Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Educação E Felicidade  Voltar

Educação e Felicidade

Em viagem pela China, um turista notou um senhor bastante idoso empenhado na confecção de um lindo painel, que cobria uma parede enorme. O trabalho estava pela metade, longe de sua conclusão. Entretanto, ao observar o velho homem trabalhar, ele se convenceu de que aquela seria uma tarefa que nunca seria completada. Para cada ponto tecido, o ancião, dava dois passos para trás, contemplava o seu trabalho por algum tempo, e frequentemente desmanchava tudo o que tinha feito e mais alguma coisa.

Não se contendo, o turista caminhou até o ancião e lhe disse que neste ritmo ele nunca iria completar o trabalho. O ancião respondeu com um sorriso e explicou: "Primeiramente, este trabalho não foi começado por mim. Em segundo lugar, o meu único objetivo ao tecer este painel é tornar impossível que qualquer pessoa possa dizer onde foi que eu comecei."

Esta é uma das minhas histórias favoritas, principalmente por ir de encontro a tudo o que o nosso estilo de vida prega. Precisamos fazer muito, em pouco tempo. Devemos receber o crédito total por todas as nossas realizações. Se este crédito não puder ser dado, não nos interessa o trabalho. O trabalho por seu prazer intrínseco está se tornando praticamente uma utopia. A meta final é o poder e o dinheiro, mesmo que para isto se precise sacrificar a saúde, os relacionamentos, e até mesmo a sanidade.

Um dos questionamentos mais frequentes que se fazia à escola Summerhill era se seus alunos eram bem sucedidos em sua vida profissional. A escola Summerhill se diferencia das demais por permitir que seus alunos decidam sobre suas vidas com total autonomia. Assistem aulas se quiserem e decidem sobre os rumos da escola em assembléias semanais onde os professores não podem opinar. Certamente a escola teve alunos que obtiveram grande destaque em suas áreas de atuação, mas sua maior realização, nas palavras de seu fundador, A. S. Neil, foi ter propiciado a inúmeras crianças um ambiente em que puderam desenvolver sua auto-estima, seu valor, confiança e felicidade.

Qual afinal é o papel da educação? Preparar nossas crianças para entrar na corrida de ratos ou ensiná-las a buscar a realização pessoal e a felicidade, mesmo que isto signifique menos poder e posses materiais?

O mais triste é que somos condicionados desde muito jovens a agir desta forma e a perseguir estes ideiais vazios. Valorizamos o primeiro da classe, quando o nosso objetivo deveria ser fazer com que todos fossem os primeiros.

Esta formação, ou lavagem cerebral, que começa nas escolas, segue firme no mundo empresarial. Curiosamente, muito do que as empresas entendem como incentivo ao funcionário, cria um clima de ressentimento e competitividade destrutiva. Os grupos se fecham em si mesmos e não deixam vazar nenhuma informação para os grupos rivais. Colaboração não existe, é cada um por si.

Aqueles que se entregam à corrida de ratos são seres que dependem de algo externo para sustentar sua imagem. Passam a vida inteira construindo uma imagem de si mesmos atrelada a uma empresa. Não existem sem os símbolos do poder e desmoronam quando isto lhes é tirado.

Ninguém descobriu ainda o propósito de nossa passagem por este planeta. Muitos julgam, e eu me incluo entre eles, que o objetivo maior deve ser a busca de uma vida equilibrada e feliz. Infelizmente o nosso modo de vida nos leva exatamente no sentido contrário, para fora de nós.

Para encerrar este artigo, gostaria de reproduzir aqui um artigo da seção Histórias de nosso site, que trata da felicidade.

Felicidade

Um dia, os deuses do mundo se reuniram e decidiram criar um homem e uma mulher. Planejaram criá-los à sua imagem e semelhança. Então, um deles disse:

``Esperem! Não vamos simplesmente criá-los, libertá-los e esquecê-los! Se vamos criá-los à nossa imagem e semelhança, irão ter um corpo igual ao nosso, força e inteligência idênticas às nossas! Se vamos criá-los à nossa imagem e semelhança, logo, eles terão os nossos poderes e os nossos privilégios de rei! Devemos pensar em algo que os diferencie de nós, senão estaríamos criando novos deuses! Devemos tirar-lhes algo, mas o que poderíamos tirar?''

Depois de muito pensarem, chegaram a conclusão que deveriam tirar-lhes a FELICIDADE. Entretanto, o problema era onde escondê-la para que nunca a encontrassem.

Outro deus ainda argumentou:

``Os homens que perdem o segredo da FELICIDADE ora se isolam cabisbaixos, ora se desesperam, ora se encolerizam Trata-se, portanto, de uma situação extremamente melindrosa; merece, pois, toda a nossa atenção. Ou seja, a desintegração de nosso núcleo de poder liberaria o caos, logo forneceria elementos decisivos para uma futura rebelião de deuses! É uma situação muito delicada; merece, pois, toda a nossa atenção e cuidado!''

Então os deuses começaram a discutir

``Vamos esconder a FELICIDADE na montanha mais alta da Terra, pois ali eles terão dificuldades de encontrá-la! Não te recordas que demos força a eles? Se mantivéssemos a FELICIDADE em tal local, logo eles poderiam encontrá-la! Ou seja, alguém conseguiria subir até o topo desta montanha e poderia saber o lugar em que ela está!''

``Então vamos ocultá-la no fundo do mar, pois o caminho é turvo, difícil e perigosíssimo! Também não seria um bom lugar, pois lhes demos inteligência e alguém certamente criaria alguma máquina que os faria submergir e encontrá-la.''

``Quem sabe, possamos escondê-la em um planeta de uma galáxia longínqua! Também não seria eficaz, pois lhes demos a curiosidade e a ambição; portanto, irão querer ultrapassar limites e logo criarão algo para voar pelo espaço e certamente a encontrarão.''

Depois de muito discutirem e não chegarem a nenhuma conclusão, o único deus que não havia falado, pediu a palavra e lhes disse:

``Creio que sei onde poderíamos colocar a FELICIDADE, ou seja, em um lugar que eles nunca descobrirão!''

Um deus que era muito gozador argumentou:

``Meu amigo ora desvia da discussão em pauta, ora navega pelas nuvens; portanto, está tomando a nuvem por Juno e confundindo a aparência com a realidade; devemos, portanto, auxiliá-lo e confortá-lo.''

Todos ficaram espantados e perguntaram ao deus que não havia falado:

``Então nos diga, aonde??''

E ele lhes respondeu:

``Colocaremos a FELICIDADE dentro deles, pois estarão tão preocupados buscando-a afora, que nunca a descobrirão. Caríssimos, os homens sempre estão no caos Sempre discordam de tudo, sejam as discordâncias ligeiras, sejam de peso. Estejamos, pois, atentos!''

Todos ficaram de acordo, e desde então tem sido assim. O homem passa a vida toda buscando a FELICIDADE sem saber que a traz consigo.

Rubens Queiroz de Almeida

Fonte: www.idph.net

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal