Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Carrapato  Voltar

Carrapato

 

Carrapato
Carrapato - Boophilus microplus

1. INTRODUÇÃO

O Boophilus microplus, conhecido no Brasil como carrapato dos bovinos, é um parasita que necessita obrigatoriamente passar uma fase de sua vida sobre o bovino, ingerindo linfa, substratos teciduais e sangue. Pertence ao filo Artropoda, classe Aracnida, ordem Acarina, subordem Metastigmata e superfamília Ixodidea, cujos membros, postula-se, desenvolveram-se como parasitas obrigatórios de répteis no final do período paleolítico ou início do mesolítico, em climas quentes e úmidos.

Supõe-se que quando esses répteis se ramificaram em numerosas formas de vida, preenchendo nichos aquáticos e terrestres, seus carrapatos mais primitivos evoluíram em duas principais famílias, Argasidae e Ixodidae. A espécie B. microplus originou-se provavelmente da Ásia, quando mamíferos e pássaros substituíram os répteis como vertebrados dominantes, já no período terciário (Hoogstraal, 1985). Adaptou-se perfeitamente ao clima dos países tropicais, onde o calor e a umidade propiciaram condições favoráveis à sobrevivência e manutenção da espécie (Powel & Reid, 1982)”.

O carrapato dos bovinos é um parasita de alta importância, produzindo perdas diretas e indiretas pela transmissão de doenças e pelo custo de seu combate.

Ainda hoje apresenta alta incidência e prevalência no Brasil e mesmo em países desenvolvidos de clima tropical, como a Austrália, pela complexidade dos fatores envolvidos no seu combate e pelo desconhecimento dos produtores de informações específicas necessárias à adoção de práticas efetivas de controle em suas propriedades (Rocha, 1996).

Este boletim pretende fornecer subsídio para uma visão mais ampla dos fatores ecológicos que interferem na prevalência do B. microplus e que devem ser considerados em um programa de controle.

2. CICLO DE VIDA DO Boophilus microplus

O ciclo de vida do carrapato B. microplus divide-se em fase de vida livre e fase de vida parasitária. A fase de vida livre inicia-se após a queda da teleógina ingurgitada com o período de pré-postura, que tem, em média, duração de dois a três dias, podendo se estender a mais de 90, passando, posteriormente, à fase de ovopostura, que dura em torno de 17 a mais de 90 dias e, em seguida, à fase de eclosão, para a qual são necessários de cinco a dez dias, podendo, no entanto durar até mais de 100. Após o nascimento das neolarvas, é necessário um período de quatro a 20 dias para que se tornem larvas infestantes. Portanto, o tempo de vida livre do carrapato dos bovinos gira em torno de 28 a 51 dias, podendo se estender a mais de 300 dias.

Além disto as larvas podem ficar mais de seis meses sem se alimentar. Em condições timas de temperatura e umidade, a queda/ postura/ eclosão tem duração de um mês (Gonzales, 1974). A fase de vida livre sofre interferências climáticas, trazendo alterações nos seus períodos, que são especialmente afetados pela umidade e temperatura. A fase de vida parasitária é praticamente constante em todas as regiões (Gonzales, 1975).

A fase de vida parasitária inicia-se quando a larva infestante instala-se no hospedeiro passando a ser larva parasitária e transformando-se em metalarva, sendo necessários cinco dias, em média, para esse período, podendo variar entre três a oito dias.

São necessárias várias transformações para que o parasito chegue ao estádio adulto, sendo apresentados, a seguir, os seus respectivos períodos de duração: de metalarva a ninfa (5 a 10 dias, em média 8); de ninfa a metaninfa (9 a 23 dias, 13 em média). Nesta fase, já há diferenciação entre os sexos, e a transformação de metaninfa para neandro necessita de 18 a 28 dias, com 14 dias em média, passando a gonandro em 2 dias, permanecendo no animal por mais de 38 dias. A transformação de metaninfa para neógina é feita em torno de 14 a 23 dias, sendo, em média, de 17 dias, passando à partenógena em três dias e à teleógina em dois dias. O início da queda das teleóginas ocorre no 19o dia da infestação, sendo, em média, entre o 22o e 23o dias (Gonzales,1974).

De forma mais simples, o ciclo do B. microplus para o Brasil-Central é descrito por Furlong (1993). Na fase de vida livre, são necessários em torno de três dias para a pré-postura; de três a seis semanas para a postura; de vinte e dois a trinta dias para a eclosão das larvas e de dois a três dias para o fortalecimento de suas cutículas, transformando-as em larvas infestantes. O autor afirma, ainda, que a cada postura uma fêmea produz de 2000 a 3000 ovos. Na fase parasitária são necessários, em média, de 18 a 26 dias para a fixação, alimentação, troca de cutícula, fase adulta e acasalamento, assim como para a alimentação, ingurgitamento e queda das fêmeas. Os machos permanecem mais tempo sobre o bovino e se acasalam com outras fêmeas.

O ingurgitamento e queda da fêmea do B. microplus são bastante rápidos. Demonstrou-se que, em parte, fêmeas ingurgitadas que têm crescimento de 4-6 mm (10-30 mg), podem atingir um rápido final de ingurgitamento à noite, chegando a 8-11 mm (150-250 mg) e se destacando do animal nas primeiras horas do dia.

Porém, os padrões de ingurgitamento se diferenciam entre as estações, assim como em bovinos estabulados, sugerindo que este sofre uma influência do ambiente externo, principalmente de luz e temperatura. A contagem de carrapatos de 4,5 a 8,0 mm de comprimento em um dia, demonstrou fornecer uma confiável estimativa do número de carrapatos ingurgitados caindo no dia seguinte, e tem sido adotada para a determinação do número de carrapatos nos bovinos(Wharton & Utech, 1970). Segundo Veríssimo e Oliveira (1994), a contagem de carrapatos na região anterior, entre a cabeça e a escápula, tem 90,9% de correlação, simplificando o método de Wharton e Utech (1970).

3. HOSPEDEIROS

3.1. Diferença de resistência entre espécies

O hospedeiro preferencial do B. microplus é o bovino, sendo que as maiores infestações ocorrem em Bos taurus e as menores em Bos indicus. Ovelha, cavalo, veado, cão, cabra, homem e outros também podem ser hospedeiros, mas apenas em épocas de grande infestação nas pastagens (Gonzales, 1974).

Estudos do comportamento do B. microplus em infestações artificiais (UFRRJ) e naturais em bovinos, caprinos e eqüinos (mestiços e nascidos no Estado do Rio de Janeiro) conduzidos em propriedades localizadas nos municípios de Itaguai , Nova Iguaçu e Paracambi, demonstraram que os caprinos e eqüinos podem ser hospedeiros do B. microplus, porém não com a mesma eficiência dos bovinos. No primeiro estudo foram feitas infestações artificiais com larvas de origem bovina e equina, sendo comparadas, posteriormente, não tendo sido possível obter fêmeas ingurgitadas de eqüinos e caprinos infestados artificialmente.

Os parâmetros estudados foram: peso das teleóginas, período de pré-postura, período de postura, peso da postura, número de ovos, índice de produção de ovos, período de incubação, período e percentagem de eclosão. O período de postura e também o período de eclosão foram significativamente maiores nas fêmeas oriundas de eqüinos. O percentual de eclosão não alterou significativamente. Todos os outros parâmetros foram significativamente maiores nas fêmeas oriundas de bovinos (Bittencourt et al., 1990), demonstrando um prolongamento da fase de vida livre e menor produção dos carrapatos oriundos dos eqüinos.

No segundo estudo feito através da infestação natural em propriedades que criavam eqüinos ou caprinos em conjunto com bovinos, verificou-se que a prevalência de B. microplus em eqüinos foi de 4,1%, e em caprinos de 1,3%. Isso demonstra que nesta região estas duas espécies não são hospedeiros alternativos do B. microplus; porém, são capazes de desenvolver pelo menos uma geração em equídeos e podem reinfestar bovinos, dando prosseguimento ao ciclo (Bittencourt et al., 1990).

3.2. Diferenças de graus de infestação nas diferentes regiões do corpo dos bovinos

Os carrapatos não se distribuem de forma homogênea pelo corpo dos animais que parasitam; alguns estudos demonstraram as regiões dos bovinos mais infestadas.

Através de contagens de partenógenas e teleóginas em vacas holandesas preto/ branco, durante 2 anos, Brum et al. (1987) verificaram que 58,8% dos carrapatos localizaram-se nas regiões da virilha, pata traseira e úbere. Os locais menos parasitados foram cabeça, região escapular, costelas e flanco, representando 2,8% do total. No pavilhão auricular, citado como local de preferência do B. microplus por Gonzales (1975), não foi encontrado nenhum parasito.

Comparando-se a resistência de bovinos de seis graus de sangue holandês-guzerá ao carrapato B. microplus, através de contagem no lado esquerdo dos animais, Oliveira e Alencar (1990) incluíram no modelo estatístico os efeitos das regiões corpóreas (RC).

Para tanto, dividiram o animal em três regiões corpóreas e chegaram à seguinte conclusão: o maior número de carrapatos foi encontrado na região posterior (todo o quarto traseiro), seguida da região anterior (da cabeça à região por trás da escápula) e finalmente a região mediana (da pós-escapular pré-crural). Houve também interação entre RC e grupo genético, sugerindo-se que a magnitude das diferenças entre as regiões depende do grupo genético do animal.

3.3. Influência da raça bovina na resistência ao Boophilus microplus

Alguns fatores como sexo, idade, hierarquia e outros, que afetam a resistência dos bovinos aos carrapatos, são discutidos na literatura sendo que um dos de maior importância e com grande consenso entre os autores é a raça.

Vários autores demonstraram a maior resistência dos zebuínos ao carrapato quando comparados aos taurinos (Villares, 1941; Gonzales, 1975; Moraes et al., 1986; Oliveira e Alencar, 1990; Oliveira et al., 1989; Utech et al., 1978; Madalena et al., 1985). Segundo Gonzales (1975), os primeiros a relatarem tal fato foram Wharton et al. (1970). Esta diferença foi demonstrada inclusive nos cruzados, sendo que, quanto maior o grau de sangue zebuíno, maior a resistência ao carrapato (Villares, 1941; Oliveira e Alencar, 1990; Lee, 1979; Utech et al., 1978).

Há diferentes explicações para a diferença da resistência entre taurinos e zebuínos ao carrapato. Segundo Gonzales (1975), muitos técnicos tentaram explicar tal característica, pelo fato dos zebuínos possuírem mais glândulas sebáceas na pele, produzindo odores que afastariam o carrapato, assim como maior mobilidade geral do animal e de sua pele, o que possivelmente faz com que se defenda melhor da infestação. Veríssimo (1991) explicou que o sistema de alimentação da larva de B. microplus depende de uma reação inflamatória que se inicia no momento da fixação da larva. Os zebuínos apresentam uma reação inflamatória mais intensa que o gado europeu e seu comportamento sanguíneo leva-o a proceder a uma autolimpeza mais eficiente, o que contribuiria para um equilíbrio carrapato/hospedeiro, sendo, nestes animais, a infestação mínima. Segundo a autora, não é interessante para o parasita matar o hospedeiro, uma vez que isso afetaria sua própria sobrevivência, comentando que o B. microplus está bem adaptado ao seu hospedeiro natural, o Bos indicus, mas que o Bos taurus foi introduzido em área enzoótica de B. microplus, desenvolvendo um problema agudo por causa da sua incapacidade para controlar o número de parasitas; sugerindo inclusive que animais susceptíveis podem morrer caso não sejam banhados por acaricidas. Moraes et al. (1986) concordam, responsabilizando essa diferença de resistência à maior reação de hipersensibilidade dos zebuínos e uma maior eficiência no ato de autolimpeza.

Estudos sobre a diferença de resistência das raças bovinas européias, nacionais e zebuínas ao B. microplus demonstraram que o primeiro grupo é mais susceptível que os demais, inclusive havendo diferença entre a susceptibilidade de cada raça dentro dos grupos, assim como diferenças individuais dentro da mesma raça. Os critérios de comparação utilizados foram o número e tamanho dos carrapatos, acima de 4,0 mm (Villares, 1941), ou seja, contaram-se apenas as teleógenas.

Os resultados da comparação da susceptibilidade natural de zebuínos da raça Gir com a de taurinos da raça Holandesa em condições de elevada tensão ambiental de infestação, demonstraram que na interpretação ecológica da dinâmica da interação de carrapatos, ambiente e bovino, vê-se que os taurinos contribuíram diariamente com pelo menos 15 vezes o número de teleógenas caídas no pasto, comparado aos zebuínos que teriam 15 vezes maior eficiência para se livrar destas larvas. Além disso, entre a 6a e 8a semanas, morreram os dois taurinos mais susceptíveis, e os mais resistentes no 63o e 110o dias. Os zebuínos todos sobreviveram, apresentando apenas dermatite e emagrecimento. Os autores observaram que não houve diferença significativa entre os grupos quanto a endoparasitas e outros ectoparasitas que pudessem contribuir para o estado mórbido ou a mortalidade observadas (Moraes et al., 1986).

Segundo o desenvolvimento do estudo acima, os autores observaram os seguintes resultados parciais: duas semanas após o início do estudo, a carga parasitária dos taurinos já era maior que a dos zebuínos; na 6a semana, a contagem média de partenógenas era da ordem de 15 vezes maior nos taurinos, nos zebuínos as contagens médias de larvas e ninfas apresentaram picos da ordem de 1/4 dos encontrados em taurinos; o número de carrapatos adultos permaneceu próximo de zero nos zebuínos, mas não nos taurinos (Moraes et al., 1986).

A resistência não afeta apenas a contagem de carrapatos. As fêmeas ingurgitadas produzidas por bovinos da raça Santa Gertrudis apresentavam dimensões (comprimento, largura e altura) e peso menores que aquelas produzidas em animais da raça Aberdeen Angus (Maraday & Gonzales, 1984).

Comparando-se a resistência das raças Canchim e Nelore, através de infestação artificial (Oliveira & Alencar, 1990) e infestação natural, (Oliveira et al., 1989) demonstraram que a diferença ocorre em qualquer estação do ano e há efeito significativo na interação raça X estação. Guaragna et al. (1992) também observaram os efeitos de ano, estação e raça, estudando infestações artificiais em tourinhos holandeses e mantiqueiras, de 1 e 2 anos, sendo os primeiros considerados menos resistentes, apesar das duas raças serem consideradas suscetíveis. Neste estudo, não houve diferença significativa para a idade.

4. MEIO AMBIENTE

4.1. Influência dos fatores sazonais no ciclo do Boophilus microplus

Vários autores demonstraram a influência dos fatores sazonais no ciclo de vida dos carrapatos e a conseqüente diferença de infestações nos animais, de acordo com o clima da região em que vivem e com a época do ano. Como visto anteriormente, a fase de vida livre é bastante influenciada, principalmente pela temperatura e umidade.

Foi demonstrado que contagens de carapatos em bovinos, em condições experimentais padronizadas, quando feitas na mesma estação do ano, apresentavam maior correlação (0,39-0,40) que em estações diferentes (0,24). Observou-se que há influência da carga de carrapatos sobre a correlação, sendo máxima quando igual a 185 carrapatos/animal. O aumento do tempo decorrido entre as contagens diminuiu a correlação (Madalena et al, 1985). Oliveira et al. (1989) demonstraram que, além do efeito relacionado às estações do ano, há diferença significativa na interação raça X estação.

O clima da região Sudeste do Brasil permite o desenvolvimento e a sobrevivência do carrapato durante o ano todo, em níveis mais que suficientes para causar perdas. Porém, o período seco, de temperaturas mais baixas, entre os meses de abril e setembro, prejudica o desenvolvimento da fase de vida livre, fazendo com que o ciclo se alongue (Furlong, 1993).

Estudos sobre a biologia, ecologia e controle do B. microplus no município de Pedro Leopoldo -MG, no período de novembro de 1983 a novembro de 1987, detectaram quatro gerações de carrapatos, encontrando larvas nas pastagens e infestações nos animais durante todo o ano. Todos os períodos da fase não parasitária mostraram-se altamente influenciados pelas condições climáticas, sendo mais longos nos meses frios (março a julho) e mais curtos nos mais quentes (setembro a março) (Magalhães, 1989).

Distinguiram-se dois picos principais do B. microplus, examinando-se bovinos em quatro fazendas na região metalúrgica de Minas Gerais, próximas a Belo Horizonte; o primeiro de setembro a dezembro, final do período seco e início das chuvas, e o segundo nos meses de abril, maio e junho, após as chuvas mais intensas e início da seca (Moreno, 1984).

Na Estação Experimental de Pindamonhangaba/SP, Guaragna et al. (1988) encontraram um efeito altamente significativo entre estação do ano X número de carrapatos, com as seguintes médias:

Primavera: 21,73;
Verão:
73,75;
Outono:
93,10 e
Inverno:
9,2.

Sendo a infestação média encontrada de 49,58 ± 6,48 teleóginas / animal. Para este estudo foram utilizadas novilhas leiteiras do tipo Mantiqueira, infestadas naturalmente por B. microplus.

Pode-se concluir que na Região Sudeste há quatro gerações de carrapatos que se desenvolvem por todo ano, tendo seu ciclo de vida mais curto e maiores infestações na “época das águas”, ou seja, nos meses entre setembro e março; portanto, a época mais recomendada para proceder ao controle químico de forma estratégica.

Em estudo realizado no município de Pelotas/RS, através de contagens de partenógenas e teleóginas em vacas holandesas preto e branco, de março de 1980 a fevereiro de 1982, Brum et al. (1987) encontraram três gerações de carrapatos por ano, tendo no outono o maior pico. Em sua discussão, diz que tendo encontrado a geração maior entre os meses de março a abril, seus resultados guardam coincidência com os achados de Sutherst e Moorhouse (1972), que encontraram as maiores infestações entre março e junho. Reportando a Brum et al. (1987), que observou maiores índices de postura e eclosão entre dezembro e fevereiro nesta região, comprovando que fêmeas caídas nesta época foram responsáveis pela produção de larvas que deram o pique no outono. Já as teleóginas que caíram no outono, tiveram índices de postura e eclosão baixos ( Brum et al., 1987) e, por isso, havia poucas larvas viáveis na primavera.

A variação sazonal do B. microplus no Planalto Catarinense (Lages) foi estudada no período de março de 1979 a fevereiro de 1982, tendo sido encontrados os menores níveis de infestação de agosto a novembro e os maiores de janeiro a abril, sendo a correlação entre os três anos superior a 76% (Souza et al., 1988).

Os autores demonstraram que seus achados se explicam pela baixa ocorrência de eclosão nos períodos de abril a agosto e da concentração destas eclosões entre janeiro e fevereiro, fenômeno verificado por Souza et al. (1986).

Os meses que apresentaram maiores infestações na Região Sul do país foram de janeiro a junho; isso vem demonstrar a influência do clima da região no ciclo de vida do carrapato; portanto, há a necessidade do conhecimento do clima onde se pretende proceder a um controle efetivo.

4.2. Influência das pastagens na viabilidade do estádio de vida livre do Boophilus microplus

Vários estudos foram feitos para verificar a influência de certas pastagens na sobrevivência dos estádios de vida livre dos carrapatos, assim como a relação com o grau de infestação dos bovinos mantidos em pastagens de diferentes espécies.

Espécies que têm alto poder letal para larvas de B. microplus foram demonstradas através dos seguintes resultados: Melinis minutiflora (Beauvois) (capim-gordura ou meloso) produziu 10% de mortalidade nas larvas em dez dias e Brachiaria brizantha (Hochstetter ex A Richard) Stapf (capim-morundu) 80,71% de larvas mortas no dia cinco da infestação. Os autores observaram que o Andropogon gayanus (andropogon) não apresentou efeito prejudicial às larvas (Barros e Evans, 1989).

Thomson et al. (1978) estudaram várias espécies de pastagem, demonstrando seus efeitos nas larvas de vida livre de B. microplus e sugerindo sua utilização no controle, de acordo com a situação epidemiológica encontrada, como será apresentado a seguir: Melinis minutiflora reduziu severamente a população de carrapatos, levando ao risco de diminuição da imunidade contra agentes de doenças por eles transmitidos, sendo aconselhado para regiões marginais s zonas de carrapatos e Andropogon gayanus pareceu reduzir a infestação inicial e mantê-la constantemente baixa, além de demonstrar um curto período de sobrevivência de larvas de apenas 12 dias, sugerindo-o para zonas endêmicas. Brachiaria decumbens (Stapf) e Hyparrhenia rufa (Nees) Stapf (capim-jaraguá ou provisório) tiveram infestação inicial alta e a mantiveram alta por longo período. Penisetum clandestinum (Hochstetter ex Chiovenda) e Cynodon dactylon (Pers.) (grama-estrela) podem ter alguma propriedade contra carrapatos, pois tiveram uma infestação mais alta que o capimgordura, porém menor que a brachiaria e o jaraguá. Nessas gramíneas houve a manutenção da infestação e não a completa eliminação das larvas, como no caso do capim-gordura. Brachiaria decumbens é a que manteve a infestação em níveis mais altos e por mais longo tempo, além de ter apresentado a maior média de dias de larva infestante.

Certos genótipos de Stylosanthes sp. não só aumentam a mortalidade de B. microplus (larvas) e Ammblyomma variegatum (larvas e ninfas), como previnem que tenham acesso ao hospedeiro. Dos 15 genótipos testados, o S. scabra (Vog.) e o S. viscosa (Sw.) foram os que demonstraram maior poder de letalidade e o S. guianensis (Sw.) menor efeito, concluindo-se que a utilização de Stylosanthes integrada com outros métodos de combate ( como acaricidas) deve ser examinada (Zimmerman et al., 1984).

Outro estudo corrobora o fato de que Melinis minutiflora (capimgordura), S. scabra e S. viscosa têm poder de repelência e morte (mais promissoras para o controle) e ainda que a antixenose por S. scabra impede que as larvas subam nas folhas. O capim-gordura e o S. viscosa também afugentam as larvas que tenham conseguido subir. O capim-elefante é favorável à sobrevivência das larvas, assim como a brachiaria em menor intensidade. Concluiu também que o número de larvas infestantes decresce com o passar do tempo em todas elas e que o capim-gordura, em 20 dias, reduziu o número de larvas infestantes a 4,7% no verão e 30,3% no outono (Farias et al.,1986).

A mesma autora observou que no outono todas tiveram um número superior de larvas.

As causas citadas para explicar este comportamento foram: ajustes do experimento; a diminuição da atividade glandular da forrageira e a diminuição do metabolismo das larvas com menor desgaste energético. Foi observado também que Stylosanthes scabra foi o que teve o comportamento mais homogêneo no verão e outono.

O Stylosanthes tem um potencial para combate aos carrapatos (diminui a chance de bons sítios de oviposição, diminuindo, assim, a viabilidade da reprodução); porém, este potencial pode ser afetado por vários fatores (crescimento, fungos, queimadas e outros), deixando claro que não substitui o combate químico ou a resistência do hospedeiro, mas pode ser usado como mais um fator no combate integrado (Sutherst e Wilson).

O capim-gordura tem um efeito repelente para larvas de carrapatos Boophilus australis, que pode ser considerado incompleto, pois não impede que estas subam no capim. No caso das larvas serem mortas por prolongada exposição ao capim em condições naturais e artificiais, apenas o cheiro não tem poder deletério suficiente. A morte das larvas por exposição parece ser pela exaustão daquelas que ficam grudadas na secreção e por asfixia. As plantas novas por terem maior número de pêlos glandulares que secretam óleo devem apresentar maior efeito (De Jesus, 1934).

Foram encontradas contagens mais altas de carrapatos B. microplus em animais em pasto de Brachiaria decumbens que aqueles que se encontravam em pastos de Andropogon guayanus, Melinis minutiflora ou pastagens naturais. As contagens de larvas nas pastagens demonstraram uma tendência similar. O estudo foi conduzido em área de savana na Colômbia, em animais padronizados em peso e em outros parâmetros de saúde, inclusive sanguíneos (Aycardy et al., 1984).

Podemos concluir, portanto, que: Melinis minutiflora (capimgordura) tem poder repelente incompleto pelo cheiro e letalidade por exaustão e asfixia, e a Brachiaria brizantha (capim-morundu) tem poder de letalidade, mas não de repelência, segundo vários autores citados acima. Andropogon gayanus, segundo Barros e Evans (1989), não demonstrou qualquer atividade contra carrapato, já segundo Thomson et al. (1978), mantém a infestação em níveis baixos constantemente.

Brachiaria decumbens e Hyparrhenia não têm qualquer efeito contra carrapatos. Pennisetum clandestinum e Cynodon dactylon podem ter alguma propriedade contra carrapatos, mas mantêm a infestação, não eliminando-a por completo. Brachiaria decumbens é a que mantém a infestação em níveis mais altos e por mais longo tempo, além de ter a maior média de dias de larva infestante, quando comparada com capim-gordura, capim-andropogon, capim-jaraguá, grama-estrela e Pennisetum clandestinum (Thomson et al., 1978). Segundo Farias et al. (1986), a brachiaria é favorável à sobrevivência das larvas, porém em menor intensidade que o capim elefante. Alguns genótipos de Stylosanthes têm efeito carrapaticida e dificultam o acesso de larvas ao hospedeiro, sendo o S. scabra e o S. viscosa os mais eficientes e o S. guianensis o que apresenta menor efeito.

5. NOTA DO AUTOR

As informações acima demonstram que há de se considerar vários fatores que influenciam a prevalência e incidência do B. microplus nos rebanhos bovinos.

Todos estes fatores devem ser considerados na tentativa de melhorar o combate a este parasita, que vem causando perdas bastante significativas em nível de rebanhos, Estados e país. É necessário que os conhecimentos sobre a biologia dos carrapatos sejam transmitidos aos produtores, de maneira que estes possam perceber que há formas de controle viáveis destes parasitas e não utilizem os carrapaticidas sem qualquer critério (Rocha, 1996).

É necessário também que os profissionais não esqueçam que, além dos fatores biológicos abordados que foram apresentados nesta revisão, há de se preocuparem com os fatores de resistência aos carrapaticidas, que devem ser escolhidos através de testes de eficiência e considerando-se fatores sócio-econômico-estruturais, como por exemplo o conhecimento sobre a biologia e formas de combate daqueles a quem se está dando assistência, a importância que estes dão a este controle e as formas de produção em que se estão implementando quaisquer medidas para garantir a viabilidade e eficiência de controles sugeridos, de acordo com as realidades encontradas.

Para aqueles que se interessam pelo assunto, é recomendável a leitura de Furlong (1993); Rocha (1996); Cordobés (1997); Rocha (1997) e a busca de bibliografias sobre controle estratégico para o B. microplus ou controle integrado de parasitas.

Christiane M.B.M. da Rocha

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AYCARDI, E.; BENAVIDES, E; GARCIA, O. et al. B. microplus tick bardens on grazing cattle in Colombia. Tropical Animal Heallth and Producion, Essex, v.16, n.2, p.78-84, 1984.
BARROS, A.T.M. e EVANS, D.E. Ação de gramíneas forrageiras em larvas infestantes do carrapato dos bovinos, B. microplus. Pesquisa Veterinária Brasileira, Seropédica, RJ, v.9, n. 1/2, p.17-21, 1989.
BITTENCOURT, A.J.; FONSECA, A.H.; FACCINI, J.L.H.; BUENO, B.H. Comportamento do B. microplus (Canestrini, 1887) (Acari) em infestações anrtificais e naturais em diferentes hospedeiros. Arquivo Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v.13, n.2, p.173-182, 1990.
BRUM, J.G.W.; COSTA, .P.R.P.; RIBEIRO, P.B.; GONZALES, J.C.. Flutuação sazonal de B. microplus (Canestrini, 1887) no município de Pelotas, RS. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v.39, n.6, p.891-896, 1987.
CORDOVÉS. C.O. Carrapato: controle ou erradicação. 2 ed. Rio Grande do Sul: Agropecuária, 1997. 176p.
De JESUS, Z. The repellent and killing effects of gordura grass on larvaeof cattle tick B. australis. Journal Animal Industry, v.1, p.193-207, 1934.
FARIAS, N.A.R.; GONZALES, J.C. e SAIBRO, J.C. Antibiose e antixenose entre forrageirs e larvas de carrapatos de boi. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.21, n.12, p.1313-1320, dez.1986.
FURLONG, J. Controle do carrapato dos bovinos na região Sudeste do Brasil. Caderno Técnico da Esc. Veterinária UFMG, n.8, p.49-61, 1993.
GONZALES, J.C. O controle dos carrapatos dos bovinos. Porto Alegre: Sulina, 1975. 104p.
GONZALES, J.C. O carrapato do boi: vida, resistência e controle. São Paulo: Mestre Jou, 1974. 101p.
GUARAGNA, G.P.; CARVALHO, J.B.P.; FIGUEIREDO, A.L. GAMBINI,L.B.; BARBOSA,M.I. de A. Efeito dos fatores genéticos e ambientes na nfestação natural de carrapatos (B. microplus, Canestrini) em bovinos leiteiros. Boletim de Indústria Animal, São Paulo, v.45, n.1, p.19-32, jan./jun. 1988
GUARAGNA, G.P., CARVALHO, J.B.P., GAMBINI, L.B. e BARBOSA, M.I.A Efeito dos fatores genéticos e ambientes na nfestação natural de carrapatos (B. microplus, Canestrini) em bovinos leiteiros. Boletim de Indústria Animal, São Paulo, v.49, n.2, p.73-82, jul./dez. 1992.
LEE,B. Resistant cattle for tick control. Rural Research, Melbourne, v.105, n.12, p.4-7, 1979.
MADALENA, F.E.; TEODORO, R.H.; LEMOS, A.M.; OLIVEIRA, G.P. Causes of variation of field burdens of cattle ticks (B. microplus). Revista Brasileira de Genética, Ribeirão Preto, v.VIII, n.2, p.361-75, 1985.
MAGALHÃES, F.E.P. Aspectos biológicos e de controle do Boophilus microplus (Canestrini, 1887) no município de Pedro Leopoldo-MGBrasil. Belo Horizonte: Intituto de ciências Biológicas da UFMG, 1989. 117p. (Tese de doutorado)
MARADAY, J.A.O.; GONZALES, J.C. Efeitos das raças Santa Gertrudis e Aberdeen Angus em infestações de B. microplus (Canestrini, 1887): IDimensões e peso das fêmeas ingurgitadas. Arquivos da Faculdade de Veterinária. UFRGS, Porto Alegre, v. 12, n.12, p.127-38. 1984.
MORAES, F.R., COSTA, A.J., WOELZ, C.R. et al. Ecologia de carrapato. XV: Suscetibillidade natural comparativa entre taurinos e zebuinos a B. microplus (Canestrini) (Acari: Ixodidae). Ars Veterinária, Jaboticabal, v.2, n.1, p.45-53, 1986.
MORENO, E.C. incidência de ixodídeos em bovinos de leite e prevalência em animais domésticos da Região metalúrgiac de Minas Gerais. Belo Horizonte. Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, 1984. 105p. (Dissertação de mestrado)
OLIVEIRA, G.P.; ALENCAR, M.M. Resistência de bovinos de seis graus de sangue Holandês-Guzerá ao carrapato (Boophilus microplu) e ao berne (D. hominis). Arquivo Brasileiro Medicina Veterinária Zootecnia, Belo Horizonte, v.42, n.2, p.127-35, 1990.
OLIVEIRA, G.P., ALENCAR, M.M., FREITAS, A.R. Resistência de bovinos ao carrapato B. microplus II. Infestação natural. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.24, n.10, p.1267-1271, 1989.
POWELL, R.T. e REID, T.J. Project tick control. Queensland Agricultural Journal, Brisbane, v.108, n.6, p.279-300, 1982.
ROCHA,C.M.B.M. Caracterização da percepção dos produtores de leite do município de Divinópolis/MG sobre a importância do carrapato Boophillus microplus e fatores determinantes das formas de combate utilizadas. Belo Horizonte. Esc. de Veterinária- UFMG, 1996. 205p. (Dissertação de mestrado).
ROCHA,C.M.B.M. O carrapato dos bovinos. Lavras: UFLA, 1997. 27p.Boletim Técnico: Série Extensão da Universidade Federal De Lavras, ano VI, n.06, 1997.
SOUZA, A.P.; GONZALES, J.C.; RAMOS, C.I. PALOSCHI,C.H.G.; MORAES, A.N.de. Variação sazonal de B. microplus no Planalto Catarinense. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.23, n.6, p.627-630, jun. 1988.
THOMPSON, K.C.; ROA, J.E.; ROMERO, T.N. Anti-tick grasses as the basis for developing practical tropical tick control packages. Tropical Animal Health and Production, Essex, v.10, n.3, p. 179-82. 1978.
UTECH, K.B.W., WHARTON, R..H., KERR, D.J. Resistance to B. microplus (Canestrini) in different breeds of cattle. Australian Journal Agricultural Research., East Melbourne, v.29, n.4, p.885-95, 1978.
VERÍSSIMO, C.J. Resistência e suscetibilidade de bovinos leiteiros mestiços ao carrapato Boophilus microplus. Jaboticabal: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias - UEP, 1991. 170p. (Dissertação- Mestrado em Produção Animal)
VERÍSSIMO, C.J; OLIVEIRA, A. D. Método simplificado decontagem para avaliar a resistência de bovinos ao carrapato Boophilus microplus. Boletim de Indústria Animal, São Paulo,v.51, n.2, p.169-73, 1994.
VILLARES, J.B. Climatologia Zootécnica. III. Contribuição ao estudo da resistência e susceptibilade genética dos bovinos ao B. microplus. Boletim de Indústria Animal, São Paulo,v.4, n.1, p.60-79, jan/jun. 1941.
WHARTHON, R.H., UTECH, K.B.W., TURNER, H.G. Resistance to the cattle tick, B. microplus, in a herd of Australian Illawarra Shorthorn cattle: its assessment and herdability. Australian JournaL Agriculture Research., East Melbourne, v.21, n.1, p.163-81, 1970.
WHARTHORN, R.H.; UTECH, K.B.W. The relation between engorgement and dropping of B. microplus (Canestrini) (Ixodidae) to the assessment of tick numbers on cattle. Journal Australian Entomology Society., v.9, p.171-182, 1970.
ZIMMERMAN, R.H.; GARRIS, G.I.; BEAVER, J.S. Potential of Stylosantes plants as a component in an integrated pest management approach to tick control. Preventive Veterinary Medicina, Amsterdam, v.2, n.1/4, p.579-88, 1984.

Fonte: www.editora.ufla.br

Carrapato

São os carrapatos descritos em Zoologia na Ordem dos Acarina, e encontram-se difundidos por toda a Terra, e concomitantemente à sua atividade hematófaga, intervém também como transmissores de muitos outros agentes causadores de doenças, como vírus, bactérias, protozoários e riquétzias, funcionando portanto como vetores de doenças, tanto aos animais como ao homem.

Geralmente têm a forma oval, e quando em jejum são planos no sentido dorso-ventral, porém quando repletos de sangue de seus hospedeiros, pois é o sangue seu alimento, apresentam-se então convexos e até esféricos.

Algumas espécies podem ter até 25 mm de diâmetro, e sua carapaça quitinosa de revestimento, verdadeiro exo-esqueleto, é firme e resistente, relativamente à sua pouca espessura.

Algumas espécies permanecem toda vida adulta sobre seus hospedeiros, e por isso classificados como parasitas permanentes, outros abandonam-no após haverem sugado sangue e então são classificados como parasitas temporários, melhor dizendo, ecto-parasitas temporários, pois vivem na cobertura pilosa dos mamíferos, seus hospedeiros, apenas parte de seus ciclos biológicos de vida.

O carrapato tem um ciclo de vida movimentado. Após uma refeição de sangue, a fêmea põe os ovos no solo. Deles nascem larvas, que utilizam suas seis pernas para alcançar um animal que passa.

À medida que vão se alimentando de sangue, as larvas transformam-se em ninfas, algumas com oito patas.

Os danos que podem causar à saúde de seus hospedeiros, são de:

Natureza espoliativa: Pela quantidade de sangue que podem retirar no ato de sugar, o que é diretamente proporcional não só a quantidade de carrapatos presentes sobre o hospedeiro, como também à sua voracidade e tamanho;
Ação tóxica:
Causada pela natureza da saliva dos carrapatos, que para sugarem sangue por assim dizer injetam sua própria saliva no ponto em que introduzem seu aparelho sugador, para impedir a coagulação do sangue de suas vítimas, e essa saliva muitas vezes pode causar ação não apenas irritante como também tóxica ou alérgica;
Ação patogênica:
Conseqüente à possibilidade que existe de se encontrarem infectados por agentes outros causadores de enfermidades, taiscomo vírus, riquetzias, etc. e então transmitirem junto à picada também moléstias outras.

Concomitantemente ao parasitismo por carrapatos, evidencia-se uma imunidade específica nos animais atacados, estando os animais velhos mais protegidos que os jovens, e os importados menos que os autóctones de uma determinada região, à uma determinada espécie também de carrapato.

Dentre as espécies mais comuns, podemos citar:

Argas

Com o denominado A. persicus, que ocorre em todo o Brasil, e parasita preferentemente aves domésticas e selvagens, além do homem. É o transmissor para as aves, da Espiroquetose aviar. Transmite também à pombos, infecção paralítica (Salmonella typhimurium), que pode permanecer latente vários meses nesse parasita.

Dermacentor

Neste gênero, está incluído o:

Dermacentos marginatus: Hospedeiro do cavalo, cão e ovelha, é encontrado na Alemanha e zonas pantanosas do Hesse, além da Hungria, onde é apontado como transmissor da Piroplasmose esporádica do cavalo (Babesia caballi).
Dermanyssus gallinae:
Vulgarmente chamado de ácaro vermelho das aves, vive geralmente em galinheiros sem higiene, atacando pombos e galinhas, além de faisões, patos, gansos e aves canoras engaioladas; Durante o dia permanecem escondidos em fendas das instalações onde as aves se alojam, para saírem a noite, para saciarem seu apetite de sangue, retornando a seus esconderijos quando o estômago estiver cheio.
Haemaphysalis:
Encontrado na Alemanha e no Oriente Médio, sendo o transmissor da Febre Q.
Hyalomma:
Geograficamente encontrados na África, Ásia e região mediterrânea da Europa, na maioria dos casos utilizam-se de dois hospedeiros, principalmente cães e outros carnívoros e são transmissores da babesiose ao cão e aos eqüinos , assim como a Teileriose.
Ornithodorus:
Este parasita localiza-se quase sempre no pavilhão auricular de seus hospedeiros, e lhes transmite a febre recorrente, causada por um espiroqueta e também a Febre das Montanhas Rochosas (Riquetziose) nos EUA.
Rhipicephalus:
O exemplar mais importante desse gênero, é o Rhipicephalus sangüíneas transmissor da Teileriose e Piroplasmose ao cão. É encontrado no Brasil e na África , e em algumas zonas temperadas do mundo.
Ixodes:
Encontrado parasitando os mais diversos animais mamíferos, inclusive aves domésticas e selvagens, répteis e o homem. A ação tóxica manifesta-se clinicamente por reações cutâneas com prurido e eritema, febre, podendo chegar até a paralisias com contraturas, algumas vezes podendo ter curso mortal.

A encefalite humana, pode ser transmitida inclusive por carrapatos, a partir de portadores do vírus, tais como toupeira, ratos e aves, ao serem sugado sangues contaminados.

A espécie Ixodes ricinus - assim como outras espécies do gênero Dermacentor, são os causadores da moléstia denominada Paralisia por carrapatos, em várias espécies animais, sobretudo na ovelha e no homem (crianças);

Parece somente terem tal atividade as fêmeas de carrapato , pouco antes de iniciarem a postura, quando se fixando na região occipital, na proximidade da coluna vertebral próximo do centro respiratório, podem provocar falta de coordenação motora no ato de andar, com tombos e mesmo incapacidade de permanecer em pé, seguindo-se vômitos e até morte do doente.

O diagnóstico da infestação por esse parasita é muito fácil, efetuado pela simples visualização com vista desarmada desse hóspede, de permeio à pelagem ou plumagem dos animais, cuja presença também provoca coceira, a qual é concomitantemente notada nos hospedeiros, esta maior ou de menor intensidade, de acordo com a sensibilidade individual de cada hospedeiro parasitado. Quando o parasitismo é pequeno, a aplicação de graxas neutras, óleos ou glicerina, provocarão a oclusão dos estigmas respiratórios desses hóspedes indesejáveis, que após algumas horas facilmente se desprenderão dos locais em que estejam alojados.

Já sendo a infestação em grande quantidade , somente a aplicação de banhos sob a forma de imersão em banheiras especiais, denominados banheiras carrapaticidas, ou então a aspersão ou pulverização de substâncias especiais, denominadas carrapaticidas, poderá efetuar a eliminação desses hóspedes nocivos.

Até pouco tempo atrás era utilizado o arsênico como carrapaticida, porém devido os acidentes que ocorreram por incúria na sua aplicação, foi o mesmo abandonado como meio de tratamento; Algum tempo depois, também o DDT e o BHC, substâncias essas sintéticas cloradas e fosforadas foram também utilizadas como carrapaticidas, que também foram abandonadas pela ocorrência de intoxicações e mesmo mortes em animais tratados, e pelo efeito efetivamente cumulativo no organismo dessas substâncias.

Hoje, substâncias fosforadas sintéticas como o Assuntol, Trolene, Ruelene e Neguvon são as mais utilizadas como carrapaticidas em todo o mundo.

Para a prevenção dessa parasitose, os meios que melhor tem funcionado, são as aplicações sistemáticas de carrapaticidas nos animais. Para tal, as modernas banheiras carrapaticidas quer de imersão quer de aspersão ou pulverização são os melhores; As aplicações, devem guardar um intervalo característico para cada espécie animal, assim como ter-se em conta a espécie do carrapato a ser exterminado ou controlado.

Em se tratando de cães ou gatos parasitados por carrapatos, deve ser tomado especial cuidado na prescrição do inseticida a ser utilizado para seu combate, pelo fato de serem tais animais carnívoros, e por isso especialmente sensíveis às substâncias sintéticas cloradas ou fosforadas usualmente fabricadas para referida utilização.

Além desse cuidado, redobrada atenção durante a aplicação do inseticida é também indicada, evitando-se que o animal ingira ou aspire o produto na hora de sua aplicação, sob pena de intoxicações muitas vezes graves causadas por tais produtos quando acidentalmente absorvidos.

Quando a infestação for leve, existem no mercado produtos específicos para cães e gatos, aplicados na forma de pulverização por todo o corpo do animal ou diretamente na nuca do mesmo, que se seguidas devidamente as instruções, não oferecem riscos de intoxicação ao animal.

Fonte: www.grupogeographic.com.br

Carrapato

Carrapato
Fêmea de Boophilus microplus. É o famoso "caroço de feijão",
é um carrapato de bovinos, mas também infesta os cavalos.
Esta fêmea, cheia de sangue e grávida, cai na pastagem e põe milhares de ovos que vão originar mais carrapatos

Carrapato
Macho e fêmea do carrapato boophilus microplus

Os carrapatos são os mais inconvenientes de todos, causam lesões e coceiras, atacam o homem, são feios e desagradáveis e transmitem doenças graves, o combate efetivo é importante e nem sempre fácil.

Geralmente têm a forma oval, e quando em jejum são planos no sentido dorso-ventral, porém quando repletos de sangue de seus hospedeiros, pois é o sangue seu alimento, apresentam-se então convexos e até esféricos.

Algumas espécies podem ter até 25 mm de diâmetro, e sua carapaça quitinosa de revestimento, verdadeiro exo-esqueleto, é firme e resistente, relativamente à sua pouca espessura. As fêmeas adultas podem colocar de 2000 a 8000 ovos, que eclodem em 2 a 7 semanas, as larvas se alimentam por 3 a 12 dias e então caem do hospedeiro, ficando no ambiente por 6 a 90 dias.

Os adultos tem em média 19 meses de duração de vida. Se o complicado ciclo de vida for interrompido, o carrapato pode sobreviver longos períodos ou hibernar no inverno, e o ciclo pode se estender por 2 a 3 anos.

Algumas espécies permanecem toda vida adulta sobre seus hospedeiros, e por isso classificados como parasitas permanentes, outros abandonam-no após haverem sugado sangue e então são classificados como parasitas temporários, melhor dizendo, ecto-parasitas temporários, pois vivem na cobertura pilosa dos mamíferos, seus hospedeiros, apenas parte de seus ciclos biológicos de vida.

O aparelho bucal do carrapato leva a intensa reação inflamatória no local da picada e a saliva pode causar a paralisia do carrapato, mas o mais preocupante são as doenças disseminadas pelo carrapato e as mais importantes são: a babesiose, a erlichiose, a tularemia e a anaplasmose.

A ação tóxica causada pela natureza da saliva dos carrapatos, que para sugarem sangue por assim dizer injetam sua própria saliva no ponto em que introduzem seu aparelho sugador, para impedir a coagulação do sangue de suas vítimas, e essa saliva muitas vezes pode causar ação não apenas irritante como também tóxica ou alérgica.

A ação patogênica, conseqüente à possibilidade que existe de se encontrarem infectados por agentes outros causadores de enfermidades, tais como vírus, riquetzias, etc e então transmitirem junto à picada também outras moléstias. Concomitantemente ao parasitismo por carrapatos, evidencia-se uma imunidade específica nos animais atacados, estando os animais velhos mais protegidos que os jovens.

Normalmente a infecção não é crônica e não causa grandes problemas exceto quando o animal é submetido a stress ou imunosupressão, quando ela se manifesta de forma aguda.

Os principais sinais são:

Anemia hemolítica,
Febre, letargia e inapetência,
Mucosas pálidas,
Urina escura (marrom),
Esplenomegalia (aumento do baço) e ocasionalmente hemoglobinúria secundária a ruptura de ..eritrócitos.
Nódulos linfáticos aumentados também podem ser notados, ..especialmente se infecção tiver a presença de outro parasito, a Ehrlichia canis.

Doenças e Sintoma

Babesiose Falta de apetite, febre, apatia. Pode ocorrer no homem.
Erliquiose Febre, inchaço nas articulações.Pode ocorrer no homem 
Doença de Lyme Quando não tratada pode atingir o sistema nervoso e provocar meningite, paralisia da face, problemas cardíacos e artrites.
Paralisia do carrapato A Paralisia ascendente.Pode ocorrer no homem

Até pouco tempo atrás era utilizado o arsênico como carrapaticida, porém devido os acidentes que ocorreram por incúria na sua aplicação, foi abandonado como meio de tratamento.

Hoje, substâncias fosforadas sintéticas como o Assuntol, Trolene, Ruelene e Neguvon são as mais utilizadas como carrapaticidas em todo o mundo.

Para a prevenção dessa parasitose, os meios que melhor tem funcionado, são as aplicações sistemáticas de carrapaticidas nos animais, quer de imersão quer de aspersão ou pulverização.

As aplicações, devem ter um intervalo característico, conforme orientação do veterinário, bem como a prescrição do inseticida a ser utilizado para seu combate, pelo fato de serem tais animais carnívoros, e por isso especialmente sensíveis às substâncias sintéticas cloradas ou fosforadas usualmente fabricadas para referida utilização.

Deve-se evitar que o animal ingira ou aspire o produto na hora de sua aplicação, para não ocorrer intoxicações muitas vezes graves causadas por tais produtos quando acidentalmente absorvidos.

Quando a infestação for leve, existem no mercado produtos específicos para cães e gatos, aplicados na forma de pulverização por todo o corpo do animal ou diretamente na nuca do mesmo, que não oferecem riscos de intoxicação ao animal.

Fonte: www.peterwhite.com.br

Carrapato

Carrapato
Carrapato

Carrapatos são parasitas externos, artrópodes, pertencentes à Ordem Acarina, que se alimentam do sangue do hospedeiro. (Animais domésticos, silvestres ou o próprio homem).

Dependendo da fase do ciclo de vida em que se encontram, podem viver tanto na superfície da pele do cão como no ambiente.

Eles podem estar no solo em locais com vegetação, mas também em muros e etc., à espera de um hospedeiro. Quando percebe a passagem de um hospedeiro, dirige-se para ele, “passeando” pelo seu corpo até encontrar um local seguro, como o pescoço ou a cabeça, onde o cão não o possa arrancar.

Logo após, o carrapato introduz o seu aparelho sugador na pele e, durante horas, alimenta-se do sangue do hospedeiro. Após a alimentação de sangue, desprende-se voluntariamente e cai no solo para continuar o seu ciclo.

O ciclo de vida do carrapato é composto por quatro estágios: ovo, larva, ninfa e adulto. As fêmeas alimentam-se sempre de sangue, enquanto os machos raramente o fazem.

Eles precisam de condições específicas para o seu correto desenvolvimento, principalmente de temperatura, umidade e horas de intensidade de luz. À medida que aumentam as horas de luz e a temperatura, a atividade dos carrapatos aumenta. Conseqüentemente, a época mais favorável para o aumento das infestações por carrapatos pode estender-se desde a Primavera até o Outono.

O cruzamento entre o macho e a fêmea ocorre na superfície da pele do hospedeiro. A fêmea necessita se alimentar de sangue para uma boa maturação dos ovos.

A fêmea ingurgitada cai no solo e põe entre 3.000 a 5.000 ovos em locais altos.

Fonte: www.univetdedetizacao.com.br

Carrapato

CARRAPATO BOOPHILUS MICROPLUS

Reino Metazoa
Filo Arthropoda
Sub-Filo Chelicerata
Classe Arachnida
Sub-classe Acari
Super Ordem Parasitiformes
Ordem Ixodida
Sub-ordem Metastigmata
Família Ixodidae
Grupo Metastriata
Sub-família Rhipicephalinae
Gênero Boophilus
Espécie Boophilus microplus

Carrapato
Carrapato

A sub-classe Acari, da classe Arachnida, à qual pertencem os carrapatos e outros ácaros é um grupo muito heterogêneo, apresentando grande diversidade de hábitos e habitats (GUIMARÃES et al, 2001). Os carrapatos, particularmente, pertencem a ordem Ixodida.

Esta ordem pode ser dividida em três famílias: Argasidae, Nuttalliellidae e Ixodidae.

Os exemplares de Boophilus agrupam-se em cinco espécies, sendo a mais difundida e única encontrada no Brasil Boophilus microplus (CANESTRINI).

Seu nome, do grego, significa: Boo = boi, philus = “amigo”, microplus = menor, ou seja o “menor amigo do boi”.

Distribuição

O B. microplus é um carrapato com ampla distribuição mundial, estando presente na faixa contida entre os paralelos 32° N e 32° S. O carrapato bovino tem destacada importância nos países da América Latina, África e Oceania. No Brasil, esse carrapato foi introduzido com o gado trazido pelos primeiros colonizadores e atualmente encontra-se distribuído em quase todos os estados.

Segundo CANESTRINI (apud GUIMARÃES et al, 2001), o Boophilus microplus é descrito da seguinte maneira:

Morfologia

Corpo relativamente pequeno, indivíduos adultos, não ingurgitados alcançam freqüentemente 2 a 3 mm de comprimento, sem ornamentações. Capítulo (ou gnatossoma, ou cabeça falsa, situado antero-dorsalmente) hexagonal dividido em base do capítulo, hipostômio (prolongamento da parede ventral do capítulo que contém os dentes curvos), quelíceras (dilaceração dos tecidos e fixação ao hospedeiro) e palpos (apêndices pares, situados lateralmente ao hipostômio, bem visíveis) . Aparelho bucal curto, hipostômio mais longo que os palpos. Placas espiraculares circulares. Sulco retal e festões ausentes. Machos com quatro placas adanais longas e distintas, com corpo terminando em uma ponta aguda. Nas fêmeas o corpo termina normalmente arredondado.

Biologia

Carrapato de um só hospedeiro.

Seu desenvolvimento se completa em duas fases: fase parasitária que ocorre sobre os bovinos, e fase de vida livre, em que o carrapato, completa o ciclo no solo, após abandonar seu hospedeiro. Espécie muito abundante, parasita predominantemente bovinos e só excepcionalmente ataca o homem.

Fase Parasitária

Esta fase começa com a subida da larva infestante no hospedeiro. Após a fixação são denominadas “larvas parasitárias”. Estas procuram uma área no animal para a fixação, normalmente em locais abrigados das defesas mecânicas do hospedeiro, tais como, base da cauda, barbela, peito e parte posterior das coxas. Não obstante, o animal se defende com o ato de se lamber, movimentos da cauda, que são verdadeiras vassouras para as larvas. Junto ao local de fixação aparecem zonas de hiperemia e inflamação. A larva após a troca de cutícula (metalarva), dá origem a ninfa, por volta de 8 a 10 dias (ATHANASSOF, 1953). Esta alimenta-se de sangue, sofre uma muda (metaninfa) , ao redor do 15.º dia (ATHANASSOF, 1953) e transforma-se em adulto imaturo, neandro (macho) e neógina (fêmea).

A fêmea após o acasalamento, começa a alimentação até o ingurgitamento total, que propicia sua queda ao solo. Ocasionalmente os machos alimentam-se, porém não ingurgitam de sangue. Eles perambulam pelo corpo do hospedeiro por mais de dois meses, acasalando as fêmeas. A fase parasitária dura aproximadamente 21 dias, na qual o carrapato paasa por todos os estágios. Alimentam-se de linfa, estratos teciduais e plasma. As larvas são hexápodas e não apresentam placas espiraculares. As ninfas e os adultos são octopodas e apresentam placas espiraculares sendo muito semelhantes, distinguindo-se pela ninfa não apresentar aparelho reprodutor e pelo seu tamanho. (GUIMARÃES et al, 2001).

Fase de vida livre

A fase de vida livre inicia-se com a queda de fêmeas ingurgitadas “teleóginas” e culmina quando as larvas eclodidas encontram o hospedeiro. A teleógina ao desprender-se do animal parasitado, cai no solo em geral na primeira metade da manhã, procurando locais abrigados de incidência direta de luz solar para sua ovoposição. O período compreendido entre a queda e o início da postura é chamado de pré-postura. Em condições ideais de temperatura (em torno de 27 ºC) a pré-postura leva cerca de três dias. Em temperaturas entre 27 e 28 ºC e com alata umidade (aproximadamente 80%), a postura e a eclosão ocorrem aproximadamente em 18 dias. A fêmea morre logo após a postura. Normalmente uma teleógina coloca cerca de 3000 a 4000 ovos estando a ovoposição concluída por volta de 12 a 14 dias.

O período médio de incubação é de aproximadamente 25 dias. Em condições climáticas favoráveis, uma semana depois da ovoposição inicia-se a eclosão das larvas que, dependendo da época da época do ano pode levar de 6 semanas até 6 meses. As larvas recém eclodidas migram para as folhas mais altas, onde podem localizar o hospedeiro pelo odor ou vibrações. Nesta fase, elas se tornam “larvas infestantes”. Após 3 a 5 dias da eclosão, elas se tornam amarelo-avermelhadas, medindo cerca de 0,7 por 0,5 mm.

As larvas nas pastagens apresentam geotropismo negativo e fototropismo positivo à intensidade moderada de luz. Sua longevidade depende da temperatura e da umidade relativa, sendo que o calor acelera o metabolismo. À medida que aumenta sua idade fisiológica, elas vão perdendo sua capacidade infestante. Na vegetação, as larvas ficam agrupadas, evitando desse modo a perda de umidade e protegendo-se da incidência direta dos raios solares, aguardando a passagem do hospedeiro. Podem permanecer nestes locais, por mais de 8 meses, até que um animal adequado seja encontrado. O período de atividade das larvas na vegetação, ocorre nas primeiras horas da manhã e no final da tarde, quando a temperatura é mais amena.

Importância Zootécnica

Ao picar, o carrapato causa perda de sangue, devido à sua ação hematófaga, influenciando no ganho de peso, no estado nutricional e, em conseqüência, na produção, dependendo da intensidade da infestação parasitária. A lesão causada na pele dos animais pode favorecer o aparecimento de infecções secundárias como as miíases cutâneas. Nossas estimativas sobre os prejuízos causados pelo B. microplus não são nada animadoras; no RS, por exemplo, os produtores deixam de arrecadar cerca de 70 milhões de dólares anualmente somente considerando a produção de carne; os gastos com agroquímicos para o controle e profilaxia do carrapato e de miíases pode ultrapassar os 190 milhões de doláres por ano e por fim o prejuízo anual do parasitismo do B. microplus no Brasil pode alcançar 1,8 bilhões de dólares/ano.

A principal forma de controle ainda são os banhos carrapaticidas, porém o crescente surgimento de populações deste carrapato resistentes aos acaricidas disponíveis no mercado e o aparecimento de resíduos químicos em alimentos de origem animal demanda o desenvolvimento de abordagens alternativas de controle, como o uso de vacinas.

Vacinas

A partir da necessidade de novos métodos de controle do B. microplus o desenvolvimento de vacinas economicamente viáveis para o combate do carrapato torna-se um desafio um tanto quanto promissor. As vacinas são sem sombra de dúvidas o método mais eficiente de profilaxia para as mais diversas epidemias, sejam de doenças causadas por microorganismos ou de parasitos. Além de ser um método relativamente barato de controle, a vacinação carrega consigo a vantagem de não deixar nenhum tipo de resíduo nos alimentos de origem animal. Porém, antes de tudo é necessário que se caracterizem antígenos vacinais. Para isso torna-se fundamental um profundo estudo acerca da fisiologia do parasito, bem como das resposta que o hospedeiro desencadeia no sentido de proteger-se do parasitismo.

A escolha desses antígenos, para o combate de parasitos - que são organismos muito mais complexos que bactérias, por exemplo - não é aleatória; as moléculas escolhidas para este fim, devem desempenhar algum papel relevante no parasitismo ou mesmo terem importância fundamental na manutenção da vida do parasito.

Exemplos de possíveis alvos que sejam responsáveis por funções chave no parasitismo são: anticoagulantes, antiinflamatórios e outras moléculas que modulem a resposta imune do hospedeiro, enzimas digestivas ou responsáveis pela embriogênese. Por outro lado existe ainda a possibilidade de usar-se moléculas consideradas antígenos ocultos, ou seja, moléculas que não entram em contato com o sistema imune do hospedeiro, pois estas seriam capazes de desencadear uma maior resposta imune por não terem sofrido as chamadas evoluções adaptativas do parasitismo.

Tamanho dos Diferentes Estágios do Carrapato

Carrapato

Tamanho dos Diferentes Estágios do Carrapato

1) ovo
2) larva
3) partenógina
4) teleógina

Fonte: www.cbiot.ufrgs.br

Carrapato

Carrapato

Carrapatos são parasitas externos, artrópodes, pertencentes à Ordem Acarina, que se alimentam do sangue do hospedeiro.

Dependendo da fase do ciclo de vida em que se encontram, eles podem viver tanto na superfície da pele do cão como no ambiente. Eles parasitam geralmente animais domésticos, silvestres e, inclusive, o homem.

O carrapato pode estar no solo em locais com vegetação, mas também em muros e etc., à espera de um hospedeiro. Quando percebe a passagem de um hospedeiro, dirige-se para ele, “passeando” pelo seu corpo até encontrar um local seguro, como o pescoço ou a cabeça, onde o cão não o possa arrancar. Logo após, o carrapato introduz o seu aparelho sugador na pele e, durante horas, alimenta-se do sangue do hospedeiro. Após a alimentação de sangue, desprende-se voluntariamente e cai no solo para continuar o seu ciclo.

Existem vários mecanismos através dos quais o carrapato pode provocar doença ou lesão no hospedeiro como lesões pela ação das suas peças bucais na pele; efeitos tóxicos, pois a saliva do carrapato contém neurotoxinas que podem causar paralisia. A ingestão de grandes quantidades de sangue pode levar à anemia e a um estado de fraqueza. O carrapato também transmite outras doenças causadas por protozoários, bactérias e vírus.

Cada espécie de carrapato pode transmitir uma ou várias doenças entre as quais podemos destacar:

Babesiose: Doença causada por um protozoário, caracterizada por febre, anorexia e anemia. É fatal se o cão não for tratado a tempo.
Borreliose ou Doença de Lyme:
é, das zoonoses transmitidas por carrapatos, a mais importante. Causada pela bactéria Borrelia burgdorferi que produz quadros de febre, anorexia, poliartrite, miopatias e adenopatias.
Ehrlichiose:
Doença causada pela bactéria Ehrlichia canis que causa febre, problemas respiratórios, edema e vômitos, na fase aguda.

A época mais favorável para o aumento das infestações por carrapatos pode estender-se desde a Primavera até o Outono, pois os carrapatos precisam de condições específicas para o seu correto desenvolvimento, principalmente de temperatura, umidade e horas de intensidade de luz. À medida que aumentam as horas de luz e a temperatura, a atividade dos carrapatos aumenta.

Fonte: www.falupadedetizadora.com.br

Carrapato

CARRAPATO (Boophilus microplus)

Carrapato
Fêmea

Carrapato
Macho

Características

Também conhecido como carrapato dos bovinos, é com certeza o principal parasita destes mamíferos, causando inúmeros prejuízos à atividade pecuária, diminuindo a qualidade do couro, a produção de carne e leite, transmitindo doenças e até a morte do animal parasitado. Ácaro que apresenta grande dimorfismo sexual, com as fêmeas bem maiores que os machos.

Habitat

Áreas de pastagens.

Ocorrência

Originário do continente asiático, introduzido na América do Sul por colonizadores ibéricos com a importação de gado zebuíno vindo da Ásia. Ocorre em todo o território nacional.

Hábitos

Parasita. É um carrapato monoxeno, ou seja, parasita um só hospedeiro

Alimentação

Hematófago (sangue).

Reprodução

O ciclo biológico apresenta uma fase parasitária de aproximadamente 21 dias na qual passa pelos instares de larva, ninfa e adulto, todos em um único hospedeiro.

A fase de vida livre inicia-se com a queda das fêmeas ingurgitadas e culmina quando as larvas eclodidas encontram um hospedeiro. Na fase de vida livre, a fêmea ingurgitada apresenta primeiro um período de pré-postura de 3 dias, morrendo após a postura. Em temperaturas ao redor de 28 o C e alta umidade relativa (85%), a postura e a eclosão ocorrem em aproximadamente 18 dias. As larvas recém eclodidas migram para as pontas da vegetação onde podem localizar o hospedeiro pelo odor ou vibrações.

No hospedeiro, as larvas se fixam em regiões corporais propícias para seu desenvolvimento, tais como: posterior da coxa, perineal, perianal e perivulvar. Após 7 dias de sua fixação ocorre a muda para ninfas e estas mudam para adultos com marcado dimorfismo sexual em aproximadamente 8 dias. A fêmea, após o acasalamento, começa a alimentação até o ingurgitamento total, que propicia sua queda ao solo, enquanto que o macho permanece no bovino à procura de novas fêmeas.

Predadores naturais

Aves

Cuidados

Quando for caminhar por uma área infestada, borrife algum inseticida na calça. Como medida preventiva, coloque a boca da calça para dentro da bota. Sempre que caminhar em uma área contaminada, vasculhe todo o corpo para retirada dos carrapatos fixados o mais rápido possível. Tomar os cuidados preventivos necessários na criação de bovinos sob a orientação de um Médico Veterinário.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Carrapato

Carrapato

O Boophilus microplus suga até 2,0 ml de sangue por cada ciclo de 21 dias. A variação de volume de sangue depende do tamanho da teleógina.

Rocha & Woels, 1982, descreveram que em animais anêmicos, uma fêmea de Boophilus microplus suga um volume de sangue bem maior e quanto menos viscoso o sangue for, determina-se o agravamento do processo anêmico pré-existente.

Little, 1963, infestou artificialmente novilhas de raças européias (Hereford e Holandesa), com uma média diária de 50 larvas de Boophilus microplus, onde ocorreu uma redução anual de ganho de peso de 750 g por cada carrapato.

Callow, 1978, relatou que o carrapato e as doenças que transmitem são um grande entrave para o melhoramento de raças leiteiras e de corte importadas de climas temperados para países de áreas tropicais, onde altas infestações de Boophilus microplus podem levar esses animais à morte.

Portanto o gado mestiço europeu x zebú, que tem um nível de resistência moderado a alto, conforme o seu "grau de sangue", é mais resistente quanto menor for o "grau de sangue" europeu. (Oliveira & Alencar, 1990).

Em face disto, deve-se redobrar os cuidados de sanidade quando forem introduzidos em um rebanho animais com genótipo europeu.

Etiologia

O Boophilus microplus (Canestrini, 1887), é originário do continente asiático.

É um carrapato monoxeno, ou seja, parasita um só hospedeiro ao contrário do Amblyomma cajennense e Rhipicephalus sanguineus, que utilizam três hospedeiros em um ciclo de vida, sendo portanto heteroxenos.

O B. microplus se encontra no continente sul americano desde o século XVII, sendo introduzido por colonizadores ibéricos (Nuñes e al, 1982), com a importação de gado zebuíno vindo da Ásia (Walker,1987).

Está distribuído por todo o Brasil, estando presente em quase todos os municípios brasileiros, sendo mais frequente nas regiões onde o clima seja favorável para o seu desenvolvimento, como nas regiões Sul, Sudeste e Centro - Oeste.

Sintomas

Patogênese e manifestações clínicas

Os principais sintomas de uma infestação por Boophilus microplus são:

Perda do apetite
Anemia
Apatia
Emagrecimento progressivo
Alopécia
Dermatite exudativa ou seca
Baixo desenvolvimento
Perda da sua atividade produtiva
Morte

Diagnóstico

É feito pela visualização dos ínstares do parasito no animal

Profilaxia

A profilaxia para controle dos carrapatos, bernes, mosca-dos-chifres e bicheiras, consiste na tomada de medidas técnicas, pela utilização de vários sistemas de aplicação para uso de medicamentos e medidas de manejo.

Cada parasitose, necessita de uma estratégia de controle diferenciada, em que o mais importante é interromper o seu ciclo de desenvolvimento, para que assim o nível de infestações, a frequência dos banhos e os tratamentos sejam diminuídos, possibilitando um maior ganho de tempo e expondo menos os parasitos a uma possibilidade de desenvolvimento de resistência.

Tratamento

O primeiro produto químico com propriedade acaricida registrado no mundo foi o Arsênico, em 1895, mantendo um controle satisfatório dos carrapatos até 1935.

A partir desse ano, apareceram resistências aos Arsenicais na Austrália e África do Sul e em 1948, vários países da A. Latina, inclusive o Brasil, já apresentavam problemas no controle desses parasitos.

Muitos outros produtos químicos com atividade acaricida e inseticida foram sendo introduzidos, principalmente os Clorados, sendo chamados de inseticidas de 1ª geração, sendo os principais o DDT e o BHC.

Os Clorados, com o passar do tempo, foram apresentando problemas e consequente substituição, como por exemplo:

O DDT foi utilizado desde 1946 e nos meados da década de 50, já existia o desenvolvimento rápido de focos de resistência na Austrália e América do Sul

Entretanto, em muitos países, o desenvolvimento da resistência ao DDT foi de uma forma mais lenta, ampliando o tempo de uso deste produto, sendo utilizado com muita frequência até o início da década de 60

Com o BHC a partir de 1952 já se reportavam resistências na Austrália, África do Sul e alguns países da A. do Sul, aumentando de frequência até 1956

A resistência do BHC por sua vez, estendeu-se para Toxafeno e Aldrín

Esses produtos foram logo abandonados e banidos do mercado como os clorados (DDT, BHC)

Com o aparecimento dos acaricidas e inseticidas de 2ª Geração, como os Fosforados em 1956 e os Carbamatos em 1960, o controle dos ácaros e insetos estabilizou-se, porém em 1963, os carrapatos já apresentavam resistência aos Fosforados, com detecção dos primeiros focos na Austrália e em 1965 já se detectaram focos na América do Sul, no Brasil e na Argentina.

Os Carbamatos (Carbaril) por serem mais tóxicos e de curto espectro de ação, foram substituídos gradativamente pelos Fosforados e atualmente não são utilizado para controle de carrapatos e principalmente em insetos que apresentaram uma rápida resistência a estes compostos químicos.

Os produtos químicos descobertos até então, além de terem apresentado resistência, se acumulavam no organismo, deixando resíduos que levavam à perturbações fisiológicas nos animais, como também se acumulando no organismo dos humanos, causando sérios problemas de saúde pública.

Um outro inconveniente na utilização de produtos formulados com as bases químicas de 1ª e 2ª Geração, é que esta deve ser feita de uma maneira correta, seguindo as recomendações de bula, do fabricante e acompanhamento técnico, pois erros de dosagens e um tratamento malfeito poderão gerar consequências muito graves, como morte do animal e contaminação ambiental.

Com os anos começaram a aparecer os inseticidas menos tóxicos e de maior eficácia, como os de 3ª geração como as Formamidinas (Amitraz) e os Inibidores de Crescimento (IGR) no final da década de 60.

Durante vários anos esses inseticidas acaricidas vinham sendo utilizados para controle de ectoparasitas artrópodes dos animais domésticos, mesmo apresentando restrições de utilização e até proibições de uso em animais produtores de leite e carne para consumo humano.

Até então, um inseticida perfeito ainda não havia sido descoberto, porém nos últimos 50 anos, a pesquisa de produtos para saúde animal evoluiu e preocupados com as limitações e a toxicidade dos inseticidas e acaricidas descobertos, os cientistas continuaram com as pesquisas.

Em função do trabalho desenvolvido pelos pesquisadores, na década de 70 foram descobertos vários compostos químicos de maior eficácia, amplo espectro de ação e de maior segurança, que podiam permanecer nos animais tratados com um baixo potencial de resíduos, sem causarem efeitos colaterais e permitindo o consumo de carne e leite dos animais tratados.

Assim apareceram os compostos mais modernos, como os Piretróides (1973) e as Lactonas Macrocíclicas (1975), constituindo-se ambos em um grande passo para o controle das principais pragas que acometem os animais domésticos.

Os Piretróides (Permetrina, Cipermetrina, Alfacipermetrina, Deltametrina) e as Lactonas Macrocíclicas (Milbemycinas e Avermectinas), se posicionaram de uma maneira tal, que se tornaram os antiparasitários de eleição para o controle dos principais ecto e endoparasitos, como carrapatos, moscas, sarnas, piolhos e os vermes redondos gastrintestinais e pulmonares (Avermectinas).

Estes compostos químicos estão disponíveis em várias formulações e com custos atraentes, com máxima eficácia e residualidade, proporcionando a redução do espaçamento entre tratamentos e minimizando assim a possibilidade do aparecimento de focos de resistência, pela diminuição da pressão exercida sobre os parasitos de uso de acaricidas e inseticidas.

Vários sistemas de combate e controle dos ectoparasitos são utilizados no Brasil:

Indiretamente pelo uso de estratégias de controle

Diretamente pelo uso de antiparasitários, com as seguintes características:

Forte atividade acaricida e inseticida
Excelente persistência de ação
Baixíssima toxicidade para o homem e animais
Degradação satisfatória no meio ambiente

Fonte: www.intervet.com.br

Carrapato

Ciclo biológico do carrapato

O carrapato B. microplus originário da Ásia, se apresenta em áreas tropicais e subtropicais, entre os paralelos 32o N e 32o S. É um ectoparasita hematófago cujo principal hospedeiro é o bovino. O ciclo biológico apresenta uma fase parasitária de aproximadamente 21 dias na qual passa pelos instares de larva, ninfa e adulto, todos em um único hospedeiro.

A fase de vida livre inicia com a queda das fêmeas ingurgitadas e culmina quando as larvas eclodidas encontram um hospedeiro . Na fase de vida livre, a fêmea ingurgitada apresenta primeiro um período de pré-postura de 3 dias e morre após a postura. Em temperaturas ao redor de 28o C e alta umidade relativa (85%), a postura e a eclosão ocorrem em aproximadamente 18 dias.

As larvas recém eclodidas migram para as pontas da vegetação onde podem localizar o hospedeiro pelo odor ou vibrações.

No hospedeiro, as larvas se fixam em regiões corporais propícias para seu desenvolvimento, tais como: posterior da coxa, perineal, perianal e perivulvar, após sete dias de sua fixação ocorre a muda para ninfase estas mudam para adultos com marcado dimorfismo sexual em aproximadamente oito dias.

A fêmea após o acasalamento começa a alimentação até o ingurgitamento total , que propicia sua queda ao solo , enquanto que o machopermanece no bovino à procura de novas fêmeas.

Fonte: www.ufrgs.br

Carrapato

Quem vive no campo, já sabe que está começando a temporada dos carrapatos. São animais minúsculos da família dos ácaros. Eles atacam pessoas e outros animais, primeiro passeando na pele e depois se instalando num ponto onde podem sugar sangue, que é seu alimento.

Na verdade, existem mais de 400 espécies de carrapatos no mundo. O estudioso Eurico Santos listou algumas, pelas suas especialidades. Por exemplo, carrapato-de-boi ataca bovinos. O carrapato-do-sapo se instala em sapos e outros animais de sangue frio.

O carrapato-estrela não é nada seletivo. Ele persegue os mamíferos silvestres, os domésticos e até o bicho-Homem. Também pode se instalar em aves ou animais de sangue frio.

Os cientistas chamam-no de Ambliomma cajennense. E contam que ele é encontrado desde o sul dos Estados Unidos até os confins da América do Sul. Até suas larvas são temidas, ganhando o nome de carrapato pólvora, ou micuim.

Uma dica: Quando eles se instalam numa pessoa, o álcool ou vinagre ajudam a desprendê-los da pele.

O ciclo evolutivo dos carrapatos é bem interessante. Primeiro tem o ovo de menos de um milímetro. Do ovo, desenvolve-se a larva, que é redondinha e tem seis patas. Ela pode sobreviver um tempo em jejum. Mas, para crescer, tem de se nutrir de sangue. Por isso ataca animais. Em poucos dias, a larva cresce, entra em repouso e aí se desenvolve a ninfa. Depois, tem a última metamorfose, surgindo o carrapato adulto, que tem oito patas.

Para completar o ciclo, tem a reprodução: depois do macho cruzar a fêmea, ela passa vários dias sugando sangue até ficar bem inchada. Aí joga-se no chão e põe os ovos. No caso da carrapata-estrela, são cerca de oito mil ovinhos. Mas o recomeço do novo ciclo de vida depende da existência de animais no local, que forneçam alimento.

Vale saber

Na natureza, algumas aves que comem pequenos invertebrados como os insetos e artrópodes (grupo animal dos quais os ácaros fazem parte) são inimigos naturais dos carrapatos.

Não é à toa que a pequena garça branca se multiplicou nos pastos brasileiros, sendo muito observada junto ao gado no campo. Também não é à toa que algumas pequenas aves pousam no dorso de grandes mamíferos, com a permissão destes. Elas fazem isso para catar e devorar os minúsculos invertebrados. Também galinhas de angola têm fama de caçar estes pequenos artrópodes no campo.

Fonte: www.aipa.org.br

Carrapato

Classe: Arachnida
Ordem:
Acarina
Nome científico:
vários
Nome vulgar:
carrapato, carrapato estrela, carrapato do cão, carrapato do cavalo, micuim.

BIOLOGIA

Os carrapatos são parasitas externos (ectoparasitas) de animais domésticos, silvestres e do homem. Atualmente, são conhecidas cerca de 800 espécies de carrapatos em todo o mundo parasitando mamíferos, aves, répteis ou anfíbios. São considerados como de grande importância pelo papel que desempenham como vetores de microrganismos patogênicos incluindo bactérias, protozoários, rickétsias, vírus, etc; e pelos danos diretos ou indiretos causados em decorrência do seu parasitismo.

Os carrapatos estão classificados em duas famílias: Ixodidae e Argasidae.

Os ixodideos, freqüentemente denominados "carrapatos duros", apresentam um escudo rígido, quitinoso, que cobre toda a face dorsal do macho adulto. Na larva, ninfa e fêmea adulta, estende-se apenas em uma pequena área, permitindo a dilatação do abdome após a alimentação. Todos os estágios fixam-se em seus hospedeiros por um tempo relativamente longo para alimentar-se. Neste grupo estão incluídos a maioria dos carrapatos de interesse médico-veterinário.

Os argasídeos, também conhecidos como "carrapatos moles", recebem esta denominação porque não possuem escudo. Nesta família estão os carrapatos de aves e os "carrapatos de cão".,

Tamanho Variável
Coloração Acinzentada
Reprodução Sexuada
Alimentação Sangue

ABRIGOS

Nos animais, vegetação e frestas em paredes e muros.

PREVENÇÃO

Dependem do tipo da fase do carrapato e do local onde se encontram estes ectoparasitas. A higiene e o monitoramento dos locais onde os carrapatos podem ser encontrados é sempre importante.

Manter o gramado ou mato aparado próximo aos locais de criação dos animais e áreas de circulação do homem expõe os ínstares que estão presentes no ambiente a condições adversas levando estas fases à morte principalmente por desidratação, além de impedir que roedores que servem como hospedeiros intermediários escondam-se ali.

Em áreas infestadas por carrapatos, como gramado ou pastos, evitar sentar no solo e expor partes do corpo desprotegidas à vegetação. Ao entrar nestes locais, utilizar roupas claras que facilitam a visualização dos ectoparasitas.

DOENÇAS TRANSMITIDAS E PATÓGENOS VEICULADOS:

Bactérias
Protozoários
Vírus
Febre Maculosa
Doença de Lyme

MÉTODOS DE CONTROLE

No mercado existem muitos produtos de uso veterinário, de diferentes grupos químicos, para o combate destes ectoparasitas. A implementação de estratégias de controle dos carrapatos são inerentes a espécie e a região onde se encontram. Medidas de controle dependem de fatores biológicos e epidemiológicos e devem ser estabelecidas por profissional especializado.

Fonte: www.pragas.com.br

Carrapato

Carrapato

O que são carrapatos?

Carrapatos são parasitas externos, artrópodes, pertencentes à Ordem Acarina, que se alimentam do sangue do hospedeiro.

Onde vivem?

Dependendo da fase do ciclo de vida em que se encontram, podem viver tanto na superfície da pele do cão como no ambiente.

Quais animais são parasitados?

Geralmente animais domésticos, silvestres e, inclusive, o homem.

Como se alimentam?

Os carrapatos podem estar no solo, como, por exemplo, locais com vegetação (gramados) e também nas frestas de paredes sempre à espera de um hospedeiro.

Quando percebe a passagem de um hospedeiro, dirige-se para ele, “passeando” pelo seu corpo até encontrar um local seguro, como o pescoço ou a cabeça, onde o cão não o possa arrancar. Logo após, o carrapato introduz o seu aparelho sugador na pele e, durante horas, alimenta-se do sangue do hospedeiro. Após a alimentação de sangue, desprende-se voluntariamente e cai no solo para continuar o seu ciclo.

Por que os carrapatos são tão prejudiciais para os animais e para o homem?

Existem vários mecanismos através dos quais o carrapato pode provocar doença ou lesão no hospedeiro:

Lesões pela ação das suas peças bucais na pele.
Efeitos tóxicos, pois a saliva do carrapato contém neurotoxinas que podem causar paralisia.
A ingestão de grandes quantidades de sangue pode levar à anemia e a um estado de fraqueza.
Transmissão de outras doenças causadas por protozoários, bactérias e vírus.

O que é uma zoonose?

Por definição, uma zoonose é a transmissão de qualquer doença de um animal para o homem. Todas as zoonoses são de importância para a Saúde Pública.

Como exemplos podemos citar: Raiva, Leptospirose, Brucelose, Leishmaniose etc.

Que doenças os carrapatos podem transmitir?

Cada espécie de carrapato pode transmitir uma ou várias doenças entre as quais podemos destacar:

Babesiose: Doença causada por um protozoário, caracterizada por febre, depressão, anorexia e anemia. É fatal se o cão não for tratado a tempo.
Borreliose ou Doença de Lyme:
é, das zoonoses transmitidas por carrapatos, a mais importante. Causada pela bactéria Borrelia burgdorferi que produz quadros de febre, anorexia, poliartrite, miopatias e adenopatias.
Ehrlichiose:
Doença causada pela bactéria Ehrlichia canis que causa febre, anemia, depressão, diarreia, edema, complicações respiratórias e circulatórias.
Febre maculosa -
doença causada pela Rickettsia rickettisii, um parasita intracelular que leva a quadros de febre, falta de apetite, vômito, diarreia, manchas nas mucosas, desidratação e perda de peso.

Em que épocas do ano se veem mais carrapatos e por quê?

Os carrapatos precisam de condições específicas para o seu correto desenvolvimento, principalmente de temperatura, umidade e horas de intensidade de luz. À medida que aumentam as horas de luz e a temperatura, a atividade dos carrapatos aumenta. Consequentemente, a época mais favorável para o aumento das infestações por carrapatos pode estender-se desde a Primavera até o Outono.

Qual é o ciclo de vida do carrapato?

O ciclo de vida do carrapato é composto por quatro estágios: ovo, larva, ninfa e adulto. As fêmeas alimentam-se sempre de sangue, enquanto os machos raramente o fazem.

O cruzamento entre o macho e a fêmea ocorre na superfície da pele do hospedeiro. A fêmea necessita se alimentar de sangue para uma boa maturação dos ovos.

A fêmea ingurgitada cai no solo e põe entre 3.000 a 5.000 ovos em locais altos.

O que faço com os carrapatos que o meu cão já tem?

Em primeiro lugar, é contra-indicado arrancar o carrapato que está preso na pele, pois dessa forma estaremos somente eliminando o corpo do parasita, visto que a parte da boca que se prende ao corpo do cão permanecerá no local, podendo causar reações locais e a formação de granulomas.

Existem vários produtos indicados para o controle do carrapato: produtos para banho com efeito imediato, como por exemplo, o (Triatox®); produtos para aplicação no dorso do animal, como por exemplo, o Pulvex® Pour on, cuja ação não é imediata, mas apresenta efeito prolongado, e as coleiras antiparasitárias, como por exemplo, a própria coleira Scalibor® cuja ação também não é imediata, porém possuem um longo período de ação.

A pulverização do ambiente onde o animal vive (canil, quintal, etc.) também é recomendada pela maioria dos Médicos Veterinários com o objetivo de eliminar os carrapatos presentes nessas áreas, mantendo, assim, o ambiente e o cão livres do parasita de forma rápida, segura e por mais tempo.

Fonte: www.scalibor.com.br

Carrapato

Carrapato
Carrapato

Um carrapato, carraça ou chato é um artrópode da ordem dos ácaros, classificado nas famílias Ixodidae ou Argasidae. São ectoparasitas hematófagos, responsáveis pela transmissão de inúmeras doenças.

Os carrapatos geralmente têm a forma oval e quando em jejum são planos no sentido dorso-ventral, porém após se alimentarem ficam convexos e até esféricos.

Sua carapaça é composta por quitina, na forma de um exoesqueleto, bem resistente e firme em relação a sua pouca espessura.

Encontra-se difundido por toda a Terra, tanto no campo como na cidade, pois o principal motivo de sua ação é o ser humano ou animal de cujo sangue se alimenta, sendo por isso considerado hematófogo e um dos principais vetores de muitas doenças causadas por vírus, bactérias, protozoários e riquétsias, que transmitem doenças ao homem e animais.

Existem espécies microscópicas até 0,25 mm de diâmetro.

Vivem em touceiras, capim, no chão, entre as madeiras em climas úmidos ou secos, em todos os continentes: África, América do Norte, América do Sul e América Central, Europa, Oceania e Ásia, enfim em qualquer lugar da Terra.

Fonte: www.jccontrol.com.br

Carrapato

Carrapato
Carrapato

Hábitos

Os carrapatos não são insetos. São artrópodes pertencentes à classe Arachinida, como as aranhas e escorpiões.

Os carrapatos ocorrem em quase todos os continentes. São ectoparasitos (parasitas externos) de vertebrados (mamíferos, répteis, aves e anfíbios), ocorrendo em animais silvestres, domésticos e mesmo o homem, alimentando-se do sangue (hematófagos).

Existem 2 fases de vida: fase de parasitismo (no hospedeiro) e fase de vida livre (solo, tocas, buracos, ninhos e vegetação)

Ciclo de vida

Os carrapatos possuem ciclo de vida que inclui as fases de: ovo - larva - ninfa e adulto.

Após ingerir sangue de um hospedeiro, a fêmea se desprende do mesmo e deposita milhares de ovos, geralmente no ambiente, morrendo em seguida.

Em condições satisfatórias de temperatura e umidade, ocorre a incubação (entre 30 a 40 dias, aproximadamente) e, após este período, as larvas eclodem.

As larvas oportunamente fixam-se em um hospedeiro (normalmente de pequeno porte), realizam repasto sangüíneo, desprendem-se deste, caem no ambiente e após 10 dias, em média, realizam a ecdise (muda) para o estágio de ninfa.

Após cerca de 3 semanas, as ninfas já estão prontas para alimentação em hospedeiro de pequeno porte.

Quando alimentadas, estas ninfas caem no solo e realizam ecdise transformando-se em adultos.

Em um hospedeiro (normalmente de grande porte), macho e fêmea adultos acasalam e a fêmea alimenta-se de sangue, iniciando um novo ciclo.

Agravos à Saúde

Os carrapatos hospedam e transmitem diversos agentes patogênicos (vírus, bactérias, riquétsias e protozoários) ao homem (hospedeiro acidental) e aos animais.

Os microrganismos são transmitidos através da saliva dos carrapatos, que é injetada no local da picada, e que por sua vez apresenta toxinas, substâncias anestésicas e anticoagulantes.

Entre as doenças transmitidas ao homem, podemos citar: febre maculosa brasileira e borreliose de Lyme.

Existem outras doenças transmitidas por carrapatos, que só atingem animais.

Medidas preventivas

Aparar e cortar a vegetação rasteira, utilizando roupas de mangas longas, botas, calça comprida com a parte inferior dentro das botas. As roupas devem ser claras para facilitar a visualização dos carrapatos;

Vistoriar o corpo após freqüentar áreas de mata ou conhecidamente infestadas por carrapatos;

Evitar caminhar ou freqüentar áreas infestadas por carrapatos;

Remover o lixo ou restos alimentares expostos, a fim de evitar que estes sirvam de alimento para animais;

Os animais devem ser vistoriados semanalmente e, quando apresentarem carrapatos, devem ser tratados com indicação de médico veterinário e mantidos em local restrito;

Quando for retirar carrapatos, não se deve utilizar fósforo acesso ou outros objetos aquecidos, bem como produtos químicos. Deve-se girar levemente o corpo do carrapato até que se desprenda. Não puxar ou pressionar o carrapato.

Fases de vida do carrapato

Carrapato

Fonte: www2.prefeitura.sp.gov.br

Carrapato

Animal artrópode, aracnídeo

Estes insetos sugam o sangue de suas vítimas, prendendo-se à pele dos animais de temperatura constante, como os cães e o gado, inclusive o homem.

Seu ciclo de vida é movimentado, depois de uma refeição de sangue, a fêmea põe os ovos no solo, deles nascem larvas, que utilizam suas seis patas para alcançar um animal que passa, a medida que vão se alimentando de sangue, as larvas transformam-se em ninfas, algumas de oito patas, sua maturidade só é alcançada após inúmeras modificações do seu corpo, sugam tanto sangue a ponto de tornarem-se pequenas bolas moles.

Os carrapatos podem ser portadores de germes perigosos, um deles é o de uma febre freqüentemente fatal para o gado.

Para o homem propagam a febre constante e a febre maculosa.

Fonte: www.curiosidadeanimal.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal