Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Citoplasma  Voltar

Citoplasma

 

 

O citoplasma tem uma estrutura complexa com uma emaranhada rede de canalículos, e os espaços que permeiam essa rede são preenchidos por um material que constitui o hialoplasma ou citoplasma fundamental.

No espaço entre a membrana plasmática e a nuclear encontram-se: retículo endoplasmático, mitocôndrias, complexo ou aparelho golgiense, cloroplastos, centríolos ou centrossomos, ribossomos, lisossomos, vacúolos e microtúbulos.

O retículo endoplasmático é um sistema de canalículos que confluem para pequenos vacúolos ou se abrem em bolsas achatadas ou cisternas, formando uma emaranhada rede que ocupa a maior parte do citoplasma.

Todo esse sistema é delimitado por membranas lipoprotéicas.

Ele só é encontrado nas células dos eucariontes, estendendo-se muitas vezes desde a membrana plasmática até a carioteca, aumentando grandemente a superfície interna celular.

Em alguns pontos observa-se a presença de grande número de ribossomos aderidos à face externa das membranas do retículo endoplasmático. Os ribossomos são grânulos formados de proteínas e RNA que atuam na síntese protéica. As regiões do retículo endoplasmático onde se acumulam os ribossomos caracterizam o retículo endoplasmático granuloso (REG). Nas células glandulares e naquelas onde a síntese protéica é intensa, o REG se mostra muito desenvolvido. Quando o retículo endoplasmático apresenta membranas lisas, sem ribossomos, é chamado de retículo endoplasmático não-granuloso (RENG), funcionando na síntese de lipídios e como via de transporte de substâncias de um ponto para outro do citoplasma.

O RENG desempenha as seguintes funções:

Nele se realizam reações enzimáticas facilitadas por sua ampla superfície;
Transporta substâncias através da formação de vesículas;
Armazena substâncias por meio de vacúolos;
Sintetiza lipídios como o colesterol, a lecitina e os hormônios sexuais.

O REG, além dessas funções, sintetiza proteínas graças à presença dos ribossomos.

O complexo golgiense é uma região especial do RENG que se mostra como um empilhamento de bolsas achatadas ou cisternas, rodeadas de pequenos vacúolos ou vesículas que se desprendem da bolsa por brotamento. Existe em todas as células eucariotas.

Desenvolve as seguintes atividades:

Acúmulo de proteínas sintetizadas no REG para posterior eliminação por clasmocitose;
Produção de glicoproteínas graças à associação de moléculas de proteínas provenientes do REG com polissacarídeos sintetizados no próprio complexo golgiense pela polimerização de monossacarídeos obtidos pela alimentação;
Síntese de esteróides, como sucede em células das glândulas supra-renais e nas gônadas.

As mitocôndrias são encontradas em todas as células eucariotas. O seu contorno é delimitado por uma dupla membrana lipoprotéica. A externa é lisa e a interna é pregueada ou franjada, com numerosas dobras perpendiculares ao eixo do orgânulo chamadas de cristas mitocondriais. Essas cristas dividem o interior da mitocôndria em lojas que fazem continuidade entre si. O interior do orgânulo é preenchido por um material homogêneo, a matriz mitocondrial.

Desenvolvem importante atividade nos processos metabólicos celulares.

Reprocessam a energia contida nas moléculas dos compostos orgânicos obtidos pela alimentação (respiração celular), transferindo o acúmulo energético para outras moléculas especializadas para armazenamento e liberação rápida de energia. Elas produzem moléculas de ATP (adenosina trifosfato).

Dispõem de moléculas de DNA e RNA, ribossomos, sintetizam suas próprias proteínas e se auto-reproduzem.

Plastos ou plastídios são orgânulos de estrutura membranosa encontrados em todas as células vegetais e em alguns protistas como as euglenófitas e diatomáceas. São inexistentes nas moneras, nos fungos e nos animais.

Os plastos são dotados de uma dupla membrana de natureza lipoprotéica. A externa é lisa e a interna faz dobras ou franjas que se dispõem como lâminas paralelas no sentido do maior eixo do plasto. Essas dobras se chamam lamelas e na sua estrutura química se encontra a clorofila, substância extremamente importante para a realização da fotossíntese. São portadores de DNA, RNA, ribossomos e se auto-reproduzem.

Compreendem algumas variedades que se distinguem essencialmente pela cor, em função dos pigmentos de que são portadores:

Cloroplastos (verdes – com clorofila);
Leucoplastos (brancos – com amido ou lipídios);
Cromoplastos ou cromatóforos (amarelos – xantoplastos; pardos – feoplastos; vermelhos – eritroplastos).

De qualquer cor, todos eles são cloroplastos disfarçados, que acumularam pigmentos diversos, encobrindo a clorofila. Os leucoplastos são brancos pelo acúmulo de amido, lipídios ou proteínas. São abundantes nas células de armazenamento das raízes, caules e frutos. Os cromoplastos acumulam pigmentos carotenóides que lhes dão a cor amarela, alaranjada ou vermelha. Podem ser vistos nas folhas, nos frutos, na cenoura, beterraba, etc.

Os lisossomos são minúsculas vesículas delimitadas por membrana lipoprotéica e espalhadas pelo citoplasma. Existem sempre nas células animais. Desempenham papel importante na realização da digestão intracelular, pois encerram no seu interior razoável quantidade de enzimas hidrolisantes (proteolíticas, lipolíticas e glicolíticas).

Atuam intensamente na autólise e autofagia.

Quando um orgânulo envelhecido é digerido no lisossomo ocorre a autofagia e quando há necessidade da destruição total da célula os lisossomos se rompem e seu conteúdo se derrama no citoplasma, realizando a autólise (metamorfose dos sapos, por exemplo).

O desenvolvimento de seres multicelulares depende da morte programada de certas células.

Esse fenômeno biológico, regulado por genes, é conhecido como apoptose:

Durante a metamorfose dos anfíbios, desaparecem as guelras, as nadadeiras e a cauda.

No embrião humano, os sulcos dos dedos das mãos são formados como conseqüência da morte das células das membranas interdigitais. A apoptose resulta da ação de enzimas digestivas presentes nos lisossomos.

A ocorrência de alterações nos genes responsáveis pela apoptose pode ser transmitida aos descendentes.

Os peroxissomos são pequeninas vesículas contendo enzimas oxidantes e limitadas por membrana lipoprotéica. Originam-se a partir do RENG, onde acumulam enzimas provenientes do REG. Dentre as enzimas acumuladas, a de ação mais notável é a catalase, que oxida a água oxigenada ou peróxido de hidrogênio (H2O2), decompondo-a em água comum e oxigênio nascente. A água oxigenada se forma nas células como produto final de certas reações e tem efeito altamente lesivo.

Os vacúolos dividem-se em três tipos essenciais: digestivos, pulsáteis e de suco celular.

Os vacúolos digestivos são resultantes da fusão de fagossomos ou pinossomos com os lisossomos (fagocitose e pinocitose).

Os vacúolos pulsáteis ou contráteis são encontrados nos protozoários e euglenófitas, nos quais contribuem para a manutenção do equilíbrio homeostático, pois eliminam o excesso de água e alguns derivados nitrogenados do metabolismo protéico, como amônia.

Os vacúolos de suco celular são observados nas células vegetais. Contêm água com algumas substâncias e pigmentos. Pequenos e numerosos nas células vegetais jovens, crescem e se fundem na célula vegetal adulta, formando poucos e enormes vacúolos repletos de líquidos que deslocam o citoplasma para a periferia.

O centrossomo, centro-celular ou centríolo é uma estrutura não membranosa do citoplasma, existente em células de animais e de vegetais inferiores (algas e briófitas). Só é bem visível durante a mitose (divisão celular), quando dele se irradiam os microtúbulos que orientam a distribuição dos cromossomos para as células-filha. São importantes também na formação de flagelos e cílios.

Os ribossomos são grãos formados por RNA e proteínas. Estão presentes em todos os seres vivos, até nos mais simples como os PPLO. Podem ser encontrados dispersos no citoplasma (procariontes) ou ligados ao REG (eucariontes).

Amara Maria Pedrosa Silva

Fonte: www.aprendaki.webcindario.com

Citoplasma

O que é

Citoplasma é basicamente a substância que enche a célula.

É um material gelatinoso que é oitenta por cento de água e, geralmente, de cor clara. É mais como um gel viscoso (grosso) do que uma substância aquosa, mas liquefaz quando agitado ou mexido.

O Citoplasma, que também pode ser referido como citosol, significa substância celular. Este nome é muito apropriado porque citoplasma é a substância de vida que serve como uma sopa molecular em que todos organelas celulares são suspensas e mantidas juntas por uma membrana lipídica.

O citoplasma é encontrada no interior da membrana celular, em torno do invólucro nuclear e os organelos citoplasmáticos.

O citoplasma, como pode ser visto através de um microscópio electrónico, aparece como uma rede tridimensional de filamentos finos ricos em proteínas. Estes reticulados são conhecidos como estrutura microtrabecular (MTL) e serve para interligar e apoiar as outras estruturas de "sólidos" no citoplasma.

Em outras palavras, o citoplasma é como uma vedação que é feito de café com leite, que estão ligados entre si. Objetivo principal deste muro é para manter unidas as organelas no citoplasma.

O citoplasma é a casa do citoesqueleto, uma rede de filamentos citoplasmáticos que são responsáveis pelo movimento da célula e dar a célula a sua forma. O citoplasma contém nutrientes dissolvidos e ajuda a dissolver os resíduos.

O citoplasma ajuda materiais mover ao redor da célula, movendo e produzindo por meio de um processo chamado de streaming citoplasmática.

O núcleo, muitas vezes flui com o citoplasma alterar a forma como ele se move.

O citoplasma contém muitos sais e é um excelente condutor de electricidade, o qual, por conseguinte, cria um meio para as vesículas, ou mecânica da célula. A função do citoplasma e dos organelos que ficam na mesma, são críticos a sobrevivência da célula.

1. ORGANIZAÇÃO DE UM CITOPLASMA

Como visto nas primeiras partes de nosso estudo, a célula possui três partes: membrana plasmática, citoplasma e núcleo. Na segunda parte desse estudo vimos a membrana plasmática e todos seus mecanismos. Nessa terceira parte iremos estudar o citoplasma e seus constituintes.O citoplasma pode ser definido como sendo “Complexo de substâncias que assume a consistência de uma massa gelatinosa, homogênea, formando um sistema coloidal, que preenche o citossomo (espaço celular compreendido entre as membranas plasmática e nuclear)”. O citoplasma é bastante diferenciado entre as células procarióticas e eucarióticas.

Nesse tópico, iremos abordar as principais diferenças entre os citoplasmas nas duas células emquestão.

As principais funções do citoplasma são:

a) Movimentos celulares onde o citoplasma é responsável pelos movimentos de ciclose, amebóide, ciliar e flagelar;
b)
Síntese, armazenamento e transporte de macromoléculas, em que as organelas envolvidas nesta função são os ribossomos, retículos, complexo de golgi, lisossomos, peroxissomos, vacúolos e glioxissomos;
c)
Metabolismo que é regulado pelo Citosol, cloroplastos e mitocôndrias.

1.1 – CITOPLASMA EM CÉLULAS PROCARIÓTICAS

O citoplasma das células procarióticas é bem simples quando comparados com o citoplasma das células eucarióticas. O citoplasma é formado por um líquido denominado citosol, composto basicamente por água e por milhares de proteínas, lipídios e aminoácidos. A organela presente no citoplasma de células procarióticas é denominada de ribossomo que são unidos a moléculas de DNA. Não possui membranas nternas. A estrutura membranosa denominada mesossomos. Nas bactérias fotossintetizantes, chamadas cianobactérias, o citoplasma apresenta membranas lipoprotéicas dispostas em várias camadas, que é onde se localizam as substâncias necessárias ao processo de fotossíntese.

1.2 – CITOPLASMA DAS CÉLULAS EUCARIÓTICAS

O citoplasma das células eucarióticas, além de ser bem maior que o das células procarióticas, é também mais complexo. Nas células eucarióticas há diversas estruturas que se encontram mergulhadas no citosol. Além dessas organelas citoplasmáticas, o citoplasma dos eucariontes possui uma complexa rede de tubos e filamentos de proteínas que formam o chamado citoesqueleto, que além de definir a forma da célula, permite que a mesma realize os movimentos citoplasmáticos (ciclose) e consiga se aderir a outras células.

O citoesqueleto é formado por microfilamentos e por microtúbulos. Os microtúbulos são pequenas estruturas, formadas por várias moléculas protéicas a TUBULINA, dispostas de forma helicoidal, cuja função principal é de fornecer suporte estrutural para manter a forma da célula e para organizar as organelas.

Além disso, auxiliam na formação das fibras protéicas que participam das divisões celulares e, atuam na formação das organelas microtubulares (centríolos, cílios e flagelos).

Os centríolos são organelas microtubulares que têm a capacidade de autoduplicação, processo que ocorre um pouco antes da célula iniciar sua divisão. Os cílios e os flagelos são estruturas móveis responsáveis pela locomoção. Os flagelos são maiores, ao contrário dos cílios, e ocorrem em pouco número, outra diferença para os cílios.

Os microfilamentos são formados por várias moléculas de uma proteína chamada actina. Juntamente com a miosina, formam os principais componentes do mecanismo contrátil da célula, sendo responsáveis pela distenção e contração das células musculares, e atuam na movimentação citoplasmática e amebóide.

A partir de agora falaremos das demais organelas citoplasmáticas.

O esquema abaixo mostra uma célula eucariótica com todas as organelas citoplasmáticas presentes:

a) RIBOSSOMOS

São encontrados tanto em células procarióticas quanto em células eucarióticas;
Formado principalmente por RNA e proteínas;
Principal função é auxiliar na síntese protéica;

b) RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO

Principal função é de síntese de ácidos graxos, fosfolipídios e esteróides;
Não possuem ribossomos aderidos;
Bastante desenvolvido em células hepáticas e em células de gônadas, que produzem os hormônios sexuais.

c) RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO

Também chamado de retículo endoplasmático granuloso, atua na produção de certas proteínas celulares;
Possui em sua superfície ribossomos, o que lhes confere o aspecto granuloso;
Participam também no transporte dessas proteínas através do citoplasma.

d) COMPLEXO DE GOLGI

Constituição lipoprotéica e não apresenta ribossomos;
Atua na concentração de proteínas a serem secretadas pela célula atuando como secreção celular;
Atuam na formação do acrossomo do espermatozóide e na síntese de polissacarídeos (por exemplo, na célula vegetal, o Complexo de Golgi produz a pectina, polissacarídeo que entra na constituição da parede celular).

e) PEROXISSOMOS

Função principal de decompor o peróxido de hidrogênio, substância tóxica formada em reações que ocorrem normalmente nas células.
Atuam também na desintoxicação do organismo sendo abundantes nas células do rim e do fígado;
Os Peroxissomos estão presentes em grandes quantidades nas células de defesa como os macrófagos e também existem nas células vegetais, onde participam do processo da fotorespiração.

f) LISOSSOMOS

Possuem em seu interior grande quantidade de enzimas que realizam a digestão intracelular;
Ligados às funções Heterofagica e autofágicas;

Na função Heterofagica as partículas alimentares que penetram na célula ficam no interior de vacúolos os quais são fundidos aos lisossomos primários, formando os lisossomos secundários;
Na função autofágica é um processo de digestão de estruturas citoplasmáticas desgastadas. A autofagia também é responsável pela transformação de um tipo celular em outro como ocorre nas hemácias;
Células animais podem conter vários lisossomos. Os lisossomos primários contêm em suas vesículas diversas enzimas que atuam nas funções autofágicas e heterofagica, e os lisossomos secundários que é chamado de vacúolo digestivo.

g) MITOCÔNDRIAS

Sua composição química é riquíssima, notando-se principalmente a presença de DNA, RNA, proteínas, carboidratos, enzimas, ATP (adenosina – trifosfato), ADP (adenosina – difosfato), etc;
São encontrados nas células eucariontes, sendo substituídas pelos mesossomos nas bactérias;
Organela responsável pela respiração;
Toda mitocôndria surge da reprodução de uma outra mitocôndria, sendo que a divisão da mitocôndria denomina-se Condrocinese ou Condrogênese.

h) CENTRÍOLOS

Estruturas que existem nas células procarióticas, animais e alguns vegetais;
È responsável pela formação de duas estruturas os cílios e os flagelos;
Sua função parece estar relacionada com a divisão celular.

i) CLOROPLASTOS

Encontrados em células vegetais;
Responsáveis pelo metabolismo celular (fotossíntese);
Podem se duplicar independente das células.

ORIGEM DAS MITOCÔNDRIAS

Durante os anos oitenta, Lynn Margulis propôs a teoria da endosimbiose para explicar a origem das mitocôndrias e cloroplastos de procariontes. De acordo com esta idéia, um procarionte maior engolfou ou cercou um procarionte menor há uns 1.5 bilhão ou 700 milhões de anos atrás. Em vez de digerir o organismo menor, o grande e o pequeno entraram em um tipo de simbiose conhecido como mutualismo, em que ambos os organismos se beneficiam e nenhum é danificado.

O organismo maior ganhou excesso de ATP fornecido pela “protomitocôndria” e açúcar em excesso fornecidos pelo “protocloroplasto”, enquanto fornecia um ambiente estável e as matérias-primas que o endosimbionte requeria. Esta relação é tão forte que agora células de eucarionte não podem sobreviver sem mitocôndria (igualmente eucariontes fotossintéticos não podem sobreviver sem cloroplastos), e os endosimbionte não podem sobreviver fora dos anfitriões. Quase todos eucariontes têm mitocôndria.

Fonte: www.acervoescolar.com.br

Citoplasma

O citoplasma das células eucarióticas é constituída pelo citosol, também chamado citoplasma fundamental ou matriz citoplasmática, que aparece sem estrutura visível mesmo quando examinada ao microscópio eletrônico.

Contêm enzimas solúveis que participam dos processos de síntese protéica, glicólise, síntese e degradação de glicogênio, síntese de ácidos graxos, etc.

No citosol encontramos também um depósito de reserva (pool) de macromoléculas protéicas como actina e tubulina que, quando polimerizadas, vão originar filamentos e microtúbulos. O citosol contêm ainda moléculas pequenas absorvidas, produtos da atividade enzimática celular e íons.

Mergulhadas no citosol encontramos as organelas e as inclusões. As primeiras são sedes de processos metabólicos intensos e têm ocorrência geral, como por exemplo as mitocôndrias, o complexo de Golgi, os lisossomos, os ribossomos e o retículo endoplasmático. As inclusões são menos freqüentes e em geral representam depósitos de lipídeos, glicídeos ou pigmentos.

O citoplasma geralmente apresenta uma delgada zona periférica em contato com a membrana celular, chamada ectoplasma, contendo abundante quantidade da proteína actina, que desempenha importante função nos processos de movimentação celular.

O ectoplasma é pobre em organelas e inclusões, que tendem a se localizar na parte mais central do citoplasma, denominada endoplasma.

O citosol representa pouco mais da metade do volume celular total e é o sítio de síntese de proteínas, onde ocorre a maior parte do metabolismo intermediário, isto é, as muitas reações pelas quais algumas moléculas pequenas são degradadas e sintetizadas para fornecer os componentes primários para a construção das macromoléculas.

O citosol não é apenas uma solução aquosa diluída; ele é muito complexo em composição e de consistência quase do tipo gel.

A outra classe de solutos do citosol consiste de várias coenzimas, bem como ATP e ADP, além de vários íons minerais como: potássio, cloro, magnésio, cálcio, bicarbonato e fosfato.

Todos os componentes do citosol são mantidos em proporções e concentrações constantes, balanceadas, graças a atividade de vários processos de transporte que operam através da membrana plasmática.

Fonte: www.dbi.ufla.br

Citoplasma

Citoplasma, é a região da célula localizada entre a membrana plasmática e o núcleo, preenchida por uma substância gelatinosa (semi-líquida), na qual estão mergulhadas as organelas citoplasmáticas.

Hialoplasma (Citossol ou Matriz Citoplasmática)

É uma substância gelatinosa (viscosa) que preenche o citoplasma, composta quimicamente por água, proteínas, sais, carboidratos, etc.

Partes do Citoplasma

Endoplasma: é a parte mais interna do citoplasma. Apresenta consistência fluídica (sol).
Ectoplasma: é a parte mais externa do citoplasma, apresenta consistência gelatinosa (gel).

Movimentos do Citoplasma: ciclose e movimento amebóide

A Ciclose

É um movimento no endoplasma celular em forma de uma corrente, onde são observadas algumas organelas se deslocando, como os cloroplastos em células vegetais.

O Movimento amebóide

É um movimento de deslocamento de algumas células através da emissão de pseudópodes.

Ex.: leucócitos ou glóbulos brancos e alguns protózoários, como as amebas.

Citoplasma

Tixotropismo:é a capacidade que apresenta o citoplasma de mudar a sua composição química de “gel” para “sol”.

Organelas Citoplasmáticas

São estruturas com forma e funções definidas, encontradas no interior do citoplasma.

Principais organelas:

Retículo endoplasmático (liso e rugoso);
Ribossomos;
Complexo de Golgi;
Lisossomos;
Centríolos;
Mitocôndrias;
Plastos;
Vacúolos;
Peroxissomos;
Glioxissomos.

Retículo Endoplasmático

É um conjunto de canais que se expande no interior do citoplasma (no citossol), formando canais ramificados e sacos achatados que se intercomunicam.

Tipos de retículo endoplasmático:

Retículo endoplasmático rugoso e retículo endoplasmático liso.

a) O Retículo Endoplasmático Liso ou Agranular

É a parte do retículo endoplasmático que não apresenta grânulos (ribossomos) nas suas membranas

Funções:

Transporte de substâncias no interior do citoplasma;
Síntese de lipídios (gorduras);
Eliminar substâncias tóxicas (álcool, drogas, etc.);
Desativar alguns hormônios (adrenalina);

b) O Retículo Endoplasmático Rugoso (ou granular, ERG, ergastoplasma)

É a parte do retículo endoplasmático que apresenta grânulos (ribossomos) aderidos as suas membranas.

Citoplasma

Função:

Síntese de proteínas

Os Ribossomos

São pequenos grânulos observados livres no citoplasma ou aderidos as membranas do retículo endoplasmático rugoso. Quimicamente são constituídos por proteínas e RNA (ácido ribonucléico).

Não são visíveis ao microscópio óptico.
Ocorrem em todos os tipos de células

Função:

Síntese de proteínas

Complexo de Golgi ou Golgiossomo

Compreende um conjunto de sacos achatados e sobrepostos, formando pilhas, de onde partem pequenas vesículas.

Funções

Armazenar e empacotar secreções produzidas pela célula;
Sintetizar carboidratos;
Originar os lisossomos;
Constitui o acrossomo do espermatozóide.

Lisossomos

São vesículas membranosas que brotam do complexo de Golgi, contendo enzimas digestivas.

Funções

Digestão intracelular
Regressão da cauda do girino
Promove a autofagia
Realizam a autólise ou citólise (eliminação de células mortas)

TIPOS DE LISOSSOMOS

Lisossomo primário: É aquele que apresenta no seu interior apenas as enzimas digestivas.
Lisossomo secundário ( = vacúolo digestivo):
É aquele formado pela união do lisossomo secundário com um fagossomo ou pinossomo (= vacúolo alimentar).

Obs.: Silicose é uma doença que ocorre em trabalhadores de minas, onde os lisossomos sofrem rompimento das suas membranas por partículas de sílica, derramando enzimas digestórias no interior das células e realizando assim a autólise ou citólise.

Mitocôndrias

São estruturas cilíndricas com aproximadamente 0,5 micrômetros de diâmetro e vários micrômetros de comprimento. Podem ser visualizadas ao microscópio ótico. Encontram-se em todas as células eucarióticas.

Função:

Realizar a respiração celular e produzir energia em forma de ATP (trifosfato de adenosina)
O conjunto de todas as mitocôndrias de uma célula denomina-se “condrioma”

Estrutura da Mitocôndria

Apresenta-se constituída por duas membranas: uma membrana externa lisa que a envolve e uma membrana interna formando dobras, denominadas “cristas mitocondriais”.

O espaço interno da mitocôndria denomina-se “matriz mitocondrial”.

REPRESENTAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA MITOCÔNDRIA

Citoplasma

As mitocôndrias, assim como os cloroplastos, apresentam o seu próprio ácido nucléico (DNA e RNA), sendo portanto capazes de se autoduplicarem, independentemente da célula.

Plastos ou Plastídeos

São organelas características das células vegetais. Não são encontra dos, portanto em bactérias, cianobactérias, protozoários, animais e fungos.

Os plastos se dividem em dois tipos: Leucoplastos e Cromoplastos.

Os Leucoplastos

São aqueles que não apresentam pigmentação, ou seja, não apresentam coloração. São plastos incolores.

Função: armazenar substâncias produzidas na célula

Exemplos

Amiloplastos: armazenam amido.
Oleoplastos: armazenam lipídeos.
Proteoplastos: armazenam proteínas.

Os Cromoplastos

São aqueles que possuem pigmentação, apresentam, portanto, coloração.

Eritroplastos: apresentam o pigmento eritrofila que confere cor vermelha. Ex: Tomate, acerola,etc.
Xantoplastos:
apresentam o pigmento xantofila que confere cor amarela. Ex: Mamão, banana, etc
Cloroplastos:
É o mais importante dos plastos, apresenta o pigmento clorofila que confere cor verde aos tecidos vegetais. Ex: Folhas.

Função dos cromoplastos: O cloroplasto é o principal responsável pela fotossíntese, enquanto que os demais plastos auxiliam no processo fotossintetizante, funcionando como filtro de luz

Fotossíntese

Consiste na síntese de moléculas orgânicas (glicose) a partir de uma reação química entre o CO2 do ar atmosférico, a água do solo, em presença da luz solar, liberando oxigênio. Ocorre principalmente nas folhas.

Estrutura do cloroplasto

Citoplasma

Estruturalmente, o cloroplasto é constituído por uma membrana externa, lisa, que o envolve, e internamente por uma outra membrana que forma dobras denominadas “lamelas”;
Sobre as lamelas estão situadas estruturas membranosas em forma de moedas empilhadas denominadas “tilacóides”;
Cada pilha de tilacóides recebe o nome de “granum”;
O conjunto de todos os granum de um cloroplasto recebe o nome de “grana”.

Obs.: Assim como as mitocôndrias, os cloroplastos possuem seu próprio DNA e RNA, sendo capaz de promover sua autoduplicação.

Centríolos

Os centríolos são estruturas cilíndricas, com 0,2 um de largura e 0,4 um de comprimento. São constituídos por nove grupos de três microtúbulos, fundidos em tripletes.

Citoplasma

Funções:

a. Divisão celular
b. Formar cílios e flagelos

Fonte: www.serdigital.com.br

Citoplasma

Os primeiros citologistas acreditavam que o interior da célula viva era preenchido por um fluido homogêneo e viscoso, no qual estava mergulhado o núcleo.

Esse fluido recebeu o nome de citoplasma.

O maior volume de uma célula eucariótica é representado pela região compreendida entre a membrana plasmática e a membrana nuclear. Nessa região, encontramos uma solução coloidal formada principalmente por água e proteínas.

Trata-se do citoplasma ou matriz citoplasmática, onde estão mergulhados uma série de organelas, ribossomos e outras estruturas responsáveis por algumas funções importantes, tais como: digestão, respiração, secreção, síntese de proteínas.

As organelas membranosas dividem o citoplasma, mas também formam uma complexa rede de comunicação e transporte denominada sistema vacuolar citoplasmático (SVC), que compreende o envoltório nuclear, o retículo endoplasmático, o complexo de Golgi e os vacúolos. Pode-se encontrar também uma série de microtúbulos (tubulina), além de microfilamentos protéicos (actina e miosina), que contribuem para formar um citoesqueleto, auxiliando na manutenção da forma celular e apoiando o movimento das organelas citoplasmáticas.

É principalmente no citoplasma que ocorrem as principais reações necessárias à manutenção da vida. Por ser a célula uma estrutura dinâmica, o seu citoplasma não é estático, pois apresenta alguns movimentos como aquele observado nas amebas para a emissão de pseudópodes

Ciclose

O citosol contém principalmente proteínas dissolvidas, eletrólitos, glicose, quantidades diminutas de compostos lipídicos e encontra-se em contínuo movimento, impulsionado pela contração rítmica de certos fios de proteínas presentes no citoplasma. Os fluxos de citosol constituem o que os biólogos denominam ciclose.

Sua velocidade aumenta com a elevação da temperatura e diminui em temperaturas baixas, assim como na presença de anestésicos e na falta de oxigênio.

Movimento Amebóide

O movimento amebóide é a capacidade que alguns tipos de células têm de alterar rapidamente a consistência de seu citosol, gerando fluxos internos que permitem à célula mudar de forma e se movimentar. Podemos observar esse tipo de movimento em muitos protozoários e em alguns tipos de células de animais multicelulares.

Além da parte fluida, o citoplasma contém bolsas e canais membranosos e organelas ou orgânulos citoplasmáticos, que desempenham funções específicas no metabolismo da célula eucarionte.

Ectoplasma e Endoplasma

Na periferia do citoplasma, o citosol ( líquido citoplasmático ) é mais viscoso, tendo consistência de gelatina mole e é chamado de ectoplasma. Na parte mais central da célula situa-se o endoplasma de consistência mais fluida.

Citoplasma e arquitetura celular

O conceito de que o citoplasma é apenas uma substância gelatinosa perdura por muito tempo e é ainda amplamente difundido nas aulas de Biologia Celular do ensino fundamental e médio. Está, porém, ultrapassado e nesse texto abordaremos o que há de mais recente sobre a constituição do citoplasma.

Já por volta de 1929 foi proposto que o citoplasma consistia de uma grande malha extremamente organizada que preenchia praticamente todos os espaços livres existentes no meio interno da célula, deixando pequenos compartimentos intracelulares. Essa malha organizada recebeu a denominação de Citoesqueleto, termo adotado pela comunidade científica internacional.

Com a utilização de Microscopia eletrônica e técnicas de Imunologia constatou-se que esse citoesqueleto é composto por três estruturas básicas: Microtúbulos, Microfilamentos e Filamentos intermediários, todos basicamente constituídos de proteínas. Essas estruturas geralmente encontram-se unidas, podendo agir de forma conjunta ou independente, dependendo das necessidades fisiológicas da célula.

Microtúbulos

São estruturas que apresentam um diâmetro de 25 nm, e como o próprio nome sugere são tubulares. Esses microtúbulos são formados por uma proteína chamada tubulina, que apresenta dois monômeros diferentes, a e b.

Como funções dos microtúbulos podemos citar:

Função mecânica

Estão envolvidos na rigidez celular e na estruturação de algumas protuberâncias ou prolongamentos celulares. Um exemplo mais claro de tais tipos de estruturas são os axônios e os dendritos dos neurônios.

Morfogênese: observa-se também a presença de microtúbulos na aquisição da forma da célula durante o processo de diferenciação celular.

Circulação e transporte

Podem intervir também no transporte de macromoléculas no interior da célula. Para isso acredita-se que haja a formação de “canais” no citoplasma. Por exemplo, pode-se observar o movimento de melanina entre os canais criados na matriz citoplasmática pelos microtúbulos.

Microfilamentos

São filamentos mias finos, estando seu diâmetro entre 6 e 8 nm. São principalmente formados por actina ou miosina e estão basicamente envolvidos com sistemas contráteis da célula.

Motilidade celular: a motilidade proporcionada pelos microfilamentos ocorre tanto em células musculares como em células de diferentes características.

Movimento amebóide: esse movimento é observado em certos protozoários (as amebas, das quais recebeu o nome) e em algumas células animais, como os macrófagos. Caracteriza-se pelo fato de a célula emitir prolongamento citoplasmáticos. Esses prolongamentos ainda conferem adesão da célula em um suporte sólido.

Filamentos Intermediários

Recebem esse nome por possuírem diâmetro intermediário (10 nm) entre os microtúbulos e os microtúbulos. São compostos por diferentes tipos de proteínas e também possuem funções heterogêneas.

Alguns exemplos:

Filamentos de queratina

São proteínas fibrosas sintetizadas nas células das camadas vivas da epiderme e formam a maior parte do produto do descamamento da epiderme.

Neurofilamentos: também estão envolvidos na estrutura dos neurônios e axônios.

Citoesqueleto

Estudos mais recentes mostraram que as três estruturas do citoesqueleto funcionam conjuntamente , e organizam-se de forma similar a estruturas arquitetônicas como por exemplo as cúpulas geodésicas e esculturas de Snelson.

Exemplos de estruturas do tipo cúpulas geodésicas podem ser observados em grãos de pólen e estruturas como as esculturas de Snelson podem ser observadas no conjunto: ossos e músculos.

A integração entre essas estruturas é de enorme complexidade, atuando como uma rede global de informações, que tanto recebe estímulos como também envia estímulos ou informações à periferia. Essas informações são as mais diversas possíveis, como diferenciação, morfogênese, divisão e outras. Constata-se que essa integração está ainda envolvida no processo de apoptose celular (também conhecida como morte celular programada).Há também hipóteses sobre outras funções do citoesqueleto, principalmente relacionadas à fisiologia celular, como o desenvolvimento de embriões vegetais durante o processo de germinação das sementes.

Fonte: www.biomania.com.br

Citoplasma

Ao atravessarmos a membrana, entramos em um meio semifluído com consistência de um líquido gelatinoso, o citoplasma. Imersas em seu interior, encontram-se numerosas estruturas conhecidas como “organelas celulares”.

O citoplasma, além de manter a consistência e a forma da célula, é, também, o local de armazenamento de substâncias e o local propício para que as reações metabólicas vitais ao nosso corpo ocorram.

Fonte: www.animaluxstudios.com.br

Citoplasma

Todas as células compartilham de pelo menos três características: Apresentam membrana plasmática, isolando a célula do meio externo e controla a passagem de substância. Contém citoplasma, formado por um líquido gelatinoso e pos estruturas e substâncias necessárias às funções vitais. Possuem material genético (DNA), contendo informações em código que controlam o funcionamento celular.

Falando em organização geral do citoplasma, temos padrões básicos de organização celular que distinguem-se em Células Procariontes e Células Eucariontes.

As células procariontes não tem uma membrana celular, não tem organelas com membranas e tanto a fotossíntese quando a respiração celular ocorre em membranas.

Citoplasma

As células eucariontes contém um núcleo com membrana nuclear e nucléolos possuem uma grande variedade de organelas com membranas, a fotossíntese acontece nos cloroplastos e também a respiração celular ocorre nas mitocôndrias.

O citoplasma das células procarióticas é constituído por citosol, que é composto por 80% de água e por milhares de tipos de proteínas, glicídios, lipídios e aminoácidos, bases nitrogenadas, vitaminas, íons, etc.; Possuem substância de reserva; Existem uma ou mais moléculas de DNA e Possuem muitos ribossomos (responsável pela síntese proteica).

Fonte: www.cursosgratuitos10.com

Citoplasma

As células, de maneira geral, apresentam membrana, núcleo (ou nucléolo) e citoplasma.

Este último foi outrora reconhecido unicamente como um fluido no qual o núcleo se insere: o citosol, constituído por água, íons e substâncias nutritivas diversas, possui também ribossomos e, em muitos casos, estruturas membranosas de funções diferenciadas, como síntese, transporte e armazenamento de substâncias (as chamadas organelas citoplasmáticas).

No citoplasma de seres procarióticos, em sua maioria, encontramos o nucléolo, ribossomos e plasmídeos (moléculas circulares de DNA, geralmente relacionadas à resistência química) e ausência de estruturas delimitadas por membranas.

Já nos eucarióticos, estão presentes, além das organelas:

Citoplasma

Inclusões citoplasmáticas

Estruturas sem membrana, temporárias e, geralmente, relacionadas à reserva de energia para as atividades celulares.

Citoesqueleto

É constituído de três tipos de filamentos proteicos, que são os microtúbulos, microfilamentos e filamentos intermediários. Os primeiros atuam no sentido estrutural, mantendo o formato celular e a disposição interna das organelas, formam o fuso mitótico e meiótico, e também participam da organização dos centríolos, cílios e flagelos. Microfilamentos são responsáveis pela sustentação, contração e distensão celular e também pelas cicloses, pelos movimentos ameboides e estrangulamento do citoplasma de células animais, ao fim da divisão celular. Finalmente, os filamentos intermediários protegem as células quanto a tensões e também auxiliam na sustentação do núcleo e organelas.

Quanto aos processos de obtenção de energia, temos como protagonistas o citosol, juntamente com mitocôndrias e, no caso de plantas e alguns protistas, os plastos e cloroplastos.

Assim, fica claro quão equivocada estava a ideia de que o citoplasma era apenas um fluido, estático, cuja função se restringia somente à proteção do núcleo celular.

Fonte: www.alunosonline.com.br

Citoplasma

Os primeiros citologistas acreditavam que o interior da célula viva era preenchido por um fluido homogêneo e viscoso, no qual estava mergulhado o núcleo. Esse fluido recebeu o nome de citoplasma.

O maior volume de uma célula eucariótica é representado pela região compreendida entre a membrana plasmática e a membrana nuclear. Nessa região, encontramos uma solução coloidal formada principalmente por água e proteínas.

Trata-se do citoplasma ou matriz citoplasmática, onde estão mergulhados uma série de organelas, ribossomos e outras estruturas responsáveis por algumas funções importantes, tais como: digestão, respiração, secreção, síntese de proteínas.

As organelas membranosas dividem o citoplasma, mas também forma uma complexa rede de comunicação e transporte denominada sistema vacuolar citoplasmático (SVC), que compreende o envoltório nuclear, o retículo endoplasmático, o complexo de Golgi e os vacúolos. Pode-se encontrar também uma série de microtúbulos (tubulina), além de microfilamentos protéicos (actina e miosina), que contribuem para formar um citoesqueleto, auxiliando na manutenção da forma celular e apoiando o movimento das organelas citoplasmáticas.

É principalmente no citoplasma que ocorrem as principais reações necessárias à manutenção da vida. Por ser a célula uma estrutura dinâmica, o seu citoplasma não é estático, pois apresenta alguns movimentos como aquele observado nas amebas para a emissão de pseudópodes.

Ribossomos

Os ribossomos são organoides que se apresentam sob a forma de partículas globulares, que são constituídos por duas subunidades de tamanho diferentes.

Os ribossomos ocorrem em seres procariontes e eucariontes, onde aparecem livres no citoplasma ou associado às membranas do reticulo endoplasmático. Tanto os ribossomos livres como os que integram o reticulo endoplasmático, associam-se a filamentos de RNA – mensageiro, constituído os polissomos ou polirribossomos.

As duas subunidade constituintes dos ribossomos são formados por RNA – ribossômico e proteínas.

Os ribossomos originam-se de nucléolo, componente da síntese do RNA – ribossômico.

Reticulo Endoplasmático

O reticulo endoplasmático é um sistema de sáculos (sacos achatados) e canalículos, limitados por membrana, podendo compreender: o reticulo endoplasmático granular (REG) e o reticulo endoplasmático liso (REL)

O reticulo endoplasmático aparece em todos os eucariontes, e seu desenvolvimento varia em diferentes tipos celulares, relacionados ás suas funções, só é desenvolvida em células com elevada síntese protéica. A síntese protéica do reticulo endoplasmático é realizada pelos ribossomos.

Funções:

O RE realiza as seguintes as seguintes funções: transporte, síntese, armazenamento, detoxificação e síntese de glicoprotéicas.

O complexo de Golgi

É constituída por uma pilha de vesículas achatadas e circulares, e outras menores e esféricas, suas membranas não apresentam ribossomos.

Na maioria das células eucarióticas, o complexo de Golgi situa-se ao lado do núcleo; nas células vegetais, suas unidades aparecem com o hialoplasma, formando o golgiossomos.

O complexo Golgi e constituído por fosfolipídios e proteínas em quantidade aproximadamente igual, apresentando um elevado teor de fosfatose ácida.

Funções:

É responsável por:

Concentração de proteínas a serem secretadas pela célula;
Formação do acrossomo do espermatozóide;
Síntese de polissacarídeos;
Produção de grãos de zimógeno.

Os Lisossomos

São corpúsculos geralmente esféricos, constituídos por uma membrana que envolve enzimas hidrofílicas. A membrana lisossômica não é atacada pelas enzimas que envolve, tal fato se deve pela existência de um revestimento coprotéico protetor em sua face interna.

Os lisossomos, em raras exceções, aparecem em varias células animais. Em sua composição evidencia a existência de proteínas, glicosidades, lípases e nucleases.

Funções: Por meio das enzimas hidrolisantes que possuem, os lisossomos agem na digestão intracelular de partículas, de acordo com o material ingerido, pode haver duas ou mais funções.

Mitocôndrias

As mitocôndrias são corpúsculos esféricos, que aparecem imersos no hialoplasma em numero variável, segundo o tipo celular, a mitocôndria apresente uma ultra – estrutura típica.

Apresenta-se delimitada por duas unidades da membrana, a externa e a interna, separadas por um espaço, a câmera externa. A membrana interna limita a matriz mitocondrial e forma em seu interior uma serie de ivaginações denominadas cristas mitocondriais. A matriz é uma substância amorfa, onde aparecem moléculas de DNA, ribossomos e granulações densas.

Ocorrência

As mitocôndrias são encontradas em todas as células de organismos eucariotos aeróbicos. A quantidade de mitocôndrias por célula varia em função de suas necessidades energéticas. Em células musculares, por exemplo, existe uma grande quantidade de mitocôndrias.

Composição química

As membranas mitocôndrias são constituídas basicamente por lipídios e proteínas. As proteínas são principalmente as enzimas reparatórias, em quanto os lípides, na sua maioria são os fosfolípides, na matriz mitocondrial aparecem ribossomos, DNA, RNA e Nucleotídeos, os últimos são representados por ADP, ATP e Coenzimas aceptoras de hidrogênio (FAD, NAD e NADP).

Função: No interior das mitocôndrias, ocorrem duas etapas da respiração aeróbica: o ciclo de Krebs, desenvolvido na matriz mitocondrial, e a cadeia respiratória, realizada nas cristas mitocondriais.

Fonte: citotologia.net46.net

Citoplasma

No citoplasma, região entre a membrana plas­mática e o núcleo, há o citosol (hialoplasma ou matriz do citoplasma), material gelatinoso formado por íons e moléculas orgânicas e inorgânicas dissol­vidas em água, e várias organelas, como os centrío­los, os ribossomos, o retículo endoplasmático, o complexo golgiense, as mitocôndrias e os cloroplas­tos (estas duas últimas serão estudadas nos capítulos de respiração e de fotossíntese). Essas estruturas celulares desempenham funções específicas na célu­la, de forma semelhante aos órgãos nos organismos desenvolvidos.

1. Citosol e citoesqueleto

No citosol realizam-se diversas reações químicas do metabolismo, como a fase inicial da respiração celular e a síntese de várias substâncias.

Nas células eucariotas, essa região contém um emaranhado de tubos ocos, os microtúbulos – for­mados por proteínas esféricas, as tubulinas – e os microfilamentos – formados por uma proteína con­trátil, a actina. Essas duas estruturas formam uma rede que se estende por todo o citoplasma, compon­do o citoesqueleto, uma espécie de esqueleto celular, que ajuda a manter a forma da célula, serve de susten­tação às estruturas célulares, como as microvilosidades, e participa de diversos movimentos celulares, co­mo o amebóide e a ciclose.

Movimentos celulares

Amebóide

Característico das amebas, o movimento amebóide depende de contrações da actina e de pseudópodes, que servem para locomoção e captura de alimentos (fagocitose). Esse movimento pode ocorrer em outras células, como nos glóbulos brancos do sangue.

A ciclose

É uma espécie de corrente citoplasmática, característica de células vegetais, também dependente das contrações da actina. Nesse movimento, o ci­toplasma circula ao redor da célula, entre a parede celular e os vacúolos, e ajuda a distribuir as substâncias.

Centríolos, cílios e flagelos

Os centríolos são pequenos cilindros presentes em quase todas as células eucariotas, com exceção de alguns organismos unicelulares e das células das plantas com sementes. Estão localizados no centro celular ou centrossomo, região mais densa do citoplasma, próximo ao núcleo.

Cada centríolo é formado por microtúbulos dispostos de modo característico: nove grupos de três microtúbulos formando a parede do cilindro.

Eles participam da formação dos cílios e dos flagelos e da organização do fuso acromático (conjunto de fios) durante a divisão celular das células animais. No último processo, os cromossomos ficam presos ao fuso e sua movimentação é provocada por alongamentos e encurtamentos dos fios do fuso, que envolvem o acréscimo ou a remoção de novas unidades das proteínas formadoras dos microtúbulos. Os centríolos podem se autoduplicar, isto é, orientar a formação de novos centríolos a partir dos microtúbulos do citoplasma.

Nas células vegetais (nas quais não há centrío­los), as fibras do fuso acromático partem de uma região onde há concentração maior de microtúbulos. Por isso talvez os centríolos não sejam essenciais para a formação do fuso. Mas supõe-se que, de alguma maneira, eles facilitam essa formação.

Obs.: Algumas células apresentam cílios (curtos e numerosos) e flagelos (longos e em pequeno número), cujo movimento provoca correntes de água. Ambos são formados por microtúbulos envolvidos por uma projeção da membrana plasmática.

A disposição é característica: nove pares de microtúbulos periféricos e um par central (nas extremidades). Na base deles há o corpo basal (corpúsculo basal ou cinetossoma), estrutura muito semelhante ao centríolo, que orienta a arrumação dos microtúbulos de modo a originar o cílio ou o flagelo.

Os cílios e os flagelos servem para a locomoção ou para facilitar a captura de alimento, entre outras funções. O movimento dos cílios ocorre por desliza­mento de um microtúbulo sobre o outro, realizado com gasto de energia pela proteína dineína, que se liga a um microtúbulo e, ao mudar de forma, puxa os microtúbulos vizinhos.

O flagelo de uma célula procariota é diferente do de uma eucariota, uma vez que nao possui centríolos nem é formado por microtúbulos, mas pela proteína flagelina.

Organelas citoplasmáticas

Ribossomos

Presentes em todos os seres vivos, os ribossomos são grãos formados por ácido ribonucleico (RNA-ribossomial) e proteínas, visíveis apenas ao microscópio eletrônico. Cada ribossomo compõe-se de duas subunidades de tamanhos e densidades diferentes.

Obs.: Em processos de centrifugação os ribossomos depositam-se com velocidades diferentes:

Nos procariontes

70 S(Svedberg), sendo que isoladamente a unidade menor deposita-se a 30 S e a maior a 50 S.

Nos eucariontes

80 S, sendo que isoladamente tem-se a menor depositando a 40 S e a maior a 60 s.

Nos ribossomos ocorre a síntese de proteínas por meio da união de aminoácidos. Apoiado em um grupo de ribossomos, chamado de polirribossomo ou polissoma, outro tipo de RNA, o RNA-mensageiro (produzido no núcleo da célula sob o comando do DNA), orienta a seqüência de aminoácidos da proteína.

Durante esse trabalho, os ribossomos vão “desli­zando” pela molécula de RNA-mensageiro à medida que a proteína é fabricada.

Retículo endoplasmático

Trata-se de um conjunto de membranas que envolvem cavidades de várias formas e as separam do citosol. Nessas cavidades ocorrem a síntese e o trans­porte de várias substâncias.

Tipos

Há dois tipos de retículo endoplasmático: o grãnuloso ou rugoso (RER) e o não-granuloso ou liso (REL).

Retículo endoplasmático granuloso

Também chamado de ergastoplasma (ergazo­mai = fabricar), o retículo granuloso é formado por canais e cavidades achatadas (cisternas), delimitados por membranas, com vários ribossomos na parte externa (na parte da membrana em contato com o citoplasma). São os ribossomos que dão o aspecto enrugado à membrana quando observada ao microscópio (daí o nome rugoso).

Funções

Produz proteínas;
Atua no transporte de substâncias.

Obs.: o retículo rugoso produz proteínas para exportação. Por isso ele é bem desenvolvido em células glandulares, que secretam hormônios e outros produtos cuja ação se dará fora dessas células. Ele produz também proteínas que serão transferidas para a membrana plasmática ou para outra organela do sistema de endomembranas. Os ribossomos livres no citosol produzem pro­teínas que aí permanecem dissolvidas e exercem suas funções; é o caso de diversas enzimas (algumas dessas proteínas migram para o núcleo ou para a mitocôndria e outras organelas). As células embrionárias, por exemplo, são ricas em ribossomos livres e pobres em retículo rugoso.

Retículo endoplasmático não-granuloso

Esse retículo é formado por cavidades em forma de tubo delimitadas por membranas sem ribossomos (daí o nome liso); portanto, não atua na síntese de proteínas.

Funçoes

Em suas cavidades há enzimas que sinteti­zam diversos tipos de lipídios, como os da membra­na plasmática e os esteróides
Produz enzimas responsáveis por uma desintoxicação do organismo, pois transformam alguns medicamentos, álcool e outras substâncias tóxicas em produtos menos tóxicos e de excreção mais fácil (esse processo é realizado no fígado, na pele, nos rins e nos pulmões).
Serve de reservatório de íons cálcio, neces­sários ao mecanismo da contração.
Facilita o intercâmbio de substância entre a célula e o meio externo

Lisossomos

Pequenas bolsas com enzimas digestivas, que se originaram das vesículas do complexo golgiense.

Funções

São responsáveis pela digestão intracelular são os lisossomos, sendo que as enzimas são chamadas de hidrolases ácidas porque a digestão é uma quebra de moléculas de ali­mento feita com moléculas de água (hidra = água; ase = separação) e o interior do lisossomo é ácido (pH aproximadamente igual a 5).

Processos importantes que apresentam a participação dos lisossomos:

Autofagia

Trata-se da digestão de substâncias e organelas presentes no interior da célula. Tendo, portanto, a importância de provocar a renovação celular.

Heterofagia

É um processo no qual as substâncias englobadas por endocitose serão digeridas e aproveitadas ou eliminadas, pois acontece nos processos de nutrição e também de defesa.

Obs.: O processo de autó­ise ou citólise, importante, por exemplo, para a regressão da cauda do girino esse processo foi atribuído ao rompi­mento dos lisossomos, mas hoje se sabe que é um processo diferente, mais complexo, chamado de apoptose. Ele envolve uma série de alterações que provocam a morte das células de outras maneiras; por exemplo, elas podem ser fagocitadas pelos macrófagos. Já no caso da silicose, doença pulmonar grave, é um processo no qual os lisossomos são destruídos pela sílica e, portanto, sem nenhum controle.

Peroxissomas ou microcorpos

São pequenas vesículas presentes em todas as células eucariotas. Eles contém enzimas que promovem a reação do oxi­gênio com algumas moléculas orgânicas, com perda de hidrogénio por essas moléculas e formação de água oxigenada (ou peróxido de hidrogênio; daí o nome peroxissoma). Nessas estruturas existe também a catalase, enzima que decompõe a água oxigenada em água e oxigênio, que é usado para oxidar certas moléculas tóxicas, como o álcool.

Nos vegetais existe um tipo de peroxissoma com enzimas que transformam os lipídios armazenados nas sementes em glicídios. Durante essa transforma­ção, forma-se o ácido glioxílico; por isso esse pero­xissoma é chamado de glioxissoma.

Vacúolos

São cavidades do citoplasma visíveis ao microscópico óptico.

Funções

Vacúolos digestivos

Provocam a digestão, sendo resultantes da união dos fagossomos ou pinossomos com os lisossomos.

Vacúolo contrátil ou pulsátil

Atua no controle osmótico de alguns organismos que vivem na água doce, é o caso da ameba e do paramécio.

Vacúolo de suco celular

Atua no controle osmótico e no armazenamento de substâncias, estando presente nos vegetais.

Plastos

São organelas citoplasmáticas tipicas das células vegetais. São dotados de uma membrana que envolve um material interno amorfo (sem forma definida), onde se dispersam outras membranas. Atuam na fotossíntese e no armazenamento de substâncias.

Tipos de Plastos

a) Leucoplasto – não apresentam pigmentos

amiloplastos – armazenam amido.
oleoplastos – armazena óleo.
proteoplastos – armazenam proteínas.

b) Cromoplastos apresentam pigmentos

São plastos coloridos, portadores de pigmentos diversos. Entre os vários pigmentos encontrados nos plastos, destacam-se as clorofilas e os carotenoides.

Principais tipos:

Eritroplastos – apresentam ficoeritrina (pigmentos vermelhos).
Xantoplastos – possuem xantofilas (pigmentos amarelados).
Cloroplastos – têm clorofilas (pigmentos verdes)

Mitocôndrias

Essas organelas se apresentam na forma de grãos ou bastonetes. Ao microscópio eletrônico, notamos que se trata de vesículas limitadas por duas membranas semelhantes à plasmática, e a interna forma uma série de septos ou dobras, as cristas mitocondriais, entre as quais fica a matriz mitocon­drial, solução gelatinosa de aspecto semelhante ao citosol. Atua na respiração celular.

Fonte: www.vascobio.net

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal