Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Diamantes - Página 5  Voltar

Diamantes

Classificação da Pureza

A lente usada na classificação de um diamante é uma lente de 10X, podendo ser de mão ou um microscópio. Qualquer inclusão que não possa ser enxergada com uma lupa de 10X não "existe" para efeitos de classificação.

A escala de pureza está em inglês, pois foi padronizado pelos americanos:

IF * VVS1 * VVS2 * VS1 * VS2
* SI1 * SI2 * SI3 * I1 * I2 * I3

Quanto mais puro um diamante for, mais ele valerá. "O diamante em questão será considerado sem imperfeições visíveis com uma lupa de 10 aumentos".

IF- Internally Flawless - Internamente puro (e externamente, também)

É a classificação mais alta dada a uma pedra.

VVS1 e VVS2 - Very very slightly included (Inclusões muito, muito leves)

Uma inclusão VVS é muito difícil de ser detectada com uma lupa de 10X, mesmo por um examinador experiente.

VS1 e VS2 - Very slightly included (Inclusões muito leves) Uma inclusão VVS é difícil de ser detectada com uma lupa de 10X, mesmo por um examinador experiente.

Diamante

VS1 e VS2

SI1, SI2 e SI3 - Slightly included (Inclusões leves)

A maioria das pedras compradas hoje são desse grupo. Uma inclusão SI é facilmente detectada com a ajuda de uma lupa de 10X.

SI1 - Uma inclusão SI1 é facilmente detectada com a ajuda de uma lupa de 10X, mas não pode ser vista a olho nu.

Diamante

SI1

SI2 - Uma inclusão SI é facilmente detectada com a ajuda de uma lupa de 10X. Raramente pode ser vista a olho nu.

Diamante

SI2

SI3 - Uma inclusão SI é facilmente detectada com a ajuda de uma lupa de 10X. Na maioria dos casos (pedras acima de 0,75 cts), pode ser vista a olho nu.

Diamante

I1, I2 e I3 - Imperfect (Imperfeitos, defeituosos)

 

Esse é o último grupo na escala de classificação de diamantes:

I1- Uma inclusão I1 pode ser vista a olho nu, mas ainda é agradável aos olhos. A inclusão não é grande o suficiente para tirar o brilho da pedra.

Diamante

I1

 

I2 - Uma inclusão I2 pode pegar uma porção substancial da pedra podendo ser facilmente vista a olho nu.

I3 - Uma inclusão I3 está muito próxima de ser considerada uma pedra de "rejeito" isso significa que uma porção tão grande da pedra tem defeito que ela perde todo seu brilho ficando apagada, perdendo toda "vida".

Qualquer pedra abaixo de I3 seria considerada para uso industrial do diamante.

Diamantes Coloridos

Diamante

Pode parecer difícil de acreditar mas um diamante de apenas 0,95 quilates (menos de 1 quilate) atingiu, num leilão em Nova York, a bagatela de US$ 926.000,00 por quilate! Por que tanto?

Ele tem uma das cores mais raras do mundo para um diamante. Sua cor foi classificada pelo GIA - Gemological Institute of America - como: "Fancy purplish-red" que seria algo como: "Vermelho-púrpuro fantasia".

É seguro dizer que se uma outra pedra como essa fosse encontrada nos 90 milhões de quilates produzidos naquele ano seria um milagre! Se essa pequena pedra fosse um rubi ela jamais atingiria nem uma fração desse preço, não importando quão raro ou importante fosse.

Esses diamantes especiais são chamados de "Fancy color diamonds" e dependendo de sua raridade de ocorrência atingem preços exorbitantes, como o caso descrito acima. Eles aparecem em todas as cores do arco-íris podendo ser: Azul, vermelho, amarelo, marrom, verde, rosa etc.

O mais incrível é que até há uns 15 anos atrás ninguém se importava com essas cores diferentes a menos que fossem de um tamanho maior. Essas gemas se mantinham como coleção especial de alguns privilegiados como Harry Winston, famoso dealer de Nova Iorque, era um segredo do comércio muito bem guardado. Os dealers que ainda não tinham consciência do valor dessas raridades deixavam-nas em cima de suas mesas entre pinças e lupas para serem exibidas de vez em quando a um colega como curiosidade.

Diamante

 

Um lapidário belga acumulou cerca de 134 diamantes coloridos escolhidos pesando por volta de 100 quilates durante um período de 30 anos. Resolveu um dia vender essa coleção acumulando mais US$ 3.000.000,00 para sua aposentadoria, coisa que ele nunca havia imaginado durante sua carreira profissional. Hoje, diamantes coloridos são as vedetes das joalherias e dos leilões, são como obras de arte de pintores impressionistas e Fabergé Eggs.

Yellow Diamonds

Diamante
Diamante Kahn amarelo, encontrado em 1977. Hillary Clinton usou a pedra colocada em um colar para a posse do Governo em 1979. Ela o reutilizou como um anel em 1993.

Nos diamantes amarelos o elemento químico que determina a cor é o nitrogênio.

É importante salientar que diamantes que tenham apenas um leve toque de amarelo não pode ser chamado de "fancy yellow" ou mesmo "yellow", esses diamantes entram em outra categoria.

Diamante Kahn amarelo, encontrado em 1977. Hillary Clinton usou a pedra colocada em um colar para a posse do Governo em 1979. Ela o reutilizou como um anel em 1993.

Red Diamonds

Diamante

A mais rara das cores. Em 30 anos de certificações no GIA não há menção de um "diamante puro vermelho"! Aquele de 0,95 ct. vendido em Nova Iorque tinha várias inclusões.

O que determina a cor em diamantes vermelhos é a deformação plástica, um capricho da natureza.

Pink Diamonds

Os diamantes chamados "pink" tem como fator determinante de cor também por deformação plástica. Nos últimos três anos a procura por diamantes rosa cresceu vertiginosamente.

Blue Diamonds

Diamante

Nos diamantes de cor azul o fator determinante dessa cor é a presença de boro em sua estrutura. Pode variar do mais claro azul até azul escuro. Alguns são misturados com cinza, o que deprecia o valor da pedra.

Black Diamonds

Nos chamados diamantes negros na verdade não são negros mas sim permeados com fissuras contendo material negro (em sua maioria sulfato) então ficando opacos. Pedras translúcidas ou semitransparentes são raras.

Brown Diamonds

Diamante

Os diamantes marrons são da mesma "família" das pedras rosas e vermelhas, pode parecer estranho mas as mesmas características de estrutura que determinam essas cores são encontradas nos diamantes marrons.

O Brasil e a Austrália são os maiores produtores dessa cor de diamantes.

Os "brown diamonds" são conhecidos por outros nomes como: Champanhe* e Conhaque*.

É importante não confundir "fancy brown" com o comum e portanto de menor valor, Top Light Brown, Light Brown etc. Para ter maior valor tem que ser "Fancy Brown" ou seja tem que ter em sua classificação de cor a palavra "fancy".

A propósito, ficam lindas as jóias com diamantes "fancy brown".

*Champanhe e Conhaque são marcas registradas da Argyle Diamonds.

Diamantes em Bruto

Diamante
"Pedra na pedra", após milhões de anos...

Cada diamante é único. Como uma impressão digital, não há dois idênticos.

Você conhece alguém que tenha um diamante em bruto?

O diamante é sinônimo de poder, riqueza, segurança e beleza.

Quando você segura um diamante, seja ele em bruto ou lapidado numa jóia, você está literalmente segurando um pedaço de história geológica em sua mão. A mais jovem rocha vulcânica na qual os diamantes são trazidos para a superfície da terra tem por volta de 70 milhões de anos!

Quando um diamante é encontrado ele passa por vários processos até que ele se torne o produto finalizado como estamos acostumados a vê-los, o diamante lapidado.

O primeiro passo na lapidação de um diamante é entregá-lo a um clivador ou serrador.

Ambos, essencialmente, fazem o mesmo serviço: cortar ou clivar o diamante em dois pedaços para determinar o melhor aproveitamento da pedra. Que forma deverá ter? Redondo, gota, navete ou o quê? A diferença que indica se uma pedra deve ir para um clivador ou serrador está no que é chamado fator de tensão da pedra. Serrar é um longo e demorado processo. A clivagem é feita através de uma "batida" precisa em cima de uma lâmina sobre a pedra e leva alguns segundos para concluir-se. Portanto antes de se clivar ou serrar a pedra deve ser "marcada" por um especialista que examina e determina se ela deve ser clivada ou serrada. Depois de ser clivado ou serrado, o diamante passa por uma série de lapidários, cada um na sua especialidade. Há o "bloqueador" - que dá o formato que a pedra terá.

Depois há os "abrilhantadores" - que estão subdivididos em duas categorias: o que faz a parte de cima e o que faz a parte de baixo. O que faz "em cima", faz a mesa e as facetas acima da cintura, o que faz "em baixo" faz o pavilhão.(veja figura) Finalmente a pedra vai para o lapidário que faz a "cintura".

Diamante

De maneira geral, pedras redondas produzem menos de 50% do diamante bruto. Por exemplo uma pedra de 2 quilates vai produzir menos de 1 quilate lapidado.

Gota ou Baguete produzem em torno de 50% a 60% do bruto.

A "febre"

Diamantes já ornamentaram reis, inspiraram poetas, deslumbraram estrelas de cinema, trouxeram morte a famosos e não famosos, a eles foi até mesmo atribuído poder de cura sobre doenças. Jahan Shah, construtor do Taj Mahal, ostentava um diamante de 88 quilates em sua coroação em 1628.

A compulsão por ter o melhor sobrevive no mundo de hoje. Consideremos, por exemplo, a febre do leilão. Só em 1988, nove diamantes vendidos tanto na Sotheby's como na Christie's em Nova Iorque, atingiram preços que variavam de US$ 185.200,00 a US$ 926.315,00 por quilate!

Levemos em consideração também o fato de os americanos terem gasto quase US$ 12 bilhões em jóias com diamantes no ano passado. Sendo 30% mais do que eles gastaram com artigos de beleza e seis vezes mais do que gastaram com casacos de pele. Eles dizem "Eu te amo" com anéis de noivado. Eles dizem "Eu te amo mais do que nunca" com alianças de brilhantes, comemoram aniversários, Natal e momentos especiais com braceletes, colares, anéis e pingentes cheios de diamantes.

Diamantes Industriais

Diamante

Todas as minas de diamantes, com exceção de algumas na Namíbia, produzem mais diamantes industriais do que gemológicos (aqueles usados em jóias).

São vários os usos para os diamantes industriais: perfuração de poços de petróleo, preparar estradas (Estados Unidos, Japão e Europa), nas brocas usadas por dentistas para furar dentes, ferramentas de corte, bisturis usados na medicina, principalmente na induústria oftalmológica que exige muita precisão no corte e muitas mais.

Outra qualidade encontrada nos diamantes é que eles são perfeitos para gerenciamento high-tech de calor. Nada transmite calor tão rápido e tão bem quanto o diamante, e também é estável em temperaturas de aproximadamente 800 graus Celsius. Os engenheiros produziram termômetros de diamantes para trabalhar com precisão em temperaturas muito baixas para operar em satélites-telescópios medindo a quase indetectável quantidade de calor gerado por estrelas individuais.

Com os componentes eletrônicos tornando-se cada vez menores em tamanho e maiores em poder, tornou-se prioridade tirar o calor das partes sensíveis, através de minúsculos diamantes pode-se manter os componentes frios, eles absorvem todo o calor.

Diamante

Os diamantes industriais são necessários para quase tudo que fazemos, de uma forma ou de outra eles estão presentes, seja usando seu automóvel (gasolina, que vem do petróleo, cujos poços são perfurados com diamantes) ou em sua residência ou escritório, sem dúvida nenhuma vários diamantes foram usados para facilitar a construção.

Fonte: www.diamantes.com.br

 

 
voltar 123456789avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal