Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Taoísmo  Voltar

Taoísmo

Originalmente, o taoísmo é uma escola de sabedoria chinesa centrada no antigo conceito de "caminho", ou Tao. Enquanto filosofia (Tao chia), sua origem é atribuída aos ensinamentos do sábio Erh Li, conhecido como Lao Tsé (velho mestre), que teria vivido no século VI a.C. A ele é atribuído o Tao te ching, livro fundamental do taoísmo. O taoísmo religioso (Tao chiao) surge durante a dinastia Han, no século II d.C.

TAOÍSMO FILOSÓFICO

Os pontos essenciais da doutrina são: o Tao é a única fonte do universo e determina todas as coisas; tudo no mundo é composto pelos elementos opostos yin e yang. Esses elementos transformam-se uns nos outros e estão em eterno movimento, equilibrado pelo invisível e onipresente Tao; a melhor maneira de agir é seguir as leis da natureza, em cuja aparente mutação se oculta a unidade do Tao. Embora formulado há mais de 2.500 anos, o taoísmo filosófico continua influenciando a vida cultural e política da China até hoje. Suas manifestações mais populares são o chi-kung, uma tradicional arte chinesa de autoterapia, e as artes marciais wo-shu ou kung-fu.

TAOÍSMO RELIGIOSO

Sistema politeísta de crenças que assimila os antigos elementos da religião popular chinesa: culto aos ancestrais, rituais de exorcismo, alquimia e magia. Diferente de outras religiões, não professa a vida após a morte, mas busca a longevidade e a imortalidade física pela perfeita submissão à ordem natural universal.

Perseguido na República Popular da China a partir de 1949, é muito popular na Tailândia e em Hong Kong. Atualmente existem cerca de 3 mil monges taoístas e 20 milhões de adeptos em todo o mundo.

Fonte: www.geocities.com

Taoísmo

Taoísmo
Lao Tzu

O taoísmo é uma das três religiões da China, praticado por 20 milhões de seguidores.

Taoísmo baseia-se nos ensinamentos de Lao Tzu ou Laozi, que viveu cerca de 2500 anos atrás.

Taoísmo é muitas vezes apresentada em dois ramos paralelos:

Taoísmo filosófico (tao-chia), com base no princípio da razão suprema, de acordo com os textos de Lao Tzu e Zhuangzi,

Taoísmo religioso (Tao-Chiao), incidindo sobre a forma de alcançar a imortalidade.

Origens

Taoísmo
Ideograma chinês Tao

Taoísmo tem suas raízes no Tao Te Ching (Tao = Canal; Virtude e Te = rei = livro sagrado) ou Livro do Caminho e da Virtude, atribuído a Lao Tzu.

É também chamado de Daodejing ou Tao-Te Ching.

Além dos conceitos de Caminho e da Virtude, a falta de ação ou "Wu-wei", e as coisas de retorno à origem ou "Fu" são as duas principais ideias. Depois de Lao Tzu, alguns sábios foram retomadas e concluídas seus ensinamentos.

O século 4 aC. JC, Yang Chu, defensor de wu-wei ou não-ação, e Lie Yu-keou, autor de "vácuo verdadeiro clássico perfeito" e especialmente no século 3 º aC.

JC, Zhuang Zi, também conhecido como Chuang Tzu (369-286 aC), que deixou uma marca indelével no Taoísmo.

O filósofo alemão Martin Heidegger ler o Tao Te Ching e influência taoísta aparece em sua filosofia.

O Tao

O Tao é a essência de todas as coisas, a fonte de toda a existência, mas o mais importante, é a fonte de intervir, mesmo antes do ato criativo. Seu modo de expressão é para ser.

O Tao se manifesta na natureza. Para harmonizar com o Tao, temos de harmonizar com a natureza.

O Tao
cobre o céu, a terra suporta,
estende em quatro quadrantes, amplia os oito pólos;
uma altura inacessível, profundidade insondável,
que abraça céu e terra e sentir o alívio na forma ...

Wu-wei

O conceito taoísta wu-wei, ou "não-ação" significa não se envolver além da ação espontânea, sem cálculo deve orientar a ação, apenas o suficiente para viver em paz e harmonia deve ser a discussão. É inútil correr em todas as direções para cumprir seu destino. Não é imprudência ou laissez-faire, mas para ouvir os ritmos do universo, que então exige um compromisso permanente.

Um conceito complementar é a de "não-ser". Ele é o resultado do conhecimento intuitivo e tranquilidade.

Fu

O homing (fu) ou Lei do Retorno, é voltar para a fonte de todas as coisas.

Lao Tzu diz:

Muitas coisas no mundo
cada um vai voltar às suas raízes.
Para retornar à raiz é ser sereno;
Tenha calma é encontrar o destino.
Encontre o destino, é constante.
Conhecendo a constante é a iluminação.

O yin eo yang

Taoísmo
Símbolo do yin e yang

O Tao cria o mundo dos opostos incorporados na interação mútua: o yin eo yang.

Yin e yang são os dois pólos do mundo fenomenal. Yin e yang são mutuamente atraídos, mas também repelem. Todos os fenômenos são impermanentes, as suas proporções yin e yang constantemente variável. Nada é totalmente yin, nada é totalmente yang.

Todos os corpos físicos são yin yang no centro e na periferia.

Yin tem características maciez, a passividade, a feminilidade, a escuridão, o vale, o negativo, o não-ser.

As características de dureza yang, luz masculinidade, montanha, atividade, sendo o pólo positivo.

Toda a energia se manifesta nesta dualidade.

O Ch'i ou simplesmente chi

O princípio de que todos os elementos do universo derivam sua forma é a "li".

Chi emanando a partir desta fonte. Palavra Chi tem um duplo significado:

Respiração cósmica universal,

Energia vital do indivíduo, no centro do corpo (por hara japonesa, 4 cm abaixo do umbigo).

Chi é uma combinação do que vem do céu, água e comida.

Seres são feitos de chi e "ching". Ching está associado com o "chen", que é a luz espiritual dela.

Práticas do taoísmo

Acupuntura:

Originalmente, a acupuntura era um curandeiro própria arte taoísmo. A noção de "meridiano" é crucial para esta técnica.

Existem dois tipos de meridianos:

Meridianos yang do céu,

Meridianos yin que vêm da terra.

Rotas de energia são: mãos, pés e meridianos. O ideograma chinês para a acupuntura expressa "agulha" e "queimar". A acupuntura utiliza agulhas e às vezes as "agulhas quentes".

Shiatsu e fazer em:

Os japoneses desenvolveram uma técnica de massagem ", shiatsu" (shi = pressão, atsu = dedo) ou acupressão (acupuntura sem agulhas por pressão dos dedos). Uma outra técnica semelhante, o " em fazer "Após o Tao-in, tem a vantagem de não necessitar de conhecimentos de energia e sem risco.

Chi Kung:

O "Chi Kung" ou "Qi Cong," é a arte de circular a energia interna, chi.

Tai Chi Chuan:

Tai Chi Chuan é uma arte marcial expressar Taoísmo em movimento: é devido a um monge taoísta do século 14, Chang San-feng. Sabedoria do Tao é comunicada por movimentos fluidos das mãos e dos pés, com graça e equilíbrio.

O yin eo yang estão sempre presentes: a esquerda seguindo pela direita, um movimento descendente seguido por um movimento ascendente.

Artes marciais:

Chi é a força usada em artes marciais, para quebrar um tijolo, por exemplo.

Judo: disciplina (japonês ju = flexível, não-resistência, corpo e espírito, fazer caminho =) recente cultivada pelos japoneses, é derivado de Jiu-jitsu (arte jitsu =), que data de 660 aC. AD, que usa a força do oponente. Das mesmas fontes, o Aikido (Japonês: ai = unir, harmonizar, ki = energia, fazer = caminho) é o caminho que une a energia em mente. Seu objetivo final levar para derrotar o adversário sem qualquer prejuízo para ambos os lutadores.

Feng shui:

Esta é a arte de qui a circular em casas para viver bem.

Templos taoístas

Existem dois tipos de templos:

Os "Sun Tzu-Miao" pequenos templos privados de mestres taoístas, que existem em toda a China, aberto a todos, sem distinção, o tributo é pago para o céu, a terra eo divindade local, a partilha " incenso "em torno de um" incensário "tipicamente taoísta

Os "Kuan" maiores templos, os sacerdotes é de propriedade coletiva, ou comunidades taoístas.

Não há nenhum recurso de estilo taoísta. Muitos templos foram danificadas durante a revolução cultural, mas a restauração é realizada nos últimos anos.

Taishan Templo, situado no sopé de Taishan (perto de Xangai), uma das cinco montanhas sagradas da China, foi construído a partir de 1009. É também chamado de "Dai Miao", que quer dizer "Relicário do Deus da Montanha".

Meditação taoísta usa relaxamento físico, o pensamento calmo, visualização. Ela pode ser realizada na posição sentada (nei-tan) ou em movimento (wei-tan).

Bibliografia

"Taoísmo", Bernard Baldwin, Editions de Vecchi
"O Livro do Tao Pouco", e Alexander Annellen Simpkins, Editions La Table Ronde
"O livro grande de religiões do mundo", sob a direção de Peter Clarke, edições Solar
"O grande livro da espiritualidade oriental", de Anton Kielce, Patrick e Jean-Michel Varenne Ravignant, publicado MA (1988)
"Sabedoria oriental", Scott Littleton, Duncan Baird edições
"Dicionário da sabedoria oriental", Editions Robert Laffont
"Dicionário das Religiões", de Mircea Eliade e Ioan Couliano, Plon
"História das idéias e crenças religiosas", Mircea Eliade, Edições Payot
"Enciclopédia das Religiões", Frederic Lenoir e Ise Masquelier, Bayard
"A sabedoria da tradicional chinesa" JB Centro Rishi edições Europeu de Yoga

Fonte: revue.shakti.pagesperso-orange.fr

Taoísmo

Introdução

O Taoísmo se baseia no sistema politeísta e filosófico de crenças que assimilam os antigos elementos místicos e enigmáticos da religião popular chinesa, como: culto aos ancestrais, rituais de exorcismo, alquimia e magia.

A origem da filosofia do Taoísmo é atribuída aos ensinamentos do mestre chinês Erh Li ou Lao Tsé (velho mestre), um contemporâneo de Confuncio, nos anos 550 a.C., segundo o Shih-chi (Relatos dos Historiadores). Apesar de não ser uma religião mundialmente popular, seus ensinos têm influenciado muitas seitas modernas.

Fundação do Taoísmo

Como no Budismo, muitos fatos da vida de Lao Tsé são lendas. Uma delas é a questão dele já haver nascido velho. Supostamente, ele nasceu no sul da China em volta do ano 604 a.C. Ele tinha uma importante posição no governo, como superintendente judicial dos arquivos imperiais em Loyang, capital do estado de Ch'u.

Por desaprovar a tirania dos regentes de seu governo, Lao Tsé veio a crer e ensinar que os homens deveriam viver uma vida simples, sem honrarias ou conhecimento. Sendo assim, ele renunciou o seu cargo e foi para casa.

Para evitar a curiosidade de muitos, Lao Tsé comprou um boi e uma carroça, e partiu para a fronteira da província, deixando aquela sociedade corrompida para trás. Ao chegar lá, o policial, um de seus amigos, Yin-hsi, o reconheceu e não o deixou passar. Ele advertiu Lao Tsé que deveria escrever seus ensinamentos, e só assim poderia cruzar a fronteira na região do Tibete.

Tao te Ching — o Livro Sagrado

Segundo a história, Lao Tsé, agora com 80 anos, regressou após três dias com os ensinamentos escritos em um pequeno livro com aproximadamente 5.500 palavras. Ele o denominou de “Tao te Ching”, o “Caminho e seu Poder” ou o “Caminho e Princípios Morais”. Logo após, ele montou em um búfalo e partiu para nunca mais voltar. Lao Tsé foi canonizado pelo imperador Han entre os anos 650 e 684 a.C. Segundo a história, ele morreu no ano 517 a.C.

Uma das facetas do “Tao te Ching” é ensinar ao povo como resistir às terríveis calamidades comuns na China. Ele diz que a pessoa deve sempre permanecer em um nível baixo, sem nenhuma ambição, e sem desejar sobressair sobre qualquer circunstância, a fim de sobreviver.

O Taoísmo religioso (Tao Ciao) surgiu na dinastia do imperador Han, no século II. Tchuang-tseu, um discípulo de Lao Tsé e filósofo chinês, que morreu no princípio do século III, desenvolveu e proliferou os ensinamentos de seu mestre.Tchuang-tseu escreveu uma média de 33 livros sobre a filosofia de Lao-Tsé, que resultou na composição de 1.120 volumes, os quais formam o Cânon Taoísta. Ele acreditava que o “Tao-te-Ching” era a fonte da sabedoria e a solução para todos os problemas da vida.

Para compreender a filosofia do Taoísmo, vejamos o que Tchuang-tseu pronunciou quando sua esposa morreu:

“Como posso me comover com sua morte? Originalmente ela não tinha vida, nem forma, e nem força material. No limbo da existência e não-existência havia transformação, e a força material estava envolvida. A força material se transformou em forma, a forma em vida, e o nascimento em morte. Da mesma maneira que acontece com as estações do ano. Ela agora dorme na grande casa, o universo. Para eu estar chorando e pranteando, será mostrar minha ignorância do destino. Por isso eu me abstenho.”

Os Ensinos de Lao Tsé

O credo do Taoísmo é: “Sujeite-se ao efeito, e não busque descobrir a natureza da causa.”

O Taoísmo é uma religião anti-intelectual, que leva o homem a contemplar e se sujeitar às leis aparentes da natureza, ao invés de tentar compreender a estrutura destes princípios.

A doutrina básica do Taoísmo se resume em uma forma prática, conhecida como as “Três Jóias”: compaixão, moderação e humilhação. A bondade, simplicidade e delicadeza também são virtudes que o Taoísmo busca aparentar às pessoas.

Os ensinos de LaoTsé eram, em parte, uma reação contra o Confucionismo humanístico e ético daquele tempo, o qual ensinava que as pessoas só poderiam viver uma vida exemplar, se estivessem em uma sociedade bem disciplinada, e que se dedicassem aos rituais, deveres e serviços públicos. O Taoísmo, por sua vez, enfatizava que as pessoas deveriam evitar todo tipo de obrigações e convívios sociais, e se dedicassem a uma vida simples, espontânea e meditativa, voltada à natureza. Por isso, o imperador Shi Huang Ti mandou queimar os livros de Confuncio.

Segundo os ensinamentos do Taoísmo, o Tao (caminho) é considerado a única fonte do universo, eterno e determinante de todas as coisas. Os taoístas crêm que quando os eventos e coisas são permitidas existir em harmonia natural com a força macro-cósmica, então existe paz.

Tao — Deus: Apesar do Taoísmo originalmente ignorar um Deus criador, os princípios do Tao eventualmente tem o conceito de Deus.

LaoTsé escreveu: “Antes do céu e da terra existirem, havia algo nebuloso... Eu não sei o seu nome, e eu o chamo de Tao.”

Yin e Yang: Eles consideram também que tudo no mundo é composto pelos elementos opostos Yin e Yang. O lado positivo é o yang, e o negativo, o yin. Esses elementos transformam-se, complementam-se e estão em eterno movimento, equilibrados pelo invisível e onipresente Tao. Yang é a força positiva do bem, da luz e da masculinidade. Yin é a essência negativa do mal, da morte e da feminilidade. Quando esses elementos não estão equilibrados, o rítmo da natureza é interrompido com desajustes, resultando em conflitos. Eles ensinam que da mesma forma que a água se modela dentro de um copo, o homem deve aprender a equilibrar seu Yin e Yang, a fim de viver em harmonia com o Tao. O filme “Guerra nas Estrelas” foi baseado na filosofia taoísta, em que a força universal existe e as pessoas determinam se a usam para o bem, ou para o mal.

Esta filosofia vai contrária a Teologia Bíblica. Deus é onipotente e a fonte de todo o bem. Lúcifer, hoje Satanás, foi criado por Deus, e por isso tem limites quanto à sua autoridade e poder. Como fonte do mal, o Diabo se opõe ao reino de Deus. Ele não é, nunca foi, e nunca será igual ou se harmonizará em sua oposição à Deus.

Embora formulado há mais de 2.500 anos, o Taoísmo influencia a vida cultural e política da China até hoje. Suas manifestações mais populares são o chi-kung, arte de autoterapia; o wu-wei, prática da inação; ioga; acupuntura; e as artes marciais wu-shu ou kung-fu.

Artes Marciais — É ensinado nas artes marciais como: kung-fu, caratê, judô, aikidô, tai-chi-chuan e jujitsu, que o equilíbrio da pessoa com o Tao é estabelecido quando a “Força” ou “Ch'i”, uma energia que sustenta a vida, flui no corpo e se estende a fim de destruir o seu oponente.

Acupuntura — Usando a mesma filosofia, eles vêm a saúde fisiológica como a evidência do equilíbrio do Yin e Yang. Se estes elementos estão desequilibrados, as enfermidades surgem. Eles ensinam que para restaurar a saúde necessita haver uma ruptura no fluxo do Yin e Yang, o qual é feito através de agulhas inseridas no corpo. Uma vez que o equilíbrio dos elementos tenham sido restabelecidos, a força do Tao pode fluir livremente no corpo trazendo a cura.

Ioga — Apesar da ioga não referenciar ao Taoísmo, ela incorpora a mesma filosofia da “Força” como sustentador da vida e da estética. O Taoísmo professa a longevidade e a imortalidade física pela perfeita submissão à ordem natural universal, através da ioga, meditação, prática de exercícios físicos e respiratórios, dietas especiais e mágica.

O Misticismo e o Taoísmo

Culto aos ancestrais: para os chineses, a maioria dos deuses são pessoas que tiveram poder excepcional durante a sua vida. Por exemplo, Guan Di, que é o deus protetor dos negociantes, foi um general dos anos 200 d.C.

Rituais de exorcismo: o Taoísmo possui um sacerdócio hereditário, principalmente em Taiwan. Esses sacerdotes dirigem rituais públicos, durante os quais, eles submetem as orações do povo aos deuses. O sacerdote principal, que no momento da cerimônia se encontra em transe, se dirige a outras divindades, representando outros aspectos do Tao, em favor do povo. O Taoísmo enfatiza que os demônios devem ser aplacados com presentes, a fim de assegurar a passagem do homem na terra.

Alquimia: química da Idade Média e da Renascença, que procurava, sobretudo, descobrir a pedra filosofal e o elixir da longa vida. O imperador Shi Han enviou expedições navais para várias ilhas, a fim de descobrir a erva da imortalidade. O imperador Wu Tsung tomou medicamentos taoístas para eterificar seus ossos. Os chineses buscam o Taoísmo para fins de cura e livramento de espíritos maus.

Magia ou mágica: arte oculta com que se pretende produzir, por meio de certos atos e palavras, e por interferência de espíritos (demônios), efeitos e fenômenos contrários às leis naturais. Os discípulos de Lao Tsé diziam ter poder sobre a natureza e se tornaram advinhos e exorcistas.

O Taoísmo na Atualidade

Na atualidade, o Taoísmo está dividido em dois ramos: o filosófico e o religioso.

O Taoísmo filosófico é ateísta e se diz ser panteísta. Ele trata levar o homem a uma harmonia com a natureza através do livre exercício dos instintos e imaginações.

O Taoísmo religioso é politeísta, idólatra e exotérico, pois consulta os mortos. Ele teve início no segundo século, quando o imperador Han edificou um templo em honra a Lao Tsé, e o próprio imperador ofereceu sacrifícios à ele. Somente a partir do século VII é que o Taoísmo veio ser aceito como religião formal.

O Taoísmo religioso possui escritura sagrada, sacerdócio, templos e discípulos. Também crêem numa nova era que haverá de surgir e derrotará o sistema estabelecido. Com o tempo, o Taoísmo aderiu deuses ao sistema religioso, crença do céu e do inferno, e a deificação de Lao Tsé.

O Taoísmo pratica o que Paulo escreveu aos Romanos: “Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.” A vida de virtudes éticas pode ser atrativa, mas falha quando se trata da natureza pecaminosa do homem. Respeitar as leis ou preservar a natureza é uma mordomia que o homem desenvolve para com a terra, mas nunca deve ser uma forma de devoção religiosa, acima do Deus Criador da natureza.

Antes do Comunismo tomar a China, para cada 11 chineses, um era taoísta. Suas práticas animistas tem diminuido na China, mas continua grandemente nas comunidades chinesas da Ásia. Apesar de não ser uma religião oficial nos Estados Unidos, seus princípios filosóficos são encontrados na maior parte das seitas orientais no Ocidente.

Atualmente, a religião conta com cerca de três mil monges e 20 milhões de adeptos em todo o mundo, sendo muito popular em Hong Kong, com mais de 360 templos.

As Verdades Bíblicas

Deus: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas distintas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, Dt 6.24; Mt 28.19; Mc 12.29.

Jesus: Cremos no nascimento virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal de entre os mortos, e em sua ascensão gloriosa aos céus, Is 7.14; Lc 1.26-31; 24.4-7; At 1.9.

Espírito Santo: Cremos no Espírito Santo como terceira pessoa da Trindade, como Consolador e o que convence o homem do pecado, justiça e do juízo vindouro. Cremos no batismo no Espírito Santo, que nos é ministrado por Jesus, com a evidência de falar em outras línguas, e na atualidade dos nove dons espirituais, Jl 2.28; At 2.4; 1.8; Mt 3.11; I Co 12.1-12.

Homem: Cremos na criação do ser humano, iguais em méritos e opostos em sexo; perfeitos na sua natureza física, psíquica e espiritual; que responde ao mundo em que vive e ao seu criador através dos seus atributos fisiológicos, naturais e morais, inerentes a sua própria pessoa; e que o pecado o destituiu da posição primática diante de Deus, tornando-o depravado moralmente, morto espiritualmente e condenado à perdição eterna, Gn 1.27; 2.20,24; 3.6; Is 59.2; Rm 5.12; Ef 2.1-3.

Bíblia: Cremos na inspiração verbal e divina da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé para a vida e o caráter do cristão, II Tm 3.14-17; II Pe 1.21.

Pecado: Cremos na pecaminosidade do homem, que o destituiu da glória de Deus, e que somente através do arrependimento dos seus pecados e a fé na obra expiatória de Jesus o pode restaurar a Deus, Rm 3.23; At 3.19; Rm 10.9.

Céu e Inferno: Cremos no juízo vindouro, que condenará os infiéis e terminará a dispensação física do ser humano. Cremos no novo céu, na nova terra, na vida eterna de gozo para os fiéis e na condenação eterna para os infiéis, Mt 25.46; II Pe 3.13; Ap 21.22; 19.20; Dn 12.2; Mc 9.43-48.

Salvação: Cremos no perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita, e na eterna justificação da alma, recebida gratutitamente, de Deus, através de Jesus, At 10.43; Rm 10.13; Hb 7.25; 5.9; Jo 3.16.

Profissão de Fé: Para uma mais ampla informação sobre a doutrina bíblica fundamental, acesse aqui a Profissão de Fé da Igreja Pentecostal Betânia e do Sepoangol World Ministries.

Vania da Silva

Fonte: www.sepoangol.org

Taoísmo

Taoísmo
O Yin-Yang, ou Taiji, diagrama frequentemente utilizado para simbolizar o Taoísmo

O Tao

Taoísmo ou Daoísmo (chinês: transcrições py Dàojiào, W-G Tao-chiao) é geralmente descrito como uma filosofia e religião asiática, embora também se diga não ser nenhum dos dois, porém um aspecto da sabedoria chinesa.

Traduzido literalmente, significa "o ensinamento do Tao. No contexto taoísta, 'Tao' pode ser entendido como um caminho no espaço-tempo - a ordem na qual as coisas acontecem.

Como termo descritivo, pode se referir ao mundo real na história - algumas vezes nomeado como o "grande Tao" - ou, antecipadamente, como uma ordem que deve se manifestar - a ordem moral de Confúcio ou Lao Tsé ou Cristo, etc. Um tema no pensamento chinês primitivo é Tian-dao ou caminho da natureza (também traduzido como "céu", e às vezes "Deus").

Corresponde aproximadamente à ordem das coisas de acordo com a lei natural. Tanto o "caminho da natureza" quanto o "grande caminho" inspiram o afastamento estereotípico taoísta das doutrinas morais e normativas.

Assim, pensado como o processo pelo qual cada coisa se torna o que ela é (a "Mãe de todas as doisas") parece difícil imaginar que temos que escolher entre quaisquer valores de seu conteúdo normativo - portanto pode ser visto como um príncípio eficiente de "vazio" que sustenta confiavelmente o funcionamento do universo.

O taoísmo é uma tradição que, com seu tradicional contraste, o confucionismo, modelou a vida chinesa por mais de 2000 anos. O taoísmo enfatiza a espontaneidade ou liberdade da manipulação sócio-cultural pelas instituições, linguagem e práticas culturais.

Como o conceito confucionista de governo consiste em fazer todos seguirem o mesmo tao moral, manifesta anarquismo - defendendo essencialmente a idéia de que não precisamos de nenhuma orientação centralizada. Espécies naturais seguem caminhos apropriados a elas, e os seres humanos são uma espécie natural.

Seguimos todos por processos de aquisição da sociedade diferentes normas e orientações, e no entanto podemos viver em paz se não procuramos unificar todas estas formas naturais de ser.

Assim, o taoísmo representa de muitas maneiras a antítese do conceito confucionista referente a deveres morais, coesão social e responsabilidades governamentais, mesmo que o pensamento de Confúcio inclua os valores taoístas e o inverso, como se pode ler nos Analetos de Confúcio.

Origens

Tradicionalmente, o Taoísmo é atribuído a três fontes principais:

O mais antigo, o mítico "Imperador Amarelo"

O mais famoso, o livro de aforismos místicos, o Dao De Jing (Tao Te Ching), supostamente escrito por Lao Zi (Lao Tse), que, segunda a tradição, foi um contemporâneo mais velho de Confúcio

E o terceiro, os trabalhos do filósofo Zhuang Zi (Chuang Tse).

Outros livros ampliaram o Taoísmo, como o True Classic of Perfect Emptiness, de Lie Zi; e a compilação Huainanzi.

Além destes, o antigo I Ching, O Livro Das Mudanças, é tido como uma fonte extra do taoísmo, assim como práticas de divinação da China antiga.

O Dao

O Dao De Jing (ou Tao Te Ching, como é mais comumente referido em Português) foi escrito em uma época de aparentemente incessantes guerras feudais e conflitos constantes. O significado literal do título é aproximadamente "Caminho da Virtude Clássica".

Segundo a tradição (largamente rejeitada pelos estudiosos modernos), o autor do livro, Lao Zi, era um oficial menor da corte de um imperador da dinastia Zhou.

Tornou-se desgostoso com as intrigas triviais da vida em corte, e partiu sozinho em viagem pelas vastas terras ao oeste. Quando estava prestes a passar pelos portões do último posto avançado do oeste, um guarda, havendo ouvido sobre a sua sabedoria, lhe pediu que escrevesse sobre a sua filisofia, e o Dao De Jing foi o resultado. Lao Zi refletia sobre um caminho, a ser seguido pela humanidade, que pusesse fim aos conflitos e às guerras.

Chegou a algumas páginas de versos curtos, que se tornaram o Dao De Jing. Esse é o livro que originou o Taoísmo. A evidência acadêmica sugere que o texto foi tomando forma ao longo de um grande período na China pré-Han e circulou em várias versões e coleções editadas até a ser padronizado logo após a era Han.

Filosofia

Do Caminho surge um (aquele que está consciente), de cuja consciência por sua vez surge o conceito de dois (yin e yang), dos quais o número três está implícito (céu, terra e humanidade); produzindo finalmente por extensão a totalidade do mundo como o conhecemos, as dez mil coisas, através da harmonia das Wuxing.

O Caminho enquanto passa pelos cinco elementos do Wuxing é também visto como circular, agindo sobre si mesmo através da mudança para simular um ciclo de vida e morte nas dez mil coisas do universo fenomênico.

Aja de acordo com a narureza, e com sutileza em lugar de força.

A perspectiva correta será encontrada pela atividade mental da pessoa, até chegar a uma fonte mais profunda que guie sua interação pessoal com o universo.

O desejo obstrui a habilidade pessoal de entender O Caminho (veja também karma), moderar o desejo gera contentamento.

Os taoístas acreditam que quando um desejo é satisfeito, outro, mais ambicioso, brota para substitui-lo. Em essência, a maioria dos taoístas sente que a vida deve ser apreciada como ela é, em lugar forçá-la a ser o que não é. Idealmente, não se deve desejar nada, "nem mesmo não desejar".

Unidade: ao perceber que todas as coisas (inclusive nós mesmos) são interdependentes e constantemente redefinidas pela mudança das circunstâncias, passamos a ver todas as coisas como elas são, e a nós mesmos como apenas uma parte do momento presente. Esta compreensão da unidade nos leva a uma apreciação dos fatos da vida e do nosso lugar neles como simples momentos miraculosos que "apenas são".

Dualismo, a oposição e combinação dos dois princípios básicos Yin e Yang do universo, é uma grande parte da filosofia básica.

Algumas das associações comuns com Yang e Yin, respectivamente, são: masculino e feminino, luz e sombra, ativo e passivo, movimento e quietude.

Os taoístas acreditam que nenhum dos dois é mais importante ou melhor que o outro, na verdade, nenhum pode existir sem o outro, porque eles são aspectos equiparados do todo. São em última análise uma distinção artificial baseada em nossa percepção das dez mil coisas, portanto é só nossa percepção delas que realmente muda. Ver taiji.

Wu Wei

Muito da essência do Tao está na arte do wu wei (agir pelo não-agir). No entanto, isto não significa "espere sentado que o mundo caia no seu colo". Essa filosofia descreve uma prática de se realizar coisas através da ação mínima.

Pelo estudo da natureza da vida, você pode influenciar o mundo do modo mais fácil e menos disruptivo (usando a fineza em vez da força). A p'ratica de seguir a corrente em vez de ir contra ela é uma ilustração; uma pessoa progride muito mais não por lutar e se debater contra a água, mas permanecendo quieta e deixando o trabalho nas mãos da correnteza.

O Wu Wei funciona a partir do momento em que confiamos no "design" humano, perfeitamente ajustado para nosso lugar na natureza. Em outras palavras, confiando na nossa natureza em vez da nossa racionalidade, nós podemos encontrar contentamento sem uma vida de luta constante contra forças reais e imaginárias.

Uma pessoa pode aplicar essa técnica no ativismo social. Em vez de apelar para que outros tomem atitudes relacionadas a uma causa -- seja qual for a sua importância ou validade --, pode-se entender que simplesmente acreditando na causa, e deixando sua crença se manifestar em suas ações, está assumindo sua parte na responsabilidade pelo movimento social. Indo com a corrente, por dizer assim, com o rio (que neste caso é um paradigma social).

A religião

Embora aspectos religiosos específicos não tenham sido mencionados no Tao Te King ou Zhuang Zi, à medida em que o taoísmo se espalhou pela população da China, ele se misturou com algumas crenças preexistentes, como a Teoria dos Cinco Elementos, a alquimia e o culto aos ancestrais.

O Budismo chan chinês também foi diretamente influenciado por filosofias taoístas.Por fim, elementos do taoísmo se combinaram com elementos do Budismo e do Confucionismo na forma do Neo-Confucionismo. Tentativas de alcançar maior longevidade eram um tema frequente na magia e alquimia taoístas, com vários feitiços e poções, ainda existentes, com esse propósito.

Muitas versões antigas da medicina chinesa eram enraizadas no pensamento taoísta, e a medicina chinesa moderna bem como as artes marciais chinesas são ainda de várias formas baseadas em conceitos taoístas, como o Tao, o Qi, e o balanço entre o Yin yang e o Yin yang.

Com o tempo, a absoluta liberdade dos seguidores do taoísmo pareceu ameaçadora à autoridade de alguns governantes, que incentivaram o crescimento de seitas mais comprometidas com as tradições confucionistas.

Uma igreja taoísta foi formada ao fim da dinastia Han, por Zhang Daoling. Muitas seitas evoluíram através dos anos, mas a maioria traça suas origens a Zhan Daoding, e grande parte dos templos taoístas modernos pertence a uma ou outra dessas seitas.

As igrejas taoístas incorporam panteões inteiros de divindades, incluindo Lao Zi, Zhang Daoling, o Imperador Amarelo, o Imperador Jade, Lei Gong (O Deus do Trovão) e outros. As duas maiores igrejas taoístas da atualidade são a Seita Zhengyi (evoluída de uma seita fundada por Zhang Daoling) e o Taoísmo Quanzhen (fundado por Wang Chongyang).

Taoísmo fora da China

A filosofia taoísta é praticada em várias formas, em outros países além da China. Kouk Sun Do na Coréia é uma dessas variações.

A filosofia taoísta encontrou muitos seguidores ao redor do mundo. Genghis Khan era simpático à filosofia taoísta, e durante as primeiras décadas de dominação mongol, o taoísmo viu um período de expansão, entre os séculos XIII e XIV. Devido a isso, muitas escolas taoístas tradicionais mantém centros de ensino em vários países ao redor do mundo.

Fonte: www.tripod.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal