Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home   Voltar

Bem-Te-Vi



Nome científico: Pitangus sulphuratus
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Subordem: Tyranni
Família: Tyrannidae
Subfamília: Tyranninae
Distribuição: América do Sul, América Central e América do Norte.
Habitat: Campos e cidades
Nome comum: Bem-te-vi

Características

Os bem-te-vis apresentam asas regulares, arredondadas e cauda alongada. As pernas são pequenas e os dedos possuem unhas fortes e alongadas. Mede 25 centímetros, coloração parda no dorso e amarelada no ventre, sobrancelha branca e uma listra no alto da coroa que vai do amarelo claro ao laranja vivo.

O bem-te-vi come de tudo desde frutas e flores até insetos e ovos de passarinhos.

O nome deste pássaro é originário do seu canto que emite um som curioso semelhante a pronúncia das palavras ‘bem te vi’. É uma das aves mais populares do Brasil.

Fonte: www.fiocruz.br

Bem-Te-Vi

Pitangus sulphuratus

Características

Conhecido também como bem-te-vi-de-coroa e bem-te-vi-verdadeiro, mede 20,5 a 23,5 cm. Provavelmente o pássaro mais popular de nosso País. Com plumagem de coloração parda no dorso e amarelada no ventre, sobrancelha branca muito visível na grande cabeça, possui uma listra no alto da coroa varia de amarelo-claro a laranja-vivo.

Habitat

É comum em uma série de ambientes abertos, como cidades, árvores à beira d'água, plantações e pastagens. Em regiões densamente florestadas habita margens e praias de rios.

Ocorrência

Em todo o Brasil e também desde o sul dos Estados Unidos a toda a América do Sul.

Hábitos

É migratório em algumas regiões. É bastante agressivo e barulhento, pousando geralmente à pouca altura em galhos ou outros locais isolados. Seu nome popular é onomatopaico, pois ele emite um chamado curioso, no qual parece pronunciado com clareza: "Bem-te-vi.

O ninho do Bem-te-vi fica em lugar visível e é feito de todos os tipos de plantas, freqüentemente com capim. Este pássaro defende seu ninho vigorosamente e, ele será agressivo com outros pássaros mesmo que não tenha nenhum ninho. É comum ver um Bem-te-vi perseguindo um pássaro que ele, sobretudo corujas e rapineiros, que afugenta para longe. Entretanto, um colibri poderia perseguir um Bem-te-vi e colocá-lo para fora.

Alimentação

Predominantemente de insetos e frutos, incluindo até mesmo peixes. Come todo o tipo de comida, devora centenas de insetos diariamente mas também fruta e flores de um jardim, ovos de outros passarinhos, minhocas, outros bichos (até cobras).

Reprodução

Faz ninho grande e esférico, de gramíneas, com entrada lateral, porém já foram encontrados ninhos em formato de xícara aberta. Põe de 2 a 4 ovos de cor creme com poucas marcas marrom-avermelhadas.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Bem-Te-Vi

O bem-te-vi é uma ave passeriforme da família dos tiranídeos de nome científico Pitangus sulphuratus. Considerado um dos pássaros mais populares do Brasil. É um habitante bem conhecido em todas as regiões brasileiras, podendo ser encontrado em cidades, matas e ambientes aquáticos como lagoas e rios.

Pode-se vê-lo facilmente cantando em fios de telefone, em telhados ou banhando-se nos tanques ou chafarizes das praças públicas. Como podemos ver, possui grande capacidade de adaptação. É um dos primeiros a cantar ao amanhecer. Anda geralmente sozinho, mas pode ser visto em grupos de três ou quatro que se reúnem habitualmente em antenas de televisão.

Ave de médio porte, o bem-te-vi mede entre de 22 e 25 cm de comprimento para, aproximadamente, 60 gramas. Tem o dorso pardo e a barriga de um amarelo vivo; uma listra (sobrancelha) branca no alto da cabeça, acima dos olhos; cauda preta. O bico é preto, achatado, longo, resistente e um pouco encurvado. A garganta (zona logo abaixo do bico) é de cor branca.

O seu canto trissilábico característico lembra as sílabas BEM-te-VI, que dão o nome à espécie. Portanto, seu nome popular possui origem onomatopéica.

Constrói o ninho com capim e pequenas ramas de vegetais em galhos de árvores geralmente bem cerradas. Pode utilizar para construir o seu ninho, sobretudo em zonas urbanas, material de origem humana, como papel, plástico e fios.

São aves monogâmicas e quando da nidificação o território circundante ao ninho é defendido vigorosamente, podendo vir a ser agressivos com outros pássaros e até mesmo outros animais ao se sentir ameaçado. É comum vê-los dando rasantes em aves de rapina (principalmente gaviões) que entram no seu território.

Possui uma variada alimentação. É insetívoro, podendo devorar centenas de insetos diariamente. Mas também come frutas (como bananas, mamões, maçãs, laranjas, pitangas e muitas outras), ovos de outros pássaros, flores de jardins, minhocas, pequenas cobras, lagartos, crustáceos, além de peixes e girinos de rios e lagos de pouca profundidade. Costuma comer parasitas (carrapatos) de bovinos e eqüinos. Apesar de ser mais comum vê-lo capturar insetos pousados em ramos, também é comum atacá-los durante o vôo.

Em suma, é uma ave que está sempre descobrindo novas formas de alimento. Devido ao seu regime alimentar generalista, por vezes contribui para o controle de pragas de insetos.

Fonte: www.flickr.com

Bem-Te-Vi
Bem-Te-Vi

Pitangus sulphuratus

O bem-te-vi se adptou aos grandes centros urbanos mas não se desenvolve tão bem como o pardal , é chamado grande-kiskadi em Portugal é uma ave passeriforme da família dos tiranídeos de nome científico Pitangus sulphuratus, que provêm de pitanga guassu, ou seja, pitanga grande, forma pela qual os índios brasileiros tupi-guarani o chamavam; e do latim sulphuratus, pela cor amarela como enxofre no ventre da ave. A espécie é ainda conhecida pelos índios como pituã, pitaguá ou puintaguá. Outras acepções existentes são triste-vida, bentevi, bem-te-vi-verdadeiro, bem-te-vi-de-coria, tiuí, teuí, tic-tiui e siririca (somente para fêmeas). A versão portuguesa da palavra se assemelha com a anglófona: great kiskadee. Na Argentina é conhecido como bichofeo, vinteveo e benteveo; na Bolívia como frío; e de qu'est -ce na Guiana Francesa.

Bem-Te-Vi

Os únicos representantes do género Pitangus eram o bem-te-vi e a espécie Pitangus lictor, porém atualmente só uma espécie enquadra-se neste género, o próprio bem-te-vi. A espécie Pitangus lictor agora é sinonímia da atual Philohydor lictor, o bem-te-vizinho.

A escrita bentevi não é reconhecida pelo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa.

Medindo cerca de 23,5 cm, caracteriza-se principalmente pela coloração amarela viva no ventre e uma listra branca no alto da cabeça, além do canto que nomeia o animal. Considerado um dos pássaros mais populares do Brasil, é um dos primeiros a vocalizarem ao amanhecer.

Morfologia

Constitui em uma ave de médio porte, medindo entre de 22 e 25 cm de comprimento para aproximadamente 60 gramas. Tem uma coloração parda no dorso; amarela viva na barriga; uma listra (sobrancelha) branca no alto da cabeça, acima dos olhos; cauda preta. O bico é preto, achatado, longo, resistente e um pouco encurvado. A garganta (zona logo abaixo do bico) é de cor branca.

Onde é encontrado

É uma ave típica da América Latina, com uma distribuição geográfica que se estende predominantemente do sul do México à Argentina, em uma área estimada em 16.000.000 km².

Entretanto, pode também ser encontrada no sul do Texas e na ilha de Trinidad. Foi introduzida nas Bermudas em 1957, importadas de Trinidad,e na década de 1970 em Tobago. Nas Bermudas, são a terceira espécie de ave mais comum, podendo atingir densidades populacionais de 8 a 10 pares por hectare.

É um habitante bem conhecido em todas as regiões brasileiras, podendo ser encontrado em cidades, matas e ambientes aquáticos como lagoas e rios. Pode-se vê-lo facilmente cantando em fios de telefone, em telhados ou banhando-se nos tanques ou chafarizes das praças públicas. Como podemos ver, possui grande capacidade de adaptação.

É uma das aves mais populares no Brasil. Anda geralmente sozinho, mas pode ser visto em grupos de três ou quatro que se reúnem habitualmente em antenas de televisão.

Bem-Te-Vi

Lista de países e locais onde pode ser encontrado
  • Argentina
  • Belize
  • Bermudas
  • Bolívia
  • Brasil
  • Chile
  • Colômbia
  • Costa Rica
  • Equador
  • Estados Unidos
  • El Salvador
  • Geórgia do Sul
  • Guiana Francesa
  • Guatemala
  • Guiana
  • Honduras
  • Ilhas Malvinas
  • México
  • Nicarágua
  • Panamá
  • Paraguai
  • Peru
  • Suriname
  • Trinidad e Tobago
  • Uruguai
  • Venezuela
  • Para uma melhor visualização da sua área de distribuição poderá consultar este mapa (nota: ocorrência/ausência por país/região e não área de distribuição concreta).

    A ave não ocorre nem na costa ocidental da América do Sul nem no extremo sul (exemplo: Terra do Fogo).

    Canto

    Um filhote começando a amarelar. O seu canto trissilábico característico enuncia as sílabas BEM-te-VI, que dão o nome à espécie. Portanto, seu nome popular possui origem onomatopéica. Seu canto pode ser também dissilábico, emitindo um BI-HÍA ou ainda monossilábico, quando escutamos um TCHÍA.

    Os cantos têm sonoridades diferentes consoante o local. É uma das razões de serem utilizados vários nomes comuns para esta espécie.

    Utilizar motor de busca para localizar ficheiros de som com o canto do bem-te-vi aqui.

    Reprodução

    Bem-te-vi enfrentando um gavião.Constrói o ninho com capim e pequenas ramas de vegetais em galhos de árvores geralmente bem cerradas. Pode inclusive utilizar para construir o seu ninho, sobretudo em zonas urbanas, material de origem humana: papel, plástico e fios. Seu ninho tem uma forma de esfera com a entrada na parte superior, medindo cerca de 25 cm de diâmetro, geralmente é construído no topo de árvores altas, na forquilha de um galho, mas é muito comum também vê-lo nas cavidades dos geradores de postes, podendo ficar entre 3 e 12 m do solo. Põe cerca de quatro ovos brancos e alongados. Eles são brancos logo após a postura, mas após um tempo passam a ficar amarelados. Os ovos medem 31 x 21 milímetros e são incubados pelo casal. Não há dimorfismo sexual entre a espécie.

    São aves monogâmicas e quando da nidificação o território circundante ao ninho é defendido vigorosamente, podendo vir a ser agressivo com outros pássaros e até mesmo outros animais ao se sentir ameaçado. Por esta razão que faz parte da família dos tiranídeos (de tirano). É comum vê-los dando rasantes em aves de rapina (principalmente gaviões) que entram no seu território.

    Alimentação

    Um bem-te-vi tomando água.Possui uma variada alimentação. É insetívoro, podendo devorar centenas de insetos diariamente. Mas também come frutas (como bananas, mamões, maçãs, laranjas, pitangas e muitas outras), ovos de outros passarinhos, flores de jardins, minhocas, cobras, pequenas cobras, lagartos, crustáceos, além de peixes e girinos de rios e lagos de pouca profundidade. Costuma comer parasitas (carrapatos) de bovinos e eqüinos. Atrapalha a apicultura por ser predador de abelhas. Apesar de ser mais comum vê-lo capturar insetos pousados em ramos, também é comum atacá-los durante o vôo. Atacam também ninhos de outras aves, como a cambacica.

    Em suma, é uma ave que está sempre descobrindo novas formas de alimento. Devido ao seu regime alimentar generalista, por vezes poderá ajudar a controlar pragas de insectos, como por exemplo, sabe-se que esta ave se alimenta de répteis do género Anolis. Estes répteis, por sua vez, alimentam-se de escaravelhos predadores de insectos. A ave, ao fazer diminuir o número de répteis, fará com que sobrevivam mais escaravelhos, que aumentando o seu número, poderão controlar (diminuir) o número das suas presas (neste caso, insectos, que poderão em certas circunstâncias serem consideradas pragas, prejudicando as actividades humanas).

    Ecologia

    Tem um importante papel na dispersão de sementes. Em áreas de cerrado do estado de São Paulo, é uma das aves mais importante na dispersão de sementes da espécie Ocotea pulchella Mart.

    Em certas regiões poderá ser migratória.

    Segundo a Lista Vermelha de Espécies ameaçadas da IUCN, esta ave tem um estado de conservação de Segura ou pouco preocupante (Least Concern). A população mundial está estimada em 5.000.000 a 50.000.000 indivíduos (Rich et al. 2003).

    Subespécies

    Segundo a Avibase - The World Bird Database as subespécies são:

    Pitangus sulphuratus argentinus
    Pitangus sulphuratus bolivianus
    Pitangus sulphuratus caucensis
    Pitangus sulphuratus derbianus
    Pitangus sulphuratus guatimalensis
    Pitangus sulphuratus maximiliani
    Pitangus sulphuratus rufipennis
    Pitangus sulphuratus sulphuratus
    Pitangus sulphuratus texanus
    Pitangus sulphuratus trinitatis

    Denominações noutras línguas

    Alemão: Schwefeltyrann ou Schwefelmaskentyrann
    Checo: tyran bentevi
    Dinamarquês: Kiskadie
    Espanhol: Bienteveo Común / Cristofué
    Finlandês: naamioväijy
    Flamengo: Grote Kiskadie
    Francês: Tyran quiquivi
    Italiano: Pitango solforato
    Japonês: (kibaraootairanchou)
    Polaco: bentewi wielki
    Sueco: Större kiskadi

    NOME - Bem-te-vi
    NOME CIENTÍFICO - Pitangus sulphuratus
    SINÔNIMOS - Lanius sulphuratus - Linnaeus, 1766
    ORDEM: Passeriformes
    SUBORDEM: Tyranni
    FAMÍLIA: Tyrannidae
    SUBFAMÍLIA: tyranninae
    GÊNERO, E SUBGENERO: Pitangus
    ESPÉCIE: sulphuratus
    NOME EM INGLÊS: Great Kiskadee
    OUTROS NOMES: Pituã, Triste-vida, Bem-te-vi-de-coria, Pitanguá, Siririca (fêmea)
    TAMANHO: 25 cm
    ALIMENTAÇÃO: Insentívoro
    LOCALIZAÇÃO: América do Sul, América do Norte e América Central.

    Fonte: www.achetudoeregiao.com.br

    Bem-Te-Vi

    O Bem-te-vi é um dos pássaros mais comuns nas cidades brasileiras.

    Ave passeriforme da família dos tiranídeos, comum no Brasil. A espécie típica é Pitangus sulphuratus, com peito amarelo e bico comprido e forte.

    Dotado de voz estridente, que parece pronunciar com clareza o próprio nome, o bem-te-vi é um dos pássaros mais populares e comuns no Brasil.

    A espécie típica, Pitangus sulphuratus, da família dos tiranídeos, distingue-se pelo peito e barriga amarelos, a cabeça negra com faixas brancas e o bico comprido e forte. Mede 22,5cm e tem 54 a 60g de peso. É encontrado do Texas à Argentina e em todo o Brasil. Impressiona por sua vivacidade e ligeireza nos vôos. Em pequenos bandos, persegue comumente outras aves, sobretudo gaviões, que temem enfrentar seus avanços e logo se põem em fuga.

    Insetívoro e de fácil adaptação aos meios mais variados, o bem-te-vi sempre descobre novas fontes de alimento. Dado à predação de ninhos de outras espécies, caça marimbondos, formigas e abelhas. À beira-rio, pega pequenos peixes e à beira-mar, vasculha as pedras das áreas de arrebentação para apanhar crustáceos.

    Quase do mesmo tamanho e muito parecido com o bem-te-vi comum é o bem-te-vi-de-bico-chato (Megarhynchus pitangua) chamado em Minas Gerais de bem-te-vi-gameleiro. Bem menores, medindo ambos 15cm, são o bem-te-vi-pirata (Legatus leucophaius) e o bem-te-vi-pequeno (Conopias trivirgata). Todas essas espécies têm hábitos migratórios.

    Fonte: passaroazul.br.tripod.com

    Bem-Te-Vi

    O Bem-te-vi é uma ave pequena, com pouco mais de 22 centímetros, que ocorre em grande parte do Brasil, em alguns países vizinhos da América do Sul e também na América Central. Os indivíduos que ocorrem em regiões com clima mais severo (Brasil meridional e países do sul) podem realizar movimentos de migração para regiões mais quentes nas épocas de inverno. Parte de seu nome científico (similis) significa similaridade e éalusivo à grande semelhança das cores de sua plumagem com as do Bem-te-vi (Pitangus suiphuratus) e outras espécies bastante parecidas da família Tyrannidae, à qual pertence o Bem-te-vizinho.

    O padrão geral da coloração da plumagem é o seguinte: lado inferior amarelo com a garganta branca, dorso e asas marrom-esverdeados; acima dos olhos possui uma evidente faixa branca que se estende desde o bico até a nuca, onde é interrompida; bico e olhos negros. Com esse padrão de plumagem, o Bem-te-vizinho poderia ser considerado uma miniatura do Bem-te-vi, mas as semelhanças terminam por aí.

    O Bem-te-vizinho, que também é chamado de Bem-te-vizinho-topete-vermelho, em virtude da existência de um pequeno topete vermelho visto quando se olha a ave por cima, possui características ecológicas muito distintas. Ocorre aos pares ou em pequenos grupos familiares, que são muito barulhentos.

    Em termos de ambiente, prefere matas ou capoeiras mais conservadas, quase sempre próximo a algum curso d'água. Não se adapta muito às regiões campestres ou cidades pouco arborizadas. Na época da reprodução constrói um ninho de capim que écolocado em uma forquilha. As vezes o ninho fica localizado em galhos sobre a água ou próximo a colmeias e formigueiros, garantindo, assim, uma proteção extra contra predadores. A fêmea põe de dois a três ovos que são esbranquiçados com pequenas pintas marrons. Alimenta-se de insetos capturados durante pequenos vôos, e de pequenas frutas.

    Fonte: www.vivabrazil.com

    Bem-Te-Vi

    O bem-te-vi é talvez o pássaro mais popular deste país. É conhecido em toda parte por seu canto, pelo anúnicio frequente de seu nome e por sua coloração amarela viva na barriga, garganta e alto da cabeça. Tem uma listra branca que circunda inteiramente a cabeça e seu bico é forte.

    Pode ser encontrado em uma enorme variedade de habitats, como campos de cultura, cidade, pomares, orla de mates e em ambientes aquáticos, tais como margens de lagoas, córregos, e rios, onde tem aprendido a capturar peixes que são acrescentados a sua dieta de insetos, anfíbios, etc.

    Constrói um ninho esférico, com entrada lateral na parte superior, na forquilha de um galho, sendo bem cuidado e feito de diversos vegetais secos. A postura consta, em geral, de quatro ovos brancos e alongados. É social e vive em pequenos grupos. O barulhento bem –te-vi é comum em todas as regiões brasileiras.

    Suas caracteristicas corpóreas: (22,5 cm ; 54 a 60 gramas )

    Obs:. São encontradas outras espécies de bem-te-vi, como por exemplo: Bem-te-vi vizinho ( Myiizetes similis ) difere-se do bem-te-vi, em relação ao seu tamanho, com cerca de 17,5 cm ; 28 gramas.

    E o bem-te-vi de bico chato (Megarhynchus pitangua ) conhecido vulgarmente como nei-nei, é bem parecido com o famoso bem-te-vi, porém apresenta bico extremamente largo e chato, e canto diferente. Sua área de ocorrência vai do México até o Rio Grande do Sul.

    Fonte: www.animalnet.com.br

    Bem-Te-Vi

    Bem-te-vi

    O Bem-te-vi é o mais conhecido pássaro no Brasil. De coloração parda no dorso e amarelada no ventre, esta encantadora ave tem sobrancelha branca muito visível na cabeça e uma listra no alto da coroa que varia de amarelo-claro a laranja-vivo.

    O Bem-te-vi se alimenta de insetos mas também não dispensa frutas e flores de um jardim. Ovos de outros passarinhos, minhocas e até outros bichos, como a cobra, também fazem parte do cardápio deste pássaro. Mede 23 cm, em média.

    O seu nome popular é onomatopaico, ou seja, ele emite um chamado, no mínimo, curioso, dando a impressão de cantar o próprio nome "bem-te-vi, bem-te-vi" . Seu canto pode ser ouvido durante o ano todo, quase todos os dias.

    Gosta de chamar a atenção cantando e se empuleirando nas antenas das casas e nos telhados. Enquanto ele canta, todos os outros pássaros ficam em silêncio. Costuma capturar peixinhos na beira dos rios e lagos de pouca profundidade e banhar-se nos tanques e chafarizes das praças.

    O ninho do Bem-te-vi fica em lugar visível e é feito de todos os tipos de plantas, freqüentemente com capim. Este pássaro defende o seu ninho vigorosamente e se alguma outra ave chegar por perto, ele será agressivo e briguento.

    O Bem-te-vi habita regiões mais abertas, do estado americano Texas até a Argentina. Isto facilitou a sua adaptação a ambientes urbanos e desmatados.

    Fonte: www.petfriends.com.br

    Bem-Te-Vi

    Ficha do bicho

    Nomes vulgares

    Bem-te-vi; bentevi-verdadeiro; bem-te-vi-de-coria; bem-te-vi-de-coroa; pituã; pitanguá; pitaguá e puintaguá (indígena); triste-vida; bentevi-de-coroa; tiuí; teuí; tic-tiui; siririca (fêmea); great kiskadee (EUA); bichofêo , vintevêo e bentevêo (Argentina) e qu'est -ce na Guiana Francesa.

    Nome científico

    Pitangus sulphuratus ( Linnaeus, 1766 ) ou o sinônimo, Lanius sulphuratus ( Linnaeus, 1766)

    Origem do Nome

    Seu nome popular (bem-te-vi) tem origem onomatopéica, pois quando vocalizam é possível escutá-lo repetir todas as sílabas ou parte delas.

    Ordem:Passeriformes
    Subordem: Tyranni
    Família: Tyrannidae (Tiranídeos).

    Está nesta família, pelo fato de às vezes ser despótico, isto é, ataca outras aves e até mesmo outros animais quando se sente ameaçado. É muito comum vê-lo dando rasantes e bicadas em aves de rapina (principalmente gaviões), que entrem em seu território.

    Subfamília: Tyranninae
    Gênero: Pitangus sp
    Espécie: Pitangus sulphuratus. Existem pelo menos 4 subespécies.

    Como ele é?

    O bem-te-vi é um pássaro de coloração parda, na região do dorso, e amarelado na região do ventre. Seu bico é achatado, longo, resistente e um pouco encurvado. Logo acima de seus olhos, há uma grande faixa branca, e no alto de sua coroa, há uma listra que varia de amarelo-claro ao laranja-vivo. Mede de 22,0 a 25 centímetros, pesando de 54 a 60 gramas.

    Faixa branca característica

    Põe cerca de 4 ovos brancos e alongados. Os ovos, normalmente, são brancos logo após a postura, passando a ficar amarelados depois de algum tempo; mostram pequena coroa de pontos pardos ou azulados e medem 31 x 21 milímetros, sendo incubados pelo casal. Aparentemente não há dimorfismo sexual.

    O que ele faz?

    Seu cardápio é recheadíssimo. Costuma capturar parasitas (carrapatos) em bovinos e eqüinos; come muitos insetos, como por exemplo as abelhas, por isso é a ira dos apicultores. É muito comum vê-lo capturando os insetos durante o vôo, sendo mais freqüente capturá-los pousados em ramos. Predam também ninhos de outras aves, como a cambacica (Coereba flaveola). Captura pequenos peixes, cobras, lagartos, girinos e crustáceos. E para não faltar vegetais em sua dieta, as flores estão incluídas e, em grande voracidade, as frutas, como bananas, mamões, maçãs, laranjas, pitangas e muitas outras. Descobre sempre novas formas de alimento.

    Gosta muito de pousar em antenas de televisão, ocupando também fios de energia, edifícios e construções.

    Seu ninho é esférico e confeccionado de gravetos, palhas, fitas de plástico e outros materiais. Possui cerca de 25 centímetros de diâmetro e a câmara incubatória localiza-se no centro. Normalmente está localizado na forquilha de um galho, mas é muito comum também vê-lo nas cavidades dos geradores de postes. O ninho fica entre 3 e 12 metros do solo. Os filhotes, após abandonarem o ninho, vocalizam incessantemente um "iá" para chamar seus pais, para mais comida.

    Normalmente está sozinho, mas pode ser visto em grupos de 3 a 4 indivíduos que se reúnem comumente em antenas de televisão para cantar.

    Como já foi dito, o bem-te-vi possui uma grande capacidade de adaptação, devido a isso, pode ser encontrado em muitos ambientes, como por exemplo, o qual iremos tratar, as cidades.

    Este pássaro figura-se atualmente como o símbolo de centros urbanos, dá nome a condomínios, parques, restaurantes e a muitas outras referências.

    Com o início do processo de desenvolvimento das cidades, muitas áreas florestais, antes nativas, passaram a ser consideradas urbanas. Este estado se agravou no decorrer das décadas, e atualmente, este desenvolvimento se encontra cada vez mais acelerado, devido aos avanços da tecnologia. Porém, o que ocorre, é que o ambiente natural constituinte da mata atlântica, impossibilitou que as cadeias alimentares de seus hóspedes permanecessem cíclicas, devido às ações do homem, produzindo então, o temido desequilíbrio ecológico. Com este fato, muitas espécies foram extintas e outras conseguiram se adaptar as intempéries do ambiente urbano. Seus comportamentos e biologia com certeza tiveram modificações, para que o bem-te-vi pudesse encontrar moradia e alimento em uma cidade. Mas, esta espécie é apenas um exemplo das muitas que hoje, habitam nossos centros urbanos.

    Com esta situação, muitas pessoas se conscientizaram com o problema e resolveram amenizar as dificuldades, principalmente de muitos pássaros, e hoje os alimentam com frutas, flores e outros alimentos, plantados ou oferecidos em seus jardins, sacadas de prédios, parques e outros lugares. Caso você não tenha vegetais que os atraiam em sua casa, poderá atraí-los com grande facilidade. É só escolher um ambiente calmo e de sombra (para que as frutas não ressequem) para depositar as frutas. Existem até comedores especiais que podem ser encontrados em casas agrícolas ou de animais de estimação, mas caso não queira gastos, escolha uma velha vasilha baixa e a acondicione no ambiente escolhido. Esta pode ser até mesmo pendurada, mas isso ficará por conta da criatividade de cada um. Boa sorte!

    Onde podemos encontrá-lo?

    O bem-te-vi possui uma distribuição geográfica que vai do Texas (EUA) à Argentina, Uruguai e praticamente, em todas as regiões brasileiras.

    Possui uma incrível capacidade para adaptação, por isso pode ser encontrado em florestas densas, orlas de matas, córregos, margens de lagoas, várzeas, campos, pomares e nas grandes e pequenas cidades.

    O que ele tem de interessante?

    Seu canto é a principal característica pela qual o bem-te-vi é lembrado, ou melhor escutado. É um canto bastante notado, não é por acaso que é considerado o pássaro mais popular do Brasil.

    Seu canto é trissilábico, ou seja, se pode facilmente escutar o som "BENTEVI". Algumas vezes ele é dissilábico, então se escuta um " BI - HÍA"; ou monossilábico para chamadas, " TCHÍA".

    Estão entre os primeiros a vocalizarem ao amanhecer. Sua "gritaria" consegue penetrar nos mais recônditos becos, podendo ser ouvido o ano todo. Em Sergipe por exemplo, a criançada o persegue a pedradas, pois, segundo a lenda, foi ele quem denunciou Jesus Cristo, quando os Judeus o procuravam: "Bem-te-vi". Mas isso não passa de uma lenda sem fundamento, pois este pássaro não habita e provavelmente nunca habitou a região do Oriente Médio, de clima e ambiente completamente diferente do nosso.

    Outro fato interessante é a grande proteção que proporciona a seu sagrado território. Quando invadido, costuma atacar o invasor sem se importar com seu porte. Já foi avistado pondo em fuga até um bando de macacos. É mais uma prova, de que tamanho não é documento!

    Fonte: www.vidadecao.com.br

    Bem-Te-Vi

    Pitangus sulphuratus

    Nome: Bem-te-vi
    Nome científico: Pitangus sulphuratus
    Sinônimos: Lanius sulphuratus - Linnaeus, 1766
    Ordem: Passeriformes
    Subordem: Tyranni
    Família: Tyrannidae
    Subfamília: Tyranninae
    Gênero e Subgênero: Pitangus
    Espécie: Sulphuratus

    Nome em inglês: Great Kiskadee
    Outros nomes: Pituã, Triste-vida, Bem-te-vi-de-coria, Pitanguá, Siririca (fêmea)
    Tamanho: 25 cm
    Alimentação: Insentívoro

    Localização

    América do Sul, América do Norte e América Central.

    Aves da família do tiranídeos gênero Pitangus. É o mais conhecido em todo Brasil. Tem 25 cm, de coloração parda no dorso e amarelada no ventre, com sobrancelha branca muito visível na grande cabeça; uma listra no alto da coroa varia de amarelo-claro a laranja-vivo. O Bem-te-vi é insetívoro, come todo o tipo de comida, devora centenas de insetos diariamente mas também fruta e flores de um jardim, ovos de outros passarinhos, minhocas, outros bichos (até cobras). Seu nome popular é onomatopaico, pois ele emite um chamado curioso, no qual parece pronunciado com clareza: "Bem-te-vi. No calor do dia chamará sua atenção constantemente cantando o seu nome e se sentará em um fio de telefone ou em um telhado. A maioria dos outros pássaros manterá silencioso, ao redor, enquanto o bem-te-vi canta. O ninho do Bem-te-vi fica em lugar visível e é feito de todos os tipos de plantas, freqüentemente com capim.

    Este pássaro defende seu ninho vigorosamente e, ele será agressivo com outros pássaros mesmo que não tenha nenhum ninho. É comum ver um Bem-te-vi perseguindo um pássaro que ele, sobretudo corujas e rapineiros, que afugenta para longe. Entretanto, um colibri poderia perseguir um Bem-te-vi e colocá-lo para fora. O seu genérico provém de pitanguá, nome que lhe davam os indígenas brasileiros do grupo Tupi. Costuma capturar peixinhos na beira dos \rios ou lagos de pouca profundidade e banhar-se nos tanques ou chafarizes das praças públicas. É das aves mais populares do Brasil.

    Fonte: www.felipex.com.br

    Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal