Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Benin  Voltar

Benin

 

História

O reino Abomey dos povos Dahomey, ou Fon, foi criada em 1625.

A rica vida cultural floresceu, e máscaras de madeira de Dahomey, estátuas de bronze, tapeçarias e cerâmica são de renome mundial.

Uma das regiões menores e mais densamente povoadas da África, Daomé foi anexado pelos franceses em 1893 e incorporado em África Ocidental Francesa em 1904. Tornou-se uma república autônoma dentro da Comunidade Francesa em 1958, e em 01 de agosto de 1960, o Daomé foi concedida a sua independência dentro da Comunidade.

O general Christophe Soglo depôs o primeiro presidente, Hubert Maga, em um golpe militar em 1963. Ele negou que o governo civil em 1965, proclamando-se chefe de Estado. Um grupo de jovens oficiais do exército tomou o poder em dezembro de 1967, depondo Soglo.

Em dezembro de 1969, Benin teve sua quinta golpe da década, com o exército novamente tomar o poder.

Em maio de 1970, uma comissão de três homens presidencial com um mandato de seis anos foi criado para assumir o governo.

Em maio de 1972, outro golpe militar derrubou o triunvirato e instalado o tenente-coronel Mathieu Kérékou como presidente.

Entre 1974 e 1989, o socialismo Daomé abraçou, e mudou seu nome para República Popular de Benin.

O nome Benin comemora um reino Africano que floresceu a partir do século 15 ao 17 no que é hoje sudoeste da Nigéria.

Em 1990, Benin abandonado ideologia marxista, começou a se mover em direção à democracia multipartidária, e mudou seu nome de novo, para a República do Benin.

Benin

Uma economia conturbada

Até o final da década de 1980, a economia do Benin foi perto do colapso. Como o seu boom do petróleo terminou, Nigéria expulsa 100.000 beninenses trabalhadores migrantes e fechou a fronteira com o Benin.

Coletivização socialista Kérékou da Agricultura de Benin e da burocracia balonismo ainda mais danos à economia. Em 1988, as instituições financeiras internacionais temiam Benin seria padrão em seus empréstimos e pressionados Kérékou para fazer reformas financeiras.

Kérékou posteriormente embarcou em uma campanha de privatização importante, cortar a folha de pagamento do governo, e reduziu os serviços sociais, levando alunos e agitação sindical. Temendo uma revolução, Kérékou concordou com uma nova constituição e eleições livres.

Em 1991, Nicéphore Soglo, economista e ex-diretor do Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento, foi eleito presidente. Embora ele contou com o apoio generalizado no início, Soglo gradualmente tornou-se impopular como medidas de austeridade reduziram os padrões de vida e de uma desvalorização cambial de 50%, em 1994, a inflação causada.

Kérékou derrotou Soglo nas eleições de 1996 e foi facilmente reeleito em Março de 2001. Os limites de mandato impediu de correr novamente.

Em abril de 2006, Yayi Boni assumiu a presidência. O Banco Mundial eo FMI concordaram em cancelar a maior parte da dívida externa do Benim depois que o país demonstrou significativas reformas econômicas.

Em 2010, as inundações destruíram 55.000 casas, matou dezenas de milhares de animais, e deslocadas 680.000 pessoas. Houve 46 mortes.

Depois de dois adiamentos, as eleições presidenciais foram realizadas em 13 de março de 2011. De acordo com o Tribunal Constitucional do Benin, Yayi Boni Compete ganhou 53% dos votos.

Seu principal adversário, Adrien Houngbedji, contestou os resultados, alegando fraude e reivindicar a vitória para si mesmo.

As eleições parlamentares seguido em abril de 2011, e estabeleceu um novo governo, incluindo Pascal Koupaki como primeiro-ministro, Nassirou Bako Arifari como ministro das Relações Exteriores, Benoît Assouan Degla como ministro do Interior, e Mathys Adidjatou como ministro das finanças; Issifou Kogui N'Douro permaneceu como defesa ministro.

Geografia

Esta nação Oeste Africano, no Golfo da Guiné, entre o Togo no oeste e no leste da Nigéria, é sobre o tamanho do Tennessee.

É banhada pelo Burkina Faso e Níger ao norte.

A terra consiste em uma estreita faixa costeira que se eleva a um patamar, pantanoso floresta e depois para terras altas do norte. É quente e úmido o clima de todo o país.

Governo

República sob uma regra democrático multipartidário.

Uma economia conturbada

Até o final da década de 1980, a economia do Benin foi perto do colapso. Como o seu boom do petróleo terminou, Nigéria expulsa 100.000 beninenses trabalhadores migrantes e fechou a fronteira com o Benin.

Coletivização socialista Kérékou da Agricultura de Benin e da burocracia balonismo ainda mais danos à economia. Em 1988, as instituições financeiras internacionais temiam Benin seria padrão em seus empréstimos e pressionados Kérékou para fazer reformas financeiras.

Kérékou posteriormente embarcou em uma campanha de privatização importante, cortar a folha de pagamento do governo, e reduziu os serviços sociais, levando alunos e agitação sindical. Temendo uma revolução, Kérékou concordou com uma nova constituição e eleições livres.

Em 1991, Nicéphore Soglo, economista e ex-diretor do Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento, foi eleito presidente. Embora ele contou com o apoio generalizado no início, Soglo gradualmente tornou-se impopular como medidas de austeridade reduziram os padrões de vida e de uma desvalorização cambial de 50%, em 1994, a inflação causada. Kérékou derrotou Soglo nas eleições de 1996 e foi facilmente reeleito em Março de 2001. Os limites de mandato impediu de correr novamente.

Em abril de 2006, Yayi Boni assumiu a presidência. O Banco Mundial eo FMI concordaram em cancelar a maior parte da dívida externa do Benim depois que o país demonstrou significativas reformas econômicas.

Em 2010, as inundações destruíram 55.000 casas, matou dezenas de milhares de animais, e deslocadas 680.000 pessoas. Houve 46 mortes.

Depois de dois adiamentos, as eleições presidenciais foram realizadas em 13 de março de 2011. De acordo com o Tribunal Constitucional do Benin, Yayi Boni Compete ganhou 53% dos votos. Seu principal adversário, Adrien Houngbedji, contestou os resultados, alegando fraude e reivindicar a vitória para si mesmo.

As eleições parlamentares seguido em abril de 2011, e estabeleceu um novo governo, incluindo Pascal Koupaki como primeiro-ministro, Nassirou Bako Arifari como ministro das Relações Exteriores, Benoît Assouan Degla como ministro do Interior, e Mathys Adidjatou como ministro das finanças; Issifou Kogui N'Douro permaneceu como defesa ministro.

Fonte: www.portalsaofrancisco.com.br

Benin

BENIN, A MAGIA DO VUDU

Conta a lenda que Benin foi o berço do vudu e deste país foi levado à América Latina pelos escravos.

A lenda deve ser real porque a magia percebe-se ao longo e largo de todo o território nacional: maravilhosas praias de águas transparentes e areias brancas com coqueiros, exuberante savana onde habitam os mais belos animais como leões, olifantes, búfalos, guepardos, crocodrilos, antílopes, entre outros muitos exemplares da fauna africana, lagoas costeiras pelas que navegar contemplando frondosas paisagens e uma grande variedade de aves para fazer as delícias dos amantes da ornitologia, além de formosas zonas montanhosas habitadas pelos valentes guerreiros Somba.

A estes atrativos naturais há que somar a riqueza tradicional de suas etnias, os Ioruba com seus ritos ancestrais, os Aizos, Pedah e Mina, três povos peixeres que habitam em originais casas construidas a três metros das águas das lagoas, os Fom e os Adja que durante o reinado de Ghezo fundaram um grande exército no qual estavam incluidas mais de 3.000 valentes amazonas, os Taneka com suas construções de tetos cônicos adornados com jarras, e os Bariba, Basseda, Itcha, Boko-Tienga, Dendi, Gurma, Tyokossi, Gangamba, Niendi e outros muitos mais. Um verdadeiro mosaico de culturas a conviver em paz em um maravilhoso território. Benin, efetivamente, deve estar sob o influxo da magia.

Localização Geográfica

A República do Benin tem uma extensão de 112.622 quilômetros quadrados limitados por Burkina Faso e Níger ao norte, Nigéria ao leste, Togo ao oeste e ao sul o Oceano Atlântico em pleno Golfo de Guiné. O país tem forma alongada com uma longitude de 750 quilômetros.

A zona costeira é arenosa e retilínea com numerosas lagoas e pântanos. O terreno vai subindo em altitude e na medida que se adentra no interior do país, aparecem pequenos planaltos muito fértis, e mais para o norte o solo eleva-se ainda mais com os Atakora, até os 900 metros de altitude. No noreste as terras são planas extendendo-se até o vale do rio Níger.

A rede fluvial conta com rios como o Quémé com seus afluentes, o Okpara e o Zu, o Cuffo e o Mono. O rio Níger serve de fronteira com a República de seu mesmo nome. São muito importantes as lagoas costeiras formadas graças às correntezas marinhas que movimentaram a areia. Destacam Grand-Popo a extender-se pelo oeste até Togo, a de Porto Novo, ao leste, que comunica com o porto de Lagos e Ouidah e Cotonu, entre outras.

Flora e Fauna

A paisagem do Benin varia bastante dependendo da zona. No norte é típicamente montanhosa no Maciço de Atakora sendo a vegetação muito escassa; na fronteira com Nigéria a selva é entupida sobretudo nas regiões de Abomey e Paraky; nas planícies da Terra do Barro a espécie mais abundante é a palmeira, enquanto que no resto do país aparece a savana arbórea-herbácea.

As aves encontram um habitat natural estupendo nas lagoas costeiras de Grand Popo, Ouidah, Cotonu e Porto Novo, entre outras, convirtindo-se em verdadeiros paraísos ornitológicos. Também podem-se contemplar leões, búfalos, hipopótamos, guepardos, crocodrilos, olifantes, girafas, antílopes e uma grande variedade de répteis.

História

DADOS HISTÓRICOS

Benin é um desses países africanos com uma história apaixonante. Na antigüidade estaba habitado por distintas tribos, entre elas os Aya, embora na Idade Moderna o Reino de Dahomey era conhecido pelas valentes e formosas amazonas que caçavam aos homems com a ousadia de penetrar seu território.

No século XVII o povo Fom divide-se em três reinos: Alada, Porto Novo e Dahomey, este último acabará absorvendo aos outros dois. No século XVIII o reino de Dahomey sofre a invassão dos Ioruba procedentes do Níger, e isso própricia a intervenção dos estados europeus.

Esta intervenção foi aproveitada para potenciar o comércio de escravos, chegando a conhecer-se este território na segunda metade do século como a "Costa dos Escravos" - inclusive construiram-se fortes para assegurar este comércio.

No interior, os reinos de Savalu, Fitta, Bariba ou Savé viveram fugindo destas incursões escravistas e tiveram uma existência menos duradoura que o Reino de Dahomey.

A presência francesa era cada vez mais forte e embora no último rei de Dahomey, Behanzin, encontraram uma fera resistência, em 1884 este território irá convertir-se em colônia.

O período colonial francês finaliza em 1959 passando Dahomey a ser estado autônomo da Comunidade Francesa e o 1 de agosto de 1960 consegue ser um estado independiente com Hubert Maga como presidente.

Três anos depois assume a presidência J. Ahomadegbe após um golpe de estado, mas será derrubado por um novo golpe do general Soglo. Em 1967 surge outro governo provisório promulgando no ano seguinte uma nova Constitução sob a presidência do geral E. D. Zinsou, destituido em 1969 por um diretório militar dirigido por P. E. de Souza.

Outro golpe de estado em 1972 coloca o poder em mãos do maior Mathieu Kérékou que proclama dois anos depois um estado marxista-leninista.

Em 1975 Dahomey muda seu nome pelo de República Popular do Benin e em novembro de 1979 Kérékou é releito e estabelece um governo civil. Um ano mais tarde será nomeado Presidente da República Popular Democrática do Benin. Em julho de 1984 Kérékou é releito por segunda vez e em janeiro de 1987 converte-se em um governante civil.

O 24 de março de 1991 celebram-se as primeiras eleições libres do país nas que Nicéphore Soglo derrota Kérekou convertendo-se no Chefe do Estado e do Governo da República do Benin.

Porém, nas eleições do ano de 1996 Kérekou é releito presidente da república, designando como primeiro ministro a Adriem Houngbédji.

Arte e Cultura

A arte do Benin tem dois eixos principais: por um lado a arte cortesâ herdada do antigo Reino de Dahomey, cujas principais mostras são jóias (braçaletes, colares, brincus e outros objetos tudos eles realizados em ouro, prata e cobre pelos magníficos ourives do país); e por outro, o artesanato dos distintos grupos étnicos, sem esquecermos dos tapizes e tapetes.

Deste artesanato tradicional tem especial fama a Arte Ioruba com distintos elementos arquitetônicos como colunas ou portas esculpidas e outros objetos como tronos ou máscaras realizadas para as danças tribais, tronos, portas esculpidas, colunas, etc.

Os Bariba decantam-se por uma arte guerreira plasmada em armas e aparelhos para a luta, enquanto que os Popo realizam uma arte muito simples e esquemática sem decoração. Destacam também quanto à arquitetura as moradas dos guerreiros Somba que na realidade são pequenos castelos construidos em barro - denominados "tata"- de uns quatro metros de altitude.

Gastronomia

Benin conta uma gastronomia deliciosa baseiada, sobre todo, em platos simples mas muito saborosos, graças à excelente qualidade dos ingredientes utilizados na preparação.

A cuzinha tem como platos típicos os preparados com verduras e peixe. O peixe tanto de água doce como salgada é muito fresco e simplesmente grelhado resulta delicioso. As verduras e cereais mais utilizados, tanto como acompanhamento como em platos únicos, são a mandioca, batata, arroz e gergelim.

A carne também resulta excelente, sobre tudo a de vaca, cabra e ovelha com a que se preparam saborosos guisados. Também pode-se comer um bom bife de gazela, mais original e muito delicioso.

Como sobremesa, fruta fresca ou doces preparados com amendoim, bananas, cacau ou batatas.

Bebidas

O café e o caco que se cultivam em Benin são de boa qualidade. Se aconselha beber água engarrafada.

Compras

Benin oferece uma ampla mostra de artesanato tradicional que faz as delícias dos visitantes tanto pela qualidade e originalidade como pelos preços.

As jóias são especialmente atrativas. Trabalhadas em ouro, prata e cobre pelos ourives que apreenderam dos antepassados da corte do Reino de Dahomey, destacam os colares, brincus, aneis e diademas trabalhados com exquisito cuidado; os desenhos resultam elegantes e muito atrativos. Também pode-se encontrar outros objetos realizados nestes materiais preçosos como caixas, figuras e copas.

Os tecidos, tapizes e tapetes de Abomey gozam de merecida fama pela qualidade e desenhos, os preços são moderados.

As máscaras e estatuinhas ioruba realizadas em madeiras nobres são muito formosas. As máscaras estão destinadas aos dançantes de bailes rituais pelo que resultam verdadeiramente curiosas. As armas e arte guerreira dos Bariba podem ser um excelente presente para os amantes deste tipo de objetos, enquanto que as peças simples e esquemáticas realizados pelos Popo resultam, quizá pela ausência de decoração, muito atrativas.

Também podem-se adquirir produtos naturais de excelente qualidade como café, amendoim e azeite de palma.

População e Costumes

A população do Benin está formada por numerosos grupos étnicos repartidos por todo o território, embora a maior concentração se centra no sul do país. Os Fom e Adja convivem no Bajo Benin dedicados principalmente à agricultura, enquanto que os Ioruba, a partilhar esta zona, têm no comércio seu modo de vida.

Os Bariba, Baseda e Itcha ocupam as regiões centrais dedicados também à agricultura. Os Dendi, Gurma, Tyokosi e Peul habitam no Alto Benin, os três primeiros cultivam o terreno enquanto que os Peul são criadores de gado.

O Maciço de Atakora no noroeste do país é território dos Somba, Gamgamba e Niendé, agricultores, enquanto que nas lagoas costeiras vivem os Aizos, Pedah e Mina sendo a pesca su principal atividade.

O promédio de esperança de vida da população é de 51 anos e a alfabetização atinge a um 2 % da população. A mortalidade infantil é muito elevada.

Entretenimento

Benin oferece uma atrativa oferta para ocupar os momentos de lazer, sobre tudo, para os amantes da natureza.

Em suas praias paradisiacas pode-se desfrutar enormemente praticando distintos esportes náuticos como vela, windsurfing ou submarinismo embora é convenente ter cuidado com as ondas da costa. Preferendo algo mais sossegado pode-se nadar nas águas transparentes ou curtir o sol nas brancas areias.

As lagoas costeiras permitem a navegação em pequenas embarcações tanto para admirar o exótico paisagem como para praticar a pesca, a qual também pode realizar-se no Oceano Atlântico se busca a pesca de altura.

Para os amantes do montanhismo e o trekking o Maciço de Atakora é uma excelente opção enquanto os que escolherem a observação da fauna e flora do país podem dirigir-se aos Parques Nacionais, com búfalos, leões, olifantes, guepardos, hipopotamos, crocodrilos, antílopes e uma grande variedade de aves em seu entorno natural.

Nas cidades e povoados pode-se desfrutar com os espetáculos tribais cheios de encanto e vida, ou visitar seus museos, templos religiosos e animados mercados muito barulhentos e coloridos.

Festividades

Os feriados oficias do Benin começam o 1 de janeiro com a celebração do Novo Ano para continuar o 15 de julho, o 1 de Agosto, Dia da Nação, o 15 de Agosto, Dia da Ascensção e o 1 de Noviembre, Dia de Todos os Santos. Também são festivos Segunda-Feira de Pascua e o Primeiro de maio.

O 30 de novembro se comemora a Independência do país com desfiles e diversões variadas, a população sai às ruas a celebrá-lo enchendo as cidades de cor e animação. É uma excelente oportunidade para conhecer as pessoas e conviver com elas. As festas oficiais continúam o 25 de dezembro com a celebração do Natal. Também são feriados oficiais as festas islâmicas que variam segundo o calendário lunar.

Durante todo o ano realizam-se diferentes festas tradicionais nas que as distintas etnias exibem seus melhores enfeites para homenagear seus deuses. Os ritos e as danças são espetaculares, com muita cor e animação a fazerem o visitante desfrutar enormemente com elas.

Transportes

O transporte em Benin está bastante desenvolvido comparado com outros países africanos.

Avião: As companhias Sabena, Air France, Aeroflot e Air Gabom ofrecem vôos diretos desde as principais cidades europeas. Benin conta com cinco aeropuertos, Cotonou, Kandi, Natintingou, Parakou e Cana.

Barco: A costa do Benin não favorece o transporte marítimo por ter um difícil acesso, mas o país conta com dois portos de importância: Cotonu e Ouidah. Podem-se realizar curtas travessias pelas lagoas costeiras desfrutando da paisagem ou praticando a pesca.

Trem: Os trens do Benin são bastante corretos, ligando as principais cidades e outros países africanos. Os preços são assequiveis.

Ônibus: Os ônibus são algo desconfortaveis mas sus preços são bastante econômicos.

Carro: Benin conta com um regular traçado de estradas pavimentadas por todo o país. Na estação das chuvas é recomendavel informar-se préviamente sobre seu estado antes de empreender uma viajem. Pode-se alugar carro nas grandes cidades e tanto se aluga um como levando o próprio é necessário ter a carteira internacional de dirigir e um seguro.

Fonte: www.rumbo.com.br

Benin

Benin é um país da África Ocidental. A capital é Porto Novo, o governo reside em Cotonou.

As principais religiões são crenças indígenas, o Cristianismo e o Islamismo.

A língua nacional é o Francês, outras línguas principais são o Fon e o Iorubá.

O atual Benin foi o local de Dahomey, um reino de destaque do Oeste Africano que ascendeu no século 15.

O território tornou-se uma colônia Francesa em 1872 e obteve a independência em 1 de Agosto de 1960, como a República do Benin. Uma sucessão de governos militares terminou em 1972 com a ascensão ao poder de Mathieu Kérékou e o estabelecimento de um governo baseado em princípios Marxistas-Leninistas.

A mudança para um governo representativo começou em 1989. Dois anos mais tarde, eleições livres inauguraram o ex-primeiro-ministro Nicéphore Soglo como presidente, marcando o primeiro sucesso da transferência de poder na África de uma ditadura para uma democracia.

KEREKOU voltou ao poder através de eleições realizadas em 1996 e 2001, apesar de algumas irregularidades serem denunciadas. KEREKOU deixou o cargo no final de seu segundo mandato em 2006 e foi sucedido por Thomas Yayi Boni, um outsider político e independente. YAYI começou uma luta de alto nível contra a corrupção e tem defendido firmemente acelerar o crescimento economico do Benin.

Há um edifício em Abomey, anteriormente a capital de um dos antigos reinos de Benin, que atrai tanto as pessoas de Benin e visitantes de outros países. Uma vez um grande palácio do antigo reino, o prédio é hoje um museu.

Seus muitos tesouros - tronos elaboradamente esculpidos, intrincadas esculturas de metal dedicadas aos deuses, e murais em argila - retratam as tradições, a cultura e a história do Benin.

A história dos três primeiros reinos de Benin também pode ser vista nos panos coloridos tecidos em sua maioria por homens nas fundações do museu. Os panos são ilustrados com símbolos e cenas da vida dos antigos reis e com padrões e desenhos descrevendo a vida no país.

Terra

Benin (anteriormente chamado Daomé) tem uma área total de 43.484 milhas quadradas (112.622 km²). É uma estreita faixa de terra de cerca de 415 milhas (670 km) de comprimento, mas apenas 78 milhas (125 km) de largura em seu litoral. Benin fica no Golfo da Guiné, e é delimitado a leste pela Nigéria; no oeste pelo Togo; e ao norte pelas nações do Níger e de Burkina Faso.

O país tem quatro zonas geográficas. Uma estreita faixa plana de areia, variando entre 1 e 3 milhas (1,6 e 4,8 km) de largura, corre ao longo da costa do golfo.

Um pouco além encontra-se uma rede de lagoas e pântanos.

Mais ao norte o país é plano e geralmente coberto com vegetação bastante densa. A terra sobe gradualmente até um platô largo que é quebrado ocasionalmente por pequenos grupos de colinas.

Na parte noroeste do Benin estão as Montanhas Atakora, que variam entre 1.100 e 3.000 pés (335 e 914 m) de altura. No nordeste estão as grandes planícies férteis do Borgou e Kandi.

Rios

Os principais rios de Benin são encontrados na metade sul do país. O Ouémé é o maior rio em Benin. Crescendo nas Montanhas Atakora, o rio percorre umas 280-milhas (450-km) de curso antes de desaguar no Lago Nokoué perto de Porto-Novo.

O Rio Mono, que deságua no Golfo da Guiné, faz parte do sudoeste da fronteira do Benin com o Togo. Outro rio importante no sul é o Couffo, que forma o Lago Ahémé. Pela maior parte, o norte de Benin é drenado por afluentes do Rio Níger.

Clima

A parte sul do país tem um clima muito quente e úmido, com duas estações quentes e chuvosas.

O norte de Benin tem apenas duas estações: uma estação seca de Outubro a Abril, e um período chuvoso de Maio a Setembro. Este último é mais curto no extremo norte.

Cidades

Porto-Novo é a capital e um importante centro de comercialização de Benin. É uma cidade de ruas estreitas, sinuosas e arborizadas e de mercados pitorescos em que artesãos, oleiros, ferreiros, e curtidores vendem seus produtos. Partes de Porto-Novo assumiram uma aparência moderna com a construção de grandes edifícios em estilo contemporâneo.

Cotonou é a maior cidade e o principal porto de Benin. Este centro comercial também é o terminal das linhas ferroviárias principais do país. Um novo porto de águas profundas foi concluído aqui em 1965. Os planos de se mudar a capital de Porto-Novo para Cotonou nunca foram realizados.

Grande parte de Cotonou está abaixo do nível do mar, e as inundações e a erosão costeira são ameaças constantes para a cidade.

Abomey foi originalmente estabelecida como a capital do antigo reino de Daomé, no século 17. Hoje, por causa do seu museu, a cidade é uma grande atração turística. Abomey é também um centro comercial e tem algumas indústrias de pequeno porte. Ouidah, uma cidade comercial e agrícola, está localizada a oeste de Cotonou, em uma lagoa.

Ouidah tem uma catedral, um seminário, muitas mesquitas, e os restos de guarnições construídas pelos Portuguêses, Francêses, Holandêses e Britânicos no século 18. Parakou, no centro de Benin, é um importante centro agrícola.

População

Como os povos da maioria das nações Africanas ao sul do Saara, as pessoas de Benin são variadas em linguagem e cultura. Os povos Fon, Adja, Aizo, Pedah, Mina, e Pla respondem por quase metade da população. A maioria dessas pessoas vivem na parte sul do país e se envolvem na agricultura de subsistência e da pesca.

Os agricultores mantêm ovelhas, cabras, galinhas, porcos, galinhas-d'angola, e patos, e alguns possuem uma poucas cabeças de gado. Os homens fazem a caça e pesca e a limpeza do terreno, enquanto as mulheres se envolvem no comércio nos mercados.

Outro grupo, o Yoruba, veio da Nigéria e se estabeleceram ao longo do limite sudeste do Benin. Eles são moradores da cidade que caracteristicamente tornaram-se particularmente adeptos de vender e comercializar. Os Yoruba de Benin têm estreitos laços linguísticos e culturais com seus milhões de parentes que vivem na fronteira com a Nigéria.

Os Bariba, Somba, e Pilapila, que vivem nas regiões central e norte do Benin, são povos predominantemente agrícolas. Eles estão ligados à terra por meio de cerimônias religiosas dedicadas ao Deus da Terra. O chefe da aldeia é responsável por manter relações harmoniosas com a Terra, a fim de garantir uma vida boa e proveitosa para o seu povo.

O Deus da Terra é especialmente ofendido quando o sangue humano é derramado no terreno através de conflitos ou a guerra. É o sagrado dever do chefe resolver as disputas, antes que a violência ocorra. Por causa de suas crenças, esses nortistas vivem uma vida invulgarmente pacífica.

Também vivendo no norte estão os Peul (Peuhl), ou Fulani, como eles também são conhecidos. Eles são, na sua maior parte, nômades que deslocam seus rebanhos de cabras e ovelhas e manadas de gado de um lugar para outro. Os Peul ocupam geralmente acampamentos temporários que consistem de um conjunto de cabanas portáteis. A habitação típica é construída na forma de uma colméia, com uma estrutura de pólos cobertos com tapetes, grama ou folhas.

Educação

A maioria das instalações de ensino estão localizadas nos centros urbanos do sul do Benin. Por esta razão as crianças nesta área têm uma oportunidade muito melhor de frequentar a escola do que aquelas que vivem no norte. Em 1986 o governo lançou um grande esforço para a construção de mais escolas primárias na zona norte de Benin.

Seis anos de ensino primário são gratuitos e oficialmente obrigatórios, mas apenas cerca de 66% de todas as crianças frequentam a escola primária. Menos de 15% frequentam a escola secundária. Menos de 40% da população adulta sabe ler e escrever.

Nos últimos anos o governo construiu uma série de escolas secundárias e técnicas e diversas faculdades de formação de professores. A Universidade Nacional de Benin foi fundada em 1970.

Idioma

O Francês, a língua oficial de Benin, é usado em escolas e escritórios. O Fon e o Yoruba são amplamente falados no sul do Benin. O Bariba e o Dendi são as línguas mais importantes faladas por aqueles que vivem no norte.

Religião

A maioria do povo de Benin são animistas que adoram um deus todo-poderoso central que se manifesta através de uma multiplicidade de divindades e espíritos, como voudouns. Os voudouns são os deuses que desempenham um papel importante em muitas cerimônias.

De menor importância do que estes grandes deuses são os espíritos locais bons e maus, assim como os espíritos ancestrais a quem deve ser dados o seu devido respeito em bens e cerimônia.

Muitas pessoas têm se convertido ao Islamismo e ao Cristianismo. No entanto, alguns Católicos, particularmente no sul de Benin, continuam a participar nas cerimônias do vodu.

Economia

Benin tem uma economia predominantemente agrícola. O algodão e o algodão descaroçado provêem mais da metade das exportações do país. Óleo de palma, tubérculos, amendoim, milho e tabaco são outras culturas importantes. Mais terra é dedicada ao cultivo do milho do que para qualquer cultivo de outros alimentos.

As plantações de coqueiros ao longo da costa do Benin são de propriedade do povo ou do Estado. Alguma da produção é consumida localmente na forma de carne de coco ou óleo, e parte dela é exportada na forma de copra (massa seca).

A pesca desempenha um papel importante na vida de algumas das pessoas do sul de Benin. Nesta região, os muitos pequenos rios e lagoas abundam em peixe, e algumas das pessoas ganham a vida exclusivamente dessa ocupação. Desde a introdução dos arrastões, um número de pessoas tem se aventurado na pesca em alto mar.

Nos últimos anos, importantes depósitos de mármore e calcário foram encontrados. No entanto, as evidências indicam que o país tem muito pouco em termos de outros recursos minerais. Algumas reservas de petróleo foram encontradas ao largo da costa, mas ainda não foram exploradas.

Benin tem apenas começado a desenvolver suas indústrias. No sul existem algumas fábricas para processamento de óleo de palma e algodão e na fabricação de sabão. Há também uma planta industrial frigorífica, uma cervejaria, e uma fábrica têxtil em Cotonou; uma planta de descaroçamento de algodão em Parakou; e uma fábrica de bicicletas em Porto-Novo.

Economia - visão geral:

A economia de Benin continua subdesenvolvida e dependente da agricultura de subsistência, da produção de algodão e do comércio regional. O crescimento da produção real tinha média de quase 4% antes da recessão global e voltou a aproximadamente nível que em 2011-12.

A inflação tem diminuído ao longo dos últimos anos. A fim de aumentar o crescimento, Benin pretende atrair mais investimentos estrangeiros, colocar mais ênfase no turismo, facilitar o desenvolvimento de sistemas de processamento de alimentos novos e produtos agrícolas, e incentivar novas informações e tecnologias de comunicação.

Projetos específicos para melhorar o clima de negócios por reformas para o sistema de posse da terra, o sistema de justiça comercial, eo setor financeiro foram incluídos no 307,000,000 $ Benin concessão Millennium Challenge Account assinado em Fevereiro de 2006.

A política de privatização de 2001, prossegue em telecomunicações, água, eletricidade e agricultura. O Clube de Paris e credores bilaterais ter facilitado a situação da dívida externa com o Benin beneficiando de um G-8 a redução da dívida anunciada em julho de 2005, enquanto pressiona para mais rápidas reformas estruturais.

Uma oferta insuficiente elétrica continua a afetar negativamente o crescimento econômico do Benin que o governo recentemente tomou medidas para aumentar a produção nacional de energia. Investimento privado estrangeiro direto é pequeno, e as contas de ajuda externa para a maioria dos investimentos em projetos de infra-estrutura.

Algodão, uma chave de exportação, sofria de inundações em 2010-11, mas os preços elevados suportados receitas de exportação. O governo concordou com um aumento de 25% nos salários dos funcionários públicos em 2011, após uma série de ataques, aumentando a pressão sobre o orçamento nacional.

Benin apelou para a ajuda internacional para mitigar a pirataria contra a navegação comercial no seu território.

História e Governo

O início da história do norte de Benin ainda não foi documentado. Sabe-se, no entanto, que durante os séculos 16 e 17, três reinos floresceram no sul. Estes eram os reinos de Ardra, Jakin (também chamado de Porto-Novo) e Dahomey.

O primeiro contato Europeu com o que é agora Benin ocorreu por volta de 1500, perto da atual Ouidah. Nos primeiros dias da exploração Européia da África, o contato foi feito com o reino de Dahomey. Ouegbadja, um dos seus primeiros grandes reis, viu a vantagem do comércio com os Europeus.

Ele buscou expandir seu reino para o litoral, uma tarefa que foi cumprida por seu descendente Agadja em 1727. Os bens que fluíram foram pano, licor, potes, pratos, ferramentas, e armas.

Estes produtos foram pagos em carnes de seres humanos - cativos dos povos mais fracos para o oeste e o norte.

Em meados do século 18, um reino Yoruba para o leste, Oyo, tomou o reino de Dahomey e obrigou-o a pagar tributos por mais de um século.

Em meados do século 19, os Yorubas foram derrubados, a ordem interna foi restaurada em Dahomey, e relações comerciais formais foram estabelecidas com a França.

Seguiu-se uma série de guerras amargas com os reinos do sul, a mais importante das quais foram as batalhas de (1890 e 1892-1894) travadas contra o Rei Béhanzin. Como resultado destas guerras, os Francêses garantiram todo o território do atual Benin, ligando assim esta colônia com as suas próprias posses do Oeste Africano.

Em 1958, Dahomey foi feito um estado autônomo dentro da Comunidade Francesa e a independência foi proclamada em 1 de Agosto de 1960.

Eventos recentes

Durante os anos 1960s e início dos 1970s, Dahomey teve inúmeras mudanças de governo, principalmente por golpes militares. Em 1972, o poder político foi assumido pelo Major (agora General) Mathieu Kérékou, que, em 1975, mudou o nome do país de Dahomey para Benin. Kérékou foi eleito presidente em 1980 e reeleito em 1984.

O regime do Benim renunciou ao Marxismo-Leninismo em 1989, e em 1990, um governo de transição foi jurado. Kérékou foi derrotado nas eleições multipartidárias realizadas sob uma nova constituição em Março de 1991, mas voltou ao poder em 1996, e foi reeleito em 2001. Kérékou era inelegível para disputar a eleição presidencial de 2006, que foi vencida pelo candidato independente Yayi Boni. Boni ganhou um segundo mandato nas eleições de 2011.

J. W. Fernandez

Fonte: Internet Nations

Benin

O ex-colônia francesa do Daomé, Benin aparece como um modelo de transição democrática bem sucedida.

Do que seu vizinho ocidental, Togo, a quem ele é muitas vezes comparado, o país é influenciada pela Nigéria poderoso, a fonte de forte atividade econômica na periferia.

Área: 114 763 km²
População: 8.791.833 habitantes.
Capital: Porto-Novo
Principais cidades: Cotonou
Língua oficial: Francês
Moeda: Franco CFA
Dia Nacional: 01 de agosto - a independência da França em 1960

História

Os primeiros escritos sobre o atual território do Benin namoro de explorações portuguesas no século XV e XVI. Especialmente No final do século XVI, vários reinos surgiram na região habitada pelos Adja o reino de Allada, o reino de Ajase ou Ajatché (cidade mais tarde chamado Porto-Novo) e Daomé (ou reino de Abomey).

O último foi fundada por volta de 1625 pelo Ouegbadja (a Fon), que estendeu o seu território por conquista e participou ativamente no comércio com os europeus. No século XVII, a expansão territorial e econômica continuou durante os reinados de Agadja e Tegbesou. Daomé anexou o reino de Allada e Ouidah.

O rei, estabelecido em Abomey, a capital, impôs um monopólio real sobre o comércio de escravos no Atlântico, a costa, chamada Costa dos Escravos, tornou-se uma meca séculos XVII e XVIII, o comércio francês e Inglês fortificada, em Ouidah, Português Porto-Novo, e Godomey Seme.

No final do século XVII, o Daomé entrou em rivalidade com o poderoso império Oyo Yoruba no leste: os dois estados lutou três vezes (1680, 1726-1730 e 1739-1748). Vencedor cada tempo, a integração Oyo território Daomé a seu império.

Estas guerras e invasões e comércio de escravos enfraqueceu consideravelmente brigas e Oyo, no século XVIII, o Daomé tornou-se livre. Ele experimentou um ressurgimento da política e empresarial reinos Ghezo (1818-1858) e Gléglé (1858-1889).

Muito atento, o poder real que impediu a instalação de casas de negócios estrangeiros não tomou nenhuma final. Por sua vez, os britânicos e franceses competiram na esperança de controlar o comércio com a curva do Níger, que na época era engrandecido.

O solo francês ganhou em 1851 por Ghezo assinar um tratado de amizade e comércio. Em 1861, missionários franceses foram autorizados a estabelecer em Ouidah. Em 1863, os franceses tentaram impor o seu protetorado sobre Ouidah, mas argumentou Gléglé seus direitos na região.

No ano seguinte, no entanto, teve de ceder para a França Cotonou. Pressão francesa tornou-se mais forte no início do reinado de Behanzin (1889-1894). Em 1890, a França estabeleceu um protetorado sobre o reino de Porto-Novo.

Dois anos mais tarde, sob o pretexto de um incidente, as tropas do coronel Dodds atacado Daomé, e apesar da resistência feroz em 1894, o francês capturado Behanzin, que foi deportado.

Eles assumiram o controle do Daomé tornou-se uma colônia francesa. Os reinos de Porto-Novo e Allada desapareceu na década de 1910. O francês começou a explorar diretamente as riquezas do Benin, especialmente em plantações de palmeiras.

Missionários acentuou o trabalho de conversão e contribuiu para a formação da colônia, no século XX, ele fornece a A-DO um grande número de administrativo e privado, o que lhe valeu o apelido de "Quartier Latin" África Ocidental.

Recrutamento de soldados e de pressão econômica durante a Primeira Guerra Mundial provocou agitação no norte. Tensão aumentou novamente após a Segunda Guerra Mundial, o que despertou sentimentos nacionalistas e esperanças de independência.

Estes manifestam-se na criação de muitos jornais e partidos políticos. Em 1945, a colônia foi capaz de enviar o Parlamento francês vice-primeiro, Marcelino O M Apithy, juntou-se em 1951 por Hubert Maga. Em 1956, a Lei-Quadro concedida uma maior autonomia no Daomé, que em 1958 votou favoravelmente, 97 - 8% no referendo sobre a Comunidade proposta francesa. Ele veio então para a independência em 1 de agosto de 1960.

Daomé Benin independente contemporânea

Os anos após a independência foram marcados por instabilidade política, uma série de golpes e um plano de sucessão: Hubert Maga (1960-1963); governo militar do coronel Christophe Soglo (1963-1964), presidente da S M Apithy (1964-1965); retornar ao governo militar do general Christophe Soglo (1965-1967), o governo militar do Beco tenente-coronel Alphonse (1967-1968); presidência do Dr. Emile Derlin Zinsou (1968-1969), Governo do Nacional líder sindical Maurice Kouandété Pessoal (1969-1970); civil triunvirato Apithy SM, H. Maga Ahomadegbé (1970-1972).

Em outubro de 1972, o coronel Kerekou derrubou o governo civil e tomou o poder. A partir de 1974, ele estabeleceu uma política de marxista-leninista e, em 1975, proclamou a República do Benin.

Uma nova Constituição instituiu um regime de partido único (o PRPB Party, Revolucionária do Benin). Na década de 1980, o regime adotado uma política mais liberal econômico.

Em 1989, o desafio foi subitamente expandido. Kerekou anunciou que renunciou Benin marxismo-leninismo e teve de aceitar a realização de uma conferência nacional das forças da nação, o primeiro de seu tipo na África.

Realizada em Cotonou em fevereiro de 1990, estabeleceu-se corpos de transição e desenvolveu uma Constituição foi aprovada por referendo em 2 de dezembro.

Nicéphore Soglo ganhou as eleições presidenciais de 1991. Mas, em 1994, a desvalorização do franco CFA agravou a crise econômica. Em 18 de março de 1996, Kerekou venceu a eleição presidencial. Na sequência da demissão de Adrian Hougnbédji maio 1998, ele combinou suas funções como chefe de Estado com os do primeiro-ministro.

Envolvimento significativo em várias eleições, a adoção do pluralismo político e aceitação da alternância no poder mostrou que era possível organizar uma transição pacífica e democrática.

Neste sentido, Benin poderia servir como um modelo de referência para muitos países da África Ocidental, se as eleições presidenciais de Março de 2001, marcado pela reeleição de Kérékou, tinham sido, de acordo com os seus adversários, contaminado inúmeras fraudes.

Geografia

Estado costeira do Golfo da Guiné, na África Ocidental, limitado a leste pela Nigéria , a norte pelo Níger , a norte-oeste pelo Burkina Faso , a oeste pelo Togo , e banhado no sul pelo Oceano Atlântico. 112,620 km ², 6,2 milhões.

Benin é apresentado como uma estreita faixa de terra (700 km de comprimento e 120 km em sua parte mais estreita). Menos fragmentada e menos montanhosa do que Togo, Benin combina alívio da planície costeira sul fronteira com areia cospe isolando lagoas e lagos, em seguida, volta para a costa, planaltos rolamento baixo de pé menos 400 m de altitude, esculpido na barra de terra (terciário argila) para o sul para a base no centro e norte, uma grande variedade de planaltos cristalinos superior a 500 m antes que se estabeleceram no vale do Níger.

Estas placas, com alguns relevos de rochas residuais, incluindo as dobras de Parakou que sobem gradualmente para o norte, são sideswiped oeste pela série cadeia Atakora fragmentada de sulcos paralelos, baixo (800 m ), mas as falésias são fortes.

Lagoas dos nortistas Sul bandejas, cerrado paisagens, arborizada ou gramada, são dominantes. A terra é fértil na área de lagoas onde mantém coqueiros e palmeiras. O cerrado ocupa a parte central, enquanto pastagens cobrir o Nordeste. Agricultura é favorecido no noroeste, no planalto de Atakora pelas chuvas.

Benin é atravessada por vários rios instável. A maioria originários de Atakora e dividido entre a bacia do Níger e da bacia costeira. Rios costeiros da bacia flui para o Oceano Atlântico através dos lagos e lagoas (Lago Nokoué Lago Ahémé lagoa de Porto-Novo).

População

Com uma taxa anual de crescimento natural de 3,4%, a população beninense cresce rapidamente e deve dobrar até 2030. Esta população está desigualmente distribuído, principalmente rural, que está concentrada no país sul, Fon e Iorubá, onde a densidade superior a 300 habitantes por km ².

No centro do país (8 a 10 h. / Km ²) e Norte (10 a 20 h. / Km ²), as áreas de assentamento (países Bariba, boko-tienga, Dendi, Gourma, Somba) estão afastados e são muito menos denso.

As províncias do Atlântico, Ouémé Mono e representam 54% da população do país, mais de 2/3 com a província Zou. Benin continua a ser um país rural, mas a urbanização é rápido (40,1% urbana), a capital econômica, Cotonou, reúne mais de 800 mil habitantes, e Porto-Novo, a capital oficial (mas a Presidência e os ministérios são Cotonou) 200.000 habitantes.

Outras cidades importantes são Parakou (120.000 habitantes) Abomey (60.000 habitantes), Kandi (53.000 habitantes) e Natitingou (52 mil habitantes).

Grupos étnicos são Fons mais representadas (25,2%), seguido por Yoruba (13,2%) de Gouns (11 - 6%) Baribas (11,6%) e Sombas (6,9% ).

42% da população pratica religiões tradicionais. Aos 26,9% católicos, protestantes 9,5%, muçulmanos 21,6%.

A língua oficial é o francês.

Dos 52 idiomas listados, 11 são faladas: 10 kwa pertencem a grupos (como a Fon e Iorubá) ou Gur, Dendi, Songhai grupo.

Economia

Benin, que foi convertido em 1993 para uma economia de mercado passa por crise econômica estrutural bater o continente, mas a desvalorização do franco CFA (1994) lhe permite resistir contrabando em grande escala realizadas pelo seu poderoso vizinho, na Nigéria.

Agricultura

Agricultura de Benin, que fornece 37% do PIB e emprega diretamente 57% dos ativos, é a prioridade de ajuste estrutural começou em 1989. O país é auto-suficiente, mas as culturas de exportação estão em declínio, com exceção do algodão.

As principais culturas são o milho (25% da terra cultivada), mandioca (7%) e sorgo (7%). Segundo a FAO, a produção de alimentos per capita aumentou 1,9% ao ano 1979-1993 e as colheitas estão crescendo fortemente desde 1988.

Com 491 mil toneladas de milho, cultivados com algodão no norte, e cerca de 2,5 milhões de toneladas de inhame e mandioca, Benin podem atender às suas necessidades e também fornece Nigéria. Agricultura praticada no Norte, não cobre todas as necessidades do país.

As lavouras sofreram com o antigo estado controles regime e seu atraso tecnológico. A palma industrial (27 mil hectares, cinco moinhos) são mais competitivos quando forneceram, com a palma da aldeia do Sul, 90% das exportações em 1970.

O amendoim e tabaco são marginalizados e apenas a produção de fibra de algodão experimentou um forte crescimento, atingindo 103 milhões de toneladas.

Um grande programa de investimento (1989-1994) promoveu abastecimento de água rural, o desenvolvimento do cultivo de arroz de várzea e gestão da água no norte, onde as grandes manadas de gado (1,2 milhões) ainda é pouco valorizado.

Mineração e Industrial

O setor de mineração é muito limitado, embora o subsolo do país é rico em potencial. Perma incluem ouro, o campo petrolífero offshore de Seme, mármore Idadjo do Onigbolo calcário, fosfatos Mekrou, o Loumbou ferro Loumbou. O projeto de barragem Adjarala, a jusante Nangbeto deve habilitar Benin para parar de importar eletricidade.

Os anos de "socialismo científico" têm sido desastrosos para a indústria (10% do PIB); grandes projetos do antigo regime, de grandes dimensões, e nacionalizações fracassadas de 1974 se mostrou ineficaz. O governo quer continuar com essas privatizações, mas encontra poucos adeptos.

Transporte

Benin tem uma rede viária de 8435 km e uma rede ferroviária 578 km. Cotonou é também o principal aeroporto (245 mil passageiros) ea porta principal (1.120.000 t).

O país tornou-se nos últimos 20 anos um armazém verdadeiro estado com recursos paralelos vem da tremenda expansão do comércio ilícito com a Nigéria. Este comércio informal daria 40% do PIB real e viveria a maioria da população.

Fonte: www.afrique-planete.com

Benin

Perfil

Benin, anteriormente conhecido como Daomé, é uma das democracias mais estáveis da África.

Possui uma proliferação de partidos políticos e de uma sociedade civil forte.

No lado econômico, no entanto, o quadro é menos brilhante - Benin é severamente subdesenvolvidos, ea corrupção é abundante.

Costa do Benin inclui o que costumava ser conhecida como a Costa dos Escravos, de onde prisioneiros foram enviados através do Atlântico. Elementos da cultura e da religião trazida pelos escravos da região ainda estão presentes nas Américas, incluindo vodu.

Uma vez banido em Benin, a religião é comemorado no Dia do país Voodoo anual, que atrai milhares de celebrantes.

Antes de ser colonizada pela França no final de 1800, a área compreendida vários estados independentes, incluindo o Reino de Daomé, que tinha um exército bem treinado e foi orientada para a exportação de escravos e óleo de palma mais tarde.

Instabilidade marcou os primeiros anos após a independência total da França em 1960 e no início do governo do Sr. Kerekou caracterizado o marxismo-leninismo como ideologia oficial.

No entanto, durante a década de 1980 o Sr. Kerekou demitiu-se do exército para se tornar um chefe civil do Estado e da liberalização da economia.

Enquanto Benin tem visto um crescimento econômico ao longo dos últimos anos e é um dos maiores produtores de algodão da África, ela está entre os países mais pobres do mundo. A economia depende fortemente do comércio com seu vizinho a leste, na Nigéria.

Para o norte, houve confrontos esporádicos ao longo da fronteira do Benin com o Burkina Faso. O problema tem sido atribuída a disputas de terras entre comunidades rivais de ambos os lados da fronteira.

Milhares de refugiados togoleses fugiu para Benin em 2005 na sequência da agitação política em sua terra natal. Benin pediu ajuda internacional para ajudar a abrigar e alimentar os exilados.

Uma cronologia dos principais eventos:

1946 - Daomé torna-se um território ultramarino da França.

1958 - Daomé torna-se auto-governo, dentro da Comunidade Francesa.

Independência

1960 - A independência ganhos Daomé e é admitido na ONU.

1960 - Eleições ganhas pelo Dahomeen Parti de L'Unite. O líder do Partido Hubert Maga torna-se o primeiro presidente do país.

1963 - O presidente Maga é deposto em um golpe liderado pelo chefe do Exército do Estado Maior, coronel Christophe Soglo.

1963 - Daomé se junta ao FMI.

1964 - Sourou-Migan Apithy é eleito presidente.

1965 - Geral Soglo obriga o presidente a renunciar e um governo provisório é formado. Em dezembro, ele assume o poder.

1967 - Major Maurice Kouandete leva um golpe. Tenente-Coronel Alphonse Alley substitui Gen Soglo como chefe de Estado.

1968 - O regime militar nomeia Dr. Emile Derlin Zinsou-como presidente.

1969 - Tenente-Coronel Kouandete depõe Presidente Zinsou.

1970 - As eleições presidenciais são realizadas, mas abandonou. A alimentação é cedida a um conselho presidencial composto por Ahomadegbe, Apithy e Maga, que recebeu o apoio quase igual na enquete abandonado. Maga é o primeiro dos três a servir como presidente com um mandato de dois anos.

1972 - Ahomadegbe assume a presidência de Maga para o mandato de dois anos seguinte.

1972 - Major Mathieu Kerekou poder agarra, os membros do Conselho Presidencial estão detidos.

1973 - O Conseil National Revolutionnaire (CNR) é criado. Representantes são tomadas de todo o país.

Daomé torna-se Benin

1975 - Novembro - Dahomey é renomeada República Popular de Benin.

1975 - A Parti de la Revolution Populaire du Benin (PRPB) é estabelecida como parte do país só política.

1977 - O CNR adota uma "Loi fondamentale", expondo as estruturas do novo governo.

1979 - As eleições são realizadas a Assemblée Nationale novo Revolutionnaire (ANR). A lista dos comissários do povo é retumbante aprovado. O Comite EXECUTIF Nacional (CEN) substitui o CNR.

1980 - ANR por unanimidade elege Kerekou como presidente. Kerekou é o candidato único.

1981 - Os membros do conselho presidencial anterior são liberados da prisão domiciliar.

1984 - ANR aumenta os termos do presidente e comissários das pessoas de três a cinco anos. O número de comissários das pessoas é reduzida 336-196.

1984 - ANR reelege Kerekou; outros candidatos disputar a eleição.

1987 - Kerekou demite-se do militar.

1988 - Duas tentativas de golpe sem sucesso.

1989 - As eleições são realizadas, uma lista de comissários 206 pessoas seja aprovado. Benin concorda com FMI e do Banco Mundial, medidas de ajuste econômico.

1989 - O presidente Kerekou reeleito para um terceiro mandato. O marxismo-leninismo é abandonado como ideologia oficial do Benin. Anti-governo greves e manifestações acontecem.

Mudanças constitucionais

1990 - Agitação continua. Presidente Kerekou reúne líderes dissidentes. Acordo sobre a reforma constitucional e multi-candidatos as eleições presidenciais é atingido.

Março de 1990 - A implementação de reformas acordadas começa. Benin cai "povo" do seu título oficial e torna-se a República do Benin.

1990 Dezembro - Em um referendo, as mudanças constitucionais aprovadas pela maioria dos eleitores.

1991 Fevereiro - Eleições legislativas: Nenhum partido assegura uma maioria absoluta. O maior grupo é uma aliança de partidos pró-Soglo.

De março de 1991 - O presidente Kerekou é espancado por Nicephore Soglo nos primeiros múltiplos-candidatos as eleições presidenciais. Kerekou é concedido imunidade sobre as ações tomadas desde outubro de 1972.

1992 - A Parti de la Renaissance du Benin é formado pela esposa do Soglo.

1995 - Eleições legislativas: Parti de la Renaissance du Benin forma o novo governo.

1996 - Na sequência de denúncias de irregularidades nas eleições presidenciais, o Tribunal Constitucional anuncia que Kerekou recebeu a maioria dos votos válidos.

1999 - Eleições legislativas: novo governo é formado por representantes de 10 partidos.

Kerekou reeleito

Março de 2001 - Eleições presidenciais: nenhum dos 17 candidatos obtiver uma maioria absoluta. Kerekou é declarado reeleito no segundo turno.

2002 - Benin junta-se à Comunidade de Estados Sahel-Saharan.

De dezembro de 2002 - Primeiras eleições locais desde o fim do regime de partido único de mais de 10 anos atrás.

Março de 2003 - Eleições legislativas: Partidos de apoio ao presidente Kerekou vitória 52 dos 83 assentos eletivos.

De dezembro de 2003 - avião fretado libanês cai depois de decolar de Cotonou, matando cerca de 140 pessoas. Os investigadores franceses posteriormente descobrir que o avião estava sobrecarregado.

Julho de 2004 - Benin, Nigéria concorda em redesenhar sua fronteira comum.

Março de 2005 - EUA empresa de telecomunicações é multado após admite suborno em Benin. A empresa foi acusada de desviar milhões de dólares para a campanha do presidente Kerekou eleitoral de 2001.

Julho de 2005 - Corte Internacional de Justiça prêmios maioria das ilhas do rio ao longo da fronteira de Benin-Níger contestada Níger.

Março de 2006 - Política recém-chegado Yayi Boni, funcionando como independente, ganha o voto run-off nas eleições presidenciais. O incumbente, Mathieu Kerekou, está impedida de a pesquisa sob um limite de idade constitucional.

De março de 2006, abril - Banco Mundial e do Banco Africano de Desenvolvimento aprova alívio da dívida de vários países, incluindo o Benim, como parte das medidas acordadas na cimeira G8 em Gleneagles, na Escócia, em 2005.

Maio de 2006 - Estudantes protestam contra visita do ministro do Interior francês, Nicolas Sarkozy, que apresentou um projeto de lei que torna mais difícil para os trabalhadores não qualificados a migrar para a França.

Abril de 2007 - Presidente Yayi coalizão ganha o controle do Parlamento nas eleições.

Julho de 2007 - O presidente Yayi leva milhares de simpatizantes em uma marcha contra a corrupção.

Abril de 2008 - As eleições locais realizadas. Nation-wide, partidos aliados com o presidente Yayi ganhar a maioria das cadeiras do conselho local, mas as grandes cidades do sul estão todos venceu por partidos de oposição.

Petróleo descoberto

De fevereiro de 2009 - Benin anuncia descoberta de "quantidades significativas" de petróleo offshore perto Seme, uma cidade na fronteira entre a Nigéria-Benin.

2009 Abril - União Europeia proíbe todos os portadores do Benim ar de voar para a UE em uma atualização regular de sua lista negra de segurança aérea.

2010 Agosto - Benin marca 50 anos de independência.

Cinqüenta da demanda do parlamento MPs 83 que o presidente Yayi ser cobrado sobre uma suposta fraude na qual milhares de pessoas perderam as suas poupanças.

2010 Outubro - Alagamento afeta grande parte do país. Milhares de pessoas estão desabrigadas.

2011 Março - O presidente Yayi é re-eleito. Seu principal adversário, Adrien Houngbedji, alega fraude generalizada

2011 Maio - partido do presidente Yayi e os seus aliados recuperar o controle do parlamento nas eleições.

2011 Agosto - mercado de Londres, o seguro marítimo acrescenta Benin à lista de áreas consideradas de alto risco devido a uma escalada de ataques de piratas na área.

Parlamento abole pena de morte.

2011 novembro - visitas Papa Bento XVI.

2012 Janeiro - O presidente Boni Yayi eleito presidente da União Africano de um ano, batendo Goodluck Jonathan da Nigéria.

2012 Outubro - Três pessoas são presas durante um suposto complô para envenená-Presidente Thomas Boni Yayi. Os suspeitos são uma de suas sobrinhas, seu médico pessoal e um ex-ministro, dizem as autoridades.

Fonte: news.bbc.co.uk

Benin

Origens, a terra do atual Benin foi ocupado por vários reinos. O mais proeminente é chamado Danhome (Abomey) Xogbonou (Porto-Novo), Allada, Nikki, Kouandé, Kandi ... O primeiro soberano de Abomey e Porto-Novo é a migração de Adja-Fon, vindo do Togo vizinho (Tado).

Outras pessoas da Nigéria atual, Níger e Burkina Faso. Assim, o país era uma vez um foco de civilizações antigas e brilhantes, construída em torno desses reinos cidades-estados. Entidades políticas, bem-estruturados, foram equipados com funcionais centros urbanos.

Eles haviam desenvolvido uma empresa local, a partir do século XVII o comércio de escravos e, na palma da mão, após a abolição do tráfico de escravos em 1807.

Esta economia de comércio favoreceu a instalação ao longo da costa (conhecida como a "Costa dos Escravos"), postos comerciais controlados pelo Português Inglês, dinamarquês, e um pouco de francês. Em 1704, a França foi autorizada a construção de um porto de Ouidah, enquanto em 1752 o Português descobriu Porto-Novo.

Em 1863, o protetorado francês primeira foi criada com o rei de Porto Novo Toffa procurar ajuda contra as pretensões do rei de Abomey e ataca o Inglês com sede em Lagos.

No mesmo ano, Glèlè rei de Abomey permite que os franceses a se estabelecer em Cotonou. Em 1882, o governante do reino de Porto-Novo assinou um acordo de protetorado novo com a França, que envia um "residente francês" para ajudar o rei.

Em 1894, os franceses, vencedores de reis locais, estabeleceu a colônia de Daomé e suas dependências.

O território tem o seu nome a partir do reino mais proeminente e mais resistentes à ocupação estrangeira: Danhome com sua Behanzin lendário rei.

República proclamou 04 de dezembro de 1958, Benin tenha aderido à soberania internacional em 01 de agosto de 1960 sob o nome de Daomé. O país é conhecido por "Exemplaridade" do processo democrático iniciado em fevereiro de 1990, após a Conferência Nacional das forças da nação. Desde então, a devolução presidenciais, legislativas e locais diversos sancionado do poder político. Em 15 anos, o liberalismo político gerou três alternâncias no pico do estado.

Ele realmente tinha duas ondas de democratização, eleições coroadas de que os governantes. O primeiro remonta aos primórdios da independência, com as eleições gerais de Dezembro de 1960. Este período é marcado pela incompletude do mandato do Presidente da República, varrido por um golpe militar em 1963.

Além disso, a vida política monolítica sofrido porque o novo presidente rapidamente inspirada fusão de partidos políticos em um oficial: Unidade Dahomean Party (PDU). A segunda onda de democratização está em andamento desde fevereiro de 1990. Sua singularidade é que ela é parte da vida e permite a estabilidade das instituições democráticas.

Mais geralmente, a história política do país pode ser seqüenciado em três vezes maior: tempo de instabilidade política, o tempo militar e tempo-marxista Renovação Democrática.

Momento de instabilidade político marcado os primeiros 12 anos de independência. Uma série de golpes de estado seguiram umas às outras até 1970, o país vale o nome de "criança doente em África".

A fundação dessa instabilidade é o golpe de Estado que derrubou o coronel Christophe Soglo 28 outubro de 1963 pai da Independência: Hubert Maga, democraticamente eleito.

Na verdade, com a nova Constituição, aprovada em novembro de 1960, as eleições gerais realizadas em 11 de Dezembro, passou a manutenção Hubert poder Maga. Mas aproveitando a instabilidade no país, os militares tomaram o poder em 1963. Três meses depois, a administração do país é confiada a um governo civil.

Mais geralmente, a história política do país pode ser seqüenciado em três vezes maior: tempo de instabilidade política, o tempo militar e tempo-marxista Renovação Democrática.

Momento de instabilidade político marcado os primeiros 12 anos de independência. Uma série de golpes de estado seguiram umas às outras até 1970, o país vale o nome de "criança doente em África". A fundação dessa instabilidade é o golpe de Estado que derrubou o coronel Christophe Soglo 28 outubro de 1963 Pai da Independência: Hubert Maga, democraticamente eleito.

Na verdade, com a nova Constituição, aprovada em novembro de 1960, as eleições gerais realizadas em 11 de Dezembro, passou a manutenção Hubert poder Maga. Mas aproveitando a instabilidade no país, os militares tomaram o poder em 1963. Três meses depois, a administração do país é confiada a um governo civil.

Sourou Migan Apithy se tornou presidente e Justin Ahomadegbé seu primeiro-ministro e vice-presidente. Uma nova Constituição foi aprovada por referendo em 5 de Janeiro de 1964. Mas ambos os líderes do governo não conseguia agir em conjunto. Em 1 de dezembro de 1965, o Exército forçou a renunciar. No entanto, os civis retidos poder. Ele caiu para o Presidente da Assembleia Nacional, Taïrou Congacou. Descontentes com a sua governação, Christophe Soglo tornou geral, mais uma vez impulsionou o exército em frente ao palco.

22 de dezembro de 1965, proclamou-se Presidente da República, de fato. Ele foi derrubado por jovens oficiais militares 17 dez 1967.

Comandante Maurice Kouandété, golpe cérebro deu três dias após o chefe do país exército, o tenente-coronel Alphonse Alley. Em maio de 1968, as eleições presidenciais são organizados por oficiais para restaurar novamente o cetro do Daomé a uma autoridade civil. No entanto, os três líderes políticos do país que eram tradicionais Hubert Maga, Sourou Migan Apithy Ahomadegbé e Justin não estão autorizados a aplicar. Eles, então, apelou ao boicote das eleições.

Na sua ausência, um estranho foi criado pelo povo. Apenas o candidato eleito, o Dr. Basile Adjou Moumouni deu comida para o pensamento para os militares.

Internacional oficial da OMS com base em Brazzaville, o chefe de Estado eleito harém não era política e não militar assegurou. Estas preocupações certamente abrigavam cerca de manter seus privilégios.

Ao fazer isso, o prétextaient militar do baixo comparecimento para cancelar o resultado da eleição. No rescaldo, as pressões de face, 17 de julho de 1968, que instalou uma alternativa civil ao presidente Emile Derlin Zinsou.

O novo chefe de Estado, o ex-eleito para a Assembleia da União Francesa, era na verdade a política tenor quarto. Acostumado a Daomé vida política, foi o consenso do Comitê Revolucionário Militar (RMC).

Os velhos demônios do exército que ainda vivem, ela ligou de novo sob os holofotes. Coronel Maurice Emile Zinsou Kouandété ejeta poder 12 dezembro de 1969. Como de costume, ele não dirigir o país. Ele confiou a gestão de outro oficial, o tenente-coronel Paul Emile de Souza. O militar assumiu maio 1970 a deixar o chefe do executivo.

Para evitar o destino de instabilidade, uma nova fórmula foi encontrada: uma presidência rotativa foi estabelecida. Consistia de a formação de um governo conduzido, por sua vez, por as três principais político Maga civil, e Ahomadegbé Apithy.

Os três líderes políticos do país, eleitoralmente entrincheirados na região, deve suceder à presidência, a cada dois anos. No final do mandato de Hubert Maga, em maio de 1972, Justin Ahomadegbé assumiu. Mas a fórmula não tomou receita de comprimento. Em 26 de outubro de 1972, o poder militar tomou novamente com Kerekou Chefe Batalhão. Ele passou este triunvirato, escarnecido como um "monstro de três cabeças." Este é o início da segunda vez strongman política.

A segunda vez, militar-marxista, espalhar esta aquisição da Conferência Nacional de Fevereiro de 1990. Em 1975, as opções militares do governo de ópera estratégicas e ideológicas decisivo. A República de Daomé foi renomeado República do Benin. Ele proclamou sua adesão à orientação socialista marxista-leninista. O país foi envolto em um jugo ditatorial. Vários oponentes foram assassinados, torturados e exilados.

Desde meados dos anos 1980, o poder é dirigido por uma econômica sem precedentes, derivada de uma série de fatores: a melancolia internacional, a má gestão, o desvio ea incompetência.

À falência, o estado deixou de pagar os salários. Confrontada com esta situação, alimentada pelos ideólogos do Partido Comunista do Daomé, as manifestações de rua por manifestantes rosnou. Junta militar desarmado resignou-se a operar marxistas reformas políticas, econômicas e sociais. 6 de dezembro de 1989, ela abandonou o socialismo como orientação ideológica do Estado e convocou uma Conferência Nacional.

Além disso, os presos políticos foram perdoados e poderia ir: para participar do "Estados Gerais", anunciou para o mês de fevereiro.

Renovação Democrática tempo dedicado pela alta massa das forças da nação, ainda está em curso. De 19 a 28 de fevereiro de 1990, a Conferência Nacional reúne mais de meio milhar de delegados de diferentes partes do país, o PLM hotel de Alédjo, sob a presidência do arcebispo Isidoro de Souza.

Duas grandes decisões são tomadas. O primeiro instituiu o liberalismo econômico e político, a democracia eo Estado de direito. O segundo nomeado um primeiro-ministro para ajudar o Kerekou Geral, manteve a presidência, mas esvaziado da maioria de suas prerrogativas.

Um vento de renovação democrática envolto Benin. O Primeiro-Ministro é nomeado pela Conferência Nacional, Nicéphore Soglo, Diretor do Banco Mundial, é responsável por conduzir o governo do período de transição. O governo pretende implementar os principais passos que levaram à adopção de uma nova Constituição e organizar eleições gerais.

Ao contrário de outras experiências de transição dos países da sub-região, os dois atores principais deste período, o Kerekou Presidente e primeiro-ministro Nicéphore Soglo, foram capazes de desempenhar o seu papel com fidelidade e suas histórias durante os doze meses de sua vida.

11 de dezembro de 1990, uma nova lei fundamental, a da V República foi proclamada, após a sua aprovação por referendo. Ele reflete as decisões da Conferência Nacional. Seu campo da democracia e do Estado de direito.

Ela opta por um regime republicano, com a separação dos três poderes: executivo, legislativo e judicial. Três meses depois, as eleições legislativas e presidenciais sancionado o fim do período de transição. A nova Assembléia Nacional, unicameral, eleita por quatro anos.

É presidido pelo Sr. Adrien Houngbedji, advogado e ex-exilado político. A segunda rodada do presidente Nicéphore Soglo triunfou Kerekou. Em 1996 Nicéphore Soglo teve de ceder a seus eleições presidenciais Presidente Kérékou. Cinco anos mais tarde, o beninense conceder-lhe novamente a sua confiança.

Em 2006, na ausência de Kerekou e Soglo Nicephore, o jogo torna-se política mais aberta. O primeiro turno das eleições realizadas em 5 de março de 2006.

Vinte e seis candidatos correram para o mais alto cargo: regulares e recém-chegados. Entre eles, Adrien Houngbedji e Bruno Amoussou, os dois ex-ministros e ex-presidentes de Kérékou da Assembleia Nacional. Contra todas as probabilidades, é Boni Yayi, retratado por seus adversários como uma emanação de "geração espontânea na política", que roubou o show com eles.

Ele tomou a decisão final, com 75% dos votos expressos. No ano seguinte, seus partidários reunidos em Cauris Forças para Benin Emergente (FCBE) ganhou as eleições. Na sequência, o Presidente da Assembleia Nacional eleita Mathurin Nago vem deste movimento.

Hoje, dois grandes jogadores no Benin emergente política: Presidente Boni Yayi da República e seu adversário no segundo turno, Adrien Houngbedji, que atua como um "adversário principal" no poder.

Em 2011, Boni Yayi ganhou a eleição presidencial no primeiro turno.

Fonte: www.gouv.bj

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal