Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Cores - Página 7  Voltar

Cores



PSICOLOGIA

Nenhuma cor é feia. A cor é apreciável em si mesma, em absoluto, qualquer que seja ela.

Ainda que a atração de cada cor específica seja desigual, a referida atração sempre ocorre em algum grau. Isto resulta do fato mesmo de a cor ser o objeto formal (isto é, específico, ou essencial) da visão; é a cor aquele objeto que dá a forma a esta espécie de conhecimento.

Assim também acontece em outros planos do sensível, sempre que a questão for de objeto formal nenhum som isolado é desagradável, nenhum odor é malcheiroso.

Há cores quentes e frias, leves e pesadas, calmantes e excitantes, de alívio e opressivas; cada uma das cores goza de tais propriedades em função do que as cores são em si mesmas.

Pode-se antever que os efeitos psicodinâmicos da cor são de grande volume e variados, por causa da predominância do sentido da visão sobre todos os demais sentidos.

Este grande efeito psicodinâmico das cores ainda ocorre em virtude da considerável diversidade das cores, sua gradação de luminosidade, diferença de intensidade, além da variação dos espaços e formas das áreas coloridas.

Não é sem sentido que facilmente se responde a quem pergunta,

- Como vai?

E segue a pronta resposta:

- Tudo azul! Ou,

- A coisa está preta!.

E por que usamos expressões, tais como: Cores alegres? Cores vivas? Cores quentes? Cores frias? Cores festivas? Cores de luto?

Não se trata apenas de um falar. Há uma psicodinâmica a comandar um importante processo, a que está atenta não somente a psicologia, que estuda apenas teoricamente a ação das cores, mas também o técnico, inclusive o artista da cor, para adequadamente dispor os elementos coloridos com vista nos resultados.

A preferência do indivíduo por determinados efeitos psicodinâmicos da cor, pode servir de sintoma para revelar sua índole temperamental e mesmo o caráter que formou.

Já que as cores estimulam em direção a determinados comportamentos, o interesse por esta ou aquela cor e as circunstâncias em que isto acontece, informa sobre a pessoa mesma.

As circunstâncias poderão interferir e determinar o apelo diferenciado às cores. Há também interferidores no uso das cores contra as propriedades psicológicas das cores. A moda, por exemplo, determina preferências, que podem não ser as da inclinação espontânea. As cores determinadas podem não definir com precisão o caráter e a índole da pessoa que a usa. Também por motivos funcionais, sobretudo terapêuticos, uma cor poderá ter sido eleita exatamente para reverter uma tendência.

A psicodinâmica das cores poderá determinar comportamentos complexos.

Por exemplo, - se um homem subitamente se interessa por gravatas vermelhas, ou uma mulher passa a vestir-se mais vezes de cor-de-rosa, - algo inconsciente pode estar comandando este comportamento. Um homem poderá estar no empenho de conquista de uma parceira, ou a mulher na conquista de um parceiro.

Portanto o súbito interesse pelo vermelho (a cor mais sexual e mais ativa) denotou a vitalidade sexual notória do homem ou da mulher que manifestaram o fenômeno. Naquele momento a denotação se manifestou em algo especial, como a do novo relacionamento sexual a cultivar.

Cor e personalidade. Vagamente, os tipos de personalidade conseguem ser determinados pela cor e as complexas circunstâncias em que são utilizadas. A tudo isto não está atento apenas o psicólogo, mas o artista que põe a seu serviço os resultados da observação da psicologia, para colocar a cor certa nas criações de suas expressões em cor.

Qual é o seu tipo? Usa o vermelho? Poderá ser um extrovertido, corajoso, dado à ação.

Usa cores, mas em contrastes fortes com o preto? Poderá ser do tipo dramático.

Prefere mesmo o preto com tonalidades escuras? Talvez será do tipo empreendedor. As cores claras talvez as use somente, num e noutro caso, como algum ornamento ou no chapéu, ou no pescoço, ou no cinto, ou nalgum objeto que o acompanha.

Prefere o amarelo? Dizem algumas pesquisas que é um intelectual, um idealista, um humanitário e poderá casar com personalidade de qualquer outra cor...

Gosta de verde? Poderá ser do tipo compreensivo e de visão universal, que é tolerante, liberal, habituado a compreender o problema dos outros.

Gosta de cores frias claras, com o branco como contraste? Talvez seja um conversador. Também poderá ser um conversador, se prefere o azul, ou mesmo um introvertido.

Se for um homem e gosta de cores pastéis suaves, vezes usadas sozinhas, vezes combinadas com escuras? É do tipo feminino, delicado e equilibrado, na fronteira onde ambos os sexos se encontram e melhor se compreendem.

PUBLICIDADE

De acordo com os estudos do Prof. Modesto Farina, existem algumas indicações seguras quanto ao uso das cores em publicidade:

VERMELHO: Aumenta a atenção, é etimulante, motivador. Indicado para uso em anúncios de artigos que indicam calor e enrgia, artigos técnicos e de ginástica.

LARANJA: Indicado para as mesmas aplicações do vermelho, com resultados um pouco mais moderados.

AMARELO: Visível a distância, estimulante. Cor imprecisa, pode produzir vacilação no indivíduo e dispersar parte de ua atenção. Não é uma cor motivadora por excelência. Combinada com o preto pode resultar eficaz e interessante. Gerlmente indicada para aplicação em anúncios que indiquem luz, é desaconselhável seu uso em superfícies muito extensas.

VERDE: Estimulante, mas com pouca força sugestiva; oferece uma sensação de repouso. Indicado para anúncios que caraterizem o frio, azeites, verduras e semelhantes.

AZUL: Possui grande poder de atração; é neutralizante nas inquietações do ser humano; acalma o indivíduo e seu sistema circulatório. Indicado em anúncios que caracterizem o frio.

ROXO: Acalma o sistema nervoso. a ser utilizado em anúcios de artigos religiosos, em viaturas, acessórios funerários etc. Para dar a essa cor maior sensação de calor, deve-se acrescentar vermelho; deluminosidade, o amarelo; de calor, o laranja; de frio o azul; de arejado o verde.

PÚRPURA E OURO: Cores representativas do valor e dignidade. Devem ser aplicads em anúncios de artigos de alta categoria e luxo.

MARROM: Esconde muito a qualidade e o valor e, portanto, pouo ecomendável em publicidade.

VIOLETA: Entristece o ser humano, não sendo, portanto, muito bem visto na criação publicitária.

CINZA: Indica discrição. Para atitudes neutras e diplomáticas é muito utilizado em publicidade.

PRETO: Deve ser evitado o excesso em publicações a cores, pois tende a gerar frustração.

AZUL E BRANCO: Estimulante, predispõe à simpatia; oferece uma sensação de paz para produtos e serviços que precisam demonstrar sua segurança e estabilidade.

AZUL E VERMELHO: Estimulante da espiritualidade; combinação delicada e de maior eficácia na publicidade.

AZUL E PRETO: Sensação de antipatia; deixa o indvíduo preocupado; desvaloriza completamente a mensagem publicitária e é contraproducente.

VERMELHO E VERDE: Estimulante, mas de pouca eficácia publicitária. Geralmente se usa essa combinação para publicidade rural.

VERMELHO E AMARELO: Estimulante e eficaz em publicidade. Por outro lado as pesquisas indicam que pode ausar opressão em certas pessoas e insatisfação em outras.

AMARELO E VERDE: Produz atitude passiva em muitas pessoas, sendo ineficaz em publicidade. Poderá resultar eficaz se houver mais detalhes coloridos na peça.

AMBIENTE

A importância das cores em interiores e sua influência em nossas vidas tornam-se evidentes quando lembramos que, em média, passamos cerca de dois terços do nosso tempo em ambientes internos.

A cor é um dos principais fatores determinantes da forma como nos relacionamos com nosso ambiente e o que ele nos transmite.

É no quarto que podemos estar com o que nos é mais íntimo,onde buscamos o descanso e onde podemos imprimir nos objetos e na decoração, os traços de personalidade com mais liberdade. Portanto, vale observar também a influência da cor neste ambiente.

Quarto de dormir: esse é um local de conforto e tranqüilidade. As cores devem ser suaves e sutis, em vez das contrastantes e nítidas. As cores pesadas devem ser evitadas.

Quarto das crianças: para as crianças até 13 anos, é recomendável cores da faixa do vermelho, laranja e amarelo, com a finalidade de criar um ambiente claro e luminoso. Acima dessa idade, as tonalidades mais claras do verde e do azul são geralmente preferíveis. Cores escuras devem ser evitadas. Preste atenção na iluminação, a fim de atenuar o esforço visual durante a leitura.

Quarto do casal: quando um quarto de dormir for compartilhado por um casal, veja se você pode encontrar um projeto de cores que se adapte a ambos. Evite cores vívidas ou escuras, a menos que o objetivo seja criar um ambiente vibrante ou muito forte. Procure dar preferência às tonalidades sutis ou suaves, como: rosa, pêssego, limão claro ou lilás e rosa, que são cores quentes e relaxantes.

TERAPIA

A CROMOTERAPIA não é uma técnica de cura que apresenta efeitos colaterais, mas também tem suas contra-indicações.

· O que é uma contra-indicação?

É aplicar uma COR, quando o paciente já há tem em demasia em seu CORPO. Para este fato, dá-se o nome de SATURAÇÃO.

· Em quais casos pode-se identificar este fato de SATURAÇÃO?

Primeiramente, sempre há a necessidade de estudar-se a CROMOTERAPIA, para que não cometamos nenhum erro, embora, o que se chama de erro nesta técnica alternativa, não tem a mesma conotação que aquela conhecida na Medicina Oficial. Para corrigir um erro na aplicação de uma determinada COR, pode-se utilizar das CORES COMPLEMENTARES, ou, dispersar aquelas aplicadas (vide COR Complementar; Dispersão).

Posteriormente, dentro de uma correlação COR / Efeito, não aplicar:

· VERMELHO - em hipertensos; pessoas de tez avermelhada; ruivas; temperamento colérico.

· ROSA - pessoas com comportamento "infantil".

· LARANJA - em pessoas com excesso de autoconfiança; na cabeça (*).

· AMARELA - em casos de inflamação aguda, febre, cólera, estados de excitação mental, histeria, bactérias patogênicas, alcoolismo, nevralgias e palpitação cardíaca.

· AZUL - depressivos, sonolentos, muito quietos.

· ÍNDIGO - pessoas extremamente introspectivos, meditativos, sonhadores.

· VIOLETA - naqueles com mentalidade pouco desenvolvida, com dificuldades de raciocínio.

(*) A COR LARANJA não deve ser aplicada junto à cabeça / cérebro, por ser uma COR muito intensa, considerada a mais física das CORES.

As CORES dentro da CROMOTERAPIA se classificam em dois grandes grupos, a saber: QUENTES e FRIAS.

As QUENTES estão representadas pela VERMELHA, LARANJA e AMARELA; e as FRIAS pela AZUL, ÍNDIGO e VIOLETA. A COR VERDE também é FRIA, mas prefiro mantê-la à parte, classificando-a como uma COR eminentemente de equilíbrio e que harmoniza o HOMEM, a NATUREZA e a ambos.

Um primeiro toque para Você que está se interessando agora pela CROMOTERAPIA: se não souber o que fazer diante de uma situação e deseja fazer para si mesma ou para uma determinada pessoa vibre VERDE.

A busca do equilíbrio está dentro de uma luta entre duas grandes forças, representadas pela ação das CORES QUENTES e FRIAS. Precisamos encontrar um meio termo entre elas, pois as QUENTES estão associadas ao elemento FOGO, enquanto que as FRIAS com o GELO ou o FRIO. O FOGO, ou seja, o calor é expansivo enquanto que o FRIO é restritor, comprimi.

Daí Você já pode sacar que: não devemos usar CORES FRIAS em pessoas tristes e depressivas, pois com isso estaremos aprofundando seu estado geral. Por outros lado, não devemos aplicar junto às pessoas febris as CORES QUENTES, uma vez que elas já se encontram com grande quantidade destes raios junto delas. Portanto, devemos aplicar nas pessoas febris as CORES FRIAS e nas tristes e depressivas as QUENTES.

Porquê que as CORES são QUENTES ou FRIAS?

Por uma razão muito simples: é que as QUENTES são lentas e as FRIAS rápidas, velozes. Isto dito em relação à amplitude e comprimento de uma "onda" eletromagnética, sendo que, quanto mais alta maior a força.

Devido a lentidão do raio VERMELHO, por exemplo, ele esquenta. Já as FRIAS são espertas e vibram tão depressa que não dá tempo de aquecer o local. Agora, é importante ter-se em mente que, ao aplicar-mos a LUZ através do impulso elétrico e com lâmpada incandescente, todas as CORES se tornam QUENTES pelo calor que a lâmpada proporciona. Isso não tira a qualidade de uma COR FRIA.

EMBALAGENS

Sem dúvidas a cor da embalagem é um de seus elementos principais, compondo com a forma e o material um todo em si. É ainda extremamente relevante a participação da embalagem e por extensão, da cor, no complexo e intricado processo mercadológico. Em outras palavras, a cor da embalagem age diretamente no processo de venda dos produtos, atraindo, cativando e convencendo o consumidor.

Diversas são as pesquisas neste sentido e existem resultados bastante objetivos, como por exemplo com relação ao peso relativo das cores. Nesta área os resultados experimentais não deixam dúvidas quanto a esta relação, onde se obtêm os seguin tes resultados:

Além das considerações sobre contraste e harmonia, onde as regras gerais também se aplicam, foram determinadas experimentalmente algumas relações entre cores e produtos que podem auxiliar no projeto de uma embalagem:

CAFÉ=> marrom-escuro com toques de laranja ou vermelho

CHOCOLATE=> marrom-claro ou vermelho-alaranjado

LEITE=> azul em vários tons, às vezes com um toque de vermelho

GORDURAS VEGETAIS=> verde-claro e amarelo não muito forte

CARNES ENLATADAS=> cor do produto em fundo vermelho, às vezes com um toque de verde

LEITE EM PÓ=> azul e vermelho, amarelo e verde com um toque de vermelho

FRUTAS E COMPOTAS EM GERAL=> cor do produto em fundo vermelho, com um toque de amarelo, às vezes

DOCES EM GERAL=> vermelho-alaranjado

AÇÚCAR=> branco e azul, com toques de vermelho, letras vermelhas e pretas

MASSAS ALIMENTÍCIAS=> transparência, vermelho, amarelo-ouro e às vezes com toques de azul

CHÁ E MATE=> vermelho, branco e marrom

QUEIJOS=> azul-claro, vermelho e branco, amarelo-claro

SORVETES=> laranja, azul-claro, amarelo-ouro

ÓLEOS E AZEITES=> verde, vermelho e toques de azul

IOGURTES=> branco e azul

CERVEJA=> amarelo-ouro, vermelho e branco

DETERGENTES=> rosa, azul-turquesa, azul, cinza-esverdeado e branco-azulado

CERAS=> tons de marrom e branco

INSETICIDAS=> amarelo e preto, verde-escuro

DESINFETANTES=> vemelho e branco, azul-marinho

DESODORANTES=> verde, branco, azul com toques de vermelho ou roxo

SAIS DE BANHO=> verde-claro, branco

BRONZEADORES=> laranja, vermelho-magenta

DENTIFRÍCIOS=> azul e branco, verde com branco e toques de vermelho

COSMÉTICOS=> azul-pastel, rosa e amarelo-ouro

PERFUMES=> roxo, amarelo-ouro e prateado

PRODUTOS PARA BEBÊS=> azul e rosa em tons suaves

REMÉDIOS EM GERAL=> azul-claro, marrom, branco e vermelho, dependendo do tipo de material, medicinal, estimulante ou repousante

LÂMINAS DE BARBEAR=> azul-claro ou forte, vermelho e preto

Além desses há muitos outros produtos, incluídas as bebidas, cujos rótulos procuram em geral chamar a atenção do consumidor. Rótulos dourados buscam demonstrar a nobreza do produtor e do produto oferecido.

Apesar da relatividade prórpria desse tipo de indicativos, estes dados são comprovados estatisticamente e são resultado de diversas pequenas pesquisas realizads por indústrias, órgãos de classe e acadêmicos.

Um outro dado que não se pode relevar no projeto de uma embalagem é o ambiente de exposição, ou seja a situação e exposição da embalagem nos expopsitores e, principalmente, ao lado da concorrência.

BIBLIOGRAFIA

FARINA, Modesto, Psicodinâmica das cores em comunicação, 1990 - Edgard Blücher, São Paulo
LÜSCHER, M., O teste das cores - Renes, Rio de Janeiro
http://www.tintasrenner.com.br
http://www.procolormaster.com.br
http://www.mundocor.com.br
http://www.cromos.com.br
http://www.pantone.com

Fonte: www.tci.art.br

Cores

Uso das Cores

A Cor

A cor é um elemento decorativo muito apreciado e de fundamental importância no processo de Comunicação Visual. Ela chama a atenção, desperta sensações e influencia o cliente em potencial, estimulando-o positiva ou negativamente.

Várias disciplinas fazem estudos sobre as cores - física, química, fisiologia e psicologia. Mas é nas aplicação artística que temos mais interesse. Conhecer a cor em outras disciplinas é interessante, mas não é essencial para que utilizemos um esquema de cores adequado ao nosso projeto.

Neste ensaio, vamos descobrir que a escolha das cores também pode ser realizada com alguma técnica, visando atender a nossos objetivos. Assim, expandimos nossas possibilidades para além de gostos pessoais, seja de nosso cliente, do designer ou nossos gostos pessoais.

Alguns fatores que determinam, ou influenciam, os significados das cores:

· Suas próprias características e propriedades.

· Gosto pessoal.

· Fatores culturais e psicológicos.

· Moda.

· Natureza do objeto.

Características e propriedades das cores

A cor é caracterizada por três fatores:

· Matiz: Propriedade da cor que dá origem a seu nome e a diferencia de outras (azul, amarelo, vermelho, etc.). O arco-íris é a decomposição da luz branca do sol e contém todos os matizes.

· Brilho, luminosidade ou intensidade: Quantidade de luz que cada cor possui. Depois do branco, o amarelo é a cor que tem mais luminosidade. O negro é a ausência de luminosidade.

· Saturação: Grau de pureza de cada cor. Dizemos que uma cor é pouco saturada quando apresenta muito cinza na sua composição, como é o caso das cores pastel.

Classificação das Cores

As cores podem ser classificadas também de acordo com a sua origem:

· Cores-pigmento: Elas são encontradas nas tintas. Quando misturadas, sempre escurecem. Em uma construção, o arquiteto deve ficar atento, pois se um ambiente for pintado com tinta composta de muita mistura, a tendência é obter um ambiente mais escuro.

· Cores-luz: Holofotes ou spots com luzes de diversas cores são o exemplo prático desse conceito. Quando a luz verde e a luz vermelha são acesas juntas, tendem a reproduzir a luz branca. O mesmo fenômeno ocorre com as luzes azul e laranja. Quando holofotes de várias cores são acesos ao mesmo tempo, como num show de música ou no teatro, o resultado é a luz branca, que pode ser vista no meio do palco.

As cores, de acordo com sua mistura, podem ser:

· Cores primárias: Cores sem mistura e que, portanto, não podem ser subdivididas em outras. No caso de cores-pigmento, as cores primárias são o azul, o amarelo e o vermelho (cores primárias subtrativas - quanto mais adicionamos cor-pigmento, menos luz chega a nossos olhos). Para as cores-luz, porém, as primárias são o verde, o azul e o vermelho (cores primárias aditivas).

· Cores secundárias: Cores que resultaram da mistura das cores primárias, natural ou artificialmente, como verde, roxo, laranja etc.

Quando pensamos em combinar cores, é importante saber:

· Cores contrastantes: São as cores com matizes muito distantes. O verde é o oposto do vermelho, o azul do laranja e o roxo do amarelo. Cuidado ao utilizar essas combinações. Elas são boas para chamar a atenção, pois são vibrantes, alegres e estimulantes, mas podem resvalar facilmente para o mau gosto. Materiais destinados a crianças, para jovens ou de apelo popular podem usar com bons resultados essas combinações.

· Cores análogas: Combinação de cores próximas, como azul e lilás, vermelho e laranja, azul e verde. São combinações mais fáceis de fazer, não chocam, pois a harmonia é a sua característica. Em alguns casos, pecam pelo excesso de discrição, beirando a frieza e até uma certa tristeza, o que não ajuda a atividade comercial. Podem ser ótimos como cor de fundo para salientar e valorizar formas, sem concorrer em demasia com o próprio produto.

As cores têm outras características, igualmente importantes, quanto ao temperamento:

Cores quentes: São aquelas extremamente visíveis e que chegam a agredir os olhos, nas quais predominam o vermelho e o amarelo. Outras cores, quando brilhantes, podem também tornar-se quentes, como o verde-mandarim (tinta acrílica), embora o verde normalmente não seja uma cor quente. São ideais para dar vida a lugares escuros, como subsolos.

Cores frias: São as cores discretas, mais calmas, algumas até meio depressivas, como o roxo, no qual o azul é predominante. O verde é utilizado para pintura de ambientes onde se procura dar maior tranquilidade. Quando se desejar um fundo discreto, as cores frias são as mais indicadas.

Existem inúmeras combinações, mais simples ou mais complexas. Um outro critério, muito utilizado, para a classificação das cores é o que as diferencia em:

· Cores pastel: É a combinação de qualquer cor com o branco ou o cinza. Quanto mais se adiciona o branco, mais suave é o resultado. Servem para atenuar algumas cores que são vibrantes ou tristes demais. As tintas utilizadas nos interiores das edificações são, quase sempre, em cores pastel.

· Cores complexas: Resultado da mistura de muitas cores. Mais difíceis de serem conseguidas, proporcionam muitas vezes resultados sutis e refinados. O verde-musgo, por exemplo, combina amarelo, azul, vermelho, preto e branco em doses muito precisas. São próprias para clientela de alto poder aquisitivo e culturalmente bem informada.

Outras considerações

Uma vez que a percepção e a apreciação das cores estão sujeitas a muitas variáveis — principalmente o gosto da época — não é possível estabelecer regras rígidas para sua utilização. Algumas considerações gerais, no entanto, podem ser úteis:

· Significados culturais e psicológicos são atribuídos às cores. No Brasil, o branco significa pureza. No Oriente é sinal de luto. As cores da Bandeira Brasileira têm valores positivos para todos os brasileiros, mas em algumas culturas o verde, o amarelo e o azul têm sentidos negativos. Algumas cores têm significados quase universais como o vermelho, por exemplo, que é associado à paixão, guerra e fogo, em quase todas as culturas. A influência das cores no comportamento das pessoas pode ser tão significativa que até alternativas terapêuticas, como a cromoterapia, estão sendo propostas, utilizando seus atributos, como acalmar, estimular, alegrar etc.

· As cores usadas devem ser compatíveis com o público-alvo. Uma clientela mais sofisticada apreciará combinações de cores mais sutis, enquanto o público mais jovem preferirá as mais chamativas ou da moda. Em decoração de lojas, aquelas que atendam diferentes tipos de público não devem usar cores que satisfaçam apenas a um tipo de clientela.

· As cores influem na aparência e contribuem muito para marcar a personalidade do estabelecimento, do produto ou ainda de sua comunicação visual. A escolha deve considerar todas as características do ambiente físico da loja, do público-alvo, dos serviços e dos produtos oferecidos. Em um espaço comprido e estreito, por exemplo, uma parede de fundo amarelo poderá contribuir para atrair as pessoas para o interior. Cores claras, especialmente as próximas do branco, contribuem para melhorar o nível de iluminação e alegram os ambientes. As compras por impulso são favorecidas pelo uso das cores quentes, que também estimulam o apetite, sendo recomendadas para lanchonetes e restaurantes. As cores vibrantes, quando usadas em displays e cartazes, também ajudam a chamar a atenção para um produto que não tenha a embalagem apropriada ou uma forma vistosa.

· Juntamente com o logotipo e outros elementos de comunicação visual, as cores configuram a personalidade do empreendimento. São as primeiras informações que o estabelecimento passa à clientela. Esse fato deve ser considerado no planejamento tanto de áreas externas como internas.

O simbolismo da Cor

Ao criar um modelo de cores para seu projeto, considere os aspectos simbólicos e psicológicos da cor, bem como a sua fisiologia e os vários princípios de harmonia e contraste.

Enquanto olhamos para uma cor, podemos inconscientemente associá-la a diversos símbolos e isto pode afetar seriamente nossa percepção de qualquer peça.

O simbolismo da cor possui uma história longa e complexa, que é por demais detalhada para caber aqui. Não é preciso dizer que as associações de cores correntes são o resultado de milhares de anos de desenvolvimento e, conseqüentemente, contêm muitas redundâncias e relações aparentemente contraditórias. Desde os primórdios do século XX, porém, o simbolismo caiu de moda, sendo substituído por pesquisas sérias sobre os aspectos psicológicos da cor. Boa parte destas pesquisas foi custeada pela Madison Avenue (endereço clássico da publicidade americana), que estão sempre à busca de novas formas de atrair a atenção.

Já há muito tempo se suspeitava que os esquizofrênicos e outras pessoas com problemas mentais tinham diferentes impressões das cores do que as pessoas normais, embora a exata percepção do mundo através dos seus olhos não possa ser provada. Embora muitos indivíduos possam ter uma receptividade levemente diferente a diversas cores, as percepções das cores são suficientemente semelhantes para que generalizações abrangentes possam ser feitas.

Embora o simbolismo e os efeitos de cada mescla e nuança em particular possa preencher vários volumes, é útil ter um guia básico do simbolismo das várias cores. As seções a seguir apresentam uma rápida passada sobre as seis cores básicas — vermelho, laranja, amarelo, verde, azul c magcnta — bem como preto e branco.
Vermelho

O vermelho provavelmente possui a mais ampla faixa de associações entre todas as cores devido às suas raras ocorrências na natureza. O rosa, uma mescla do vermelho, é a cor do rubor, o que leva a associações interessantes de amor ("o enrubescer do amor") e vigor ("o rubor da saúde"). Leves mesclas arroxeadas de vermelho são também tradicionalmente associadas com a verdade. O vermelho é associado ao fogo e ao calor intenso, mais do que qualquer outra cor, exceto o amarelo vivo. Tons claros de vermelho são também associados com paixão intensa, força e coragem.

Porém, o lado passional do vermelho possui também conotações negativas, transformando-o no vermelho da impetuosidade c do ódio. E a cor da inverdade e também a cor do orgulho. O mesmo vermelho que está associado ao rubor, está também associado à vergonha e à timidez. Quando tingido com roxo, o vermelho torna-se a cor do sangue, a cor da guerra e da violência. Devido à associação com o sangue, o vermelho também se torna a cor do martírio, do sacrifício e da bravura.

O vermelho é uma cor extremamente dominante e é rapidamente percebida pelo olhar. Contudo, é também de uma tonalidade incrivelmente intensa que

rapidamente cansa os olhos. Como consequência, grandes quantidades de vermelho são raramente usadas para alguma coisa, e geralmente se desencorajadas. O vermelho é também preferido por extrovertidos e é às vezes usado por terapeutas de cores para combater a depressão.

Laranja Juntamente com o amarelo, o laranja é uma das cores mais brilhantes c uma das mais naturalmente intensas de todas as cores. O laranja forte é tão incomum c intenso que é uma das cores mais difíceis de se contemplar. Em média, é a mais quente entre as cores quentes e a mais estável e tranquilizadora. O laranja é principalmente um matiz da terra e possui muitas associações com madeira e sujeira. Muitas das tonalidades de marrom estão baseadas no laranja e, consequentcmcntc, o laranja é uma das cores que mais ocorrem na natureza. O marrom é também tradicionalmente associado à força, solidez e maturidade.

Como o amarelo escuro, o laranja escuro é tradicionalmente associado à desconfiança e à falsidade. Alem disto, embora esteja associado à força, o marrom está também associado à tristeza e à melancolia — talvez devido à sua associação com o outono e a decadência. O laranja está também associado à lentidão e à preguiça.

O laranja é bem mais brando que o amarelo ou o vermelho e, logo, é uma tonalidade refinada e útil. As variações do laranja são frequentemente usadas para o interior de casas. Estudos mostram que o laranja é, em geral, associado ao apetite e é usado com frequência no design das cores de restaurantes, mais notavelmente de locais de fast-food.
Amarelo

O amarelo puro é uma das cores mais brilhantes e intensas de todas. Por isso, tem sido tradicionalmente associado com a riqueza e a nobreza. E também uma das cores mais espirituais. (Jesus e os santos são em geral representados na arte Cristã como se tivessem auréolas amarelas ou douradas.) O amarelo está diretamente associado com o Sol e, como consequência, com o calor. E também tradicionalmente o símbolo da generosidade radiante.

Por outro lado, as nuanças de amarelo trazem consigo uma gama de conotações negativas. O amarelo pardo é uma cor da inveja e da má fé. (Judas é em geral representado usando vestes amarelas.) E também tradicionalmente associado com covardia, indecência e sensacionalismo — daí o "jornalismo amarelo." O amarelo é a cor da urina e da icterícia e está também tradicionalmente associado com decadência, doença e degeneração.

O amarelo tingido de verde é também um símbolo de enfermidade. Bandeiras amarelas são usadas por embarcações navais para indicar que um navio está sob quarentena, e os hospitais hasteavam bandeiras amarelas durante as épocas de guerra. Não há nenhuma dúvida que o amarelo esverdeado é uma das cores mais fortemente evitadas e, em geral, as composições podem passar sem ela.

O amarelo cm geral parece mais brilhante que o branco, especialmente na impressão. Chama muito a atenção, mais até mesmo que o vermelho- Ele não pode atrair a atenção por si mesmo — é preciso ser usado em contraste com uma outra cor. Devido ao seu brilho percebido, é em geral extremamente útil em composições escuras.
Verde

O verde é uma outra cor extremamente brilhante. Devido à sua predominância

durante a primavera, o verde está normalmente associado à vida, natureza, juventude e vigor. Isto também leva a associações com esperança, disposição e abundância. Nos primeiros rituais cristãos, o verde era usado para simbolizar a Ressurreição e a Santa Trindade e, consequentemente algumas nuanças de verde — mais especialmente o esmeralda — tornaram-se carregadas com poder religioso. De qualquer forma, uma associação comum do verde é com a imortalidade, devido ao seu reaparecimento cíclico a cada primavera. O oliva, uma nuança de verde, é a cor dos monótonos uniformes militares, mas é também a cor tradicional da paz, como em "estender um ramo de oliveira" ao inimigo.

Embora o verde pareça carregar algumas conotações negativas — as pessoas são ditas estando "verdes de ciúmes" ou com uma cor "verde doentia" — é obvio, a cor a que se refere é o amarelo-verde e não o verde puro. Um verde amarelado recebe parte dos aspectos quentes do amarelo sem receber as conotações negativas do amarelo-verde.

O verde apresenta uma ampla faixa de variância e, portanto, há poucas regras concretas que governam o seu uso. Verdes mais escuros tendem a ser cores frias bastante calmantes, enquanto verdes claros são em geral quentes, energéticas e atraentes.
Azul

Como o verde, o azul é uma cor poderosa da natureza. O azul claro é a cor anil do céu. E também uma poderosa cor associada com o Céu, com a divindade e especialmente com o amor divino. E um símbolo de sabedoria (a deusa romana Minerva está tradicionalmente vestida de azul, e olhos azuis são considerados um símbolo de inteligência). É também uma cor sagrada c não apenas Minerva mas a Virgem Maria e São João são, em geral, representados com roupas azuis. É a cor da esperança e da generosidade. Quando tingido de roxo, torna-se o sangue azul da nobreza; quando tingido de verde, torna-se a cor do mar.

O azul é uma das tonalidades mais frias de todas c suas mesclas esverdeadas são talvez as cores mais geladas de todas. Além de estar associado ao frio, o azul é também associado à depressão, melancolia e tristeza profunda. É em geral usado para representar o vociferar e a zanga, como em "azul na face."

O azul é famoso por seus efeitos incrivelmente calmantes. Contudo é uma cor difícil em que se concentrar e em geral borra ou escorre para dentro das cores à sua volta, o que pode torná-la inadequada para o uso em ambientes escuros. Isto também significa que o azul raramente prende o olhar a menos que seja também escandalosamente brilhante.
Magenta

O magenta c uma das tonalidades mais difíceis de se caracterizar e realmente não possui nenhuma conotação própria. Quando tingido de vermelho torna-se roxo, porém, assume conotações positivas. O roxo é uma das tonalidades mais luxuosas e ricas, e está tradicionalmente associado à realeza. Como também é tradicionalmente o complementar do amarelo, o roxo está associado à espiritualidade e à imortalidade, e é normalmente encontrado com o amarelo nas cerimónias orientais.

Quando tingido de amarelo, o magenta torna-se violeta. O violeta possui muitas das características do azul, embora seja muito mais profundo que a maioria dos azuis. A medida que o violeta se aproxima do azul, torna-se índigo, o mais escuro dos azuis e a cor do céu noturno.
Branco

O branco é em geral visto como a mais pura das cores, imaculada por cor alguma e intocada por pigmento algum. Portanto, não deve ser surpresa que seja visto como um símbolo da pureza e da castidade. Ao longo dos tempos, também adquiriu aspectos de inocência, sinceridade e modéstia. As associações com castidade e pureza levaram a ligações com virgindade e feminilidade. Nos tempos romanos, amizade, sinceridade e amor eram em geral personificados com vestes brancas. O branco não é uma cor puramente positiva, c a palidez c normalmente associada à doença e à fragilidade. Em culturas asiáticas, o branco é a cor da morte e do pesar.

Preto

O preto é a antítese do branco e, consequentemente, muitos de seus significados são também diametralmente opostos. Significa depressão e escuridão. O preto puro inalterado também está associado à morte, ao desespero e ao temor. O preto está associado com a atividadc criminal — os piratas, por exemplo, hasteiam bandeiras pretas — e mal presságios são em geral citados como preto. Quando temperado com branco, o preto torna-se menos severo e contém conotações de prudência, humildade, resolução, solenidade e sigilo.
Disco de Cores Subtrativas

Como Itten era um pintor, seu disco de cores original estava baseado nos princípios da combinação subtrativa de cores. Infelizmente, Itten cometeu o engano de usar vermelho, amarelo e azul como cores primárias apesar do fato do ciano, magenta e amarelo serem as cores primárias da combinação subtrativa.

Na Figura 2.5, o disco de cores de Itten foi ajustado de modo a empregar as cores primárias subtrativas adequadas: ciano, magenta e amarelo. Embora o efeito geral seja bem semelhante, há várias diferenças notáveis. As faixas de azul e violeta do disco de cores corrigido são muito mais destacadas, enquanto as amarela e laranja são bem menos proeminentes. O disco de cores subtrativas de Itten é mais equilibrado e esteticamente agradável, mas o disco de cores subtrativas correto nos dá uma ideia melhor de como as cores podem ser combinadas.
Disco de Cores Aditivas

Há poucos disco de cores hoje que demonstrem os princípios da combinação aditiva de cores. Isto é lamentável porque as fronteiras em expansão dos meios digitais e eletrônicos faz o uso de tais discos mais importante que nunca. Para este livro, um novo disco de cores aditivas foi gerado, que deve se mostrar extremamente útil para designers em computadores.

Para os que já viram discos de cores subtrativas no passado podem ficar chocados pelo disco de cores aditivas apresentada na Figura 2.6. O disco de cores aditivas possui uma semelhança superficial com o disco de cores subtrativas, mas o equilíbrio das cores é radicalmente diferente. A natureza dos fundamentos da luz tende a favorecer uma pesada distribuição de azuis e verdes, enquanto amarelo e vermelho criam somente um leve impacto sobre o disco de cores. Este mesmo tipo de distribuição pode ser observado no espectro solar, que é dominado pêlos comprimentos de onda azuis da luz enquanto uma parcela pequena é dedicada aos comprimentos de onda vermelhos.

Devemos observar que as cores aditivas não fazem a transição para a impressão subtrativa muito bem. Por isto, vários exemplos neste capítulo podem parecer levemente estranhos. Procure replicar algumas das figuras de exemplo no monitor para conseguir uma imagem melhor de como alguns destes princípios funcionam.

Cores Neutras

Um grande grupo de cores omitidas pelo disco de cores é o das cores neutras, que são cores que não são influenciadas por nenhuma cor de forma alguma — em outras palavras, cinzas.

Embora haja um número infinito de cinzas entre preto e branco, o olho percebe uma escala de cinza de 256 passos como uma gradação suave entre branco e preto. Uma escala de cinza simples de doze passos aparece na Figura 2.7.

Os cinzas são denominados cores neutras porque não possuem personalidade por si mesmas — uma composição feita totalmente em cinza parece plana e de certa forma estéril. Os cinzas adquirem personalidade quando os colocamos em uma composição com matizes cromáticos, onde os cinzas tendem a assumir as características dos matizes à sua volta. Como consequência, grande número de artistas se desviam de seu caminho para evitar o cinza, porque os resultados podem ser extremamente variados.

Mesclas, Nuanças e Tonalidades

Mesmo quando se adicionam cores neutras a matizes puramente cromáticos do disco de cores, há um número desconcertante de cores que permanecem não consideradas no disco das cores. Empiricamente, sabemos que há mais de uma cor de vermelho — há os vermelhos escuros e os vermelhos claros, há os vermelhos apáticos e os vermelhos intensos. Estas cores são resultado de matizes puros combinados com diferentes quantidades de preto, branco e cinza, como demonstrado na Figura 2.8.

· Quando se combina um matiz puro com o branco, o resultado é denominado mescla daquele matiz. O rosa, por exemplo, é uma mescla de vermelho, do mesmo modo que alfazema é uma mescla de violeta. Mesclas sutis de um matiz tendem a ser dificilmente percebidas — enquanto mesclas mais patentes tendem a parecer mais como cores pastéis.

· Quando se mistura um matiz puro com preto, o resultado é denominado uma nuança da cor. O índigo, por exemplo, é uma nuança de azul, enquanto o castanho avermelhado é uma nuança de magenta.

· Quando uma cor pura é misturada com o cinza, o resultado é denominado um matiz da cor. O amarelo áureo, por exemplo, é um matiz de amarelo, enquanto o lilás é um matiz de roxo. Tons claros como o azul acinzentado tendem a ser bem serenos, enquanto matizes apáticos como o oliva tendem a ser um tanto insípidos.

· Mescla, nuanças e tonalidades podem ser aspectos muito úteis de qualquer escala de cores. Permitem que uma única cor se expresse uma faixa de sentimentos muito mais ampla e portanto adiciona variabilidade a composições que, de outra forma, seriam desinteressantes.

· Tons de vermelho, laranja e amarelo são geralmente denominados marrom ou bege. Embora algumas fontes se refiram ao marrom como uma cor neutra, elas estão erradas. Apesar de boa parte da personalidade da cor básica ter sido eliminada na mistura do marrom, resta quantidade suficiente da cor para que parte de sua personalidade fundamental se faça sentir.

Bibliografia

GOLDING, Mordy; WHITE, Dave. Guia do Designer da Web para cores. São Paulo: Quark do Brasil, 1997.
UGAYA, Eurico; Como Montar ou Renovar sua Loja. São Paulo: Senac, Makron: 1993.

Fonte: www.dozen.com.br

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal