Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Falenas Machado De Assis - Página 3  Voltar

Falenas

Machado de Assis

PÁLIDA ELVIRA

A FRANCISCO PAZ

Ulysse, jeté sur les rives d'Ithaque, ne les reconnait pas et pleure sa patrie. Ainsi l'homme dans le bonheur possédé ne reconnait pas son rêve et soupire.
Daniel Stern

I
QUANDO, leitora amiga, no ocidente

Surge a tarde esmaiada e pensativa;

E entre a verde folhagem recendente

Lânguida geme viração lasciva;

E já das tênues sombras do oriente

Vem apontando a noite, e a casta diva

Subindo lentamente pelo espaço,

Do céu, da terra observa o estreito abraço;

II

Nessa hora de amor e de tristeza,

Se acaso não amaste e acaso esperas

Ver coroar-te a juvenil beleza

Casto sonho das tuas primaveras

Não sentes escapar tua alma acesa

Para voar às lúcidas esferas?

Não sentes nessa mágoa e nesse enleio

Vir morrer-te uma lágrima no seio?

III

Sente-lo? Então entenderás, Elvira,

Que assentada à janela, erguendo o rosto,

O vôo solta à alma que delira

E mergulha no azul de um céu de agosto;

Entenderás então por que suspira,

Vítima já de um íntimo desgosto,

A meiga virgem, pálida e calada,

Sonhadora, ansiosa e namorada.

IV

Mansão de riso e paz, mansão de amores

Era o vale. Espalhava a natureza,

Com dadivosa mão, palmas e flores

De agreste aroma e virginal beleza;

Bosques sombrios de imortais verdores,

Asilo próprio à inspiração acesa,

Vale de amor, aberto às almas ternas

Neste vale de lágrimas eternas.

V

A casa. junto à encosta de um outeiro

Alva pomba entre folhas parecia;

Quando vinha a manhã, o olhar primeiro

Ia beijar-lhe a verde gelosia;

Mais tarde a fresca sombra de um coqueiro

Do sol quente a janela protegia;

Pouco distante, abrindo o solo adusto,

Um fio d’água murmurava a custo.

Vl

Era uma jóia a alcova em que sonhava

Elvira, alma de amor. Tapete fino

De apurado lavor o chão forrava.

De um lado oval espelho cristalino

Pendia. Ao fundo, à sombra, se ocultava

Elegante, engraçado, pequenino

Leito em que, repausando a face bela,

De amor sonhava a pálida donzela.

VII

Não me censure o crítico exigente

O ser pálida a moça é meu costume

Obedecer à lei de toda a gente

Que uma obra compõe de algum volume.

Ora, no nosso caso, é lei vigente

Que um descorado rosto o amor resume.

Não tinha Miss Smolen outras cores;

Não as possui quem sonha com amores.

VIlI

Sobre uma mesa havia um livro aberto;

Lamartine, o cantor aéreo e vago,

Que enche de amor um coração deserto;

Tinha-o lido; era a página do Lago.

Amava-o; tinha-o sempre ali bem perto

Era-lhe o anjo bom, o deus, o orago;

Chorava aos cantos da divina lira...

É que o grande poeta amava Elvira!

IX

Elvira! o mesmo nome! A moça os lia,

Com lágrimas de amor, os versos santos,

Aquela eterna e lânguida harmonia

Formada com suspiros e com prantos;

Quando escutava a musa da elegia

Cantar de Elvira os mágicos encantos,

Entrava-lhe a voar a alma inquieta,

E com o amor sonhava de um poeta.

X

Ai, o amor de um poeta! amor subido!

Indelével, puríssimo, exaltado,

Amor eternamente convencido,

Que vai além de um túmulo fechado,

E que através dos séculos ouvido

O nome leva do objeto amado

Que faz de Laura um culto, e tem por sorte

Negra fouce quebrar nas mãos da morte.

Xl

Fosse eu moça e bonita. . . Neste lance

Se o meu leitor é já homem sisudo,

Fecha tranqüilamente, o meu romance,

Que não serve a recreio nem a estudo;

Não entendendo a força nem o alcance

De semelhante amor, condena tudo:

Abre um volume sério, farto e enorme,

Algumas folhas lê, boceja... e dorme.

XII

Nada perdes, leitor, nem perdem nada

As esquecidas musas; pouco importa

Que tu, vulgar matéria condenada,

Aches que um tal amor é letra morta.

Podes, cedendo à opinião honrada,

Fechar à minha Elvira a esquiva porta.

Almas de prosa chã, quem vos daria

Conhecer todo o amor que há na poesia?

XIII

Ora, o tio de Elvira, o velho Antero,

Erudito e filósofo profundo,

Que sabia de cor o velho Homero,

E compunha os anais do Novo Mundo;

Que escrevera uma vida de Severo

Obra de grande tomo e de alto fundo;

Que resumia em si a Grécia e Lácio,

E num salão falava como Horácio;

XIV

Disse uma noite à pálida sobrinha:

"Elvira, sonhas tanto! devaneias!

Que andas a procurar, querida minha?

Que ambições, que desejos ou que idéias

Fazem gemer tua alma inocentinha?

De que esperança vã, meu anjo, anseias?

Teu coração de ardente amor suspira;

Que tens?" - "Eu? nada", respondia Elvira.

XV

"Alguma cousa tens! tornava o tio;

Por que olhas tu as nuvens do poente,

Vertendo às vezes lágrimas a fio,

Magoada expressão d'alma doente?

Outras vezes olhando a água do rio,

Deixas correr o espírito indolente

Como uma flor que ao vento ali tombara,

E a onda murmurando arrebatara.

XVI

Latet anguis in herba.. ." Neste instante

Entrou a tempo o chá... Perdão, leitores,

Eu bem sei que é preceito dominante

Não misturar comidas com amores;

Mas eu não vi, nem sei se algum amante

Vive de orvalho ou pétalas de flores;

Namorados estômagos consomem;

Comem Romeus, e Julietas comem.

XVII

Entrou a tempo o chá, e foi servi-lo,

Sem responder, a moça interrogada,

Com ar tão soberano e tão tranqüilo

Que o velho emudeceu. Ceia acabada,

Fez o escritor o costumado quilo,

Mas um quilo de espécie pouco usada,

Que consistia em ler um livro velho;

Nessa noite acertou ser o Evangelho.

XVIII

Abrira em S. Mateus, naquele passo

Em que o filho de Deus diz que a açucena

Não labora nem fia, e o tempo escasso

Vive, coo ar e o sol, sem dor nem pena;

Leu e estendendo o já trêmulo braço

À triste, à melancólica pequena,

Apontou-lhe a passagem da Escritura

Onde lera lição tão reta e pura.

XIX

"Vês? diz o velho, escusas de cansar-te;

Deixa em paz teu espírito, criança:

Se existe um coração que deva amar-te,

Há de vir; vive só dessa esperança.

As venturas do amor um deus reparte;

Queres tê-las? põe nele a confiança.

Não persigas com súplicas a sorte;

Tudo se espera; até se espera a morte!

XX

A doutrina da vida é esta: espera,

Confia, e colherás a ansiada palma;

Oxalá que eu te apague essa quimera.

Lá diz o bom Demófilo que à alma,

Como traz a andorinha a primavera,

A palavra do sábio traz a calma.

O sábio aqui sou eu. Ris-te, pequena?

Pois melhor; quero ver-te uma açucena!"

XXI

Falava aquele velho como fala

Sobre cores um cego de nascença.

Pear a juventude! Condená-la

Ao sono da ambição vivaz e intensa!

Coas leves asas da esperança orná-la

E não querer que rompa a esfera imensa!

Não consentir que esta manhã de amores

Encha com frescas lágrimas as flores!

XXII

Mal o velho acabava e justamente

Não rija porta ouviu-se urna pancada.

Quem seria? Uma serva diligente,

Travando de uma luz, desceu a escada.

Pouco depois rangia brandamente

A chave, e a porta aberta dava entrada

A um rapaz embuçado que trazia

Uma carta, e ao doutor falar podia.

XXIII

Entrou na sala, e lento, e gracioso,

Descobriu-se e atirou a capa a um lado

Era um rosto poético e viçoso

Por soberbos cabelos coroado;

Grave sem gesto algum pretensioso,

Elegante sem ares de enfeitado;

Nos lábios frescos um sorriso amigo,

Os olhos negros e o perfil antigo.

XXIV

Demais, era poeta. Era-o. Trazia

Naquele olhar não sei que luz estranha

Que indicava um aluno da poesia,

Um morador da clássica montanha,

Um cidadão da terra da harmonia,

Da terra que eu chamei nossa Alemanha,

Nuns versos que hei de dar um dia a lume,

Ou nalguma gazeta, ou num volume.

XXV

Um poeta! e de noite! e capote!

Que é isso, amigo autor? Leitor amigo,

Imaginas que estás num camarote

Vendo passar em cena um drama antigo

Sem lança não conheço D. Quixote,

Sem espada é apócrifo um Rodrigo;

Herói que às regras clássicas escapa,

Pode não ser herói, mas traz a capa.

XXVI

Heitor (era o seu nome) ao velho entrega

Uma carta lacrada; vem do Norte.

Escreve-lhe um filósofo colega

Já quase a entrar no tálamo da morte.

Recomenda-lhe o filho, e lembra, e alega

A provada amizade, o esteio forte,

Com que outrora, acudindo-lhe nos transes,

Salvou-lhe o nome de terríveis lances.

XXVII

Dizia a carta mais: "Crime ou virtude,

É meu filho poeta; e corre fama

Que já faz honra à nossa juventude

Coa viva inspiração de etérea chama;

Diz ele que, se o gênio não o ilude,

Camões seria se encontrasse um Gama.

Deus o fade; eu perdôo-lhe tal sestro;

Guia-lhe os passos, cuida-lhe do estro''

XXVIII

Lida a carta, o filósofo erudito

Abraça o moço e diz em tom pausado:

"Um sonhador do azul e do infinito!

É hóspede do céu, hóspede amado.

Um bom poeta é hoje quase um mito.

Se o talento que tem é já provado,

Conte coo meu exemplo e o meu conselho;

Boa lição é sempre a voz de um velho".

XXIX

E trava-lhe da mão, e brandamente

Leva-o junto d'Elvira. A moça estava

Encostada à janela, e a esquiva mente

Pela extensão dos ares lhe vagava.

Voltou-se distraída, e de repente

Mal nos olhos de Heitor o olhar fitava,

Sentiu... Inútil fora relatá-lo;

Julgue-o quem não puder experimentá-lo.

XXX

Ó santa e pura luz do olhar primeiro!

Elo de amor que duas almas liga!

Raio de sol que rompe o nevoeiro

E casa a fIor à flor! palavra amiga

Que, trocada um momento passageiro,

Lembrar parece uma existência antiga!

Língua, filha do céu, doce eloqüência

Dos melhores momentos da existência!

XXXI

Entra a leitora numa sala cheia;

Vai isenta, vai livre de cuidado:

Na cabeça gentil nenhuma idéia?

Nenhum amor no coração fechado.

Livre como a andorinha que volteia

E corre loucamente o ar azulado.

Venham dous oIhos, dous, que a alma buscava...

Eras senhora? ficarás escrava!

XXXII

com só olhar escravos ele e ela

Já Ihes pulsa mais forte o sangue e a vida;

Rápida corre aquela noite, aquela

Para as castas venturas escolhida;

Assoma já nos lábios da donzela

Lampejo de alegria esvaecida.

Foi milagre de amor, prodígio santo.

Quem mais fizera? Quem fizera tanto?

XXXIII

Preparara-se ao moço um aposento.

Oh! reverso da antiga desventura!

Tê-lo perto de si! viver do alento

De um poeta, alma lânguida, alma pura!

Dá-lhe, ó fonte do casto sentimento,

Águas santas, batismo de ventura!

Enquanto o velho, amigo de outra fonte,

Vai mergulhar-se em pleno Xenofonte.

XXXIV

Devo agora contar, dia por dia,

O romance dos dous? InútiI fora;

A história é sempre a mesma; não varia

A paixão de um rapaz e uma senhora.

Vivem ambos do olhar que se extasia

E conversa coa alma sonhadora;

Na mesma luz de amor os dous se inflamam,

Ou, como diz Filinto: "Amados, amam".

XXXV

Todavia a leitora curiosa

Talvez queira saber de um incidente;

A confissão dos dous; - cena espinhosa

Quando a paixão domina a alma que sente.

Em regra, confissão franca e verbosa

Revela um coração independente;

A paz interior tudo confia,

Mas o amor, esse hesita e balbucia.

XXXVl

O amor faz monossílabos; não gasta

O tempo com análises compridas;

Nem é próprio de boca amante e casta

Um chuveiro de frases estendidas;

Um volver d'olhos lânguido nos basta

A conhecer as chamas comprimidas;

Coração que discorre e faz estilo,

Tem as chaves por dentro e está tranqüilo.

XXXVII

Deu-se o caso uma tarde em que chovia,

Os dous estavam na varanda aberta

A chuva peneirava, e além cobria

Cinzento véu o ocaso; a tarde incerta

Já nos braços a noite recebia,

Como amorosa mãe que a filha aperta

Por enxugar-lhe os prantos magoados.

Eram ambos imóveis e calados.

XXXVIII

Juntos, ao parapeito da varanda,

Viam cair da chuva as gotas finas,

Sentindo a viração fria, mas branda,

Que balançava as frouxas casuarinas.

Raras, ao longe, de uma e de outra banda,

Pelas do céu tristíssimas campinas,

Via correr da tempestade as aves

Negras, serenas, lúgubres e graves.

XXXIX

De quando em quando vinha uma rajada

Borrifar e agitar a Elvira as tranças.

Como se fora a brisa perfumada

Que à palmeira sacode as tênuas franças.

A fronte gentilíssima e engraçada

Sacudia coa chuva as más lembranças;

E ao passo que chorava a tarde escura

Ria-se nela a aurora da ventura.

XL

"Que triste a tarde vai! que véu de morte

Cobrir parece a terra! (o moço exclama).

Reprodução fiel da minha sorte,

Sombra e choro." "'Por quê? pergunta a dama;

Diz que teve dos céus uma alma forte..."

"É forte o cedro e não resiste à chama;

Leu versos meus em que zombei do fado?

Ilusões de poeta malogrado!

XLI

Somos todos assim. É nossa glória

Contra o destino opor alma de ferro;

Desafiar o mal, eis nossa história,

E o tremendo duelo é sempre um erro.

Custa-nos caro uma falaz vitória

Que nem consola as mágoas do desterro,

O desterro, - esta vida obscura e rude

Que a dor enfeita e as vítimas ilude.

XLII

Contra esse mal tremendo que devora

A seiva toda à nossa mocidade,

Que remédio haveríamos, senhora,

Senão versos de afronta e liberdade?

No entanto, bastaria acaso um’hora,

Uma só, mas de amor, mas de piedade,

Para trocar por séculos de vida

Estes de dor acerba e envilecida.

XLIII

Al não disse, e, fitando olhos ardentes

Na moça, que de enleio enrubescia,

Com discursos mais fortes e eloqüentes

Na exposição do caso prosseguia;

A pouco e pouco as mãos inteligentes

Travaram-se; e não sei se conviria

Acrescentar que um ósculo . . . Risquemos,

Não é bom mencionar estes extremos.

XLIV

Duas sombrias nuvens afastando,

Tênue raio de sol rompera os ares,

E, no amoroso grupo desmaiando,

Testemunhou-lhe as núpcias singulares.

A nesga azul do ocaso contemplando,

Sentiram ambos irem-lhes os pesares,

Como noturnas aves agoureiras

Que à luz fogem medrosas e ligeiras.

XLV

Tinha mágoas o moço? A causa delas?

Nenhuma causa; fantasia apenas;

O eterno devanear das almas belas,

Quando as dominam férvidas camenas;

Uma ambição de conquistar estrelas,

Como se colhem lúcidas falenas;

Um desejo de entrar na eterna lida,

Um querer mais do que nos cede a vida.

XLVI

Com amores sonhava, ideal formado

De celestes e eternos esplendores,

A ternura de um anjo destinado

A encher-lhe a vida de perpétuas flores.

Tinha-o, enfim, qual fora antes criado

Nos seus dias de mágoas e amargores;

Madrugavam-lhe n'alma a luz e o riso;

Estava à porta enfim do paraíso.

XLVII

Nessa noite, o poeta namorado

Não conseguiu dormir. A alma fugira

Para ir velar o doce objeto amado

Por quem, nas ânsias da paixão, suspira;

E é provável que, achando o exemplo dado,

Ao pé de Heitor viesse a alma de Elvira;

De maneira que os dous, de si ausentes,

Lá se achavam mais vivos e presentes.

XLVIII

Ao romper da manhã, coo sol ardente,

Brisa fresca, entre as folhas sussurrando,

O não dormido vate acorda, e a mente

Lhe foi dos vagos sonhos arrancando.

Heitor contempla o vale resplendente,

A flor abrindo, o pássaro cantando;

E a terra que entre risos acordava,

Ao sol do estio as roupas enxugava.

XLIX

Tudo então lhe sorria. A natureza,

As musas, o futuro, o amor e a vida;

Quanto sonhara aquela mente acesa

Dera-lhe a sorte, enfim compadecida.

Um paraíso, uma gentil beleza,

E a ternura castíssima e vencida

De um coração criado para amores,

Que exala afetos como aroma as flores.

L

E ela? Se conheceste em tua vida

Leitora, o mal do amor, delírio santo,

Dor que eleva e conforta a alma abatida,

Embriaguez do céu, divino encanto,

Se a tua face ardente e enrubescida

Palejou com suspiros e com prantos,

Se ardeste enfim, naquela intensa chama,

Entenderás o amor de ingênua dama.

Ll

Repara que eu não faço desse enleio

De uma noite de baile ou de palestra;

Amor que mal agita a flor do seio,

E ao chá termina e acaba com a orquestra;

Não me refiro ao simples galanteio

Em que cada menina é velha mestra.

Avesso ao sacrifício, à dor e ao choro;

Falo do amor, não falo do namoro.

LII

Éden de amor, ó solidão fechada

Casto asilo a que o sol dos novos dias

Vai mandar, como a furto, a luz coada

Pelas frestas das verdes gelosias,

Guarda-os ambos; conserva-os recatada.

Almas feitas de amor e de harmonias,

Tecei, tecei as vívidas capelas,

Deixai correr sem susto as horas belas.

LlIl

Cá fora o mundo insípido e profano

Não dá, nem pode dar o enleio puro

Das almas novas, nem o doce engano

Não busqueis penetrar neste oceano

Com que se esquecem males do futuro.

Em que se agita o temporal escuro.

Por fugir ao naufrágio e aosofrimento,

Tendes uma enseada, - o casamento.

LIV

Resumamos, leitora, a narrativa.

Tanta estrofe a cantar etéreas chamas

Pede compensação, musa insensiva,

Que fatigais sem pena o ouvido às damas.

Demais, é regra certa e positiva

Que muitas vezes, as maiores famas

Perde-as uma ambição de tagarela;

Musa, aprende a lição; musa, cautela!

LV

Meses depois da cena relatada

Nas estrofes, a folhas, - o poeta

Ouviu do velho Antero uma estudada

Oração cicerônica e seleta;

A conclusão da arenga preparada

Era mais agradável que discreta.

Dizia o velho erguendo olhos serenos:

"Pois que se adoram, casem-se, pequenos!"

LVI

Lágrima santa, lágrima de gosto

Vertem olhos de Elvira; e um riso aberto

Veio inundar-lhe de prazer o rosto

Como uma flor que abrisse no deserto.

Se iam já longe as sombras do desgosto;

lnda até li era o futuro incerto

Fez-lhe certo o ancião; e a moça grata

Beija a mão que o futuro lhe resgata.

LVII

Correm os banhos, tiram-se dispensas,

Vai-se buscar um padre ao povoado;

Prepara-se o enxoval e outras pertenças

Necessárias agora ao novo estado.

Notam-se até algumas diferenças

No modo de viver do velho honrado,

Que sacrifica à noiva e aos deuses lares

Um estudo dos clássicos jantares.

LVIII

"Onde vais tu?" "À serra!" "Vou contigo".

"Não, não venhas meu anjo, é longa a estrada.

Se cansares ? "Sou leve, meu amigo;

Descerei nos teus ombros carregada".

"Vou compor encostado ao cedro antigo

Canto de núpcias" . "Seguirei calada;

Junto de ti, ter-me-ás mais em lembrança;

Musa serei sem perturbar" "Criança!"

LIX

Brandamente repele Heitor a Elvira;

A moça fica; o poeta lentamente

Sobe a montanha. A noiva repetira

O primeiro pedido inutilmente.

Olha-o de longe, e tímida suspira.

Vinha a tarde caindo frouxamente,

Não triste, mas risonha e fresca e bela

Como a vida da pálida donzela.

LX

Chegando, enfim, a c'roa da colina,

Viram olhos de Heitor o mar ao largo,

E o sol, que despe a veste purpurina,

Para dormir no eterno leito amargo.

Surge das águas, pálida e divina,

Essa que tem por deleitoso encargo

Velar amantes, proteger amores,

Lua, musa dos cândidos palores.

LXI

Respira Heitor; é livre. O casamento?

Foi sonho que passou, fugaz idéia

Que não pôde durar mais que um momento.

Outra ambição a alma lhe incendeia.

Dissipada a ilusão, o pensamento

Novo quadro a seus olhos patenteia,

Não lhe basta aos desejos de sua alma

A enseada da vida estreita e calma.

LXII

Aspira ao largo; pulsam-lhe no peito

Uns ímpetos de vida; outro horizonte,

Túmidas vagas, temporal desfeito,

Quer com eles lutar fronte por fronte.

Deixa o tranqüilo amor, casto e perfeito,

Pelos bródios de Vênus de Amatonte;

A existência entre fores esquecida

Pelos rumores de mais ampla vida.

LXIII

Nas mãos da noite desmaiara a tarde;

Descem ao vale as sombras vergonhosas;

Noite que o céu, por mofa ou por alarde,

Torna propícia às almas venturosas.

O derradeiro olhar frio e covarde

E umas não sei que estrofes lamentosas

Solta o poeta, enquanto a triste Elvira,

Viúva antes de noiva, em vão suspira!

LXIV

Transpõe o mar Heitor, transpõe montanhas;

Tu, curiosidade, o ingrato levas

A ir ver o sol das regiões estranhas,

A ir ver o amor das peregrinas Evas.

Vai, em troco de palmas e façanhas,

Viver na morte, bracejar nas trevas;

Fazer do amor, que é livro aos homens dado,

Copioso almanaque namorado.

LXV

Inscreve nele a moça de Sevilha,

Longas festas e noites espanholas,

A indiscreta e diabólica mantilha

Que a fronte cinge a amantes e a carolas.

Quantos encontra corações perfilha,

Faz da bolsa e do amor largas esmolas;

Esquece o antigo amor e a antiga musa

Entre os beijos da lépida andaluza.

LXVI

Canta no seio túrgido e macio

Da fogosa, indolente italiana,

E dorme junto ao laranjal sombrio

Ao som de uma canção napolitana.

Dão-lhe, para os serões do ardente estio,

Asti, os vinhos, mulheres, a Toscana.

Roma adora, embriaga-se em Veneza,

E ama a arte nos braços da beleza.

LXVII

Vê Londres, vê Paris, terra das ceias,

Feira do amor a toda a bolsa aberta;

No mesmo laço, as belas como as feias.

Por capricho ou razão, iguais aperta;

A idade não pergunta às taças cheias;

Só pede o vinho que o prazer desperta;

Adora as outoniças, como as novas,

Torna-se herói de rua e herói de alcovas.

LXVIII

Versos, quando os compõe, celebram antes

O alegre vício que a virtude austera;

Canta os beijos e as noites delirantes,

O estéril gozo que a volúpia gera;

Troca a ilusão que o seduzia dantes

Por maior e tristíssima quimera;

Ave do céu, entre ósculos criada,

Espalha as plumas brancas pela estrada.

LXIX

Um dia, enfim, cansado e aborrecido,

Acorda Heitor; e, olhando em roda ao largo,

Vê um deserto, e do prazer perdido

Resta-lhe unicamente o gozo amargo;

Não achou o ideal apetecido

No longo e profundíssimo letargo;

A vida exausta em festas e esplendores,

Se algumas tinha, eram já murchas flores.

LXX

Ora, uma noite, costeando o Reno,

Ao luar melancólico, - buscava

Aquele gozo simples, doce, ameno,

Que à vida toda outrora lhe bastava;

Voz remota, cortando o ar sereno,

Em derredor os ecos acordava;

Voz aldeã que o largo espaço enchia,

E uma canção de Schiler repetia.

LXXI

"A glória! diz Heitor, a glória é vida!

Por que busquei nos gozos de outra sorte

Esta felicidade apetecida,

Esta ressurreição que anula a morte?

Ó ilusão fantástica e perdida!

Ó mal gasto, ardentíssimo transporte!

Musa, restaura as apagadas tintas!

Revivei, revivei, chamas extintas!"

LXXII

A glória? Tarde vens, pobre exilado!

A glória pede as ilusões viçosas,

Estro em flor, coração eletrizado.

Mãos que possam colher etéreas rosas;

Mas tu, filho do ócio e do pecado,

Tu que perdeste as forças portentosas

Na agitação que os ânimos abate,

Queres colher a palma do combate?

LXXIII

Chamas em vão as musas; deslembradas,

À tua voz os seus ouvidos cerram;

E nas páginas virgens, preparadas,

Pobre poeta, em vão teus olhos erram;

Nega-se a inspiração; nas despregadas

Cordas da velha lira, os sons que encerram

Inertes dormem; teus cansados dedos

Correm debalde; esquecem-lhe os segredos.

LXXIV

Ah! se a taça do amor e dos prazeres

Já não guarda licor que te embriague;

Se nem musas nem lânguidas mulheres

Têm coração que o teu desejo apague;

Busca a ciência, estuda a lei dos seres,

Que a mão divina tua dor esmague;

Entra em ti, vê o que és, observa em roda,

Escuta e palpa a natureza toda.

LXXV

Livros compra, um filósofo procura;

Resolve a criação, perscruta a vida;

Vê se espancas a longa noite escura

Em que a estéril razão andou metida;

Talvez aches a palma da ventura

No campo das ciências escondida.

Que a tua mente as ilusões esqueça:

Se o coração morreu, vive a cabeça!

LXXVI

Ora, por não brigar coos meus leitores,

Dos quais, conforme a curta ou longa vista,

Uns pertencem aos grupos novadores

Da fria comunhão materialista;

Outros, seguindo exemplo dos melhores,

Defendem a teoria idealista;

Outros, enfim fugindo armas extremas,

Vão curando por ambos os sistemas;

LXXVII

Direi que o nosso Heitor, após o estudo

Da natureza e suas harmonias,

(Opondo à consciência um forte escudo

Contra divagações e fantasias);

Depois de ter aprofundado tudo,

Planta, homem, estrelas, noites, dias,

Achou esta lição inesperada:

Veio a saber que não sabia nada.

LXXVIll

"Nada! exclama um filósofo amarelo

Pelas longas vigílias, afastando

Um livro que há de dar um dia ao prelo

E em cujas folhas ia trabalhando.

Pois eu, doutor de borla e de capelo,

Eu que passo o.s meus dias estudando,

Hei de ler o que escreve pena ousada,

Que a ciência da vida acaba em nada?"

LXXIX

Aqui convinha intercalar com jeito,

Sem pretensão, nem pompa nem barulho,

Uma arrancada apóstrofe do peito

Contra as vãs pretensões do nosso orgulho;

Conviria mostrar em todo o efeito

Essa que é dos espíritos entulho,

Ciência vã, de magnas leis tão rica,

Que ignora tudo, e tudo ao mundo explica.

LXXX

Mas, urgindo acabar este romance,

Deixo em paz o filósofo, e procuro

Dizer ao vate o doloroso trance

Quando se achou mais peco e mais escuro.

Valera bem naquele triste lance

Um sorriso do céu plácido e puro,

Raio do sol eterno da verdade,

Que a vida aquece e alenta a humanidade.

LXXXI

Quê! nem ao menos na ciência havia

Fonte que a eterna sede lhe matasse?

Nem do amor, nem no seio da poesia

Podia nunca repousar a face;

Atrás desse fantasma correria

Sem que jamais as formas lhe palpasse?

Seria acaso a sua ingrata sorte

A ventura encontrar nas mãos da morte?

LXXII

A morte! Heitor pensara momentos

Nessa sombria porta aberta à vida;

Pálido arcanjo dos finais alentos

De alma que o céu deixou desiludida;

Mão que, fechando os olhos sonolentos,

Põe o termo fatal à humana lida;

Templo de glória ou região do medo,

Morte, quem te arrancara o teu segredo?

LXXXIII

Vazio, inútil, ermo de esperanças

Heitor buscava a noiva ignota e fria,

Que o envolvesse então nas longas tranças

E o conduzisse à câmara sombria,

Quando, em meio de pálidas lembranças,

Surgiu-lhe a idéia de um remoto dia,

Em que cingindo a cândida capela

Estava a pertencer-te uma donzela.

LXXXIV

Elvira! o casto amor! a esposa amante!

Rosa de uma estação, deixada ao vento!

Riso dos céus! estrela rutilante

Esquecida no azul do firmamento!

Ideal, meteoro de um instante!

Glória da vida, luz do pensamento!

A gentil, a formosa realidade!

Única dita e única verdade!

LXXXV

Ah! por que não ficou terno e tranqüilo

Da ingênua moça nos divinos braços?

Por que fugira ao casto e alegre asilo?

Por que rompera os mal formados laços?

Quem pudera jamais restituí-lo

Aos estreitos, fortíssimos abraços

Com que Elvira apertava enternecida

Esse que lhe era o amor, a alma e a vida?

LXXXVl

Será tempo? Quem sabe? Heitor hesita;

Tardio pejo lhe enrubesce a face;

Punge o remorso; o coração palpita,

Como se vida nova o reanimasse;

Tênue fogo, entre a cinza, arde e se agita...

Ah! se o passado ali ressuscitasse

voltar 1234avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal