Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Caxias do Sul  Voltar

Caxias do Sul

UVA E VINHO

Não é por acaso que os turistas vêm conhecer a Serra Gaúcha, saem encantados.

Em meio a uma viagem de campos, matas nativas, vinhedos, pomares e lavouras, sob domínio de uma forte cultura italiana, existente um grande e estruturado pólo turístico.

A culinária tradicional aqui é destaque. Sempre generosos cafés da colônia, almoços típicos com massas, sopas, carnes, saladas, bolos, tortas e biscoitos e sabores exóticos regados a vinhos – a alma da região - faz a festa dos viajantes.

E para agradar aos olhos e ouvidos, tem o artesanato, a arquitetura, a música, a língua e os costumes com o forte abraço italiano.

Festa da Uva

Com o grande desenvolvimento do setor vinícola, surgiu a idéia de se realizar em Caxias do Sul uma exposição de uvas, de caráter festivo. E no dia 7 de março de 1931 se realizava a primeira Festa da Uva, com duração de apenas um dia, no centro da cidade. No ano seguinte, a festa foi ampliada, com a montagem de pavilhões de exposições na praça Dante Alighieri (centro da cidade). Também em 1932, foi organizado o primeiro desfile de carros alegóricos da Festa da Uva.

As alegorias desfilavam pelas ruas centrais da cidade, puxadas por carros de bois. Na terceira edição, em 1933, foi instituído o concurso da escolha da rainha da Festa da Uva. A história que é contada aos visitantes da Festa da Uva é inspirada na saga dos imigrantes que chegaram em 1875, oriundos das regiões italianas de Lombardia, Vêneto e Tirol. Esta festividade acontece em Caxias do Sul em fevereiro ou março, sempre nos anos pares.

Passava-se deste modo, da festa comunitária para a uma atividade empresarial. O ciclo romântico transforma-se em ciclo real. A Festa da Uva muda de regime jurídico e passa a ser uma Empresa Festa da Uva Turismo e Empreendimento S A da afirmação da identidade para a atração turística, da celebração para o negócio.

Fonte: bandeirahotel.com.br

Caxias do Sul

Com certeza, os fundadores da Festa da Uva de 1931 sabiam que o evento trasnformaria a cidade de Caxias do Sul e a região. Talvez não imaginassem que a idéia do português Joaquim Pedro Lisboa aliada à tecnologia Caxiense transformaria a festividade e seus objetivos iniciais num grande evento nacional. Mas sabiam da grandeza e dos propósitos do evento organizado na época.

Caxias do Sul

No arquivo... descobri uma foto que fiz em março de 1998 da Rainha da Festa da uva daquele ano.

Um dia de feira no salão do Recreio da Juventude,...para vender uvas? Claro... vender uvas, mas também incentivar a "italianada", ("i primi produtori") a produzir uva.

E na segunda festa, em 1932, já tinha "vin dolce" (vinho doce), vinho em litro, "vin in garrafoni" (vinho em garrafão).

E "la terça festa" (terceira festa),... "formagio, salami, pan de forno e altre robe de mangiare", (queijo,salame, pão de forno e outras coisas de comer). "I jugava la mora, i cantea musique taliane..."

(jogavam a "mora", cantavam músicas italianas...). A primeira rainha da Festa da Uva, eleita pelo voto direto do povo foi Adélia Eberle, em 1933. A Festa da Uva já não era somente de Caxias do Sul mas do Estado do Rio Grande do Sul.

Caxias do Sul
Na foto, uma das princesas da festa da uva de 1998

E a cada nova edição a Festa da Uva aumentava suas atrações. Mas a pouca uva que era produzida até então, a Segunda Guerra Mundial foram motivos para que de 1937 até 1950 não se realizasse o evento.

Desde 1950 que a Festa da uva se realiza a cada dois anos em Caxias do Sul. No evento de 1954 que durou 51 dias o Presidente Getúlio Vargas inaugurou o Monumento Nacional ao Imigrante.

A televisão brasileira em cores nasceu com a Festa da Uva. Em 1972 o desfile de carros alegóricos foi transmitido pela televisão com imagens a cores pela primeira vez no Brasil.

No ano de 1975 foi inaugurado o parque de exposições onde acontece a Festa da Uva atualmente. Neste parque realizam-se todos os eventos da cidade.

A Festa da Uva já foi motivo de Enredo de Escola de Samba do carnaval carioca.

A Festa da Uva é um dos maiores eventos do Brasil. Quem conhece o Brasil, conhece a "Festa da Uva". É um orgulho da cidade de Caxias do Sul e da Serra Gaúcha. As transformações na cidade em épocas de Festa da Uva são gigantestas. Vitrines, shows, decorações, gastronomia, a simpatia de seu povo e muita uva transformam a cidade em clima de festa. É uma grande alternativa econômica da cidade.

Mais de 300.000 pessoas percorrem os pavilhões da Festa da Uva. Desfiles alegóricos são realizados no centro da cidade. Centenas de Caxienses voluntários colaboram com as apresentações folclóricas.

Fonte: hjobrasil.com

Caxias do Sul

Localização: Encosta Superior do Nordeste do RS, a 125 Km de Porto Alegre.

Área da unidade territorial (Km²): 1.644,296

Data de Criação: 20 de junho de 1890

Distritos: Fazenda Souza, Vila Seca, Criúva e Santa Lúcia do Piaí

Histórico

Caxias do Sul
Caxias do Sul

A história de Caxias do Sul começa antes dos italianos, ainda quando a região era percorrida por tropeiros, ocupada por índios e chamada "Campo dos Bugres".

A ocupação por imigrantes italianos, em sua maioria camponeses da região do Vêneto ( Itália ), deu-se a partir de 1875, localizando-se em Nova Milano. Estes, por sua vez, buscavam um lugar melhor para viver. No entanto, encontraram lombardos, trentinos e outros. Embora tivessem ganho auxílio do governo, ferramentas, alimentação e sementes, esse mesmo auxílio teve que ser reembolsado aos cofres públicos.

Dois anos após, a sede da colônia do Campo dos Bugres recebeu a denominação de Colônia de Caxias. No dia 20 de junho de 1890 foi então criado o Município, e a 24 de agosto do mesmo ano, foi efetivada a sua instalação. Vários ciclos econômicos marcaram a evolução do Município ao longo deste século.

O primeiro deles está ligado ao traço mais forte da sua identidade: o Cultivo da Videira e a Produção de Vinho. Num primeiro momento, para consumo próprio e, mais adiante, para comercialização.

No dia 1º de junho de 1910 Caxias foi elevada à categoria de cidade e, neste mesmo dia, chegava o primeiro trem, ligando a região à capital do Estado.

Os imigrantes eram agricultores, porém, muitos deles possuíam outras profissões. Instalaram-se na região, urbanizando-a e dando início a um acelerado processo industrial.

Na zona rural instala-se a agricultura de subsistência, que se concentra na produção de uva, trigo e milho, começando a industrialização em nível doméstico. Todo o excedente era comercializado. No início, a uva e o trigo. Com o correr do tempo, há diversificação da indústria caseira para, juntamente com o processo humano da colônia, acontecer a ampliação do leque de manufaturados. Das pequenas oficinas caseiras às grandes indústrias hoje, internacionalmente conhecidas.

Em 1967 é criada a Universidade de Caxias do Sul, núcleo da cultura sistematizada.

Caxias do Sul é hoje, o pólo centralizador da região mais diversificada do Brasil, com seus laboriosos colonos, seus vastos parreirais, suas vinícolas, seu variado parque industrial e um comércio rico e dinâmico, o que dá a essa terra uma dimensão ainda maior, razão pela qual "Caxias do Sul", a "Capital da Montanha", a "Pérola das Colônias", a "Colméia do Trabalho" é, por si só, o pólo centralizador da marca italiana no sul do Brasil.

É através da Uva e do Vinho, que Caxias se notabilizou, sendo o berço do turismo do Estado quando, em 1931, lançava a maior festa do sul: a Festa da Uva. Vinhos, uvas, frio e neve, aliados ao clima europeu destas montanhas.

Embora o povoamento efetivo da região fosse iniciado em 1876, já dois séculos antes os jesuítas tinham tentado cristianizar esta zona. Por vários motivos as reduções fracassaram e os índios continuaram sua vida seminômade, daí o nome original de Campo dos Bugres, porque encontraram ali vestígios de antigo acampamento.

Em 1877, como homenagem a Duque de Caxias, foi denominada "Colônia de Caxias". Em 1884 a colônia foi anexada ao Município de São Sebastião do Caí. O Ato nº 257 de 20 de junho de 1890 criou o novo município sob a denominação de Caxias.

A origem da indústria Caxiense deu-se em 1895 com a atuação de um jovem italiano, com apenas 16 anos. Abramo Eberle inicia com uma pequena funilaria. Devido ao grande desenvolvimento em 1910, recebeu ligação por via férrea e a sede foi elevada à categoria de cidade. Caxias do Sul recebeu três títulos pelo destaque que vem tendo em nosso Estado. Capital do Planalto, Metrópole do Vinho e Pérola das Colônias, o último é o que se tornou mais popular.

Três municípios emanciparam-se das terras de Caxias: Flores da Cunha, Farroupilha e São Marcos.

Junto com os imigrantes, outras etnias partilharam desse caminho. Aconteceram a miscigenação e a aculturação. Cantos e linguagem, hábitos e tradições se aproximaram. Ao lado do lastro cultural itálico, convive a bela tradição gaúcha. O churrasco e o vinho, a polenta, o galeto e as macarronadas, ao som de belas letras trazidas da longínqua Itália e de outras, já produzidas na terra de cá dão matizes, sonorização e sabores especiais à culinária típica desta Metrópole. É a fartura do Sul aliada ao sabor especial do tempero italiano.

É, através da uva e do vinho, que Caxias se notabilizou, sendo o berço do turismo do Estado quando, em 1931, lançava a maior festa do sul: a Festa da Uva.

Fonte: www.caxias.rs.gov.br

Caxias do Sul

Rio Grande do Sul - RS

Histórico

Município de Caxias do Sul, como tantos outros da então Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, resultou do agrupamento de imigrantes oriundos da Itália.

Em maio de 1875 chegavam a Porto Alegre os primeiros colonos saídos em fevereiro de Olmate, província de Milão. Em pequenos grupos foram transportados até o porto de Guimarães (atual cidade de Caí, e seguindo o vale do rio Caí, chegaram em setembro, finalmente, ao Campo dos Bugres, paragem assim denominada porque tinha sido habitada pelos índios caáguas e onde hoje se ergue Caxias do Sul.

O grupo étnico que compunha a primeira leva de colonizadores era o mais variado possível, constituído de tiroleses, venetos, lombardos e trentinos, vindos das cidades italianas de Cremona, Beluno e Milão.

As facilidades que se apresentavam aos que desejassem emigrar para o Brasil fez com que outros grupos, acrescidos de emigrantes russos. poloneses e suecos, fossem chegando até 1894, época em que terminou a concessão do transporte transoceânico gratuito por parte do governo.

Um recenseamento efetuado em dezembro de 1876 acusou a existência de 2.000 colonos concentrados na região. Ao chegarem eram recebidos por uma comissão governamental, que se incumbia da demarcação dos lotes e da abertura de estrada. Em geral, os colonos permaneciam poucas semanas em barracões.

Enquanto aguardavam a demarcação dos lotes. que correspondiam a 63 ha de área para cada família, eram aproveitados nos trabalhos da Comissão. O Governo Imperial dava-lhes, além das terras para cultivar, as ferramentas e sementes necessárias.

Em 1877 a sede da Colônia de Campo dos Bugres recebeu a denominação de "Colônia de Caxias". Nesse mesmo ano era rezada a primeira missa pelo padre Antônio Passagi. A 12 de abril de 1884. foi desligada da Comissão de Terras do Império e anexada ao Município de São Sebastião do Caí, do qual ficou constituindo o 5.° Distrito de Paz.

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Caxias, pela lei provincial nº 1455, de 26-04-1884, subordinado ao município de são Sebastião do Caí.

Elevado à categoria de vila com a denominação de Caxias, por ato nº 257, de 20-06-1890, desmembrado do município de São Sebastião do Caí. Sede na antiga povoação de Caxias. Constituído do distrito sede. Instalado em 24-08-1890.

Pelo ato nº 5, de 03-07-1890, é criado o distrito de Nova Trento e anexada a vila de Caxias.

Pelo ato municipal nº 38, de 25-09-1902, é criado o distrito de Nova Milano e anexada a vila de Caxias.

Pelo ato municipal nº 57, de 28-01-1904, é criado o distrito de Nova Pádua e anexada a município de Caxias.

Elevado à condição de cidade com a denominação de Caxias, pela lei estadual n° 1607, de 01-06-1910.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído de 4 distritos: Caxias, Nova Milano, Nova Pádua e Nova Trento.

Pelos atos municipais nºs 14, de 02-02-1914 e 150, de 30-06-1921, é criado o distrito de Galópolis e anexado ao município de Caxias.

Pelo ato municipal nº 84, de 21-17-1917, o distrito de Nova Milano tomou a denominação de Nova Vicenza.

Nos quadros de apuração do recenseamento geral de 1-IX-1920, o município é constituído de 5 distritos: Caxias, Galópolis, Nova Pádua, Nova Trento e Nova Vicenza (ex-Nova Milano).

Pelo ato municipal nº 150, de 30-06-1921, é criado o distrito de São Marcos e anexado ao município de Caxias.

Pelo decreto estadual nº 3320, de 17-05-1924, desmembra do município de Caxias os distritos de Nova Trento e Nova Pádua, para constituir o novo município de Nova Trento. Elevado à categoria de município.

Pelo ato municipal nº nº 82, de 07-08-1927, é criado o distrito de Ana Rech e anexado ao município de Caxias.

Pelo to municipal nº 148, de 01-07-1933, é criado o distrito de Nova Milão e anexado ao município de Caxias.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído de 6 distritos: Caxias, Ana Rech, Galópolis, Nova Milão, Nova Vicenza e São Marcos.

Pelo decreto estadual n.° 5.779, de 11-12-1934, o distrito de Nova Milão foi transferido do município de Caxias, para constitui o novo município de Farroupilhas.

Em divisões territoriais datadas de 3 1-XII-1936 e 31-XII-1937, o município é constituído de 4 distritos: Caxias, Ana Rech, Galópolis e São Marcos.

Não figurando o distrito de Nova Vicenza.

Pelo decreto estadual nº 7842, de 30-06-1939, Caxias adquiriu de município de São Francisco de Paula de Cima da Serra o distrito de Seca.

No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município é constituído de 6 distritos: Caxias, Ana Rech, Galópolis Santa Lucia do Piai São Marcos e Seca.

Pelo decreto-lei estadual nº 720, de 29-12-1944, o município de Caxias tomou a denominação de Caxias do Sul e adquiriu o município de Caí o distrito de Santa Lucia do Piai.

No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município é constituído de 6 distritos: Caxias do Sul (ex-Caxias), Ana Rech, Galópolis, Santa Lucia do Piai, São Marcos e Seca.

Pela lei municipal nº 177, de 10-05-1950, é criado o distrito de Oliva, com terras desmembradas do distrito de Eletra e anexado ao município de Caxias do Sul.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 7 distritos: Caxias do Sul, Ana Rech, Galópolis, Oliva, Santa Lucia do Piai, São Marcos e Seca.

Pela lei municipal nº 390, de 21-11-1951, é criado o distrito de fazenda Souza com terras desmembrada do distrito de Ana Rech e anexado ao município de Caxias do Sul.

Pela lei municipal nº 493, de 25-11-1952, é criado o distrito de Forqueta e anexado ao município de Caxias do Sul.

Pela lei estadual nº 2531, de 15-12-1954, Caxias do Sul adquiriu do município de São Francisco de Paula de Cima da Serra o distrito de Criúva.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 10 distritos: Caxias do Sul, Ana Rech, Criúva, Fazenda Souza, Forqueta, Galópolis, Oliva, Santa Lucia do Piai, São Marcos e Seca.

Assim permencendo em divisão territorial datada de 1-VII-1963.

Pela lei estadual nº 4576, de 09-10-1963, desmembra do município de Caxias do Sul o distrito de São Marcos. Elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1968, o município é constituído de 9 distritos: Caxias do Sul, Ana Rech, Criúva, Fazenda Souza, Forgueta, Galópolis, Oliva, Santa Lucia do Piai e Seca.

Pela lei municipal nº 2535, de 28-12-1979, foram extintos os distritos de Ana Rech, Forqueta e Galópolis, sendo seus territórios anexado ao distrito sede do município de Caxias do Sul.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1983, o município é constituído de 6 distritos: Caxias do Sul, Criúva, Fazenda Souza, Oliva, Santa Lucia do Piai e Seca.

Assim permencendo em divisão territorial datada de 1999.

Pela lei nº 4318, de 20-12-1994, é criado o distrito de Vila Cristina e anexado ao município de Caxias do Sul.

Em divisão territorial datada de 2001, o município é constituído de 7 distritos: Caxias do Sul, Criúva, Fazenda Souza, Oliva, Santa Lucia do Piai, Seca e Vila Cristina.

Assim permencendo em divisão territorial datada de 2007.

Alteração toponímica municipal

Caxias para Caxias do Sul, Alterado pelo decreto-lei estadual nº 720, de 29-12-1944.

Fonte: biblioteca.ibge.gov.br

Caxias do Sul

A fábrica depende do vendedor

O parque industrial de Caxias do Sul nasceu atrás do balcão de alguma casa comercial. O comércio viabilizou o surgimento de empresas que se transformaram em gigantes dos ramos metalúrgico, vinícola, moveleiro, têxtil e alimentício. Artesãos e agricultores de mão cheia, os colonizadores do Campo dos Bugres também sabiam vender. "0 italiano do Vêneto é empresário por natureza', diz o professor Mário Gardelin, 68 anos. Os pioneiros eram descendentes dos famosos mercadores de Veneza. Em 1899, o lançamento de impostos do município registrava a existência de 103 casas de negócios em Caxias. Trinta anos depois da imigração, o município de 30.500 habitantes tinha 318 empórios. No centro da cidade funcionavam selarias, açougues, padarias, funilarias, carpintarias, alfaiatarias e ferrarias. O interior era movido por cantinas de vinho, serrarias e moinhos de trigo. Um ano antes do final do século 19, a ex-colônia contava com 223 fábricas. "0 artesanato sozinho não teria condições de impulsionar a indústria", acredita o escritor José Clemente Pozenato, 58 anos. O empurrão veio com a estrada de ferro Porto Alegre-Montenegro-Caxias, em junho de 1910. "0 trem viabilizou o comércio em grande escala e o acúmulo de capital", afirma o autor do romance O Quatrilho. Assim nasceu uma das maiores indústrias do Brasil. Herdeiro de uma funilaria, Abramo Eberle sempre foi um grande comerciante. Em suas andanças pelo Centro do país, vendia o vinho e os produtos dos colonos de Caxias. Trazia dinheiro. Quando achou que tinha o suficiente, largou a estrada para erguer a primeira grande metalúrgica do Estado.

Um bom vinho, depois de muita teimosia

Os primeiros italianos que se instalaram no Campo dos Bugres, por volta de 1875, sabiam beber vinho. Produzir seria outra história. Oriundos da região do Vêneto, norte da Itália, a maioria trabalhava na lavoura plantando cereais, ou na cidade, dedicando-se ao artesanato. A enologia era um hobby de poucos entendidos. O italiano médio sabia fazer vinho de baixa qualidade. "Eles não dominavam a tecnologia a ponto de saber produzir um bom vinho", afirma o escritor José Clemente Pozenato, 58 anos. Somente com a política de subsídios e pesquisa do governo gaúcho foi que a Serra se transformou na terra das cantinas.

O vinho era bebida predileta destes imigrantes. Na esperança de desenvolver belos parreirais que serviriam de matéria-prima para as adegas do porão, eles trouxeram na bagagem bacelos (mudas em forma de galhos) de boas uvas. Pura decepção. O solo ácido de grande parte dos lotes acabou com o sonho dos italianos. Cerca de 20 anos antes, o governo imperial havia importado videiras dos Estados Unidos para incentivar a produção de uva nas colônias alemãs.

O projeto da Princesa Isabel não vingou, mas a uva que foi batizada com o seu nome caiu como uma luva para a sede dos italianos, apostaram todas as fichas nos parreirais. Foi um tiro no escuro. "Em geral, os colonos não possuem conhecimentos de viticultura, e o pouco que sabem aprenderam-no pela prática e às próprias custas", escreveu num relatório de 1905 o professor Humberto Ancarini, funcionário do governo italiano. Resistente ao sobe-desce das temperaturas, a isabel virou unanimidade entre os colonos. Percebendo a falta do produto no mercado brasileiro, os imigrantes logo usaram seu tino comercial para negociar o excedente da produção caseira nas cidades de outros Estados.

Mas o solo fraco poduzia uma boa bebida. "A uva isabel contém sais de cal em baixíssima proporção, pois as terras são desprovidas de calcáreo", informava Ancarini. "Com isto obtém-se um vinho fraco, áspero e com sabor de morango, sabor este, porém, que agora está sendo modificado artificialmente' " Eleito produto de exportação, o vinho precisava ganhar qualidade. Foi assim que, na década de 20, o governador Borges de Medeiros criou o primeiro laboratório de videiras a céu aberto do Brasil.

Instalada numa área onde hoje funciona a Universidade de Caxias do Sul (UCS), a Estação Experimental de Viticultura e Enologia passou a desenvolver novas variedades a partir de bacelos importados. Técnicos franceses e italianos chegavam da Europa para repassar tecnologia aos colonos. Caxias se transformou em pólo da vitivinicultura.

A fuga dos grevistas

No início de 1890, um comício promovido pelos operários do Lanificio Rossi, na cidade italiana de Schio, provocou a expulsão de 308 tecelões. Tiveram que deixar a empresa e o país. Eles protestavam contra a redução de 20% dos seus salários. As autoridades ficaram do lado do conde Alexandre Rossi, que perdoou apenas os grevistas com família. Os solteiros vieram parar no Brasil. Um grupo tentou a sorte em Caxias, em terras devolutas da quarta e quinta légua. Construíram rodas d'água e montaram uma cooperativa para uma pequena tecelagem de lã. Em 29 de janeiro de 1898 era inaugurado o Lanificio São Pedro.

Sem experiência administrativa, os italianos uniram-se a um antigo industrial de Piemonte que modernizou a empresa. Em pouco tempo, Hércules Galló assumiu o controle da indústria de tecidos de lã e o poder político na vila. Até hoje a localidade fundada pelos grevistas de Schio tem o nome de um capitalista.

Festa da uva

A história da uva na Serra Gaúcha começa em 1875, ano em que chegaram as primeiras levas de famílias imigrantes, vindas das províncias do Norte da Itália. As mudas de videiras trazidas pelos italianos logo começaram a cobrir os vales e encostas da região. Em poucas décadas a viticultura tornou-se a principal atividade econômica.

No ano de 1920, eram cultivados na Região dos Vinhedos mais de 11 mil hectares de videiras, área que passou para 25 mil hectares em 1950 e chegou a quase 50 mil hectares na década de 70.

Com o grande desenvolvimento do setor vinícola, surgiu a idéia de se realizar em Caxias do Sul uma exposição de uvas, de caráter festivo. E no dia 7 de março de 1931 se realizava a primeira Festa da Uva, com duração de apenas um dia, no centro da cidade. No ano seguinte, a festa foi ampliada, com a montagem de pavilhões de exposições na praça Dante Alighieri (centro da cidade).

Caxias do Sul

Também em 1932, foi organizado o primeiro desfile de carros alegóricos da Festa da Uva. As alegorias desfilavam pelas ruas centrais da cidade, puxadas por carros de bois. Na terceira edição, em 1933, foi instituído o concurso da escolha da rainha da Festa da Uva.

Através de um pleito de cunho popular, foi escolhida a primeira rainha da festa: Adélia Eberle, com 5.934 votos, ficando outros 5.500 votos do concurso divididos entre as demais candidatas.

A história que é contada aos visitantes da Festa da Uva é inspirada na saga dos imigrantes que chegaram em 1875, oriundos das regiões italianas de Lombardia, Vêneto e Tirol.

Fugiram da miséria que assolava a Itália após a unificação. Vinham atraídos pelo discurso dos recrutadores e pelo sonho de serem proprietários de terra no Novo Mundo. Receberam 8 mil quilômetros quadrados de terra na Encosta Superior do Nordeste do Rio Grande do Sul. Terras devolutas, inaproveitáveis para a produção agrícola, que precisavam ser povoadas.

A vinda deles e os recursos para adquirirem os lotes, ferramentas e sementes foram financiados pelo governo brasileiro, que estipulou um prazo entre cinco e dez anos para pagamento da dívida. Os colonos recebiam título provisório da terra quando quitavam 20%. Dívida paga, o título era entregue em definitivo.

Aos poucos, os descendentes dos imigrantes viram as dificuldades da nova pátria sendo superadas, tornando-se verdadeiramente a terra da "fartura". A cultura trazida pelos imigrantes italianos, transmitida pelas gerações, foi propagada por todo o Estado, ultrapassando as fronteiras gaúchas.

Fonte: www.paginadogaucho.com.br

Caxias do Sul

A história de Caxias do Sul, começa antes dos italianos, ainda quando a região era percorrida por tropeiros e ocupada por índios, chamada \\\"Campo dos Bugres\\\". A ocupação por imigrantes italianos, em sua maioria camponeses da região do Vêneto ( Itália ), deu-se a partir de 1875, localizando-se em Nova Milano. Estes por sua vez, buscavam um lugar melhor para viver, no entanto, encontraram lombrados, trentinos e outros. Embora tivessem ganho auxílio do governo, ferramentas, alimentação e sementes, esse mesmo auxílio teve que ser reembolsado aos cofres públicos.

Dois anos após, a sede da colônia do Campo dos Bugres recebeu a denominação de Colônia de Caxias. No dia 20 de junho de 1890 foi então criado o Município, e a 24 de agosto do mesmo ano, foi efetivada a sua instalação. Vários ciclos econômicos marcaram a evolução do Município ao longo deste século.

O primeiro deles está ligado ao traço mais forte da sua identidade: O Cultivo da Videira e a Produção de Vinho. Num primeiro momento, para consumo próprio, e mais adiante para comercialização.

No dia 1º de junho de 1910, Caxias foi elevada a categoria de cidade e, neste mesmo dia chegava o primeiro trem, ligando a região à Capital do Estado. Os Imigrantes eram agricultores porém, muitos deles possuíam outras profissões. Instalaram-se na região, urbanizando-a e dando início a um acelerado processo industrial.

Na zona rural instala-se a agricultura de subsistência que se concentra na produção de uva, trigo e milho, começando a industrialização em nível doméstico. Todo o excedente era comercializado. No início, a uva e o trigo. Com o correr do tempo, a diversificação da indústria caseira para, juntamente com o processo humano da colônia, a ampliação do leque de manufaturados. Das pequenas oficinas caseiras, as grandes indústrias hoje, internacionalmente conhecidas.

Em 1976, é criada a Universidade de Caxias do Sul, núcleo da cultura sistematizada.

Caxias do Sul é hoje, o pólo centralizador da região mais diversificada do Brasil, com seus laboriosos colonos, seus vastos parreirais, suas vinícolas, seu variado parque industrial e um comércio rico e dinâmico; dando a esta terra uma dimensão ainda maior, razão essa que Caxias do Sul é a Capital da Montanha, a Pérola das Colônias, a Colméia do Trabalho é, por si só, o pólo centralizador da marca italiana no sul do Brasil.

Junto com os imigrantes, outras etnias partilharam desse caminho. Aconteceram a miscigenação e a aculturação. Cantos e linguagem, hábitos e tradições se aproximaram. Ao lado do lastro cultural itálico, convive a bela tradição gaúcha. O churrasco e o vinho, a polenta, o galeto, as macarronadas, ao som de belas letras trazidas da longínqua Itália e de outras já produzidas na terra de cá dão matizes, sonorização e sabores especiais à culinária típica desta Metrópole. É a fartura do Sul aliada ao sabor especial do tempero italiano.

É, através da Uva e do Vinho, que Caxias se notabilizou, sendo o berço do turismo do Estado quando, em 1931, lançava a maior festa do sul: a Festa da Uva.

Vinhos, uvas, frio e neve, aliados ao clima europeu destas montanhas, com muita gente bonita, comida farta, hospitalidade e muitos atrativos reiteram o convite: Venha e comprove. Tome conosco um gostoso vinho e se delicie com as mais saborosas uvas.

Festa da Uva

A Festa da Uva, ou Festa Nacional da Uva de Caxias do Sul, é uma festa brasileira da cultura italiana e da produção agro-industrial regional que acontece a cada dois anos no município de Caxias do Sul, estado do Rio Grande do Sul.

A próxima edição será em: 16 de fevereiro à 04 de março de 2012.

A Festa da Uva remonta aos inícios da colonização italiana no Rio Grande do Sul. Entre os primeiros imigrante era hábito uma certa reverência à terra e à colheita, como elo de ligação entre as pessoas e como respeito pela dádiva do alimento.

Com o crescimento da colônia, estas primeiras festas agrícolas dispersas foram fundidas em uma única, a Feira Agro-Industrial, realizada em 1881, que ocupou duas salas no edifício da Diretoria de Terras. Outras edições ocorreram depois, em intervalos que variaram de dois a doze anos, utilizando outros espaços da então Vila de Caxias, como os salões do Clube Juvenil, do Recreio da Juventude e do Quartel Federal.

A sétima edição, inaugurada em 13 de fevereiro de 1913, foi a primeira a incorporar participantes de outras cidades, como Guaporé, Antônio Padro e Bento Gonçalves.

Também os objetivos da Feira mudaram algumas vezes: em 1898 foi realizada para angariar fundos para a construção da Catedral de Caxias do Sul, a de 1918 teve como motivo a visita do embaixador da Itália à região, e em cada novo festejo havia novidades nos ítens expostos, passando a mostrar maquinário agrícola, ferramental e ítens de uso doméstico produzidos na cidade, e outros elementos.

Com essa crescente diversidade, Joaquim Pedro Lisboa sugeriu que se criasse uma festividade específica para os produtos que mais caracterizavam Caxias do Sul, a uva e o vinho. Desta forma, em 7 de março de 1931 foi inaugurada a primeira Festa da Uva na cidade. Tendo grande repercussão, foi repetida no ano seguinte, e saiu do interior de salões para ganhar as ruas, com desfiles de carros alegóricos e de grupos caracterizados.

Durante a Revolução de 30 e a II Guerra Mundial, a Festa da Uva foi interrompida, sendo retomada em 1950 por ocasião do 40º aniversário da cidade e dos 75 anos de Imigração Italiana no Brasil. Mas, neste retorno da Festa, a cidade já era outra, e, com suas ruas centrais pavimentadas, o setor metalmecânico caxiense já superava a própria produção vitivinícola local. A Festa da Uva de 1954 foi histórica, pois Getúlio Vargas foi à cidade especialmente para inaugurar o Monumento Nacional ao Imigrante, tendo cometido o famoso suicídio meses depois, em agosto, no Rio de Janeiro.

Em meados da década de 1950 foi construído o primeiro pavilhão próprio para a Festa da Uva, com 5 mil m2, onde hoje está instalada a Prefeitura Municipal, para abrigar a constante ampliação no número de expositores. Em 1965 a Festa da Uva, com sua Feira Agro-Industrial, já era considerada o maior evento em seu gênero em toda a América do Sul, sendo visitada por mais de 300 mil pessoas.

Em 1972, a festa foi marcada pela sua transmissão em todo Brasil pela inauguração das transmissões em cores no Brasil.

Um novo local para a festa foi escolhido em 1974, sendo transferida para o chamado Parque Mário Bernardino Ramos, com uma área construída de 32 mil m2 de estruturas metálicas para os expositores, 30 mil m2 para estacionamento, e uma área verde em torno de 400 mil m2. O novo complexo foi inaugurado em 15 de fevereiro de 1975 na XIIIª edição da Festa da Uva. Em 1978 foi erguida ali uma pequena réplica da primeira colônia de Caxias do Sul, com um grupo de casas de madeira e uma igrejinha, animadas por um espetáculo de Som e Luz. Em 2004 também foi instalado no parque o Monumento Jesus Terceiro Milênio, de autoria de Bruno Segalla, e o Memorial Atelier Zambelli, dedicado à preservação do acervo remanescente da oficina da importante família de santeiros, escultores e decoradores da cidade.

Com os anos a Festa da Uva perdeu seu caráter estritamente local, tornando-se uma comemoração regional, mas ainda que atualmente as seções de indústria e comércio tenham adquirido enorme relevo, ainda se preservam os elementos históricos ligados à uva e ao vinho, responsáveis pelos primeiros ciclos econômicos de Caxias do Sul.

Pontos Turisticos

Monumento Nacional ao Imigrante

Caxias do Sul

O Monumento Nacional ao Imigrante, inaugurado em 1954 durante a Festa da Uva pelo presidente Getúlio Vargas, é uma criação do escultor Antonio Carangi.

Feito de bronze e medindo 4,5 metros de altura, retrata o heroísmo e a luta dos imigrantes que abandonaram sua terra e vieram construir Caxias do Sul.

Junto ao monumento encontramos o Museu do Imigrante, com a exposição do trabalho relativo às mulheres caxienses e sua contribuição para a crescente evolução dessa cidade que tem muito orgulho de suas origens.

Museu de Ambiência Casa de Pedra

Caxias do Sul

Casa de pedra construída na penúltima fase do século XIX, de dois pisos e rejunte de barro, transformada em museu no ano de 1975, com objetos em seu interior, que retratam os afazeres dos imigrantes e de seus descendentes, doados pela comunidade caxiense.

Catedral Diocesana

Caxias do Sul

Segundo o historiador e Cônego José Baréa, a primeira "Igreja" foi uma cabanazinha feita de taquaras, no antigo cemitério, na rua Bento Gonçalves, em Caxias do Sul.

O tabernáculo, para guarda do Santíssimo, era a caixa de um velho relógio de parede.

Mais tarde, serviu de Igreja uma casinha de propriedade de Luigi del Canale, na Avenida Júlio de Castilhos, esquina rua Garibaldi, onde hoje se situa o Edifício Estrela.

Daí, ela foi transferida para outra casa alugada, de Carlos Gatti, esquina da rua Sinimbú, que foi destruída por um incêndio, na noite de 16 para 17 de agosto de 1886.

Foi então construído um barracão de tábuas, no local onde hoje está erguida a Catedral, no centro de Caxias do Sul, na Praça Dante Alighieri.

O nome da padroeira da Igreja de Caxias do Sul, Santa Teresa, foi inspirado pela gratidão dos imigrantes italianos para com a Imperatriz D. Teresa Cristina, esposa de D. Pedro II, Imperador do Brasil.

Igreja São Pelegrino

Caxias do Sul

A devoção a São Pelegrino, em Caxias do Sul, está vinculada aos primórdios da imigração italiana e da fundação da cidade. Em 1879 a família Sartori chegava ao antigo "Campo dos Bugres" trazendo a imagem do Santo que se habituaram a venerar na sua terra natal, Treviso, cidade da região do Vêneto, Italia.

Marcados fortemente por uma tradição religiosa, encontraram alternativas para as suas necessidades espirituais criando inicialmente um "Capitel". Após, a "Capelinha de Madeira" e a Igreja de Madeira, inaugurada em 1938. A Igreja Matriz foi inaugurada em 02/08/1953 e concedido o nome de "Paróquia São Pelegrino".

A devoção na Itália teve origem em uma pequena localidade chamada "São Pellegrino in Alpe",  passagem das grandes peregrinações durante a Idade Média.

Fixou-se ali um homem vindo de terras distantes (filho de reis da Escócia) e que passou a levar uma vida de eremita. Dedicava seu tempo à oração e à caridade, ajudando os necessitados e protegendo os peregrinos dos perigos da floresta. Vindo a falecer, foi considerado Santo por iniciativa popular. Neste local foram construídos uma igreja e um albergue para os peregrinos e, atualmente, existe um museu etnográfico.

Fonte: www.caxiasdosul.tur.br

Caxias do Sul

Pontos Turísticos

Casa de Pedra

É feita de pedras irregulares, com barro e madeira trabalhada a mão.

Igreja de São Pelegrino

É um dos mais belos templos católicos da região, abrigando a obra de Aldo Locatelli.

Monumento Nacional ao Imigrante

A pedra fundamental foi lançada em 1950 em comemoração ao 15º aniversário da imigração italiana.

Museu Municipal

Arquivo Histórico, Mapoteca, Fototeca, Pinacoteca e Filmoteca, contam a História da saga da imigração italiana.

Pavilhões da Festa Nacional da Uva

A Festa da Uva tem demonstrado a pujança econômica e cultural da região, mostrando a cada evento o potencial industrial, comercial, o artesanato típico, a uva e o vinho produzidos na Serra Gaúcha.

Réplica de Caxias do Sul

Conjunto arquitetônico, cuja construção obedeceu aos padrões vigentes na época.

Cantinas - Castelo Lacave - Companhia Vinícola Rio-grandense e Granja Piccoli

Atende grupos para visita de degustações.

Colônias

Estradas de chão batido levam os visitantes a percorrer caminhos bucólicos e pitorescos ao encontro de autênticos descendentes dos imigrantes italianos, suas tradições, usos e costumes.

Espetáculo "Som e Luz"

De terças a domingos junto a Réplica dos Pavilhões da Festa Nacional da Uva.

Fonte: www.explorevale.com.br

Caxias do Sul

Caxias do Sul é um município que cresceu, progrediu, virou cidade grande, mas morre de saudade dos tempos da ocupação por imigrantes italianos.

Localizada a 136 km de Porto Alegre, Caxias é a mais rica cidade da Serra Gaúcha -a segunda mais importante do Rio Grande do Sul.

Pelas ruas do município, que possui cerca de 370 mil habitantes, as marcas da colonização resistem à força da modernidade que edifica a infra-estrutura urbana, misturando edifícios e indústrias a cantinas e vinícolas artesanais.

Caxias também se divide para contar a sua origem, orgulho de qualquer habitante. Rota dos tropeiros no século 18, a história começa mesmo com a chegada dos italianos em 1875, que iniciaram o cultivo da uva e a produção de vinho na encosta da Serra, hoje metrópole industrial.

A geografia do território é bastante diversificada. Em um terço da área, predomina o cenário urbano, que ainda conserva um pouco da arquitetura colonial em casas de pedra e igrejas e esconde pequenas propriedades agrícolas, que produzem alguns dos melhores vinhos do país. O restante da paisagem é constituído por coxilhas e campos, onde imperam o chimarrão e o churrasco de vala -a metade gaúcha da alma da cidade.

Caxias do Sul tem ligações pavimentadas pelos quatro cantos, aeroporto, universidade e um pouco de natureza. É um bom destino para quem quer fugir da badalação das grandes capitais, mas não quer abrir mão do shopping center.

SILVIO NAVARRO

Fonte: www1.folha.uol.com.br

Caxias do Sul

Um dos destinos preferidos dos apreciadores de bons vinhos e espumantes nacionais, Caxias do Sul mescla atrações que vão além das vinícolas. Na programação turística estão museus, igrejas, casas históricas, cantinas e, nos anos pares, a tradicional e concorrida Festa Nacional da Uva. O evento acontece no mês de fevereiro - época das colheitas -, com desfile de carros alegóricos, degustações e espetáculos de música e de dança.

Caxias do Sul
Caminhos da Colônia: Mesa farta nas cantinas e restaurantes italianos

As lembranças e referências dos colonizadores italianos estão por toda a parte, em especial na zona rural, onde a paisagem é emoldurada por parreiras, construções em pedra e capelinhas. A área foi dividida em roteiros, uma maneira de facilitar as visitas e não deixar nenhum atrativo de fora.

No acesso para Flores do Cunha, por exemplo, fica o Caminhos da Colônia, que apresenta as cantinas Zanrosso e Tonet, com restaurantes, fabricação e venda de vinhos e produtos coloniais. Já na Estrada do Imigrante está o Museu Zinani, de 1915, com objetos da época; e a Casa Bonet (1877), toda de pedra. No Vale Trentino, o Museu Municipal da Uva e do Vinho é a principal atração e guarda máquinas utilizadas em vinícolas desde o século 19. Outro roteiro é o Ana Rech, que leva ao Château Lacave, uma réplica de castelo medieval com salas temáticas, adega, degustação e venda de vinhos.

Já no Centro da cidade, o legado dos colonos se faz presente na Igreja de São Pelegrino, com portas de bronze, murais de Aldo Locatelli e uma réplica da Pietá, de Michelangelo. A herança continua nos restaurantes especializados em rodízio de galetos, uma instituição de Caxias do Sul. As aves são preparadas com esmero - depois de temperadas com vinho branco, sálvia e sal são douradas em uma churrasqueira a carvão - e chegam às mesas acompanhadas por sopa de agnolini, maionese, radicce (uma espécie de almeirão) com bacon, polenta e massa caseira.

Os fãs das boas compras e dos esportes de aventura também podem incrementar o passeio à Caxias. Na saída para Farroupilha estão dois grandes centros de pronta-entrega de malhas, com bons produtos a preços acessíveis. Já a turma do trekking encontra belas e variadas trilhas no cânion do Palanquinhos, enquanto os adeptos do rafting praticam a atividade nas corredeiras do rio das Antas.

Fonte: feriasbrasil.com.br

Caxias do Sul

Originalmente chamada de Campo dos Bugres, a região era percorrida por tropeiros e foi ocupada por índios. Em 1876 chegaram os primeiros agricultores italianos vindo da Lombardia, Vêneto e Piemonte, dando início à ocupação desta região íngreme, de clima europeu. Em 1890 veio a emancipação do município de Caxias do Sul, desmembrando-se de São Sebastião do Caí, e em 1910, foi elevada à categoria de cidade. Nesta data também chega o primeiro trem, ligando a região à capital do Estado. 

Na zona rural instalou-se, na época, a agricultura de subsistência concentrada na produção de trigo e milho e, mais tarde, a uva.

Junto com os italianos, outras etnias partilharam deste caminho. Aconteceu a miscigenação, onde hábitos e tradições se fundiram. Com o tempo Caxias do Sul notabilizou-se através da uva e do vinho. Em 1931, por obra de Joaquim Pedro Lisboa, nasce a maior e mais tradicional festa do sul do país, a Festa da Uva.

Assim é Caxias do Sul: a soma de folclore, do prato típico, da convivência harmônica de técnicas artesanais com tecnologia de ponta, da hospitalidade ítalo-gaúcha e dos atrativos turísticos inigualáveis.

Rota Uva e Vinho

A saga imigrante italiano, juntamente com as demais etnias é a grande marca de seu povo. A rota Uva e Vinho apresenta cenários que lembram lindas imagens européias. A Uva, o Vinho e a diversificada gastronomia são encontrados nos hotéis, pousadas, restaurantes, cantinas, vinícolas e adegas de toda a região.

Municípios participantes: Antônio Prado, Bento Gonçalves, Carlos Barbosa, Casca, Caxias do Sul, Cotiporã, Fagundes Varela, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Guaporé, Ipê, Marau, Monte Belo do Sul, Nova Bassano, Nova Pádua, Nova Prata, Nova Roma do Sul, Protásio Alves, Santa Tereza, São Marcos, Serafina Corrêa, Veranópolis, Vila Flores, Vila Maria.

Confira a distancia em relação a algumas cidades do Brasil:

Bento Gonçalves (RS): 42 Km
Porto Alegre (RS): 136 Km
Florianópolis (SC): 478 Km
Curitiba (PR): 584 Km
São Paulo (SP): 982 Km
Campo Grande (MS): 1339 Km
Rio de Janeiro (RJ): 1426 Km
Belo Horizonte (MG): 1706 Km
Brasília (DF): 1923 Km
Maceió (AL): 3453 Km

Pontos Turísticos

Caxias do Sul tem muitas atrações, para todos os gostos e para todos os turistas, conheça a historia dessa bela cidade da Serra Gaúcha, abaixo vamos relacionar os atrativos culturais e os atrativos naturais.

Réplica de Caxias antiga: Trata-se de um conjunto arquitetônico de 15 casas de madeira, incluindo uma igreja e um coreto) cuja construção obedeceu rigorosamente aos padrões vigentes na época (1885) e que reproduz a Av. Júlio de Castilhos. Localiza-se na Rua Ludovico Cavinatto, s/n.º, junto aos Pavilhões da Festa da Uva. 

Parque Cinqüentenário: Possui vegetação nativa, inclusive araucárias, numa área de 2,5 ha. Está localizado entre as ruas Teixeira Mendes, Praça Anchieta e Av. Júlio de Castilhos.

Igreja São Pelegrino: Templo católico que abriga obras de Aldo Locatelli. No átrio, está exposta a réplica da Pietá de Michelângelo, doada pelo Papa Paulo VI por ocasião do Centenário da Imigração Italiana. As portas de bronze, em alto relevo, reproduzem a epopéia da colonização e foram criadas pelo artista Augusto Murer. Localiza-se na Av. Itália, esquina com Av. Rio Branco, a 1Km da sede, com acesso pela RS 122. Funciona todos os dias, das 07h às 19h. 

Espetáculo Som e Luz: Narra a saga da imigração italiana na região.Junto à Réplica de Caxias do Sul.

 Museu da Casa da Pedra: Construído em 1878 pela Família Lucchese, abriga em seu interior objetos, utensílios e móveis utilizados pelos imigrantes na época da colonização. É considerado Museu Vivo da América Latina. Localizado na Rua Matheo Gianella, 531 Funciona de terça a domingo e feriados, das 09 às 17h. 

Museu Municipal: O acervo é constituído por peças referentes ao cotidiano dos colonizadores da região, na maioria, imigrantes italianos e da aculturação com outros grupos vizinhos; o museu funciona como centro de memória da cidade. Horário: terça a domingo das 9h às 17h. Rua Visconde de Pelotas, 586/CENTRO

Parque Mário Bernardino Ramos: Possui área verde formada por árvores nativas. Nele encontram-se os pavilhões da Festa da Uva e a réplica de Caxias antiga, além do Monumento do Jesus Terceiro Milênio. Localizado na Rua Ludovico Cavinatto,1431. 

Vale Trentino: O amor à terra e ao seu fruto, a UVA, transformou o Vale Trentino num passeio emocionante: belas paisagens e muitos parreirais. O turista poderá visitar cantinas e conhecer o processo desde o plantio da videira até o descanso do vinho e, é claro, degustar vinhos e sucos saborosos.

Caminhos da Colônia: Os Caminhos da Colônia convidam você a percorrer lugares bucólicos e pitorescos entre os municípios de Caxias do Sul e Flores da Cunha. Além da bela paisagem, você estará em contato com descendentes de imigrantes italianos e suas tradições, representadas no canto, no dialeto e na gastronomia. Produtos coloniais, artesanato, igrejas, restaurantes e vinícolas fazem, a diferença no roteiro. Maiores informações pelo fone (54) 3223-3679, com a SEMTUR 

Festa da Uva: Realizada a cada dois anos, simboliza a glorificação do trabalho de um povo. Na festa, os visitantes encontram em exposição as mais diversas variedades cultivadas na região, com direito à degustação no final. Os Pavilhões da Festa da Uva são utilizados para feiras e eventos, regionais, nacionais e internacionais, durante o ano inteiro, impulsionando o desenvolvimento industrial e comercial. 

Catedral Diocesana: Inspirada na Basílica de Santo Antônio (Bologna - Itália), foi construída no estilo neogótico italiano, apresentando dez altares - um principal e nove laterais. 

Fonte: www.brasildemochila.com

Caxias do Sul

Caxias do Sul, a cidade do entretenimento

Caxias do Sul faz parte do roteiro da Serra Gaúcha e é um dos destinos preferidos dos apreciadores de vinhos. É uma cidade com muita opção de entretenimento, sem muito trânsito e com muitas opções de diversão. As lembranças dos colonizadores italianos estão por toda a parte, principalmente na zona rural, onde a paisagem é enfeitada por parreiras, construções em pedras e capelinhas.

Caxias do Sul
Caxias do Sul

Programação para os turistas é o que não falta: há museus, igrejas, casas históricas e, em fevereiro dos anos pares, acontece a tradicional Festa da Uva.

Veja alguns pontos turísticos que valem a pena conhecer:

Pavilhões da Festa da Uva: é um marco da Serra Gaúcha, onde ocorre o evento e mostra como era Caxias de 1875 por meio das réplicas de casinhas e igreja. Durante a Festa da Uva, além da programação cultural do evento e a grande hospitalidade dos gaúchos, há espetáculo de som e luz .

Castelo Château Lacave: durante o roteiro os turistas conhecem a produção artesanal dos vinhos Lacave, a arquitetura e decoração medieval, além de encontrar algumas das safras mais valiosas do Antiquário Reserva Especial (um tinto de produção limitada). Os corredores e porões de pedras também guardam reservas do Antiquário Sur Lie, vinho branco envelhecido em tonéis de carvalhos.

Caminhos da Colônia: lembrando o interior da Itália, é um cenário típico e histórico da região. Durante o caminho é possível curtir a natureza, conhecer a cultura preservada dos colonizadores italianos e degustar vinhos e produtos típicos da região.

Largo da Estação Férrea: para quem gosta de um bom bar e boa música, esse é o lugar certo. O local conta com uma série de bares, dos mais variados estilos. Há o Mississípi Delta Blues Bar, com ótimos drinks e música internacional, logo ao lado é possível curtir um happy hour no Boteco 13, o qual apresenta shows com roda de samba de raiz. Há também o Havana Café e o La Barra, ambiente moderno, com alta gastronomia e ideal para quem curte uma baladinha.

Centro de Cultura Dr. Henrique Ordovás Filho: ponto de encontro para quem curte cultura. O espaço abriga teatro, cinema e galerias de arte plásticas. Promove diversas atrações como shows musicais, peças teatrais e filmes do circuito alternativo.

Jardim do Chá: localizado na antiga Chácara Eberle, é um tradicional endereço de Caxias do Sul. O local oferece um cárdapio riquíssimo de chás nacionais e internacionais, evidenciando suas propriedades naturais, sabores e aromas, além de petiscos e doces deliciosos.

Fonte: www.brasilsul.com.br

Caxias do Sul

Caxias do Sul é um município da Região Sul do Brasil, localizado no estado do Rio Grande do Sul. A cidade foi erguida onde o Planalto de Vacaria começa a se fragmentar em vários vales, sulcados por pequenos cursos de água, com o resultado de ter uma topografia bastante acidentada na sua parte sul. A área era habitada por índios desde tempos imemoriais, mas foi povoada pelo homem branco somente no final do século XIX, quando o governo do Império do Brasil decidiu colonizar a região com uma população europeia. Desta forma, milhares de imigrantes, em sua maioria italianos da região do Vêneto, mas com alguns integrantes de outras origens como alemães, franceses, espanhóis e polacos, cruzaram o mar e subiram a serra gaúcha, desbravando uma área ainda quase inteiramente virgem.

Depois de um início cheio de dificuldades e privações, os imigrantes conseguiram estabelecer uma próspera cidade, com uma economia baseada inicialmente na exploração de produtos agropecuários, com destaque para a uva e o vinho, cujo sucesso se mede na rápida expansão do comércio e da indústria na primeira metade do século XX. Ao mesmo tempo, as raízes rurais e étnicas da comunidade começaram a perder importância relativa no panorama econômico e cultural, à medida que a urbanização avançava, formava-se uma elite urbana ilustrada e a cidade se abria para uma maior integração com o resto do Brasil. Durante o primeiro governo de Getúlio Vargas houve uma séria crise entre os imigrantes e seus primeiros descendentes e o meio brasileiro, quando o nacionalismo foi enfatizado e as manifestações culturais e políticas de raiz étnica estrangeira foram severamente reprimidas. Depois da Segunda Guerra Mundial a situação foi apaziguada, e brasileiros e estrangeiros passaram a trabalhar concordes para o bem comum.

Desde então a cidade cresceu aceleradamente, multiplicando sua população, atingindo altos índices de desenvolvimento econômico e humano, e tornando sua economia uma das mais dinâmicas do Brasil, presente em muitos mercados internacionais. Também sua cultura se internacionalizou, dispondo de várias instituições de ensino superior gabaritadas e apresentando uma significativa vida artística e cultural em suas mais variadas manifestações, ao mesmo tempo em que passava a experimentar problemas típicos de cidades com alta taxa de crescimento, como a poluição, surgimento de favelas e aumento na criminalidade.

História

Origens e Colonização

Antes da chegada dos imigrantes italianos, no século XIX, a região era habitada por índios caingangues.

Daí, vem sua denominação antiga: Campo dos Bugres. Por ali, também passavam tropeiros em seus deslocamentos entre o sul do estado e o centro do país.

Na região, os jesuítas tentaram fundar algumas reduções, embora sem sucesso.

Na segunda metade do século XIX, em virtude da guerra de unificação italiana, aquele país europeu se encontrava em grave crise social e econômica, e os agricultores empobrecidos já não conseguiam garantir a subsistência. Nesta época, o governo imperial do Brasil decidiu empreender a colonização de áreas desabitadas do sul do país, incentivando a vinda de imigrantes da Itália, após o bom sucesso da iniciativa semelhante com o elemento germânico. A área escolhida era então conhecida como Fundos de Nova Palmira, região formada por terras devolutas, delimitadas pelos Campos de Cima da Serra, ao norte e pela região dos vales, ao sul, de colonização alemã.

Caxias do Sul
O núcleo urbano primitivo da cidade em torno de 1876

Em 1875, chegaram os primeiros colonos, em sua grande parte oriundos da região do Vêneto, após enfrentarem a árdua travessia do Oceano Atlântico, que durava cerca de um mês, em navios superlotados e onde as mortes por doenças e más condições gerais eram comuns. Inicialmente, os imigrantes aportavam no Rio de Janeiro, onde permaneciam em quarentena na Casa dos Imigrantes. Embarcavam em um vapor até o sul, chegando a Porto Alegre, onde eram encaminhados ao antigo Porto Guimarães, hoje o município de São Sebastião do Caí.

Em seguida, subiam a serra, atravessando a região ainda praticamente selvagem, até chegarem ao seu destino: a área onde, hoje, é Nova Milano.

Dali, se transferiram, a partir de 1876, para a chamada Sede Dante, local da futura Caxias do Sul, o centro administrativo da colônia, a primeira a ser demarcada na região, onde eram recebidos num barracão de madeira - donde o epíteto Barracão também atribuído à pequena sede colonial. Depois, distribuíram-se nos lotes rurais a eles atribuídos pelo governo. Um ano depois, já se encontravam, no local, cerca de 2 000 colonos. Em 11 de abril de 1877, a denominação oficial do lugar passou a ser Colônia Caxias, em homenagem ao Duque de Caxias.

Desenvolvimento

Apesar de algum auxílio oficial, as condições iniciais foram muito difíceis. As famílias permaneciam em grande parte isoladas umas das outras pela ausência ou precariedade das estradas. E além de desconhecerem totalmente o ambiente ainda selvagem em que foram lançados, o ferramental de que os colonos dispunham era primitivo e escasso, e as técnicas agrícolas trazidas da Itália não se adaptavam bem ao clima e solo locais. Enquanto a casa não ficava pronta e a agricultura não dava seus frutos, o sustento vinha da coleta, da caça e da venda da madeira derrubada. Somente o empenho de cada núcleo familiar possibilitou a sua sobrevivência nos primeiros tempos, e como ela dependia do número de braços existentes, as famílias tendiam a ser numerosas. Com isso a Colônia Caxias cresceu com rapidez, também pelo contínuo afluxo de novos imigrantes, e logo estruturou sua economia numa base de subsistência. Os produtos principais eram trigo, feijão e milho, seguidos pela batata-inglesa, cevada e centeio. Introduziram-se espécies frutíferas como castanheiras, marmeleiros, macieiras, pereiras, laranjeiras e cerejeiras, e se criavam galinhas, vacas, cabras, porcos, ovelhas e coelhos. Havia adicionalmente alguma produção de mel e de seda.

Caxias do Sul
Uma feira agrária na 3ª Légua, zona rural de Caxias, c. 1918

Apesar deste perfil, logo se verificou algum desenvolvimento comercial e industrial na sede urbana, em essência destinados a processar e fazer circular os excedentes da produção agropecuária, aparecendo algumas casas de secos e molhados, e pequenas fábricas como funilarias, carpintarias, marcenarias, olarias, ourivesarias, ferrarias, moinhos, selarias, sapatarias e alfaiatarias, que conferiam auto-suficiência à colônia emergente. O resultado dessa atividade pôde ser visto em 1881 na primeira Feira Agro-Industrial, origem da moderna Festa da Uva, centralizando as pequenas feiras e festas agrárias e artesanais que se realizavam na zona rural. Em 1883 existiam na colônia 93 estabelecimentos comerciais para uma população de 7.359 habitantes.

Em 12 de abril de 1884 a colônia perdeu sua condição de Colônia da Coroa Imperial para ser anexada ao município de São Sebastião do Caí como seu 5º Distrito, quando já tinha uma população de 10.500 habitantes. Seu nome mudou para Freguesia de Santa Tereza de Caxias, definindo-a como unidade administrativa e como possuidora de uma paróquia própria. Em 30 de outubro de 1886 a Câmara Municipal de São Sebastião do Caí estabeleceu um Código de Posturas para a freguesia de Caxias e nomeou João Muratore como seu primeiro administrador distrital, mas a administração de fato ainda continuava nas mãos dos funcionários imperiais, que viam com desconfiança os italianos como administradores. Somente em 20 de junho de 1890 os italianos conseguiram postos na Intendência, iniciando uma tradição. Nessa data o Presidente do Estado nomeou a primeira junta governativa de Caxias, composta pelos italianos Angelo Chitolina, Ernesto Marsiaj e Salvador Sartori, emancipando a freguesia, que passou a ser uma vila. Em 1895 as linhas do telégrafo já cruzavam a vila, e em 1906 foi inaugurada a primeira rede telefônica.

Caxias do Sul
Inauguração da Viação Férrea em 1 de junho de 1910, data da elevação da Vila de Caxias à condição de cidade

No dia 1 de junho de 1910 Caxias recebeu foros de cidade e neste mesmo dia chegava o primeiro trem, ligando a região à capital do Estado.

Em 1913 foi instalada a iluminação elétrica. Vários ciclos econômicos marcaram a evolução do Município ao longo deste século. Em suas primeiras décadas o modelo econômico inicial, voltado à subsistência, predominou. O comércio foi favorecido pela ferrovia e pela rede de entrepostos criada pelos alemães, mas logo os italianos puderam criar canais próprios para o escoamento de seus produtos, gerando um capital significativo que possibilitou no futuro a industrialização em maior escala. Caxias do Sul veio a ser um grande centro comercial e posteriormente industrial graças à fabricação de vinho, banha e farinha, tendo Porto Alegre como o principal ponto de distribuição. Pioneiros como Antônio Pierucinni e Abramo Eberle se destacaram respetivamente como comerciantes de vinho e de produtos metalúrgicos, abrindo mercados em São Paulo. A Associação dos Comerciantes, fundada em 1901, teve papel de enorme relevo em toda a região e surgiu como a maior força social depois da Intendência e do Conselho Municipal caxienses. Mantinha um controle rígido e eficiente sobre o comércio, tinha grande influência junto ao poder constituído, intervindo beneficamente em crises econômicas e em problemas de infra-estrutura local, além de atuar na área de assistência social. A Associação, apesar de algumas crises internas e desavenças com as autoridades, liderava todas as questões que de uma forma ou outra diziam respeito aos interesses das classes produtoras, mesmo quando se tratavam de assuntos exclusivamente agrícolas, já que todas as atividades produtivas nessa fase desembocavam no comércio.

Caxias do Sul
A Catedral sobranceira à Praça Dante Alighieri, no lançamento da pedra fundamental de um monumento ao Duque de Caxias, 1933

Enquanto isso, a cultura local, sem bem que ainda dependendo do modelo de organização familiar tradicional, com suas raízes rurais, e da íntima ligação com a Igreja Católica, iniciava um processo de refinamento e laicização, enquanto que, com o fim da fase de assentamento dos imigrantes, aparecia uma elite urbana que adquiria mais informação, era mais educada e pôde se dedicar mais ao lazer e à cultura em padrões menos folclóricos e mais cosmopolitas, o que beneficiava também a população em geral. Surgiram clubes sociais-recreativos que ofereciam programação cultural, como o Clube Juvenil e o Recreio da Juventude, e clubes esportivos amadores, como o Esporte Clube Juventude e o Grêmio Esportivo Flamengo, o atual SER Caxias. A educação pública começava a se estruturar e em 1917 foi criada a primeira biblioteca municipal. Os primeiros teatros e salas de cinema, como o Cinema Juvenil, o Cine Theatro Apollo e o Cinema Central, traziam a produção cinematográfica mais atualizada da época, davam espaço para companhias itinerantes de teatro e amadores locais, e até mesmo para grupos operísticos. Merece referência também a criação em 1937 do Centro Cultural Tobias Barreto de Menezes, fundado por Percy Vargas de Abreu e Lima, importante personalidade intelectual da cidade, oferecendo cursos noturnos gratuitos de Humanidades e Ciências abertos a toda a população, desenvolvia uma série de outras atividades culturais, e foi um foco de discussão política em função das ideias socialistas do fundador. A atual Casa da Cultura da cidade leva o seu nome.

Caxias do Sul
Cena da opereta Don Pasticcio no Cine Theatro Apollo, 1922

Construção da identidade e crise social

Em 1925 foi comemorado o cinquentenário da imigração italiana no Brasil, num período que se mostrou extremamente propício para se iniciar uma consagração pública dos sucessos já alcançados e consolidados, objetivando primeiramente integrar as elites coloniais no panorama histórico estadual, até então dominado pelas representações pastoris-latifundiárias dos descendentes de portugueses. Nesse contexto, a Festa da Uva passou a constituir o maior evento profano da cidade, associando a glorificação do trabalho dos italianos com as possibilidades do festejo como um importante fórum econômico.

Como disse Cleodes Ribeiro:

"Se a liturgia do ritual da Festa da Uva serviu para proclamar a identidade dos celebrantes, exibir o resultado do trabalho desenvolvido ao longo de mais de meio século e reivindicar o estatuto de brasileiros, suas características definidoras foram explicitadas pelo vocabulário simbólico empregado no ritual. Os discursos, a exposição e as distribuições de uvas, o cortejo triunfal, as tendeiras em seus trajes típicos, as canções, os banquetes, o congresso e as bandeiras enfeitando as ruas, tudo isso refletiu o esforço dos ofertantes da festa no processo de auto-representação".

Caxias do Sul
Pavilhões da Festa da Uva em 1932

Ao mesmo tempo, na Itália fascista, surgia o interesse de se reconstituir a história dos emigrados interpretando-a como poderosa contribuição civilizatória da raça latina ao Novo Mundo, e instando os italianos daqui para que defendessem e se orgulhassem de sua origem étnica.

Benito Mussolini, no prólogo do álbum comemorativo Cinquantenario della Colonizzazione Italiana nello Stato del Rio Grande del Sud, declarava:

"No nobre orgulho que eleva as vossas almas, enquanto parais para contemplar o resultado da longa e tenaz fatiga, eu vislumbro o signo da nobilíssima estirpe que imprimiu um traço imorredouro na história dos Povos".

Tal posicionamento ufanista e racista, que não estava isento de manipulação estrangeira, foi entretanto suprimido pelo governo de Getúlio Vargas, que adotou uma linha de desenvolvimento nacionalista, passando a minimizar a autonomia estadual e as singularidades regionais, os chamados "quistos sociais" que haviam se formado "imprudentemente" em várias regiões do Brasil inclusive no sul. Nesse momento a auto-imagem excessivamente otimista e confiante construída pelos italianos começou a ser posta abaixo, e em vez de colaboradores no processo de crescimento e povoação brasileiros os imigrantes passaram a ser vistos como potenciais inimigos da pátria. O processo chegou a uma culminação com a entrada do Brasil na II Guerra Mundial ao lado dos Aliados contra os países do Eixo, ocasionando uma ruptura profunda dos laços entre Itália e Brasil, com pesadas consequências para a região de imigração. Entre 1941 e 1944 houve manifestações populares anti-italianas organizadas pela Liga de Defesa Nacional, que buscaram suprimir os signos identificadores da etnia estrangeira, criando-se uma atmosfera de terror em vários atos públicos de agressão. Ao mesmo tempo, os italianos e seus descendentes foram proibidos de falar o seu dialeto, formando-se à sua volta um muro de silêncio, já que muitos ainda mal sabiam se expressar em português. Seu deslocamento passou a depender da concessão de salvo-condutos, prejudicando gravemente sua interação em todos os níveis com os brasileiros. Tamanha repressão originou um esforço de auto-censura por parte dos próprios italianos e seus descendentes, desestimulando o cultivo da memória até no recesso do lar e interrompendo a partir de 1938 a celebração da Festa da Uva. O mesmo tratamento sofreram aqueles que, em menor número, tinham outras origens étnicas estrangeiras.

Reconciliação e retomada do crescimento

Na retomada da Festa da Uva, em 1950, coincidindo com a comemoração dos 75 anos da imigração, num espírito de reconciliação, os imigrantes passavam a ser chamados de pioneiros, indicando uma reorientação na identidade a ser construída, com implicações progressistas que se abriam para os não-italianos, já considerados como parceiros em todo o processo civilizador. Outro evento de grande significado simbólico foi a construção do Monumento ao Imigrante, inaugurado em 1954 e mais tarde transformado em monumento nacional.

O desenvolvimento econômico da cidade ao longo do século XX obedeceu a um padrão semelhante ao brasileiro, utilizando técnicas e maquinário desenvolvidos nos países industrializados e adaptando-os às condições locais. Na segunda metade do século as principais empresas já tinham filiais em Porto Alegre e a cidade já havia desenvolvido um comércio expressivo de produtos suínos, laticínios, farinha, madeira e no setor vinícola. As indústrias metalúrgicas também estavam em crescimento, aproveitando inicialmente o trabalho artesanal de ferreiros, serralheiros e funileiros, mas em torno da década de 1950 adquiriram o perfil de indústrias modernas, principalmente com capital derivado da poupança e da expansão dos próprios estabelecimentos. Um diferencial na evolução econômica caxiense foi a formação de profundos vínculos de confiança mútua na comunidade, o chamado capital social, possibilitando a organização da economia sobre bases mais fortes, a aceleração do ciclo econômico e a obtenção de resultados mais significativos. A rápida diversificação da economia se deveu também à progressiva urbanização e à falência do sistema colonial do minifúndio familiar. A sucessiva fragmentação das propriedades rurais entre os múltiplos herdeiros as tornou incapazes de prover o sustento das famílias, geralmente grandes, ocasionando o êxodo rural e transformando boa parte dos antigos agricultores em operários da indústria e comércio.

Caxias do Sul
Instalações da Metalúrgica Abramo Eberle nos anos 1950

Assim como a primeira metade do século XX representou uma abertura e maior integração da cidade ao contexto estadual e nacional, a segunda metade figura como uma fase de abertura para o mundo, com a mudança em seu perfil produtivo, político e cultural, o início de sua penetração no mercado estrangeiro e a consolidação de sua posição como uma das maiores economias do Brasil. A cidade cresceu aceleradamente nesse intervalo, passando de uma população de 54 mil em 1950 para 180 mil em 1975 e cerca de 360 mil pessoas em 2000, trazendo consigo paralelamente todos os problemas sociais, culturais, econômicos e ambientais típicos das cidades brasileiras com grande taxa de expansão. O dinamismo industrial da cidade se intensificou a partir da década de 1970, alicerçado na diversidade de empreendimentos que vão desde material de transporte, o mais significativo, ao mobiliário, aos produtos alimentares, à metalúrgica, ao vestuário, calçados e artefatos de tecido, tornando-a a segunda área em importância econômica no estado, atraindo populações de outras regiões do Rio Grande do Sul e mesmo de outros estados. Em anos recentes a economia local evidencia uma drástica mudança de ênfase, assumindo grande importância o setor terciário e crescendo a informatização e automatização nas empresas, a infra-estrutura, a preocupação com o meio ambiente e abrindo-se novos empregos e novos mercados em várias frentes internacionais.,

Em 1994 foi criada a Aglomeração Urbana do Nordeste do Rio Grande do Sul, a segunda maior aglomeração urbana do Rio Grande do Sul, destacando-se pela concentração populacional e pelo dinamismo de sua estrutura econômica. Da fragmentação da antiga Colônia Caxias nasceram os atuais municípios Flores da Cunha, Farroupilha e São Marcos. O município é também conhecido pelo nome de Pérola das Colônias.

Geografia

Caxias do Sul é um município do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Está localizada a uma longitude de 51º10'06'' oeste e a uma latitude de 29º10'05'' sul.

Pertence à Mesorregião do Nordeste Rio-Grandense e à Microrregião de Caxias do Sul. Segundo a Fundação de Economia e Estatística tem uma área de 1.643,9 km², 1.638,34 km² de acordo com dados da Prefeitura Municipal, ou 1.644 km², segundo o IBGE. Está a 127 km da capital do estado, Porto Alegre, e 1.900 km de Brasília, capital federal. Faz divisa com os municípios de São Marcos, Campestre da Serra e Monte Alegre dos Campos ao norte, Vale Real, Nova Petrópolis, Gramado e Canela ao sul, São Francisco de Paula a leste e Flores da Cunha e Farroupilha a oeste.

Relevo e hidrografia

Localizada na região fisiográfica do Rio Grande do Sul denominada Encosta Superior do Nordeste, parte da Serra do Mar, o núcleo urbano original da cidade foi erguido sobre uma extensão em forma de península do Planalto de Vacaria, um antigo derrame basáltico sobre uma base granítica, cuja topografia é um declive contínuo, mas suave, desde a fronteira do estado de Santa Catarina, com uma inclinação média de cerca de 2 m/km. Caxias do Sul situa-se num divisor de águas entre 740 e 820 m de altitude, onde o planalto vacariense começa a se acidentar e fragmentar em diversos vales dissecados por pequenos rios e córregos que se dirigem para o sul e oeste, tributários do rio Taquari, os que se dirigem para sul e sudeste, tributários do rio Caí, e os que drenam para o norte, tributários dos rios das Antas, Pelotas e São Marcos. Os principais leitos fluviais da cidade são o arroio Maestra (direção norte-nordeste), o arroio Biondo (nordeste), o arroio Caravaggio (sudoeste) e o arroio Pinhal (sul). Essa rede de vales possui extensos terrenos interválicos que variam de 50 a 60 km em largura. Ao sul, todavia, sucedem-se vales pequenos e relativamente ramificados, com intervalos reduzidos que variam de 4 a 5 km de largura. Os espaços interfluviais destes vales meridionais se acham, em geral, aproximadamente na mesma altura do planalto de Caxias, variando entre 670 e 790 m de altura, enquanto que o fundo das gargantas, onde afloram arenitos vermelhos, está geralmente a menos de 200 m de altitude. Os maiores espelhos d'água da cidade são artificiais, barragens construídas para abastecimento da população, entre elas a Represa Maestra (5.400.000 m³), a Represa Dal Bó (1.770.000 m³) e a Represa do Faxinal (32.000.000 m³).,

Caxias do Sul
Cascata Véu da Noiva, do arroio Pinhal, em Galópolis

Meio ambiente

O município de Caxias do Sul está situado dentro do bioma da Mata Atlântica, com vegetação predominante de floresta ombrófila mista, conhecida como mata de araucária. A leste, norte e nordeste a floresta se intercala com áreas da vegetação rasteira dos Campos de Cima da Serra, que ocorrem em solos de pouca profundidade. A paisagem encontra-se bastante alterada devido ao manejo agrícola e industrial e à expansão da área urbana, havendo grande redução da presença da araucária. Quanto menos acidentado o relevo, mais extensas são as manchas de campos e, ao contrário, quanto mais dinâmicas são as formas do relevo, mais densas e contínuas são as matas de araucária, sobretudo nas cabeceiras dos principais vales. As áreas mais baixas dos vales são revestidas por uma floresta transicional de matas de encostas, com maior diversidade botânica, que é definida como Mata da Figueira. Os solos, criados sobre a capa basáltica, são em geral muito férteis.

Caxias do Sul
Entrada do Parque Municipal Mato Sartori

A cidade conta com um posto do IBAMA, a Prefeitura Municipal implementa e fiscaliza a extensa legislação ambiental criada pela Câmara e mantém uma Secretaria do Meio Ambiente, responsável por ações de preservação e manejo dos recursos naturais. Dentre suas atividades se contam programas de educação ambiental, como o Plante uma Árvore, o Repovoamento da Araucária, as Conferências do Meio Ambiente, o Calendário Ecológico, a Olimpíada Ambiental, a Semana do Meio Ambiente e outras. A cidade tem média de 17,32 m² de área verde para cada habitante, contando com 46 praças e vários outros espaços verdes e áreas de preservação ambiental, como o pequeno Mato Sartori, junto ao centro, os 186 mil hectares no entorno da Bacia de Captação de Caxias do Sul, no distrito de Fazenda Souza, a maior área de preservação ambiental para extração de água da Mata Atlântica, e o Aterro Sanitário do Rincão das Flores, que tem a maior parte de sua área de 275,8 ha destinada à preservação. Vários parques possuem áreas de flora nativa e áreas urbanizadas com equipamentos de esporte e lazer, entre eles o Parque dos Macaquinhos, o Parque Cinquentenário e o Parque Dr. Celeste Gobatto. Também existe um Jardim Botânico de 50 ha, preservando a flora local ao mesmo tempo em que propicia, através de coleta e reprodução, a recuperação das áreas degradadas.

Caxias do Sul
Mata de araucária no interior de Caxias do Sul

Problemas ambientais

Um dos problemas ambientais da cidade é a poluição. As águas dos afluentes do rio Taquari são contaminadas com agrotóxicos, esgotos domésticos e efluentes industriais, e os esgotos da cidade são os maiores responsáveis pela poluição da bacia do rio Caí. A Prefeitura, contudo, tem feito grandes investimentos em programas para despoluição hídrica. A poluição sonora já apresenta ocorrências preocupantes mas está sendo submetida a legislação especial e a poluição visual no centro é intensa, e aflige inclusive prédios históricos tombados, descaracterizando-os. Os índices de poluição atmosférica são atualmente (agosto de 2010) desconhecidos, pela inativação desde 2006 do equipamento de medição.

Apesar da proteção legal à Mata Atlântica, o desmatamento e as queimadas continuam ocorrendo na região de Caxias do Sul, muitas vezes de forma dissimulada, em encostas e terrenos de difícil acesso, plantando-se em substituição espécies exóticas como o Pinus e a acácia para atender aos mercados de madeira e papel e deixando-se em torno um cinturão de vegetação nativa como camuflagem, ou abrindo espaço para a criação de lavouras. Outra causa de desmatamento é a desvalorização comercial da terra quando ela possui grande cobertura de mata protegida, o que em tese impede a sua exploração mais intensiva. A fiscalização existe, feita por terra e ar pela Patrulha Ambiental de Caxias do Sul (Patram), ligada à Brigada Militar, mas os 18 soldados são insuficientes para cobrir a grande área sob sua jurisdição, que inclui 13 cidades.

Caxias do Sul
Descaracterização de prédios históricos do centro da cidade pela densa poluição visual

Também têm sido verificados nos últimos anos vários deslizamentos de terra e alagamentos causados, respectivamente, pela ocupação inadequada de encostas com cobertura frágil de solo, e pela impermeabilização do terreno e urbanização mal planejada em áreas naturalmente propensas a enxurradas. Às vezes representando ameaças graves à vida da população, esses desastres em geral afetam as classes mais pobres, impelidas a se fixarem em zonas impróprias à urbanização.

Clima

O clima de Caxias do Sul é temperado (Cfb), com verões amenos, invernos relativamente frios e geadas frequentes. Pode nevar nos meses mais frios, mas geralmente com pouca intensidade. Porém, já foram registradas precipitações abundantes, com acumulações consideráveis. A temperatura média anual do município é de 16,5°C. Os meses mais quentes são janeiro e fevereiro, com média de 21°C, enquanto os mais frios são junho e julho, com média de 12°C.

Quanto às precipitações pluviométricas, a média anual é de 1.915 mm, sendo regularmente distribuídas durante o ano. O mês mais chuvoso é março, com média de 206 mm, e o mês menos chuvoso é o de maio, com média de 109 mm. Precipitações acumuladas já chegaram à marca de 105mm em doze horas.

Ocasionalmente ocorrem episódios de forte ventania, com rajadas superiores a 100 km/h, e em 2009 foi registrada a passagem de um tornado.

Caxias do Sul
Nevada em 1975

Segundo dados da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro) e do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1960 a temperatura mínima ocorrida em Caxias do Sul foi de -3,0 °C, no dia 14 de julho de 2000. Já a máxima foi de 34,6 °C, observada nos dias 6 de janeiro de 1963 e 26 de janeiro de 1964. O maior acumumulado de chuva observado na cidade foi de 168,0 mm, em 28 de junho de 1962.

Médias de temperatura do ar e precipitação para Caxias do Sul
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 34,6 33,6 32,3 30,0 27,8 26,0 26,6 29,8 31,2 31,9 33,9 34,3 34,6
Temperatura máxima média (°C) 26,6 26,4 24,6 21,7 18,9 16,9 17,3 18,1 19,7 21,6 23,7 25,7 21,7
Temperatura mínima média (°C) 16,7 17,0 15,7 12,6 10,6 8,8 8,7 9,2 10,4 11,8 13,7 15,4 12,5
Temperatura mínima registrada (°C) 5,1 7,4 5,2 1,5 -1,6 -2,0 -3,0 -2,0 -0,2 0,7 1,0 5,7 -3,0
Precipitação (mm) 145,7 151,6 205,1 132,5 109,5 153,3 153,6 177,7 204,1 172,8 140,1 169,3 1915,3
Fonte: Climate Charts (médias climatológicas)
Fonte #2: Portal de Tecnologia da Informação Para Meteorologia e Sistema de Monitoramento Agrometeorológico (Agritempo)

Demografia

O município é um polo de atração migratória da região, e possui 40% da população da Aglomeração Urbana do Nordeste do Rio Grande do Sul (AUNe), com taxas de crescimento entre 25 e 30% por década. A AUNe é composta pelos municípios de Bento Gonçalves, Carlos Barbosa, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Monte Belo do Sul, Nova Pádua, Santa Tereza e São Marcos. Perfazia em 2010 uma população de 716.421 habitantes.

Em 2009 a população total do município era de 413.890 habitantes, com uma densidade demográfica de 251,8 hab/km². A expectativa de vida ao nascer em 2000 era de 74,11 anos, o Índice de Mortalidade Infantil em 2007 era de 9,04 por mil nascidos vivos. Em 2000 a taxa de urbanização era de 92,5%, com 92,5% da população vivendo em zona urbana. A estrutura etária mostrava 25,18% da população com menos de 15 anos, 69,16% entre 15 e 64 anos, e o restante acima de 65 anos. 97,9% tinham acesso a geladeira, 97,3% a televisão, 59,9% a telefone e 17,7% a computador. O Índice de Desenvolvimento Humano era de 0,857, fazendo a cidade ocupar a 12ª posição entre os municípios brasileiros e a 4ª posição no estado. O Coeficiente de Gini, um indicador de desigualdade social, era de 0,51, revelando alta concentração de renda, e a proporção de pobres, de 7,5%. Nos indicadores de vulnerabilidade familiar, havia 0,1% de mulheres de 10 a 14 anos com filhos, 5,3% de mulheres de 15 a 17 anos com filhos, 12,7% de crianças em famílias com renda inferior a 1/2 salário mínimo, e 4% de mulheres chefes de família sem cônjuge e com filhos menores. 12,7% das famílias tinham uma renda familiar per capita inferior a 1/2 salário mínimo, e em 15,9% das famílias o chefe tinha menos de 4 anos de estudo.

Em 2007 a composição étnica da população residente era 88,94% de brancos, 2,43% de negros, 7,94% de pardos, 0,10 de amarelos, 0,24 de indígenas e 0,36% de etnia não declarada. Quanto à religião, 86,19% se declararam pertencentes à Igreja Católica Apostólica Romana; 1,78% aos credos evangélicos de missão (a maioria luteranos, com 0,86%, e em segundo lugar os adventistas, com 0,54%); 6,05% eram evangélicos pentecostais (predominando a Assembleia de Deus), com 2,48%, seguida pela Igreja Universal do Reino de Deus, com 1,31%); 1,40% disseram ser espíritas, 0,38% umbandistas, 0,03% ligados ao Candomblé, 0,01% de judeus, e 0,02% de muçulmanos, além de uma grande quantidade de outros credos em frações também diminutas. 1,72% disseram não seguir nenhuma religião.

Política e administração

O Poder Executivo local é representado pelo prefeito municipal, hoje José Ivo Sartori, mais seus secretários, coordenadores e diretores de status equivalente. A administração é partilhada pelo prefeito com seus dez subprefeitos.

A cidade é dividida em 65 bairros, 6 distritos rurais e 15 Regiões Administrativas: Centro, Santa Lúcia, Fátima, Cruzeiro, Esplanada, Desvio Rizzo, Forqueta, Ana Rech, Galópolis, Serrano, Planalto, Presidente Vargas, São Giacomo, Nossa Senhora da Saúde e Santa Fé. O governo municipal emprega o sistema do Orçamento Participativo, chamado na cidade de Orçamento Comunitário, que convoca a população a se integrar às discussões e decisões a respeito da distribuição das verbas públicas. Entre as atividades contempladas na edição de 2010 estão calçamento de ruas (a grande maioria das solicitações), urbanização de praças, reforma de escolas, construção de centros comunitários, quadras de esporte, parques infantis, solução de problemas de alagamentos, canalização de esgotos e muitas outras.

Caxias do Sul
Prefeitura de Caxias do Sul

O Poder Legislativo é representado pela Câmara Municipal de Vereadores. Atualmente (2010) a Câmara é composta por 17 vereadores, 4 do PMDB, 4 do PT, 3 do PDT, 2 do PCdoB, 1 do PSDB, 1 do PP, 1 do PSB e 1 do PRB. A Mesa Diretora é presidida pelo vereador Harty Moisés Paese (PDT).

O Poder Judiciário é representado pelo Foro da Comarca de Caxias do Sul. O presente diretor do Foro é o juiz Carlos Frederico Finger. Em 2006 Caxias do Sul tinha 279.761 eleitores, divididos em 787 seções eleitorais.

Economia

O PIB municipal está estimado em 9,8 bilhões de reais, e o PIB per capita em 2007 foi de 24,6 mil reais. No mesmo ano, nas finanças públicas, as receitas orçamentárias realizadas atingiram 694.582.143,80 reais, as despesas realizadas chegaram a 645.802.901,80 reais, com um superávit de 48.779.242,00 reais. A agropecuária responde somente por 1,70% do Valor Adicionado Bruto, cabendo à indústria 40,79% e aos serviços 57,51%. Em 2007 havia 30.068 empresas de todas as categorias econômicas em atividade. Em 2005 a cidade tinha uma População Economicamente Ativa (PEA) de cerca de 150 mil trabalhadores, mas destes somente 55% estavam no mercado formal. A indústria concentrava o maior contingente, com 58,61%, dois terços no setor metal-mecânico. No setor informal destacavam-se indústrias de fundo de quintal (malhas, alimentos, confecções) e serviços de baixo agregado tecnológico (reparos, domésticos, limpeza).

Em 2005 a cidade alcançou pelo sexto ano consecutivo o maior Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (Idese) do Rio Grande do Sul, com um índice de 0,844. Além de ser o de mais alto Idese desde 2000, foi o único município gaúcho que neste intervalo apresentou quatro dos índices dos componentes do Idese - educação, renda, saúde, saneamento e habitação - acima de 0,800. Nos últimos anos a economia caxiense vem apresentando um ótimo desempenho, e entre janeiro e julho de 2010 foram criados 10.779 novos empregos, batendo um recorde nacional.

No primeiro semestre de 2010 a economia local alcançou resultados equivalentes às estimativas para o ano todo do Brasil. O índice acumulado em 12 meses superou os 7% e, no semestre, chegou a 19%. Em junho o desempenho cresceu 20,8% na comparação com o mesmo mês do ano passado, e as expectativas são positivas para o ano que vem, embora possivelmente não em ritmo tão acelerado. Os destaques vão para a indústria, com aumento das horas trabalhadas, compras, vendas e massa salarial, e para o setor de serviços, que segue liderando os índices e acumula uma alta de 10,1% em 12 meses e de 13,4% no ano. Por outro lado, o comércio, ainda que crescendo, vem acumulando prejuízos. Porém, verificou-se redução dos níveis de inadimplência.

Caxias do Sul
Sede da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul

A Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul agrega mais de mil pessoas jurídicas de micro, pequeno, médio e grande portes que representam a indústria, o comércio e os serviços, sendo a maior associação de seu gênero do interior do estado. A administração pública também investe em uma multiplicidade de programas de fomento econômico, dentre eles os Programas de Economia Solidária, os Arranjos Produtivos Locais (APLs), as Associações de Recicladores, o Pólo da Informática, o Pólo da Moda, o Pólo Metal-mecânico, a Associação de Garantia de Crédito da Serra Gaúcha (AGC), a Instituição Comunitária de Crédito (ICC – Banco do Povo) e um sem número de projetos, convênios, programas e parcerias com as mais variadas entidades públicas e privadas.

Agropecuária

O Censo Agropecuário de 2006 revelou a existência de 2.712 produtores agropecuários individuais, dispondo de 74.418 hectares de área, 278 sociedades de pessoas ou consórcios (7.379 ha), 5 cooperativas (379 ha), 56 produtores em sociedades anônimas (3.747 ha). 9.039 ha eram destinados a lavouras permanentes e 5.882 ha a temporárias, 30.948 ha de pastagens naturais, e 1.778 ha de pastagens plantadas em boas condições. Os rebanhos mais importantes contavam em 2008 com 39.494 cabeças de bovinos, com uma produção de 9.833 mil litros de leite, 26.838 suínos, 15.694 codornas, dando 75 mil ovos, além de 700.377 galinhas, produzindo 12.283 mil dúzias de ovos, e 5.572.086 galos, frangas, frangos e pintos. Foram produzidos também 59.870 kg de mel de abelha. Na agricultura se destacaram em 2008 as produções de maçã, com 117.450 toneladas, a um valor de 74,9 milhões de reais, uva, com 66.600 t, com um valor de 41,7 milhões de reais, e tomate, com 36.900 t, a um valor de 32,3 milhões de reais. Outras culturas, bem menos significativas, são do milho (18.000 t), caqui (8.100 t), cebola, (4.500 t), laranja (2.220 t), pêssego (3.556 t), além de várias outras em proporção ainda menor. Também foram importantes a produção de lenha, com 31.216 m3, e de madeira em tora, com 81.060 m3.

Caxias do Sul
Um parreiral na região rural

Indústria, comércio e construção civil

Na indústria, que contava em 2007 com 5.872 estabelecimentos, a concentração de empresas segue a seguinte distribuição: material de transporte (26,86%), têxtil do vestuário e artefatos de tecidos (16,30%), produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico (11,74%), mecânica (11,48%), e química de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria (9,94%). Caxias do Sul é o segundo maior polo metal-mecânico do Brasil e, depois de enfrentar uma recessão em 2009, o setor está se recuperando. Realiza-se na cidade a Feira Brasileira da Mecânica e da Automação Industrial, já em sua 17ª edição, que em 2010 deve movimentar 100 milhões de reais em negócios. Outra feira importante é a Feira de Subcontratação e Inovação Industrial (Mercopar), que em 2009 resultou em 64 milhões de reais em negócios, teve expositores do Brasil e exterior e recebeu 31 mil visitantes.

A cidade sedia 20 das 500 maiores empresas da região Sul do Brasil e tem diversas indústrias entre as maiores do Brasil em seus campos de atuação, como a NTC Moldes e Plásticos, a Randon, um conglomerado do segmento de veículos, cujas empresas têm constado com frequência entre os vencedores do Prêmio Exportação RS, a Agrale, única montadora de caminhões e ônibus de capital nacional, a Chies & Chies Ltda., líder no setor moveleiro, a Marcopolo, produzindo mais da metade das carrocerias de ônibus produzidos no país, a Intral, referência na fabricação de componentes, reatores e luminárias de alta performance, e a Gazola S/A Indústria Metalúrgica, pioneira na fabricação de utilidades domésticas em aço inox.

O setor da construção civil também experimenta crescimento nos últimos anos. Em 2008 os empreiteiros e construtoras foram obrigados a buscar mão-de-obra até fora do estado para suprir a demanda, com os maiores índices de atividade desde que começou o acompanhamento em 1991. Segundo a Secretaria Municipal de Urbanismo, entre janeiro e maio de 2010 foi aprovada a construção de 479.454 m², uma metragem 58,48% maior do que a autorizada no mesmo período de 2009. Contudo, o custo da construção na cidade é considerado alto, com os preços sendo empurrados pelos salários dos trabalhadores, que estão entre os mais elevados do país. Realiza-se na cidade a Construfair, a maior feira nacional de materiais de construção. Para a edição de 2010 devem participar 300 expositores, e é esperado um público de 45 mil pessoas.

O comércio participa com 20% do PIB municipal, faturando cerca de 2 bilhões de reais por ano. Entre 2007 e 2008 as exportações registraram um crescimento de 22,40% e as importações de 81,64%. Em 2008 as exportações acumularam um crescimento de 32,46%, enquanto as importações registraram aumento de 65,98%. Caxias tem dado significativa contribuição para o crescimento do mercado externo, ultrapassando a cifra anual de 1 bilhão de dólares em exportações, gerando saldo comercial superior a 670 milhões de dólares. O sistema financeiro em 2003 era servido por 68 agências bancárias e 34 financeiras, empregando 1.138 pessoas.

Infraestrutura

Água, saneamento, energia e habitação

A cidade não conta com grandes rios ou lagos naturais, e a água é captada em represas construídas para tal, acumulando a vazão de pequenos arroios. O serviço de abastecimento de água é feito pelo Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE). Segundo dados da entidade, 100% da população urbana e 99,5% da população total do município recebem água, captada nos sistemas Faxinal, Maestra, Samuara, Dal Bó, Galópolis e poços artesianos, e está sendo criado o sistema Marrecas, prevendo a expansão da demanda.

Caxias do Sul
Estação de tratamento e distribuição de água no bairro de Lourdes

Caxias do Sul
Recipientes de coleta seletiva de lixo

A preocupação com o esgoto é recente na cidade, que historicamente priorizou o abastecimento de água. O esgoto era recolhido em fossas privadas ou lançado na rede de esgoto pluvial. Somente em 1997 começou a funcionar efetivamente um sistema de coleta com tratamento. Desta forma, a quantidade de esgoto coletado contemplava até poucos anos atrás somente uma pequena porcentagem da população, mas todo o material coletado era já tratado. A rápida evolução deste setor, por outro lado, chamou a atenção em estudo recente do Instituto Trata Brasil, superando a média nacional, e em 2009 79,7% das economias municipais tinham seu esgoto coletado através de uma rede de 1.345 km, embora os índices de tratamento não tenham acompanhado o crescimento da coleta, com apenas 13,6% do volume total sendo tratado. O SAMAE tem realizado grandes obras em sistemas de tratamento para melhorar esse quadro, com a meta de até o final de 2012 atingir 86% de esgotos tratados. Desenvolve também campanhas de conscientização.

A coleta de lixo é responsabilidade da Companhia de Desenvolvimento de Caxias do Sul (CODECA), empresa de economia mista. No centro urbano a coleta é seletiva e diária, e nos bairros menos povoados, a cada dois dias. Em ambos os casos, 100% dos domicílios são atendidos. O lixo domiciliar é depositado em aterro sanitário autorizado pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM), onde recebe tratamento pela Prefeitura. Nove associações de recicladores selecionam e comercializam o lixo seco recolhido, e o tratamento do lixo industrial, hospitalar e laboratorial é responsabilidade dos emissores.

A energia elétrica é distribuída pela empresa Rio Grande Energia (RGE), que atende o norte-nordeste do estado e tem uma de suas duas sedes regionais na cidade. A rede tem uma voltagem de 230V, e as linhas com potência superior são administradas pela CEEE. Em 2003 137.530 consumidores cadastrados eram atendidos. A cidade também dispõe de abastecimento de gás natural, que fornece combustível para cerca de 1,8 mil veículos por dia.

Caxias do Sul
Centro da cidade, com densa urbanização

No ano de 2000 havia 109.396 domicílios particulares cadastrados, sendo 83.677 próprios e destes 74.037 já quitados, e 17.391 domicílios eram alugados. A condição da cidade como polo regional atrai grandes contingentes de migrantes que não são absorvidos pela estrutura habitacional, e se estabelecem em favelas, loteamentos irregulares e zonas de risco formando bolsões de miséria e não tendo da mesma forma acesso as serviços essenciais como saneamento e educação, contrastando com outros núcleos que dispõem de toda a infraestrutura urbana. Em 1994 uma pesquisa revelou que existiam na cidade 110 núcleos de sub-habitação, totalizando 3.596 famílias vivendo em condições indignas. Em 2005 estimava-se que o número havia passado para 7 mil famílias. A Prefeitura mantém vários projetos habitacionais, de regularização fundiária e de aquisição de lotes em andamento, realizados através da participação popular e de parcerias com diversas organizações governamentais e não-governamentais.

Caxias do Sul
O chamado Buraco Quente, área de sub-habitação bem próxima do centro

Saúde

Havia em 2005 139 estabelecimentos de saúde, sendo 46 deles públicos e 17 privados mas conveniados com o SUS. 11 estabelecimentos ofereciam internação total, 89 ofereciam atendimento ambulatorial total (51 pelo SUS), 39 com atendimento odontológico, 12 com serviço de emergência e 3 com UTI. Os leitos disponíveis somavam 1.292. Os principais hospitais, todos com mais de cem leitos e especializações em várias áreas como pediatria, cirurgia, ginecologia-obstetrícia, psiquiatria, oncologia, medicina interna, neurologia, ortopedia e muitas outras, são o Hospital Nossa Senhora de Pompeia, o Hospital Geral Presidente Vargas, o Hospital Saúde, o Hospital Virvi Ramos, o Hospital do Círculo Operário Caxiense, e o Hospital Unimed Caxias do Sul, o único hospital da região com heliporto e com uma central própria de tratamento de efluentes, e o único da cidade que alcançou Nível 3 em Acreditação Hospitalar pela avaliação da Organização Nacional para Acreditação.

Caxias do Sul
Hospital Nossa Senhora de Pompeia

A Prefeitura também proporciona serviços de vigilância sanitária e ambiental; um serviço especializado na área de saúde do trabalhador (CEREST/Serra), cobrindo dezenas de municípios da região; vários núcleos de saúde mental; um programa de monitoramento da criança, desde a sua concepção, o Acolhe Bebê; o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU); vários serviços especializados em um Centro Especializado de Saúde (CES), além de manter uma Ouvidoria para receber sugestões, críticas e reclamações da população sobre os serviços públicos de saúde. Também merecem nota o Círculo Operário Caxiense, uma associação civil de caráter filantrópico e de orientação cristã, oferecendo assistência médica e dentária, creche e farmácia, entre outras atividades, e a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE-Caxias do Sul), que dá atendimento aos indivíduos com necessidades especiais através de assistência social de caráter preventivo, habilitador e reabilitador, buscando seu desenvolvimento global, inclusão e integração social. Atualmente A APAE-Caxias do Sul recebe cerca de 500 usuários, em atendimentos de estimulação precoce, fisioterapia, escola especial, oficinas protegidas e de encaminhamento ao mercado de trabalho, com acompanhamento em psicologia, serviço social e pedagogia.

Segurança pública

A provisão de segurança pública de Caxias é dada por diversos organismos. A Prefeitura mantém uma Guarda Municipal, que protege bens, serviços e instalações do Município e colabora com o órgão de fiscalização municipal. A Comissão Municipal de Defesa Civil se responsabiliza por ações preventivas, assistenciais, recuperativas e de socorro em situações de risco público. A Coordenadoria da Mulher elabora políticas públicas de proteção e combate à violência contra a mulher, e a Coordenadoria da Juventude faz um trabalho semelhante para os jovens, além de atuar em outras áreas. A Brigada Militar, uma força estadual, mantém na cidade um batalhão (12º BPM) dividido em cinco Companhias, com um efetivo de 445 pessoas. Entre suas várias atribuições estão o policiamento ostensivo, o patrulhamento bancário, ambiental, prisional, escolar e de eventos especiais, além de realizar ações de integração social, como o Programa Social Educativo de Profissionalização de Adolescentes, o Programa de Equoterapia para crianças e adolescentes com problemas psicomotores, o PROERD, de combate e conscientização sobre o uso de drogas entre escolares, e a Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente, em parceria com entidades governamentais, não governamentais, conselhos setoriais e Poder Judiciário, dinamizando ações em diversas áreas de atenção à criança, ao adolescente e suas famílias. A Brigada Militar, através do 5º Comando Regional de Bombeiros, cuja sede é em Caxias do Sul, também faz a prevenção e combate a incêndios e executa ações de busca e salvamento e de Defesa Civil. A Polícia Civil de Caxias do Sul efetua ações de combate ao jogo clandestino, às drogas, aos roubos e furtos e aos crimes contra a vida, e desenvolve projetos de proteção à criança e ao adolescente e de conscientização ecológica.

Caxias do Sul
Sede do 5º Comando Regional de Bombeiros

O Poder Público estadual e municipal têm realizado diversas atividades para melhorar a segurança da cidade, como instalando câmaras de vigilância em espaços públicos, dando recursos e equipamentos aos órgãos de segurança e ampliando o quadro de efetivos, mas ainda há vários problemas afetando o setor. A Penitenciária de Caxias do Sul, considerada um modelo quando inaugurada em 2008, já foi denunciada como um local de tortura a apenados e já vivenciou rebeliões, e os índices de criminalidade estão em alta para diversos tipos de crime, como latrocínio, sequestro-relâmpago e roubo ao comércio e pedestres, mas por outro lado sete outros tipos têm sua incidência em queda, como os assaltos a ônibus, que caíram em 2009 quase 170% em relação ao mesmo período do ano anterior, e os homicídios, com uma queda de 17,3% no primeiro semestre de 2010. Mas ainda ocorre em média um homicídio a cada três dias em Caxias do Sul, embora cerca de 80% dos casos sejam solucionados. Segundo o delegado Paulo Rosa da Silva, titular da Delegacia Regional da Polícia Civil, a maioria dos crimes contra a vida na cidade ocorrem dentro dos círculos já ligados à contravenção. De acordo com a Secretaria Estadual da Segurança, nos seis primeiros meses de 2010 foram registrados 721 furtos e 248 roubos de veículos, 129 delitos relacionados a armas e munições e 112 ocorrências de tráfico de entorpecentes.

Caxias do Sul
Central de Polícia de Caxias do Sul

Educação

Na educação, a rede municipal de ensino conta com 86 escolas de ensino fundamental e 36 de educação infantil, com mais de 2.500 professores que atendem inclusive educação especial e educação de adultos, para um público total de 35.320 alunos em 2009. A rede particular contemplava nesse mesmo ano 16.633 matriculados, desde a creche ao ensino médio e à educação especial, e a rede estadual completava o quadro do ensino básico e médio com mais 31.494 alunos.

Em 2000 98,4% das crianças entre 7 e 14 anos frequentavam a escola, e 80% dos jovens entre 15 e 17 anos. Os índices de evasão da escola respectivamente nas redes municipal e estadual eram, em 2003-2005, de 6,72% e 11,8%, e os de reprovação, de 9,01% e 25,0%. A média de escolarização era em 2000 de 7,2 anos e a taxa de analfabetismo adulto era de 4,2%. Caxias do Sul possui vários grandes colégios de longa tradição, fundados no início do século XX, como o La Salle Carmo, o São José e o La Salle Caxias. O ensino técnico é dado por várias unidades do SENAI e do SENAC, e mais de 20 outras escolas profissionalizantes.

Caxias do Sul
O Colégio La Salle Carmo

Existem na cidade 10 instituições de ensino superior presencial, quatro que oferecem cursos de educação à distância e duas apenas com cursos de pós-graduação, educando um total de 36,5 mil alunos matriculados em 185 cursos de graduação e 189 pós-graduações. No ensino superior se destaca a Universidade de Caxias do Sul (UCS), com 58 cursos de graduação e 7 mestrados, 2 doutorados e mais de 70 cursos de especialização, além de vários cursos de extensão universitária, ensino à distância e ensino técnico. 1.100 professores atendem mais de 35 mil alunos, 22,2 mil alunos somente no campus de Caxias.

Tem unidades em mais 8 cidades e sua influência cobre uma área de 69 municípios. O conjunto de suas 16 bibliotecas contém um dos maiores acervos do Brasil, com 950 mil volumes. Outras instituições de nível superior são as faculdades da Serra Gaúcha (FSG), a de Tecnologia (FTEC), a dos Imigrantes (FAI), a Nossa Senhora de Fátima e a América Latina, além de unidades do Grupo Educacional Anglo-Americano, da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, da Universidade Norte do Paraná e da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), entre outras. Entre 2010 e 2011 a oferta de vagas deve aumentar, pois pelo menos cinco outras instituições mostraram interesse em instalar cursos de graduação na cidade, entre elas a Universidade Salvador e a Faculdade de Tecnologia e Ciências. Além disso, duas escolas particulares de ensino fundamental e médio, o Instituto Leonardo Murialdo e o La Salle Carmo, pretendem em breve abrir faculdades a partir de seus cursos técnicos.

Caxias do Sul
Reitoria da Universidade de Caxias do Sul

Comunicações

Há grande oferta em comunicações e um índice de confiabilidade considerado bom. A telefonia fixa local é explorada pela Companhia Riograndense de Telecomunicações (CRT) através de 27 centrais automáticas, em sua maioria digitais. Em 1999 foram contabilizados 79.386 aparelhos, sendo 62% residenciais, com um fator de atendimento de um terminal para cada 4 habitantes.

A telefonia móvel é explorada em duas bandas: banda A (Celular CRT S/A), com cerca de 28 mil terminais em 1999, e banda B (Telet S/A), com 3,2 mil terminais habilitados na região, sendo que cerca de 80% são de Caxias do Sul. A EMBRATEL explora os serviços de telex, trânsito de dados, tratamento de mensagens, telefonia interestadual e rede de televisão executiva. O serviço postal é atendido pelas três agências urbanas, 5 franqueadas, 6 de correio satélite e 3 postos de coleta da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

Possui três emissoras de televisão: a TV Caxias - Canal 14, uma rede comunitária, oferecendo para o público espaços de livre acesso eventual e horários fixos para os associados; a RBS TV Caxias do Sul, associada da Rede Brasil Sul de Comunicações (RBS), que retransmite a programação da Rede Globo e também gera programas locais, com destaque para o jornalismo, e a UCS TV, da Universidade de Caxias do Sul, que tem o objetivo de integrar a comunidade e a universidade com uma programação é voltada para o público jovem-adulto e uma cobertura local e regional de caráter educativo, trazendo temas do cotidiano da cidade abordados com enfoque acadêmico e preservando a identidade local.

Caxias do Sul
Instalações da RBS TV Caxias do Sul

A cidade ainda conta com várias rádios AM e FM, como a Rádio Caxias, a Rádio 1010, a Rádio Difusora Caxiense, a Rádio Universidade, a Rádio Pop Rock Serra e a Rádio São Francisco. Há quatro jornais, o Pioneiro, editado pela RBS, o Correio Riograndense, O Caxiense e a Gazeta de Caxias. Os principais jornais da capital gaúcha, como a Zero Hora, o Correio do Povo e o Jornal do Comércio, mantêm estruturas em Caxias como forma de aproximação entre a cidade e o estado. O parque gráfico é um dos mais modernos do país, com infraestrutura atualizada e atuação dinâmica.

Transportes

Os principais acessos rodoviários de Caxias do Sul são as rodovias BR 116, RS 122 e RSC 453. A cidade possui uma malha rodoviária urbana de 1383 km, 882 deles pavimentados. Um total de 226.036 veículos circulam na cidade em 2010, 150.489 automóveis, 24.436 motocicletas e 1.442 ônibus. representando uma média de 2,01 pessoas/veículo, e sendo a 2º maior frota de veículos cadastrados no estado. 160.000 passageiros são transportados diariamente pelo transporte coletivo. A exploração do transporte coletivo em ônibus é feita pela concessionária Viação Santa Tereza (VISATE). Existem também 277 táxis, e 22 táxis-lotação ou micro-ônibus. A Estação Rodoviária localiza-se próxima do centro da cidade e recebe linhas que interligam Caxias do Sul a quase todas as localidades no estado, atendendo também as regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste do Brasil. Seu terminal tem 19.000 m² e conta com uma área construída coberta de 6.800 m².

O volume de engarrafamentos vem crescendo diante da expansão da frota privada e pela atual convergência da grande maioria das linhas de ônibus urbanos para o centro da cidade, e aumenta o número de acidentes de trânsito, especialmente entre os jovens, tendo como causas o excesso de bebida alcoólica, imprudência, negligência, falta de atenção e exagerada autoconfiança. A Secretaria do Trânsito, Transporte e Mobilidade, junto com entidades privadas, vêm desenvolvendo projetos para melhorar a mobilidade e para a humanização do trânsito, incluindo programas que educam ludicamente o público infantil.

O transporte aéreo é feito através do Aeroporto Regional Hugo Cantergiani, que comporta aeronaves do tipo Boeing 737. O fluxo de passageiros em 2003 foi de 31.291 embarcados e 32.903 desembarcados, com 2.641 pousos e 2.641 decolagens.

Atualmente a demanda é relativamente pequena e tem em operação somente uma empresa aérea, a Gol, com três linhas: duas para São Paulo e uma para Curitiba. A atividade do aeroporto é prejudicada pela pequena extensão da pista e, em vista da densa urbanização no entorno, não há possibilidade de grande ampliação, ainda que estejam sendo realizadas diversas melhorias na infraestrutura. O novo aeroporto será construído na localidade de Vila Oliva, com a construção de 2 pistas de maior tamanho, com possibilidade de expansão.

Caxias do Sul
Estação rodoviária de Caxias do Sul

Ciência e tecnologia

Esta área é coberta pelas atividades de várias instituições. Uma delas é o Campus Caxias do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, que oferece cursos de educação continuada desde níveis elementares até a pós-graduação com ênfase nas especialidades de Matemática, Administração, Metalurgia e Tecnologia de Plásticos, voltados ao atendimento da grande demanda por professores e técnicos industriais na cidade. Como estímulo à pesquisa e ao empreendedorismo nos campos da inclusão social e do cooperativismo o Instituto concede o Prêmio Técnico Empreendedor, e atualmente está em fase de ampliação de suas instalações. Também funcionam unidades da Faculdade de Tecnologia, oferecendo cursos de graduação, pós-graduação e extensão em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Design de Moda, Design de Produto, Engenharia de Computação, Gestão da Tecnologia da Informação, Logística, Marketing, Produção Multimídia e Redes de Computadores, entre outros.

Caxias do Sul
Centro Tecnológico de Metalurgia da Universidade de Caxias do Sul

A Prefeitura organiza as atividades de três polos tecnológicos, o Trino Polo, sediado na Incubadora Tecnológica, abrangendo os setores Metal-Mecânico Automotivo, Moda e Informática, integrando muitos produtores, comerciantes e instituições de ensino. Finalmente, a Universidade de Caxias do Sul também desenvolve significativa atuação na área, dando diversos cursos como Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Ciências Humanas, Ciências Sociais, Ciências Exatas, Automação Industrial, Design de Moda, Eletrônica, Polímeros, Produção Moveleira e vários mais, além de funcionarem vários núcleos de pesquisa, entre eles Bioinformática, Biologia, Nanotecnologia, Engenharia Biomédica, Matemática Aplicada e Computacional, Meio Ambiente e Recursos Naturais. A universidade possui, ainda, vários Núcleos de Inovação e Desenvolvimento, abrangendo áreas como Agricultura Sustentável, Agroenergia, Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas e Sociais, Estudos e Saberes Regionais, Tecnologia Agroindustrial e Tecnologia da Informação Aplicada às Organizações. Vários pesquisadores ligados à UCS já foram premiados em suas especialidades.

Cultura

Mais preocupados em conquistar um melhor nível de vida, após um início de colonização cheio de sacrifícios e privações materiais através de uma economia basicamente agrícola num meio ambiente ainda em larga medida selvagem, e em manter uma coesão social que fortalecesse seu senso de identidade e valor próprio, os imigrantes conseguiram construir na serra gaúcha um município notavelmente próspero materialmente, mas as primeiras gerações não eram, com raras exceções, especialmente interessadas pela cultura e arte, salvo em seus aspectos mais ligados à religião, à ancestralidade e à família, formando-se comunidades com um perfil conservador e tradicional num universo cultural essencialmente pragmático e funcional, e dominado, como disse Tedesco, pelo "ethos do colono", do estrangeiro desenraizado.

Caxias do Sul
A Casa de Cultura

Essa situação hoje é bem distinta, e Caxias do Sul tem uma cultura variada e cultiva as artes em suas várias manifestações. A Prefeitura Municipal mantém diretamente ou apóia de várias formas uma ampla gama de departamentos, programas, grupos e instituições culturais, entre eles a Casa de Cultura Percy Vargas de Abreu e Lima, que inclui o Teatro Municipal, a Biblioteca Pública e a Galeria Municipal de Arte, o Centro Cultural Henrique Ordovás Filho, unidades de teatro, dança, música, literatura e o Departamento de Arte e Cultura Popular, além de dinamizar diversos outros centros comunitários. A Prefeitura também participa com uma Lei de Incentivo à Cultura (o Fundoprocultura), e concede anualmente diversos prêmios e troféus em várias áreas culturais. Em 2006 650 mil reais foram gastos pelo poder público na área da cultura. Em 2008 recebeu o título de Capital Brasileira da Cultura.

Tradições e folclore

O declínio da religião como força social aglutinadora, os novos hábitos de consumo, a profunda mudança no sistema produtivo local, a padronização do ensino brasileiro, o descaso das novas gerações para com a língua e os costumes de seus avós, a presença de grande número de migrantes de ascendência não-italiana, a grande popularização de meios de comunicação e entretenimento como o rádio, a TV e o cinema, e a progressiva abertura da cidade para o mundo, provocaram entre os anos 1950 e 1960 uma rápida descaracterização das feições étnicas e tradicionais da cultura caxiense, principalmente na zona urbana.

Pressentindo uma perda iminente de raízes, a partir de meados da década de 1970 alguns intelectuais nativos da região começaram a se preocupar com o resgate da herança cultural ancestral. Entre eles, Loraine Slomp Giron e João Spadari Adami, que desenvolveram importantes pesquisas que resultaram na publicação de vários livros essenciais para o estudo da história local. Entretanto, nesse período, em que houve uma verdadeira explosão de bibliografia sobre o tema da imigração, e não só em Caxias do Sul, a história dos colonos foi revista, introduzindo-se novas abordagens, mais francas, objetivas e científicas, ao contrário do que haviam feitos os escritores das gerações do entre-guerras, que glorificaram o colono. Essas novas pesquisas apresentaram a história caxiense com suas contradições e conflitos, no intuito de tornar a imagem do imigrante mais real e mais rica.

Caxias do Sul
O Museu Ambiência Casa de Pedra

O mesmo interesse pelo passado fez o governo municipal reestruturar e reabrir em 1975 o Museu Municipal e criar o Museu Ambiência Casa de Pedra, dois dos hoje mais importantes museus históricos da cidade. Em 1976 foi fundado o Arquivo Histórico Municipal e na década seguinte foi criado o Departamento de Patrimônio Histórico da Prefeitura, iniciando um trabalho de preservação e resgate das tradições imateriais, do legado artístico e da herança arquitetônica italianas, que estavam de fato desaparecendo rapidamente sob uma onda de progresso que tinha pressa de acontecer. O trabalho dessas instituições, que se baseia em uma consciência de que o progresso pode conviver com o passado, junto com a atuação de grupos artísticos como o Miseri Coloni, de teatro realizado no dialeto característico da região, o talian, são forças ativas que lutam por preservar e revitalizar aspectos importantes da tradição italiana, reinserindo-os com uma leitura crítica na vida de uma cidade que se torna cada dia mais cosmopolita.

Por outro lado, na zona rural ainda são encontradas espontaneamente tradições que remontam aos primórdios da colonização. Entre elas o Filó, uma reunião de famílias que confraternizam nas cozinhas das casas ou nas cantinas. Os homens conversam e jogam cartas, bocha ou a mora, as mulheres praticam artes manuais como o crochê, a costura e a confecção da dressa, uma trança de palha de milho que dá origem aos chapéus, enquanto trocam suas experiências e as crianças brincam em torno com brinquedos rústicos. Em meio a essas reuniões, sempre acompanhadas de um bom copo de vinho, do salame, dos grostoli (espécie de bolinhos doces), do pão e do queijo, chega a hora da cantoria, quando os presentes, em coro (geralmente a cappella), entoam longas canções antigas que lembram a terra italiana, os antepassados, e falam do amor e do trabalho. No Natal grandes grupos percorrem caminhos das comunidades rurais, visitando amigos. No caminho, portando uma tocha enfeitada com uma estrela de papel, cantam as canções da stela, anunciando a nova stela, a nova estrela que simboliza o nascimento de Jesus. No dia do padroeiro das capelas comunitárias ocorre a Sagra, outra festa ritual também marcada pela prática coletiva da música e banquetes comunitários. O mesmo acontece nos casamentos, nas festas de Ano Novo e em outras datas importantes para a cultura rural, como a da vindima.

Também permanece viva a figura de Nanetto Pipetta, um personagem literário criado em 1924 pelo frei Aquiles Bernardi como uma encarnação das utopias acalentadas pelos imigrantes em contraste com a dura realidade que enfrentaram na empreitada colonizadora. Suas aventuras foram publicadas no dialeto talian, originalmente em forma de folhetim, pelo jornal Staffetta Riograndense, e fizeram um sucesso imediato. As narrativas foram reunidas em livro várias vezes, sempre esgotando tiragens, já tendo vendido mais de 150 mil exemplares, inclusive para o exterior. Receberam uma continuação a partir de 1990 escrita por vários autores também em talian, e publicada pelo mesmo jornal, hoje o Correio Riograndense. Uma paródia bem-humorada da imagem do colono foi criada pelo cartunista Carlos Henrique Iotti, com o seu Radicci e família, publicada em vários jornais e que recebeu o Troféu HQ Mix, o maior prêmio brasileiro dedicado aos quadrinhos.

Caxias do Sul
Centro de Tradições Gaúchas Campo dos Bugres

A memória folclórica e a história oficial construídas na cidade de Caxias do Sul ainda têm por base o culto ao trabalho e às virtudes do imigrante italiano, e às vezes tendem a ignorar ou minimizar outras contribuições. Isso também se percebe nos trechos históricos oferecidos na página da Prefeitura Municipal. Mas embora o italiano tenha sido o grupo inicial largamente predominante, com 90% da população em 1898, não foi só ele quem ergueu a cidade, participando também outras etnias, nem foi ele o primeiro habitante da terra, povoada por indígenas desde milênios antes. De outra parte, a maciça penetração da cultura brasileira e internacional veiculada pelos vários meios de comunicação, junto com o crescimento contemporâneo de outras tradições, tendem a tornar a cultura local um mosaico, sendo cada vez mais difícil se definir limites e conter as interpenetrações étnicas e culturais. Como exemplo cite-se a popularização do tradicionalismo gauchesco, que realiza anualmente um Rodeio Crioulo Nacional que atrai 150 mil pessoas, e conta com mais de 20 Centros de Tradições Gaúchas na cidade, ao passo que só permanece ativa uma sociedade italiana. Mesmo no processo de cosmopolitização que a cidade experimenta nas últimas décadas, a força da tradição italiana ainda é grande. Um exemplo disso é o rechaço da comunidade de Criúva quando se propôs a criação de um parque temático indígena na região. Pressionado, o poder público se rendeu aos protestos.

Também sobrevivem histórias do folclore urbano, como a da "Martha Rocha de Caxias", uma senhora que se identificava com a famosa Miss Brasil Martha Rocha, e usava maiô e a faixa de miss em praça pública; a de Garibaldi, um golpista que oferecia para venda até obras públicas como viadutos; as que narram a tradicional rivalidade com a cidade vizinha de Bento Gonçalves, mote para muitas piadas populares, e as várias histórias envolvendo o Padre Giordani, uma das grandes lideranças comunitárias da cidade mas conhecido também por sua moral rigorosa e pelas suas atitudes polêmicas.

Festa da Uva

A Festa da Uva é a principal festividade de Caxias do Sul, dedicada a celebrar a colonização italiana e reavivar as tradições históricas da comunidade. Realiza-se a cada dois anos desde 1931, e anima toda a cidade em uma variedade de eventos que se desenrolam nos quinze dias de sua duração. No Parque de Exposições são montados centenas de estandes que apresentam os produtos agrícolas típicos da região, naturalmente com destaque para a uva, além de outras seções darem uma amostragem da atividade local nos setores da culinária, da indústria e do comércio. Acontecem também shows de música, teatro, danças, distribuição gratuita de uva, exposições temáticas, artísticas e históricas, jogos desportivos típicos da vida colonial como arremesso de queijo, amassamento de uva com os pés e corrida de tratores, as cantinas e vinícolas se abrem para os turistas, mas o evento mais marcante é o desfile de carros alegóricos, que ilustram vários aspectos do tema proposto para cada edição. No desfile aparecem a rainha e as princesas da Festa, consideradas verdadeiras embaixatrizes da cidade, divulgando-a em outros lugares. Embora os imigrantes italianos sejam os protagonistas da Festa, outras etnias que participaram da construção da cidade também são representadas e homenageadas.

Artes

Além da atuação da Prefeitura, o campo das artes visuais é especialmente dinamizado por duas entidades privadas, a mais importante delas o Núcleo de Artes Visuais de Caxias do Sul (NAVI), que agrega muitos artistas plásticos e oferece sistematicamente cursos práticos e teóricos, seguida pela Universidade de Caxias do Sul, que mantém um curso regular de licenciatura em artes, uma galeria de exposições e uma multiplicidade de atividades de extensão voltadas para a comunidade. Ligado à UCS está o nome mais destacado das artes visuais caxienses na atualidade, Diana Domingues, coordenadora de um grupo de pesquisa vinculado à universidade para estudos avançados em arte associada à tecnologia, o ARTECNO, que congrega pesquisadores com grau de mestre e doutor, já realizou diversas exposições e publicou grande quantidade de livros e artigos sobre o tema. Diana tem também uma atuação importante como artista e pensadora independente, considerada por Oliver Grau uma das mais notáveis artistas da América do Sul, fazendo parte de conselhos editoriais e comitês de arte de vanguarda de reputação internacional. Entretanto, a cidade não dispõe de um museu específico para as artes visuais, sendo todos os existentes de perfil principalmente histórico, embora o acervo do Município tenha recentemente sido contemplado com uma nova Reserva Técnica, ligada a uma pequena galeria de exposições, no Centro de Cultura Dr. Ordovás.

Caxias do Sul
Exposição fotográfica na Casa de Cultura

A fotografia vem consolidando sua presença na cidade, embora fotógrafos notáveis como Júlio Calegari e Ulysses Geremia tenham deixado ali sua marca desde o início do século XX. O ativo Clube do Fotógrafo de Caxias do Sul comemorou em 2010 30 anos de existência, ano em que organizou a XXVI edição da Bienal de Arte Fotográfica Brasileira em Preto e Branco, com um número recorde de inscrições.. A fotografia é objeto de um curso superior oferecido pela UCS, há inúmeros estúdios profissionais em atividade e as exposições nesta técnica se realizam com frequência.

Na música erudita as duas mais importantes formações são a Orquestra Municipal de Sopros, mantida pela Prefeitura, apresentando repertório erudito e popular, mantendo ainda uma série de Concertos Didáticos abordando o tema História da Música, quando executa audições comentadas de autores célebres do passado, e a Orquestra Sinfônica da UCS, que já levou música a mais de 90 mil pessoas. Na música popular diversas bandas animam o cenário com estilos para todos os gostos, destacando-se a Noisekiller, de trash, apontada como uma revelação nacional, e a The Trippers, de rock, fazendo releituras da estética dos anos 1960, classificada como finalista no festival Pepsi Music 2010, e cuja canção As Coisas São como São ganhou o prêmio SESI Descobrindo Talentos 2009. O Descarrilhado Rock Festival, um evento independente, abre espaço para a música autoral e atrai grupos de todo o estado e de fora dele, a Prefeitura comemora o Dia Mundial do Rock com outro festival, o Rock On, exibindo diversas vertentes do rock como o rockabilly, hard core, indie, punk, surf, eletrônico e até mesmo trabalhos inovadores, e apóia o Projeto Gravaêh, promovido pela ONG Cirandar e dedicado ao registro fonográfico da produção local de várias tendências. A cidade tem várias escolas de samba e existem espaços para o cultivo da MPB com intérpretes locais, inclusive com apoio oficial nos projetos Ordovás Acústico e Série Grandes Nomes realizados no Centro Cultural Ordovás Filho. Além disso, há um público considerável para a música gauchesca e diversos nomes notórios da música brasileira já se apresentaram na cidade, como Armandinho, Jota Quest, Sérgio Reis e Apocalypse.

Caxias do Sul
Feira do Livro de 2010

A literatura em Caxias do Sul vem ganhando reconhecimento, possuindo uma Academia de Letras e alguns autores, nascidos ou atuantes na cidade, já conquistaram projeção nacional, como Fabrício Carpinejar, poeta, que já publicou mais de 15 livros e ganhou vários prêmios importantes, como o Prêmio Nacional Olavo Bilac, da Academia Brasileira de Letras; José Clemente Pozenato, autor de O Quatrilho, obra que recebeu uma versão cinematográfica dirigida por Bruno Barreto e foi indicada ao Oscar de Filme Estrangeiro, e Jayme Paviani, poeta e filósofo, com diversos títulos publicados e intensa atuação docente junto à UCS. Realiza-se na cidade uma Feira do Livro bastante movimentada, já em sua 26ª edição, crescendo a cada ano e trazendo centenas de outras atrações culturais paralelas, como encontros com autores, mesas temáticas, sessões de autógrafos, música, leitura de histórias, oficinas, palestras e apresentações de teatro. Em 2009 foram comercializados 71.200 livros, com um público aproximado de 300 mil pessoas.

Caxias do Sul
Teatro da UCS

Há vários locais de apresentação teatral espalhados pela cidade, tais como auditórios escolares e centros culturais privados mas se destacam dois teatros bem equipados, um na Casa de Cultura, embora de porte modesto, com 286 lugares, o Teatro Municipal Pedro Parenti, e outro na Universidade de Caxias do Sul, com 750 lugares, e ambos vêm dando espaço para grupos locais e brasileiros, incluindo companhias de atores consagrados como Paulo Autran, Fernanda Montenegro, Cristiana Oliveira, José Wilker, Patrícia Pillar e Edson Celulari. Está em construção outro teatro de porte, com 700 lugares, o Teatro Moinho da Estação Cultural, com inauguração prevista para 2011. A Prefeitura, através de sua Unidade de Teatro, organiza ou apóia diversos grupos locais e eventos, como a Mostra de Teatro Estudantil, que na edição de 2009 apresentou 34 peças produzidas por escolares para um público de 5.600 espectadores, o Caxias em Cena, de abrangência internacional, e a Mostra de Teatro Mulher. Merece uma nota especial o grupo Miseri Coloni, que desde 1987 desenvolve um trabalho de criação teatral no dialeto talian, recriando situações vividas pelos primeiros colonizadores dentro de uma abordagem crítica que resgata a memória ancestral ao mesmo tempo em que faz enlaces com a vida moderna. Paralelamente, o grupo também faz adaptações livres, ainda em talian, de textos de autores clássicos como Goldoni.

Também a dança tem recebido atenção, e mais uma vez a Prefeitura ocupa um espaço especial, promovendo vários programas neste gênero artístico, trazendo nomes internacionais e fomentado a produção local, além de manter uma companhia estável. Mas outros grupos também são ativos, como a tradicional escola de dança Dora Ballet, com 50 anos de atividade e vários prêmios, o Ney Moraes Grupo de Dança, o Ballet Margô Brusa, premiado entre outros eventos no prestigioso Festival de Dança de Joinville, e o Núcleo de Dança Faculdade da Serra Gaúcha, que recebeu o Prêmio Desterro do Festival de Dança de Florianópolis.

Artesanato

O artesanato caxiense ocupa uma posição importante por representar uma atividade de expressiva repercussão econômica, artística, turística e social. São mais de 2 mil artesãos cadastrados pela prefeitura, muitos deles reunidos em associações. O prefeito José Ivo Sartori, ao abrir os maiores eventos dedicados ao setor, a Feira Internacional de Cultura e Artesanato "Mãos da Terra" e a Mostra do Artesão Caxiense, realizados conjuntamente, destacou a importância da integração entre os artesãos dizendo que "as mãos são o símbolo do trabalho, da construção e da amizade. O artesanato não é apenas um produto, mas uma forma de vivenciar as crenças e a cultura de um povo. Façam desta Feira uma oportunidade de boas vendas, de troca de experiências e de fortalecimento desta atividade como fonte de renda".

A edição de 2009 dos eventos trouxe para a cidade o artesanato de 20 países e 11 estados brasileiros, ao lado de 81 expositores locais, sendo visitada por mais de 70 mil pessoas. Desta forma, os artesãos da cidade não somente elaboram sobre temas e técnicas tradicionais herdadas dos imigrantes, como a cestaria, o crochet e o tricot, como estão em uma fase de ampliação de horizontes, aproveitando tais eventos para internacionalizar os parâmetros sua atividade, que já envolve centenas de modalidades produtivas, incluindo objetos feitos com lixo reciclado.

Caxias do Sul
Detalhe de cortina em renda "filé", tradição do artesanato local

Arquitetura e patrimônio histórico

O interesse oficial pela preservação do patrimônio histórico e arquitetônico na cidade é relativamente recente, iniciou apenas em meados dos anos 1970 e progrediu devagar até a última década, e como resultado poucos edifícios sobreviveram à modernização urbana de meados do século XX em diante, com perdas graves, algumas insubstituíveis, como foi o caso do Cine Teatro Ópera, exemplar único de seu tipo, consumido por um incêndio que se suspeitou criminoso e que deu lugar a um estacionamento. Outro exemplo é o da Casa de Pedra, um exemplo típico da construção colonial do século XIX, sendo a única edificação em seu gênero, antes comum, que resistiu na área urbana. Embora transformado em museu desde 1975, somente em 2003 o prédio foi tombado.

Entretanto, em anos recentes a Prefeitura, em parceria com outras instituições, iniciou um trabalho de identificação, tombamento e restauro de diversos prédios de valor histórico e arquitetônico, tanto na área urbana como na rural, e tem começado a proteger também o patrimônio histórico imaterial. Entre os imóveis tombados de estilo eclético, erguidos entre fim do século XIX e início do século XX, se encontram a Livraria Saldanha, o Hospital Carbone, o Palacete Eberle, a Casa Scotti, a Casa do Patronato Agrícola e a Casa Sassi. A Capela do Santo Sepulcro é uma interessante estrutura neogótica, e os prédios históricos da Metalúrgica Abramo Eberle são bons representantes da edificação industrial modernista. Embora não tombada, é de grande interesse e importância a Catedral de Caxias do Sul, construída a partir de 1895 em estilo neogótico, com uma bela série de vitrais alemães, altares laterais com estatuária de artistas locais como Pietro Stangherlin e Michelangelo Zambelli, e um grande altar-mor ricamente entalhado, obra de Francisco Meneguzzo. A Catedral faz um conjunto com a Casa Canônica, um palacete em estilo eclético que serve como residência do bispo. Além da proteção do tombamento, de acordo com a Lei Orgânica municipal de 1999 nenhum edifício ou obra com mais de 50 anos de idade, sejam prédios públicos ou particulares, igrejas, capelas, monumentos, estátuas, praças ou cemitérios, podem ser demolidos sem autorização prévia do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural.

Caxias do Sul
Casa Canônica, um dos prédios históricos da cidade

Outras instituições ligadas ao Departamento de Memória e Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura se dedicam a resgatar, estudar, sistematizar, preservar e divulgar relíquias do passado sob várias formas.

Dentre elas se destacam:

O Museu Municipal de Caxias do Sul, voltado para a preservação dos registros materiais do processo imigratório e civilizatório na região. Instalado na antiga residência Otolini, possui um grande acervo de utensílios dos antigos agricultores, outros ligados a ofícios urbanos variados, uma bela seção de arte sacra e uma multiplicidade de outras peças. O Museu é bem estruturado e oferece uma série de atividades voltadas para a comunidade.

O Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, criado em 1976, estando hoje instalado no prédio do antigo Hospital Carbone. Estuda e conserva documentação escrita e visual variada, de origem pública e privada.

O Memorial Atelier Zambelli, que preserva e expõe os remanescentes do estúdio de escultura da importante família de santeiros e decoradores, que atuou não só no município mas em toda a região de colonização italiana.

O Museu da Uva e do Vinho Primo Slomp. enfocando uma das atividades produtivas mais características do município, o Museu foi criado em 2002 no prédio histórico da Cooperativa Vitivinícola Forqueta, com um variado acervo de objetos utilizados na produção da uva e no fabrico do vinho, incluindo objetos empregados em atividades correlatas como a tanoaria e a cestaria.

Dependente da Ordem dos Capuchinhos funciona o Museu dos Capuchinhos, que além de realizar exposições temporárias temáticas abriga um importante acervo de arte sacra recolhido de todo estado, preservando ainda outros objetos, como paramentos litúrgicos, livros, pinturas, fotografias, manuscritos, instrumentos musicais, ferramentas agrícolas, material doméstico e mobiliário, que de alguma forma se relacionam com a história da Província dos Capuchinhos do Rio Grande do Sul.

Caxias do Sul
Pietro Stangherlin: detalhe do São Miguel derrotando o demônio,
fins do século XIX - início do século XX, acervo do Museu Municipal

Turismo

À parte a tradicional Festa da Uva, que tem fortes raízes folclóricas e atrai um público de cerca de um milhão de pessoas, o turismo em Caxias do Sul foi relativamente pouco explorado, mas nos últimos tempos está ocorrendo um crescimento na atenção a este setor. A Secretaria do Turismo lançou em 2010 o projeto Semana Municipal do Turismo, com programações e passeios para o público e debates entre especialistas. Além de roteiros já consolidados, como La Città, Caminhos da Colônia, Estrada do Imigrante e Ana Rech, onde o visitante conhece a história da cidade e dos imigrantes enquanto tem a oportunidade de saborear pratos tradicionais e apreciar paisagens características, em 2008 uma parceria entre a Prefeitura e o Sebrae/RS identificou outras regiões com potencial turístico, entre elas os distritos rurais de Fazenda Souza, Santa Lúcia do Piaí, Vila Cristina, Vila Oliva e Vila Seca, desvendando, segundo Josemari Pavan, possibilidades que nem mesmo a população local conhecia. A partir deste estudo surgiram novas propostas de dinamização do setor. A cidade recebeu em média, entre 2005 e 2008, 350 mil turistas/ano, e as projeções indicam um crescimento de 11% até dezembro de 2011.

Caxias do Sul
Arquivo Histórico Municipal

Em 2007 havia cerca de vinte hotéis e 30 mil leitos, em estabelecimentos de todas as categorias, desde pousadas e hotéis-parque a casas tradicionais. Nos últimos anos vários hotéis mais antigos, fortemente ligados à história local, fecharam suas portas, como o Alfred Hotel e o Real Hotel, mas entraram no mercado outros de grande porte, como o Blue Tree Towers, o Norton Hotel e o Intercity Hotel, entre outros. Outras de suas atrações mais conhecidas são a Igreja de São Pelegrino, com uma grande e importante série de pinturas de Aldo Locatelli e notáveis portas em bronze lavradas por Augusto Murer; a réplica de um trecho do núcleo urbano original, construída no parque de exposições da Festa da Uva, o Monumento Nacional ao Imigrante, obra de Antonio Caringi, o Museu Ambiência Casa de Pedra, a Catedral e o Museu Municipal.

Caxias do Sul
Réplica parcial de Caxias do Sul em 1885, no parque de exposições da Festa da Uva

Esportes

Há uma significativa atividade esportiva na cidade, com alguns clubes de longa tradição. No futebol se destacam a Sociedade Esportiva e Recreativa Caxias do Sul, sediada no Estádio Francisco Stédile, que já foi campeã gaúcha em 2000, e o Esporte Clube Juventude, com seu Estádio Alfredo Jaconi e a terceira maior torcida do estado. O Juventude, embora atualmente esteja em uma fase difícil, jogando na Série D, já conquistou um Campeonato Gaúcho (1998) e uma Copa do Brasil (1999). No basquete a equipe Caxias do Sul Basquete já conquistou um título no Campeonato Gaúcho de Basquete e participa da Copa Brasil, e há várias outras em atividade que disputam o Campeonato Citadino. Na cidade também já se realizou o Campeonato Brasileiro de Basquete Master e em 2010 se realizam as disputas do adulto masculino do Sul-Brasileiro de Clubes. No handebol feminino a equipe Luna ALG/Ordena/UCS/Prefeitura de Caxias participa com bons resultados da Liga Nacional de Handebol e teve duas jogadoras convocadas para a seleção brasileira, que conquistou medalha de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Singapura. No vôlei a equipe da UCS participa da Superliga Brasileira, no tênis o Recreio da Juventude compete no Circuito S.C.A. de Tênis Gaúcho e na cidade ocorre o Aberto de Tênis de Caxias do Sul. Clubes recreativos tradicionais, como o Recreio da Juventude e o Clube Juvenil também possuem boa estrutura esportiva, oferecendo possibilidade de prática em esportes variados como futebol, futsal, ginástica artística, handebol, judô, natação, tênis e voleibol, e conquistando premiações em várias competições estaduais e nacionais. A Prefeitura, através de sua Secretaria de Esporte e Lazer, apóia e financia uma série de outras associações, campeonatos e clubes esportivos de várias categorias e para várias idades, incluindo atletismo, squash, motocross, corrida, bolão, canoagem, natação e outras mais.

Caxias do Sul
Estádio Alfredo Jaconi

Culinária

A base da cozinha folclórica italiana é o galeto assado (galeto al primo canto), a polenta mole ou frita, e massas como os bigoli (macarrão) e os tortei (trouxinhas de massa embutidas com purê de abóbora temperado com noz moscada), mas outros pratos também são populares, como a sopa de agnolini (trouxinhas de massa recheada de carne de galinha), a salada de radicci com pancetta (variedade de almeirão com folhas estreitas e sabor amargo temperado com toucinho frito), a canjica de milho, o crem (tipo de raiz forte ralada conservada em vinagre tinto e usada como tempero de carnes), pães e biscoitos caseiros, a canja de galinha, o risoto, compotas e doces, com destaque para a uvada, salames, a fortaia (omelete com queijo ou salame), e queijos, além de muitas variedades de vinho. Entretanto, por influência de outras etnias e por força das condições locais que impuseram o cultivo de produtos mais adaptados ao clima da região, a cidade desenvolveu uma culinária com características mais variadas, em muitos pontos original. Dos alemães foi incorporada a batata, e dos gaúchos de cima da serra aprenderam a apreciar o charque, o churrasco, o feijão, o arroz, a mandioca, a batata-doce, o chimarrão, a cachaça, frutas silvestres autóctones como a gabiroba, a amora e a pitanga, e o pinhão da araucária. A cidade é conhecida pela fartura e qualidade de sua cozinha, servida em cerca de 300 restaurantes e mais cerca de 600 outros estabelecimentos. Vários são especializados na culinária tradicional, há diversos dedicados a baurus e filés, e em anos recentes outros têm variado seus cardápios, se abrindo para a cozinha internacional, incluindo de regiões do oriente, especialmente japonesa e chinesa. Os que mais têm crescido são as pizzarias, os rodízios e as tele-entregas. O setor de lanches também está em crescimento e passa por um processo de diversificação, muitos se aproximando dos restaurantes. Também há um bom número de churrascarias.

Caxias do Sul
Mesa com pratos típicos italianos: vinho tinto, tortei ao molho de miúdos,
salame, queijo parmesão e pão colonial

Feriados

Além dos feriados nacionais previstos em lei, a cidade tem feriados próprios: Sexta-feira Santa e Corpus Christi (móveis), 26 de maio, dia de Nossa Senhora de Caravaggio, e 2 de novembro, dia de Finados.

Fonte: pt.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal