Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Cleptomania  Voltar

Cleptomania

Definição

Cleptomania é o impulso irresistível de roubar itens que geralmente não realmente precisa e que, geralmente, têm pouco valor.

Cleptomania é um distúrbio de saúde mental grave que pode causar dor emocional muito para você e seus entes queridos se não for tratada.

A cleptomania é um tipo de transtorno do controle dos impulsos - um distúrbio no qual você não pode resistir à tentação ou dirigir para realizar um ato que é prejudicial a você ou a alguém.

Muitas pessoas com cleptomania viver uma vida de vergonha secreta, porque eles têm medo de procurar tratamento de saúde mental.

Embora não haja cura para a cleptomania, o tratamento com medicamentos ou psicoterapia pode ser capaz de ajudar a acabar com o ciclo de roubar compulsivo.

Sintomas

Sintomas da cleptomania podem incluir:

Poderosa impulsos para roubar itens que você não precisa
Sentindo-se um aumento da tensão que conduz ao roubo
Sentindo prazer ou gratificação ao roubar
Sentindo-se terrível culpa ou vergonha após o roubo

A vontade poderosa

Ao contrário dos ladrões típicas, as pessoas com cleptomania não compulsivamente roubar para ganho pessoal. Além disso, não roubar, como forma de vingança.

Eles roubam, simplesmente porque o desejo é tão forte que eles não podem resistir. Este impulso faz sentir desconfortavelmente ansioso, tenso ou excitado.

Para aliviar esses sentimentos, eles roubam.

Durante o roubo, eles se sentem alívio e satisfação. Depois disso, porém, eles podem sentir-se enorme culpa, remorso, auto-aversão e medo de ser preso.

Mas a vontade volta, eo ciclo se repete a cleptomania.

Ocorrências espontâneas e locais públicos

Episódios de cleptomania geralmente ocorrem de forma espontânea, sem planejamento. A maioria das pessoas com cleptomania roubam em locais públicos, como lojas e supermercados. Alguns podem roubar de amigos ou conhecidos, como em uma festa. Muitas vezes, os itens roubados não têm valor para a pessoa com cleptomania. Os itens roubados são geralmente escondidos, para nunca mais ser usado. Os itens também podem ser doados, doado à família ou amigos, ou mesmo secretamente retornou para o lugar de onde foram roubados.

Quando consultar um médico

Se você não consegue parar de furto ou roubo, procure ajuda médica. Muitas pessoas que podem ter a cleptomania não quer procurar tratamento porque têm medo que eles vão ser presos ou detidos. Um profissional de saúde mental não tem que denunciar seus furtos às autoridades, no entanto.

Recebendo tratamento pode ajudar você a ganhar controle sobre sua cleptomania.

Se um ente querido tem cleptomania

Se você suspeitar de um amigo ou membro da família pode ter cleptomania, delicadamente levantar suas preocupações com o seu amado. Tenha em mente que a cleptomania é uma condição de saúde mental, não é uma falha de caráter, e se aproxima de seu ente querido, sem culpa ou acusação.

Pode ser útil para enfatizar os seguintes pontos:

Você está preocupado porque você se preocupa com seu amado sua saúde e bem-estar.

Você está preocupado com os riscos de roubo compulsivo, como ser preso, perder o emprego ou danificar um relacionamento valorizado.

Você entende que, com a cleptomania, a vontade de roubar pode ser muito forte para resistir apenas por "colocar sua mente para ela."

Tratamentos eficazes estão disponíveis para minimizar o desejo de roubar e ajudar sua amada viver sem vício e da vergonha.

Se você precisar de ajuda para preparar-se para essa conversa, fale com o seu médico. Ele ou ela pode encaminhá-lo a um profissional de saúde mental que podem ajudá-lo a planejar uma maneira de levantar as suas preocupações sem fazer sua amada se sentir na defensiva ou ameaçados.

Causas

A causa da cleptomania não é conhecido. Existem várias teorias que sugerem que mudanças no cérebro podem ser a raiz de cleptomania. Cleptomania pode estar ligado a problemas com uma substância química do cérebro de ocorrência natural (neurotransmissor) serotonina. A serotonina ajuda a regular o humor e as emoções. Baixos níveis de serotonina são comuns em pessoas propensas a comportamentos impulsivos.

Cleptomania também pode estar relacionada a vícios, e roubar pode causar a liberação de dopamina (outro neurotransmissor). A dopamina provoca sensações prazerosas, e algumas pessoas buscam essa sensação gratificante de novo e de novo.

Outra pesquisa descobriu que a cleptomania pode ocorrer depois que alguém sustente um ferimento na cabeça. Mais pesquisas são necessárias para entender melhor todas estas possíveis causas da cleptomania.

Os fatores de risco

A cleptomania é considerado incomum. No entanto, porque muitas pessoas com cleptomania não procuram tratamento, ou eles estão simplesmente presos após roubos repetidos, muitos casos de cleptomania pode nunca ser diagnosticada. Acredita-se que menos de 5 por cento dos ladrões tem cleptomania.

A cleptomania geralmente começa durante a adolescência ou na idade adulta jovem, mas em casos raros, ela começa depois de 50 anos de idade.

Fatores de risco cleptomania podem incluir:

A história da família. Ter um parente de primeiro grau, como um pai ou irmão, com cleptomania ou transtorno obsessivo-compulsivo pode aumentar o risco de cleptomania.

Ser do sexo feminino. Aproximadamente dois terços das pessoas com cleptomania conhecidos são mulheres.

Ter uma outra doença mental. Pessoas com cleptomania costumam ter outras doenças mentais, como transtorno bipolar, transtorno de ansiedade, transtornos alimentares, abuso de substâncias ou transtornos de personalidade.

Traumatismo craniano ou lesões cerebrais. Pessoas que já experimentaram um trauma na cabeça pode desenvolver cleptomania.

Complicações

Se não for tratada, a cleptomania pode resultar em problemas, jurídicos e financeiros emocionais graves. Por exemplo, muitas pessoas com cleptomania conhecidos foram presos por roubo. Porque você sabe que roubar é errado, mas você se sente impotente para resistir ao impulso, você pode ser arruinado pela culpa, vergonha, auto-aversão e humilhação. Caso contrário, pode levar uma vida moral e íntegro ser confuso e chateado com sua compulsivo roubar.

As complicações que cleptomania pode causar ou estar associado com incluem:

Prender

Prisão

Depressão

Álcool e abuso de substâncias

Os transtornos alimentares

Ansiedade

Jogo compulsivo ou fazer compras

Pensamentos suicidas ou comportamento

Isolamento social

Tratamentos e drogas

Apesar do medo, humilhação ou constrangimento pode tornar difícil para você procurar tratamento para cleptomania, é importante buscar ajuda. A cleptomania é difícil de superar em seu próprio país. Tratamento da cleptomania geralmente envolve medicamentos e psicoterapia, talvez junto com grupos de auto-ajuda.

No entanto, não há nenhum tratamento cleptomania padrão, e os pesquisadores ainda estão tentando entender o que pode funcionar melhor.

Você pode ter que tentar vários tipos de tratamento para cleptomania encontrar algo que funciona bem para sua situação.

Medicamentos

Há pouco sólida pesquisa científica sobre o uso de medicamentos psiquiátricos para tratar a cleptomania. No entanto, alguns medicamentos podem ser úteis.

Qual a medicação é melhor para você depende da sua situação global e outras condições que você pode ter, como depressão ou transtorno obsessivo-compulsivo. Você pode tirar proveito de tomar uma combinação de medicamentos.

Medicamentos a considerar incluem:

Antidepressivos. Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) são comumente usados para tratar a cleptomania. Estes incluem a fluoxetina (Prozac, Prozac Semanal), paroxetina (Paxil, Paxil CR), fluvoxamina (Luvox, Luvox CR) e outros.

Estabilizadores de humor. Estes medicamentos são destinados a equilibrar o seu humor de forma que você não tem mudanças rápidas ou irregulares que podem desencadear impulsos para roubar. Um estabilizador de humor usado para tratar a cleptomania é de lítio (Lithobid).

Medicamentos anti-convulsivos. Embora originalmente destinado a convulsões, estes medicamentos têm demonstrado benefícios em determinados distúrbios mentais, possivelmente incluindo a cleptomania. Exemplos incluem o topiramato (Topamax) e ácido valpróico (Depakene, Stavzor).

Medicamentos vício. Naltrexona (Revia, Vivitrol), conhecido tecnicamente como um antagonista opiáceo, bloqueia a parte de seu cérebro que sente prazer com certos comportamentos de dependência. Pode reduzir a impulsos e prazer associado com o roubo.

Você pode ter que tentar vários medicamentos diferentes ou combinações de medicamentos para ver o que funciona melhor para você, com menos efeitos colaterais. Tenha em mente que isso pode levar várias semanas para perceber os benefícios. Fale com o seu médico ou profissional de saúde mental, se você estiver incomodado por efeitos colaterais. Sob sua orientação, você pode ser capaz de mudar de medicamentos ou mudar a sua dosagem. Muitos efeitos colaterais, eventualmente, ir embora.

Psicoterapia

Terapia cognitivo-comportamental tornou-se a psicoterapia de escolha para a cleptomania. Em geral, a terapia cognitivo-comportamental ajuda a identificar insalubres, crenças e comportamentos negativos e substituí-los saudáveis e positivas.

Terapia cognitivo-comportamental pode incluir essas técnicas para ajudá-lo a superar a cleptomania exorta:

Sensibilização encoberta, em que você imagine-se o roubo e, em seguida, enfrentar consequências negativas, como ser pego

Terapia de aversão, em que você praticar técnicas levemente dolorosos, como prender a respiração até que se torne desconfortável, quando você começa um desejo de roubar

Dessensibilização sistemática, em que você praticar técnicas de relaxamento e imagine-se controlar impulsos para roubar

Outras formas de terapia, como a terapia psicodinâmica, terapia familiar ou aconselhamento matrimonial, também pode ser útil.

Evitando recaídas

Não é incomum ter recaídas de cleptomania. Para ajudar a evitar recaídas, não se esqueça de manter o seu plano de tratamento. Se você se sentir impulsos para roubar, contate o seu profissional de saúde mental ou chegar a um grupo de apoio confiável.

Fonte: www.mayoclinic.com

Cleptomania

É um transtorno caracterizado pela impossibilidade repetida de resistir aos impulsos de roubar objetos. Os objetos não são roubados por sua utilidade imediata ou seu valor monetário; o sujeito pode, ao contrário, querer descartá-los, dá-los ou acumulá-los. Este comportamento se acompanha habitualmente de um estado de tensão crescente antes do ato e de um sentimento de satisfação durante e imediatamente após sua realização. O roubo não é cometido para expressar raiva ou vingança e não é uma resposta ao delírio ou a alucinação.

Este termo foi criado há mais de dois séculos para descrever o impulso de roubar objetos desnecessários ou de pequeno valor. Esquirol notou, em 1838, que o indivíduo frequentemente se esforça para evitar este comportamento, mas por sua natureza, isto é irresistível.

Ele escreveu: "o controle voluntário é profundamente comprometido: o paciente é constrangido a executar atos que não são ditados nem por sua razão, nem por suas emoções. - atos que sua conciência desaprova, mas que ele não tem intenção.

Os indivíduos afetados frequentemente têm outros distúrbios mentais, tais como distúrbio bipolar, anorexia nervosa, bulimia nervosa, ou distúrbio da ansiedade.

Adultos com cleptomania roubam porque isto oferece alívio ou conforto emocional. Poucas pessoas procuram tratamento até que são pegas roubando.

Qual a incidência de cleptomania na população geral?

Presume-se que a cleptomania seja um distúrbio raro, embora poucos estudos tenham sido feitos sobre sua prevalência na população em geral. Estudos feitos com ladrões de lojas sugerem que somente uma pequena parcela (de 1 a 8%) representam casos verdadeiros de cleptomania.

Na verdade, o roubo de lojas é extremante comum, de acordo com um estudo. Um pesquisador relatou que dos 263 clientes visitando lojas randomicamente, 27 (10%) foram observados roubando. Um estimou que correm aproximadamente 140 milhões de roubos por ano, mas que somente 4 milhões são pegos. Além disso, a incidência de roubos em lojas está aumentando.

Como distingüir um ladrão comum de um cleptomaníaco?

Não existem estudos controlados da psicopatologia da cleptomania, mas numerosos relatos de casos descrevem uma ampla extensão de sintomas psiquiátricos e distúrbios com aparente cleptomania. Os sintomas mais comuns associados parecem estar relacionados ao distúrbio do humor. A maioria dos estudos de "ladrões anormais" (pessoas que foram apreendidas roubando e encaminhadas para avaliação psiquiátrica) têm descrito taxas elevadas de sintomas depressivos e depressão em seus sujeitos. Dos 57 pacientes cleptomaníacos descritos na literatura, 57% mostraram sintomas afetivos e 36% provavelmente encontrariam um critério diagnóstico para depressão ou distúrbio bipolar.

Alguns pacientes com cleptomania e distúrbio comórbido do humor têm descrito uma relação entre seus sintomas afetivos e cleptomaníacos, declarando que seus impulsos de roubar ocorrem quando eles estão deprimidos.

É possivel tratar um cleptomaníaco?

Não existem estudos controlados de tratamentos somáticos ou psicológicos em cleptomania. Relatos de casos individuais, entretanto, sugerem que várias formas de terapia comportamental podem ser efetivas em alguns pacientes. Existem também relatos isolados do sucesso do uso de psicoterapia psicanalítica, mas existem também muitos relatos negativos.

Outros relatos de caso sugerem que medicamentos antidepressivos ou com propriedades estabilizadoras do humor podem ser efetivos na cleptomania.

Silvia Helena Cardoso

Fonte: www.cerebromente.org.br

Cleptomania

Descrição

A cleptomania é popularmente conhecida, de forma simples e objetiva, como o hábito que uma pessoa tem de roubar objetos. Por vezes, nas reflexões populares, ocorre certa dúvida que gera algumas discussões sobre qual comportamento poderia ser sintoma de cleptomania, derivado de um distúrbio psicológico e o que seria desonestidade manifestada pelo ato de roubar.

Atualmente, a novela América exibida pela Rede Globo de Televisão aborda o tema cleptomania através de uma personagem interpretada pela atriz Cristiane Torlone. A personagem apresenta uma mulher bonita, jovem, casada, mãe de uma filha e que vivencia uma situação financeira favorável, mas que, ao mesmo tempo, experimenta crises depressivas e, sem ter conhecimento direto, é traída pelo marido. Assim, tendo como base esse rápido perfil de uma pessoa cleptomaníaca vale investigar alguns fatores que envolvem esse problema.

Segundo o Manual de Diagnóstico e Estatística da Associação Psiquiátrica Americana, DSM IV, cleptomania não é simplesmente um hábito de pessoas que tenham uma boa condição financeira. O DSM IV ensina que a cleptomania faz parte dos Transtornos do Controle dos Impulsos, nos quais estão incluídos também o Transtorno Explosivo Intermitente, a Piromania, o Jogo Patológico e a Tricotilomania.

Desta maneira, O Transtorno Explosivo Intermitente é caracterizado por episódios distintos de fracasso em resistir a impulsos agressivos, resultando em sérias agressões ou destruição de propriedades; a Piromania é caracterizada por um padrão de comportamento incendiário por prazer, gratificação ou alívio de tensão; o Jogo Patológico caracteriza-se por um comportamento mal-adaptativo, recorrente e persistente, relacionado a jogos de azar e apostas; e a Tricotilomania caracteriza-se pelo ato de puxar, de forma recorrente, os próprios cabelos por prazer, gratificação ou alívio de tensão, acarretando uma perda capilar perceptível.

A característica essencial dos Transtornos de Controle dos Impulsos, inclusive da Cleptomania, que será citada separadamente abaixo, é o fracasso em resistir a um impulso ou tentação de executar um ato perigoso para a própria pessoa ou para outros. Na maioria destes transtornos, o indivíduo sente uma crescente tensão ou excitação antes de cometer o ato. Após cometê-lo, pode ou não haver arrependimento, auto-recriminação ou culpa.

Especificamente o Manual de Diagnóstico e Estatística Psiquiátrico, revela que a principal característica da Cleptomania é o fracasso recorrente em resistir a impulsos de furtar objetos, embora esses não sejam necessários para o uso pessoal ou por seu valor monetário. O indivíduo vivencia um sentimento subjetivo de crescente tensão antes do furto e sente prazer, satisfação ou alívio ao cometer o furto. O furto não é cometido para expressar raiva ou vingança, não é realizado em resposta a um delírio ou alucinação, nem representa um Transtorno Anti-social da Personalidade.

Os objetos são furtados, apesar de tipicamente terem pouco valor para o indivíduo, que teria condições de comprá-los e freqüentemente os dá de presente ou joga-os fora. Às vezes, o indivíduo pode colecionar os objetos furtados ou devolvê-los disfarçadamente. Embora os indivíduos com este transtorno em geral evitem furtar quando uma detenção imediata é provável (por exemplo, na proximidade de um policial), eles não costumam planejar seus furtos de antemão nem levam plenamente em conta as chances de serem presos. O furto é cometido sem auxílio ou colaboração de outros.

Alguns profissionais, como a psicoterapeuta Gia Carneiro Chaves, defendem que a Cleptomania é um processo que se inicia na infância. A criança se compensa por uma profunda falta de afeto, uma carência de carinho e atenção, que a leva por vezes ao desespero. A compensação do afeto seria através de "coisas" consoante ao estado psíquico do momento, num descontrole, numa ansiedade desenfreada, numa contestação inconsciente, num chamamento de atenção angustiante, porque a criança prefere ser castigada em função do roubo a ser ignorada.

A Cleptomania é uma condição rara que parece ocorrer em menos de 5% de pessoas que cometem furtos em lojas. Este Transtorno aparenta ser mais comum em mulheres. Quanto ao diagnóstico, ele não é feito, a menos que vários aspectos característicos da Cleptomania também estejam presentes.

Habitualmente este diagnóstico é feito através de entrevistas e sessões psicoterapeuticas, não havendo testes ou métodos pré-determinados para avaliar a situação.

O tratamento de uma pessoa cleptomaníaca costuma ser feito através de psicoterapia e alguma medicação prescrita por psiquiatra. Apesar disso, os relatos de sucesso definitivo no tratamento não são muito comuns, é recomendado que a pessoa prolongue o tratamento para manter a cleptomania sob controle.

Fonte: familia.com.br

Cleptomania

É comum que novelas e notícias de jornais tratem de pessoas que, aparentemente, furtam apenas por prazer. Pouco comum é ouvirmos falar em pessoas que sofrem de cleptomania, uma doença psiquiátrica classificada como um tipo de Transtorno de Controle dos Impulsos.

Outros exemplos deste tipo de transtorno são os alimentares e as adições – que podem ser químicas (como o vício em drogas e álcool), e não-químicas (como o vício pelo jogo).

"A cleptomania é um problema crônico, não tem cura, só acompanhamento. E demora a se chegar a um tratamento", afirma a psiquiatra do Einstein, Dra. Mara Fernandes Maranhão. "O indivíduo precisa estar sempre atento, pois existem períodos de mais vulnerabilidade como, por exemplo, os episódio que envolvem estresse", explica.

"A doença proporciona um prazer momentâneo em possuir algo que não é seu, muitas vezes sem valor monetário, e em fazer algo perigoso, proibido e de forma impulsiva. A pessoa sabe que pode prejudicar, mas não resiste ao ato de furtar", analisa a psiquiatra.

De acordo com ela, o indivíduo que sofre desta doença experimenta três momentos bem distintos:

Antes do ato, existe uma tensão crescente.

Durante o furto, a sensação é de prazer. O cérebro libera dopamina, que aciona o chamado sistema de recompensa

Por fim, depois do ato, a sensação é de culpa, remorso e vergonha, o que pode levar o indivíduo a um afastamento da sociedade.

A principal diferença entre o cleptomaníaco e um ladrão comum é que, para o segundo, existe a recompensa do valor do bem roubado.

"O indivíduo com esse tipo de transtorno muitas vezes nem chega a fazer uso dos objetos furtados, podendo guardá-los, devolvê-los ao dono, doá-los ou mesmo jogá-los fora", relata a médica.

Diagnóstico e tipos de tratamento

A cleptomania já vem sendo estudada há muitos anos, mas é de difícil diagnóstico por conta do preconceito do próprio paciente. Saber que o ato de furtar é socialmente condenado faz com que o paciente geralmente procure o psiquiatra por outros problemas, como depressão, ansiedade e transtornos de personalidade.

Segundo a psiquiatra, o aparecimento da doença costuma ocorrer no final da adolescência e início da idade adulta. "Apesar de existirem poucos estudos científicos sobre a cleptomania, ela parece acometer as mulheres mais frequentemente (mais ou menos 2/3 dos casos). Mas não se sabe se isso ocorre pelo fato de as mulheres procurarem mais ajuda do que os homens", explica a Dra. Mara.

A doença pode aparecer combinada a outro transtorno psiquiátrico e o tratamento também é um grande problema para os médicos, pois nem sempre atinge o resultado esperado.

Ele compreende terapias farmacológicas (em geral medicamentos que diminuem a impulsividade – como anticonvulsivantes e/ou antidepressivos) e não-farmacológicas.

Neste segundo grupo estão as terapias psicodinâmicas, que são de longo prazo e que não focam apenas nos sintomas, mas no significado dos atos para o indivíduo, e as chamadas cognitivo-comportamentais – que o ajudam a analisar o comportamento atual e a encontrar formas de modificá-lo.

Fonte: www.einstein.br

Cleptomania

Cleptomania: quando roubar é um prazer

Desejo incontrolável de furtar: essa é a principal característica da cleptomania. As sensações provocadas pelo ato são a principal razão para sua ação, isto é, a tensão, seguida de prazer, alívio ou satisfação pelo feito. Ainda que um distúrbio de tratamento complexo pode levar à cura em até 20% dos casos, segundo o psiquiatra cooperado da Unimed Uberaba, Marcelo Bilharinho.

Geralmente com início no final da adolescência, a cleptomania pode perdurar por muitos anos. O quadro, segundo ele, acomete seis a cada mil pessoas e estudos nacionais apontam para uma incidência em 8% dos pacientes psiquiátricos.

Sem uma causa plenamente definida, o psiquiatra explica que existem estudos que a ligam a um histórico de infância disfuncional. “No campo neuroquímico, os estudos têm levado à hipótese de alterações em neurotransmissores, principalmente, a serotonina”, detalha. 

Além disso, ela está ligada a outros problemas psicológicos, explica Bilharinho. “Os estudos sugerem uma incidência aumentada de depressão, além de transtornos de ansiedade, alimentares e de personalidade, em indivíduos com cleptomania”, alerta.

Isto tudo porque ao obter algum objeto sem o consentimento alheio e de forma impulsiva, o cleptomaníaco apresenta sensações que o satisfazem no momento em que comete o furto. “Diferente do ladrão, o indivíduo acometido por este transtorno não furta para uso pessoal ou ganho monetário”, sinaliza.

Por isso, nem sempre os objetos têm algum valor e podem ser de um simples chaveiro a uma caneta de alta importância. “O que vale é a ação em si e não o que ele está adquirindo de forma ilícita”, completa.

Para o cleptomaníaco é difícil perceber o problema, precisando, em muitos casos, do auxílio de amigos e familiares. “Ao notar o transtorno, deve-se convencê-lo a procurar um especialista, para então realizar uma avaliação e o acompanhamento médico e psicológico”, explica.

O tratamento, por sua vez, é conduzido por psiquiatra e psicólogo, que associam terapia a remédios. “Pode-se adotar a terapia psicanalítica, psicodinâmica ou cognitivo-comportamental, todas têm sido relatadas como benéficas para tratar a cleptomania”, elucida.

Quanto à medicação, Bilharinho aponta o uso, com bons resultados, de antidepressivos, estabilizadores de humor, psicoestimulantes, isolados e ou em combinação. “O uso da naltrexona, do grupo farmacológico ‘antagonista opioíde’, tem sido indicado e obtido efeitos promissores também”, complementa.

Ainda que o tratamento seja complexo, o médico afirma que em muitos casos têm sido relatado controle parcial de sintomas e, em aproximadamente 20%, chega a ser total, ou seja, o paciente é curado.

Fonte: www.unimedfortaleza.com.br

Cleptomania

Definição

A cleptomania é um transtorno do controle dos impulsos caracterizado por uma falha recorrente para resistir a roubar.

Descrição

A cleptomania é um transtorno complexo, caracterizado por repetidas tentativas fracassadas de parar de roubar. É muitas vezes visto em pacientes que são dependentes químicos ou que têm um humor coexistindo, ansiedade ou transtorno alimentar. Outros coexistindo transtornos mentais podem incluir depressão, ataques de pânico, fobia social , anorexia nervosa , bulimia nervosa, abuso de substâncias e transtorno obsessivo-compulsivo . As pessoas com este transtorno têm um impulso irresistível de roubar e obter uma emoção de fazê-lo. O ato recorrente de roubar pode ser restrito a objetos e configurações específicas, mas a pessoa afetada pode ou não pode descrever essas preferências especiais. As pessoas com este transtorno geralmente apresentam culpa após o roubo.

Detecção de cleptomania, mesmo por pessoas significativas, é difícil e muitas vezes o distúrbio prossegue sem ser detectado. Pode haver objetos preferidos e ambientes onde ocorre o roubo. Uma teoria propõe que a emoção de roubar ajuda a aliviar os sintomas em pessoas que estão deprimidas.

Causas

A causa da cleptomania é desconhecida, embora possam ter uma componente genética podem ser transmitidos entre os parentes em primeiro grau. Há também parece ser uma forte propensão para a cleptomania a coexistir com transtorno obsessivo-compulsivo, bulimia nervosa e depressão clínica.

Sintomas

O manual utilizado por profissionais de saúde mental para diagnosticar transtornos mentais é o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Publicado pela Associação Psiquiátrica Americana, o DSM contém critérios diagnósticos e resultados de pesquisas para os transtornos mentais. É a principal referência para os profissionais de saúde mental nos Estados Unidos.

A edição de 2000 deste manual (quarta edição, revisão de texto), conhecido como o DSM-IV-TR, enumera cinco critérios de diagnóstico para a cleptomania:

Roubo repetida de objetos que são desnecessários tanto para uso pessoal ou valor monetário.
Aumento da tensão imediatamente antes do roubo.
O prazer ou alívio ao cometer o furto.
O roubo não é motivado por raiva ou vingança, e não é causada por um delírio ou alucinação.
O comportamento não é melhor explicada por um transtorno de conduta , episódio maníaco , ou transtorno de personalidade anti-social.

Demografia

Estudos sugerem que 0,6% da população em geral pode ter esta doença e que é mais comum em mulheres. Em pacientes que têm histórico de transtorno obsessivo-compulsivo, alguns estudos sugerem uma correlação de 7% com cleptomania. Outros estudos relatam um particularmente elevado (65%) de correspondência de cleptomania em pacientes com bulimia.

Diagnóstico

Diagnosticar a cleptomania é geralmente difícil, pois os pacientes não procuram ajuda médica para esta queixa, e avaliações psicológicas iniciais não pode detectá-lo. A doença é muitas vezes diagnosticada quando os pacientes procuram ajuda por outra razão, como a depressão, bulimia, ou para sentir-se emocionalmente instável (lábil) ou infeliz em geral (disfórico). Avaliações psicológicas iniciais podem detectar uma história de pais pobres, conflitos de relacionamento, ou ocorrências graves estressores abrupta que causam estresse, como passar de uma casa para outra. O ato de repetição de roubar pode ser restringido a objetos e configurações específicas, mas o paciente pode ou não pode descrever estas preferências especiais.

Tratamentos

Uma vez que se suspeita que a desordem e verificada por uma extensa entrevista psicológico, terapia é normalmente dirigida para controle de impulso, bem como qualquer perturbação mental associada (s). Estratégias de prevenção de recaída, com uma compreensão clara de disparadores específicos, deve ser salientado.

O tratamento pode incluir psicoterapia, como a terapia cognitivo-comportamental e terapia racional emotiva. Estudos recentes indicaram que a fluoxetina (Prozac) e naltrexona (Revia) também pode ser útil.

Prognóstico

Não há informação muito sólida se sabe sobre este distúrbio. Uma vez que não é geralmente o problema apresentado ou queixa principal, é frequentemente nem sequer diagnosticados. Existem alguns relatos de casos de sucesso que o tratamento de documentos com medicamentos antidepressivos, embora, como com quase todos os distúrbios psicológicos, os resultados variam.

Prevenção

Há pouca evidência relativa à prevenção. A educação saudável, relacionamentos íntimos positivos e gestão de situações de estresse agudo pode diminuir a incidência da cleptomania e doenças coexistentes.

Fonte: www.minddisorders.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal