Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Climas do Brasil - Página 4  Voltar

Climas do Brasil

Apesar de sua grande extensão, quase todo o país encontra-se inserido na zona intertropical (zona compreendida entre os trópicos de Câncer, ao norte, e o de Capricórnio, ao sul), em torno do Equador, e não apresenta grandes cadeias montanhosas que modifiquem os valores médios do clima zonal. A continentalidade não é um fator relevante, já que a extensa massa florestal da Amazônia supre a escassez de massas de ar úmido provenientes do mar.

Os climas dominantes do Brasil são o clima equatorial úmido e o clima tropical seco e úmido. O centro de ação dominante é a posição da zona de convergência intertropical (ZCIT) e os ventos alísios (ventos permanentes) que a acompanham, tanto ao norte quanto ao sul. Ao extremo sul encontra-se o clima subtropical úmido, e a ação do anticiclone subtropical do Atlântico sul.

Tipos de Clima

O Brasil, tomado em geral, é um país chuvoso. A temporada de chuvas depende da região, uma vez que o país estende-se ao norte e ao sul do Equador, ainda que a maior parte de seu território encontre-se no Hemisfério Sul. No norte, as chuvas duram de janeiro a abril, no noroeste de abril a julho e no sul de novembro a março.

A faixa atlântica é a mais chuvosa, com médias que vão acima dos 1.200 mm anuais, distribuídas de forma desigual, no entanto. Nas depressões do nordeste, desde o vale do rio São Francisco até o norte de Minas Gerais, as precipitações decaem para menos de 800 mm, e são particularmente irregulares e torrenciais. Ao sul do trópico de Capricórnio, as temperaturas médias decaem. Nas áreas mais elevadas, o verão é suave, e o inverno rigoroso, com precipitações nivais ocasionais. As chuvas são muito abundantes, entre 1.500 e 2.000 mm, e uniformemente distribuídas.

Mapa Koppen Brasil
Tipo climáticos brasileiros segundo Köppen

O clima equatorial estende-se por todo o norte e a bacia do Amazonas: estados de Amazonas, Acre, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Amapá. O clima tropical se estende por toda a região nordeste, sendo que no centro dessa região está o clima semi-árido, com chuvas esparsas distribuídas muito desigualmente durante o ano.

O clima tropical seco e úmido estende-se por toda a região Centro-Oeste, que compreende os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás e o Distrito Federal; e a região sudeste, estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. O período de chuvas é maior que o período seco, mas há uma estação seca bem diferenciada.

O clima subtropical úmido estende-se pelos estados de Santa Catarina, Paraná e Río Grande do Sul. Nos meses mais frios e nas serras chegam a dar-se geadas.

Entre os principais elementos que, combinados, determinam os climas do Brasil estão a pressão atmosférica (ventos e massas de ar), a umidade (chuvas) e as temperaturas. O mecanismo das massas de ar são o principal fator determinante dos tipos climáticos brasileiros, pois podem mudar bruscamente o tempo nas áreas onde atuam. O Brasil sofre a influência de praticamente todas as massas que atuam na América do Sul, exceto as que se originam no Oceano Pacífico, já os Andes barram sua entrada para dentro do continente. São cinco as massas de ar que atuam no País; duas continentais (provenientes do continente, logo secas) e três atlânticas (provenientes do Atlântico, logo úmidas). Quatro são quentes, e apenas uma é fria. Duas delas originam-se nas proximidades da linha do Equador, duas na área tropical e uma provém do pólo Sul. São elas:

* Massa equatorial continental (mEc) - Originária da Amazônia ocidental - área de baixa latitude e muitos rios. É uma massa de ar quente, úmido e instável. Atinge praticamente todas as regiões durante o verão no hemisfério sul, provocando chuvas. No inverno, a mEc recua e sua ação fica restrita à Amazônia ocidental.

* Massa tropical atlântica (mTa) - Também de ar quente e úmido, origina-se no atlântico sul. Atua na faixa litorânea e é praticamente constante durante todo o ano. No inverno, a mTa encontra a única massa de ar frio atuante no Brasil, a mPa, cujo encontro provoca as chuvas frontais do litoral nordestino. No Sul e Sudeste, o encontro da mTa com as área elevadas da serra do Mar provocam as chuvas orográficas.

* Massa polar atlântica (mPa) - De ar frio e úmido. Atua principalmente no inverno. Em virtude das baixas altitudes da área central do território brasileiro (planaltos rebaixados), no inverno essa massa chega a atingir a Amazônia ocidental, e provoca baixa de temperaturas. Como dito acima, essa massa encontra a mTa no litoral do Nordeste no inverno, provocando as chuvas frontais.

* Massa equatorial atlântica (mEa) - Massa de ar quente e úmido. Atua principalmente durante a primavera e o verão no litoral do Norte e Nordeste. Conforme avança para dentro do país, perde a umidade.

* Massa tropical continental (mTc) -Origina-se na região do Chaco, Paraguai, que é uma zona de altas temperaturas e pouca umidade, que a torna a única massa de ar quente e seco. Também provoca um bloqueio que detém as massas de ar frio, mormente nos meses de maio e junho.

Massas de Ar
Massas de ar atuantes do Brasil

Apesar de nosso país apresentar médias anuais pluviométricas em torno de 1 000 mm, as chuvas não se distribuem de forma igualitária por toda sua extensão. Áreas como alguns trechos da Amazônia, o litoral sul da Bahia e o trecho paulista da serra do Mar recebem mais de 2 000 mm de chuvas por ano. No oposto está o sertão nordestino, com totais muito abaixo da média do País.

Em quase 95% do nosso território tem-se temperaturas médias superiores a 18ºC, como decorrência da tropicalidade. O comportamento das temperaturas também está sujeito à influência de outros fatores que não a latitude (distância maior ou menor do Equador): a altitude, a continentalidade e as correntes marítimas.

Quanto maior a altitude, mais frio é o local. Como o terreno do Brasil é de baixas altitudes, esse fator não exerce grande influência na configuração climática. São exceções Campos de Jordão, em São Paulo, e Garanhuns, Pernambuco. No que se refere à latitude, pode-se afirmar que sua influência é maior. Cidades próximas à linha do Equador têm amplitudes térmicas (diferença entre a maior e a menor temperatura registradas em períodos diversos) menores e temperaturas mais altas que as cidades mais afastadas.

Quanto mais próxima do mar (maritimidade), menor a amplitude térmica de uma cidade, i.e., mais constantes são suas temperaturas. Por conseguinte, quanto mais afastada do mar (continentalidade), maior amplitudes térmicas apresenta o local, uma vez que o mar não pode exercer seu efeito regulador.

O Brasil sofre a influência de duas correntes marítimas quentes: a corrente do Brasil (sentido sul) e a corrente das Guianas (sentido norte), que contribuem para o estabelecimento de climas quentes.

Correntes Marítimas
Correntes Marítimas

Fonte: oguiageografico.wordpress.com

Climas do Brasil

Características gerais

Em conseqüência de fatores variados, a diversidade climática do território brasileiro é muito grande. Dentre eles, destaca-se a fisionomia geográfica, a extensão territorial, o relevo e a dinâmica das massas de ar. Este último fator é de suma importância porque atua diretamente tanto na temperatura quanto na pluviosidade, provocando as diferenciações climáticas regionais. As massas de ar que interferem mais diretamente são a equatorial (continental e atlântica), a tropical (continental e atlântica) e a polar atlântica.

O Brasil apresenta:

a) clima super-úmido com características diversas, tais como o super-úmido quente (equatorial), em trechos da região Norte; super-úmido mesotérmico (subtropical), no norte do Paraná e sul de São Paulo, e super-úmido quente (tropical), numa estreita faixa litorânea de São Paulo ao Rio de Janeiro, Vitória, sul da Bahia até Salvador, sul de Sergipe e norte de Alagoas.

b) clima úmido, também com várias características: clima úmido quente (equatorial), no Acre, Rondônia, Roraima, norte de Mato Grosso, leste do Amazonas, Pará, Amapá e pequeno trecho a oeste do Maranhão; clima úmido subquente (tropical), em São Paulo e sul do Mato Grosso do Sul, e o clima úmido quente (tropical), no Mato Grosso do Sul, sul de Goiás, sudoeste e uma estreita faixa do oeste de Minas Gerais, e uma faixa de Sergipe e do litoral de Alagoas à Paraíba.

c) clima semi-úmido quente (tropical), corresponde à área sul do Mato Grosso do Sul, Goiás, sul do Maranhão, sudoeste do Piauí, Minas Gerais, uma faixa bem estreita a leste da Bahia, a oeste do Rio Grande do Norte e um trecho da Bahia meridional.

d) clima semi-árido, com diversificação quanto à umidade, correspondendo a uma ampla área do clima tropical quente. Assim, tem-se o clima semi-árido brando, no nordeste do Maranhão, Piauí e parte sul da Bahia; o semi-árido mediano, no Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e interior da Bahia; o semi-árido forte, ao norte da Bahia e interior da Paraíba, e o semi-árido muito forte, em pequenas porções do interior da Paraíba, de Pernambuco e norte da Bahia.

e) clima mesotérmico, tipo temperado, domina praticamente toda a Região Sul.

Características regionais

Região Norte

Apresenta clima quente com temperatura média anual variando entre 24° e 26°C na maior parte do ano. Nas áreas serranas as médias anuais são inferiores a 24°C e ao longo do baixo e médio Amazonas as médias ultrapassam os 26°C. No que diz respeito à pluviosidade, não há uma distribuição espacial homogênea como acontece com a temperatura. O total pluviométrico anual excede os 3.000 mm na foz do rio Amazonas, no litoral do Pará e a ocidente da região; já o corredor menos chuvoso, com total pluviométrico anual de 1500 a 1.700 mm, encontra-se na direção noroeste-sudeste de Roraima e leste do Pará.

Região Nordeste

O Nordeste do Brasil, em relação ao regime térmico, apresenta temperaturas elevadas cuja média anual varia de 20° a 28°C. Nas áreas situadas acima de 200m e no litoral oriental as temperaturas variam de 24° a 26°C. As médias anuais inferiores a 20°C encontram-se nas áreas mais elevadas da chapada Diamantina e da Borborema. A distribuição da pluviosidade da região nordeste é muito complexa, não só em relação ao período de ocorrência (três meses, podendo às vezes nem existir), como em seu total anual, que varia de 300 a 2.000 mm. Quanto ao período de ocorrência, o máximo ocorre no outono-inverno e o mínimo na primavera-verão, ao longo do litoral oriental e na encosta do planalto do Rio Grande do Norte à Bahia.

Região Sudeste

O clima dessa região é bastante diversificado no que diz respeito à temperatura, em função de três fatores principais: a posição latitudinal, a topografia acidentada e a influência dos sistemas de circulação perturbada. Corresponde a uma faixa de transição entre climas quentes das baixas latitudes e os climas mesotérmicos das latitudes médias, mas suas características mais fortes são de clima tropical. A temperatura média anual está entre 20°C na divisa entre São Paulo e Paraná, a 24°C ao norte de Minas Gerais. Nas áreas mais elevadas das serras do Espinhaço, Mantiqueira e do Mar, a média chega a ser inferior a 18°C. A pluviosidade é tão importante quanto a temperatura, com predominância de duas áreas bastante chuvosas: a primeira acompanha o litoral e a Serra do Mar e a outra vai do oeste de Minas Gerais até o município do Rio de Janeiro. A pluviosidade nessas áreas é sempre superior a 1.500 mm. Na Serra da Mantiqueira as chuvas ultrapassam 1.750 mm e no alto do Itatiaia alcançam 2.398 mm. Em São Paulo, na Serra do Mar, chove em média mais de 3.600 mm. Já foi registrado o máximo de chuva no país (4.457,8 mm), próximo a Paranapiacaba. No restante da região Sudeste, a pluviosidade atinge os 1.500 mm e nos vales do Jequitinhonha e Doce cerca de 900 mm.

Região Sul

Além do relevo e da posição geográfica, os sistemas de circulação atmosférica influenciam bastante na caracterização climática da região Sul que apresenta duas características próprias: a primeira é a homogeneidade quanto as chuvas e seu regime, e a outra a unidade climática. Em relação às temperaturas, o inverno é frio e o verão quente. A temperatura média anual fica entre 14° e 22°C e nos locais acima de 1.100 m, cerca de 10°C. No verão, nos vales dos rios Paranapanema, Paraná, Ibicuí e Jacuí, a média de temperatura é acima de 24°C e nas áreas mais elevadas é inferior a 20°C. Nas áreas baixas as temperaturas máximas chegam a alcançar 40°C, ultrapassando esses valores nos vales acima referidos e no litoral. No inverno, a temperatura média oscila entre 10° e 15°C, exceto nos vales do Paranapanema-Paraná, Ribeira do Iguape, litoral do Paraná e Santa Catarina, onde as médias oscilam entre 15° e 18°C. A pluviosidade média anual situa-se entre 1.250 e 2.000 mm, excetuando-se o litoral do Paraná e o oeste de Santa Catarina, onde vai além de 2.000 mm. Numa pequena área litorânea de Santa Catarina e no norte do Paraná, a média anual de chuva é inferior a 1.250 mm.

Centro-Oeste

A região é bastante diversificada quanto à temperatura, em conseqüência do relevo, extensão longitudinal, continentalidade e circulação atmosférica. Já em relação à pluviosidade é mais homogênea. Nos extremos norte e sul da área, a temperatura média anual é de 22°C; nas chapadas situa-se entre 20° e 22°C. O inverno é brando, com ocorrência de temperaturas baixas em função da "friagem" (invasão de ar polar). A temperatura média do mês mais frio situa-se entre 15° e 24°C. A pluviosidade na região depende quase exclusivamente do sistema da circulação atmosférica. A média anual de chuvas varia entre 2000 e 3.000 mm ao norte de Mato Grosso e vai diminuindo para leste e sul, chegando a alcançar 1.500 mm a leste de Goiás e 1.250 mm no Pantanal Mato-Grossense. Apesar dessa diferença, a região tem bom índice de pluviosidade. A predominância de chuvas ocorre no verão, pois mais de 70% do total das chuvas caem entre novembro e março. O inverno é muito seco e as chuvas são raras. À medida que se caminha para o interior o período da estação seca cresce, chegando até quatro meses.

Fonte: www.colegioame.com.br

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal