Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  História do Chile  Voltar

História do Chile



Em 1542 o conquistador espanhol Pedro de Valdivia chegou nas costas do Chile e fundou a cidade de Santiago. Porém antes dessa conquista, o território estava habitado por diversos povos com organizações e sistemas de vida que se adequavam ao clima e a geografia da região. Seguindo em direção norte-sul esses habitantes primitivos se reuniam em grupos como os Aymaras, os Atacamenhos, os Changos, os Diaguitas, os Incas, os Mapuches ou Araucanos, os Canoeros, os Patagones e os Polinésicos.

Durante os primeiros anos os espanhóis dividiram as terras, organizaram os indígenas e se dedicaram em trazer o maior número de colonos possíveis para consolidar sua presença no território. Ao avançar para o extremo sul os espanhóis encontraram os Mapuches ou Araucanos, povo guerreiro que colocaram grande resistência à dominação espanhola. Durante trezentos anos, índios e ibéricos disputaram com duras batalhas o domínio da região. Essa situação chegou ao fim em 1599, quando os índios destruíram todas as fundações espanholas ao sul de Concepción.

Devido à forte influencia do povo mapuche, os espanhóis decidiram se instalar num território menor que compreende o que atualmente conhecemos como Copiapó e Conceição. Ali se dedicaram à agricultura e a explorarão de minerais. Durante o século XVII e a metade do século XVIII, as únicas cidades estabelecidas como tais eram Santiago, La Serena e Conceição. Mais tarde, com o aumento da população, foram fundados novos centros urbanos como Copiapó, Rancagua, Curicó e Talca. Esse assentamento de mais habitantes facilitou a realização de importantes avanços nas áreas de educação e cultura.

1810-1829: A INDEPENDÊNCIA

No começo do século XIX, acontecimentos como a Revolução Francesa e a independência dos Estados Unidos incrementaram os sentimentos de independência de muitos países. No caso do Chile, depois da invasão da Espanha por Napoleão e a queda do rei Fernando VII, em 1810, os crioulos estabeleceram em Santiago uma Junta Nacional de Governo para dirigir a Colônia em nome do monarca. Isso foi considerado uma rebelião e começou uma luta entre crioulos e o Exercito Espanhol enviado desde o Reinado de Peru. Em 1814, depois de fracassado esse primeiro intento de independência, a ajuda argentina, materializada na campanha do general José de San Martín, foi traduzida na vitória de Chacabuco e Maipú, que marcaram o fim do domínio espanhol no Chile.

Entre 1818 e 1829 nenhum dos governos chilenos conseguiu dar continuidade e estabilidade ao país, pois as resistencias contra o governo autoritário de Berbardo de O' Higgins primeiro, e as lutas entre liberais e conservadores, depois, impediram que fosse criando um marco de estabilidade e convivência.

1829-1861: A ORGANIZAÇAO DA REPÚBLICA

A guerra civil de 1829 significou o triunfo dos conservadpres sobre os liberais. A partir desse momento se construiu um Estado forte, centralizado, autoritário e unificado, no qual o poder civil e as instituições se impuseram sobre o caudilhismo regional e militar.

O desenho desse sistema, refletido na Constituição de 1833, teve em Diego Portales seu homem forte, quem, apesar de não ser presidente, deixou sua marca, incluso quando foi assassinato em 1837. A estabilidade chilena se prolongou até 1891 e transformou o país numa potencia regional principalmente depois da guerra contra a Confederação Peruana Bolivianana, na que as tropas chilenas derrotaram ao protetor da confederação, o mariscal Andrés de Santa Cruz. Esse sistema, de características autoritárias, não variou durantes os governos de Joaquín Prieto (1831-1841), Manuel Bulnes (1841-1851) e Manuel Montt (1851-1861) que proporcionaram o progresso e a institucionalização do país.

1861-1891: O PERÍODO LIBERAL

A divisão dos grupos conservadores nos anos 50 proporcionou a trasição a um sistema mais liberal e menos autoritário, no qual o parlamento foi cobrando, progressivamente, mais importância, reduzindo o poder presidencial. Assim, entre 1861 e 1891, os diferentes governos introduziram uma legislação leiga, potenciaram a chegada de inversões estrangeiras e estabeleceram um marco mais liberal de governo.

Além disso, a Guerra do Pacífico (1879-1883) confirmou a supremacia militar do Chile sobre seus vizinhos, já que o exército chileno, além de derrotar a Bolívia e Peru, anexou a provincia boliviana de Antofagasta e as peruanas de Tacna e Arica. Tudo isso lhe permitiu o controle sobre o salitre, que se converteu no pilar fundamental onde se apoiou a economia chilena até os anos 20.

1891-1920: A REPÚBLICA PRESIDENCIAL

A guerra civil de 1891 que enfrentou ao presidente José Manuel Balmaceda e às forças que apoiavam a supremacia do Congresso sobre o executivo acabou com a derrota de Balmaceda e deu início a três décadas de estabilidade política e de domínio dos partidos e profunda debilidade dos diferentes governos que se sucederam.

Com uma economia baseada na exportação do salitre, foi formando-se uma classe obreira e uma ampla classe média que durante este período estiveram alheias ao sistema político, ao menos até o triunfo de Arturo Alessandri, em 1920.

1920-38: CRISE E RECUPERAÇÃO

Quando o salitre deixou de ser um produto demandado internacionalmente a economia chilena veio abaixo e com ela a estabilidade política e social. As tentativas de Alessandri de impulsionar um governo popular fracassaram (1920-25) e deram passo à experiência de uma ditadura militar e corporativa de Carlos Ibáñez do Campo (1927-31) que não pôde sustentar-se depois do impacto das crises do 29. Depois da experiência breve de uma República Socialista em 1932, Alessandri regressou à presidência (1932-38) e apoiado nos setores conservadores e no cobre, o novo pilar da economia chilena, conseguiu outorgar ao país um período de estabilidade política e econômica.

1938-1952: ÉPOCA DA FRENTE POPULAR

Uma coligação de radicais, socialistas e comunistas conseguiu o triunfo sobre os setores conservadores, em 1938. Dirigidos pelo asa mais moderada, os radicais, implementaram uma série de medidas de caráter social e de intervenção estatal na economia. A ruptura da coligação devido às medidas anticomunistas dos radicais e as divisões no seio do socialismo, unido ao forte desgaste do governo afetado por diversos casos de corrupção conduziram ao final do regime da Frente Popular.

1952-1973: A CRISE DA DEMOCRACIA

Os governos que sucederam à Frente Popular não foram capazes de parar a deterioração social e político pelo que atravessava o país. Nem as medidas de corte populista de Ibáñez do Campo (1952-1958), nem as ortodoxas e conservadoras de Jorge Alessandri (1958-1964) nem as reformistas de Eduardo Frei Montalva (1964-70) impediram que a situação fosse piorando progressivamente e radicalizando-se o panorama político. O triunfo de Salvador Além em 1970 aprofundou as reformas que deram um giro socializante que conduziu à estatização da economia. Os confrontos sociais e as pressões dos setores mais conservadores da sociedade chilena ante as decisões do governo de Além sumiram ao país numa profunda crise, que degenerou num ambiente de pré-guerra civil e acentuou os confrontos políticos.

1973-90: O REGIME DE PINOCHET

O golpe do 11 de setembro de 1973 clausurou o regime democrático mais antigo da América Latina e transformou radicalmente ao país. Baseado num sistema autoritário desde o ponto de vista político, que se plasmou na Constituição de 1980, o regime encabeçado por Augusto Pinochet introduziu uma série de medidas econômicas de tintura liberal que abriram a economia chilena ao exterior e atraíram os investimentos estrangeiros. A oposição ao regime aumentou nos anos 80, mas a repressão e o apoio social com o que contava o regime prolongaram a permanência no poder de Pinochet até 1990, quando abandonou a presidência devido à derrota que sofreu no referendum de 1988.

1990-2005: A ÉPOCA DE LA CONCERTACIÓN E DA RESTAURAÇÃO DEMOCRÁTICA

La Concertación, uma coligação de socialistas, democratacristianos e radicais, manteve-se no poder desde 1990, durante as presidências de Patricio Aylwin (1990-94), Eduardo Frei Ruiz-Tagle (1994-2000) e Ricardo Lagos (2000- ). Estes governos se caracterizaram por liberar e democratizar o regime implantado pelo pinochetismo, criar medidas de caráter social e por manter o modelo econômico herdado da ditadura. Chile se converteu, nestes anos, num exemplo de estabilidade política, crescimento econômico e redução das diferenças sociais.

Fonte: www.ciberamerica.org

História do Chile

1. A era pré-colombiana

Estima-se que a população do Chile começou há cerca de 12.000 anos antes de nossa era. Esta é a data que fornece o sítio arqueológico de Monte Verde, perto de Valdivia, que foi descoberta recentemente (1978), que é o mais antigo do país. Outros sites famosos são os de San Pedro de Atacama, no norte, e Tagua-Tagua, no centro, de 9000 e 10.000 anos, respectivamente.

Antes da chegada dos espanhóis, calcula-se que cerca de um milhão de pessoas indígenas que vivem no Chile. Essa população era composta de diferentes grupos étnicos, que não tinham atingido um grande desenvolvimento social.

No norte, centro e sul estavam na fase de tribos como antropólogos defini-los: eles viviam em grupos de várias centenas de pessoas, praticavam a agricultura e cerâmica sabia, mas não formam uma unidade política e sabia ou a vida urbana ou escrita.

Grupos étnicos no extremo sul estavam em menos evoluídos do que bandas: eles viviam em grupos muito pequenos de 20 ou 30 pessoas, alimentados exclusivamente com a caça, pesca e coleta, e liderou uma vida nômade.

A região do deserto do norte

Nessa região vivia primeiras bandas que dependiam de recursos marinhos, mas de penetrar no interior para caçar lhamas nos Andes. Nós sabemos o nome das primeiras corridas, mas um deles, que vivia em uma área chamada Chinchorro, perto da atual cidade de Arica, deixou vestígios de sua passagem, com as mais antigas múmias do mundo uma vez que são mais cedo do que o Egito dos faraós e que datam de cerca de 5000 aC. AD

Cerca de 500 aC. BC apareceram as primeiras tribos que deixaram os restos da primeira vida sedentário, com construções monumentais chamados Pucará, ea cerâmica. Eles cresceram feijão, batata e milho. Alguns deles foram influenciados pela cultura de Tiwanako na Bolívia hoje. Pouco antes da chegada dos espanhóis, eles foram conquistados pelos incas do Peru. O espanhol chamado Atacameños estes índios, mas não sabemos o nome que deram.

Do norte da Índia semi-árido

Sociedades sedentárias surgiram nos vales inter-andinos, no início de nossa era. Grupo étnico que vivia lá na hora da conquista europeia foi a Diaguitas, que também morava na Argentina hoje. Eles sabiam como trabalhar o cobre eo bronze. Graves atestar o início de diferenciação social e as pessoas começaram a viver em aldeias. Eles também estavam em contato com os incas.

A região central

Entre Santiago e Concepción tribos surgiu a partir do século XI.

Viveram nesta região sociedades culturalmente diversificadas linguagens relacionadas semelhantes: picunches na região de Santiago, os mapuches na região de Bío-Bío, a huilliches um pouco mais ao sul, onde hoje Valdivia. Todos trabalham na agricultura (feijão, milho, batata, pimentão quinoa, ...), além de colher frutas e caçar o guanaco nos Andes. Os picunches sabia como construir canais de irrigação e viviam em aldeias de cerca de 300 pessoas, incluindo moradores cultivavam coletivamente. Dominado pelos incas, viviam com indígenas peruanos se mudou para o Chile, mitimae.

O grupo mapuche étnica mais conhecido pela abundância de descrições deixadas pelos espanhóis, que chamou araucanos, vivia em uma região caracterizada pela abundância de água (de chuva que atingiu a 1000 mm por ano ) e florestas. Eles não foram conquistados pelos incas. Viviam da agricultura, da caça e da coleta, eles provavelmente aprendeu a cultivar a terra apenas para 1200. Eles formaram um grande grupo étnico com uma população de 300.000 pessoas, talvez, que viveu em muitas pequenas unidades de 100 a 200 pessoas em casas chamado Rucas, que abrigava várias famílias. Lonko era a autoridade do grupo familiar e tinha um certo prestígio, mas não uma classe social mais elevada, na ausência de propriedade privada. Ele estava entre as funções de organizar mingako ou tarefas coletivas, e resolver conflitos. Havia autoridades temporárias em tempos de guerra, toquis mas perdeu seu status uma vez que o conflito terminou. Seu entretenimento incluído o jogo chueca, semelhante ao hóquei. Parte dos mapuches vivia do outro lado da Cordilheira dos Andes, na Argentina.

A região ao sul frio e chuvoso e do sul

Apenas o sul da região mapuche viveu Tehuelches os pehuenches e Puelches, habitantes do sopé dos Andes e que viveu em bandas, caça e coleta de guanaco. Eles não sabiam ou agricultura cerâmica, apesar de sua proximidade com o mapuche.

No extremo sul, os principais grupos étnicos eram Alacalufes e Yagans, que eram nômades do mar, movendo-se entre as numerosas ilhas de Aisen e Magalhães, que vivem principalmente da pesca e da caça de animais marinhos . Em Tierra del Fuego viveu Onas ou Selknams, que caçavam guanaco. Hoje, todos esses grupos étnicos estão quase extintos, não culpa dos espanhóis, mas os brancos durante os séculos XIX e XX.

2) Período Colonial

Colonização espanhola: a conquista

Os espanhóis entraram em contato com os nativos que viviam no que ficou conhecido como o Chile em 1536, com a chegada do Peru expedição liderada por Diego de Almagro, que havia desempenhado um papel importante na conquista do Império Inca. Este episódio é conhecido como o "Discovery", embora alguns argumentam que isso equivale a Magalhães, navegador Português ao serviço de Espanha, que "descobriu" o extremo sul do Chile, em 1520, quando seu barco foi ao redor do mundo. Mas, passando pelo Chile Almagro Almagro não teve grandes consequências, para os espanhóis estavam limitados a explorar o norte e centro do país, sem basear cidades. Eles voltaram ao Peru, desapontado por não encontrar ouro, que era o objetivo da viagem.

O trabalho de Pedro de Valdivia

História do Chile
Valdivia

Alguns anos mais tarde, em 1541, chegou ao Chile uma segunda expedição, também do Peru, liderada por Pedro de Valdivia, um dos capitães de Francisco Pizarro, o conquistador dos incas. Desta vez as coisas foram diferentes. Valdivia queria estabelecer o território chileno e governar.

Para este fim, fundou várias cidades: Santiago, a capital, em fevereiro de 1541, seguido por La Serena, em 1544, Concepción, em 1550, Valdivia, em honra de si mesmo, em 1552, e em Osorno 1553, e outros de menor importância. Valparaíso, o principal porto do país, não tem data de fundação oficial, mas começou a existir após a chegada de Almagro em 1536.

Expedição de Valdivia despertou também a primeira resistência indígena. Se os espanhóis sobreviveu aos ataques dos indígenas na região de Santiago, este não foi o caso no sul, onde a oposição mapuche apresentou uma muito maior. Em 1553, a tribo começou a derrota espanhola na batalha, capturado e executado Valdivia. Foi a primeira vez que um líder da conquista espanhola na América sofreram este destino. Os Mapuche continuaram a resistir, e, em 1598, que derrotou o espanhol na Batalha de Curalaba, em que o governador Martín García de Loyola Onez, como Valdivia, foi capturado e morto. Esta vitória ("catástrofe" para muitos historiadores chilenos que, consciente ou inconscientemente, têm alinharam com os espanhóis) também levou à destruição das cidades espanholas do sul, como Valdivia e Osorno.

De tempo, o Chile foi dividido em três partes: o norte de Bío-Bío, centro-sul, os espanhóis dominaram, já que o rio Bío-Bío ao que é agora Puerto Montt, o território foi controlado por mais ao sul aborígene, Espanha controlaram a ilha de Chiloé. Esta situação persistiu durante todo o período colonial e continuou por várias décadas após a independência.

Colonial governo, sociedade e economia

Instituições coloniais foram definidos no início. Valdivia e seus sucessores ao cargo de governador, a autoridade suprema da colônia, apesar de não desfrutar de total independência, que dependia do vice-rei do Peru. Governadores governou o país em consulta com o Tribunal Superior, de um Tribunal de Justiça também poderia governar a colônia, na ausência do governador.

Tal como no resto da América espanhola, a Igreja Católica tem desempenhado um papel importante na gestão da empresa, em colaboração com o poder real que ele foi colocado em regime de mecenato que o Papa concedeu o rei Castela. Ordens religiosas criadas igrejas e escolas, e os jesuítas eram também as empresas com as áreas rurais administrados de forma eficaz.

A economia não experimentou um grande desenvolvimento por causa da pequena população e os obstáculos impostos pelo sistema imperial. Espanha não incentivar produção em suas colônias, em vez de tentar forçar a venda de bens europeus. O comércio exterior foi apenas mover-se para a Espanha ou para outras colônias, mas não havia contrabando. Foi só no final do século XVIII Chile foi autorizada a cunhar suas próprias moedas, o que ele fez no edifício conhecido como Casa de la Moneda, que se tornou, depois da independência, a sede do governo.

As principais atividades foram relacionadas à agricultura Terra e seus derivados, como a produção de sebo e peles, e várias culturas, como o trigo Chile começou a exportar para o Peru no final do século XVII. Houve uma produção de ouro, no século XVI, que foi um declínio depois.

História do Chile
A elite em um ó sal n del siglo XVIII fina

Sociedade foi estratificada de acordo com linhas étnicas, como em todos os outros brancos colônias no topo, seguido por mestiços, índios (que eram pessoas livres, exceto que os rebeldes poderiam ser vendidos como escravos) e, finalmente, escravos negros. Estes não eram muitos, porque representavam uma mercadoria cara. Houve apenas 4.000 no fim do período colonial, que correspondia a menos de 10% da população total. Os índios foram obrigados a trabalhar para os espanhóis no âmbito da encomienda (concessão de um grupo de índios a um espanhol que estava trabalhando em seu favor), o que foi abolido no início do século XVII, porque a alta mortalidade dos índios (causada por doenças trazidas pelos espanhóis). Ele substituiu o pagamento de dinheiro homenagem que os índios poderiam pagar trabalhando livremente. Mestiços e brancos pobres trabalhou livremente, como empregados, mas na agricultura, eles o fizeram sob um regime especial, a do inquilino, quando o trabalhador, mesmo que fosse livre, seria um número de dias de trabalho por ano para o dono da terra, em troca do direito de cultivar um pequeno lote. Houve também pequenos proprietários, mas não conseguiu se tornar uma classe média.

O estatuto de independência índios Mapuche obrigou os espanhóis a manter um exército permanente, financiado pelo Vice-Reino do Peru. Como isso não foi o suficiente, os governadores tiveram que assinar tratados de paz com os índios. O primeiro tratado ou "parlamento", aconteceu em 1641. Mesmo que eles não eram muito respeitados, que implicou um reconhecimento da soberania dos povos e criou as condições são estabelecidas por certos períodos de paz, permitindo o desenvolvimento de contatos comerciais entre brancos e índios. Em 1683, a escravidão foi finalmente banido índios.

Durante o século XVII, o Chile foi repetidamente atacado por piratas, ingleses e holandeses. Isto obrigou os espanhóis a construir fortes em Valdivia, por medo de um novo ataque na região. Durante este século, não havia nenhuma fundação de novas cidades e Santiago foi em grande parte destruída por um terremoto em 1647.

No século XVIII, a situação no país melhorou. Índios mais resistentes a doenças, o que constituía um fator importante para o crescimento da população. No início deste século, a população era de cerca de 100 000 pessoas alcançarem talvez 600,000 habitantes, no final do século.

Pela primeira vez desde o século XVI fundaram novas cidades, especialmente na região central: Copiapó, San Felipe, Los Andes, Quillota, Melipilla, San Fernando, Curicó e Linares, a maioria pelo governador Antonio José Manso de Velasco . O rei permitiu a primeira vez que os catalães e bascos para ir para as famílias americanas de vários última origem veio para o Chile, e alguns chegaram a ser parte da elite empresarial e nobreza.

3 ) Independência

Entre 1810 e 1818, a colônia então chamada de "o Reino de Chile" se separou da Espanha e formou um governo independente. Ao fazer isso, o Chile se tornou parte de um processo que envolveu quase todas as colônias espanholas da América, enquanto Cuba e Porto Rico só permaneceu dentro do império, todas as outras colônias separadas, na maioria dos casos depois de uma luta armada.

História

Ao contrário de países como Colômbia e Venezuela, o Chile, não houve grandes protestos contra o domínio colonial e levantes armados ou antes de 1810. O único precedente para isso foi a "conspiração Antoines Três", em 1780. Este episódio foi o trabalho de dois franceses Antoine e Gramusset Antoine Berney, com criollo (American-nascidos brancos) Antonio Rojas, que concebeu o projeto de criar uma república, abolindo a escravidão e estabelecer relações com outros países. A iniciativa não vai muito longe quando eles foram denunciados e presos. Mas havia pessoas que acreditavam na independência como Bernardo O'Higgins, o filho bastardo de um ex-governador do Chile, Irlanda Ambrosio O'Higgins, que participou de reuniões com os latinos favorecer a independência, em Londres, organizada pelo venezuelano Francisco de Miranda. A chegada de vários navios dos Estados Unidos no início de 1800, permitiu ao comércio na América espanhola, a propagação de idéias republicanas, o que representou um outro fator.

"Old Country" (Patria Vieja)

E os historiadores chamam o período 1810-1814, que marcou o início do movimento de libertação. O fato de que o processo foi desencadeado a invasão da Espanha por Napoleão ea prisão do rei Fernando VII, que criou um vácuo de poder, já que as autoridades coloniais foram nomeados pelo monarca agora destronado. Na maioria das colônias eram formadas Juntas (conselhos) de governo para administrar reinos EUA, enquanto o rei está ausente.

No Chile, a junta foi formada 18 de setembro de 1810. Sua origem era elitista, na medida em que participaram os notáveis do reino, a maioria de Santiago. Em princípio, todos os seus membros, liderados por Mateo de Toro y Zambrano, Conde da Conquista, jurou lealdade ao rei prisioneiro, mas vários deles, sem dizer explicitamente, queriam a independência e começou a tomar medidas que representavam principais mudanças são impossíveis de realizar no contexto colonial, como o decreto sobre a liberdade de comércio ea chamada para a eleição do primeiro Congresso Nacional em abril de 1811. O processo radicaliza o golpe de Estado de 04 de setembro do mesmo ano, liderada por José Miguel Carrera, jovem soldado, membro de uma família rica, em Santiago. Foi nomeado uma junta segundo, dominado por pró-independência pessoas como José Martínez de Rozas. Em 15 de novembro de 1811, Carrera fez um segundo golpe, levando o chefe de governo.

Medidas revolucionárias são encadeadas: a abolição parcial da escravatura, com a "liberdade de barriga" (liberdade para os filhos de escravos), a promulgação da primeira constituição em 1812, sem declarar independência estipulado que não obedecer a qualquer lei ou decreto do exterior, a criação de uma bandeira nacional e do primeiro jornal, La Aurora de Chile, liderado pelo padre Camilo Henríquez. Além disso, permitiu que o cônsul estados unien, Joel Poinsett, o primeiro contato com um outro país, mesmo que isso não implica o reconhecimento diplomático.

A partir de 1813, os apoiantes da independência teve que enfrentar o ataque dos monarquistas, lançado pelo vice-rei do Peru, que permaneceu no cargo. Uma expedição desembarcou no sul do Chile, em 1813, provocando a guerra de independência. O Patriots enfrentaram a situação dividida, porque havia áreas que não aceitaram a Carrera direção e preferível que de Bernardo O'Higgins. Havia até mesmo uma curta guerra civil entre os dois líderes, em uma batalha travada em agosto de 1814. Mesmo que eles fizeram as pazes após este episódio, o exército patriota, dividido, perdeu a batalha de Rancagua em 1 de outubro de 1814.

Isto marcou o final desta fase, como os monarquistas recuperou o poder, e os Patriots saiu em massa Chile a Mendoza.

A reconquista espanhola

Esta fase durou de outubro 1814 a fevereiro de 1817.

Durante seu desenvolvimento, partidários do rei retomou o governo: uma forte repressão caiu contra aqueles que apoiaram os patriotas, com a prisão de muitas pessoas, algumas foram exilados para a ilha de Juan Fernandez. Propriedade dos suspeitos foram apreendidos e leiloados. Esta etapa coincide mais com a volta de Fernando VII ao trono após a derrota francesa em Waterloo. Houve uma reconquista semelhante na Colômbia e Venezuela.

Enquanto isso estava acontecendo no Chile, exilados chilenos em Mendoza encontrou apoio do general José de San Martín, o governador da província, que tinha planejado para organizar um exército para libertar o Chile e depois o Peru. O'Higgins amizade com ele, ao contrário de Carrera, que brigou com o San Martín e decidiu deixar os Estados Unidos para comprar armas e organizar outra expedição.

Enquanto o exército se preparava para Mendoza, Manuel Rodríguez, um jovem advogado, entrou clandestinamente ao Chile e campanha anti-guerrilha organizada na Espanha, obtendo o apoio de forças camponesas da região Central. Este foi um movimento novo e importante na medida em que até a independência foi um processo que estava interessado na elite do país. População tinha assistido sem se envolver no conflito, lutando por vezes para um acampamento, às vezes para o outro lado, o grosso das forças monarquistas eram chilenos sul recrutados por oficiais espanhóis. Sul índios, os mapuches não tinha apoiado a causa da independência.

"Pátria Nova" (Patria Nueva)

A terceira e última etapa ocorreu entre fevereiro de 1817 e abril 1818. O primeiro é a data da Batalha de Chacabuco, cerca de 100 km ao norte de Santiago, vencida pelo exército organizado por San Martín, que havia acabado de atravessar as montanhas para entrar no Chile. Depois desta batalha, O'Higgins foi nomeado chefe do primeiro governo chileno, com o título de Diretor Supremo, ea independência foi proclamada no dia do aniversário da batalha em fevereiro de 1818. 05 de abril deste ano, o Patriots venceu a batalha de Maipú, ao sul de Santiago, o que representou a vitória final contra os monarquistas. Mas esses fatos não percebem a unidade do Patriots. Manuel Rodríguez foi preso e morto maio 1818 sob as ordens do governo temiam que Rodríguez tornou um conspirador, favorável à causa da Carrera, ainda ativo na Argentina. Este crime anunciado divisões internas ea instabilidade que marcaram os primeiros anos após a independência.

4. De 1817 a 1831, tenta definir as instituições e do triunfo da oligarquia conservadora

O'Higgins governo liderado permaneceu no poder até 1823. Sua principal preocupação foi consolidar a independência ainda não foi assegurado que foi adquirida pela vitória na batalha de Maipú (Abril de 1818) e as campanhas no sul, onde encontramos focos de resistência Espanhol Concepción (com Benavides guerrilha), Valdivia e Chiloé em que prolongadas campanhas militares para os próximos anos. A ilha de Chiloé, o último bastião monarquista, foi tomada pelo Patriots em 1826 apenas. Chile também tem contribuído significativamente para a esquadra partiu em 1820 para libertar o Peru, o último reduto monarquista da América do Sul.

O'Higgins governo tentou reformar a sociedade através da abolição títulos de nobreza (que eram muito raros), proibindo briga de galos e ordenando a construção de um cemitério em Santiago para acabar com a prática de enterrar os mortos nas igrejas. Essas ações lhe valeu a oposição de grupos conservadores. Para isso foi adicionado o descontentamento geral suscitado por contribuições forçadas para financiar a guerra, críticos partidários Carrera que denunciaram a execução de seus dois irmãos, em Mendoza, e do assassinato de Manuel Rodríguez e aspirações das províncias mais poderes. Todos esses fatores explicam a queda de O'Higgins, que renunciou em 1823 e foi para o Peru, Chile, para nunca mais voltar.

Entre 1823 e 1830 houve uma sucessão de governos (oito no total), o que levou muitos historiadores á designar este período como um de "anarquia". Esta expressão esconde uma luta grande potência entre Santiago e as províncias, entre os partidários de um sistema centralizado e aqueles que queriam um sistema federal. O último foi defendida por várias cidades do interior, a expressão da vontade democrática dos pueblos contra a elite de Santiago. Também desempenhou um papel na crise econômica, devido à queda na produção agrícola e da dívida externa do país tinha contraído a primeira captação externa primeiro na Inglaterra, condições precárias. Dois campos foram criados para tornar-se partes futuras, Conservador e Liberal, o primeiro governo centralizado e defendeu o poder da Igreja Católica, segundo o federalismo ea influência declínio da Igreja.

Em meio a esse conflito político, algumas medidas sociais importantes surgiram, tais como a abolição da escravatura, em julho de 1823. Pipiolos o nome dado aos liberais nestes anos, tentou sem sucesso a abolir primogenitura e até falou de uma reforma agrária. Mas pelucones ou conservantes foram os vencedores neste conflito que levou à guerra civil de 1829-1830, que terminou com a Batalha de Lircay, onde o general José Joaquín Prieto derrotou as forças lideradas por Ramón Freire. Prieto foi eleito presidente e com ele começou a era de conservador e oligárquico.

5. De 1831 a 1891, o oligárquico tempo

Durante este período, o Chile tem experimentado uma relativa estabilidade de sua vida política, uma situação muito diferente da maioria dos outros países latino-americanos. Isto foi em parte devido ao sucesso da política externa durante este período, quando o Chile venceu duas guerras. A primeira foi a guerra contra a Confederação Peruano-Boliviana (1837-1839), mesmo que não trouxe ganhos territoriais, avantagea Chile no controle do comércio no Pacífico sul. A segunda foi a Guerra do Pacífico (1879-1883), novamente contra o Peru e Bolívia, ela assegurou a conquista da região de mineração do Chile, no norte, um elemento-chave. Dado este fato, a venda da Patagônia, na Argentina, pelo tratado de 1881, parecia de pouca importância, já que se acreditava que a terra era pouco valor. Além disso, ao mesmo tempo, o governo chileno completou a conquista militar da região dos Mapuche, no sul, a terra passou para as mãos de novos grupos de proprietários de terra que se dedica à agricultura de grãos.

História do Chile
Huasos r io del Maule (Quadro de Rugendas pintor ingles)

Outro fator foi a estabilidade da prosperidade econômica através da exportação de cobre, prata e farinha, o Chile foi um dos países latino-americanos que tinham alcançado um sucesso significativo em seu comércio, que foi a principal alavanca para o desenvolvimento nestes anos. A partir da vitória militar de 1879, o Chile contabilização de exportações de nitrato (salitre), que se tornou o motor de sua economia. Isto resultou em progressos a nível local, com a construção de canais de irrigação e ferrovias início na década de 1850 e 1860. Estas iniciativas foram o trabalho de latifundiários na região do Vale Central e empreiteiros de mineração do norte, que eram o desenvolvimento elite social, econômica e política. Essa minoria decidiu não impugnadas, massas dominantes compostas por inquilinos (trabalhadores liquidada em fazendas), peões (trabalhadores móveis) e índios, concentrados no sul, vivendo em condições precárias desde a conquista militar de 1881 . Na época, os setores médios eram embrionárias e consistiu de uma série de hábeis artesãos, profissionais e funcionários. Imigração, que começou na década de 1850 com a chegada de centenas de alemães, especialmente no Sul, foi insignificante durante todo o período.

Na arena política, o período foi dominada pela luta entre conservadores e liberais. O primeiro dirigia o poder, em 1830, até 1871. Ele também deu lugar à adopção de um sistema altamente centralizado do governo, um reflexo da dominação do capital sobre o resto do país através do qual a elite conservadora do Vale Central conseguiu impor sobre as províncias norte e sul. Poder conservador expresso na Constituição de 1833, inspirado pelo influente ministro Diego Portales, que manteve o catolicismo como a única religião que pode ser praticada de forma aberta e que o poder concentrado nas mãos do Presidente da República, o cinco anos prazo pode ser prorrogado devido a reeleição imediata, e quatro presidentes conservadores governou cada década entre 1831 e 1871.

Por esta razão, nos livros de história muitos, este período é chamado de "República de décadas". A principal característica, no entanto, foi o controle da vida política de uma minoria muito pequena, enquanto muitos presidentes, ministros e deputados foram unidos por laços familiares, ea votação foi bastante limitado, uma vez que tinha que ter uma renda exercício anual mínimo. Este sistema, chamado de "oligárquico" não evoluiu muito durante todo o período. Além disso, mesmo que as autoridades foram eleitos, a intervenção do governo nas eleições ea fraude praticada abertamente.

História do Chile
O Presidente José Manuel Balmaceda

Durante a dominação conservadora, os liberais tentaram tomar o poder pela força das armas, por ocasião das duas guerras civis contra o governo do presidente Manuel Montt em 1851 e 1859. A primeira vez, eles tiveram o apoio de grupos de artesãos que exigiam medidas para promover a educação pública e eleições democráticas. Alguns membros das idéias liberais, combinadas com as de um socialista, como a distribuição de terras, presente nos escritos de Santiago Arcos.

Apesar da derrota, os liberais foram capazes de influenciar o debate político em um reformista caminho. Em 1871, proíbe a reeleição imediata do presidente, e este ano os liberais ganharam poder e manteve por várias décadas. Além disso, na década de 1860 meados surgiu um terceiro destinado a ter uma longa história, o Partido Radical, que apoiou a tendência renovadora. Outras reformas foi a abolição em 1852 de primogenitura, a instituição que iria transmitir a um único herdeiro para a propriedade da família indivisa manter a liberdade de culto em 1865 e sufrágio universal em 1874 (mas a participação sempre é encontrado no limitado, uma vez que todas as mulheres eram analfabetos e excluídos desta lei), casamento e enterro estava em 1883. No entanto, a Igreja Católica manteve-se unido com o Estado até 1925.

Esta fase terminou com a guerra civil, em 1891, o que não era uma luta entre liberais e conservadores, como no passado, mas um confronto entre o presidente José Manuel Balmaceda (Liberal) e quase todos os partidos políticos (especialmente conservadores, alguns liberais e radicais), que dominavam o Congresso e apoiado pela Marinha, se rebelaram contra o presidente acusavam de ser um ditador. No entanto, o que estava em jogo era a orientação da política fiscal no momento em que o governo aumentou significativamente seus gastos com as receitas provenientes da exportação de nitrato. Opositores Balmaceda teve o apoio de grandes empresas mineiras de propriedade estrangeira, preocupado tendências nacionalistas do presidente, que queria um maior número de minas pertenciam aos interesses chilenos. A guerra, que durou nove meses e teve mais de 10 000 mortes, foi vencido pelas forças do Congresso. Balmaceda cometeu suicídio depois de sua derrota.

6. 1891-1924: salitre e parlamentarismo

Este passo poderia ser chamado de "a era do salitre" por causa da crescente importância qu'acquit deste mineral na economia chilena, que representaram mais de 80% do valor das exportações do Chile, e da produção, com altos e baixos, aumentou de forma constante. Minas (controlada principalmente por empresários Inglês, Espanhol, mas também alguns chilenos) atraiu muitos trabalhadores do centro e sul do país em busca de empregos mais bem remunerados.

No início do século XX começou a operar duas grandes minas de cobre que mais tarde se tornariam importantes para a economia chilena: Chuquicamata no norte e El Teniente, ao sul de Santiago, ambos operados pela capital dos EUA nacionais.

Além das minas, o Chile experimentou algum desenvolvimento industrial (têxtil, cervejarias, cimento, armeiros, etc.), Que deu origem ao proletariado moderno. Desenvolvimento urbano e serviços deu origem a um fortalecimento da classe média.

A empresa diversificou, mas conflitos sociais tornou-se mais aguda: houve protestos frequentes contra alta de alimentos e greves por aumentos salariais, alguns dos quais foram violentamente reprimidos. Salitre Trabalhadores greve, em dezembro de 1907, foi esmagado pelo exército em Iquique, em um massacre onde talvez duas mil pessoas foram mortas.

Politicamente, este período é comumente referido como a "república parlamentar". Este nome vem do fato de que, após a Guerra Civil, a Constituição foi reformada para permitir que deputados para censurar ministros mais fácil, dando ao Congresso uma maior influência sobre o Poder Executivo.

Houve um maior número de partidos: os liberais, divididos em vários grupos, os conservadores, os radicais (que aumentaram seus deputados) foram adicionados novos cursos criados por líderes trabalhistas: Partido Democrático (fundada em 1887) e o Partido Socialista dos Trabalhadores (1912), que em 1922 tornou-se o Partido Comunista. Havia também grupos anarquistas significativas. Embora estes dois novos partidos não obteve uma grande porcentagem dos votos, a sua presença foi o surgimento de novos temas na campanha que mobilizou mais pessoas e favorecido novas alianças. Este apareceu principalmente durante a eleição presidencial de 1920, vencida pelo Arturo Alessandri Liberal, apoiado pelos radicais e democratas. Pela primeira vez na história do país, o governo teve ministros de ambas as partes, e esperava-se qu'Alessandri faz a aplicação da legislação social (Código do Trabalho, etc.) Reforçará o processo de democratização. Muitos deputados também veio da classe média. Mas as reformas prometidas por Alessandri não se concretizou devido à oposição conservadora e indisciplina entre os seus próprios membros. Esta situação, combinada com a crise salitre (causada pela concorrência de nitratos sintéticos no mercado mundial), levou ao desemprego elevado e levou a uma crise política em 1924, quando uma intervenção militar terminou nesta fase.

7. De 1924 a 1938, uma época de crise

Entre estas duas datas, houve várias experiências políticas no Chile, muitos dos quais envolvidos no uso da força. Isso é explicado pelo impacto do salitre crise, então a crise econômica global e da influência de movimentos autoritários na Europa (fascismo e nazismo).

História do Chile
Carlos Ibáñez

A primeira experiência foi iniciada a intervenção militar em 1924 e durou até 1931.

Essa ação tem origens complexas: no início, parecia ter uma direção social positivo, enquanto o militar, liderado pelo coronel Carlos Ibáñez, impôs a adopção de legislação social determinado, como a que criou um sistema de pensões e do Código trabalho que os sindicatos autorizados a organizar e regular as greves. Por outro lado, esta intervenção levou à renúncia de dois presidentes eleitos (e Emiliano Alessandri Arturo Figueroa), a eleição de um soldado (Carlos Ibáñez) Presidente, que exerceu o poder ditatorial com um parlamento composto por membros não eleito (com o acordo de ambas as partes principais) tentou manipular os sindicatos, o Partido Comunista declarado banido ilegais e limitou a liberdade de expressão a sério. Vários adversários foram exilados, e alguns foram assassinados. Além disso, aproveitando a recuperação econômica entre 1927 e 1929, multiplicado Ibáñez e criou obras públicas indústria de crédito agências e agricultura. No nível administrativo, que confundiu as várias forças policiais do país, criando as Carabineros, a quem deu a guarda presidencial.

Em julho de 1931, Ibáñez renunciou após protestos provocados pela crise global. Mas a situação política manteve-se volátil durante a maior parte da década de 1930. Em setembro de 1931 houve uma revolta dos marinheiros de guerra, e em junho de 1932, ocorreu um golpe de Estado, realizada por um grupo de civis e idéias militares deixaram que tomou o poder e proclamou uma vida curta "República socialista ". Em 1933, surgiu um movimento inspirado Nacional Socialista experimentado alguma audiência. Nesse mesmo ano, a duvidar da lealdade do exército, o governo liberal de Arturo Alessandri (pela segunda vez eleito para a presidência em 1932) favoreceu a formação de uma importante organização armada de direito civil importante ", milícia republicana "que queria defender uma ordem que parecia ameaçada. Foi somente em 1938, após uma tentativa de golpe pelos nazistas, que a política tornou-se novamente mais estável. Um fato importante nesse sentido foi a eleição daquele ano, o governo da Frente Popular, uma aliança de centro-esquerda, que reuniu o Partido Radical, os socialistas e os comunistas em uma aliança multi-classe de determinados setores de proprietários , as classes médias e os trabalhadores.

A economia, embora ainda se baseia na exportação de minerais como cobre e salitre, recuperou gradualmente a partir da crise de 1929. A presença de capitais norte-americanos foi crescendo, tanto nas minas e em novos serviços, como telefone, como um monopólio controlado pela ITT desde 1929. Algumas indústrias tornou-se importante como Yarur empresa têxtil fundada em 1935.

8. De 1938-1970 o Estado como agente econômico ea política de "compromisso"

A eleição do presidente linha-dura Pedro Aguirre Cerda, em 1938, foi fundamental para a primeira vez, os partidos oligárquicos perdeu uma eleição presidencial, e começou uma era de governo baseado em alianças partidárias de várias tendências, uma raridade na América Latina. Essa última característica foi reforçada em 1935, quando o futuro era formado Partido Democrata Cristão (DC), que recebeu seu nome atual em 1956. Um novo estilo surgiu, a de uma política baseada na "compromisso", porque nenhum partido era forte o suficiente para governar sozinho. Sucessor de Aguirre (que morreu em 1941, incapaz de terminar o seu mandato), o radical Juan Antonio Ríos (também morreu durante o seu mandato), recebeu o apoio do PS e alguns liberais, Gabriel González Videla, outro radical, eleito em 1946, foi apoiada pelos comunistas e liberais, Carlos Ibáñez, o ex-ditador, que foi eleito em 1952, baseou-se em uma aliança entre uma fração e um partido socialista foi de curta duração, Trabalho agro-parte; Em 1958, Jorge Alessandri (filho do ex-presidente Arturo Alessandri, direito independente) governou com os liberais, conservadores e radicais. O único presidente que governou apenas com o apoio de seu próprio partido era o democrata-cristão Eduardo Frei Montalva (1964 a 1970).

Nesta fase, podemos estimar que a democracia progresso experimentado significativa, porque não havia novos golpes, o eleitorado cresceu consideravelmente, com o direito de voto para as mulheres (1947), um decréscimo de fraude eleitoral e diversidade das partes, que mostrou uma alta tolerância ideológica. No entanto, isso incluía um grande constrangimento entre 1948 e 1958, enquanto a lei aplicada chamado de "defesa da democracia", que declarou ilegal o Partido Comunista e também limitou o funcionamento dos sindicatos. Milhares de pessoas perderam seus direitos civis e vários foram detidos em campos. O poeta Pablo Neruda, um militante comunista, teve que deixar o país ilegalmente para evitar a prisão. Não foi até os anos 1950 que começamos a respeitar plenamente a democracia política, quando esta lei foi abolida. Além disso, em 1953, formaram a Confederação Única dos Trabalhadores (CUT), que garantiu uma presença maior união na vida nacional. No entanto, a vida longa do sindicato foi limitado aos trabalhadores urbanos, através de várias táticas, proprietários de terras impediu a formação de sindicatos no país.

Na política internacional, o Chile se manteve neutro durante grande parte da Segunda Guerra Mundial, ele cortou seus laços com a Alemanha em janeiro de 1943 e não declarou a guerra em 1945. Posteriormente, o Chile foi um dos membros fundadores da ONU e da OEA. Em virtude da sua pertença a este último, o Chile romperam relações com Cuba, em 1962. Embora a delegação chilena absteve-se de votar a expulsão de Cuba, Chile respeitado a posição da maioria dos outros países.

A economia passou por mudanças significativas. Embora as exportações de cobre se manteve uma atividade fundamental (salitre foi, porém, consideravelmente perdeu sua importância), a indústria levou alívio, em parte graças ao apoio que recebeu do Estado em 1939 . Naquele ano, CORFO nascido (Corporação para o desenvolvimento da produção), uma instituição criada pelo governo para fornecer crédito a diversas atividades econômicas e às vezes para comprar empresas. Além disso, fortalecemos a eletrificação do país, com hidro diferente, e começou a produção de petróleo em Magallanes, no extremo sul, tudo através de iniciativas governamentais. Na década de 1960, mais de 40% do investimento dependia do estado. Mas se essas medidas engendrado alguns progressos, também houve problemas graves, como a alta inflação dos anos 1940 e, especialmente, da década de 1950, um problema que poderia ser resolvido mais tarde. Embora o desemprego era baixo (menos de 10%), houve uma série de sub-emprego e agricultura não estava progredindo pelo contrário, desde os anos 1950, o Chile teve que importar alguns de seus alimentos.

História do Chile
Eduardo Frei

Desde os anos 1960, o país estava passando por uma fase de radicalização gradual das opções políticas. Tanto os democratas-cristãos, como a aliança de esquerda (socialistas e comunistas), a intenção (em diferentes graus) para mudar a sociedade. Em 1964, o candidato DC, Eduardo Frei ganhou, graças aos votos da direita que preferia sua vitória como um mal menor contra a possibilidade de uma vitória para a esquerda. Durante seu governo, que prometeu uma "Revolução em Liberdade", realizou-se a reforma agrária e de cobre foi parcialmente nacionalizado, quando o governo do Chile comprou 51% das ações da étatsuniennes. Enquanto isso, Frei tentou atrair investidores estrangeiros e recebeu o apoio da Aliança para o Progresso, programa de assistência econômica oferecida pelos Estados Unidos para a América Latina. A nível social, o governo incentivou a formação de sindicatos, especialmente no setor agrícola, a criação de uma vasta rede de organizações de mulheres, centros de mães. Tudo isso não é o suficiente para ele reconciliar aqueles não direito perdoá-lo por ter violado os direitos de propriedade por parte da reforma agrária, e parecia muito pouco para aqueles que desejam ir mais para a esquerda. Sob seu reinado, houve também várias ações repressivas do exército e da polícia, o que levou à morte de cerca de 40 pessoas foram mortas em ações diferentes. A instabilidade política foi sentido também na faculdade, que em 1967 impôs um movimento de reforma que deu aos alunos o direito de voto para a eleição do reitor. Inspirados pela revolução cubana, nasceu em 1965, o MIR (Movimento da Esquerda Revolucionária), que levaram alguma ação armada, mas não conseguiu converter guerrilheiros. O resultado deste processo foi a vitória de Salvador Allende, que, à frente de uma aliança de vários partidos de esquerda (socialistas, comunistas, dissidentes radicais DC) venceu a eleição presidencial de 1970.

9. Os anos da Unidade Popular

História do Chile
Salvador Allende

Três anos da Unidade Popular (1970-1973) constituiu, talvez, a experiência mais complexo político da história latino-americana. O início foi difícil, porque antes de Frei transmitir energia para Allende, um grupo paramilitar de direita, com o apoio de alguns soldados, como a General Roberto Viaux, tentou impedir este processo através da remoção do Comandante-em-Chefe o exército, o general René Schneider, para provocar uma crise política. O plano, apesar do apoio da CIA, que forneceu armas e dinheiro para os conspiradores falhou porque Schneider morreu durante a operação. 04 de novembro de 1970, a data fixada pela Constituição, Allende inaugurou seu governo, mas a conspiração para derrubar continuou.

Sem maioria no Congresso e com uma maioria relativa de 36,5% dos votos, Allende iniciou um ambicioso transformação econômica que procurou estabelecer "a marcha para o socialismo". O plano incluía, além da aceleração da reforma agrária lançada no início, a nacionalização de indústrias estratégicas chamado de cobre e bancos. Este processo teve lugar, exceto no caso do cobre, sem aprovação legislativa, mas através dos chamados "brechas legais" que foram autorizados pela Constituição. A empresa privada continuaria a existir, em especial no domínio das unidades de pequeno e médio, e, em geral, todas as empresas não seriam consideradas monopolistas seria respeitada.

Apesar das críticas de que ele era o assunto da parte da oposição, a liberdade de imprensa e de expressão, bem como todos os jornais e estações de rádio de oposição ao governo foram rigorosamente respeitados. Assim, Allende percebeu que sua promessa de preservar as instituições chilenas e pavimentar o caminho para a nova empresa, não seguindo o modelo cubano ou soviético, mas segundo o seu próprio caminho "com [chinelos de carne, um prato nacional] empanadas e vinho tinto ", como ele gostava de dizer. Mas conciliar estas medidas, a medida em que ameaça grande parte do poder da classe empresarial e de capital estrangeiro, em uma atmosfera pacífica e de acordo com as regras institucionais, o equivalente a quadratura do círculo. A oposição, incluindo todos os partidos políticos de direita, agrupados no Partido Nacional (PN) e DC, que foi composta por líderes sociais, tais como lojistas e algumas associações profissionais, organizou uma campanha de desestabilização que incluiu greves (caminhoneiros que em outubro de 1972, foi muito importante) e ações econômicas, tais como o mercado negro, o que causou uma escassez de bens essenciais e alimentou o descontentamento de grande parte da população. A tudo isso foi adicionado o bloqueio financeiro dos Estados Unidos pelo qual os empréstimos geralmente atribuídos no Chile foram rejeitadas. Além disso, algumas políticas econômicas do governo agravou a situação. Determinada a implementar a justiça social e para estimular o consumo, Allende deu aumentos salariais substanciais que, embora despertou euforia em muitas áreas, também desencadeada uma espiral inflacionária em 1972, que chegou a 300% em 1973.

Tudo isso pavimentou o caminho para um golpe militar, incentivada pelo PN e uma grande parte da DC. Entre julho e agosto de 1973, foi uma tentativa de diálogo entre o governo ea DC, sob os auspícios do Cardeal Raúl Silva Henríquez, que fracassou. O golpe de Estado de 11 de setembro de 1973, cuja preparação começou nos primeiros dias do governo Allende, colocar um fim à experiência chilena socialista. Palácio de La Moneda, onde o presidente se reuniu para tentar resistir com um grupo de seus seguidores, foi bombardeado do ar e do presidente Allende cometeu suicídio no mesmo dia. Além disso, a resistência ao golpe era fraco e mal organizado. Assim terminou um quadro institucional, com altos e baixos, trabalhou por mais de um século.

10. Ditadura, 1973-1990

História do Chile
Augusto Pinochet

O poder estava concentrado no início da pessoa do general Augusto Pinochet, que foi nomeado presidente pelos militares. Até 1980, Pinochet governou sem especificar por quanto tempo ele estava no poder. Naquele ano, ele aprovar uma nova Constituição em um plebiscito que foi realizada sem a oposição pode se manifestar abertamente. Sob esta carta, Pinochet poderia governar por oito anos, até 1988, quando um plebiscito nova teria lugar que decidir se o ditador permaneceu no poder ou se a realizar eleições livres.

A essência da ditadura era a repressão: mais de 3.000 pessoas morreram ou desapareceram mais, durante os dois primeiros anos do regime, dezenas de milhares foram presos e torturados, e centenas de milhares de pessoas foram para o exílio. Em Santiago e nas províncias, havia vários centros de detenção e tortura. Imediatamente após o golpe de Estado, 30 ministros e outros altos funcionários da UP foram transferidos para a ilha Dawson, no extremo sul, onde viveram por vários meses, sujeito a abusos, sem ser precisamente o que eles foram acusados. Posteriormente, muitos foram enviados para o exílio. Eles, no entanto, não eram seguros, pois alguns deles foram assassinados, como Orlando Letelier, ex-ministro da UP (morreu em Washington em 1976) e Carlos Prats Geral, um dos poucos oficiais superiores que ajudaram com Allende (Buenos Aires, 1974). Entre os líderes de volta para casa, muitos morreram, como Miguel Enríquez, líder do MIR, e muitos outros, morreu na tortura durante os confrontos.

Os partidos políticos foram proibidos (aqueles à esquerda) ou suspenso (os da direita e DC), o Parlamento foi fechado. Os juízes, em teoria, continuam a formar um poder autônomo, mas na prática, eles estavam limitados a endossar governo decidiu que, sem questionar as violações dos direitos humanos. Os sindicatos não foram proibidos, mas levou uma existência muito limitada.

Enquanto a maioria dos cargos principais do governo estava nas mãos do exército (houve até mesmo presidentes de universidades que eram generais ou almirantes), o poder era exercido com a cooperação de direito político que serviu como vários ministros ou embaixadores. Mas havia também muitos civis novos elementos, sem partido, que ocupou cargos importantes na economia ou outros cargos ministeriais. Os empregadores não escondem seu apoio à ditadura. Portanto, o governo Pinochet não era apenas um poder militar, mas foi apoiado por um segmento significativo da sociedade civil, em particular por parte dos proprietários.

Assim, a política econômica, a ditadura tende a privatizar que pertencia ao Estado e também abriu diversos serviços para o setor privado, tais como saúde, seguros e educação surgiu nesta última área muitas universidades privadas. Nós terminamos a política de fixação de preços dos itens essenciais de consumo, deixando flutuar livremente. Terra que havia sido desapropriada para reforma agrária nem sempre foram devolvidos aos seus proprietários anteriores, mas foram leiloadas, a criação de um núcleo de novos empresários agrícolas. Além disso, buscamos o equilíbrio fiscal através da redução da despesa pública. Abrimos a porta ao investimento estrangeiro, mesmo que não significativamente inundada. Chile se retirou do Pacto Andino, a fim de ter maior liberdade de ação e baixaram as tarifas a praticar uma política mais liberal em seu comércio exterior. Todas estas medidas representou uma mudança significativa dos últimos 40 anos, durante o qual o Estado desempenhou um papel importante como uma empresa privada.

Até 1981, a ditadura era quase nenhuma oposição, e parecia ter sucesso com sua política econômica. Mas em 1982 uma grave crise eclodiu, que durou até 1985 e trouxe a taxa de desemprego para mais de 20%. Esta situação incentivou adversários que organizaram protestos em massa contra a ditadura, que teve lugar a cada mês, de março a novembro. Pinochet fez algumas concessões para o retorno de muitos exilados e da publicação de oposição revistas. Ele começou o longo e difícil caminho da "transição para a democracia". Este processo foi apoiado pela maioria da Igreja Católica, cujo principal líder, o cardeal Raúl Silva Henríquez, criticou abertamente os excessos do regime. A partir da década de 1980, houve também a pressão dos Estados Unidos em favor de uma mudança de governo, porque Washington mudou sua política em relação a ditaduras.

Transição chilena era complexo e caro em vidas humanas. Ao longo dos últimos cinco anos de protestos (1982 a 1986) os adversários tiveram que enfrentar a repressão provocou um ferido centenas de mortos e muitos outros. Entre 1985 e 1986, acreditava-se que a ditadura pode cair, e um dos partidos de oposição, o PC, organizou um grupo armado que tentou matar Pinochet. Após o fracasso do ataque, a maior parte da oposição, liderada pelo democrata-cristãos, socialistas e os radicais, concentrou-se em uma saída por meios institucionais, que foi obtida através do plebiscito de outubro de 1988. Esta consulta foi uma derrota para Pinochet perdeu o direito de permanecer no poder e abriu o caminho para as eleições de dezembro de 1989, quando o democrata-cristão Patricio Aylwin foi eleito presidente. Mas os militares retiraram apenas depois de impor uma série de leis que jogam a seu favor e evitar um retorno à democracia plena.

11. 1990, para apresentar

História do Chile
Michelle Bachelet

Em março de 1990, o general Pinochet, de acordo com os resultados da eleição de três meses antes, deu a direção suprema do país Patricio Aylwin, o candidato eleito, representando a Concertación, a coalizão de partidos que se opuseram ditadura militar, em seus últimos anos. Esta aliança foi composta de PS e DC, antigos rivais na UP, e um novo partido, o PDP (Partido para a Democracia), os radicais e social-democratas, que tinha recentemente se fundiu. O PC, o ex-aliado socialista, permanecem isolados e só recebe uma pequena percentagem de votos nas eleições, mas não conseguiu se eleger parlamentares, em parte por causa do sistema binominal. Esta aliança foi bem sucedido, vencendo todas as eleições, sejam presidenciais, parlamentares, de 1989 até hoje. Segundo o Governo Aylwin (1990-1994), o poder passou para as mãos do democrata-cristão Eduardo Frei (filho do anterior), que governou de 1994 a 2000, em seguida, o socialista Ricardo Lagos, que governou entre 2000 e 2006 e, finalmente, a socialista Michelle Bachelet, a primeira mulher a ocupar este cargo no Chile. Como Lagos, o triunfo foi alcançado na segunda rodada em janeiro de 2006, derrotando Sebastián Piñera, o candidato da direita, não tendo conseguido obter a maioria absoluta no primeiro turno. Seu mandato foi mais curto do que o de seus antecessores, desde a reforma constitucional tinha reduzido o prazo para quatro anos.

Durante os governos Aylwin e Frei, relações entre civis e militares eram tensas á devido à influência de Pinochet, que viveu à frente do Exército. Em duas ocasiões, em 1990 e 1992, ele ordenou a realização de exercícios militares no centro de Santiago, a fim de intimidá-lo e que o governo a abandonar uma investigação de seu filho mais velho, acusado de ter enriquecido com dinheiros públicos. Ele ganhou seu caso, como presidente Frei caiu a investigação. Em 1991, os militares criticaram fortemente o Relatório Rettig, encomendado pelo governo Aylwin, que identificou as vítimas da ditadura, mas não os responsáveis pelos crimes. A assassinato de Jaime Guzmán, um ex-assessor de Pinochet, em 1991, por um grupo de esquerda, e que o ataque contra o ex-general Gustavo Leigh, constituíram outras fontes de tensão.

Esta situação começou a mudar a partir da prisão do ex-ditador em 1998, em Londres, por iniciativa do juiz espanhol Baltasar Garzón. Pinochet poderia voltar para casa, mas em 2000 ele perdeu a imunidade parlamentar e deve ser julgado por seu papel em vários assassinatos cometidos durante seu governo, mas o julgamento foi adiado por motivos de saúde. Em 2001, os militares foram forçada a reconhecer que muitas pessoas foram mortas e falta, por vezes, atirado ao mar, mas sem identificar os autores desses crimes. Enquanto isso, graças a este novo contexto, foram julgados e condenados alguns oficiais condenados por outros crimes, tais como Manuel Contreras, chefe da DINA (National Intelligence Agency), mas em outros casos, a Corte Suprema interveio para sentenças inferiores. Pinochet morreu em dezembro de 2006, sem ter sido julgado. No entanto, em 2004, publicou o Relatório Nacional sobre Tortura estabeleceu claramente que esta prática não foi obra de alguns indivíduos, mas aplicadas de forma consistente por parte dos militares, que teve um grande impacto na opinião pública. Eles deram a compensação material às vítimas de tortura.

O novo regime restaurado liberdades fundamentais (imprensa, de reunião, etc.). Democratização fez progressos, mas não é bem o legado da ditadura que mudou.

Em 2004, a Constituição de 1980 foi alterado, abolindo muitas das disposições impostas por Pinochet antes de entregar o poder aos civis: a existência de senadores designados (quatro deles eram militares) e senadores para a vida (Pinochet era um deles). O presidente se recuperou a capacidade de remover os chefes das forças armadas. Em contraste, não houve mudanças no sistema binominal eleitoral permanece representativa e chilenos que vivem fora não têm o direito de votar no Chile. Houve algum progresso nos direitos humanos.

A "coordenação" está muito bem economicamente, uma vez que durante a década de 1990, o PIB apresentou um aumento médio de 6% ao ano, o melhor desempenho de um país da América Latina e um dos mais notáveis o planeta. Estratégia muito semelhante ao aplicado pela ditadura, as exportações permanecem o motor da economia. Chile redobrou sua participação em vários mercados regionais membro associado do Mercosul, participando de reuniões da APEC (Ásia-Pacífico), apoiada o esboço da ALCA proposta pelos Estados Unidos (na integração econômica das Américas que foi abandonado em 2005) e assinou diversos acordos de livre comércio com o Canadá, a União Europeia, os Estados Unidos ea China. Empresas privadas, nacionais e estrangeiros, continuam a liderar as principais atividades. Sua esfera se expandiu desde o Diálogo continuou a privatizar serviços como água potável e construção de estradas. Muitos investimentos estrangeiros veio dos Estados Unidos, Canadá e Espanha, especialmente em mineração e serviços. O desemprego atingiu uma baixa de 5,5% em 1997. Esta prosperidade foi aumentando chilenos renda anual, que passou de US $ 2 000 per capita em 1990 para cerca de 10.000 em 2009 (ou mais de $ 13.000 se for calculada em termos de poder de compra). Entre 2001 e 2003, o crescimento tem abrandado um pouco, caindo para 3,5 e 4%, apenas para se recuperar ligeiramente em 2005 e 2006 e uma recaída em 2009, o resultado da crise global.

O sucesso social, econômico não conseguiram reduzir as grandes desigualdades na distribuição de renda, que continua sendo um dos mais gritante no mundo.

Todas as partes também concordam em criticar o baixo nível de educação pública, uma das principais causas da manutenção da desigualdade. Em abril e maio de 2006, houve grandes manifestações pedindo a reforma do ensino médio, a fim de melhorar o nível da educação pública. O governo criou uma comissão, mas os resultados até agora têm sido bastante escassas. Para os contras, o governo Bachelet melhorou o sistema de pensões, incluindo grupos anteriormente excluídos do sistema, como as donas de casa e trabalhadores autônomos. Mas nenhum governo da Concertación poderia dar respostas positivas às reivindicações dos índios mapuche, reivindicando o reconhecimento constitucional e recuperação de terra agora usada por grandes empresas florestais. Na década de 2000, os presidentes Lagos e Bachelet decidiu a aplicação da lei contra os ativistas antiterrotiste medida nativa amplamente criticadas dentro e fora do país.

Os resultados do censo populacional em 2002 mostrou que o crescimento da população diminuiu consideravelmente e Chile está entre os países com a taxa de natalidade mais baixa da América Latina, Cuba e Uruguai. População de mais de 15 milhões de pessoas e está perto de 90% urbana. Estima-se que quase um milhão de chilenos vivem no exterior (incluindo 35.000 no Canadá) para aqueles que deixaram durante a ditadura e apenas uma parcela é retornado, há outros que continuam emigrar por razões de trabalho. Católicos ainda são a maioria entre os cristãos, mas em menor grau, que o número de membros de igrejas evangélicas tem aumentado consideravelmente.

Relativa prosperidade chilena atrai pessoas de países vizinhos: cerca de 60 mil peruanos vivem no Chile, muitos deles ilegalmente, bem como milhares de imigrantes equatorianos, argentinos, colombianos e cubanos.

Apesar de a abertura internacional significativa que o país conheceu, as atitudes das elites políticas continuam bastante conservadores: Chile foi o último país ocidental a aprovar a lei do divórcio, em 2005, e que o governo pretende distribuir gratuitamente drogas que impedem a gravidez ("pílula do dia seguinte") tem encontrou forte resistência de grupos católicos, embora a maioria do público concorda com este programa.

Apesar da popularidade da presidente Michelle Bachelet (mais de 80% de aprovação nas pesquisas durante seu último ano de mandato), a Concertación perdeu a eleição presidencial em dezembro de 2009, vencida por Sebastián Piñera, um empresário rico , candidato da Aliança para o Chile (aliança entre os dois partidos da direita, RN e UDI). As forças do governo tinha como candidato do ex-presidente Eduardo Frei. Assim, o direito de voltar ao poder pela primeira vez desde o fim da ditadura.

Sua vitória foi devido a uma combinação de fatores: várias divisões internas nos partidos da Concertación, acusações de corrupção contra certo descontentamento funcionários do governo contra o novo sistema de transporte em Santiago, que foi muito difícil de localizar, ea recusa dos partidos da Concertación para aceitar um órgão mais democrático para eleger o seu candidato. Isto levou à dispersão do voto por causa da presença de um terceiro candidato da Concertação, um antigo socialista, Marco Enríquez-Ominami (filho do ex-chefe do MIR, Miguel Enríquez), que ganhou 19% dos votos. Outro ex-socialista que deixou o seu partido, Jorge Arrate, era o candidato da esquerda comunista, ganhando mais de 7% dos votos. Partidos da Concertación, no entanto, manter uma presença significativa em ambas as casas do Congresso, para que no início de 2010 as forças do novo governo e os da oposição estão atadas. Assim, se a situação política é muito mais calmo do que em 1990, o futuro político do país é incerto.

Fonte: www.er.uqam.ca

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal