Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Bumerangue  Voltar

Bumerangue

 

Arqueólogos encontraram, no Egito, bumerangues e "kilies" com mais de 4.000 anos, em um anexo da tumba do faraó Tutankamon.

Esses mesmos objetos foram encontrados por pesquisadores em pinturas na África do Norte, que datavam mais de 9.000 anos.

Um chifre de mamute, no formato de um bumerangue, foi escavado na Polônia e datado em mais de 23.000 anos.

Com certeza não se sabe quem inventou os bumerangues, mas foram os aborígines que os utilizaram por mais tempo. Por essa razão, estes fantásticos objetos têm sido diretamente associados a Austrália.

Os bumerangues se tornaram uma mania mundial: franceses, japoneses, ingleses, americanos e brasileiros passaram a desenvolver e fabricar peças com os mais diferentes materiais, até conseguir a melhor performance para que o bumerangue fosse utilizado como esporte.

Hoje, muitos campeonatos são disputados no mundo inteiro, e até mesmo no Brasil, onde o esporte vem se desenvolvendo a cada ano.

COMO FAZER

Você vai precisar de:

Compensado naval de 4 mm (bumerangues de 3 asas ou de 2 asas pequeno) ou 6 mm (bumerangue de 2 asas grande)

Cola branca
Pincel
Serra tico-tico
Grosa
Lixas grossa, média e fina
Seladora
Verniz ou tinta spray
Planta para bumerangue

Passe a cola branca com um pincel no compensado e cole a planta, ou a partir de outro bumerangue, transfira o contorno para a madeira com um lápis.

Corte o bumerangue seguindo o desenho da planta com uma serra tico-tico.

Com a grosa "afie" o bumerangue seguindo as linhas internas da planta. É importante obedecer o limite do desenho, pois é o "shape" que vai fazer o bumerangue funcionar.

Atenção para os detalhes: um bumerangue destro sempre tem a borda das asas levemente arredondadas do lado direito... e mais "afiada" do lado esquerdo.

Passe a grosa também nas pontas.

O perfil das asas deve ficar como uma asa de avião, a borda direita com o relevo descendente até a borda esquerda.

Se você usou a planta, colada na madeira, passe uma lixa grossa em todo bumerangue para retirar o papel.

É hora de usar as lixas, comece com a nº 60/80 e vá aumentando a grana, 100, 220/320.

Depois de totalmente lixado, passe a seladora (diluída com thinner na proporção 1 por 1). Com um pincel.

Lixe novamente com uma lixa bem fina (nº400). Se quiser passe verniz ou tinta spray no bumerangue.

COMO LANÇAR

ALGUNS CONSELHOS BÁSICOS

Lançar sempre contra o vento (veja abaixo o ângulo correto).

Não jogar para cima e sim para frente (como um jogador de beisebol lança a bolinha).

Não arremessar o bumerangue com muita força.

Não jogar o bumerangue inclinado horizontalmente (como se fosse um frisbee), mas sim na posição vertical (ou levemente inclinado, de acordo com o modelo).

LOCAL

O local de arremesso deve ser plano e longe de pessoas, animais, árvores, rochas, automóveis, etc. Dê preferência para superfície gramada ou com areia (campos e praias vazias são ótimos lugares), assim você evita danos ao bumerangue.

VENTO

Com o vento vindo de frente para você, arremesse o bumerangue a aproximadamente 45° (fig 1), este ângulo pode mudar, dependendo do modelo.

Se você imaginar que à sua frente está o norte, a posição correta de arremesso seria nordeste para bumerangues destros ou noroeste para bumerangues canhotos. Para saber a direção do vento você pode usar uma biruta, bandeira ou uma linha amarrada no seu dedo. Não arremesse bumerangues em dias com vento muito forte.

ARREMESSO

Segure o bumerangue pela ponta de qualquer uma das asas, prendendo-o com firmeza entre o polegar e o indicador. O lado com a pintura deve estar voltado para você.

Para lançar um bumerangue destro com a mão esquerda ou um bumerangue canhoto com a mão direita, não inverta o bumerangue ou o lado de lançamento. Segure-o com a face pintada em contato com a palma da mão escolhida.

O lançamento deve ser feito em linha reta e na altura dos olhos (fig. 4), com o bumerangue na posição vertical ou levemente inclinado , como se você fosse atirar uma faca.

Não é necessária muita força, pois o mais importante no arremesso é dar giro ao bumerangue, para dar mais giro segure o bumerangue "beliscando" a ponta da asa. Atenção: não arremesse o bumerangue na posição horizontal.

TRAJETO

É o modelo do bumerangue que vai definir seu trajeto. A maioria não difere muito das figuras 7 e 12. Se jogado corretamente, o bumerangue fará uma volta à frente do lançador, retornando ao ponto de onde foi arremessado.

PEGADA

Existem vários tipos de pegada. Se você é iniciante no esporte, opte por pegar o bumerangue espalmando-o entre as mãos.

Sobre Bumerangues

Bumerangues são objetos fascinantes, simples de se usar e que qualquer pessoa pode praticar este esporte, independente da idade.

São verdadeiros, não como aqueles brinquedos que já vimos em desenhos animados, muito menos como aquela arma que decepa dedos de bandidos.

Muitos ficam tão envolvidos com estes objetos, que se tornam verdadeiros pesquisadores e experts no assunto, indo atrás de informações sobre aerodinâmica, forças que agem sobre o bumerangue, novos formatos, enfim...

A partir desta compreensão, tem-se condições plenas de construir seus próprios bumerangues, a partir de plantas que facilmente se encontra em vários websites, ou criando suas próprias plantas.

Para isso, bastará que se tenha pouca ferramenta (serra, lima grosa, lixas, etc...) e disposição para testar as obras acabadas, porém com a necessidade dos testes de vôo, podendo haver a necessidade de ajustes no “shape” (geralmente nas bordas de ataque e de fuga).

Os bumerangues podem variar de formato e de número de asas: 2, 3, 4, 5, 6 asas e mais (dependendo da criatividade do designer!).

Existem também vários outros formatos, artísticos ou decorativos: em forma de gato, de letra, papa-léguas, gaivota, guarda-chuva, cabide, etc...(a criação vai por conta do grau de espírito de cada designer!)

Existem também bumerangues específicos para cada modalidade: fast-catch, endurance, double, trick-catch (para estas modalidades geralmente são usados os de 3 asas ), precisão (podendo ser de 2 e 3 asas), longa distância (comum usar de 2 asas, regulados com pesos), mta e mta 100 (este é um bumerangue específico, que tem como característica “flutuar" por muito tempo no ar).

Muito bumeranguistas não se contentam em apenas jogar em espaços abertos, então, possuem (geralmente fabricados pelos mesmos) bumerangues feitos em papel-cartão, para arremessar dentro de casa ou no escritório!

Finalmente, construir bumerangues pode ser classificado como um trabalho de arte. Arremessar, uma terapia para quem pratica e deslumbramento para quem aprecia!

HISTÓRIA

O continente Australiano é o lugar onde até pouco tempo utilizava-se o bumerangue, então daí que se tem identificado este objeto como sendo exclusivo e de origem neste continente.

O bumerangue mais antigo que se tem notícia, feito a partir de uma presa de mamute, foi encontrado na Polônia em 1987, com a idade calculada em torno de 23.000 anos.

Os bumerangues de madeira mais antigos, foram descobertos em Wyrie Swamp, no Sul da Austrália, pelo arqueólogo Roger Luebbers, em 1974 e que tem em torno de 8 a 10 mil anos de idade. Também aparecem em inscrições rupestres sobre rocha, em Arnhem Landy (Australia) e acredita-se que tem mais de 15 mil anos.

Outros bumerangues pré-históricos foram encontrados em Jutlandia (Dinamarca) com aproximadamente 7 mil anos de idade e outros aparecem representados em cavernas no norte da África, com idade estimada de 9 mil anos.

Os índios Hopi, do Arizona (EUA), os esquimós, povos da Índia do Antigo Egito, Holanda e Alemanha, também eram lançadores de uma arma de caça e combate semelhantes aos utilizados pelos aborígines australianos. O próprio índio brasileiro tinha o seu bumerangue, o tacape. Acredita-se que o bumerangue foi sendo esquecido com o uso de outras armas, como arco e flecha.

Os bumerangues que foram achados em escavações arqueológicas no Egito, mostram bumerangues muito elaborados, construídos em madeira e osso, decorados com ouro e pedrarias de brilhantes, onde foram utilizados como objetos sagrados. O Faráo Tutancamon foi um dos grandes aficcionados pelo bumerangue.

Em sua tumba foi encontrado uma caixa com vários bumerangues adornados em ouro. Era considerado um esporte de elite, um esporte mágico, conforme desenhos encontrados em papiros e pinturas em paredes

Acima, a caixa de bumerangues achados na tumba de Tutancamon

No princípio acreditava-se que o bumerangue era utilizado para golpear os animais durante a caça, devido à sua trajetória curva e a grande distância que podia ser arremessado.

Também se supôs que a característica de retorno era muito útil, pois se o bumerangue não não golpeasse o animal, poderia o caçador tê-lo em retorno à mesma posição do lançamento, poupando assim de se fabricar outra arma de caça.

Estudos mais minuciosos sobre estes achados arqueológicos da época, revelaram que o uso do bumerangue não tinha esta função (golpear animais), mas sim, usavam como bastões para assustar as presas e serem conduzidas para redes estendidas pelos caçadores. Estes bastões não regressavam, ou pelo menos não faziam de forma suficientemente precisa.

O termo "boomerang" é de origem européia, pelos brancos , sendo que os aborígines o chamavam de "kylie" ou "karlie" e foram encontrados peças arqueológicas com 1,30 metros, com 1 kg e que alcançavam vôos de até 200 metros!

Também se descobriu que uma variedade destes bastões era utilizada para cerimônias e jogos ("Corroborees" em língua aborígene). Neles, mediante a demonstração da habilidade no seu manejo, podia-se dizer quem assumiria a chefia nas expedições de caça. Os bumerangues formam parte do conjunto de elementos sagrados da cultura tribal.

Acima, o "Corroboree"

Acima, ritual aborígine, onde se utiliza o bumerangue

O bumerangue era utilizado diariamente, às vezes como ferramenta pa cortar (carne ou vegetais), como também para cavar a terra em busca de raízes comestíveis e como arma contra inimigos e contra animais. Utilizavam-no também na pesca, golpeando com habilidade a superfície da água.

Um bom bumerangue era símbolo de poder. O desenhos que o decoravam também eram significativos, identificando membros de famílias e clãs, mostrando assim a riqueza de quem o empunhava. As mulheres não podiam utilizar-se dos bumerangues ou kilies.

Atualmente, o bumerangue não é mais tido como uma arma, mas sim como um esporte que fascina cada vez mais e mais curiosos e a cada ano muitos adeptos surgem.

No Brasil temos hoje vários fabricantes de bumerangues, alguns mais expressivos, como Ricardo Bruni Marx, Leandro Henrique Borges, Jair Rodrigues e outros que a cada dia vem se destacando mais e mais, criando novos modelos, nos mais diversos tipos de materiais, como madeira, celeron, fenolite, pvc, poliestireno, policarbonato, fibra de vidro e fibra de carbono.

Arremessando

Arremessar bumerangue deve se tornar algo agradável, consciente, esportivo. Assustar pessoas, tentar "tirar fino" de obstáculos (árvores, prédios, postes, animais, etc...), não é algo divertido.

Não respeitar uma área livre mínima de 50 metros de distância para todos os lados, poderá ocasionar algum acidente, tanto para o seu bumerangue, quanto para alguém que estiver dentro desta área. Torne sua sessão de arremessos uma forma de divulgação de um esporte, e não de uma arma!

Abaixo, instruções para DESTROS!

Para os CANHOTOS, basta inverter os procedimetos a seguir descritos.

1° Como segurar o bumerangue

A forma mais apropriada é aquela em que segura-se a ponta da asa do bumerangue como se estivesse segurando uma caneta. "Agarrar" com a mão fechada, dificulta o giro a ser dado. O giro é fator muito importante para um retorno perfeito.

Não importa qual asa segure, mas deve-se observar se está do lado correto.
Para saber o lado correto, observe se o polegar está sobre a parte abaulada, ou seja, shapeada.

2° Ângulo do arremesso

O ângulo ideal é de 0° a 30°. Alguns bumerangues de 2 asas podem ter um ângulo maior.
Atenção: somente bumerangues específicos necessitam de maior inclinação!

3° Direção do vento

Para quem é destro, deve-se atirar o boom a 45° à direita em relação ao vento. Para os canhotos, 45° à esquerda. Para um melhor resultado, use uma biruta. Lembre-se: Vento forte demais, melhor soltar pipa!

4° Altura do arremesso

Para dias com pouco, ou nenhum vento, a forma correta é na linha dos olhos, ou bem pouco acima. Quanto há uma intensidade maior de vento, pode-se jogar mais para cima (sem exageros!)

Algumas dicas legais:

Sempre na primeira jogada, faça com pouco spin (giro), para que possa avaliar a direção do vento e comportamento do bumerangue. Aos poucos vá aumentando o spin. Faça isso também, sempre que mudar de bumerangue;

Procure dar o maior spin possível, então, quando lançar, faça como se estivesse "chicotando", porém, sem dar um "tranco" no final do arremesso.

Uma boa técnica é usa o movimento total do braço, ou seja, depois de soltar o bumerangue, deixar o braço continuar em movimento;

Lance sempre do mesmo local e tenha um ponto de referência (algo que você mire);

Para pegar o bumerangue, faça sempre ao lado do corpo, com as mãos espalmadas pegue fazendo um "sanduíche" com seu bumerangue. NUNCA QUANDO ESTIVER VINDO NA DIREÇÃO DE SEU ROSTO!

Com o tempo vá treinando pegadas diferentes, como: com uma mão contra a cabeça (sobre), com a mão esquerda, com a mão direita, com as duas mãos por baixo de uma perna, com os joelhos, com os pés, etc.... e o que sua criatividade lhe permitir!

Erros Comuns

É muito comum ao iniciando no esporte cometer certos erros.

Com um pouco de paciência e persistência, pode-se corrigi-los e fazer arremessos cada vez melhores.

O importante é NUNCA desanimar e lembrar sempre que mesmo os melhores bumeranguistas erram e que TODOS podem chegar a 100% de eficiência!

Bumerangue Arremesso do bumerangue muito para a esquerda em relação ao vento.

Correção - Arremesse-o mais para a direita.

Bumerangue Arremesso do bumerangue muito para a direita em relação ao vento;

Correção - Arremesse-o mais para a esquerda.

Bumerangue Arremesso do bumerangue com pouco giro;
O ângulo vertical é muito grande;
O arremesso do bumerangue foi muito para o alto;

Correção - Arremesse-o mais na altura dos olhos, com um pouco de layover (um pouco mais deitado - POUCO!) e mais giro!

Bumerangue O bumerangue foi arremessado com muita força e pouco spin (lembre-se força NÃO é a mesma coisa que SPIN!);
Talvez o vento esteja um pouco forte. Verifique
Bumerangue Jogar um bumerangue de canhoto sendo destro e vice versa;

O lado curvo (shape) do bumerangue está para fora (apoiado no dedo indicador) e não para o lado do arremessador (apoiado no dedo polegar);

Acontece quando se inclina o bumerangue para dentro (ângulo negativo).

Bumerangue Arremesso do bumerangue muito na horizontal (muito "layover");

Correção: Arremesse-o mais "em pé" (próximo à vertical)

Bumerangue Este arremesso foi muito baixo.

Correção: Arremesse na linha da altura dos olhos.

Bumerangue Outro arremesso muito baixo.

Correção Arremesse na linha da altura dos olhos.

Bumerangue O bumerangue foi arremessado com pouco giro;

Verifique se o vento não está muito fraco.

Bumerangue Típico arremesso em que se usou muita força (força não é giro!).

Lembre-se : O bumerangue deve ser arremessado com suavidade e não agressividade!

É um esporte, não uma arma!!!

Bumerangue Você arremessou na linha dos olhos;
Você arremessou com a inclinação correta;
Você arremessou 45° em relação ao vento;
Você aplicou o giro correto;

PARABÉNS. VOCÊ ARREMESSOU PERFEITAMENTE!

Regulagens

Às vezes há a necessidade de certas "regulagens (tunning)" no bumerangue para que ele tenha um desempenho perfeito. Essas regulagens mudam consideravelmente a forma de vôo do bumerangue.

USO DE ELÁSTICOS:

Bumerangue Geralmente para dias de vento mais forte. Enrole um elástico em cada asa do bumerangue. Quanto mais para as pontas colocar, mais "arrasto" (freio) será dado ao bumerangue.

Bumerangue Tri Fly original em polipropileno, criação de Eric Darnell.

Bumerangue Os modelos de duas asas também podem ser regulados com elásticos, como nesta foto.

Bumerangue CC15
Shaper e Desinger: Jerri Leu

Bumerangue Os furos geralmente são usados para diminuir a rotação do bumerangue. Bumerangues que flutuam muito no momento de chegada, no caso os de trick-catch, tendem a "escapar", então, os furos nas pontas ajudam a diminuir esta flutuação.

Bumerangue Tri Fly original em nylon (Eric Darnell)
Shaper e Designer: Jerri Leu

Bumerangue Nos bumerangues para a modalidade 30m Relay, por exemplo, os furos fazem o boom perder o giro e ficar fácil para a pegada.

Parte de trás do Thunder, com furos de tamanhos diferentes nas asas e no centro.

**Shaper: Jerri Leu
Designer: Sandro Web Rider

Detalhe: os furos são permanentes, mas podem ser tapados com fita! Sem problemas

Bumerangue Você poderá fazer com que seu bumerangue atinja maiores distâncias, colocando pesos (como moedas de 1 centavo) nas pontas das asas. Se colocar um peso no centro do bumerangue, a distância tende a diminuir.

Shaper e Designer: Jerri Leu

Bumerangue Doblers com pesos em posições diferentes.

O bumerangue de baixo é denominado "outsider" (o que voa por fora). O peso está na ponta, o que faz ir mais longe.

O de cima é o "insider" (que voa por dentro e cai primeiro). O peso está mais para o centro do boom.

Bumerangue Quando se quer que o bumerangue faça uma volta mais curta, dá-se uma torcida para cima, na ponta da asa.

Quando se quer que ele vá mais longe, faz-se o inverso, torcendo-se para baixo.

Torção para cima, fazendo o boom fazer a volta mais curta. Nesta regulagem, dependendo da torção, o bumerangue também perde giro.

Bumerangue Torção para baixo, faz com que o boom vá mais longe.
Bumerangue Quando se faz esta regulagem "empenando" uma asa, ou outras mais, faz-se com que o boom suba e "flutue" mais. Empenando-se para cima, o boom faz um vôo alto e com maior flutuação.
Pode-se "empenar" uma ou mais asas.

**a foto é meramente ilustrativa, o "empenamento" varia para o vôo desejado!

Bumerangue Procedendo o "empenamento" para baixo, o boom voará baixo.
Pode-se "empenar" uma ou mais asas.

**a foto é meramente ilustrativa, o "empenamento" varia para o vôo desejado!

Bumerangue Uma boa forma de se "empenar" todas as asa ao mesmo tempo (e uniformemente) é apoiando uma das asas no polegar, outra no indicador e outra no mínimo (mindinho), então pressionando no centro do boom.
Bumerangue Às vezes o bumerangue tende a "cair" antes de completar a volta, para corrigir isso é feito um desbaste na parte de baixo, na ponta da asa. Isso faz com que haja mais sustentação do boom e complete a volta.

Ao lado, o modelo OTTO, com expressivos undercuts nas duas asas.

Shaper e Designer: Jerri Leu

Bumerangue Ampliando-se a área da ponta da asa, nota-se bem o desbaste.
Bumerangue Alguns modelos, como este Mega Ice-Runner, tem undercut tanto na fuga quanto no ataque.

Esse modelo foi desenvolvido para a modalidade LD (atingiu 90 metros!)

Designer: Manuel Schüetz

Bumerangue Essa regulagem é feita para encurtar a distância de vôo do boom.


Modelo Mong com concavidades nas três asas.

Note também que há undercuts.

Shaper e Designer: Jerri Leu

Bumerangue Muitas vezes é necessário mudar o desenho de um boom, para que tenha outro tipo de vôo, o que caracteriza uma regulagem.

Mudança no "outline" de um Renner, de Axel Heckner. Este boom foi modificado para a modalidade Trick-catch.

Shaper e Designer: Jerri Leu

Fabricação

Fabricar bumerangues não é uma tarefa difícil, porém exigirá do bumeranguista atenção no momento de fazer o shape, para não haver erro de posição dos bordos de ataque e de fuga (obviamente para os iniciantes).

O que é necessário:

Ferramentas básicas: Serra tico-tico manual, lima grosa, lixas grossas para acertos e ajustes e lixas finas para o acabamento final. Além de pincéis, se a preferência for um bumerangue pintado (o que é muito interessante ter uma cor forte, para que não se tenha a desagradável situação de perder o bumerangue!).

Além das ferramentas, quem deseja fazer seus próprios bumerangues, deve, NO MÍNIMO, utilizar máscara adequada e óculos de proteção. De nada vale ter um bom bumerangue e uma saúde precária!

Passo-a-passo na confecção de meus bumerangues.

1° Passo

Escolher a planta: Muitos dos bumerangues que possuo em minha mala tem suas plantas tiradas em sites na internet. Ultimamente tenho desenvolvido algumas plantas, como é o caso do Arakatú ("Tempo bom", em Tupí-Guarani), do OTTO, do Olívia, Mong, PH2, Phantom, Vox, Aissô, Guapo, Swallow, Matuda, Tóba, Zizo, CC15, etc...

2° Passo

A escolha do material. Em meus bumerangues uso: madeira (compensado), PVC, fenolite, celeron, fibra de vidro e fibra de vidro reforçada com carbono. Para quem inicia, recomendo o uso de MDF e do PVC de 4mm, por serem materiais muito bons para se aprender, treinar e "afinar" a habilidade de shapear. Repito, o MDF é muito bom para se INICIAR na arte de fazer bumerangues!

3° Passo

Traçando: Definida a planta, assim como o material a ser usado, passo para a chapa utilizando um desenho (com papel carbono fica mais fácil!) ou um molde pré-estabelecido.

Bumerangue

4° Passo

Para serrar uso uma serra tico-tico elétrica, procurando ser o mais preciso possível, para que o bumerangue fique igual à planta e também para que não haja a necessidade de muito trabalho de desbaste para se chegar até o "out-line" correto.

Bumerangue

5° Passo

Após o corte, com uma lixa grossa, desbasto a peça para que fique com suas linhas totalmente uniformes. Considero esta uma etapa importante, pois esse "pré-shape" vai determinar um acabamento de alto capricho!

Bumerangue

6° Passo

Shapeando. Eu utilizo uma lixadeira manual, com disco de lixa pequeno e também uma máquina com ferramenta de desbaste cilíndrica (nesta máquina posso trabalhar com as duas mãos segurando o boom - foto abaixo).

Bumerangue

Abaixo, detalhe de asas já shapeadas, com as bordas de ataque e de fuga bem definidas.

Bumerangue

7° Passo

Após ter shapeado, inicio o acabamento com lixas grossas - à mão - para tirar as rebarbas e defino o acabamento na "escova" (ferramenta cilíndrica que tem lixas finas e escovas acopladas);

Bumerangue

Bumerangue

8° Passo

Para que o bumerangue possa receber pintura, ou mesmo acabamento final em verniz, é necessário que se aplique a seladora, para fechar os poros e sulcos da madeira. Em outros materiais, PVC, por exemplo, não há necessidade da seladora. Aqui nesta foto estou aplicando com pistola, mas o também pode ser aplicado com pincel.

Bumerangue

9° Passo

Assim que a seladora estiver seca, passo uma lixa bem fina (n° 220 ou mais fina) e aplico o fundo branco. O fundo branco dá às cores a serem aplicadas posteriormente, condições de se tornarem fortes e brilhantes

Bumerangue

Para uma secagem mais uniforme e rápida, utilizo uma estufa de secagem. Porém, cuidando para não expor a muito calor os bumerangues, pois podem empenar!

Bumerangue

10° Passo

Quando o fundo está realmente seco, chega a hora da pintura, que pode ser pincelada, com pistola, aerógrafo, etc... Uso tinta vinílica, que melhor se fixa ao bumerangue.

Bumerangue

11° Passo

Chegamos ao último passo - Estando a pintura seca, aplico verniz, para cobrir a tinta e dar mais impermeabilidade ao bumerangue.

Bumerangue

Algumas vezes, é necessário fazer uma "queima de estoque" quando os bumerangues não saem a contento. É melhor queimá-los (literalmente) a ter meu "filme" queimado!

Bumerangue

TERMINOLOGIA

Fabricação

Máscara de proteção

Essencial na fabricação, para evitar danos à saúde.

Para o processo de shape em madeira e PVC, pode-se utilizar as de papel (algumas são carbonatadas); outros materiais sintéticos exigem o uso de máscara com filtro contra gases, devida a toxicidade destes materiais.

Óculos de proteção

Indispensável o uso, pois em todas as etapas de fabricação pode haver o risco de acidente.

Tico-Tico

Máquina manual onde se encaixa a serra para corte dos bumerangues.

Serra-fita

Máquina fixa, com serra fina (fita) utilizada também para serrar bumerangues.

Tupia

Máquina onde se acoplam ferramentas de diferentes formas de corte. Muitos fabricantes utilizam para fazer o out-line (contorno) e desbastar as bordas de ataque e de fuga.

Shapear

Processo onde se dá forma ao bumerangue. Desbaste da borda de ataque e de fuga. Pode-se usar vários tipos de máquinas e ferramentas, conforme a disponibilidade de espaço e do local (alguns bumeranguistas fazem seus bumerangues dentro de seus apartamentos!)

Carving

O mesmo que "shapear", dar forma.

Out-line

Contorno do bumerangue.

Grosa

Lima utilizada no desbaste de madeira, com ranhuras grossas (intervalos entre "dentes"). Muitos iniciantes (e até avançados) utilizam esta ferramenta para fazer seus bumerangues.

Lixadeira

Máquina utilizada para se fazer o shape: lixadeiras orbitais, oscilantes e outras preparadas com roletes lixadores.

Roletes lixadores

Peças expansíveis com a rotação ou pneumáticas. A lixa tem o diâmetro muito parecido com o diâmetro do rolete (um pouco maior) e quando em rotação, o rolete se expande, devido a força centrífuga e assim comprime-se contra a lixa, fixando-a.

Há roletes que expandem-se devido à injeção de ar comprimido em seu interior, assim comprime a lixa (neste caso não há necessidade da rotação para fixar a lixa);

Lixa

Usam-se de várias gramaturas, iniciando-se nas grossas (60, 80) e passando-se às mais finas (180, 220, etc), para acabamento e preparação para a pintura.

Escovas

Peças com lixas em tiras e escovas (tipo pincéis) acopladas a um cilindro. Utilizada para dar acabamento.

Furadeira

Máquina utilizada para fazer os furos nas asas. Furos são muitos utilizados como forma de regulagem.

Molde

Muitos bumerangues são feitos por "injeção" e para isso devem ser utilizados moldes. É a fabricação de peças em grandes quantidades, não havendo interferência de um shaper, já que os bumerangues saem prontos.

Pintura

Cobertura dada ao bumerangue, com tintas, para dar um aspecto mais "vivo". É impescindível pintar os bumerangues com cores vibrantes para ajudar no caso de perda.

Compressor

Máquina que armazena ar comprimido que será utilizado no uso das pistolas para pintura.

Pistola de pintura - Ferramenta utilizada para aplicação de tinta dando cor aos bumerangues, assim como aplicação de seladora e a camada final do acabamento, uzando verniz.

Aerógrafo

Ferramenta utilizada para pintura delicada, rica em detalhes. Há os de dupla ação, onde pode-se regular a pressão do ar e saída de tinta e os de ação simples, onde ao acionar o gatilho, a mistura e feita pela própria ferramenta.

Seladora

Uma espécie de fundo transparente aplicado sobre a madeira após o lixamento fino. Serve para selar os "póros" da madeira, fazendo assim que a tinta não penetre.

Tinta

Utilizada para dar "vida" ao bumerangue. Podem ser de várias composições, tipo: vinílicas, plásticas, acrílicas, automotivas, sintéticas, em sprays (colorgin, por exemplo), etc...

Máscara de pintura

Técnica utilizada para dar efeitos às pinturas.

Pointilismo

Técnica de pintura por pontos. Usa-se uma ferramenta com pontas de várias espessuras. Técnica utilizada nos bumerangues artísticos australianos (conhecida como "pintura aborígene")

Materiais

Fenolite

O Fenolite é um laminado industrial, duro e denso, feito por aplicação de calor e pressão em camadas de celulose impregnadas com resinas sintéticas (fenólicas).

Quando o calor e a pressão são aplicados simultaneamente às camadas, uma reação química (polimerização) ocorre, aglomerando as camadas em uma massa sólida e compacta. É importante uma pequena explanação do que é um produto termofixo: Termofixo é aquele material que, após aplicação de calor e pressão torna-se permanentemente rígido, não podendo posteriormente ser termoformado.

Celeron

O Celeron é um laminado industrial, duro e denso, fabricado através de aplicação de calor e pressão em camadas de tecido de algodão impregnadas com resinas sintéticas (fenólicas). Quando o calor e a pressão são aplicados simultaneamente às camadas, uma reação química (polimerização) ocorre, aglomerando as camadas em uma massa sólida e compacta.

Importante uma pequena explanação do que é um produto termofixo:  Termofixo é aquele material que, após aplicação de calor e pressão torna-se permanentemente rígido, não podendo posteriormente ser termoformado.

ABS

ABS (da sigla, em inglês, de acrylonitrile butadiene styrene) é um copolímero de acrilonitrila, butadieno e estireno. Fisicamente, é um material leve, fácil de moldar mas ainda assim resistente.

Os plásticos ABS oferecem um bom equilíbrio entre resistência à tração, ao impacto e à abrasão, dureza superficial, rigidez e resistência ao calor. Praticamente todos os elétrodomésticos e acessórios para escritório, são fabricados neste material.

PC - Policarbonato

A altíssima resistência ao impacto e a ótima transparência fazem do policarbonato o material mais resistente entre todos os materiais transparentes (250 vezes maior comparado ao vidro). ossui alta elasticidade, excepcional resistência ao impacto, boa estabilidade dimensional, baixa absorção de umidade. Excelente transparência e resistência à altas temperaturas.

PP - Polipropileno

O polipropileno é uma resina termoplástica, pertencente ao grupo das poliolefinas que inclui os polietilenos e polibutenos, com ampla faixa de propriedades e grande facilidade de processamento (Fonte: www.suzanopetroquimica.com.br)

PS - Poliestireno

O Poliestireno é uma das mais antigas resinas sintéticas. É um termoplástico que se caracteriza por sua clareza brilhante, sua dureza, sua facilidade de processamento e seu baixo custo. Sua coloração é excelente. É disponível em vários tipos apropriados para várias aplicações e processamentos.

PSAI

Poliestireno de Alto Impacto - Este tipo de Poliestireno, também conhecido como Poliestireno de Alto Impacto (PSAI) é largamente utilizado na comunicação visual (interna), devido à excelente aderência de tinta no processo de serigrafia, bem como na confecção de placas com vinil adesivo.

Por outro lado, outra aplicação comum a este produto é na termoformagem de peças, também conhecida como vacuum formagem, cujo objetivo é moldar o poliestireno (através de moldes e temperatura) no formato desejado.

Fibra de vidro

É o material composto produzido basicamente a partir da aglomeração de finíssimos filamentos flexíveis de vidro com resina poliéster (ou outro tipo de resina) e posterior aplicação de uma substância catalisadora de polimerização. O material resultante é geralmente altamente resistente, possui excelentes propriedades mecânicas e baixa densidade.

Permite a produção de peças com grande variedade de formatos e tamanhos, tais como placas para montagem de circuitos eletrônicos, cascos e hélices de barcos, fuselagens de aviões, caixas d'água, piscinas, ranchas de surf, recipientes de armazenamento, peças para inúmeros fins industriais em inúmeros ramos de atividade, carroçarias de automóveis, na construção civil e em milhares de outras aplicações.

Fibra de Carbono

A fibra de carbono é um polímero de uma certa forma de grafite e o grafite é uma forma de carbono puro, proveniente da natureza, estando os seus átomos dispostos em forma de lâminas ou em cristais hexagonais.

Madeira

Compensado - Diz-se compensado porque as folhas trançadas, de que é composto, se equilibram , se contrabalançam no movimento de retração ou dilatação, para obter a estabilidade que falta à madeira maciça. O compensado feito com madeira seca ou ressecada artificialmente, fica indiferente a qualquer variação de temperatura.

Se as madeiras com que se fazem os compensados não forem absolutamente secas, eles se deformarão. A principal característica dos compensados é sua elevada resistência .

MDF

Medium-density fiberboard é um material derivado da madeira e é internacionalmente conhecido por MDF. Em português a designação correcta é placa de fibra de madeira de média densidade. MDF é fabricado através da aglutinação de fibras de madeira com resinas sintéticas e outros aditivos.

O material é moldado em painéis lisos sob alta temperatura e pressão. Para a obtenção das fibras, a madeira é cortada em pequenos cavacos que, em seguida, são triturados por equipamentos denominados desfibradores.

PETG

Mais resistentes a impactos e pesando menos que o vidro, além de resistirem a diversos agentes químicos e solventes, as Chapas de PETG oferecem uma variada gama de opções para os mais diversos tipos de projetos, podendo ser cortadas, jateadas, torneadas, serradas, coladas, perfuradas, rebitadas, termoformadas, usinadas e dobradas a frio.

Fonte: www.semprevolta.com

Bumerangue

Conhecidos desde a pré-história, os bumerangues são bastões de madeira, de comprimento, largura e espessura variáveis, utilizados como arma por alguns povos dos mundo, como os indígenas australianos e sul-africanos, por exemplo. Já no antigo Egito, a caça a aves com bumerangues tornou-se um esporte muito difundido entre a nobreza.

Os bastões podem ser retos ou recurvados, sendo cada tipo indicado a uma determinada aplicação. Os bumerangues retos medem de 0,3 a 1 m, pesam entre 200 e 400 g, possuem uma seção mais ou menos circular e são ligeiramente arredondados nas extremidades.

Podem eventualmente ser construídos com uma discreta ondulação central, o que lhe garante um alcance de até 200 m em trajetória quase retilínea.

Bumerangue

O grande alcance desses instrumentos em relação a bastões simples de igual tamanho e de mesmo peso deve-se a sua seção de aerofólio que proporciona certa sustentação da arma durante o vôo, permitindo que correntes aéreas ascendentes mantenham a arma no ar por muito mais tempo.

São lançados de modo a permanecerem com o plano de rotação quase horizontal e, mesmo no fim de sua trajetória, a velocidade de rotação é tal que permite ferir gravemente seres humanos ou animais de pequeno e médio porte.

Os bumerangues recurvados são geralmente menores e mais leves que os retos. São feitos de modo que suas asas formem um ângulo de 90 a no máximo 130º. Sua extensão varia de 45 a 75 com de envergadura, pesando de 110 g a 280 g.

Bumerangue

Lançados por um indivíduo experiente, sua trajetória de vôo aproxima-se de um círculo achatado, o que possibilita seu retorno ao local de lançamento. Ao contrário dos bumerangues retos, devem ser atirados com o plano de rotação quase vertical. Isso altera-se, porém, durante o vôo devido às características de construção da arma. Assim, no final da trajetória o plano passa a ser quase horizontal.

Esse fato, aliado à gradativa perda de velocidade, pode fazer com que o instrumento plane por alguns segundos, antes de mergulhar suavemente em direção ao solo.

Bumerangue

 

Fonte: br.geocities.com

Bumerangue

Introdução

Quando pensamos em bumerangues, imaginamos alguém (muito provavelmente um personagem de desenhos) arremessando um bastão de madeira em forma de banana que geralmente faz uma curva e volta para a mão do arremessador (possivelmente após acertar outro personagem na cabeça). Esta idéia é simplesmente surpreendente, e como crianças, nossa primeira reação a este dispositivo é: este bastão de madeira obviamente possui poderes mágicos. Claro, quem descobriu o bumerangue não encontrou uma madeira mágica, mas um aplicativo impressionante de algumas leis complexas da física.

Bumerangue

Neste artigo, analisaremos os princípios da física que fazem os bumerangues funcionarem. Veja o que acontece quando um bumerangue voa pelo ar e descubra a maneira correta de arremessar um para que ele volte até você. Também veremos um pouco da história do bumerangue para ver como ele apareceu pela primeira vez. Jogar o bumerangue é uma demonstração surpreendente dos princípios científicos e é um esporte maravilhoso, que você pode se divertir sozinho.

O que é isso

Quando falamos sobre bumerangues, geralmente mencionamos os dispositivos curvos que voltam para você quando são arremessados, mas na verdade, existem dois tipos diferentes de bumerangues. O tipo com o qual todos estamos familiarizados, bumerangues que voltam, são especialmente fabricados com pedaços leves de madeira, plástico ou outro material. Tradicionalmente, eles são basicamente duas asas ligadas a uma unidade na forma de banana, mas você pode encontrar um número diferente de formas disponíveis, alguns com três ou mais asas. A maioria dos bumerangues que voltam medem de 30 a 60cm, mas existem variedades maiores e menores. Quando arremessado corretamente, um bumerangue que regressa pelo ar num padrão circular e volta ao ponto de partida. Os bumerangues que retornam não são adequados para caçar - eles são muito difíceis de mirar e ao atingir um alvo, interromperiam sua volta para o arremessador, anulando o objetivo de sua forma.

Os bumerangues que retornam evoluíram dos bumerangues que não retornam. Estes também são pedaços curvados de madeira, mas são mais pesados e mais longos, geralmente com 1 m ou mais. Os bumerangues que não retornam, não são leves e não possuem uma asa especial que os fazem retornar ao arremessador, mas sua forma curva faz com que elee voem facilmente pelo ar. Os bumerangues que não retornam são eficientes armas de caça, pois são fáceis de mirar e percorrem uma boa distância em alta velocidade. Existe também um bumerangue de batalha, que é basicamente um bumerangue que não retorna, utilizado em combate mão-a-mão.

Por que ele voa

Se você arremessar um pedaço reto de madeira que seja do tamanho aproximado de um bumerangue, ele irá somente em uma direção até que a gravidade o puxe para o chão. Então a pergunta é: por que alterar a forma deste pedaço de madeira faz com que ele permaneça no ar mais tempo e volte para você?

A primeira coisa que torna um bumerangue diferente de um pedaço comum de madeira é que ele tem pelo menos duas peças componentes, enquanto que um pedaço reto de madeira é somente uma unidade. Isto faz com que o bumerangue gire em um ponto central, estabilizando seu movimento enquanto viaja pelo ar. Os bumerangues que não voltam são melhores armas que os pedaços retos por causa de seu efeito estabilizador: eles viajam mais longe e você pode mirar com mais precisão.

O bumerangue que retorna possui componentes especializados que fazem com que ele se comporte um pouco diferente do bastão de madeira curvado comum. Um bumerangue no formato de banana é simplesmente duas asas juntas em uma única unidade. Esta é a chave para seu vôo estranho.

As asas são configuradas com uma pequena inclinação e possuem um design aerodinâmico - são arredondadas de um lado e lisas do outro, como a asa de um avião. Se você tiver lido Como funcionam os aviões, então saberá que este design proporciona na asa uma ação de levantar na asa. As partículas de ar se movem mais rapidamente em cima da asa do que na parte de baixo dela, o que cria uma diferença na pressão do ar. A asa possui a ação de levantar quando se move, pois existe uma maior pressão embaixo do que em cima.

Bumerangue
Um bumerangue é composto de duas asas combinadas em uma unidade

Como você pode ver no diagrama, as duas asas são arranjadas de maneira que as bordas frontais estejam na mesma direção, como as lâminas de uma hélice. Na essência, um bumerangue é só uma hélice que não está ligada a nada. As hélices, como aquelas na frente de um avião ou no topo de um helicóptero criam, através do ar, uma força ao girar as lâminas, que são pequenas asas. Esta força age no eixo, o ponto central da hélice. Para mover um veículo como um avião ou um helicóptero, você só precisa colocá-la em um eixo.

Bumerangue
As bordas frontais das duas asas que apontam na mesma direção,
como as lâminas de uma hélice

O eixo da hélice de um bumerangue clássico é somente imaginário, então obviamente ele não está anexado a algo, mas a hélice é movida pela força na ação do levantamento da asa. Seria razoável presumir que um bumerangue simplesmente voaria em uma direção enquanto gira, como um avião com uma hélice que gira em uma direção. Se você segurá-lo horizontalmente quando o joga, como faz com um Frisbee, você presumiria que o movimento frontal deveria ser para cima, pois é a direção na qual o eixo está apontando - o bumerangue voaria para o céu como um helicóptero levantando vôo, até que parasse de girar e a gravidade o puxasse para baixo novamente. Se você segurá-lo verticalmente quando o arremessar, que é a forma correta de jogar um bumerangue, parece que ele simplesmente voaria para a direita ou para a esquerda. Mas, obviamente, não é o que acontece.

Por que ele volta

Ao contrário da hélice do avião ou helicóptero, que inicia o giro enquanto o veículo está completamente parado, você arremessa o bumerangue, de maneira que, além da sua ação de hélice giratória, ele também possui o movimento de voar pelo ar.

No diagrama abaixo, você pode ver a asa que esta no topo do giro, e num dado momento passa a se mover na mesma direção do movimento para frente do arremesso, enquanto qualquer asa está na parte de baixo do giro se movendo na direção oposta do arremesso. Isto significa que enquanto a asa no topo está girando na mesma velocidade que a asa na parte de baixo, está, na verdade, se movendo através do ar com uma velocidade mais alta.

Quando uma asa se move através do ar mais rapidamente, mais ar passa embaixo dela. Isto se traduz em mais elevação, porque a asa precisa exercer mais força para empurrar para baixo a massa de ar excedente. Então, é como se alguém estivesse constantemente impulsionando a hélice do bumerangue no topo do giro.

Mas todos sabem que quando você empurra algo do alto, vamos dizer, uma cadeira, você derruba e ela cai no chão. Por que isto não acontece quando você empurra em cima de um bumerangue que está girando?

Se você leu Como funcionam os giroscópios, então você pode supor o que acontece aqui. Quando você empurra em um ponto de um objeto que está girando, como uma roda, a hélice do avião ou um bumerangue, o objeto não reage da maneira que você espera. Quando você empurra uma roda que está girando, por exemplo, a roda reage à força como se fosse empurrada em um ponto a 90º de onde ela foi realmente empurrada. Para visualizar isto, gire a roda de uma bicicleta perto de você e empurre-a no topo. A roda vai girar para a direita ou para a esquerda como se houvesse uma força agindo na frente da roda. Isto porque com um objeto girando, o ponto que você empurra não é estacionário - ele está girando ao redor de um eixo! Você aplicou a força em um ponto no topo da roda, mas este ponto imediatamente se moveu para a frente da roda enquanto ela ainda sentia a força que você aplicou. Existe uma quantidade de reação retardada, e a força na verdade possui um efeito mais forte no objeto em aproximadamente 90º de onde foi aplicada pela primeira vez.

Neste cenário, a roda endireitaria rapidamente após girar levemente, porque como o ponto de força gira ao redor da roda, ela acaba aplicando força nas extremidades opostas da roda, que equilibra o efeito da força. Mas, empurrando constantemente no topo da roda manteria-se uma força constante agindo na frente da mesma. Esta força seria mais forte que as forças de contrabalanceamento, de maneira que a roda ficaria girando, e portanto, viajando num círculo.

Se você manobrasse uma bicicleta sem utilizar o guidão, você experimentaria esse efeito. Você muda seu peso na bicicleta de maneira que o topo da roda se mova para o lado, mas todas as pessoas que andam de bicicleta sabem que ela não se inclina como deveria se estivesse parada, mas gira para a direita ou para a esquerda.

A mesma coisa acontece com um bumerangue. A força desigual causada pela diferença na velocidade entre as duas asas aplica uma força constante no topo do bumerangue que está girando, que é, na verdade, sentida no lado condutor do giro. Então, como uma roda de bicicleta que se inclina, o bumerangue está constantemente girando para a esquerda ou para a direita, de maneira que ele viaja em um círculo e volta para seu ponto inicial.

Como arremessar

Como vimos, existem várias forças agindo em um bumerangue enquanto ele gira pelo ar. Sabemos que o bumerangue é afetado pela:

  • força da gravidade
  • força causada pelo movimento de hélice
  • força do seu arremesso
  • força causada pela velocidade desigual das asas
  • força de qualquer vento na área
  • Então, existem cinco variáveis envolvidas no vôo de um bumerangue. Para que ele viaje em um círculo e volte para o ponto de partida, todas estas forças devem estar equilibradas da forma correta. Para realizar isto, você precisa de um bumerangue bem projetado e um arremesso correto. Nos desenhos, o bumerangue cuida de tudo e qualquer pessoa consegue fazer com que ele volte na primeira tentativa. Qualquer apreciador de bumerangues dirá que a única maneira de fazer boas jogadas é praticar boas técnicas. Nesta seção, daremos o básico para que você comece a aperfeiçoar seu arremesso.

    1 - Seu primeiro instinto quando pega um bumerangue é jogar como um Frisbee. Se você fizer isso, a força do movimento da hélice lançará o bumerangue em um arco vertical ao invés de em um arco horizontal logo acima do chão. A maneira correta de segurar um bumerangue é em um ângulo de 15 a 20º, da vertical. Isto ajudará a força da hélice a ser suficiente para equilibrar a força da gravidade de maneira que o bumerangue não seja puxado para o chão antes que possa terminar um círculo completo.

    2 - Segure o bumerangue como mostrado no diagrama acima, com o ponto V, chamado de cotovelo, apontando para você e o lado liso para cima. Segure o bumerangue na extremidade da asa inferior, com uma pegada como um beliscão. Este bumerangue é projetado para pessoas destras - quando você o segura corretamente, a extremidade curvada está na esquerda e a asa superior está afastada de você. Ele provavelmente não vai voltar para você se você arremessá-lo com sua mão esquerda. Se você for canhoto, tenha certeza de pegar um bumerangue para canhotos - um que seja a imagem invertida do bumerangue nesta ilustração. Os bumerangues Colorado (em inglês) vendem uma variedade de estilos de bumerangues e a empresa diz que cada modelo está disponível na versão para canhotos. Se você estiver jogando com sua mão esquerda, segure o bumerangue de maneira que esteja inclinado para a esquerda, com o lado curvo para a direita. Um bumerangue para destros viajará em um círculo anti-horário e o bumerangue para canhotos viajará em um círculo horário.

    3 - Para evitar que o vento force o bumerangue para fora do curso, você deve mirá-lo em um ponto em aproximadamente 45 a 50º para um lado da direção do vento (fique de frente para o vento e gire aproximadamente 45º em sentido horário ou anti-horário). Ajuste a posição do bumerangue, dependendo da quantidade de vento, como mostrado no diagrama.

    4 -  Quando você tiver determinado a sua pegada no bumerangue e se orientado em relação ao vento, traga o bumerangue para trás de você e para frente, como se você jogar uma bola de beisebol. É muito importante dobrar bem seu pulso quando solta o bumerangue para dar um bom giro a ele. Giro é a coisa mais importante em um arremesso de bumerangue - é o que o faz viajar num caminho curvo.

    5 - Quando você joga o bumerangue verticalmente, a força desigual no topo do giro inclina o eixo para baixo gradualmente, de maneira que ele voltaria para você deitado horizontalmente, como um Frisbee. Mas não tente pegá-lo com uma mão - as lâminas poderiam machucá-lo. A maneira mais segura de pegar um bumerangue que volta é entre suas duas mãos. Sempre tenha cuidado ao brincar com um bumerangue, especialmente um modelo mais pesado. Quando você arremessa o bumerangue, deve manter seus olhos nele o tempo todo ou ele pode atingir você na volta. Se perdê-lo de vista, abaixe-se e cubra sua cabeça ao invés de tentar descobrir onde ele está. Os bumerangues se movem rapidamente e com muita força.

    Sua primeira tentativa provavelmente acabará no chão, como a segunda e a terceira. Então, não tente aprender com um modelo caro feito a mão - escolha um modelo barato de plástico na loja de brinquedos. Jogar bumerangue é difícil, mas pode ser muito divertido. É demais quando o bumerangue volta direitinho e você o agarra perfeitamente.

    Como foi inventado

    Os bumerangues fazem sentido quando você entende todas as forças físicas em ação, mas não parece que algo surgiria do nada. Então, como essa invenção tão incrível aconteceu? Os antropólogos acreditam que foi, na maior parte, uma questão de tentativa e erro.

    Primeiro, vamos considerar como um caçador primitivo apareceu com um bumerangue que não voltava. Nós sabemos que em algum ponto, as pessoas começaram a usar as pedras e gravetos que encontravam como ferramentas rudimentares. Uma das primeiras invenções foi o taco, que é apenas um bastão com o qual você atinge alguma coisa ou alguém. Usar um bastão para acertar alguém é apenas uma extensão desta ferramenta básica.

    Bumerangue
    Desenho de um bumerangue clássico, feito a mão pelos aborígines australianos

    Na natureza existem muitos gravetos que são curvados como um bumerangue e as pessoas provavelmente jogavam estes tipos de gravetos o tempo todo. Devido ao movimento de estabilização das duas ramificações, este tipo de graveto deve ter ficado no ar mais tempo e deve ter sido mais fácil mandá-lo na direção desejada. Os primitivos observaram isso e então começaram a procurar os gravetos curvados quando queriam jogá-los no alvo. Então eles ficavam selecionando os melhores gravetos curvados (finos, longos eram melhores) e foram logo os personalizando para que se adequassem a derrubar a presa. Foram localizados bumerangues que não voltavam por todo o mundo. O bumerangue que não voltava mais antigo que se tem notícia é um artefato encontrado na Polônia, datado de aproximadamente 20 mil anos.

    Os peritos não têm muita certeza onde e quando as pessoas desenvolveram pela primeira vez os bumerangues que voltam, mas os aborígines australianos geralmente recebem os créditos da invenção. Os aborígenes utilizaram bumerangues que não retornavam, que eles chamam de kylies, extensivamente na caça, e a teoria é que em algum momento, um ou mais aborígines utilizavam o kylie com a forma particular de um bumerangue e observaram que ele viajava em um arco. Isto pode ter sido puro acidente ou o resultado da experimentação. Uma teoria é que um caçador aborígine fabricou um pequeno quilha com uma curva mais acentuada porque ele notou que um pássaro mantinha suas asas em uma forma de "V' bem acentuada enquanto pairava no ar.

    O surpreendente padrão de vôo da nova descoberta não ajudou a derrubar a presa - na verdade tornou mais difícil mirar mais precisamente - mas era muito legal. Evidentemente, os aborígines aperfeiçoaram o desenho do bumerangue e a técnica de jogar pelo simples prazer, e o bumerangue está sendo utilizado como equipamento esportivo desde então. O jogo padrão é ver quem consegue arremessar um bumerangue o mais longe possível e, ainda assim, conseguir pegá-lo quando ele voltar. O bumerangue tinha alguns usos limitados na caça. Os aborígines colocavam redes nas árvores e depois jogavam o bumerangue no ar enquanto faziam o chamado do falcão. Isto assustaria bandos de pássaros de maneira que eles voariam para as redes.

    O bumerangue é, na verdade, a primeira máquina de voar feita pelo homem. Então, é o predecessor direto do avião, helicóptero, dirigível e das naves espaciais. É incrível que um pedaço de madeira possa ter esse uso eficiente de princípios complexos da física - tão incrível que realmente parece mágica até que você entenda o que está acontecendo. O bumerangue é uma grande ferramenta de aprendizado para qualquer pessoa interessada em física e é, certamente, um dos brinquedos mais extraordinários da história.

    Fonte: esporte.hsw.uol.com.br

    Bumerangue

    Um pouco de história e de física sobre bumerangue.

    Como funciona seu bumerangue?

    Se você pensa que esse milenar projétil de origem australiana é uma brincadeira primitiva?

    Não se iluda, você esta muito enganado.

    Criado há pelo menos 23.000 anos (isso mesmo!!!), o wu-mera – "pau da vida" ou "alavanca", como foi batizado pelo povo Turuwal, é um prato cheio para qualquer Curso de Engenharia Avançada.

    Trata-se do mais fantástico festival de fenômenos físicos, e tão complexo, que explicar seu percurso de ida e volta é um osso duro de roer até para especialistas em engenharia aeronáutica.

    Imagine para nós simples mortais: __ "Arremessado corretamente, o bumerangue é submetido a um conjunto de forças aerodinâmica que faz com que, a cada momento, ele se desvie ligeiramente para o lado, resultando em sua característica trajetória circular”, Afirmações do engenheiro Nide Geraldo Couto, (ITA) Instituto Tecnológico de Aeronáutica. SP.

    "Antes de mais nada, o bumerangue é capaz de voar porque possui o formato de um par de asas

    Bumerangue

    E ainda tem uma das superfícies curva, o que favorece a passagem de ar mais rápido em cima (explicaremos mais abaixo como se dá), esta divisão cria uma força direcionada de baixo para cima.

    É a chamada força de sustentação, que mantém o bumerangue voando.

    "Como o bumerangue é arremessado na vertical / , essa força acaba agindo na horizontal, direcionando-o para o centro do círculo a ser traçado no ar, ou seja, atua também como uma força centrípeta.

    "É a mesma força que ajuda um carro a fazer uma curva", afirma Nide Couto. O casamento dessas forças chama-se efeito giroscópico, e ao girar do bumerangue, elas se distribuem de forma diferenciada em cada ponta. “Essa diferença é que faz o bumerangue estar continuamente mudando de direção até completar o trajeto”. Tudo isso foi desenvolvido a partir de um primeiro modelo de bumerangue não-retornável, usado como arma para guerra e caça os (Kilies). O sucesso alcançado nestas funções tornou-o, um utensílio de uso diário pelos nativos: ora como martelo, pá, faca, friccionando para fazer fogo, instrumento de percussão ou como brinquedo. E com o passar dos milênios, o bumerangue acabou sendo espalhado pelo mundo e se tornou um esporte popular, desta forma vieram os Campeonatos Mundiais e de diversas modalidades: como maior distância percorrida (LD), maior tempo máximo no ar (MTA), pegadas rápidas (Fast Catch), malabarismos, entre outras de igual valor.

    Da aerodinâmica dos bumerangues.

    A superfície abaulada das asas é o que faz com que o bumerangue permaneça voando após o arremesso. O ar que passa por baixo, onde o bumerangue é plano ( existem bumerangues que usam a parte inferior convexa, mas a passagem de ar atua da mesma forma como se fossem planos) , tem de percorrer uma distância menor que o ar que passa por cima, onde é curvado. E ao fazer essa curva, o ar é obrigado a aumentar a velocidade. Desta forma quanto maior a velocidade, menor será a pressão: Assim sendo a pressão embaixo resulta maior que a de cima. Isso resulta na chamada ‘’ Força de Sustentação’’, que impede a queda imediata do bumerangue.

    Bumerangue

    Como o bumerangue é arremessado na vertical / , a força de sustentação aponta para o centro do trajeto a ser percorrido. Assim, ela funciona também como uma força centrípeta, desviando o bumerangue para o lado e provocando a curvatura de seu percurso circular.

    À medida que o bumerangue gira a asa que está para cima sempre se projeta para frente e a que esta embaixo, empurrando para frente à de cima. Assim, a asa que esta na posição superior sempre ganha maior velocidade que a inferior, embora o centro do objeto se desloque a uma velocidade constante. É como um peão que gira sobre si mesmo, e ao mesmo tempo se desloca no espaço, o que chamamos de efeito giroscópico, fará o bumerangue dar a volta completa no ar.

    Assim é a aerodinâmica de todas as asas, quanto maior a velocidade superior, maior será à força de sustentação (esta é a razão de um avião decolar ao atingir uma velocidade mínima, próxima de 150 km). Da mesma forma que a velocidade da ponta de cima é maior que a de baixo, a força de sustentação que age na extremidade superior é maior que a outra da asa em posição inferior, apesar de a força de sustentação extra surgir na ponta superior, ela só surtira efeito um quarto de volta depois, quando esta mesma asa passar para frente.

    Resumindo: Toda vez que uma das extremidades assume a posição frontal, o bumerangue estará um pouco mais deslocado para o centro. Desta forma, o efeito giroscópico vai se completando, até o bumerangue retornar à mão de seu lançador.

    Finalizando, para o bumerangue cumprir seu destino circular, tem de ser atirado quase na vertical (/ )destros e canhotos ( \ ) . O segredo esta nos ângulos de inclinações : (| ) ou ( /) e ou no giro empregado, que precisa ser calculado conforme o vento do local sempre. Se estiver ventando forte, o bumerangue deve ser jogado mais em pé ( I ), em um ângulo fechado, para não subir demais. Pois desta forma se o angulo estiver errado, o resgate deste bumerangue será mais difícil uma vez que o vento empurrará longe. Da mesma maneira, um vento fraco pede um lançamento com maior giro, e ângulos mais aberto ( / ) ou ( \ ), para que ele complete o percurso, caso não complete, aumente o giro, ou se passar do arremessador, diminua o giro, assim você conseguirá completar com exito seu arremesso. Então Lembre-se : Giro e Angulo para arremessar seu bumerangue , evite usar a força sempre.

    Bons Ventos !!!.

    Fonte: boomerangs.com.br

    Bumerangue

    COMO LANÇAR

    Bumerangue

    ALGUNS CONSELHOS BÁSICOS
    • Lançar sempre contra o vento (veja abaixo o ângulo correto).
    • Não jogar para cima e sim para frente (como um jogador de beisebol lança a bolinha).
    • Não arremessar o bumerangue com muita força.
    • Não jogar o bumerangue inclinado horizontalmente (como se fosse um frisbee), mas sim na posição vertical (ou levemente inclinado, de acordo com o modelo).

    LOCAL
    O local de arremesso deve ser plano e longe de pessoas, animais, árvores, rochas, automóveis, etc. Dê preferência para superfície gramada ou com areia (campos e praias vazias são ótimos lugares), assim você evita danos ao bumerangue.

    VENTO
    Com o vento vindo de frente para você, arremesse o bumerangue a aproximadamente 45° (fig 1), este ângulo pode mudar, dependendo do modelo. Se você imaginar que à sua frente está o norte, a posição correta de arremesso seria nordeste para bumerangues destros ou noroeste para bumerangues canhotos. Para saber a direção do vento você pode usar uma biruta, bandeira ou uma linha amarrada no seu dedo. Não arremesse bumerangues em dias com vento muito forte.

    ARREMESSO
    Segure o bumerangue pela ponta de qualquer uma das asas, prendendo-o com firmeza entre o polegar e o indicador. O lado com a pintura deve estar voltado para você (fig. 2, 3, 5 e 6). Para lançar um bumerangue destro com a mão esquerda ou um bumerangue canhoto com a mão direita, não inverta o bumerangue ou o lado de lançamento. Segure-o com a face pintada em contato com a palma da mão escolhida. O lançamento deve ser feito em linha reta e na altura dos olhos (fig. 4), com o bumerangue na posição vertical ou levemente inclinado (fig. 8 e 11), como se você fosse atirar uma faca. Não é necessária muita força, pois o mais importante no arremesso é dar giro ao bumerangue, para dar mais giro segure o bumerangue "beliscando" a ponta da asa. Atenção: não arremesse o bumerangue na posição horizontal (fig.9).

    TRAJETO
    É o modelo do bumerangue que vai definir seu trajeto. A maioria não difere muito das figuras 7 e 12. Se jogado corretamente, o bumerangue fará uma volta à frente do lançador, retornando ao ponto de onde foi arremessado.

    PEGADA
    Existem vários tipos de pegada. Se você é iniciante no esporte, opte por pegar o bumerangue espalmando-o entre as mãos (fig 10).

    Fonte: boomania.com

    Bumerangue

    DESTRO

    Como segurar?
    As duas formas ilustradas estão corretas, mas devemos sempre segurar de forma que a parte plana do bumerangue fique voltada para a palma da mão.

    Bumerangue

    Para onde jogar?
    Para conseguir fazer o bumerangue voltar, segure-o na vertical, e com uma inclinação de aproximadamente 10º, procure a direção do vento e arremesse o bumerangue a 45º a direita do vento.

    BumerangueBumerangue

    Como pegar?
    O modo mais fácil e seguro de pegar o bumerangue na volta, é o modo sanduiche.

    Bumerangue

    NUNCA
    jogue seu bumeangue na horizontal, este tipo de arremesso será fatal para o seu bumerangue.

    Bumerangue

    Fonte: arremessos.com.br

    Bumerangue

    Como Jogar

    Algumas regras básicas são fundamentais para um bom arremesso, conservação de seu bumerangue e até mesmo pra garantir a segurança de quem joga e de quem assiste.

    É importante lembrar que o local ideal deve ser plano. Deve-se manter uma distancia segura de pessoas, animais e carros. Campos vazios são ideais para praticar.

    Arremesso:

  • Com o polegar e o dedo indicador, segure qualquer uma das pontas do bumerangue, com a pintura ou o lado lixado voltado para dentro.
  • O bumerangue deve ser lançado para frente, verticalmente, em ângulo reto, ou com uma inclinação de 10 graus para a direita (destros). Canhotos precisam de um bumerangue de canhoto e devem arremessar com inclinação de 10 graus para a esquerda.
  • O mais importante não é a força que se dá, e sim o giro (o movimento correto seria como uma chicotada).
  • O bumerangue deve fazer uma volta na frente do lançador e retornar ao ponto de origem.
  • Posição do vento: ela é decisiva para determinar se seu bumerangue vai voltar ou não. Ele deve ser lançado a 45 graus do vento. Para saber sua direção, use uma biruta, uma bandeira ou solte no ar um punhado de grama.
  • Fonte: bume.com.br

    Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal