Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Cometas, Asteróides e Meteoros  Voltar

Cometas, Asteróides e Meteoros

 

Cometas, Asteróides e Meteoros são muitas vezes agrupados, pois são basicamente a mesma coisa: pequenos pedaços de rocha ou gelo que não são parte de um grande planeta.

Cometas, Asteróides e Meteoros - Diferença

Cometas

Os cometas são objetos compostos principalmente de gelo e poeira e suas caudas crescem quando se aproximam do sol.

Todos os cometas tem um núcleo, que é de rocha ou gelo duro. Quando um núcleo de um cometa se aproxima do sol, a energia solar começa a aquecer o gelo e vaporizar-lo. O gás sai para fora do cometa, às vezes violentamente o suficiente para quebrar o núcleo à parte, e joga poeira-se com ele. Os gases formam uma nuvem em torno do núcleo chamado de coma. Parte do gás é despojado de elétrons e soprado para trás pelo vento solar. Isso forma uma cauda de íons de cor azulada.

As partículas de poeira são empurradas para longe do cometa pela radiação solar, formando uma cauda de poeira que podem ser muitos milhões de milhas de comprimento.

A cauda de poeira é o mais fácil de ver a olho nu, mas ocasionalmente a cauda iônica é visível também. Cada vez que um cometa passa perto do sol, ele perde mais de seu gelo. Eventualmente, o cometa pode não ter mais material suficiente para formar suas caudas.

Asteróides

Os asteróides são os pequenos objetos rochosos no Sistema Solar.

O maior asteróide é Ceres, que tem aproximadamente 933 km (580 milhas) de diâmetro.

Os menores asteróides que temos observados em detalhe são apenas dezenas de metros de tamanho, mas há provavelmente um grande número de pequenas pedras no espaço que atualmente fica difícil para que possamos detectar.

Muitos asteróides, incluindo todos os maiores asteróides, orbitam o Sol entre Marte e Júpiter no Cinturão de Asteróides.

Os asteróides troianos compartilham a órbita de Júpiter, mas ficar 60 graus à frente ou atrás de Júpiter.

Próximos da Terra os asteróides orbitam o Sol nas imediações dos planetas rochosos terrestres e representam a maior ameaça para a Terra. Pensamos que a massa total de todas os asteroides combinados é menos do que a da Lua.

Asteróides não são visíveis a olho nu, mas alguns podem ser vistos com pequenos telescópios ou mesmo binóculos.

Meteoros

Meteoros são pequenos, deixam caminhos brancos no céu que chamamos de "estrelas cadentes".

Eles são causados por pequenos pedaços do tamanho de ervilhas de poeira inter-planetária que queimam-se quando eles batem na atmosfera da Terra em altas velocidades.

Chuvas de meteoros ocorrem quando a Terra passa através da órbita de um cometa que deixou uma grande quantidade de poeira para trás.

Poeira e as partículas formam meteoros à medida que atingem a atmosfera

Ocasionalmente uma pequena pedra pode cair através da atmosfera, causando uma raia extremamente brilhante e colorida no céu chamada de bola de fogo. (Estes são muitas vezes confundidos com cometas, mas cometas não riscam o céu rapidamente, pois eles são normalmente visíveis por muitos dias.).

Às vezes as rochas da bola de fogo não são completamente vaporizado, e a superfície causam um impacto da Terra. Uma pedra caído do espaço dessa maneira é chamado um meteorito.

Cometas, Asteróides e Meteoros - O que é

Cometas, Asteróides e Meteoros
Cometas, Asteróides e Meteoros

Ainda persiste, entre os leigos, alguma confusão entre Cometas, Asteróides, Meteoros e Meteoritos e por isso creio que devemos esclarecer aos iniciantes, a diferença entre estes pequenos corpos celestes.

Meteoros são os menores corpos do sistema solar que vão desde milimétricas partículas de pó até alguns metros de tamanho compostos de rocha, metal ou ambos e que em contato com a atmosfera da Terra, devido ao atrito pela alta velocidade, se queimam e deixam atrás de si um rastro luminoso devido a sua queima e ionização em contato as camadas superiores da alta atmosfera terrestre.

Estas partículas podem ter origem tanto de escombros cometários (restos que os cometas deixam atrás de si em sua órbita); de choques entre asteróides e/ou asteróides e planetas, como também de lixo espacial que penetram em nossa atmosfera.

Meteoritos são os meteoros que não se queimaram completamente em sua passagem pela atmosfera e se chocam contra o solo da Terra ou de qualquer outro corpo do Sistema Solar.

Também existe uma nova classe incomum de objetos chamados de Centauros após a descoberta de Chiron.

Estes objetos são incomuns porque apresenta um pequeno coma quando em sua máxima aproximação do Sol e isso indica que é um corpo cometário, mas são objetos muito mais volumosos do que as características de um cometa normal, um tamanho mais proporcional ao de um grande asteróide.

Estes corpos foram designados Centauros, devido a sua ambigüidade meio cometa meio asteróide e por isso seu nome deriva da raça dos mitológicos seres descritos pela mitologia grega como sendo meio-homem/meio-cavalo.

Acredita-se que estes objetos tenham escapado do cinto de Kuiper, um disco de objetos que orbitam para além do Netuno.

Os Cometas são compostos principalmente de gelo, poeira, rocha e gases e que esporadicamente podem entrar no Sistema Solar interior e, quando sua órbita os traz para mais próximo do Sol eles ganham uma coma e por vezes uma ou mais caudas de poeira e gás.

Qual a diferença entre Cometas e Asteróides?

A resposta não é fácil porque cometas e asteróides têm muito em comum: eles são corpos pequenos; teoricamente são parte das matérias primordiais da formação do Sistema Solar, formados junto com os planetas e seus satélites a cerca de 4.6 bilhões de anos atrás; e qualquer desses objetos podem ser achados na vizinhança de Júpiter.

Duas características diferenciam o núcleo cometário de um asteróide muito pequeno, sua órbita e sua natureza química. A órbita de um cometa é mais excêntrica; então, sua distância para o Sol varia consideravelmente.

Seu material é mais volátil. Quando longe do Sol, porém, um cometa permanece em seu estado primitivo durante muito tempo sem perder qualquer componente volátil por causa do gelado espaço fundo.

Por isto, os astrônomos acreditam que os primitivos núcleos cometários podem representar o mais velho e melhor material preservado do sistema solar original.

Cometas, Asteróides e Meteoros - Atmosfera da Terra

Entre os planetas e as luas, existem milhares de asteróides e cometas que têm sido catalogados e suas órbitas calculadas - e milhares mais permanecem desconhecidos.

Os Cometas

Cometas, Asteróides e Meteoros
Cometa

Os cometas são pequenas "bolas de neve sujas" formadas da mistura de gelo, gases congelados e poeira. Todos estes itens são restos de formações do Sistema Solar.

Os cometas viajam três vezes mais rápidos do que os asteróides e só são visíveis quando estão próximos do Sol.

O cometa Haley tem 16 km de comprimento e passa em frente ao Sol a cada 76 anos. Já o comenta Halebopp, de 40 km de comprimento, só passa a cada 4.026 anos. Acredita-se que a metade dos asteróides localizados agora perto da Terra seja cometas mortos.

Meteoros

Cometas, Asteróides e Meteoros
Meteoro

Duas vezes por semana, aproximadamente, um meteoro do tamanho de uma almofada se precipita sobre a Terra e explode com a força de uma bomba atômica.

Felizmente, nossa atmosfera faz com que eles se vaporizem a 8 km do solo. Se um pedaço de meteoro sobreviver e conseguir chegar à superfície, então será chamado de meteorito.

Milhões de meteoritos atacam a Terra todos os dias - a maioria deles é do tamanho de um grão de areia. No entanto, de vez em quando, algum objeto maior entra em contato com esse escudo de proteção natural da Terra - às vezes com efeitos catastróficos.

Os cientistas acreditam que uma dessas bolas de fogo ocasionou a extinção dos dinossauros ao colidir com a Terra em Chicxulub, na província de Yucatan, no México, há 65 milhões de anos atrás. Esse meteoro poderia ser tido 8 km de diâmetro.

Os Asteróides

Cometas, Asteróides e Meteoros
Asteróide

A maioria dos Asteróides se comporta de forma ordenada, ficando em órbita ao redor do Sol num cinturão de asteróides localizado entre Marte e Júpiter. Alguns escapam de sua órbita e terminam sendo uma ameaça para nós.

Acredita-se que os asteróides são restos do processo de formação do Sistema Solar há 4,6 bilhões de anos atrás.

Os asteróides podem estar formados por rocha e metal.

Seus tamanhos podem variar: desde pedrinhas até 934 km de largura.

Classificação dos Meteoritos

Em primeira instancia podemos classificar os meteoritos em três grandes grupos: rochosos, metálicos e rocho-metálicos. A classificação atual compreende mais de cem tipos distintos e novas classes são constantemente incorporadas.

Embora eles venham do espaço exterior, os Meteoritos contém os mesmos elementos químicos dos materiais terrestres.

Porém, os elementos existentes nos Meteoritos são notadamente em proporções diferentes das rochas da Terra. Eles se fundem de maneiras características para formar o tecido dos Meteoritos ou uma liga metálica de ferro e níquel, ou uma rocha rica em silício e oxigênio.

Há 3 classes ou grupos distintos de Meteoritos, classificados de acordo com sua composição ou natureza.

Para cada uma dessas classes também há subdivisões ou subclasses:

Meteoritos Rochosos

Condritos

85,7% dos meteoritos encontrados
Carbônicos (carbonaceous)

Enstatite

Não condritos ou Acondritos (7.1%)

Grupo HED 
Grupo SNC 
Aubrites 
Ureilites

Meteoritos Metálicos - ou ferrosos (5.7%)

Subdividos em treze grupos principais e consistem principalmente em ligas de ferro-níquel com quantias secundárias de carbono, enxofre, e fósforo

Meteoritos ferro-rochosos ou rocho-metálicos - mistos (1.5%)

Pallasitos 
Mesosideritos

Meteoritos provaram ser difícil classificá-los, mas os três maiores agrupamentos são rocho-metálicos ou mistos, rochosos, e metálicos. Os meteoritos mais comuns são condritos (chondrites) que são meteoritos rochosos. Cada uma dessas classes pode ser subdividido em grupos menores com propriedades distintas.

Meteoritos Rochosos ou Pétreos ou Aerólitos

Nesta classe estão os Meteoritos cuja composição é de rochas e também estão incluídos os seguintes grupos:

Condritos

Nome dado às pequenas partículas esféricas, chamadas côndrulos, que as caracterizam. Algum meteoristas sugeriram que as diferentes propriedades encontradas em vários condritos sugerem a localização na qual eles foram formados. Datação radiométrica de condritos os coloca à idade de 4.55 bilhões anos, o que representa a idade aproximada do Sistema Solar. Eles são considerados amostras da matéria que remonta à formação do nosso Sistema, embora em muitos casos suas propriedades foram modificadas por metamorfismo térmico ou alteração glacial.

Condritos Enstatite: Contém os elementos mais refratários e é acreditado que foram formado no sistema solar interno.
Chondritos Comuns:
É o tipo mais comum que contém ambos elementos volátil e óxido, é pensado que tenha sido formado no cinturão interno de asteróide.
Condritos Carboníferos (Carbonados):
Meteoritos rochosos muito frágeis e facilmente desintegráveis.Os Condritos carbonados apresentam proporções mais altas de elementos voláteis e a maioria é oxido, é pensado que tenha originado á grandes distâncias solares.

Acondritos

Também são meteoritos rochosos, mas eles são considerados diferenciados ou que sua matéria foi repocessada. Eles foram derretidos e recristalizados em ou dentro de seu meteorito de origem; como resultado, os achondrites têm texturas distintas e mineralogias indicativa de processos ígneos.

Meteoritos Metálicos ou Ferrosos ou Sideritos

Neste grupo estão os Meteoritos compostos da liga de ferro e níquel. Os Meteoritos metálicos são classificados em treze grupos principais e consistem principalmente em ligas de ferro-níquel com quantias secundárias de carbono, enxofre, e fósforo.

Meteoritos Rocho-Metálicos ou Ferro-Rochosos ou Siderólitos

Neste grupo estão os Meteoritos formados por rochas e metais, incluindo os Pallasites e os Mesosiderites. Pallasites (Palacitos) são meteoritos rocho-metálicos compostos de olivina misturado ao metal. Os meteoritos, como os Pallasites e Acondritos, se formaram quando metal fundido segregou de material de silicato menos denso e esfriou e mostra outro tipo de derretimento sofrido dentro do corpo do qual foi originado. Assim, os meteoritos contêm evidência de mudanças que aconteceram nos corpos originais dos quais eles foram removidos ou foram rompidos, presumivelmente através de impactos.

Tektites

Uma classe completamente distinta de pequenos corpos vítreos (vitrificados), naturais chamados Tektites, à vezes é incluído na categoria de Meteoritos; entretanto, não é acreditado que estes objetos tenham vindo do espaço exterior como fazem os Meteoritos. Os Tektites se assemelham a alguns cascalhos roliços terrestres que são formados quando grandes meteoritos golpeiam a Terra. Por outro lado, eles tem certas características distintivas que sugerem que eles não vieram da Terra, mas de algum lugar dentro do Sistema Terra-Lua. Porém, a origem exata deles ainda é incerta.

As observações óticas demonstraram que a grande maioria (92,7%) de todos os Meteoritos que caem na Terra pertece à classe dos rochosos e, em particular, à subclasse dos condritos (84,8%); enquanto é muito pequena a porcentagem dos metálicos (5,6%) e a dos rocho-metálicos (1,7%). Estas proporções apoiam as hipóteses de alguns estudiosos, segundo a qual a maioria dos Meteoritos provém da desintegração de núcleos cometários; de fato, hoje considera-se que os materiais sólidos contidos nos núcleos dos Cometas são também do tipo condrítico. Contudo, e apesar disso, a maioria das amostras encontradas no solo pertence à classe dos Meteoritos ferrosos (54,5%). Este aparente contra-senso é explicado pelo fato que os Meteoritos rochosos, uma vez caídos no solo e não recuperados imediatamente, são facilmente destruídos ou alterados pelos agentes atmosféricos e acabam sendo confundidos com as rochas naturais da Terra; enquanto os metálicos resistem mais tempo e podem ser encontrados até muitos anos depois da queda e são mais facilmente reconhecíveis.

Ameaça de Impacto de Meteoro

Considerando que a Terra foi formada a mais de quatro bilhões anos atrás, Asteróides e cometas habitualmente bateram no planeta; e de acordo com a NASA os Asteróides mais perigosos são extremamente raros. Muito embora quase sempre ouvimos notícias que um deles passou quase que raspando a Terra só sendo descoberto depois dessa passagem, e/ou que um tal asteróide irá se chocar com a Terra daqui um determinado tempo, têm despertado interesse e alarmado muita gente, principalmente depois do choque do cometa Shoemaker-Levy 9 haver se chocado com o planeta Júpiter.

Objetos e rochas vindas do espaço golpeiam diariamente a Terra, sendo que a grande maioria desses corpos são grãos de poeira que se queimam em contato com nossa atmosfera. Pedaços maiores, e menos freqüentemente, aparecem inicialmente como um luminoso meteoro. Rochas do tamanho de uma bola de beisebol, e pedaços de gelo diariamente cortam nossa atmosfera, sendo que a maioria se vaporisa antes de alcançar o chão.

Um asteróide capaz provocar um desastre global teria que ter mais que um quarto de milha em tamanho. Investigadores calculam que um impacto desse tipo elevaria bastante pó na atmosfera para criar um efetivo " inverno nuclear ", destruindo severamente a agricultura ao redor do globo terrestre. Segundo a NASA, em média, somente uma ou duas vezes a cada 1.000 séculos um Asteróide bastante grande chegaria a colidir com nosso Planeta. Acredita-se que Asteróides menores golpeiam a Terra a cada 1,000 ou 10,000 anos, o que poderiam destruir uma cidade ou causar tsunamis (ondas gigantescas em torno de 30 metros de altura) devastadores. Mais de 160 Asteróides foram classificados como "potencialmente perigoso" pelos cientistas que os localizam. Alguns destes, tem suas órbitas bastante íntimas da Terra, e potencialmente poderiam ser perturbadas no futuro distante, e serem desviadas de seu curso e virem a colidir com nosso planeta.

Os Cientistas apontam que se um asteróide for achado para estar em um curso de colisão com Terra, isso ocorreria entre 30 e 40 anos antes que ele viesse chocar-se com o planeta, há tempo para que pudéssemos evitar o impacto. Embora uma tecnologia desse tipo ainda tenha que ser desenvolvida, existem possibilidades que incluem a explosão do objeto ou seu desvio para uma outra trajetória ou órbita. Embora as órbitas de muitos asteróide sejam conhecidas, existem muitos corpos que ainda não foram descobertos e ainda, muitos Asteróides que não tiveram suas órbitas calculadas, e corpos ainda menores poderiam ser mais ameaçadores. Segundo a NASA, as chances disso acontecer em descobrir um asteróide que por ventura estivesse em rota de colisão com a Terra nos próximos 10 anos seria na casa de 1 em 10,000.

Existem alguns programas ativamente fixos de procura desses objetos chmados de NEOs - Near-Earth Objects (Objetos Próximos da Terra).

Entre essses projetos está o programa NASA's Near Earth Asteroid Tracking (NEAT) program, e o programa Spacewatch na Universidade de Arizona. Também, existe a Fundação de Spaceguard que foi estabelecida em 1996 em Roma. A meta da organização internacional é proteger a Terra dos impactos promovendo e coordenando programas de descoberta e estudo dos NEOs.

Segundo relatórios, NEOs de 1 quilômetro ou maior estão sendo descobertos à taxa de cerca de cinco deles por mês. A meta combinada destas agências é achar 90 % de todos os NEOs de 1 quilômetro ou mais dentro da próxima década.

Torino Scale

Em julho de 1999, a União Astronômica Internacional adotou um novo sistema de avaliação para ameaças de asteróide, chamado Torino Scale. Uma colisão de um volumoso asteróide ou cometa, com mais de 1 km de diâmetro, é bastante raro e tipicamente pode acontecer em milhões de anos, e teria catastróficas conseqüências verdadeiramente global. Muitos asteróides que tem órbitas que passam bastante próximas da Terra ainda são desconhecidos, mas a cada ano, muitos deles são descobertos. Uma colisão interplanetária não afetaria a órbita da Terra, tanto quanto um grão de poeira não afeta o clima do planeta; mas um provável resultado é a extinção global de muitas espécies de vida, além de obscurecer os raios solares por meses, fazendo cair drasticamente a temperatura da Terra em muitos graus abaixo de zero.

Segundo os estudiosos isso já aconteceu algumas vezes como atestam as dezenas de crateras de impacto na Terra, e deverá acontecer novamente, mas não se pudermos descobrir tal objeto com antecedência e tivermos desenvolvido meios para prevenir tal catastrofe mundial. Segundo os pesquisadores de objetos próximos da Terra, atualmente nenhum asteróide ou cometa é conhecido que possa estar em um curso de colisão direto com a Terra.

Milhares de Asteróides e Cometas giram ao redor do Sol. De vez em quando um chega muito perto da Terra e, geralmente, passa sem causar nenhum dano.

Mas, há 214 milhões de anos atrás foi diferente. Um Cometa que se partiu ou uma série de Asteróides cairam sobre nosso planeta. Foi semelhante ao ocorrido em 1994 em Júpiter, bombardeado pelos restos do Cometa shoemaker-Levy 9 que abriu crateras maior do que a Terra na superfície de Júpiter. Entre os asteróides, os da família Apollo , pelo fato de passarem pela órbita terrestre, existe uma chance de algum deles se chocar com a Terra, porém este evento não traz muita preocupação para nós, já que as chances de um asteróide da família Apollo atingir a Terra são de uma colisão a cada 200 milhões de anos.

Há milhares de anos, a Terra era muito diferente do que é agora, quando foi bombardeada do espaço há mais de 214 milhões de anos.

Os Continentes ainda não haviam se separado ; os impáctos de Asteróides ou pedaços de um Cometa, ocorreram ao longo de uma linha: ao Sul da França; perto da cidade de Quebec no Canadá; e na parte Ocidental do Canadá. Somente a cratera perto de quebec ainda pode ser vista hoje.

Supõe-se que a série de impáctos tenha levantado uma enorme nuvem de destroços e poeira, tapando o Sol por muitos anos. Mais ou menos nessa época, dizem os cientistas, ocorreu a primeira súbta extinção de plantas e animais. A Segunda grande mortandade aconteceu a apenas 65 milhões de anos e pode ter sido causada por evento semelhante.

Segundo uma teoria, foi quando os dinossauros desapareceram da face da Terra.

Desde que as órbitas de alguns Asteróides e cometas freqüentemente cruzam com a órbita da Terra, as colisões com os objetos celestes próximos da Terra aconteceram no passado, nós devemos permanecer alertas à possibilidade de futuras aproximações íntimas destes corpos com a Terra. Parece bastante prudente montar esforços para descobrir e estudar estes objetos, caracterizar seus tamanhos, a composições e estruturas e manter um olho nas futuras trajetórias futuras deles. Para encontrar quase todos os grandes NEOs que ocasionalmente tem uma trajetória que chega muito próximo da Terra, é necessário contínuos esforços na procura destes objetos. Devemos ser cuidadosos para verificar qualquer predição de colisão com a Terra.

Dado a natureza extremamente improvável de tal colisão, quase todas as previsões tem se mostrado serem alarme falso. Porém, se for verificado que um objeto possa estar em rota ou trajetória de colisão com a Terra, parece provável que esta possibilidade de colisão será conhecida vários anos antes que disso acontecer.

Assim, teríamos vários anos de antecedência para usar a tecnologia existente, para desviar o ameaçador objeto para longe da Terra. O ponto chave neste processo de abrandar os resultados de um iminente impacto é encontrar os objetos ameaçadores com antecedência de forma que uma ordenada campanha internacional possa ser montada para enviar astronaves ao encontro do objeto ameaçador.

Teoricamente, uma das técnicas sugeridas para inclinar ou desviar um asteróide para longe da Terra, inclui as armas de fusão nucleares enviadas sobre a superfície do objeto para mudar ligeiramente a velocidade do asteróide sem parti-lo. Neutrons de alta velocidade de explosão irradiariam uma concha de material na superfície do asteróide; o material desta concha se expandiria e então sopraria para fora produzindo assim um recuo do próprio asteróide. Uma mudança de velocidade, mesmo que muito pequena, no movimento do asteróide (só alguns milímetros por segundo), agindo durante vários anos, poderia desvia-lo completamente da Terra. Porém, isso deve ser feito de modo a tocar suavemente o asteróide para não danificá-lo e não explodi-lo. Entretanto, a opção de explodir o asteróide, tão popular nos filmes de ficção científica, cria um problema ainda maior quando todos os pedaços encontrassem na atmosfera da Terra.

Outra opção que foi discutida inclui o estabelecimento de grandes velas solares enviadas, a superfície do asteróide, através de uma pequena sonda que se prenderia ao objeto; de forma que a pressão da luz e do vento solar poderia eventualmente redirecionar o objeto para longe de sua predita trajetória de colisão com Terra.

Em cima de longos períodos de tempo, as chances da Terra ser imprensada não são desprezíveis e deve ser levada em conta e, assim, alguma forma de segurança possa garantir que um NEO não alcance nosso globo terrestre. No momento, nosso melhor seguro está nas mãos dos cientistas que pesquisam os NEOs, nos esforços destes abnegados homens dispostos a encontrar estes objetos com antecedência e localizar seus movimentos no futuro. De qualquer forma, antes de tudo, precisamos primeiro detectá-los, e então mante-los sob cerrada observação.

Embora possa existir uma remota probabilidade de acontecer um impacto de um Asteróide ou Cometa com a Terra, não demos nos alarmar com esta ameaça. A possibilidade de uma pessoa sofrer um acidente de carro ou ser apanhada de surpresa por outros desastres naturais e uma variedade de outros problemas são muito mais altas que a ameaça dos NEOs.

Fonte: curious.astro.cornell.edu/br.geocities.com/www.discoverybrasil.com/rgregio.astrodatabase.net

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal