Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Benjamin Franklin  Voltar

Benjamin Franklin

 

Benjamin Franklin viveu a sua vida no espírito de um homem renascentista: ele estava profundamente interessado no mundo em torno dele, e ele se destacou em vários campos muito diferentes do esforço humano.

Ele teve um profundo efeito em nossa compreensão da eletricidade e em forma a linguagem que usamos quando falamos sobre isso, até hoje.

Benjamin Franklin - Vida

Benjamin Franklin nasceu em 17 de janeiro, 1706, em Boston, Massachusetts.

Benjamin Franklin era o décimo filho de fabricante de sabão, Josiah Franklin. A mãe de Benjamin era Abia Folger, a segunda esposa de Josias. Ao todo, Josias seria pai de 17 filhos.

Seu pai, Josias, foi um sebo Chandler, fabricante de velas, e caldeira de sabão que se mudou para as colônias americanas da Inglaterra.

Sua mãe, Abiah Folger cuidava da casa e foi a mãe de dez filhos, incluindo Benjamin, que era o oitavo filho na família. Ela nasceu em Nantucket, Massachusetts.

Benjamin Franklin tinha apenas dois anos de educação formal, que terminou quando ele tinha dez anos, porque sua família não podia pagar as taxas. Sua educação informal, em seguida, acelerada, porque sua mente estava muito inquieto para parar de aprender.

Ele teve que trabalhar no negócio de seu pai, mas em seu tempo livre ele leu tudo o que pôde, sobre cada assunto sob o sol.

Quando ele tinha doze anos, Benjamin Franklin começou a trabalhar como aprendiz em uma loja de impressão de propriedade de um de seus irmãos mais velhos, James. Quando seu irmão começou a imprimir um jornal, Benjamin escreveu a ele em nome de "Sra Dogood "em defesa da liberdade de expressão.

Aos 17 anos, Benjamin Franklin foi para Filadélfia, fugindo de seu aprendizado, que era contra a lei. Ele foi, no entanto, livre.

Depois de alguns meses em Filadélfia, partiu para Londres, Inglaterra, onde aprendeu mais sobre a impressão, antes de retornar para a Filadélfia com a idade de 20 para continuar a sua carreira na impressão.

Morte

Benjamin Franklin morreu em 17 de abril de 1790, com a idade de 84.

Ele morreu por pleurisia - uma inflamação pulmonar.

Sua esposa, Deborah, tinha morrido dezesseis anos antes.

Franklin foi sobrevivido por sua filha, Sarah, que cuidava dele em seus últimos anos e seu filho, William. William deixou a América para viver na Grã-Bretanha em 1782.

Hoje, a Medalha Benjamin Franklin, nomeada em homenagem a Franklin, é um dos mais prestigiados prémios na ciência. Seus vencedores incluem Alexander Graham Bell, Marie e Pierre Curie, Albert Einstein e Stephen Hawking.

Benjamin Franklin - Biografia

1706-1757

Benjamin Franklin
Benjamin Franklin

Benjamin Franklin nasceu em 1706 em Boston. Ele era o décimo filho de um sabão e candlemaker. Ele recebeu alguma educação formal, mas era principalmente autodidata.

Depois de servir um aprendizado a seu pai entre as idades de 10 e 12, ele foi trabalhar para seu meio-irmão James.

Em 1721 o último fundou o New England Courant, o quarto jornal nas colônias. Benjamin contribuíu secretamente com 14 ensaios para ele e foram seus primeiros escritos publicados.

Em 1723, por causa de dissensão com seu meio-irmão, Franklin mudou-se para Filadélfia, onde obteve o emprego como um impressor. Ele passou apenas um ano lá e, em seguida, partiu para Londres para mais de 2 anos.

De volta para Philadelphia, ele subiu rapidamente na indústria da impressão. Ele publicou Gazeta da Pennsylvania (1730-1748), que tinha sido fundada por um outro homem em 1728, mas o seu trabalho literário mais bem sucedido foi o Almanaque anual Poor Richard 's (1733-1758).

Ele ganhou uma popularidade nas colônias perdendo apenas para a Bíblia, e sua fama espalhou eventualmente para a Europa.

Enquanto isso, em 1730 Franklin tinha tomado uma esposa da lei comum, Deborah Read, quet teve um filho e filha, e ele também, aparentemente, teve filhos com outra mulher sem nome fora do casamento.

Por 1748 ele tinha conseguido a independência financeira e o reconhecimento ganhou por sua filantropia e do estímulo que ele forneceu a essas causas cívicas como bibliotecas, instituições de ensino e hospitais. Enérgico e incansável, ele também encontrou tempo para perseguir seu interesse em ciência, bem como para entrar na política.

Franklin serviu como secretário (1736-1751) e membro (1751-1764) da legislatura colonial e como deputado da Filadélfia (1737-1753) e vice-agente postal geral das colônias (1753-74). Além disso, ele representava Pensilvânia no Congresso Albany (1754), chamados a unir as colônias durante a guerra francesa e indiana. O congresso adotou seu "Plano de União", mas as assembléias coloniais rejeitaram porque ele invadiu seus poderes.

Durante os anos de 1757-62 e 1764-75, Franklin residiu na Inglaterra, originalmente, na qualidade de agente para a Pensilvânia e depois para a Geórgia, New Jersey e Massachusetts.

Durante este último período, que coincidiu com o crescimento da agitação colonial, ele passou por uma metamorfose política. Até então um inglês contente em perspectiva, principalmente preocupado com a Pensilvânia política provincial, ele desconfiava de movimentos populares e viu pouca finalidade para ser servido na realização princípio ao extremo. Até que a questão da tributação parlamentar minou as velhas alianças, ele liderou o ataque partido Quaker na festa proprietária Anglicana e seus aliados fronteiriços presbiterianos. Seu propósito ao longo dos anos em Londres, na verdade tinha sido deslocamento da administração da família Penn por autoridade-o real conversão da província a partir de um proprietário de uma colônia real.

Foi durante a crise Lei do Selo que Franklin evoluiu de líder da facção de um partido provincial quebrou a porta-voz do célebre em Londres para os direitos norte-americanos. Embora, como agente para Pennsylvania ele se opôs por todos os meios possíveis a promulgação do projeto de lei, em 1765, ele não em primeiro lugar perceber a profundidade de hostilidade colonial. Ele considerava passagem como inevitável e preferiu apresentar-lhe, enquanto na verdade a trabalhar para a sua revogação.

Franklin voltou à Filadélfia maio 1775 e imediatamente se tornou um distinto membro do Congresso Continental. Treze meses depois, ele serviu no comitê que redigiu a Declaração de Independência. Em seguida, ele contribuiu para o governo de outras maneiras importantes, incluindo serviço como postmaster geral, e assumiu as funções de presidente da convenção constitucional Pennsylvania.

Mas, dentro de menos de um ano e meio depois de seu retorno, o conjunto estadista envelhecido vela mais uma vez para a Europa, começando uma carreira como diplomata que iria ocupá-lo na maior parte do resto de sua vida.

Nos anos 1776-79, como um dos três comissários, dirigiu as negociações que levaram aos tratados de comércio e aliança com a França, onde as pessoas adulado-lo, mas ele e os outros comissários disputavam constantemente. Enquanto ele era o único comissário para a França (1779-1785), ele e John Jay e John Adams negociou o Tratado de Paris (1783), que terminou a Guerra da Independência.

De volta aos Estados Unidos, em 1785 Franklin tornou-se presidente do conselho executivo supremo de Pensilvânia.

Na Convenção Constitucional, embora ele não aprovava muitos aspectos do documento final e foi prejudicado por sua idade e problemas de saúde, ele perdeu poucos ou nenhuns sessões, emprestou seu prestígio, acalmou paixões e disputas comprometidos.

Em seus anos de crepúsculo, trabalhando em sua autobiografia, Franklin poderia olhar para trás em uma vida frutífera como o brinde de dois continentes.

Enérgico quase até o fim, em 1787 ele foi eleito como o primeiro presidente da Sociedade para a Promoção da Pensilvânia a Abolição da Escravatura causa para a qual ele havia se comprometido no início dos anos 1730. Seu ato público final foi a assinatura de um memorial ao Congresso recomendando a dissolução do sistema escravidão.

Pouco tempo depois, em 1790, com a idade de 84, Franklin morreu em Filadélfia e foi sepultado na Igreja de Cristo Terra de enterro.

Benjamin Franklin - 1706-1757

"Para o nosso jantar, teremos um peru, morto por um choque elétrico e assado num espeto movido a eletricidade, sobre um fogo ateado por centelha elétrica.

E beberemos à saúde de todos os eletricistas da Inglaterra, Holanda, França e Alemanha, em copos eletrizados, sob uma salva de tiros disparados pela bateria de carga elétrica."

Nenhum dos amigos de Benjamin Franklin, ao receber o curioso convite para um "piquenique elétrico", duvidou de que as proezas ali prometidas se concretizariam.

Benjamin Franklin
Benjamin Franklin

Nem eles, nem o restante da tradicionalmente incrédula população de Filadélfia: os habitantes da cidade já estavam habituados com as incríveis experiências desse homem que, em 1752, provara ser capaz de "domar o raio".

Benjamin Franklin
Benjamin Franklin - Eletricidade

Enquanto cientistas de todo o mundo discutiam, em acirradas polêmicas, se os raios seriam ou não um fenômeno elétrico, Franklin saíra em meio a uma tempestade e conseguira atrair um raio à chave presa ao papagaio que empinava. Muitos já suspeitavam de que o raio fosse, efetivamente, um fenômeno elétrico; mas Franklin. captando cargas presentes em nuvens baixas, o demonstrara experimentalmente.

Era o seu sistema de trabalho: provar a teoria na prática.

Benjamin Franklin
Benjamin Franklin - Declaração de Independência dos Estados Unidos

Provar a teoria na prática: a mesma norma de conduta, fosse qual fosse a atividade em que estivesse empenhado; na ciência, ou na política. Pois esse eclético homem da América colonial acreditou na possibilidade de libertação das colônias americanas do jugo europeu, e se entregou a fundo a essa tarefa. Em 1754, está propondo um plano de união das colônias; em 1757, é deputado na Inglaterra, para defender junto à metrópole os interesses dos colonos; entre 1763 e 1765, em missão diplomática, consegue com que se revogue o ato que proibia às colônias o direito de se autogovernarem; em 1775, está ao lado de Washington, organizando a defesa do país; em 1776, com Jefferson e John Adams, está redigindo a histórica Declaração de Independência dos Estados Unidos.

Benjamin Franklin
Benjamin Franklin - Casa onde nasceu, em Boston

Boston, 1706. A cidade é um daqueles pequenos núcleos de civilização que pontilham a América do Norte, essa imensa colônia européia. A 17 de janeiro, Josias Franklin, ex-tintureiro, e agora fabricante de velas, está vendo nascer seu décimo quinto filho, um menino que será batizado com o nome de Benjamin.

Os primeiros anos do garoto são tranqüilos: aprender a ler, a escrever, a fazer cálculos elementares; e, nas horas vagas, brincar com os colegas da vizinhança, nas empoeiradas ruelas do lugarejo. Mas a vida despreocupada só dura até os doze anos; numa família pobre, essa já é uma boa idade para começar a trabalhar.

Benjamin vai aprender o ofício de tipógrafo na oficina de um irmão mais velho, James.

O que lhe traz dupla vantagem: pode praticar bastante e tornar-se um hábil profissional; e tem como adquirir cultura, lendo todos os originais que lhe caem nas mãos. Desde pequeno, manifestara gosto pela leitura. Agora, devora as obras que seu irmão imprime. E ainda economiza uns poucos níqueis, para comprar outros livros, que lê, sofregamente, durante as refeições ou à noite, à luz de velas.

Cedo, revela-se também um razoável redator: seus primeiros textos - geralmente bem-humoradas sátiras aos costumes locais - começam a aparecer num jornalzinho editado pelo irmão, o que lhe rende algum dinheiro. O bastante para tentar uma aventura.

Aos dezessete anos, Benjamin está decidido a desprender-se da tutela do pai e do irmão; quer abandonar a monotonia de Boston, trocá-la por horizontes mais amplos. Escondido da família, embarca, em outubro de 1723, para Nova York. Não encontrando trabalho nessa cidade, segue para Filadélfia, onde consegue fazer prosperar uma tipografia que, até então, ia muito mal. O sucesso financeiro é considerável; permite-lhe, depois de algum tempo, embarcar para Londres, com a finalidade de aperfeiçoar-se na arte tipográfica.

Benjamin Franklin tem 21 anos, quando volta da Inglaterra.

Cheio de idéias, põe-se rapidamente a executá-las: para ganhar dinheiro, instala uma tipografia própria; para dedicar-se a atividades culturais, reúne amigos - na maioria, operários e artesãos como ele próprio - e funda um círculo, denominado Junto. Mais ainda, une-se a um sócio e funda a Pennsylvania Gazette (jornal até hoje existente, com o nome de The Saturday Evening Post).

Mas o grande sucesso será, sem dúvida, o estranho periódico lançado pouco tempo depois por Franklin: o Almanaque do Pobre Ricardo, uma espécie de calendário que contém, além de ilustrações simples e dados astronômicos, conselhos úteis, coleções de provérbios, jogos e divertimentos. O humorismo leve e a moral livre dessa publicação agradam o povo; milhares de cópias são vendidas.

Com o Almanaque, Franklin persegue objetivos semelhantes ao do círculo Junto: pretende tornar-se um educador popular, difundindo uma moral leiga, não baseada na metafísica ou na teologia, mas no trabalho, na economia, na honestidade. E sobretudo no fato de que, a seu ver, o bem e o útil são conceitos indissolúveis.

Franklin é incansável.

De uma biblioteca para o Junto, passa para a idéia de uma que fosse aberta a todos os cidadãos: será à primeira biblioteca pública de Filadélfia, e de toda a América. Depois, preocupado com as necessidades de seu povo, que, desarmado, vive em contato com territórios em guerras contínuas, organiza uma brigada de voluntários, primeiro núcleo do exército dos Estados Unidos. Funda em seguida uma milícia de bombeiros; sugere projetos para limpar, calçar e iluminar as ruas da cidade.

Ao lado de toda essa atividade, encontra tempo de criar uma escola, que dará origem à primeira universidade dos Estados Unidos, a Universidade da Pensilvânia.

É justamente nesse fértil período, junto ao colégio de estudos superiores, que Benjamin Franklin começa a interessar-se por problemas científicos, sobretudo pelos fenômenos naturais.

Cotejando grande quantidade de dados que acumulara desde os tempos do Junto, formula uma interessante teoria sobre a origem e direção das tempestades; em seguida, faz observações sobre causas e estrutura dos ciclones; estuda, além disso, a natureza das correntes marítimas; investiga o fenômeno da condução do calor; pesquisa sobre óptica, da qual faz uma aplicação destinada a permanecer no tempo - as lentes bifocais.

Benjamin Franklin
Benjamin Franklin - Lentes bifocais

Contudo, suas mais importantes pesquisas desenvolvem-se em torno da eletricidade; sobretudo, a respeito da eletrostática, que nesse tempo é mal conhecida. Em particular, discutia-se ainda sobre a natureza desse fenômeno, usualmente dividido em eletricidade vítrea se produzida por atrito com o vidro e resinosa - se produzida no atrito contra resinas.

Durante uma viagem a Boston, Franklin tem ocasião de assistir a experiências de um certo Dr. Siencer. Entusiasmado, pede livros sobre o assunto ao colega inglês Collinson, que lhe remete também um tubo eletrostático. Com esse aparelho Franklin inicia uma série de apaixonantes pesquisas. Isso o leva a formular uma teoria simples, baseada no conceito fundamental de que existiria uma substância elétrica - ou fluido elétrico, como se dizia - contido nos corpos em quantidades definidas. Em determinadas condições, essa substância pode variar; se aumenta, o corpo fica eletricamente carregado, caso em que a carga se chama positiva; se diminui, a carga é negativa. Hipótese, portanto, análoga à moderna.

É verdade que a teoria sobre a existência de um fluido único não era totalmente exata; mas o raciocínio e a própria terminologia de Franklin eram bem mais avançados que os de seus contemporâneos. Muito além destes, Franklin já admitia que o "fluido elétrico" fosse inerente à matéria, numa época em que todos acreditavam que ele fosse gerado apenas no momento do atrito. Em sua correspondência com Priestley, de quem era amigo, há indícios de que ele chegou a intuir a chamada "lei de Gauss", considerada fundamental em eletrostática.

Cada vez mais envolvido em política, exercendo numerosos cargos públicos, nem por isso Franklin abandona a ciência. Descobrindo em 1750 o fenômeno de condução da eletricidade, chega, dois anos depois, à idéia do pára-raios, que constrói. A partir daí, desenvolve sua capacidade de inventor, encontrando aplicações práticas para toda a teoria - sobretudo a respeito de eletricidade - que acumulara durante tanto tempo.

Mas, progressivamente, a atividade do homem empenhado na luta de independência absorve o tempo do cientista. Com a emancipação dos Estados Unidos, surge o Franklin-diplomata, que vai à Europa discutir importantes tratados.

De volta, após bem sucedidas negociações de paz com a Inglaterra, é saudado entusiasticamente pelo povo da jovem nação independente. Entre 1785 e 1788, homenageiam-no com a presidência do Supremo Tribunal da Pensilvânia; nesse meio tempo, desempenha ainda o cargo de delegado à Convenção Constitucional.

Benjamin Franklin morreu a 17 de abril de 1790; na Filadélfia.

Benjamin Franklin - Inventor

Benjamin Franklin
Benjamin Franklin

Benjamin Franklin foi um homem de habilidades variadas: alem de realizar experimentos científicos importantes, foi escritor e pintor.

Benjamin Franklin foi auAutor e impressor, político e estadista, erudito, pintor, cientista, escritor, revolucionário, tipógrafo, polemista, diplomata norte-americano.

Também teve um conceituado papel político na história dos Estados Unidos.

A independência desse país ocorreu durante a sua vida.

Uma das cédulas do dinheiro norte-americano contém seu retrato.

Foi a décima quinta criança de uma família de 17 filhos e só pôde cursar a escola durante dois anos, mas isso não o impediria de vir a ser o fundados, em 1743, da American Philosophic Society, a primeira sociedade científica dos Estados Unidos.

Suas experiências mais famosas dizem respeito à eletricidade.

Desde que Otto von Guericke inventara sua máquina de eletrização, a eletricidade estática se tornara uma sensação na Europa.

Em 1745 haviam também inventado, na Universidade de Leiden, na Holanda, o primeiro dispositivo par acumular eficientemente esse tipo de eletricidade; a garrafa de Leiden.

Tal como muitos outros, Franklin se interessou por este aparelho que, uma vez carregado, emitia, ao ser tocado, uma pequena faísca acompanhada de um estampido.

Imaginou então se tal fenômeno não seria uma espécie de relâmpago em miniatura, e elaborou uma experiência para testar sua hipótese.

Em 1752, empinou uma pipa quando o céu estava coberto d nuvens de tempestade, conseguindo coletar eletricidade da proximidade dessas nuvens.

Isso mostrava que realmente havia eletricidade na natureza.

Franklin ficou tão famoso, inclusive na Europa, que chegou a ser eleito membro da Royal Society, de Londres. (É importante lembrar, porém, que Franklin teve extrema sorte em permanecer vivo para receber tal honra. Os dois pesquisadores que tentaram, depois dele, repetir a experiência da pipa morreram eletrocutados, motivo pelo qual se recomenda que ninguém procure imitá-lo. )

Em 1747, Franklin já havia descoberto que uma garrafa de Leiden era descarregada mais facilmente, produzindo faíscas mais visíveis, quando dela se aproximava um objeto pontiagudo.

Esse fenômeno o fez mais tarde cogitar que uma haste metálica pontiaguda poderia ser usada para trair a eletricidade do céu, forçando os raios a caírem em locais previamente determinados.

Pode-se dizer que essa invenção, o pára-raios, foi a primeira, no campo da eletricidade, a se tornar de uso cotidiano.

Franklin também procurou dar uma explicação teórica para os fenômenos elétricos.

Considerou que a atração ou repulsão entre corpos eletrizados era devida à presença de uma espécie de fluido nesses corpos.

Quando houvesse excesso do fluido num corpo e falta dele em outro, eles se atrairiam, de maneira a equilibrar seu conteúdo.

Havendo falta ou excesso em ambos, ocorreria repulsão.

Sugeriu então chamar o excesso desse fluido de eletricidade positiva e sua falta, de eletricidade negativa.

Tais nomes se revelaram tão práticos que se mantêm em uso até hoje, embora a verdadeira natureza da eletricidade só viesse a ser revelada em século e meio depois dos trabalhos de Franklin, com a descoberta das partículas subatômicas.

Benjamin Franklin - Boston, 1706 - Filadélfia, 1790

Estadista e físico norte-americano, Filho de um modesto fabricante de velas, começa a trabalhar aos dez anos como aprendiz no estabelecimento do pai. Posteriormente passa para a tipografia do seu irmão James. Ao mesmo tempo dedica todo o seu tempo livre a instruir-se. O Ensaio sobre o Entendimento Humano, de Locke, e The Spectator, de Addison, exercem grande influência sobre o seu espírito. Em 1723, Franklin visita Nova Iorque e Filadélfia e, finalmente, viaja para a Grã-Bretanha, onde aperfeiçoa a sua educação.

De novo na América, Franklin cria por sua vez uma tipografia e funda uma revista (Poor Richard´s Almanac) e um jornal. Pouco depois cria um clube, funda uma biblioteca, um hospital, uma companhia de seguros contra incêndios, etc.

Apesar de tantas ocupações, Franklin continua a ocupar-se da sua formação e dos seus estudos. Entrega-se com entusiasmo à investigação dos fenómenos elétricos. Uma série de trabalhos empreendidos entre 1746 e 1747 conduzem-no à invenção do pára-raios. A Royal Society de Londres e a Academia de Ciências de Paris abrem-lhe as portas. Estuda alguns problemas relacionados com o crescimento demográfico, a contaminação do ar e a higiene e inventa os óculos bifocais e a estufa que tem o seu nome.

Ao iniciar-se a revolução das colónias da América do Norte, os colonos encarregam-no em 1757 de defender os seus interesses em Londres. Em 1763, após a sua eleição na Assembleia da Pensilvânia, encarregam-no de transmitir a Lord Granville a sua queixa por causa dos impostos. Em 1772, Franklin consegue dispor de cartas e documentos do governador inglês de Massachusetts, Hutchinson, e do alto funcionário Oliver, onde os colonos são tratados com o mais insultante desprezo. Publica estes documentos e é quase detido como rebelde. Recebido triunfalmente em Filadélfia (1775),é eleito deputado do primeiro congresso norte-americano. Franklin, com Jefferson e John Adams, redige o manifesto da declaração de independência (1776) e encarrega-se de negociar uma aliança com França.

Em Paris é acolhido com entusiasmo e, em 1778, assina o tratado de amizade entre a França e os Estados Unidos da América. Em 1779 assina um tratado semelhante com a Espanha e, em 1783, a Paz de Versalhes, tratado de paz com a Grã-Bretanha. Franklin não volta aos Estados Unidos até 1785. Neste mesmo ano preside ao Conselho Executivo de Filadélfia e em 1787 participa na Convenção de Filadélfia. Morreu de pleurisia em 1790.

Escreve numerosos ensaios e uma autobiografia, Memórias da Vida e Escritos de Benjamin Franklin.

Estas memórias, publicadas em 1817, constam de duas partes. A primeira, redigida em forma de cartas ao seu filho, é escrita em 1771, durante a estada de Franklin em Inglaterra. Nela narra a história da sua vida até aos vinte e sete anos. A segunda parte já não é dirigida ao filho, que na guerra da independência se coloca ao lado dos Britânicos. Inicia-a em 1784, em Passy (França), e continua-a em Filadélfia. Chega até 1757 e trata do seu trabalho nos assuntos públicos.

Estas memórias contêm sólidas reflexões morais.

Fonte: www.famousscientists.org/www.let.rug.nl/br.geocities.com/www.ser.com.br/www.vidaslusofonas.pt

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal