Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Higiene Visual  Voltar

Higiene Visual

 

A maneira como a nossa visão é utilizada reflete-se em algum grau sobre o seu estado de funcionamento e sobre o rendimento visual, ou seja , uma correta utilização da visão conduz a uma melhor preservação das capacidades visuais e à execução das tarefas visuais com a introdução do menor stress possível sobre o sistema visual.

Como higiene visual entende-se sobretudo o controlo das condições de trabalho como a iluminação e a postura.

ILUMINAÇÃO

A iluminação, está claro, é um fator importantíssimo para a visão.

A quantidade e qualidade da luz que ilumina o objeto ou o trabalho refletem-se sobre o bem estar do indivíduo.

Quando trabalhamos em interiores, o ambiente que nos rodeia deve estar iluminado para evitar excessiva concentração apenas no espaço à nossa frente. Esta "iluminação ambiente", se não for suficientemente intensa, pode haver necessidade de se suplementar com iluminação direta e um pouco mais forte sobre o objeto com que trabalhamos.

Uma tarefa particular que obrigamos muito os nossos olhos a fazer é ver televisão. Existe em muitas pessoas o hábito de desligar todas as luzes ao ver TV, pois com uma boa televisão apagamos as luzes e parece que estamos no cinema. Ora isto não é a melhor maneira de tratar os nossos olhos.

A nossa pupila abre e fecha segundo a intensidade da luz como o diafragma de uma máquina fotográfica. Sabemos que a maior abertura do diafragma corresponde uma menor profundidade de campo e daí maior necessidade de focar com precisão.

Do mesmo modo, ao ver TV numa sala sem luz, a pupila dilata provocando a necessidade de manter a focagem mais exata com o consequente aumento do esforço visual.

POSTURA

Higiene Visual

O mecanismo da acomodação é tanto mais solicitado quanto mais perto estamos daquilo que observamos. Uma postura correta implica a manutenção de uma distância mínima de 35 a 40 cm (nos adultos) desde o olho até ao objeto.

Devem ser evitadas posturas assimétricas como o inclinar do corpo ou da cabeça para um dos lados pois isso leva a que a distância de cada olho à tarefa seja desigual.

Um fator que contribui para o aparecimento de sintomas visuais é a manutenção da visão de perto (leitura, computador, Internet, etc) durante períodos prolongados. É importante introduzir pequenos intervalos nestas tarefas, pelo menos de meia em meia hora. É bom nestes intervalos olhar ao longe fixando objetos distantes, levantar-se espreguiçar-se, ou seja, procurar descontrair o corpo e a visão.

O seguimento destas normas de higiene visual não garante o não aparecimento de uma anomalia visual, como a miopia ou o astigmatismo, mas constitui um pequeno contributo no sentido de evitar que estes problemas surjam. Por outro lado, em casos de sintomas relacionados com stress visual nos quais não existem defeitos refrativos, algum cuidado com a higiene visual pode dar alivio suficiente não sendo necessário por exemplo, recorrer á ajuda de óculos.

Fonte: www.magnivisao.pt

Higiene Visual

SAÚDE OCULAR E PREVENÇÃO DA CEGUEIRA

Possivelmente, a visão talvez seja o sentido humano mais importante, considerando-se que a maior parte de nosso entendimento e contato com o mundo exterior realiza-se através dos olhos.

A maioria dos casos de cegueira evitável ocorre nos países em desenvolvimento, como o Brasil, e a perda da visão acarreta graves prejuízos s atividades escolares, intelectuais, profissionais e sociais, restringindo fortemente a produção e a capacidade de trabalho das pessoas afetadas. Considerando-se tal fato, a descoberta precoce dos problemas e posterior encaminhamento do indivíduo aos serviços especializados é fundamental, haja vista que dois em cada três casos de cegueira poderiam ser evitados caso houvesse tal procedimento.

Estimativamente, quase todos os problemas oftalmológicos podem ser evitados com a promoção da saúde ocular junto às crianças e adolescentes em idade escolar. Nesse sentido, o presente texto visa contribuir para o melhor desempenho e participação dos professores e agentes de saúde na promoção da saúde ocular dos estudantes e também dos adultos. Por isso, a abordagem da temática será organizada por faixas etárias.

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE SAÚDE OCULAR

Chamamos visão à capacidade dinâmica que o olho tem de perceber o universo que o cerca - capacidade esta que depende de uma ação coordenada entre o nosso sistema visual e o cérebro. Visando preservá-la, há uma série de cuidados simples que podemos tomar para evitar que elementos do ambiente ou de nossos hábitos cotidianos venham a comprometer o bom desempenho de nossos olhos.

A educação em saúde ocular, através da disseminação de informações gerais e de práticas preventivas, é um caminho seguro que conduz a uma atividade visual saudável e, se for o caso, à detecção precoce de problemas oculares e ao encaminhamento dos indivíduos afetados aos serviços de saúde.

Os seguintes elementos básicos influenciam as pessoas a ter uma boa visão e uma boa saúde:

Condições de vida: qualquer melhoria das condições de vida da população – emprego, habitação, alimentação, educação, saneamento, principalmente – resulta em melhoria da saúde em geral, inclusive a ocular

Higiene pessoal e ambiental: praticar medidas de higiene e cuidados gerais com o corpo e a mente previne a propagação de doenças, inclusive as oculares

Dieta alimentar adequada: para crianças, jovens e adultos, é recomendável a ingestão regular de verduras, legumes e frutas; o leite materno, por sua vez, além de conter todos os ingredientes necessários para o bom desenvolvimento do bebê, é rico em vitamina A, importante na prevenção da cegueira noturna.

Imunização: algumas doenças contagiosas como o sarampo - podem causar cegueira, principalmente em crianças desnutridas. A vacinação das crianças e das mulheres adultas é fundamental na prevenção da rubéola, já que essa doença produz catarata congênita às crianças cujas mães a possuem.

Prevenção de problemas oculares: o reconhecimento precoce dos sinais e sintomas de problemas oculares e visuais, bem como a verificação periódica da acuidade visual e a prática dos cuidados de prevenção de infecções e de doenças oculares são medidas importantes para se manter uma boa capacidade visual.

SAÚDE OCULAR DOS RECÉM - NASCIDOS

Ainda na sala de parto, ocorre a primeira ação de saúde ocular no ser humano: logo após o nascimento, é pingada uma gota de nitrato de prata nos olhos do recém-nascido, que previne uma doença ocular grave, que pode causar cegueira.

Tanto a mãe como os profissionais de saúde que mantêm contato com o bebê devem sempre observar o tamanho, o brilho, a cor e o aspecto geral dos olhos do recém-nascido, para detectar eventuais alterações ou anormalidades.

Ressalte-se que o aleitamento materno propicia ao bebê os nutrientes necessários ao bom desenvolvimento da visão.

Os cuidados com as unhas (tanto da mãe quanto da criança) evitarão arranhões, ferimentos e infecções. No tocante à higiene, os banhos do bebê devem ser diários, com sabão neutro e água fervida e morna, e a criança deve ser seca com uma toalha limpa e reservada apenas para ela.

SAÚDE OCULAR DOS LACTENTES E PRÉ-ESCOLARES

A criança começa a melhorar sua visão, ou a desenvolvê-la efetivamente, por volta dos 6 a 8 meses.

Mas somente aos cinco ou seis anos ocorre a maturação visual completa. O adequado cumprimento do calendário de vacinação e dos cuidados gerais e de higiene previnem as doenças provocadas por agentes infecciosos. A introdução de uma alimentação rica em vitaminas, desde cedo, logo após o término do aleitamento materno, ajudará a manter uma boa saúde.

Rotineiramente, devem ser procurados sinais e sintomas genéricos que podem indicar que a criança possui problemas oculares, tais como apresentar dor de cabeça freqüente; ser dispersiva ou desastrada; cair muito e derrubar objetos; ter dificuldade de acompanhar as brincadeiras dos colegas; fazer caretas, piscar muito, apertar os olhos; inclinar a cabeça para ver e aproximar-se demais da TV ou das páginas de revista e livros. Esses sinais podem indicar que a criança sofre de baixa acuidade visual; assim, deve ser levada ao oftalmologista o quanto antes, para consulta.

Outros sinais e sintomas muito comuns de problemas visuais, que também devem ser observados, são: lacrimejamento; olhos vermelhos; secreção, purgação (pus); crostas nos cílios; olhos semi-abertos; visão embaçada; sensibilidade excessiva à luz; visão dupla e desvio ocular (estrabismo). Em caso de dúvida, o teste de acuidade visual é sempre recomendável, pois permite a detecção de problemas oculares ainda não manifestos.

Com relação a esta faixa etária, os adultos deverão estar atentos à prevenção de acidentes com objetos ponteagudos e/ou cortantes - como faca, tesoura, lápis, por exemplo - ou produtos químicos – como o álcool, água sanitária, detergente e medicamentos – haja vista que crianças dessa idade costumam ter verdadeira atração por esses materiais, que podem levar perigo a seus olhos.

SAÚDE OCULAR DOS ADOLESCENTES

As informações e recomendações anteriores são também válidas nesta fase de vida.

Todas as crianças, antes de começar a freqüentar a escola, devem ir ao oftalmologista para realização de teste de acuidade visual.

Por sua vez, a professora deve estar especialmente atenta aos seguintes sinais: olhos vermelhos após a aula; lacrimejamento durante a leitura; aproximar ou afastar muito o livro dos olhos; cansaço e desinteresse após a atividade escolar; dores de cabeça, tonturas e náuseas, após esforço visual; troca de letras semelhantes, ao ler.

Complementarmente, as noções de higiene e de educação alimentar também devem ser mantidas e reafirmadas com freqüência.

Geralmente, a adolescência é a fase em que a miopia se manifesta, cujo início se faz sentir por volta dos 10 anos. Assim, deverão ser encaminhadas a exame oftalmológico todas as crianças que nesta faixa de idade sintam dificuldades em enxergar o que está escrito no quadro ou localizar objetos situados muito longe.

É conveniente que as adolescentes sejam vacinadas contra a rubéola, prevenindo os bebês das eventuais gestantes contra a cegueira dos recém-nascidos. Os riscos de acidentes também devem ser prevenidos, atentando-se principalmente s atividades esportivas rudes.

O ADULTO E A SAÚDE OCULAR

Os adultos devem periodicamente submeter-se ao exame de acuidade visual, e procurar o oftalmologista caso percebam algum declínio de capacidade visual.

Todas as pessoas com mais de 35 anos de idade devem, sempre que possível, submeter-se ao exame de avaliação dos olhos e da visão, com o objetivo de detectar possíveis problemas e alterações.

Geralmente após os 40 anos, os adultos começam a observar o aparecimento dos sintomas da vista cansada. As letras vão se tornando menos nítidas, há dificuldade para a leitura das letras menores e a pessoa, para obter o foco ideal para ler, começa a afastar o livro ou jornal. Nessas circunstâncias, o oftalmologista deve ser procurado para que os exames e medidas sejam feitos e os óculos, receitados.

Determinadas atividades profissionais predispõem as pessoas a um número maior de alterações oculares. Assim sendo, o uso cuidadoso dos equipamentos de proteção do trabalhador - os óculos de segurança, por exemplo - e o bom estado das máquinas utilizadas evitam a ocorrência de traumas.

A mulher adulta deve ser vacinada contra a rubéola, o que evitará o aparecimento desta moléstia durante a gestação, já que esta doença, repetimos, adquirida nos primeiros 3 meses, pode causar cegueira ou catarata congênita no recém-nascido. Daí a importância da realização do pré-natal, essencial para a gestante, já que nele se faz o tratamento de infecções ginecológicas - que previne as conjuntivites do recém-nascido, adquiridas no canal de parto - bem como a detecção precoce e o correto tratamento de doenças que podem prejudicar tanto a gestante como o bebê.

Com relação às gestantes de alto risco, devem fazer exame ocular de rotina, visando detectar possíveis alterações.

O IDOSO E A SAÚDE OCULAR

É na faixa acima de 65 anos que ocorre a maioria dos casos de baixa acuidade visual e cegueira.

Estes problemas não devem ser considerados como resultantes do processo normal de envelhecimento, porque, se bem utilizados os recursos clínicos e cirúrgicos existentes - como, por exemplo, a cirurgia de catarata -, a visão do idoso pode ser recuperada. Mesmo no caso de vir a desenvolver cegueira, o idoso deve receber orientação e ser encaminhado para reabilitação, evitando restringir suas atividades.

Por outro lado, instalam-se nos idosos alterações relacionadas ao próprio envelhecimento e acentuam-se as doenças crônico-degenerativas como a hipertensão e o diabetes, que, se descontrolados, atingem os órgãos da visão e devem ser diagnosticados e tratados a tempo.

O exame e o acompanhamento oftalmológico regular dos idosos é um procedimento bastante útil para evitar problemas que prejudiquem sua participação na vida familiar e comunitária.

PREVENÇÃO DE ACIDENTES OCULARES

Acidentes que afetam os olhos ou a cabeça podem acontecer no ambiente de trabalho, na escola, na prática de esportes ou nos momentos de lazer.

Esse tipo de ocorrência pode ser evitado, ou pelo menos reduzido, com a adoção dos seguintes procedimentos:

Medicamentos e substâncias inflamáveis ou químicas devem sempre ficar longe do alcance das crianças
Objetos pontiagudos e cortantes -
como facas, estiletes, tesouras, por exemplo - não devem ser manuseados por crianças
Devem ser evitados brinquedos potencialmente perigosos, como estilingue, dardo, flecha, revólveres e espingardas de chumbo
Deve ser evitada a permanência de crianças junto ou próximas ao fogão
No automóvel, as crianças devem ser sempre transportadas no banco traseiro e o uso do cinto de segurança é absolutamente indispensável
Deve ser evitado o manuseio de substâncias inflamáveis e tóxicas perto de crianças
Deve-se tomar cuidado especial - ou mesmo evitar –
com determinados esportes e brincadeiras infantis de tipo violento ou agressivo
As lentes dos óculos devem ser do tipo endurecidas, evitando-se o uso de lentes de vidro ou de material facilmente quebrável
Devem ser evitadas brincadeiras
- onde haja muita proximidade - com animais estranhos.

Porém, se apesar desses cuidados ocorrer um acidente, é fundamental que no momento do primeiro atendimento seja realizado um exame ocular, em busca de lesões e de corpos estranhos nos olhos, e o acidentado deve ser imediatamente encaminhado ao oftalmologista.

José Veloso Souto Junior

Maria Aparecida Andrés Ribeiro

Fonte: www.nipomed.srv.br

Higiene Visual

Higiene Visual

A importância da higiene ocular

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas.

Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção muitas vezes não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por ex. conjuntivites) ou das pálpebras (por ex. inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Possibilidade de limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos.

Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária do bordo das pálpebras. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem com freqüência inflamações aos arredores das pálpebras, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares. Também a maquiagem dos olhos requer todas as noites uma cuidada remoção e a limpeza da zona dos olhos.

Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos. Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo s impurezas aderentes ao bordo da pálpebra entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Toalhetes de limpeza estéreis

Relativamente novos no mercado são os toalhetes de limpeza especialmente umedecidos. Embalados de forma individual e esterilizada, garantem uma limpeza higiênica dos olhos. Removem a maquiagem dos olhos, secreções secas e são apropriados para o cuidado dos olhos depois de tratamentos e operações aos olhos. Os toalhetes estão embebidos de diferentes extratos vegetais, que atuam de forma calmante, adstringente e anti-séptica na pele sensível da zona dos olhos.

Agradável efeito colateral: se os olhos estiverem cansados, exaustos ou secos, a umidade e a frescura dos toalhetes embebidos alivia os olhos.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num toalhete de papel com que se limpam depois os olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, tenha sempre obrigatoriamente atenção à data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso contrário, pelo o tubo aberto, podem entrar facilmente bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, são bons os banhos oculares. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos lavam os olhos e têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc.

Também as pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, ao remover as poeiras e o pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante.

Além disso, o extrato de camomila contém muitas vezes pólen de plantas, que em muitas pessoas pode provocar facilmente reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios.

Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos faz igualmente parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada" só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele.

Para isso, são uma ajuda os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato.

Informe-se com exatidão e experimente os diferentes preparados para descobrir qual é o produto que melhor se adequar a si.

Fonte: www.portaldaoftalmologia.com.br

Higiene Visual

Higiene Visual

Conselhos de Higiene Visual

Efetue pausas durante o exercício visual de perto (leitura, computador, etc).

Exercício de relaxamento ocular:

Tapar com as palmas das mãos ambos os olhos, durante um minuto.
Após, tente focalizar os seus olhos para objetos que se encontrem o mais distante possível.
Evite o exercício visual de perto quando se encontra numa situação de debilidade física.
Lembre-se de efetuar pestanejos, quando trabalha com o computador ou lê.
Quando vê televisão, procure a distância correta. Para tal deverá multiplicar o diâmetro do ecrã por 5.
No caso de ser portador de lentes de contato e sentir desconforto, vermelhidão ocular, sensação de corpo estranho, lacrimejo, baixa de acuidade visual, deverá retirar de imediato as lentes e contatar a casa de visão.
Deverá evitar o uso de lentes de contato quando se encontrar doente.
Em idades compreendidas entre 3 e 12 anos (consulta de visão pediátrica), se existir baixa de rendimento escolar, desinteresse pelas tarefas escolares, percas na leitura, escrita desordenada, entortar um olho episódicamente, dores de cabeça, deverá marcar nova consulta de visão pediátrica.
Deverá efetuar exames de visão periódicos, porque a visão também é consumidora de energia.

Fonte: www.opticlinic.pt

Higiene Visual

A visão é um dos sentidos mais importantes.

Estima-se que aproximadamente 80% de toda a informação que percebemos chega ao cérebro através dos olhos.

A estrutura e o funcionamento dos olhos são extremamente complexos. O olho regula constantemente a quantidade de luz que recebe, a focagem dos objetos ao perto e ao longe e está continuamente a gerar imagens que posteriormente transmite ao cérebro.

As necessidades visuais que a vida moderna hoje impõe são maiores e mais complexas do que no tempo dos nossos avós.

Os estudantes lêem três vezes mais do que liam os avós, os adultos usam a visão de perto constantemente, quer seja a trabalhar ou por lazer.

As dores de cabeça, o ardor e lacrimejo, visão desfocada intermitente ou mesmo permanente ao longe (miopia), fadiga ocular, perda de concentração e outros sintomas visuais, estão relaccionados com a carga visual ao perto (stress visual).

Como se pode evitar o stress visual?

Adoptando comportamentos (higiene visual), que diminuam o esforço na visão ao perto.

Normas de higiene visual

Postura: deve sentar-se corretamente, os pés apoiados no chão e as costas direitas e de preferência apoiadas na região lombar. Os antebraços devem estar apoiados na mesa de trabalho.
Iluminação:
é muito importante. Deve haver uma iluminação no teto e outra diretamente para o plano de trabalho, que não provoque deslumbramento ou sombra ao escrever. Colocar o candeeiro do lado esquerdo se pessoa for destra, se for esquerdina colocar do lado direito e sempre que possível por cima do ombro.
Mesa de trabalho:
para facilitar uma boa postura a ler e a escrever é conveniente que o plano da mesa tenha uma inclinação de 20 . Deve ser colocada à frente de uma janela para se poder olhar para longe.
Distância:
não se deve aproximar demasiado para ler ou escrever, nem inclinar ou rodar a cabeça e as costas. Todas as atividades devem ser realizadas à mesma distância, que é a que vai do cotovelo à primeira falange do dedo médio.
Escrita:
o material de esrita deve ser agarrado a 2,5 cm da ponta (para que se veja a mesma e o que se escreve) e sem fazer força (o nódulos dos dedos não podem ficar brancos). A mão que usa para escrever indica a posição e o ângulo a que o papel é colocado.
Televisão:
a distância ideal para ver TV é de 3 m ou mais. O local deve estar bem iluminado, mas não deve haver reflexos no ecran. Não se deve ver televisão deitado. As crianças não devem ver mais de 2 horas diárias a TV, pois podem reduzir a capacidade de pensar e a criatividade.
Computadores: as crianças devem evitar estar em frente do computador ou dos videojogos mais de 30 minutos sem descansar 10 minutos.

Outros conselhos

Quando lê ou quando trabalha com computadores, faça pausas frequentes, mova-se e olhe para longe através de uma janela.
O “palming” é um dos melhores remédios para descansar os olhos. Consiste em cobrir os olhos com as palmas das mãos, sem fazer pressão, e permanecer com eles fechados durante 2 a 3 minutos e imaginar, por ex., paisagens ao longe. Deve fazê-lo sentado.
Pestaneje a cada 6 a 8 segundos. Ao pestanejar com regularidade os tecidos oculares melhoram a circulação e a lágrima limpa a parte anterior do globo ocular.
Participe em atividades ao ar livre que requeiram visão de longe.
Não esqueça a alimentação. Deve ser rica em vegetais e frutos.
Óculos para reduzir o stress visual.
Por vezes, a prescrição de lentes positivas (com baixa graduação) ajudam a reduzir o stress visual ao perto e melhoram o desempenho das tarefas ao perto.

Fonte: www.clinoptica.pt

Higiene Visual

Lentes de contato - cuidados com a higiene!

Higiene Visual
Lente de contato

As lentes de contato são práticas e mais discretas que os culos, mas é preciso tomar cuidado com a higiene! “A lente deve ser limpa. Quando não estiver no olho, deve ficar acondicionada em um estojo próprio.

Nesse estojo deve conter solução de limpeza e desinfetante próprio para essa lente”, conta o oftalmologista Arlindo Portes, diretor da Sociedade Brasileira de Oftalmologia e professor da Faculdade de Medicina da Estácio de Sá.

O especialista conta que também existem as lentes descartáveis, que podem ser usadas por vários dias, como o período de uma semana, sem ser tirada do olho.

“Esse tipo de lente deve ser retirada após o período de descarte. Ela deve ser jogada fora e substituída por outra, pois ela não está sendo limpa e não está sendo retirada do olho”, explica Portes.

Para quem acha que colírio serve para limpar o olho, vale um alerta. A solução lubrifica o olho, mas não limpa. “Não tem efeito de higiene na lente. Ele é lubrificante, facilita que a pessoa se adapte a lente. A higiene mesmo, a limpeza da lente, deve ser feita fora do olho, com substância desinfetante própria para retirar partículas que grudam na superfície da lente”, esclarece o oftalmologista.

Por isso, muito cuidado, se a higiene não for feita de forma inadequada, pode ser desenvolvida no olho uma lesão chamada úlcera de córnea, ou infecção de córnea. “Ela pode aparecer sem que se sinta dor, porque a lente diminui essa sensação.

O olho fica vermelho e pode causar perda de visão”, diz Portes.

A higienização da lente não pode ser feita com soro fisiológico ou água de torneira. Substâncias apropriadas para limpeza da lente, que matam as bactérias, são as indicadas para o processo de higiene. “Tem que limpar a sujeira para evitar que haja aderência de bactérias, e fazer desinfecção para matar qualquer tipo de microorganismo”, conta o especialista, que faz um adendo. “Essa sujeira que gruda na lente pode causar alergia. Nesses casos, deve-se suspender o uso e fazer um tratamento antialérgico.

A sujeira pode piorar a visão da pessoa, embaçando a vista”, finaliza.

Fonte: MBPress

Higiene Visual

Lentes de contato são seguras, mas exigem uma higiene rigorosa

Elas estão no ápice em qualidade.Tanto as duras como as gelatinosas são confiáveis. Mas quem pensa adota-las deve analisar a possibilidade com cuidado.Pesquisa constatou que muitos dos que as usam desistem, por medo de problemas nos olhos.Se o usuário não mantiver uma boa higiene, pode ter complicações. As mais temidas são infecções por microorganismos.

Os usuários de lentes de contato já são 95 milhões em todo o mundo.

No Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Lentes de Contato (Soblec), 2% da população as utiliza, ou seja, por volta de 2,5 milhões de pessoas.Se você está entre os que pretendem adota-las, elas são ótimas e práticas, mas analise muito bem a possibilidade.Pesquisa da Soblec constatou que, embora 70% das pessoas as usem por indicação de um oftalmologista, muitas desistem por medo de problemas oculares.

As lentes de contato, vale destacar, melhoraram muito nas últimas décadas e estão no ápice em qualidade e segurança para os olhos.

Tanto as duras como as gelatinosas são confiáveis.

Ambas são produzidas com materiais que permitem que a córnea respire naturalmente, o que elimina qualquer tipo de prejuízo ao órgão.

Há dois tipos de lentes: as prontas e as personalizadas, isto é, feitas sobre encomenda.

A maioria das pessoas usa o primeiro tipo, pois tem graus comuns e também uma córnea de tamanho comum; e apenas uma minoria precisa faze-las sob encomenda, uma vez que vai usar lentes de graus elevados e sua córnea tem características específicas, como uma curvatura grande demais.

Existem lentes de contato de ambos os tipos para corrigir os problemas de visão mais freqüentes, ou seja, miopia, astigmatismo, hipermetropia e presbiopia,

É possível corrigir ao mesmo tempo as quatro doenças com o uso de um par de lentes apenas, sejam as industriais, sejam as feias sob encomenda.

Não devem utiliza-las, porém, quem tem olhos secos demais; portadores de alergias; e em alguns casos, idosos que apresentam tremores que dificultem o manuseio das lentes.Embora até bebês que nasçam com problemas graves de visão, como catarata cogênita, possam usa-las, tais lentes não são indicadas a crianças.parte dos médicos é de opnião que só devem faze-lo depois dos 15 anos, pois, entre outras razões, não são capazes de higienizá-las adequadamente nem de reconhecer eventuais problemas que surjam.

As pessoas não devem comprar lentes por conta própria e usar.Precisam, antes, consultar um olftalmologista.

Até por que não sabem se seus olhos estão aptos a usa-las.Podem ter, por exemplo, doenças que inviabilizem, ainda que momentaneamente, o uso.A compra sem a indicação de um ofltalmologista, portanto, é muito arriscada.

Se você foi ao médico e vai usar ou já está usando lentes, é importante observar alguns pontos básicos para manter a integridade de tais objetos e a saúde de seus olhos :

Lave sempre as mãos com sabão antes de manuseá-las
Siga as Instruções do oftalmologista e do fabricante à risca
Faça a assepsia das lentes apenas com os produtos indicados pelo especialista – hoje há soluções multiuso, ou multipropósito, que limpam e hidratam com segurança,além de facilitarem a desinfecção
Higienize o estojo na periodicidade e com os produtos sugeridos
No caso de lentes de uso prolongado, siga à risca o tempo indicado
Não entre em piscinas, no mar nem em banheiras com as lentes;
Vá ao médico pelo menos uma vez por ano para fazer uma avaliação das lentes e de seus olhos.

Caso seus olhos se tornem vermelhos e irritados, suspenda o uso e consulte o oftalmologista, pois pode haver problemas graves.Os mais precoupantes são as infecções por bactérias e parasitas.

Infecções bacterianas

A mais perigosa é ela pseudomonas.Pode estar no próprio olho ou contaminar produtos de limpeza e o estojo.Atinje mais um olho só.O sintoma é dor intensa.Pode corroer a córnea em um a dois dias, a ponto de exigir um transplante.

Infecções parasitárias

Ocorrem mais por amebas.Estão sobretudo em piscinas, no mar e em banheiras.Atingem um ou os dois olhos.Podem desencadear a formação de catarata, glaucoma e até levar à cegueira.

O pior é que, como se trata de uma doença nova, ainda não tem tratamento eficaz.

Denise de Freitas

Fonte: www.nassar.com.br

Higiene Visual

As pálpebras e sobrancelhas oferecem determinada proteção, mas esta proteção muitas vezes não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das sobrancelhas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por ex. conjuntivites) ou das pálpebras (por ex. inflamações da bordo de pálpebra) e, podem congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea. Particularmente importante é uma limpeza dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações da borda da pálpebra com uma higiene intensiva e diária da borda das pálpebras. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir o que pode originar inflamações desagradáveis. Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme com óleo ou um xampu muito suave.

Também a maquiagem dos olhos requer todas as noites uma cuidadosa remoção e limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações.

Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos. Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderentes ao bordo da pálpebra entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Existem no mercado lenços umedecidos de limpeza embalados de forma individual e esterilizada que garantem uma limpeza dos olhos, removem a maquiagem dos olhos, secreções secas e são apropriados para o cuidado dos olhos depois de tratamentos e operações aos olhos. Esses lenços atuam de forma calmante e anti-séptica na pele sensível da região dos olhos, além do que se os olhos estiverem cansados ou secos, a umidade e a umidade dos lenços embebidos alivia os olhos.

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gel de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas.

O gel é aplicado num lenço de papel com que se limpam depois os olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, tenha sempre atenção à data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso contrário, podem entrar facilmente bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos faz igualmente parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina.

É importante manter-se a umidade da pele por isso os cremes e gel são importantes. Existem produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato.

Informe-se com exatidão para saber qual é o produto que melhor adequar para cada um.

Fonte: www.drvisao.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal