Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Cavalo árabe - Página 3  Voltar

Cavalo Árabe



Cavalo Árabe

HISTÓRIA

Numerosas opiniões, atribuem sua origem às raças Kochlani e Koclane ou Kailhan; e isto remonta há mais de 2.200 anos. Nesta época, impérios militares, Caldeus, Persas, Hititas e Assírios; em permanente tentativa de expansão entravam em freqüentes lutas com os beduínos. Com a decadência desses impérios militares, seus cavalos eram capturados pelos beduínos que já percebiam seu potencial, procedentes dos férteis campos de alfafa da Ásia central.

Assim, os cavalos de guerra se missigenaram com os selvagens árabes através dos séculos, formando as manadas dos beduínos, que imigravam constantemente em busca de alimento. Estes séculos de migração e muita liberdade, causaram a transformação pela necessidade de adaptação às privações e clima desértico, foi a forja das características básicas do Puro Sangue Árabe.

O aperfeiçoamento da raça ocorreu em férteis planaltos da península arábica, quando ali se desenvolveram por bom tempo.

A partir do século XIII sultões turcos que dominavam o Egito e grande parte de áreas cruciais de comércio entre o ocidente e oriente; e tendo contato com estas montarias formidáveis; incentivaram a sua importação para estabelecerem o sangue em seus centros de criação; e assim os cavalos árabes foram espalhando-se pelo mundo.

Dentre as criações da raça, que se ramificaram, são significativas, a Egípcia, a Polonesa, a Inglesa, a Russa e a Americana.

Na Polônia, a criação foi iniciada em 1.502, pelo príncipe Sangusco, que formou o Haras Slawuta, com animais trazidos diretamente das tribos beduínas. Em 1914, havia um plantel de mais de 450 animais, e por ocasião da 1ª guerra mundial, todo este patrimônio genético, foi perdido.

No período entre-guerras, retomou-se a criação, porém com a 2ª guerra mundial, todo o plantel foi novamente dizimado, restando poucos exemplares. A partir de então, a criação foi realizada a cargo de haras estatais, como ocorre até os dias de hoje, onde apresenta-se com um plantel de matrizes de excepcionais qualidades, fazendo da criação do cavalo árabe Polonês, um orgulho nacional.

Na Inglaterra, desde o ano de 1.200, cavalos orientais eram levados apenas para cruzamento com ;éguas britânicas e durante estes 3 séculos, formou-se e estabeleceu-se a raça Puro sangue Inglês.

Por volta de 1610, vieram mais éguas e garanhões das regiões do deserto, e em 1700, formou-se o 1º Stud de sangue oriental. Novas incursões à Arábia, foram feitas em busca de novos produtos que aperfeiçoassem o criatório Árabe inglês; e por assimilarem os costumes dos beduínos, decidiram não mais miscigená-los, e em 1881 fundaram o primeiro Stud do Sheikh Obeyd no Cairo, que posteriormente foi removido para Sussex, onde fundou-se o tradicional Crabbet Park.

Na Rússia, país de enormes batalhas, o conde Alexis Orloff, ganhou um plantel do sultão da Turquia e um haras de Puro Sangue Árabe em Chrenowje em 1788. Em 1889, um grande haras foi montado pelo príncipe Scherbatov e o conde Strogonoff. Em 1937 visitaram o Crabbet Park na Inglaterra e adquiriram 24 animais que se tornaram fundamentais na história da criação do cavalo Árabe na Rússia; somada também a uma importação durante a IIª guerra mundial, em 1939 da Polônia. Assim define-se que o impulso à criação moderna Russa do cavalo Árabe, ocorreu através da combinação de linhagens da Polônia e do Crabbet Park, na Inglaterra; e posteriormente, com a inclusão da linhagem Egípcia.

No Egito, durante o reinado de 1290 a 1340 do rei El Naser Moahmedibn Kalaoun, houve o estabelecimento de grandes haras. Ao morrer, os egípcios possuíam mais de 3000 animais da mais alta qualidade. Em 1815 Ibrahim Pasha, filho do rei Mohamed Ali, é enviado á arábia e volta ao Egito com um seleto lote de animais, objetivando a melhoria do plantel de seu pai. Em 1836, Abbas Pasha, neto de Mohamed Ali, torna-se o vice-rei do Egito e passa a comprar os mais belos e extraordinários cavalos do deserto e constrói o famoso haras Dar El Bayda. Assassinado em 1854, seu plantel foi vendido por seu filho, a Ali Pasha Sherif. No começo do século XX os cavalos Egípcios estavam quase em extinção, necessitando em 1908, a formação de um grupo para reorganizar as criações e em 1920, importaram do Crabbet Park, 20 cavalos, e em 1942, surge no Egito, o grande haras , Hamdan Stables.

O rei Farouk reergue a criação Egípcia, fundando o haras Kafr Farouk e a partir daí o cavalo Árabe egípcio passa a fazer sucesso no mundo. Nos EUA, a 1ª importação ocorreu em 1730, em 1849, o sultão da Turquia, presenteia o então presidente Grant com 2 reprodutores de alta qualidade. No final do século XIX outra importação foi apresentada na feira mundial de Chicago, e em 1903, já seduzidos pelo cavalo Puro sangue Árabe, novas importações sucederam-se constantemente. Devido ao alto poder aquisitivo, o empenho e a paixão pelo cavalo, pode-se dizer que os EUA possuem atualmente um dos melhores planteis da cavalo Árabe no mundo.

No Brasil, de 1930 a 1950, a raça foi introduzida no país, através de importações efetuadas do Uruguai, para incrementar a sua cavalaria, concentrada no Rio Grande do Sul. Após a fundação da Associação Brasileira da Raça (ABCCA), Aloysio Faria, deu impulso a criação nacional, com as primeira importações de grande porte e qualidade, e assim, em 1979, realizava-se o 1º leilão do cavalo Árabe no Brasil. De 1982 a 1984, as importações cresceram e a procura sempre maior que a produção , elevaram sobremaneira o preço de mercado do cavalo Árabe, tal, foi o sucesso da comercialização efetuada pelo criador Nagib Audi. Com o tempo, e os tropeços na nossa economia, e o aumento da produção, as importações foram reduzidas; os compradores tornaram-se mais exigentes em busca da qualidade, e os animais brasileiros passaram a fazer sucesso no exterior, principalmente nos EUA, para onde seguidas exportações vem sendo efetuadas, respaldadas pelos significativos sucessos que animais brasileiros vem alcançando nas exposições norte americanas; o que por si só, atesta a real qualidade do plantel nacional do cavalo Árabe.

O cavalo Árabe, por ser considerado quase uma sub-espécie de equino, e não uma raça, participou da formação de várias raças, entre elas, o Puro Sangue Inglês, Orloff, Cavalo de sela Francês, Álter, Trackener, Hanoveriano e o Quarter Horse, entre os mais conhecidos. Até hoje, é ainda utilizado, para melhorar raças, conferindo-lhes refinamento, resistência, inteligência e outras qualidades mais.

O cavalo Árabe, é capaz de resistir a prolongados períodos de trabalho, com o mínimo de cuidado e alimentação; qualidades estas que podem ser atestadas em competições de longo percurso nos Estados Unidos e Europa.

Cavalo Árabe

Cavalo Árabe imagem 3

Dentre as suas atividades, o cavalo Árabe, hoje é utilizado na Rússia, Polônia, EUA e Egito, Inglaterra e Argentina em corridas similares às realizadas para o Puro Sangue Inglês. Na Austrália, é utilizado nos trabalhos de lida com o gado, e no Brasil, participam também de provas de enduro, CCE, Hipismo Rural e clássico, torneio de rédeas e laço, vaquejadas e provas de baliza e tambor, além da sua iniciação também em corridas.

Cavalo  Árabe imagem 4

CARACTERÍSTICAS GERAIS

Muitas das características do cavalo Árabe, resultam de sua adaptação ao deserto, e com certeza,de aspectos de sua conformação primitiva, que foram privilegiados , selecionados e desenvolvidos com grande sabedoria pelos beduínos. Isso foi realizado com tal maestria através dos conceitos e ensinamentos passados de geração para geração, durante milênios; que nenhum hipólogo ou compêndio sobre eqüinos, se recusa ou titubeia em afirmar de que o cavalo Puro Sangue Árabe é o mais perfeito animal e o verdadeiro protótipo do cavalo de sela.

1- MORFOLOGIA

OLHOS - os olhos do cavalo Árabe, são típicos de muitas espécies animais do deserto, grandes e salientes, são responsáveis por prover ao animal, uma excelente visão, a qual alertava os primitivos cavalos Árabes dos ataques de seus predadores.

Cavalo Árabe imagem 5

NARINAS

Estas se dilatam quando corre, ou está excitado, proporcionando grande captação de ar. Normalmente encontram-se semi cerradas, reduzindo a entrada de poeira durante a respiração, nos climas mais secos do deserto.

CARREGAMENTO DE CABEÇA

Naturalmente é mais alto que o de qualquer outra raça, especialmente, especialmente ao galope. Este alto carregamento facilita a entrada de ar através da abertura das flexíveis narinas e alongamento da traquéia. É comprovado que cavalos Árabes possuem maior número de células vermelhas que outras raças, o que pode indicar que utiliza o oxigênio mais eficientemente.

PELE

A pele negra, por debaixo dos pelos, é visível, devido a delicadeza ou ausência de pelos em torno dos olhos e focinho. Essa pele escura em torno dos olhos, reduz o reflexo da luz do sol e também protege contra eventuais queimaduras. A fina pele do cavalo Árabe proporciona uma rápida evaporação do suor, resfriando o cavalo mais rapidamente.

IRRIGAÇÃO SANGUÍNEA

As veias que se tornam visíveis ao saltarem à flor da pele quando o cavalo Árabe enfrenta um grande esforço físico, em contato com o ar, resfriam rapidamente a circulação sangüínea, proporcionando maior conforto em longas caminhadas.

CRINA

Os pelos são normalmente longos e finos protegendo a cabeça e o pescoço da ação direta do sol; o longo topete na testa protege os olhos do reflexo do sol e da poeira.

FOCINHO

O pequeno e cônico focinho, deve ser creditado à sua herança do deserto. A escassez de alimentos o fez com os tempos, reduzir para o tamanho e formato atual. Enquanto seguiam suas longas jornadas, pastoreavam esporadicamente, comendo poucos chumaços de grama e ervas.

ESTRUTURA ÓSSEA

É fato que muitos cavalos Árabes, possuem apenas 5 vértebras lombares, diferentes das 6 comuns em outras raças. Essa vértebra a menos, explica o pequeno lombo e a resultante habilidade em carregar grandes pesos proporcionalmente ao seu tamanho. No entanto, modernas autoridades do cavalo Árabe, afirmam que não são todos os exemplares que possuem 5 vértebras.

CARREGAMENTO DE CAUDA

O alto e natural carregamento de cauda, é resultado da sua singular estrutura óssea, a primeira vértebra que se liga á parte interna da garupa, ;e levemente inclinada para cima, ao contrário de outras raças, que se inclina para baixo.

Cavalo Árebe imagem 6
Bey Shaffir WN do haras Piracuama - Caçapava SP

CABEÇA

Sua distinta beleza é uma das principais características do tipo da raça; seu clássico perfil é definido por duas nomenclaturas, cujas características são: jibbah- é a protuberância acima dos olhos; nem todos os cavalos Árabes adultos o possuem, mas ele é óbvio nos potros.

O Jibbah aumenta o tamanho da cavidade nasal, proporcionando maior capacidade respiratória. Afnas- é a chamada cabeça chanfrada, há uma depressão no osso frontal da cabeça, entre os olhos e focinho, ela representa uma curva côncava no perfil da cabeça.

Os chamados " olhos humanos" ou "branco dos olhos" no qual a esclerótica branca é visível em torno da íris, é um ponto polêmico na criação na criação do cavalo Árabe. Para os beduínos, segundo pesquisadores, não significava sinal de indocilidade ou mau temperamento e era uma característica desejada por eles. Muitos juizes e criadores atuais, no entanto penalizam cavalos que apresentam esta característica; a qual a título de ilustração, comparativa de raças, é desejável no registro do cavalo appaloosa, como veremos mais adiante ao abordarmos esta raça.

GARUPA- esta deve apresentar-se longa e relativamente horizontal.

2 - QUALIDADES DA RAÇA

RESISTÊNCIA

Serviam aos beduínos os quais eram nômades, portanto percorriam grandes distâncias, e até guerreavam em terreno que exigia muito da sua condição física ( força, rapidez e resistência).

Tarik Benziad, em 711, cruzou o mediterrâneo com sete mil cavaleiros, parte deles nas barcas de Julião, e parte nadando até Gebel Tarik(de onde origina-se Gibraltar), e ali, na batalha de "Guadalete" de 19 a 25 de Julho, derrotou trinta mil homens que Frederico lhe impôs.

Em 713 o Islã já havia passado os Pirineus, e segundo historiadores da época, nada poderia deter os infiéis, que cavalgavam "cavalos de fogo que não cansavam nunca"(Antologia de textos medievais-Espinosa). Bucéfalo, o cavalo Árabe de Alexandre Magno(já referido no informativo anterior), levou o conquistador desde Pella na Macedonia, até Indo , nas fronteiras do Afeganistão.

Napoleão, gostava de cavalos Árabes, e de preferência, tordilhos; seus mais célebres animais foram MARENGO e VIZIR. VIZIR era um cavalo Árabe presenteado ao imperador Napoleão, pelo Sultão do Egito em 1808; era tordilho de origem alazão, e sua crina permaneceu alazã, até a sua morte em 1826; sua altura era de apenas 1,35m, VIZIR, foi levado para o exílio na ilha de Santa Helena, pelo imperador, e após a morte deste, VIZIR retornou à França, ficando aos cuidados de um criador de Boulogne Sur Mer que já havia alojado VIZIR durante o exílio temporário de Napoleão na ilha de Elba. VIZIR, o pequeno cavalo de Napoleão, levou-o de Paris, via Varsóvia e Wilno, até Moscou em 1812, e na grande retirada, com 60 graus abaixo de zero, trouxe o imperador a salvo, sendo que no passo de Berezina, galopou durante 16 horas. Este cavalo Árabe, símbolo de resistência, ainda com 19 anos, marchava em Paris, uma média de 10 horas por dia. Ao morrer, o criador o qual o tinha a seus cuidados, mandou empalhar VIZIR que acabou sendo adquirido por um Inglês, tendo sido levado para a Inglaterra, para posteriormente ser devolvido à França, encontrando-se atualmente no museu do exército, em Paris. O esqueleto de MARENGO encontra-se no Museu Nacional do exército em Londres.

Em 1955, o general Trevis, comandante da cavalaria norte-americana, instituiu uma prova para testar a resistência das raças eqüinas. Esta prova realizada sem interrupção, consiste em uma corrida de 160km, iniciando-se em Taboa City (1.920m de altitude) e terminando em Auburn (150m de altitude). Com exceção dos anos de 1959 e 1960, todas as provas foram vencidas por cavalos Árabes ou seus mestiços(cruza), e em 1977, a recordista, foi uma égua Árabe de nome BLAZE, que apesar dos seus 15 anos de idade, fez os 160 km em 9 horas e 29 minutos. No Brasil, em 1979, em uma prova de resistência, em Campos do Jordão, participaram cavalos de várias raças, e a referida prova foi vencida por NEDJED, garanhão Árabe que percorreu o percurso de 56km no tempo de 50 minutos na ida e 55 minutos na volta(fonte: revista Hippus-artigo de Silveira Neto).

RUSTICIDADE

O deserto já não oferecia alimentação e água em abundância, havia uma seguida alternância de locais devido ao caráter nômade dos beduínos, a temperatura durante o dia é elevada e a noite, vertiginosamente baixa.

INTELIGÊNCIA

Em face das constantes guerras, os beduínos não tinham tempo disponível para seu treinamento mais longo, adequado; mas a sua capacidade de aprendizado superava estas deficiências de seus donos. Cita-se a lenda sobre a inteligência do cavalo Árabe; em que um Sheik que possuía aproximadamente 200 reprodutoras; resolveu fazer uma experiência para uma futura seleção de seu plantel.

Durante um certo período, condicionou todas as suas 200 reprodutoras a obedecerem o toque de trombetas como ordem de recolher diariamente como de costume. Após este perfeito condicionamento; deixou estas 200 reprodutoras presas durante 5 dias aproximadamente, sem tomar água; e no 6º dia, o Sheik ordenou que as reprodutoras fossem soltas para irem beber água no riacho existente nas proximidades do haras; quando todas as reprodutoras estavam na metade do caminho ,ordenou que tocassem as trombetas e somente 20 reprodutoras retornaram ao seu alojamento, como de costume.

Então, o Sheik descartou todas as outras matrizes e iniciou uma nova criação com estas 20 reprodutoras que obedeceram ao toque das trombetas.

Cavalo Árabe imagem

DOCILIDADE

Devido ao problema da alternância de temperatura do deserto, os beduínos protegiam suas montarias do frio e do vento; para tanto, destinavam uma parte de suas tendas, juntamente com suas esposas, filhos e ele próprio; para a proteção dos seus animais.
E na sequência, o Puro Sangue Inglês.

Fonte: www.acpccp.com.br

Cavalo Árabe

Cavalo Árabe imagem 7

É a raça eqüina mais antiga do mundo. Sua origem perde-se na noite dos tempos. Os mais remotos registrados de sua presença foram encontrados na câmara mortuária do Faraó Pihiri, que viveu no século XX a. C.

Criação

Sempre criado pelos beduínos do interior da península arábica com fervor, porque eles sabiam que os animais extremamente rústicos sobreviviam às agruras do deserto com temperamento excessivamente quente de dia e noites muito frias no regime de pouca água e quase nenhum alimento. Sua resistência às intermináveis deslocações das tribos à procura de novas pastagens é outra características universalmente reconhecidos.

Foi usado desde tempos imemoriais pelos beduínos como meio de transporte, na caça e nas constantes guerras intertribais, sendo a mais veloz das raças eqüinas em estado natural.

Dócil e obediente, sua beleza física inspirou poetas, pintores e escultores desde tempos antigos. Sua resistência e rusticidade tornou a montaria de generais famosos como Alexandre, o grande, Napoleão Bonaparte, Reis e Príncipes.

Características

É o mais harmonioso dos cavalos. Sua silhueta e inconfundível. Cabeça pequena, sempre alta, com perfil ligeiramente côncavo; olhos redondos, grandes e vivos; pescoço longo finamente arqueado; espáduas inclinadas, lombo curto, garupa quase horizontal, cauda alta com fios sedosos e longos, quando em movimento estes se elevam até a vertical. Pernas fortes, boa musculatura, andar largo e cascos duros como marfim. Sua aparência geral detona força e vitalidade.

Ao contrario das outras raças que possuem dezoito costelas, seis vértebras lombares e dezoito vértebras na cauda, o Árabe tem, respectivamente, dezessete - cinco - dezesseis. Ele e o PSI são criados em todos os países do mundo e os stud books são aprovados e dirigidos WAHO (World Arab Horse Oraganization), ao qual Portugal também filiado.

Altura

Entre 1,47 e 1,57m.

Cores

Tordilho, castanho, alazão, preto.

Usos

Sela, corridas, saltos de obstáculos, lida do gado, lazer e circo.

Fonte: www.felipex.com.br

voltar 1234avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal