Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Capoeira Regional  Voltar

Capoeira Regional

Capoeira Regional

O Jogo

O jogo Regional, se caracteriza por ser jogado sob os toques da Capoeira Regional: São Bento Grande Regional, Idalina, Banguela, Amazonas, Iúna, segundo os princípios desenvolvidos pelo seu criador, Manoel dos Reis Machado, Mestre Bimba (1900-1947); quando Bimba começou a sentir que a "Capoeira Angola", que ele praticava e ensinou por um bom tempo, tinha se modificado, degenerou-se e passou a servir de "prato do dia" para "pseudo-capoeiristas", que a utilizavam unicamente para exibições em praças e, por possuir um número reduzido de golpes, deixava muito a desejar, em termos de luta. Aproveitou-se então do "Batuque" e da "Angola" e criou o que ele chamou de "Capoeira Regional", uma luta baiana. Possuidor de grande inteligência, exímio praticante da "Capoeira Angola" e muito íntimo dos golpes do "Batuque"(O Batuque, é uma luta braba, violenta, onde o objetivo era jogar o adversário no chão usando apenas as pernas) , intimidade esta adquirida com seu pai, um mestre nesse esporte, foi fácil para Bimba, com seu gênio criativo, "descobrir a Regional".

Não basta ser rápido qualquer toque para que se transforme em Regional o jogo. Tem regra. Tem jogo específico para os toques específicos, tem fundamentos próprios. Jogo Regional pode ser de fora, como também pode ser de dentro. Pode ser alto ou baixo. Pode ser jogado na manha do toque da Banguela, que o Mestre criou para acalmar os ânimos. Mas tem que ser marcado, sincronizado no toque do berimbau único que segura a roda e dá o ritmo do jogo. Não tem que disparar apressado que não possa mais cantar. Pode ser manhoso também. Regional tem força, garra, ritmo e muita ciência também.

As características principais da Capoeira Regional são:

Exame de Admissão

Consistia de três exercícios básicos, cocorinha, queda de rins e deslocamento ( ponte ), com a finalidade de verificar a flexibilidade, força e equilíbrio do iniciante. Em seguida a aula de coordenação onde o aluno aprendia a gingar auxiliado pelo Mestre Bimba. Para ensinar a ginga, Mestre Bimba convidava o aluno para o centro da sala e frente a frente pegava-o pelas mãos e ensinava primeiramente os movimentos das pernas e a colocação exata dos pés, e em seguida realizava o movimento completo em coordenação com os braços. Este momento era importantíssimo para o iniciante pois lhe transmitia coragem e segurança. Acordeon Ex-aluno do Mestre poeticamente diz " ... ELE ERA FORTE NA ALMA TINHA UMA FACA NO OLHAR QUE CORTAVA A GENTE DE CIMA A BAIXO QUANDO ESTAVA A ENSINAR...".

Seqüência de Ensino de Mestre Bimba

O Mestre criou o primeiro método de ensino da capoeira, que consta de uma seqüência lógica de movimentos de ataque, defesa e contra-ataque, podendo ser ministrada para os iniciantes na forma simplificada, o que permite que os alunos aprendam jogando com uma forte motivação e segurança. Jair Moura, Ex-aluno explica " esta seqüência é uma série de exercícios físicos completos e organizados em um número de lições práticas e eficientes, a fim de que o principiante em Capoeira, dentro de um menor espaço de tempo possível, se convença do valor da luta, como um sistema de ataque e defesa ". A seqüência original completa de ensino é formada com 17 golpes, onde cada aluno executa 154 movimentos e a dupla 308, o que desenvolve sobremaneira o condicionamento físico e a habilidade motora específica dos praticantes.

Os golpes integrantes da Seqüência são:

Armada

Arrastão

Bênção

Cocorinha Cabeçada Godeme Galopante
Giro Joelhada Martelo Meia Lua de Compasso
Queixada Negativa Palma Meia Lua de Frente
Rolê  

1ª Sequência

Jogador 1 - Meia-lua de frente, meia lua de frente, bênção e aú de rolê.

Jogador 2 - Cocorinha, cocorinha, negativa e cabeçada.

2ª Sequência

Jogador 1 - 2 Martelos, cocorinha, benção e aú de rolê.

Jogador 2 - 2 Rasteiras, armada, negativa e cabeçada.

3ª Sequência

Jogador 1 - Queixada, queixada, cocorinha, bênção e aú de rolê.

Jogador 2 - Cocorinha, cocorinha, armada, negativa e cabeçada.

4ª Sequência

Jogador 1 - Godeme, godeme, arrastão e aú de rolê.

Jogador 2 - 2 parada de godeme, galopante, negativa e cabeçada.

5ª Sequência

Jogador 1 - Arpão de cabeça, joelhada e aú de rolê.

Jogador 2 - Cabeçada, negativa e cabeçada.

6ª Sequência

Jogador 1 - Meia-lua de compasso, cocorinha, joelhada lateral, aú de rolê.

Jogador 2 - Cocorinha, meia-lua de compasso, negativa e cabeçada.

7ª Sequência

Jogador 1 - Armada, cocorinha, benção, aú de rolê.

Jogador 2 - Cocorinha, armada, negativa e cabeçada.

8ª Sequência

Jogador 1 - Bênção e aú de rolê.

Jogador 2 - Negativa e cabeçada.

Cintura Desprezada é uma seqüência de golpes ligados e balões, também conhecidos como Movimentos de Projeção da Capoeira, onde o capoeirista projeta o companheiro, que deverá cair em pé ou agachado jamais sentado. Tem o objetivo de desenvolver a auto-confiança, o senso de cooperação, responsabilidade, agilidade e destreza.

Os golpes que fazem parte desta seqüência são:

CINTURA DESPREZADA

Balão de Lado
Tesoura de costas Balão Cinturado
Apanhada Gravata Alta

Batizado

Momento em que o iniciante jogava pela primeira vez na roda com o acompanhamento de instrumentos. No batizado, o mestre escolhia o formando que jogaria com o calouro e então tocava "São Bento Grande", toque que caracterizava a capoeira regional. Para isso o calouro era colocado no centro da roda, onde o mestre escolhia um apelido a ele. Depois de definido o "nome de guerra" o mestre mandava o calouro pedir a "Benção" do padrinho, que ao estender a mão recebia uma Benção que o jogaria no chão.

Formatura

A cerimônia iniciava com uma roda de formados antigos para que as madrinhas e os convidados pudessem ver o que era a Capoeira Regional. Mestre Bimba ficava ao lado do som, que era formado por 1 Berimbau e 2 pandeiros, comandando a roda e cantando as músicas características da Regional. Terminada a roda, o mestre chamava o orador que geralmente era um formado mais antigo para falar um breve histórico da Capoeira Regional e do mestre.

Após o histórico, o mestre entregava as medalhas aos paraninfos e os lenços azuis (Graduação dos Formados) as madrinhas. Os paraninfos colocavam a medalha ao lado esquerdo do peito do Formado e as madrinhas colocavam os lenços nos pescoços dos seus respectivos afilhados. A partir dai os formados demonstravam alguns movimentos a pedido do mestre para mostrar a sua competência, incluindo os movimentos de "cintura desprezada", "jogo de floreio" e o "escrete" que era o jogo combinado com o uso dos Balões.

Para terminar, chegava a hora do "Tira-medalha" onde o recém formado jogava com um formado antigo que tentava tirar a sua medalha com qualquer golpe aplicado com o pé. Só então depois de passar por isso tudo é que o aluno poderia se considerar aluno formado de mestre Bimba, tendo direito até de jogar na roda quando o mestre estivesse tocando Iuna que era o toque criado por ele para esse fim. A partir dai só restava o curso de especialização que veremos a seguir.

Especialização

Tinha duração de 3 meses, sendo 2 na academia e 1 nas matas da Chapada do Rio Vermelho. Tratava-se de um treinamento de guerrilha, onde aconteciam as emboscadas, armadilhas e etc. , que consistia em submeter o formado a situações das mais difíceis, desde defender-se de 3 ou mais Capoeiristas, até defender-se de armas.

Terminado o curso, o mestre fazia a mesma festa para os novos especializados, e estes recebiam o lenço vermelho que representava a nova graduação. O aluno que se formava ou se especializava, tinha a obrigação de pendurar um quadro com a foto mestre, do padrinho, do orador, e a própria foto.

Fonte: capoeira_regional.vilabol.uol.com.br

voltar 12avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal