Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Confrei  Voltar

Confrei

 

O que é

O confrei é uma planta originada da Ásia e muito usado como ornamento de jardins.

Seu nome científico é derivado da palavra grega "symphyo", que significa "unir", em alusão ao seu poder terapêutico como cicatrizante.

Na Idade Média, e ainda hoje, popularmente é muito usado nos casos de fraturas, aumentando a velocidade de recuperação dos ossos.

Confrei
Confrei

Sinônimos: Consolda-maior, consolda-menor, consólida-maior e orelha-de-asno.

Outros Idiomas: Comfrey (inglês), consuelda (espanhol), grande consoude (francês), consolida maggiore, sinfito (italiano) e arznei-beinwell (alemão).

Descrição Botânica

O confrei é uma planta herbácea, de ciclo perene e que atinge até 1,20 metro de altura. Seus rizomas e raízes são grossos. O caule é ereto e com superfície áspera. As folhas são grandes, de formato ovado-agudo ou oblongo-lanceolado, de superfície ligeiramente ondulada. As flores são de coloração amarela ou violácea, grandes e tubulosas. O fruto é composto de quatro aquênios.

Composição Química

Ácido ascórbico, ácido tânico, alantoína, alcalóides pirrolizidínicos, amido, aminoácidos, alantoína, asparagina, equimidina, cianocobalamina, esteróis, fructanos, intermedina, lasiocarpina, licopsamina, próvitamina A, sais minerais, saponinas, sinfitina, taninos, triterpenos, vitaminas E e do complexo B.

Partes Usadas

Raízes e Folhas adultas.

Propriedades Medicinais

Adstringente, Antiinflamatória, Calmante, Cicatrizante, Emoliente, Hidratante, Higienizante e Regeneradora celular.

Culinária: Não é aconselhado seu uso.
Beleza:
Inflamações da pele, tecidos necrosados, rugas de expressão, acne, manchas e irritações.
Saúde:
Feridas, psoríase, contusão, fraturas e deslocamentos.

Contra-Indicações

Gestantes.

Efeitos Colaterais

Intoxicação no fígado, câncer e lesões no órgãos internos.

Cultivo e Conservação

Clima: Temperado.

Exposição solar: Sombra.

Propagação: Estaquia de raízes e divisão de touceiras.

Espaçamento: 80 x 60 centímetros.

Tipo de Solo

Textura argilo-arenosa, úmido, profundo, rico em matéria orgânica e com pH 6,7-7,3.

Adubação e correção

Esterco de animal curtido, húmus ou matéria orgânica, incorporados a 40 centímetros de profundidade; adubação mineral nitrogenada.

Necessidade de água: Elevada.

Colheita

Folhas: Em qualquer época após três meses do plantio, preferindo as folhas mais velhas. Na sombra, em local bem ventilado, ou em secador, com temperatura máxima de 40ºC.
Raízes:
No outono. Na sombra, em local bem ventilado, cortando-a em pedaços, ou em secador, com temperatura máxima de 60ºC.

Acondicionamento

Folhas e Raízes

Em sacos de papel ou plástico transparente ou de pano.

Fonte: br.geocities.com

Confrei

História

Confrei tem uma história muito antiga e colorida. Dr. Christopher acreditava que era uma das ervas patriarcais, possivelmente encontrados no Jardim do Éden.

Sua história registrada começa na Europa, no mundo conhecido da época, onde Dioscorides, um antigo médico botânico grego, documenta o uso de confrei em tratar os exércitos de Alexandre, o Grande. Este médico grego famoso referencia o confrei selvagem, Symphytum, que tem sido conhecido por herbalistas por mais de 2.000 anos. "Symphytum" ??vem da palavra grega "syumphuo", que significa "fazer crescer juntos." Seu nome em latim é completa Symphytum Officinale, o termo "officinale" referindo-se a "Officina" Latin, que foi a arrecadação mosteiro de medicamentos botânicos, ou, em outras palavras, o equivalente ao nosso dia farmacologia moderna.

Durante a Idade Média na Europa, fitoterapia foi o tratamento médico aceita. De fato, foi talvez a única forma conhecida para tratar a doença, ferimentos e doenças.

Monges católicos tornaram-se os médicos primários, ou curandeiros, do seu dia. O que esses pais dedicados não poderia reunir através wildcrafting, eles cresceram em seus jardins do mosteiro. Confrei era uma daquelas ervas que cultivadas. Foi utilizado para várias lesões e doenças dos brônquios, que serão discutidas em um capítulo posterior. Muitos Materia Medica (contas de substâncias medicinais) do dia mencionar os usos específicos de confrei.

Um curandeiro revolucionário, a quem chamamos de Paracelso (embora seu nome verdadeiro era Philippus Theophrastus Bombastus von Hohenheim) viveu de 1493 a 1541.

Ele se tornou um grande defensor dos medicamentos à base de plantas e, de fato, realizada confrei em alta conta, como evidenciado por este comentário em seus escritos, "Para qual finalidade você superadde vinagre para a raiz de confrei, ou tronco, ou additaments balefull afins, enquanto Deus compos'd este simples suficiente para curar a fratura dos ossos?"

O confrei selvagem do que era anteriormente de que falamos, um nativo da Europa, era um ancestral muito espinhoso para a variedade cultivada vemos agora sob cultivo. Variedade cultivada de hoje ainda é espinhoso, mas, aparentemente, não tanto quanto era antigamente. Esta variedade menos espinhosa é conhecida como confrei russo e foi usado pela primeira vez em jardins ornamentais. Joseph Busch introduziu em Inglaterra entre 1790 e 1801. Enquanto Joseph Busch era jardineiro-chefe no palácio de Catarina, a Grande, em São Petersburgo, na Rússia, ele se familiarizou com confrei. Ele ficou tão impressionado que ele enviou várias plantas para sua terra natal, a Inglaterra. Estas plantas cultivadas como plantas ornamentais tornou-se.

Tão tarde quanto 1952, o "Royal Horticultural Dicionário de Jardinagem" recomendado confrei como uma multa de plantas para o jardim selvagem, ou seja, um jardim para abelhas, pássaros e borboletas, e não o homem.

Desde a fase ornamental, confrei formou para uma função mais útil, o de forragem animal. Isso aconteceu graças aos esforços de um inglês, James Grant. Ele artificialmente aumentado o rendimento por estacas constantes e estimulação raiz pela água. Seus rendimentos eram muito grandes e por meados dos anos 1800, a produção de confrei na Inglaterra, Escócia e Irlanda foi relatado para ser tanto quanto 31 mil toneladas por o acre.

Alguns dos usos mais antiga registrados de confrei na América vêm dos escritos de um médico botânico do século XIX com o nome de Samuel Thomson. Ele conta uma história pessoal de sua lesão no pé de um pedaço de máquinas agrícolas. Usando os métodos tradicionais de cura da época produzidos sem alívio, e logo se tornou evidente que o pé teria que ser amputada. Os nove anos de idade, Samuel perguntou a seu pai para obter algum confrei que era conhecido por estar crescendo na área. Cataplasmas confrei foram posteriormente colocadas no pé, e seguiu a cura completa. No entanto, mesmo após esse evento milagroso, confrei não era uma parte do sistema patenteado de Thompson da medicina.

O confrei

O confrei é uma planta que foi trazida ao Brasil na década de 80.

Passou a ser cultivada em grande escala devido as suas propriedades medicinais.

Forma grandes touceiras que atingem até 60 centímetros de altura. Suas folhas se apresentam na forma de lança, são áspera e suculentas.

A reprodução é feita com pedaços com pedaços do rizoma.

O confrei gosta de solo úmido, lugar fresco e ventilado. Para preparar o medicamento usa-se as folhas e os rizomas.

Detalhes Específicos

Utilizado para favorecer o crescimento de tecidos novos em ulcerações, feridas e cortes, fraturas e afecções ósseas (onde age como indutor da produção calcárea).

Dosagem indicada

Cataplasma e banhos locais - várias vezes ao dia.

Emplasto

Esmagar folhas em água morna e colocar diretamente sobre ferimentos (cicatrizantes, lavar e repetir 2 vezes ao dia. No caso de contusões e inchaços colocar o emplasto dentro de um pano antes de aplicar.

Tintura

1 parte de sumo das folhas em 5 partes de álcool, preparar pomadas e ungüentos. Outros usos.
Muito utilizada como forrageira pelo alto teor de proteína e excelente produção de massa verde.

Cuidados

Existem referências que tratam da presença de alcalóides cancerígenos no confrei, principalmente em folhas jovens. O uso externo sobre feridas pode promover rápida cicatrização externa, sendo que o processo inflamatório pode continuar internamente. A absorção dérmica, das substâncias tóxicas, parece não ser significativa.

Confrei - Symphytum officinale

Origem

É uma planta originária da Rússia, da região do Cáucaso e, atualmente, encontra-se difundida em todo o mundo.

Botânica

Quando bem desenvolvida atinge 80cm de comprimento por 15cm de largura de folhas. O sistema radicular é vigoroso, podendo alcançar 1,5m de profundidade.

As folhas são de coloração verde-clara, escurecendo à medida que envelhecem; possuem uma pilosidade branca em ambas as faces.

Solo

Prefere os profundos, ricos em matéria orgânica.

Clima

É resistente à seca, mas suscetível a geadas.

Multiplicação

Por divisão de touceiras e raízes; os pedaços devem ser cobertos por uma fina camada de terra.

Plantio

As mudas são planta­das em espaçamento de 80 x 80 cm, aconselhando-se um plantio não muito profundo.

Adubação por cova: 2kg de esterco curtido, 20 g de sulfato de amônio, 25 g de superfosfato simples.

Colheitas

2 a 3 meses após o plantio, o confrei cobre toda a área plantada, podendo então se fazer a primeira colheita.
O corte é feito tirando-se as folhas mais velhas. Tam­bém pode ser cortada a planta inteira a 4cm do solo.

Consumo: 4 a 5 folhas/animal adulto por dia.

Utilidade: Cicatrização interna (hemorragias) ou externa (cortes) fraturas.

Fonte: www.herballegacy.org/biovida.site50.net

Confrei

Confrei
Confrei

OUTROS NOMES:Consolida do Cáucaso, capim roxo da Rússia.

USO MEDICINAL

Indica-se o uso do confrei para combater as seguintes enfermidades; asma, diabetes, leucemia, hepatite, gastrite, úlceras, prisão de ventre, reumatismo, icterícia, câncer. Elimina as dores nos olhos e regulariza a pressão arterial. Combate a anemia, debilidades, dores nas costas, dor de cabeça, dores musculares. Evita a velhice prematura, normaliza a atividade sexual, mantém a pigmentação natural dos cabelos, elimina sardas, espinhas, irritações da pele. Age como desintoxicaste do sangue, auxiliando nessa completa função. Consolida as oxidações ósseas.

O confrei estimula a produção de glóbulos vermelhos pela medula óssea, combatendo, assim a leucemia.

Mas é como cicatrizante de feridas, cortes e queimaduras que o confrei se impõe como planta medicinal, além das indicações mencionadas.

Conforme pesquisas de laboratório o confrei é o vegetal mais rico em:

Vitaminas e sais minerais

Comparado ao espinafre, contém o dobro de açúcar. Em relação ao leite e a alfafa o teor de proteínas, açúcar e vitamina A do confrei é cerca de 5 vezes maior.

Os sais minerais de maior destaque do confrei são compostos de ferro, manganês, cálcio, fósforo e zinco.

PARTE USADA

Folhas frescas ou secas.

DOSE

Uma folha é suficiente para um copo de chá. 2 ou 3 folhas frescas, picadas e misturadas com outras hortaliças, fazem uma salada nutritiva e saborosa. Pode ser comido em forma de refogado.

Um algodão embebido no suco da folha fresca e colocado nas feridas previamente limpas age como cicatrizante de efeito rápido.

Fonte: aservascuram.50megs.com

Confrei

Confrei
Confrei

Confrei - Symphytum officinale

Descrição

Planta perene nativa da Europa e Ásia, vem sendo cultiva por mais de 2.000 anos e utilizada como remédio natural, alimento e pastagem. Possui folhas grandes, verdes, de formato lanceolado na sua base e um pouco menores na parte superior. Suas folhas são cobertas por pêlos que podem causar irritação quando tocadas. Atinge em geral, entre 60 e 90 centímetros de altura. O Confrei produz pequenas flores de cor amarela, creme ou rosa. As raízes são escuras, de formato semelhante ao nabo.

Indicações

Usado internamente, o Confrei pode causar danos ao fígado. O Ministério da Saúde proíbe o uso interno do Confrei no Brasil. Externamente pode ser usado em forma de emplastros, cataplasmas e tinturas. Possui propriedades antiinflamatória e cicatrizante e favorece a formação de tecidos novos e rejuvenescimento de células. Indicado para casos de ulcerações externas, queimaduras, ferimentos, acelerando o processo de cicatrização.

Nome em inglês: Comfrey, comphrey, knitbone

Fonte: www.fitoterapicos.info

Confrei

Confrei
Confrei

Confrei - Symphytium officinale

Parte utilizada

Folhas.

Descrição

É uma planta originária da Rússia e muito difundida no Japão onde é usada como estimulante físico e emagrecedor. Pertence à família das Boragináceas.

Indicações

lndicado no combate à leucemia, anemia, úlceras do estômago, duodeno e dor de cabeça. Normaliza as funções intestinais e acaba com problemas nas vias respiratórias, fígado, feridas, úlceras varicosas, esclerose, pressão alta e infecções. Possui também propriedades cicatrizantes, descongestionantes e calmantes.

Contra-indicações

Não é aconselhável o uso prolongado dessa erva. Não se deve fazer o chá muito forte, pois pode atacar os rins ou o fígado. Não se deve usar as folhas novas, mas sim as adultas e de preferência secas.

Modo de usar:

O chá de confrei é indicado para a pele, intestinos e ovários.
O emplastro de confrei cura feridas, sendo depurativo.

Outras formas de tomar o confrei são:

Suco: Misture uma folha de confrei a 1 copo de suco de frutas e bater no liquidificador, tomar 1 a 2 copos por dia.

Salada: Adicione à salada de sua preferência uma a duas folhas de confrei adultas ou como refogado sendo preparado semelhante à couve.

Efeitos colaterais: possíveis irritações gástricas.

Fonte: members.fortunecity.com

Confrei

Confrei
Confrei

Nome Científico: Symphytum officinalis L.

Nomes Populares: Consolda, consólida, consólida-do-cáucaso, confrei russo, leite vegetal, capim-roxo-da-rússia, erva-encanadeira-de-osso, orelhas-de-asno, erva-do-cardeal, língua-de-vaca e leite-vegetal-da-rússia.

Família: Boraginaceae

Aspectos agronômicos

De fácil cultivo, prefere terrenos úmidos, em lugares frescos e ensolarados. Bem tolerante à seca. Clima temperado.

Tem bom desenvolvimento em solos soltos, profundos, levemente úmidos e com bastante matéria orgânica.

As folhas são colhidas de 2 em 2 meses, a partir do 4° mês; as raízes ao coletadas somente no 4° ano, após o plantio, no inverno (durante a renovação da lavoura). A colheita dos rizomas deve ocorrer após um ano e meio do cultivo e quando a planta perde a parte aérea (na estação seca).

Parte usada: Rizomas, raízes e folhas.

Constituintes químicos

Alantoína
Taninos
Saponinas
Triterpenos
Esteróides
Aminoácidos essências
Ácidos orgânicos
Alcalóides pirrolizidínicos: sinfitina, equidimina e lasiocarpina (L)
Mucilagens
Fitoesteróides
Vitaminas (A, C, E, complexo B-B12)
Carboidratos
Caroteno
Sais de ferro, manganês, cálcio e fósforo
Heterosídeos cianogênicos e saponínicos
Gomas
Lactonas sesquiterpênicas, como a leonitina e as trimetoxicumarinas
Proteínas
Iodo, potássio (fertilizante eficaz).

Origem

Centro e norte da Europa e da Ásia Temperada.

O que é

O confrei é uma planta conhecida desde a antiga Grécia. Seu nome botânico Symphytum , deriva do grego Symphuô eu reúno, e alude a propriedade de consolidar e soldar os ossos fraturados e cicatrizar as feridas (regeneração de tecidos), o que já era conhecido 20 séculos antes de Cristo.

É originária da Rússia, onde foi utilizada pelos atletas, sendo denominada de leite vegetal. Foi levada para a Inglaterra por um jardineiro inglês da Czarina Katarina II, onde ficou conhecida como planta milagrosa.

Fitoterápico

É usado como proliferativo celular e cicatrizante em feridas, ulcerações de difícil cicatrização e psoríase.

Como cicatrizante em queimaduras, flebite, hematomas, contusões, luxações, torções, fissuras, picadas de insetos, fraturas ósseas.
Bronquites (catarral e asmática)
Gastrite
Indutor da produção calcária, hemostático, antiinflamatório
Reumatismo, tromboflebites
Combate a febre
Hemorragia pulmonar
Bócio e redução da capacidade física e mental (Iodo)
Tosses, resfriados, sinusite
Problemas hepáticos e renais
Erupções da pele
Dermatite
Veias varicozas e abcessos.

Fitocosmético

Cicatriza e limpa profundamente
Anti-rugas.( Indicado no rejuvenescimento e revitalização das células?Efeito alantoína )
Raiz de confrei?Emoliente ( substância calmante para a superfície externa do corpo e umectante, pois evita perda de água ).

Farmacologia

A ação do confrei se dá através da alantoína, a qual tem uma ação tópico epitelial proliferante celular, e também removedora do tecido necrosado.

Estudos clínicos demonstraram que utilizando o extrato aquoso em local inflamado, provoca um aumento da temperatura local e da circulação sanguínea com conseqüente diminuição da dor e regressão do processo inflamatório.

A alantoína juntamente com as propriedades da mucilagem tem uma ação emoliente, hidratante e antiirritante da pele.

Riscos

Evitar utilizar internamente.( Pode provocar irritação gástrica e problemas hepáticos ).
Há referências que tratam de alcalóides cancerígenos, principalmente em folhas jovens e raízes.

Uso interno

Infuso a 5% : para gargarejos 2 a 3 vezes ao dia.
Cataplasmas: 6g da erva em água, 2 vezes ao dia.
Decocto: 4-5g de chá em 250mL de água, para lavar feridas.
Suco fresco: psoríase.

Uso externo

Extrato: utilizar 10-15% em cremes.

Bibliografia

Caran,M.Ervas Medicinais.Cultivo e Uso Prático.Plantas cultivadas e silvestres.[S.l.:s.n],[199-].
Martins, E.R.;Castro, D.M.; Castellani, D.C.; Dias, J.E. Plantas Medicinais.Viçosa: UFV, 2000.
Matos, F.J.A. Farmácias Vivas. Fortaleza: UFC, 3ª edição, 1998.
Patten,B.Confrei.A mais rica e valiosa planta para a saúde do homen.Coleção Saúde e Curas Naturais.Rio de Janeiro: Ediouro, Global Editora e Distribuidora Ltda.
C.A.M.;Santos, C.A.M;Torres,K.R;Leonart,R. Plantas Medicinais ( herbarium, flora et scientia). São Paulo:Ícone: Curitiba: Scientia et Labor, 2ªedição,1998.
Teske, M.;Trenttini, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia. Paraná: Herbarium, 3ªedição,1997.

Fonte: www.unilavras.edu.br

Confrei

Nome científico: Symphytum officinale

Família: Borragináceas

Nome comum: confrei, erva-de-cardeal, consolda, confrei-russo, orelha-de-asno, língua-de-vaca.

Origem: Ásia e Centro e Norte da Europa

Confrei
Confrei

Descrição e característica da planta

O confrei é uma planta perene, herbácea, forma pequenas touceiras e atinge 50 centímetros de altura.

As folhas são lanceoladas, inteiras, com 30 a 40 centímetros de comprimento, superfície áspera, cor verde-clara a verde-escura.

As flores são pequenas com cores brancas, rosadas ou violáceas. As plantas apresentam rusticidade, fácil cultivo, se desenvolvem bem em solos ricos em matéria orgânica, sem encharcamento, mas com boa disponibilidade de água durante o ano e toleram bem baixa temperatura, inclusive geada.

A propagação é feita por mudas através da divisão de touceiras ou rizomas (parte basal da planta que fica no solo).

Produção e produtividade

A primeira colheita das folhas geralmente ocorre a partir do quarto mês do plantio de mudas no campo. Os cortes podem ser realizados a cada 2 a 3 meses por um período variável de 3 a 6 anos, na dependência dos cuidados na condução e adubação da cultura. A produtividade normal, por hectare, chega a 1,5 a 2,3 toneladas de folhas secas e 3 a 8 toneladas de raízes secas.

Utilidade

Na década de 1980, era uma das plantas medicinais mais populares em todo o Brasil. Contudo, pesquisas realizadas na época indicaram que o seu uso interno e prolongado na forma de chá ou outros preparados, pode provocar o aparecimento de tumores malignos no fígado, nos brônquios, na bexiga, no estômago e no intestino.

Em 1992, o Ministério da Saúde publicou uma portaria proibindo a prescrição de medicamentos à base de confrei para uso interno.

O seu uso externo tem apresentado eficácia como cicatrizante, antiinflamatório e revitalizador de células. Assim como outros medicamentos, o seu uso deve seguir orientação médica.

A planta apresenta alto teor de proteína, alantoína (cicatrizante), alcalóides pirrolizidinicos (princípio tóxico), cálcio, ferro, sais minerais, vitaminas, fósforo, colinas e outros elementos.

Fonte: globoruraltv.globo.com

Confrei

Confrei
Confrei

Confrei - Symphytum Officinale

Partes usadas: folhas.

Família: Borragináceas.

Características

É constituída de folhas lanceoladas e ásperas.
A coloração de suas flores varia de brancas, rosadas ou violáceas.
Também é conhecido como capim-roxo-da-rússia, erva-de-cardeal.

Dica de Cultivo

Adapta-se bem a solos pouco ácidos e bem drenados.
O plantio é feito por divisão de touceiras, em qualquer época do ano.

Outros Nomes: Consolda-maior, consólida

Port.: consólida-maior, orelhas-de-asno
Esp.:
consuelda mayor, borraja, oreja de asno
Fr.:
[grande] consoude, orreille d' âne
Ing.:
[common] comfrey, consoud.

Princípio ativo

Possui alto teor de proteína, cálcio, ferro, simpetina, sais minerais, vitaminas, colina, consolidina, fósforo, etc.

Propriedades

Cicatrizante, emoliente, tônico, depurativo, antiinflamatório, adstringente e analgésico.

Indicações

Suas folhas e raízes, usadas para uso externo, agem como cicatrizantes nas contusões, ferimentos, reumatismos e tromboflebites.

Toxicologia

Evitar o uso interno, pois produz irritação no fígado e estômago.Seu uso prolongado é cancerígeno.

Fonte: www.cantoverde.org

Confrei

Confrei
Confrei

O que é

Planta herbácea perene que se apresenta como uma pequena touceira, originária do Centro e Norte da Europa e da Ásia, da família Boraginaceae, de clima temperado e frio, perfeitamente aclimatada na região Centro-Sul do Brasil (PANIZZA, 1997).

É conhecido popularmente por consolda, consolida, confrei-russo, leite-vegetal, capim-roxo-da-rússia, orelhas-de-asno, erva-do-cardeal, língua-de-vaca e erva-encanadeira-de-osso (PANIZZA, 1997; MARTINS, et al. 1994).

Suas folhas são de formato entre lanceolado e oval, ásperas, com nervuras bem visíveis, sendo grandes na base da planta e menores um pouco na parte superior, chegando a quase meio metro de altura (PANIZZA, 1997; MATOS, 1998). Pelo seu alto teor de proteínas (28 a 30%), o confrei também é utilizado como planta forrageira (SARTÓRIO et al., 2000).

Contém mucilagens, alantoína, alcalóides pirrolizidínicos, taninos, mucilagens, colina, sais minerais, vitaminas e ácido fólico (SARTÓRIO et al., 2000). A alantoína, é a substância responsável por propriedades cicatrizante, hidratante e de regeneração celular (SARTÓRIO et al., 2000).

É uma planta rústica e de fácil cultivo, resiste à seca e às geadas. Precisa de bom teor de umidade e local ensolarado para ter boa produção, mas não resiste ao encharcamento.

A planta é indicada como antiinflamatório, cicatrizante, rejuvenescimento e revitalização de células, cicatrizante em queimaduras, entre outros (SARTÓRIO et al., 2000).

Cultivar: A própria espécie botânica.

Propagação: Por mudas pela divisão de touceiras ou pedaços de rizomas com 5 cm.

Época de plantio: De agosto a novembro. Se tiver condições satisfatórias de calor e umidade, o plantio pode ser realizado o ano todo (SARTÓRIO et al., 2000).

Espaçamento: 0,60 a 0,80 m x 0,60 m (RAIJ et al., 1996).

Mudas necessárias: 20.800 a 27.800 mudas ha-1 (RAIJ et al., 1996).

Controle da erosão: Plantio em nível, práticas conservacionistas adequadas ao tipo de solo e declividade.

Calagem e adubação

Elevar o índice de saturação por bases a 60%. Quando disponível, aplicar 50 t ha-1 de esterco de curral curtido. No plantio, aplicar 60 kg ha-1 de N e, dependendo da análise de solo, 50 a 150 kg ha-1 de P2O5 e 40 a 150 kg ha-1 de K2O, no sulco. Em cobertura, 30 dias após o plantio, aplicar 60 kg ha-1 de N. Após cada cone, repetir a adubação de N e K2O (RAIJ et al., 1996).

Outros tratos culturais

Capinas.

Controle de pragas e doenças

Eventualmente, efetuar controle de formigas, gafanhotos e vaquinha; além de doenças fúngicas no colo da planta (SARTÓRIO et al., 2000).

Colheita

A cada dois ou três meses, a partir do quarto mês de plantio, colhem-se as folhas, cortando-se toda a parte aérea da planta e prosseguindo durante todo o ano. A colheita do rizoma pode ser feita após o quarto ano de cultivo, após o plantio de inverno, ou após a renovação da lavoura (MARTINS, et al. 1994).

Produtividade normal

1,5 a 2,3 t ha-1 de folhas secas; 3 a 8 t ha-1 de raízes secas (SARTÓRIO et al., 2000). A cultura pode permanecer produtiva por 5 a 6 anos, necessitando replantio após esse período.

Rotação

Leguminosas.

Referências bibliográficas

MATOS, F.J. A. Farmácias Vivas. Sistema de utilização de plantas para pequenas comunidades. 3ª ed., UFC, Fortaleza, CE , 219p, 1998.
MARTINS, E.R.; CASTRO, D.M.; CASTELLANI, D.C.; DIAS, J.E. Plantas Medicinais. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 220p, 1994.
PANIZZA, S. Plantas que curam: cheiro de mato. IBRASA, Instituição Brasileira de Difusão Cultural LTDA, São Paulo, SP, 25ª ed, 280p, 1997.
RAIJ, B.; CANATRELLA, H.; QUAGGIO, J.A.; FURLANI, A.M.C. Recomendações de adubação e calagem para o estado de São Paulo. Campinas, Instituto Agronômico - Fundação IAC, Boletim Técnico 100, 285p, 1996.
SARTÓRIO, M.L.; TRINDADE, C.; RESENDE, P.; MACHADO, J.R. Cultivo orgânico de plantas medicinais. Ed.Aprenda Fácil, 258p, 2000.

Fonte: www.infobibos.com

Confrei

Confrei
Confrei

História

Originário da Europa e Ásia, o confrei, Symphytum officinale L. (BORAGINACEAE) é uma das espécies integrantes do projeto "Produção, processamento e comercialização de ervas medicinais, condimentares e aromáticas", coordenado pela Embrapa Transferência de Tecnologia - Escritório de Negócios de Campinas (SP), a qual está sendo cultivada e multiplicada nas unidades demonstrativas da Embrapa Pantanal (Corumbá, MS), Embrapa Semi-Árido (Petrolina, PE) e nos Escritórios de Negócios de Dourados (MS), Canoinhas (SC) e Petrolina (PE). Esse projeto contempla também o treinamento de técnicos e a qualificação de pequenos agricultores e seus familiares na produção e manipulação de ervas, fundamentadas em boas práticas agrícolas.

DESCRIÇÃO BOTÂNICA

Planta herbácea e perene que se concentra em uma pequena touceira; pode atingir até 90 cm de altura; rizoma carnoso e sem caule aparente; folhas alanceoladas ou ovais, que saem praticamente ao nível do solo, na base da planta são grandes e um pouco menores na parte superior, espessas e guarnecidas de pêlos ásperos; flores reunidas em escapo floral, em ramalhetes mais ou menos folhosos e torcidos, com coloração amarelada, esbranquiçada ou violácea.

COMPOSIÇÃO QUÍMICA

Alantoínas, mucilagens, taninos, saponinas, colina, açúcares, triterpenos, vitaminas, aminoácidos, esteróides, ácidos orgânicos e ácido fólico.

FORMA DE PROPAGAÇÃO

Mudas produzidas a partir de rizomas com cerca de 5 cm.

CULTIVO

Espaçamento de 20 x 30 cm entre plantas. Adaptase bem em regiões com altitudes de até 1.500 metros, úmidas, frescas e ensolaradas. Tem bom desenvolvimento em solos argilosos, soltos, profundos, levemente úmidos e com bastante matéria orgânica. Recomenda-se uma adubação com esterco de curral bem curtido, esterco de aves ou composto orgânico, quando necessário.

COLHEITA E BENEFICIAMENTO

As folhas devem ser colhidas a partir do 4° mês do plantio, e depois, a cada dois meses. Os rizomas devem ser colhidos quando a planta perde a parte aérea, cerca de 1,5 ano após o plantio. Depois de bem lavados, devem ser picados e secos ao sol.

REQUISITOS BÁSICOS PARA UMA PRODUÇÃO DE SUCESSO:

Utilizar sementes e material propagativo de boa qualidade e de origem conhecida: com identidade botânica (nome científico) e bom estado fitossanitário
O plantio deve ser realizado em solos livres de contaminações (metais pesados, resíduos químicos e coliformes)
Focar a produção em plantas adaptadas ao clima e solo da região
É importante dimensionar a área de produção segundo a mão-de-obra disponível, uma vez que a atividade requer um trabalho intenso
O cultivo deve ser preferencialmente orgânico: sem aplicação de agrotóxicos, com rotação de culturas, diversificação de espécies, adubação orgânica e verde, controle natural de pragas e doenças
A água de irrigação deve ser limpa e de boa qualidade
A qualidade do produto é dependente dos teores das substâncias de interesse, sendo fundamentais os cuidados no manejo e colheita das plantas, assim como no beneficiamento e armazenamento da matéria prima
Além dos equipamentos de cultivo usuais, é necessária uma unidade de secagem e armazenamento adequada para o tipo de produção
O mercado é bastante específico, sendo importante a integração entre produtor e comprador, evitando um número excessivo de intermediários, além da comercialização conjunta de vários agricultores, por meio de cooperativas ou grupos

REFERÊNCIAS

CORRÊA JÚNIOR, C.; MING, L. C.; SCHEFFER, M. C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2 ed. Jaboticabal, SP: FUNEP,1994, 162p: il.
FERRI, M. G.; MENEZES, N. L. de; MONTEIRO-SCANAVACCA, W. R. Glossário Ilustrado de Botânica. 1 ed. São Paulo, SP: NOBEL, 1981, 197p, il.
JACOBS, B. E. M. Ervas: como cultivar e utilizar com sucesso. São Paulo, SP: NOBEL, 1995, 215p. il.
LOW, T.; RODD, T.; BERESFORD, R. Segredos e virtudes das plantas medicinais: um guia com centenas de plantas nativas e exóticas e seus poderes curativos. Reader´s Digest Livros. Rio de janeiro, RJ. 1994, 416p. il.
PANIZZA, S. Plantas que curam. 28 ed. São Paulo, SP: IBRASA,1997, 279p. il.
SARTÓRIO, M. L.; TRINDADE, C.; RESENDE, P.; MACHADO, J. R. Cultivo de plantas medicinais. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2000, 260p: il.

Fonte: campinas.snt.embrapa.br

Confrei

Nome popular: Confrei

Nome científico: Symphytum officinale L.

Família: Boraginaceae

Origem: Europa e Ásia.

Confrei
Confrei

Propriedades

Cicatrizante, analgésica (reduz a dor), antiinflamatória, tônicas (renova a energia) e galactogênicas (aumenta produção de leite).

Características

Erva perene, de aproximadamente 90 cm de altura. A planta é cultivada também em larga escala como forrageira e na preparação de rações para aves, pois é rica em proteínas. Suas folhas são empregadas desde a antiguidade tanto na alimentação como na medicina popular na sua região de origem.

Parte usada

Folhas, flores e raízes.

Usos

A literatura etnofarmacológica refere seu uso na forma de chá das folhas, sucos e saladas, no tratamento caseiro de doenças gastrointestinais, disenterias, inflamações, reumatismo, hemorróidas, tosse, bronquite e irregularidades menstruais.

As raízes moídas têm uso como hemostático (estanca sangue), curativo em ferimentos abertos, equimoses e especialmente no tratamento de fraturas de ossos. São usadas também como cataplasma no alívio do incômodo gerado por queimaduras e picadas de insetos.

Forma de uso / dosagem indicada

O tratamento cicatrizante de feridas, inclusive de úlceras varicosas e irritações da pele, pode ser feito em aplicação local de compressas e lavagens, várias vezes ao dia. A cataplasma pode ser feita colocando-se pó de folha em uma vasilha, despejando-se água fervente em seguida, até formar uma pasta grossa, sendo colocado sobre o local afetado ainda quente, protegido por gaze fina.

Outro modo de preparo da cataplasma é misturando-se partes iguais de pó de confrei e farinha de trigo, adicionando-se um pouco de água fervente em seguida, formando uma pasta lisa e homogênea, que deve ser aplicada diretamente sobre a parte afetada.

Atenção: Embora ensaios farmacológicos registrem para o extrato aquoso das folhas atividade inibitório do desenvolvimento de tumores mamários, seu uso interno, em doses altas ou por tempo prolongado, pode ocasionar o aparecimento de tumores malignos no fígado, nos brônquios e na bexiga, conseqüentes do desenvolvimento de doença venooclusiva, causada pelos alcalóides nesses órgãos, complicados com o extravasamento de hemácias e necrose hemorrágica.

Considerando esta atividade tóxica, o confrei teve seu uso por via oral proibido pelos órgãos governamentais de saúde de quase todos os países ocidentais, embora seu uso local como cicatrizante seja permitido e estimulado. Apesar das evidências, existem controversas quanto à dosagem necessária para um efeito tóxico.

Referências bibliográficas

Lorenzi, H. et al. 2002. Plantas Medicinais no Brasil.
Vieira, L. S. 1992. Fitoterapia da Amazônia.

Fonte: www.cultivando.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal