Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia da Mata Atlântica  Voltar

Dia da Mata Atlântica

 

27 de Maio

Dia da Mata Atlântica

A Mata Atlântica é uma região de clima tropical e subtropical úmido da floresta, que se estende ao longo da costa atlântica do Brasil a partir de Rio Grande do Norte, no norte do estado ao Rio Grande do Sul, e no interior, tanto quanto o Paraguai e a província de Misiones da Argentina. A Mata Atlântica é caracterizada por uma alta diversidade de espécies e endemismo. Foi o primeiro ambiente que os conquistadores portugueses encontraram mais de 500 anos atrás, quando ele foi pensado para ter uma área de 1.000.000 para 1,5 milhões km 2 e uma distância desconhecida interior.

Atualmente, a Mata Atlântica se estende por 4.000 km 2 ao longo da costa do Brasil e em uma pequena parte do Paraguai e Argentina. Na Argentina, sabe-se como Selva Atlântica.

A Mata Atlântica é agora designada uma Reserva Mundial da Biosfera, que contém um grande número de espécies ameaçadas de extinção.

A enorme biodiversidade dos resultados de Mata Atlântica, em parte é devido a suas variações de altitude, com seus diversos regimes climáticos, bem como a história geológica e climática da região.

A Mata Atlântica é isolada e vizinha de grandes florestas da América do Sul: A Amazônia e a Mata da Região Andina.

Biodiversidade

A Mata Atlântica permanece extraordinariamente exuberante em espécies da biodiversidade e endêmicas, muitas das quais estão ameaçadas de extinção. Cerca de 40 por cento de suas plantas vasculares e até 60 por cento de seus vertebrados são endêmicas espécies, ou seja, eles não são encontrados em nenhum outro lugar do mundo.

A lista de espécies ameaçadas do Brasil contém mais de 140 espécies de mamíferos terrestres encontrados na Mata Atlântica. No Paraguai existem 35 espécies listadas como ameaçadas, e 22 espécies estão listadas como ameaçadas na parte interior da Mata Atlântica da Argentina. Cerca de 250 espécies de anfíbios, aves e mamíferos foram extintos devido ao resultado da atividade humana nos últimos 400 anos. Mais de 11 mil espécies de plantas e animais estão ameaçadas hoje na Mata Atlântica. Mais de 52% das espécies de árvores e 92% dos anfíbios são endêmicas para esta área. A floresta abriga cerca de 20.000 espécies de plantas, com cerca de 450 espécies de árvores a ser encontrados em apenas um hectare em algumas ocasiões. Novas espécies estão continuamente a ser encontrado na Mata Atlântica. De fato, entre 1990 e 2006 mais de mil plantas floridas foram descobertas.

O impacto humano

Fragmentação da Mata Atlântica
A fragmentação da Mata Atlântica

Desmatamento da Mata Atlântica no Rio de Janeiro
O desmatamento da Mata Atlântica no Rio de Janeiro

Infelizmente, a Mata Atlântica vem enfrentando ameaças induzidas pelo homem ao longo de décadas. Cerca de 70% dos 190 milhões de brasileiros vivem ao longo da costa do Atlântico. A incorporação das modernas sociedades humanas e suas necessidades de recursos florestais reduziu muito o tamanho da Mata Atlântica, o que resultou no empobrecimento espécies. Quase 88% do habitat da floresta original foi perdido e substituído por humanos modificados paisagens incluindo pastagens, culturas agrícolas e áreas urbanas. Este desmatamento continua a uma taxa anual de 0,5% e até 2,9% em áreas urbanas.

Agricultura

Uma parte importante do uso da terra humana na Mata Atlântica é para a agricultura. As culturas incluem cana de açúcar, café, chá, tabaco e, mais recentemente, soja e biocombustíveis.
Pasto: Ainda mais comum do que o uso de terras para a agricultura é a conversão de floresta em pastagens para gado. Isto é comumente feito por método de corte e queima o que aumenta a chance de floresta induzidas pelo homem em chamas.

Caça

Espécie em uma floresta fragmentada são mais suscetíveis ao declínio no tamanho da população, porque eles estão em uma área restrita que é mais acessível aos caçadores. Animais de maior porte fazem o maior percentual de biomassa. Isso resulta em uma mudança de interações entre espécies, como a dispersão de sementes e competição por recursos.

Grandes quantidades de lixo orgânico e entulho resultam em um aumento da vulnerabilidade das florestas aos incêndios. Além disso, as estradas criam acessibilidade para os seres humanos, e, portanto, diminui a quantidade de floresta natural.

Fogo

A atividade humana, tais como a exploração madeireira provoca um aumento nos escombros pelo chão da floresta que faz com que a Mata Atlântica fique mais suscetível a incêndios. Este é um tipo de floresta que não está acostumado a atividade do fogo regular, portanto, incêndios induzidos afetam drasticamente o sub-bosque, pois as plantas não têm adaptações de fogo. Em resultado, a floresta se torna ainda mais vulneráveis a incêndios secundárias, que são muito mais destrutivo e mata muito mais espécies, incluindo árvores de grande porte.

Resultados da atividade humana

Fragmentação do habitat leva a uma cascata de alterações da paisagem florestal original. Por exemplo, a extensão de distúrbios humanos, incluindo a destruição do habitat, na Mata Atlântica levou a uma crise de extinção. Em um estudo dos fragmentos de Mata Atlântica, a biomassa foi reduzida para 60% em parcelas inferiores a 25 hectares.

Com muitos vertebrados dispersores de sementes chave em extinção, prevê-se que muitas espécies regionais, frutíferas na Mata Atlântica será extinto devido a falha de recrutamento de plântulas e recolonização. Com todas estas espécies já ameaçadas, prevê-se que, com a persistência de taxas de desmatamento atuais da Mata Atlântica vai ver extinção de espécies continuou.

Conservação e organizações não-governamentais

Devido a grande diversidade da Mata Atlântica de plantas e animais endêmicos, bem como a fragmentação afetando essas espécies, muitos grupos e organizações estão a trabalhar para a restauração deste único ecossistema. Organizações Não-Governamentais (ONG) são benfeitores enormes no Brasil, a concessão de financiamento bem como de ajuda profissional para a Mata Atlântica, devido ao movimento ambientalista brasileiro. Uma organização, chamada BirdLife International , está usando suas pesquisas para preservação da biodiversidade de aves da área por trabalhando principalmente com as pessoas para a sustentabilidade no uso dos recursos naturais.

Algumas organizações estão a receber subsídios do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF), se cumprir suas instruções.

Estes incluem:

• Programa de proteção a espécies
• O Programa de Apoio a Reservas Particulares do Patrimônio Natural
• O Programa de Fortalecimento Institucional

Outra estratégia a ser implementada para manter a biodiversidade dentro da Mata Atlântica é a criação de corredores de fauna. O Banco Mundial está doando US $ 44 milhões para criar um corredor, que será conhecido como o Corredor de Biodiversidade Central , na Mata Atlântica e uma na Amazônia. O Banco Nacional de Desenvolvimento tem vindo a financiar, com os não-reembolsáveis empréstimos, 16 para 18 projetos de ecossistemas de restauração total de 3.500 hectares e custando aproximadamente US $ 22 milhões de acordo com a chamada Iniciativa BNDES Mata Atlântica. A fim de preservar a diversidade, o estado de São Paulo criou a Restinga de Bertioga Parque Estadual , um 9.300 hectares Park, que é também serve como um corredor de vida selvagem ligando as regiões costeiras a Serra do Mar serra. Algumas organizações, como a The Nature Conservancy , está planejando para restaurar partes da floresta que foram perdidos e construir corredores que são compatíveis com os estilos de vida dos povos nativos.

O Pacto pela Restauração da Mata Atlântica reuniu mais de 100 empresas, não-governamentais e organizações governamentais em torno do objetivo de ter 15 milhões de hectares do ecossistema original restaurado em 2050.

Mata Atlântica no Paraná
Mata Atlântica no Paraná

Bibliografia

1. ^ Dafonseca, G. 1985. A Fuga da Mata Atlântica brasileira. Biological Conservation 34:17-34.
2. ^ Por, Francis Dov. 1992. Sooretama: a Mata Atlântica do Brasil. Haia: SPB Pub Acadêmico.
3. ^ um b c d e Thomas, William Wayt, e Elizabeth G. Britton. 2008. A Mata Atlântica costeira do Nordeste do Brasil. Bronx, NY: The New York Botanical Garden Press.
4. ^ um b c d e f g Galindo Leal, Carlos, e Ibsen de Gusmão Câmara. 2003. A Mata Atlântica da América do Sul: a biodiversidade status, ameaças e perspectivas. Washington: Island Press.
5. ^ um b c d Tabarelli, Marcelo, Antonio Venceslau Aguiar, Milton Cezar Ribeiro, Jean Paul Metzger, e Carlos A. Peres. "Perspectivas para Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica: Lições de envelhecimento humano modificados Paisagens". Biological Conservation 143,10 (2010): 2328-340.
6. ^ World Wildlife Fund: Mata Atlântica . Fundo Mundial para a Vida Selvagem. 29 de novembro de 2011.
7. ^ Reaka-Kudla, Marjorie L, Don E. Wilson, e Edward O. Wilson. Biodiversidade II: Compreensão e Protegendo nossos recursos biológicos. Washington, DC: Joseph Henry Press, 1997.
8. ^ Pontes, A., A. Malta, e P. Asfora. 2006. Uma nova espécie de macaco-prego, gênero Cebus Erxleben (Cebidae, Primates): encontrados à beira da extinção no Centro de Endemismo Pernambuco. Zootaxa :1-12.
9. ^ Cassano, C., M. Kierulff, e A. Chiarello. 2011. O agroflorestas de cacau da Mata Atlântica brasileira como habitat para o perigo guará preguiça Bradypus torquatus . Biologia dos mamíferos 76:243-250.
10. ^ Tabarelli, Marcelo, José Maria Cardoso da Silva, e Claude Gascon. "Fragmentação Florestal, sinergias e do empobrecimento das florestas neotropicais." Biodiversidade e Conservação 13,7 (2004): 1419-425.
11. ^ um b IIzquierdo, Andrea E., D. Carlos De Angelo, e T. Aide Mitchell. "Trinta Anos de Demografia Humanos e Uso da Terra Mudança na Mata Atlântica de Misiones, na Argentina:. Uma avaliação do Modelo de Transição Floresta" Ecologia e Sociedade de 13,2 (2008): n. pag.
12. ^ um b c Laurance, William F., e Diana C. Useche. "Sinergismos ambientais e extinções de espécies tropicais." Biologia da Conservação 23,6 (2009): 1427-437.
13. ^ um b Brooks, Thomas M., Mittermeier, Russell A., Mittermeier, Cristina G., Da Fonseca, Gustavo AB, Konstant, William R., Flick, Penny, Peregrino, John, Oldfield, Sara, Magin, Georgina, Hilton -Taylor, Craig. "A perda de habitat e extinção nos hotspots de biodiversidade". Perdida de Hábitat y en Extinciones Áreas criticas para la Biodiversidad 16,4 (2002).
14. ^ Patterson, BD & W. Atmar. "Analisando a composição de espécies em fragmentos." Bonner Zoologische Monographen 46 (2000): pp. 9-24.
15. ^ um b Putz, J. Groeneveld, LF Alves, JP Metzger, A. Huth. "Fragmentação impulsiona fragmentos florestais tropicais para início estados de sucessão: Um estudo de modelagem para as florestas Atlântica do Brasil." Modelagem Ecológica, 222. 12 (2011), pp 1986-1997.
16. ^ um b c d Hotspots de Biodiversidade - Mata Atlântica - Acção de Conservação . Hotspots de biodiversidade - casa. 03 de outubro de 2011.
17. ^ Iniciativa BNDES Mata Atlântica
18. ^ São Paulo Expande Atlântico Cobertura Proteção Florestal . WWF Brasil. 03 de outubro de 2011.
19. ^ Sobre a Mata Atlântica no Brasil . The Nature Conservancy | Proteger a natureza, preservando a vida. 03 de outubro de 2011.
20. ^ Pacto pela Restauração da Mata Atlântica

Fonte: en.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal