Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Cirurgia do Câncer de Mama  Voltar

Cirurgia do Câncer de Mama

 

Cirurgia do Câncer de Mama
Mastectomia Parcial

Cirurgia do Câncer de Mama
Quadrantectomia

Cirurgia do Câncer de Mama
Modificado radical - Mastectomia

Cirurgia do Câncer de Mama
Mastectomia Radical

 

A Cirurgia é normalmente a primeira linha de ataque contra o câncer de mama. Esta seção cobre os diferentes tipos de cirurgia de câncer de mama.

Decisões sobre a cirurgia dependerá de muitos fatores. Você e seu médico irá determinar o tipo de cirurgia que é melhor para você, com base no estágio do câncer, a personalidade do câncer, e é aceitável para você em termos de sua paz a longo prazo da mente.

No nosso o que esperar em cada parte pode operação, aprender os passos básicos para todas as operações de câncer de mama.

Se você deve escolher entre as cirurgias, mastectomia vs lumpectomy explica as vantagens e desvantagens de cada um.

Lumpectomy, também conhecida como cirurgia conservadora é remover apenas o tumor e uma pequena quantidade de tecido circundante.

Amputação da mama é a remoção de todo o tecido mamário. Mastectomia é mais sofisticada e menos invasiva do que antes, porque na maioria dos casos, os músculos sob o peito não são removidos.

Remoção do nó de linfa, ou linfadenectomia podem ocorrer durante a tumorectomia ea mastectomia como a biópsia mostra que o câncer se espalhou para além do duto do leite. Algumas pessoas são elegíveis para o linfonodo sentinela menos invasivo nó dissecção linfonodal.

Reconstrução de mama é a reconstrução da mama após mastectomia e lumpectomy vezes. Reconstrução pode ocorrer ao mesmo tempo, como o câncer de remoção de cirurgia, ou meses ou anos depois. Algumas mulheres decidem não ter reconstrução e optar por prótese.

Remoção profilática  mastectomia profilática do peito para o risco de câncer de mama em indivíduos de alto risco abaixo.

Remoção profilática  ovário é uma operação preventiva que a quantidade de estrogênio no organismo diminui, tornando difícil para o estrogênio para estimular o desenvolvimento de câncer de mama.

Tipos de Cirurgia de Câncer de Mama?

Os tipos de cirurgia de câncer de mama diferem na quantidade de tecido removido com o tumor, dependendo das características do tumor é, se espalhou (metástase), e seus sentimentos pessoais. Muitas vezes o cirurgião remove alguns gânglios linfáticos sob o braço, como parte da operação, para que possam ser testadas para a presença de células cancerosas. Isso ajudará o seu plano médico do seu tratamento após a cirurgia.

O cirurgião irá discutir com você as suas opções para a cirurgia. Um procedimento cirúrgico específico pode ser recomendado para você com base no tamanho, localização ou tipo de câncer que você tem.

Alguns dos procedimentos que você pode discutir com seu médico:

Lumpectomy
Mastectomia parcial ou segmento ou quadrantectomia
Mastectomia total
Mastectomia radical modificada
Mastectomia radical

Lumpectomy Para Câncer de Mama

Esta é também conhecida como terapia de conservação da mama. O cirurgião remove o câncer e uma margem envolvente de tecido normal. Uma segunda incisão pode ser feito para retirar os gânglios linfáticos. Este tratamento visa manter uma aparência normal do peito quando a operação terminou.

Após a mastectomia, é de cinco a oito semanas de radioterapia, muitas vezes utilizado para tratar o tecido mamário restante? A maioria das mulheres com os pequenos, os candidatos do câncer de mama em fase inicial são excelentes para este tipo de tratamento.

As mulheres que normalmente não são elegíveis para um cirurgia, mesmo aqueles que já irradiação sobre a mama afetada, duas ou mais áreas de câncer na mesma mama que estão muito longe um do outro através de uma incisão, ou tem câncer que não é completamente removido durante a mastectomia cirurgia.

Quadrantectomia

Durante uma mastectomia parcial ou segmentar ou quadrantectomia, o cirurgião remove mais tecido mamário do que com uma tumorectomia. O câncer e uma margem envolvente de tecido normal são removidos, ea radiação é geralmente dada após a cirurgia para seis ou oito semanas.

Mastectomia Simples ou Total

Com uma mastectomia simples ou total, toda a mama retirada, mas não os gânglios linfáticos são retirados nesse processo. Mastectomia simples é o mais utilizado para a prevenção de câncer ou ainda se o câncer não vai para os gânglios linfáticos.

Mastectomia Radical Modificada

O cirurgião remove todo o tecido da mama com o bico em uma mastectomia radical modificada. Gânglios linfáticos na axila também são removidos. Os músculos do peito permanecem intactos. Para muitos pacientes, a mastectomia é acompanhado por qualquer uma reconstrução mamária imediata ou tardia. Isto pode ser feito de forma muito eficiente, usando implantes de mama ou de tecido do próprio paciente – geralmente o abdómen.

Quando uma mastectomia radical é usado para tratar o câncer de mama, o cirurgião remove todo o tecido do peito com o mamilo, e dos gânglios linfáticos axilares nos músculos da parede torácica sob o peito. Este procedimento não é mais realizada porque a mastectomia radical modificada provou ser eficaz, e menos sem graça.

Você pode ser convidado a doar sangue antes da cirurgia de câncer de mama, no caso de uma transfusão torna-se necessário.

Você deve discutir exaustivamente as opções cirúrgicas com o seu médico os melhores resultados. Seja qual for o tipo de cirurgia é a melhor opção, você pode ir para casa depois de uma breve hospitalização.

Quanto tempo vou estar no Hospital para a Cirurgia de Mama?

O tempo de permanência no hospital varia dependendo do tipo de cirurgia de mama realizado. Lumpectomies em geral feita em nível ambulatorial, com o paciente se recupera em uma curta unidade de observação após o procedimento. Mastectomia ou cirurgia de remoção do nó de linfa geralmente necessitam de um um-dois-noite no hospital.

Fonte: cancer-studies.com

Cirurgia do Câncer de Mama

As mamas são os órgãos responsáveis pela produção de leite. Cada uma delas tem, aproximadamente, de 15 a 20 subdivisões chamadas lobos, que estão dispostas como os gomos de uma laranja.

Cada lobo possui muitos lóbulos, que terminam em dezenas de pequenos bulbos produtores de leite. Os lobos, lóbulos e bulbos são interligados por tubos finos denominados ductos. Esses ductos vão até o mamilo (papila), localizado no centro da área escura da pele, que se chama auréola.

As outras partes da mama são preenchidas por gordura e tecido conjuntivo de sustentação.

Os músculos peitorais que recobrem as costelas e que se situam abaixo da mama não fazem parte dela. Nas mulheres, as mamas podem ter tamanhos, formas e consistências variadas e, durante a vida, mudam em função da idade, ciclo menstrual, gravidez, menopausa, uso de pílulas anticoncepcionais ou por fatores hormonais.

O que é Câncer de Mama?

O organismo humano é constituído por trilhões de células que se reproduzem pelo processo de divisão celular. Em condições normais, este é um processo ordenado e controlado, responsável pela formação, crescimento e regeneração de tecidos saudáveis do corpo.

Algumas vezes, no entanto, as células perdem a capacidade de limitar e comandar seu próprio crescimento passando, então, a se dividir e se multiplicar muito rapidamente e de maneira aleatória.

Como conseqüência dessa disfunção celular, isto é, desse processo de multiplicação e crescimento desordenado das células, ocorre um desequilíbrio na formação dos tecidos do corpo, no referido local, formando o que se conhece como tumor.

O câncer de mama, muitas vezes, apresenta-se como uma massa dura e irregular que, quando palpada, se diferencia do resto da mama, pela sua consistência.

Em geral, o câncer de mama é classificado em dois tipos mais freqüentes:

1 - Carcinoma

Câncer lobular

Começa nos bulbos (pequenos sacos) que produzem o leite.

Câncer dos ductos

Forma-se nos ductos que levam o leite dos lóbulos para o mamilo (papila).

2 - Sarcoma

Forma-se nos tecidos conjuntivos.

O câncer de mama pode se espalhar para outras partes do corpo. Por esta razão, é muito importante detectá-lo o quanto antes, principalmente nos estágios iniciais, aumentado assim, as chances de tratamento não agressivo e de cura.

Sinais ou sintomas mais comuns só Câncer de Mama:

O câncer, assim como outras doenças, freqüentemente, apresentam sintomas que devem ser observados. Por essa razão, pode-se dizer que, de certa forma, o diagnóstico começa com a observação de qualquer alteração no funcionamento geral do organismo.

O câncer de mama pode apresentar diversos sintomas:

Aparecimento de nódulo ou endurecimento da mama ou embaixo do braço
Mudança no tamanho ou no formado da mama
Alteração na coloração ou na sensibilidade da pele da mama ou da auréola
Secreção contínua por um dos ductos
Retração da pele da mama ou do mamilo (papila)
Inchaço significativo ou distorção da pele.

O câncer de mama, quando no início, pode ser tratado antes que se espalhe, quando as chances de cura são maiores, os tratamentos menos agressivos e não mutilantes.

Portanto, ao sentir qualquer alteração em suas mamas, procure seu médico.

Como é feito o diagnóstico do Câncer de Mama?

É fundamental que o diagnóstico do câncer de mama seja feito mais precocemente possível, pois isto aumenta as chances de cura, evita que o câncer se espalhe para outras partes do corpo, favorecendo o prognóstico, a recuperação e a reabilitação.

Para um diagnóstico precoce do câncer de mama, é necessário que toda mulher:

Faça um auto-exame das mamas mensalmente

Vá ao mastologista uma vez por ano

O exame clínico da mama pode confirmar ou esclarecer o seu auto-exame, e o médico especialista em mamas (mastologista) é a pessoa mais indicada para isso.

Como é feito o diagnóstico clínico do câncer de mama?

Para fazer o diagnóstico, o mastologista submeterá você a um cuidadoso exame clínico e fará algumas perguntas sobre seu histórico familiar.

Palpação

Palpando a mama com as mãos, o médico poderá sentir a presença de um nódulo.

Neste caso, ele poderá solicitar alguns exames, tais como:

Aspiração

Por meio de uma agulha fina e de uma seringa, o mastologista aspira certa quantidade de líquido ou uma pequena porção do tecido do nódulo para exame microscópico.

Esta técnica esclarecerá se trata de um cisto (preenchido por fluido), que não é câncer, ou de uma massa sólida, que pode ou não ser cancerosa.

Mamografia

É o principal exame das mamas, realizado através de raios X específico para examinar as mamas. Como é muito preciso, permite ao médico saber o tamanho, localização e as características de um nódulo com apenas alguns milímetros, quando ainda não poderia ser sentido na palpação.

Faça uma mamografia de rotina sempre que solicitada pelo seu médico.

Ultrassonografia

Complementa a mamografia e informa se o nódulo é sólido ou contém líquido (cisto).

Biópsia

É a cirurgia para remover parte ou todo o nódulo. O tecido retirado é examinado ao microscópio pelo patologista. Este exame é a única forma segura de saber se o câncer está presente.

Receptores hormonais (estrógeno e progesterona)

São testes de laboratório solicitados pelo médico, caso o câncer seja diagnosticado durante a biópsia. Estes testes revelam se os hormônios estão ou não estimulando o crescimento do tumor.

Com esta informação, o médico pode decidir se é ou não aconselhável a indicação de um tratamento à base de hormônios. Esses testes são feitos no tumor e a amostra é colhida durante a biópsia.

De acordo com estatísticas, de cada cinco tipos de nódulos, quatro não são malignos.

Caso o exame detecte um cisto fluido, este, provavelmente, poderá ser drenado por meio de uma agulha fina de aspiração.

No caso de um tumor benigno, poderá ser removido através de cirurgia, sem qualquer problema posterior ou seqüela estética.

Alguns nódulos podem ser apenas espessamentos de parte da glândula mamária e não requerem qualquer tratamento, mas o médico poderá lhe pedir que o consulte regularmente.

Caso a biópsia detecte um tumor maligno, outros testes de laboratório serão feitos no tecido para que se obtenha mais dados a respeito.

Também serão solicitados exames (raio X, exames de sangue, ultra-som, mapeamento ósseo, provas de função hepática etc.) para verificar se o câncer está presente em outras regiões do corpo.

Todos os testes e exames solicitados pelo médico têm como objetivo avaliar a extensão e o estadio da doença no organismo.

O sistema de estadiamento do câncer de mama leva em conta o tamanho do tumor, o envolvimento de gânglios linfáticos da axila próxima à mama e a presença ou não de metástases a distância.

O câncer de mama é classificado em 4 estadios:

Estadio I: Quando o tumor tem até 2 cm, sem qualquer evidência de Ter se espalhado pelos gânglios linfáticos próximos.
Estadio II:
Inclui tumores de até 2 cm, mas com envolvimento de gânglios linfáticos ou então, um tumor primário de até 5cm, sem mestástases.
Estadio III:
Quando o tumor tem mais de 5 cm e há envolvimento dos gânglios linfáticos da axila do lado da mama afetada.
Estadio IV:
Quando existem metástases distantes, como no fígado, ossos, pulmão, pele ou outras partes do corpo.

Uma vez identificado o estadio, é possível ao médico planejar o tratamento mais adequado.

Tratamentos ultilizados no combate ao Câncer de Mama

O câncer de mama tem boas opções de tratamento.

A escolha depende:

Do estagio da Doença
Do tipo de tumor
Do estado geral de saúde da paciente

O mastologista (especialista em mama) é a pessoa mais indicada para avaliar e escolher o tratamento mais adequado ao seu caso.

O câncer de mama pode ser tratado por meio de radioterapia, quimioterapia, terapia hormonal ou cirurgia. Dependendo das necessidades de cada paciente, o médico poderá optar por um ou pela combinação de dois ou mais métodos.

Radioterapia - utiliza raios de alta energia que têm a capacidade de destruir as células cancerosas e impedir que elas se multipliquem. Da mesma forma que a cirurgia, a radioterapia é um tratamento local. A radiação pode ser externa ou interna.

Quimioterapia

É a utilização de drogas que agem na destruição das células malignas. Pode ser aplicada através de injeções intramusculares ou endovenosas ou por via oral.

Hormonioterapia

Tem como finalidade impedir que as células malignas continuem a receber o hormônio que estimula o seu crescimento.

Esse tratamento pode incluir o uso de drogas, que modificam a forma de atuar dos hormônios, ou cirurgia, que remove os ovários - órgãos responsáveis pela produção desses hormônios.

Da mesma maneira que a quimioterapia, a terapia hormonal atua nas células do corpo todo.

Reabilitação

Vem auxiliar os métodos de tratamento para que a paciente tenha melhor qualidade de vida. É feita através da cirurgia plástica de reconstrução e dos serviços paramédicos de auxílio (fisioterapia, psicologia etc.)

Cirurgia

É a conduta mais comum e o principal tratamento local. O tumor da mama será removido, assim como os gânglios linfáticos da axila (esses gânglios filtram a linfa que flui da mama para outras partes do corpo e é através deles que o câncer pode alastrar-se). Existem vários tipos de cirurgia para o câncer da mama, e eles são indicados de acordo com a fase evolutiva do tumor.

Tipos de Cirurgia

Os diferentes tipos de cirurgia usados no tratamento de câncer de mama são:

Tumorectomia - (ou lumpectomia) é a cirurgia que remove apenas o tumor. Em seguida, aplica-se a terapia por radiação. Às vezes, os gânglios linfáticos das axilas são retirados como medida preventiva. É aplicada em tumores mínimos.

Quadrantectomia - (tratamento que conserva a mama) é a cirurgia que retira o tumor, uma parte do tecido normal que o envolve e o tecido que recobre o peito abaixo do tumor.

A radioterapia é aplicada após a cirurgia. É indicada no estadio I e II. Deve-se associar a correção plástica das mamas, para evitar assimetrias e cicatrizes desnecessárias.

Mastectomia simples ou total

É a cirurgia que remove apenas a mama. Às vezes, no entanto, os gânglios linfáticos mais próximos também são removidos.

É aplicada em casos de tumor difuso. Pode-se manter a pele da mama, que auxiliará muito a reconstrução plástica.

Mastectomia radical modificada

É a cirurgia que retira a mama, os gânglios linfáticos das axilas e o tecido que reveste os músculos peitorais. Aplicada nos estadios II e III.

Mastectomia radical

É a cirurgia que retira a mama, os músculos do peito, todos os gânglios linfáticos da axila, alguma gordura em excesso e pele.

Este tipo de cirurgia é raramente realizado; é aplicado em tumores maiores, no estadio III.

A importância do período de recuperação

O período de recuperação das pacientes em tratamentos é muito importante e varia de acordo com as características individuais, a extensão da doença e o tratamento recebido.

A prática de exercícios físicos após a cirurgia ajuda a restabelecer os movimentos e a recuperar a força no braço e no ombro. Auxilia, também, na diminuição da dor e da rigidez nas costas e no pescoço.

Os exercícios são cuidadosamente programados e devem ser iniciados tão logo o médico lhe permita, o que costuma ocorrer um ou dois dias após a operação.

Inicialmente, os exercícios são suaves e podem ser feitos na cama.

Gradativamente, passam a ser mais ativos e devem ser incorporados à rotina diária

Após a mastectomia, o uso do sutiã com prótese é aconselhável. A cirurgia plástica de reconstrução pode ser realizada imediata ou posteriormente. Seu médico auxiliará você nessa decisão.

Fonte: www.meaumarci.hpg.com.br.

Cirurgia do Câncer de Mama

Evolução do Tratamento Cirúrgico do Câncer de Mama

O câncer de mama não é uma doença nova, surgida no século XX. Há relatos desta doença no Egito e na Gré- cia antigos. Naquela época, o tratamento era a remoção cirúrgica mutiladora da mama, que muitas vezes levava a paciente a óbito, e o uso de ferros quentes para cauterizar o tumor e a ferida operatória.

Durante o período do renascimento, época das gran- des ideias e invenções, em várias partes da Europa cirurgi- ões propuseram a retirada total da mama conjuntamente com as ínguas axilares (gânglios), surgindo aí os primórdios do tratamento cirúrgico do câncer de mama da era moder- na. Dr. Charles Moore, da Inglaterra, considerado o pai da cirurgia moderna do câncer de mama, exaltava a necessi- dade da retirada do tumor com margens amplas de pele, músculos peitorais e dos linfonodos da axila. Linfonodos são gânglios existentes no corpo que de- fendem o organismo de vários inimigos, tais como bacté- rias, vírus e células tumorais. Quando uma célula cancerosa sai do tumor, os gânglios captam e retêm essas células e tentam destruí-los ou, pelo menos, mantê-los aprisionadas por um bom período, evitando que o câncer se espalhe. No século XIX, o dr. William Halsted (Estados Unidos) colocou em prática o uso da mastectomia radical, com a retirada em bloco das ínguas axilares. Este tipo de cirurgia aumentou a cura e o tempo de vida das pacientes. Esse tratamento perdurou como padrão por quase um sécu- lo, para todos os tamanhos e tipos de cânceres de mama. Salvou muitas vidas e também deu uma sobrevida longa para pacientes com câncer de mama avançado. Ainda hoje é utilizada quando as pacientes apresentam tumores muito grandes ou quando existem mais de um foco de tumor na mama.

Na metade do século XX, os drs. Patey e Madden ob- servaram que não era necessário retirar os músculos peito- rais, pois essa remoção não interferia nos índices de cura. Este procedimento deu início a cirurgias menos agressivas. A partir da década de 70 observou-se que os tumores de mama já não se apresentavam tão grandes ao diagnós- tico como antes. Devido às campanhas educativas de pre- venção, surgiu a ideia de tratar esses pequenos tumores com cirurgias menores e menos mutilantes, onde não hou- vesse a necessidade da retirada total da mama. Em Milão, Umberto Veronesi, em 1973, desenhou um tratamento para pequenos tumores, onde apenas um quar- to da mama era retirado. Em seguida a paciente era sub- metida ao tratamento de radioterapia para esterilizar o te- cido mamário remanescente, tentando evitar que o tumor surgisse no mesmo local. A essa cirurgia foi dado o nome de quadrantectomia e mostrou-se muito eficaz para tratar cânceres pequenos. Posteriormente, reduziu-se ainda mais a amplitude desta cirurgia retirando apenas o tumor com um pequeno segmento de tecido mamário saudável, méto- do padrão até hoje. O tratamento das ínguas da axila, a partir da década de 90, também sofreu uma evolução. Não se retira todos os gânglios nas pacientes, apenas identifica-se a íngua princi- pal, chamada de sentinela, e examina-se se há células tu- morais.

Caso negativo, a axila não precisa ser tratada. Com a evolução do tratamento local e sistêmico, por meio da quimioterapia, a cirurgia reparadora tornou-se mais factível e frequente a partir da última década. Hoje esta cirurgia é oferecida na maioria dos serviços médicos do Brasil.

Donizetti Ramos dos Santos

Fonte: www.hospitalsiriolibanes.org.br

Cirurgia do Câncer de Mama

Existem várias cirurgias que podem ser realizadas para o tratamento do câncer de mama. Mas cada caso tem suas necessidades diferentes!

Cirurgia Conservadora

Quadrantectomia: o nome vem da palavra quadrante, ou seja, uma parte da mama é retirado (como se fosse uma fatia de pizza). Esta cirurgia sempre deverá ser complementada pela radioterapia.

Cirurgia Radical

Mastectomia: é a retirada total da mama, com ou sem o músculo peitoral (localizado logo abaixo dela).

Tanto a quadrantectomia quanto a mastectomia são geralmente acompanhadas da retirada de nódulos linfáticos da axila (linfonodos). Esses nódulos são estudados para sabermos se foram invadidos ou não pelo tumor e orientar o tratamento complementar.

Fonte: www.unifesp.br

Cirurgia do Câncer de Mama

Cirurgia Mamária

Tratamento cirúrgico para o câncer de mama

Cirurgia é a forma mais antiga de tratamento para câncer e ainda hoje é uma parte importante do tratamento.

A cirurgia é geralmente combinada com outros tipos de tratamento, como radiação, quimioterapia, terapia hormonal ou terapia alvo para alcançar maior sucesso.

Tipos de cirurgias de câncer de mama

Existem dois tipos principais de cirurgias para câncer de mama: lumpectomia (cirurgia que preserva a mama) e mastectomia. Com a lumpectomia, o cirurgião tenta preservar tanto quanto foi possível o tecido mamário.

Com a mastectomia, a mama inteira é removida.

Lumpectomia (que é normalmente seguida por terapia de radiação):

Cirurgia do Câncer de Mama

Em uma lumpectomia, o cirurgião remove o câncer, um pouco do tecido normal ao redor e normalmente alguns dos linfonodos na axila.

Este procedimento também pode ser chamado de mastectomia radical parcial ou modificada: mastectomia segmentar .

Mastectomia radical modificada:

Cirurgia do Câncer de Mama

Em uma mastectomia radical modificada, o cirurgião remove a mama, a parte acima dos músculos peitorais e alguns dos linfonodos da axila.

Mastectomia total:

Cirurgia do Câncer de Mama

Em uma mastectomia total (ou simples), o cirurgião remove a mama inteira.

Mastectomia radical:

Cirurgia do Câncer de Mama

Hoje raramente é realizada uma mastectomia radical, que remove a mama, músculos peitorais e a maioria dos linfonodos inferiores, médios e superiores.

Qual cirurgia é a melhor para você?

Peça ao seu médico recomedações de cirurgiões (mastologista) para você.
Descubra mais sobre as qualificações do cirurgião, capacidades e experiência ligando para seus consultórios ou para a sociedade médica local.
Escolha um cirurgião que seja especialista em cirurgia de mama ou seja um mastologista.
Pergunte ao seu cirurgião quais opções de cirurgia são melhores para você e por quê.
Você pode querer uma segunda opinião se tiver várias opções cirúrgicas.
Pense sobre quais tratamentos você está dis-posta a passar. Por exemplo, se não for possível dirigir todos os dias para a terapia de radiação, então lumpectomia pode não ser a melhor opção para você. (Pesquisas mostram que a lumpectomia com terapia de radiação é um tratamento igualmente eficaz como a mastectomia para câncer de mama em estágios iniciais).

Você não está sozinha

Se você está enfrentando uma cirurgia mamária, lembre-se que existem muitas mulheres que estiveram onde você está hoje. Elas tiveram os mesmos medos e tomaram as mesmas decisões difíceis. Estas mulheres passaram por cirurgia, se recuperaram e estão vivendo plenamente, vidas produtivas. E o melhor de tudo, elas estão dispostas a conversar com você e lhe ouvir.

O que esperar após a cirurgia

Antes da cirurgia, pergunte ao seu médico sobre quais alterações você pode esperar mais tarde. Isto pode incluir o seguinte:

Como qualquer cirurgia, sempre há um risco de infecção, sangramento ou cicatrização lenta do corte.
Se linfonodos foram removidos, você pode ter acúmulo de líquido sob sua pele, formigamento, dormência, rigidez, dor, fraqueza ou inchaço em seu braço.
Algumas mulheres não têm nenhum destes sintomas.
Os efeitos colaterais devem desaparecer.

Fisioterapia também pode ajudar. O terapeuta irá sugerir exercícios que você pode fazer para ajudar a recuperar o movimento e força no seu braço. Se os efeitos pós-cirúrgicos não desaparecerem, certifique-se de informar seu cirurgião.

No final, deve restar apenas uma cicatriz. Retorne às suas atividades normais a medida que se sentir confortável e for prescrito por seu médico.

Fonte: ww5.komen.org

 

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal