Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Civilização Chinesa  Voltar

Civilização Chinesa

Desde a Pré-História, muitos povos ocupam a China. O primeiro reino dinástico surge por volta de 2000 a.C.

Durante quase 2 mil anos, sucedem-se disputas internas pelo poder. A primeira unificação ocorre em 221 a.C., com a dinastia Chin, substituída pela dinastia Han em 206 a.C.

Civilização Chinesa, Antiga, Importância, Antiga, História

Expandem-se pela Ásia Central e Sudeste Asiático e, no século I, ampliam o domínio até o Golfo Pérsico.

Desenvolvem a agricultura, a metalurgia de cobre e bronze e, a partir de 700 a.C., o comércio e a fabricação de seda, tecidos e artesanato de cerâmica.

Entre os séculos I a.C. e III, introduzem novas técnicas agrícolas, como a rotação de culturas e a adubação. Inventam o papel, a bússola e sistemas monetário e de pesos e medidas.

A sociedade evolui da forma comunal de propriedade para a posse territorial pela nobreza.

Os camponeses tornam-se servos, pagando obrigações aos senhores territoriais.

Civilização Chinesa, Antiga, Importância, Antiga, História

As dinastias são monárquicas.

As funções administrativas e sacerdotais cabem ao imperador. Possuem uma escrita com ideogramas e literatura rica, na qual se destacam Kung Fu-tseo (Confúcio), Lao-tsé e Mo-ti.

São politeístas, cultuam a natureza e os antepassados. No século VI a.C., os ensinamentos de Lao-tsé transformam-se em religião, o taoísmo. O budismo é difundido a partir do século I a.C.

Civilização Chinesa, Antiga, Importância, Antiga, História

Fonte: EncBrasil

Civilização Chinesa

CIVILIZAÇÕES DA ÁSIA ORIENTAL

1. A Antiga civilização chinesa

Desenvolve-se em torno dos rios Hong-Ho (Rio Amarelo) e Iang-Tse-Iang (Rio Azul)

Produção de sedas e cerâmicas, Grande Muralha, Alto grau de civilização e cultura (Celeste Império)

Aristocracia feudal de sacerdotes, funcionários e guerreiros

Filósofo mais famoso: Confúcio, que pregava a veneração aos antepassados e o respeito às antigas tradições. Organização social deveria basear-se na disciplina familiar. Direito de rebelião era de origem divina.

2. China na Idade Média

21 Estados independentes travavam guerras entre si num regime feudal

Fim do século VI: Gao Tsu, chefe militar, unifica o país, então denominado Tang e se proclama imperador

Império Tang tinha prestígio e refinamentos, tendo recebido visitas de embaixadores árabes e persas

Imperadores eram considerados enviados dos deuses e usavam o título de “filho do céu”

Economia dominada por funcionários instruídos e mercadores ricos

Insurreições de camponeses e movimentos de independência liderados pelos governadores das províncias provocam a desintegração do Império

Século X: nova unificação, iniciando-se dinastia Sung.

3. Mongóis

Cavaleiros nômades da ásia Central. Vivem em tendas e ocupam-se do pastoreio e da guerra.

1200: início da formação do Império Mongólico. China é invadida por Gêngis-Cã, que toma Pequim, além do Turquestão, Pérsia, norte da Índia e Cáucaso.

Mongóis devastam as terras chinesas, mas depois desenvolveram o comércio e as atividades artesanais

Cublai-Cã (1259-1294) tenta entendimento entre seu império e a cristandade oriental. Já havia contato com Ocidente pelas viagens de Marco Pólo e conquista de terras da Europa Oriental.

Dominam o sul da Prússia e ameaçam o Sacro Império Germânico. Após Cublai-Cã Império Mongólico declina.

4. Dinastia Ming

1348: no sul da China inicia-se revolução contra os mongóis

Destaca-se o líder camponês Tchu-Ieng-Tchan, que ocupa a cidade de Nanquim e declara-se Imperador da China Meridional (Império Ming). Posteriormente chega a Pequim e conquista todo o país.

A Dinastia Ming (1368-1664) deu grande prestígio cultural e político para a China, com imperadores cultos, mantendo-se até que os manchus ocupam o país.

Ocupação manchu tem ajuda da nobreza feudal chinesa, alarmada por uma grande revolução popular que ocupa Pequim e leva à fuga do último imperador Ming.

Manchus mantêm-se no poder até 1912, com a proclamação da República.

5. Japão

Viviam de caça, pesca e agricultura rudimentar.

Domínios feudais tinham influência dos samurais, casta militar semelhante à cavalaria medieval européia

Budismo é trazido pela imperatriz Suiko, possibilitando unidade de crença e até mesmo política.

Shotoku Taishi (593-621), sobrinho de Suiko, governa como regente e estabelece a superioridade do budismo sobre o culto “xinto”, que cultuava os antepassados. Nessa época, tradições japonesas são influenciadas pela cultura chinesa.

A partir de 886, governo era efetivamente exercido pelo kwanbaku, sendo o imperador (tenshi ou teno) apenas figurativo. Assim, surgem lutas entre os nobres na disputa pelo cargo, havendo tentativas de independência.

Em 1185 o poder central é restabelecido pela família Minamoto com uma nova forma de governo, o xogunato. “Mantém-se” a autoridade do imperador, sendo subordinado a um xógum, chefe militar todo-poderoso, que através de governadores militares nas províncias domina o país.

Regime feudal não desaparece, mas condições de vida dos camponeses melhora e comércio desenvolve-se.

Ao fim da Idade Média, xogunato era o regime em vigor no Japão.

Fonte: www.geocities.com.br

voltar 1234avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal