Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Camboja  Voltar

Camboja

CAMBOJA, ANTIGA KAMPUCHEA

O nome de Kampuchea, atualmente Camboja, vem do nome do principado dos Kambujas, o qual extendeu-se até o Delta do Mekong nos séculos VI e VII.

Este lugar tem-se mostrado na última década como um exótico país tropical do sudeste asiático que começa a abrir-se ao turismo.

A sua maior atração constituem as lendárias Ruínas de Angkor, centro político e religioso do Império Jemer, lembrado como o período mais brilhante da história do Camboja. Enquanto a Europa construia as suas primeiras igrejas, a sociedade Jemer levantava no sudeste asiático esta impressionante mostra da criatividade humana.

O espetáculo arquitetônico e artístico, que oferece a mística "cidade perdida", é comovedor. Algumas imagens ainda evocam a vida dos seus antepassados, a qual mistura-se com as cores da sua paiságem de lagos, rios, selvas e fauna tropical com a sua natureza úmida e verde que adorna, também, algum monge envolto na sua túnica de cor açafrão.

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Passaporte em regra, com uma validez mínima de 1 mes, é preciso visto que se obtém nas representações diplomáticas com certa dificuldade pelo que é aconselhável formar parte de um grupo turístico.

IDIOMA

O idioma oficial é o jemer. Também fala-se francês.

ELETRICIDADE

A corrente elétrica é de 230 volts a 60 Hz., unicamente na capital, no resto do país é de 110 volts a 50 Hz.

MOEDA E CÂMBIO

A moeda oficial é o Riel (KHR). Um KHR equivale a 100 sen. Notas de 5, 50, 100, 200, 500 e 1.000 rieis. Os cartões de crédito não são muito comuns. A entrada de divisas é ilimitada, embora leva-se um controle destas. Não pode-se sair do país com mais dinheiro do que com o qual entrou.

EMERGÊNCIA - SAÚDE - POLICIAMENTO

Não precisa de nenhuma vacina nem certificado médico para entrar no país. É recomendável a profilaxia anti malária, não beber água da torneira nem comer alimentos sem cozinhar. É aconselhável levar uma farmácia, bem preparada com analgésico, antiestamínicos, antidiarréicos, antibióticos, antisépticos, repelentes para insetos, loções calmantes contra ferradas ou alergias, tesouras, pinças, termômetro e seringas hipodêrmicas. É recomendável viajar com um seguro médico e de assistência. Para emergências médicas ou policiais aconselha-se pedir ajuda nas recepções dos hotéis ou no consulado ou embaixada mais próximos.

CORREIOS E TELEFONIA

O serviço de correios no Camboja é lento, as cartas podem tardar mais de um mês, embora é barato com respeito ao Vietnã. As comunicações telefônicas são difíceis, com longas demoras, e por vezes impossíveis. Para chamar o Camboja há que marcar 00-855, seguido do prefixo da cidade e do número do assinante.

FOTOGRAFIA

Nem tudo pode-se fotografar no Camboja. Estão restringidos os lugares militares e aeroportos. Respeito ao material fotográfico é melhor ir provido dele, pois não é fácil de encontrar.

GORJETAS

Não costumam aceitar as gorjetas, embora o presente de pequenos objetos, como canetas, tabaco, etc. são aceitos e pode utilizá-los como agradecimento de algum serviço.

TAXAS E IMPOSTOS

Existe uma taxa de aeroporto, tanto para vôos nacionais como internacionais.

CLIMA

O clima no Camboja é geralmente quente e úmido durante todo o ano. A temperatura se mantém por volta dos 30o C durante o dia, e à noite cai para uma média de 20o C. Como na maioria dos países tropicais, as chuvas são fortes e rápidas, e o sol aparece em seguida. De junho à outubro, as monções do sudoeste causam fortes chuvas, que transbordam o Rio Mekong, fertilizando extensas regiões de planície.

As estações climáticas são três: a estação mais fresca acontece entre novembro e fevereiro, a mais quente acontece entre março e junho e a estação mais úmida é de junho à outubro. Qualquer época do ano é boa para visitar o Camboja, sendo que cada uma possui suas vantagens específicas.

ARTE E CULTURA

No relativo à arquitetura, a mostra arquitetônica mais bela e monumental do país data do período do Império Angkor, entre os séculos IX e XIV. Destacam sobre tudo, as estruturas de Angkor Wat, a "capital que é um templo" e Angkor Thom a "grande capital" (Wat quer dizer templo).

Em escultura as obras mais admiradas dos Jemeres repousam no Museu Nacional de Phnom Penh.

Em música destacam os cantos jemeres, que não têm variado muito desde o século XII, em que se entonavam para seduzir aos poderes invisíveis. No canto combinam-se poema e música de maneira que, por vezes a entonação da palavra pode chegar mais longe do que o sentido da mesma. Grande parte da música reserva-se à improvisação. Existe uma grande influência chinesa na música do Camboja, mas por sua vez encontram-se no país instrumentos, escalas e formas musicais pertencentes à antiga tradição hindu.

A dança clássica Cambojana, especialmente elegante, costuma ir acompanhada por uma orquestra ou narração de um coral, derivada das antigas danças de Angkor (o mesmo acontece com os bailes tai).

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Camboja é um país tropical, pois encontra-se situado entre os paralelos 10 e 15 de latitude norte. Limita-se ao norte com Laos, ao leste com Tailândia e ao oeste com Vietnã. O país está situado em plena zona monçônica, ocupando uma extensão de 181.035 quilometros quadrados.

As três quartas partes do território correspondem a uma bacia sedimentária de baixas planícies, cujo centro encontra-se o Grande Lago (Tonlé Sap). No norte e no leste, dominam os Montes Dam Rek, planícies de areniscas e basaltos, enquanto que ao sudoeste extendem-se a Cordilheira do Elefante, a Cordilheira dos Cardamomos e o Pico Aoral com 1.813 metros de altitude, o ponto mais alto do país.

O Mekong é o rio mais importante do Camboja, que atravessa, pelo leste, o território de norte ao sul. No norte discorre o rio Siem Reap.

FLORA E FAUNA

A maior parte do território é selva úmida, pelo que a fauna dominante é tropical. Camboja possui o solo mais fértil do sudeste asiático, o que faz dele um país fundamentalmente agrícola. A vegetação que cobre as planícies reduz-se a savanas e bosques claros.

HISTÓRIA

Antiga Camboja

Camboja foi em outro tempo parte do Império Jemer, civilização que remonta-se ao século VI. Conheceu uma época esplendorosa, durante a Dinastia de Angkor, sobre tudo nos séculos XI e XII, a julgar pelas ruínas encontradas neste emblemático. Desde o século XV até o século XIX o império manteve constantes lutas com os tais e os vietnamitas.

Não estão conservados textos do império, devido à precariedade dos materiais sobre os quais escreviam: folhas de palmeira ou peles, que o tempo tem deteriorado. Os poucos dados escritos que sobrevivem são inscrições em pedra que falam da água, um elemento muito especial para aquela cultura.

O Camboja Moderna

A partir de 1863-64, Camboja converteu-se em um protetorado francês que durou 90 anos. Durante a Segunda Guerra Mundial foi ocupado pelo Japão. Atingiu a autonomia francesa em 1949, embora a total independência não foi atingida até 1953, e esta não foi ratificada até a Conferência de Genebra, com a retirada das tropas coloniais em 1954.

Norodom Sihanuk tomou conta do poder como primeiro ministro e mais tarde passou a chefe de Estado até 1970, ano em que foi destituido, após um golpe de Estado, que colocou o poder nas maõs de militares anti comunistas. Cinco anos mais tarde os Jemeres Vermelhos derrubaram o regime e o poder passou ao Governo Real da União Nacional de Kampuchea (G.R.U.N.K), cujo chefe era o príncipe Sihanuk. Desenvolveu-se uma política de mudanças radicais na produção agrícola, que provocou a evacuação de grande parte da população para os campos, ficando o território isolado internacionalmente.

Em 1976 o G.R.U.N.K foi dissolvido e Pol Pot (pró-chinês) tomou a chefia do Estado.

Em 1978 Vietnã invade Camboja derrubando Jemer Vermelho que se retirou para a selva, mantendo uma guerra de guerrilhas apoiada pela China e Tailândia, e indiretamente pelos Estados Unidos da América, contra o governo de Phnom Penh.

Em 1981 a O.N.U. reconheceu os delegados de Pol Pot como os únicos representantes legítimos do país. Em 1993 Norodom Sihanuk foi proclamado rei e primeiro ministro, mas as tensões com o Jemer Vermelho mantiveram em risco a estabilidade do país. Atualmente a forma de governo é uma república popular uni partidária, sendo o chefe de estado Norodom Sihanouk e o chefe de governo Norodom Ranaroddh.

GASTRONOMIA

A base da cozinha Cambojana é o arroz, que junto com o peixe cobre as necessidades básicas da população. Os pratos se preparam misturando especiarias doces e salgados para criar sabores maravilhosos. O mais típico é o Prahoc, elaborado a base de uma pasta de cor rosado fermentada e salgada, com um sabor muito picante e que pode conservar-se todo o ano. O Tuk-trey é um ingrediente indispensável, trata-se de um molho, feito com óleo de peixe fermentado e temperado com muitas especiarias. Outros pratos típicos são o Machhra Troeungou sopa de carne e o Tea Tim, que é um guisado de pato.

Bebidas

A soda com limão, uma bebida muito popular, é conhecida como Soda Kroch chhmar. Deve evitar-se consumir água da torneira e beber somente água engarrafada.

COMPRAS

O artesanato Cambojano dispõe de uma variada mostra de objetos talhados em mármore perfeitamente lavrado; trabalhos de prata e ouro, avaliados pela fama que têm os Cambojanos, de excelentes ouríveres, desde o século VII; antigüidades (para os orientais objetos que têm mais de 20 anos); lacas e marfim embora há países que proibem a sua comercialização, entre eles Espanha. Máscaras e sedas de todos os tons e desenhos poderão ser encontrados também no Camboja.

POPULAÇÃO E COSTUMES

A população de Camboja passa dos seis milhões de habitantes e a maior parte está formada pelo grupo étnico dos jemeres de origem muito antiga e descendentes da velha civilização do país, procedente da Índia, que pertence ao grupo étnico-lingüístico mon-jemer (mon-Khemer). Esta civilização adaptou-se às primeiras culturas que povoaram a região, os mon e os cham. A relação dos jemeres com a água era muito especial. Templos e albergues formavam só uma unidade. O tamanho dos primeiros, dependia da extensão das segundas, que por sua vez delimitavam a superfície das terras cultiváveis.

Os jemeres praticaram durante séculos o culto ao Devarajaou deus-reis, que exigia obediência absoluta a troca de prosperidade. Uma das lendas mais curiosas desta comunidade é a do chamado "batido do mar de leite", segundo a qual o deus Vishnú converte-se em tartaruga e oferece a sua caparaça como base sobre a qual apoia-se uma montanha. Deuses e demônios enrroscam uma corda ao redor daquela e começam a esticar os seus extremos até bater no mar de leite que rodeia-a, assim sobe a maresia que trará a felicidade e a riqueza.

Com a chegada do budismo esta fé foi perdendo-se igualmente ao império. Uma invasão arrasou o reino durante o século XIV e durante um século depois foi desaparecendo. Hoje é visitada pelos turistas e os arqueólogos que vão após as pegadas do que foi.

Entre os grupos minoritários do Camboja destaca-se a comunidade chinesa, que tem conservado a sua cultura e costumes. Os jemeres islâmicos ou comunidade musulmana Cham, extendem-se ao longo de pequenas vilas ao redor do Mekong, perto da capital. Existem também diversos grupos etno-lingüísticos pertencentes a tribos de montanha assentados nas cordilheiras, como os saoch, os pear, os brao e os kuy.

A forma de vida mais comum é a rural. Os camponenses vivem em casas, que eles mesmos constroem sem janelas e a três metros do solo. Cada centro rural trabalha a terra em comum. A direção do grupo é desempenhada pelo homem mais velho, e os benefícios do campo partilham-se com base na velhice e no rendimento de cada um. A sociedade jemer é monogâmica. A mulher tem um papel relevante dentro da família.

Entre as costumes que devemos respeitar no Camboja é evitar tocar a cabeça das crianças. A cabeça pode estar em contato com a terra, porém consideram-se impuros os pés que tocam na terra. Há que descalçar-se ao entrarmos nos lugares sagrados.

ENTRETENIMENTO

A costa sul é o paraíso dos amantes do submarinismo. Está dotada de paisagens únicas de arrecifes, e habitada por milhões de peixes multicoloridos.

Vida noturna

Na capital encontram-se locais noturnos apropriados para tomar um copo como o Cyclo Bar no Hotel Sofitel, Karaoke Club com bom serviço e música, no Hotel Flutuante, no restaurante Chez Lipp ao ar livre, Le Bar e o Café No Problem, detrás do Museu Nacional, que dispõe de restaurante e bar com coquitéis exóticos.

FESTIVIDADES

O Festival da Água, nos finais de outubro ou princípios de novembro. 7 de janeiro (Dia da Libertação) e as festas budistas que variam, dependendo do calendário lunar.

TRANSPORTES

Avião

Desde o Vietnã pode-se aceder ao país, através de diversas companhias. Respeito a vôos nacionais, várias cidades do país estão ligadas entre si.

Barco

O Rio Mekongk é navegável e há numerosos transbordadores que comunicam o delta do rio com a capital Phnom Penh.

Trens

Apesar de ser considerado o trem, um meio de transporte mais conflitivo do que o ônibus, devido às sabotagens, há uma extensa linha férrea de mais de 600 quilometros ao longo do país.

Ônibus

Camboja dispõe de numerosas linhas de ônibus que percorrem o país embora estes costumam ir muito cheios. O serviço é lento.

Carro

Existem estradas construidas pelos franceses na época da colônia, algumas em boas condições ainda e outras algo deterioradas.

Fonte: www.rumbo.com.br

Camboja

Nome oficial: Reino do Camboja (Royaume du Cambodge / Roat Kampuchea)

Capital: Phnom Penh

População: Aproximadamente 10,9 milhões de habitantes.

Área: 181 035 km2

Idioma oficial: Khmer

Religião: Budismo

Sistema de governo: Monarquia Parlamentarista

Voltagem

220V. O fornecimento de energia é um pouco irregular, por isso é aconselhável incluir uma lanterna em sua lista de bagagem.

Vistos

Cidadãos brasileiros necessitam de visto mas não há representação consular. O visto é adquirido no desembarque, e é necessário possuir uma foto 5x7. Estas informações estão sujeitas à mudanças sem aviso prévio, portanto aconselhamos que o viajante se informe sobre a documentação necessária vigente no momento.

A embaixada do Camboja mais próxima fica em Washington, nos EUA.

Chegada

Se a sua viagem não inclui o transfer do aeroporto ao hotel, assegure-se de possuir em seu voucher o nome e endereço corretos do nosso hotel / ponto de encontro. É relativamente fácil chegar ao hotel sem a ajuda de nossos guias.

Para chegar até seu hotel em Phnom Penh, tomar um táxi do aeroporto é sem dúvida a melhor opção. Os táxis públicos de Phnom Penh são seguros, tranquilos e convenientes. O preço de uma corrida de táxi do aeroporto até o hotel não deverá ultrapassar os US$7.

Economia

O Camboja é um país extremamente pobre, e sua economia subdesenvolvida ainda sofre os efeitos dos intermináveis anos de guerra. A renda per capita não passa dos US$300, e o setor agropecuário ainda é responsável por 51% do PIB. Na agricultura, o país tem o arroz como produto principal, seguido do milho e da cana de açúcar. O setor industrial, ainda muito pouco desenvolvido, resume-se à indústria alimentícia, de vestuário e algumas outras, nenhuma de grande expressividade internacional.

Dinheiro

A unidade monetária oficial do Camboja é o Riel. Extra-oficialmente, porém, os dólares norte-americanos são geralmente aceitos por todo o país, e são a melhor opção para seus gastos durante a viagem. Certifique-se de que suas cédulas não estejam rasgadas ou danificadas, pois estas não serão aceitas. Nós recomendamos que você traga seus dólares em notas de pequena denominação para facilitar os procedimentos de uso e de troca. Adquirir alguns Riel's será útil para cobrir pequenos gastos como táxis, garrafas d'água e lanches. Ao comprar alguma coisa com dólares, você certamente receberá Riel de troco. Travellers cheques são difíceis de serem trocados, e os cartões de crédito têm seu uso restrito aos grandes hotéis. A cotação aproximada do Riel (outubro de 1999) é de US$1 equivalente à 3 890 Riel's. Esta cotação está sujeita à grandes flutuações, portanto é aconselhável consultar seu jornal financeiro para informações atualizadas.

Geografia

O território cambojano, localizado no Sudeste Asiático, é coberto por florestas tropicais e cortado por três grandes cadeias de montanhas. Faz fronteira com o Laos, Tailândia e Vietnã. Sua área de floresta é enorme, de aproximadamente 98 mil km2, e sua capital, Phnom Penh, possui 920 000 habitantes.

Transporte Local

Existem algumas restrições com relação à segurança em alguns trechos rodoviários do país, portanto pode ser mais aconselhável tomar um vôo interno para cobrir estas distâncias. Um exemplo disso é a viagem entre Phnom Penh e Siem Reap.

Dentro dos limites urbanos, no entanto, o uso do transporte local é bastante conveniente, especialmente as moto-táxis em Angkor. Quando necessário, estaremos usando mini-ônibus particulares para garantir conforto e segurança.

Viajando

Viajar pelo Camboja é diferente de viajar por qualquer outra nação asiática. O Camboja não possui uma economia forte, de desenvolvimento recente. Também não possui a obstinação do Vietnã. O Camboja é um país que está emergindo de um longo período de escuridão, e que agora começa a se recuperar, a procurar sua posição no mundo. As pessoas ainda não sabem se este é apenas um breve período de paz entre guerras, ou se já é possível fazer planos para o futuro e iniciar a reconstrução de suas vidas. O Camboja perdeu muito de suas tradições e de sua cultura, mas felizmente, o país possui um passado glorioso, que ainda permite a existência de esperança, e que também lhes confere força e um pouco mais de auto-confiança.

O Camboja é um país extremamente pobre. Pelos últimos 25 anos o país esteve envolvido em guerra civis. Grande parte dos recursos governamentais foram usados para fins militares. Facilidades básicas praticamente não existem. A iluminação pública na capital é mínima, e os cortes de eletricidade são regulares. A maioria das ruas não é asfaltada, o sistema de recolhimento de lixo também inexiste. A crise de abastecimento atinge níveis críticos, faltam alimentos e o número de pedintes tem aumentado muito.

Antes de embarcar para Phnom Penh você deve se preparar para testemunhar tais condições de vida, pois não há como viajar ao Camboja sem ter de lidar com situações difíceis. Phnom Penh é lotada, quente, poluída, cheia de carros e motos e muito, muito pobre.

Sua viagem para o Camboja requer preparo, mas estes problemas não devem fazê-lo desistir de conhecer o país. O Camboja possui uma história riquíssima e uma população extremamente amistosa. É um país especial, que deve ser visitado por viajantes conscientes de suas riquezas e de suas deficiências. Viajantes especiais.

Pela nossa experiência, podemos certamente afirmar: vale a pena.

Religião

O Budismo Teravada é a religião principal no Camboja. É considerada mais como uma filosofia de vida do que como uma religião propriamente dita. Segundo ela, nós devemos levar uma vida modesta, encarando os bens materiais como obstáculos que nos impedem de alcançar a verdadeira felicidade. Os budistas crêem em reencarnação, que é quando suas ações nesta vida determinam as dificuldades da próxima. Portanto, ao levar uma vida simples e altruísta, cada um pode reencarnar num nível evolutivo superior. Se esta atitude moderada e desprendida se mantém por muitas e muitas vidas, então a pessoa poderá alcançar a felicidade eterna - o Nirvana.

Cedo pela manhã você poderá observar as pessoas dando alms (alimentos e presentes) para os monges. Esta é uma das muitas maneiras que as pessoas têm de adquirir "créditos" para evoluírem em sua próxima vida. Todo garoto passa pelo menos alguns meses vivendo em um monastério, alguns chegam a passar anos.

Os monges normalmente são pessoas muito amigáveis e acessíveis. Os mais jovens costumam ter aulas de inglês, e ficarão ansiosos com a oportunidade de praticá-lo com você! Atente para o fato de que as mulheres não podem tocar, e nem sequer entregar algo diretamente a um monge. O jeito certo de uma mulher entregar qualquer coisa a um monge é pedir para que um homem a entregue ou coloque num pequeno bolso da vestimenta do monge.

Quando for visitar um templo, você deverá se vestir de modo discreto e retirar seus sapatos antes de entrar. Não fique em pé de modo que seus dedos apontem na direção do Buda e nem sente-se com suas pernas esticadas. Os pés são vistos com certa repugnância pelos budistas, por isso devem estar sempre curvados para dentro - nunca apontando para alguém. Dispensável dizer que não se deve apontar nada com o pé, mas sim com sua mão ou dedo da mão. A cabeça tem um forte significado simbólico, portanto nunca toque um cambojano na cabeça. Toda imagem de Buda é sagrada, e por isso você não deve apoiar-se nela quando for tirar uma foto, e nem desrespeitá-la de forma nenhuma.

História

O país tem sua origem no antigo Império Khmer, uma monarquia absolutista budista que floresce entre os séculos IX e XII na região onde ficam atualmente a Tailândia, o Laos e o sul do Vietnã. Em 1863, a nação torna-se protetorado da França, que preserva a estrutura do Estado, mas privatiza a terra (que era de propriedade do rei) e estimula o comércio.

A influência francesa permanece intocada durante a maior parte da ocupação japonesa na II Guerra Mundial. Em março de 1945, porém, os japoneses depõem as autoridades francesas e fazem do Camboja um país independente. A situação só dura até outubro, quando o rei Norodom Sihanouk admite o restabelecimento do protetorado. O breve período de autonomia sob a tutela do Japão estimula o surgimento de um forte movimento nacionalista, liderado pelo Partido Comunista do Camboja, fundado em 1951. Pressionado, o Rei Sihanouk adere à campanha anti-colonial. Em novembro de 1953, a França concede a independência ao Camboja.

Em 1955, Sihanouk abdica em favor do pai, volta a usar o título de príncipe e cria a Comunidade Socialista Popular. Seu partido vence todas as eleições para a Assembléia Nacional de 1955 a 1966, e Sihanouk dirige a nação com amplo poder. Enfrenta, entretanto, a oposição de esquerda. A partir de 1964, com o surgimento do Khmer Vermelho, o governo depara com uma rebelião comunista. O território cambojano é utilizado como refúgio pelas tropas norte-vietnamitas e por guerrilheiros comunistas do Vietnã do Sul. Por esse motivo, os EUA bombardeiam o país, e torna-se cada vez mais difícil manter o Camboja à margem da Guerra do Vietnã.

Guerra

Sihanouk insiste na neutralidade e é deposto em março de 1970 pelo marechal Lon Nol, seu antigo primeiro-ministro, num golpe de estado apoiado pelos EUA.

No exílio, Sihanouk forma o Governo Real de União Nacional do Camboja (Grunc), em parceria com o Khmer Vermelho. Em outubro do mesmo ano, Lon Nol proclama a República, sendo eleito presidente em 1972. Sem o apoio das áreas rurais, o regime de Lon Nol tem sua autoridade limitada aos centros urbanos, que vão sendo cercados pelos guerrilheiros. Finalmente, em 1975, o Khmer Vermelho toma a capital, Phnom Penh, quase sem resistência. Sihanouk é declarado chefe de Estado, mas o Khmer Vermelho detém, de fato, o poder. Em janeiro de 1976, o nome do país é mudado para Kampuchea. Em abril, Sihanouk renuncia e o Grunc é dissolvido. Pol Pot, líder máximo do Khmer Vermelho, torna-se primeiro-ministro. Seu governo faz milhares de presos, desloca à força a população urbana para fazendas coletivas e praticamente elimina a indústria nacional.

As conseqüências são trágicas: estima-se que o genocídio comandado pelo Khmer tenha causado de 800 mil a 2,5 milhões de mortes.

Invasão Vietnamita

O regime aproxima-se da China e adota uma política agressiva em relação ao Vietnã, apoiado pela União Soviética. Em 1979, o Camboja é invadido por tropas vietnamitas, que instalam no poder dissidentes cambojanos liderados por Heng Samrin. O Khmer Vermelho passa a praticar uma guerra de guerrilhas contra as forças do Vietnã e o governo de Samrin, que enfrenta também a oposição da Frente de Libertação Nacional do povo Khmer, chefiada pelo ex-primeiro-ministro Son Sann, apoiado pelos EUA. Ocorre uma fuga em massa de cambojanos para a Tailândia. Em 1980, a ONU reconhece o Khmer Vermelho como legítimo representante do Camboja. Em 1982, as forças oposicionistas formam uma aliança, cujos dirigentes são Sihanouk (presidente), Son Sann (primeiro-ministro) e um dos líderes do Khmer Vermelho, Khieu Samphan (vice-presidente). A aliança recebe a aprovação da China e dos EUA. A URSS continua auxiliando o governo de Samrin.

Acordo de paz

A China anuncia, em 1987, o apoio a um governo de coalizão, liderado por Sihanouk, desde que as tropas vietnamitas abandonem o Camboja. Chineses e soviéticos pressionam as partes em conflito pelo acordo. Em 1989, os vietnamitas deixam o território cambojano e, no ano seguinte, as quatro facções (o governo, Sihanouk, o Khmer Vermelho e o grupo de Son Sann) aceitam a formação da Autoridade Transitória da ONU no Camboja. Em 1991 assinam um acordo de paz em Paris. Seus líderes voltam a Phnom Penh, mas Khieu Samphan, do Khmer Vermelho, é quase linchado pela população e foge do país. Cerca de 400 mil refugiados cambojanos retornam da Tailândia, enquanto o Khmer Vermelho reinicia os combates.

Em 1993, o partido de Sihanouk vence as eleições parlamentares e forma um governo com os membros do antigo regime pró-vietnamita, liderado por Hun Sen.

Uma nova Constituição é aprovada em setembro, e Sihanouk é coroado rei. Em outubro, a Assembléia Nacional indica o príncipe Norodom Ranariddh e Hun Sen como os dois primeiros-ministros. O Khmer Vermelho, mesmo sofrendo deserções, redobra as ações no decorrer de 1995.

A coalizão governamental é instável e, em julho de 1997, Hun Sen dá um golpe de Estado, pondo fim a quatro anos de coabitação entre inimigos. Três dias de bombardeio deixam pelo menos 43 mortos. Milhares de pessoas saem da capital e mais de 20 mil vão para a Tailândia. O príncipe Ranariddh foge para Paris.

Organismos de defesa dos direitos humanos denunciam saques, torturas e assassinatos.

Morte de Pol Pot

Depois de passar 18 anos escondido na selva, o líder do Khmer Vermelho, Pol Pot, reaparece em julho de 1997. O grupo guerrilheiro, reduzido a poucas centenas de integrantes, prende Pol Pot e o condena à prisão perpétua, conforme imagens exibidas num vídeo no mesmo mês. Sua reclusão - sob a acusação de mandar matar vários ex-companheiros e suas famílias - é vista como uma manobra política para a recuperação da imagem pública do Khmer.

Em abril de 1998, Pol Pot morre na prisão, supostamente de ataque cardíaco. Informações posteriores apontam para um possível suicídio diante da campanha dos EUA para que fosse julgado por crimes contra a humanidade.

Novo Governo

Em novembro, é formada uma nova coalizão governamental, sustentada por 107 dos 122 deputados da Assembléia Nacional. Hun Sen mantém-se no cargo de primeiro-ministro e Ranariddh passa a presidir a Assembléia. O PSR permanece na oposição.

Em 1999, cresce a pressão dos EUA para que os líderes remanescentes do Khmer Vermelho sejam julgados por um tribunal internacional. A prisão e rendição de alguns deles entre o final de 1998 e meados de 1999 - em especial Ta Mok, líder do Khmer desde 1997, e Kang Kek Leu, o Duch, chefe do principal centro de extermínio - enfraquece ainda mais o grupo, considerado praticamente extinto. Hun Sen se opõe à proposta norte-americana, alegando riscos de novos conflitos no país. Mas admite um julgamento no Camboja, com a participação de juristas estrangeiros.

Asean: Em março de 1999, o rei Sihanouk indica os 61 integrantes do novo órgão legislativo do país, o Senado. Sua criação, aprovada pela Assembléia Nacional, era uma das condições para a admissão do Camboja na Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean).

Palavras e Expressões Úteis

O idioma Khmer é bastante difícil e confuso, especialmente para estrangeiros ocidentais. Durante muitos anos o francês foi a segunda língua do país, mas o inglês agora está tomando seu lugar.

A pronúncia do Khmer requer alguma prática e, principalmente, costume, mas nós selecionamos algumas palavras e expressões para lhe ajudar em sua viagem.

As palavras estão escritas de modo a facilitar a pronúncia, e não obedecem à gramática local.

Olá - Sua S'dai
Como vai - Tek lok sok sabbay chea reu te
Adeus - Lea Heuy
Com licença - Som toh
Obrigado - Ar kun
Sim - Bat (homens), Chas (mulheres)
Água - Teuk
Arroz - Bay
Peixe - Trey
Frango - Moa
Ovo - Pong
Correio - Kariyalay Praysney
Telefone - Niyeay toursap
Muito bom - Laor na
Quanto custa - Ponmane pou
Eu não compreendo - Knhom ot yol te
Qual é o seu nome? - Teu lok chhmou ey?
Você pode me ajudar? - Teu neak ach chuoy khnhom bane reu te?
É este o caminho para..? - Teu niss chea phlauv...mene reu?

Culinária

Arroz, peixe e pão são as três bases da alimentação cambojana. O pão é uma herança francesa dos tempos coloniais. Por sinal, uma ótima herança! Não há nada como saborear uma bela baguette com café preto nos mercados matinais. Os cambojanos, no entanto, tomam sopa no café da manhã; um saboroso caldo de macarrão e legumes.

O Tonle Sap é o maior lago do Camboja, e é também uma maravilhosa fonte de peixes. Eles são servidos defumados, secos, salgados, fritos e como sopas. Um grande favorito local é o peixe Amok - grandes pedaços de peixe servidos ao leite de coco.

A culinária do Camboja não é tão picante quanto a tailandesa, mas é extremamente rica em sabores! Os pratos normalmente são servidos com molho agridoce ou marinados. As barracas que vendem comidas nas ruas e praças são uma ótima opção para uma refeição rápida e barata, mas mesmo nos restaurantes os preços são geralmente bastante convidativos.

O Que Levar?

Artigos que não são facilmente encontrados no Camboja (ou que são muito caros) e devem ser trazidos de casa são os seguintes:

Produtos de higiene feminina praticamente não existem no país

Não se esqueça de levar repelentes de mosquitos

Lanterna

Tênis e sandálias confortáveis

Roupas adequadas para o uso em templos (calças ou saias compridas, lenço para cobrir a cabeça)

Filmes e fitas para foto e vídeo (não costumam ter boa qualidade)

Comunicação

O sistema de comunicação internacional do Camboja ainda está em lento processo de desenvolvimento, isto devido aos anos de isolamento do mundo exterior.

O serviços postais também são incrivelmente lentos e irregulares. Ligações internacionais podem ser feitas através do serviço de GPO em Phnom Penh, mas as tarifas são um pouco abusivas.

Horários Comerciais

Os escritórios do governo geralmente funcionam das 7:30 da manhã até as 17:00, com uma pausa para o almoço.. Os bancos abrem as 8:00 e fecham as 15:00 nos dias úteis. Na prática os horários não são seguidos tão à risca, e às vezes é preciso ser paciente. O comércio geralmente funciona das 8:00 às 21:00.

O Camboja está a +10 horas com relação ao Brasil.

Fonte: www.africadosul.org

Camboja

O Camboja juntou ex-protetorado francês e Indochina francesa conseguiu a independência 09 de novembro de 1953, no final da guerra da Indochina, a política de país neutro na guerra do Vietnã, mas na realidade suporta República República Democrática do Vietnã, em 1966.

Em 1967/1968 os rebeldes maoístas comunistas formaram o Khmer Vermelho.

Com o apoio do Khmer Vermelho china desencadear uma guerra civil contra as forças do governo sobre o país será arrastado para a guerra com o Vietnã.

Em 1970, o Khmer Vermelho vai ganhar, mas os EUA interveio e salvar temporariamente o regime republicano.

Em 1973 os Estados Unidos soltar seus golpes aéreos não parar o Khmer Vermelho de Pol Pot apoiada pela China Comunista e tomar Phnom Penh 17 abr 1975.

Camboja
Camboja

Em seguida, aplica uma política radical maximalista, para limpar a terra da civilização urbana, as cidades da imagem de Phnom Penh são esvaziados e enviados para campos de reeducação no campo, onde a desnutrição que prevalece e doença, levando a massacres massa: um desastre humanitário politicamente motivadas.

Camboja
Camboja

Em 1979, o Vietnã invadiu o Camboja, causando a queda do Khmer Vermelho. Foi em 1990 que o Camboja encontra uma aparência de autonomia com o envio de forças da ONU.

Camboja tem agora de enfrentar uma série de escolhas dolorosas. Sua economia depende da ajuda internacional.

Fonte: www.ocpp.fr

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal