Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Traqueia  Voltar

Traqueia

 

Traquéia

A traquéia, vulgarmente conhecida como a traquéia, é um tubo de cerca de 4 centímetros de comprimento e menos de uma polegada de diâmetro na maioria das pessoas.

A traquéia começa logo abaixo da laringe (cordas vocais) e corre atrás do esterno (esterno).

A traquéia, em seguida, divide-se em dois tubos menores chamados brônquios: um brônquio para cada pulmão.

É um tubo de aproximadamente 1,5 cm de diâmetro por 10-12 centímetros de comprimento, apresentando suas paredes reforçadas por anéis cartilaginosos. É revestida internamente por uma membrana que contém células produtoras de muco. Esse além de aquecer e umidecer o ar que respiramos, retém suas impurezas que são eliminadas pelo movimento dos cílios existentes nas células da traquéia.

A traqueia é composto por cerca de 20 anéis de cartilagem dura. A parte de trás de cada anel é feito de músculo e tecido conjuntivo.

Tecido úmido, suave chamadas linhas da mucosa do interior da traquéia. A traquéia se alarga e alonga um pouco com cada respiração em, retornando ao seu tamanho de descanso a cada respiração para fora.

A traqueia é o canal que liga o nariz e boca para os pulmões.

É uma parte importante do sistema respiratório, porque, quando uma pessoa inspira, o ar flui para os pulmões através da traqueia.

Qualquer dano é potencialmente de risco de vida por causa de seu papel na respiração.

Estrutura

A traqueia é composta de cartilagens e ligamentos e está localizado na parte da frente do pescoço. Ela começa na parte inferior da laringe , ou caixa de voz , e continua para os pulmões, onde se ramifica para o direito e brônquio esquerdo. A traqueia mede tipicamente 3,9-4,7 cm (10 a 12 cm) de comprimento e 0,6 a 0,7 polegadas (16 a 18 mm) de diâmetro. É composto por 16 a 20 anéis em forma de C de cartilagem ligadas por ligamentos, com uma membrana de muco-ciliar alinhado. Esta estrutura ajuda a empurrar objetos para fora das vias aéreas, se algo se aloja.

Características 

A traquéia é basicamente um tubo que liga a laringe aos brônquios. A traquéia não se fecha graças à anéis de cartilagem em forma de C. Estes anéis estão presentes na traquéia, nos brônquios e nos bronquíolos. Também estão presentes na traquéia os cílios e um muco. Possíveis sujeiras grudam nesse muco e são levadas pelos cílios para a laringe onde são engolidos (passam para o esôfago).

O que é

Traquéia

A traqueia é um canal de aproximadamente 2 cm de diâmetro e 10 cm de comprimento localizado após a laringe. Suas paredes são reforçadas por anéis cartilaginosos rígidos que impedem o contato entre elas, mantendo sempre o tubo traqueal aberto para que o ar circule livremente. Abaixo da traqueia existe uma bifurcação responsável pela formação dos dois brônquios, o direito e o esquerdo.

A traqueia e os brônquios são forrados internamente por um tecido epitelial ciliado, responsável pela produção de muco. As partículas de poeira e as bactérias em suspensão no ar inspirado ficam retidas no muco. Devido aos movimentos ciliares, essas impurezas são empurradas para fora. No caso dos fumantes, os cílios da traqueia perdem a mobilidade. Desse modo, a proteção contra a entrada de impurezas diminui, formando o pigarro.

Órgão

A traqueia é um importante órgão do sistema respiratório que se localiza no pescoço, estendendo-se entre a laringe e os brônquios. Ela é formada por numerosos aneis cartilaginosos, abertos por sua região dorsal, que é adjacente ao esôfago. Estes aneis são distribuídos nus sobre os outros e estão ligados por tecido muscular fibroso.

Função

A sua função é unicamente fazer a passagem do ar. Nos humanos, o órgão tem longitude de 10 centímetros e 2,5 centímetros de diâmetro. Sua superfície interna está revestida por uma membrana mucosa ciliada. Segundo os médicos, a traqueia é bastante suscetível a infecções respiratórias. Quando obstruída por um corpo estranho, ou devido a algum tipo de doença, ocorre a necessidade de se realizar uma traqueotomia (abertura cirúrgica da traqueia).

Fonte: www.webmd.comr

Traqueia

A traquéia se divide em dois brônquios cartilaginosos, cada um dirigido a cada pulmão. No interior do mesmo, cada brônquio se subdivide em bronquíolos ,os quais porém, voltam a dividir-se em condutos de diâmetro cada vez menores, até as cavidades finais chamadas sacos aéreos ou alvéolos.

Nas paredes dos vasos menores e dos sacos aéreos se encontram umas cavidades diminutas chamadas alvéolos, por fora das quais se dispõe túpidas redes de capilares sangüíneos.

Nos pulmões o oxigênio passa dos alvéolos aos capilares pulmonares e o dióxido de carbono se desloca, em sentido oposto, dos capilares pulmonares ao interior dos alvéolos. Isto ocorre simplesmente pelo fenômeno físico da difusão (cada gás vai de uma região onde está mais concentrado a outras de menor concentração).

Nos capilares de todos os tecidos do corpo, onde ocorre a respiração interna, o oxigênio, por difusão, vai dos mesmos ás células, portanto o dióxido de carbono passa da mesma forma das células aos capilares.

O metabolismo ininterrupto da glucosa e outras substâncias na intimidade celular dá lugar à produção constante de dióxido de carbono e utilização de oxigênio; em conseqüência a concentração de oxigênio sempre é baixa, e a de dióxido de carbono sempre é alta nas células, com relação aos capilares.

Em todo o sistema o oxigênio passa dos pulmões ao sangue e deste aos tecidos, de pontos de maior a menor concentração, até ser finalmente utilizado pelas células. O dióxido de carbono passa das células, onde se produz, ao sangue, aos pulmões e ao exterior, sempre para as zonas de menor concentração (diferença de pressões).

Quantidade de ar respirado em estado de repouso; o ar que entra e sai em cada movimento respiratório de um homem adulto tem um volume de 500 ml. Uma vez já expulsado este ar, pode obrigar-se a sair outro litro e meio de ar mediante uma expulsão forçada e ainda sobra aproximadamente outro litro que não pode sair nem com esforço. Fica explícito, que durante uma respiração normal fica nos pulmões uma reserva de 2,5 litros que se misturam com os 500 ml que penetram na inspiração.

Depois da inspiração de 500 ml, é possível, respirando profundamente, fazer penetrar 3 litros mais, e durante o exercício, pode-se aumentar o ar inspirado, de 500 ml à 5000 ml, em cada ciclo respiratório. Regulação da respiração; como as necessidades de oxigênio pelo organismo são diferentes no repouso ou na atividade, a freqüência e profundidade dos movimentos devem alternar-se para ajustar-se de forma automática às condições variáveis.

É o centro respiratório, localizado no bulbo raquiano e a protuberância e que coordena os movimentos harmônicos de músculos (separados) para levar a cabo o processo da respiração.

Fonte: www.biomania.com.br

Traqueia

Você sabe como o ar chega aos pulmões – aqueles órgãos, que já vimos aqui – para executar a respiração?

O ar que respiramos entra pelo nariz ou pela boca, passa pela traqueia, que se bifurca em dois tubos curtos, chamados de brônquios, até chegar aos pulmões.

A traqueia, portanto, é um canal de passagem do ar até os nossos pulmões.

Mede quase nada: 1,5cm de diâmetro e 10cm de comprimento. Faz parte do aparelho respiratório e está localizada no pescoço.

As suas paredes são reforçadas por anéis cartilaginosos. Tanto a traqueia quanto os brônquios têm células produtoras de muco, em que aderem a poeira e as bactérias que entram juntamente com o ar. Com isso, as partículas acabam sendo varridas para a garganta e engolidas com a saliva. Esse processo faz com que sejam expulsas do nosso organismo.

Sabemos que, ao respirar pela boca, temos mais chance de trazer impurezas. Por isso devemos respirar pelo nariz, que consegue filtrar parte dessas partículas.

O que é

A traquéia é uma parte do aparelho respiratório, localizada no pescoço, que se estende à laringe e aos brônquios. É um tubo de aproximadamente 1,5 cm de diâmetro e 10 cm de comprimento, cujas paredes são reforçadas por anéis cartilaginosos. Podem-se sentir os reforços cartilaginosos da traquéia tocando com os dedos a região anterior da garganta, logo abaixo do pomo-de-adão.

Na região superior do peito a traquéia se bifurca, dando origem aos brônquios. Estes são dois tubos curtos, também reforçados por anéis de cartilagem, que conduzem o ar aos pulmões.

Tanto a traquéia quanto os brônquios são internamente revestidos por um epitélio ciliado, rica em células produtoras de muco. Partículas de poeira e bactérias em suspensão no ar inalado aderem ao muco, sendo "varridas" em direção à garganta graças ao batimento dos cílios. Ao chegar à faringe, o muco e as partículas aderidas são engolidas com a saliva.

Características 

É um tubo formado por 15 a 20 anéis cartilaginosos. A traquéia é revestida internamente por uma mucosa, ou seja, um tecido que produz muco. No caso da traquéia, esse mudo e o catarro retém as impurezas do ar que são eliminadas pelos cílios, dotados de movimentos existentes na célula da traquéia. Esse movimento conduz o muco para cima, até a faringe.

Fonte: www.webciencia.com

Traqueia

Localização

A traquéia é um tubo flexível, cartilaginoso e membranoso que se estende da laringe, para abaixo através da cavidade mediastinal superior, até o mediastino médio. Ela bifurca imediatamente atrás da base do coração, no nível da quinta vértebra torácica, gerando os brônquios principais direito e esquerdo.

A traquéia é essencialmente uma estrutura mediana; entretanto, próximo à sua carina de bifurcação, ela é empurrada para o lado pelo cajado da aorta.

No pescoço, a traquéia está circundada pela fáscia cervical profunda; no tórax, ela é circundada pela fáscia mediastinal.

A parede da traquéia é formada por quatro lâminas principais.

De dentro para fora, elas são:

1. A lâmina mucosa
2. A lâmina submucosa
3. A lâmina musculocartilaginosa
4. A lâmina adventícia

A mucosa forma numerosas pregas longitudinais baixas. Ela é revestida por um epitélio pseudo-estratificado cilíndrico ciliado que contém numerosas células caliciformes e repousa em uma membrana basal. Os cílios do epitélio batem e movimentam as secreções mucosas e as partículas de matérias estranhas no sentido da laringe.

A submucosa é rica em fibras elásticas e também em pequenas glândulas tubulares seromucosas (glândulas traqueais) que se abrem no lúmem do tubo.

A lâmina musculocartilaginosa é composta das placas cartilaginosas, tecido fibroelástico e pelo músculo traqueal. As placas cartilaginosas são compostas de cartilagem hialina circundada pelo pericôndrio. Nos idosos, as placas podem tornar-se calcificadas e ossificadas.

As placas cartilaginosas são dobradas de modo que elas possuem grosseiramente o formato de ferradura com abertura orientada para trás. A abertura dorsal de cada placa cartilaginosa é preenchida por tecido conjuntivo e pelo músculo traqueal, que é composto de fibras musculares lisas dispostas de modo circular.

Embora a maioria das placas esteja separada uma da outra, este nem sempre é o caso, e é possível encontrar placas adjacentes fundidas. A adventícia é uma lâmina de tecido conjuntivo que se une à lâmina musculocartilaginosa e com o tecido conjuntivo que circunda a traquéia.

A traquéia possui determinadas exigências que foram muito sutilmente satisfeitas em sua estrutura:

1. A traquéia tem que funcionar como um tubo rígido ou entraria em colapso quando os pulmões se expandissem; a rigidez é suprida pelas placas cartilaginosas.

2. A traquéia tem que ser capaz de expansão para que possa acomodar qualquer aumento de volume do ar que passa para os pulmões.

A traquéia é capaz desta expansão porque:

a) a cartilagem hialina possui uma determinada flexibilidade inerente
b) as placas cartilaginosas são incompletas dorsalmente
c) a túnica mucosa forma pregas longitudinais
d) há considerável quantidade de tecido elástico na submucosa.

3. A traquéia tem que capturar e remover as partículas finas de matéria estranha admitidas com o ar inspirado. As partículas são capturadas no muco pegajoso secretado pelas glândulas traqueais e células caliciformes e depois removidas pela ação do batimento dos cílios.

4. Toda a traquéia precisa ser tanto flexível (dobrar sobre si mesma) quanto extensível (tornar-se mais comprida) para dar margem para os movimentos da cabeça o do pescoço e da laringe. A flexibilidade é conseguida porque a cartilagem que fornece a rigidez está presente na forma de placas mantidas juntas por ligamentos fibroelásticos, ao invés de na forma de uma lâmina contínua, deste modo permitindo o dobramento do tubo. Esta disposição das placas cartilaginosas ligadas por ligamentos fibroelásticos também permite que o tubo seja estendido pelo esticamento dos ligamentos.

Inervação da traquéia

A traquéia é inervada pelo sistema nervoso autônomo. O nervo vago emite fibras parassimpáticas tanto diretamente como por meio dos nervos faríngeos recorrentes. Estas fibras entram em sinapse na parede da traquéia e as fibras pós-ganglionares são distribuídas para o músculo liso e para as glândulas.

Sua função é a de causar vasoconstricção do músculo e inibir a secreção das glândulas.

As fibras do tronco simpático e do gânglio cervical médio também passam para a parede da traquéia. Sua função é oposta à das fibras parassimpáticas, ou seja, produz relaxamento do músculo liso e induz a secreção pelas glândulas presentes em suas paredes.

Os impulsos das terminações sensoriais situadas na mucosa são levadas por fibras que se unem ao nervo vago. A estimulação dessas terminações causa dor e tosse e, se extrema, poderá interferir com a respiração.

A carina da traquéia

A traquéia bifurca-se nos brônquios principais direito e esquerdo do nível da quinta costela ou do quinto espaço intercostal. A bifurcação movimenta-se para frente e para baixo durante a inspiração e para trás e para cima durante a expiração.

A carina é sustentada pela cartilagem da carina. Se a carina não possuir sustentação cartilaginosa, é chamada carina membranosa, que pode ser sede de obstruções dinâmicas.

O músculo traqueal também contribui para a sustentação da carina, porque algumas de suas fibras (que estão associadas com as duas ou três cartilagens traqueais distais) convergem no sentido da carina na forma de uma faixa.

O brônquio principal direito surge da traquéia a um ângulo mais oblíquo que o esquerdo. O ângulo formado entre brônquios é denominado ângulo de bifurcação.

O ângulo de bifurcação está aumentado quando o átrio esquerdo aumenta de tamanho (estenose ou insuficiência mitral). Isso pode ser observado em radiografias de tórax.

Fonte: fisiopatologiaplicad.tripod.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal