Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  La Paz  Voltar

La Paz

 

 

História

Pedro de la Gasca, a quem o rei espanhol tinha confiado regra sobre as terras antigos incas, ordenou o capitão Alonso de Mendoza para fundar uma nova cidade comemora o fim das guerras civis no Peru.

Em seguida, a cidade de La Paz foi fundada em 20 de outubro de 1548 sob o nome de La Ciudad de Nuestra Señora de La Paz (a cidade de Nossa Senhora da Paz). A cidade foi fundada no que hoje é Laja , na estrada Tiahuanaco. Pouco depois de sua fundação, La Paz foi transferida para sua localização atual, no vale do Marka Chuquiago.

Em 1549, Juan Gutierrez Paniagua foi ordenado a concepção e urbano plano que irá designar locais para áreas públicas, praças, edifícios oficiais. La Plaza de los Españoles, o que hoje constitui a Plaza Murillo , foi escolhido como o local para edifícios governamentais, bem como a catedral.

Espanha controlada La Paz com um aperto firme eo rei espanhol teve a última palavra em todos os assuntos políticos. Em 1781, para um total de seis meses, um grupo de pessoas Aymara cerco à cidade já não pacífica de La Paz. Sob a liderança de Tupac Katari, eles destruíram igrejas e de propriedade do governo.

Trinta anos depois índios colocou um cerco de dois meses em La Paz. Em 1809, a luta pela independência do domínio espanhol trouxe levantes contra as forças monarquistas.

Hoje La Paz é uma cidade vibrante, crescendo e se expandindo em todas as direções. La Paz tem uma população de mais de um milhão de habitantes. La Paz é o site oficial do governo.

Clima

La Paz oferece múltiplas micro-climas de acordo com a altitude de cada zona. Enquanto o centro da cidade é de 3.650 metros acima do nível do mar, a zona de Aranjuez é de 3.300 m. El Alto (onde o aeroporto internacional está localizada) está em 4.082 m. A temperatura média no inverno é de 15C (59F) e 22C (72F) no verão. No verão, a chuva cai na maioria das tardes. No inverno, os dias são um pouco mais frio, mas o céu é mais claro e ensolarado.

Como Chegar

Por terra:

De Cochabamba: 383 km por estrada asfaltada

De Oruro: 230 km por estrada asfaltada

De Desaguadero (fronteira com o Peru): 115 km por escombros e estradas pavimentadas

De Tambo Quemado (fronteira com o Chile): 321 km por estrada asfaltada

De trem:

Arequipa (Peru) - Guaqui - La Paz

Arica (Chile) - Charaña - La Paz

Calama (Chile) - Ollagüe - Uyuni - Oruro - La Paz

Villazón (fronteira argentina) - Tupiza - Uyuni - Oruro - Ligue para La Paz de ônibus

Principais atrações

Palácio Presidencial : Também conhecido como o Palacio Quemado (Palácio Queimado), devido a episódios repetidos de incêndio do edifício sofreu no passado.

A Catedral: Construída em 1835, a catedral é um edifício impressionante vale a pena ver. Ele está localizado no ninho Plaza Murillo para o Palácio Presidencial.

Igrejas: São Francisco, Santo Domingo

Casa de Pedro Domingo Murillo: Uma vez que a casa de Pedro Domingo Murillo, mártir da revolução de independência de 1809 (enforcado em praça que agora aborrece seu nome) a casa exibe uma coleção de mobiliário, têxteis, e da arte desde os tempos coloniais.

Museo Costumbrista: Mostra incríveis bonecas de cerâmica vestindo costumes tradicionais que mostram como era a vida no início de 1800. Também mostra são as fotos de La Paz de idade.

Museu Nacional de Arqueologia: Representa uma coleção de artefatos da cultura Tiahuanaco.

Museo del Litoral: Exibe objetos da guerra de 1879 em que a Bolívia perdeu sua costa do mar para o Chile.

Museo del Oro: Descreve pré-Conquista funciona feita de ouro, prata e cobre.

Museo de etnografia Folclore y: Casa construída em exposições fim dos anos 1700 costumes e da arte de dois grupos étnicos:chipayas e Ayoreos.

Museo del Charango: Localizado na Calle Linares, o museu exibe uma incrível variedade de charangos. Outros instrumentos nativos também são exibidas.

Museo de Historia Natural: exposições sobre paleontologia da Bolívia, geologia, paleontologia, zoologia e botânica.

Casa Museo del Prado Marina Nuñez: Mostra Quechua e Aymara tema-esculturas de artista boliviana Marina Nuñez del Prado.

Museo Nacional de Arte: Localizado na calle Comercio, este antigo palácio, construído em 1775, abriga obras de Melchor Pérez de Holguín e Marina Nuñez del Prado, entre outros.

Mercado de Brujas (Mercado das Bruxas): As mercadorias vendidas aqui inclui ervas, remédios, bem como outros ingredientes usados em tradições de Aymara.

Feria de Alasitas: Esta feira é comemorado todos os anos em 24 de janeiro, em honra de um pequeno deus de abundância conhecido como Ekeko, o que significa anão em aimará.

Valle de la Luna (Vale da Lua): Localizada a cerca de 10 quilômetros do centro da cidade, este labirinto encosta erodida de canyons e pináculos cria uma vista maravilhosa.

Tiahuanaco: Ruínas de uma antiga cidade construída mais de 1.000 anos atrás pelo povo Tiahuancu. Um dos lugares mais fascinantes para se visitar.

Lago Titikaka: O lago mais alto do mundo oferece uma vista maravilhosa do ambiente mágico e águas encantadas.

Copacabana: Cidade localizada nas margens do lago Titicaca. Ele atrai centenas de peregrinos a cada ano para a Virgem de Copacabana festividades.

Fonte: www.boliviaweb.com

La Paz

La Paz

La Paz é a cidade mais importante da Bolívia por ser a sede do Governo Nacional.

Moderna metrópole de características topográficas particulares com suas empinadas ruas e largas avenidas que fundem o moderno e o antigo com os costumes da população.

Cidade andina de origem Aymara situada nos pés do majestoso Illimany e considerada a capital mais alta do mundo (3.610 mts ) acima do nível do mar.

Fonte: www.geocities.com

La Paz

1. Localização

La Paz é capital da Bolívia. Estima-se que tenha 1,2 milhões de habitantes. Acredito que tenha muito mais. No próximo anos será feito um novo censo.

É uma cidade com uma geografia bastante acidentada. O centro fica a 3630 metros acima do nível do mar e a periferia se estende as alturas de 4010m, onde fica o aeroporto ou a cidade El Alto com 4090m. Esta é considerada uma das mais alta do mundo.

2. História

A cidade de La Paz foi fundada em 20 de outubro de 1548 por Don Alonzo de Mendonza que foi enviado pelo rei da Espanha especialmente para acabar com a disputa ferrenha entre os espanhóis Francisco Pizarro e Diego de Almagro.

Segundo Renan Ibañez a cidade foi inicialmente fundada em um outro local a alguns quilômetros por Don Alonzo. Um chefe da igreja cristã o convenceu a estabelecer a sede no vale, onde atualmente se encontra o centro de La Paz.O chefe religioso apresentou três fortes razões para tal mudança, dentre elas o clima e a existência de um rio onde se encontrava ouro com facilidade. Assim, Don Alonzo convecido, refundou La Paz (Nuestra Señora de La Paz), 3 dias depois no atual local.

La Paz

3. Algumas curiosidades e informações

Wiracocha (fogo/água) é o Deus Criador. Viracocha (graxa/água) é como foram chamados os espanhóis pelos nativos. Significa os sujos (no sentido de limpeza física) que vieram do mar. Na verdade os nativos nunca confudiramos espanhóis com seu Deus.

O povo é extremamente humilde, honesto e trabalhador.

Os 3 princípios incas permeiam estão fortemente enraizados nas pessoas:

Ama K'ella - Não seja preguiçoso;

Ama Llulla - Não seja mentiroso e

Ama Sua - Não seja ladrão.

Na chegada a La Paz deve-se ter o máximo de cautela devido a altitude. A falta de ar é sentida de imediato com a presença de uma constante dor de cabeça.

Qualquer esforço físico, como subir alguns degraus de uma escada, causa um grande cansaço. O chá de coca é bastante recomendado. Pode-se também mascar umas folhas como fazem os nativos.

As mulheres carregam os filhos numa trouxa nas costas. Dificilmente se deixam fotografar. Ao perceber a intenção ela abaixam a cabeça, escondendo-a com o chapéu.

O nome original da llama é karua. Os espanhóis perguntaram aos nativos o nome de tais animais.

Diziam: Como llama? e os nativos não entendendo repetiam: llama, llama... Os espanhóis acreditaram ser este o nome e assim ficou.

O custo de vida é bastante baixo, mas é recomendável pechinchar. É comum se conseguir descontos de até 40%. A comida sempre tem ba5ata. Tem batata em tudo. A cerveja é muito cara, possivelmente o dobro do Brasil.

As mulheres solteiras usam roupas mais coloridas e o chapéu inclinado na cabeça.

Nos anos pares tem mais casamento. É tradiçao após a cerimônia de casamento os noivos darem uma volta nas 7 praças da cidade.

O turismo tem ainda uma exploração incipiente e até mesmo amadora.Dificilmente se encontra informações, folders, revistas dedicadas aos turistas. Tiahuanaco, se devidamente explorado, poderá tornar-se em uma grande fonte de renda para a Bolívia.

Não se faz necessário fazer uma reserva do Brasil. É recomendado contratar os pacotes turístico quando da chegada ao hotel.

Algumas recomendações

Hotel: Condeza (Pasage Juan XXIII número 190 - Illampu esq Sagárnaga)

Restaurante: Snack - vegetariano (no centro na Pasage Sagárnaga 345)

Guia turístico: Renan Ibañez da Agência Buhoustour

Agência: Buhoustour na Hosteria Blanquita (Calle Santa Cruz 242)

O que ver

Tour pela cidade

Custa US$ 10,00/pessoa com direito a guia e leva duas horas para conhecer.

Centro

Onde poderá conhecer o comercio local, as tradições e costumes do povo boliviano. Poderá se comprar artesanatos, lembranças e roupas de lã a preços bastante acessíveis. Não se esqueça de pechinchar.

Igreja São Francisco

Concluída em 1548 com a utilização das pedras de Tiwanaku.

Mirante

Onde se tem uma visão completa da cidade e seus contrastes. Consegue-se tirar boas fotos.

Vale da Lua

São formações rochosas com um belo visual que lembra a paisagem lunar.

Montanhas geladas

Contrate um passeio até La Cumbre que fica a 26 km de La Paz. O passeio leva em torno de 2 horas e poderá ser feito após o retorno de Tiawanaku. Custa US$ 20,00 para 2 pessoas com direito a guia. Poderá ser conseguir belas fotos das montanhas geladas, brincar com o gelo e também das llamas e alpacas que vivem nas alturas.

Chacaltaya

É a pista de esqui mais alta do mundo (5395m). O acesso só é possível após 5 dias de tempo bom.

Tiwanaku

As impressionantes ruínas do povo que antecedeu em muito os incas.

Ilha do Sol

A terra onde nasceu o primeiro líder inca Manco Capac.

Informações fornecidas pelo meu irmão Renan Ibañez, descendente dos aymaras.

Fonte: www.abbra.eng.br

La Paz

Fundação

Em 1548, depois de Peru pacificado após as rebeliões de independência conquistadores, La Gasca, Vice-rei do tempo, enviou um de seus monarquista maior capitão, Alonso de Mendoza para fundar uma nova cidade em memória das guerras final o vice-reino civil.

La Paz
Plaza Murillo

20 de outubro de 1548 e se reuniu na igreja de Laja no Altiplano, Alonzo de Mendoza e um grupo de conquistadores leais à coroa, que elaborou a escritura de fundação, com Alonso de Mendoza como xerife da cidade, e também nomear prefeitos e comissários.

Três dias depois de changeât a situação da cidade, dando-lhe o título de Nossa Senhora da Paz (La Paz), no vale vizinho deChuquiabo, as bordas do planalto.

Chuquiabo em aimara significa "campos de batatas ou de ouro." As razões aparentes para esta mudança é o tempo, e na verdade mais de 4000 metros acima do nível do mar, o clima é áspera e para baixo a cidade de algumas centenas de metros faz uma grande diferença.

La Paz era a terceira maior cidade da Bolívia hoje, depois de Sucre (Chuquisaca, 1538) e Potosi (1545). O primeiro pastor foi Juan Rodriguez e San Pedro paroquial igreja foi consagrada. Em seguida, traçât limites e distribuições. O imperador Carlos V de Espanha deu a La Paz em 1555 sua primeira insígnia.

Aos poucos, La Paz, localizada na rota de comércio entre Potosi e Cuzco, floresceu economicamente. Foi um local chave, um lugar de passagem obrigatória para os cargos e um lugar e influxo centro de aprovisionamento de produtos minerais e agrícolas áreas circundantes.

Sobre 1586 tinha 200 espanhol e tinha fundado um hospital, a Câmara Municipal, os conventos de San Francisco, San Agostinho, Misericórdia e Colégio dos Jesuítas.

Chefiado por Pedro Domingo Murillo e mártires outros locais, La Paz 16 de julho de 1809 revolta contra o império espanhol e estabeleceu o primeiro governo livre hispano-americana Conselho de protetor dos direitos humanos, 22 de julho de 1809.

O departamento de La Paz foi criado por um decreto supremo 23 de janeiro de 1826.

Depois da guerra de 1898-1899 Federal, La Paz recebe do governo (poderes Executivo e Legislativo), e é, portanto, parte da rede da política nacional. Esta situação manteve-se estabelecido outubro 25, 1899, quando José Manuel Pando assumiu a presidência da República.

La Paz é a capital administrativa da Bolívia hoje.

Fonte: info.artisanat-bolivie.com

La Paz

La Paz, a grande favela

La Paz
La Paz e Tiahuanaco, Bolívia

La Paz, a capital da Bolívia, situa-se a mais de 3.600 metros de altitude e cresce sem parar em direção ao planalto andino que a espreita. O contraste entre os prédios modernos do centro e as casas inacabadas do resto da cidade é tremendo - e fica apenas a dois passos da grandiosa capital do império de Tiahuanaco.

Chegada a La Paz

Entrar na Bolívia vinda da Argentina é como mudar de planeta ou, pelo menos, de época: se a Sul encontramos cidades que só correm o risco de nos entediar por serem idênticas a qualquer outra na Europa, a Norte entramos num mundo de mulheres de saias rodadas e chapéu, dentes esverdeados pelas folhas de coca que constantemente mascam, autocarros destroçados que passam cuspindo fumo para cima de gente que come sentada nos passeios estreitados por tanta mercadoria artesanal.

Villazón é uma cidade-bazar, como todas as cidades fronteiriças, sobretudo quando há grandes diferenças de cotação entre as moedas nacionais. Demorei alguns dias a chegar a La Paz, emocionada com a mudança e extasiada com a paisagem. EncontreiPotosí pintada de branco por um nevão extemporâneo, e a bela cidade colonial de Sucre, capital constitucional do país, em luta pelo estatuto de capital “por inteiro”.

La Paz
Arquitetura de La Paz, Bolívia

Entre Sucre e La Paz viajei de noite. Acordei em El Alto, a cidade que tem crescido nas bordas do precipício no fundo do qual cresce a capital côncava de um país de altitude: casas por acabar ocupam qualquer espaço livre, transbordam pelas vertentes arredondadas da montanha, pequenas edificações em tijolo que lembram brinquedos de crianças.

A primeira impressão é a de estarmos numa grande favela onde as casas nunca são pintadas mas estão cheias de vida, as ruas são de terra mas não faltam carros. Por força da repetição, o conjunto acaba por se tornar harmonioso e aceitável, contrastando de uma forma bizarra com os prédios que se levantam ao longo da avenida Prado e as vivendas da Zona Sur.

Em La Paz, as classes sociais dividem-se por altitude: quanto mais em baixo, mais oxigénio, menos frio e mais riqueza; as camadas sociais mais pobres vão-se acumulando nas encostas e em El Alto. Ruas asfaltadas, prédios, veículos privados, semáforos, avenidas, edifícios com vidros espelhados, supermercados internacionais, bares e discotecas tornam-se mais comuns à medida que descemos para a Zona Sur, a mais baixa.

São dois mundos que se acotovelam nesta bacia redonda vigiada por magníficos picos nevados: as cholas, mulheres vestidas à maneira tradicional, de pollera - a saia rodada, que aqui chega até aos pés - e chapéu de coco, descem as ladeiras até ao Prado e arredores, para trabalhar e vender os seus produtos, na rua ou no Mercado Municipal; trazem legumes, fruta, queijo fresco,empanadas, pão e coca - que não vendem tão à vista como em terras mais pequenas.

De aspecto robusto e pés e mãos delicados, não têm o sorriso fácil.

A cor da pele é lindíssima: um tisnado que só se vê nas montanhas, um suave tom de mel que deixa passar o rosado das maçãs do rosto.

Com os habitantes da Zona Sur pode haver cruzamento, mas não mistura; são uma minoria branca, e herdaram dos espanhóis de outrora o desprezo pelos nativos, que se bamboleiam com orgulho e desconfiança dentro dos seus trajos típicos, mascam coca, fazem ofertas à Pachamama, consultam os xamanes que rondam à porta da Igreja de S. Francisco, e frequentam o mercado de mezinhas e bruxarias da rua Linares.

Tiahuanaco, berço da mais importante civilização pré-colombiana da Bolívia

Dois mundos, um país. A província de Santa Cruz, que produz grande parte da riqueza nacional, também partilha o desdém pelos índios de La Paz e do planalto andino, símbolos da tradição onde se quer mudança, desde sempre associados à ignorância e à pobreza - já que desde a chegada dos europeus nunca tiveram acesso a educação ou riqueza.

E no entanto, Tiahuanaco fica apenas a setenta quilómetros daqui, a quatro mil metros de altitude.

Capital e centro religioso de um império anterior ao inca, os seus vestígios arqueológicos revelam um conhecimento superior dos astros, um elevado grau de criatividade artística e um grande avanço tecnológico para uma cultura que se desenvolveu entre 1500 a.C. e 1200 d.C. Aqui floresceu a mais importante civilização pré-colombiana da Bolívia.

E apesar de ter sido usada como pedreira para construções posteriores ao longo dos séculos, Tiahuanaco ainda mostra a sua grandeza arquitetônica: as escavações continuam, revelando gigantescas estelas de pedra lavrada, restos de uma pirâmide, o Arco do Sol, que se acredita ter funcionado como calendário agrícola, um templo subterrâneo onde se destacam cabeças de pedra com expressões distintas, um templo solar e inúmeras peças de cerâmica e metal.

Existem dois pequenos museus neste centro arqueológico, e ainda o Museu Tiahuanaco, em La Paz, que exibe os artefatos e peças de grande valor artístico que continuam a ser encontrados, testemunhos de um império que se estendeu da costa do Pacífico, no Sul do Peru, ao Norte da Argentina.

Para melhor apreciar estes requintados vestígios de uma civilização desaparecida, aconselha-se uma visita tranquila num dia soalheiro, usufruindo assim do chocante contraste com a grande favela da capital: a natureza “lá em cima”, no planalto andino, percorrido por pastores de lamas e ovelhas que aproveitam as ervas secas batidas pelo vento, brotando a custo numa terra acostumada ao gelo e à neve, é de uma beleza inóspita. O silêncio é total e o panorama infinito.

De regresso a La Paz, o único império visível é o espanhol. Na igreja de S. Francisco, nos palácios governamentais da Praça Murillo, na pequena rua Jaén, com casas pintadas de cores naif - e pouco mais.

Do parque central, assente sobre um morro onde escorregas e balouços coloridos atraem algumas crianças, a vista abrange o belo-horrível da cidade, que ocupa completamente a gigantesca depressão que, diz a lenda, é uma pegada do deus Viracocha: as casinhas de tijolo parecem incrustadas na terra, forrando todos os morros, alinhadas em ladeiras e iluminadas pelo reflexo do sol na neve da Cordilheira Real. No centro levanta-se um ramalhete de prédios, alguns com vinte andares e vidros espelhados, um verdadeiro ouriço de cimento no centro da concavidade urbana.

Há qualquer coisa de irreal nesta cidade habitada por vendedoras de rua de tranças e olhar escuro, sentadas no seu repolho de saias garridas. Feiticeiras vendem fetos de lama e sapos secos com bolas douradas incrustadas nos olhos, e as igrejas têm gente a qualquer hora do dia. Centenas de jovens engraxadores trazem a cara coberta com passa-montanhas, como se fossem assaltar o banco mais próximo.

Um desfilar contínuo de transportes coletivos de tamanhos variados dá trabalho a meninos que não podem ter mais de dez anos, e que gritam pela janela o próximo destino. O trânsito é diabólico e quem tirar aqui a carta será grande especialista do uso da embraiagem, graças às rampas e encostas que compõem a cidade.

O cenário é caótico, as personagens singulares, e a história conheceu um novo episódio com a eleição do primeiro presidente ameríndio, Evo Morales. Muito se espera deste país, que já foi um dos mais ricos do mundo, e que agora é um dos mais pobres. A expectativa não é a de outra Tiahuanaco, mas a de que um dia a capital seja feita de casinhas terminadas e ruas asfaltadas.

A chuva, que muitas vezes faz desabar os morros e escorregar em rios de lama as habitações precárias das encostas, empurrou-me mais para Norte, para o lago Titicaca, no Sul do Peru.

Sempre ao longo da cordilheira dos Andes, a coluna vertebral da América do Sul, atravessei de novo o planalto que leva a Tiahuanaco, em direção à origem da civilização que a destronou: o Vale Real dos Incas.

Folhas de coca e cocaína

Impossível falar da Bolívia sem que se pense na questão da coca.

Adorada por alguns e demonizada por muitos, esta é uma planta utilizada pelas culturas andinas desde há milénios: há provas de que já era conhecida pelas culturas Tiahuanaco e Chavín, e utilizada de forma medicinal, ritual e religiosa.

Culturalmente corresponde a tomar um cafezinho ou um chá; é um ato social, em que se oferece as melhores folhas para mascar durante uma longa conversa - e mesmo a maneira de as oferecer e receber, soprando sobre elas em respeito pelos deuses e não as cuspindo no fim de as mastigar, revela a educação dos participantes no ato.

São queimadas como oferta à Pachamama (a Mãe-Terra), fazem parte dos rituais de adivinhação e têm efeitos medicinais que ajudam no alívio da fome e na resistência ao frio. Também pode ser tomada em infusão, como um chá - quase todos os restaurantes da Bolívia e Peru a oferecem - e o seu efeito vai do estimulante ao anestésico.

Apesar da igreja, nos tempos da ocupação espanhola, ter começado por condenar o seu uso, depressa voltou atrás ao verificar que um indígena trabalhava o dobro e comia metade se lhe fosse permitido usá-la.

Só no século XIX alguns investigadores, como Albert Nieman, descobriram como fabricar cocaína a partir deste arbusto medicinal. A coca foi então retirada do seu contexto e uso natural, seguindo-se a sua utilização indiscriminada e a falta de controlo que levaram a que fosse declarada uma droga extremamente perigosa e, consequentemente, proibida.

Os camponeses andinos, esses limitam-se a sofrer as consequências. Mas para já a pressão dos Estados Unidos para que seja suprimido o seu cultivo ainda não conseguiu acabar por completo com certas tradições, como a oferta de coca à noiva, que devolve a mesma quantidade ao noivo para dizer que aceita casar. E o primeiro cultivo depois do casamento é o de um pequeno campo de coca junto à casa...

Fonte: www.almadeviajante.com

La Paz

La Paz é a capital administrativa e sede do governo da Bolívia. Situada a 3900 m de altitude, é a capital mais elevada do mundo.

Entenda

A cidade foi construída dentro de um cânion formado no altiplano. A visão da cidade a caminho do aeroporto é deslumbrante.

Chegar

De avião

O Aeroporto de El Alto, na cidade vizinha de mesmo nome, recebe vôos domésticos e internacionais.

De comboio/trem

A cidade não tem mais linhas de trens de passageiros

De autocarro/ônibus

A maioria das cidades de médio porte tem linhas regulares de ônibus para La Paz, que chegam ao terminal na avenida Ismael Montes. Chegam ônibus também de diversas localidades do Peru (assim como da região boliviana do Lago Titicaca), na praça em frente ao Cemitério Geral. Na maior parte do ano, as ligações com o extremo norte do país só são possíveis através do Brasil (estados de Rondônia e Acre).

De Oruro, diariamente a cada meia hora, 3 horas de viagem, 15 Bs.

De Sucre, diariamente, duração de 14 h, tarifa de 60 Bs. a 100 Bs.

De Potosí, diariamente, duração de 7h a 11h, tarifas entre 40 Bs. e 50 Bs.

De Cochabamba, diariamente, duração de 6h, tarifa 80 Bs.

De Tihuanaku, a partir das 6h até as 18h, em ônibus de linha; duração de 3h e tarifa de 20 Bs. Há também muitas excursões em vans, com guia.

De Copacabana, a cada hora, em linhas comuns, das 6h às 17h. Chegam em La Paz na praça Tomas Catari (em frente ao Cemitério).

De Santa Cruz de la Sierra, com várias companhias cobrindo o trajeto, aproximadamente 18h de viagem, com tarifas variando de 60 Bs. a 140 Bs.

De Tarija, diariamente, duração de 20h e preço de 110 Bs.

De Yacuíba, duração de 36 h e tarifa de 150 Bs.

De Uyuni, 13h, 60 Bs.

De autocarro/ônibus

Há dois tipos de transportes coletivos na cidade: os ônibus, de carrocerias com design bastante antigo e pinturas coloridas, são chamados de micro e custam pouco mais de 1 Boliviano; e as vans, ou mini buses, que custam um pouco mais caro e têm um cobrador gritando o itinerário, o que lembra muito o transporte clandestino do Brasil.

Pode-se subir e descer de ambos em qualquer local, bastando dar sinal na rua ou pedir ao motorista para bajar.

De táxi

É o meio mais racional de andar no trânsito caótico da cidade. Como não há taxímetros, o preço deve ser combinado previamente.

Os recepcionistas dos hotéis podem dar uma base das tarifas praticadas, bem como podem também indicar um motorista de confiança para levar você a tudo que é lugar. Normalmente, dentro da cidade, as corridas vão de 5 Bs. a 20 Bs.

Veja

Pórtico em TiahuanacoTiahuanaco (ou Tihuanaco ou ainda Tiwanaco), ruínas da cidadela andina, a 72 km, e seu moderno museu.

Monte Ilimani, é considerado um deus; dá para chegar de carro até bem perto, o que já é incrível. Caminhada e escalada só com guias especializados. No caminho, percorre-se o Vale da Lua, com formações absurdas.

Catedral de São Francisco, no centro da cidade, junto da qual há um museu de mesmo nome.

Museu de Arte Contemporânea, Paseo del Prado (avda. 16 de Julio) 1698. 10 Bs.

Segurança

Nenhum policial tem autoridade para pedir passaporte na rua. Se isso acontecer, grite por socorro, porque é um tipo de assalto, embora não seja muito comum.

Fonte: wikitravel.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal