Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Império Babilônico  Voltar

Império Babilônico

 

Império Babilônico
Uma representação visual da antiga cidade suméria de UR.
Esta civilização avançada registrou muitos eventos de seres que vieram "do céu."
Muitas outras civilizações antigas, como os do Egito, China e América do Sul registrou eventos muito semelhantes

Império Babilônico (605-539 aC)

O Império Babilônico foi o estado mais poderoso do mundo antigo, após a queda da Assíria império (612 aC).

Sua capital Babilônia foi belamente adornada pelo rei Nabucodonosor, que ergueu vários prédios famosos.

Mesmo depois de o Império Babilônico foi derrubado pelo rei persa Ciro, o Grande (539), a própria cidade permaneceu um importante centro cultural.

Período Babilônico Antigo

A cidade de Babilônia faz sua primeira aparição em nossas fontes, após a queda do Império da Terceira Dinastia de Ur, que governou as cidades-estados da planície aluvial, entre os rios Eufrates e Tigre durante mais de um século (2112-2004? ).

Uma crise agrícola significou o fim desse estado centralizado, e várias tribos mais ou menos nômades se estabeleceram no sul da Mesopotâmia. Uma delas era a nação dos amorreus ("ocidentais"), que assumiu Isin, Larsa e Babilônia. Seus reis são conhecidos como a Primeira Dinastia da Babilônia (1894-1595?).

A área foi reunido por Hamurabi, rei da Babilônia, de ascendência amorreus (1792-1750?). Do seu reinado em diante, a planície aluvial do sul do Iraque, foi chamado, com um arcaísmo deliberado, Mât Akkadî, "o país de Akkad", depois que a cidade que havia unido os séculos região antes. Nós chamamos isso de Babilônia . É uma das partes mais férteis e ricas do mundo antigo.

Primeiro, Babilônia e seu aliado Larsa travaram uma guerra defensiva contra Elam, o arquiinimigo de Akkad. Após esta guerra tinha sido levado a bom termo, Hamurábi voltou contra Larsa, e derrotou o seu rei Rim-Sin. Este cenário se repetiu. Juntamente com rei Zimrilim de Mari, Hammurabi travou uma guerra contra Assur, e após o sucesso foi alcançado, os babilônios atacaram seu aliado. Mari foi demitido. Outras guerras foram travadas contra Jamšad (Aleppo), Elam, E šnunna, e as tribos das montanhas do Zagros.

Babilônia agora era a capital de toda a região entre Harran no noroeste e no Golfo Pérsico, no sudeste.

Os sucessos de Hammurabi tornaram-se os problemas de seus sucessores. Após a anexação de Mari no noroeste e E šnunna no leste, não havia nenhuma reserva contra o crescente poder do império hitita (na Anatólia) e os Kassite tribos no Zagros. Era impossível para os sucessores de Hammurabi para lutar contra todos esses inimigos ao mesmo tempo, e eles começaram a perder aderência. No extremo sul, encontramos governantes independentes (a dinastia Sea Land). Os inimigos, por vezes, invadiu a Babilônia, e em 1595 (?), O rei hitita Mursilis eu avançaram ao longo do Eufrates, saqueou Babilônia, e ainda tirou a estátua do deus supremo da Babilônia, Marduk, de seu templo, o Esagila .

Período Kassite

Após este ataque espetacular, as tribos Kassite tomaram a cidade, mas logo tornaram-se babilônicos. O primeiro rei da dinastia Kassite, Agum-Kakrîme, é relatada a ter derrotado os hititas e recebeu de volta a estátua de Marduk. Mesmo que este é apenas propaganda, isso prova que o Kassites entendido os babilônios. No entanto, um declínio começou que durou por quase um milênio. Isso não quer dizer que não havia estado central, ou que os reis Kassite não desempenhou nenhum papel na política internacional, mas é claro que a Babilônia foi eclipsada por outras nações.

O primeiro a fazer isso foi o reino de Mitani , que dominou a parte norte da Mesopotâmia, e começou a ter problemas quando os hititas e assírios forças unidas contra os Mitannians. Após o declínio de Mitani, o Império do Meio-assírio se tornou poderoso, e, no século XIII, os governantes da Babilônia tinha de respeitar as reivindicações dos reis assírios como Salmaneser e Tikulti-Ninurta. O último capturado Babilônia e levou a imagem de Marduk, mas a ocupação da Babilônia e do exílio do deus não durou muito tempo. Outro poder local foi Elam. No século XII, os seus exércitos saquearam Babilônia. Agora era a vez de capturar a estátua. (E muitas de outras coisas: a famosa estela com as leis do rei Hamurabi foi escavado na elamitas de capital Susa .)

Período Babilônico Médio

Os reis Kassite foram substituídos como governantes do sul da Mesopotâmia pela Segunda Dinastia de Isin. Sob Nabucodonosor I (1126-1104), os babilônios avançaram para Elão, e recebeu de volta a estátua de Marduk. No entanto, este renascimento foi breve. No século XI, arameus infiltrada Babilônia, eo governo central desapareceu há algum tempo. As cidades eram independentes novamente. Há poucas fontes, o que sugere que o país não foi capaz de pagar por escribas.

Isso não é diferente da situação na Assíria, que sofria de declínio após o reinado das partes mais ocidentais do mundo antigo Tiglate-Pileser I (1114-1076), ou, quando os séculos entre 1100 e 800 são muitas vezes chamado de "o escuro as idades ".

O que é certo, porém, é que ao sudoeste da Babilônia, um novo grupo de assentados, os caldeus, que estavam relacionadas com os sírios. As relações entre os babilônios, que já tinha assimilado os amorreus e Kassites, e os novos invasores eram em primeiro hostil, mas os caldeus cada vez mais babilônicos.

Período Assírio

Os assírios foram os primeiros a se recuperar da recessão. U nder rei Assurnasirpal II (883-859), seu império começou a crescer de novo, e essa expansão continuou durante os reinados de seus sucessores. U m dos grandes desafios foi a integração da Babilônia, que era gêmeo-cultura da Assíria e também muito estimado a ser reduzida à condição de província.

Tiglate-Pileser III (744-727) buscou uma solução em uma "dupla monarquia": ele uniu os dois países em uma união pessoal.

Em breve, novas medidas tiveram que ser tomadas. Por duas vezes, os babilônios reivindicou sua independência sob o rei Marduk-apla-iddin (721-710 e 703, o bíblico Merodach Baladan).

A segunda revolta foi punido severamente pelo líder assírio Senaqueribe, que saquearam a cidade e seus habitantes deportados para Nínive.

Esta nova política foi logo me arrependi. O sucessor de Senaqueribe Asaradão permitiu que as pessoas voltem. No entanto, a relação entre a Assíria e os babilônios continuava tenso.

Assurbanipal (668-631) pensava que ele resolveu o problema fazendo o irmão vice-rei Samas-Suma-ukin da parte sul da Mesopotâmia, mas esta acabou por ser uma idéia errada também: enquanto o rei da Assíria, se envolveu em outras guerras, o rei da Babilônia revoltou, e levou Assurbanipal vários anos antes ele havia restaurado a ordem (648; ABC 15 ). Assumiu-se que o homem que é chamado o sucessor de Samas-Suma-ukin, Kandalanu, é na verdade o mesmo que o rei assírio, embora seja certo que o vice-rei ainda estava vivo em 627, ao passo que nenhum documento de Assurbanipal são conhecido após 631.

Período Neo-Babilônico

No entanto, este pode ser, após a morte de Assurbanipal, houve problemas graves na Assíria.

Em 627, o rei da Assíria enviou dois de seus parentes, Sin-šumlišir e Sin-Sar-iškun, como governadores da Babilônia. Eles foram expulsos por um soldado chamado babilônico Nabopolassar , que já lutou no exército assírio, mas agora começou um reino para si mesmo.

De acordo com a crônica babilônica conhecida como ABC 2 , ele foi reconhecido como rei em 23 de Novembro 626 Este é o início do Império Neo-Babilônico.

Nabopolassar continuou a luta contra a Assíria, que ele wante para derrubar. Se ele conseguiu, o equilíbrio de poder no Oriente Médio seriam gravemente lesados; conseqüentemente, os egípcios apoiaram os assírios contra os agressores.

A queda de Nínive Chronicle descreve os acontecimentos destes anos. Em 616, Nabopolassar derrotou uma força assíria, às margens do Eufrates, ao sul de Harran. Isto sugere que Nabopolassar queria bloquear a estrada principal entre o centro Assírio e suas possessões no oeste. No entanto, ele foi forçado a recuar quando um exército egípcio se aproximou.

No próximo ano, o babilônico mudou sua estratégia e invadiu o coração da Assíria, onde ele sitiou Assur, a capital religiosa da Assíria. Os assírios foram capazes de repelir o inimigo, mas no final de 615, dos medos, uma federação tribal vivendo no Irã moderno, interveio. Após o inverno, eles capturaram a cidade e, apesar de Nabopolassar chegou tarde demais para ajudá-los, ele assinou um tratado com o rei Cyaxares.

O historiador babilônico Beroso diz que a aliança foi cimentada por um casamento real: o príncipe herdeiro babilônico Nabucodonosor se casou com uma princesa chamada Amytis.

Depois de um ano de campanha inconclusivos, os medos unida e babilônios sitiaram a capital assíria de Nínive maio 612. O cerco durou três meses; em julho, a cidade caiu. Rei Sin-Sar-iškun, que tinha sido encarregado de Babilônia, parece ter cometido suicídio.

Várias campanhas ocorreram no bairro de Harran, a partir do qual o último rei assírio, Assur-uballit, foi expulso. No entanto, ele voltou com o exército do faraó do Egito, Neco II (610-595). (Josias de Judá, que havia tentado conquistar o antigo reino de Israel , que se tornou parte do Império Assírio, tentou resistir os egípcios, mas foi morto em Megido.) Neco foi derrotado também, em 605, pelo príncipe herdeiro Nabucodonosor, perto de Carquemis, às margens do Eufrates.

A história é contada no Nabucodonosor Chronicle.

No mesmo ano, Nabopolassar, o fundador do império babilônico, morreu. Seu filho continuou a expansão para o oeste, onde assumiu as antigas possessões assírios.

Não está inteiramente claro onde e quando a fronteira entre o Egito ea Babilônia foi elaborado: 2 Reis 24.7 implica que o Egito se retirou para o deserto do Sinai e deixou a Palestina costa nas mãos da Babilônia, mas o pesquisador grego Heródoto de Halicarnasso ( Histórias 2.159) sugere que Gaza permaneceu uma fortaleza egípcia.

Durante esta fase da guerra ocidental, Jerusalém foi capturada (597), e quando o seu rei vassalo se revoltaram, a cidade foi capturada pela segunda vez (587).

Sua população foi deportada para Babilônia: o início do cativeiro babilônico dos judeus. Agora, o oeste era seguro; apenas Tiro resistiu, e embora o cerco durou muitos anos, caiu em 585.

É possível que o "Labynetos" mencionado por Heródoto como o homem que, juntamente com a Cilician líder Syennesis , preparou um tratado de paz entre o Lídio rei Alyattes ea Mediana rei Cyaxares em 585, é idêntico ao Nabucodonosor. Isso está longe de ser certo, mas é bem provável que os babilônios, que agora tinha conquistado o oeste, estavam interessados na Anatólia, onde o ferro era para ser obtida. Ao mesmo tempo, Nabucodonosor parece ter tido relações mais ou menos amigáveis com as tribos das montanhas do leste.

O que tinha acontecido, de fato, foi que a grande monarquia do antigo Oriente Próximo tinha recebido uma nova elite: os assírios tinham sido substituídos pelos babilônios, mas o próprio império permaneceu mais ou menos o mesmo. Da mesma forma, quanto mais tarde Aquemênida e selêucidas impérios não eram realmente diferentes dos impérios anteriores.

A história antiga do Oriente Próximo é de mudança e continuidade.

Fonte: www.livius.org

Império Babilônico

Por volta de 2000 a.C., amoritas do deserto invadem as cidades-estados sumerianas e acadianas e fundam a cidade da Babilônia.

Sob o reinado de Hamurabi (? -1750 a.C.), entre 1792 a.C. e 1750 a.C., a Mesopotâmia é mais uma vez unificada e inicia-se o I Império Babilônico, que vai da Suméria até o Golfo Pérsico.

Em 1513 a.C., os hititas destroem a capital e põem fim ao Império. De 614 a.C. a 539 a.C., sob a liderança do rei Nabucodonosor II (630 a.C.-561 a.C.), floresce o II Império Babilônico.

No final desse período, a Babilônia é incorporada ao Império Persa pelo rei Ciro II (590/580 a.C.-529 a.C.).

Os babilônios organizam um Estado centralizado e despótico. Seguem o Código de Hamurabi, o mais antigo código penal da história.

O progresso econômico leva ao embelezamento das cidades, com a construção de palácios, templos, da Torre de Babel e dos Jardins Suspensos da Babilônia - considerados uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

Transcrevem obras literárias mesopotâmicas para o acadiano e instituem impostos em benefício de construções públicas. Criam a astrologia e a astronomia e aperfeiçoam a matemática com a invenção do círculo de 360 graus e a hora de 60 minutos. São politeístas e divinizam o rei.

Realizam obras de drenagem e constroem espécies de ilhas artificiais (chinampas) para ampliar as áreas de cultivo (milho, feijão, tomate, pimenta e batata-doce).

Mantêm intenso comércio, utilizando sementes de cacau como moeda. No artesanato destacam-se tecidos, cerâmica, objetos de ouro, prata e cobre.

Entre os vários deuses cultuados estão o da guerra, do Sol, da chuva e a Serpente Emplumada. Usam a escrita pictórica e a hieroglífica. Adotam e modificam o calendário maia e criam a matemática.

O IMPÉRIO BABILÔNICO

Antigo império se localizava entre os rios Tigre e Eufrates no sul da Mesopotâmia. A Babilônia desenvolveu as ciências e um panteão mitológico com base no panteão sumério-acadiano. Com quase 12 mil quilômetros quadrados, fazia fronteira ao norte com a Assíria e a leste com Elam, ao sul e a oeste com o deserto da Arábia e ao sudeste com o Golfo Pérsico.

O rei mais importante da Babilônia foi Hamurabi. Esse monarca conquistou todas as cidades e tribos ao redor e dirigiu sabiamente o seu reino. Essas cidades passaram a ser governadas por homens de confiança de Hamurabi. Todas pagavam impostos para a Babilônia, que se tornou a cidade mais importante da Mesopotâmia. Uma das coisas mais notáveis da civilização babilônica foi a criação do Código de Hamurabi. O Código era uma lista de leis que determinavam como deveriam viver os habitantes do reino.

Depois da morte de Hamurabi, a Babilônia foi conquistada sucessivamente por muitas tribos; Em 626 a.C., Nabopolassar foi intronizado na Babilônia quando os babilônios declararam independência do Império Assírio. Aliou-se aos medos no leste e começaram a testar a força dos assírios. Em 612 a capital Nínive caiu e, com o colapso do governo após a queda de Carquêmis em 605, os assírios antigamente poderosos só ficaram na lembrança do povo do Oriente Médio ao qual aterrorizaram durante quase 150 anos.

Com a morte de Nabopolassar, o trono foi ocupado com habilidade por seu filho, o general Nabucodonosor, em 605. Na época ele assumiu o controle de todos os territórios perdidos pela assíria, incluindo Judá. O reinado longo e próspero de Nabucodonosor chegou ao fim em 562, e pouco depois os persas começaram a construir seu império sob a liderança de Ciro, o Grande. Nas duas décadas seguintes, os sucessores de Nabucodonosor foram tão incompetentes que em 539, Ciro foi bem recebido na capital, após derrotar sem luta o incompetente co-regente Belsazar. Foi saudado como salvador da pátria em vez de conquistador.

Um ano após assumir o controle do Império Babilônico, Ciro instaurou sua política de governo benevolente ao permitir que muitos povos deportados retornassem a seus lugares de origem e reconstruissem suas casas, seus templos e santuários de adoração. Para o povo judeu que nesse período se encontrava exilado na Babilônia, este fato foi o cumprimento das profécias.

O Primeiro Império Babilônico

Império Babilônico
Pintura da Torre de Babel

Após a queda da última dinastia sumeriana, diversos grupos semitas se instalaram na Baixa Mesopotâmia, vindos da região ocidental do Vale.

O novo soberano Ishbierra tentou transformar a nova capital Isin em um centro de unidade “nacional”, porém a população semita ainda conservava uma profunda consciência tribal e permanecia fiel aos príncipes locais. Surgiram assim, uma série de reinos pequenos e rivais entre si, lutando pela hegemonia política da região.

As principais cidades que disputavam o predomínio político na Mesopotâmia eram Isin e Larsa. Somente em 1822 a.C., com a subida do rei Rimsin ao trono de Larsa, essa cidade conquistou a liderança do sul mesopotâmico. Ao norte, o rei amorita Shamshi-Adad I tornava-se, em 1815 a.C., rei da Assíria, formando na região um novo centro de poder político. Nesse período, com a proeminência de algumas outras cidades na Mesopotâmia, aconteceu um equilíbrio das forças políticas que durou até o aparecimento do rei Hammurabi.

No início do segundo milênio antes de Cristo, um grupo amorita se estabeleceu em Babila, às margens do rio Eufrates. O governante desse novo grupo, Sumuabum (1894-1881 a.C.), não aceitando a hegemonia imposta pelas cidades de Isin e Larsa, iniciou um processo de expansão territorial e fortificação de sua capital Babel. Seu sucessor, Sumula’el (1880-1845 A.C.), consolida definitivamente a independência de sua cidade, através de decisivas vitórias sobre as cidades vizinhas e da construção de uma muralha em torno de Babel. Seu filho Sabium (1884-1831 a.C.) foi provavelmente o construtor da Esangila, o célebre zigurate dedicado a Marduk, deus protetor de Babel. Nesse período da história mesopotâmica, podemos reconhecer os aspectos mítico-históricos que envolvem o poema de criação, uma vez que nele encontramos a descrição da construção do templo em homenagem a Marduk.

Portanto, o período a ser estudado, para contemplar o embasamento histórico do mito cosmogônico na Babilônia, está diretamente relacionado à ascensão do primeiro Império Babilônico.

Império Babilônico
Representação da Babilônia

Desses primeiros reinados babilônicos até a entrada de Hammurabi no cenário político, muitos outros monarcas contribuíram para a fortificação do império, mas foi somente quando Hammurabi subiu ao trono que, através de uma série de alianças e extrema habilidade política do rei, a Babilônia atingiu seu apogeu, principalmente em termos de unidade política e centralização do poder. Hammurabi foi, sem dúvida, um grande conquistador, um estrategista e um exímio administrador. Seu governo trabalhou em torno da regulagem do curso do Eufrates e a construção e conservação de canais para irrigação, incrementando bastante a produção agrícola e o comércio.

Em sua política externa, Hammurabi preocupou-se em reconstruir as cidades conquistadas, reedificando e ornamentando os templos dos deuses locais, na tentativa de captar a confiança dos povos vencidos. Esse monarca morreu em 1750 a.C., deixando para seus sucessores o pesado fardo de manter a dinastia por mais cento e cinqüenta anos, mesmo com as dificuldades de um reinado conflitante. Em 1594 a.C., o rei hitita Mursilis I invadiu a Mesopotâmia, acabando assim com a primeira dinastia babilônica. Os hititas não permaneceram em Babel e o espaço político deixado vazio com a queda da dinastia de Hammurabi foi preenchido pelos cassitas, que iniciaram uma nova etapa da história mesopotâmica.

Segundo Império Babilônico (612 - 539 a.c.)

Após a derrota assíria, a Babilônia voltou a ser a cidade mais importante da Mesopotâmia. O império seria novamente reconstruído e viveria um novo apogeu sob o governo de Nabucodonosor II ( século 6 a.c.). durante seu reinado (604 - 562 a.c.), Nabucodonosor II empreendeu várias campanha militares que lhe renderam muita riqueza. Uma subelevação do Reino de Judá obrigou-o a manter uma guerra que durou de 598 a 587 a.c., ano em que destruiu Jerusalém e deportou milhares de judeus (o ''cativeiro da Babilônia'', mencionado no Antigo Testamento). As riquezas provenientes da expansão territorial permitiram a realização de obras grandiosas como templos, jardins suspensos e grandes palácios. Com a morte do imperador, as lutas internas enfraqueceram a região, que acabou sendo ocupada pelos persas em 539 a.c.

Fonte: www.geocities.com

Império Babilônico

O Império da Babilônia

Babilônia foi a capital da antiga Suméria e Acádia, no sul da Mesopotâmia (hoje no moderno Iraque, localiza-se a aproximadamente 80 km ao sul de Bagdá). O nome (Babil ou Babilu em babilônico) significa "Porta de Deus", mas os judeus afirmam que vem do Hebraico Antigo Babel, que significa "confusão". Essa palavra semítica é uma tradução do sumério Kadmirra.

O Império da Babilônia, que teve um papel significativo na história da Mesopotâmia, foi provavelmente fundado em 1950a.C. O povo babilônico era muito avançado para a sua época, demonstrando grandes conhecimentos em arquitetura, agricultura, astronomia e direito. Iniciou sua era de império sob o amorita Hamurabi, por volta de 1730 a.C., e manteve-se assim por pouco mais de mil anos. Hamurabi foi o primeiro rei conhecido a codificar leis, utilizando no caso, a escrita cuneiforme, escrevendo suas leis em tábuas de barro cozido, o que preservou muitos destes textos até ao presente. Daí, descobriu-se que a cultura babilônica influenciou em muitos aspectos a cultura moderna, como a divisão do dia em 24 horas, da hora em 60 minutos e daí por diante.

De entre os seus soberanos, o mais famoso foi Hamurabi (1792 a 1750 a.C.). O mais antigo e completo código de leis que a história registra foi de realização sua.

Hamurabi também nomeou governadores, unificou a língua, a religião e fundiu todos os mitos populares em um único livro: a Epopéia de Marduk - que era lido em todas as festas de seu reino. Também cercou sua capital, fortificando-a.

Ele criou o Código de Hamurabi, cujo em resumo as leis seguem um mesmo príncipio: Dente por dente, olho por olho.

Veja algumas leis:

218 - Se um médico fizer uma larga incisão com uma faca de operações e matar o paciente, suas mãos deverão ser cortadas;
219 - Se um médico fizer uma larga incisão no escrava de um homem livre, e matá-lo, ele deverá substituir o escravo por outro;
221- Se um médico fizer curar um osso quebrado melável do corpo humano, o paciente deverá pagar ao médico cinco shekels;
229 - Se um construtor construir uma casa para outrem, e não fizer a casa bem feita, e se a casa cair e matar seu dono, então o construtor sera condenado à morte;
230 - Se morrer o filho do dono da casa, o filho do construtor deverá ser condenado a morte.

A expansão do Império se iniciou por volta de 1800 a.C., logo, o rei Hamurabi unificou toda a região que ia da Assíria (no norte), à Caldéia (no sul). A partir dessa unificação, surgiu o Primeiro Império Babilônico.

A Babilônia teve início com o declínio do império de Sargão I. Era a capital dos amoritas (semitas, vindos do deserto da Arábia), que até então, era uma pequena cidade do Eufrates. Graças ao enfraquecimento dos Acadianos e posteriormente dos Sumérios, a Babilônia cresceu e evoluiu, tornando-se então, um império e um cobiçado centro comercial.

O poder cai nas mãos dos cruéis assírios, que formavam um poderoso império que se iniciou em 1200 a.C., até 612 a.C. quando Nabopolasar (da Babilônia), aliado aos Medos (povo que vivia no planalto iraniano), atacou Nínive, capital do Império Assírio, retomando o poder para a Babilônia, e se iniciando assim o Segundo Império Babilônico (ou Caldeu), que se tornou a mais notável cidade do Oriente.

Os arameus, assírios e os caldeus lutaram durante séculos pelo controle da Babilônia. O Rei assírio Assurbanípal venceu a luta em 648 a.C., e foi sucedido por Nabucodonosor II.

Fonte: www.meionorte.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal