Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Clorofila  Voltar

Clorofila

 

 

A Clorofila é um verde pigmento encontrado em cianobactérias e os cloroplastos das algas e plantas.

A clorofila é uma biomolécula extremamente importante, fundamental na fotossíntese luz mais fortemente na parte azul do espectro, o que permite que as plantas absorvem a energia da luz.

A clorofila foi isolada pela primeira vez por Joseph Bienaimé Caventou e Pierre.

O que é

A clorofila é a molécula que absorve a luz solar e usa sua energia para sintetizar carboidratos de CO 2 e água.

Este processo é conhecido como fotossíntese e é a base para sustentar os processos de vida de todas as plantas. Dado que os animais e os seres humanos obter sua fonte de alimento comendo plantas, a fotossíntese pode ser dito para ser a fonte de nossa vida também.

O que é clorofila?

Clorofila
Clorofila

A clorofila é uma molécula que ocorre naturalmente, que dá cor verde para as plantas.

A clorofila é também a molécula responsável por facilitar um dos processos mais incrivelmente milagrosas na Terra - o processo de fotossíntese.

A fotossíntese é o processo que converte energia solar, água e dióxido de carbono em nossa fonte primária de combustível - glicose. Todos os animais e os seres humanos obtêm sua energia atavés das plantas, que é o fornecimento de sustentação da vida, fazendo com que a fotossíntese seja umas das fontes de toda a vida.

Sem as plantas não haveria vida.

A energia é transformada

O Sol fornece a energia que consumida pelos seres vivos. Seres vivos capazes de captar essa energia e transformála são aqueles que possuem a clorofila.

Mas o que é clorofila? O que ela tem a ver com a transformação da energia?

A clorofila é um pigmento verde que fica nos cloroplastos presentes nas plantas, nas algas e em algumas bactérias.

Clorofila
Microfotografia de células vegetais mostrando os cloroplastos

A intensa cor verde da clorofila se deve a sua enorme capacidade de absorver a luz através das regiões azuis e vermelhas do espectro eletromagnético. Ela não absorve a região verde, por isso, essa é a cor refletida.

O verde refletido pela clorofila mascara as demais cores das plantas, tornando-se predominante. Conforme a quantidade de clorofila presente nas plantas diminui, as outras cores começam a aparecer.

Este efeito torna-se bastante perceptível durante o outono, época do ano em que as folhas das árvores mudam de cor ou durante o amadurecimento das frutas verdes. E o que acontece com as plantas ou com as partes das plantas que não são verdes?

Planta que não produz clorofila morre cedo.

Há vegetais albinos?

Sim. O pigmento principal das plantas é a clorofila, produzida nos clorosplastos, uma das partes da célula vegetal. Mas mutações genéticas podem fazer com que os clorosplastos nasçam inativos. Quando isso acontece eles passam a se chamar leucoplastos.Incapazes de Produzir a clorofila, responsável pela coloração verde, as folhas ficam brancas. "São plantas que morrem dedo porque, sem clorofila, não realizam fotossíntese, a reação química que dá energia ao vegetal", explica o botânico Gilberto Kerbauy, da Universidade de São Paulo. Sua existência só dura enquanto houver o estoque de energia na semente. Por isso, é praticamente impossível encontrar plantas albinas na natureza; Mas elas podem ser observadas quando se faz germinação de grandes quantidades de sementes, em labotat

Fruta pequena também faz fotossíntese.

Porque a maioria das frutas não maduras é verde?

Clorofila
A cagaita, fruta de nome tão peculiar quanto saborosa, é muito coum no cerrado e passa do verde ao amarelo à medida que amadurece

Porque estão cheia de clorofila, o pigmento verde que produz a fotossíntese.

Isso mesmo: a fruta, quando pequena, também faz fotossíntese, ou seja, na presença da luz solar, ela retira gás carbônico do ar e libera oxigênio. Dessa forma, consegue energia para si e para a planta. Normalmente, os pigmentos da cor própria da fruta já estão lá, antes de ela amadurecer. Só que a clorofila, por ser mais forte esconde. A médida que a fruta cresce e amadurece, a clorofila se degrada e a cor que estava por baixo aparece. "No caso de algumas frutas, como a jubiticaba, a clorofila não desaparece", explica o botânico Gilberto Kerbauy, da Universidade de São Paulo. Sua cor escura é uma combinação do verde com o vermelho.

Outra característica importantíssima da clorofila é a sua capacidade de transformar a energia da luz solar em energia química. Isso se dá através do processo de fotossíntese, no qual a energia absorvida pela clorofila fica armazenada nas moléculas de glicose (um tipo de carboidrato) produzidas.

Portanto, os carboidratos são as moléculas que contêm a energia necessária ao crescimento e funcionamento das plantas e de todos os outros seres vivos da teia alimentar como mostra a figura abaixo.

Clorofila
Esquema simplificado de cadeia alimentar mostrando o fluxo da energia

O que é mesmo Fotossíntese?

Nós vimos que a fotossíntese é um processo que ocorre nos cloroplastos a partir da capacidade da clorofila de absorver a energia luminosa do Sol. Nessas reações químicas são produzidos açúcares, ou também chamados carboidratos.

Complicado?

Um pouco complexo, é verdade.

Por isso, vamos ouvir o que os próprios produtores têm a dizer sobre a fotossíntese nessa história contada por Fernanda Reinert:

Fotossíntese, dúvida de um sabiá

Clorofila

Sempre achei que se o sabiá pudesse falar ele um dia soltaria uma pergunta daquelas bem cabeludas. Basta olhar para ele parado no galho, mexendo o pescocinho de um lado pro outro, que tenho a sensação de que esse passarinho está matutando alguma coisa.

Outro dia, tinha um com uma minhoca pendurada no bico pousado na raiz de uma árvore, olhando para cima, para a parte das folhas.

Parecia que ele, pronto para almoçar a sua presa, se perguntava: "Eu vôo de lá pra cá para beber água e conseguir o que comer e essa árvore, que nunca sai do lugar, cresce e, ainda, dá flores e frutos.

Como isso é possível? Do que será que ela se alimenta?"

Depois que eu inventei essa pergunta para justificar a impressão de curioso que o sabiá sempre me passou, decidi que a árvore também poderia ter o dom da palavra e dar algumas explicações para ajudar o sabiá a esclarecer suas dúvidas.

Essa conversa ficou assim...

Ora, ora, sabiá, quer dizer que você não sabe como eu consigo energia para crescer?
- É isso mesmo que me intriga. Vivo às voltas procurando sementes e minhocas para mim e para os meus filhotes. E a senhora aí parada faz o que para conseguir tudo?
- Bem, meu caro, eu faço fotossíntese.
- Foto... o quê?!
-FO-TOS-SÍN-TE-SE. Esta parece ser uma palavra nova para você. Vou explicar, então. Meu corpo é dividido em três partes: folhas, tronco e raízes. As raízes sempre crescem na direção das partes mais úmidas do solo. Então, a água do solo sobe pelas raízes através de canais muito fininhos que possuo e vai seguindo pelo tronco até chegar às folhas, flores e frutos. Mas isso ainda não é a fotossíntese. Meu alimento eu mesma produzo.
- Não precisa se espantar porque não é difícil de entender. Eu uso ingredientes muito comuns para fazer fotossíntese: a luz do sol, a água e o gás carbônico, que está no ar e é invisível. Depois, junto os minerais e tenho o alimento que preciso. Os minerais vêm junto com a água, porque eles estão no solo. Não é possível ver esses minerais a olho nu porque eles são muito pequenos, muito menores que um grão de areia.
- Sei, sei...
- Então, ao mesmo tempo em que a água vai subindo pelo tronco, as folhas fazem o trabalho de capturar a luz do sol.
- Como assim "capturam a luz"?
- Olha, as folhas, assim como qualquer outra parte do meu corpo ou do seu, são formadas de várias células - outras estruturas que só pode ver ao microscópio. Dentro das minhas folhas tem clorofila, substância que faz o trabalho de absorver a luz. É por causa da clorofila que minhas folhas são verdes também. Mas nem tudo que é verde tem clorofila, viu?
- Ah, bom! Eu já ia perguntar se meu amigo papagaio era cheio de clorofila.
- Não, não. Animais não têm clorofila. Mas, como eu ia dizendo, minhas folhas são como uma fábrica de energia. Elas é que capturam a luz, juntam água e gás carbônico, produzindo tudo o que preciso para crescer. Isso é fotossíntese.
- Então, a energia do sol vai para todas as partes do seu corpo?
- Do meu e, depois, do seu também, quando você se alimenta de plantas.
- Uau! Então vou encontrar esses tais minerais, beber água e tomar um banho de sol. Assim nunca mais vou precisar buscar sementes e minhocas.
- Sabiá, você é esperto, mas às vezes dá umas mancadas...
- Por quê?
- Porque somos diferentes, meu amigo emplumado. Lembra que acabei de dizer que nem tudo que é verde tem clorofila? Nossos corpos não se assemelham em nada. Animais e plantas desenvolveram maneiras diferentes de conseguir seu alimento. Alguns fazem coisas que outros não conseguem. Pense comigo: peixes podem nadar, mas não voam alto como você. Em vez de asas, eles têm nadadeiras. Nós, plantas, temos coisas que vocês pássaros não têm.
- É, mas e os aviões?
- Você é mesmo danado. Aviões são máquinas e nós, seres vivos. Eles também precisam de energia para voar, mas a energia deles vem do combustível. Essa é uma outra história, a qual eu não sou lá a mais habilitada para explicar. Pergunte sobre isso aos humanos. Quer dizer, isso se você conseguir se fazer entender, porque eu aposto que ao ouvir você piando, eles vão lhe dar alpiste, achando que você está reclamando por comida!

Com uma gargalhada daquelas, a árvore e o sabiá encerraram a conversa. Mas prometeram voltar a se falar porque, afinal, ainda tinham muito o que descobrir juntos!

Fernanda Reinert

Junia Freguglia

Fonte: crv.educacao.mg.gov.br

Clorofila

O que é clorofila?

A clorofila é uma molécula orgânica complexa, que permite que as plantas, e em alguns outros organismos, para realizar a fotossíntese - a conversão de carbono e dióxido de água de glicose e oxigénio utilizando a luz solar.

A glucose é uma fonte de energia que é usada para o crescimento e desenvolvimento de potência, e o oxigénio criadas como um subproduto é essencial para toda a vida animal. Como resultado, este pigmento verde é um dos compostos biológicos mais importantes. Ele também dá as plantas seu distintivo cor verde.

Fotossíntese

Pode ser útil pensar em clorofila como cumprir a mesma função em plantas como o sistema digestivo humano. Ambos tomam as matérias-primas e converte em fontes utilizáveis de energia na forma de glicose.

No caso do pigmento, todas as necessidades da planta é a água absorvida através das suas raízes, ar absorvido pelos poros, e a luz do sol. Em seguida, a planta, se é uma árvore de pau-brasil, um grupo de algas, ou uma rosa, absorve a glicose em suas células para desfraldar outra folha ou outra flor brotar. A energia não precisa ser imediatamente armazenada como amido para uso posterior.

O processo da fotossíntese pode ser resumido como a reação:

6CO 2 (dióxido de carbono) + 6H 2 O (água) -> C 6 H 12 O 6 (glicose) + 6O 2 (oxigênio)

mas na realidade é muito mais complexa e envolve uma série de etapas. Os produtos finais têm mais energia do que as matérias-primas, o que significa que a reação não pode ter lugar sem a energia a ser fornecida. A clorofila faz isso por captar a energia da luz solar. Desde CO 2 é absorvido, e O 2 produzido, pode-se dizer que as plantas "respiram" o dióxido de carbono e "respiram" o oxigênio.

A estrutura e a função da clorofila

O pigmento contém um anel de porfirina, o que é um arranjo circular de átomos de carbono. Dentro deste são quatro azoto átomos ligados a um centro de magnésio ião. Isto permite electrões a flutuar livremente no interior da estrutura, o que significa que o composto pode fornecer electrões a outras moléculas, e também aceitá-los.

O pigmento também absorve fortemente a luz nas partes vermelha e azul do espectro, que é por isso que é de cor verde - a luz restante é refletida de volta, e é principalmente na parte verde do espectro. A luz absorvida é usada para energizar os elétrons, que são, em última análise empregadas criar glicose a partir de dióxido de carbono e água. Os elétrons são substituídos usando a luz solar para dividir a água em hidrogênio e oxigênio íons, que liberta dois elétrons para cada molécula de água. Este é um feito notável, considerando que dividir água em laboratório requer temperaturas muito elevadas ou uma corrente elétrica.

A clorofila está contido dentro das células da planta em estruturas conhecidas como cloroplastos. Estas ocorrem, principalmente, nas folhas, nas células entre as camadas superiores e inferiores. Dentro dos cloroplastos são grana, que são constituídos por pequenos corpos conhecidos como tilacóides empilhados um em cima do outro. O pigmento está contida dentro das membranas dos tilacóides.

Por que as plantas são verdes

Devido à sua cor verde, clorofila absorve apenas uma parte da luz disponível, por isso pode ser perguntado por que as plantas não usar um pigmento que pode usar toda a energia disponível: a tal pigmento seria preto, como seria absorver toda a luz que o atinge.

A resposta não é clara. Pode ser que nenhuma molécula de cor preta que existe teria exatamente as propriedades químicas necessárias para fazer o trabalho.

Alternativamente, um pigmento negro pode absorver muita energia, possivelmente causando plantas superaquecimento, ou produzir reações químicas indesejáveis.

Outra teoria é que alguns organismos fotossintéticos primeiros usados retinol , um pigmento roxo que absorve a luz verde, e que o uso de clorofila evoluiu nas formas de vida mais tarde a explorar as partes do espectro do Sol que não estavam sendo utilizados pelos organismos à base de retinol.

Em regiões de clima temperado, muitas plantas perenes ir dormente durante o inverno, perdendo suas folhas. Antes disso, no outono, a produção de clorofila cessa, eo pigmento é quebrada, fazendo com que as folhas perdem a sua cor verde. Quando isto acontece, os outros pigmentos, que foram mascarados pela forte coloração verde deste composto, tornam-se visíveis. Os carotenóides são um exemplo - que dão as cores amarelo e laranja comumente vistas no outono.

Usos

Clorofila é utilizada na indústria alimentícia como corante natural e na Europa é dado o número E E140. Uma série de produtos alimentares comuns são de cor verde por este composto, e também dar a cor verde para a bebida alcoólica, o absinto.

O pigmento é geralmente vendido em uma variedade de formas líquidas como um suplemento de saúde. Apesar de ser inofensivo, não parece haver nenhuma base científica para os vários benefícios reivindicados.

Fonte: www.wisegeek.com

Clorofila

A clorofila é o pigmento verde das plantas que, através da fotossíntese, permite transformar a energia solar em alimento; responsável pela nutrição dos vegetais, apenas no século XX foi descoberto, pelo químico alemão Richard Willstatter, a semelhança entre a molécula de clorofila e a hemoglobina do sangue.

Graças à semelhança estrutural com a hemoglobina do sangue, ela é rapidamente absorvida, fazendo com que as substâncias químicas dos alimentos não cheguem ao intestino, limpando o organismo dos radicais livres e protegendo-o contra doenças.

Uma ação desintoxicante e depurativa que reforça o sistema imunológico, neutralizando toxinas e aumentando o número de anticorpos.

Ao mesmo tempo fortalece o sistema circulatório e o músculo cardíaco e revitaliza o sistema vascular, regulando a pressão, assumindo-se como um poderoso tônico revigorante e rejuvenescedor. Diversas provas clínicas revelam que a introdução da clorofila na alimentação melhora a absorção de oxigênio e ferro, nutrindo e purificando o sangue, e estimula a formação de glóbulos vermelhos, prevenindo a anemia. O consumo de clorofila é ainda benéfico no tratamento da arteriosclerose e artrite, pela sua capacidade de remover a matéria estranha das paredes das artérias.

Tem ainda o dom de manter equilibradas as taxas de glicose e colesterol, combater a diabetes e aliviar hemorróidas, além de melhorar a função intestinal e regular a produção hormonal.

A clorofila possui vitaminas A, B, C e E, e ainda uma boa quantidade de ferro, zinco, magnésio, potássio e cálcio, minerais que neutralizam a acidez na corrente sanguínea e protegem o sistema imunológico.

No que respeita aos sais minerais, esta substância exclusiva dos vegetais é abundante em selênio (poderoso antioxidante) e entre as proteínas, encontra-se a lisina (anti-envelhecimento), a valina (ativa o cérebro).

Trata-se de uma verdadeira fonte de energia, rica em elementos essenciais à renovação celular e ao equilíbrio orgânico, combatendo o envelhecimento precoce. Um néctar 100% natural, não tóxico e altamente nutritivo, que pose ser consumido em todas as idades, seja diluído em água, em leite ou misturado com sumos de frutas.

Fernanda Cabrerisso Hilario

Fonte: www.prevervida.com.br

Clorofila

O que é clorofila?

Clorofila é a substância que dá cor verde às plantas.

A molécula de clorofila tem a capacidade única de converter energia do sol em energia química (fotossíntese).

Nesse processo, a energia da luz é usada pelas plantas na síntese de carboidratos.

Nas células do vegetal, as moléculas de clorofila estão localizadas nos cloroplastos, nos quais há proteção de proteínas e lipídios associados a suas moléculas, que funcionam como barreiras contra o efeito de componentes celulares destrutivos da clorofila.

Nos cloroplastos, juntamente com a clorofila, é encontrada outra classe de pigmentos, os carotenóides.

Quimicamente, a clorofila é um composto heterocíclico com estrutura tetra-pirrólica chamado porfirina, que ocorre numa variedade de moléculas orgânicas naturais.

É uma mistura de duas substâncias relacionadas, clorofila a (verde azulada) e clorofila b (verde amarelada), que se encontram sempre na proporção 1:3 (clorofila a/clorofila b). A única diferença entre as duas clorofilas é que a metila (-CH3) na cadeia lateral da clorofila a é substituída por um grupo formila (-CHO) na clorofila b (Figura abaixo). O grupo mais interessante de moléculas que contêm anéis pirrólicos (porfirinas) é o dos que estão envolvidos na respiração celular ou no transporte ou consumo de oxigênio (como hemoglobina, mioglobina e citocromos)

Clorofila
Estrutura química da clorofila

As clorofilas são encontradas naturalmente nas folhas verdes de plantas e são hidrossolúveis. Sua estabilidade na presença de calor, luz e oxigênio é elevada, mas é baixa frente mudanças de pH.

O íon magnésio das clorofilas é facilmente eliminado por reação com ácidos fracos, resultando dessa reação a feofitina, de cor verde-oliva, insolúvel em água.

Enzimas presentes nos vegetais, como a clorofilase, hidrolisam o grupo fitila, formando a clorofilida, verde, mais solúvel em água que a clorofila. Os produtos resultantes da perda do grupo fitila e do Mg+2, os feoforbídeos, têm cor verde acastanhado e sofrem possivelmente transformações oxidativas que dão origem a produtos incolores de degradação (Figura abaixo).

As clorofilas e as feofitinas são lipossolúveis, em decorrência de sua porção fitol, enquanto as clorofilidas e os feoforbídeos (sem fitol) são hidrofílicas.

O aquecimento do tecido vegetal com água produz rapidamente alterações na cor verde. Inicialmente é produzida uma tonalidade de verde mais escura, com concomitante considerável perda de ar. Essa alteração de cor é provocada pela saída de ar do tecido vegetal, substituído parcialmente por entrada de água e compactação das fibras vegetais com mudança na absorção de luz pela superfície do vegetal (Figura abaixo).

Clorofila
Transformações das clorofilas durante processamento e armazenamento

Outras alterações na cor das clorofilas ocorrem por reação com o oxigênio, e os produtos resultantes são pouco conhecidos.

Usos e alguns efeitos da clorofila

Segundo os estudiosos mais sérios, como a profa. dra. Ursula Lanfer Marquez, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, o consumo de clorofila não serve para nada, pois as moléculas de clorofila não são absorvidas pelo organismo. O magnésio presente na molécula de clorofila é um mineral importante para ossos, dentes e músculos e para a transmissão de impulsos nervosos. O magnésio pode ser liberado da molécula de clorofila, mas as quantidades presentes em vegetais, como as folhas jovens de trigo, são tão pequenas que não têm nenhum efeito. O melhor seria uma alimentação adequada, pois esse mineral está presente na maioria dos alimentos, como laticínios, peixes, carnes, frutos do mar, maçã, abacate, banana, feijão, rúcula, batata, agrião, entre outros.

Os defensores do modismo argumentam que as folhas jovens de trigo podem ser usadas na alimentação como energizante e revitalizante, principalmente na forma de sucos, podendo também ser mastigadas lentamente.

De certeza, sabe-se que a clorofila é usada principalmente como agente corante, em alimentos, medicamentos e cosméticos. É um aditivo considerado seguro pela CEE (Comunidade Econômica Européia) e seu número é E140. É usada em aplicações externas no tratamento de ferimentos e úlceras. Não há provas de que ela acelere a cicatrização de tecidos, porém sabe-se que possui ação desodorante.

A clorofilina, uma substância química solúvel derivada da clorofila, inibe a atividade mutagênica de certos químicos. Esta atividade parece ser termoestável.

Vários fatores influenciam a quantidade de suco de folhas jovens de trigo absorvida pelo indivíduo, como metabolismo, saúde e hereditariedade. Em razão do forte poder depurativo desse suco, certos indivíduos podem apresentar náuseas, vertigens e dores de cabeça após beber o suco de folhas jovens de trigo (observe que estes sintomas são semelhantes aos causados por suco contaminado com microrganismos). A ingestão de suco de folhas jovens de trigo não é recomendada durante a gravidez e deve ser limitada a uma porção diária durante o período de amamentação.

Encontra-se em referências empíricas que, embora muito raro, eventualmente podem ocorrer distúrbios gastrintestinais pela ingestão excessiva de clorofila, a qual, em geral, não é considerada tóxica. O excesso de clorofila pode ser causa de obstrução intestinal, resultando em dores abdominais.

O tratamento é simples: somente diminuir ou suspender o uso. Contudo, não foram encontrados trabalhos científicos que comprovassem esse possível efeito.

Posologia

Diferentes quantidades de suco de folhas jovens de trigo são indicadas, porém parece claro que a dosagem deve ser aumentada gradualmente.

O suco contendo clorofila obtido a partir de folhas jovens de trigo pode ser misturado com outros sucos ou ingerido puro em doses de 30 a 90 mL. Para melhores resultados, o suco de folhas jovens de trigo feito na hora deve ser ingerido lentamente, de estômago vazio ou quase vazio.

O suco de folhas jovens de trigo é um forte depurativo. Deve-se iniciar seu consumo em pequenas quantidades, inicialmente aproximadamente 15 g ou uma porção e então aumentar a quantidade com o tempo.

Quais vegetais podem ser usados para produção de suco contendo clorofila?

Teoricamente todos os vegetais verdes possuem clorofila, entre outros nutrientes, porém alguns em maior ou menor teor. O espinafre, entre os vegetais, é o que possui teor mais elevado de clorofila, contudo, ele deve ser usado com cautela porque possui alto teor de ácido oxálico, que requer exercícios físicos para ser metabolizado.

Além disso, o ácido oxálico presente no espinafre dificulta a absorção de ferro, cálcio e outros minerais, mas isto pode ser revertido pela combinação com alimentos contendo vitamina C. Porém, o ácido oxálico pode aumentar o risco de cálculos nos rins e bexiga (que são formados dos oxalatos) para pessoas suscetíveis.

O sabor das folhas jovens de cereais varia levemente, dependendo do cereal, variando de doce (centeio) a levemente amargo (cevada).

Folhas jovens de centeio e de aveia também podem ser usadas. Mas o conteúdo de nutrientes dessas folhas jovens varia em função do estádio e das condições de crescimento, independente do cereal. Trigo e cevada semeados no mesmo local e colhidos no mesmo estádio apresentam folhas jovens com qualidade nutricional similar, o que pode não ocorrer para duas cultivares de cevadas plantadas em locais diferentes.

No Brasil, está sendo usado trigo comum (independentemente de variedade) como matéria-prima para produção de folhas jovens de trigo para preparar suco contendo clorofila.

Estas folhas jovens de trigo com certeza possuem clorofila, minerais e vitaminas, mas os teores encontrados dependerão do processo usado: terra ou bandejas, condições de luz e água, tempo de cultivo etc. Logo, quem resolver produzir suco contendo clorofila comercialmente poderá padronizar seu método de produção e após, analisar para conhecer melhor a composição química do produto.

Um importante fator que deve ser observado sempre é a qualidade das sementes, que não devem ter recebido tratamento químico (herbicidas, inseticidas, pesticidas), devem ser inteiras, sem grãos partidos ou quebrados, não devem estar chochos ou giberelados, devendo estar limpos e livres de impurezas. Se a matéria-prima não possuir qualidade adequada, dificilmente o produto final a terá.

Referências bibliográficas

http://search.britannica.com/search (Enciclopédia Britânica) http://newcrop.hort.purdue.edu/newcrop/Crops/Wheatgrasses.html (Univ. de Purdue)
BLAUER, Stephen O livro dos sucos. 3 ed. Rio de Janeiro: Record, 1997. p.108-111
SEIBOLD, R.L. (Ed.) Cereal grass: what´s in it for you! The importance of wheat grass, barley grass and other vegetables in the human diet. Lawrence (Kansas): Wilderness Community Education Fundation, 1990.
REYNOLDS, J.E.F. (Ed.) Martindale: the extra pharmacopoeia. 29th ed. London: Pharmaceutical Press, 1989. p.858 http://www.austin360.com/shared/adam/ency/article
GONSALVES, P.E. Livro dos alimentos. Martins Fontes: São Paulo, 1992. 265 p.http://www.ble-de-vie.com
COENDERS, A. Química culinaria: estudio de lo que le sucede a los alimentos antes, durante y después de cocinados. Zaragoza: Acribia, 2001. 289p.
FELLOWS, P. Tecnología del procesado de los alimentos: principios y prácticas. Zaragoza: Acribia, 1994. 549p. http://www.gourmetgreens.com (tem modelos de espremedoras de suco) http://www.evergreenjuices.com ONG, T.;
BROCKMAN, H.E.; WHONG, W.Z. Chlorophyllin: an antigenotoxic agent. American Chemical Society Symp. Ser., Washington, p. 272-281, 1994. http://www.wheatgrass.com
BOBBIO, F.O.; BOBBIO,P.A. Introdução à química de alimentos. 2 ed. São Paulo: Varella, 1989. 223p. BOBBIO, F.O.; BOBBIO,P.A. Química do processamento de alimentos. 2 ed. São Paulo: Varella, 1992. 151p.
BELITZ, H.D.; GROSCH, W. Química de los alimentos. Zaragoza: Acribia, 1988813p. http://www.parrotparrot/birdhealth.com http://www.saisanjeevini.org http://www.sprotsman.com (por e-mail) http://www.cityfarmer.org/wheatgrass.html http://www.living-foods.com/recipes/wigmore.html http://www.ecm-inc.com/news/countynews/2001/June/6sprouts.html
NEIVA, P.B. O verde da moda. Revista Veja, ano 35, ed.1746, n.14, p.73, 10 abr. 2002.

Fonte: www.cnpt.embrapa.br

Clorofila

Sangue Verde - Vitamina de luz - Suco de Clorofila

A clorofila é um grupo de pigmentos fotossintéticos presente nos cloroplastos (organelas presentes nas células das plantas e algas, rico em clorofila), responsável pela coloração verde das plantas.

Características principais

Sua estrutura molecular é semelhante a da hemoglobina (proteína responsável pela coloração do sangue, que contém ferro e transporta oxigênio pelo organismo através dos glóbulos vermelhos), a diferença é que a hemoglobina possui ferro ao invés de magnésio.

No interior das células vegetais, a clorofila encontra-se dentro de cloroplastos cercados por densos corpos de protoplasma (substância albuminóide que compõe a parte ativa e viva da célula).

A intensa cor verde da clorofila se deve a sua enorme capacidade de absorver a luz através das regiões azuis e vermelhas do espectro eletromagnético; é por conta destas absorções, a luz que ela reflete e transmite é o verde que percebemos.

Devido a sua tendência de mascarar a presença das cores de outras substâncias, como por exemplo, os carotenóides (pigmento vermelho ou amarelo encontrado em plantas e animais), a cor predominante nas plantas é o verde.

Uma outra característica importantíssima da clorofila, é a sua capacidade transformar a energia da luz solar em energia química, isso se dá através do processo de fotossíntese, no qual, a energia absorvida pela clorofila transforma dióxido de carbono e água em carboidratos e oxigênio. 

Com mais de 100 nutrientes, a clorofila é considerada, por muitos, o alimento do futuro. Tem alto teor de oxigênio e contém todos os minerais conhecidos, além de diversas vitaminas, proteínas, 18 tipos diferentes de aminoácidos, antioxidantes e sete enzimas importantes.

O chamado "sangue verde" é composto por:

Vitamina A (betacaroteno) - fortalece os ossos, a visão, o crescimento e a reprodução
Vitamina B -
combate o stress, ajuda o sistema digestivo e favorece o sistema nervoso
Vitamina C -
melhora a saude dos dentes, pele, musculos e articulações
Vitamina E -
é antioxidante, protege o coração e previne a degeneração muscular 
Vitamina B-17 -
previne certos tipos de câncer.

A clorofila possui ainda uma boa quantidade de ferro, zinco, magnésio, potássio e cálcio, minerais que neutralizam a acidez na corrente sanguínea e protegem o sistema imunológico. No que respeita aos sais minerais, esta substância exclusiva dos vegetais é abundante em selênio (poderoso antioxidante), potássio (tonifica os músculos e enrijece a pele), magnésio (fortalece nervos e músculos), ferro (formador de hemoglobina) e sódio (necessário à digestão). Entre as proteínas contam-se a lisina (anti-envelhecimento), a valina (ativa o cérebro), a treonina (estimula a digestão), a tirosina (atua na formação de cabelos e unhas) e o glicínio (oxigena o sangue). Ou seja, uma verdadeira fonte de energia, rica em elementos essenciais à renovação celular e ao equilíbrio orgânico.

Graças à semelhança estrutural com a hemoglobina do sangue, a clorofila é rapidamente absorvida, fazendo com que as substâncias químicas dos alimentos não cheguem ao intestino, limpando o organismo dos radicais livres e protegendo-o contra doenças. Uma ação desintoxicante e depurativa que reforça o sistema imunológico, neutralizando toxinas e aumentando o número de anticorpos. Ao mesmo tempo fortalece o sistema circulatório e o músculo cardíaco e revitaliza o sistema vascular, regulando a pressão, assumindo-se como um poderoso tônico revigorante e rejuvenescedor.

Diversas provas clínicas revelam que a introdução da clorofila na alimentação melhora a absorção de oxigênio e ferro, nutrindo e purificando o sangue, e estimula a formação de glóbulos vermelhos, prevenindo a anemia. Uma vantagem, sobretudo para idosos, convalescentes, gestantes, lactantes e crianças - a partir de um ano de idade. O consumo de clorofila é ainda benéfico no tratamento da arteriosclerose, tensão alta e artrite, pela sua capacidade de remover a matéria estranha das paredes das artérias.

A clorofila tem ainda o dom de manter equilibradas as taxas de glicose e colesterol, combater a diabetes e aliviar hemorroidas, além de melhorar a função intestinal e regular a produção hormonal. Outra característica é a capacidade de desodorizar o corpo, reduzindo o mau hálito causado pelo tabaco, bebidas e alimentos, além de eliminar os odores provocados pela transpiração. Graças à sua ação expectorante, quando aplicada localmente nas narinas, diminui a congestão e provoca alívio imediato. Para tratar doenças da cavidade oral, como cáries, estomatites, gengivites, e aliviar a dor de dentes, o ideal é ingerir a clorofila diluída ou massajar as gengivas com o extrato concentrado.

O efeito suave e calmante do sangue das plantas garante à pele brilho e vivacidade, os músculos tonificam-se e relaxam e o corpo ganha flexibilidade. Um elemento natural que também é eficaz na redução da celulite e no tratamento de vários problemas da derme, como irritações, acne, eczemas, úlceras, picadas de insetos ou infecções, penetrando nas camadas mais superficiais e mais profundas da pele. Além disso, garante maior velocidade na recuperação de contusões e queimaduras, devido à sua natural capacidade analgésica, cicatrizante e restauradora dos tecidos. O extrato de clorofila é ainda um grande aliado contra a queda do cabelo, sendo suficiente esfregar o concentrado no couro cabeludo e enxaguar para garantir resultados eficazes.

Fonte: sites.google.com

Clorofila

Clorofila - O Elixir da Longa Vida

A clorofila consiste no pigmento verde das plantas que transforma a luz solar em alimento para a planta.

A fotossíntese é um dos processos biológicos mais importantes da natureza, pois a energia solar é transformada em energia química. É o processo de síntese orgânica realizado pelos vegetais portadores de clorofila, que lhes permite produzir os seus alimentos utilizando-se da energia da terra, da água, do ar (gás carbônico) e da luz.

Através da fotossíntese, a clorofila tem a capacidade de concentrar energia solar em grande abundância. É exatamente aí que reside o segredo DIVINO da elaboração dos alimentos, a partir do Pó da Terra e da força do Sol. Não é de admirar que o organismo humano seja tão beneficiado ao absorver a clorofila das plantas, como parte da sua dieta.

A estrutura química da clorofila é semelhante à da hemoglobina do sangue, motivo pelo qual a clorofila é também chamada de sangue verde. Foi o Dr. Richard Willastatter, químico alemão, que descobriu essa incrível semelhança entre a clorofila e a hemoglobina, pigmento dos glóbulos vermelhos do sangue dos vertebrados. A hemoglobina é composta por átomos de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio, agrupados em torno de um átomo de Ferro. A clorofila possui a mesma estrutura, porém agrupada em torno de um átomo de Magnésio.

O Magnésio da clorofila cumpre um papel super importante para a fotossíntese. Além disso, ele estimula a formação de açúcares, proteínas, gorduras e vitaminas vegetais. Ele aumenta a resistência dos vegetais a fatores ambientais adversos, como seca, doenças, etc. Ele tem ainda influência positiva sobre o engrossamento das paredes e permeabilidade das membranas celulares.

O ferro da hemoglobina é responsável pela fixação temporária do oxigênio, transportando-o, juntamente com outros nutrientes, para todas as células do organismo vertebrado. Assim como as algas possuem a maior quantidade de traços minerais do mar, rios e lagos, a clorofila possui o néctar da terra. A clorela (alga unicelular microscópica de água doce) é o organismo vegetal mais rico em clorofila de que temos notícia. O broto de alfafa é o segundo deles. A energia do Sol em nosso mundo interior nenhum elemento tem acesso à corrente sangüínea tão rápido como a clorofila. Ela é um fator nutricional importante. Um ótimo desintoxicante da natureza. Incluir clorofila na dieta alimentar é uma necessidade de quem quiser se manter saudável, tendo em vista o fato de que os alimentos industrializados possuem (e produzem) excesso de acidez orgânica, cuja eliminação é sensivelmente favorecida pela clorofila.

Os estudos do professor Louis Kevran sobre transmutações biológicas à baixa energia mostram a possibilidade de, sob certas circunstâncias, o magnésio transformar-se em ferro no organismo dos mamíferos. Hoje, nos meios científicos, conhece-se a notável capacidade da clorofila de estimular a formação do eritrócito, ou a célula vermelha do sangue. Isso vem comprovar a enorme importância da clorofila para a vida humana, inclusive na prevenção e no tratamento adequado e correto das anemias por carência de ferro de várias causas. Mas, a capacidade de fixação deste ferro vegetal no corpo humano depende da presença da vitamina C, abundante nas frutas cítricas.

Assim sendo, todo suco de clorofila deverá conter uma fruta cítrica como coadjuvante do tratamento terapêutico.

Clorofila

A clorofila tem grande influência sobre o crescimento bacteriano e animal, no metabolismo em geral, na respiração, na ação hormonal, na nutrição, no sistema imunológico e numa série de situações anormais. Ela proporciona maior velocidade na recuperação das contusões e queimaduras, além de ação desodorizante.

Há muito tempo se conhece a capacidade desodorizante da clorofila, porque ela reduz a putrefação causada por bactérias. Dentro do organismo, principalmente nas vias digestivas, a clorofila reduz os maus odores, tanto do hálito e das fezes quanto do corpo em geral.

Outra propriedade medicinal da Clorofila é a sua capacidade cicatrizante e restauradora dos tecidos. Em 1930, o Dr. E. Burgi mostrou que extratos de plantas verdes eram capazes de estimular o crescimento de tecidos humanos em meios de cultura. Em 1943, os doutores P. R. Kline, E. Graham e T. H. Flinke, clínicos de Nova Iorque (EUA), aplicaram pomadas e soluções aquosas de clorofila no tratamento de vários tipos de úlceras de pele, obtendo respostas muito satisfatórias quando 19 dos 23 casos obtiveram rápida recuperação. Durante o período da Segunda Guerra Mundial, ocorreram muitas pesquisas com a clorofila nos EUA. Em 1940, mais de 1000 casos de gripes e de infecções respiratórias foram tratados e curados somente com extratos de clorofila. Mais de 1300 animais de laboratório apresentaram rápida resposta no tratamento de contusões e feridas. Na ocasião, 20 casos de distúrbios intestinais, tipo colite, foram curados definitivamente com extratos de clorofila. Em 1941, os trabalhos do dentista Dr. S. L. Goldberg mostraram a capacidade da clorofila de tratar as doenças da cavidade oral quando 300 pacientes com piorréia (sangramento gengival e perda de dentes) apresentaram excelente recuperação. O mesmo resultado foi obtido com a aplicação de bochechos e massagens gengivais com extrato concentrado de clorofila em casos de estomatites e de infecções gengivais.

A clorofila administrada em adultos saudáveis reduz o nível de um marcador do DNA associado com o aumento no risco de se desenvolver câncer no fígado.

Na pesquisa realizada com um grupo de 180 adultos saudáveis foi relatado, pela National Academy of Sciences, que os pacientes que consumiram clorofila tiveram uma redução de 55% nos níveis deste sinalizador.

Efeitos terapêuticos da clorofila:

Aumenta a contagem sangüínea Fornece ferro para todos os órgãos Reduz as toxinas ingeridas Reduz a anemia Limpa e desodoriza os tecidos intestinais Ajuda a purificar o fígado Reduz a taxa de açúcar no sangue Aumenta conteúdo de ferro no leite materno Ajuda a curar os ferimentos com mais rapidez Elimina odores do corpo Resiste às bactérias do corpo Limpa os dentes e as gengivas na piorréia Melhora a drenagem nasal e expectoração do catarro Reduz o corrimento nasal Diminui a necessidade de desodorantes Elimina o mau hálito Excelente gargarejo pós-operatório Melhora a inflamação das amígdalas Cura as ulcerações dos tecidos Reduz a dor causada por inflamações Melhora as varizes e revitaliza o sistema vascular das pernas Reduz a acidez intestinal Nutre e fortalece os sistemas circulatórios e intestinais

Fonte: nutrybrasil.com.br

Clorofila

A clorofila é o pigmento verde das folhas e plantas responsáveis pela absorção de luz para fornecer energia, que é essencial para o processo da fotossíntese.

Na presença de luz solar, a clorofila ajuda as plantas para converter dióxido de carbono e água em oxigênio e glicose.

Por que os vegetais são verdes?

Clorofila

Por causa dos cloroplastos. São bolsinhas verdes contendo clorofila, a substância esverdeada que absorve a luz do Sol e a transforma em energia. Quanto mais cloroplastos, maior a capacidade de produzir energia. Mas há exceções. É o caso da acalifa, um arbusto vermelho comum em jardins, mas elas também tem bastante clorofila, só que o verde é mascarado por outros pigmentos.

A intensa cor verde da clorofila se deve a suas fortes absorções das regiões azuis e vermelhas do espectro eletromagnético, e por causa destas absorções a luz que ela reflete e transmite parece verde. Ela é capaz de canalizar a energia da luz solar em energia química através do processo de fotossíntese. Neste processo a energia absorvida pela clorofila transforma dióxido de carbono e água em carboidratos e oxigênio.

As moléculas de clorofila encontram denominados fotossistemas, que se encontram integrados nos tilacóides de cloroplastos. A maioria das moléculas de clorofila absorve luz e transmite a energia luminosa através de um fenómeno designado por “transferência de energia por ressonância” a um par de moléculas de clorofila específico que se encontra no centro reaccional dos fotossistemas. Os fotossistemas I e II possuem centros reaccionais distintos, denominados P680 e P700 de acordo com o comprimento de onda (em nanómetros) correspondente ao seu pico máximo de absorção.

A clorofila em plantas verdes consiste em duas formas, clorofila a e b. As clorofilas c e d são encontradas especialmente em algas e cianobactérias.

A clorofila a difere da clorofila b por apresentar na posição 3 do grupo tetrapirrólico o radical -CH3 (metila) no lugar do -CHO (aldeído). A clorofila está presente nas folhas das plantas, sendo crucial para a fabricação de glicose através da fotossíntese. A clorofila é produzida pela planta através dos cloroplastos. É a clorofila a a principal responsável pela coloração verde das plantas e pela realização da fotossíntese.

A clorofila b difere da clorofila a por apresentar na posição 3 do grupo pirrólico o radical -CHO (carbonila/aldeído) no lugar do -CH3 (metila). O pigmento clorofila, presente no granum dos cloroplastos, não absorve luz verde, que é refletida, e por isso enxergamos as plantas dessa cor. A energia captada pela clorofila vem das luzes azul e vermelha, absorvidas pela clorofila. Além do verde, as plantas refletem o ultravioleta, e por isso vários insetos podem enxergar nessa cor.

A molécula de clorofila não sofre desgaste ou modificações na sua estrutura durante a fotossíntese. Se fosse extraído a clorofila de uma folha e depois submetida à luz, verficaríamos o fenômeno da fluorescência. Esse fenômeno ocorre pois os elétrons que ocupam subníveis energéticos mais baixos absorvem luz, ficam “excitados” e sobem para níveis energéticos mais altos. Esses elétrons perdem a energia recebida em forma de fóton, causando a fluorescência, retornando para os níveis energéticos inferiores.

Há vários tipos de molécula de clorofila: nos vegetais superiores são comuns as clorofilas “a” e “b”. A clorofila “a” absorve melhor a luz com comprimentos de onda entre 400 e 700 nm, enquanto que a clorofila “b” absorve melhor na faixa entre 450 e 680 nm. Os dois tipos possuem maior absorção na faixa do azul e do vermelho.

Fonte: megaarquivo.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal