Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Célula de Leydig  Voltar

Célula de Leydig

 

Conceito de Células de Leydig (ou Células Intersticiais)

As Células de Leydig (também designadas por Células Intersticiais) são células secretoras localizadas no tecido do testículo que rodeia os tubos seminíferos e que segregam testosterona.

Nomenclatura

O nome das células de Leydig derivam do anatomista alemão Franz Leydig, que as descobriu em 1850.

Funções

AS células de Leydig libertam uma classe de hormonas denominadas de androgénios. Fazem secreção de testosterona, androstediona e dehidroepiandrosterona (DHEA), quando são estimuladas pela hormona luteinizante (LH). A LH aumenta a atividade da desmolase de colesterol (enzima associada à conversão de colesterol em pregnenolona).

O hormônio folículo-estimulante (FSH) aumenta e resposta das células de Leydig à LH, ao aumentando o número de receptores de LH expressas na células.

Ultraestrutura

As células de Leydig são poligonais e eosinófilas. Possuem um núcleo arredondado e vesicular. Centém também vesículas lipídicas.

Possuem um abundante retículo endoplasmático liso (que leva à sua eosinofilia). Frequentemente, pigmentos de lipofuscina estruturas em forma de cristal (cristais de Reinke) são encontrados.

Desenvolvimento

As células de Leydig formam-se durante a 16ª e a 20ª semana de gestação e estão dormentes até à puberdade.

Espermatogênese

A espermatogênese é o processo de formação de espermatozóides maduros. Inicia-se na puberdade e ocorre, de modo contínuo, durante o resto da vida do homem.

Os testículos dividem-se em cerca de 250 lóbulos testiculares, cada lóbulo possui 1 a 4 túbulos seminíferos muito enrolados e compactados e inseridos num tecido rico e vasos sanguíneos.

Os tubos seminíferos convergem para a zona de ligação ao epidídimo.

Célula de Leydig
Constituição dos testículos

É nos espaços intersticiais dos túbulos localizam-se as células de Leydig, que são responsáveis pela produção de testosterona.

Célula de Leydig
Célula de Leydig

Testículos (Células de Leydig)

Entre os túbulos seminíferos encontra-se um tecido intersticial, constituído principalmente pelas células de Leydig, onde se dá a formação dos hormônios andrógenos (hormônios sexuais masculinos), em especial a testosterona.

Os hormônios andrógenos desenvolvem e mantém os caracteres sexuais masculinos.

Células De Leydig

1. grandes, poligonais.
2. produção testosterona

O que é

Célula de Leydig

Os impulsos que fazem as células de Sertoli realizarem suas funções vêm do hormônio folículo-estimulante (FSH, em inglês), também mencionado anteriormente.

Este hormônio é secretado a partir da Hipófise e estimulas as células de Sertoli. Se esse hormônio não é produzido ou falha em chegar na área relevante, o esperma não pode ser produzido.

Quando as células de Sertoli recebem o estímulo, elas começam a secretar um hormônio chamado "estrogênio", que é indispensável para a produção de esperma.

Outro tipo de célula que influência a produção de esperma é a chamada célula de "Leydig", encontrada entre os túbulos seminíferos.

Estas células produzem outro hormônio necessário para o desenvolvimento espermático. O hormônio luteinizante (LH, em inglês) é secretado pela parte anterior da Hipófise e estimula as células de Leydig. Em seguida, estas células começam a produzir o hormônio "testosterona".

A testosterona é o hormônio que garante o crescimento dos órgãos reprodutores, o desenvolvimento de várias glândulas destes órgãos e o desenvolvimento das características masculinas. É o mais importante hormônio na produção de esperma.

As células de Sertoli têm funções adicionais, tais como produção de proteínas. Esta proteína produzida irá carregar o estrogênio e a testosterona para um fluido encontrado nos túbulos seminíferos.

E as células de Leydig também possuem uma segunda função. A fim de que as células do esperma se movam, elas requerem energia para isso.

As células de Leydig suprem essa energia através da frutose que elas produzem. (trataremos disto detalhadamente mais tarde).

Como nós podemos ver, como em outras partes do corpo, o sistema hormonal também funciona de um modo perfeitamente organizado no sistema reprodutor.

Cada hormônio imediatamente entende a mensagem transportada por outro, e responde sempre que necessário.

Por exemplo, a glândula Hipófise, quando sabe a hora certa, entra em ação e envia comandos para variadas células nos testículos informando elas o trabalho que elas deverão fazer nos órgãos e tecidos. Além disso, o que estimula a Hipófise em atividade é uma área diferente do cérebro chamada Hipotálamo.

A primeira etapa da formação de um ser humano está relacionada com a compreensão correta da mensagem que os hormônios carregam e com a apropriada execução dos comandos.

Como estas células e moléculas diferenciam e reagem às mensagens transportaras pelos hormônios?

Como elas conhecem o produto químico que compõe cada um e que métodos devem ser empregados para influenciá-los?

O fato de que, a fim de apoiar a produção de esperma, as células de Sertoli e Leydig entrarão em ação com o comando da glândula Hipófise (uma glândula bastante longe deles, da qual eles nunca viram e que possui uma estrutura completamente diferente) combinada com de que essas células não iriam realizar alguma função sem todos os comandos, torna impossível explicar sua atividade em termos evolutivos.

É impossível estes hormônios terem ganho essas características especiais como resultados de uma série de ocorrências ao acaso, porque um rompimento ou uma interrupção durante um estágio do sistema influenciaria toda a cadeia deste processo. Se um elemento no sistema é defeituoso, o funcionamento por inteiro do sistema é prejudicado.

Por exemplo, se a célula de Sertoli não entende o significado do hormônio FSH enviado através da Hipófise e não começa a secretar estrogênio, o esperma não poderá ser produzido.

Ou, se as células de Leydig não realizarem suas funções para providenciar frutose, ou se elas a produzirem em quantidades insuficientes, um esperma, mesmo que seja maduro em todos os sentidos, morrerá depois de entrar no útero da mãe, pois não encontrará nutriente.

E por causa disto não poderá atingir o óvulo, logo, a fertilização não ocorrerá.

TOXICOLOGIA EM CÉLULAS DE LEYDIG

As células de Leydig, juntamente com outros tipos celulares tais como fibroblastos, macrófagos e mastócitos, além de vasos sanguíneos e linfáticos, compõem o espaço intertubular que corresponde à porção endócrina testicular.

São células de formato poligonal, com diâmetro de aproximadamente 20mm e abundante citoplasma rico em mitocôndrias e retículo endoplasmático liso.

Estas células intersticiais são conhecidas por sua marcante produção de andrógenos como testosterona e diidrotestosterona, os quais são responsáveis pela diferenciação do trato genital masculino e da genitália externa na fase fetal, pelo aparecimento dos caracteres sexuais secundários e pela manutenção da espermatogênese a partir da puberdade.

A produção de andrógenos, sintetizados a partir do colesterol, ocorre por meio de estímulos do LH sintetizado e secretado na adenohipófise sob a influência do hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH) proveniente do hipotálamo.

Muitos fatores podem modular a atividade das células de Leydig e dentre estes se destacam os compostos citotóxicos os quais, de uma forma direta ou indireta, afetam a função destas células.

As células de Leydig são vulneráveis a uma ampla variedade de toxinas que comprometem a secreção de andrógenos, interferindo negativamente no processo espermatogênico.

Compostos que interferem indiretamente na atividade das células de Leydig podem agir, por exemplo, no eixo hipotalâmico-hipofisário inibindo a secreção de GnRH pelo hipotálamo ou de LH pela adenohipófise.

Já os compostos que afetam diretamente as células de Leydig podem agir basicamente de três maneiras:

1) Inibindo a secreção de andrógenos via interações específicas com a maquinaria esteroidogênica (enzimas esteroidogênicas)
2)
Induzindo a formação de tumores de células de Leydig; e
3)
Induzindo a morte celular (apoptose).

Embora haja numerosos estudos, tais mecanismos de ação ainda não foram completamente compreendidos, necessitando de pesquisas complementares, na tentativa de elucidar o grau de toxicidade e o mecanismo de ação desses compostos na atividade das células de Leydig.

Fonte: Colégio São Francisco

Célula de Leydig

O que é

Descoberto em 1859 por Franz Leydig, um anatomista da Alemanha, as células de Leydig são encontradas nos testículos próximos aos túbulos seminíferos, onde o esperma é produzido nos testículos . Também conhecido como células intersticiais de Leydig, estas células ficam entre outras estruturas dos testículos e ajudar a suportar estas outras estruturas e células. Eles desempenham um papel vital na manutenção de níveis adequados de hormônios masculinos, incluindo a testosterona.

Quando as células de Leydig são expostos a luteinizante hormonal (LH), que é segregada pela glândula pituitária , que produzem androgénios, ou hormonas do sexo masculino, incluindo a testosterona, a hormona que determina as características do sexo masculino em mamíferos e regula a função reprodutora masculina.

Disfunções nestas células se acredita ser a causa de algumas formas de infertilidade. A sensibilidade destas células a LH é aumentada pela exposição a hormona folículo-estimulante (FSH), que faz com que eles produzem mais receptores da LH.

Dentro do Leydig células de machos humanos podem ser encontrados cristais de Reinke, pequenos cristais em forma de bastonete, à base de proteína. A finalidade desses cristais é incerto, mas ocorrem apenas em seres humanos e parecem ocorrer em maiores quantidades em homens mais velhos, levando alguns a acreditar que são um subproduto de um processo degenerativo relacionada com o envelhecimento. Eles não parecem ter qualquer contribuição para androgénio ou a produção de testosterona, e que pode ser utilizado para identificar as células de Leydig facilmente quando a visualização do tecido testicular sob um microscópio.

Ocasionalmente, um tumor das células de Leydig se desenvolve dentro dos testículos. Estes tipos de tumores são muito raros e normalmente são benignas, embora possam resultar na produção excessiva de testosterona. Eles ocorrem mais freqüentemente em homens jovens, e um sintoma comum é a ocorrência de características masculinas exageradas. Em raras ocasiões, quando este tipo de tumor apresenta nas fêmeas, os sintomas incluem masculinização, ou a ocorrência de características sexuais masculinas secundárias em uma paciente do sexo feminino.

Um tumor de células de Sertoli-Leydig envolve células de Leydig, bem como células de Sertoli, células de suporte que desempenham um papel vital no crescimento de células de esperma nos testículos. Os sintomas são semelhantes aos dos tumores regulares de Leydig, mas cerca de um quarto dos tumores de células de Sertoli-Leydig são malignos. O tratamento geralmente envolve cirurgia para remover o tumor, com o cuidado de preservar a fertilidade do paciente quando possível, embora os tumores malignos são tratados de forma mais agressiva e pode envolver a remoção do testículo e tratamento de radiação subseqüente. O prognóstico é bom, na maioria dos casos, porque os tumores tendem a crescer mais lentamente do que muitos outros tumores malignos.

Fonte: www.wisegeek.com

Célula de Leydig

Células de Leydig, também conhecidas como células intersticiais de Leydig, são encontrados ao lado dos túbulos seminíferos do testículo.

Eles produzem testosterona na presença de hormona luteinizante (LH).

As Células de Leydig são poliédrico em sua forma, exibim um grande destaque no núcleo, um eosinofílica citoplasma e numerosas vesículas cheias de lipídios.

As células de Leydig L sintetizam e secretam os hormônios sexuais masculinos e são o principal tipo celular encontrado no tecido de sustentação intersticial entre os túbulos seminíferos. Ocorrem isoladamente ou em grupos e estão imersas no rico plexo de capilares sangüíneos e linfáticos que circunda os túbulos seminíferos.

O núcleo é redondo com cromatina dispersa e um ou dois nucléolos na periferia. O extenso citoplasma eosinofílico contém número variável de vacúolos lipídicos e, observado por microscopia eletrônica, assemelha-se muito às células secretoras de ester6ides do c6rtex supra-renal.

o homem, mas não em outras espécies, as células de Leydig também contêm estruturas, citoplasmáticas alongadas, cristais de Reinke, que são suficientemente grandes para serem observadas à microscopia óptica quando coradas adequadamente; esses cristais tomam-se mais numerosos com a idade, mas sua função é completamente desconhecida.

A testosterona é o principal hormônio secretado por células de Leydig.

A testosterona é não apenas responsável pelo desenvolvimento de características sexuais secundárias masculinas na puberdade, mas também é essencial para a função contínua do epitélio seminífero.

A atividade secretora das células de Leydig é controlada pelo hormônio gonadotr6fico hipofisário, hormônio luteinizante, freqüentemente denominado hormônio estimulante das células i1!tersticiais (ICSH) no homem.

Célula de Leydig
Células intersticiais (de Leydig) do testículo(H & E X 480)

Fonte: www3.fsa.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal