Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Côco - Página 2  Voltar

Côco

Côco

Quando se fala em coco a primeira coisa que vem a cabeça é o coco-da-baía. No entanto, todos os tipos de palmeiras produzem coco. Nos trópicos, o coco é muito apreciado, tanto pelos turistas como pelos nativos. No Brasil, seus maiores cultivadores são: a Bahia, o Amazonas, Pernambuco, Maranhão e Piauí.

O coqueiro gosta de clima quente e úmido. Sua altura pode chegar a 30 metros. Também existem variedades anãs, que não ultrapassam três metros.

A casca do coco e relativamente fina e lisa. Por baixo, há uma espessa capa fibrosa que envolve uma camada muito dura, dentro da qual fica a semente, uma massa suculenta e de cor branca. Quando o coco é verde, essa parte é pouco desenvolvida e mole, guardando muita água no seu interior.

Á medida que o coco vai amadurecendo, a parte carnosa se torna mais consistente e a água diminui. A massa pode ser consumida crua, em seu estado natural, ralada, ou ainda transformada em deliciosos pratos culinários.

Propriedades

O coco-da-baía é rico em proteínas, gorduras, calorias, sais, hidratos de carbono e vitaminas A, B1, B2, B5 e C. Seus efeitos curativos se devem, principalmente, ao seu conteúdo de magnésio. O ser humano necessita dele para conservação da tensão muscular. Sabe-se que a polpa do coco age como adstringente nas hemorróidas.

A água de coco verde é deliciosa, refrescante, nutritiva e terapêutica, além de exótica. Sua composição físico-química é semelhante à do soro fisiológico. São muitos os benefícios da água do coco.

Por exmplo:

Hidrata e amacia a pele

Reduz o nível de colesterol

Combate a verminose infantil

Previne e auxilia no tratamento da artrite

Controla a pressãp arterial

Combate a desidratação

Repõe imediatamente a energia

Evita vômitos e náuseas durante a gravidez

Depura o sangue

É calmante natural

Reduz a febre

Trata de ílcera estomacal

Combate a prisão de ventre

Previne o enjôo causado pela maresia

Fonte: educar.sc.usp.br

Coco

Onde surgiu?

Alguns pesquisadores acreditam que o coqueiro seja oriundo da África. Outros o dizem originário dos arquipélagos do Pacífico, onde adquiriu extrema dispersão. Há os que o tem como asiático. Ainda não há um consenso científico sobre o assunto. Mas de onde quer que ele tenha vindo, damos as boas-vindas!

Como chegou ao Brasil?

Para alguns estudiosos, o coqueiro teria alcançado a costa do Pacífico no Panamá vindo da Polinésia por meio das correntes oceânicas, que trouxeram as sementes. No Brasil, as evidências históricas indicam que o coqueiro, variedade gigante, foi introduzido pelos colonizadores portugueses, em 1553. As primeiras matrizes, procedentes da Ilha de Cabo Verde, foram distribuídas pelo litoral baiano, daí a denominação original de Coco-da-Bahia.

Quais são os tipos?

Todos os tipos de palmeiras produzem coco (como o coco-catolé, ou coco-ouricuri, pequeno fruto típico da Mata Atlântica). Nos trópicos, os cocos são muito apreciados, tanto pelos turistas como pelos nativos. No Brasil, seus maiores cultivadores estão localizados no Nordeste e no estado do Pará. O coqueiro gosta de clima quente e úmido. Sua altura pode chegar a 30 metros. Também existem variedades anãs, que não ultrapassam três metros.

O COCO

Côco

O coco, fruto tropical amplamente cultivado no Brasil, é rico em proteínas, gorduras, calorias, carboidratos, vitaminas (A, B1, B2, B5e C), e ainda em sais minerais, principalmente potássio e magnésio. Por isso, além de saboroso, é considerado um alimento muito saudável, nutritivo.

Do coco, tudo se aproveita. A camada externa serve para fabricar substrato agrícola, capachos, brochas, escovas, estofamentos e tecidos grossos para sacos. A casca dura e usada no artesanato e como fonte de energia térmica (combustível para caldeiras).

As partes comestíveis do fruto são: a polpa branca e a água, que podem ser consumidas quando o fruto ainda está verde ou depois de maduro. Da polpa madura extraem-se o leite, coco ralado, o farelo e o óleo. O leite de coco e o coco ralado são usados para preparar uma infinidade de pratos doces e salgados. O farelo é destinado ao consumo animal. O óleo é usado na alimentação e na fabricação de sabão, cosméticos, detergentes.

CURIOSIDADES

Para alguns estudiosos, os coqueiros começaram a nascer nas costas americanas porque as sementes foram trazidas por correntes marítimas.

A palavra coco também designa um folguedo do folclore nordestino, cantado de forma sincopada e dançado em dupla e em círculos.

O uso do leite de coco nos alimentos é uma herança cultural deixada pelos escravos que vinham de Moçambique.

No Timor, a água de coco é um líquido sagrado usado para abençoar os plantios de milho.

Na Segunda Guerra Mundial ela foi injetada em soldados que tinham desidratação grave. Por ter composição parecida com a do plasma sangüíneo, a água de coco pode fazer às vezes de soro fisiológico (somente em casos de extrema necessidade).

ARTE E CULTURA

Câmara Cascudo, no clássico Dicionário do Folclore Brasileiro, define o coco como "dança popular nordestina, cantado em coro o refrão que responde aos versos do tirador de coco ou coqueiro (...). É canto-dança das praias e do Sertão" e informa: "Alagoas (...), berço do coco, representa um perfeito equilíbrio entre a porção mameluca e a negra (...)".

Naturalmente, os demais estados nordestinos - acentuadamente Pernambuco e Paraíba - disputam a primazia de também serem berçários do coco. Uma polêmica salutar, pois leva a uma valorização crescente dessa genuína forma de manifestação cultural brasileira.

Côco

O paraibano Jackson do Pandeiro alçou o coco à categoria de hit musical, tornando-se um dos principais astros do mundo artístico brasileiro durante décadas.

Selma do Coco e Zé Neguinho do Coco, ambos de Pernambuco, tornaram-se ícones da cultura popular e forneceram inspiração para novas gerações como a turma do Mangue Beat.

Em Alagoas, o coco seguiu dançado anonimamente durante muitas décadas e as estrelas populares desse ritmo só vieram a ser identificadas como mais precisão no final do século XX (as mestras Hilda, Virgínia e Maria Vitória e os mestres Verdelino e Venâncio são exemplos dessa notoriedade bem-vinda, ainda que tardia), com exceção dos sucessos de Jacinto Silva.

Fonte: www.sococo.com.br

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal