Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Clamídia  Voltar

Clamídia

Clamídia é uma bactéria que causa uma Doença Sexualmente Transmissível (DST). Ela é comum em São Paulo e no Brasil.

Homens e mulheres podem contrair Clamídia.

A maioria dos casos se apresenta em mulheres, principalmente mulheres com idades até 24 anos.

O colo do útero de mulheres jovens é mais vulnerável à Clamídia que o colo do útero de mulheres mais velhas.

Como a Clamídia é transmitida?

A Clamídia é transmitida através de contato com uma pessoa infectada durante sexo vaginal, retal ou oral.

Quais são os sintomas da Clamídia?

Muitas pessoas com Clamídia não apresentam sintomas, especialmente as mulheres. Quando eles aparecem, as mulheres podem observar corrimento vaginal, dor ou sangramento durante ou após relações sexuais, e dor ou ardência ao urinar.

Os homens podem apresentar corrimento grosso e amarelado ou esverdeado, e dor ou ardência ao urinar. A infecção por Clamídia do orifício retal pode causar dor, sangramento, pus ou corrimento, ou constipação. Se você acha que foi exposto a Clamídia seu médico poderá fazer os exames necessários para saber se você está infectado, até mesmo se você não apresentar os sintomas.

Mesmo que você não apresente sintomas, dê a chance para que o seu médico descubra infecções que não apresentem sintomas. Esta é a verdadeira razão dos exames de rotina.

Como a Clamídia é tratada?

A Clamídia é tratada com antibióticos, e geralmente, em dose única. Como o risco de reinfecção é alto, mulheres devem refazer o exame 3 a 4 meses após terminar o tratamento. É possível que uma pessoa seja re-infectada caso seja novamente exposta à Clamídia.

O que acontece se a Clamídia não for tratada?

Se a Clamídia não for tratada ela pode causar dores fortes e danos irreversíveis ao sistema de reprodução, podendo ainda, provocar a infertilidade em homens e mulheres. Em mulheres, a Clamídia pode causar doença inflamatória pélvica (DIP). A DIP pode não apresentar sintomas.

Mas quando eles aparecem, podem incluir dor no baixo ventre, câimbra, ardência ao urinar, dor ou sangramento durante ou após relação sexual, corrimento vaginal, tontura e vômito, e febre. Se não for tratada a DIP pode tornar a gravidez difícil ou até impossível. Ela pode, ainda, causa gravidez tubária e dores no baixo ventre a longo prazo. Assim como outras DTS, a Clamídia não tratada aumenta a probabilidade de uma pessoa ser infectada ou infectar a outros com o vírus da AIDS, o HIV. Se você tiver algum sintoma ou achar que foi exposto à Clamídia, faça o teste e o tratamento imediatamente para evitar complicações.

Os parceiros sexuais também precisam fazer o tratamento?

Sim. Se o diagnóstico der positivo para Clamídia, é importante avisar a todas as pessoas com quem você teve relações sexuais nos últimos 02 meses para que elas também façam os exames médicos e sejam medicadas. Tome todos os medicamentos indicados até o fim do tratamento mesmo se você melhorar antes de terminar. Não faça sexo sem camisinha até que as pessoas com quem você mantém relações sexuais tenham feito o tratamento completo e os sintomas tenham desaparecido, caso contrário você poderá ser infectado novamente.

E se eu estiver grávida?

A Clamídia não tratada durante a gravidez pode causar dificuldades no parto ou ainda parto pré-maturo. No recém-nascido ela pode provocar infecção nos olhos e nos pulmões. Todas as mulheres grávidas devem fazer, o quanto antes, os exames médicos de doenças sexualmente transmissíveis (DST), inclusive o de HIV/AIDS. Você deverá refazer o teste durante a sua gravidez caso você tenha alto risco de contrair uma DST. DTS não tratadas podem ser muito perigosas. Use camisinha de sempre que fizer sexo.

Como posso evitar a Clamídia?

Use camisinha sempre que fizer sexo vaginal, oral ou retal. Se você for alérgico a látex, pode utilizar camisinhas de poliuretano ou outros materiais sintéticos.

Fonte: Department of Health and Mental Hygiene, New York City Government

Clamídia

Clamídia é uma doença sexualmente transmissível (DST) comum e de fácil tratamento. No Reino Unido, o número de novos casos diagnosticados tem vindo a aumentar regularmente todos os anos desde meados dos anos 90, e é atualmente a DST mais comummente diagnosticada.

Entre 2004 e 2005, o número de casos confirmados de clamídia aumentou 5%, de 104.733 para 109.958. As mulheres sexualmente ativas com menos de 25 anos têm 1 em 10 hipóteses de ter clamídia, e os homens com idades compreendidas entre os 20 e os 30 anos têm um risco maior de ficarem infectados.

Como a clamídia por vezes não tem sintomas, tanto nos homens como nas mulheres, muitas vezes não é diagnosticada, a menos que dela originem complicações.

Contudo, uma vez diagnosticada a infecção, esta é facilmente tratável.

Sintomas

Nas mulheres, a clamídia genital não costuma causar sintomas.

No entanto, algumas mulheres têm "sintomas não-específicos", como: cistite, alteração do corrimento vaginal e dores ligeiras na zona abdominal.

Se não for tratada, a clamídia pode levar a: dor pélvica, dor durante as relações sexuais ou sangramento ocasional entre menstruações.

A clamídia pode também espalhar-se para o útero e causar a Doença Inflamatória Pélvica, causadora principal de infertilidade, gravidez ectópica e aborto involuntário.

O homem com clamídia muitas vezes tem descarga uretral do órgão genital masculino . Também poderá ter uma inflamação nos tubos que vão da bexiga à ponta do órgão genital masculino e dos testículos ao órgão genital masculino . Este desconforto poderá desaparecer, mas a infecção continua a poder passar para o parceiro sexual.

Em casos raros, a clamídia também pode causar um problema pouco comum que afeta os olhos e as articulações, a síndrome de Reiter.

Cerca de metade de todos os homens que têm sintomas de clamídia têm uma fertilidade reduzida.

Causas

Como a clamídia é uma doença sexualmente transmissível, transmite-se de uma pessoa para outra durante o contato sexual íntimo.

Pode apanhar clamídia através de: relações sexuais vaginais sem protecção, relações sexuais anais sem protecção, sexo oral sem protecção, ou contato genital com um parceiro infectado.

Como é comum a pessoa com clamídia não sentir sintomas, é possível que infecte o parceiro ou parceira sem o saber.

A clamídia não se transmite por assentos de sanita ou em piscinas ou saunas.

A clamídia pode passar da mãe para o filho durante o parto. Embora não surjam sintomas óbvios de imediato, a infecção muitas vezes desenvolve-se duas semanas depois do parto e pode resultar em complicações como pneumonia.

Diagnóstico

Recentemente desenvolveram-se novos testes que permitem à mulher fazer um teste simples em casa com uma amostra de urina. A mulher insere um tampão especial no órgão genital feminino e depois coloca-o num recipiente que envia para o laboratório para ser testado, evitando a necessidade de passar por um exame íntimo e embaraçoso.

Antigamente, os homens eram testados através da inserção de um tampão especial na abertura da uretra, na ponta do órgão genital masculino . No entanto, atualmente já é comum usar-se um teste de urina e, embora seja um pouco menos exato do que o teste do tampão, é bastante mais fácil e menos doloroso.

Os testes para doenças sexualmente transmissíveis (DST) são efetuados habitualmente em clínicas especializadas em DSTs (também conhecidas como clínicas de medicina genito-urinária). Qualquer pessoa de qualquer idade pode ir a essas clínicas, mesmo que tenha menos de 16 anos (idade de consentimento para relações sexuais), e todos os resultados são tratados na confidencialidade.

Tratamento

Depois de diagnosticada a clamídia, esta infecção pouco complicada pode ser tratada com sucesso através de antibióticos, sendo os mais comuns a azitromicina e a doxiciclina. As pesquisas mostram que 80 a 90% das pessoas com clamídia ficam curadas depois de tomarem um destes antibióticos.

A clamídia é facilmente transmissível através de contato sexual íntimo.

Por isso, se estiver infectado, qualquer pessoa com quem tenha tido relações sexuais recentemente (nos últimos seis meses) poderá também ter a doença. Assim, é vital que o seu parceiro ou parceira faça os testes, independentemente de ter ou não sintomas.

Outros parceiros sexuais que tenha tido também terão de fazer testes. A clínica especializada poderá ajudá-lo a notificar parceiros anteriores em seu nome. Se você ou o seu parceiro atual forem diagnosticados com clamídia, não devem ter relações sexuais até que ambos terminem o tratamento.

Prevenção

A clamídia pode ser evitada com sucesso com o uso de preservativo. Se tiver um novo parceiro sexual, ambos devem fazer testes de doenças sexualmente transmissíveis antes de começarem a ter relações sexuais.

Se tiver algum dos sintomas mencionados na secção de sintomas, deve dirigir-se a uma clínica especializada em saúde sexual ou medicina genito-urinária para um exame. Deve também assegurar-se de que os seus amigos e familiares entendem o que é a clamídia e as suas consequências e, se necessário, deve encorajá-los a fazer os testes necessários.

Fonte: www.amiclear.com

Clamídia

Clamídia é uma doença sexualmente transmissível(DST) comum, causada por uma bactéria, Chlamydia trachomatis, que pode danificar órgãos reprodutores femininos.

Apesar dos sintomas da clamídia serem quase ou totalmente imperceptíveis, complicações sérias que causam danos irreversíveis, incluindo infertilidade, podem ocorrer silenciosamente antes da mulher perceber a doença.

A clamídia é a doença bacterial sexualmente transmissível mais freqüente. Isso sem incluir os casos em que a pessoa não sabe que está infectada. As mulheres que fazem tratamento podem voltar a contrair a doença caso seu parceiro esteja infectado.

A transmissão da clamídia se dá pelo sexo oral, vaginal ou retal.

A clamídia também pode ser transmitida de mãe para filho durante parto normal.

Qualquer pessoa sexualmente ativa pode estar com a doença, sendo que, quanto maior o número de parceiros, maior é o risco de infecção. Jovens e adolescente do sexo feminino estão mais expostas a contrair clamídia devido ao fato dos órgão reprodutores não estarem completamente desenvolvidos.

A clamídia é conhecida como uma doença silenciosa porque 3/4 das mulheres infectadas e 1/2 dos homens infectados não apresentam nenhum sintoma aparente.

Se aparecerem sintomas, geralmente se manifestam entre 1 a 3 semanas após a exposição.

Nas mulheres, a bactéria inicialmente infecta a uretra e a abertura do útero. Quando há sintomas, geralmente a mulher apresenta secreções vaginais acima do normal ou queimação ao urinar.

Quando a infecção se espalha e atinge as trompas, algumas mulheres ainda não apresentam nenhum sintoma. Nesse estágio, algumas mulheres podem apresentar sintomas como dor abdominal, náuseas e dor durante a relação sexual. Homens infectados podem apresentar sintomas como ardência ao urinar e secreções no órgão genital masculino.

A clamídia também pode ocorrer na garganta, contraídos durante o sexo oral.

Se não for tratada, a clamídia pode evoluir para complicações reprodutivas e outros problemas de saúde, como infertilidade, dores crônicas, além de maior probabilidade de contrair AIDS. Nos homens, raramente há complicações sérias.

A clamídia pode ser tratada e curada com o uso de antibióticos.

Fonte: www.brazuka.info

Clamídia

A Clamídia é uma doença infecto-contagiosa dos órgãos genitais masculinos ou femininos. Se não tratada, pode permanecer durante anos contaminando as vias genitais dos pacientes.

É importante saber que mesmo a pessoa assintomática (portadora da doença mas sem sintomas) pode transmiti-la.

Pode ocorrer também, durante o parto, transmissão da mãe contaminada para o bebê.

Tanto Homens quanto Mulheres podem presenciar secreção (corrimento) uretral escassa, translúcida e geralmente matinal.

Um ardor uretral ou vaginal pode ser a única manifestação, mas tambem pode ter dor durante as relações sexuais.

Raramente a secreção pode ser purulenta e abundante.

Caso não sejam tratadas, a Clamídia pode atacar o sistema nervoso (causando meningite), afetar os ossos e o coração.

Nas Mulheres, geralmente nao se presentam sintomas, mas sem ser tratada, pode causar inflamação pélvica aguda, gravidez nas trompas (fora do útero), parto prematuro e até esterilidade.

Os sintomas podem aparecer entre 2 e 8 dias após ser exposto. Mas antibióticos podem curar a Clamídia.

Fonte: www.brgny.org

Clamídia

Clamídia (nome popular: gota matinal)

Clamídia
Algumas espécies da bactéria que causam clamídia
(lat. chlamydia trachomatis)

1. O que é?

A clamídia é uma infecção bacteriana, geralmente dos órgãos genitais, mas, dependendo do tipo de contato sexual, também pode afetar a boca, a garganta e/ou o reto.

Muitas vezes, a pessoa infectada não tem sintomas mas pode transmitir a doença aos outros. Se não for tratada pode conduzir a problemas de saúde graves.

2. O que é que a causa?

A clamídia é provocada por uma bactéria Chlamydia trachomatis. Pertence ao grupo de bactérias responsáveis por uma variedade de outras doenças. Algumas destas são sexualmente transmissíveis.

3. Como é que é transmitida?

A clamídia pode ser transmitida durante a relação vaginal, retal ou oral. Também pode ser passada de uma mãe infectada para o seu bebé, durante o parto.

Fonte: www2.hu-berlin.de

Clamídia

A Clamídia é uma doença sexualmente transmissível (DST), causada pela bactéria Chlamydia trachomatis.

Sintomas

Os sintomas da clamídia são semelhantes ao da gonorreia, no entanto a clamídia em mais de 50% dos casos nos homens e 70% não se manifesta.

Homem

Ardor ao urinar.
Corrimento através da uretra.
Extremidade do órgão genital masculino inchada ou avermelhada.
Dor ou inchaço nos testículos.
Dor e emissão de pus e sangue pelo reto (sexo retal).
Dor de garganta (sexo oral).

Mulher

Ardor ao urinar.
Corrimento vaginal purulento (amarelo e espesso).
Relação Sexual dolorosa.
Dor abdominal intensa, perda de sangue pelo órgão genital feminino.
Dor de garganta (sexo oral).

Transmissão

A forma mais frequente de transmissão é através do contato sexual.

A clamídia pode também ser transmitida ao recém-nascido durante o parto se a mãe estiver infectada.

Diagnóstico

Através de análises de sangue (testes serológicos) ou pela observação direta ao microscópio de material colhido das secreções presentes nos locais infectados.

Tratamento

“Como a Chlamydia é uma bactéria sensível a alguns antibióticos, pelo que o tratamento se faz administrando um antibiótico adequado durante um período de sete a dez dias. Devido à elevada contagiosidade desta infecção deve propor-se também tratamento aos parceiros sexuais das pessoas infectadas.”

Prevenção

Adopção de comportamentos sexuais seguros:

Evitar múltiplos parceiros sexuais.
Usar preservativo sempre que se pratica sexo, em particular se não se tratar de um relacionamento estável.

Fonte: www.homositius.com

Clamídia

CLAMÍDIA E GONORRÉIA

O que são Clamídia e Gonococos ?

São bactérias transmitidas pelo contato sexual que infectam os genitais tanto de homens como de mulheres.

Uma das características dessas bactérias é que elas podem ficar instaladas no corpo sem apresentar qualquer sintoma. Isso ocorre em 50% das mulheres e 10% dos homens, o que faz com que não se procurem cuidados médicos.

Todavia isso significa que essas pessoas não estejam infectadas. Por isso é muito importante saber, com certeza, se você tem essas infecções ou não.

Durante a gestação pode provocar o aborto ou comprometer o bem estar do feto. No recém-nascido pode ocasionar a conjuntivite (inflamação nos olhos) e a inflamação dos pulmões, que pode ocorrer durante os seis primeiros meses de vida do bebê.

Na mulher, a infecção por Clamídia pode causar uma cervicite (inflamação do colo uterino), podendo ocorrer o comprometimento da uretra, bexiga, do útero e das trompas.

Por sua vez, a infecção pelo Gonococos (popularmente conhecido como Gonorréia) também agride o colo do útero e a uretra, causando corrimento vaginal. A inflamação do órgão genital feminino e da vulva também pode estar presente, principalmente nas meninas durante a fase pré-puberdade.

Sem que o homem ou a mulher perceba qualquer alteração no corpo, essas bactérias, se não tratadas, podem levar a complicações mais sérias no futuro, como a esterilidade, o que pode impedir a gravidez.

Hoje a infecção pela Clamídia e pelo Gonococos é comuns em todo o mundo. Para se ter idéia, milhões de pessoas são infectadas anualmente nos Estados Unidos.

Como devo me prevenir ?

Como em qualquer doença transmitida pelo contato sexual é preciso tomar alguns cuidados como:

Manter cuidados higiênicos.
Ter parceiro fixo.
Usar preservativo durante toda a relação sexual.
Visitar regularmente seu médico para fazer todos os exames de prevenção.

Como posso saber se tenho infecção por Clamídia ou Gonococos ?

Estas bactérias podem ser detectadas através dos seguintes métodos:

Cultura: Procedimento feito no laboratório, onde são semeadas as secreções do colo uterino e uretra. Os microorganismos são colocados em meio nutritivo para que possam crescer e ser vistos pelo microscópio.
Imunofluorescência:
Em uma lâmina de vidro são colocadas as amostras coletadas do colo e da uretra, e com o auxílio de um reagente específico são detectadas pelo microscópio.
Captura Híbrida:
É o exame mais sensível para fazer o diagnóstico da Clamídia e do Gonococos. Por meio de uma técnica genética, a Captura Híbrida consegue detectar a presença de pequena quantidade dessas bactérias no início das infecções. Além disso, esse exame é muito eficiente na prevenção das doenças sexualmente transmissíveis. Pode-se, em um único exame, com uma única coleta, examinar a quantidade existente de Clamídia, Gonococos e o HPV – vírus causador do câncer do colo uterino.

Como é o tratamento para essas infecções ?

O tratamento para essas doenças geralmente é feito à base de antibióticos, ficando ao critério do seu médico prescrevê-los.

Todavia ele depende de alguns fatores como:

Sua idade.
Estágio da doença.
Se a mulher está grávida.
Se apresenta alguma doença genital.

Em alguns casos, seu ginecologista ou urologista pode optar por tratar o casal. Oriente seu parceiro para que ele participe do tratamento.

Seu médico é a pessoa mais indicada para lhe dar todas as orientações. Converse com ele.

Não se esqueça de que após o tratamento é aconselhável uma nova consulta para saber se você está curada.

Saiba mais sobre a Clamídia e a Gonorréia

As infecções por Clamídia ou Gonococos podem causar corrimento vaginal ou uretral e dor durante o ato sexual. Procure seu médico caso tenha algum desses sintomas.
Sem saber, às vezes você pode ter infecção por essas bactérias.
Use preservativo em todas as relações sexuais.
Não se assuste caso o resultado do seu exame seja positivo. Hoje há tratamentos muito eficazes, capazes de eliminar definitivamente essas bactérias.
Parceiros de mulheres infectadas geralmente estão contaminados, sendo aconselhável que eles procurem o urologista. Para cura definitiva, o casal precisa de acompanhamento médico.
Procure saber mais sobre as doenças sexualmente transmissíveis (DST), e compartilhe essas informações com seus amigos. Assim será mais fácil se prevenir.
Fumar, beber em excesso ou usar drogas afeta o sistema de defesa do organismo fazendo com que a Clamídia e o Gonococos sejam adquiridos com maior facilidade.
A Clamídia e o Gonococos são doenças sexualmente transmissíveis que têm cura, portanto a prevenção e o tratamento só dependem de você.

Fonte: www.cmmc.med.br

Clamídia

É uma doença que atinge mamíferos, repteis e aves, sendo nesta ultima de ocorrência comum.

Já foi detectada em cerca de 460 espécies de aves, dentre as que podem ser portadoras sem sintomas existem 160 espécies (os psitacídeos representam 25% desse numero).

A Chlamydophila psittaci, existem outros tipos de clamídia, é de difícil diagnostico em função de ser uma bactéria intracelular obrigatória, por ter um período de incubação grande e sua eliminação ser intermitente ( a bactéria pode ser eliminada de forma esporádica).

A Clamidia é eliminado nas fezes, urina, muco orofaríngeo e secreções lacrimais e nasais e a contaminação e transmissão se dão principalmente através da ingestão, inalação ou do contato direto com secreções e/ou excreções contaminadas, alem da alimentação oferecida aos filhotes pelos pais contaminados.

Também foram relatados alguns casos transmissão vertical (embrião já está contaminado no ovo).

A gravidade da doença varia com a espécie atingida, idade, estado imune, com características de cada indivíduo (Araras, papagaios, assim como animais mais jovens demonstram mais suscetibilidade), grau de exposição ao agente, cepa, porta de entrada e presença concomitante de outras enfermidades.

Os sinais clínicos mais comumente apresentados são apatia, anorexia, sinusite, conjuntivite, diarréia, espirros, emplumamento deficiente, descarga nasal mucopurulenta e dispnéia. Em casos mais graves há sintomatologia nervosa, incluindo tremores, convulsões e paralisia.

Animais sem apresentar a doença clínica também podem ser hospedeiros e eliminar o microorganismo ativo, contaminando o ambiente e outros animais.

Fatores de estresse como superpopulação, alterações ambientais, mau manejo e nutrição, má higienização e infecções secundarias podem favorecer a manifestação clinica da doença em portadores assintomáticos.

O tratamento é prolongado e feito através de antibioticoterapia oral ou injetável. O animal deve ser isolado, monitorado, adequação na dieta (suplementação) alem de receber fluidoterapia e aquecimento. Mesmo após medicação a longo prazo, a bactéria pode sobreviver(estado de latência) .

O diagnostico é baseado nos sinais clínicos, patologia clinica, radiologia e citologia, com a ajuda de uma cultura, sorologia e eletroforese. Para testes intraclínica de aves doentes, a detecção do antígeno clamidial em swabs nasais, oculares, cloacais e orofaríngeos, através do teste Kodak SureCell Chlamydia ou Clearview Chlamydia, se mostra útil.

Boa e freqüente higienização, manejo adequado, alimentação, alem do isolamento e quarentena de aves recém-chegadas com a realização de testes de triagem sorológicos e antigênicos, são medidas que reduzem a probabilidade de infecção ou mesmo uma reinfecçao de um plantel de aves por clamidiose.

Clamídia como Zoonose

A clamidiose em seres humanos é considerada uma das principais zoonoses aviarias, apesar da baixa ocorrência da doença quando comparada ao numero de aves portadoras.

Dentre as principais fontes de contaminação estão os psitacídeos, columbiformes ( pombos) e perus.

Os humanos se infectam pela inalação de aerossóis contaminados por Chlamydophila psittaci presentes no ambiente, nas penas, secreções, excreções ou nos tecidos de aves infectadas.

O período de incubação da doença vai de 5 a 15 dias me media e ela apresenta sintomas semelhantes ao de um resfriado ou outra enfermidade respiratória, incindo, febre, fadiga, dores de cabeças severas,calafrios, anorexia, mialgia, fotofobia, náuseas e vômitos.

Nos casos mais graves ocorre pneumonia atípica grave, tosse seca, respiração difícil e dolorosa, podendo haver insuficiência cardiovascular, meningite, flebite e ate mesmo podendo levar ao óbito.

O tratamento é por antibioticoterapia e a recuperação é rápida, mas faz-se necessária a internação na maioria dos casos e há risco de reinfecção.

A clamídia representa maior risco em pessoas imunodeprimidas, idosos, crianças, mulheres grávidas e na população que atua em áreas de contato freqüente com aves infectadas, como comercio, criação, abate e clinica de aves.

Fonte: zoomedical.com.br

Clamídia

Conceito

Doença infecto-contagiosa dos órgãos genitais masculinos ou femininos.

Caracteriza-se pela presença (pode não ocorrer) de secreção (corrimento) uretral escassa, translúcida e geralmente matinal.

Um ardor uretral ou vaginal pode ser a única manifestação.

Raramente a secreção pode ser purulenta e abundante. Se não tratada, pode permanecer durante anos contaminando as vias genitais dos pacientes.

É importante saber que mesmo a pessoa assintomática (portadora da doença mas sem sintomas) pode transmiti-la.

Sinônimos: Uretrite ou cervicite inespecífica, Uretrite não gonocócica (UNG).

Agente: Chlamidia trachomatis.

Complicações/Consequências

Epididimite
Proctite
Salpingite e sua sequelas (infertilidade)
Conjuntivite de inclusão
Otite média
Tracoma
Linfogranuloma venéreo
Bartolinite
Doença Inflamatória Pélvica
etc

Transmissão: Relação sexual

Período de Incubação: 1-2 semanas à 1 mes ou mais.

Tratamento: Antibiótico oral e local (na mulher)

Prevenção: Camisinha. Higiene pós-coito.

Clamídia
Uretrite por clamídia (no homem)

Fonte: www.dst.com.br

Clamídia

O que é

A Clamídia é a Doença Sexualmente Transmissível que pode provocar gravidez tubária e esterilidade na mulher, embora estes problemas irem evoluindo sem que a mulher perceba, já que a maioria não apresenta sintomas.

Como é Transmitida

Relação sexual (contato com órgãos sexuais ou a secreção vaginal ou sêmen na relação vaginal, oral ou retal).

Como se Previnir

Usando camisinha masculina ou feminina nas relações sexuais vaginais e orais
Usando camisinha masculina ou feminina e lubrificantes a base de água (KY, Preserv Gel) nas relações sexuais anais
Também é bom realizar sempre o Auto-Exame, observado os próprios órgãos genitais, vendo se a cor, aparência, cheiro e pele estão saudáveis.

O que Ocorre Após a Infecção - Sintomas

Clamídia

A mulher apresenta corrimentos sem cheiro e coceira nos órgão sexuais. Porem a maioria das mulheres NÃO apresenta sintomas.

Clamídia

O homem apresenta corrimento pouco volumoso e esbranquiçado ou claro e ardência ao urinar.

Tratamento

Todas as pessoas com DST devem procurar um médico para evitar o desenvolvimento e agravamento da doença. Cada DST tem um medicamento específico, por isso não se deve buscar remédios com amigos ou em farmácias. Apenas o médico tem condições de dizer o tipo de DST, já que existem muitas com sintomas parecidos.

Parceiros sem sintomas também necessitam fazer tratamento.

IMPORTANTE

Todas as pessoas com DST devem evitar manter relações sexuais durante o tratamento para facilitar a cura e evitar a contaminação de parceiros, caso não seja possível, é fundamental usar a camisinha.

Fonte: www.redece.org

Clamídia

Considerada uma das principais causadoras da chamada Doença Inflamatória Pélvica (DIP), que atinge diversas mulheres ao longo da vida, a clamídia é uma bactéria que atinge exclusivamente os seres humanos.

Ela pode ser danosa aos olhos, pulmões, intestinos, aparelho urinário, útero, trompas, faringe e reto, existindo, atualmente, o registro de 18 tipos diferentes dessa bactéria.

Cada um dos tipos ataca preferencialmente uma região do corpo.

Apesar de o nome não ser conhecido da maioria da população, estudos mostram que há mais mulheres infectadas por clamídia do que, por exemplo, pela popular gonorréia. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam para cerca de 120 milhões de pessoas infectadas todos os anos no mundo.

Sinais e sintomas

A clamídia pode não ser percebida por um longo período, mas pode causar fortes dores abdominais, febre, corrimento e infertilidade.

A bactéria já foi encontrada também no trato genital de mulheres que não apresentavam sintomas.

Esta característica leva alguns médicos a acreditarem que a clamídia possa viver normalmente no corpo humano, sem causar alterações, aguardando uma infecção por outros germes ou bactérias, para então também inciar a sua infecção. Nos homens, é responsável por até metade dos casos de corrimento e uma das principais causas de epididimite (uma inflamação dentro da bolsa escrotal). Está presente também em metade dos casos de Síndrome de Reiter, um tipo de reumatismo.

Nos homens que fazem sexo com homens, pode causar ainda uma inflamação da próstata.

Quem está mais exposto ao problema?

Pesquisas mostram que, por exemplo, nos Estados Unidos, cerca de 4,5 milhões de pessoas contraem a bactéria todos os anos. Mais da metade dos casos ocorre na população feminina. Nas adolescentes, a infecção pode atingir uma em cada 10 meninas. Entre as gestantes, 2 a 5% apresentam a clamídia em suas secreções genitais.

Quais os riscos de bebês nascidos de mães contaminadas?

A mulher portadora de clamídia, sem alterações visíveis em seu corpo, funciona como um reservatório da bactéria, além de disseminar a infecção para seu parceiro sexual e para seu filho, durante o parto. A contaminação do bebê ocorre pelo contato direto com o líquido amniótico, após o rompimento da bolsa amniótica. Pode atingir os olhos, a boca, a faringe, o aparelho genital, o aparelho urinário e o reto.

As conseqüências nos bebês vão desde conjuntivite (nas primeiras duas semanas de vida), e pneumonia (em duas semanas a quatro meses de vida), até outras doenças como a otite média e as infecções do sistema digestivo.

Quais as as principais alterações causadas pela Clamídia no aparelho genital e no aparelho urinário?

São a Uretrite, uma inflamação da uretra, o canal da urina; Endocervicite Mucopurulenta, uma inflamação da parte do útero que entra em contato com a genitália feminina; Doença Inflamatória Pélvica (DIP), uma inflamação dentro do abome da mulher, bem embaixo; a Síndrome de Fiz-Hugh-Curtis (Peri-Hepatite), muito parecida com a DIP, mas causadora também de dor abdominal mais superior; Linfogranuloma venéreo, também chamado de Linfogranuloma Inguinal, uma doença de transmissão sexual.

Como confirmar o diagnóstico?

Há uma série de exames que podem ser indicados (cultura, Papanicolau, Imunoensaio enzimático, Imunofluorescência direta e indireta). A decisão sobre o tipo de exame a ser realizado, e sobre o que fazer após o resultado positivo ou negativo de um exame, depende de toda a avaliação realizada pelo médico e de tudo o que o paciente está sentindo. O ginecologista e o urologista costumam juntar todas as informações sobre o paciente (exames, avaliação do consultório, o que o paciente está relatando, tratamentos anteriores) para, então, sugerir a conduta mais adequada.

Qual o tratamento?

O tratamento da infecção pela clamídia costuma ser simples e pode ser realizado com apenas uma dose de antibiótico ou com doses repetidas por uma a três semanas, dependendo do tipo de doença do paciente.

Nos casos mais graves, pode haver necessidade de internação hospitalar.

Esse tratamento da doença não está completo sem o tratamento concomitante do parceiro. O parceiro deve sempre ser tratado, já que apenas um ou dois em cada dez contaminados podem apresentar algum sintoma. Os demais, embora tenham a clamídia, não sentem absolutamente nada.

Fonte: www.medicinal.com.br

Clamídia

Doença infecto-contagiosa dos órgãos genitais femininos. Fase inicial da infecção pela Chlamydia trachomatis, bactéria também causadora do linfogranuloma venéreo, que pode provocar corrimento esbranquiçado em média quantidade não apresentando cheiro e nem coceira, mas pode apresentar ardor uretral ou vaginal que pode ser a única manifestação.

Se não tratada, pode permanecer durante anos contaminando as vias genitais femininas. É importante saber que mesmo a pessoa portadora da doença mas sem sintomas pode transmiti-la.

Clamídia

Sinônimos: Uretrite ou cervicite inespecífica, Uretrite não gonocócica (UNG)

Agente: Chlamidia trachomatis

Complicações/Consequências: Salpingite e sua sequelas (infertilidade), conjuntivite de inclusão, otite média, tracoma, linfogranuloma venéreo, bartolinite, Doença Inflamatória Pélvica, etc

Transmissão: Relação sexual

Período de Incubação: 1-2 semanas a 1 mes ou mais.

Tratamento: Antibiótico oral e local

Prevenção: Camisinha

Fonte: www.eerp.usp.br

Clamídia

Sinônimos

Uretrite ou cervicite inespecífica, Uretrite não gonocócica.

É uma doença infecto-contagiosa dos órgãos genitais masculinos ou femininos. Caracteriza-se pela presença (pode não ocorrer) de secreção (corrimento) uretral escassa, translúcida e geralmente matinal.

Um ardor uretral ou vaginal pode ser a única manifestação.

Raramente a secreção pode ser purulenta e abundante. Se não tratada, pode permanecer durante anos contaminando as vias genitais dos pacientes. É importante saber que mesmo a pessoa assintomática (portadora da doença mas sem sintomas) pode transmiti-la.

Ou...

Essa é a doença sexualmente transmitida mais comum e, muitas vezes, passa sem ser diagnosticada, pois nem sempre as pessoas apresentam sintomas, principalmente as mulheres.

É muito comum ela estar associada com a gonorréia, o que torna o tratamento mais difícil. A doença é causada por um tipo diferente de bactéria, chamada Chlamydia Trachomatis.

Esse germe provoca uma inflamação na uretra tanto do homem como da mulher, pode dar cervicite e inflamação pélvica aguda. Devido à inflamação que provoca, a pessoa passa a eliminar pus pela uretra.

No homem, a saída de pus é mais evidente do que para a mulher. O que chama atenção para o diagnóstico é que, apesar do pus e da dor para urinar, a cultura da urina se revela negativa.

Na mulher também pode haver uma inflamação do colo do útero, com saída de secreção mucopurulenta cervical. Quando o germe atinge partes mais internas do órgão feminino, provoca a inflamação pélvica aguda, semelhante àquela da gonorréia, porém os sintomas de dor pélvica e febre são bem mais amenos e a pessoa tende a ficar com a doença por mais tempo, por não ser reconhecida.

Mulheres que usam D.I.U. tem maior propensão a desenvolver essas doença. O diagnóstico é feito por imunoflorescência direta do material colhido das secreções.

Infecção por Clamídia

Uretrite por clamídia (no homem)

Agente: Chlamidia trachomatis.
Complicações/Consequências:
Epididimite, proctite, salpingite e sua sequelas, conjuntivite de inclusão, otite média, tracoma, linfogranuloma venéreo, bartolinite etc
Transmissão:
Relação sexual
Incubação:
Fica incubado por 1-2 semanas à 1 mes ou mais.

Tratamento

Camisinha
Higiene pós-coito
E quando já se tiver contraído, o tratamento é feito com antibióticos durante 7 a 10 dias.

Prevenção

Na transmissão sexual se recomenda sexo seguro (abstinência, relação monogâmica com parceiro HIV negativo, uso de camisinha).

Na transmissão pelo sangue recomenda-se cuidado no manejo de sangue (uso de seringas descartáveis, exigir que todo sangue a ser transfundido seja previamente testado para a presença do HIV, uso de luvas quando estiver manipulando feridas ou líquidos potencialmente contaminados).

Não há, no momento, vacina efetiva para a prevenção da infecção pelo HIV.

Fonte: www.dstfacil.hpg.ig.com.br

Clamídia

Causador: Clamidia trachomatis

O que é Clamídia?

Clamídia é uma infecção bacteriana transmitida através de contato físico durante uma relação sexual. Pode ser transmitida também através de sexo vaginal, retal ou oral.

Quais são os sintomas da Clamídia?

Os sintomas aparecem de 1 a 3 semanas após a infecção. Muitos homens e mulheres, no entanto, não os desenvolvem.

Os sintomas são:

Homens

Ardor e dor ao urinar.
Secreção branca, "aguada" do órgão genital masculino.

Mulheres

Secreção vaginal.
Ardor e dor ao urinar.
Urinar com muita freqüência.
Dor nas costas e cólicas abdominais.
Sangramento após relação sexual

Quais são os exames para se diagnosticar Clamídia?

O exame é feito em laboratório com o material coletado da uretra (homens) ou da cérvice uterina (mulheres).

A Clamídia é curável?

O tratamento é feito com antibióticos e o paciente fica curado. É importante tratar o parceiro também, para que não ocorra nova transmissão.

O que ocorre se a Clamídia não for tratada?

Se não for tratada, a Clamídia pode se espalhar para a cavidade e órgãos pélvicos, causando doença inflamatória pélvica. Esta doença pode causar danos irreparáveis aos órgãos pélvicos e infertilidade tanto em homens quanto em mulheres.

Como se previne a transmissão da Clamídia?

Pessoas com apenas um parceiro sexual têm menos chances de adquirir Clamídia. É muito importante o uso de camisinha e espermicidas. A camisinha é uma barreira entre o organismo e a bactéria. Os espermicidas ajudam a eliminar qualquer micro-organismo que entre em contato com eles.

Fonte: med.fm.usp.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal