Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Carioteca  Voltar

Carioteca

 

Definição

A Carioteca é o envoltório nuclear, membrana dupla que circunda o nucleoplasma e o material genético.

Carioteca
Núcleo celular interfásico

O que é

O envoltório nuclear, também conhecido como carioteca, cariomembrana ou membrana nuclear (este termo não é muito apropriado, pois é formado na verdade por duas membranas), é uma estrutura que envolve o núcleo das células eucarióticas, responsável por separar o conteúdo do núcleo celular (em particular o DNA) do citosol.

É formada por dois folhetos ou membranas (constituídos por uma bicamada lipídica), um interno e um externo, com um espaço entre eles de 20 a 100 nm de espessura. O folheto externo é contínuo com o retículo endoplasmático rugoso.

Envoltório nuclear, formado por duas membranas interrompidas por poros, que permitem a passagem de macromoléculas como por ex. o RNA e proteínas.

A carioteca (do grego karyon, núcleo e theke, invólucro, caixa) é um envoltório formado por duas membranas lipoprotéicas cuja organização molecular é semelhante as demais membranas celulares. Entre essas duas membranas existe um estreito espaço, chamado cavidade perinuclear.

A face externa da carioteca, em algumas partes, se comunica com o retículo endoplasmático e, muitas vezes, apresenta ribossomos aderidos à sua superfície.

Neste caso, o espaço entre as duas membranas nucleares é uma continuação do espaço interno do retículo endoplasmático.

A carioteca é muito importante porque ela consegue manter as diferentes composições do hialoplasma e do nucleoplasma. Por exemplo, a concentração de RNA-r (que produz os ribossomos) no nucléolo é mantida; da mesma forma, a concentração de inclusões e sais minerais fica no citoplasma. A carioteca oferece ainda uma maior proteção ao material genético, no caso de invasores.

Carioteca
Carioteca: membrana lipoprotéica e porosa que envolve o núcleo

O NÚCLEO CELULAR

No núcleo estão os cromossomos, onde estão "armazenadas" as informações genéticas de cada espécie.

Os seguintes componentes constituem o núcleo celular:

Membrana Nuclear: também chamada de carioteca ou cariolema, a membrana nuclear é uma diferenciação local do retículo endoplasmático, caracterizado pela presença de numerosos poros.

Observada ao microscópio eletrônico, apresenta-se constituída por duas lâminas: a interna, envolvendo o nucleoplasma, e a externa, em contato com o hialoplasma e apresentando ibossomos. Entre as duas membranas situa-se uma cavidade, o espaço perinuclear.

Quimicamente, a carioteca possui a mesma composição do plasmalema e do retículo endoplasmático: contém fosfolipídios e proteínas (membrana lipoprotéica). Através dos poros, são realizadas trocas entre o núcleo e o citoplasma. A quantidade de poros varia com o estágio funcional da célula.

Nucleoplasma: é um gel protéico cujas propriedades são comparáveis às do hialoplasma. Também é chamado de suco nuclear, cariolinfa e carioplasma e pode acumular produtos resultantes da atividade nuclear, como RNA e proteínas.

Nucléolo: são estruturas esféricas e densas, com 1 a 3 mícron de diâmetro, que aparecem imersos no nucleoplasma. Apesar de existirem núcleos com dois ou mais nucléolos, geralmente encontramos um em cada núcleo.

Ao microscópio eletrônico, verifica-se que ele não apresenta membrana e é constituído por uma
porção fibrilar e enovelada, o nucleoplasma. Quimicamente, é constituído por RNA-ribossômico, proteínas e
fosfolipídios, existindo pequena quantidade de DNA.

Juntamente com a carioteca, o nucléolo desaparece no início da divisão celular. No fim da mitose (telófase), o nucléolo reaparece originado de um cromossomo especializado, o chamado cromossomo organizador de nucléolos. O nucléolo é o elemento responsável pela síntese do ácido ribonucléico dos ribossomos (RNAr).

Carioteca

A Carioteca permite a troca de material com o citoplasma. A carioteca, ou membrana nuclear é um envoltório duplo. As duas membranas do conjunto são lipoprotéicas.

A membrana mais externa, voltada ao hialoplasma, comunica-se com os canais do retículo e freqüentemente apresenta ribossomos aderidos.

A carioteca esta presente em toda divisão celular, ela some no início da divisão e só aparece no final do processo. Ela separa o núcleo do citoplasma.

Fonte: Colégio São Francisco

Carioteca

A carioteca (do grego karyon, núcleo e theke, invólucro, caixa) é um envoltório formado por duas membranas lipoprotéicas cuja organização molecular é semelhante às demais membranas celulares. Entre estas existe um estreito espaço, chamado cavidade perinuclear.

A face externa da carioteca, em algumas partes, se comunica com o retículo endoplasmático e, muitas vezes, apresenta ribossomos aderidos à sua superfície.

Neste caso, o espaço entre as duas membranas nucleares é uma continuação do espaço interno do retículo endoplasmático.

A carioteca é perfurada por milhares de poros, através das quais determinadas substâncias entram e saem do núcleo. Os poros nucleares são mais do que simples aberturas. Em cada poro existe uma complexa estrutura protéica que funciona como uma válvula, abrindo-se para dar passagem a determinadas moléculas e fechando-se em seguida. Dessa forma, a carioteca pode controlar a entrada e a saída de substâncias.

A face interna da carioteca encontra-se a lâmina nuclear, uma rede de proteínas que lhe dá sustentação. A lâmina nuclear participa da fragmentação e da reconstituição da carioteca, fenômenos que ocorrem durante a divisão celular.

O que é

A carioteca é a mesma coisa que membrana nuclear(que envolve o núcleo da célula).

Ela é composta por duas membranas lipoproteicas e sua superfície mais externa é composta por pequenos poros que vão ter a função de administrar as trocas de macromoléculas do que tá dentro(do núcleo) pra fora(o citoplasma). 

Composição: lipoproteina.

Estrutura: duas membranas ou folhetos lipoproteicos envoltos no núcleo.

Função: proteger o material genético encontrado dentro do núcleo; delimitar o espaço nuclear e evitar com que se misture com o citoplasma; e controlar a entrada e a saída de substâncias.

Fonte: ucbweb2.castelobranco.br

Carioteca

Qual é a função da membrana nuclear?

A membrana nclear tem dupla camada que envolve o núcleo de uma célula. Também chamado de envelope nuclear.

A principal função da membrana nuclear é para regular o movimento de entrada e saída de substâncias numa célula especialmente entre o núcleo e o citoplasma.

Ela também é acusada de manter o núcleo unido evitando assim qualquer colapso.

O envelope nuclear

O envelope nuclear é uma membrana de duas camadas que inclui o conteúdo do núcleo durante a maior parte do ciclo de vida da célula. A membrana nuclear externa é contínuo com a membrana do retículo endoplasmático (RE), e assim a estrutura, apresenta inúmeras ribossomas ligados à superfície. A membrana externa também é contínua com a membrana nuclear interna desde as duas camadas se fundem em numerosos furos minúsculos chamados poros nucleares que perfuram o envelope nuclear. Estes poros regular a passagem de moléculas entre o núcleo e citoplasma, permitindo alguma para passar através da membrana, mas não outros. O espaço entre as membranas exterior e interior é denominado o espaço perinuclear e está ligado com o lúmen do RE rugoso.

Apoio estrutural está prevista para o envelope nuclear por duas redes diferentes de filamentos intermediários. Ao longo da superfície interior do núcleo, uma das redes é organizada em um revestimento do tipo de rede especial chamado a lamina nuclear, que se liga a cromatina, proteínas de membrana integrais, e outros componentes nucleares. A lâmina nuclear é também pensado desempenhar um papel na direção de materiais no interior do núcleo para os poros nucleares para exportação e na desintegração da membrana nuclear durante a divisão celular e a sua reformação subsequente ao final do processo. A outra rede de filamento intermediário situa-se no lado de fora da membrana nuclear externa e não está organizado de uma maneira tal sistémica como a lâmina nuclear.

A quantidade de tráfego que tem de passar através da membrana nuclear, numa base contínua, a fim de a célula eucariótica para funcionar adequadamente é considerável. RNA e subunidades ribossomais deve ser constantemente transferido do núcleo, onde eles são feitos para o citoplasma, e histonas, proteínas reguladoras de genes, DNA e RNA polimerases, e outras substâncias necessárias para as atividades nucleares devem ser importados do citoplasma.

Uma célula de mamíferos ativo pode sintetizar cerca de 20.000 subunidades ribossomo por minuto, e em certos pontos do ciclo celular, como muitos como 30.000 histonas por minuto são necessários pelo núcleo. A fim de que um número enorme de moléculas de passar através da membrana nuclear de uma forma atempada tal, os poros nucleares deve ser altamente eficiente para permitir seletivamente a passagem de materiais para e do núcleo.

Fonte: www.ask.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal