Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Colonização da Ásia  Voltar

Colonização da Ásia

 

Processo de ocupação territorial, exploração econômica e dominação política do continente asiático por potências européias.

Baseia-se na posse de portos e feitorias no litoral com o objetivo de abastecer o mercado consumidor da Europa de ouro, prata, tecidos e especiarias explorados na região. Inicia-se no século XV e termina após a II Guerra Mundial.

A tentativa de restabelecer o comércio com o Oriente, interrompido com a tomada de Constantinopla pelos turcos em 1453, leva os europeus a se lançar na busca de novas rotas marítimas.

A expedição do português Vasco da Gama (1469-1524), realizada entre 1498 e 1499, inaugura a presença colonial européia na Ásia.

Os portugueses estabelecem seu domínio na costa da Índia, da China e tentam conquistar o Japão.

Os espanhóis instalam-se nas Filipinas, onde ficam até 1898.

A partir do século XVII, a presença britânica na Índia, com a Companhia das Índias Orientais, supera a concorrência portuguesa e francesa.

A França, porém, mantém a hegemonia na Indochina.

Disputa territorial

No final do século XIX, os países do Ocidente restauram a política colonialista, baseada na nova divisão econômica e política do mundo pelas potências capitalistas em ascensão.

As potências européias e o Japão envolvem-se numa disputa acirrada para redividir os territórios asiáticos.

A Rússia czarista conquista a Sibéria e parte da Ásia Central.

O Reino Unido assegura sua soberania sobre a Índia e cria Estados intermediários no Nepal e no Butão. Entra também no Tibet e anexa a Birmânia (atual Mianmar) e o Ceilão (atual Sri Lanka). Com a Guerra do Ópio, toma Hong Kong da China. A França firma-se na Indochina, colonizando Laos, Camboja e Vietnã.

A Holanda (Países Baixos) mantém o controle nas Índias Orientais (Indonésia).

Em 1874, o Japão inicia seu movimento expansionista, atacando a China e, mais tarde, a Coréia.

A expansão japonesa é barrada pelas intervenções de Rússia, França, Alemanha e Reino Unido, que deflagram uma corrida em busca de privilégios comerciais e concessões territoriais na China.

Com a Guerra Hispano-Americana, os espanhóis perdem suas colônias no Pacífico e no Caribe para os Estados Unidos. A partir da II Guerra Mundial tem início o processo de independência das colônias européias na Ásia.

Descolonização da Ásia

Processo de independência das colônias no continente asiático iniciado após a II Guerra Mundial. Desde então surgem novos países, a maioria originária dos antigos impérios coloniais britânico e francês.

Os movimentos pela autonomia nacional assumem várias formas: guerras de libertação, resistência pacífica aos colonizadores ou gestões diplomáticas para a conquista da independência.

Oriente Médio

O Líbano e a Síria, domínios franceses desde o final da I Guerra Mundial, obtêm a independência respectivamente em 1941 e 1946.

A partir do final da II Guerra Mundial, os países de dominação britânica no Oriente Médio também conquistam a independência: Jordânia (1946), Omã (1951), Kuweit (1961), Iêmen do Sul (1967), Barein, Catar e Emirados Árabes Unidos (1971).

Sul da Ásia

A Índia, centro do império britânico na Ásia, que inclui ainda Paquistão e Bengala Oriental (atual Bangladesh), é palco de movimentos anticolonialistas já durante a II Guerra Mundial. Em 1947 é proclamada a independência da Índia, que se separa do Paquistão no mesmo ano. Bangladesh, incorporado ao Paquistão, torna-se independente em 1971.

Os países sob controle britânico do sul da Ásia também conseguem a independência: Sri Lanka (1948), Butão (1949) e Maldivas (1965).

Sudeste Asiático

A Indochina, península do Sudeste Asiático colonizada pela França, era formada por Anã, Cochinchina e Tonkin (que juntos deram origem ao atual Vietnã), Laos, Camboja e pelo território chinês de Kuang-tcheou-wan. Durante a II Guerra Mundial é ocupada pelo Japão, o que estimula os movimentos de libertação nacional dos vários países. No Vietnã, a guerra de libertação é dirigida pelo Vietminh, liga revolucionária fundada em 1941. Também há guerra no Laos e no Camboja, que conquistam a independência em 1953.

A Conferência de Paz de Genebra, realizada em 1954, divide a Indochina em três Estados independentes: Laos, Camboja e Vietnã. O Vietnã permanece dividido em duas zonas até 1976, quando é reunificado.

Invadidas pelo Japão durante a II Guerra Mundial, a Indonésia (antiga colônia holandesa) alcança a independência em 1945 e as Filipinas (ex-colônia norte-americana), um ano depois.

Posteriormente, os países do Sudeste Asiático sob domínio inglês tornam-se independentes: Mianmar (1948), Malásia (1957), Cingapura (1965) e Brunei (1984).

Fonte: www.geocities.com

Colonização da Ásia

Colonização comparativa na Ásia

Vários poderes diferentes da Europa Ocidental estabeleceram colônias na Ásia durante os séculos XVIII e XIX. Cada uma das potências imperiais tinha o seu próprio estilo de administração e oficiais coloniais de diferentes nações também exibiu várias atitudes para com seus súditos imperiais.

Grã-Bretanha

O Império Britânico era a maior do mundo antes da Segunda Guerra Mundial, e inclui uma série de lugares da Ásia. Esses territórios incluem o que é agora Omã, Iêmen , Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Iraque , Jordânia , Palestina, Myanmar (Birmânia), Sri Lanka (Ceilão), as Maldivas , Cingapura , Malásia (Malásia), Brunei , Sarawak e North Borneo (agora parte da Indonésia ), Papua Nova Guiné, e Hong Kong. A jóia da coroa de todas as possessões ultramarinas da Grã-Bretanha ao redor do mundo, é claro, foi a Índia .

Oficiais coloniais britânicos e colonos britânicos em geral viam-se como exemplos de "jogo justo", e em teoria, pelo menos, todos os assuntos da Coroa deveriam ser iguais perante a lei, sem distinção de raça, religião ou etnia. No entanto, colonos britânicos mantinham-se para além da população local mais do que os outros europeus fizeram, a contratação de moradores como empregadas domésticas, mas raramente casando com eles. Em parte, isso pode ter sido devido a uma transferência de idéias britânicas sobre a separação de classes para suas colônias ultramarinas.

O britânico teve uma visão paternalista de seus súditos coloniais, sentindo-se um dever - o "fardo do homem branco", o que Rudyard Kipling colocá-lo - para cristianizar e civilizar os povos da Ásia, África e no Novo Mundo. Na Ásia, a história, a Grã-Bretanha construiu estradas, ferrovias, e os governos, e adquiriu uma obsessão nacional com o chá.

Este verniz de gentileza e humanitarismo rapidamente se desintegrou, no entanto, se um povo subjugado se levantou. Grã-Bretanha impiedosamente colocou a revolta indiana de 1857 , e brutalmente torturado participantes acusados do Quênia em Mau Mau Rebellion (1952-1960). Quando a fome bateu Bengala , em 1943, o governo de Winston Churchill não só não fez nada para alimentar bengalis, na verdade ele recusou a ajuda alimentar a partir de os EUA eo Canadá significou para a Índia.

França

Embora a França procurou um extenso império colonial na Ásia, a sua derrota nas Guerras Napoleônicas deixou com apenas um punhado de territórios asiáticos.

Os incluídos os mandatos de 20 do século Líbano e Síria , e mais especialmente a colônia chave da Indochina Francesa - O que é agora o Vietnã, Laos e Camboja.

Atitudes francesas sobre assuntos coloniais eram, em alguns aspectos, muito diferente dos de seus rivais britânicos. Alguns francês idealista procurou não apenas para dominar suas explorações coloniais, mas para criar uma "Grande França", no qual todos os assuntos franceses todo o mundo realmente seria igual. Por exemplo, a colônia norte-Africano da Argélia tornou-se um distrito, ou uma província, da França, com representação parlamentar. Esta diferença de atitude pode ser devido ao abraço do pensamento iluminista da França, e à Revolução Francesa, que havia quebrado algumas das barreiras de classe que ainda encomendados sociedade na Grã-Bretanha. No entanto, os colonizadores franceses também sentiu o "fardo do homem branco" de trazer a chamada civilização e do cristianismo para os povos subjugados bárbaros.

No nível pessoal, colonos franceses eram mais aptos do que os britânicos a se casar com mulheres locais e criar uma fusão cultural em suas sociedades coloniais.

Alguns teóricos raciais franceses como Gustave Le Bon e Arthur Gobineau, no entanto, criticaram essa tendência como uma corrupção da superioridade genética inata dos franceses. Conforme o tempo passava, a pressão social aumentou para colonos franceses para preservar a "pureza" da "raça francesa."

Na Indochina francesa, ao contrário Argélia, os governantes coloniais não estabeleceu grandes assentamentos. Indochina francesa foi uma colônia econômica, o objetivo de produzir um lucro para o país de origem. Apesar da falta de colonos para proteger, no entanto, a França foi rápido para pular em uma guerra sangrenta com os vietnamitas quando eles resistiram um retorno francês após a Segunda Guerra Mundial . Hoje, as pequenas comunidades católicas, um carinho para baguetes e croissants, e uma arquitetura colonial bem é tudo o que resta da influência francesa visível no Sudeste Asiático.

Holanda

Os holandeses competiram e lutaram pelo controle do rotas comerciais do Oceano Índico e especiarias produção com os britânicos, por meio de suas respectivas empresas Índia Oriental. No final, a Holanda perdeu Sri Lanka para os britânicos, e em 1662, perdeu Taiwan (Formosa), para os chineses, mas o controle sobre a maior parte das ricas ilhas das especiarias que agora compõem a Indonésia mantida.

Para os holandeses, esta empresa colonial era tudo sobre o dinheiro. Havia muito pouca pretensão de aperfeiçoamento cultural ou cristianização dos pagãos - os holandeses queriam lucros, puro e simples. Como resultado, eles mostraram nenhum escrúpulo em impiedosamente capturando moradores e usá-los como escravos nas plantações, ou mesmo a realização de um massacre de todos os habitantes das ilhas de Banda para proteger seu monopólio sobre a noz-moscada e mace comércio.

Portugal

Depois de Vasco da Gama contornou o extremo sul da África, em 1497, Portugal tornou-se a primeira potência europeia a ganhar acesso ao mar para a Ásia.

Embora o Português foram rápidos em explorar e reivindicar várias partes costeiras da Índia, Indonésia, Sudeste da Ásia e China, seu poder diminuiu no séculos 17 e 18, e os britânicos, holandeses e franceses foram capazes de empurrar Portugal de a maioria de suas reivindicações asiáticos. Por volta do século 20, o que restou foi Goa, na costa sudoeste da Índia, Timor Leste ; e do porto do sul da China em Macau.

Apesar de Portugal não era o poder imperial europeu mais intimidante, ele tinha o maior poder de permanência. Goa permaneceu Português até a Índia anexou à força em 1961; Macau era Português até 1999, quando os europeus finalmente entregou-o de volta para a China; e Timor Leste ou Timor-Leste tornou-se formalmente independente apenas em 2002.

Domínio português na Ásia foi por voltas cruel (como quando começaram a captura de crianças chinesas para vender como escravos em Portugal), de indiferença, e subfinanciado. Como os franceses, os colonos portugueses não se opuseram à mistura com as populações locais e criando populações crioulas. Talvez a característica mais importante da atitude imperial Português, no entanto, foi a teimosia e recusa em retirar, mesmo depois de as outras potências imperiais tinha fechado a loja de Portugal.

O Imperialismo português foi impulsionado por um desejo sincero de espalhar o catolicismo e fazer toneladas de dinheiro. Ele também foi inspirado pelo nacionalismo; originalmente, um desejo de provar força do país, uma vez que saiu de sob o domínio dos Mouros, e em séculos posteriores, a insistência orgulhoso em segurando as colônias como um emblema da glória imperial passado.

Fonte: asianhistory.about.com

Colonização da Ásia

O continente asiático sempre despertou intenso fascínio ao homem europeu, por razões variadas, como a riqueza em recursos naturais, a expansão cristã ou mesmo a estranha mística que cerca a Ásia.

Vislumbres da onda colonizatória imposta pelas potestades européias que posteriormente acometeria a região podem ser traçados (com as devidas proporções) até o séc. XI, com a proclamação das Cruzadas para retomada de Jerusalém e adjacências, como a importante cidade de Acre.

O saque a Constantinopla promovido na IV Cruzada, em 1204, demonstra claramente os propósitos de expansão econômica e religiosa empreendidos pelos cruzados. Apenas posteriormente estes seriam demonstrados com clareza. No séc. XV, as navegações portuguesas em busca de especiarias chegaram ao sudeste asiático; com as subseqüentes conquistas, como Calicute, Goa e Macau foi estabelecido um monopólio comercial que somente seria desafiado pelos espanhóis no séc. XVI. Os holandeses despontaram então como poder hegemônico na região no séc. XVII, com colônias em alguns pontos de locais que hoje correspondem a Indonésia, Bangladesh, Irã, China e o Sul da Índia. Foram formadas companhias estatais que detiveram imenso poder no comércio mundial da época, como a Companhia das índias Orientais, que em 1669 tornou-se a maior empresa do planeta. Com o declínio financeiro desta, e seus constantes atritos com a Grã-Bretanha, seu núcleo de poder restringiu-se somente à porção leste da Índia e Indonésia, até a grande quebra em 1799. Os britânicos então começaram a expandir sua zona de influência asiática, cujo alvorecer pode ser percebido já no reinado de Elizabeth I. Com a expulsão de franceses e holandeses da Índia em 1763, a Companhia Britânica das Índias Orientais iniciou seu jugo na região. Com o enfraquecimento da dinastia Mughal, os britânicos avançaram cada vez mais, até absorverem definitivamente a Índia enquanto colônia em 1858. A França concentrou-se na Indochina, os russos, na Sibéria. A China, especialmente após a Guerra do Ópio e a Revolta dos Boxers, a despeito de nunca ter sido oficialmente uma zona colonial, tornou-se uma zona de influência, e praticamente um joguete, nas mãos de britânicos, franceses, russos e japoneses (que sobreviveram aos intentos colonialistas para tornar-se uma grande potência). Apesar do duro tratamento europeu e da eclosão do sentimento nacionalista, as nações locais só respirariam o ar da Independência em meados do séc. XX.

Descolonização da Ásia

No curso da Segunda Guerra Mundial intensificam-se os movimentos pela libertação e autonomia nacional em quase todos os países do continente asiático.

Assumem a forma de guerras de libertação, em geral estimuladas ou dirigidas pelos comunistas, de resistência pacífica ao domínio colonial ou de gestões diplomáticas para a conquista da autonomia.

Indochina

No decorrer da guerra antijaponesa, cresce um forte movimento de libertação nacional no Vietnã, Laos e Camboja, com a participação de comunistas e nacionalistas. No Vietnã, a guerra de libertação é dirigida pelo Vietminh, movimento de frente única fundado em 1941 pelo líder comunista Ho Chi Minh. Em 1945, o Vietminh ignora as decisões da Conferência de Potsdam quanto à divisão do Vietnã e proclama a República Democrática, tendo Hanói como capital.

Nesse mesmo ano os britânicos ocupam a região sul e Saigon e, em 1946, passam a administração dessa região às autoridades coloniais francesas. O Vietminh aceita o retorno das tropas francesas em troca do reconhecimento da República do norte no âmbito da União Francesa. Os ultranacionalistas franceses decidem, porém, resolver o problema militarmente. Tropas selecionadas ocupam o delta do rio Vermelho em 1946, deflagrando a guerra que se estende até 1954.

O Vietminh combina táticas de guerrilha com a guerra de movimentos. A derrota final dos franceses ocorre na batalha de Dien Bien Phu, em maio de 1954.

A guerra se desenvolve também no Laos e no Camboja.

A Conferência de Paz de Genebra, realizada em 1954, divide a Indochina em três Estados independentes: Laos, Camboja e Vietnã. O Vietnã permanece dividido pelo paralelo 17 em duas zonas até a realização das eleições em 1956.

Índia

É o centro do Império Britânico na Ásia, incluindo também o atual Paquistão e Bengala Oriental (atual Bangladesh ). Durante a Segunda Guerra Mundial crescem os movimentos antibritânicos, que procuram um acordo de independência. O Partido do Congresso (pró-independência) sofre grande influência do movimento pacifista de Mohandas Ghandi. A Liga Muçulmana surge da divisão do Partido do Congresso, em 1940, com o objetivo de conseguir a separação do Paquistão da federação indiana. Em 1947, após a negativa de Ghandi e do Partido do Congresso a aceitar o status de domínio, é proclamada a independência, criada uma Assembléia Constituinte e formado um governo de transição. Em 1950 é proclamada a Constituição da União Indiana.

Mohandas Karamchand Ghandi (1869-1948)

Principal artífice do movimento de independência indiano, é advogado formado em Londres e vive de 1907 a 1914 na África do Sul, onde inicia seu movimento pacifista. Ao retornar à Índia, consegue disseminar seu movimento, cujo método principal de luta é a resistência passiva, que nega qualquer colaboração com o domínio britânico, mas mediada pela não-violência (ahimsa). É preso pelo menos quatro vezes e sensibiliza a opinião pública fazendo greves de fome.

Torna-se famoso por sua simplicidade: usa sandálias de camponês e roupas feitas com algodão que ele mesmo tece manualmente. Ganha o apelido de Mahatma (homem santo, patriarca). Tenta manter hindus e muçulmanos unidos, mas os muçulmanos preferem estabelecer um Estado separado, o Paquistão.

Em sua homenagem, Indira, filha de Jawaharlal Nehru - o primeiro a ocupar os cargos de primeiro-ministro e chanceler da Índia independente -, adota o sobrenome Ghandi. Ele aceita a divisão do país para evitar um banho de sangue, o que atrai a ira dos radicais nacionalistas hindus. Um deles assassina Gandhi com um tiro em janeiro de 1948.

Fonte: www.conhecimentosgerais.com.br

Colonização da Ásia

Ásia Central

Em 1991, as 15 repúblicas Soviéticas organizaram um plebiscito para decidir a dissolução da URSS e conseqüentemente, Rússia, Ucrânia, Geórgia, Azerbaijão, Cazaquistão, Tadjiquistão, e outras tornariam-se países independentes. Realizada as eleições, a população soviética votou maciçamente contra a separação. Mas, Boris Yeltsin, apoiado pelos EUA, logo ao assumir o poder, deu inicio ao processo de desagregação.

Ao se tornarem independentes, essas ex-repúblicas, tenderam a se afastar cada vez mais da Rússia, sendo cooptadas pelos pelos países ricos do G7. Acabando por se tornaram dependentes economicamente e militarmente dos EUA.

Bem armadas, endividadas, seduzidas pelo capital ocidental, navegando sobre um leito de petróleo, procuram ampliar e defender sua área geográfica gerando inúmeros conflitos fronteiriços e separatistas na região.

A área do Mar Cáspio é rica em petróleo e gás natural e, por coincidência é exatamente aí que se situa as ex-repúblicas mais cobiçadas, principalmente, Cazaquistão, Azerbaijão e Geórgia.

O petróleo produzido vêm sendo transportado por oleodutos que passa pela Tchetchênia e pela Rússia em direção a Novorossysk no Mar Negro.

Essa situação não é confortável para os EUA e os países ricos ocidentais que já controlam mais de 50% dos investimentos petrolíferos na Bacia do Cáspio.

Portanto, Washington está buscando outras rotas. A intenção é contornar a Rússia, e a proposta é um oleoduto que cortaria a Turquia em direção ao Mar Mediterrâneo - a rota Baku-Ceyhan.

Existem discussões sobre um acordo entre Turquia, Azerbaijão e Geórgia para a construção de um oleoduto que contornaria a Rússia, ligando a Ásia Central e o Ocidente.

Existem suspeitas de que os conflitos na Tchetchênia, Ossétia do Sul, Armênia, Abkhazia e outros fariam parte de uma conspiração orquestrada pelos EUA para dividir a região e torna-la mais facilmente manipulável.

Portanto, o futuro da Ásia Central é caótico. Os países fronteiriços envolvidos no controle dos oleodutos do Cáspio e nas riquezas de petróleo e gás na costa, estão enfurecidos no meio destas disputas A luta por influência nesta região pode levar a uma nova corrida armamentista de conseqüências imprevisíveis.

Fonte: www.eduquenet.net

Colonização da Ásia

Imperialismo na Ásia

O colonialismo do século XIX (neocolonialismo), incrementado a partir de 1880, tem por base uma nova divisão econômica e política do mundo pelas potências capitalistas em ascensão. Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha experimentam um auge industrial e econômico a partir de 1870, seguidos pela França e Japão. Itália e Rússia ingressam na via da industrialização nesse mesmo período. Os monopólios e o capital financeiro de cada potência competem acirradamente pelo controle das fontes de matérias-primas e pelos mercados situados fora de seus países.

Tipos de colônia

O neocolonialismo desenvolve política que tem por eixo dois tipos de colônia: as colônias comerciais e as colônias de assentamento. As colônias comerciais devem fornecer matérias-primas e, ao mesmo tempo, constituir-se em mercados privilegiados para produtos e investimentos de capitais das metrópoles. As colônias de assentamento servem de áreas de recepção dos excedentes populacionais das metrópoles.

Era Vitoriana

É durante o reinado da rainha Vitória (1837-1901) que a Inglaterra experimenta sua maior expansão colonialista, chegando a conquistar um quinto das terras de todo planeta. O sistema parlamentarista é consolidado sob a liderança de Benjamin Disraeli e William Gladstone. A prosperidade do Estado e da alta burguesia é contrabalançada pela rigidez moral (puritanismo) e pelas péssimas condições de vida e trabalho das classes mais pobres da população.

Rainha Vitória (1819-1901) é como fica conhecida Alexandrina Vitória, rainha do Reino Unido. Nasce no Palácio de Kensington, Londres, filha única de Eduardo, duque de Kent, da casa dos Hanôver. Sucede o tio Guilherme IV em 1837, aos 18 anos. Casa-se com o primo, Alberto de Saxe-Coburgo, e tem nove filhos. Mesmo assessorada por conselheiros e primeiros-ministros, intervém pessoalmente em todos os assuntos de Estado, principalmente no que se refere ao comércio exterior. Durante seu reinado, o mais longo da História inglesa, o país chega ao auge do imperialismo. A Inglaterra participa da Guerra dos Bôeres (1899-1902), no sul da África, da Revolta dos Cipaios (1857-1858), na Ásia, e da Guerra do Ópio (1840-1842), na China. Torna-se famosa também pela rigidez e pelo puritanismo moral. É sucedida por seu filho mais velho, Eduardo VII.

PARTILHA DA ÁFRICA

Ocorre a partir de 1870, quando a Alemanha e a Itália entram em disputa com a Inglaterra e a França pela conquista de territórios que sirvam como fontes de abastecimento de matérias-primas industriais e agrícolas e mercados para seus produtos. Portugal e Espanha conseguem manter alguns de seus antigos territórios coloniais. A Conferência de Berlim, em 1884 e 1885, oficializa e estabelece normas para a partilha. Qualquer posse territorial deve ser comunicada às potências signatárias e toda potência estabelecida na costa tem direito ao interior do território, até defrontar com outra zona de influência ou outro Estado organizado.

França

Conquista territórios no norte da África (Tunísia, Argélia, Marrocos e parte do Saara), na África ocidental (Senegal, Guiné, Costa do Marfim, Daomé - atual Benin -, Gabão e Congo - atual Zaire -, estes últimos denominados África Equatorial Francesa). Domina também territórios na África central (Níger, Chade e Sudão) e na África oriental (Madagascar, trocada com o Reino Unido por Zanzibar, atual Tanzânia), Obok, baía de Tadjurah, os sultanatos de Gobad e Ambado e os territórios dos Afars e Issas, atual Djibuti.

Reino Unido

Estabelece territórios coloniais na África ocidental (Gâmbia, Serra Leoa, Costa do Ouro, atual Gana, Nigéria e as ilhas de Santa Helena e Ascensão), na África oriental (Rodésia, atuais Zâmbia e Zimbábue, Quênia, Somália, ilha Maurício, Uganda e Zanzibar, atual Tanzânia, e Niassalândia, atual Malavi), e na África meridional (União Sul-Africana, incluindo a antiga Colônia do Cabo e as ex-repúblicas bôeres de Natal, Orange e Transvaal - África do Sul -, e os protetorados de Bechuanalândia, atual Botsuana, Basutolândia, atual Lesoto, e Suazilândia).

Alemanha

Conquista Togo e Camarões (África ocidental), Tanganica e Ruanda-Burundi (África oriental) e Namíbia (África do sudoeste).

Portugal

Mantém as colônias instaladas na África ocidental (Cabo Verde, São Tomé, Príncipe, Guiné-Bissau), África do sudoeste (Angola e Cabinda) e África oriental (Moçambique).

Espanha

Continua com suas posses coloniais na África do norte (parte do Marrocos, ilhas Canárias, Ceuta, território de Ifni e Saara Ocidental) e na África ocidental (Guiné Equatorial).

IMPERIALISMO NA ÁSIA

As potências européias, o Japão e os Estados Unidos envolvem-se numa disputa acirrada para redividir os territórios asiáticos.

As potências europeias lançaram-se ao controle da Ásia, onde encontraram matérias-primas e um grande mercado para os seus excedentes de manufaturas e capitais. Contudo, a existência de civilizações muito desenvolvidas dificultou a conquista e dominação do território asiático. A Grã- Bretanha concentrou sua ação na Índia, a chamada 'Joia da Coroa'. A França investiu pelo sudeste, na Indochina. Cobiçada e disputada, a China acabou subjugada pelas potências capitalistas, com guerras, entre as quais a Guerra do Ópio (1841), e tratados desiguais que proporcionaram aos ocidentais direitos econômicos e políticos nas áreas de influência. O Japão conseguiu evitar o domínio estrangeiro, apesar das pressões norte-americanas, mas a vitoriosa ação do imperador Mutsuhito sobre os poderes locais ligados ao xogum, conseguiu restabelecer a centralização política. A Era Meiji industrializou e militarizou o país, alicerçando sua política imperialista.

Índia

A presença britânica na Índia com a Companhia das Índias Orientais supera a concorrência portuguesa e francesa desde o século XVII. Contra essa hegemonia se rebelam, em 1857, as tropas nativas, ou cipaios.

Revolta dos Cipaios

Levante de grupos indianos (cipaios) contra a exploração britânica. Começa em 1857 e é violentamente reprimida pelos britânicos, terminando no ano seguinte. O governo britânico dissolve a Companhia das Índias, reorganiza o exército colonial e converte a Índia em domínio britânico.

Influência britânica

O Reino Unido implanta em território indiano um sistema de ensino inglês, uma rede ferroviária e a modernização dos portos. Com seus produtos industriais mais baratos, destrói a economia rural autárquica e aumenta o desemprego. Os ingleses se expandem e criam Estados intermediários no Nepal e Butão. Entram no Tibete para garantir privilégios comerciais. Anexam a Birmânia (atual Mianmá ) e Ceilão (atual Sri Lanka ) e tentam disputar com os russos o domínio do Afeganistão. O domínio britânico faz surgir um movimento nacionalista entre setores das classes abastadas indianas, europeizadas nos colégios e universidades inglesas, onde tinham livre curso as idéias liberais e democráticas. Em 1885 é fundado o Congresso Nacional Indiano, com o objetivo de obter uma participação ativa na administração do país.

China

Até meados do século XIX os europeus mantêm feitorias no território chinês, por onde realizam o comércio com as metrópoles. A partir daí ocorre uma intensificação nas tentativas de dominar o mercado chinês por meio de guerras e conquistas.

Guerra do Ópio

Uma das principais atividades do Reino Unido na região é o cultivo do ópio (em território indiano), que é depois vendido aos chineses. Em 1840 as autoridades chinesas passam a reprimir a venda ilegal da droga, o que leva o Reino Unido a declarar a chamada Guerra do Ópio. O conflito termina dois anos depois pela Paz de Nanquin, tratado segundo o qual o Reino Unido retoma o comércio de ópio e obtém ainda a cessão de Hong Kong, ponto estratégico para comércio que deve ser devolvido à China em 1997. A partir de 1844, França, Estados Unidos, Inglaterra e Rússia conquistam o controle de áreas do território chinês, como Xangai e Tientsin.

Guerra Sino-Japonesa

Em 1868, após um longo isolamento, o Japão emerge disposto a se tornar uma potência mundial. Seis anos depois, envia tropas contra Formosa (Taiwan), com o objetivo de testar a resistência chinesa. Por pressão diplomática do Reino Unido recolhe as forças militares, recebendo uma "indenização" da China. O expansionismo japonês volta a se manifestar em 1879, com a anexação das ilhas Ryu-kyu. Mas o principal objetivo do Japão é a Coréia, situada em posição estratégica e possuidora de grandes reservas minerais, especialmente carvão e ferro.

Intervenção na Coréia

China e Coréia procuram desenvolver laços estreitos de colaboração por intermédio de acordos comerciais e militares. A China busca consolidar sua influência na região, principalmente modernizando as forças militares coreanas. Essa atitude provoca diversos confrontos armados entre facções pró-China e grupos favoráveis aos interesses do Japão, levando ambos os países a enviarem tropas ao território coreano para conter o conflito interno. Estabelecida a normalidade, o Japão, entretanto, decide não abandonar a Coréia, alegando que a situação ainda exige a presença das tropas japonesas para evitar novas rebeliões.

Conflito entre China e Japão

Tem início em agosto de 1894, com o bombardeamento de barcos japoneses pelas forças navais chinesas. O contra-ataque do Japão é rápido e fulminante, derrotando a China em pouco tempo. No início de 1895, o Japão invade a Mandchúria e a província de Shantung, toma Porto Arthur e controla o acesso marítimo e terrestre a Pequim. Em conseqüência, a China admite a derrota e, pelo Tratado de Shimonoseki, reconhece a independência coreana, abre mão das ilhas de Formosa e Pescadores e da península de Liaotung, na Mandchúria, paga uma indenização ao governo nipônico e abre quatro portos em seu território ao comércio japonês.

Expansão japonesa

É a conseqüência das duras condições de paz impostas à China, preocupando os governos da Rússia, França, Alemanha e Reino Unido. Para os dirigentes russos, a cessão da península de Liaotung ao Japão desequilibra o mapa político do Extremo Oriente. Assim, pedem a imediata modificação do tratado de paz, seguidos pelos governos da França e da Alemanha, temerosos do "perigo amarelo". O Japão cede, exigindo, em contrapartida, um aumento da indenização paga pela China.

Incapacidade militar chinesa

Produz uma corrida entre as potências ocidentais e a Rússia em busca de concessões territoriais na China, além de privilégios comerciais.

O resultado é desastroso para o governo de Pequim: a Rússia constrói um trecho da ferrovia transiberiana na Mandchúria; a França consolida as fronteiras do vale do rio Mekong; o Reino Unido alarga as fronteiras da Birmânia, avançando em território chinês; a Alemanha ocupa a região de Tsingtao, enquanto a Rússia toma Porto Arthur, Dairen e parte da província de Liaotung e a França e o Reino Unido arrendam importantes extensões territoriais por 99 anos.

"Reforma dos cem dias"

O risco de esfacelamento territorial provoca na China uma severa reação interna e, durante o período conhecido como "a reforma dos cem dias", o governo inicia a modernização da administração, das Forças Armadas, da Justiça, do comércio e da indústria. Essas reformas produzem fortes contestações na burocracia governamental e levam a rainha-mãe, Tzu-hsi, afastada desde a deflagração da guerra com o Japão, a reassumir o poder com o apoio de um governo conservador. O imperador é mantido como virtual prisioneiro, enquanto parte das reformas administrativas é anulada. Tzu-hsi é radicalmente contra a modernização e ocidentalização da China e sua política nacionalista e xenófoba desemboca na Guerra dos Boxers, em 1900.

Revolta dos Boxers

Como reação à dominação estrangeira, nacionalistas se revoltam contra a dinastia mandchu. A Guerra dos Boxers, nome dado pelos ocidentais aos membros de uma sociedade secreta chinesa que organizam a revolta, se espalha pelas zonas costeiras e ao longo do rio Yang-Tse, em 1900. Exércitos estrangeiros esmagam a rebelião e impõem à China uma abertura à participação econômica ocidental. O capital estrangeiro implanta indústrias, bancos e ferrovias.

Nacionalismo chinês

A partir de 1905 o nacionalismo se organiza com a fundação do Partido Nacional do Povo (Kuomintang) por Sun Yat-sen, que defende a democracia e a reforma econômica. Em 1911 tem início a revolução nacionalista, que proclama a República em 1912.

DEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA

Ao longo do século XIX, França, Reino Unido e Estados Unidos disputam entre si a hegemonia econômica e política sobre a América Latina, que representa fonte de matérias-primas e mercado para seus produtos industriais. Interferem nas disputas políticas internas, nas quais revezam-se ditaduras caudilhescas.

México

Perde quase metade de seu território em 1846, como resultado da guerra contra os Estados Unidos. Califórnia, Arizona, Novo México, Utah, Nevada e parte do Colorado passam ao domínio norte-americano. A suspensão do pagamento da dívida externa mexicana, em 1861, provoca a intervenção da Inglaterra, França e Espanha, resultando no domínio francês até 1867.

Revolução Mexicana

Independente desde 1821, o México só consegue consolidar-se como Estado nacional entre 1876 e 1910 com a ditadura de Porfirio Díaz, o primeiro a ter controle sobre o conjunto do território. Exportador de produtos agrícolas e minerais, o país é dominado por uma aristocracia latifundiária. Os camponeses reivindicam terras e as classes médias urbanas, marginalizadas do poder, se opõem ao regime. Em 1910 o liberal e também latifundiário Francisco Madero capitaliza o descontentamento popular e se lança candidato à sucessão de Díaz. As eleições são fraudadas e Díaz vence. O episódio desencadeia uma guerra civil e o país entra num período de instabilidade política que permanece até 1934, quando Lázaro Cárdenas assume o poder.

Rebelião de 1910

A reeleição de Díaz provoca um levante popular no norte e no sul do país. No norte, os rebeldes liderados por Pancho Villa incorporam-se às tropas do general dissidente Victoriano Huerta. No sul, um exército de camponeses organiza-se sob o comando de Emiliano Zapata e exige uma reforma agrária no país. Díaz é deposto em 1911 e Madero assume o poder.

Enfrenta dissidências dentro da própria elite mexicana e também dos camponeses: Zapata recusa-se a depor as armas enquanto o governo não realizar a reforma agrária. Em 1913 Huerta depõe e assassina Madero e tenta reprimir os camponeses. Villa e Zapata retomam as armas apoiados por um movimento constitucionalista liderado por Venustiano Carranza. Huerta é deposto em 1914, Carranza assume o poder e dá início a um processo de reformas sociais, mas a reforma agrária é novamente adiada. Em 1915, Villa e Zapata retomam novamente as armas mas Carranza já domina o país.

Em 1917 promulga uma Constituição e consolida sua liderança. Zapata é assassinado em 1919. Villa retira-se da luta em 1920 e é assassinado em 1923.

Pancho Villa (1877-1923), como fica conhecido o político revolucionário mexicano Doroteo Arango. Aos 16 anos teria matado um rico fazendeiro e logo depois se alistado no Exército para fugir às perseguições da Justiça. Em 1910, como chefe de guarnição, toma o partido de Francisco Madero no combate à ditadura da Porfirio Díaz. Em maio de 1911 é exilado. Madero assume o governo no mesmo ano. Em 1912 o general Victoriano Huerta, que mais tarde deporia e substituiria Madero, condena Villa à morte por insubordinação. Auxiliado por Madero, Villa consegue se refugiar nos Estados Unidos. Depois da morte de Madero e da instauração da ditadura de Huerta, Villa volta ao México e integra as forças de Venustiano Carranza, que se opunha ao novo ditador. Contra Huerta combatiam, espalhados por todo país, Pancho Villa, Venustiano Carranza, Álvaro Obregón e Emiliano Zapata. Na guerra civil que se instala, a cavalaria, com mais de 40 mil homens, comandada por Villa tem papel fundamental. Depois da queda de Huerta, Carranza assume o poder mas se desentende com Villa, que acaba voltando à luta e domina o norte do país. Em 1916 uma força expedicionária norte-americana é chamada pelo governo para capturar Villa, mas ele consegue escapar. Quando Carranza é deposto, Villa se instala no interior como fazendeiro. Casa-se várias vezes e tem filhos com pelo menos oito mulheres diferentes. É assassinado numa emboscada.

Emiliano Zapata (1879-1919) revolucionário mexicano e um dois principais líderes da Revolução Mexicana. Filho de índios, logo cedo toma a liderança de camponeses índios pela reforma agrária no país. Forma um exército e conquista todo sul do México, rebelando-se contra Porfirio Díaz e os grandes proprietários de terra. Une-se a Pancho Villa e posteriormente volta-se contra os presidentes Madero, Huerta e Carranza, os quais tomam o poder com a ajuda de Zapata, mas fracassam na execução da reforma agrária. É assassinado por um adepto de Carranza.

Região do Prata

A influência inglesa mantém-se inalterada até a 1a Guerra Mundial (1914-1918), embora sofrendo a concorrência dos Estados Unidos, França e Alemanha. Ao Reino Unido interessam os produtos agrícolas e pecuários, os minérios e a manutenção do rio do Prata como área aberta à sua influência marítima. Em 1828 estimula a Guerra Cisplatina, que leva à independência do Uruguai, e em 1852 toma as ilhas Malvinas da Argentina.

Argentina

A presença de uma burguesia mercantil desenvolvida em Buenos Aires, associada ao capital internacional (principalmente inglês), acirra o conflito interno entre os unitários, partidários de um governo central forte, e os federalistas, favoráveis à autonomia regional. A ascensão de Juan Manuel Rosas ao governo de Buenos Aires marca o início de uma ditadura, de 1829 e 1852, que impõe a defesa da ordem civil e eclesiástica e resiste às pressões estrangeiras - o que não impede a ocupação das ilhas Malvinas pelo Reino Unido, em 1833. Em 1852, a aliança entre o Brasil e o caudilho de Corrientes, Justo José de Urquiza, derruba Rosas.

Em 1853 é elaborada uma Constituição de caráter federalista, embora ainda com governo centralizado. Em 1859, a guerra civil entre Buenos Aires, independente desde 1854, e o governo federal termina com a integração, ao resto do país, daquela cidade, que, mais tarde, é declarada a capital. A fase posterior é de desenvolvimento econômico, colonização do interior e predomínio oligárquico.

Uruguai

Sua posição estratégica, junto ao rio do Prata, torna-o palco de disputas que remontam à fase colonial. Em 1821 é anexado ao Brasil, por Portugal, com o nome de Província Cisplatina. A Guerra da Cisplatina, entre Brasil e Argentina, pela posse da região, possibilita sua independência, em 27/8/1828. Mas não encerra as disputas fronteiriças com os latifundiários do Rio Grande do Sul. As intervenções brasileiras na região - em 1851, contra Manuel Oribe, e em 1864, contra Atanasio Aguirre, em apoio ao general Venancio Flores - têm como reação a intervenção paraguaia. É ela que está na origem da guerra entre esse país e a Tríplice Aliança.

Paraguai

Após a independência, em 1814, o caudilho José Gaspar Rodríguez de Francia, que governa ditatorialmente com o título de El Supremo, recusa a anexação à Argentina e isola o país. Em 1840 assume o presidente Carlos Antonio Lopez, que inicia os contatos com o exterior e uma política de desenvolvimento autônomo, que será continuada por seu filho, Francisco Solano López. Seus sonhos expansionistas, de criação do Grande Paraguai, terminam com a derrota para o Brasil, secundado pela Argentina e Uruguai (1870). O país fica numa crise profunda, arrasado social e economicamente.

Região do Pacífico

O capital inglês associa-se às oligarquias locais, estimulando a formação de Estados independentes (Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e Chile). O Reino Unido se dedica principalmente à exploração de prata, cobre, salitre e outros minerais.

Chile

O autoritarismo de Bernardo O'Higgins o faz ser derrubado, em 182, por Ramón Freire, ditador até 1826. A desordem que impera durante o governo do general Francisco Pinto leva à guerra civil e à ditadura de Diego Portales (1830-1841). Depois disso, com Manuel Bulnes, o país entra numa fase de estabilidade.

América Central

A hegemonia norte-americana ocorre desde o início do século XIX. Consolida-se com a desagregação da Federação das Províncias Unidas da América Central e com a oficialização da Doutrina Monroe como base da política exterior dos Estados Unidos. Estes intervêm na região para garantir concessões territoriais a monopólios agrícolas norte-americanos. A guerra pela independência de Cuba, iniciada em 1895 por José Martí e Antonio Maceo, serve de pretexto para a intervenção norte-americana e para o desencadeamento da guerra entre os Estados Unidos e a Espanha. Cuba conquista a independência em 1902, sob tutela dos Estados Unidos. Como resultado da derrota espanhola, em 1898, Porto Rico passa ao domínio norte-americano. Em 1903, por imposição da frota naval norte-americana, o Panamá separa-se da Colômbia e concede aos Estados Unidos a soberania sobre a Zona do Canal do Panamá.

DISPUTA PELO IMPÉRIO OTOMANO

A decadência do Império Turco-Otomano começa por causas internas, como administração corrupta, enfraquecimento do Exército e rebeliões das nacionalidades submetidas. O processo é acelerado pelo avanço das potências européias sobre os Bálcãs e pelo domínio dos acessos marítimos ao mar Negro e ao Mediterrâneo oriental.

Guerra da Criméia

Começa com a invasão russa dos principados otomanos do Danúbio, em 1853. A Turquia recebe o apoio do Reino Unido, França e Sardenha, interessados em impedir que a Rússia controle os estreitos de Bósforo e Dardanelos. Em troca, permite a entrada de capitais ocidentais na Turquia. Mas na Conferência de Londres, em 1875, a Rússia obtém o direito de livre trânsito nos estreitos e, em 1877, inicia nova guerra contra a Turquia a pretexto de libertar os cristãos dos Bálcãs. O Congresso de Berlim, em 1878, consagra a independência dos Estados balcânicos e as perdas turcas de Chipre, para o Reino Unido, da Armênia e parte do território asiático para a Rússia e da Bósnia-Herzegóvina para o Império Austro-Húngaro. Em 1895 o Reino Unido apresenta um plano de partilha da Turquia, rechaçado pela Alemanha, que prefere garantir para si concessões ferroviárias.

Guerras balcânicas

A crise começa em 1908, com a anexação da Bósnia-Herzegóvina pelo Império Austro-Húngaro, a anexação de Creta pela Grécia e a independência da Bulgária. Surgem os planos de formação da Grande Sérvia e da Grande Grécia, com base na desintegração do Império Otomano e na redivisão territorial dos Bálcãs. Em 1912 e 1913, em virtude de distúrbios na Albânia, desordens internas na Turquia e expansão italiana no norte da África e no mar Egeu, a crise ganha dimensão regional. Forma-se a Liga Balcânica, integrada pela Sérvia, Bulgária, Grécia e Montenegro, com apoio da Rússia, contra as ameaças de expansão austro-húngaras.

1a Guerra Balcânica - Envolve em 1912, de um lado, os países da Liga Balcânica e, do outro, a Turquia. A Sérvia exige acesso ao Adriático, contra a oposição da Itália, que pretende anexar a Albânia. A Grécia quer expulsar a Itália do Dodecaneso, enquanto a Áustria-Hungria opõe-se à expansão da Itália e da Sérvia e se alia à Bulgária. Como resultado, a Turquia perde os territórios balcânicos.

2a Guerra Balcânica - Em 1913, começa pelo ataque da Bulgária à Sérvia na tentativa de obter maiores territórios na divisão do Império Otomano. Romênia, Grécia, Montenegro e Turquia intervêm a favor da Sérvia. A Áustria-Hungria ameaça intervir a favor da Bulgária, que perde territórios, enquanto a Albânia converte-se em principado autônomo.

Fonte: www.abecitrus.com.br

Colonização da Ásia

Língua Chinesa

O Chinês é composto por sete dialetos principais: o mandarim, cantonês, Hakka, Wu, Min, Xiang e Gan.

A variedade de mandarim baseado no discurso na capital Pequim é a língua oficial nacional da China continental e é denominado Putonghua linguagem comum.

A língua de fato comum em Hong Kong e comunidades chinesas ultramarinas é cantonês.

Entre as línguas oficiais de Taiwan são mandarim, de Taiwan, e Hakka.

Os dialetos chineses não são mutuamente inteligíveis, mas são chamados dialetos de pontos sociológicos e políticos de vista.

A maioria dos dialetos são eles mesmos compostos de um número de não-mutuamente inteligíveis subvariedades.

Seis dos sete dialetos principais são, no sudeste da China, ao sul do rio Yangtze.

Mandarim é falado na maioria do norte da China e parte do oeste da China.

Os chineses han representam cerca de 92 por cento do total da população chinesa. Cerca de dois terços da população Han fala uma variante do mandarim como língua nativa.

Uma parte significativa da população Han é, portanto, bilíngüe. Nestas circunstâncias, a linguagem comum é usada como segunda língua para a comunicação formal no governo, mídia e educação. A língua materna primária é usada para as ocasiões restantes, como conversa em casa, entre amigos e parentes, entretenimento, etc.

Todas as variedades de chineses pertencem ao sino tibetano família de línguas. Os membros da família são tipicamente Sinitic tonal, significando que diferentes tons, ou entonações, distinguir palavras que de outra forma se manifestam de forma idêntica. Chinês por origem é monossilábico. O vocabulário de dialetos mais recentes na árvore linguística tais são mandarim tendem a se tornar mais polissilábico (palavras compostas) como um ajuste à perda de uma série de sons em comparação com chinesa antiga.

Apesar da diversidade de expressão da parte chinesa Han um roteiro comum de fazer comunicação escrita possível entre pessoas que falam dialetos mutuamente ininteligíveis.

Sobre Língua Chinesa

Mandarim é a forma mais falada do chinês.
Língua chinesa
tem mais falantes nativos do que qualquer outro idioma.
Língua chinesa
é mais falado na China, Taiwan, Cingapura e Malásia.
Língua chinesa
(mandarim) é uma das seis línguas oficiais utilizados pelas Nações Unidas.
Língua chinesa
é escrita com símbolos. Esses símbolos são chamados caracteres chineses. Caracteres chineses representam o sistema mais antigo de escrita no mundo. Língua chinesa é a mais antiga língua conhecida registrado que foi escrito sobre velhos ossos e carapaças de tartarugas.
Existem mais de 100.000 caracteres chineses.
Língua chinesa
não tem alfabetos. Pinyin é uma maneira de escrever o chinês mandarim com o alfabeto romano.
A parte mais difícil quando se estuda a língua chinesa está ficando seus tons direito e aprender a ler e escrever caracteres chineses.

Fonte: www.chinalanguage.com

Colonização da Ásia

Língua Chinesa

Os caracteres chineses evoluíram dos desenhos e sinais formando a arte da caligrafia, independente do processo da escrita.

O que os calígrafos usam é papel, pincel e tinta e o que escrevem são linhas, entretanto, essas linhas se dividem em várias formas caligráficas e estilos artísticos.

Em quase todas as dinastias da China surgiram calígrafos famosos.

A arte e o estilo da caligrafia de cada um constituía a representação típica de uma dinastia. O

famoso calígrafo Wang Xizhi, da dinastia Jin do Leste, foi chamado de "santo dos calígrafos".

Sua escrita cursiva, bela e majestosa, vivaz e vigorosa, era estimada por todos. Seu filho Wang Xianzhi fazia a caligrafia dos caracteres chineses mais distinta. A dinastia Tang marcou um período de esplendor da caligrafia da China com Ouyang Xun, Zhu Suiliang, Yan Zhenqing e Liu Gongquan como representantes, suas obras são até hoje modelos de caligrafia.

As obras do grande calígrafo moderno Wu Changshuo se destacam pelo estilo conciso e fluido e as estruturas variadas. O calígrafo incrustou caracteres nas pinturas formando sua própria forma de caligrafia e pintura.

Atualmente, não se usa muito o pincel, entretanto, a caligrafia, como arte, é praticada por muita gente. Procura-se escrever caracteres regulares e belos e mostrar as modalidades imponentes da caligrafia dos caracteres chineses.

A Associação de Calígrafos da China e os grupos locais de diferentes níveis desenvolvem sempre atividades. Inclusive em algumas universidades, instituições e empresas existem grupos de calígrafos. Através de discussões, exibições e reuniões, os calígrafos e conhecedores realizam trocas mútuas.

A caligrafia chinesa é como uma rara e exótica flor na história de civilização e é uma preciosidade sem igual na cultura Oriental.

Graficamente, é comparada a pintura em sua habilidade para evocar emoção através de uma rica variedade de forma e desenho.

Como arte abstrata, exibe o rítmico e harmonioso fluxo da música. E de um ponto de vista prático, é um idioma escrito.

Fonte: www.chinaonline.com.br

Colonização da Ásia

Timor Leste e o Império Luso na Ásia

"...todos os europeus sempre se comportaram em relação aos asiáticos como se os princípios do direito internacional não se pudessem aplicar fora da Europa, como se a dignidade moral dos povos da Ásia não pudesse colocar-se no mesmo pé com o deles." K.M.Panikkar - A dominação ocidental na Ásia, 1969

Timor Leste é apenas uma parte da ilha de Timor, pertencente ao arquipélago da Indonésia que se compõe por mais de 17 mil ilhas. Ela, a ilha, situa-se há uns 650 quilômetros ao norte da Austrália e foi até 1975 parte do Império Colonial Português da Ásia. Liderados pela Frentilin (Frente Nacional de Libertação do Timor Leste), formada em 1974 e capitaneada por Xanana Gusmão, um guerrilheiro esquerdista, os timorenses do leste proclamaram sua república em 1975, logo que a administração portuguesa abandonou a ilha e depois de uma curta guerra civil com os setores locais que desejavam a reintegração na Indonésia.

A Indonésia naquela época estava vivendo sob a ditadura anti-comunista do General Suharto(1965-1998) que decidiu-se ocupar a outra parte da ilha de Timor.

Os americanos que recém haviam se retirado do Vietnã em 1975, apoiaram a operação militar porque não podiam aceitar a existência de uma área pró-comunista, ainda que pequena, dentro da esfera geográfica da Indonésia, sua aliada na região. A pretexto de liquidar as atividades de um movimento guerrilheiro subversivo e separatista, o Exército Indonésio praticou uma política de violência indiscriminada contra a população civil, tornada quase toda ela inimiga (estimam, exageradamente, em 200 mil vítimas em 20 anos de repressão e fome).

Nas vésperas da votação do plebiscito - marcado para o dia 30 de agosto de 1999 - para decidir se os timorenses do leste preferiram a autonomia ou a independência, o bispo Ximenes Belo, líder espiritual do Timor Leste, numa missa de conciliação realizada na cidade de Suai, no interior da ilha, proclamou a disposição dos nativos em "formar uma nova família" - frase que significava um sinal para que todos votassem a favor da independência - isto que, é que constituíssem um novo país chamado Timor Loro Sae. As violência perpetradas pelas milícias, estimulados pelos militares indonésios, quase 100 mortos depois da apuração do resultado da votação, fizeram com que a Indonésia fosse denunciada como violadora dos direitos humanos dos timorenses e obrigada a aceitar - depois da aprovação pelo Conselho Superior da ONU - uma força de intervenção.

O domínio dos brancos

O que assiste-se em Timor Leste é um dos últimos atos do processo de descolonização que deu-se a partir do fim da IIª Guerra Mundial. Até 1948 quase toda a Ásia estava em mãos de quatro potências colonialistas européias - a Grã-Bretanha tinha a parte de leão (a Índia, a Birmânia, a Malásia, Cingapura e Hong Kong), a França (a Indochina e o Camboja), a Holanda (a Indonésia), Portugal (Goa, Timor Leste e Macau), e os Estados Unidos que controlavam as ilhas Filipinas (que foram colônia da Espanha até 1898). O estatuto da China por sua vez, antes de 1949, estava longe de ser independente pois ela de fato, ainda que não formalmente, continuava sendo "a colônia de todas as metrópoles" como tristemente constatou certa vez Sun Yat-sen, o primeiro presidente da Republica Chinesa, proclamada em 1911.

Este longo domínio de 450 anos iniciou-se em 1498, quando os quatro barcos do navegador português Vasco da Gama chegaram ao porto indiano de Calicute, e completou-se onze anos depois, em 1509, pela vitória do navegante Francisco de Almeida no largo de Dio, na Índia, sobre a esquadra do sultão egípcio, comandada pelo muçulmano Mir Hussein. Proclamaram-se os portugueses desde então - graças a eficácia da sua "política das canhoneiras" -, como os "Senhores da Navegação", exercendo sobre o comércio oriental um monopólio que durou até o final do século 16.

Rompido o monopólio luso, mercadores, comerciantes, funcionários das Companhias das Índias Orientais (inglesa, holandesa e francesa), agentes missionários católicos e protestantes, administradores públicos, soldados e aventureiros de todos os tipos chegados da Europa, lançaram-se cobiçosos sobre as riquezas naturais e minerais e sobre as crenças dos povos asiáticos, tornando-os seus vassalos econômicos. Enquanto isso padres e pastores cristãos tentaram converter os asiáticos em seus súditos espirituais.

Estes conquistadores brancos e suas mulheres, serviram como inspiração para inúmeros escritores brancos, tornando-se os principais personagens dos romances de Joseph Conrad (Lord Jim, no Coração das Trevas), dos poemas de Rudyard Kipling (King, o Livro da Floresta) e dos contos e novelas de Somerset Maugham (Contos dos Mares do Sul).

O Império Português na Ásia

Ao contrário do que encontraram no Brasil - um imenso litoral escassamente povoado por indígenas geralmente cordatos, praticamente aberto à extração direta das suas riquezas -, nas Índias a situação era outra. Concentravam-se na imensa Ásia antiquíssimas culturas e civilizações cujas origens perdiam-se nos tempos.

Em contradição com grande parte do Novo Mundo, a população lá era densa, de milhões. No mundo oriental existiam estados e reinos bem organizados que, se bem que não detentores de uma técnica militar avançada, podiam resistir com maior êxito ao invasor, ao colonizador, como também tinham uma sólida e tradicional cultura religiosa - hinduísta, budista, islâmico e confucionista - que repudiou as tentativas de cristianização impostas pelos brancos.

Não demorou para que Portugal, reino pequeno, de parcos recursos e com escassa população, após ter escancarado as portas do mercado oriental, ter que se contentar com limitadas possessões no litoral do Oceano Índico e no Mar da China.

O Império Português naquela parte do mundo reduziu-se a um conjunto de portos e feitorias que, partindo da costa africana, passando por Ormuz, Dio, Goa, Calicute, Colombo, Málaca, Java, as ilhas Molucas, chegavam ao seu extremo à Macau no litoral da China (em frente a hoje Hong Kong). Neste dilatado arco comercial, que quase cobria o mundo inteiro, atravessando milhares de milhas náuticas, de Macau na China à Lisboa na Europa, comerciava-se com sedas, ouro, prata, pedras preciosas, pimentas, cravo, canela, gengibre, e tudo o mais que a fantasia e as necessidades européias demandavam.

Apesar da fragilidade deste império, reduzido com o passar do tempo ao porto indiano de Goa (*), à ilha de Timor Leste na Indonésia, e à cidade de Macau na China, foi o que mais tempo durou.

A descolonização: enquanto que as outras potências colonialistas, debilitadas pelas duas guerras mundiais, viram-se constrangidas, depois de 1945, a aceitar a emancipação dos povos e regiões que outrora dominaram na África e na Ásia, os portugueses conseguiram manter suas áreas sob controle até recentemente. Essa sobrevida do colonialismo luso deveu-se a que Portugal ficou neutro na IIª Guerra Mundial (1939-45), não sofrendo o desgaste humano e material dos que dela participaram. Goa foi ocupada por uma operação militar do exército indiano em 1961 e reintegrada à Índia; Timor Leste foi deixada em 1975 e ocupada em seguida pela Indonésia, enquanto que o porto de Macau será reintegrado à China Popular no final do ano 2000.

(*) Goa tornou-se o centro do comércio luso na Ásia, nela Afonso de Albuquerque fundou a primeira igreja em 1511, data do início do vice-reinado da Índia.

Timor Leste

É grande a complexidade da situação do Timor Leste, apenas uma parte de uma pobre ilha de 33 mil km 2. No ponto de vista do direito internacional - aquele configurado depois da IIª Guerra Mundial, resultante da Descolonização -, nada há em recriminar-se a Indonésia por tê-la ocupado, pois Timor historicamente fazia parte do antigo Reino de Java, que existia bem antes da chegada dos europeus invasores. Colonizada pelos portugueses desde 1515, que instalaram sua capital em Dili, ela foi partilhada com os holandeses da Companhia das Índias Orientais em 1613, que tornaram Kupang na sua capital. Em 1942 ela foi ocupada pelos japoneses que, depois da derrota em 1945 retiraram-se dali.

O apoio da mídia ocidental ao separatismo: o problema é que a população local do Timor Leste adotou, ao longo dos quatro séculos e meio de dominação, a cultura do colonizador, fazendo uso da língua portuguesa e aceitando o catolicismo. A fidelidade a esses valores culturais, idioma e crença, fez com que a mídia ocidental, estimulada especialmente pelos portugueses, transformasse a causa da independência timorense numa causa universal. A isso soma-se o fato da poderosa Igreja Católica não ver com simpatia a absorção dos cristãos timorenses por uma República Islâmica (eles são uns 800 mil numa Indonésia de mais de 200 milhões de muçulmanos). Os padres católicos, temendo serem expulsos, tornaram-se em Timor, neste últimos vinte e cinco anos, em agentes separatistas, pregando a resistência à Indonésia, a rejeição da língua javanesa e ao islamismo.

A Austrália: sendo apenas uma parte de uma pequena ilha paupérrima, Timor Leste, constituído como estado-nacional, fatalmente dependerá de outro poder regional que se contraponha ao da Indonésia. Encontra esse suporte na vizinha Austrália. Esta tem oferecido abrigo aos timorenses fugitivos da repressão bem como às suas diversas lideranças civis, entre elas a do líder civil da resistência o dr. Ramos Horta, quem, juntamente com o bispo Ximenes Belo, recebeu o Primeiro Nobel da Paz em 1996. Substituindo os Estados Unidos como força policial na região, a Austrália chama a si a função interventora (enviou, autorizada pelo Conselho de Segurança da ONU, ao Timor Leste 4,5 mil soldados). Em breve, se confirmada a independência, ela que já controla os recursos petrolíferos da ilha, irá satelitizar o Timor Leste. Desta forma a Austrália representa aos olhos dos indonésios uma tentativa de retomada - ainda que abrigada pela bandeira da proteção aos direitos humanos - a postura colonialista dos brancos ocidentais.

A crise geral da Indonésia: a crise timorense voltou ao cenário internacional recentemente por duas razões. A primeira deu-se pela outorga do Nobel da Paz a dois timorenses engajados na causa separatista. Aquele laurel foi um estimulo para que a população local resistisse, pois teriam o apoio do Ocidente. A segunda decorreu do fim ditadura do General Suharto em maio de 1998, após uma generalizada rebelião civil em Jacarta. A fragilização política da Indonésia pós-ditatorial e o clima caótico que varreu grande parte do arquipélago, estimulou os separatistas. O novo governante, o Presidente B.J. Habibie, um homem de transição, acatou as pressões ocidentais.(*) Concordou então com a realização de um plebiscito, supervisionado pela ONU, onde a população timorense poderia decidir-se a favor ou contra a integração com a Indonésia.

(*) Nas primeiras eleições livres realizadas na Indonésia em mais de 30 anos, ocorridas en junho de 1999, o partido da ditadura, o Golkar, foi derrotado pela candidatura oposicionista de Megawati Sukarnoputri, filha de Sukarno, o herói da independência da Indonésia que se tornará a nova presidente em novembro de 1999.

O plebiscito trágico: encerrada a votação em 4 de setembro de 1999, revelou-se que 78,5% dos votantes (mais de 345 mil eleitores foram as urnas) preferiram a independência do Timor Leste. Os militares indonésios que já há algum tempo vinham arregimentando e armando grupos de milicianos para que atuassem na intimidação dos desejos autonomistas da população, estimularam as turbas de assassinos de aluguel a fazerem o que bem entendessem. Bem à vista dos soldados indonésios, que apenas fingiam embaraçá-los, eles deram para atacar os habitantes indefesos da ilha. Mais de 100 mil timorenses do leste refugiaram-se nas montanhas ou abrigaram-se no outro lado da ilha. Não satisfeitos, os milicianos jogaram tochas incendiárias nas casas ou hotéis daqueles que abrigassem representantes das Nações Unidas. Dili, a capital timorense, foi reduzida à ruína e ao saque pelos milicianos.

A ambigüidade da política da Indonésia: distingue-se duas políticas oficiais, antagônicas e conflitantes, praticadas pelo confuso e inseguro governo da Indonésia. A adotada pelo Presidente Habibe resultou da pressão internacional, especialmente da ocidental, sobre ele, tendo implícito a possibilidade do governo indonésio vir a ser derrotado no plebiscito. Os militares por sua vez, tinham outra estratégia. Constrangidos a aceitar um plebiscito imposto de fora, os comandados do General Wiranto acreditaram poder vencê-lo através da intimidação. Para tanto apelaram - com a orientação do Kopassus, as forças especiais ligadas ao Serviço de Segurança - para a tática do terror, intimidando a população desarmada. Ou senão, como terminaram por fazer, revertendo o resultado eleitoral pró-independência à força, pela expulsão de grande parte da população para o outro lado da ilha, no controle deles. A combinação desastrada de ambas as políticas, a dos civis e a dos militares, fez por conduzir a Indonésia a aceitar a ocupação do Timor Leste por tropas estrangeiras, sob o mandato da ONU. Uma situação que é inaceitável para os sentimentos nacionalistas ofendidos.

O temor da dissolução: temem os militares, não sem razão, que o caso do Timor Leste sirva como exemplo para um possível desmantelamento da Indonésia como estado. Outras ilhas do arquipélago, como nas províncias de Irian Jaya e Aceh, habitada por uma dissidência muçulmana, encontra-se em pé de guerra clamando pela autonomia. O estado-nacional indonésio sente-se assim duplamente ameaçado. A agitação contra a o governo militar em agonia casa-se agora com os movimentos separatistas.

A posição norte-americana: quem encontra-se embaraçado a esta crise que arrasou o Timor Leste é o governo do Presidente Clinton. Apesar das evidentes atrocidades cometidas e inúmeras infrações aos direitos humanos praticados pelos militares indonésios, os americanos esquivaram-se em intervir. Procuram manter-se a uma certa distância, negando-se a participar diretamente na solução da crise. E motivo dessa atitude é que a Indonésia faz parte das diversas "fortalezas" ou "trincheiras" - formadas pelos norte-americanas na Ásia para manter a China sob cerco (as outras são o Japão, a ilha chinesa de Taiwan, e as ilhas Filipinas). Por isto as Forças Armadas da Indonésia foram treinadas e aparelhadas pelos norte-americanos ao longo dos 33 anos da ditadura Suharto As táticas usadas por elas no Timor Leste nada mais são do que a aplicação dos ensinamentos que lhes ministraram a partir da infeliz experiência norte-americana na Guerra do Vietnã. Ao contrário da recente crise sérvio-kosovar, os Estados Unidos não se mostraram dispostos a bombardear Jacarta como o fizeram com Belgrado.

A flexibilização da política dos direitos humanos: a obediência à política dos direitos humanos, que serve como respaldo ético e publicitário à intervenções externas dos Estados Unidos, deve sempre ser entendida como algo elástico, moldada à conveniência dos seus interesses estratégicos globais. Por razões moralmente desconhecidas, os albaneses kosovares estão mais perto do coração dos americanos do que os timorenses ou os curdos.

Enquanto o Presidente da Milosevic da Iugoslávia é apontado como criminosos de guerra, ele e muitos outros oficiais sérvios, estando sujeitos a serem julgados em cortes internacionais, até agora ninguém ainda sugeriu que a mesma punição se estendesse aos dois governantes indonésios pró-ocidentais: o Presidente B.J. Habibie e o General Wiranto.

Bibliografia

Boxer, Charles R. - O Império colonial português, Edições 70, Lisboa, 1977
Cortesão, Jaime - O Império Português no Oriente, Portugália editora, Lisboa, 1965
Fieldhouse, David K. - Los imperios coloniales desde el siglo XVIII, Editora Siglo XXI, México, 1984
Fox, James - Timor: questão mais ampla do que a independência - The Washington Post (reproduzido no Estado de São Paulo, 25.9.99)
Panikkar, K.M. - A dominação ocidental na Ásia, Editora Saga, Rio de Janeiro, 1969
Mapa: as possessões ultramarinas portuguesas na Ásia e a ilha de Timor

Fonte: educaterra.terra.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal