que assegurassem o fornecimento de grãos à população. Nasce um sistema complexo cujo funcionamento dependia de que as relações entre as partes deste sistema estivessem harmonizadas.

O bem estar geral dependia da troca de recursos entre as partes do sistema. A terminologia médica usou os termos e os conceitos empregados no sistema como um todo: Zang, depósitos ou órgãos onde o Qi se armazenava; Fu, palácios por onde o Qi passava; Ching-Lo, canais que uniam todo o sistema, como os rios e canais da China integravam o império. Refletindo o que ocorre na irrigação dos campos e na navegação dos rios, era necessário que este fluxo fosse contínuo, sem obstruções ou transbordamentos, que levariam a falhas na distribuição dos bens, causando deficiência nos centros de consumo e excesso nos centros de produção. A Medicina de Correspondência Sistemática tem como objetivo então identificar e localizar estas obstruções, deficiências e repleções, tratando através da normalização do fluxo do Qi nos canais (ou meridianos), não se valorizando a anatomia, e sim as funções envolvidas.

A Acupuntura

A primeira descrição histórica da acupuntura como terapêutica é feita por Ssu Ma Ch'ien no "Shih Chi", 90AC. Foram descobertos recentemente nas tumbas encontradas em Ma Wang Tui livros que descrevem onze canais separados, cada um associado a uma gama de sintomas específicos, sem referência a pontos de acupuntura. Não se explicita nestes livros que tipo de circulação haveria, ou se haveria tal circulação, e somente quatro destes canais são associados aos órgãos. O tratamento seria efetuado através da queima de lã de Artemísia, ou "moxa", ou pela punção de abcessos feita com pedras ponteagudas.

O "Nei Ching" traz a primeira sistematização de todos os conceitos de saúde existentes no final da era dos "Estados em Guerra" e início da era Han. Surgem os pontos como locais de estímulo, os doze canais e a associação entre canais e órgãos. É um livro algumas vezes contraditório, possivelmente escrito por vários autores de épocas diversas, e que engloba conceitos antagônicos, bem ao modo sincrético da cultura chinesa.

Posteriormente o "Nan Ching" refina a Medicina de Correspondência Sistemática, definindo as regras e procedimentos que seriam utilizados pela acupuntura até os nossos dias. Somente na era Song surge outra obra importante, o "Da Cheng", que reúne a experiência prática de acupuntura existente nesta época. O "Nan Ching" foi um pouco esquecido como referência básica nos séculos seguintes, a visão sincrética e controversa do "Nei Ching" se estabelecendo como a principal, inclusive tendo sido a que primeiro se conheceu no Ocidente.

A Acupuntura no Ocidente

Notícias sobre uma forma exótica de medicina praticada pelos chineses já chegavam ao Ocidente desde 1255, com a "Viagem à Terra dos Mongóis", de William de Rubruk. Padres jesuítas portugueses, ao viverem longos períodos no Japão à partir do século 16, puderam conhecer mais detalhes da forma japonesa de praticar a medicina chinesa. No século 17 começaram os relatos médicos propriamente ditos, feitos por médicos ocidentais que viveram na Ásia, como Jakob de Bondt, Buschof, Willem ten Rhijne, Engelbert Kaempfer. Houve então um período de enorme interesse pela acupuntura, que já havia passado quando Dabry de Thiersant publicou em 1863 "A Medicina dos Chineses", citando inclusive trechos do "Da Cheng".

Talvez por causa da presença francesa na Indochina, somente na França ainda encontraríamos algum interesse esporádico em acupuntura, até que Soulié de Morant publicou "A Acupuntura Chinesa". Soulié de Morant tentou despertar o interesse médico pela acupuntura, porém o fato de não ser médico contribuiu para uma reação negativa por parte da comunidade científica da época.

Alguns dos termos empregados por ele, como "energia", "meridianos", permanecem em uso até hoje em algumas escolas ocidentais de acupuntura.

Depois, surgem os trabalhos de Chamfrault, e Niboyet, médicos franceses pioneiros, além de Nguyen van Nghi, médico vietnamita que vive na França. O interesse da comunidade médica foi finalmente aceso quando houve a notícia de que o jornalista americano James Reston foi tratado com acupuntura, e de que na China a acupuntura era usada como analgesia em cirurgias. Várias clínicas de dor crônica passaram a usá-la como terapia, e com o despertar do movimento alternativo, mais e mais médicos passaram a se interessar pela acupuntura.

Fonte: www.acupuntura.org

Acupuntura

História da Acupuntura

Datas Históricas

500 - 300 a.C. - NEI JING (Tratado do Interno)

È o livro de Medicina Interna mais antigo do mundo que ainda é estudado, servindo como base da Medicina Tradicional Chinesa. Foi traduzido para o inglês, francês, espanhol e português. A obra está em forma de diálogo entre o imperador e o primeiro-ministro Khi Pa. É composto de duas partes: SU WEN e LING SHU.

SHU WEN significa “consultas” e mostra as bases da MTC.

LING SHU significa “alma dos estudos” e contém as essências da Acupuntura.

481 - 221 a.C. – NAN KING (Tratado das Dificuldades)

Apresenta interpretações dos trechos mais polêmicos do Neijing.Século I – SHENG NONG BEN CAO JING (Fitoterapia do Agricultor Divino).265 d.C. – ZHEN JIU KIA YI JING (Tratado dos Princípios Fundamentais).

Século II - (Tratado das Doenças Febris causadas pelo Frio e das Outras Doenças)

Zhang Zhongjing na dinastia Han do Leste (25 a 220 d.C.)Dinastia Jin (265 a 420 d.C.) – SHANG HAN LUN (Tratado das Doenças Febris causadas pelo Frio)Compilado de 10 capítulos do livro anterior por Wang Shuhe.Dinastia Song (960 -1279 d.C.) – JIN KUI YAO LUE FANGLUN (Sinopse das Prescrições do Cofre de Ouro).Compilado dos 6 capítulos restantes do livro de Zhang Zhongjing.

1027 d.C. – Atlas e Bonecos de Bronze

Boneco de bronze de tamanho natural contendo pontos e meridianos. Os pontos estão perfurados. Dizem que as provas, é passada uma camada de cera sobre o boneco e colocada água no interior. Caso o aluno consiga acertar o ponto com agulha o líquido escorreria do boneco. Se isso não acontecesse...

1596 d.C. – BEN CAO GANG MU (Compendio Geral da Matéria Médica).

Li Shi Zhen traz 1892 substâncias medicamentosas (1173 ervas, 444 do reino animal e 275 do reino mineral) sendo traduzido para inglês e francês.

1601 d.C. – ZHEN JIU DA CHENG (Grandes Avanços da Acupuntura e Moxabustão).

Yin e Yang

Acupuntura

TAOYin e Yang

Teoria Zang Fu

De acordo com a m.t.c. a estruturas internas estão divididas em três grupos: as cinco vísceras, os seis intestinos e as estruturas extraordinárias. As cinco vísceras (que seriam os órgãos yin) são: o coração (inclui aqui o pericárdio) , o fígado, o baço, o pulmão e os rins. A sua característica principal é a preservação das substâncias vitais. Os seis intestinos (que seriam as vísceras yang) são: a vesícula biliar, o estômago, o intestino grosso, o intestino delgado, a vesícula biliar e o triplo aquecedor. Estes têm como característica principal o transporte, a digestão e absorção dos alimentos e da água. As estruturas extraordinárias (órgãos especiais) referem-se ao cérebro, a medula, os ossos, os vasos sanguíneos, a vesícula biliar e no caso das mulheres, o útero.

Estudo das Cinco Vísceras - Zang (Órgãos Yin)

1. O Coração (Xin) e o Pericárdio (Xin Bao)

O coração esta situado na caixa torácica, posicionado levemente à esquerda do centro. A m.t.c. acredita que é o mais importante órgão do corpo humano e governa todas as vísceras e intestinos. O "Cânone da Medicina diz: O coração é o monarca de todas as estruturas". A m.t.c. também divide as funções do coração em coração yin (essência vital) e coração yang ( função vital). O primeiro refere-se à estrutura material do coração, inclusive o sangue do coração. A segunda refere-se à função do coração, incluindo o tchi (atividade funcional).

As funções do coração são:

Controlar a circulação de sangue dos vasos.

Carregar a atividade mental.

Controlar os suor e os fluídos do coração.

O coração mostra-se pela língua e pela face.

O coração é a morada do Shen (Ling).

O coração controla o Shen (Hsin e o Yi).

Obs.:O pericárdio é o invólucro do coração. A sua principal função é proteger o coração dos fatores patogénicos exógenos que podem atacar o coração.

2. Os Pulmões (Fei)

O pulmão esta localizado na caixa torácica e é dividido em duas estruturas, uma do lado esquerdo com dois lóbulos, e outro do lado direito com três lóbulos. Está conectado com os brônquios, com a laringe, com a traqueia e com o nariz. O pulmão pode ser dividido em pulmão yin, que é a estrutura pulmonar, o tchi do pulmão e a função yang, que é o sangue do pulmão. As funções fisiológicas do pulmão são:

Carregar e transportar o tchi.

Nutrir o corpo com oxigénio e eliminar o gás carbónico.

Formar o Zhong Qi, portanto também é responsável pela formação de sangue.

Controlar e regular a ascensão e descensão do tchi.

Ativar a fluidez de tchi, a essência dos alimentos e dos fluídos corporais, purificar o ar inspirado, conservar a fluidez para baixo e auxiliar a conservação normal do metabolismo da água.

Cuida da pele e do cabelo e mostra-se através do nariz.

3. O Baço (Pi)

A m.t.c. acredita que o baço está colocado na parte central do corpo. É um órgão muito importante do sistema digestivo. A parte yin está relacionada com a estrutura e o sistema digestivo. Enquanto a parte yang esta relacionada com as funções do coração. As funções do baço são:

Transportar, distribuir e transformar os nutrientes.

Promover o metabolismo da água.

Mantém o sangue dentro dos vasos.

Está relacionado com a qualidade dos músculos, dos membros e dos lábios.

4. O Fígado (Gan)

O fígado está na parte superior do abdómen do lado direito do corpo. A m.t.c. faz diferenciação entre o fígado yin que tem função da estrutura material incluindo o sangue armazenado nele. O fígado yang inclui a função do tchi do coração (distribuição). Funções do fígado:

Aplainar e regular a função de fluidez da energia vital e do sangue.

Regula a mente e o génio.

Promove a digestão e a absorção.

Guardar o tchi e o movimento normal do sangue.

Armazenar e regular o sangue.

Tem relação com os tendões, unhas e olhos.

5. Os Rins (Shen)

Os rins estão localizados na região lombar, ao lado da coluna vertebral. A m.t.c. classifica em yin do rim , o que inclui a estrutura material e o jing qi inato, em yang do rim, o que inclui a sua parte funcional e o calor.

O tchi dos rins é produzido pelo jing qi inato. As funções dos rins são:

Reservatório do Jing Qi Inato e adquirido.

Regulação do metabolismo da água.

Controlar e promover a inspiração.

Determinar a condição dos ossos e da medula.

Manifesta-se através do cabelo e do calor.

Manifesta-se nos ouvidos, nos órgão genitais e no orifício retal.

O Estudo dos Seis Intestinos - Fu (Vísceras Yang)

1. A Vesícula Biliar - Dan

A vesícula biliar é acoplada ao fígado. Ela é oca e ela tem a forma de uma cápsula. As suas funções são:

Armazena e excreta a bílis.

Controla a coragem e a força de vontade.

2. Estômago - Wei Wan

Na m.t.c. o estômago pode ser dividido em: parte superior do estômago, que inclui a cárdia - Shang Wan; parte baixa do estômago, que inclui o piloro - Xia Wan; parte área/vazia entre o Shang Wan e o Xia Wan, chama-se Zhong Wan e todas as três partes juntas chamam-se Wei Wan. A principais as funções do estômago são a digestão e transformação dos alimentos e da água. A sua energia flui descendendo.

3. Intestino Delgado - Xiao Chang

As principais funções do intestino grosso são:

Receber, transformar e absorver os alimentos.

Separar o puro do impuro.

4. Intestino Grosso - Da Chang

Eliminar a fezes.

Absorver a água excessiva originária da formação das fezes.

5. Bexiga - Pang Guang

A principal função da bexiga é servir de receptáculo da urina e eliminar esta.

6. O Triplo Aquecedor - San Jiao

O termo triplo aquecedor é peculiar para a m.t.c. Ë o nome coletivo do aquecedor superior, médio e inferior. O aquecedor superior engloba o diafragma, coração e pulmão. O aquecedor médio engloba o estômago e o baço. E o aquecedor inferior engloba o fígado, rim, bexiga e os intestinos.

Funções do triplo aquecedor:

Controlar a atividade do tchi no corpo humano.

Controlar a respiração, a atividade da fluidez da energia vital, do sangue e dos líquidos corporais.

Distribuir os nutrientes e o tchi.

Transformar e transportar os alimentos e a água.

Fornecer energia para os Zang/Fu.

Nutrir e fortalecer a energia sexual.

Órgão Extraordinários

A m.t.c. considera que o cérebro, a medula, os ossos, os vasos, a vesícula biliar e o útero fazem parte dos órgãos extraordinários.

1. O Cérebro

A medula tem sua origem no cérebro que esta contido na cavidade cranial. O capítulo do clássico médico "Miraculous Pivot" diz: "O Cérebro é o mar da Medula". As funções do cérebro são:

Controlar a atividade mental e o pensamento.

Guiar os sentidos e a atividade da linguagem.

2. O Útero

O útero está localizado na parte inferior do abdómen feminino. As suas funções são:

Produzir a menstruação.

Morada do feto.

3. Da medula, vesícula biliar, dos ossos e dos vasos já foram comentados quando falámos dos cinco elementos, do órgão coração e vesícula biliar.

Cinco Elementos

Acupuntura

ELEMENTO MADEIRA

Tem como característica a Essência da Vida, o Crescimento, o Grupo, a Socialização das pessoas.

FÍGADO -É o centro do metabolismo. Ele coordena e determina o ritmo de atividade dos demais órgãos do corpo. É um órgão de eliminação de toxinas e resíduos em todos os níveis: físico, mental e psíquico. Pode acumular tensões provenientes de raiva e aborrecimentos.

O meridiano comanda as múltiplas funções do fígado, especialmente as relacionadas com o metabolismo, a sexualidade, a musculatura e a acuidade visual. Age sobre as dores no fígado e estômago. Atua nas moléstias da parte inferior do corpo.

VESÍCULA BILIAR -Comanda a função biliar total: sistema excretor e secretor, intra e extra-hepático; é um órgão de eliminação.

É denominado "o meridiano dos hipocondríacos". É indicado no tratamento das doenças psicossomáticas; age sobre a coragem e o espírito de determinação, sobre as dores nos olhos, dificuldades de audição, tonturas, depressão, enxaquecas.

Pode acumular disfunções provenientes de muita dúvida.

ELEMENTO FOGO (IMPERIAL)

Caracteriza o calor psíquico e emoções superiores, a regência, a micro-associações de pessoas.

CORAÇÃO -Faz circular os produtos do metabolismo. Representa o centro do amor e segurança.

O meridiano comanda a função cardíaca. Age sobre a temperatura do corpo e uma parte do psiquismo: a coragem moral. Atua sobre a boca e garganta, dor ou frio no braço esquerdo.

INTESTINO DELGADO -Órgão de eliminação e de transformação da energia dos alimentos. Representam a libertação dos desperdícios.

O meridiano atua sobre o intestino delgado e sua função de absorção dos alimentos transformados no estômago. Relaciona-se à compreensão dos princípios superiores e à nutrição espiritual (separa o puro do impuro). Atua na surdez, olhos amarelados, dor no cotovelo, na nuca, inchação no rosto.

ELEMENTO FOGO (MINISTERIAL)

Caracteriza-se pela energia de reserva para os demais meridianos, porta da vida é o "Embaixador da Felicidade e da Alegria".

CIRCULAÇÃO-SEXO

Representa uma função reguladora da sexualidade e das secreções sexuais internas e externas; atua sobre o coração, a circulação e os órgãos sexuais.

Relaciona-se com a atividade parassimpática e com o transporte de hormônios, enzimas e produtos do metabolismo intermediário através da circulação sanguínea. Atua sobre axilas inchadas, cãibras, peito inchado, sensação geral de melancolia.

TRIPLO-AQUECEDOR -Representa uma função reguladora do equilíbrio térmico; é responsável pela produção do calor animal resultante da transformação energética dos alimentos.

Relaciona-se com a circulação e as seguintes etapas do processo metabólico:

1. Respiração;

2. Digestão:auxilia a digestão do Intestino Delgado e conduz os produtos do processo digestivo para os Pulmões;

3. Sistema Genito-Urinário:responsável pela excreção dos detritos.

ELEMENTO TERRA

Caracteriza o desenvolvimento físico do corpo; o intelecto, a espiritualidade.

BAÇO-PÂNCREAS -Retém energia de reserva. É o órgão da resistência a mudanças.

O meridiano atua sobre a função combinada dos órgãos: o baço regula o sangue e o pâncreas regula as reservas de glicogênio (depositado no fígado) através da secreção de insulina. Age sobre o desenvolvimento mental, moral e intelectual; sobre o sistema genital e seu psiquismo. Atua nos enjôos, soluços, indigestão, diarréia, indisposição geral. Age também nas moléstias da parte central do corpo.

ESTÔMAGO -Recebe alimentos e os prepara para o metabolismo. É a relação administrativa das idéias e dos pensamentos.

O meridiano atua sobre o estômago e o duodeno nas suas funções digestivas transformadoras do alimento; relaciona-se à digestão física, mental e psíquica (a habilidade de digerir a vida); atua nas dores de cabeça, calafrios e flatulência. Atua nas moléstias da parte frontal do tórax.

ELEMENTO METAL

Caracteriza os produtos da terra; o ar e a energia prânica, os valores pessoais relativos à riqueza.

PULMÃO -Recebe o oxigênio para o metabolismo; é um órgão de reserva de energia vital e da habilidade de aceitar a vida.

O meridiano atua sobre os pulmões e as vias respiratórias na sua função de absorção e eliminação de substâncias gasosas; estimulado, age sobre todas as deficiências respiratórias.

INTESTINO GROSSO -Expele o desnecessário para o metabolismo; órgão de eliminação afeta toda a eliminação através do corpo (pele, muco etc.). Eliminação de coisas velhas e não mais desnecessárias.

O meridiano atua sobre o intestino grosso e suas funções de absorção líquida e eliminação de resíduos pesados; atua nas moléstias da parte superior do corpo.

ELEMENTO ÁGUA

Condutor básico, ou químico, da vida; é a fonte da existência física, da vida.

RINS -Órgão de energia de reserva, expelem os subprodutos do metabolismo. É o órgão do desapontamento, da tristeza e melancolia.

O meridiano atua sobre os rins e as glândulas supra-renais, contribuindo para a purificação do sangue e para a regulação de todos os líquidos do corpo. Relaciona-se diretamente com a energia sexual e problemas genitais, apetite sexual, medo, insegurança, determinação.

BEXIGA -Órgão de eliminação de toxinas liquidas e emoções negativas (Yin). Está relacionado com medo extremo, negação da própria vida.

O meridiano comanda toda a função eliminadora renal, e atua diretamente sobre o psiquismo; regula as inconstâncias de caráter causadas por doenças prolongadas. Ação para olhos doloridos, hemorróidas, rupturas, dedos dos pés duros, dores nas articulações e dores de cabeça. Atua nas moléstias das costas.

A teoria dos tipos psicológicos Junguianos e suas semelhanças com os tipos constitucionais Coreanos

1. TIPOS PSICOLÓGICOS – C.G. JUNG

Jung identificou quatro funções psicológicas fundamentais

PensamentoSentimentoSensaçãoIntuição

Estas funções podem ser experimentadas de maneira INTROVERTIDA ou EXTROVERTIDA.

1.1 INTROVERSÃO E EXTROVERSÃO:

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA INTROVERSÃO:

O movimento da energia consciente é em direção ao mundo interior.

A realidade interior é de vital importância

“Costuma ser caracterizada por uma natureza vacilante, meditativa, reservada, isolada dos outros, recua diante dos objetos e está sempre na defensiva”.

Há o “medo do objeto”.

A força motivadora (julgamentos, percepções, sentimentos, afeto e ações) vem de fatores internos ou subjetivos.

As pessoas introvertidas são conservadoras, preferem o lar e amigos íntimos.

Considera o extrovertido um fanfarrão superficial.

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA EXTROVERSÃO

O movimento da energia consciente é em direção ao mundo exterior.

O objeto (as coisas, as outras pessoas), a realidade exterior é de vital importância.

“Costuma ser caracterizado por uma natureza saliente, franca, que se adapta com facilidade às situações propostas, estabelece rapidamente ligações e, pondo de lado qualquer tipo de apreensão arrisca-se, com despreocupada confiança, a viver situações desconhecidas”.

Há o “medo do que está dentro”.

Suas forças motivadoras são os fatores externos

As pessoas extrovertidas gostam de viajar, de encontrar novas pessoas, de conhecer novos lugares. São aventureiros e têm vida social intensa.

Considera o introvertido desmancha prazeres, maçante e negativo.

1.2 AS QUATRO FUNÇÕES

Jung chamou de FUNÇÕES RACIONAIS OU DE JULGAMENTO, o pensamento e o sentimento, e de FUNÇÕES IRRACIONAIS OU DE PERCEPÇÃO, a intuição e a sensação.

1.2.1 FUNÇÕES RACIONAIS (DE JULGAMENTO):.PENSAMENTO (FOGO)

É racional por ser função de discriminação lógica (julgamento).

Refere-se ao processo de pensamento cognitivo.

Nos diz do que se trata aquilo que existe.

São tipos reflexivos, são planejadores.

Julgam em termos de lógica e eficiência.

SENTIMENTO (ÁGUA)

É racional porque avalia do que gostamos.

É discriminatória e reflexiva.

É a função do julgamento ou da avaliação subjetiva.

Nos dá o valor.

Tomam decisões de acordo com um julgamento de valores próprios: bom ou mau, certo ou errado.

Preferem emoções fortes e intensas, ainda que negativas, a experiências “mornas”.

1.2.2 FUNÇÕES IRRACIONAIS (DE PERCEPÇÃO)

SENSAÇÃO (TERRA)

Vê o que está no mundo exterior

É a percepção através dos órgãos dos sentidos.

Nos assegura que algo existe.

INTUIÇÃO (AR-METAL)

Vê (capta) o que está no mundo interior

É a percepção através do inconsciente.

Nos dá um palpite do que podemos fazer com isso.

1.2.3 FUNÇÃO SUPERIOR E FUNÇÃO INFERIOR

O ideal seria ter acesso consciente à função exigida ou apropriada para cada circunstância, mas não há controle consciente. Cada pessoa tem uma função fortemente dominante, chamada de SUPERIOR OU DOMINANTE, e a mais utilizada, porque é onde o indivíduo tem mais facilidade.

Outras são relativamente INFERIORES. As FUNÇÕES INFERIORES permanecem num estado mais ou menos primitivo e infantil, às vezes semiconsciente ou totalmente inconsciente.

A FUNÇÃO INFERIOR guarda uma grande concentração de vida (sombra), e a pessoa tem pouco entendimento ou controle sobre ela. Na meia idade, aspectos da personalidade sempre negligenciados são cobrados. Este processo gera sofrimento, pois para elevar a função inferior ao nível da consciência, é necessário inferiorizar a função superior.

A FUNÇÃO INFERIOR é autônoma. Ex: vai desde a paixão até a raiva cega (desequilíbrio no eixo madeira-metal do tipo I)

Temos também a FUNÇÃO AUXILIAR, que é consciente e parcialmente desenvolvida. É de natureza diferente da superior, porém não antagônica. FUNÇÃO RACIONAL + FUNÇAO IRRACIONAL E VICE VERSA.

Ex: PENSAMENTO PRÁTICO está associado à SENSAÇÃO PENSAMENTO FILOSÓFICO, CIENTÍFICO está associado à INTUIÇÃO.

INTUIÇÃO ARTÍSTICA está relacionada com o SENTIMENTO

INTUIÇÃO FILOSÓFICA sistematiza sua visão através do PENSAMENTO.

Quanto mais desenvolvidas e conscientes forem às funções dominante e auxiliar, mais profundamente inconscientes serão seus opostos..

2. CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS TIPOS PSICOLÓGICOS JUNGUIANOS E SUAS CORRELAÇÕES COM OS TIPOS CONSTITUCIONAIS COREANOS

2.1 INTUIÇÃO EXTROVERTIDA (METAL – TIPO I – TAI YANG)EXCESSO EM METAL E FALTA EM MADEIRA

EXCESSO EM METAL

Tem grande facilidade em perceber o que está acontecendo nos bastidores. Ele vê através da camada externa. Onde a sensação vê uma coisa ou pessoa, o intuitivo vê a sua alma. Há uma maior conexão com o céu do que com a terra (excesso em metal-ar).

Está sempre a espreita de novas oportunidades e entedia-se com as coisas como elas são. A dificuldade está no elemento (madeira-terra), o que significa que as questões referentes ao dia a dia tomam uma proporção de dificuldade maior do que para os outros tipos.

Dão pouca atenção ao corpo, não percebendo quando estão cansados ou famintos.

Para por em prática as possibilidades da intuição, é necessário o pensamento (fogo) e a sensação (madeira).

Como a madeira gera o fogo e provavelmente este também é deficiente, isto explica a falta de praticidade que lhes é atribuída, sendo às vezes subjetivo demais aos olhos dos outros tipos.

2.2 INTUIÇÃO INTROVERTIDA (METAL – TIPO I – TAI YANG) EXCESSO EM METAL E FALTA EM MADEIRA

FALTA EM MADEIRA

Em uma vertigem, o indivíduo sensação perceberá todas as sensações corporais, o já o intuitivo exploraria cada detalhe das imagens suscitadas pelo distúrbio.

Todo o intuitivo tem a capacidade de pressentir o futuro, mas o introvertido se dirige para o interior como os profetas, poetas, artistas, xamãs.

São confusos, perdem-se facilmente, esquecem coisas e compromissos.

Tem dificuldade sexual pela pobre noção sobre o seu corpo e do parceiro.

A função Sensação (inferior) leva a uma natureza sensual, libidinosa e, devido à carência de julgamento, acaba fazendo alusões sexuais obscenas e socialmente inadequadas.

2.3 PENSAMENTO EXTROVERTIDO (FOGO – TIPO II – SHAO YANG) EXCESSO EM FOGO – FALTA EM ÁGUA

HIPERENERGIZAÇÃO EM FOGO

O indivíduo tem a vida governada pelo pensamento

É condicionado por dados objetivos transmitidos pela percepção sensorial.

É organizado, faz funcionar (fogo), percebe o que está errado em um projeto, por ex.

Seus parâmetros básicos são as idéias, os ideais, as regras e os princípios objetivos. Pouca atenção é dada ao sujeito em questão.

O difícil é a ligação com o outro.

É o indivíduo que está na frente em uma batalha (guerra, por ex.), é o executivo, o professor com uma linha lógica de raciocínio.

2.4 PENSAMENTO INTROVERTIDO (FOGO – TIPO II – SHAO YANG) EXCESSO EM FOGO – FALTA EM ÁGUA

REDUÇÃO DE ENERGIA EM ÁGUA

Não é prático. Tende a ser mais teórico porque o fogo que tem a propriedade de expansão; como se trata de um introvertido, ele fica contido (para dentro), então não se expande (para.fora) como no tipo pensamento extrovertido, o que traria a objetividade e a praticidade característica deste último.

Podem se perder na fantasia. Criam teorias aparentemente baseadas na realidade, mas na verdade, estão vinculadas a uma imagem interior (o fogo está contido).

Na perseguição de suas idéias, geralmente são teimosos e nada sujeitos a influências. Não possuem a maleabilidade da água.

São pesquisadores

FUNÇÃO INFERIOR: SENTIMENTO EXTROVERTIDO: Amam, mas não sabem como expressar.Às vezes não sabem como se sentem.

Desvia-se da pessoa que ama, como se ela fosse um elemento perturbador. A água é o elemento que traz a facilidade com as emoções e as respostas do sentimento.

2.5 SENSAÇAO EXTROVERTIDA (TIPO III – TAI YIN) EXCESSO EM MADEIRA E FALTA EM METAL

EXCESSO EM MADEIRA

A pessoa está mais conectada com a terra (excesso em madeira), então tem a percepção dos fatos objetivos bem desenvolvida, mas tem pouca paciência com a realidade abstrata (falta em metal - ar).

A pessoa depende dos objetos. Sua reação depende do próprio objeto.

Procurará pessoas ou situações que provoquem fortes sensações.

A percepção dos fatos objetivos é bem desenvolvida, mas tem pouca paciência com a realidade abstrata.

Mestres em pequenas coisas, são organizados, não esquecem de compromissos e são pontuais.

Não perdem as coisas e não esquecem.

Bom gosto estético

Gostam de esportes e festas.

São os profissionais de moda, atletas, etc.

Seu amor depende do atrativo físico da pessoa amada.

As vontades, sentimentos e pensamentos do outro não importam, mas vêm detalhes como novo penteado.

A intuição inferior leva a pensamentos de desconfiança, verão possibilidades de desgraças, idéias sombrias.

2.6 SENSAÇAO INTROVERTIDA (TIPO III – TAI YIN) EXCESSO EM MADEIRA E FALTA EM METAL

FALTA EM METAL

É guiado pela intensidade da sensação subjetiva. Como uma chapa fotográfica que capta minúcias: como o outro se sente, expressão do rosto, etc.

O extrovertido retrataria um reflexo realista do objeto, o introvertido a impressão provocada pelo objeto.

Em um trabalho artístico, por ex, o extrovertido se ateria a cada detalhe do objeto, já o introvertido a impressão provocada pelo objeto no sujeito (impressionistas franceses).

Sua calma se deve a uma desconexão com o objeto, que é substituído por uma reação subjetiva, que não é a realidade do objeto.

Pouca capacidade racional de julgamento para classificar as coisas. Pouco capaz de compreensão objetiva, não compreendendo a si próprio.

Voltado para o aqui agora, não conseguem imaginar o que vem depois.

Função inferior: Intuição extrovertida. Ex: Fantasias proféticas sombrias e visões interiores que se contrapõem a sua disposição de por os pés no chão.

2.7 SENTIMENTO EXTROVERTIDO (TIPO IV – SHAO YIN) EXCESSO DE ÁGUA – FALTA DE FOGO

FALTA EM FOGO

É orientado pelos dados objetivos e geralmente em harmonia com os valores objetivos (como o pensamento).

Procura relações harmoniosas com o ambiente

Não precisam pensar se algo ou alguém lhes importa. Eles sabem. O pensamento está subordinado ao sentimento. Conclusões lógicas que perturbem o sentimento são ignoradas.

PENSAMENTO é arcaico, infantil, negativo. Às vezes têm pensamentos negativos acerca de pessoas que lhe são valiosas.

2.8 SENTIMENTO INTROVERTIDO (TIPO IV – SHAO YIN) EXCESSO DE ÁGUA – FALTA DE FOGO

EXCESSO DE ÁGUA

Pessoa difícil de se compreender, pois seu exterior revela pouco, assim como a água que toma a forma que lhe é dada. Dão a impressão de não possuírem nenhum sentimento.

Torna a pessoa reservada e de difícil acesso. Como defesa, lança julgamentos negativos ou é indiferente.

Raramente estas pessoas são sinceras a respeito do que sentem.

Exibem um sistema de valores irrepreensível, possuem um modelo impecável de normas valorativas a ponto de nos obrigar a que nos comportemos decentemente na sua presença.

Não se destacam e não se exibem. Têm uma aparência de autoridade.

Evitam festas, porque sua função avaliadora paralisa muitas pessoas.

Temperamento propenso à melancolia.

PENSAMENTO EXTROVERTIDO inferior, primitivo – tende a ser redutivo.

Os 28 pulsos patológicos

Pulso Flutuante (ou Superficial)

Pulso Profundo

Pulso Lento

Pulso Rápido

Pulso Vazio

Pulso Cheio

Pulso Escorregadio

Pulso Agitado

Pulso Longo

Pulso Curto

Pulso com Fluxo Abundante

Pulso Fino

Pulso Pequeno

Pulso Apertado

Pulso em Corda

Pulso Levemente Lento

Pulso Oco

Pulso em Couro

Pulso Firme

Pulso Flutuante e Debilitado (ou Macio/Retardado)

Pulso Debilitado

Pulso Disperso

Pulso Escondido

Pulso Movente (Irregular)

Pulso Apressado

Pulso em Nó

Pulso Intermitente

Pulso Acelerado

1. Pulso Flutuante (ou Superficial)

Sensação

Esse pulso pode ser sentido com uma leve pressão dos dedos, apenas repousando os sobre a artéria.

Significância Clínica

Essa qualidade indica a presença de um padrão exterior da invasão pelos fatores patogênicos exteriores, tais como o Vento Calor ou Vento Frio. Se for Flutuante e Apertado isto indica um padrão Vento Frio; se for Flutuante e Rápido indica um padrão Vento Calor.

Se o pulso é Flutuante no nível superficial mas Vazio no nível profundo, isto indica Deficiência de Yin.

Em casos raros, o pulso pode ser Flutuante em condições de Interior, tais como anemia ou câncer. Nestes casos, o pulso é Flutuante porque o Qi é muito deficiente e "flutua" para a superfície do organismo.

2. Pulso Profundo

Sensação

Este pulso é o oposto ao anterior: somente pode ser sentido com uma pressão forte dos dedos e próxima ao osso.

Significância Clínica

Esta qualidade indica uma condição Interior a qual poderia assumir muitas formas diferentes. Também indica que o problema está nos sistemas Yin.

Se for Profundo e Debilitado, isto indica uma Deficiência do Qi e do Yang. Se for Profundo e Cheio, indica estase do Qi ou Sangue (Xue) no Interior, ou Frio ou Calor interior.

3. Pulso Lento

Sensação

Este pulso apresenta três batidas por ciclo respiratório (do acupunturista). Antigamente se usava a taxa respiratória do acupunturista, para avaliar o pulso mas atualmente pode se utilizar um relógio.

As taxas normais variam, mas são aproximadamente (Idade (ano) Taxa (bpm)):

1- 4 Anos 90 BPM ou mais

4 -10 Anos 84 BPM

10 -16 Anos 78/80 BPM

16 - 35 Anos 76 BPM

35 - 50 Anos 72/70 BPM

50 + Anos 68 BPM

Significância Clínica

Um pulso Lento indica um padrão Frio. Se for Lento e Vazio indica uma condição de Vazio Frio decorrente da Deficiência do Yang. Se for Lento e Cheio, indica um padrão Cheio Frio.

4. Pulso Rápido

Sensação

Este pulso apresenta mais do que cinco batidas por cada ciclo respiratório, ou uma taxa maior do que as indicadas anteriormente.

Significância Clínica

Um pulso Rápido indica um padrão de Calor. Se for Vazio e Rápido indica Vazio Calor decorrente da Deficiência do Yin. Se for Cheio e Rápido indica um padrão Calor Cheio.

5. Pulso Vazio

Sensação

O pulso Vazio apresenta a sensação maior mas suave. "Vazio" pode sugerir que nada pode ser sentido mas pelo contrário: esse pulso é, na verdade, maior (mas há uma sensação de vazio a uma pressão levemente mais forte) e macio.

Significância Clínica

O pulso Vazio indica uma Deficiência do Qi.

6. Pulso Cheio

Sensação

A sensação deste pulso é cheia, mais rígida e longa. O termo "Cheio" é frequentemente utilizado em dois sentidos ligeiramente diferentes. Por um lado, indica o tipo específico de pulso descrito anteriormente: por outro lado, este termo é frequentemente utilizado para indicar qualquer pulso do tipo Cheio.

Significância Clínica

O pulso Cheio indica um padrão Cheio. Um pulso Rápido e Cheio indica um padrão Calor Cheio e um pulso Cheio e Lento indica um padrão Cheio Frio.

7. Pulso Escorregadio

Sensação

A sensação do pulso Escorregadio é suave, arredondada e escorregadia ao toque, como se tivesse óleo. Escorrega sob os dedos.

Significância Clínica

Um pulso Escorregadio indica Fleuma (Tanyin), Umidade, retenção dos alimentos ou gravidez.

Geralmente, o pulso escorregadio é Cheio por definição, mas em alguns casos também pode ser Debilitado, indicando Fleuma (Tanyin) ou Umidade decorrente da Deficiência do Qi.

8. Pulso Agitado

Sensação

A sensação desse pulso é rígida sob os dedos: em vez de ondas suaves do pulso, sente se como se tivesse uma ponta dentada.

O pulso Agitado também indica que há mudanças rápidas tanto no que se refere à qualidade como à frequência.

Significância Clínica

Um pulso Agitado indica uma Deficiência de Sangue (Xue). Também pode indicar exaustão dos Fluidos Corpóreos (Jin Ye) e pode ocorrer após a sudorese profusa e prolongada ou vômito.

9. Pulso Longo

Sensação

Este pulso é, basicamente, mais longo do que o normal: estende se levemente além da posição do pulso normal.

Significância Clínica

Indica um padrão de Calor.

10. Pulso Curto

Sensação

Este pulso é o oposto do anterior: ocupa um espaço mais curto do que a posição normal.

Significância Clínica

O pulso Curto indica uma Deficiência severa do Qi. Aparece frequentemente sob as posições Frontais de esquerda e direita.

Também denota, especificamente, uma Deficiência do Qi do Estômago (Wei)

11. Pulso com Fluxo Abundante

Sensação

Este pulso tem uma sensação grande, estende se além da posição do pulso, é superficial e geralmente apresenta uma sensação como se fosse um fluxo abundante no Meridiano do pulso normal, como um rio que flui durante uma enchente.

Significância Clínica

O pulso de Fluxo Abundante indica um Calor extremo. Frequentemente aparece durante uma febre, mas também é observado em patologias crônicas caracterizadas pelo Calor interior.

Se o Fluxo é Abundante mas Vazio quando pressionado, indica um padrão Calor Vazio decorrente da Deficiência do Yin.

12. Pulso Fino

Sensação

Este pulso é mais fino do que o normal.

Significância Clínica

Um pulso Fino indica Deficiência de Sangue (Xue). Também pode indicar uma Umidade interna com Deficiência severa do Qi.

13. Pulso Pequeno

Sensação

Este pulso é basicamente o mesmo que o anterior, sendo extremamente fino, pequeno e dificil de sentir.

Significância Clínica

O pulso Pequeno indica uma Deficiência severa do Qi e do Sangue (Xue).

14. Pulso Apertado

Sensação

Este pulso apresenta uma sensação de algo contorcido, como se fosse uma corda espessa.

Significância Clínica

Um pulso Apertado indica um padrão de Frio que pode ser interior ou exterior, como uma invasão de Vento Frio exterior. Se o pulso for Apertado e Flutuante indica Frio exterior. Se for Apertado e Profundo indica Frio interior.

Este pulso é frequentemente observado em casos de asma decorrente do Frio no Pulmão (Fei), e nas alterações do Estômago (We0 decorrentes do Frio.

O pulso Apertado pode também indicar dor decorrente de uma condição interior.

15. Pulso em Corda

Sensação

Este pulso apresenta a sensação de algo esticado, como se fosse uma corda de violão. É mais fino, esticado e rígido do que o pulso Apertado. O pulso em Corda, de fato, bate nos dedos.

Significância Clínica

O pulso em Corda pode indicar três condições diferentes: Desarmonia do Fígado (Gan) Dor, Fleuma (Tanyin)

16. Pulso Levemente Lento

Sensação

Este pulso apresenta quatro batidas para cada ciclo respiratório.

Significância Clínica

Este pulso é, geralmente, saudável e não apresenta significância patológica.

17. Pulso Oco

Sensação

Este pulso pode ser sentido em nível superficial, mas se pressionado um pouco para localizar o nível médio, esse não será encontrado e só será sentido novamente

em um nível profundo com uma pressão mais forte. Em outras palavras, é Vazio no meio.

Significância Clínica

Este pulso aparece após uma hemorragia. Se o pulso for rápido e levemente Oco, pode indicar uma possível perda de sangue.

18. Pulso em Couro

Sensação

Este pulso apresenta uma sensação rígida em nível superficial e esticada como se fosse um tambor, mas completamente vazio em nível mais profundo. É um pulso grande, e não fino.

Significância Clínica

O pulso em Couro indica uma Deficiência severa da Essência (Jing) do Rim (Shen) ou do Yin.

19. Pulso Firme

Sensação

O pulso Firme é sentido somente em nível profundo, sendo rígido e em corda. Poderia ser descrito como um pulso em Corda em nível profundo.

Significância Clínica

O pulso Firme indica Frio interior (se também for Lento), ou estagnação interior e dor.

20. Pulso Flutuante e Debilitado (ou Macio/Retardado)

Sensação

O pulso Macio pode ser sentido somente em nível superficial. Apresenta uma sensação suave e levemente flutuante, mas não tanto quanto o pulso Flutuante. Desaparece quando uma pressão mais forte é aplicada em nível mais profundo. É similar ao pulso Vazio Flutuante, porém mais suave e menos Flutuante.

Significância Clínica

O pulso Flutuante e Debilitado indica uma Deficiência do Yin e da Essência (Jing).

Pode, também, indicar a presença de Umidade, mas somente quando um fator patogênico está presente em combinação com a condição de Vazio.

21. Pulso Debilitado

Sensação

Um pulso Debilitado não pode ser sentido em nível superficial, mas somente em nível profundo. Também é macio.

Significância Clínica

O pulso Debilitado indica uma Deficiência do Yang.

22. Pulso Disperso

Sensação

Este pulso apresenta uma sensação pequena, sendo relativamente superficial. Em vez de apresentar uma sensação como uma onda, é sentido como se estivesse "quebrado" em pequenas partes.

Significância Clínica

Este pulso indica uma Deficiência severa do Qi e do Sangue (Xue), e em particular o Qi do Rim (Shen). Indica sempre uma condição severa.

23. Pulso Escondido

Sensação

Este pulso apresenta-se como se estivesse escondido debaixo do osso, sendo muito profundo e difícil de sentir. É basicamente um caso extremo de pulso Profundo.

Significância Clínica

O pulso Escondido indica uma Deficiência extrema do Yang

24. Pulso Movente (Irregular)

Sensação

O pulso Movente apresenta uma forma arredondada como um feijão, é curto e "treme" sob os dedos. Não tem uma forma definida, com ausência de início ou fim, de maneira que apresenta uma saliência no centro. É sentido como se estivesse vibrando e é também um pouco escorregadio.

Significância Clínica

Este pulso indica choque, ansiedade, medo ou dor extrema. É frequentemente localizado em pessoas com alterações emocionais profundas, particularmente o medo, ou naquelas que sofrem um choque emocional intenso, mesmo que tenha ocorrido há muitos anos.

25. Pulso Apressado

Sensação

Este pulso é Rápido e interrompe-se em intervalos irregulares

Significância Clínica

O pulso Apressado indica um Calor extremo e uma Deficiência do Qi do Coração (Xin). Além disto, é sentido em condições de Fogo do Coração (Xin).

26. Pulso em Nó

Sensação

Este pulso é Lento e interrompe-se em intervalos irregulares.

Significância Clínica

O pulso em Nó indica Frio e Deficiência do Qi ou do Yang do Coração (Xin).

27. Pulso Intermitente

Sensação

Este pulso interrompe-se em intervalos regulares.

Significância Clínica

Este pulso sempre indica uma alteração interna severa em um ou mais sistemas Yin. Se interromper-se a cada quatro batidas ou menos, a condição é severa.

Também indica uma alteração cardíaca séria (no sentido médico ocidental).

28. Pulso Acelerado

Sensação

Este pulso é muito rápido, mas também muito agitado e urgente.

Significância Clínica

Este pulso indica um Excesso de Yang, com Fogo no corpo exaurindo o Yin.

Acupuntura
Clique para Ampliar

Acupuntura
Clique para Ampliar

Fonte: www.ahau.org

Acupuntura

Estudos científicos no sentido de comprovar a eficácia da acupuntura. Em 1979, a Organização Mundial de Saúde (OMS) editou uma lista com 41 doenças que apresentaram excelentes resultados com o tratamento de acupuntura. Após vinte e cinco anos de pesquisas em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture: Review and analysis of reports on controlled clinical trials, no qual expõe os resultados destas pesquisas.

Neste documento foi analisada a eficácia da acupuntura – assim como das técnicas de moxabustão, ventosa, sangria, eletro-acupuntura, laser-acupuntura, magneto-acupuntura, massagem shiatsu / tuina e acupressura (pressão digital nos pontos) – em comparação com o tratamento convencional para 147 doenças, sintomas e condições de saúde.

A seguir apresentamos o resultado de eficácia da acupuntura, devidamente verificado pela medicina científica. Constam as afecções físicas, os distúrbios orgânicos, as desordens mentais e psicossomáticas, as condições específicas dos homens, mulheres e crianças, e os problemas oriundos do tratamento de câncer, cirurgias e dependência química.

Afecções físicas:

distensão muscular alivio da dor e desaparecimento dos sintomas em 82% dos casos
dor cervical eficácia em 67% dos casos
pescoço rígido cura obtida em 80% dos casos após 1 sessão
espondilose cervical melhora significativa
dor aguda na coluna melhora imediata da doraumento significativo na flexão-extensão das costasganho na condição de manter o corpo ereto
dor lombar eficácia em 72% dos casos (superior à medicação convencional)
ciática acupuntura distal com agulha superficial: eficácia em 72% dos casosacupuntura local com agulha profunda: eficácia em 96% dos casos
inflamação no tórax e costelas cura obtida em 65% dos casos
dor no joelho eletro-acupuntura: alivio completo da dor em 65% dos casos
"cotovelo de tenista" eficácia em 62% dos casosalívio da dor em 80% após a 1 sessão
periartrite no ombro cura obtida em 66% dos casos
fibromialgia melhora significativa
fascite na planta do pé melhora significativa
osteoartrite eficácia em 61% dos casos (superior à medicação convencional)
artrite reumatóide acupuntura: alívio da dor e melhora dos sintomas gerais em 65% dos casoseletro-acupuntura: alívio da dor em 90% dos casos
gota / artrite melhora em 100% dos casosredução do ácido úrico similar à medicação convencional

Afecções de pele:

acne shiatsu / tuina: a acne desapareceu em 42% dos casos após 30 dias de tratamentoacupuntura: a acne desapareceu em 59% dos casos após 10 dias de tratamento
eczema melhora razoável
irritação na pele melhora significativa
micose desaparecimento em 53% dos casos após 3 meses (eficácia superior ao tratamento com vitaminas C e E)
herpes zoster desapareceram a dor e as sarnas após 1,5 a 6 dias
psoriasis vulgar cura obtida em 85% dos casos
psoriasis eritroderma melhora significativa em 50% dos casos
psoriasis pustular melhora significativa em 50% dos casos

Afecções no pulmão e vias respiratórias:

gripe comum melhora razoável
dor de garganta melhora em 90% dos casos
amidalite alívio significativo da dor e da febre
rinite alérgica eficácia em 97% dos casos (superior e mais duradoura que a medicação convencional)
bronquite aguda melhora significativa
asma efeito antiasmático em 93% dos casosmaior ventilação pulmonar em 68% dos casos
doença pulmonar obstrutiva crônica melhora significativa após 3 semanas

Afecções no coração:

hipertensão eficácia similar à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais
hipotensão a pressão foi normalizada em 95% dos casos
doença coronariana e angina melhora dos sintomas 85% dos casosmelhora na dor em 74% dos casosmelhora no eletrocardiograma em 69% dos casos
doença cárdio-pulmonar crônica eficácia em 90% dos casos
neurose cardíaca eficácia superior à medicação convencional

Afecções no fígado e vesícula biliar:

cólica biliar eletro-acupuntura: eficácia em 72% dos casosacupuntura: eficácia em 94% dos casos
cálculo na vesícula biliar cura obtida e melhoria das funções biliares em 92% dos casos
hepatite B (vírus portador) o vírus ficou negativo em 30% dos casoso organismo produziu anticorpos em 50% dos casos

Afecções no estômago e intestinos:

dor abdominal shiatsu / tuina: melhora em 96% dos casos após 1.3minacupuntura: melhora em 98% dos casos
cólica estomacal alívio da dor em 98% dos casos
cólica intestinal alívio da dor em 98% dos casos
espasmo gastro-intestinal alívio da dor em 98% dos casos após 30 min
soluços melhora significativa
náuseas e vômitos eletro-acupuntura: eficácia similar à medicaçãoacupuntura: eficácia em 90% dos casosmagneto-acupuntura: eficácia em 93% dos casosmoxa: eficácia em 98% dos casos
diarréia melhora significativa
constipação melhora significativa
hiperacidez no estomago eficácia em 95% dos casos
gastrite crônica melhora significativa
úlcera acupressura: eficácia em 80% dos casosacupuntura: eficácia em 97% dos casos
cólon irritado melhora significativa em 93% dos casos
enterite (inflamação bacteriana no intestino) cura obtida em 87% dos casosa cultura de fezes ficou negativa após 7 dias
hemorróidas moxa: cura obtida em 77% dos casos

Afecções no rins:

cólica renal alívio da dor em 100% dos casos
calculo renal eletro-acupuntura: pedras expelidas em 78% dos casosacupuntura: cura obtida em 90% dos casos
retenção urinária traumática eficácia superior à medicação convencional
incontinência melhora significativa
infecção urinária recorrente desobstrução do trato urinário em 85% dos casos

Afecções do sistema circulatório:

síndrome de raynaud (mãos e pés frios) melhora significativaaumento considerável do fluxo sanguíneo
flebite melhora significativa
dor em tromboangite eficácia em 93% dos casos
excesso de gordura no sangue diminuição em 90% dos casos

Afecções do sistema nervoso:

enxaqueca eficácia em 80% dos casos
tontura eficácia em 75% dos casos
neuralgia do trigêmeo efeito analgésico em 100% dos casos
neuralgia (dor dos nervos) efeito analgésico em 100% dos casos
dor radicular (raízes dos nervos) laser-acupuntura: melhora significativa
distrofia reflexa do simpático melhora razoável
bexiga neurogênica eficácia consideravelmente mais rápida que o tratamento convencional
lesão crânio-cerebral cura obtida em 86% dos casos
arteriosclerose eletro-acupuntura: aumento da memória, da inteligência e da capacidade de cuidar de si mesmo em 68% dos casos
coma recuperação em 59% dos casos
AVC - sequela: hemiplegia recuperação em 66% dos casos
AVC - sequela: perda da força muscular recuperação em 75% dos casos
AVC - sequela: desvio da boca e paralisia da fala recuperação em 76% dos casos
AVC - sequela: dificuldade de articular palavras eficácia em 90% dos casos
paralisia facial acupuntura: cura obtida em 77% dos casosacupuntura c/ transfixação de pontos: cura obtida em 91% dos casosacupuntura c/ sangria: cura obtida em 96% dos casos
paralisia causada por poliomielite eficácia superior à medicação convencional
febre hemorrágica epidêmica moxa: regula a micção, cura a perda de proteína pela urina e reduz o inchaço dos rins

Afecções do sistema endócrino:

obesidade supressão do apetite em 95% dos casos
diabetes mellitus redução do açúcar do sangue em 20% dos casos

Afecções dos órgãos dos sentidos:

olhos sensibilidade melhora em 50% dos casos
dor eliminação da dor em 90% dos casos
secura nos olhos aumento significativo dos fluidos dos olhos
conjuntivite melhora razoável
vista turva cura obtida em 50% dos casos
daltonismo discriminação das cores melhorou após 3 cursos de tratamento de 7-12 dias cada
ouvidos ataque súbito de surdez eficácia em 90% dos casos após 2 semanas
zumbido eficácia em 23% dos casos (superior à medicação convencional)
nariz sangramento nasal cura obtida em 85% dos casos
sinusite e obstrução nasal melhora significativa
boca excesso de salivação diminuição da saliva em 97% dos casos
falta de salivação aumento significativo da saliva
inflamação na gengiva melhora razoável
dor de dente pós-tratamento efeito analgésico com duração de 24 a 48 horas
dor de dente pós-cirurgia efeito analgésico com duração de 2 a 3 horas
dor de dente após extração melhora significativa

Afecções da cabeça:

dor de cabeça shiatsu / tuina: alívio imediato em 48% dos casosacupuntura: alívio imediato em 66% dos casoseletro-acupuntura: alívio imediato em 80% dos casosdiminuição da frequência em 50% dos casosalteração significativa no exame de eletromiografia
dor crânio-mandibular acupuntura tradicional: eficácia similar ao tratamento convencional (imobilização)acupuntura intradermica: eficácia em 60% dos casos
disfunção da ATM eficácia similar ao tratamento convencional
espasmo facial shiatsu / tuina: eficácia em 40% dos casosacupuntura: eficácia em 70% dos casos

Afecções psíquicas e psicossomáticas:

depressão eficácia similar à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais
ansiedade eficácia superior à medicação convencional
insônia o sono foi totalmente normalizado em 98% dos casos
síndrome do stress competitivo eficácia em 93% dos casos
esquizofrenia laser-acupuntura: eficácia superior à da medicação convencional (78% dos casos)
retardo mental aumento de 21% no quociente de inteligênciaaumento de 18% na adaptatividade social

Afecções masculinas:

impotência sexual (não orgânica) eficácia em 60% dos casos
ejaculação precoce eficácia em 83% dos casos
inflamação na próstata alívio dos sintomas e melhora das funções sexuais superior à medicação convencional

Afecções femininas:

TPM alívio completo dos sintomas, sem recorrência por 6 meses, em 92% dos casos
dor menstrual melhora em 91% dos casos
cistite moxa + shiatsu / tuina: eficácia em 88% dos casos após 1 a 2 meses de tratamento
obstrução da trompa cura obtida em 81% dos casos
policisto no ovário cura obtida em 94% dos casos
infertilidade eficácia em 75% dos casos
menopausa massagem + ventosa: eficácia em 77% dos casos

Gestação e amamentação:

enjoo acupressura: melhora em 20% dos casosacupuntura: melhora em 69% dos casosmoxa: melhora em 97% dos casos
correção da posição do feto moxa: eficácia em 93% dos casos (aumenta atividade fetal e encaixa a cabeça do bebê)
indução ao parto a dilatação do útero foi similar à oxitocinaas contrações uterinas foram inferiores à oxitocina
dor do parto efeito analgésico considerado bom
lactação deficiente eletro-acupuntura: aumento da lactação em 92% dos casos

Afecções infantis:

diarréia 1 dia de tratamento: cura em 82% dos casos3 dias de tratamento: cura em 98% dos casos
coqueluche cura obtida em 98% dos casos
convulsão convulsões cessaram em 98% dos casos após 2 min de se colocar as agulhas
obesidade infantil redução significativa dos níveis de gordura, glicose, hidrocortisona e tri-iodo-tironina
pós-entubação operatória redução significativa do espasmo da laringe (5% dos casos)
encefalite viral (estágio terminal) acupuntura + medicação: eficácia em 82% dos casos

Dependência química:

álcool diminui a necessidade de ingerir álcool
tabaco aumento na vontade de não fumar em 13% dos casosredução no hábito de fumar em 20% dos casosredução no prazer de fumar em 70% dos casos
cocaína diminuição dos sintomas da abstinência em 44% dos casos
heroína diminuição dos sintomas da abstinência (anorexia, suor espontâneo e insônia)redução da frequência do uso de heroína
desintoxicação de álcool redução do álcool no sangue
desintoxicação de tabaco redução da concentração de nicotina

Pós-operatório:

convalência efeito analgésico superior e mais rápido que a medicação convencional
mal-estar e vômitos eletro-acupuntura: efeito inferior à medicação convencional (50% dos casos)acupuntura: efeito similar à medicação convencional (90% dos casos)
cirurgia de amídalas alivio significativo da dor e da salivaçãoacelera a cicatrização
cirurgia de hemorróidas melhora da dor e do desconforto em 77% dos casos
cirurgia de artroscopia alivio significativo da dor
cirurgia cerebral cura dos sintomas em 86% dos casos
dor do pós-operatório reduz pela metade a quantidade de analgésicos narcóticos (ex. morfina)
dor após exame de endoscopia eficácia similar à medicação, mas sem efeitos colaterais
recuperação ganho de força muscular e de movimentos em 93% dos casos após 10 dias de tratamento

Câncer:

reações adversas ao tratamento de radioterapia e/ou quimioterapia náuseas, vômitos e falta de apetite foram eliminadas em 93% dos casostontura e cansaço foram minimizadas consideravelmente
perda de leucócitos acupuntura: aumento dos leucócitos em 87% dos casosmoxa: aumento dos leucócitos em 90% dos casos
dor causada por câncer analgesia imediata: efeito em 70% dos casos (similar à medicação convencional)analgesia prolongada: efeito em 92% dos casos (superior à medicação convencional)

Fonte:www.acupuntura.pro.br

Acupuntura

A história da acupuntura

A história da acupuntura iniciou-se com o aquecimento de pedras em certas partes do corpo. O homem de Pekin há mais de 10.000a.c e seu sucessor o Upper man utilizavam utensílios de madeira,ossos ,pedras e espinhas de peixes,para realizar estímulos em certos pontos do corpo (Acupontos).

Na Era Neolítica, quando o homem organizou a sociedade em clãs , surgiram os três imperadores lendários oriundos deste tipo de organização. Foram estes imperadores, importantes para a construção do pensamento filosófico chinês.

Consta na história,que o imperador Huang di (o imperador amarelo), praticava alguns exercícios de tuna (exercícios respiratórios) e seus conhecimentos foram reunidos no Huang di Nei jing, dividido em duas partes Su wen e Ling Shu (base fundamental da Acupuntura).

È durante as Dinastias Xia, Shang , Zhou (2.000 a.c), que surge a escola naturalista com os princípios de Yin e Yang e cinco elementos. Mestres deste período nomearam meridianos e pontos de acupuntura.

O imperador Qin Shinhuan (475 a.c), que unificou a china e iniciou a construção da Grande muralha, queimou obras importantes de relevantes autores da medicina trdicional chinesa.

No período Han (220.dc), fazemos referências a alguns importantes acupunturistas: Huo To um dos primeiros a realizar cesariana e utilizar a técnica da analgesia para diminuir a dor. Outro celebre acupunturista foi Tsan Kung reuniu 25 relatórios contendo descrições sobre o uso de agulhas no tratamento de varias doenças.

Zhang Zhong jing também teve sua importância neste período, pois escreveu o primeiro tratado em acupuntura. Na dinastia Tsin e Tang ( 265.d ), período que foi autorizado a farmacopéia pelo império chinês, o renomado Sun Simiao copilou vários livros entre estes as mil valiosas precisões de ouro e fez mapas multicoloridos dos canais de energia.

Na Dianstia Song 960; Wang Wei através da compilação do manual multicolorido, fundiram-se os pontos dos doze meridianos na figura de Bronze, estas realizações promoveram o início das escolas e foram um marco para a acupuntura, pois possibilitaram a unificação do conhecimento.

Na dinastia Jim e Yuan -1279 o acupunturista Lao tien yie verificou o fluxo dos Meridianos e tratamento e Houjouyu relacionou as horas aos diversos acupontos dos canais de energia.Durante a Dinastia Ming (1368) um dos autores mais importantes foi Yang Jih Zhou com a obra Zhen Jiu Da Cheng, que sintetiza as aquisições da acupuntura na época de Huang Di. Na ultima dinastia Qin a acupuntura quase caiu no esquecimento.

O ocidente deve a George Solie de Morant um francês que foi para china em 1908 e estudou esta magnífica arte da cura. No Brasil na década de 40, o professor Frederico Spaeth de origem européia naturalizou-se brasileiro e dedicou a sua vida ao estudo e ao ensino da acupuntura. Após décadas de misticismo e incertezas com relação a sua eficácia, a pratica tornou-se alvo de intensa briga pela reserva de mercado. Em 1985 a Acupuntura foi reconhecida oficialmente por intermédio da Resolução COFFITO 60 1985, do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, que concedeu autonomia para praticar o método.

Com a historia da acupuntura podemos entender que este conhecimento é milenar, embora tenhamos várias pesquisas, que comprovam a eficácia desta técnica em diversas enfermidades; existem lacunas que ficaram ao longo do tempo. Este e o grande paradigma que caminho a acupuntura vai trilhar, pois no nosso entendimento ciência e filosofia devem estar juntas, nunca esquecendo da tríade: conhecimento, técnica e intuição.

Fonte: www.baraoclinica.com.br

Acupuntura

 

HISTÓRIA DA ACUPUNTURA NO BRASIL: O QUE É ACUPUNTURA?

Faz-se necessário um prévio conhecimento sobre acupuntura antes de abordarmos sua legalidade e se realmente a população corre algum tipo de risco ao ser atendida por profissionais não médicos. Para termos noção de quais profissionais podem fazer uso de seus conhecimentos e praticar acupuntura faz-se, necessário antes explicarmos o que e acupuntura e como interage no corpo humano e em outros animais.

A acupuntura divide-se formalmente em duas Escolas a Acupuntura Tradicional Chinesa e a Acupuntura Clássica Chinesa, porem nos últimos anos vem surgindo através de estudos, especificamente da classe medica, uma acupuntura que os próprios médicos preferem popularmente chamar de Acupuntura Cientifica, porem também baseada na Acupuntura Tradicional Chinesa. Contudo e justo dizer que hoje temos no universo acupuntural tres Escolas cada uma com seus princípios e cada uma com sua própria definição sobre a acupuntura, então em nosso trabalho nos guiaremos pela definição da Acupuntura Tradicional Chinesa por ser a acupuntura em questão sendo a mesma a mais utilizada nos dias de hoje no Brasil e no mundo. Dizer que alguma Escola no Brasil ensina Acupuntura Clássica Chinesa seria o mesmo de dizer que abriu em Copacabana uma Escola para nênias, não seria impossível, porem seria muito duvidoso. Mais a frente veremos maiores detalhes sobre as Escolas.

HISTÓRIA DA ACUPUNTURA

Quando falamos de historia envolvendo o passado da China, sempre se perde muito ou no mínimo fica excessivamente confuso pela ausência de dados bibliográficos e também pelo excesso de misticismo e lendas que circundam o fato, então o que conhecemos ao certo sobre a acupuntura e que a mesma e uma técnica utilizada a mais de cinco mil anos e que procura o equilíbrio do corpo através de estímulos energéticos ou reflexos (definição da Acupuntura Tradicional Chinesa). E um fato muito comum dentre as culturas encontrarmos relatos de tribos que, sem nenhum contato com o mundo oriental de certa forma já praticavam acupuntura ha séculos, como e o caso dos Incas que supostamente utilizavam espinhas de peixe para praticar acupuntura e mesmo em nossa historia no Brasil segundo relatos (porem não se tem certeza) existem indícios que quando a caravela de Cabral chegou ao Brasil algumas tribos já praticavam com lascas de bambu uma espécie de acupuntura, porem a maior probabilidade e que a acupuntura que nos conhecemos tenha o seu berço na Índia onde tiveram indícios da primeira Medicina existente no mundo (que se tem conhecimento) a Medicina dos Vedas a Medicina Ayurveda, onde também existem relatos de uma primitiva acupuntura que fazia uso de lascas de jade. Porem na China foi onde essa ciência ficou mais conhecida isso se deve ao fato de ser os chineses o primeiro povo a escrever sobre o assunto na obra Nei Ching, escrita a 2600 a.C. pelo Imperador Amarelo que foi o precursor desta magnífica arte de cura hermética só para os chineses sendo posteriormente introduzida no ocidente através dos imigrantes orientais.

Não ha documentos que indiquem precisamente como foi o desenvolvimento inicial da acupuntura, mas sabe-se que desde tempos remotos, essa era uma arte muito difundida entre os chineses... Em varias partes da China foram encontradas Zhem Shuh – agulhas de pedras – que datam da idade da pedra. Essas agulhas diferem das de costura e, por terem sido encontradas juntamente com outros instrumentos de cura, presumiu-se que a acupuntura já era conhecida e praticada naquela época... Durante a dinastia Tang (400 d.C.) ela chegou ao Japão e mais recentemente ao mundo.

Giovani Maciocia aborda na introdução de seu livro Os Fundamentos da Medicina Chinesa, a acupuntura chinesa como estudo sistemático de uma medicina teve seu inicio na dinastia Han no ano de 154 a.C., pois a Medicina Clássica Chinesa tinha como base muito misticismo e era mais uma filosofia de vida do que uma ciência então houve a necessidade de simplificar e fundamentar em fatos palpáveis a Acupuntura Clássica e assim nasceu a Acupuntura Tradicional Chinesa e essa acupuntura so foi chegar ao Brasil com a vinda de imigrantes chineses no ano de 1810.

ACUPUNTURA CLÁSSICA CHINESA

Sobre a Acupuntura Clássica, poucos tem conhecimento, pois essa e uma cultura preservada pelos orientais e que passa apenas de pai para filho, porem ja existem alguns trabalhos acerca da Acupuntura Clássica, entretanto so existem duas obras escritas em português a de Marcelo Pereira, O Pequeno Tratado de Pulsologia Clássica e a do Dr Nguyen Van Nghi, A Arte e Pratica da Acupuntura e Moxabustao.

A Acupuntura Clássica e mesclada de muito misticismo e religião, fazendo uso ate de materiais bizarros como cita Felix Mann no prefacio de sua obra onde um acupunturista faz uso de uma corda de um suicida enforcado como medicamento para a família do mesmo, outro tratamento comum era tirar um paciente em coma profundo fazendo uso de um chumaço de cabelo de sua própria cabeça (o segredo era de que parte da cabeça era o local exato para tirar esse chumaço de cabelo) queimar e por o pó sublingual, em minutos o paciente retornava do coma.

Outro fato era que para praticar Acupuntura Clássica era necessário ser especialista em reencarnação, pois como libertar alguém de uma doença sem saber se estaria interferindo no calma daquela pessoa? Essas eram as bases da Acupuntura Clássica, não havia conhecimentos de fungos, bactérias nem tão pouco anatomia e muito menos fisiologia, veja um trecho do livro de Marcelo Pereira o que sobre o assunto.

Os sábios que, ha mais de dez mil anos atrás, pesquisaram e estabeleceram os ditames fundamentais da acupuntura não tinham conhecimentos profundo de anatomia e fisiologia do corpo humano. Não conheciam as origens das enfermidades. Nada sabiam a respeito das células e da estrutura do organismo. Desconheciam totalmente a existência de microorganismos, como bactérias, fungos, vírus, micróbio e etc.

Então fica claro com esses relatos que era necessário uma base mais solida para a acupuntura, que ela era eficaz mesmo vivendo (aos nossos olhos) na mais completa ignorância era inegável, mas como técnica milenar poderia ser estudada com seriedade fundamentada em tais valores? Como seria ensinar acupuntura para pessoas que desconheciam os valores e a cultura chinesa? A acupuntura deveria ser uma ciência, e como toda ciência, ela deveria estar acima de crendices, assim surgiu a Acupuntura Tradicional Chinesa.

ACUPUNTURA TRADICIONAL CHINESA

Para uma melhor compreensão para o profissional que estuda esta técnica oriental, a Medicina Tradicional Chinesa fragmentou a acupuntura em dois segmentos a Acupuntura Energética e a Acupuntura Reflexa, uma obedece a leis oriundas da Clássica e outra aborda apenas estímulos reflexos e seus comandos cerebrais.

ACUPUNTURA ENERGÉTICA

A acupuntura energética busca o equilíbrio do organismo através da energia eletromagnética bipolar que emana da terra, ela tem duas fases positiva e negativa para os chineses o yin e o yang. Ysao Yamamura em seu livro Acupuntura Tradicional – A Arte de Inserir, diz:

Na concepção cientifica atual, pode-se entender esse pensamento de forma bem clara ao se estudar a teoria da relatividade de Einstein, na equação: E=m.c2, a qual mostra que a inter-relação entre energia e massa e condição básica necessária para que haja harmonização entre os processos naturais do universo, e essa premissa e também base da teoria energética da Medicina Tradicional Chinesa. (Yamamura,2001, p.XLIV).

Por tanto entendemos que por ser o homem um ser energético, ele pode entrar em desequilíbrio por diversos fatores e a acupuntura se propõe a organizar essa energia pelas técnicas e teoria do Yin e Yang, ou melhor, positivo e negativo (cations e anions). Porem como acontece esse desequilíbrio? Segundo Artur Lemos - E através das reações enzimáticas que podemos perder ou ganhar elétrons –. Caso por algum motivo viéssemos a perder ou ganhar alguns elétrons isso acarretaria numa disfunção em cadeia, pois sabemos que o elétron em excesso ou em deficiência rouba ou doa elétrons para outra camada e assim sucessivamente, caso as moléculas contidas no ar (oxigênio e carbono que chegam as células através do sistema respiratório) seja insuficiente para esse equilíbrio isso com certeza será a premissa de um quadro patológico.

Artur Lemos completa:

Todavia, este sistema da alta eficiência e capaz de deixar escapar alguns elétrons. Aproximadamente três por cento dos elétrons que penetram na mitocondria8 não serão captados. A célula ao receber o oxigênio transforma-se numa célula estável com baixa capacidade de reagir com outras moléculas. Para sua total neutralização (redução) o oxigênio necessita receber quatro elétrons e quando recebe um, dois ou três elétrons somente, transforma-se numa molécula instável, com grande capacidade de reação, na tentativa de captar de uma outra molécula o elétron ou os elétrons que lhe falta para torna-se estável.

Então, já sabemos segundo a Acupuntura Tradicional Chinesa Energética de onde provem a energia, ou seja, seus fundamentos, como ocorre o desequilíbrio energético (doença), mas como a acupuntura trata tais patologias? Os materiais utilizados na acupuntura são diversos, porem a base e apenas uma, se existe um distúrbio e precisamos perder ou ganhar elétrons (para chineses, lei de deficiência e lei de excesso), se a alimentação e a respiração (maiores fontes de energias) não for suficientes para reorganizar um organismo lesado por vírus, bactérias ou fungos, então e necessária outra fonte de energia, e quando entra as agulhas de acupuntura, as mesmas possuem um cabo em forma de espiral para que os átomos existentes no ar sejam capitados e condensados, no caso de deficiência de elétrons as agulhas são giradas sentidas horárias (tonificarão) do contrario gira-se em sentido anti-horária (sedação) no caso das agulhas usa-se a energia biofísica, porem a acupuntura faz uso de varias outras técnicas como por imas nos pontos energéticos utilizando assim a energia magnética aquecendo os pontos com charuto de Artemísia (moxabustao) fazendo uso de energia térmica e etc.

ACUPUNTURA REFLEXA

A Acupuntura Reflexa e um ramo da Acupuntura Tradicional, mas como tudo o que existe na Tradicional teve como berço a Clássica então a reflexa também tem uma fundamentação Clássica. Existem vários tipos de Acupuntura Reflexa, pois os chineses acreditavam que “existe o todo na parte e a parte no todo”, podendo assim você tratar (de forma reflexa) todo o corpo através de um micro sistema como, por exemplo, a Mao, a acupuntura das mãos cujo nome e Quiropuntura, pela calota craniana que tem nome de Escalpopuntura ou Acupuntura Escalpeana, pelo nariz a Nasopuntura e etc. Porem a mais utilizada em todas as escolas no Brasil e no mundo, talvez por haver mais estudos sobre ela, e a Acupuntura Auricular ou Auriculopuntura. Porém como se dá esse processo? O prof. Marcelo Pereira explica isso de forma bem clara em seu livro de Auriculoterapia que e referencia para o estudante de acupuntura.

Aplicando-se a agulha de forma superficial obtem-se uma acao tonificante. Maior profundidade produz sedacao. A razão de tonificarão ou sedação baseada na profundidade das agulhas esta na disposição dos vasos sanguíneos e na malha de filamentos nervosos provenientes do nervo do trigêmeo. Uma aplicação superficial estimula mais a área circulatória, e esse estimula intensifica o reflexo de tonificarão. A aplicação profunda estimula mais a malha de filamentos nervosos do trigêmeo, e esse reflexo ao ser levado ao cérebro, provoca sedação.

Então fica claro que a acupuntura reflexa não segue leis energéticas, porem ambas não se contradizem, são complementares, pois a Auriculopuntura e extremamente eficaz nas algias (dores), motivo pelo qual 85% dos pacientes lotam os consultórios clínicos, então e importante primeiro sanar a dor mandando uma informação contraria a da dor para o cérebro, pois a dor não e doença e sim efeito da doença, para depois tratar de verdade a patologia. PorÉm, como estamos falando de estímulos cerebrais vale salientar que patologias que provem de um estimulam cerebrais também podem ser tratadas pela Auriculoterapia como e o caso de ansiedades, vícios, compulsão e varias outras do gênero.

ACUPUNTURA CIENTÍFICA OU MÉDICA

A acupuntura que chamamos de Acupuntura Cientifica, ela obedece basicamente as leis da Auriculoterapia (reflexa), porem não desconsidera completamente as teorias da Clássica. Como não existe nenhum trabalho publicado sobre esse tipo de acupuntura (informação do Dr. Augusto Cesar, Medico do Trabalho estudante do curso de especialização em acupuntura para Médicos ministrado nas dependências da UFPE) fica restrito o campo de abordagem sobre ela, pois tudo cairia como especulação e por se tratar esse de um trabalho de pesquisa precisa de um embasamento bibliográfico claro e objetivo.

No entanto esse texto a seguir foi tirado de uma “petição de reconsideração de parecer” 11 na qual o Centro Integrado de Terapias Energéticas, escola de especialização em acupuntura “malte-profissional" reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (pós-graduação lacto Celso reconhecido pelo MEC) portaria N? 33 de 10/01/02 que pede reconhecimento de sua escola para prestação de serviços em formação profissional, porem o relator foi o medico conselheiro do Conselho Estadual de Educação (CEE/PE) Dr. Lucilo Ávila Pessoa na qual ele fala.

Para o exercício responsável da Acupuntura, e necessário conhecimento medico clinico que habilite a formulação de diagnostico e prognostico, e dai conseqüente prescrição e execução de tratamento de natureza evasiva (pois as agulhas de Acupuntura invadem a intimidade dos tecidos corporais, atravessando-os ate camadas musculares profundas)... Quando se realiza uma aplicação de acupuntura, o que de alguma forma se procura e precisamente estimular um ramo nervoso periférico, sem o que a acupuntura não exerce nenhum efeito. Alem do mais, determinados mecanismos de ação são são desencadeados quando a agulha e manipulada ou girada, realizando-se aquilo que os chineses antigos denominavam técnicas de tonificarão e de sedação.

Como já sabemos, a Acupuntura Reflexa aprofunda mais as agulhas, pois ela visa alcançar camadas musculares profundas, muito diferentes da Acupuntura Tradicional que não passa da derme (0,5cm de profundidade), e para assegurar que ela não ira ultrapassar essa margem de aprofundamento e que em toda a agulha de acupuntura vem com um mandril (cilindro de plástico oco, semelhante a um canudo, que não permite que a agulha ultrapasse a margem de 0,5 cm, no caso de uma agulha ter 0,35 o mandril terá 0,30) veja o que o Atlas Gráfico de Acupuntura Cearem fala sobre o assunto:

A utilização de um mandril como guia e uma forma de aplicação pouco agressiva e indolor. Coloca-se a agulha dentro do mandril, sobressaindo alguns centímetros na parte superior, e colocamos no ponto escolhido; a agulha e introduzida com um ligeiro golpe com a polpa do dedo.

Pelo fato de na Acupuntura Cientifica as agulhas serem mais incisiva e necessário realmente um prévio conhecimento clinico e mais, como ela não faz uso da teoria do Táxon o acupunturista tem que ter um grande conhecimento de anatomia, pois o tsun e utilizado para localizar os pontos de acupuntura obedecendo a estrutura do corpo de cada um, e comum aos chineses dizer que “certo ponto” fica dois Tsun abaixo a linha do mamilo por exemplo, fazendo-se desnecessário o conhecimento tão amplo em anatomia.

O Tsun segundo o Atlas gráfico de Acupuntura Serem:

Na acupuntura utilizamos as medidas de orientação, proporcionais as dimensões do corpo de cada pacientes. Para determinar as distancias se utilizam referencias anatomotopograficas. A unidade de calculo de distancias da acupuntura chinesa e o Tsun ou Cun (distancia ou medida) A largura do polegar no nível da articulação interfalangica representa 1 Tsun.

E principalmente desacreditam inteiramente de leis energéticas, como contém citar o texto publicado na revista do Conselho Regional de Medicina de São Paulo escrito pela Sociedade Medica Brasileira de Acupuntura (SMBA) que se intitula “a falácia do diagnostico energético” veja alguns trechos:

"Nos países ocidentais, os que se aventuram a empregar leigamente o tratamento acupuntural sem terem uma indispensável graduação em Medicina costumam propalar, devido as suas deficiências de conhecimentos epistemológicos e científicos, uma serie de teorizações inexatas e/ou fantasiosas que não encontram fundamento nem na Medicina Tradicional Chinesa nem na Ocidental. Uma das mais repetidas e equivocadas e a do” diagnostico energético ““.

Discursam tais indivíduos que “a acupuntura não trata doenças, mas sim distúrbios energéticos”; ou que, “para usar a acupuntura não se faz diagnostico clinico, mas sim” diagnostico energético ““.

Porem, reiterando afirmação por mim feita antes, não existe nada escrito sobre o assunto, essa Acupuntura Cientifica e não energética que estimula nervos, e solta endorfina no organismo não tem nada publicado, nem tão pouco foram difundidos os seus fundamentos e base para sua sustentação.

CRONOLOGICAMENTE FALANDO

1810: Imigrantes chineses aportaram no Rio de Janeiro para cultivar a lavoura do x, trouxeram também a Medicina Tradicional Chinesa.

1898: Os imigrantes japoneses introduziram sua Acupuntura no Brasil.

1930: O diplomata Solei de Moram introduziu a Acupuntura na Europa. Posteriormente, pelo fato de não ser medico, ele foi perseguido por alguns ex-alunos médicos.

1950: Professor Frederico Spaeth foi fazer curso de Acupuntura na Alemanha, ficou La 3 anos.

1958: Frederico começou a ensinar Acupuntura para os médicos e acupunturistas brasileiros.

1966: O OIT (Organização Internacional do Trabalho) colocou acupunturista como uma das profissões da CIUO (Classificação Internacional Uniforme de Ocupações).

1972: Na Resolução 467/72, CFM rejeitou a Reflexologia e a Acupuntura como atividade medica.

1975: A Acupuntura foi regulamentada nos Estados de Nova York e Califórnia em nível multiprofissional.

1977: O Ministério do Trabalho, em convenio com o OIT e o UNESCO, definiu a profissão acupunturista sob o código N?0-79.15, na CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) através do Projeto BRA/70/550. A CBO foi reconfirmada no Diário Oficial do dia 11/02/94, Seção 1.

1980: Pelo fato de não ser medico, prof. Frederico Spaeth foi destituído da presidência da Associação Brasileira de Acupuntura por seus ex-alunos médicos.

1984: O medico Mario Ao entrou com o PL3838/84 para a regulamentação da Acupuntura na Câmara dos Deputados.

1985: O Conselho Federal de Fisioterapia decidiu em 29/10/85, pela Resolução COFITO-60 habilitar os fisioterapeutas para a pratica de Acupuntura sendo assim o primeiro conselho a regulamentar a acupuntura no pais.

1986: O Conselho Federal de Biomedicina também passou a habilitar os seus profissionais no dia 3/2/86, pela Resolução n?02/86.1986: No parecer decorrente do processo consulta 1588-28/85, aprovado em 11/3/86, o CFM rejeitou novamente a Acupuntura como atividade medica valida.

3/3/88: A CIPLAN, apos realizar varias reuniões com a presença única dos representantes da SMBA, baixou Resolução CIPLAN n? 5 normatizando o uso de nos Serviços Públicos Médicos Assistências, restringindo sua pratica nas instituições governamentais para médicos. (CIPLAN que foi extinta no governo de Collor).

1989: Foi aprovado pelo Ministério do Trabalho o Sindicato de Profissionais de Acupuntura, Moxabustao, Do-In e Quiropratica do Estado de São Paulo.

1991: Foram propostos os PL935/91 de Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP) e o N?337 de 1991 do senador Fernando Henrique Cardoso. Todos estes projetos apresentam em comum o caráter democrático social estendendo o exercício da acupuntura para todos os profissionais da área de saúde e exigindo boa formação dos acupunturistas, determinam, por exemplo, curso de 3 anos com carga horária de 1.600 horas.

1991: Foi dada entrada ao projeto de lei N?383/1991 do deputado Marcelino Romano Machado (PPB-SP), que teve prosseguimento com parecer favorável do relator Nilson Gibson (PMDB-PE).

20/8/93: Relatório do seminário organizado pela Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária onde se recomendou o monopólio da Acupuntura pela classe medica. Tal seminário foi realizado sob condições suspeitas, pois participaram 12 médicos da SMBA, 2 médicos a favor dos acupunturistas e 1 único profissional não medico.

13/10/93: Parecer favorável dos 12 Conselhos Federais da área de Saúde (inclusive do Conselho Federal de Medicina) ao PL383/91 onde solicitaram um fórum amplo e democrático para a sua discussão.

14/12/94: O PL383/1991 foi aprovado na Câmara dos Deputados e encaminhado para CAS (Comissão de Assuntos Sociais) do Senado, sob o código PLC67/95.

11/8/95: O CFM (Conselho Federal de Medicina), com o intuito de bloquear a tramitação do PLC67/95 na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, aprovou a Acupuntura como especialidade medica. Dai em diante, os médicos corporativistas passaram a divulgar que tem o monopólio da Acupuntura e que os acupunturistas seriam presos por exercício ilegal de Medicina.

1995: O Conselho Federal de Enfermagem aprovou na 239? Reunião Ordinária o parecer CTA n? 004/95 favorável a pratica de Terapias Naturais por profissionais de Enfermagem.

Fonte: www.citeacupuntura.com.br

Acupuntura

Pontos de acupuntura ( Dinastia Ming )

Acupuntura é um ramo da Medicina tradicional chinesa e um método de tratamento chamado complementar de acordo com a nova terminologia da OMS - Organização Mundial da Saúde.

Acupuntura consiste na aplicação de agulhas, em pontos definidos do corpo, chamados de "Pontos de Acupuntura", para obter efeito terapêutico em diversas condições.

Atribui-se o nome Acupuntura, a um jesuíta europeu que retornando da China , no século XVII, adaptou os termos chineses Zhen Jiu, juntando as palavras latinas Acum (que significa agulha) e Punctum (picada ou punção).

A tradução literal do termo chinês, no entanto, é bem diferente. O correto seria Zhen (agulha) e Jiu ( moxa ).

A tradução causa a impressão de que o terapeuta só trabalha com agulhas. Os pontos e meridianos também podem ser estimulados por outros tipos de técnicas.

É porque, na verdade, os pontos de Acupuntura podem ser estimulados por agulhas ou pelo aquecimento promovido por moxa , um bastão de artemísia em brasa, que é aproximado da pele para aquecer o ponto de acupuntura. Há, também, o método de estimulação por laser , ainda em estudos.

História da acupuntura

A história da acupuntura confunde-se com a história da medicina na China. Seus primórdios remontam à pré-história chinesa. A linguagem escrita milenar permitiu a continuidade do conhecimento. Posteriormente, outros países orientais contribuíram para o desenvolvimento das técnicas de acupuntura. As notícias sobre acupuntura no ocidente chegaram com os primeiros exploradores europeus que visitaram o império Chinês, ainda na idade média .

Visão tradicional chinesa

Ciclo de geração dos cinco elementos : Fogo gera Terra, Terra gera Metal, Metal gera Água, Água gera Madeira, Madeira gera Fogo...

A visão tradicional da medicina chinesa está profundamente ligada a teorias baseadas no Taoísmo , sobre a dualidade Yin/Yang , sobre meridianos e outros conceitos bastante "exóticos" para a ciência médica ocidental. Contudo, contribuições da Antropologia, mais especificamente da Antropologia Médica, vem facilitando o entendimento destes conceitos à luz da interpretação lógica das explicações mítico-religiosas compreendidas como sistemas etnomédicos capazes de dar respostas às demandas por cuidados de saúde de uma determinada população.

O Yin e o Yang são aspectos opostos de todo movimento no universo. É um conceito hoje considerado quântico que os médicos chineses antigos conseguiram adaptar para a medicina.No corpo do homem existe um equilíbrio que pode ser alterado por diversos tipos de influências, como alimentar, comportamental e muitas outras.

Existem muitas formas de diagnóstico na medicina tradicional chinesa. Algumas delas são a pulsação, a observação e aspectos da língua, a cor e aspectos da pele. Um médico chinês costuma dizer que não se deve olhar apenas o paciente, mas escutá-lo, tocá-lo, cheirá-lo, provar sua urina e conhecer as suas fezes.

Uma consulta baseada no modelo tradicional chinês pode levar de vários minutos a algumas horas. O terapeuta questiona vários aspectos da vida incluindo a infância, expressão das emoções, a alimentação, hábitos e costumes.

A natureza das explicações tradicionais da medicina chinesa não tornam essa prática essencialmente distinta de outros sistemas etno - médicos, exceto porém por sua notável semelhança com a medicina hipocrática - a quem se atribui a origem da moderna medicina cosmopolita. O estudo de sua história revela seu rompimento com algumas tradições "mágicas" e incorporação do conhecimento empírico proveniente de cuidadosas observações, consolidado no que vem sendo chamado do paradigma do Yin - Yang e dos 5 movimentos descrito nos livros clássicos para os orientais ou documentos etnológicos brutos para a antropologia estrutural. Entre os livros clássicos o mais conhecido é, sem dúvida o " Livro do Imperador Amarelo " cujo exemplar mais antigo foi encontrado em um túmulo da dinastia Han (Fu Weikang).

Mecanismos de ação da Acupuntura

Aplicação de agulhas de acupuntura.

Dentro do conhecimento atual de fisiologia , a Acupuntura é um método de estimulação neurológica em receptores específicos, com efeitos de modulação da atividade neurológica em três níveis – local, espinhal ou segmentar, e supra-espinhal ou suprasegmentar.

Já em 1921, Goulden concluiu sobre a participação do Sistema nervoso autônomo na Acupuntura, através dos nervos simpáticos , observando também que os pontos de Acupuntura possuem impedância menor entre si que os pontos próximos ou circunjacentes

Chiang e Cols, em 1973, demonstraram que o efeito da Acupuntura é conduzido através dos nervos, ao constatarem que o estímulo acupuntural não surtia efeito quando aplicado em área bloqueada por anestésico local..

Chan, 1984 , concluiu que muitos dos pontos de Acupuntura correspondem a locais de penetração das fibras nervosas na fáscia muscular, 309 pontos estão localizados sobre terminações nervosas e 286 pontos localizados sobre os principais vasos sanguíneos, rodeados pelos Nervi vasorum , a inervação própria dos vasos sanguíneos. Alguns pontos de Acupuntura correspondem aos pontos gatilhos (Trigger points, em inglês), que são pontos localizados na musculatura, sensíveis ao toque e que condicionam o surgimento de sintomas à distância, como dores de cabeça, por exemplo.

Em 1985, foi descoberto que a aplicação de agulhas de Acupuntura estimulava fibras nervosas específicas e que as sensações produzidas pelo estímulo por acupuntura correspondem àquelas experimentadas pelo estímulo das fibras nervosas do tipo A delta (A d), como choque, sensação de peso ou parestesia .

A Acupuntura aplicada em áreas de pele acometidas por Neuralgia pós-herpética não se mostrou eficaz (Embora o efeito analgésico possa ser obtido puncionando-se outras áreas) . [6] E foi demonstrado que, na Neuralgia pós-herpética , a sensação típica da estimulação de fibras A d está ausente.

Ação segmentar da Acupuntura

Ação segmentar da Acupuntura é o conjunto de mecanismos fisiológicos que ocorrem do local do estímulo com agulha até a medula espinhal. O estímulo de fibras nervosas "A d" por agulhas de Acupuntura ativa o interneurônio inibitório , ou célula pedunculada, na lâmina II do corno posterior da medula espinhal. A célula pedunculada, com a liberação de metencefalina , bloqueia, na área conhecida como Substância Gelatinosa, a transmissão do sinal da dor conduzido pelas fibras tipo "C" para os tratos ascendentes da medula. Por outra via ascendente, o Trato espino talâmico , o estímulo da fibra "A d" é conduzido ao Córtex cerebral , onde são interpretadas, ou "percebidas" as sensações de peso, distensão, calor ou parestesia que ocorrem durante o estímulo por acupuntura.

Ação supra-segmentar da Acupuntura

O estímulo das fibras A d prossegue através do Trato espino talâmico até o córtex cerebral, onde é percebido conscientemente e à medida que segue neste trajeto, há colaterais para os diversos níveis da medula espinhal, com liberação de Beta-endorfina, um dos tipos de Morfina do próprio organismo, e afetando vias neurológicas descendentes que terminam por reforçar a estimulação da célula pedunculada, com efeito analgésico sobre o estímulo das fibras tipo C, e que usam o neurotransmissor Serotonina , o chamado "Hormônio do bem-estar", o que explica bem os efeitos da Acupuntura não só no tratamento da dor, como também da Depressão e dos estados de Ansiedade .

Ação Central da Acupuntura

O estímulo da agulha de Acupuntura atinge áreas do encéfalo mais elevadas, como o Hipotálamo e a Hipófise , promovendo o equilíbrio do funcionamento destes centros. Como a Hipófise é uma Glândula , ocasionalmente chamada de Glândula Mãe, que coordena a função de diversas outras glândulas do corpo, o efeito da Acupuntura sobre este órgão afeta o funcionamento das Glândulas supra renais , da Tireóide , dos ovários , dos testículos , e assim tem ação terapêutica sobre a Hipertensão arterial , Dismenorréia , Tensão pré-menstrual , disfunções da Libido , e outras patologias.

Neurotransmissores na Acupuntura

Até o presente momento, sabe-se que a Acupuntura afeta a expressão e ou liberação de serotonina , e dos peptídeos opióides beta-endorfina , meta- encefalina , e dinorfina . A colecistocinina , peptídeo envolvido no processo digestivo, é antagonista da acupuntura [8] . Considerando que a colecistocinina é estimulante da secreção ácida do estômago , temos daí a compreensão do efeito benéfico da acupuntura sobre as gastrites , úlceras e na Doença de refluxo gastroesofágico . A Naloxona , inibidor da ação de opióides, muito utilizada em Medicina antagoniza os efeitos da Acupuntura [9] . Em dado momento, postulou-se que a ação da Acupuntura seria fruto apenas da liberação de endorfinas , entretanto, a rápida instalação da analgesia e sua duração maior que o tempo de aumento da quantidade de opióides pela Acupuntura liberados demonstra que outros mecanismos estão envolvidos.

Fonte: www.vilaboadegoias.com.br

Acupuntura

A HISTÓRIA DA ACUPUNTURA

A Acupuntura é baseada na teoria de medicina chinesa e é praticada mediante a introdução de agulhas com diâmetros de 0,18 mm a 0,25 mm em determinados pontos da superfície do corpo com o objetivo de prevenir e/ou tratar as doenças. São 365 pontos oficiais que estão localizados nos meridianos pelos quais corre a energia vital denominada "chi ".

Esta prática medicinal é um dos legados mais antigos e populares da cultura chinesa devido à sua eficácia no combate das enfermidades, à facilidade de seu uso, à economicidade da sua prática e à sua segurança. Até hoje é um dos métodos mais praticados na China e em toda a Ásia, sendo cada vez mais expandido no ocidente. Essa expansão se evidencia pelas numerosas Faculdades em que se estuda a acupuntura, tanto nos Estados Unidos como na União Européia. Por exemplo, as universidades de Harvard e São Francisco oferecem pós-graduação em Acupuntura.

O desenvolvimento de Acupuntura vem acompanhando a longa história da China. Como essa história é muito antiga, temos hoje dificuldade de precisar com exatidão a época em que a Acupuntura surgiu. É possível, entretanto, rastrear e deduzir a sua origem por intermédio dos escritos existentes, das peças arqueológicas descobertas e do desenvolvimento da estrutura da sociedade chinesa, o que nos leva à constatação de que a Acupuntura já existia antes mesmo da existência da escrita chinesa.

No primeiro capítulo da obra LIN SHU , encontramos a pergunta feita pelo Imperador Amarelo a Chi Bow : "Gostaria de ouvir a sua opinião: Eu amo o meu povo como se fossem meus filhos, e preciso sustentar os meus oficiais, e preciso arrecadar impostos. Ao mesmo tempo, tenho compaixão pelo povo que mal se sustenta e está constantemente atormentado por doenças. Não querendo usar drogas , nem Bien Shi , eu gostaria de usar agulhas finas para desobstruir os meridianos, tonificar o "chi "e o "xue ", tendo em vista os percursos de início e término de cada um desses meridianos, atingindo assim o perfeito equilíbrio do organismo. Para tanto, pretendo determinar a estrutura e as regras que regem cada meridiano e o tratamento da síndromes, como se fosse em uma legislação que seja fácil de ser memorizada e utilizada nos casos de tratamento das doenças. E para evitar que estes conhecimentos da Acupuntura caiam no esquecimento com o curso do tempo, pretendo publicá-los, eternizando-os." Pelo texto acima citado podemos, de pronto, deduzir que a utilização das agulhas de Acupuntura foi posterior ao tratamento denominado Bien Shi.

Em SHUO WEN JIE ZHI encontramos a explicação do caractere chinês representativo de "Bien, que é um tipo específico de pedra trabalhado para ficar em um formato coniforme, cuja função é pressionar os pontos existentes nos meridianos com o objetivo de tratamento das doenças. Na obra SHAN HAI JIN encontramos a seguinte referência: "Nas montanhas de Kau existem muitas jazidas de jade e abaixo delas existem jazidas de Bien Shi". Ao comentar este texto, Kou Bu Zhu explicou que o Bien Shi era usado para o tratamento de furúnculos, infecções, edemas e semelhantes.'

Mas a Acupuntura é muito mais antiga do que a época do Imperador Amarelo. No ano 1963 em uma cidade de Mongólia foi descoberta uma agulha feita de pedra na Idade neolítica. De acordo com análise cientifica, esta peça arqueológica poderia ser uma das primeiras "agulhas" de Acupuntura feitas de pedra. Com base nesta descoberta podemos deduzir que a origem da Acupuntura poderá ter ocorrido de quatro a dez mil anos atrás, na Idade Neolítica, ou até mesmo antes desta época.

Com a descoberta da utilização dos metais pelo homem, as agulhas de Acupuntura também seguiram o desenvolvimento da época, melhorando a sua qualidade . Antes da época em que foi escrito o livro "IMPERADOR AMARELO" as agulhas eram feitas de pedras, ossos de animais e bambu. Foram, a partir de então, sendo aperfeiçoadas passando a ser confeccionadas com metais, de acordo com as épocas em que estes foram descobertos, como: de bronze, de ferro, de ouro e de prata. O Bien Shi foi sendo substituído.

Em 1978, foi descoberta uma agulha feita de bronze numa floresta da cidade Dalatechi, na Mongólia. No ano de 1968, na Tumba de Liu Shen da Dinastia de Han Oeste (206 a.c. a 23 d.c.) foram descobertas peças arqueológicas raras: nove tipos de agulhas de tamanhos e formas diferentes feitas de ouro e prata trabalhadas com muita precisão. Com isso também ficou demonstrado que as técnicas da fabricação das agulhas foram desenvolvidas juntamente com a evolução das tecnologias das diferentes épocas.

O estudo da Acupuntura acompanhou a longa caminhada da história chinesa. Em 1973, foram descobertas peças arqueológicas na Tumba Nº III de Ma Wang, da Dinastia Han (206 a.c a 220 d.c.) na cidade de Changsa da Província de Hu Nan. Entre elas estavam dois livros manuscritos, feitos de seda, cujos nomes são de AS TEORIAS DOS ONZE PERCURSOS DOS BRAÇOS E DAS PERNAS DE MOXABUSTÃO e AS REGRAS DOS ONZE PERCURSOS DO YIN E DO YANG. O conteúdo desses livros era a distribuição dos onze percursos, descrição de quadros clínicos e de tratamentos através de moxabustão. De acordo com análises científicas, estas obras foram escritas antes de o "Imperador Amarelo". Podemos, a partir daí, ter uma visão das possíveis primeiras origens da história da Acupuntura.

Na obra O IMPERADOR AMARELO já existiam teorias e descrições detalhadas sobre o percurso da energia nos meridianos, sobre as localizações dos pontos, sobre as técnicas de manuseio das agulhas e sobre os diferentes quadros clínicos, bem como indicações e proibições relativas à aplicação da Acupuntura. Descreveram-se com riqueza as estruturas teóricas no livro "Lin Shu". Daí podemos concluir que desde aquela época já era bastante praticada a técnica de Acupuntura e observar como foi sendo estabelecida a estrutura e a teoria de Acupuntura na China desde 1500 a.c.

Atualmente, depois da referida obra O IMPERADOR AMARELO, o segundo livro mais antigo sobre a Acupuntura que ainda nos resta é o ZHEN JIO JIA YI JIEN, cujo autor foi Huan Pu Yi, da dinastia Jing (265 a 420 d.c.). Com relação ao período intercorrente entre esses dois livros não foi preservada nenhuma outra obra sobre a Acupuntura. Nesta obra, o autor analisou o IMPERADOR AMARELO e MING TANG KON SHE ZHI YIAO e descreveu com precisão as localizações dos pontos de Acupuntura nas regiões da cabeça, do rosto, do tórax, do abdômen e das costas, de acordo com as teorias Zhang-Fu . Descreveu também os meridianos de que trata a Acupuntura. Com base no referido livro O IMPERADOR AMARELO, ele desenvolveu e definiu as localizações de 349 pontos, indicações clínicas, técnicas de manipulação das agulhas, indicações e contra-indicações de Acupuntura e de Moxabustão. Seu livro é uma obra importante sobre a Acupuntura/ Medicina Chinesa posterior ao IMPERADOR AMARELO. É fundamental para o estudo da história da acupuntura e da evolução da prática clinica.

ZHOU HOU BEI JI FANG do autor Jin Ke Hong, da Dinastia Tong Jing (265 a 316 d.c.), contém o registro de 109 formulações de acupuntura, sendo que 99 são de moxabustão. Isto demonstra também a importância que era atribuída à moxabustão naquela época e o encaminhamento de um desenvolvimento por igual tanto da Acupuntura quanto da Moxabustão.

QIAN JING FANG do autor "Sun Si Miao", na Dinastia Tang (618 a 907 d.c.), esclareceu a localização e indicação dos pontos "A She ", Também fez um mapa colorido de Acupuntura. O Mapa de "Ming Tang" utiliza várias cores e desenhos dos 12 meridianos e de mais 8 meridianos extras, na parte frontal do corpo, na lateral e nas costas. Especialmente alertou no livro sobre a prevenção das doenças através da Acupuntura e da moxabustão. Este livro é considerando uma das obras mais importantes na área da Medicina Chinesa.

WAI TAI MI YIAO, do autor Wang Tau, da Dinastia Tang (618 a 907 d.c.), introduziu amplamente a técnica de moxabustão nos tratamentos das doenças. Durante essa mesma dinastia foi criado um departamento de saúde "Tai Yi Shu" com a função educacional específica de formar profissionais nas áreas de Acupuntura como uma especialidade médica, com as doutrinas da época. Já então eram usados títulos tais como "doutor", "mestre", "professor" e "assistente" para aqueles que exerciam a função de lecionar. Com isso demonstramos o quanto a acupuntura era importante na visão dos governantes, tanto na área da educação, quanto na área da saúde.

Na Dinastia de Song Norte (960 a 1127 d.c.) , "Wang Wei Yi" desenhou o MAPA DE ACUPUNTURA TONG REN. Nele , constavam os percursos dos meridianos e também as definições dos 354 pontos de Acupuntura. O livro inteiro foi esculpido em placas de pedras na cidade de Kai Fong, que hoje é a capital de He Nan. Essas placas de pedra eram utilizadas como matrizes para reprodução das cópias deste livro, assim facilitando a divulgação da obra e a aprendizagem dessa área de saúde. No ano seguinte ele fez duas estatuas de bronze do tamanho normal das pessoas com todos os pontos e meridianos da Acupuntura para efeito de aprendizagem .Foram os primeiros modelos de Acupuntura.

A PLENITUDE DOS QUATORZE MERIDIANOS, do autor Huan Pó Ren da Dinastia Yuan (1279 a 1368 d.c.), descreveu sistematicamente o início e término de cada percurso dos meridianos e os pontos existentes em cada um deles; destacou os meridianos "Du Mai" e "Ren Mai" como dois meridianos extras e assim estabeleceu fundamentos, facilitando os estudos e pesquisas de gerações posteriores.

Acupuntura

Acupuntura

Na Dinastia Ming (1644 a 1911 d.c.) houve um desenvolvimento brilhante da história de acupuntura. O ZHEN JIU DA CHEN foi a obra mais importante dessa época. Seu autor Yang Ji Zhou baseou-se no livro OS SEGREDOS DA ACUPUNTURA e também em outras obras de diferentes épocas, bem como em suas próprias experiências clínicas.

Pela riqueza de seu conteúdo esta foi uma grande obra médica posterior ao IMPERADOR AMARELO e a JIA YI JING. Nessa mesma época surgiram outras obras importantes, tais como o SHEN YIN JIN do autor Cheng Hui; a ENCICLOPÉDIA DE ACUPUNTURA do autor Xiu Fong; ZHEN JIU JU YIN FA HUE, do autor Kou Wu; QUESTIONÁRIOS DE ACUPUNTURA do autor Wang Ji e PESQUISA DOS OITO MERIDIANOS EXTRAS de Li Shi zhen. Cada um deles desenvolveu sua metodologia própria e assim foram formadas várias escolas com práticas diferenciadas. Foi uma das épocas em que a acupuntura mais se desenvolveu e brilhou na história chinesa.

Na última dinastia chinesa - a Dinastia Ming - apenas alguns livros foram publicados como YI ZHONG JIN JIEN do autor Wu Quian e ZHEN JIU CHEN do autor Liao Ren Hong. Não ocorreram novas teorias e inovações importantes.

No século VI a acupuntura foi introduzida na Coréia com o livro escolhido como didático de JIA YI JIN.

No ano 562 d.c. Wu Ren Zhi Chong levou para o Japão alguns livros de Acupuntura, tais como, o ZHEN JIU JIA YI JIN e MING TANG KON SHE ZHI YIAO. No ano 701 d.c. foi estabelecido no Japão um Departamento de Acupuntura para tratar as enfermidades da população e até hoje lá existem várias escolas de Acupuntura.

No final de séc. XVII a acupuntura foi divulgada na Europa.No Brasil a história da Acupuntura iniciou-se desde 1850 com a chegada dos primeiros imigrantes chineses.

Em 1977, o Ministério do Trabalho, em convênio com a OIT (Organização Internacional do Trabalho) e a UNESCO (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura), definiu a profissão de acupunturista sob o código número 0-79.15, na CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) através do Projeto BRA/70/550. A CBO foi reconfirmada no Diário Oficial do dia 11/02/94, Seção 1.

Em 1979, a Organização Mundial de Saúde, órgão da ONU para a área, já reconhecia o uso da acupuntura como terapêutica eficaz para mais de 40 doenças (WHO, "Viewpoint on Acupuncture").Atualmente no Brasil já existe legislação específica sobre a Acupuntura :

A resolução Nº 1455 de 11 de agosto de 1995, do Conselho Federal de Medicina reconheceu a Acupuntura como uma especialidade médica. Em 2002, a Acupuntura foi regulamentada pela comissão mista composta pela AMB - Associação Médica Brasileira, CNRM - Conselho Nacional de Residência Médica e CFM - Conselho Federal de Medicina, como uma das 50 especialidades médicas. Inclusive, em 2003, foi incluída pelo CNRM como uma das especialidades com acesso direto para realizar Residência Médica. Existem hoje Faculdades de Medicina com cursos de pós-graduação em Acupuntura.

Visão panorâmica da BEIJING UNIVERSITY OF CHINESES MEDICINE construída em 1958

Bibliografia:

1. Zhen Jio Xue ( Acupuntura e Moxabustão) escrito por Qiu Mao Ling e Chang Han Zhen. - Editora de Ciência e Tecnologia de Changai, 1982

2. Zhen Jio Xue (Acupuntura e Moxabustão) escrito por Heu Xu Huai - Editora Chong Yi Ku JI, 1985.

3. Mapa de Acupuntura - de Teng Lian Yue - Editora Chong Kuo, 1990

4. Lin Shu Jing Xiao Shi (parte do Imperador Amarelo) Editora Ren Ming Wei Shen, 1980.

5. Wikipédia - http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A1gina_principal.

6. New York Times de 28 de setembro de 2004 "Acupuncture Moves Toward The Mainstream"artigo de Anahad O' Connor.

Fonte: www.institutobeijing.com

Acupuntura

Os Benefícios da Acupuntura

A acupuntura é o conjunto de conhecimentos teórico-empiricos da medicina chinesa tradicional que visa à terapia e a cura através de aplicações de agulhas e de moxas, além de outras técnicas.

Esta ciência surgiu na China em plena Idade da Pedra, isto é, há aproximadamente 4.500 anos. No entanto, apesar de sua antiguidade, continua evoluindo.

As recentes pesquisas cientificas muito têm contribuído para uma maior compreensão da acupuntura. Como já foi dito, apesar de ser uma ciência antiga, continua sendo um campo aberto à pesquisa e a novos conhecimentos. Os conhecimentos da acupuntura foram transmitidos de geração para geração, as recentes pesquisas demonstram que as velhas fórmulas e princípios da acupuntura não foram ainda superados.

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ACUPUNTURA

A acupuntura é uma pratica que se tornou popular desde os tempos antigos na China. Sua popularidade se conservou através dos tempos devida à simplicidade de sua teoria, aplicação e aprendizagem.

Podemos citar os seguintes tópicos como sendo os mais indicativos no que se refere à qualidade de acupuntura:

1. Inúmeras possibilidades de aplicação.

É útil em qualquer doença, não importando sua localização, oferecendo auxilio de uma maneira ou de outra em todas as faixas etárias e independente do sexo, podendo ainda ser facilmente associada a outras modalidades terapêuticas.

2. Diminuição do uso de medicamentos.

Atualmente o uso de drogas está se tornando abusivo, com frequentes intoxicações. A acupuntura regula o equilíbrio do organismo, melhorando a circulação sanguínea, aumentando a resistência corpórea e sendo capaz de mudar a constituição corporal, por isso, reduz ao mínimo a necessidade de drogas e aumenta a eficácia terapêutica. Além disso, constitui-se num tratamento mais econômico.

3. Simplicidade da instrumentação necessária.

Muitos equipamentos médicos são hoje difíceis de transformar. A acupuntura utiliza materiais simples, de fácil transporte, principalmente em algumas emergências, como o colapso, insolação ou angina. Num meio onde não há facilidade médica é mais evidente sua utilidade.

4. Segurança no tratamento.

A acupuntura é uma pratica extremamente segura exigindo, no entanto, um nível técnico do terapeuta.

5. Complementa as lacunas da medicina moderno.

Apesar do constante progresso, a medicina moderna ainda não conseguiu resolver muito dos problemas que atingem o ser humano, por exemplo, doenças como as espondiloses, as periarterites degenerativas, as colagenoses, e outras auto-imunes. Em muitas destas doenças, a acupuntura, isoladamente ou associada a drogas, obtém melhores resultados.

6. Os aspectos desfavoráveis.

Podemos citar dois aspectos básicos, que consideramos desfavoráveis à acupuntura. Primeiro o temor despertado pelas próprias agulhas, por isso, muitos outros métodos de estimulação têm sido desenvolvidos na esperança de substituir as agulhas, mas ainda não se conseguiram os mesmos efeitos que as agulhas oferecem.

Em segundo lugar, a acupuntura exige um longo período de tratamento de perfeição e de maestria manual do terapeuta, o que requer longos anos de aprendizado.

Em algumas doenças a acupuntura mostra-se muito eficaz:

Enxaquecas, tensão pré-menstrual, osteoporose, joelhos, dor cervical, dorsalgia, ciáticas, tendinites, gastrites e outras tantas, mas a indicação maior é o tratamento da dor.

Fonte: www.brasilclinicas.com.br

Acupuntura

Mecanismos de ação da Acupuntura

Aplicação de agulhas de acupuntura. No conhecimento atual de fisiologia, a Acupuntura é um método de estimulação neurológica em receptores específicos, com efeitos de modulação da atividade neurológica em três níveis – local, espinhal ou segmentar, e supra-espinhal ou suprasegmentar.

Esquema mostrando as conexões neurais da Ação Segmentar da Acupuntura.

Ação segmentar da Acupuntura Ação segmentar da Acupuntura é o conjunto de mecanismos fisiológicos que ocorrem do local do estímulo com agulha até a medula espinhal. O estímulo de fibras nervosas "A d" por agulhas de Acupuntura ativa o interneurônio inibitório, ou célula pedunculada, na lâmina II do corno posterior da medula espinhal. A célula pedunculada, com a liberação de metencefalina, bloqueia, na área conhecida como Substância Gelatinosa, a transmissão do sinal da dor conduzido pelas fibras tipo "C" para os tratos ascendentes da medula. Por outra via ascendente, o Trato espino talâmico, o estímulo da fibra "A d" é conduzido ao Córtex cerebral, onde são interpretadas, ou "percebidas" as sensações de peso, distensão, calor ou parestesia que ocorrem durante o estímulo por acupuntura.

Ação supra-segmentar da Acupuntura

O estímulo das fibras A d prossegue através do Trato espino talâmico até o córtex cerebral, onde é percebido conscientemente e à medida que segue neste trajeto, há colaterais para os diversos níveis da medula espinhal, com liberação de Beta-endorfina, um dos tipos de Morfina do próprio organismo, e afetando vias neurológicas descendentes que terminam por reforçar a estimulação da célula pedunculada, com efeito analgésico sobre o estímulo das fibras tipo C, e que usam o neurotransmissor Serotonina, o chamado "Hormônio do bem-estar", o que explica bem os efeitos da Acupuntura não só no tratamento da dor, como também da Depressão e dos estados de Ansiedade.

Ação Central da Acupuntura

O estímulo da agulha de Acupuntura atinge áreas do encéfalo mais elevadas, como o Hipotálamo e a Hipófise, promovendo o equilíbrio do funcionamento destes centros. Como a Hipófise é uma Glândula, ocasionalmente chamada de Glândula Mãe, que coordena a função de diversas outras glândulas do corpo, o efeito da Acupuntura sobre este órgão afeta o funcionamento das Glândulas supra renais, da Tireóide, dos ovários, dos testículos, e assim tem ação terapêutica sobre a Hipertensão arterial, Dismenorréia, Tensão pré-menstrual, disfunções da Libido, e outras patologias.

Neurotransmissores na Acupuntura

Até o presente momento, sabe-se que a Acupuntura afeta a expressão e ou liberação de serotonina, e dos peptídeos opióides beta-endorfina, meta-encefalina, e dinorfina. A colecistocinina, peptídeo envolvido no processo digestivo, é antagonista da acupuntura[8]. Considerando que a colecistocinina é estimulante da secreção ácida do estômago, temos daí a compreensão do efeito benéfico da acupuntura sobre as gastrites, úlceras e na Doença de refluxo gastroesofágico. A Naloxona, inibidor da ação de opióides, muito utilizada em Medicina antagoniza os efeitos da Acupuntura[9]. Em dado momento, postulou-se que a ação da Acupuntura seria fruto apenas da liberação de endorfinas, entretanto, a rápida instalação da analgesia e sua duração maior que o tempo de aumento da quantidade de opióides pela Acupuntura liberados demonstra que outros mecanismos estão envolvidos.

Referências

1. - Goulden E A 1921 The treatment of sciatica by galvanic acupuncture. British Medical journal 1:523-524

2. - Chiang C Y, Chang C T, Chu H L, Yang L F 1973 Peripheral afferent pathway for acupuncture analgesia. Scientia Sinica 16:210-217.

3. - Chan S H. What is being stimulated in acupuncture: evaluation of the existence of a specific substrate. Neurosci Biobehav Rev. 1984 Spring;8(1):25-33.

4. - Melszack R, Stillwell D M, Fox E J 1977 Trigger points and acupuncture points for pain: correlations and implications. Pain 3:3-23

5. - Wang K M, YaoS M, Xian Y L, Hou Z 1985 A study on the receptive field of acupoints and the relationship between characteristics of needle sensation and groups of afferent fibres. Scientia Sinica 28:963-971

6. - Levine J D, Gormley J, Fields H L 1976 Observations on the analgesic effects of needle puncture (acupuncture). Pain 2:14W159

7. - Nurmikko T, Bowsher D 1990 Somatosensory findings in postherpetic neuralgia. Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry 53:135-141.

8. - Han J S, Ding X Z, Fan S G 1986 Cholecystokinin octapeptide (CCK-8): Antagonism to eletroacupuncture analgesia and a possible role in eletroacupuncture tolerance. Pain 27:101-115

9. - Mayer D J. Price D D, Rafii 1977 Antagonism of acupuncture analgesia in man by the narcotic antagonist naloxone. Brain Research 121;368-372

Fonte: www.spacodasaude.com.br

Acupuntura

A palavra "acupuntura" origina-se do latim, sendo que acus significa "agulha" e punctura significa "puncionar". A acupuntura se refere, portanto, à inserção de agulhas através da pele nos tecidos subjacentes, em diferentes profundidades e em pontos estratégicos do corpo para produzir o efeito terapêutico desejado.

A acupuntura faz parte do atendimento em Medicina Tradicional Chinesa. Para saber mais sobre Medicina Tradicional Chinesa clique aqui.

O que pode-se tratar com acupuntura

Sistema Músculo-Esquelético e Reumatologia

Dores ósteo-musculares, patologias miofasciais, tendinites, bursites, LER/DORT, fibromialgia, distensões musculares, coadjuvante em fraturas, dores crônicas pós-cirúrgicas, coadjuvante nas patologias do colágeno incluindo Lúpus (nas formas sistêmica e discóide), artrite reumatóide, doença de reiter, Síndrome de Sjogrem, amiloidose, cervicalgias, dorsalgias, lombalgias.

Sistema Genito-Urinário

Impotência; coadjuvante na infecção urinária, cólica nefrética; coadjuvante em orquite aguda e crônica; coadjuvante em prostatite, distúrbios menstruais (alterações de ciclo, hemorragias, amenorréia, dismenorréia); coadjuvante em anexites e miometrites, alterações benignas da mama, miomas, dor pélvica crônica, leucorréias persistentes, hipoalgesia da dor de parto, indução de trabalho de parto, náuseas e vômitos da gravidez, parto prematuro.

Oncologia

Coadjuvante, diminuindo a dor e melhorando as condições do sistema imunológico.

Sistema Circulatório

Hipertensão arterial essencial, arritmias supra-ventriculares; coadjuvante nas varizes de membros inferiores.

Sistema Respiratório

Asma, bronquite, infecção de vias aéreas superiores, enfisema pulmonar, amiloidose pulmonar; coadjuvante nas infecções agudas e crônicas.

Sistema Digestivo

Dispepsias, esofagite de refluxo; coadjuvante em úlcera péptica e gastrite; coadjuvante em moléstia de Crohn e retocolite ulcerativa; coadjuvante em diarréias agudas e crônicas; coadjuvante em hepatites, sintomático na cólica biliar.

Sistema Nervoso

Diminuição de memória, cefaléias, ansiedade, depressão; coadjuvante nas patologias degenerativas como esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, miastenia gravis, acidente vascular verebral (AVC).

Sistema Endócrino

Hipotireoidismo, hipertireoidismo, alterações de ciclo menstrual.

Perguntas Frequentes

Posso misturar outros tratamentos com a acupuntura?

Sim, é possível associar a acupuntura a outros tratamentos. Fisioterapia, remédios alopáticos, psicoterapia, homeopatia entre outros tratamentos são beneficiados pela associação com a acupuntura, ocorrendo desde a aceleração e a facilitação de processos terapêuticos até a redução das doses dos remédios utilizados.

O que não se deve fazer após uma sessão de acupuntura?

Mesmo depois da retirada das agulhas, os pontos continuam sendo estimulados por mais ou menos duas horas. Por isso, durante este período, evite molhar os pontos estimulados, ter relações sexuais, tomar bebidas alcoólicas, fazer trabalhos pesados ou comer excessivamente.

As agulhas são descartáveis?

Sim, as agulhas utilizadas são novas e descartáveis.

Uma aplicação de acupuntura é dolorida?

Geralmente não, pois as agulhas são muito finas e existe uma técnica para inserí-las. Nos pontos mais sensíveis é possível apenas sentir uma leve picada como um pequeno choque.

Como funciona e quanto tempo dura um tratamento com acupuntura?

Depende muito de cada caso. Geralmente, problemas físicos tais como dores nos ombros e tendinite levam entre 4 a 6 aplicações. Nos casos crônicos e nos problemas emocionais utilizamos métodos adicionais. A aplicação costuma ser semanal, entretanto em casos mais graves recomendamos a frequência de duas aplicações semanais.

Fonte:www.institutouniao.com.br

Acupuntura

Acupunturaé o termo usado no Ocidente para referir-se a Chen Chiu, um antigo método de tratamento chinês, que se baseia na estimulação de determinados pontos da pele com agulhas (Chen) e com fogo (Chiu).

Chen Chiu, estritamente dito, é o nome das técnicas que se traduzem por Acupuntura (do latin: acus = agulha, e puntura = punçar).

Acupuntura

A medicina tradicional Chinesa é, a arte de tratar e prevenir doenças e teve sua origem na China há cerca de cinco mil anos. Está baseada no Tao, no Yin/Yang como forças opostas e complementares, presentes em todos os seres e organismos.

Uma de suas técnicas mais conhecidas é assim, a Acupuntura e a Moxa, que chegaram ao Ocidente no início do século XX. Posteriormente vieram a Fitoterapia, a Auriculoterapia, a Quiropuntura, assim como todas as terapias afins como Moxabustão, a Massagem Oriental, as terapias corporais como An Má, Do-In, Quiroprática, Shiatsu, Tui-Ná; e exercícios terapêuticos como Liang Gong, Qi Gong, e Tai Chi Chuan.

Acupuntura

O que é Acupuntura

A Acupuntura trata as doenças por meio de agulhas, que inseridas em determinados lugares do corpo (pontos de Acupuntura) estimulam o aumento do fluxo da energia Ki, e aplicando certos meios de manipulação, pode curar uma enfermidade, isto é, reequilibrar o órgão ou área em desequilíbrio.

A Acupuntura Chinesa tem, demonstrado nos últimos 5.000 anos, sua eficiência nos tratamentos de alívio das dores em geral (tanto crônicas como agudas).

Como a técnica é feita?

A técnica em si consiste em estimular certas regiões anatômicas, como já dissemos denominadas pontos de acupuntura. Os pontos de energia podem ser ativados por estímulos físicos tais como: dedo, esfera metálica, calor, eletricidade, magnetismo, cor, laser, esparadrapo e agulha, que ainda é o instrumento mais conhecido, simples, prático e quase indolor, visto que as agulhas de acupuntura são muito finas e a introdução na pele é feita através de técnicas especiais, permanecendo no corpo por um período médio de 20 a 40 minutos.

Acupuntura

Além do corpo físico, os acupunturistas consideram a existência do Ki (energia), que circula através de canais invisíveis chamados meridianos, os quais formam uma rede interligando os pontos de Acupuntura, os órgãos, os tecidos e todas as células. As doenças são observadas e analisadas como disfunções energéticas onde o Ki (energia) não circula fluentemente pelos meridianos, surgindo então áreas congestionadas com excesso, e outras deficientes.

Acupuntura causa dor?

Uma das perguntas mais comuns que nos fazem é se a Acupuntura é dolorosa, se o paciente sente dor na inserção das agulhas. A resposta que passamos é através da explicação de que as agulhas mais usadas têm mais ou menos a espessura de um fio de cabelo, cerca de 10 vezes mais fina que uma agulha comum de injeção. Assim, explicamos que, a aplicação das agulhas costuma ser quase totalmente indolor.

A avaliação energética é realizada através do relato do cliente, momento em que o terapeuta é um ouvinte atencioso a cada informação que lhe seja passada, seguido este diálogo do exame da língua, da palpação do corpo, da análise do pulso radial, e avaliação do estado geral, e da fisiognomonia.

Os acupunturistas utilizam-se também dos recursos da Lei dos 5 Elementos (Madeira, Fogo, Terra, Metal e Água), que envolvem não apenas o ser humano, mas os alimentos, a natureza, e tudo o que nos cerca. Do micro ao macrocosmo os chineses desenvolveram uma interpretação do estado do ser humano e das coisas que o cercam.

Acupuntura

Partindo do princípio de que: - "Quantidade afeta qualidade em qualquer coisa na vida", podemos entrar em desequilíbrio energético, seja por falta ou por excesso de energia nos órgãos que compõe nossa natureza física.

Os antigos chineses observaram 12 "órgãos" que são responsáveis pela saúde quando estão em equilíbrio, são eles:

Pulmões/Intestino grosso (Metal)

Estômago/Baço-pâncreas (Terra)

Circulação-Sexo/Triplo aquecedor (Fogo)

Coração/Intestino delgado (Fogo)

Bexiga/Rins (Água)

Vesícula biliar/Fígado (Madeira)

Por cada um destes "órgãos" circula a energia Ki deslocando-se, no nível subcutâneo, através de linhas preferenciais denominadas meridianos. Esses canais imateriais conduzem a energia diferenciada em variadas combinações Yin-Yang, cujos fluxos se intercambiam alternante e complementam no corpo, constituindo um sistema responsável pela defesa, regulação e ressonância do organismo em relação às influências cósmicas.

Saúde implica, em primeiro lugar, na circulação adequada da força vital através de canais livres e desimpedidos.

Cada meridiano é formado por um número determinado de pontos que transmitem a energia em sentido e ordem sempre constantes. Existem vários tipos de meridianos conforme a função que desempenham, sendo 14 considerados importantes - 12 meridianos principais (pares e simétricos) e 2 meridianos extras (ímpares). Os demais, destituídos de pontos próprios, são os meridianos virtuais que somente se manifestam nos estados patológicos e os meridianos de ligação denominados Vasos Secundários.

A acupuntura, desde que praticada por um profissional capacitado é um método seguro e sem efeitos colaterais.

Acupuntura

Hoje em dia, com o uso de agulhas descartáveis ou individuais, o risco de contaminação praticamente desaparece. Outro dado importante é que a agulha utilizada é do tipo fechada, o que impossibilita o acúmulo de qualquer substância no seu interior.

Em geral, o tratamento tem a duração de 10 a 20 sessões. O intervalo entre as sessões depende da intensidade dos sintomas. Nos problemas crônicos, as sessões geralmente são semanais. Os resultados já podem começar a aparecer desde a primeira sessão ou então há uma melhora progressiva.

A colocação das agulhas é feita por todo o corpo, nos pontos ao longo dos meridianos. As sessões são feitas com a pessoa deitada, mas pode ser feita também com o paciente sentado. O tempo de cada sessão em média dura cerca de 60 minutos, podendo ser aumentadas ou diminuídas em função do estado da pessoa.

Quais as vantagens da acupuntura?

A Acupuntura pode tratar inúmeras doenças e aliviar muitas dores e deve ser enfatizado que também é um tratamento preventivo, ou seja, a Acupuntura pode ser aplicado no indivíduo sadio, para estimular seu sistema imunológico, suas energias, permitindo assim prolongar seus períodos de bem-estar e de saúde. Assim, explicamos que a circulação harmoniosa das correntes energéticas pelo corpo impede o aparecimento das doenças.

Apresenta expressivos resultados nos casos de vícios (tabagismo, drogas), em obesidade (gula ansiosa, compulsão). Clique aqui para saber mais!

Tratamentos

Nos tratamentos da coluna vertebral, tem auxiliado cada vez mais os pacientes portadores de distúrbios diversos, seja no desconforto em relação a dor como em reequilíbrio da postura física.

Nos casos de estresse, ansiedade, depressão, é um excelente recurso, pois aumenta e equilibra o fluxo de energia, trazendo bem estar, alívio e disposição em geral.

Entre os tratamentos que podem ser tratadas com a acupuntura, destacamos também as desarmonias funcionais e as causadas por intoxicação alimentar, sedentarismo, má postura e desequilíbrios emocionais.

De uma forma geral os quadros que estão numa fase de desequilíbrio energético, apresentam melhoras e benefícios quando tratadas pela acupuntura. Estes quadros se não corrigidos podem levar à instalação de doenças lesionais e dores.

A acupuntura é plenamente compatível com outros tratamentos. Podendo ser feita isoladamente ou concomitantemente a outros tratamentos, como homeopatia, fitoterapia, florais e mesmo os tratamentos da medicina convencional. Na prática, observa-se que a acupuntura atua no sentido de diminuir a duração dos outros tratamentos.

Acupuntura

Reconhecida e recomendada pela "O.M.S." (Organização Mundial de Saúde) tem ajudado cada dia a um maior número de pacientes tanto no Oriente como aqui no Ocidente.

Armando falconi Filho

Fonte:www.orienteocidente.net

Acupuntura

A acupuntura funciona em animais?

Acupuntura e cinomose

A acupuntura tem sido utilizada para o tratamento de distúrbios neurológicos em cães. Normalmente, a eutanásia é indicada em casos de distúrbios neurológicos com consequente paralisia de membros posteriores como sequela de cinomose. Numa tese de mestrado realizada na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), 52 cães acometidos de paralisia de membros posteriores e consequente paralisia de membros posteriores, causadas pela cinomose, foram divididos aleatoriamente em três grupos, após uma avaliação neurológica completa.

Destes, 17 cães foram tratados convencionalmente de acordo com a medicina ocidental, incluindo antibióticos, complexos vitamínicos e corticosteróides, quando necessário. Outros 18 cães foram tratados com acupuntura, sem nenhuma estimulação elétrica, e 17 cães não receberam tratamento algum. O tratamento com acupuntura foi realizado semanalmente durante o período de quatro semanas, ao final do qual um novo exame neurológico foi realizado e por meio de escore, comparado ao exame inicial, para análise estatística do efeito dos tratamentos nos diferentes grupos.

Considerou-se cura quando os animais eram capazes de andar novamente e ter uma vida normal, sem se observar sequelas, tais como incontinência fecal ou urinária e outras. A cura foi observada em nove cães tratados com acupuntura, em apenas um dos cães tratados convencionalmente e em nenhum cão não tratado. Todos os cães tratados com acupuntura sobreviveram, enquanto que três cães tratados convencionalmente e cinco cães não tratados apresentaram óbito neste período de avaliação, demonstrando que o tratamento com acupuntura em pontos pré-estabelecidos apresentou bons resultados para o tratamento de distúrbios neurológicos produzidos pela cinomose em cães.

Acupuntura e sistema reprodutivo

Normalmente, a prostaglandina é utilizada para indução do abortamento em cães. Doses de 0,25 mg/kg duas vezes ao dia ou 0,1 mg/kg três vezes ao dia usualmente produzem abortamento em nove dias. Entretanto, intensos efeitos colaterais tais como hipotermia, taquipnéia, salivação, vômitos e convulsões são frequentemente observadas. A administração de 0,05 mg/kg ou 0,1 mg/kg de dinoprost a cada 12 horas no ponto Bai Hui, localizado no espaço lombosacro, em quatro cadelas com período de gestação entre 32 e 45 dias, induziu abortamento em todas elas, em 3,5 e 6,5 dias respectivamente.A utilização deste mesmo produto na dose de 0,05 mg/kg a cada 12 horas em quatro cadelas com período de gestação mais adiantado, entre 50 e 55 dias, induziu o abortamento em apenas duas cadelas no terceiro dia de aplicação. A injeção de 1 ml de água destilada a cada 12 horas neste mesmo acuponto, em quatro cadelas com período de gestação entre 45 e 50 dias, não surtiu efeito algum, já que o parto ocorreu dentro do período previsto.Observou-se nestes animais tratados com subdose de prostaglandina no acuponto Baihui salivação intensa, taquipnéia e redução da temperatura. Tais efeitos ficam mais acentuados dez minutos após aplicação, com retorno ao normal após 30 minutos. A aplicação de 0,1 mg/kg de prostaglandina no gradil costal produziu além dos efeitos colaterais descritos anteriormente, vômito e defecação, demonstrando que a injeção de subdose de prostaglandina no acuponto Bai Hui foi efetiva para indução de abortamento em cadelas, com a vantagem de minimizar os efeitos colaterais.

Acupuntura e analgesia

A eletroacupuntura tem sido utilizada para produzir hipoalgesia para realização de diversos procedimentos cirúrgicos nas espécies domésticas. A anestesia convencional produz depressão neurológica e cardiorrespiratória fetal e materna, levando a uma alta taxa de mortalidade neonatal. O grau de depressão neurológica e cardiorrespiratória foi avaliado em cães neonatos, após cesariana, cujas cadelas foram tranquilizadas com levomepromazina (Neozine, Rhodia), nalbufina (Nubaim, Rhodia) e midazolam (Dormonid, Roche) e divididas em dois grupos.

Seis cadelas foram submetidas à eletroacupuntura nos pontos E36, IG4, VG1 e Bai Hui, utilizando-se estímulo elétrico até 9 v, frequência f1 de l00 Hz e f2 de 200 Hz e em seis a indução da anestesia foi realizada com quetamina (Ketalar, Parke Davis) e a manutenção com enfluorano (Etrane, Abbott). As frequências cardíaca e respiratória foram maiores nos filhotes de cadelas submetidas a eletroacupuntura e os reflexos neurológicos também tenderam a ser maiores nestes mesmos neonatos.

Duas de seis cadelas necessitaram uma suplementação de l a 2 mg/kg de quetamina numa ocasião durante a anestesia, demonstrando que há variação individual no tocante ao efeito analgésico e que hipoalgesia pode ocorrer ao invés de analgesia. A menor depressão neurológica e cardiorrespiratória em neonatos após cesariana é uma vantagem potencial do uso da acupuntura, quando comparado à anestesia convencional, mesmo necessitando uma complementação ocasional de fármacos para obtenção de uma analgesia satisfatória.

Acupuntura e resposta imune

As concentrações séricas de anticorpos, proteína total, albumina, globulina, relação albumina/globulina, hemograma e linfócitos T e B foram mensuradas em cães vacinados contra a raiva e submetidos ou não à acupuntura nos pontos E36, IG11 e VG14. Observou-se um maior número de linfócitos nos animais tratados com acupuntura.

O efeito da acupuntura e moxabustão na resposta imuneinflamatória à picada do carrapato Rhipicephalus sanguineus foi estudada em cães e cobaios respectivamente. O uso de moxabustão prolongou a reação de hipersensibilidade tardia e reduziu o número de eosinófilos nos locais de teste de hipersensibilidade cutânea, quando comparado com cobaios não tratados. A acupuntura produziu uma redução do tamanho da reação induzida pelo teste de hipersensibilidade imediata a antígenos de carrapatos nos cães, quando comparada a animais não tratados, mostrando que tanto a moxabustão como a acupuntura interfere nas reações de hipersensibilidade.

Acupuntura e sistema digestório

O efeito da acupuntura na prevenção de lesões de mucosa gástrica produzidas pela indometacina (Indocid, Prodrome) foi investigado em ratos. Então, 48 ratos foram submetidos a jejum por 24 horas, tratados com indometacina e divididos em três grupos. Foram submetidos à eletroacupuntura (1 mV, 2Hz por 30 min) 16 animais, nos acupontos E36, E25 e VC12. Outros 16 foram submetidos à acupuntura sham (pontos falsos ao lado de pontos verdadeiros) e 16 não foram tratados.

Os animais foram submetidos a eutanásia seis horas após e o estomago foi removido. A incidência de hemorragia, úlceras e outras lesões na mucosa gástrica foi de 34,8% e 61,3% menor nos animais tratados com acupuntura sham e acupuntura verdadeira, respectivamente, quando comparado aos animais controle sem tratamento, demonstrando que a acupuntura pode prevenir lesões da mucosa gástrica produzidas pela indometacina em ratos.

A incidência de distúrbios gastrintestinais em cães é alta e os fármacos empregados para aumentar a motilidade intestinal produzem efeitos colaterais intensos. Cinco cães foram submetidos à eletroacupuntura (4,5 v; 5 Hz), por 30 minutos, nos pontos E36, IG4 e B25. Os mesmos cães foram utilizados como controle, sendo submetidos à eletroacupuntura sham (falsa) em pontos localizados ao lado dos pontos verdadeiros.

O intervalo entre a realização da eletroacupuntura verdadeira e falsa foi de uma semana, utilizando-se uma ordem aleatória para os tratamentos.O tratamento foi realizado entre as 18 e 20 horas na moradia do animal, sem alterar o manejo e o tipo e quantidade da ração oferecida. Foi misturado óxido de cromo na ração duas horas antes do tratamento, mensurando-se a taxa de excreção do mesmo por um período de 60 horas. A frequência de defecação e a taxa de excreção de óxido de cromo foi significativamente superior (p<0,03) em todos os cães submetidos a eletroacupuntura, comparativamente à eletroacupuntura falsa, demonstrando que a eletroacupuntura produz um aumento de peristaltismo em cães.Um outro estudo confirmou os resultados acima.

Seis cães anestesiados com pentobarbital sódico foram submetidos à entubação gástrica, seguido da administração de ferrita em pó. Em seguida, a motilidade gástrica foi avaliada por meio do equipamento biossusceptômetro, com o sensor posicionado na região epigástrica, para detecção do movimento dos traçadores magnéticos administrados pela sonda. A pressão intragástrica foi mensurada por um tubo com balonete inserido no estomago e acoplado a um monitor de pressão. Realizou-se acupuntura manual, seguida de eletroacupuntura nos pontos E36 e IG4. A frequência de movimentos gástricos aumentou 23 vezes e a pressão intragástrica aumentou 53 vezes após a acupuntura/eletroacupuntura, quando comparada aos valores basais, mostrando que a acupuntura/eletroacupuntura pode ser utilizada com sucesso para aumentar o peristaltismo gástrico em cães.

Fonte:www.bichoonline.com.br

Acupuntura

...aposto que ,quando se submetem a um tratamento de canal, a única agulha que querem ver é uma injeção de novocaína. --Cecil Adams

A acupuntura é uma técnica medicinal chinesa de manipulação do chi (ch'i ou qi) para equilibrar as forças opostas do yin e yang. Supõe-se que o chi, uma suposta "energia" que permearia todas as coisas, fluiria através do corpo através de 14 caminhos principais chamados meridianos. Quando o yin e o yang estão em harmonia, o chi flui livremente pelo corpo, e a pessoa tem saúde. Quando a pessoa se sente mal, está doente ou ferida, acredita-se que haja uma obstrução do chi ao longo de um dos meridianos. A acupuntura consiste em inserir agulhas através de pontos específicos do corpo, supostamente removendo obstruções do chi prejudiciais à saúde, logo restaurando a distribuição do yin e yang. Às vezes as agulhas são giradas, aquecidas, ou mesmo estimuladas com correntes elétricas fracas, ultra-som, ou luz de certos comprimentos de onda. Mas, não importando a forma como ela seja feita, pesquisas científicas ao longo dos últimos vinte anos não conseguiram demonstrar que a acupuntura seja eficaz contra qualquer doença.

Uma das variações da acupuntura tradicional é a chamada auriculoterapia ou acupuntura auricular. É um método de diagnóstico e tratamento baseado na crença não comprovada de que a orelha seria o mapa dos órgãos do corpo. Um problema num órgão como o fígado deveria ser tratado cravando-se uma agulha num determinado ponto da orelha, que se supõe ser correspondente àquele órgão. Idéias similares, segundo as quais uma parte do corpo seria um mapa dos órgãos, são sustentadas pelos iridologistas (a íris é o mapa do corpo) e reflexologistas (o pé é o mapa do corpo). Uma variação da auriculoterapia é a grampopuntura, um método de tratamento que coloca grampos em pontos-chaves da orelha na esperança de se operar maravilhas, como ajudar as pessoas a parar de fumar. Não há nenhuma prova científica dando respaldo a qualquer dessas teorias ou práticas.

A acupuntura é usada na China há mais de 4.000 anos para aliviar dores e curar doenças. A medicina tradicional chinesa não é baseada no conhecimento da fisiologia, bioquímica, nutrição e anatomia modernas, ou qualquer dos mecanismos conhecidos de cura. Nem é baseada no conhecimento da química celular, circulação sanguínea, funções nervosas, ou na existência dos hormônios ou outras substâncias bioquímicas. Não há nenhuma correlação entre os meridianos usados na medicina tradicional chinesa e a disposição real dos órgãos e nervos no corpo humano. O National Council Against Health Fraud, Inc. (NCAHF) (agência privada, sem fins lucrativos e voluntária, com enfoque na má informação, fraude e charlatanismo na área de saúde, assim como em problemas de saúde pública) observa que, dos 46 jornais médicos publicados pela Associação Médica Chinesa, nenhum é dedicado à acupuntura ou outras práticas médicas chinesas tradicionais. Apesar disso, estima-se que algo entre 10 e 15 milhões de norte-americanos gastem aproximadamente 500 milhões de dólares por ano com acupuntura para qualquer coisa, desde aliviar dores e tratar dependência de drogas a combater a AIDS.

A escola de medicina da UCLA possui um dos maiores cursos de treinamento em acupuntura dos Estados Unidos para médicos licenciados. O programa de 200 horas prepara cerca de 600 médicos por ano. Segundo a Academia Americana de Acupuntura Médica, aproximadamente 4.000 médicos nos EUA possuem treinamento em acupuntura. *

A despeito da falta de respaldo científico, a acupuntura é usada no tratamento da depressão, alergia, asma, artrite, problemas de bexiga e rins, constipação, diarréia, resfriado, gripe, bronquite, vertigem, tabagismo, fadiga, distúrbios ginecológicos, dores de cabeça, enxaquecas, paralisia, pressão alta, TPM, ciática, disfunção sexual, stress, derrame, tendinite e problemas de visão. Assim, parece que, enquanto a China está avançando no tratamento científico da doença, muitos nos EUA e outras partes do mundo estão retrocedendo, procurando respostas metafísicas para seus problemas físicos.

Em março de 1996, o Federal Drug Administration (FDA) classificou as agulhas de acupuntura como instrumentos médicos para uso geral por profissionais treinados. Até então, as agulhas de acupuntura eram classificadas como instrumentos médicos Classe III, o que significa que sua segurança e utilidade eram tão incertas que podiam ser usadas apenas em projetos aprovados de pesquisa. Devido ao seu status "experimental", muitas companhias de seguros, assim como o Medicare e o Medicaid, tinham se recusado a cobrir a acupuntura. Essa nova designação significou a maior prática da acupuntura, assim como maior número de pesquisas sendo feitas usando agulhas. Também significou que as companhias de seguros podem não conseguir evitar ter de cobrir tratamentos inúteis ou altamente questionáveis por acupuntura para os mais variados males. Apesar disso, Wayne B. Jonas, diretor do Escritório de Medicina Alternativa do Instituto Nacional de Saúde, em Bethesda, MD, afirmou que a reclassificação das agulhas de acupuntura é "uma decisão muito sábia e lógica". O Escritório de Medicina Alternativa é bastante favorável (ou seja, disposto a gastar boas somas do dinheiro dos contribuintes) a novos estudos sobre a eficácia da acupuntura. No entanto, devido à natureza da mesma, o que vai ser testado nos EUA e outros países ocidentais não é a acupuntura, mas sim algo bem mais limitado. Estaremos testando a eficácia de se espetar agulhas em músculos. Se essa ação abaixar a pressão sanguínea, por exemplo, isso não será uma validação da acupuntura porque a acupuntura tradicional chinesa não é uma teoria científica, e sim metafísica, e teorias metafísicas não podem ser testadas empiricamente. De que forma uma agulha física afeta uma entidade metafísica como o chi provavelmente não vai ser um problema enfocado pelos que estiverem testando a acupuntura. Naturalmente, o lado positivo disso é que a acupuntura tradicional também não pode ser refutada. Temos uma perfeita harmonia entre a prova e a refutação: ambas são impossíveis.

Talvez a defesa mais frequentemente oferecida pelos defensores da acupuntura, tanto no ocidente como no oriente, é a defesa pragmática: a acupuntura funciona! O que isso realmente quer dizer? Certamente não significa que cravar agulhas no corpo de alguém desbloqueie o chi. No máximo, significa que ela alivie alguma condição médica dolorosa. O NCAHF emitiu um parecer no qual afirma que "Pesquisas nos últimos vinte anos não conseguiram demonstrar que a acupuntura seja eficaz contra qualquer doença" e que "os efeitos percebidos da acupuntura se devem provavelmente a uma combinação de expectativa, sugestão, contra-irritação, reflexos condicionados e outros mecanismos psicológicos..." Em resumo, a maior parte dos efeitos benéficos percebidos na acupuntura se devem, provavelmente, ao poder da sugestão e ao efeito placebo.

A área em que os defensores da acupuntura mais comumente alegam sucesso é o controle da dor. Estudos mostraram que muitos pontos da acupuntura são mais ricos em terminações nervosas que as áreas da pele ao redor. Há algumas pesquisas que indicam que a introdução de agulhas em certos pontos afeta o sistema nervoso e estimula a produção pelo corpo de substâncias químicas analgésicas, como as endorfinas e encefalinas, e disparam a liberação de certos hormônios neurais, inclusive a serotonina. Outra teoria sugere que a acupuntura bloqueie a transmissão de impulsos dolorosos de partes do corpo ao sistema nervoso central. Essas teorias a respeito de estimulação química e bloqueio de sinais nervosos são empiricamente testáveis. São expressas nos termos da visão científica ocidental do sistema anatômico e neurológico do corpo. Mesmo assim, entretanto, a maioria das provas da eficácia da acupuntura são idênticas às da maioria das que temos para qualquer prática de saúde dita "alternativa": são puramente depoimentos. Infelizmente, para cada relato de alguém cuja dor foi aliviada pela acupuntura, há outro relato de alguém cuja dor não foi. Para algumas, o alívio é real, mas de curta duração. O tratamento é semelhante à anestesia. O paciente tem que ser auxiliado para caminhar depois, levado para casa, sente-se bem por algum tempo, então a dor retorna em um dia ou dois. Tudo o que sabemos com certeza no momento é que introduzir agulhas em pessoas em vários pontos tradicionais da acupuntura muitas vezes parece ser eficaz no alívio da dor. No entanto, a maioria dos pesquisadores da dor concordam que em 30% a 50% dos indivíduos a dor melhora por sugestão ou efeito placebo, não importando qual seja o tratamento.

Há outras dificuldades que qualquer estudo da dor encontra. Não só a medição da dor é inteiramente subjetiva como os acupunturistas avaliam o sucesso do tratamento de forma quase que inteiramente subjetiva, confiando em suas próprias observações e relatos de pacientes, ao invés de em testes objetivos de laboratório. Além disso, muitos indivíduos que confiam totalmente na acupuntura (ou toque terapêutico, reiki, iridologia, meditação, suplementos minerais, etc.) frequentemente fazem várias mudanças em suas vidas de uma só vez, tornando assim difícil isolar os fatores causais significativos num estudo controlado.

Se estudos controlados demonstrarem que espetar agulhas em pessoas realmente ajuda mesmo os viciados em drogas ou cura a AIDS, será que os acupunturistas poderão cantar vitória? Será que dirão que o chi flui pelos mesmos caminhos que o sangue e os impulsos nervosos, que existe um universo paralelo ao físico, um tipo de harmonia pré estabelecida entre chi/yin/yang e o corpo físico? Teoricamente, o que quer que seja demonstrado com relação à liberação de endorfinas, por exemplo, pode ser também atribuído ao chi, a despeito da inutilidade e do caráter supérfluo dessa teoria. Mas, e se for constatado que espetar agulhas nas pessoas não reduz a pressão alta ou cura a bronquite? Isso será considerado prova de que o chi é uma quimera?

Alguns dos estudos da acupuntura apoiados pelo Escritório de Medicina Alternativa dos Institutos Nacionais de Saúde tentam imitar os estudos tradicionais com grupos de controle, mas nenhum estudo controlado pode testar a presença do chi, yin, yang, ou qualquer outra entidade metafísica. Foram tentados alguns estudos em que pacientes eram aleatoriamente divididos entre os que iriam receber tratamento com acupuntura e os que receberiam "acupuntura simulada". Esse último tratamento consistia na inserção de agulhas de acupuntura em pontos "errados" (ou seja, nenhum dos 500 pontos tradicionais). Parece muito ingênuo comparar pessoas espetadas com uma agulha num ponto "certo" contra um ponto "errado", a não ser que já se saiba que espetar as pessoas possa ajudar a aliviar a dor e que só se esteja tentando encontrar o lugar correto para espetá-las. Os pontos falsos foram considerados análogos a um tratamento placebo, mas será que são mesmo? Se resultados melhores forem atingidos espetando-se os pontos tradicionais, isso confirma a acupuntura tradicional? Claro que não. O que um resultado como esse mostra é que após 4.000 anos os chineses descobriram os melhores lugares a serem cravados para se aliviar a dor, etc. Mas nenhum estudo como esses revelará se o chi foi desbloqueado, ou se o yin e yang estão em desarmonia. Estudos de controle usando medições objetivas de sucesso no tratamento podem determinar, no entanto, quanto do sucesso da acupuntura se deve a nada mais que a avaliação subjetiva pelas partes interessadas. Esses estudos poderiam também determinar se qualquer efeito da acupuntura é de curto ou longo prazo.

Para concluir, será que se está fazendo algum mal às pessoas que se submetem à acupuntura? Bem, além daquelas que não estão sendo tratadas de doenças e lesões que a medicina moderna poderia tratar eficazmente, há alguns outros riscos. Têm havido relatos de perfurações de pulmão ou bexiga, agulhas quebradas, e reações alérgicas a agulhas contendo substâncias outras que não o aço cirúrgico. A acupuntura pode ser prejudicial ao feto no início da gestação, já que pode estimular a produção do hormônio adrenocorticotrópico (ACTH) e da oxitocina que afeta o parto. E, é claro, há sempre a possibilidade da infecção por agulhas não esterilizadas.

Fonte: skepdic.com

Acupuntura

Acupuntura na odontologia

Conhecida e desenvolvida pelos chineses em tempos remotos, tornou-se hoje uma opção a mais de terapia, em que o profissional, além de adquirir novos conhecimentos, encontra um campo aberto a novas pesquisas na área de Saúde.

A acupuntura tem se destacado devido ao grande número de trabalhos científicos publicados recentemente, que muito têm contribuído para a sua compreensão. Um grande número de profissionais já aderiram à prática, em razão da sua eficácia. Nos Estados Unidos, por exemplo, a cada ano são realizados de 9 a 12 milhões de tratamentos por meio da Acupuntura, segundo estimativa da FDA (Food and Drug Administration).

Por Acupuntura entende-se o conjunto de conhecimentos teórico-empíricos que visa à terapia e à cura das doenças através de aplicação de agulhas e de moxas, além de outras técnicas. Visando estimular a sua prática, a própria OMS, através de seu diretor geral, em 1990, na França, oficializou amplo apoio à Acupuntura. No Brasil, desde 1995, o Conselho Federal de Medicina reconheceu a acupuntura como uma especialidade.

Origem e Desenvolvimento

Acredita-se que a Acupuntura já era conhecida e praticada na Idade da Pedra. Achados arqueológicos em várias partes da China confirmam essa hipótese; junto a outros instrumentos de cura, foram encontradas agulha de pedra, que eram diferentes das de costura. A sua prática desenvolveu-se como um segredo de família, transmitida somente aos membros pertencentes ao clã, até a época do legendário Imperador Amarelo, tendo sido escrito em vinte e quatro volumes o Nei-Ching, o primeiro livro que tratou detalhadamente da Acupuntura. À partir de então, a técnica foi aperfeiçoada, e as agulhas, inicialmente de pedra, hoje são fabricadas com ligas de prata, ouro e aço inoxidável.

No ocidente, as primeiras referências à Acupuntura chegaram através dos missionários jesuítas, sendo que os seus relatos, apesar de serem interessantes, eram vagos. Somente em 1928, pela publicação do relato de Soulié de Morant, de forma completa e acurada, pôde-se dispor de um tratado que, pelo seu conteúdo, serve de referência até os dias de hoje.

Princípios Gerais da Prática da Acupuntura

Aplicação de agulhas

A Acupuntura consiste, conforme indica a origem da palavra (acus: agulha; punctura: punctura), na inserção, na profundidade de alguns milímetros, de agulhas finas, em pontos da pele especificamente determinados, em diferentes direções, dependendo da localização do ponto e do objetivo a ser alcançado, sendo deixadas por um determinado período de tempo e depois removidas.

Os meridianos

São linhas onde existem pontos distribuídos (pontos de acupuntura), que são associados a órgãos internos, e que se prolongam pelas partes principais do corpo e terminam nas pontas dos dedos das mãos ou dos pés. Na verdade, trata-se de um sistema de canais imateriais, no conceito dos chineses. De uma maneira bem simplista, pode-se dizer que a prática da Acupuntura, prevenindo ou curando certas doenças, consiste na aplicação de agulhas em pontos (pontos de acupuntura) localizados nos meridianos, visando a tonificação ou sedação dos mesmos.

Para que serve a acupuntura no tratamento odontológico?

É mais utilizada na analgesia dentária ou como complemento da anestesia. Há indicações eficazes, porém menos difundidas, como auxiliar na mobilidade dentária, correção ortodôntica e doença periodontal, bruxismo, ansiedade da cadeira do dentista e outros narrados pela literatura internacional. A acupuntura é útil também para analgesia pós-procedimentos odontológicos, fato comprovado cientificamente por estudos internacionais, à partir de resultado do "NIH Acupuncture Consensus Conference".

A acupuntura substitui os tratamentos tradicionais?Não. O seu papel é auxiliar, complementar ou otimizar o tratamento. Ela não tem nenhuma pretensão de substituir nada.

Aplicações na odontologia

No pré-atendimento

Pode ser de grande valia a indicação da acupuntura para o paciente ansioso, estressado e com fobia ao tratamento odontológico, assim como para pacientes hipertensos e portadores de doenças sistêmicas, possibilitando um atendimento menos traumático. Nos casos de cirurgia, esse condicionamento prévio pode resultar numa melhor condição de hemostasia e num pós-peratório mais tranquilo.

Durante o atendimento odontológico

A analgesia tem sido descrita como uma aplicação das mais utilizadas, tanto em procedimentos de Dentística, Endodontia, Periodontia e em Cirurgia, sendo um procedimento menos traumático que a anestesia convencional.

Como tratamento de suporte

A Acupuntura pode ser coadjuvante no tratamento da disfunção da ATM (articulação têmporo-mandibular), do trismo, bruxismo, além de outras sintomatologias mastigatórias miofasciais. É de grande valia a efetividade no controle da dor nesses casos.

No pós-operatório

O controle da dor no período pós-cirúrgico possibilita ao paciente um certo grau de conforto, além de um menor consumo de medicamentos. Pacientes que passaram por radioterapia na região de cabeça e pescoço também podem se beneficiar com o uso da Acupuntura.

Como pode ser observado, existem várias indicações odontológicas para o uso da Acupuntura, que vão sendo aos poucos incorporadas à prática clínica, de acordo com a sua comprovação científica.

Fonte:odontologika.uol.com.br

Acupuntura

A Acupuntura é uma terapêutica milenar que utiliza agulhas, moxas e outros instrumentos para liberar substâncias químicas no organismo com efeito analgésico e/ou antiinflamatório e assim, aliviar dor e outros sintomas decorrentes de determinadas doenças.

A denominação Acupuntura é atribuída a um jesuíta europeu no século XVII que adaptou os termos chineses Zhen Jiu, juntando as palavras latinas Acum (que significa agulha) e Punctum (picada ou punção). A tradução literal, no entanto, é bem diferente. O correto seria Zhen (agulha) e Jiu (moxa). A moxa ou mogusa (termo de origem japonesa) é confeccionada com as folhas secas da planta Artemisia sinensis, usada na moxibustão, ou seja, queima de pequenas porções desse vegetal associada ao tratamento com as agulhas.

Uma apresentação da acupuntura

A acupuntura é um método terapêutico antigo, utilizado há aproximadamente 5000 anos no oriente. Foi criada na China, sendo mais tarde incorporada ao arsenal terapêutico da medicina em outros países orientais como o Japão, Coréia e Vietnã.

Achados arqueológicos da Dinastia Shang (1.766 - 1123 AC) incluíam até agulhas de acupuntura e carapaças de tartarugas e ossos, nos quais estavam gravadas discussões sobre patologia médica. Mas o primeiro texto médico conhecido e ainda utilizado pela Medicina Tradicional Chinesa é o Tratado de Medicina Interna do Imperador Amarelo (Nei Jing Su Wen), escrito na forma de diálogo entre o lendário Imperador Amarelo (Hwang-Ti) e seu ministro, Qi Bha, sobre os assuntos da medicina, segundo alguns autores durante a Dinastia Chou (1122 – 256 AC). Outros textos clássicos surgiram posteriormente, entre eles a Discussão das Doenças Causadas pelo Frio, O Clássico sobre o Pulso, O Clássico das Dificuldades (Nan Ching) e o Clássico sobre Sistematização da Acupuntura e Moxa.

A palavra acupuntura origina-se do latim, sendo que acus significa agulha e punctura significa puncionar. A acupuntura se refere, portanto, à inserção de agulhas através da pele nos tecidos subjacentes em diferentes profundidades e em pontos estratégicos do corpo para produzir o efeito terapêutico desejado. Mas, na verdade, acupuntura é uma tradução incompleta da palavra chinesa Jin Huo (ou Tsen Tsio) que significa metal e fogo. Para tornar uma longa história curta: os pontos de acupuntura distribuídos pelo corpo podem ser puncionados com agulhas ou aquecidos com o calor produzido pela queima da erva Artemisia vulgaris, (mais conhecida como moxa ou moxabustão). Podem ainda ser estimulados por ventosas, pressão, estímulos elétricos e, mais recentemente, lasers. Acupuntura e moxabustão fazem parte da chamada Medicina Tradicional Chinesa que inclui ainda uma fitoterapia bastante sofisticada.

Os chineses, ao longo destes milhares de anos, descreveram cerca de 1.000 pontos de acupuntura, dos quais 365 foram classificados em catorze grupos principais. Todos os pontos que pertencem a um dos grupos são ligados por uma linha imaginária na superfície do corpo denominada meridiano. Os doze meridianos principais controlam o pulmão, o intestino grosso, o estômago, o baço, o coração, o intestino delgado, a bexiga, o rim, o pericárdio, o “triplo-aquecedor”, a vesícula e o fígado. Existem também dois meridianos localizados no centro do corpo, um que passa pela frente e outro pelas costas. Todos os pontos de acupuntura ao longo destes meridianos afetam o órgão mencionado, mas não necessariamente da mesma maneira. Para os chineses tradicionais, nosso organismo é formado de matéria e energia e é justamente a parte energética, a força vital ou Chi que circularia nestes meridianos e todas as doenças seriam consequentes a um distúrbio da circulação do Chi. Embora este conceito tenha norteado a prática da acupuntura ao longo destes milhares de anos é um pouco metafísico demais para ser compreendido e aceito pelo mundo científico atual.

Evidências científicas acumulam-se acerca da eficácia da acupuntura, e a intimidade de seu mecanismo de ação está sendo pesquisada em muitos centros médicos do mundo, incluindo Escolas Médicas e Hospitais Universitários na China e no nosso próprio país. No Brasil, a acupuntura foi recentemente considerada uma especialidade médica pelo conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Médica Brasileira (AMB), tendo sido realizado, em outubro de 1999, o primeiro concurso para o Título de Especialista em Acupuntura, no qual mais de 800 médicos foram aprovados.

No Ocidente, a acupuntura ganhou credibilidade principalmente por seu efeito no alívio da dor, seja ela de várias origens. Esta é uma das razões para a ênfase atual da pesquisa no estudo dos mecanismos analgésicos da acupuntura. O foco de atenção tem sido o papel dos opióides endógenos neste mecanismo. Ao longo de sua evolução, o cérebro desenvolveu sistemas complexos de modulação (aumentar ou diminuir) da percepção da dor. Em especial o sistema opióide (semelhante à morfina) e o sistema não opióide de analgesia (os neurotransmissores) suprimem a percepção da dor, enquanto que o sistema antiopióide (por ex., colecistoquinina) trabalha contra a analgesia opióide. Opióides são liberados durante acupuntura e a administração prévia de naloxona (droga bloqueadora que reverte os efeitos da heroína, morfina e de outras drogas semelhantes) anula o efeito da acupuntura; porém se a acupuntura for realizada previamente à administração de naloxona não há bloqueio do seu efeito. Além disto observou-se aumento da concentração de endorfinas e também de serotonina no líquido cefaloraquidiano de doentes submetidos à acupuntura.

Mas a acupuntura não causa apenas um efeito analgésico, ela provoca múltiplas respostas biológicas. Estudos em animais e humanos mostram que o estímulo por acupuntura pode ativar o hipotálamo e a glândula pituitária, resultando num amplo espectro de efeitos sistêmicos, aumento na taxa de secreção de neurotransmissores e neurohormônios, melhora do fluxo sanguíneo, e também a estimulação da função imunológica são alguns dos efeitos já demonstrados.

A Organização Mundial da Saúde lista mais de 40 doenças para as quais a acupuntura é indicada. Para os chineses tradicionais existem cerca de 300 doenças tratáveis por acupuntura, entre elas, sinusite, rinite, resfriado, faringite, amigdalite aguda, zumbido, dor no peito, palpitações, enfizema, bronquite crônica, asma brônquica, alterações menstruais, cólica menstrual, lombalgia durante a gravidez, ansiedade, depressão, insônia, mal-estar provocado pela quimioterapia, dores associadas com câncer, tendinites, fibromialgia, dores pós-cirúrgicas, síndrome complexa de dor regional, dermatites, gastrite, úlcera gástrica, úlcera duodenal, colites, diarréia, constipação, cefaléias, enxaqueca, paralisia facial, sequelas de acidente vascular cerebral, lombalgia, ciatalgia, artrose, artrite, entre tantas outras.

A pesquisa em acupuntura é importante não apenas para elucidar os fenômenos associados ao seu mecanismo de ação mas também pelo potencial para explorar novos caminhos na fisiologia humana ainda não examinados de maneira sistemática.

Fonte:www.clinicahong.com.br

Acupuntura

Um pouco de História

A Acupuntura é uma ciência muito antiga. Tem-se noticias de que em épocas anteriores a 4.000 a C. os chineses já utilizavam esta técnica como forma de tratamento, isto pelas agulhas de pedras, finamente polidas (Agulhas Bian), encontradas em escavações arqueológicas. No grande livro, básico da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), o Imperador Amarelo, Huang Di Nei Ching, que viveu entre 2697 a 2697 a C., confabula com seus conselheiros, principalmente com seu médico Khi Pa, sobre as várias maneiras de atingir a plena saúde e longevidade.

Por volta do ano 1000 a.C. surgiram os primeiros ideogramas identificando a Acupuntura e Moxabustão como técnicas terapêuticas já bastante avançadas, mas ainda nessa época eram utilizadas agulhas de pedras, apesar de a prata e ouro já serem metais utilizados em outras aplicações. Foi neste período que surgiu as teorias do Yin/Yang e dos cinco elementos aplicados ao tratamento de doentes.

Acupuntura

Entre os períodos de 475 a.C. a 25 d.C. a Medicina Tradicional Chinesa e, em especial a Acupuntura, teve um grande desenvolvimento. Agulhas de metal, em especial de ouro e prata, finamente acabadas, suplantaram as similares em pedras e as técnicas médicas tiveram um notável avanço. A escavação de um tumulo de 113 a.C. na provincia de Hebei, em 1968, revelou, além de um conjunto de agulhas de ouro e de prata, também escritos que demonstraram o conhecimento dos meridianos principais e colaterais.É dessa época que aparece os primeiros livros versando sobre Fitoterapia, que é arte da cura através de plantas, ervas e até de animais ressecados. Esta técnica atingiu notável sofisticação no Período dos Tres Reinos, quando o médico Hua To usava compostos de ervas e acupuntura, como analgésicos, para pequenas cirurgias.

Na Dinastia Jin e nas Dinastias do Norte e Sul (265-581) apareceram os primeiros diagramas esquemáticos dos meridianos completos e pontos de acupuntura. Na Dinastia Tang houve uma reavaliação e reformulação de todo o conhecimento de Acupuntura com a redação de novos e importantes tratados.

Com o advento da imprensa, a partir do seculo X a prática da Acupuntura foi grandemente impulsionada pela tiragem de livros que antes só eram escritos a mão livre, um por um. A partir da Dinastia Ming (1368 a 1664) a Acupuntura entra definitivamente para o ramo das ciências organizadas, com escolas e sistemas de tratamento baseados no Yin/Yang, 14 meridianos, cinco elementos e Zang-Fu (órgãos e vísceras).

Em 1899 tem inicio a Acupuntura moderna, com a publicação de “Acupuntura em Modelos de Bronze com Referências na Medicina Moderna” a primeira obra a relacionar a Acupuntura com a anatomia e fisiologia médica ocidental. Em 1951 é fundado o Instituto Experimental de Terapia por Acupuntura, vinculado ao Ministério da Saúde, depois disso, esta ciência espalhou-se por universidades e centros de estudo por toda a China.

Acupuntura

O Brasil, reconheceu a Acupuntura como ciência somente em 1995, e hoje vários cursos formam médicos nessa especialidade que já tem, inclusive, penetração em Postos de Saúde por ser uma forma de tratamento praticamente isenta de riscos e de custo muito baixo.

Enxaqueca

Acupuntura

Paciente em tratamento para Enxaqueca. Agulhas inseridas em alguns pontos do couro cabeludo. Já nas primeiras aplicações a resposta é excelente.

Acupuntura para Rinite

Acupuntura

Pacientes portadoras de Rinite podem beneficiar-se com tratamento por acupuntura. Agulhas muito pequenas e muito finas são introduzidas em alguns pontos da face com resultados muito bons em 8 a 10 sessões.

Dor no Joelho

Acupuntura

Dor em joelho. Responde muito bem a Acupuntura. No caso está se utilizando eletroacupuntura em que uma corrente de baixa frequência potencializa os efeitos Do agulhamento.

Dor nas costas

Acupuntura

Paciente esta sendo tratado para dor na região dorsal. Também esta sendo utilizado eletroacupuntura com resultados mais rápidos e eficientes.

Asma

Acupuntura

Paciente está sendo tratado para asma. Os resultados deste tratamento são excelentes. Pontos são estimulados com resposta positiva já nas primeiras aplicações.

Acupuntura sem Agulhas

Acupuntura

Alguns pacientes apresentam fobias por agulhas, principalmente crianças. Podemos utilizar eletrodos sobre os pontos de acupuntura com estimulação elétrica. Os resultados são bem semelhantes ao agulhamento.

Fonte: www.paulocimirro.com.br

Acupuntura

Introdução

Acupuntura

Há mais de cinco mil anos (3.000 anos de registros escritos e mais de 2.000 com achados arqueológicos) os chineses utilizam a acupuntura como meio para a cura e tratamento de diversos males. A técnica consiste em encontrar a harmonia do corpo e da mente através de canais, conhecidos como “meridianos de energia”, que percorrem todo o corpo.

O tratamento é feito através da inserção de finíssimas agulhas em determinados pontos dos canais, que são chamados de “pontos da acupuntura”. A estimulação desses pontos permite a ativação ou sedação da energia que circula ao longo desse meridiano. Durante muito tempo a acupuntura foi vista com desconfiança por pacientes e médicos adeptos da medicina ocidental. Hoje em dia a situação é bem diferente. Cada vez mais pessoas procuram a acupuntura para tratar os mais variados problemas. E os médicos, antes receosos, hoje indicam a acupuntura como complemento no tratamento de diversas doenças. A mudança de comportamento se deve aos resultados positivos que comprovam a eficácia da técnica chinesa na cura e tratamento de diversas enfermidades.

É claro que o sucesso no tratamento depende de vários fatores, entre eles a escolha de um profissional de credibilidade e que esteja apto a praticar a acupuntura. Geralmente associado a uma instituição de referência.

Como funciona ?

Mas como pode uma agulha inserida em alguma parte específica do corpo curar uma dor de cabeça, uma dor nas costas ou até mesmo um transtorno psíquico?

Na prática, a acupuntura funciona assim: são colocadas finíssimas agulhas em determinados pontos do corpo, que ativam no cérebro a produção de substâncias que atuam como analgésicas, antiinflamatórias e antidepressivas – como a endorfina, o cortisol e a serotonina, respectivamente.

Ao entrar na pele, a agulha provoca uma microinflamação, que aciona a produção natural dessas substâncias. Desta forma, a resposta do organismo é mais rápida, diminuindo de vez a intensidade dos sintomas. Muitas vezes, fazendo-os até desaparecer.

Como entender a acupuntura ?

Os princípios da acupuntura se baseiam na energia vital, Qi (pronuncia-se “chi”), que está distribuída pelo corpo, e seus aspectos antagônicos: o negativo Yin e o positivo Yang. Os chineses crêem que qualquer pequeno desequilíbrio que ocorra nessas forças provocaria distúrbios físicos e psicológicos. Com a introdução das agulhas em pontos específicos do corpo, a harmonia é restabelecida, dando fim às doenças. É uma concepção um pouco mística, mas os resultados são tão palpáveis que a acupuntura, hoje, é reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina e a Associação Médica Brasileira.

A acupuntura e a medicina ocidental

Durante muito tempo os pacientes só procuravam um acupunturista após tentar diversos tratamentos da medicina tradicional sem sucesso. Hoje em dia é cada vez maior o número de pessoas que procuram a acupuntura como prevenção, para resgatar o equilibro do organismo, evitando assim o aparecimento de doenças. No Brasil a acupuntura é reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina e por outros conselhos da área médica desde 1995. Pesquisas baseadas nos resultados positivos dos tratamentos fizeram aumentar ainda mais a credibilidade da acupuntura por parte da medicina tradicional. Seu reconhecimento faz com que hoje em dia médicos indiquem a acupuntura como tratamento alternativo e complementar de diversas doenças. A utilização dos recursos comprovadamente eficazes da medicina tradicional chinesa contribui, e muito, para o bem estar e melhoria da qualidade de vida das pessoas em todo o mundo.

Doenças tratadas

A acupuntura pode atuar com sucesso em diversos tratamentos, seja como terapia complementar ou como tratamento principal. A lista a seguir, divulgada pela OMS (Organização Mundial de Saúde) pretende facilitar os usuários através dos nomes da medicina convencional, embora os problemas precisam ser diagnosticados dentro da visão da medicina chinesa para receber melhor sua abordagem de tratamento:

Vias Aéreas Superiores:rinite e sinusite, faringite e amigdalite agudas e crônicas sobretudo de natureza alérgica.

Sistema Respiratório:bronquite aguda e asma brônquica.

Perturbações oculares e da boca:conjuntivites, dor de dentes, gengivitesDistúrbios funcionais gastrointestinais e ginecológicos: espasmos do esôfago, soluços, náuseas e vômitos, gastrites agudas e crônicas, diarréias crônica e constipação, colites inespecíficas, cólon irritável, tensão pré-menstrual e cólicas menstruais.

Distúrbios funcionais neurológicos:cefaléia tensionais, enxaquecas, nevralgia do trigêmeo, paresias subsequente de isquemias cerebrais, paralisias faciais na fase inicial, neuropatias periféricas com deficit motor ou alterações sensitivas, doenças de Méniere, vertigem e zumbido por labirintopatia, enurese noturna na infância e incontinência.

Distúrbios musculares, tendinosos, articulares e esqueléticos:sindrome cervicobraquialgias, torcicolo, processos leves de traumas como contusão e entorses, algias do ombro, cotovelo e punho, dores lombares de origem muscular, dores ciáticas, dores coxo-femural e do joelho, tornozelo e dos pés, alívio de processos de osteoartrites de origem reumáticas e processos dolorosos do osteoartrose em geral, lesões inflamatórias resultados do trauma ou esforços repetitivos, fibromialgia, dores pós operatórias e reabilitação pós imobilização.

Dependência Química:A acupuntura é muito eficiente no tratamento da dependência química. O resultado depende de cada caso, cada paciente. Mas em média é possível em três sessões semanais, durante o período de três meses, desintoxicar a pessoa e deixá-la em abstinência das drogas. O tratamento é confirmado por estudos e pesquisas científicas internacionais e atinge um índice de 80% de cura.

Fonte: www.abarj.com.br

Acupuntura

Atualmente no Brasil há uma ampla discussão de caráter político sobre se esta prática deve ser praticada apenas por médicos, se pode ser praticada também por outros profissionais habilitados de nível superior, como dentistas, biomédicos e psicológos, ou se pode ser também praticada por profissionais especializados nesta arte mas sem formação acadêmica.

Pontos de acupuntura (Dinastia Ming)Funcionamento da acupuntura

Aplicação de agulhas de acupuntura:na visão tradicional, a agulha é um veículo para a própria energia vital do terapeuta interagir com a do paciente

Para a visão geral ocidental, os mecanismos utilizados pela prática acupunturista ainda não estão satisfatóriamente explicados.

Na tentativa de satisfazer alguns conceitos acadêmicos, a acupuntura na linguagem ocidental é um método de estimulação neurológica, com efeitos sobre neurotransmissores, neuromoduladores e reação do sistema imunitário (pró e anti-inflamatória).

Históricamente, a primeira propriedade da acupuntura que foi capaz de chamar a atenção acadêmica, foi justamente no domínio da dor. Esquemas foram levantados para associar liberações de endorfinas causadas por estímulos de agulhas sobre nervos específicos.

Durante algum tempo, muitos pesquisadores duvidam da aplicação da acupuntura fora do tratamento da dor e nas funções do sistema nervoso autônomo. Os mecanismos da terapêutica da acupuntura, ainda não estão claramente associado aos mecanismos fisiológicos sob os domínios da ciência atual.

Ainda hoje, apesar do espaço que ganha nos hospitais e clínicas médicas, alguns estudiosos aceitam a "contra-gosto" a atuação terapêutica da acupuntura no tratamento da dor e nas disfunções do sistema nervoso autônomo.

Entretanto, não é possível ignorar os testes realizados com medotologias largamente aceitas no meio acadêmico, assim como não é possível ignorar uma cirurgia realizada sob a anestesia produzida pela simples punção de agulhas.

Visão tradicional chinesa

Bem diferente é a explicação que podemos colher no berço da acupuntura, a milenária China.

A visão tradicional da medicina chinesa está profundamente ligada a teorias baseadas no Taoísmo, sobre energias conhecidas pela dualidade Yin/Yang, sobre meridianos e outros conceitos bastante "exóticos" para a ciência médica ocidental. Contudo, contribuições da Antropologia, mais específicamente da Antropologia Médica, vem facilitando a interpretação destes à luz da interpretação lógica das explicações mítico-religiosas compreendidas como sistemas etnomédicos capazes de dar respostas às demandas por cuidados de saúde de uma determinada população.

Acupuntura aplicada com o auxílio da eletricidade

O Yin e o Yang são aspectos opostos de uma mesma energia. No corpo do homem existe um equilíbrio energético que pode ser alterado por diversos tipos de influências, como alimentar, comportamental e muitas outras.

A energia deve percorrer os meridianos e sua falta ou seu excesso podem ser reequilibrados através da manipulação de pontos determinados dos meridianos.

Existem muitas formas de diagnóstico na medicina tradicional chinesa. Algumas delas são a pulsação, a observação e aspectos da língua, a cor e aspectos da pele, <...> Um médico chinês costuma dizer que não se deve olhar apenas o paciente, mas escutá-lo, tocá-lo, cheirá-lo, provar sua urina e conhecer as suas fezes.

Uma consulta baseada no modelo tradicional chinês pode levar de vários minutos a algumas horas. O terapeuta questiona vários aspectos da vida (incluindo sobre a infância e expressão das emoções), da alimentação e costumes.

Acupuntura
Ciclo de geração dos cinco elementos: Fogo gera Terra, Terra gera Metal, Metal gera Água, Água gera Madeira, Madeira gera Fogo..

.A natureza das explicações tradicionais da medicina chinesa não tornam essa prática essencialmente distinta de outros sistemas etno - médicos, exceto porém por sua notável semelhança com a medicina hipocrática - a quem se atribui a origem da moderna medicina cosmopolita.

O estudo de sua história revela seu rompimento com algumas tradições "mágicas" e incorporação do conhecimento empírico proveniente de cuidadosas observações, consolidado no que vem sendo chamado do paradigma do Yin - Yang e dos 5 elementos descrito nos livros clássicos para os orientais ou documentos etnológicos brutos para a antropologia estrutural.

Entre os livros clássicos o mais conhecido é, sem dúvida o "Livro do Imperador Amarelo" cujo exemplar mais antigo foi encontrado em um túmulo da dinastia Han (Fu Weikang).

História da acupuntura

Atribui-se a China, a criação da acupuntura. Outros países do oriente, também têem em seus recursos terapêuticos a acupuntura, como Japão, Coréia e Vietnã.

Os primeiros registros sobre a prática da acupuntura datam de mais de 6 mil anos na China, contudo, a primeira descrição histórica da acupuntura como terapêutica é feita por Ssu Ma Ch'ien no "Shih Chi", 90aC.

O paradigma da Medicina Chinesa interpretava o funcionamento do organismo humano por sua comparação com fenômenos naturais, como o fogo, vento, umidade, etc. Na visão daqueles médicos antigos, a intervenção com agulhas permitiria alterar o comportamento de elementos externos, (Já que as patologias também eram interpretadas como invasão do corpo por elementos como o Frio, vento ou umidade) e dos fluidos e energia (Qi) do organismo.

Em 1255, com a "Viagem à Terra dos Mongóis", William de Rubruk já fazia referências à Acupuntura.

Monges Jesuítas, a partir do século XVI, cunharam o termo, em língua portuguesa, que significa "Punção com agulhas" perpetuando o erro de tradução.

Mas foi a partir de 1971, com o relato do efeito da acupuntura no tratamento das dores pós-operatórias do jornalista James Reston e após 1972, com a visita do presidente Norte-americano Richard Nixon, à China, que a Acupuntura passou a ser estudada pelo método científico, no Ocidente.

Algumas datas da história da acupuntura

Além de datas específicas de conquistas da arte médica, a invenção da escrita e metalurgia modificaram os rumos e evolução dessa técnica no contexto da Medicina Tradicional Chinesa.

4115 – 4365 aC. - Yang Shao, parentesco matrilinear; Lung Shao, parentesco patrilinear (Eliade)- condição essencial para entender as regras avô-filho-neto no estudo dos 5 elementos.

2000 aC - Fundição do Bronze / Dinastia Chang (Blunden; Elvin,)

1400 aC. - Descoberta do álcool na dinastia Sang (1800 aC. – 1100 aC.) No norte da China (Blunden; Elvin)

600 aC. - Cunhagem de moedas de cobre (Zhou) (Blunden; Elvin)

513 aC.- Primeira referência a fundição do ferro (Gernet)

501 a C. - Referência a 4 processos de diagnóstico médico: exame da tez; da língua; auscultação com técnicas da época; exame de pulso e história médica do paciente (Gernet)

479 a C. - Data tradicional da morte de Confúcio (551 – 479) (Gernet; Eliade)

436 a C. - Cálculo do ano solar 365 dias 3, 1/4 (Gernet)

289 a C. - Morte de Mancio discípulo de Confúcio (Gernet)

200 aC. – 0 dC. - Primeira dinastia Han, Consolidação da unificação da escrita (pincel sobre papel); paquímetro graduado em cun; rota da seda – contato com mundo árabe 51aC.; contato com romanos; Doutrina dos 5 elementos e Yin Yang. (Blunden; Elvin; Gernet)

200 aC sec. II aC.- Siderurgia do aço (Gernet)

140 a C. - Primeira obra de alquimia chinesa (Gernet)

160 a C. - Hospitais - controle do ensino médico na corte (Beau)

28 aC. - Início do registro sistemático das manchas solares (Gernet)

0 – 200 dC - Segunda dinastia Han; Primeiros hospitais, que aumentam de número com desenvolvimento do Budismo (Blunden;Elvin; Ronan)

50 - Chegada do Budismo (Blunden; Elvin,)

215-282 - O médico Zhenjiu Jiayijing de Anding – Gansu publica uma síntese e sistematização do nei jing definindo nomes para 348 pontos (Fu weikang)

300 (séc. IV) - Publicação das coletâneas de Ge Gong refere-se a moxa com alho e sal para infecções com pus e diversas ouras indicações em “Receitas para casos urgentes ao alcance da mão” (Fu weikang)

600 - Publicação tipográfica (?) sobre acupuntura (Ronan)

618-917 - Dinastia Tang cria o Instituto de Medicina Imperial (Tai Yi Shu) com departamentos separados de acupuntura, moxabustão e farmacologia (Fu weikang)

624 - Início dos exames sistemáticos controlados pelo estado representado pelo Tai-yi-chou (grande serviço médico) cujo quadro efetivo era de 349 funcionários (Beau)

900 - Impressão com blocos de madeira (Ronan;Blunden;Elvin)

1000 - Impressão c/ tipos móveis (Blunden;Elvin)

1200 - impressão de ilustrações; publicações de trabalhos de botânica (Ronan)

1500 - Hospitais colônias de leprosos (Ronan)

1518-1593 (séc. XVI) - O médico Li Shizhen publica Compêndio de matéria médica (Ben Cao Gang Mu) com recomendações da moxabustão para esquentar os canais e eliminar o frio e umidade e detalhada descrição da farmacopéia até então conhecida reunindo 443 produtos derivados de animais; 1074 substancias vegetais e 354 produtos minerais. (Fu weikang; Beau)

Fonte: pt.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal